HISTORIOGRAFIA E LITERATURA: O POTENCIAL HISTORIOGRÁFICO DO ENREDO TRÁGICO RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTORIOGRAFIA E LITERATURA: O POTENCIAL HISTORIOGRÁFICO DO ENREDO TRÁGICO RESUMO"

Transcrição

1 HISTORIOGRAFIA E LITERATURA: O POTENCIAL HISTORIOGRÁFICO DO ENREDO TRÁGICO RESUMO Fernanda Mattos Borges da Costa 1 O presente artigo pretende reconstruir a revolução historiográfica do século XIX a partir de uma análise da tradição da Escola dos Annales e da afirmação da Nova História. A respeito disso, trata do estudo de Peter Burke dos historiadores do final do século XVIII e inovações trazidas pelo início do século XIX. Dentre elas serão destacadas as mudanças apreendidas no papel do historiador e da natureza do método historiográfico, a Revolução Heurística e a construção de uma história das mentalidades. Complementado com o estudo de Hayden White sobre a narrativa histórica, e suas diferenças com as concepções anteriores. Será destaca a relação entre a historiografia e a literatura, para inserir um debate mais específico da construção histórica a partir do enredo trágico. Neste ponto pretende-se analisar as características particulares da tragédia que permite sua proximidade com o seu contexto ético. A intenção deste trabalho é formular um debate introdutório que venha a complementar um Trabalho de Curso embasado na análise de duas diferentes concepções de justiça a partir das particularidades entre contextos éticos distintos, pré-moderno e o moderno. Para exemplificar o uso historiográfico da obra trágica, tratar-se-á das tragédias Orestéia, de Ésquilo, e Hamlet, de Shakespeare. Em ambas o assassinato demanda um dever de vingança, porém a Orestéia narra o sentido de justiça a partir do conflito entre destino e salvação em um embate de ordens e leis divinas distintas, enquanto Hamlet reflete a busca do sentido de justiça a partir do conflito entre destino e livre arbítrio, em meio aos questionamentos da ordem estabelecida pelo costume e da tradição. Ambos reflexos de caracteres próprios de seu tempo. Palavras-chave: Historiografia, Literatura, Tragédia. 1 Estudante do Curso de Direito do Centro Universitário do Pará- Cesupa

2 ABSTRACT This article seeks to reconstruct the historiographical revolution of the nineteenth century from an analysis of the tradition of the Annales and the affirmation of the New History. In this regard, deals with the study of Peter Burke of the historians from the late eighteenth and innovations brought by the early nineteenth century. Among them will be highlighted changes in perceived role of the historian and the nature of historiographical method, the Heuristic Revolution and the construction of a history of mentalities. Complemented by the studies of Hayden White s theory of historical narrative, and its differences between the previous conceptions. It will be highlight the relationship between historiography and literature, to enter a more specific discussion of the historical development from the tragic plot. At this point we intend to analyze the particular characteristics of the tragedy that allows its proximity to its ethical context. The intent of this paper is to formulate an introductory discussion that will complement a TC based in the analysis of two different conceptions of justice from the particularities among different ethical contexts, pre-modern and modern. To illustrate the use of historiographical work tragic case will the tragedies Oresteia, by Aeschylus, and Hamlet, by Shakespeare. In both the murder demands a duty of vengeance, but the Oresteia tells the sense of justice from the conflict between destiny and salvation in a clash of different orders and divine laws, while Hamlet reflects the search for the meaning of justice from the conflict between destiny and free will, in the midst of questioning the order established by custom and tradition. Both characters' own reflections of his time.. Key-words: Historiography, Literature, Tragedy 1 INTRODUÇÃO O presente artigo pretende ser uma introdução ao meu Trabalho de Curso. Neste, abordarei as diferenças na relação entre justiça e vingança correspondentes aos contextos éticos pré-moderno e moderno, com o estudo comparativo das tragédias Orestéia, de Ésquilo, e Hamlet, de Shakespeare. Aqui farei apenas uma preliminar metodológica dessa tarefa. Explicarei como as mudanças da concepção da narrativa histórica e da tarefa do historiador permitiram novas formas de ver a relação entre história e literatura. Desse modo, pretendo mostrar que minha futura tentativa de interpretar contextos históricos a partir de obras literárias que neles tiveram lugar encontra suporte teórico nas idéias da Nova História. A revolução historiográfica e da Escola dos Annales, acompanhada por outros historiadores da época, revela a importância do estudo das mentalidades do passado. Neste contexto ocorre o debate sobre a possibilidade, a validade e os cuidados para o uso de textos literários nas conclusões históricas. Mas a temática historiográfica constitui-se de forma relativamente autônoma, o que permite seu tratamento a parte e um debate mais concentrado para fins de publicação.

3 Neste trabalho falarei da transição do pensamento historiográfico com a cisão da tradição histórica entre Velha História e Nova História. Explicarei o papel da narrativa histórica e a renovação das fontes, trazidas pelo novo modelo historiográfico. Em seguida tratarei sobre as relações entre a História e a Tragédia, com o fim de mostrar as particularidades do enredo trágico e sua relação com a mentalidade de seu período. Ao final, serão trazidas algumas das semelhanças e diferenças presentes nas tragédias de Orestes e Hamlet. 2 RELAÇÕES ENTRE HISTÓRIA E LITERATURA Da Velha História para a Nova História e o surgimento da história das mentalidades: Antes da revolução historiográfica e do desenvolvimento da Nova História os textos de referência ao passado vertiam-se basicamente sobre os acontecimentos políticos e militares. As fontes históricas já no paradigma do século XVIII estavam restritas àquelas de origem documental. Esta maneira de pensar a história, posteriormente batizada de Velha História, foi liderada por Leopold Von Ranke e continuada de forma mais radical por seus seguidores 2. Qualquer abordagem histórica não política era desconsiderada de cientificidade, e neste sentido, incapaz de predizer verdades históricas. No século XIX, a história dos grandes acontecimentos, dos grandes feitos e dos grandes homens ainda gozava de supremacia. Porém já insurgiam visões mais amplas do trabalho historiográfico. Autores como Michelet e Burckhardt apresentavam interesse por temáticas tais como a visão das camadas populacionais desfavorecidas nos diferentes tempos históricos ou a integração entre Estado, Religião e Cultura 3. No final do século pululavam manifestações contra a historiografia tradicional e no início do século XX o debate chegara a um nível intenso. Neste contexto que se desenvolveu a revista Annales d histoire économique et sociale, criada por Marc Bloch e Lucien Febvre. O movimento liderado pela Escola dos Annales estabeleceu-se como busca de superação da tradicional narrativa de acontecimentos e pela adoção do método da históriaproblema. Neste formato desenvolve-se o estudo e a pesquisa voltados para responder à questão trazida pelo historiador, uma atividade maior do que relacionar fatos. Também era 2 BURKE, Peter. A escola dos annals ( ): a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, p Ibid., p.19.

4 objetivo dos historiadores da revista a defesa de uma história total, uma história real (na defesa de Durkheim) 4 ou uma história econômica e cultural dos povos (conforme defendeu Karl Lamprecht) 5, abrangente e relacionada a todas as atividades humanas. A Escola defendeu intensamente o contato do estudo histórico com outras disciplinas em prol de novas abordagens históricas a partir da contribuição das demais ciências sociais. Uma das criações de Marc Bloch, Les Rois Thaumaturges exemplifica o método de história-problema, que visa respostas à questão trazida pelo autor. O livro trata da crença sobre os povos feudais sobre as habilidades de cura de seus reis exercida por meio do toque real especialmente praticado na Inglaterra e na França durante vários séculos. A partir desta constatação, Bloch desenvolve uma série de possibilidades às crenças nos milagres por meio da contribuição das disciplinas da psicologia, antropologia, e sociologia. Na sociologia sofreu grande influência durkheiminiana acerca das representações coletivas, em que embasou seus resultados 6. Nesta obra desenvolveu também o que chamou de história comparativa. Seu trabalho pretendeu ir além dos estudos comparativos de até então, baseados somente nas semelhanças entre regiões contíguas, vizinhas no tempo e no espaço. Com um novo método alcança relações mais profundas que levam à maior compreensão dos costumes e das crenças compartilhadas. No Les Rois Thaumaturges, além do estudo comparativo entre a prática a Inglaterra e na França, identifica o mesmo costume sendo realizado na Polônia e destaca os seus paralelos com relação à Europa 7. Em outro estudo chamado Societé Féodale, trabalha um estudo da consciência, da memória e das representações coletivas da Europa feudal, permitindo um paralelo com o sistema do xogunato japonês. Braudel, na segunda geração dos Annales, renovou os sentidos de história de longa duração e história de curta duração. A primeira refere-se aos grandes processos, enquanto a segunda trata de fatos específicos, militares ou políticos. O acréscimo de Braudel está na centralização do estudo nas relações do homem com seu meio e todos os elementos que o envolvem. Assim, conciliou um estudo de longa duração com o movimento lento do ambiente geográfico, cultural e econômico, em prol da construção da história total 8. A história das mentalidades foi uma das grandes contribuições da terceira geração da Escola dos Annales, sendo negligenciada nas gerações anteriores. O estudo das mentalidades modificou parte da 4 Ibid., p Ibid., p Ibid., p Ibid., p Ibid., p. 54.

5 historiografia, reduziu o foco da economia e da história quantitativa para colocar em primeiro plano a cultura e a história social 9. Philippe Airès foi historiador das mentalidades, apesar de não estar ligado aos Annales e à atividade historiográfica institucional. Pesquisou e escreveu acerca das relações que a cultura estabelece com fenômenos naturais, tais como a morte e a infância. Seu estudo foi construído a partir da literatura e da arte de quase mil anos. A abordagem que fez acerca da morte trouxe para o debate dos Annales a mentalidade das diferentes sociedades em épocas distintas. Autores como Vovelle e Chaunu empregaram complementações à visão da morte por várias gerações a partir de abordagens quantitativas 10. Houve grande influência de Michel Foucault na terceira geração, e a partir de suas contribuições a idéia do real expandiu-se para além do social até alcançar o campo do pensamento 11. Apesar da primazia dos medievalistas dentre os historiadores da Escola dos Annales, o movimento alcançou também os estudos historiográficos da antiguidade. Autores tais como Jean-Pierre Vernant e Paul Veyne desenvolveram suas pesquisas paralelamente aos Annales e suas obras foram embasadas na psicologia, na sociologia e na antropologia 12. A narrativa histórica: Paul Ricoeur, em Tempo e Memória, declara a volta da narrativa à historiografia. Defende que todas as obras históricas são narrativas, mesmo àquelas da tradição dos Annales 13, na qual a narrativa remeteria apenas ao aspecto da história contada a partir de fatos e eventos políticos ou realizações de poucos indivíduos. A partir de um estudo formal da historiografia, Hayden White traz uma nova perspectiva da função e do saber historiográfico. No Meta-História, faz uma análise das concepções do processo histórico apresentadas por quatro grandes historiadores do século XIX (Michelet, Ranke, Tocqueville e Burckhardt). Em seguida trabalha as reflexões sobre a história e sua construção nas teorias dos principais filósofos da história do mesmo período (Hegel, Marx, Nietzsche e Croce). Neste estudo pretende demonstrar o trabalho historiográfico como construção de idéias na forma de um discurso narrativo. Por conta disso, White descreve as formas de narrativas históricas possíveis a partir das principais obras dos 9 Ibid., p Ibid., p e Ibid., p. 88 e Ibid., p Ibid., p. 104.

6 historiadores destacados. Identifica modelos de representação e reflexão histórica alternativos entre si, que culminam em quatro estilos possíveis de reconstrução histórica: romance, tragédia, comédia e sátira. Da mesma forma é viável a sobreposição de estilos, como também podem haver outras modalidades narrativas de construção historiográfica, tal como o épico. Quando aborda sua teoria da obra histórica 14, White estabelece cinco níveis na formação da obra histórica: a crônica, a estória, o modo de elaboração de enredo, o modo de argumentação e o modo de implicação ideológica. A crônica é formada por todos os elementos do campo histórico, seqüenciados em ordem cronológica de acontecimento e indistintos dentre o todo. Para formar a estória, o historiador reorganiza os elementos do campo histórico de modo a formar um processo, com início, meio e fim distinguíveis. A partir disso, os eventos são selecionados de acordo com sua relevância para o processo que se pretende construir. Eles serão divididos em categorias, como eventos de motivos iniciais, de motivos de transição ou de motivos conclusivos, ordenando-os de forma coerente dentro de um período determinado. Nem todos os eventos na crônica serão selecionados para integrar a estória. A crônica constitui-se de todos os fatos do passado possíveis de serem conhecidos, e o historiador seleciona e ordena apenas aquilo que entende ser relevante para a formação de seu enredo. Um mesmo evento, tal como uma revolução ou alteração política, pode constar como motivo inicial, transitório ou conclusivo dentro da estória. Depende da relevância que apresenta dentro do processo construído e analisado pelo historiador. O trabalho historiográfico foi afastado da tarefa do ficcionista porque este inventava suas narrativas, enquanto se atribuía ao historiador a capacidade de encontrar as histórias reais do passado em meio aos fatos da crônica. No entanto já não se pode afastar a percepção do grau de inventividade na pesquisa e no produto do estudo historiográfico. Basta que se destaque um evento: a partir das várias abordagens historiográficas já feitas, o momento da queda da Bastilha pode ser verificado de diversas maneiras, nos mais distintos ângulos. Sãolhe atribuídos motivos e relevâncias diferentes, a depender de onde o fato figura dentro do processo destacado no enredo. Por exemplo, se o objetivo é apontar a revolta do povo ao governo francês, o evento será colocado como motivo de meio ou ainda de início, para explicar os outros acontecimentos posteriores, como a própria Revolução. Os fatos históricos o são na medida em que constituem relevância para o processo que o historiador pretende narrar. 14 White, Hayder. Meta-história: a imaginação histórica do século XIX. 2. Ed. São Paulo: EDUSP, 1995.

7 White destaca, ainda, que o estabelecimento dos eventos dentro da estória tanto trazem quanto respondem a questões trazidas pelo historiador. Proposições como O que aconteceu?, porque aconteceu dessa forma e não de outra?, como aconteceu?, ou ainda questões mais abrangentes como qual o sentido de tudo isso? podem ser respondidas de várias formas, a partir de explicações por elaboração de enredo, por argumentação e por explicação ideológica 15. Estabelecer um enredo, seja ele romanesco, trágico, comédia ou satírico, é dar sentido a cada estória que compõe a narrativa. Uma explicação por argumentação formal refere-se à pretensão de construção de uma finalidade ou sentido para os argumentos trazidos pelo historiador. Esta explicação trabalha de modo silogístico, estabelece uma lei putativa e universal de explicações históricas e segue para enquadrar os fatos continentes no enredo. O resultado é uma conclusão lógica dos eventos organizados no enredo, que exprimam o significado dos acontecimentos a partir de um argumento nomológico-dedutivo. Um exemplo de lei putativa universal é dado pelo próprio White: dentro da teoria marxista, qualquer alteração que ocorra na Base, sendo esta os meios de produção e a relação entre eles, acarretará modificações dentro dos componentes da Superestrutura, que são as instituições culturais e sociais 16. Estas leis não são estabelecidas tais como as leis das ciências naturais. Os historiadores divergem a respeito do conteúdo delas, sem convergir em consensos metodológicos. White resume que as explicações históricas são obrigadas a basear-se em diferentes pressupostos meta-históricos acerca da natureza do campo histórico, pressupostos que geram diferentes concepções dos tipos de explicação que podem ser usadas na análise historiográfica 17. São diferentes disputas historiográficas no nível da interpretação, que acabam por demonstrar divergências no que seja a verdadeira natureza da atividade do historiador. White conclui que qualquer modo explicativo de construção histórica tem um fundo ideológico. Só é possível ao historiador explorar o passado em comparação com o presente, que acaba necessariamente conseqüente daquele. Mais que isso, a própria forma que se constrói os eventos passados depende de como se percebe o presente, como coerência daquilo que passou. Assim, o compromisso com uma forma identificada no passado predetermina os tipos de generalização que o historiador pode fazer acerca do mundo presente. Por ideologia, no entendimento de White, trata-se do conjunto de prescrições éticas que o historiador 15 ver White,op.cit 16 Ibid., p Ibid., p. 28.

8 apresenta sobre o seu próprio tempo, voltadas à atuação social, seja para modificá-la ou mantê-la 18. Na empresa de construir sua narrativa, o historiador utiliza modalidades de elaboração de enredo, determinadas explicações por modalidades de argumentação e implicações ideológicas específicas. O resultado é a formação de um estilo historiográfico a partir da combinação final presente na obra. Mas cada estilo também representa a própria percepção do historiador acerca da ordenação e representação dos elementos históricos, da natureza e do método historiográfico, bem como do que são os problemas e as explicações da história. A Revolução Heurística: O estabelecimento de outras fontes históricas foi uma das grandes contribuições da Nova História. Esta abertura levou à ampliação das possibilidades de pesquisa historiográfica para além dos arquivos e documentos oficiais. Documentos cartográficos, testamentos, cartas, biografias, arquitetura ou até mesmo obras de arte ganharam o foco dos elementos culturais, econômicos e sociais à que pertenciam. Este novo olhar sobre as fontes do passado ficou conhecido como Revolução Heurística, intimamente relacionada ao apelo de interdisciplinaridade dos historiadores dos Annales. Lucien Febvre, por exemplo, desenvolveu uma tese de grandes dimensões sobre a religiosidade e o significado de ateísmo no período medieval a partir de François Rabelais 19. Mas foi na história das mentalidades que as pesquisas historiográficas embasadas em fontes literárias desenvolveram-se intensamente 20. O Montaillou de Le Roy Landurie tratou da reconstrução da vida cotidiana de uma vila francesa a partir de registros da inquisição. Por essa análise, Le Roy estabelece os contornos da tradição medieval por meio de um estudo do particular projetado para o todo. A isto se chamou, mais tarde, de micro-história, e o Montaillou sofreu as mais diversas críticas, gerando grandes contribuições às formas mais atuais de projeção do exemplo à totalidade. Dentre as críticas está a pendência de maior atenção às entrelinhas e pela leitura interpretativa dos documentos e das fontes. Este método é capaz de destacar mais do que se pode perceber a partir de uma análise literal, possibilita anunciar revelações às vezes imperceptíveis, mesmo aos contemporâneos daquela fonte 18 Ibid., p Ver: BURKE, Peter. A Escola dos Annales ( ): a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, Ibid., p. 83.

9 histórica 21. A reconstrução de um contexto a partir da análise de uma situação particular é semelhante ao processo de análise de uma obra literária que pretende revelar os traços da sociedade que a gestou. Por conta dos estudos historiográficos de fontes literárias uma antropologia literária resultou da aproximação de críticos da arte (especialmente norte americanos) ao movimento dos Annales 22. Em toda literatura, a sociedade contempla a sua própria imagem 23. Mas a historiografia literária não constitui ciência inquestionável. A própria disciplina da história ainda encontra seus obstáculos para sua afirmação científica, na medida em que precisa lidar com os elementos subjetivos inerentes à sua atividade. Estabelecer precisamente o objeto histórico e sua relação com o historiador é complexo, mais ainda quando se trata da análise de elementos e contextos históricos a partir das obras literárias. Como bem ressaltou o professor Alexandre Flory, em seu artigo recente, a crítica e história literárias criam seus fatos literários, por assim dizer, e trabalham sobre o que poderia ter acontecido, diferindo em qualidade, não apenas em grau, do que efetivamente aconteceu 24. Em seu trabalho aborda a relação entre a formação identitária da Áustria por meio da literatura, após a Segunda Guerra Mundial e a conquista de sua independência com relação à Alemanha. É possível verificar trações deste contexto no fenômeno do movimento literário que se seguiu no pós-guerra. A Áustria buscava construir sua própria identidade, tanto nacional quanto cultural, e a literatura orientava-se para um retorno ao passado milenar e nobre do período anterior à guerra e à dominação. Também traz um exemplo de literatura como historiografia consciente a partir da peça teatral intitulada Heldenplatz, apresentada em 1988 no Burgtheader de Viena, que reformulada a percepção da participação da Áustria nos eventos nazistas de cinqüenta anos antes. A obra de Thomas Bernhard traz ao público o passado austríaco ligado ao nazismo, o qual se tinha afastado de qualquer debate até aquele momento. Sobre uma historiografia do período arcaico, a partir dos comentários de Edward Carr, pode-se afirmar que os relatos épicos dos poemas homéricos são a única forma adequada de se construir historicamente aquele período, e, juntamente com os registros míticos, a única referência possível ao mundo heróico, porque é somente esta a fonte que chegou ao 21 Ibid., p Ibid., p Ibid., p Ver : FLORY, Alexandre Villibor. A literatura como espaço para a historiografia e para o debate sobre criação identitária: algumas anotações sobre a Áustria. Disponível em: Acesso em: 26 mar

10 historiador, seja ele Heródoto ou Jaeger. A história dos períodos antigos, grego e medieval, é marcada tanto pela preservação de poucas fontes e registros, quanto pela autoria destas abordagens. Em outras palavras, a seleção destes fatos históricos foi delimitada muito mais pelos limites que permitiam as fontes do que pela escolha de abordagem do historiador. As fontes que restaram do mundo heróico constituem todo o horizonte do que é permitido conhecer e construir daquele momento. A predeterminação e pré-seleção dos registros arcaicos e antigos reduzem drasticamente o trabalho de distinção de fatos da história em relação a fatos manejáveis do passado. Além de serem poucos, os registros históricos foram formulados a partir de compreensões de vida e de mundo próprios e particulares do autor-historiador e da época em que se encontrava. Pode ser o caso dos poemas homéricos, que são relatos históricos de um período não compartilhado por Homero, mas imediatamente anterior. Assim, as contribuições trazidas pela história das mentalidades corroeram a pretensão de imparcialidade que a historiografia tradicional preservada com relação à imparcialidade do historiador perante seu objeto de estudo. Historiador e fato histórico se confundem na medida de constroem-se dentro de uma relação dialética. O historiador, por mais integrado dos debates mais antigos e mais recentes de seu objeto de estudo, só possui uma única perspectiva na qual partirá seu trabalho. O presente. Na medida em que o historiador interpreta seus estudos deixa sua própria marca no produto de sua atividade. Sua interpretação depende tanto da sua visão sobre o presente quanto de sua compreensão a respeito da natureza de sua própria atividade. Isso é bem destacado nos trabalhos historiográficos conforme adentram nas névoas do passado mais distante. E o horizonte entre interpretação subjetiva, criatividade e análise objetiva é ainda mais polêmico e perceptível quando nos estudos historiográficos constituídos com base nos produtos literários. 3 RELAÇÕES ENTRE HISTÓRIA E TRAGÉDIA O potencial hermenêutico da Tragédia: O gênero trágico de sucesso é capaz de manter conexão com seus expectadores. Eles identificam-se com as personagens, com a narrativa e com os conflitos apresentados. Estabelecer essa proximidade é essencial para a transmissão da mensagem trágica. A tragédia por sua vez, é arte de imitação. Conforme Aristóteles, ela traz os elementos presentes na realidade que descreve. Ainda que na tragédia a imitação dá-se a partir da exaltação virtuosa

11 do homem, para além do que se percebe na audiência. Mas personagens trágicas não se apresentam para imitar homens, e sim para apresentar uma ação completa. A trama dos fatos é a mensagem da tragédia, construída a partir da ação e do mito, e as personagens apresentamse de acordo com o que precisam para demonstrar a trama. A tragédia também traz como elemento seu pensamento. O pensamento trágico consiste em dizer, na linguagem do cidadão e do orador, aquilo que pode ser dito regulado a partir da política e da oratória. O contexto da apresentação, seja ético ou político, pode ser vislumbrado a partir da compreensão da mensagem que direciona à platéia. Assim, compreende-se mensagem e público a partir de uma hermenêutica dialética. O pano de fundo no qual a tragédia é tecida faz parte da cultura e tradição da platéia. Isso é especialmente verificável no contexto grego, cuja fonte do trágico foi o mito e o épico. O enredo é sempre constituído de histórias do conhecimento comum, as verdades do passado, históricas ou mitológicas. Werner Jaeger destaca a percepção das lendas tradicionais através das mais íntimas convicções da atualidade 25. O mito tem sentido atemporal, está no passado, mas também no futuro, graças a uma compreensão cíclica de tempo. A tragédia, a seus contemporâneos, nunca era considerada apenas em seu aspecto artístico, mas também como expressão do próprio espírito da comunidade 26 a que destina sua encenação. Os mitos do mundo antigo não constituem per si um indício histórico confiável. No entanto as narrativas míticas são a memória histórica dos povos clássicos e a compreensão dessas sociedades passa pela compreensão de seu passado heróico desaparecido. Constituem fundamento ético para as sociedades posteriores, ainda que derivadas de uma ordem parcialmente superada 27. A tragédia é carrega os valores éticos de sua sociedade. A principal característica do herói trágico é a presença exagerada de virtudes a ponto de personificá-las em uma caracterização máxima, engrandecida forma a direcionar o herói ao seu destino trágico. Em outras palavras, o destino do herói trágico só é possível na medida em que seus atos são guiados pelo excesso de virtudes. Tais virtudes serão aquelas valorizadas como tal pelo público, que ao reconhecê-las, acompanharão a peripécia, o reconhecimento e a catarse da narrativa e do herói, que culmina com sua morte ou loucura. A peripécia está nas ações que levam ao destino trágico do herói, causados por sua própria grandeza. Assim, dá-se a catástrofe, resultante dos acontecimentos da narrativa e das ações, em parte moira e em parte 25 JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, p Ibid., p Ver mais detalhes a respeito em MacIntyre, Depois da Virtude.

12 ate 28. O reconhecimento é o momento em que o herói transita do estado de ignorância para o estado de conhecimento e compreensão. Ele percebe e reconhece a culpa dos eventos em seus próprios atos e em seu destino. A peripécia e o reconhecimento suscitam piedade pelo que passou e terror pelo porvir. A partir da compreensão dos acontecimentos, chega-se à aceitação. O herói trágico é capaz de libertar-se na medida em que cumpre seu destino. Ganha domínio dos fatos e de sua vida quando os compreende e aceita. Este é o momento da catarse vivida pelo herói e seu público no desfecho trágico. O trágico traz a sombra os conflitos sócio-culturais de sua própria época. Os expectadores identificam-se não somente com as personagens, mas também com a mensagem trazida ao palco. Os embates apresentados são um reflexo tanto do cotidiano quanto dos debates éticos e políticos. MacIntyre, no Depois da Virtude, exemplifica esta situação a partir de uma análise da tragédia Filocteto, de Sófocles. Nela narra-se o conflito entre Odisseu e Neoptólemo, enviados à ilha de Lemnos para conquistar o arco mágico de Filocteto. Segundo uma profecia, este arco é a única arma capaz de levar os gregos à vitória sobre Tróia. Porém durante a narrativa trágica, Sófocles coloca Neoptolémo em um embate: deve levar o arco junto com Odisseu, ainda que o tenham conquistado por meio do ardil, ou deve devolvê-lo ao verdadeiro dono, Filocteto, cuja posse do arco conquistara por merecimento? A tragédia Filocteto dialoga diretamente com o contexto político de Atenas. A personagem de Filocteto, por exemplo, foi abandonado em uma ilha deserta pelos gregos. A mesma condição de exílio que Atenas havia condenado algumas cidades-estado que a enfrentaram durante o governo de Péricles e seus sucessores. Aliados sem os quais, no período de exposição da tragédia, Atenas não seria capaz de vencer a guerra contra Esparta. Por outro lado, Filocteto também apresenta um debate ético ateniense. Odisseu representa virtudes que caracterizam um bom cidadão, que trará os bens de eficácia (o arco) e o êxito à sua pólis, independente das ações que precise tomar perante os outros (não cidadãos). Neoptolémo, ao reconhecer em Filocteto o merecimento da posse do arco, compreende outra perspectiva do que seja a prática devida e virtuosa. O bem do cidadão e de sua cidade-estado deve ser construído conforme os critérios de merecimento. É justo para Odisseu que sua missão seja cumprida, e o arco leve a vitória à Grécia. Por outro lado, é justo para Neoptolémo que o arco permaneça com Filocteto, ainda que ele opte por não ajudar os gregos no combate. Este conflito ético diferencia dois sentidos de dike 29 e concepções rivais 28 Moira entendida como o destino constituído a partir do elemento divino e inevitável, e ate entendida como o destino causado pela própria ação humana. 29 Justiça, cuja virtude correspondente é dikaiosyne.

13 da virtude de ser dikaion (ser justo). Ambas as posições presentes no contexto ético ateniense dos séculos IV e V a.c. 30 Humphrey Kitto defende que a arte trágica não é intertemporal. Toda obra ao ser interpretada corre o risco de trazer não sua mensagem (ou não somente), mas os pré-conceitos do intérprete. Já não se deve cair no erro de considerar sua contemporaneidade como universal ao ler uma tragédia. Para que tenha uma compreensão abrangente da obra o crítico deve apreender determinadas informações sobre seu pano de fundo. O estudo dos pressupostos e crenças contemporâneos da tragédia permite o aprofundamento de sua grandeza 31. Portanto, a atividade interpretativa, seja do crítico ou do historiador-literário, depende de seu acervo conceitual e teórico da própria sociedade que pretende analisar a partir da obra literária. Com isso destaca-se que a atividade hermenêutica não parte somente da tragédia. A obra deve ser observada em harmonia com o que se pode saber de seu contexto, a partir de outras fontes históricas e teóricas. Dessa forma, a construção historiográfica a partir da abordagem hermenêutica da obra trágica permite identificar, para além do contexto hermético da narrativa, traços da mentalidade de seu contexto. O historiador será capaz de trazer à luz os elementos temporais característicos daquela sociedade, para a qual a obra trágica dirige-se. Uma Interpretação das tragédias: Orestéia e Hamlet. Tanto na Orestéia quando em Hamlet há um conflito de justiça e vingança. Suas semelhanças justificam a abordagem comparativa, mas são suas diferenças que torna a contraposição mais interessante. Ambas as narrativas relatam a história do assassinato do rei e o dever vingança do filho. Tal dever é apresentado como a manutenção da ordem estabelecida e o cumprimento de justiça para com a comunidade e o morto. A partir disso o enredo desenrola conflitos a respeito do destino pessoal dos heróis trágicos e do ethos tradicional estabelecido. Porém o desenvolvimento de cada tragédia segue por contextos bem diferentes. A Orestéia narra um sentido de justiça a partir do conflito entre destino e salvação inserido num embate de ordens e leis divinas distintas. Enquanto Hamlet reflete a busca de um sentido de justiça a partir do conflito entre destino e livre arbítrio, em meio a questionamentos da ordem estabelecida pelo costume e da tradição. 30 Ver: MACINTYRE, Alasdair. Depois da Virtude. Bauru/SP: EDUSC, Ver: KITTO, H. D. F. Tragédia Grega. Estudo Literário 3. ed. Coimbra: Arménio Amado, 1972.

14 No período arcaico há a compreensão de que todo o universo segue as proposições de uma ordem coerente. Esta ordem é mantida pelas leis da themis, ou as leis de origem divina. Dentre estas leis encontra-se a dike, a obrigação de justiça. A dike, por sua vez, era acompanhada de noções de retribuição dos danos e de merecimento. Vige algo semelhante à regra do talião, as práticas de justiça são relegadas ao âmbito da vingança, aqui compreendida como justiça praticada pelas mãos da família ou do amigo. A sociedade arcaica, mesmo quando apresentava grandes proporções, regia-se pelas regras de filiação. Assim, era dever individual a execução da cobrança ou do ato de justiça. Neste contexto, não há qualquer sentido de estado constituído que concentre as demandas de justiça. Elas são responsabilidade do particular, como se dirá posteriormente. A compreensão da mentalidade clássica perpassa pela compreensão de seu período arcaico. A tragédia de Ésquilo foi apresentada à Atenas do século V a.c., que por sua vez, é herdeira da tradição mítica e homérica. O público da Orestéia conhece o contexto que lhe está sendo apresentado. Ou melhor, os contextos. Na evolução das três peças que formam a tragédia, Agamêmnon, Coéforas e Eumênides, pode-se interpretar uma transição de duas ordens divinas distintas. Cada qual com uma compreensão própria da lei da dike. Toda a apresentação de Agamêmnon é o reflexo da ordem divina arcaica. Nela justiça revela-se como retribuição da violência. Toda a trama desenvolve-se nestes termos, até seu próprio colapso, que culmina com o colapso de todo o sistema colocado para a dike. Segundo Kitto, a mensagem em Agamêmnon é clara quando se estabelece a relação harmônica entre todas as histórias trazidas por Ésquilo. O enredo traz diversos mitos em conjunto: a maldição da Casa de Atreu, Ifigênia, a Guerra de Tróia e Cassandra. A unidade de todos os mitos culmina com o duplo assassinato cometido por Clitemnestra. A presença de várias histórias na mesma narrativa, contadas fora de sua ordem cronológica, não é despropositada. O desenvolvimento da peça pode ser comparado à formação de um cerco de causas e conseqüências, que se fecha contra Agamêmnon. A tragédia constrói-se na medida em que relata os fatos a partir da culpa dos agentes. É assim com Páris, que sucumbe à hybris; com Tróia, que recebe a princesa estrangeira; com Helena, que foge de seu povo; com o naufrágio das hostes gregas, que haviam destruído os templos troianos; e com Cassandra, que negou seu dom profético e submeteu-se à escravidão. Ao mesmo tempo, a peça traz o relato das ações e dos crimes de Agamêmnon, subtendendo suas conseqüências. É a manifestação da lei da dike que prende o rei ao seu destino e à morte. Por outro lado Coéforas é pintada com outras cores. Orestes é destinado a cometer o matricídio e à perseguição das Eríneas. Mas não existe culpa em Orestes. Seu pecado é ser

15 virtuoso e nascer sob o destino de assassinar Clitemnestra. Ele é o inocente condenado à desgraça pela ordem cósmica. A ordem como se encontra não é mais capaz de trazer os ensinamentos de Zeus. Eumênides representa o fim dessa ordem. Sua narrativa pode ser dividida em duas partes, na primeira um conflito entre duas ordens divinas é bem determinado. Apolo, representando a nova ordem e os deuses do Olimpio, e as Eríneas, representando a ordem antiga e os deuses primordiais. Cada qual defende a vigência de uma dike. Na segunda parte, Atena é mediadora deste conflito. Como representante de Zeus ela entrega aos homens a decisão de qual ordem será vitoriosa e Areópago deve votar pela condenação ou salvação de Orestes. O final da Orestéia combina a delegação do cumprimento da dike aos homens organizados na pólis e às Eríneas, agora transformadas em Eumênides. Seu enredo é construído a partir dos conflitos de duas ordens distintas, incompatíveis entre si. A justiça compreendida como vingança individual e familiar é revelada como ciclo de violência indiscriminada. Disso demanda o estabelecimento de uma nova compreensão de dike, que só é possível a partir do estabelecimento de uma nova ordem. Nela a justiça estará ligada ao julgamento racional e refletivo, e somente a partir disso se estará cumprindo a dike. Nisto reside a mensagem de Ésquilo: deve-se prezar pela nova ordem divina estabelecida por Zeus, cumprindo-se com a justiça que foi delegada aos homens a partir de sua organização política. Este conflito de ordens representa o próprio conflito entre as noções de justiça. Na pólis ateniense deve-se respeitar a nova dike e temer as Eumênides. Essa perspectiva também desloca a virtude de preservar e praticar a dike para o âmbito da pólis. O homem só pode ser dikaion se estiver inserido na organização das cidades-estado. Em Hamlet o conflito acerca da justiça é diferente. Em seu contexto, não há a afirmação de ordens e leis conflitantes como na Orestéia. A tragédia de Ésquilo não tem dúvidas quanto ao significado de justiça; apresenta a dike em dois sentidos diferentes, mas bem determinados e coerentes de acordo com sua ordem correspondente. Já a narrativa de Shakespeare se constrói a partir da incerteza de qualquer sentido do que é o justo. A ordem estabelecida pela tradição já não corresponde com as demandas trazidas no enredo. Orestes aceita seu destino, cumpre a vingança e seu dever de justiça e é salvo pelo estabelecimento de um novo conjunto de leis divinas e uma ordem cósmica transformada. Hamlet encara o destino de vingar a morte do pai, percebe a incoerência da ordem estabelecida e é incapaz de agir sobre os acontecimentos. A ausência de respostas sobre o que é justiça leva à hesitação, à dúvida e à morte. Não há nova ordem e a única forma de aprendizado dos homens passa pela compreensão do que há de trágico em Hamlet.

16 Na narrativa, o príncipe Hamlet descobre sobre o assassinato por intermédio do fantasma de seu pai. O rei Hamlet fora morto envenenado pelo seu irmão, que se casa com a rainha e passa a governar a Dinamarca. O fantasma impõe a Hamlet a incumbência de agir pela sua honra e dignidade. O processo de instituição do dever de vingança não parte de uma decisão Hamlet, mas da demanda de seu pai e de uma tradição estabelecida. Várias partes do enredo colocam o príncipe contra seu destino, que no exercício do livre arbítrio decide por não cometer o matricídio. Todas as suas decisões são tomadas em meio ao questionamento da tradição. Hamlet se recusa a agir de acordo com as normas de conduta que a cultura lhe impõe, sem lhes conferir qualquer racionalidade. Escolhe buscar por si próprio a noção de justiça. A peça de Shakespeare possui um seqüencial de provocações mentais sobre os significados de quase todas as questões humanas: da vida, da morte, da eternidade, dos relacionamentos, da hipocrisia, da verdade e da existência de Deus. Hamlet debate a organização geral da sociedade. Na reflexão e no pensamento crítico implode a própria narrativa a justiça compreendida como vingança não pode mais ser pensada como mero dever, sem qualquer base racional construída e a partir do questionamento da tradição. Hamlet foi apresentado em torno do ano de 1600, em pleno Renascimento Inglês, mas antes do que ficou conhecido como a modernidade. Muito da tradição cristã ainda estava estabelecido, mas logo se estaria enfrentando a Reforma Protestante. É um claro período de transição, e Shakespeare foi capaz de retratar em sua peça as grandes reflexões que tomariam conta da sociedade, mas que já se formava na mentalidade daquele período. O herói trágico e o ethos tradicional: Apenas a figura isolada do herói trágico não é capaz de transmitir a mensagem da obra. A personagem e suas características têm sentido dentro do contexto narrativo, ela é o que precisa ser para que a tragédia seja compreendida. No entanto, como parte da peça e pedra angular de sua mensagem, o herói da tragédia vislumbra o todo narrativo em certos aspectos. Então, sem desviar-se da unidade narrativa, a análise particular do herói permite resultados interessantes e complementares à compreensão do todo da peça. Da mesma forma, é possível realizar um estudo comparativo entre tragédias ligado a partir das semelhanças e divergências de seus heróis. A primeira vista as principais diferenças entre Orestes e Hamlet passa pela aceitação ou não de seu destino. Orestes cumpre sua vingança sob o estandarte da dike, enquanto

17 Hamlet hesita por toda a narrativa ao refletir a própria noção de justiça. A partir da filosofia moral encontra-se outra distinção. Ambas as ordens retratadas na Orestéia compreendem a organização cósmica a partir de uma ordem harmônica. Orestes é virtuoso justamente por aceitar seu destino e cumprir o dever de preservar a dike e a ordem de Zeus. Qualquer valor, como a própria justiça, estará de acordo com esta ordem. As questões de justiça e de tratamento igual a todos estarão inseridas no âmbito ético daquilo que é bom para o cidadão e para toda a comunidade. Isso reflete uma sociedade cujo ethos compartilhado na tradição permite a padronização de valores e instituições. Este ethos responderá às demandas de motivos e orientações da ação da comunidade, ao passo que planificam normas de conduta e normas políticas. Todo bom cidadão tem o dever de justiça para com o outro, e a justiça está intimamente ligada à manutenção da comunidade. Uma justiça que deixou de pertencer ao âmbito privado e passou ao âmbito público da cidade. A pólis forma um laço que mantém a orientação comum mínima dos interesses dos cidadãos, e desloca para si a autoridade que antes era relegada à família e aos laços de parentesco. De outra forma, em Hamlet as respostas éticas não se fazem suficientes. Não basta para Hamlet um agir de acordo com o que é bom para si. A reflexão dos próprios valores éticos demonstra a incapacidade do ethos tradicional em responder às demandas de justiça. Cumprir a vingança como demanda de justiça não pode ser amparado por noções daquilo que se é ou pretende ser como indivíduo ou comunidade. A reflexão crítica sobre tradição estabelecida dá a Hamlet um potencial emancipatório de perceber questões de justiça a partir de contornos morais, daquilo que se pretende e se espera de todos. O exercício da virtude arcaica e antiga (como herdeira das sociedades heróicas) depende de uma estrutura social específica, enquanto a moralidade da mentalidade moderna amarra-se na pretensão de universalidade. Uma pretensão é requisitada na medida em que os conflitos éticos tornam a tradição e o ethos compartilhado cada vez mais incapaz de responder à demandas de justiça e direitos inerentes à condição humana. Shakespeare apresenta em sua tragédia uma personagem que contrapõe a atividade reflexiva de Hamlet. Laertes é colocado frente ao mesmo destino, porém toma como inquestionável seu dever de vingança. Ele age irracionalmente em prol da vingança contra Hamlet, ainda que as circunstâncias exijam que ele perceba a posição e as intenções do outro. Fica cego aos apelos racionais e aos argumentos morais. Seus atos, praticamente irracionais, revelam as incongruências da tradição quando confrontada com a necessidade de encarar o subjetivismo e o individualismo humano. Mas independente da mente crítica de Hamlet ou da

18 reprodução indiscriminada da tradição por parte de Laertes, o destino lhes apresenta inevitável. A morte de um é trazida pelas mãos do outro. 4 CONCLUSÃO Este trabalho pretendeu trazer um debate historiográfico da obra literária a partir das grandes mudanças que alteraram a forma de pensar a história e o trabalho do historiador. Mudanças trazidas pela Nova História, que têm o mérito de emergir as questões acerca da natureza da atividade historiográfica e repensar os seus métodos. Diz-se fazer e construir a história porquanto o historiador assume seu papel de interprete e deixa para trás a inocência da imparcialidade. Os estudos e as pesquisas da história foram enriquecidos pelo contato com as demais ciências sociais, e a história reafirma-se como disciplina na medida em que integra cada vez mais o campo de outros estudos. Pode-se dizer que o passado tornou-se um mistério ainda mais interessante. A própria noção de passado foi aos poucos reconstruída. E graças a abertura às pesquisas em novas fontes, a partir de novas demandas e questões, novos métodos e muitos autores, a história enriqueceu. A história das mentalidades, mais madura, mas ainda polêmica, abriu espaço para discussões literárias da história. Debates intensos são desenvolvidos a partir das grandes obras, dos textos mais antigos aos mais recentes. A tragédia clássica pode falar em sua linguagem cultural, ética e política, para além do discurso artístico, e abrir-se cada vez mais para fascinar as novas gerações. Na defesa de um potencial hermenêutico próprio do enredo trágico a partir de sua aproximação com o público e com do pano de fundo da sociedade em que foi projetada. Os traços mais sutis do pensamento do autor e de seus contemporâneos criam um mapa fascinante das sociedades, construído a partir da interpretação do historiador e sua conformidade com as outras fontes de conhecimento histórico. Estudar a tragédia, em qualquer de seus ângulos, é fazer falar a obra de arte que tem muito a dizer. O estudo comparativo das tragédias de Ésquilo e Shakespeare, de tempos tão diferentes e distantes, permite também a percepção de sua proximidade, na medida em que apresentam faces particulares daquilo que é humano. Mas o campo de debate sobre o método historiográfico ainda é amplo, e a própria disciplina da história ainda está afirmando suas bases em determinados campos. A história como ciência do estudo do passado, renova-se a cada geração, a partir da percepção do presente sobre os acontecimentos que lhe deram origem. E a cada novo estudo verificam-se

19 novas visões não apenas sobre as sociedades e os conflitos humanos, mas também do próprio homem. Independente do período que se destaque, o passado abre-se para emitir novas perspectivas a depender do ângulo que os novos historiadores trazem, seja com novas teorias ou a partir da releitura dos grandes filósofos, sociólogos e historiadores da tradição que se formou. O estudo do passado não é a via pela qual é permite-se ao tempo presente sua própria compreensão, um aprendizado construído naquilo que aqueles que nos antecederam nos deixaram de mais valioso, a continuação de suas vidas e de sua história. REFERÊNCIAS ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. 2. Ed. Bauru/SP: Edipro, ARISTÓTELES. Os Pensadores: Ética a Nicômaco, Metafísica I e II, Poética. São Paulo: Abril S.A. Cultural, BURKE, Peter. A Escola dos Annales ( ): a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, CARR, Edward Hallet. O que é história? Conferências George Macaulay Trevelyan proferidas por E. H. Carr na Universidade de Cambridge, janeiro-março de ed. Linhares/RJ:Paz e Terra, ÉSQUILO, a. C. Orestéia I: Agamêmnon. São Paulo: Iluminuras, v.1. ÉSQUILO, a. C. Orestéia II: Coéforas. São Paulo: Iluminuras, v.2. ÉSQUILO, a. C. Orestéia III: Eumênides. São Paulo: Iluminuras, v.3. FLORY, Alexandre Villibor. A literatura como espaço para a historiografia e para o debate sobre criação identitária: algumas anotações sobre a Áustria. Disponível em: Acesso em: 26 mar JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, KITTO, H. D. F. Tragédia Grega. Estudo Literário (I Volume). 3. ed. Coimbra: Arménio Amado, 1972.

20 MACINTYRE, Alasdair. Depois da Virtude. Bauru/SP: EDUSC, SHAKESPEARE, William. Hamlet. Porto Alegre: L&PM, SZONDI, Peter. Ensaio sobre o Trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, WHITE, Hayden. Meta-História: a imaginação histórica do século XIX. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 1995.

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND ECONOMIA, SOCIEDADE E RELIGIÃO NA GRÉCIA ANTIGA: O HOMEM GREGO Prof.

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas Nas entrevistas que se sucederam à estreia nacional de Noite Escura, em 2004, João Canijo

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920)

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015. I. Contexto histórico

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 03 E Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação dos slides 3.Tira duvidas 4.Avisos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito

A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito A PUBLICIDADE E PROPAGANDA: face á moral, á ética e ao direito Fabiana Ferraz Dias 1 Marcela Juliana.A. de Oliveira Marink Martins de Souza Vagliano Ralphe Vinicius Pereira dos Santos Resumo: Diante do

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I 15201-04 Introdução ao Estudo da História Introdução ao estudo da constituição da História como campo de conhecimento, ao longo dos séculos XIX e XX,

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia A Arte: (faculdade da imaginação) De modo mítico e fantástico mediante a intuição e a imaginação, tende a alcançar objetivos que também

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa Institucional de Iniciação Científica convida a todos para participar do Seminário de Iniciação Científica da FAJE que acontecerá no dia 06 de Agosto de 2015,

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ADMINISTRAÇÃO OBJETIVANDO O APERFEIÇOAMENTO, DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, O ARQUITETURA E URBANISMO PROMETO NO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE INERENTE À PRÁTICA DA ARQUITETURA E URBANISMO, RESPEITAR OS PRINCÍPIOS

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais