PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Relações Internacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Relações Internacionais"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Relações Internacionais A IMPORTÂCIA DOS REGIMES INTERNACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA: a UNESCO e o Plano Nacional de Educação de 2001 Carolina Senra Nogueira da Silva Belo Horizonte 2011

2 Carolina Senra Nogueira da Silva PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS A IMPORTÂCIA DOS REGIMES INTERNACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA: a UNESCO e o Plano Nacional de Educação de 2001 Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Linha de Pesquisa: Desenvolvimento e desigualdades internacionais. Orientador: Prof. Dr. Otávio Soares Dulci Belo Horizonte 2011

3 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais S586i Silva, Carolina Senra Nogueira da A importâcia dos regimes internacionais para a educação brasileira: a UNESCO e o Plano Nacional de Educação de 2001/ Carolina Senra Nogueira da Silva. Belo Horizonte, f. : il. Orientador: Otávio Soares Dulci Dissertação (Mestrado) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais. 1. Educação internacional. 2. Plano Nacional de Educação (Brasil). 3. UNESCO. I. Dulci, Otávio Soares. II. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais. III. Título. CDU:

4 Carolina Senra Nogueira da Silva A IMPORTÂCIA DOS REGIMES INTERNACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA: a UNESCO e o Plano Nacional de Educação de 2001 Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Relações Internacionais. Professor Doutor Otávio Soares Dulci (ORIENTADOR) PUC Minas Professor Doutor Cristiano Garcia Mendes (COORIENTADOR) PUC Minas Professora Doutora Lusia Ribeiro Pereira (PROFESSOR EXTERNO) PUC Minas Professora Doutora Matilde de Souza (SUPLENTE) PUC Minas Belo Horizonte, 28 de fevereiro de 2011.

5 A Deus, força criadora de toda vitória e de toda uma vida; à minha querida família, ao meu único e incansável Márcio, pelo carinho, força, conhecimento e amor incondicionais; ao meu professor, Doutor Otávio Soares Dulci; e a todos aqueles que acreditam, assim como Khalil Gibran que afirmou: a sabedoria é a única riqueza que os tiranos não podem expropriar e a simplicidade é o último degrau da sabedoria.

6 AGRADECIMENTOS A Deus, por tornar possível e concreta a vida, bem maior. A Ele, toda a glória! Aos meus pais, Martha e João Carlos, pelo amor incondicional e pela vida, pelos exemplos e pelas advertências, muitas vezes mal compreendidas, todavia estrategicamente direcionadas: a formação de uma pessoa cada vez melhor. Ao meu querido Márcio Eduardo, exemplo de amor e dedicação ao conhecimento; agradeço imensamente pelo imensurável amor, carinho e dedicação em todos os momentos, sendo, ainda, meu maior e único incentivador, a quem dedico todas as páginas desse trabalho, assim como todas as páginas da minha vida. Aos meus irmãos João Carlos e Bernardo, frutos de um mesmo ventre. A família Pedrosa Morais, por me acolher de maneira tão afetuosa. À minha querida e pequena Lilica, companheira de muitos momentos de alegria e brincadeiras. Ao meu Orientador, Professor Doutor Otávio Soares Dulci, quem não apenas me ajudou neste estudo, mas em todo o curso. Não foi apenas um orientador, mas um grande amigo, paciente, competente e dedicado. A Professora Doutora Lusia Ribeiro Pereira, pela importante presença na banca, engrandecendo-a. Aos meus professores, por me ensinarem que o conhecimento é o caminho e que realmente ele pode mudar uma história. Especialmente aos professores Doutores Cristiano Garcia Mendes, Matilde de Souza, e a todos os outros docentes do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Relações Internacionais da Pontifica Universidade Católica de Minas Gerais, pela missão árdua, todavia, bela, de ensinar. Aos funcionários, colegas e amigos da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. A todos que, mesmo sem saberem, ajudaram-me na concretização de mais esta fase (ainda inicial) da minha caminhada acadêmica.

7 A aprendizagem é a nossa própria vida, desde a juventude até a velhice, de fato quase até a morte; ninguém passa dez horas sem nada aprender. Paracelso

8 RESUMO Objetiva-se analisar, por intermédio do presente trabalho, o tema A IMPORTÂCIA DOS REGIMES INTERNACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA: a UNESCO e o Plano Nacional de Educação de Tal estudo iniciar-se-á com uma abordagem histórica acerca dos conceitos de educação e de cidadania, discorrendo acerca da importância da educação na consolidação da cidadania. Após esse estudo, analisar-se-á a educação no Brasil contemporâneo, tendo-se como referencial a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 CRFB/88, tendo-se em vista ser a educação um direito fundamental do indivíduo. No que se refere às bases da educação brasileira contemporânea, é importante salientar terem sido as mesmas instituídas por intermédio da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a qual originou o Plano Nacional de Educação de Assim, após um breve ensaio histórico acerca da educação brasileira, abordar-se-á o conceito de Regimes Internacionais e a questão da efetividade para então se verificar a efetividade da UNESCO com relação à Declaração de Dakar e assim entender os resultados do Plano Nacional de Educação de Palavras-chave: Brasil. Declaração de Dakar. Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Educação. Plano Nacional de Educação. Regimes Internacionais. UNESCO.

9 ABSTRACT It aims to examine, through the present work, the theme THE IMPORTANCE OF INTERNATIONAL REGIMES FOR BRAZILIAN EDUCATION: the UNESCO and the National Education Plan of This study will begin with a historical overview about the concepts of education and citizenship, discussing about the importance of education in the consolidation of citizenship. After this study, will examine education in contemporary Brazil, taking as reference the Constitution of the Federative Republic of Brazil in 1988 CRFB/88, keeping in view that education is a fundamental right of the individual. With regard to the bases of contemporary Brazilian education is important to note they have been instituted through the Law of Directives and Bases of Education, which led the National Education Plan So after a brief historical essay on the Brazilian education, will address the concept of International Regimes and the question of effectiveness so as to verify the effectiveness of UNESCO with respect to the Dakar Declaration and thus to understand the results of the National Education Plan Keywords: Brazil. Dakar Declaration. World Declaration on Education for All. Education. National Education Plan. International Regimes. UNESCO.

10 LISTA DE ABREVIATURAS Abr. Abril Ago. Agosto Dez. Dezembro Ed. Edição Jan. Janeiro Jun. Junho Jul. Julho N. Número Nov. Novembro Org. Organizador Out. Outubro P. Página Rev. Revista Set. Setembro Trad. Tradução V. Volume

11 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Dados da Educação brasileira FIGURA 2 Taxa de Atendimento no Ensino Fundamental FIGURA 3 Matrículas no ensino Fundamental de 9 anos e oferta de EJA entre 2001 e FIGURA 4 Acesso à Educação Infantil FIGURA 5 Salário Médio dos professores (em reais)

12 LISTA DE SIGLAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas CONAE Conferência Nacional de Educação CRFB/88 Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 EJA Educação de jovens e adultos EPT Educação para Todos IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDH Índice de Desenvolvimento Humano INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais MEC Ministério da Educação e da Cultura ONG Organização Não-Governamental ONU Organização das Nações Unidas PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNE Plano Nacional de Educação PUC MG Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais SAEB Sistema de Avaliação da Educação Básica SF Senado Federal UNESCO United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO COMO FATOR DE UNIVERSALIZAÇÃO DA CIDADANIA Por um conceito de educação Por um conceito de cidadania A EDUCAÇÃO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: O LEGADO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA A educação no Brasil-Colônia A educação no Brasil-Império A educação na república brasileira A educação na Constituição de A educação na Constituição de A educação na Constituição de A educação na Constituição de A educação na Constituição de A Constituição brasileira de 1988 e a consagração da educação como um direito fundamental A Nova Lei de Diretrizes e Base para a Educação O Plano Nacional de Educação de POR UMA DEFINIÇÃO DE REGIMES INTERNACIONAIS A interdependência e cooperação Teoria da Estabilidade Hegemônica O que são regimes internacionais Análise crítico-conceitual de regimes internacionais A questão da efetividade dos Regimes Internacionais Neoliberalismo e regimes internacionais Os regimes internacionais e sua efetividade...71

14 5 O REGIME INTERNACIONAL DA EDUCAÇÃO: A UNESCO E A EDUCAÇÃO BRASILEIRA A importância da UNESCO no fomento da educação mundial Breves considerações sobre a UNESCO Diretrizes da Declaração Mundial Sobre Educação Para Todos Diretrizes da Declaração de Dakar A UNESCO e a educação brasileira A situação atual da educação brasileira Os dados referentes à educação brasileira Os resultados do Plano Nacional de Educação de Quanto à efetividade da UNESCO no desenvolvimento da educação mundial CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ANEXO 1 - LEI N.º , DE 9 DE JANEIRO DE ANEXO 2 - DECLARAÇÃO DE DAKAR ANEXO 3 METAS DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

15 12 1 INTRODUÇÃO Objetiva-se por intermédio do presente trabalho discorrer sobre a importância da UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) no desenvolvimento da educação no Brasil, especificamente sobre sua influência no Plano Nacional de Educação de Tal estudo possui relevância tendo em vista ser a educação um dos pilares de sustentação do desenvolvimento de todos os Estados, sendo importante para o progresso social. Neste sentido, a importância da educação na sociedade atual é inegável, uma vez que o grau de conhecimento dos indivíduos afeta diretamente a dinâmica social e econômica de um país. John W. Meyer (1977) analisa a educação considerando-a uma instituição, já que para o mesmo, a educação constitui um mecanismo central no que se refere ao aspecto público de uma pessoa e na organização social, influenciando as mudanças nas vidas dos cidadãos e criando novas competências e capacidades. Nestes termos: Educação é um elemento central na biografia pública dos indivíduos, afetando grandemente as chances em suas vidas. Também é um elemento central na tabela da organização social, construindo competências e ajudando a criar profissões e profissionais. Tal instituição claramente tem um impacto na sociedade sob e sobre as imediatas experiências sociais que oferece aos jovens. (MEYER, 1977, p. 55, tradução nossa). Durante a Segunda Guerra Mundial evidenciou-se a necessidade de se fortalecer o planejamento na área econômica. A educação, desde então, tem-se destacado nas discussões no cenário internacional devido à sua importância para o desenvolvimento social e econômico dos países, como salientado. Haja vista tal relevância, diversos acordos internacionais para o desenvolvimento da educação foram celebrados, o direito à educação tornou-se, em pouco tempo, uma questão não só de diretrizes internas, mas também e, sobretudo internacionais. Marx e Engels (1980) já falavam em uma internacionalização do conhecimento: Em lugar do antigo isolamento de regiões e nações que se bastavam a si próprias, desenvolve-se um intercâmbio universal, uma universal interdependência das nações. E isso se refere tanto à produção material como à produção intelectual. As criações intelectuais de uma nação tornamse propriedade comum de todas. A estreiteza e o exclusivismo nacionais tornam-se cada vez mais impossíveis; das inúmeras literaturas nacionais e

16 13 locais, nasce uma literatura universal. (MARX; ENGELS apud OTRANTO,1980, p.13) Um importante marco histórico para o Brasil no campo da educação, no que se refere à interpolação entre o nacional e internacional, foi sua participação em 1990 em Jomitien, na Tailândia, na elaboração da Declaração e Programa de Ação da Conferência Mundial sobre Educação para Todos, assinando-a logo em seguida. Desde então, o direito à educação passou a ser encarado não só como uma política de governo, mas também e sobretudo, uma política de Estado, com a participação brasileira em várias conferências sobre o tema. Destarte, notar-se-á que as instituições e as normas internacionais são relevantes como também possuem um papel influenciador no cenário internacional. As Organizações Internacionais, apesar de serem criadas pelos seus Estados membros, tem certa autoridade sobre eles, sendo influenciadores da dinâmica internacional. Nestes termos, as Organizações Internacionais não podem ser vistas como um mero produto das vontades dos Estados, dos interesses de seus membros. Elas angariam certa autonomia e são capazes de modificar as expectativas de seus membros e influenciar não somente suas políticas internacionais, mas também no âmbito nacional. É nestes termos, que se analisa, por intermédio do presente trabalho, a participação da UNESCO no incentivo e desenvolvimento da educação brasileira, especificamente no que se refere ao Plano Nacional de Educação, Lei n.º de , Plano este que foi implementado no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. É importante também salientar que este não foi o primeiro plano para educação criado pelo governo federal. A primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, aprovada em 1961, instituiu o primeiro Plano Nacional de Educação. Tal plano não foi proposto na forma de um projeto de lei, mas apenas como uma iniciativa do Ministério da Educação e Cultura, iniciativa essa aprovada pelo então Conselho Federal de Educação. O referido plano consistia basicamente num conjunto de metas quantitativas e qualitativas a serem alcançadas num prazo de oito anos. Em 1965, o mesmo sofreu uma revisão, quando foram introduzidas normas descentralizadoras e estimuladoras 1 Vide anexo1.

17 14 da elaboração de planos estaduais. Em 1966, uma nova revisão, que se chamou Plano Complementar de Educação, introduziu importantes alterações na distribuição dos recursos federais, beneficiando a implantação de ginásios orientados para o trabalho e o atendimento de analfabetos com mais de dez anos. (BRASIL, 2009). Em relação ao histórico do Plano de 2001, diversas entidades foram consultadas para sua elaboração, tendo teoricamente a participação de vários organismos nacionais ligados à educação, como também entidades internacionais como a UNESCO. Nestes termos: Em 11 de fevereiro de 1998, o Poder Executivo enviou ao Congresso Nacional a Mensagem 180/98, relativa ao projeto de lei que "Institui o Plano Nacional de Educação". Iniciou sua tramitação na Câmara dos Deputados como Projeto de Lei n.º 4.173, de 1998, apensado ao PL n.º 4.155/98, em 13 de março de Na Exposição de Motivos destaca o Ministro da Educação a concepção do Plano, que teve como eixos norteadores, do ponto de vista legal, a Constituição Federal de 1988, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 1996, e a Emenda Constitucional n.º 14, de 1995, que instituiu o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério. Considerou ainda realizações anteriores, principalmente o Plano Decenal de Educação para Todos, preparado de acordo com as recomendações da reunião organizada pela UNESCO e realizada em Jomtien, na Tailândia, em Além deste, os documentos resultantes de ampla mobilização regional e nacional que foram apresentados pelo Brasil nas conferências da UNESCO constituíram subsídios igualmente importantes para a preparação do documento. Várias entidades foram consultadas pelo MEC, destacando-se o Conselho Nacional de Secretários de Educação - CONSED e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação - UNDIME. (BRASIL, 2009). Destarte essa nova lei educacional dispõe de vários objetivos e metas que seriam alcançados em um prazo de dez anos, período de validade do plano. Ou seja, uma lei temporária, o que consta expressamente em seu texto, especificamente no seu primeiro artigo, salientando que várias dessas metas e objetivos são decorrentes de metas estipuladas pela UNESCO. Estados e municípios ficaram responsáveis pela elaboração de planos correspondentes aos dispositivos da nova lei, e a comunidade em acompanhar, incentivando uma maior participação da mesma no processo educativo. Com a internacionalização dos direitos humanos, várias questões que anteriormente se limitavam à esfera nacional, foram trazidas para as discussões através de conferências internacionais. Assim, a educação, questão de relevância no que se refere aos direitos fundamentais foi tema importante em diversos debates com o objetivo de pensá-la de forma mais ampla em um contexto internacional.

18 15 Neste sentido, estruturalmente, a dissertação se divide em quatro seções. Na primeira seção será realizada uma abordagem teórica e histórica acerca dos conceitos de educação e de cidadania, tendo-se como foco a importância da educação na consolidação da cidadania. Na seção seguinte será feito um esboço histórico da educação no Estado brasileiro, desde o período colonial à Constituição de Por sua vez, na terceira seção, discorrer-se-á sobre a estrutura e gênese dos regimes internacionais, com o objetivo de tecer elementos para se analisar a importância da UNESCO, tendo-se em vista o fato de a mesma ser um regime internacional, para que, na quarta seção, possa-se analisar a importância da UNESCO no desenvolvimento da educação no Brasil, especificamente sobre sua influência no Plano Nacional de Educação de 2001, que é o objeto do presente trabalho. A princípio, para a efetivação do estudo proposto, serão utilizados vários dados secundários, como uma ampla bibliografia nas áreas de História (principalmente no que ser refere à história da educação no Brasil), Direito (educação como um Direito Humano, Constituições brasileiras) e principalmente de Relações Internacionais (Debate Neo-Neo, interdependência e cooperação, e sobretudo, a respeito de Regimes Internacionais). Além dessas fontes, serão utilizados dados gerais, como documentos oficiais, tanto na esfera nacional (Lei de Diretrizes e Bases para Educação e o Plano Nacional de Educação de 2001) como também internacional (Declaração Mundial Sobre Educação para Todos e Declaração de Dakar). Será necessário, ainda, um levantamento de dados estatísticos junto ao Ministério da Educação e outros órgãos nacionais e internacionais com a finalidade de avaliar os resultados do Plano Nacional de Educação de 2001 como também da educação brasileira em aspecto amplo. Destarte, é através dessa metodologia (utilização de dados gerais, estatísticos e secundários) que objetivar-se-á analisar a importância da educação, seu aspectos históricos e sociais, averiguando-se a satisfatoriedade ou não, no que se refere aos resultados do Plano Nacional de Educação de 2001, relacionando esses resultados com a efetividade ou não da UNESCO no que tange à Declaração de Dakar.

19 16 2 A EDUCAÇÃO COMO FATOR DE UNIVERSALIZAÇÃO DA CIDADANIA Objetiva-se nesta seção abordar a educação como fator de universalização da cidadania. Assim, num primeiro momento, será apresentado um esboço histórico da educação na história da civilização, tendo em vista o seu conceito; em seguida será apresentado o conceito de cidadania, para posteriormente se analisar a relação entre educação e cidadania. 2.1 Por um conceito de educação De acordo com Nicola Abbagnano (2007) denomina-se como educação a: [...] transmissão e o aprendizado das técnicas culturais, que são as técnicas de uso, produção e comportamento, mediante as quais um grupo de homens é capaz de satisfazer suas necessidades, proteger-se contra a hostilidade do ambiente físico e biológico e trabalhar em conjunto, de modo mais ou menos ordenado e pacífico. Como o conjunto dessas técnicas se chama cultura, uma sociedade humana não pode sobreviver se sua cultura não é transmitida de geração para geração; as modalidades ou formas de realizar ou garantir essa transmissão chamam-se educação. (ABBAGNANO, 2007, p. 305). Ainda de acordo com Abbagnano (2007), esse é o conceito generalizado de educação, o qual se tornou indispensável graças à consideração do fenômeno não só nas sociedades chamadas civilizadas, como também nas sociedades primitivas. As formas de educação nesses dois tipos de sociedade não apresentam diferenças de desenvolvimento ou grau (como geralmente se crê), mas de atitude ou orientação. Neste sentido: A sociedade primitiva caracteriza-se pelo fato de que nela a educação visa garantir a imutabilidade das técnicas de que dispõe; por isso tende a atribuir caráter sacro a tais técnicas, o que leva a proibir como sacrílega qualquer inovação ou correção. Uma sociedade civilizada está, acima de tudo, aparelhada para enfrentar situações novas ou em mudança; logo, tende a tornar flexíveis e corrigíveis as técnicas de que dispõe e a confiar à educação a tarefa não só de transmiti-las, mas também de corrigi-las e aperfeiçoá-las. Sem dúvida, essas duas orientações nunca se acham em estado puro: não existem sociedades absolutamente primitivas, que não permitam ainda que sub-repticiamente correções ou modificações lenta em suas técnicas, assim como não existem sociedades absolutamente

20 17 civilizadas que permitam a rápida e incessante correção das técnicas mais delicadas, que não são as técnicas de uso e produção de objetos, mas as que controlam a conduta dos indivíduos e seus comportamentos recíprocos. (ABBAGNANO, 2007, p. 306). Nestes termos, distinguem-se duas formas fundamentais de educação: a que simplesmente se propõe transmitir as técnicas de trabalho e de comportamento que já estão em poder do grupo social e garantir a sua relativa imutabilidade; e a que, através da transmissão das técnicas já em poder da sociedade, se propõe formar nos indivíduos a capacidade de corrigir e aperfeiçoar essas mesmas técnicas. O primeiro conceito de educação, como salientado, é posto em prática pelas sociedades primitivas e também, parcialmente, nas sociedades secundárias, sobretudo no que tange à educação moral e religiosa. (ABBAGNANO, 2007, p. 306). Deste modo, continua Abbagnano (2007) salientando que a educação: Consiste na transmissão pura e simples das técnicas consideradas válidas e na transmissão simultânea da crença no caráter sagrado, portanto imutável, de tais técnicas. Na tradição pedagógica do Ocidente, esse conceito de educação, por motivos óbvios, foi formulado e defendido poucas vezes. [...] Nesse aspecto, a educação é definida não do ponto de vista da sociedade, mas do ponto de vista do indivíduo: a formação do indivíduo, sua cultura, tornam-se o fim da educação. A definição de educação na tradição pedagógica do Ocidente obedece inteiramente a essa exigência. A educação é definida como formação do homem, amadurecimento do indivíduo, consecução da sua forma completa ou perfeita: portanto, como passagem gradual semelhante à de uma planta, mas livre da potência ao ato dessa forma realizada. Esses conceitos repetem-se com tal uniformidade na tradição pedagógica que não chegam a constituir novidade do ponto de vista filosófico. (ABBAGNANO, 2007, p. 306). Assim, é de se salientar que o termo educação não se limita ao científico, ao acadêmico, mas sim a um caminho na busca pelo amadurecimento por intermédio da experiência, por aquilo que é fruto da vida, ou seja, o mesmo está ligado à dignidade do humano, ao respeito, ao desenvolvimento, sendo a educação, nos dizeres de István Mészáros (2008), um processo que deve perdurar por toda a vida de um indivíduo. A palavra educação é normalmente empregada com um sentido amplo, englobando diversos pontos que podem ser distintos, sem ter necessariamente características comuns. Assim, parece normal pensá-la através da influência das coisas sobre o homem e entre os homens. Seguindo essa esteira filosófica, muitos pensadores tentaram definir a palavra educação, moldando e especificando o termo a partir de suas análises e experiências. Este tema sempre foi de constante interesse entre os mesmos, de tal

21 18 forma que se pode facilmente remeter o tema ao filósofo grego Sócrates ( a.c.), que ficou conhecido por exercitar seus ensinamentos em praça pública (ágora), marco divisório da filosofia ocidental e constante interessado na educação como fator de desenvolvimento pessoal e social. Para Sócrates a educação deveria fazer brotar em seus discípulos as virtudes que já estavam dentro de cada um, para isso o mesmo utilizava um procedimento denominado de método maiêutico, que significa técnica de trazer à luz, o qual se dividia em duas fases: ironia e a maiêutica. Num primeiro passo far-se-ia uma contradição aos postulados de um tema (ironia), após isso as ideias eram concebidas, dadas à luz, daí o termo maiêutica, que em grego significa parto, dar à luz. Como cediço, da Grécia surgiram diversos pilares estruturantes da civilização ocidental, dentre eles o setor educacional. Nesse sentido: Situada entre as mais desenvolvidas civilizações da Antiguidade, a Grécia possuía, como suporte deste desenvolvimento, um notável acúmulo de saber, guardado na mente dos homens de sua sociedade. Todo este acúmulo de conhecimentos humanos, que é a base do progresso social, estaria destinado a um rápido desaparecimento se não fosse preservado ao longo dos anos, transmitido de geração em geração, através do processo educacional. (COTRIM; PARISI, 1984, p. 100). Dentro do pensamento grego, outros filósofos também se interessaram pelo tema educação, principalmente Platão ( ou 347 a.c.) e Aristóteles ( a.c.). Para Platão, a educação possuía um papel fundamental na reorganização da sociedade, devendo o governo ser controlado por filósofos, os únicos capazes de solucionar os problemas sociais com sabedoria e justiça, tendo em vista Platão acreditar que somente os mesmos possuíam a visão da verdade. Sócrates e Platão afirmavam que o principal objetivo da atividade educacional era despertar nos indivíduos as ideias que os mesmos já possuíam dentro de si. Contrário a tais postulados, Aristóteles afirmava que nada vinha à mente sem antes ter passado pelos sentidos, ou seja, para o Estagirita 2 nenhum conhecimento seria inato ao homem. Outro pensador que dedicou sua filosofia ao tema foi Georg Wilhelm Friedrich Hegel ( ), o qual desempenhou funções educacionais. Para ele a educação seria expressão da razão, a base da sociedade, defendendo a ideia da 2 Como também é conhecido Aristóteles, tendo em vista ter o mesmo nascido em Estagira na Macedônia.

22 19 centralidade do conteúdo, o qual sendo um direito e uma necessidade torna o homem mais livre e racional, desonerando-se de uma escravatura da ignorância. Outro teórico novecentista que abordou o tema educação foi o filósofo inglês John Stuart Mill ( ), o qual assim a definiu: Tudo aquilo que fazemos por nós mesmos, e tudo aquilo que os outros intentam fazer com o fim de aproximar-nos da perfeição de nossa natureza. Em sua mais larga acepção, compreende mesmo os efeitos indiretos, produzidos sobre o caráter e sobre as faculdades do homem, por coisas e instituições cujo fim próprio é inteiramente outro: pelas leis, formas de governo, pelas artes industriais, ou ainda, por fatos físicos independentes da vontade do homem, tais como o clima, o solo, a posição geográfica. (MILL apud DURKHEIM, 1955, p. 26). Considerando as palavras de Stuart Mill, educação se caracteriza como sendo toda a ação que tem por objetivo último a perfeição. Também para Immanuel Kant ( ), a ideia de perfeição está arraigada ao termo, assim, para ele, o fim da educação seria desenvolver, em cada indivíduo, toda a perfeição de que ele seja capaz. Por sua vez, o historiador e filósofo escocês James Mill ( ) entende a educação como tendo o objetivo de fazer do indivíduo um instrumento de felicidade, para si mesmo e para os seus semelhantes. Com tais considerações, verifica-se que o termo em si e seu objetivo variam quanto ao tempo, ao espaço e a pessoa que o define. O que se caracterizava como sendo uma simples atividade em uma dada época, pode tornar-se uma necessidade em um momento seguinte ou um direito no futuro, já que os objetivos vão sendo modificados ao longo da história. Assim, ao remeter-se à história na intenção de melhor entender o tema, verifica-se que nas cidades gregas e latinas, a educação não era concebida como meio formador de um indivíduo, mas de um ser fruto da coletividade. Na cidade de Atenas, o objetivo era formar um homem sensível e com a capacidade de usufruir daquilo que era belo, como também conferir-lhe o poder da especulação, ou seja, a educação visava ao aprimoramento da razão. Em Esparta a sensibilidade ficava de lado, o que se buscava era a instrução militar dos jovens e até mesmo das crianças, não havia a preocupação de instruí-los no que concerne à arte, as crianças aprendiam que o mais importante era a ação. A educação para os romanos se dirigia à integração do indivíduo à vida social, as virtudes do cidadão eram

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

POLÍTICA EDUCACIONAL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL NO BRASIL: DO PNE AO PDE EM BUSCA DE EQÜIDADE E QUALIDADE

POLÍTICA EDUCACIONAL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL NO BRASIL: DO PNE AO PDE EM BUSCA DE EQÜIDADE E QUALIDADE POLÍTICA EDUCACIONAL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL NO BRASIL: DO PNE AO PDE EM BUSCA DE EQÜIDADE E QUALIDADE SUELI MENEZES PEREIRA Professora Doutora em Educação. Lotada no Departamento de Administração Escolar

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO

EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita No apagar das luzes do século XX, o mundo constata preocupado o quanto os recursos

Leia mais

EDUCAÇÃO DOS NOVE ANOS, CONTEÚDO FORMATIVO E CIDADANIA: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS

EDUCAÇÃO DOS NOVE ANOS, CONTEÚDO FORMATIVO E CIDADANIA: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCAÇÃO DOS NOVE ANOS, CONTEÚDO FORMATIVO E CIDADANIA: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Joselaine Andréia de Godoy Stênico (1) (1) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Campus Rio

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE Autor(a): Ivalda Barbosa do Nascimento Mandú Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email:

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY

CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY CONHECIMENTO E A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA SEGUNDO JOHN DEWEY Nivaldo de Souza Aranda Graduando em Filosofia pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG Profª Maria Aparecida de Souza Silva

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO EDUCAÇÃO EM PRISÕES Refere-se à oferta de educação como direito de jovens e adultos em privação de liberdade, no marco dos direitos humanos, em modalidade de atendimento que considera necessidades específicas

Leia mais

Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro.

Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro. Lei de Bases do Sistema Educativo Lei n.º 49/2005 de 30 de Agosto Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro. Funções da Escola (efeitos intencionais

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS Luiz Claudio Araújo Coelho 1 RESUMO: O presente estudo versa sobre o direito fundamental à educação nas constituições brasileiras. Tem como objetivo promover a

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. Albertino José da Silva 1 Anderson Alves da Silva 2 Faculdade Mauricio de Nassau 1 Universidade Estadual da Paraíba 2 RESUMO Analisaremos o ensino

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Metas e estratégias equalizadoras ao PNE II Educação de Jovens e Adultos EJA Analise da Silva Coordenação Nacional dos Fóruns de EJA do Brasil

Metas e estratégias equalizadoras ao PNE II Educação de Jovens e Adultos EJA Analise da Silva Coordenação Nacional dos Fóruns de EJA do Brasil Metas e estratégias equalizadoras ao PNE II Educação de Jovens e Adultos EJA Analise da Silva Coordenação Nacional dos Fóruns de EJA do Brasil Analise Da Silva analiseforummineiro@gmail.com www.forumeja.org.br

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Sociologia e Espiritismo

Sociologia e Espiritismo Sociologia e Espiritismo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1. Etimologia; 2.2. Objeto da Sociologia; 2.3. Natureza da Sociologia. 3. Histórico. 4. O Positivismo de Augusto Comte.

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA DICIONÁRIO

EDUCAÇÃO BÁSICA DICIONÁRIO EDUCAÇÃO BÁSICA A educação básica, presumida no texto original da Constituição da República de 1988, tornou-se manifesta por meio da Emenda Constitucional n o 59/2009. O art. 208, incisos I e VII, ora

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO.

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. 1 IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. André Talhamento - UFPel Eixo 5: Trabalho-educação e a formação dos trabalhadores

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL UNIDADE DE APRENDIZAGEM 4 BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL Objetivo Conhecer os diferentes instrumentos

Leia mais

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA SENADOR MARCO MACIEL MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA 1990 ~7C[NTROGRAflCO ~ [X) 5l:NAOO federal a nos OS 1308/90 o AUTOR Marco Maciel foi estudante de ativa participação, tendo sido eleito duas vezes

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR

INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR INDIVIDUALISMO E EDUCAÇÃO: UM EXAME A PARTIR DA PROPOSTA DE CHARLES TAYLOR Carlos Eduardo Zinani (UCS) Resumo: O individualismo em que se encontra a sociedade contemporânea começou a se delinear ainda

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

O DIREITO À EDUCAÇÃO NO BRASIL

O DIREITO À EDUCAÇÃO NO BRASIL O DIREITO À EDUCAÇÃO NO BRASIL WASHINGTON ALVIM RESUMO O presente trabalho procura analisar e citar as principais legislações e direitos que asseguram o acesso gratuito a uma educação pública em quantidade

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Vera Masagão Ribeiro 1 A definição sobre o que é analfabetismo vem sofrendo revisões nas últimas décadas. Em 1958, a Unesco definia como alfabetizada uma

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O papel da Undime na construção de políticas educacionais para a Educação Básica

O papel da Undime na construção de políticas educacionais para a Educação Básica O papel da Undime na construção de políticas educacionais para a Educação Básica Cleuza Rodrigues Repulho Dirigente Municipal de Educação de São Bernardo do Campo/ SP Presidenta da Undime A Undime como

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE Belém PA, 27 de dezembro de 2015 Um Plano orientador da ação estatal amplamente discutido CONAE 2010 3.000 pessoas, entre delegados,

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Manoel Santos da Silva (IFAL) manoel.silva@ifal.edu.br RESUMO Este trabalho percorre por alguns questionamentos sobre

Leia mais