A So c i o l o g i a d a Ed u c a ç ã o c o m o

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A So c i o l o g i a d a Ed u c a ç ã o c o m o"

Transcrição

1 A So c i o l o g i a d a Ed u c a ç ã o c o m o campo de conhecimento Sociology of Education as a knowledge field Maria Cristina da Silveira Galan Resumo Este ensaio tem como objetivo apresentar algumas reflexões sobre a Sociologia da Educação como campo de conhecimento essencial para a compreensão da realidade educacional. A partir da contextualização histórica do surgimento da Sociologia e de seu objeto de estudo, situamos o campo da Sociologia da Educação. Destacam-se duas formas principais de organização e sistematização da multiplicidade teórica da Sociologia da Educação: os paradigmas do consenso e o do conflito e as análises macro e microssociológicas do processo educacional. Conclui-se que o caráter multiparadigmático da Sociologia da Educação amplia as possibilidades de compreensão da realidade, considerando-se importante, contudo, a superação de visões dicotômicas e fragmentadas que têm expressado o desacordo teórico-metodológico no campo da Sociologia da Educação. Abstract This essay aims to present some reflections on the Sociology of Education as an essential knowledge field for the understanding of the educational reality. We have placed the field of the Sociology of Education taking into account the historical background of the emergence of Sociology and its object of study. There are two major forms of organization and systematization of the theoretical multiplicity of the Sociology of Education: the Consensus Paradigm and the Conflict Paradigm, and the Macro and Microsociological analyses of the Educational Process. We conclude that the multiparadigmatic nature of the Sociology of Education expands the possibilities of reality understanding, considering important, however, to overcome fragmented and dichotomous views that have expressed the theoretical and methodological disagreement in the field of the Sociology of Education. 13 Palavras-chave: sociologia da educação; paradigma do consenso; paradigma do conflito; microssociologia; macrossociologia. Key words: sociology of education; consensus paradigm; conflict paradigm; micro sociology; macro sociology. Rev_6.indd 13 8/2/ :29:51

2 14 ]A Sociologia da Educação tem se mostrado um campo de conhecimento amplo e bastante significativo para a compreensão da realidade educacional, estando presente em grande parte das pesquisas em educação. Entretanto, diversos autores (SILVA, 1990; DANDURAND e OLLIVIER, 1991; COSTA e SILVA, 2003; MARTINS, 2003) têm apontado para a constante dificuldade, entre os pesquisadores, particularmente no Brasil, de assumirem a Sociologia da Educação como campo privilegiado de produção de conhecimento. ]Contraditoriamente, foi por meio da educação que a Sociologia se estabeleceu no Brasil, num movimento semelhante ao francês, em que Durkheim, fundador da Sociologia na França, foi também o primeiro autor a escrever sobre Sociologia da Educação (Costa e Silva, 2003). No Brasil os pioneiros da educação, principalmente Fernando de Azevedo e Anísio Teixeira viam a Sociologia como uma ferramenta que contribuiria para garantir uma educação para a sociedade. Entretanto, com a institucionalização da Sociologia e a criação da USP e da Escola Livre de Sociologia e Política, a questão da educação vai perdendo terreno para discussões e temas de maior interesse dos sociólogos, como industrialização, urbanização, cultura nacional e relações raciais. Como evidenciam Costa e Silva (2003, p.106) ainda hoje o relacionamento entre sociologia e educação é difícil, o que fica evidenciado pelo pouco diálogo entre o Grupo de Trabalho (GT) Educação e Sociedade, da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), e o GT Sociologia da Educação, da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd). Também são poucas as universidades brasileiras, cujos Programas de Pós-Graduação em Sociologia apresentam a linha de pesquisa em Sociologia da Educação. Entretanto, pensando no Brasil atual, em nosso sistema educacional e na necessidade de políticas educacionais mais efetivas, torna-se urgente a reflexão sobre a Sociologia da Educação como campo de conhecimento essencial para a compreensão da realidade educacional. Nesse sentido, este ensaio tem como objetivo apresentar algumas reflexões sobre o caráter multiparadigmático da Sociologia da Educação, campo de conhecimento que, desde suas origens, se pauta por diferentes referenciais teórico-metodológicos. O surgimento da Sociologia: conjuntura histórica e objeto de estudo O surgimento da Sociologia, no âmbito do conhecimento científico, é resultado de um lento processo de aquisição de conhecimentos sobre a natureza e a sociedade que se desenvolveu, principalmente, a partir do século XV, no contexto das grandes transformações que desagregaram a sociedade feudal e constituíram a sociedade capitalista. A expansão marítima e o comércio ultramarino, as reformas protestantes, o surgimento dos Estados nacionais e o crescente desenvolvimento científico e tecnológico marcaram, profundamente, a sociedade europeia, alterando radicalmente as formas de entender e explicar a natureza e a sociedade. É em tal contexto que se fortalece nos séculos XV e XVI a utilização do conhecimento racional, da experimentação e observação como formas de explicação do universo e da sociedade, em contraposição ao dogmatismo e à autoridade da Igreja Católica. Com o desenvolvimento de produtos manufaturados e das primeiras máquinas de tecer e descaroçar algodão e o uso do vapor como fonte de energia, desenvolve-se nos séculos XVII e XVIII um novo processo produtivo chamado maquinofatura, que altera de forma significativa as relações sociais Rev_6.indd 14 8/2/ :29:51

3 da época. Passa a ser cada vez mais comum a utilização do trabalho assalariado, não só de homens, mas também de mulheres e crianças, tornando-se imprescindível no sistema fabril. Além de tais mudanças na esfera da produção, emergem também, nesse período, novas formas de organização política, com a exigência da representação popular. Marca este período a ocorrência da Revolução Americana e da Revolução Francesa, que explicitam claramente os novos ideais republicanos e democráticos, em oposição ao sistema monárquico de governo. No século XIX, com a Revolução Industrial e a consolidação do modo de produção capitalista na Europa, desenvolve-se um novo conjunto de ideias voltado para a compreensão do processo de constituição do sistema capitalista. Tal conjunto configura uma nova ciência, a Sociologia, como ciência da sociedade. Enquanto fruto da Revolução Industrial, a Sociologia é considerada também como ciência da crise, uma vez que procura responder às questões colocadas pelas transformações socioeconômicas, políticas e culturais que alteraram toda a sociedade europeia e o mundo no século XIX. Ainda hoje, no final da primeira década do século XXI, vivemos em um mundo marcado por mudanças, conflitos e tensões sociais, pelo avanço tecnológico e a possibilidade real de destruição do ambiente natural. Estudar e compreender tal cenário em que vivemos torna-se crucial. Nesse sentido, a Sociologia surge como importante conjunto de conhecimentos teóricos e significativas implicações práticas para nossas vidas. Segundo Giddens (2005, p. 24), a Sociologia pode ser definida como o estudo da vida social humana, dos grupos e das sociedades. É um empreendimento fascinante e irresistível, já que seu objeto de estudo é nosso próprio comportamento como seres sociais. 15 Tal definição evidencia claramente a abrangência dos estudos sociológicos, e nos coloca diante da possibilidade de compreender o mundo social a partir de diferentes pontos de vista, o que pode resultar em maior autoconhecimento. Para Giddens (2005, p. 27), quanto mais sabemos por que agimos como agimos e como se dá o complexo funcionamento de nossa sociedade, mais capazes seremos de influenciar o nosso próprio futuro. As preocupações dos pioneiros da Sociologia no século XIX com a ruptura dos modos de vida tradicionais e as mudanças trazidas pelas grandes revoluções, Industrial e Francesa, colocaram questões fundamentais, desafiando-os a apresentarem um novo modo de explicar e entender o mundo social e natural. Suas explicações formaram um quadro teórico extremamente rico e diverso, com propostas radicalmente diferentes para tais transformações, como evidenciam as contribuições de Marx, Durkheim e Weber, autores clássicos associados ao desenvolvimento do pensamento sociológico que fundamentam, ainda hoje, as questões essenciais discutidas pela Sociologia e pela Sociologia da Educação. (KON- DER, 2002; TURA, 2002; VILELA, 2002). A Sociologia da Educação e seus fundamentos Uma das questões estudadas pela Sociologia desde as suas origens é a educação, temática que adquiriu um espaço especial para o seu estudo, com a criação da Sociologia da Educação. Rev_6.indd 15 8/2/ :29:52

4 16 Enquanto ramo específico da Sociologia, a Sociologia da Educação centra-se na análise da educação com a utilização dos enfoques, conceitos, métodos e referenciais teóricos da Sociologia, os quais são, desde o surgimento dessa nova ciência, bastante diferentes, conforme afirma Silva (1990), sendo possível falarmos, talvez, em Sociologias da Educação. Nesse sentido, o campo de conhecimento da Sociologia da Educação tem sido relacionado essencialmente a duas formas de organização e sistematização de tal multiplicidade teórica: o campo das análises macro e microssociológicas do processo educacional e a organização dos diferentes referenciais teóricos em dois grandes paradigmas, o do consenso e o do conflito (GOMES, 1994). Deriva de tal afirmação a compreensão de que a Sociologia da Educação envolve tanto o estudo dos múltiplos processos sociais que se desenvolvem na sala de aula e nas escolas, quanto os sistemas escolares e as relações amplas entre a educação e a estrutura social. Seu foco de atenção direciona-se tanto para a escolarização, para o processo educacional na escola, quanto para a educação de maneira mais ampla, considerando, inclusive, os processos educacionais informais por meio dos quais o homem se torna um ser social. Nessa mesma direção, Silva (1990, p. 3-4) afirma que: [...] quando se fala em Sociologia da Educação pensa-se imediatamente no estudo das grandes relações entre processos sociais amplos e resultados amplos dos processos educacionais, como, por exemplo, entre certas características da economia capitalista e a produção de desigualdades sociais via escolarização. Existem, entretanto, setores no campo da SE cuja preocupação principal e exclusiva não tem nada a ver com esses processos sociais mais gerais, mas com processos sociais produzidos no nível de pequenas unidades sociais, como a sala de aula, e seus efeitos neste nível, como o demonstra toda uma linha de estudos de inspiração interacionista ou fenomenológica [...]. Na perspectiva do autor, tal situação evidencia a dificuldade de falarmos de uma única Sociologia da Educação. Entretanto, a grande diferença entre os referenciais teóricos, as temáticas abordadas e a orientação política no campo da Sociologia da Educação não é diferente no campo da própria Sociologia vista de maneira mais ampla, consistindo, segundo Giddens (2005), numa característica intrínseca dessa nova ciência social. Entendemos, porém, que seja importante assinalar tais diferenças e que a cada temática e teoria correspondem a diferentes posicionamentos políticos e metodológicos que precisam ser claramente assumidos por pesquisadores e educadores. Ao analisar o desenvolvimento dos diferentes estudos sociológicos da educação Gomes (1994, p. 19) considera a existência de duas fases distintas, às quais correspondem dois paradigmas, ou seja, maneiras pelas quais são vistos o campo de estudos, identificados os temas para investigação e especificados conceitos e métodos legítimos: os paradigmas do consenso e do conflito. O paradigma do consenso se desenvolveu com base nas teorias funcionalistas que sustentam, fundamentadas em Durkheim, que a sociedade é um sistema complexo, formado por diversas partes que se articulam para produzir estabilidade e solidariedade. De acordo com Giddens (2005) o funcionalismo atribui grande importância ao consenso moral para que se mantenha a ordem e a estabilidade social. O consenso moral existe quando as pessoas compartilham os mesmos valores, estabelecendo-se um equilíbrio social, considerado como o estado normal da sociedade. Rev_6.indd 16 8/2/ :29:52

5 Esse paradigma floresceu, segundo Gomes (1994), particularmente, do período posterior à Segunda Guerra Mundial até os anos de 1960, época marcada pela Guerra Fria entre as duas grandes potências de então, EUA e URSS. O clima de instabilidade política, com intensa competição e conflitos entre as duas superpotências, e a necessidade de integração interna gerada, impulsionaram a ampliação de estudos sociológicos da educação, em que a questão educacional era concebida como fator de democratização, de distribuição de renda e melhoria da natureza humana. Na visão funcionalista, a educação é entendida como socialização, como possibilidade de integração social, podendo contribuir para a mudança social e a modernização. Nessa perspectiva, a educação consiste, ainda, em respostas às necessidades de formação técnica e científica, voltadas para a qualificação da mão de obra para o mercado. Segundo Dandurand e Ollivier (1991, p. 122), a ideologia do Pós-Guerra marca o campo teórico das ciências sociais e se baseia no reconhecimento por todos do direito a uma formação segundo suas aptidões e suas preferências, na necessidade de uma mão-de-obra mais qualificada, no desenvolvimento da ciência e da tecnologia A partir de 1960, desenvolve-se um novo cenário socioeconômico e político de contestações aos padrões estabelecidos. Lutas internas e crescentes problemas econômicos culminam, na década de 1970, com a crise do petróleo. Nesse novo contexto, o predomínio do paradigma do consenso entra em decadência, estabelecendo-se o domínio do paradigma do conflito como novo quadro teórico e explicativo para as transformações em curso. A educação deixa de ser vista como alavanca de transformação social e se apresenta como um processo de manutenção do poder estabelecido, como um mecanismo central na reprodução das desigualdades sociais (DANDURAND; OLLIVIER, 1991). No paradigma do conflito, representado, principalmente, pelas teorias marxista e neomarxista, a sociedade é vista como um conjunto de grupos em constante conflito, em que se estabelecem processos de dominação de uns sobre os outros. No lugar do consenso espontâneo, desenvolve-se a ideia de que a educação consiste em um processo de instauração de um consenso imposto, ou seja, a educação passa a ser vista como um instrumento dissimulado de dominação e reprodução da estrutura de classes (GOMES, 1994, p. 21). Na perspectiva marxista, não é possível existir uma educação livre ou universal, enquanto existirem classes sociais. Além da base marxista, que enfatiza o conflito de classes, muitos teóricos do paradigma do conflito remontam suas concepções aos escritos de Weber, e entendem as diferenças de interesse relacionadas mais amplamente à autoridade e ao poder. Como afirma Giddens (2005, p. 35) Em todas as sociedades há uma divisão entre aqueles que mantêm a autoridade e aqueles que são largamente excluídos dela, entre os que fazem regras e os que obedecem a elas. Apesar de contribuírem para organizar e delinear as diferentes perspectivas teóricas no campo da Sociologia e da Sociologia da Educação, é importante compreender, conforme aponta Petitat (1994), a necessidade de superação da dicotomia existente nas análises do paradigma do consenso e do conflito, entendendo que a educação e a escola contribuem tanto para a produção quanto para a reprodução da sociedade, uma vez que a realidade é muito mais complexa e contraditória que tais construções teóricas binárias. Para o autor, a instituição escolar pode servir ao poder constituído e, ainda assim, colaborar, a longo prazo, para sua ruína, como evidenciam claramente a história das escolas elementares na Inglaterra 17 Rev_6.indd 17 8/2/ :29:52

6 18 e França que, ao contribuírem para a socialização, controle e disciplinarização da classe operária, contribuíram, também, com a generalização da leitura e escrita, para a constituição da consciência de classe e a organização dos proletários. Na verdade, para Petitat (1994, p. 262): As relações entre escolas e esferas do poder social e político se caracterizam por alterações bruscas e repentinas reestruturações de conjunto, separadas por longos períodos de estabilidade, nos quais, na realidade, se desenrolam inúmeras lutas de influência. As relações entre a escola e os sistemas de valores também estão sujeitas a acelerações em seu ritmo, mas o grau de viscosidade aumenta, pois não se muda a mentalidade dos professores e dos pais de um golpe. No que tange aos conteúdos culturais e científicos, as relações escola-sociedade também seguem seu ritmo próprio, mesmo sendo este ritmo dependente, também, dos grupos ou das classes no poder. Outra visão dicotômica dos estudos da Sociologia da Educação diz respeito à sua sistematização em abordagens micro e macrossociológicas. As abordagens microssociológicas se fundamentam basicamente na perspectiva fenomenológica, nos estudos sobre ação social e no interacionismo simbólico, e dizem respeito ao estudo do comportamento cotidiano em situações de interação pessoal. No interacionismo simbólico, conforme indica Brandão (2001, p. 157), os significados são definidos a partir das relações sociais que se estabelecem em cada circunstância, decorrente das reações do outro, e o que define as atitudes são as imagens, significados, sinais e linguagem que interagem na definição das situações em que se encontram os atores sociais. Outra perspectiva microssociológica de inspiração fenomenológica é a Etnometodologia, que se desenvolveu com base em uma inovação metodológica e se pretendia mais adequada ao conhecimento de como os atores constroem suas próprias normas em situações (culturais) específicas do cotidiano e com o recurso à linguagem (BRANDÃO, 2001, p. 158). Tais perspectivas microssociológicas surgem, portanto, em contraposição às teorizações mais gerais e estruturais da vida social. Segundo Giddens (2003, p. 35): Se as perspectivas funcionalistas e de conflito enfatizam as estruturas que servem de apoio à sociedade e influenciam o comportamento humano, as teorias de ação social dão maior atenção à ação e à interação dos membros da sociedade, ao formar aquelas estruturas. Considera-se, aqui, que o papel da sociologia é abarcar o significado da ação social e da interação, mais do que explicar quais forças externas às pessoas induzem-nas a agir da forma que agem. Contrariamente, os estudos de macrossociologia são aqueles que utilizam principalmente as teorias marxista e neomarxista ou teorias do conflito e se preocupam com os sistemas sociais mais amplos, como o sistema político e a ordem econômica. Suas análises envolvem processos históricos de mudança, como o desenvolvimento do industrialismo e da urbanização. Apesar de diferentes, as abordagens micro e macrossociológicas são também complementares e essenciais, para uma compreensão mais abrangente do cotidiano da vida educacional. Tomando como exemplo a questão das relações de poder na educação, percebe-se que o processo educacional é permeado por relações de poder tanto em âmbito estatal, governamental e macro, quanto em um nível molecular, capilar ou micro, evidenciado no interior das instituições escolares. Rev_6.indd 18 8/2/ :29:52

7 Nas análises macro, no campo da Sociologia da Educação, as relações de poder na educação e no currículo têm sido discutidas com particular atenção, propondo-se a análise do currículo em termos estruturais e relacionais. Ou seja, o currículo é entendido como estando estreitamente relacionado às estruturas econômicas e sociais mais amplas, não se constituindo em um corpo neutro e desinteressado de conhecimentos, mas sim no resultado de um processo que reflete os interesses particulares das classes e grupos dominantes, como se percebe, por exemplo, nas obras de Apple (1986; 1989). Para Apple é importante identificar e compreender os interesses que orientam a seleção de um determinado conteúdo curricular, bem como as relações de poder envolvidas no processo de seleção que resultou em um determinado currículo. Nesse sentido, a análise de Apple (1989) considera elementos da teoria marxista da sociedade como centrais. A dinâmica da sociedade capitalista baseia-se na dominação de classes, na dominação dos grupos que detêm a propriedade dos recursos materiais de produção sobre aqueles que possuem apenas sua capacidade de trabalho. Tal característica da organização da economia na sociedade capitalista influencia tudo o que ocorre em outras esferas sociais, como a educação e a cultura. No entanto, como alerta Silva (1999) para Apple, a ligação de determinação entre economia e educação não é tão simples e direta, mas mediada pela ação humana. Ou seja, os campos educacional e cultural não são um simples reflexo da economia, eles têm sua própria dinâmica, tanto na forma como reproduzem imposições e domínio quanto na resistência e oposição ao currículo oficial. No plano microssocial, as relações de poder foram estudadas, entre outros, por Foucault (2003). Em oposição ao marxismo, Foucault concebe o poder não como algo que se possui, nem como algo fixo, ou partindo de um centro, mas como uma relação, como móvel e fluido, como capilar e estando em toda parte. Na perspectiva de Foucault o exercício do poder, mesmo em instituições totais, nunca é o poder total e absoluto. Em suas palavras: 19 A partir do momento em que há uma relação de poder, há uma possibilidade de resistência. Jamais somos aprisionados pelo poder: podemos sempre modificar sua dominação e condições determinadas e segundo uma estratégia precisa (FOUCAULT, 2003, p. 241). Visto dessa maneira o poder é entendido principalmente como relação. De maneira concreta, o poder se manifesta na cotidianidade, no espaço das relações. O que atribui significado e substância ao poder são as práticas disciplinadoras, regulamentadoras e não as leis. Não se trata de negar as estruturas objetivas promotoras de poder, mas de recuperar a consciência, de olhar para a esfera da subjetividade, que é onde, de fato, o poder se materializa para Foucault (2003). Apesar de suas diferenças, concordamos com Brandão (2001), quando defende a necessidade de superação dos antagonismos teórico-metodológicos entre as abordagens micro e macrossociológicas, no campo da pesquisa em Sociologia da Educação. Para a autora, fundamentada em Alexander (1987), presenciamos um novo movimento teórico em que uma nova geração de autores pós-marxistas, influenciados pela microteoria norte-americana, tem desenvolvido esforços no sentido de juntar ação e estrutura. A consciência da complexidade dos processos envolvidos nas relações e transformações sociais estimulou, segundo a autora, várias tentativas de ligar os planos micro e macrossociais, assim como os processos individuais ao sistema social mais amplo. A possibilidade de compreensão mais ampla da realidade, com elementos teóricos micro e macrossociais nos parece particularmente interessante. A Sociologia da Educação compõe um corpo teórico Rev_6.indd 19 8/2/ :29:52

8 fundamental para a compreensão da sociedade e da escola, dos estudantes, suas famílias e práticas pedagógicas dos diferentes agentes educacionais. Nesse sentido, os fundamentos sociológicos da educação constituem importante instrumento de apoio ao trabalho docente e à formação de futuros educadores, contribuindo para a mudança de imagens e representações já construídas sobre a educação, a escola e os sujeitos que participam do processo de ensino-aprendizagem. É importante, contudo, que o trabalho docente não se constitua em doutrinação, em formação de seguidores de uma única abordagem teórica tida como verdadeira, ou única resposta a todas as questões da realidade. É preciso ter o cuidado de apresentar as diferentes correntes teóricas que integram o campo da Sociologia da Educação e exercitar a vigilância epistemológica em nosso trabalho (BOURDIEU; CHAMBOREDON; PASSERON, 2002), sem cair, evidentemente, na defesa de uma impossível neutralidade científica. Entendemos, enfim, que a Sociologia da Educação constitui um campo denso de conhecimentos sobre a realidade e que pode fomentar, entre os estudantes, a possibilidade de enfrentamento dos dilemas do mundo contemporâneo e a exploração de suas múltiplas alternativas. Referências ALEXANDER, Jeffrey. O novo movimento teórico. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 2, n. 4, p. 5-30, jul APPLE, Michael. Educação e poder. Porto Alegre: Artes Médicas, Vendo a educação de forma relacional: classe e cultura na sociologia do conhecimento escolar. Educação e realidade, v. 11, n. 1, p , BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON, J.; PASSERON, J. A profissão de sociólogo: preliminares epistemológicas. Petrópolis: Vozes, BRANDAO, Zaia. A dialética micro/macro na sociologia da educação. Caderno de Pesquisa, n. 113, p , Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s &s cript=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: nov COSTA, Marcio da; SILVA, Graziella Moraes Dias da. Amor e desprezo: o velho caso entre sociologia e educação no âmbito do GT-14. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p , Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n22/n22a10.pdf>. Acesso em: nov DANDURAND, Pierre; OLLIVIER, Émile. Os paradigmas perdidos: ensaios sobre a sociologia da educação e seu objeto. Teoria e Educação, n. 3, p , FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, GIDDENS, Anthony. Sociologia. Tradução Sandra Regina Netz. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, Rev_6.indd 20 8/2/ :29:52

9 GOMES, Candido A. A educação em perspectiva sociológica. 3. ed. São Paulo: EPU, (Temas Básicos de educação e ensino). KONDER, Leandro. Marx e a sociologia da educação. In: TURA, Maria de Lourdes R. (Org.). Sociologia para educadores. 2. ed. Rio de Janeiro: Quartet, p MARTINS, Carlos Benedito. Encontros e desencontros da sociologia e educação no Brasil. Revista brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 53, p , Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ rbcsoc/v18n53/18085.pdf>. Acesso em: nov PETITAT, André. Produção da escola/produção da sociedade: análise sócio-histórica de alguns momentos decisivos da evolução escolar no ocidente. Tradução Eunice Gruman. Porto Alegre: Artes Médicas, SILVA, Tomaz Tadeu da. A sociologia da educação entre o funcionalismo e o pós-modernismo: os temas e os problemas de uma tradição. Em aberto, Brasília, n. 46, p. 3-12, abr./jun Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, TURA, Maria de Lourdes R. Durkheim e a educação. In: TURA, Maria de Lourdes R. (Org.). Sociologia para educadores. 2. ed. Rio de Janeiro: Quartet, p VILELA, Rita A. T. Max Weber: Entender o homem e desvelar o sentido da ação social. In: TURA, Maria de Lourdes R. (Org.). Sociologia para educadores. 2. ed. Rio de Janeiro: Quartet, p Maria Cristina da Silveira Galan Fernandes Departamento de Educação Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Doutora em Educação (Unesp/Araraquara) Recebido em 3 de dezembro de 2010 Aprovado em 15 de dezembro de 2010 Rev_6.indd 21 8/2/ :29:52

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos Unidade 1 A sociedade dos indivíduos Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em sociedade porque necessitamos uns dos outros. Thinkstock/Getty Images Akg-images/Latin Stock Akg-images/Latin Stock Album/akg

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação Introdução A investigação e análise contidas neste trabalho tomam por

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos 1 A dos indivíduos Unidade Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em porque necessitamos uns dos outros. Entre os estudiosos que se preocuparam em analisar a relação dos indivíduos com a, destacam-se Karl

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO QUESTÃO 01: - Situar historicamente e contextualizar o percurso de

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 1 ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 Cristiano Pinheiro Corra 2 Lorena Carolina Fabri 3 Lucas Garcia 4 Cibélia Aparecida Pereira 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo suscitar

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO-GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES PARA

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 28380 Antropologia Teológica A 1 34 28380 Antropologia Teológica A 1 34 A partir de conceitos teológicos, estimula o aluno a problematizar e analisar, criticamente, Equivalente Estuda a cultura humana,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA ANEXO II - EDITAL Nº. 16/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - ICHLA MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA VAGAS DIA CARGA História da Educação 01

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA C/H 68 (D0031/I) Informação e conhecimento no processo educativo. Recursos de

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA Amarildo Luiz Trevisan Eliana Regina Fritzen Pedroso - UFSM Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: Direito TURMA: 1º Semestre DISCIPLINA: Antropologia e Sociologia

Leia mais

Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador

Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador 1. Introdução O Programa Mais Educação e o Programa Ensino Médio Inovador são estratégias do Ministério da Educação

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Pesquisa em ecácia escolar: origem e trajetória

Pesquisa em ecácia escolar: origem e trajetória Pesquisa em ecácia escolar: origem e trajetória Nigel Brooke; José Francisco Soares (Org.). Belo Horizonte, MG: UFMG, 2008, 552 p. Já nas primeiras linhas do livro Pesquisa em eficácia escolar: origem

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS Resumo Diante do conhecimento de condições propiciadas no período de formação inicial de professores, faz-se

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Encontro dos Comitês Estaduais Nordestinos da. 28 e 29 de novembro de 2010. Denise Carreira Ação Educativa

Encontro dos Comitês Estaduais Nordestinos da. 28 e 29 de novembro de 2010. Denise Carreira Ação Educativa Diversidades id d e desigualdades d nas políticas educacionais Encontro dos Comitês Estaduais Nordestinos da Campanha Nacional pelo Direito à Educação 28 e 29 de novembro de 2010 Fortalezaa Denise Carreira

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO DE TEMPO INTEGRAL EM GOIÁS: QUAL PERSPECTIVA? Jemis Sabrina Alves de Oliveira 1 Valdirene Alves de Oliveira 2 Resumo: O presente artigo pretende discutir

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 CURSO DE PSICOLOGIA Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 COORDENADORA DO CURSO: Prof.ª Mônica Ramos Daltro SALVADOR TEMA: Contribuições da Teoria do Pensamento Complexo Para a Área da Psicologia

Leia mais

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES Cristina Ferreira Assis 1 Rosa Maria da Exaltação Coutrim 2 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO A pesquisa ora apresentada refere-se ao ser

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais