História. 01. Os hebreus construíram uma forte identidade cultural. 03. A Idade Média foi um período em que ocorreram

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História. 01. Os hebreus construíram uma forte identidade cultural. 03. A Idade Média foi um período em que ocorreram"

Transcrição

1 História 01. Os hebreus construíram uma forte identidade cultural através da sua religião, desde os tempos das suas histórias mais remotas. Em certo período, observa-se uma maior preocupação com a ética e as críticas às desigualdades sociais, por parte dos profetas Oséias, Amós, Isaías e Miquéias. Estamos nos referindo: 0-0) ao período em que Moisés tinha grande liderança política, livrando os hebreus da dominação egípcia. 1-1) à época em que os hebreus estiveram dominados pelos caldeus e construíram o início do culto a Iavé. 2-2) ao período histórico em que a religião hebraica seguiu os rituais semelhantes aos da religião persa, cultuando o deus Mazda. 3-3) ao crescimento do significado político da religião, quando ela ajudou os imperadores hebreus a construírem seus impérios. 4-4) ao período em que Iavé tornou-se Deus de todos os homens, e a religião ganhou um conteúdo ético importante. Resposta: FFFFV 0-0) Falsa. Sob a liderança de Moisés, ocorreu a fuga do Egito, mas a época de destaque da atuação dos profetas foi posterior à fuga do Egito. 1-1) Falsa. O período conhecido por Cativeiro Babilônico contribuiu para o enfraquecimento do conteúdo ético da religião, não sendo, portanto, influenciado pelos ensinamentos dos profetas. 2-2) Falsa. A convivência com os persas trouxe o domínio de uma visão escatológica, com a crença na ressurreição dos mortos e na vinda do Messias, com mudanças importantes na religião hebraica. 3-3) Falsa. Os profetas não estavam preocupados com conquistas imperialistas, mas com questões éticas e de conteúdo social, aprimorando a relação com a idéia de justiça para todos. 4-4) Verdadeira. A atuação dos profetas firmou o valor ético da religião e a universalidade do Deus, além de condenar as desigualdades sociais existentes no período. 02. A Grécia conviveu com formas políticas de governo variadas que contribuíram para debates significativos sobre a ética e a cidadania. A experiência política dos gregos, no período governado por Péricles, em Atenas: 0-0) reforçou a monarquia eletiva, com a ampliação da cidadania para os estrangeiros asiáticos, garantindo um sistema democrático na escolha dos governantes. 1-1) promoveu a divisão da população da Ática em dez tribos, contribuindo para o fortalecimento de práticas democráticas, de acordo com as condições da época. 2-2) consolidou o poder da nobreza, influenciando o surgimento da tirania e do ostracismo e excluindo os estrangeiros da participação política. 3-3) trouxe uma maior consolidação da democracia, com a existência de uma assembléia, onde votavam os cidadãos Atenienses, revelando um grande interesse pelos debates políticos. 4-4) garantiu maior poder para os cidadãos, transformando a Bulé no órgão mais importante do governo, garantindo novos rumos para as relações políticas da época, em toda a Grécia, e condenando o imperialismo dos persas. Resposta: FFFVF 1-1) Falsa. Não houve ampliação da cidadania para os estrangeiros, mas o governo afirmou as conquistas políticas importantes para os cidadãos gregos que já vinham do governo de Clístenes. 2-2) Falsa. A divisão feita contribui para o crescimento das práticas políticas democráticas da época, ampliando a participação política; mas isso ocorreu na época de Clístenes. 2-2) Falsa. Houve, anteriormente, a lei do ostracismo, mas não foi adotada a tirania, e, sim, reformas que ampliaram o poder da população. 3-3) Verdadeira. Atenas foi cenário de uma das experiências políticas mais importantes da antigüidade, e o debate político era uma constante na vida dos cidadãos. 4-4) Falsa. A Bulé representava os cidadãos de forma mais ampliada, favorecendo o debate sobre seus direitos e deveres e garantindo maior participação e interesse pelas causas políticas; mas foi criada na época de Clístenes. 03. A Idade Média foi um período em que ocorreram também articulações políticas que procuravam fortalecer certas monarquias nacionais existentes. Na França, logo no início da Idade Média, houve tentativas de centralização política. Na análise da monarquia francesa, no período dos Capetíngios, podemos destacar que: 0-0) houve fortalecimento da nobreza, na época de Hugo Capeto, com uma política de esvaziamento dos interesses da burguesia emergente. 1-1) os contactos entre o rei Felipe Augusto e a burguesia foram significativos, favorecendo o fortalecimento do exército. 2-2) o rei Felipe Augusto fracassou em suas tentativas de conquistar a Normandia, sendo derrotado pelo exército de João Sem Terra. 3-3) no reinado de Felipe Augusto IV, as relações diplomáticas se tornaram tensas com a Igreja Católica, que ameaçou o rei de excomunhão. 4-4) existiram tentativas de centralização política, que ajudaram no fortalecimento de certos interesses da burguesia emergente. Resposta: FVFVV 0-0) Falsa. Hugo Capeto procurou esvaziar os poderes da nobreza, tomando medidas

2 favoráveis aos burgueses e à centralização política. 1-1) Verdadeira. Na época de Felipe Augusto, houve a conquista da Normandia com a ajuda da burguesia e apoio do exército real, além de medidas administrativas contra certas práticas feudais. 2-2) Falsa. O rei Felipe Augusto derrotou os ingleses, conquistando a Normandia e conseguindo maior centralização política e mais poderes para a burguesia. 3-3) Verdadeira. O papa ameaçou o rei, pois este queria tomar medidas que prejudicavam o poderio e o controle econômico da Igreja. 4-4) Verdadeira. Nos vários governos da época, houve medidas favoráveis à burguesia, inclusive na época de Felipe Augusto, responsável pelo crescimento da burguesia nacional, com a expulsão de banqueiros italianos da França. 04. A Igreja Católica construiu princípios importantes que garantiram sua dominação religiosa e política durante a Idade Média. Um dos pensadores de grande expressão na época foi Tomás de Aquino, que: 0-0) defendeu a centralização política e religiosa, criticando o poder da razão e afirmando a superioridade da fé para a salvação dos seres humanos. 1-1) se revelou influenciado pelo pensamento de Aristóteles, revelando claras divergências com as teses defendidas por santo Agostinho. 2-2) era favorável ao crescimento do comércio e do lucro, defendendo a aceitação de princípios da burguesia comercial. 3-3) se rebelou contra a centralização exagerada da Igreja, estimulando o crescimento das liberdades religiosas e do lucro nas atividades econômicas. 4-4) afirmou a superioridade da razão, do livre arbítrio, sendo punido pela Igreja e pelos tribunais civis da época. 0-0) Falsa. Aquino não via incompatibilidades entre a fé e a razão, sendo um pensador preocupado também com as questões sociais. 1-1) Verdadeira. Aristóteles exerceu influências no pensamento de Tomás de Aquino, que foi contra a teoria da predestinação de santo Agostinho e defendeu o livre-arbítrio. 2-2) Falsa. Aquino criticou a competição econômica, defendendo a teoria do justo-preço e combatendo a exploração econômica. 3-3) Falsa. Aquino defendeu o justo preço; não foi um rebelde, mas, sim, um dos teóricos mais prestigiados pela Igreja. 4-4) Falsa. Aquino defendeu o livre-arbítrio, mas não deixou de salientar a importância da fé, mostrando sua boa relação com a razão. Não foi punido pela Igreja. 05. No período da expansão marítima portuguesa, as conquistas de novas terras modificaram hábitos e relações sociais. Houve uma euforia em face da exploração e da conquista de riquezas. Procurou estabelecer, com o sistema de capitanias hereditárias, o domínio sobre suas terras na América. Esse sistema: 0-0) foi muito bem sucedido na descoberta do ouro e da prata, e propiciou o enriquecimento do governo português e da sua poderosa burguesia. 1-1) fracassou, frustrando Portugal em seus objetivos e levando-o a abandonar as terras conquistadas. 2-2) não foi amplamente bem sucedido, mas garantiu maior posse sobre as terras conquistadas e a consolidação de poderes para a Metrópole. 3-3) na região Norte, fracassou; mas obteve sucesso nas outras regiões com a lavoura açucareira. 4-4) no século XVIII, conseguiu êxito, graças à ajuda dos governadores-gerais, com suas forças militares, para combater exclusivamente a rebeldia dos nativos. Resposta: FFVFF 0-0) Falsa. O sistema teve falhas e não obteve sucesso na aquisição inicial de riquezas minerais tão ambicionadas. 1-1) Falsa. Apesar das dificuldades, Portugal não abandonou as terras do Brasil, conseguindo bons lucros com a exploração da cana-de-açúcar. 2-2) Verdadeira. O sistema não conseguiu o sucesso esperado, mas trouxe maior garantia para Portugal manter sua colônia. 3-3) Falsa. Nem todas as capitanias tinham solo favorável para a plantação da cana-de-açúcar; além disso, houve dificuldades administrativas, falta de interesse de alguns donatários que contribuíram para o fracasso de algumas tentativas. 4-4) Falsa. O sistema de capitanias foi extinto no século XVIII; mas não se pode negar que o governo-geral ajudou na organização da colônia, com uma mais eficaz centralização administrativa e não apenas pelo combate à rebeldia dos nativos. 06. Portugal enfrentou resistências para manter sua dominação sobre o Brasil. Algumas rebeliões revelaram a insatisfação da população diante das cobranças dos tributos e das formas de dominação existentes. Na região das Minas Gerais, em 1720, houve a Revolta de Vila Rica, a qual: 0-0) formulou um manifesto baseado nas idéias iluministas, conseguindo a adesão do clero e dos comerciantes, insatisfeitos com as cobranças de impostos. 1-1) conseguiu fortalecer a idéia de abolição da escravatura, com apoio dos grandes comerciantes da região.

3 2-2) foi uma movimento dirigido contra a cobrança de tributos, sem as propostas libertárias presentes em outras rebeliões do século XVIII. 3-3) teve amplas repercussões na colônia e ameaçou o governo português com suas estratégias militares. 4-4) ficou limitada aos protestos feitos na região das Minas, sendo liderada por Felipe dos Santos, que, afinal, foi punido por Portugal. Resposta: FFVFV 0-0) Falsa. Foi um movimento limitado, sem o conteúdo libertário da Inconfidência Mineira, mas teve forte repressão do governo. 1-1) Falsa. Protestou contra a cobrança dos impostos, não tendo contribuído para a divulgação de idéias abolicionistas. 2-2) Verdadeira. Realmente foi uma rebelião limitada aos protestos contra a exorbitância dos impostos, não tendo ambições políticas libertárias. 3-3) Falsa. Como movimento localizado, não se espalhou pela colônia nem ameaçou a estrutura do governo português. 4-4) Verdadeira. Atingiu, com seus protestos, a região das Minas. Seu líder foi enforcado por representantes do governo. 07. A Revolução Francesa de 1789 produziu mudanças políticas que abalaram a Europa. Era um sinal de que os ideais iluministas conquistaram muitos simpatizantes. Nesse cenário, o período napoleônico foi marcado por guerras, mas também por realizações que consolidaram o domínio burguês na França. Este é um período em que: 0-0) as reformas administrativas favoreceram a centralização da organização do Estado, atendendo, em grande medida, aos interesses da burguesia. 1-1) a unificação das leis, através do Código Civil de 1804, serviu para garantir o direito à propriedade privada. 2-2) os decretos napoleônicos ampliaram a cidadania, inclusive aumentando os direitos políticos das mulheres. 3-3) a reforma educacional consagrou as idéias de Rousseau, destacando o nacionalismo e a luta pela democracia popular. 4-4) a fundação de escolas públicas mostrou o interesse de divulgar ideais burgueses e de exaltar a figura de Napoleão. Resposta: VVFFV 0-0) Verdadeira. As reformas facilitaram a consolidação da burguesia, conseguindo os burgueses a ocupação de postos importantes no governo, o que facilitou sua ascensão política e a centralização do Estado. 1-1) Verdadeira. O Código Civil garantiu uma legislação favorável aos projetos burgueses de manutenção da propriedade privada. 2-2) Falsa. Não houve aumento dos direitos femininos, mas, sim, um crescimento da autoridade masculina, o que significou um retrocesso político. 3-3) Falsa. Não houve consagração das idéias de Rousseau, mas um culto a um nacionalismo imperialista, com a manutenção de algumas idéias conservadoras do antigo regime. 4-4) Verdadeira. As medidas foram favoráveis ao domínio burguês e ao governo de Napoleão; e as escolas tiveram importância na divulgação dessas medidas. 08. A história é uma construção, surpreendente, que não cessa de apresentar concepções diferentes de mundo. Na primeira metade do século XIX, o movimento romântico foi de grande importância para se pensar as mudanças que estavam ocorrendo em razão do fortalecimento da burguesia. Em suas análises, os românticos: 0-0) negavam a importância da razão, subestimando a força do individual e desprezando as conquistas da religião. 1-1) enfatizavam a fragilidade do Iluminismo, criticando a emoção e a imaginação, conforme definidas nas obras de Rousseau. 2-2) não se apegavam às tradições do passado, considerando as religiões como vazias de conteúdo humanista. 3-3) destacavam o valor da liberdade de criação, buscando muitas vezes, nas tradições do passado, suas referências. 4-4) admitiam o significado da subjetividade para a arte, embora não costumassem admitir a importância da sensibilidade humana. Resposta: FFFVF 0-0) Falsa. Os românticos destacavam a emoção e o valor do indivíduo e criticavam muitas das idéias vindas do Iluminismo. 1-1) Falsa. Defendiam a importância da imaginação e da emoção, mas havia românticos seguidores fiéis do pensamento de Rousseau, considerado, por alguns autores, como iniciador do Romantismo. 2-2) Falsa. Muitos românticos tinham apego às tradições e às religiões, como uma forma de criticar o crescimento do capitalismo industrializado e os excessos do racionalismo. 3-3) Verdadeira. Os românticos destacavam a liberdade de criação, fugindo dos modelos do classicismo e buscando apoio nas antigas tradições. 4-4) Falsa. Os românticos destacavam o valor da sensibilidade, de grande importância para a criação artística, e a capacidade de imaginação do ser humano. 09. A Abolição dos Escravos foi um movimento importante para a modernização da sociedade brasileira e para o enfraquecimento de muitos preconceitos construídos durante o domínio do regime escravista. Sobre o movimento abolicionista, podemos afirmar que:

4 0-0) foi um movimento nacional unitário, liderado pelas camadas populares e que contou com a participação de intelectuais e religiosos de São Paulo e do Rio de Janeiro. 1-1) teve o apoio de alguns republicanos, favoráveis a uma sociedade liberal, baseada nos princípios da livre concorrência e da liberdade política. 2-2) centralizou suas atividades nas capitais do Sudeste, conseguindo a adesão da Igreja Católica e de intelectuais anarquistas. 3-3) conseguiu vencer inúmeras resistências de toda a elite proprietária, libertando o escravo que passou a viver de imediato a sua cidadania. 4-4) trouxe as idéias republicanas para as grandes capitais, mas não contou com a participação dos escravos. 0-0) Falsa. Não foi um movimento nacional, pois existiam muitas divergências entre as elites brasileiras sobre a libertação dos escravos; mas contou com a participação de intelectuais de várias tendências. 1-1) Verdadeira. Alguns republicanos do Brasil defendiam o fim da escravidão e os princípios básicos do liberalismo político. 2-2) Falsa. Não centralizou suas ações no Sudeste, tampouco conseguiu adesão ampla da Igreja. Além disso, os anarquistas não tinham força política na época. 3-3) Falsa. Não houve boas condições para os escravos depois da Abolição, tendo muitos continuado com seu antigo senhor, sem passar a viver a condição de cidadão. 4-4) Falsa. O republicanismo não foi incentivado pelos abolicionistas. Pelo contrário, a maioria dos republicanos eram grandes proprietários de escravos contrários à abolição. 10. O fim da monarquia no Brasil não significou o início de um período de plena liberdade democrática. Durante as três primeiras décadas da republica, houve forte domínio das oligarquias regionais, as quais: 0-0) controlavam o resultado das eleições, favorecendo seus aliados e impedindo a ascensão de grupos adversários. 1-1) conviveram com constantes manifestações de rebeldia dos militares e com um movimento operário de cunho nacional, unificado pelas idéias do socialismo marxista. 2-2) faziam acordos políticos, para controlar a população e evitar movimentos de rebeldia social. 3-3) estavam afastadas do governo federal, devido à política centralizadora e antidemocrática desse governo. 4-4) influenciavam a vida dos grandes partidos nacionais, construindo alianças entre os grupos de Estados diferentes. Resposta: VFVFF 0-0) Verdadeira. Não havia liberdade eleitoral, e sim um controle do resultado das eleições que favorecia a manutenção da ordem conservadora. 1-1) Falsa. Havia rebeldias militares, mas o movimento operário não tinha cunho nacional nem era unificado pelas idéias socialistas marxistas. 2-2) Verdadeira. Eram comuns os acordos entre as oligarquias para garantir o controle político da situação. 3-3) Falsa. Havia acordos entre os poderes, para evitar revoltas políticas. Um exemplo foi a política dos governadores da época de Campos Sales. 4-4) Falsa. Não havia, na época, grandes partidos nacionais que assumissem a direção política do Brasil, mas acordos entre aliados com interesses conservadores. 11. No período de 1930 a 1937, o governo de Getúlio Vargas reprimiu intensamente o Partido Comunista Brasileiro. A reação dos comunistas a esta política pode ser considerada como um dos fatores que provocou na década de 1930: 0-0) o crescimento do movimento operário, nas capitais do Sudeste, ameaçando o poderio político das elites industriais e forçando a criação da Consolidação das Leis Trabalhistas, antes do golpe de ) o surgimento de uma rebelião política em 1935, iniciada no Rio Grande do Norte, com adesão de forças militares. 2-2) a derrota dos grupos integralistas minoritários, existentes na cidade do Rio de Janeiro e favoráveis ao nazi-fascismo. 3-3) a criação de um grande partido nacional, adversário do governo e adotando idéias socialistas. 4-4) a construção de um projeto político abrangente, com vistas à modernização democrática da sociedade brasileira da época. 0-0) Falsa. O movimento operário não chegou a ameaçar as elites da época, nem a CLT surgiu antes de ) Verdadeira. Houve uma insurreição armada que não obteve o êxito esperado pelos comunistas, sendo reprimida pelo governo de Vargas. 2-2) Falsa. Os integralistas conseguiram espaços políticos em várias cidades brasileiras, com adesão expressiva de simpatizantes do fascismo. 3-3) Falsa. Não houve a criação de um grande partido nacional, pois os comunistas eram bastante hostilizados e reprimidos pelo governo. 4-4) Falsa. Não houve um projeto democrático que atraísse a maioria da população, existindo muitas práticas políticas autoritárias, mesmo entre os comunistas. 12. O movimento tropicalista lançou novas idéias culturais no Brasil, influindo na transformação de concepções estéticas que predominavam naquele período. Pode-se destacar como Tropicalismo: 0-0) as obras musicais de Chico Buarque, que seguiam a tradição da bossa nova dos anos de 1950.

5 1-1) os filmes de Nelson Pereira dos Santos, com análises bastante renovadoras da sociedade brasileira. 2-2) as composições de Caetano Veloso, com experiências musicais renovadoras. 3-3) a participação de Roberto Carlos, que empolgou a juventude da época com suas músicas. 4-4) os arranjos do maestro Júlio Medaglia, os quais quebraram a tradição musical existente. Resposta: FFVFV 0-0) Falsa. Chico não foi um seguidor do Tropicalismo; sua linha musical está mais próxima da bossa nova. 1-1) Falsa. Nelson fez parte da renovação trazida pelo Cinema Novo, mas não tinha ligações com o Tropicalismo. 2-2) Verdadeira. Caetano Veloso foi uma das lideranças do movimento tropicalista, sendo expressão consagrada da música brasileira moderna. 3-3) Falsa. Roberto Carlos conseguiu espaços musicais importantes, mas não era participante do Tropicalismo, e sim da Jovem Guarda. 4-4) Verdadeira. Medaglia renovou com seus arranjos a música brasileira, contribuindo para a divulgação dos sucessos tropicalistas. 13. A época posterior à 2 ª Guerra Mundial representou um período de conflitos localizados, mas de significativa importância nas relações de poder internacional. A Guerra do Vietnam, no sudeste asiático, representou: 0-0) um conflito que, após a vitória dos EUA, consagrou o poder político deste país e dos seus aliados europeus contra o comunismo. 1-1) uma falta de poder da Organização das Nações Unidas para firmar a existência de um mundo sem conflitos internacionais. 2-2) uma continuidade das disputas entre norteamericanos e chineses, por territórios ricos em petróleo. 3-3) um marco autoritário do governo de Richard Nixon, provocador da disputa no sudeste asiático. 4-4) o único conflito importante do século XX, com vitória das forças vietnamitas e derrota dos Estados Unidos. 0-0) Falsa. A vitória do Vietnam do Norte surpreendeu as grandes potências da época e trouxe problemas para a sociedade norte-americana. 1-1) Verdadeira. A ONU não tem conseguido controlar os conflitos internacionais, apesar de suas gestões diplomáticas. 2-2) Falsa. Os chineses tinham interesses políticos no conflito, mas não pela disputa por petróleo, pois quem realmente estava envolvido na luta era o Vietnam do Norte. 3-3) Falsa. Nixon não iniciou o conflito no Vietnam, mas, sim, um programa de retirada das forças norte-americanas da região. 4-4) Falsa. O século passado viveu outros conflitos importantes que ameaçaram a paz internacional, sobretudo no Oriente Médio. 14. Uma análise mais geral da política brasileira no século XX mostra as grandes dificuldades para se efetivar práticas democráticas que possibilitem o exercício da cidadania. Com relação às experiências políticas durante o governo do general Médici, que assumiu o poder em 1969, podemos afirmar que: 0-0) houve mudanças na ordem política, com maiores poderes para o Congresso Nacional, encerrando o período de censura aos jornais mais atuantes do Rio de Janeiro e de São Paulo. 1-1) se desenvolveu um eficiente sistema de propaganda, que foi responsável por criar a idéia de que a sociedade vivia o milagre brasileiro, ressaltando a importância da modernização tecnológica para resolver os problemas do Brasil. 2-2) foram atualizados os instrumentos de repressão, com a criação do decreto-lei 477, que puniam os estudantes rebeldes politicamente e fechavam as grandes universidade brasileiras, para evitar atos subversivos. 3-3) se incentivou o desenvolvimento da indústria cultural, com financiamentos e sem censuras políticas, destacando-se o apoio a filmes de teor nacionalista. 4-4) Medici ficou conhecido pelo seu poder de repressão e pela política econômica do ministro Delfim Neto, a qual foi desfavorável aos trabalhadores brasileiros. Resposta: FVFFV 0-0) Falsa. A época de Médici foi de grande repressão e censura, além de apresentar uma intensa propaganda para desviar a atenção pública da violência política do período. 1-1) Verdadeira. Houve insistente propaganda para consagrar os feitos do governo e as conquistas da modernização. 2-2) Falsa. O 477 ocorreu no governo anterior, não havendo fechamento das universidades, embora houvesse controle político de suas ações. 3-3) Falsa. Não houve políticas de incentivo à cultura, mas uma repressão constante às manifestações de rebeldia política. 4-4) Verdadeira. O governo Médici fez perseguições políticas violentas e definiu uma ação econômica favorável à concentração de riqueza, com perdas para a população mais pobre. 15. O desenvolvimento do capitalismo atingiu um momento de grande mudança na produção de mercadorias durante o século XX. Houve descobertas científicas importantes que modificaram comportamentos e hábitos de vida. Ao mesmo tempo, transformações ocorridas na indústria cultural:

6 0-0) influenciaram a arte, que sofreu alterações nas suas concepções estéticas, as quais foram importantes para a venda de seus produtos no mercado internacional. 1-1) não influenciaram a venda de produtos de artes considerados regionais, que continuaram a ser consumidos apenas localmente. 2-2) tiveram repercussão nas cidades mais desenvolvidas da Europa Ocidental, deixando o mercado da arte sul-americana totalmente marginalizado. 3-3) agilizaram as trocas comerciais no mundo da arte, trazendo novidades para a produção dos artistas contemporâneos. 4-4) foram insignificantes para o mercado internacional, ficando restritas ao mercado de venda de quadros dos pintores modernistas. Resposta: VFFVF 0-0) Verdadeira. Com as vanguardas modernistas do início do século XX e o crescimento da tecnologia, houve mudanças importantes na valorização da cultura como mercadoria geradora de grandes lucros. 1-1) Falsa. As mudanças também afetaram as produções regionais, muitas delas valorizadas pelo seu exotismo e sua originalidade. 2-2) Falsa. Não tiveram repercussões apenas na Europa Ocidental, mas se internacionalizaram, atingindo regiões antes desvalorizadas e excluídas do mercado cultural. 3-3) Verdadeira. A indústria cultural tornou-se uma grande fonte de lucros para o capitalismo, influenciando a concepção estética dos produtos artísticos. 4-4) Falsa. Foram significativas, alterando as regras do mercado, valorizando obras de artistas modernistas, mas também utilizando técnicas renovadoras, influenciadas pelas descobertas científicas. 4-4) a presença da classe trabalhadora em alguns partidos, embora encontrasse resistência política para consolidação de uma sociedade menos desigual. Resposta: FFFFV 0-0) Falsa. O populismo atingiu as práticas presentes nas ações políticas de todo o Brasil. 1-1) Falsa. Os partidos não cultivam a formação de quadros especializados, dificultando, na sociedade brasileira, a ampliação das práticas democráticas. 2-2) Falsa. A UDN e o PTB foram fundados para disputar as eleições pós-queda de Vargas, nos anos de 1940, com importante participação no jogo de poder da época. 3-3) Falsa. Os ideais do liberalismo não foram respeitados, na sua plenitude, mesmo no tempo mais recente da vida política nacional. 4-4) Verdadeira. A estrutura continua, com forte influência das elites, a qual, com apoio da sociedade, tem impedido que as reivindicações da classe trabalhadora sejam implementadas. 16. A trajetória política dos partidos atuantes na sociedade brasileira do século XX está marcada, predominantemente, pela defesa de interesses privados em detrimento dos interesses da maioria da população. No Brasil contemporâneo, numa análise das histórias dos partidos políticos, merece destaque: 0-0) a existência de lideranças populistas, com práticas políticas conservadoras, localizadas, apenas, nas regiões do Norte e nas cidades do interior das outras regiões. 1-1) o planejamento dos partidos, para a formação de quadros políticos, preocupados com a cidadania e a igualdade social. 2-2) o desempenho dos grandes partidos de massa, como a UDN, o PTB, presentes na atividade política desde os anos de ) a influência dos ideais do liberalismo, respeitados em sua plenitude, desde os primeiros anos da República no Brasil do século XIX.

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I. MUNDOS DO TRABALHO COMPETÊNCIA HABILIDADES CONTEÚDO -Compreender as relações de trabalho no mundo antigo, nas sociedades pré-colombianas e no mundo medieval.

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS HABILIDADES/ COMPETÊNCIAS TEMAS/ CONTEÚDO - Compreender a diversidade do trabalho em sociedades que se baseiam nas relações sociais compulsórias e nas de

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

HISTÓRIA. 01. A História pode ser vista como uma grande aventura. 03. O predomínio do catolicismo foi significativo no

HISTÓRIA. 01. A História pode ser vista como uma grande aventura. 03. O predomínio do catolicismo foi significativo no HISTÓRIA 01. A História pode ser vista como uma grande aventura humana, onde há buscas e invenções incontáveis. A complexidade do ser humano exige do historiador: 0-0) uma análise exclusiva dos fatos econômicos

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político Escravismo Antigo Estrutura econômica Escravos produzem maior parte da riqueza Estrutura social Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: à Livres: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

HISTÓRIA 01. 03. 02.

HISTÓRIA 01. 03. 02. HISTÓRIA 01. A construção da narrativa histórica é feita não só por meio de consulta a acervos oficiais, mas também por depoimentos e interpretações do significado da cultura produzida na sociedade humana.

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de HISTÓRIA do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de HISTÓRIA do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

História 01. 03. 02.

História 01. 03. 02. História 01. A cultura grega é uma das bases da formação das concepções, dos valores e do imaginário do mundo ocidental. Nesse sentido, as obras de Sófocles são exemplares e mostram a excelência da tragédia

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental Aulas 6 e 7 A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) III- I- Local: Economia: região da agricultura, Palestina pastoreio ( Canaã (rio ou Jordão) terra prometida ). e comércio Atualmente:

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2012.2 Conhecimentos Específicos

Vestibular Comentado - UVA/2012.2 Conhecimentos Específicos HISTÓRIA Comentários: Profs. Renato Paiva, Osvaldo Negreiros, Liduina Gomes e Jordan Lopes 11. Os hebreus, povo de origem semita, eram descendentes de Abraão, natural da cidade de Ur, na Caldeia. Estabelecendo-se

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique Grécia Antiga Profº Paulo Henrique Periodização Período pré-homérico (2800 1100 a.c.): povoamento da Grécia. Período homérico (1100 800 a.c): poemas Ilíada e Odisséia. Período arcaico (800 500 a.c) : formação

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

História Geral. 3ª Edição - 2007

História Geral. 3ª Edição - 2007 História Geral 3ª Edição - 2007 Os Hebreus Localizado a leste da Mesopotâmia, constituía de um vasto planalto desértico rodeado de montanhas, entre a Mesopotâmia e a Índia. O Império Persa constituiu um

Leia mais

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS 1º ano Estudo da História Estudo da História O Brasil antes dos portugueses América antes de Colombo Povos indígenas do Brasil A colonização portuguesa A colonização europeia na América Latina Introdução:

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

HISTÓRIA. 4-4) a ausência de construções relacionadas com aspectos não-religiosos. Resposta: VFVFF

HISTÓRIA. 4-4) a ausência de construções relacionadas com aspectos não-religiosos. Resposta: VFVFF HISTÓRIA 01. O ofício de historiador tem uma complexidade que ultrapassa a necessidade de reunir e organizar documentos, pois há concepções teóricas fundamentais para se entender as ações humanas. A concepção

Leia mais

Grécia Antiga II. Cronologia

Grécia Antiga II. Cronologia Grécia Antiga II Cronologia Grécia - Cronologia Período pré-homérico (séc. XX- XII a.c) Migrações dos povos formadores da Grécia Período Homérico (séc. XII- VIII a.c) Genos (comunidades políticas) se estruturam,

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem índice Agradecimentos 15 Prefácio 17 Introdução 23 Capítulo 1 Que forma de Estado previne melhor os golpes militares? 27 Golpes de Igreja, golpes de Estado, golpes militares 27 Que é a forma do Estado

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais