PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. Carolina Nobre Castello Branco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. Carolina Nobre Castello Branco"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Carolina Nobre Castello Branco A Justiça Constitucional na concretização dos Direitos Fundamentais: um estudo sobre o alcance dos novos ideais do constitucionalismo contemporâneo MESTRADO EM DIREITO Dissertação apresentada à Banca Examinadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, como exigência parcial para obtenção do título de MESTRE em DIREITO DO ESTADO, subárea Direito Constitucional, sob a orientação do Prof. Doutor André Ramos Tavares. SÃO PAULO 2011

2 Banca Examinadora iii

3 Ao meu esposo Roderick, por todo seu amor e dedicação à nossa família. iv

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por me ter proporcionado a vida, a saúde e a família que tenho. À minha mãe Helenilce, por seu exemplo de dedicação e persistência, por seu amor e por sempre se ter empenhado na minha realização pessoal e profissional. Ao meu pai José Roberto, pelo amor e suporte dedicado à minha mãe e à nossa família. Ao meu esposo Roderick, por ter escutado, pacientemente, os pensamentos aqui expostos e por sempre me ter apoiado nos momentos mais difíceis. À minha filha Sofia, por me ter proporcionado a alegria necessária para continuar na luta diária. Ao meu sogro, Rodemarck de Castello Branco, por seu exemplo de sucesso e por ter proporcionado à nossa família todo o suporte necessário para o cumprimento desta tarefa. À minha sogra, Romélia Oda Cabral Castello Branco, pelas inúmeras vezes em que esteve pronta a ajudar-me, por seu carinho e afeto e por sua atenção tão especial à minha filha. À minha cunhada, Nuria, por seu exemplo de dedicação, esforço e competência. À Professora Ritta de Cássia Haikal, por sua dedicação ao realizar a revisão deste trabalho de forma tão meticulosa. Aos meus amigos, pelo apoio e por terem aceitado e compreendido as minhas ausências. Ao meu orientador, Professor André Ramos Tavares, pela atenção e apoio dedicado a esta tarefa. A Rosana, secretária da Pró-Reitoria de Pós-graduação da PUC-SP, pela simpatia e prontidão ao ajudar-me sempre nas mais variadas situações. Ao CNPq, pelo importante auxílio financeiro concedido, tornando possível a realização deste mestrado. v

5 RESUMO Nome da autora: Carolina Nobre Castello Branco Título do Trabalho: A Justiça Constitucional na concretização dos Direitos Fundamentais: um estudo sobre o alcance dos novos ideais do constitucionalismo contemporâneo Resumo: Este estudo tem por objetivo principal verificar a participação da Justiça Constitucional na concretização dos Direitos Fundamentais. Para tanto, estabeleceu-se como ponto de partida as mudanças trazidas pelos novos ideais discutidas no constitucionalismo contemporâneo. A crescente preocupação com a efetividade dos Direitos Fundamentais e a ampliação do conteúdo material da Constituição impõe uma atuação cada vez mais abrangente da Justiça Constitucional e a necessidade de reformulação da compreensão de sua função interpretativa. Assim, o trabalho divide-se em três etapas distintas. Em um primeiro momento, a abordagem se inicia na análise da relação existente entre o Estado e a Constituição, bem como sua gradativa evolução até a formação do Estado Constitucional e, consequentemente, do constitucionalismo contemporâneo. Em seguida, o estudo propõe a análise do novo Direito Constitucional, abordando as diferentes terminologias que vem sido adotadas para definir o atual momento de mudança de concepção das idéias sobre Constituição e suas consequências trazidas para o Direito na temática da constitucionalização do Direito e na busca pela concretização dos Direitos Fundamentais. Por fim, o estudo se concentra nas atividades da Justiça Constitucional e a identificação da sua relação com o constitucionalismo contemporâneo para fins de concretização dos Direitos Fundamentais Palavras-chave: Constitucionalismo Neoconstitucionalismo Pós-positivismo Justiça Constitucional Direitos Fundamentais vi

6 ABSTRACT This study aims to evaluate the role of Constitucional Justice in the implementation of Fundamental Rights. To that end, it was established as a starting point the changes brought about by new ideas discussed in contemporary constitutionalism. The increasing concern over the effectiveness of Fundamental Rights and the expansion of the substantive content of the Constitution imposes a more comprehensive role of Constitutional Justice and the need to recast their understanding of the interpretative function. Therefore, this work is divided into three distinct stages. At first, the approach begins on the analysis of the relationship between the State and the Constitution, and its gradual evolution to the formation of constitutional state and thus of contemporary constitutionalism. Then, the study proposes the analysis of the 'new' Constitutional Law, approaching the several terminologies that have been adopted to define the actual moment of changing of the conception of ideas about Constitution and its consequences brought to the Law on the theme of constitutionalization of the law and in seeking the concretization of Fundamental Rights. Finally, the study focuses on the activities of the Constitutional Justice and the identification of its relationship to contemporary constitutionalism in attaining Fundamental Rights Keywords: Constitutionalism New constitutionalism post-positivism- Constitucional Justice Fundamental Rights vii

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 O CONSTITUCIONALISMO DO ESTADO CONTEMPORÂNEO 1.1. Aspectos introdutórios: o Estado e sua relação com a Constituição A Constituição como manifestação do Poder Constituinte Da antiguidade à contemporaneidade: origens e desenvolvimento do constitucionalismo O constitucionalismo na antiguidade O constitucionalismo moderno do Estado Liberal O Direito consuetudinário inglês como fonte das dos ideais constitucionalistas O constitucionalismo americano como fonte primária do Constitucionalismo moderno O constitucionalismo francês como fundamento filosófico do constitucionalismo moderno A expansão do constitucionalismo: o desenvolvimento do direito constitucional no Estado pós-moderno CAPÍTULO 2 - O NEOCONSTITUCIONALISMO 2.1. O surgimento do chamado pós-positivismo e suas implicações para o desenvolvimento do chamado neoconstitucionalismo Neoconstitucionalismo : conceito e pela terminologia adequada Características identificadoras do neoconstitucionalismo A incompatibilidade entre o positivismo e o neoconstitucionalismo O neoconstitucionalismo e a constitucionalização do direito A busca pela concretização dos direitos fundamentais viii

8 A terminologia apropriada e sua abrangência O problema da efetividade e o neoconstitucionalismo O problema da efetividade dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO 3 - O PAPEL DA JUSTIÇA CONSTITUCIONAL PARA A CONCRETIZAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS 3.1. A ascensão do judiciário e o surgimento da Justiça Constitucional Justiça Constitucional, Tribunal Constitucional e Jurisdição Constitucional As funções do Tribunal Constitucional Natureza do Tribunal Constitucional A Justiça Constitucional brasileira e as influências do sistema austríaco e americano de controle de constitucionalidade A legitimidade do Tribunal Constitucional diante do Poder Constituinte Originário O Supremo Tribunal Federal e a tarefa de interpretar a Constituição O poder do intérprete na concretização da Constituição A Justiça Constitucional brasileira e o Constitucionalismo contemporâneo A nova interpretação constitucional Os A valorização dos princípios e a abertura das normas constitucionais A nova interpretação constitucional e a tradicional dogmática jurídica CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ix

9 INTRODUÇÃO É relativamente recente a posição destacada que o Direito Constitucional ocupa nos debates jurídicos em todo o mundo. Costumava-se compreender o Direito Constitucional como uma disciplina desmembrada de todas as outras, mas não tão importante quanto aquelas voltadas para a prática. Com a promulgação da Constituição-Cidadã de 1988, o constitucionalismo brasileiro avançou em diversos aspectos positivos, principalmente na tentativa de buscar a eficácia de suas garantias fundamentais. O estabelecimento do Estado constitucional no Brasil fez surgir a necessidade de considerar a Constituição como o ponto de partida obrigatório, ao qual todas as ações estatais devem imediata obediência, sob pena de se tornarem inválidas. A partir de então, todos os outros ramos da ciência jurídica devem ser reconhecidos como decorrência de preceitos e normas constitucionais. Assim, chega-se ao fenômeno que muitos chamam de constitucionalização do Direito, em que todo o Direito passa a encontrar seu fundamento na Constituição. No entanto, mesmo com o surgimento da Constituição de 1988, não foi possível alcançar a efetividade idealizada. Muitos dispositivos constitucionais considerados essenciais e voltados para a proteção de Direitos Fundamentais permanecem, ainda hoje, sem eficácia social. Percebe-se que a rotina brasileira é a busca pela efetividade dos dispositivos constitucionais por meio da técnica da positivação, o que acabou por gerar uma falsa ideia de garantia constitucional. Nesse aspecto, portanto, evidencia-se a atual necessidade de se discutir a importância da Constituição no Estado e, principalmente, buscar a efetividade de seus dispositivos. Em vista disso, emergem na doutrina estudos sobre um despertar para um novo paradigma, uma nova forma de conceber o sentido de Constituição e, assim, efetivamente alcançar a realização dos seus preceitos. Na verdade, alguns apontam que a ideia é ir até mesmo mais além. Não se trataria somente de reformular o modo como se compreende a Constituição e, sim, construir uma nova teoria do Direito, capaz de modificar os critérios de validez difundidos pelo positivismo jurídico kelseniano e conferir maior amplitude ao conceito de Direito. 1

10 Assim, desenvolveram-se as ideias no constitucionalismo contemporâneo responsáveis pelo surgimento do chamado neoconstitucionalismo. Ainda que exista algum debate quanto à adequada terminologia para se adotar, importa ressaltar a ideia que o termo pretende explicitar: a aproximação do Direito com a moral, a valorização dos princípios mediante a interpretação constitucional e a efetividade dos Direitos Fundamentais. É, portanto, nesse aspecto que este estudo pretende desenvolver-se, embora a transformação atual do Direito Constitucional e a sua valorização perante os ramos do Direito imponham, ainda, a observância de mais um elemento considerado essencial na busca da concretização dos Direitos Fundamentais e dos ideais do constitucionalismo contemporâneo: a Justiça Constitucional. Assim, a necessidade de compreensão da transformação atual do modelo de Constituição e a busca pela eficácia social de suas garantias fundamentais são os principais fundamentos da realização deste estudo. Para uma coerente abordagem do tema, optou-se por estruturar este trabalho em três Capítulos. Inicialmente, realizou-se um estudo acerca das relações existentes entre o Estado e a Constituição, com breve abordagem dos aspectos conceituais e de sua gradativa evolução até a formação do Estado Constitucional e, consequentemente, do constitucionalismo contemporâneo. A partir de então, o constitucionalismo foi analisado sob o enfoque históricodescritivo para identificar seu processo evolutivo desde a antiguidade até a contemporaneidade, destacando-se os constitucionalismos desenvolvidos na Inglaterra, na França e nos Estados Unidos, para, assim, adentrar na temática referente ao momento de expansão do constitucionalismo a partir do surgimento do chamado Estado pós-moderno. Em um segundo momento, o estudo fixa-se na análise do novo Direito Constitucional e no seu desenvolvimento a partir do chamado pós-positivismo. Nesta oportunidade, foram também analisadas as diversas opiniões da doutrina acerca do conceito e da terminologia adequada, para, então, ressaltar a sua incompatibilidade com o positivismo jurídico de Kelsen. Diante da identificação do significado trazido pelo neoconstitucionalismo à Teoria Constitucional e à Teoria do Direito, passam a ser verificadas as consequências trazidas para o Direito com a adoção desse novo modelo, especialmente na temática da constitucionalização do Direito e na busca pela concretização dos Direitos Fundamentais. 2

11 Por fim, a pesquisa concentra-se no estudo das atividades da Justiça Constitucional, bem como na identificação da sua relação com o constitucionalismo contemporâneo para fins de concretização dos Direitos Fundamentais almejados, objetivo final deste trabalho, porque se centra na busca de solução da falta de efetividade dos Direitos Fundamentais por meio da atuação da Justiça Constitucional. Após a identificação de aspectos gerais envolvendo a Justiça Constitucional, tais como seu surgimento, natureza, conceito e funções, passa-se à análise da função de interpretação constitucional diante do constitucionalismo contemporâneo. Para uma compreensão adequada do estudo, convém esclarecer alguns aspectos importantes. A preocupação que ensejou o desenvolvimento deste trabalho sempre esteve focalizada na temática da efetividade das normas constitucionais. Durante o desenvolvimento da pesquisa, notou-se que as teorias relativas ao Direito Constitucional passavam por um momento de transformação, identificado por muitos autores como neoconstitucionalismo. Ao se amadurecer um pouco mais a ideia, chegou-se à conclusão de que a mudança sofrida no estudo do Direito Constitucional em muito se deve a uma transformação no próprio conceito de Direito, o que gera consequências profundas na aplicação das normas e das técnicas interpretativas. Portanto, tornou-se fundamental abordar a temática da Justiça Constitucional, pois a ela é conferida a última palavra relativa às normas constitucionais e, então, a partir dela, todas as mudanças trazidas pelo constitucionalismo contemporâneo podem concretizarse. 3

12 CAPÍTULO 1 O CONSTITUCIONALISMO DO ESTADO CONTEMPORÂNEO 1.1. Aspectos introdutórios: o Estado e sua relação com a Constituição Em razão do dinamismo do Direito e das ilimitadas influências exercidas pela vida social no desenvolvimento do Estado, é possível afirmar que o constitucionalismo contemporâneo seria resultado das experiências vivenciadas pelas sociedades no decorrer da história. Do mesmo modo, considerando-se que a Constituição foi o instrumento utilizado para estabelecer a ordem política e os limites do poder do Estado, também não há outra forma de analisá-la senão sob as influências da evolução do Estado e do Direito. No entender de Jorge Miranda 1, a Constituição é Direito que tem por objeto o Estado e, por isso, não há como se cogitar a existência de uma teoria da Constituição cindível da concepção de Direito e de Estado. Portanto, tendo em vista essa relação entre o Estado, a Sociedade e o Direito, percebe-se que esses elementos se encontram conectados e inter-relacionados e proporcionam uma contínua influência uns sobre os outros, de forma que não seria possível tratar o constitucionalismo sem observar a relação existente entre o Estado e a Constituição, considerando-se, assim, os acontecimentos históricos e políticos capazes de direcionar o atual modelo de Estado, hoje vivenciado. Por ser uma sociedade política, o Estado deve sempre ter em vista a realização do bem comum, já que surgiu em razão de um ato de vontade do homem, que cedeu ao Estado seus direitos em busca de proteção 2. Na atualidade, o Estado, além de carregar consigo a característica de ser constitucional, deve também ser um Estado de Direito Social e Democrático, uma vez que, além de ser capaz de intervir na ordem social e econômica, também tem o dever de garantir o cumprimento de Direitos Fundamentais de seus cidadãos. 1 Manual de Direito Constitucional, tomo II: Constituição, 4ª ed., Coimbra Editora, 2000, p Curso de Teoria do Estado e Ciência Política, 4.ed, São Paulo: Saraiva, 1999, p. 4. Celso Ribeiro Bastos esclarece que a Teoria Geral do Estado, como disciplina autônoma, busca conhecer a realidade do Estado para chegar à elaboração do Estado ideal, tendo sempre em mente vários Estados como objeto de estudo e não apenas um, pois o estudo de um Estado em particular e seu ordenamento jurídico cabem ao Direito Constitucional. Foi a partir do período entre guerras que surgiu a necessidade de se estudar o fenômeno estatal e a Teoria Geral do Estado se desenvolveu como uma doutrina, cujo campo de atuação se encontra no que há de comum entre todos os Estados, uma vez que trabalha com elementos existentes em todos eles: povo, território e poder. (p. 1-2). 4

13 Todavia, um longo caminho foi percorrido para que fosse possível compreender o Estado nos termos acima expostos. Originalmente, o Estado surgiu como representação da centralização do poder 3, única alternativa viável diante da complexidade das relações resultantes da expansão social. Esse poder, inicialmente centralizado e autoritário, perde força ao confrontar-se com a realidade democrática imposta pela legalidade, legitimidade e separação de Poderes, princípios surgidos com o estabelecimento do Estado de Direito. Conforme explica Hermann Heller, o poder do Estado passa a ser sempre legal, já que se torna um poder político juridicamente organizado. Desse modo, tal poder passa a ter como fundamento a legalidade, enquanto esta se fundamenta na legitimidade 4. Portanto, o poder passa de poder de fato para poder legítimo, que resulta do reconhecimento por aqueles a quem a vontade do sujeito se dirige de que ele actua de acordo com uma lei digna de acatamento geral, isto é, de que ele está no seu direito ao manifestar certa vontade 5. Com a expansão progressiva do convívio social humano, uma evolução gradativa do Estado se configurou tendo em vista a atuação dos detentores do poder público 6. O fato é que, em razão de tal evolução, se confere ao Estado a função de estabelecer limites aos detentores do poder. Para isso, torna-se imprescindível a existência de um ordenamento jurídico capaz de estabelecer as novas exigências sociais, tais como a liberdade, a legalidade, a igualdade, a separação de poderes e o estabelecimento de direitos e garantias fundamentais. Portanto, o surgimento do Estado 7 é, na verdade, um fenômeno político com consequências jurídicas, porque não há como organizar, estruturar e conferir soberania ao 3 Conforme ensina Marcello Caetano: Chama-se de poder a possibilidade de eficazmente impor aos outros o respeito da própria conduta ou de traçar a conduta alheia. (Manual de Ciência Política e Direito Constitucional, Tomo I, 6ª ed., Coimbra: Almedina, 2009, p. 5) 4 Hermann Heller, Teoria do Estado, São Paulo: Mestre Jou, 1968, p Marcello Caetano, Manual de Ciência Política e Direito, cit., p Marcello Caetano, Manual de Ciência Política e Direito, cit., p As características que o Estado absorve no decorrer da história são responsáveis por conferir a ele os adjetivos que o qualificam: Estado Democrático, Estado Social, Estado Moderno, Estado de Direito, Estado Absolutista. Percebe-se, assim, que o momento político em que este Estado se encontrava o acompanha para expressar as relações deste com seus cidadãos. Diante de tantas variações de conceito e justificações, Joaquim José Gomes Canotilho defende a ideia de que hoje apenas existe o Estado Constitucional. Segundo o autor, o constitucionalismo tentou estruturar um Estado com qualidades que fazem dele um Estado constitucional. Mas, para que o Estado constitucional seja um estado com as qualidades identificadas pelo constitucionalismo, ele deve ser também um Estado Democrático de Direito. Assim, existem duas grandes qualidades que o Estado constitucional deve possuir: ser Estado de Direito e ser Estado Democrático. Esta conexão interna entre democracia e Estado de Direito é, portanto, fundamental. (Direito Constitucional e Teoria da Constituição, 7ª ed., Coimbra: Almedina, 2003, p. 93). 5

14 poder supremo de um Estado senão pela via da legalidade, da produção de normas jurídicas capazes de orientar os mandamentos que o compõem. Além disso, também a função exercida pelo Direito na sociedade só poderia ser efetivada se contasse com o aparelhamento e a organização proporcionada pela figura do Estado. Assim, independentemente de sua evolução histórica, qualquer Estado requer a institucionalização jurídica do poder, já que existe a necessidade de se estabelecerem normas fundamentais, capazes de assentar todo o ordenamento 8. O Direito é, portanto, a relação entre os fatos surgidos da convivência social e prescrições específicas surgidas com o intuito de equilibrar os conflitos existentes na sociedade. Nesse aspecto, Konrad Hesse observa que a presença e a relevância de tais conflitos são fundamentais para que se possa vislumbrar a formação de uma unidade política. Hesse ensina que a formação da unidade política de um Estado não implica o surgimento de um Estado harmônico e a eliminação das diferenças sociais, políticas, institucionais e organizativas por meio da nivelação total: Dita unidade não se resulta imaginável sem a presença e relevância de conflitos na convivência humana. Os conflitos preservam da rigidez, do estancamento em formas superadas; são se que bem não unicamente a força matriz sem a qual a mudança histórica não se produziria. A ausência ou a repressão dos mesmos pode conduzir ao imobilismo, que supõe a estabilização do existente, assim como a incapacidade de adaptação às circunstâncias modificadoras e de produção de novas formas: chega então um dia que a ruptura com o existente se torna inevitável e a comoção um tanto mais profunda 9. Convém salientar, contudo, que não é a existência do conflito que importa e, sim, a resolução e a regulação dele, visto que somente a partir de tal esforço será possível tirar proveito dos seus resultados, especialmente do seu efeito de garantir a formação e a manutenção da unidade política do Estado 10. Se para o surgimento do Estado é fundamental a manifestação da unidade política, esta, por meio dos seus conflitos, também se torna responsável pelo surgimento do Direito. 8 Jorge Miranda, Manual de Direito Constitucional, t. I, cit., p. 7 9 Escritos de Derecho Constitucional, cit., p Texto no original: Dicha unidad no resulta imaginable sin la presencia y relevância de conflitos em la humana convivência. Los conflitos preservan de la rigidez, del estancamiento em formas superadas; son si bien no únicamente la força motriz sin la qual el cambio histórico no se produciría. La ausencia o la represión de los mismos puede conducir al inmovilismo que supone la estabilización de lo existente, asi como la incapacidad para adaptarse a lãs circunstancias cambiantes y a producir nuevas formas: llega entonces um dia em que la ruptura com lo existente se hace entonces inevitable, y la commoción tanto más profunda. 10 Konrad Hesse, Escritos de Derecho Constitucional, cit., p

15 Este, por se tratar de uma realidade normativa com o intuito de estabelecer um modelo de atuação dos membros da sociedade, indicando como as pessoas devem atuar e conviver, apresenta-se como um mecanismo de controle das tendências de dissociação que surgem do convívio social 11. Portanto, a relação entre Estado e Sociedade por meio do Direito é natural. O próprio Estado já é uma sociedade de fins políticos juridicamente organizada, com estrutura e forma conferida pelo Direito por meio da Constituição 12. A institucionalização jurídica do poder apresenta-se como uma alternativa viável para organizar a atuação humana existente na unidade política do Estado. Para Konrad Hesse 13, o estabelecimento de uma ordem jurídica é necessário porque somente por meio da cooperação planejada e consciente se torna possível o estabelecimento de uma unidade política permanente. Diante da propagação das ideologias liberais e racionalistas, fruto das grandes revoluções do século XVIII, o Estado passou a ser compreendido como Estado de Direito. Em sua origem, o termo foi utilizado para expressar o Estado da Razão, significando o Estado governado segundo a vontade geral da razão. Essa compreensão fez com que a expressão Estado de Direito sofresse certo esvaziamento e significasse apenas aquele Estado que atuava sob o império da lei, carente de conteúdos. Assim, todos os Estados que adotassem soluções advindas de uma ordem jurídica seriam Estado de Direito, sendo irrelevante se a lei embasava qualquer arbitrariedade pública ou privada, pois o que realmente importava era a garantia de respeito à lei 14. Nesse sentido, Pablo Lucas Verdú entende que a expressão Estado de Direito tem a pretensão de transmitir a ideia de que todo o âmbito estatal está presidido de normas jurídicas, o que leva à compreensão de que todo o poder estatal e qualquer atividade realizada pelo Estado se ajustem àquilo determinado pelo Direito em suas prescrições legais 15. Para Gustavo Zagrebelsky 16, a expressão Estado de Direito contém uma noção genérica, mas não é um conceito vazio, porque indica um valor e alude a apenas uma das direções do desenvolvimento da organização do Estado. Tal valor seria a eliminação das 11 Agassiz Almeida Filho, em prefácio da sua tradução da obra de Pablo Lucas Verdú, A luta pelo Estado de Direito, Rio de janeiro: Forense, 2007, p. X. 12 Michel Temer, Elementos de Direito Constitucional, 23ª ed., São Paulo, Malheiros Editores, 2010, p Escritos de Derecho Constitucional, cit., p Gustavo Zagrebelsky, El Derecho Dúctil: ley, derechos, justicia, Madrid: Trotta, 2005, p A Luta pelo Estado de Direito, cit., p El Derecho Dúctil, cit., p

16 arbitrariedades e a direção atingida por tal desenvolvimento seria a inversão da relação existente entre Poder e Direito. O autor explica que, embora a expressão possa comportar certo esvaziamento de conteúdo, não se pode inverter o seu uso para afastá-la de sua origem liberal. O fato é que, durante toda a evolução histórica do Estado de Direito, se preocupou em construir um modelo de Estado plenamente compatível com as conjunturas de cada tempo e lugar. Mas foi preciso esperar o fim da Segunda Guerra Mundial para que se propagasse a ideia de democracia constitucional nos países europeus e latino-americanos, para tornar possível, então, a elevação do Estado de Direito à condição de princípio estruturante e à condição legitimadora para o surgimento do Estado de Direito Constitucional 17. O Estado de Direito assume, então, um significado de proteção dos cidadãos frente à arbitrariedade de quem está no poder e compreende a representação eletiva, os direitos dos cidadãos e a separação de poderes. Assim, o sentido geral de Estado Liberal de Direito consiste no condicionamento da autoridade do Estado à liberdade da sociedade, por meio de um equilíbrio recíproco trazido pela lei. 18 Todas essas características descritas até agora se referem ao Estado que se formou com base em uma forma moderna de representação do poder. Segundo Paulo Bonavides 19, quando se utiliza a expressão Estado Moderno, pretende-se fazer referência àquele modelo de Estado surgido em contraponto ao modelo estabelecido na antiguidade. Trata-se de uma nova forma de representação do poder bem diferente daquela existente na Antiguidade Clássica e também na Idade Média. Somente com o estabelecimento do Estado Moderno e sua gradativa evolução, tornou-se possível o desenvolvimento do Estado de Direito Constitucional. O constitucionalismo teria surgido, inicialmente, de acordo com os ideais das revoluções francesas e americanas, mas desenvolveu-se para um constitucionalismo verdadeiramente democrático com a retomada da intervenção estatal na sociedade e com o intuito de conferir especial proteção aos direitos sociais. Nesse sentido, Paulo Bonavides explica: 17 Agassiz Almeida Filho, em prefácio da sua tradução da obra de Pablo Lucas Verdú, A luta pelo Estado de Direito, cit., p. X. 18 Gustavo Zagrebelsky, El Derecho Ductil, cit., p Teoria Geral do Estado, 8ª ed., São Paulo: Malheiros editores, 2010, p

17 A consequência maior dessas transformações observadas na evolução do Estado Moderno e seu Constitucionalismo, e que assinalaram o irreparável declínio do sistema liberal de poder, foi a aparição de um Estado constitucional, cujos fundamentos foram postos com toda clareza pelos publicistas que o teorizam. Ocorre, porém, que o Estado não logrou ainda completar o ciclo de seu desenvolvimento, nem determinar a natureza definitiva de suas formas institucionais, tampouco dizer qual a tábua ou base de valores sobre a qual assentará, por derradeiro, a sua legitimidade 20. Assim, pela primeira vez na época moderna, a lei vem submetida a uma relação de adequação e de subordinação, já que deve obediência a um patamar mais alto do Direito: a Constituição. Trata-se de uma inovação que se tem apresentado como uma continuação da evolução dos princípios trazidos pelo surgimento do Estado de Direito, mas que, de fato, se refere a uma profunda transformação e afeta, inclusive, a própria concepção de Direito 21. Dessa forma, o Estado estabelece-se por meio de uma Constituição capaz de conferir-lhe um ordenamento jurídico que impõe regras de conduta social, embora a certeza de obediência a tais regras seja um das principais preocupações que envolvem o estudo do constitucionalismo no Estado contemporâneo. Essa nova forma de constitucionalismo não gira ao redor de abstrações ou formalismos, porque tem como ponto de apoio os Direitos Fundamentais 22. Por isso, a legitimidade, compreendida como a justificação da imposição do poder 23, somente se verifica quando os Direitos Fundamentais se concretizam A Constituição como manifestação do Poder Constituinte O advento das Constituições escritas facilitou o estudo da organização de cada Estado, já que, com a codificação de suas normais fundamentais, foi possível identificar elementos comuns e permanentes em todos os Estados e possibilitou classificá-los e conceituá-los. Sabe-se que, por detrás do surgimento do Estado, existe a manifestação de um poder chamado de constituinte, capaz de formular uma Constituição. O Poder Constituinte caracteriza-se por ser uma manifestação soberana da vontade de um ou alguns indivíduos 20 Teoria Geral do Estado, cit., p Gustavo Zagrebelsky, El Derecho Dúctil, cit., p Teoria Geral do Estado, cit., p Introdução à Teoria do Estado: fundamentos históricos da legitimidade do Estado Constitucional Democrático, Tradução de Urbano Carvelli, Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 2009, p

18 capaz de fazer nascer um núcleo social 24. Portanto, é possível afirmar que a Constituição existe como decorrência do fenômeno político de formação estatal, porque, conforme bem explicita Jorge Miranda, onde está o fenômeno político, aí está o fenômeno constitucional 25. Trata-se da manifestação de vontade daqueles que possuem força de constituir o Estado. Nelson de Souza Sampaio 26 refere-se ao poder constituinte como o poder que representa a faculdade de organizar o Estado sem nenhuma limitação do direito positivo interno. A noção de Poder Constituinte teria começado a formar-se com o surgimento das Constituições escritas 27. A partir do momento em que o Poder Constituinte manifesta a sua vontade soberana na forma de um texto escrito, adotado como Constituição, o Estado de Direito evolui para um Estado Constitucional. Todavia, esse Estado Constitucional não deve ser compreendido apenas como um Estado de Direito, uma vez que é necessária a sua estruturação de forma legitimada pelo povo. Assim, o poder do Estado deve ser organizado e exercido de forma democrática e a soberania popular deve ser considerada um princípio fonte do Estado Constitucional, tendo em vista que todo poder político deriva exclusivamente de seus cidadãos. O Estado Constitucional estabelece-se como um Estado que possui uma Constituição limitadora do poder pelo império do Direito, justamente por guardar as qualidades de ser um Estado de Direito, mas é a legitimação democrática do poder que confere ao Estado Constitucional a liberdade positiva propiciadora da participação política dos cidadãos 28. Portanto, essa participação política, que se traduz em uma decisão democrática, deve ser considerada como o princípio necessário da legitimação moral do exercício do poder 29. Representa a apreciação dos princípios da liberdade e da igualdade, características 24 Michel Temer, Elementos de Direito Constitucional, cit., p Jorge Miranda, Manual de Direito Constitucional, t. I, cit., p O Poder de Reforma Constitucional, Bahia: Livraria Progresso Editora, 1954, p Isto não impede que países como a Inglaterra, que adotam uma Constituição costumeira, cogitem a existência de um Poder Constituinte. O que há, nestas, é a permanente manifestação constituinte, na medida em que os hábitos vão-se sedimentando para corporificar o costume. (Michel Temer, Elementos de Direito Constitucional, cit., p ). 28 José Joaquim Gomes Canotilho, Direito Constitucional e Teoria da Constituição, cit., p Francisco J. Laporta, Norma básica, Constitución y decisión por mayorias, in: Francisco J. Laporta (org.), Constitución: problemas filosóficos, Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2003, p

19 fundamentais de toda democracia, legitima o documento formulado e confere a este a validade necessária para se tornar a norma suprema do Estado. Todavia, as noções aplicadas nas explicações relativas ao Poder Constituinte envolvem questões anteriores ao surgimento do Estado e do Direito porque a doutrina não se demonstra pacífica quanto à afirmação de que o Poder Constituinte é uma manifestação soberana da vontade que faz nascer o Estado 30. O debate envolve saber se o Poder Constituinte é um poder de fato ou um poder de direito. Importa esclarecer que o poder sempre existe quando alguém tem a possibilidade de fazer acatar pelos outros a sua própria vontade. Pode ser um poder de fato ou um poder legítimo (de direito). O poder de fato utiliza-se da força para obter a imposição da vontade. Já o poder legítimo resulta do reconhecimento por aqueles a quem a vontade do sujeito se dirige de que ele actua de acordo com uma lei digna de acatamento geral, isto é, de que ele está no seu direito ao manifestar certa vontade 31. Assim, se for considerado um poder de fato, o Poder Constituinte traduz-se em força e, por essa razão, apenas se impõe. Por outro lado, se for considerado um poder de direito, tem sua origem em uma noção jurídica anterior ao Estado 32, porque, na formação de uma comunidade, a necessidade de disciplina é implícita e justifica a existência de uma norma fundamental, que autoriza a definição de normas de conduta pela sociedade 33. Nesse sentido, Michel Temer explica: Para os que sustentam a existência de um Direito Natural, esse poder é condicionado àquela normatividade anterior. Isto porque, anterior ao Direito Positivo, o grupo humano já tem uma ideia sobre como organizar-se, o que passa a ser o fio condutor da regração escrita. Para estes, há uma normatividade que decorre da própria estrutura íntima do homem. Se alguém é, automaticamente, titulariza direitos que não podem ser negados pelo Estado (direito à vida, à liberdade e outros). Decorrem dessa convicção os planos da legitimidade e da legalidade. Poderia, assim, verificarse norma positiva ilegítima (porque vulnera direitos próprios do ser humano) 34. Para Celso Antônio Bandeira de Mello, o poder constituinte, quando originário, não é referente a um fato jurídico justamente porque suas características de ser incondicionado e 30 Michel Temer, Elementos de Direito Constitucional, cit., p Marcello Caetano, Manual de Ciência Política e Direito Constitucional, cit., p Michel Temer, Elementos de Direito Constitucional, cit., p. 32, nota Marcello Caetano, Manual de Ciência Política e Direito Constitucional, cit., p Elementos de Direito Constitucional, cit., p

20 ilimitado já não reconhecem a este poder espécie alguma de restrição e, portanto, sem referencial a seguir em qualquer norma jurídica. Assim, é por meio da manifestação deste poder que todo o ordenamento jurídico se forma e faz surgir o texto constitucional, razão pela qual o autor afirma que o poder constituinte é pré-jurídico e precede a formação do Direito 35. É possível afirmar, portanto, que, desde que existe Estado, existe, materialmente, ao menos, a função constituinte, pois não se compreende grupo estatal destituído da mesma 36. Sendo assim, o poder constituinte não seria um fato jurídico, mas fato é. Por essa razão, Celso Antônio Bandeira de Mello qualifica como irrelevante a necessidade de se conferir a titularidade desse poder a alguém: Isto é irrelevante porque o Poder Constituinte é um fato e, a rigor, ou alguém tem este Poder Constituinte e o exerce, ou não tem este Poder Constituinte. É perfeitamente inútil que haja uma regra dizendo que alguém tem Poder Constituinte. Esta regra não vai, na verdade, alterar a real e efetiva existência ou não do Poder Constituinte porque ele é um poder ilimitado, porque ele é um poder que se propõe, que se diz, que se afirma incondicionado, portanto, ele pode se dispor do modo que quiser sem algum bloqueio de ordem jurídica que possa servir de impeço, de embaraço, de óbice àquilo que venha a ser disposto pelo chamado Poder Constituinte. Ele tanto pode resultar de um movimento popular, de uma insurreição popular, como pode resultar de um golpe militar. 37 Embora tais argumentos mereçam o devido respeito, o problema da titularidade do poder constituinte deve ser debatido, pois dessa titularidade derivará a legitimidade deste Poder. Conforme salienta Manoel Gonçalves Ferreira Filho, o exame da matéria permite a manutenção da ideia de que o consentimento dos governados é fundamental para a existência de uma Constituição 38. Se a decisão democrática deve ser considerada como um princípio necessário, capaz de legitimar o surgimento do Estado, então o Poder Constituinte deve ter como titular aquele capaz de sustentar tal decisão. Nesse aspecto, entra em discussão a questão da soberania, tendo em vista a vontade soberana que o Poder Constituinte representa. 35 Celso Antônio Bandeira de Mello, Poder Constituinte, In: Revista de Direito Constitucional e Ciência Política, v. 4, Rio de Janeiro: Forense, p Nelson de Souza Sampaio, O Poder de Reforma Constitucional, cit., p Celso Antônio Bandeira de Mello, Poder Constituinte, cit., p Direito Constitucional Comparado, I - O Poder Constituinte, São Paulo: José Bushatsky Editor, Editora da Universidade de São Paulo, 1974, p

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA Por André Cordelli Alves Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e Doutorando em Direito Civil pela

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL ESTÁCIO-CERS DIREITO CONSTITUCIONAL Professora Ana Paula Teixeira Delgado Tema: Poder Constituinte Poder Constituinte Definição: Poder de elaborar (originário)ou de atualizar uma

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015 DE DIREITO DO ESTADO 2015 EMENTA O Direito Constitucional é a referência axiológica para a aplicação de todos os ramos do Direito. Nesse sentido, este curso de Prática Jurídica Constitucional possibilita

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS

DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS Alécio Martins Sena 1 Os entes despersonalizados estão elecandos no artigo 12 do Código de Processo Civil Brasileiro, sendo eles a massa falida, o espólio,

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS *

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * CARLOS EDUARDO CAPUTO BASTOS Interpretar a lei, assevera Bevilaqua, é revelar o pensamento que anima suas palavras, daí por

Leia mais

Teoria Geral de Administração Pública

Teoria Geral de Administração Pública Teoria Geral de Administração Pública Robert B. Denhardt GRUPO 4 Disciplina Débora Cabral Nazário Fabíola Ferreira de Macedo Rafael Arns Stobbe Governo Eletrônico Professor Aires José Rover Eduardo Costa

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL

CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL Ataídes Kist 1 1 Docente do Curso de Direito da Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon. E-mail ataideskist@ibest.com.br 10 ATAÍDES KIST RESUMO: Na estrutura do Direito

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

LÉO FERREIRA LEONCY. Notas ao final do texto.

LÉO FERREIRA LEONCY. Notas ao final do texto. Colisão de direitos fundamentais a partir da Lei nº 6.075/97: o direito à imagem de presos, vítimas e testemunhas e a liberdade de expressão e de informação LÉO FERREIRA LEONCY Léo Ferreira Leoncy é Aluno

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

O CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE NA JUSTIÇA MILITAR DA UNIÃO Joéquison Taschetto de Almeida 1 Mauro Cesar Maggio Stürmer 2

O CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE NA JUSTIÇA MILITAR DA UNIÃO Joéquison Taschetto de Almeida 1 Mauro Cesar Maggio Stürmer 2 O CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE NA JUSTIÇA MILITAR DA UNIÃO Joéquison Taschetto de Almeida 1 Mauro Cesar Maggio Stürmer 2 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como temática principal a possibilidade dos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO João Alex Ribeiro Paulo Roberto Bao dos Reis Severino Gouveia Duarte

Leia mais

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral As eleições são resguardadas pelo princípio da anualidade, insculpido no art. 16 da Constituição Federal. Esse princípio constitucional,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO 1 FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL Lucas Hage Chahine Assumpção 1 RESUMO Esse trabalho foi elaborado a partir de uma problemática levantada no livro Curso de Direito Internacional Público, de autoria

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA

CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA CIDADANIA E MEIO AMBIENTE, À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA CLOVIS BRASIL PEREIRA SUMÁRIO: 1. O conceito de cidadania e sua evolução no Brasil - 2. Os direitos fundamentais e o exercício

Leia mais

A TERRITORIALIDADE COMO EIXO CENTRAL DOS DIREITOS INDÍGENAS

A TERRITORIALIDADE COMO EIXO CENTRAL DOS DIREITOS INDÍGENAS A TERRITORIALIDADE COMO EIXO CENTRAL DOS DIREITOS INDÍGENAS Djalma Magalhães Couto (djalma.couto@hotmail.com) Orientadora: Profª. Drª. Christina Miranda Ribas Universidade Estadual de Ponta Grossa Resumo:

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Júlio César Furtado dos Santos Pedagogo, Psicólogo, Diplomado em Psicopedagogia pela Universidade de Havana, Cuba Mestre em Educação pela UFRJ Doutor

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES

DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES 1. DIREITO: é o conjunto de normas de conduta coativa impostas pelo Estado, se traduz em princípios de conduta social, tendentes a realizar Justiça, assegurando

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

I. Apresentação Geral... 3

I. Apresentação Geral... 3 Programa de Pós- Graduação Lato Sensu Especialização em Direito Constitucional Entrada: 2011 1º Semestre Índice I. Apresentação Geral... 3 II. Especialização em Direito Constitucional... 4 1. Plano de

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci

O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci Artigos O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci Rommel Madeiro de Macedo Carneiro Advogado da União, Coordenador de Assuntos Administrativos

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO Woille Aguiar Barbosa 1 1. RESUMO Neste trabalho, é apresentado um panorama das diversas concepções do constitucionalismo, através de um

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E O ORDENAMENTO INTERNO Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: este artigo visa observar a relação existente entre os tratados internacionais sobre

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO)

XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO) XI - REGIMES POLÍTICOS E DEMOCRACIA (DEMOCRÁTICO NÃO DEMOCRÁTICO) Toda sociedade política pressupõe um ordenamento. Este ordenamento constituiu, por sua vez, fundamental e indispensável condição para a

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

Representações Sociais de Meio Ambiente

Representações Sociais de Meio Ambiente Representações Sociais de Meio Ambiente Naturalista Reigota, 1995: Antropocêntrica Globalizante Moraes et al, 2000: Antropocêntrica = Naturalista Meio Ambiente Olivier Godard, 1984: O conceito de meio

Leia mais

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA 1. (Enem) É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente

Leia mais

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Como se sabe, a legislação vigente prevê uma série de limitações referentes à realização de despesas em ano eleitoral, as quais serão a seguir

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professora: Ms. Marilu Pohlenz marilupohlenz@gmail.com Período/Fase: 2º Semestre: 1º Ano: 2015

Leia mais