Agentes do setor pedem liberação da venda de excedentes e isonomia entre o ACL e ACR, para que o mercado livre possa crescer de forma sustentável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agentes do setor pedem liberação da venda de excedentes e isonomia entre o ACL e ACR, para que o mercado livre possa crescer de forma sustentável"

Transcrição

1 Mercado livre: desafios para a expansão Agentes do setor pedem liberação da venda de excedentes e isonomia entre o ACL e ACR, para que o mercado livre possa crescer de forma sustentável O mercado livre precisa crescer. Mas para que essa ampliação ocorra, ainda é preciso ultrapassar algumas barreiras, que vão desde a venda de excedentes até a isonomia entre o mercado livre e regulado. Os critérios de elegibilidade hoje determinados - no qual apenas clientes que consomem mais de 3 MW podem ser livres - engessam o ACL. Isso sem contar a reserva de mercado que é feita para os chamados consumidores especiais, que consomem entre 0,5 MW e 3 MW, e só podem comprar energia de fontes incentivadas, o que gera controvérsias entre os agentes do setor. O tema foi amplamente debatido durante o 3 Encontro Anual do Mercado Livre, que aconteceu entre os dias 17 e 18 de novembro, em Salvador, na Bahia, e reuniu mais de 200 participantes. O mercado pede uma ampliação gradual do ACL, de modo que, no futuro, todos os consumidores possam escolher seu próprio fornecedor de energia, inclusive o residencial, como já acontece em outros países do mundo. Mas para chegar nesse nível, segundo os agentes, o mercado de energia precisa amadurecer. Reginaldo Medeiros, presidente da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia, afima que em 2011 foram tomadas algumas iniciativas concretas que permitiram seguir no amadurecimento, na evolução, na profissionalização e na consolidação do mercado livre. "Nesse ano surgiram duas bolsas de energia - a Brix e o Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia Elétrica, fizemos a certificação de profissionais e disponibilizamos o contrato padrão Abraceel", comentou o executivo. Inclusive, o contrato padrão Abraceel tornou-se disponível para todos os agentes do mercado durante o 3 Encontro Anual do Mercado Livre Para Luiz Eduardo Barata, presidente do Conselho de Administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, o mercado livre já atingiu um estágio em que se poderia ter algumas evoluções. Segundo ele, há uma preocupação grande hoje com o custo da energia, que está altamente relacionado com o custo Brasil. "Eu acho que a energia tem um papel fundamental na redução do custo Brasil e consequentemente, na competitividade do país. Nos leilões nós vemos redução de preços e, com isso,

2 falamos da modicidade tarifária, que é boa para os consumidores residenciais, que podem usar a energia para conforto. No entanto, acho que não se dá a mesma ênfase para o custo da energia no segmento industrial", comentou o executivo. E essa falta de competitividade vem preocupando os grandes consumidores. Segundo Luiz Maurer, do Banco Mundial, o Brasil sabe fazer leilões e tem um modelo bem sucedido e reconhecido internacionalmente. No entanto, não há isonomia entre o ACR e o ACL nesses certames. Na opinião pessoal de Maurer, isso ainda acontece por uma questão de diretriz do governo. "Não acho que seja uma questão de desenho dos leilões, porque o Brasil sabe fazer leilões. A questão é muito mais de diretriz", disse. Segundo ele, os agentes do mercado livre querem participar dos leilões e terem acesso a essa energia. "Os agentes do mercado livre querem participar dos leilões, tanto de energia nova, que tem contratos mais longos, quanto de energia velha, que pode ter contratos mais curtos", comentou Segundo ele, através dos leilões, o sistema prioriza a energia mais competitiva para o ACR, sendo que os grandes consumidores também precisam de energia barata para serem competitivos. Paulo Pedrosa, presidente da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres, afirma que ainda há muito o que avançar no que diz respeito aos leilões. "Os leilões podem até ser um sucesso para ampliar a oferta e para a redução de preços no mercado regulado. Mas temos que ver o que está implicado nisso. Se o mercado livre não está pagando mais caro pela energia, para que o cativo tenha um preço menor", avaliou

3 Para Pedrosa, o mercado livre e o cativo deveriam ser vistos como um mesmo mercado. "A única diferença é que o consumidor do mercado regulado delegou ao sistema a gestão do seu atendimento, e o livre pode escolher seu fornecedor. No mais, deveria ser tudo igual", defendeu. Entretanto, de acordo com ele, isso não acontece. Um exemplo é que quando há um atraso num projeto de geração ou numa linha de transmissão, a regra é diferente entre os mercados. "Isso faz com que o gerador, ao vender para o mercado livre, imbuta um componente de risco adicional. Isso não é adequado. Em outras situações, no mercado cativo, existe o que se chama de exposição involuntária. O consumidor livre não pode receber exposição involuntária. Uma outra falta de isonomia está relacionada às multas da CCEE, que são usadas para a modicidade tarifária do mercado cativo, mas que deveria ser utilizada para a modicidade dos dois mercado", avaliou. Marco Antonio Surek, conselheiro da Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia e diretor de Planejamento e Controle da Tractebel Energia, afirmou que existe uma sobra no mercado de energia, mas que mesmo assim, continua-se fazendo leilões. "Uma expansão desnecessária custa caro e alguém paga. Nesse caso, o mercado cativo está pagando porque é ele quem está contratando nos leilões. Por outro lado, está se criando um desequilíbrio no mercado como um todo, porque uma sobra enorme acaba derrubando os preços de curto prazo e, em consequência disso, não se contrata mais a longo prazo, o que dificulta a realização de obras para o mercado livre", comentou.

4 O Preço de Liquidação de Diferenças também vem levantando polêmicas no setor elétrico. Muitos agentes acreditam que o PLD não está refletindo os preços que deveria refletir. "O que a gente está dizendo é que o conceito de preço está se transformando", disse Pedrosa. Segundo ele, antes o preço da energia estava concentrado no contrato, que representava o preço da energia e da potência associada para o consumidor. Hoje em dia, isso está se desdobrando em mecanismos, cada um deles com as suas particularidades, com a sua imprevisibilidade, em vários mecanismos de segurança. "Isso significa que o consumidor paga o contrato, que corresponde ao PLD mais o ágil, e paga a energia de reserva, o despacho fora da ordem de mérito, só para se dar um exemplo", disse Pedrosa, da Abrace. Segundo ele, para o caso do consumidor que está contratando no longo prazo, isso é um distorção, porque ele paga duas vezes pela mesma energia. "A impressão que se tem é que o modelo vai tender a favorecer o PLD baixo. Isso dá um sinal econômico equivocado e a reação do mercado segue o sinal econômico", disse Pedrosa. Surek, da Apine, concorda e aponta que hoje existe um processo contínuo de se derrubar o PLD, devido aos diversos procedimentos de segurança que se criou no sistema elétrico brasileiro, que despacha térmica fora da ordem de mérito, o que permite que os reservatórios fiquem cheios e, consequentemente, o PLD cai. "Algumas inconsistências desse modelo precisam ser revistas urgentemente", analisou

5 De acordo com Barata, da CCEE, o PLD nunca ficou tão baixo por tanto tempo. Para a quarta semana de novembro, o preço fixado foi de R$ 45,45/MWh para as cargas média e pesada e de R$ 43,94/MWh para as cargas leves de todos os submercados. "O PLD nunca ficou por um período tão longo em um patamar baixo. Nós passamos praticamente todo o período seco com um PLD muito baixo. Se comparar com outros anos, em 2011 houve um comportamento diferente. O preço ficou bastante baixo porque tivemos um ano de chuvas boas, que fizeram com que os reservatórios ficassem cheios e os preços caíssem", disse. O problema, segundo os agentes, é que o PLD baixo por muito tempo desestimula os contratos de longo prazo por parte dos consumidores livres, que preferem aproveitar os preços do mercado VpoW. E, como lembrou Mozart de Siqueira, conselheiro da Associação Brasileira de Geração Limpa e presidente da Brennand Energia, é difícil conseguir financiamento para projetos destinados ao mercado livre, principalmente se não há contratos de longo prazo. De acordo com o executivo, o mercado livre não está disposto, com algumas excessões, a fazer contratos de longo prazo que permitam a expansão. Barata, da CCEE, não vê dessa forma. Segundo ele, 42% dos contratos hoje já são superiores a cinco anos, o que pode ser considerado de longo prazo. "Isso é uma surpresa, porque algumas pessoas acham que o mercado livre é um mercado puramente de oportunidade, onde os cosumidores vão estar lá porque a energia é barata", comentou. No entanto, ele pondera que existem obstáculos para que se faça contratos maiores, principalmente porque o consumidor não pode vender suas sobras de energia. Ele comentou que os grandes consumidores estão, principalmente, na siderurgia, na agroind~stria, no mercado de papel e celulose, que são mercados muito voláteis, que dependem do mercado internacional. "Esses empreendedores não sabem quanto eles vão estar produzindo daqui a dois anos ou cinco anos e, nem mesmo, se eles vão estar com as plantas deles operando. E sem poder vender o excedente da energia, fica difícil fazer contratos maiores", analisou. A ampliação do mercado livre e a possibilidade de venda de excedentes foram temas discutidos recentemente na MP 540. A medida provisória incluía duas emendas que ampliavam o ACL, mas que foram retiradas pouco antes da votação. Marcelo Moraes, diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira dos Produtores Indenpendentes de Energia, defende que seja feito um trabalho junto aos Poderes Executivo e Legislativo, de forma que fique clara a importância dessa ampliação do ACL.

6 No que diz respeito à grande ind~stria, segundo Pedrosa, da Abrace, prevalece os contratos de longo prazo, até pelas obrigações corporativas e pelo risco de ficar exposto. "Essas empresas tem políticas globais de risco, que impedem esse posicionamento. Então, a atuação no curto prazo da grande indústria é absolutamente complementar e acessória", disse o executivo. No entanto, ele acredita que nesse sistema a grande indústria está pagando o que não deveria. "A grande indústria não tem acesso aos preços baixos dos leilões, mas ela acaba pagando encargos que decorrem da característica dos novos projetos. Os novos projetos, cujo preço baixo chega ao consumidor cativo, ampliam as necessidades de energia de potência, que são pagos por encargos, que também são rateados com a grande indústria", disse. Pedrosa reclamou que a parte boa dos leilões vai para o consumidor cativo, enquanto a parte ruim, que é o aumento das perdas do sistema, o aumento do custo de transmissão - porque as usinas estão cada vez mais longe do centro consumidor -, o aumento dos encargos para firmar energia de potência dos empreendimentos, terminam sendo rateados por todos. Então, isso cria um mecanismo de subsídio da grande indústria para o conjunto do mercado e isso destrói valor da economia brasileira", apontou. Luiz Barroso, diretor da PSR Consultoria, contou que está sendo proposto a criação de um encargo de suprimento de ponta, através do qual seria realizado a motorização extra das grandes hidrelétricas para resolver o problema da ponta. "Isso é um absurdo muito grande. Até porque o consumidor livre pagaria o encargo, sendo que aquele consumidor que já contratou sua própria ponta, acabaria pagando duas vezes", argumentou.

7 O fato é que mesmo que alguns consumidores realizem contratos de longo prazo, a proibição da venda de excedentes por consumidores livres emperra a ampliação desse mercado. "Nós precisamos ter a liberdade de vender o nosso excedente. O mercado livre precisa crescer. Não é possível que continuemos com essas limitações", defendeu Carlos Faria, presidente da Associação Nacional dos Consumidores de Energia. Outro empecilho ao crescimento do mercado, na visão de Paulo Pedrosa, da Abrace, é a reserva de mercado, ou seja, o fato de só as fontes incentivadas poderem vender para os consumidores especiais. "A energia incentivada tende a ser competitiva para consumidores com tensão mais baixa, mas não se deve criar essa reserva de mercado. O que a Abrace defende é que precisamos resolver algumas distorções antes de ampliar o mercado. A tese é muito boa, mas precisamos garantir o acesso do ACL a expansão e a liquidez dos contratos, por exemplo. Esses são passos importantes para se ampliar o mercado. O ideal é que tudo possa convergir para um mercado só", comentou. João Mello, presidente da Andrade & Canellas, também defende que todos os consumidores deveriam poder comprar de todas as fontes de energia. Um estudo realizado pela consultoria mostrou que atualmente, o mercado livre responde por 27% da carga total, sendo que 2% são formados por consumidores especiais. Mas a expectativa máxima é que esse mercado

8 possa atingir 46%, sendo 14% de consumidores especiais. "Mas esse aumento do mercado depende de disponibilidade de energia e preços no ACL contra os preços do ACR", apontou. Mello disse ainda que na comparação com o ano passado, os preços no mercado livre para contratos de longo prazo reduziram. "Em 2010, os preços ficaram em torno de R$ 125/MWh a 130/MWh. Nesse ano, os valores foram um pouco menores: entre R$ 110/MWh e R$ 120/MWh", calculou. A expectativa de ampliação do n~mero de consumidores especiais na CCEE levou a Abraceel a apresentar uma proposta de criação da figura do comercializador varejista, que representaria as cargas dos consumidores especiais na CCEE. Os consumidores especiais também teriam uma adesão simplificada na Câmara e o comercializador varejista ficaria responsável por toda a operação. Segundo Reginaldo Medeiros, presidente da Abraceel, a proposta apresentada pela associação foi aprimorada pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica e remetida à Aneel em setembro desse ano. "Acreditamos que a criação da figura do comercializador varejista deverá entrar na pauta da Aneel ainda este ano e que também ainda em 2011 seja aberta uma audiência p~blica para debater o assunto", disse Medeiros.

9 Mesmo com todos esses desafios, o mercado livre quer e precisa crescer de forma sustentável. Isso significa, reduzir os limites de elegibilidade desse mercado, garantir a isonomia entre ACR e ACL, permitir que os consumidores possam vender seus excedentes, facilitando assim, a assinatura de contratos de longo prazo, entre outros desafios que ainda precisam ser superados. "Eu não tenho d~vidas de que o fututo é esse: cada um de nós sermos capazes de escolher nosso provedor de energia e as distribuidoras ficarem apenas com um papel de provedora de um serviço de fio, de distribuição. As comercializadoras seriam as responsáveis por venderem a energia. Agora, a velocidade com que isso será implantado vai depender das condições políticas, econômicas e culturais do país", avaliou Barata, da CCEE.

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre Luiz Barroso luiz@psr-inc.com 7º Encontro Anual do Mercado Livre, Novembro de 2015 1 Temário Contexto e propostas Solucionando o passado: Passivos

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia

Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia Brasília, 26 de março de 2015. A Abraceel Única Independente Livre Atua desde

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011 Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica Setembro / 2011 Tópicos 1. Mercado Livre de energia 2. Oportunidades de trading de energia elétrica 3. BRIX 2 Estrutura do setor elétrico brasileiro

Leia mais

Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase

Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase Energia Sustentável do Brasil S.A, ESBR, concessionária de uso de bem público para exploração da Usina Hidrelétrica

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO ACL na Expansão da Geração BACKWORDS

PARTICIPAÇÃO DO ACL na Expansão da Geração BACKWORDS BACKWORDS Um dos diagnósticos associado as falhas do modelo RE- SEB foi a ausência de sinais para investimentos, devido principalmente: Financiabilidade: prazo de contratação; robustez do PPA (mecanismos

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade EPE-21/02/2008 Bioeletricidade Sistema de Transmissão Mato Grosso do Sul Ciclo de Produção da Bioeletricidade Plantio da Cana-de-Açucar Colheita Palha Prensagem Xarope Biomassa Acúcar e Ácool Bioeletricidade

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis ERSE, 4/3/11 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Simona Marcu Sumário Comportamento dos preços spot com o aumento da participação

Leia mais

Energia Complementar e Seus Ganhos

Energia Complementar e Seus Ganhos Energia Complementar e Seus Ganhos Engº José da Costa Carvalho Neto Arcadis Logos Energia Apresentação na FIIEE, em 23/09/04 Belo Horizonte/MG Setembro/04 Índice 1 Introdução 2 Geração Térmica Flexível

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Luciano I. De Castro Associate Professor University of Iowa. Agradecimentos e disclaimer no último slide

Luciano I. De Castro Associate Professor University of Iowa. Agradecimentos e disclaimer no último slide Luciano I. De Castro Associate Professor University of Iowa Agradecimentos e disclaimer no último slide Opções colocadas pela Aneel 1. Corrigir o PLD máximo pelo IGP-DI (levando-o a R$ 861) 2. Escolher

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/consumidor-parte-para-gerar-apropria-energia-1.1203880 Em um ano

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA Principais Fatos das Reformas Institucionais da Indústria de Energia Elétrica 1 Introdução 2 Histórico das Reformas do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

LEILÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS CENÁRIOS

LEILÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS CENÁRIOS LEILÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS CENÁRIOS Eduardo Moreno - Diretor Vitalux Eficiência Energética Ltda. O que éesco? ESCO Energia Energy Service Company ou Empresa de Serviços

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Page 1 of 5 Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Reportagem Especial

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Escalada Tarifária do Setor Elétrico

Escalada Tarifária do Setor Elétrico Escalada Tarifária do Setor Elétrico Priscila Lino priscila@psr-inc.com FIESP São Paulo, 19 de agosto de 2015 1 Retrospectiva 2012 Set/12: Edição da MP n o 579 que trata da renovação das concessões: Anúncio

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013

Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013 Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013 Agenda I - COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA - CI Agenda CI 2013/2014 - Investimento

Leia mais

Painel: Nova abordagem na formação dos preços 23 / 9 / 2008, Brasília Alvorada Hotel, DF

Painel: Nova abordagem na formação dos preços 23 / 9 / 2008, Brasília Alvorada Hotel, DF Painel: Nova abordagem na formação dos preços 23 / 9 / 2008, Brasília Alvorada Hotel, DF Élbia Melo, Conselheira da - CCEE Edgard Pereira, Edgard Pereira & Associados Paulo Pedrosa, Abraceel Roberto Castro,

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média

O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média O volume de água nos reservatórios do sistema Sudeste/Centro-Oeste terá de dobrar até abril para livrar o Brasil de um novo racionamento

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Correio Braziliense 20/10/2014 Setor elétrico entre o tarifaço e a escassez

Correio Braziliense 20/10/2014 Setor elétrico entre o tarifaço e a escassez Correio Braziliense 20/10/2014 Setor elétrico entre o tarifaço e a escassez Falta de chuvas, turbulências regulatórias e rombas financeiras levaram a um caos energético. Além de equacionar esses problemas,

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 Conjuntura hidrológica bastante adversa 2014 foi 10º ano mais seco da história (84 anos)

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s

Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s PCH 2009:Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Abril de 2009 Histórico da

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES INFRAESTRUTURA SETOR ELÉTRICO Julho de 2014

MEMORANDO AOS CLIENTES INFRAESTRUTURA SETOR ELÉTRICO Julho de 2014 MEMORANDO AOS CLIENTES INFRAESTRUTURA SETOR ELÉTRICO Julho de 2014 CRITÉRIOS E CONDIÇÕES PARA O REGISTRO DE CONTRATOS DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E DE CESSÃO DE MONTANTES DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara

O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara Usina Hidrelétrica Ourinhos O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara Usina Hidrelétrica Barra Agenda Grupo Votorantim Votorantim Energia Análise do Setor Elétrico e o Mercado Livre Contatos

Leia mais

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 23/Maio/2012

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 23/Maio/2012 Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica 23/Maio/2012 Negociação energia elétrica no Brasil Mercado Cativo (ACR) Vendedores ACR e ACL Geradores Produtores independentes Autoprodutores Comercializadores

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Texto de Discussão do Setor Elétrico: TDSE 33 Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Nivalde J. de Castro Roberto Brandão Rio de Janeiro

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro João Carlos Mello - CEO Novembro de 2012 Objetivo Esta é uma síntese do impacto da Medida Provisória nº 579 (MP 579) no setor elétrico nacional

Leia mais

Mercado de Energia e Custos

Mercado de Energia e Custos Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas 24.04.2014 CMU Energia Atua no mercado desde 2003. Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Edvaldo Santana Diretor da ANEEL Lisboa, 29 de maio de 2008 Sumário Descrição dos objetivos Considerações iniciais i i i Regulação e Tarifas: evolução

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres - ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Geração Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

Histórico Trade Energy

Histórico Trade Energy Consumidor Livre Histórico Trade Energy Fundação da empresa com sede em Brasília Sócios: INEPAR ENERGIA, DESENVIX, ENERGÉTICA-TECH Autorização da ANEEL segunda Comercializadora no país Adesão pioneira

Leia mais

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Desenhando o futuro... Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Uberlândia, 29 de maio de 2009 1 Empresas Associadas

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos

Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos Bolsa de Mercadorias & Futuros Félix Schouchana São Paulo 5 de Outubro de 2007 Comercialização de energia elétrica não é oportunismo de curto

Leia mais