LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DE UMA ÁREA DE CERRADO EM ALTO ARAGUAIA, MATO GROSSO, BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DE UMA ÁREA DE CERRADO EM ALTO ARAGUAIA, MATO GROSSO, BRASIL"

Transcrição

1 129 LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DE UMA ÁREA DE CERRADO EM ALTO ARAGUAIA, MATO GROSSO, BRASIL Telêmaco Jason Mendes-Pinto 1 & Ílimo Melo Miranda 2 RESUMO - Apresentamos aqui uma lista das espécies de anfíbios e répteis de uma área de Cerrado no município de Alto Araguaia, Mato Grosso, Brasil. Este estudo é dos resultados obtidos durante a preparação de um estudo de impactos ambientais para a instalação de uma linha de transmissão de energia na região estudada. O trabalho foi realizado entre os dias 02 e 11 de dezembro de Utilizamos cinco métodos de amostragem frequentemente utilizados neste tipo de estudo: procura limitada por tempo, armadilhas de interceptação e queda, coletas por terceiros, encontros ocasionais e covos. Foram registradas 29 espécies entre anfíbios e répteis, incluídas nas ordens Anura (16), Testudine (01) e Squamata (12; sendo 08 lagartos e 04 serpentes). Inventários herpetofaunísticos demandam um logo período de amostragem, e certamente apresentamos aqui uma sub-amostragem da diversidade real que esta área comporta. Entretanto, a área pode ser considerada importante para a manutenção de populações da herpetofauna do Cerrado brasileiro, já que guarda uma amostra significativa das espécies com ocorrência para este Bioma. Unitermos: anfíbios, répteis, Cerrado, Mato Grosso, Brasil. HERPETOFAUNISTIC SURVEY OF AN AREA IN THE CERRADO VEGETATION IN ALTO ARAGUAIA, MATO GROSSO, BRAZIL ABSTRACT - We present here a list of species of amphibians and reptiles in an area of Cerrado vegetation in the municipality from Alto Araguaia, Mato Grosso, Brazil. This study is the results obtained during the preparation of an environmental impact study for the installation of a power transmission line in the region studied. The study was conducted between 02 and 11 December We use five sampling methods commonly used in this type of study: time-constrained search, pitfall traps and fall collections made by others, occasional collections and pots. We recorded 29 species of amphibians and reptiles, including the orders Anura (16), Testudine (01) and Squamata (12, 08 lizards and 04 snakes). Herpetofaunistic surveys require a long period of sampling, and certainly present here a sub-sample of the real diversity that this area holds. However, the area may be important for maintaining populations of the amphibians and reptiles from Brazilian Cerrado, as it saves a significant sample of species occurrence for this biome. Uniterms: amphibians, reptiles, Cerrado vegetation, Mato Grosso, Brazil. INTRODUÇÃO O Brasil abriga uma diversidade biológica considerada como uma das maiores do mundo (Mittermeier et al., 1992), ao mesmo tempo em que o país carece de informações básicas sobre a distribuição desses recursos ao longo de suas diferentes regiões e biomas (Conservation International et al., 1993). 1 Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais e Ambientais, Universidade Federal do Amazonas UFAM. Av. Gen. Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 3000, Setor Sul - Coroado I, CEP , Manaus-AM, Brasil. 2 Biodinâmica Engenharia e Meio Ambiente, Av. Marechal Câmara, 186, 3º andar, Centro, Rio de Janeiro RJ, CEP: , Brasil.

2 130 Estudos como inventários faunísticos que permitem identificar as espécies que ocorrem em um ambiente são o primeiro passo para as demais pesquisas que contribuirão para obtenção de uma memória faunística e recomendação das atividades de conservação destes ecossistemas (Milano et al.,1986; Day et al., 1987; Lopes, 2000). Além do que fornecem subsídios para pesquisas em diversas áreas da biologia, tais como a Sistemática, Ecologia e Biogeografia, além do que são fundamentais para a determinação de áreas prioritárias para conservação (Gibbons e Bennett, 1974). Se tratando da fauna de anfíbios e répteis, o Brasil está entro os países com a maior riqueza de espécies (Rodriguez e Duellman, 1994; SBH, 2011). No bioma cerrado diversos estudos têm contribuído com o conhecimento acerca da herpetofuana (e.g. Wiederhecker et al., 2002; Mesquita et al., 2006; Giugliano et al., 2006). Apesar disso, o conhecimento sobre comunidades de répteis e anfíbios permanecem insuficientes e muito possivelmente a diversidade de espécies seja muito maior, já que extensas áreas permanecem não amostradas. À medida que essas áreas são acessadas, espécies são reconhecidas como novas e a distribuição geográfica de espécies conhecidas são ampliadas (Halffter e Ezcurra, 1992). O presente estudo teve como objetivo realizar o inventário das espécies de anfíbios e répteis que ocorrem em uma área de Cerrado no município de Alto Araguaia, estado do Mato Grosso. MATERIAL E MÉTODOS O estudo foi realizado em uma área de Cerrado no município de Alto Araguaia (22K / UTM ) no estado do Mato Grosso, Brasil (Figura 1). Figura 1. Imagem de satélite do município de Alto Araguaia (Mato Grosso) e Santa Rita do Araguaia (Goiás), Brasil. Rodovias estaduais (amarelo), Rio Araguaia (azul). Fonte: Google Earth, O clima na região é do tipo tropical chuvoso com temperatura média nos meses menos quentes superando os 18 ºC e o índice pluviométrico anual relativamente elevado (Amaral e Fonzar, 1982). O período chuvoso se estende entre outubro e abril, e o seco ocorre entre os meses de maio a setembro. A precipitação média anual na região é de mm (Resende et al., 1994). A amostragem dos anfíbios e répteis foi realizada em deis dias de coletas de campo durante o período chuvoso na região no mês de dezembro de Foram utilizados cinco métodos complementares freqüentemente utilizados neste tipo de estudo (armadilhas de interceptação e queda; procura visual limitada por tempo; covos encontros ocasionais; coletas por terceiros).

3 131 Pelo menos dois exemplares de cada espécie foram coletados como testemunhos científicos. Todos os espécimes coletados foram encaminhados para tombo na Coleção de Herpetológica do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MUZUSP). RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram registradas 29 espécies entre anfíbios e répteis, incluídas nas ordens Anura (16), Testudine (01) e Squamata (12, sendo 08 lagartos e 04 serpentes) (Tabela 1). Os anuros estão representados por 16 espécies distribuídas em 09 gêneros e seis famílias. Hylidae foi à família com maior representatividade em número de espécies com 50% dos anfíbios amostrados neste estudo, em geral comuns na região Neotropical (Duellman, 1978), seguida por Bufonidae e Leiuperidae com 18,7%, Leptodactulidae e Microhylidae com respectivos 6,2%. Esse é um resultado esperado, considerando que atualmente no Brasil, Hylidae é a família de anfíbios que abrange o maior número de espécies (Figura 2). Tabela 1. Anfíbios e répteis registrados em uma área de Cerrado no município de Alto Araguaia, Mato Grosso, com respectivos métodos de registro. Métodos: CT = contribuição por terceiros, EO = encontro ocasional, = procura limitada por tempo, = pitfall e CV = covos. Táxons Anfíbios Família Bufonidae Rhinella granulosa (Spix, 1824) Rhinella jimi (Stevaux, 2002) Rhinella schneideri (Werner, 1894) Família Hylidae Dendropsophus elianeae (Napoli & Caramaschi, 2000) Dendropsophus minutus (Peters, 1872) Dendropsophus rubicundulus (Reinhardt & Lütken,1862"1861") Hypsiboas albopunctatus (Spix, 1824) Hypsiboas punctatus (Schneider, 1799) Scinax fuscovarius (A. Lutz, 1925) Scinax ruber (Laurenti, 1768) Scinax squalirostris Família Leiuperidae Eupemphix nattereri Steindachner, 1863 Physalaemus cuvieri Fitzinger, 1826 Pseudopaludicola mystacalis (Cope, 1887) Família Leptodactylidae Leptodactylus sp. Família Microhylidae Elachistocleis ovalis (Schneider, 1799) Lagartos Família Scincidae Mabuya nigropunctata (Spix, 1825) Métodos EO EO,, EO,, EO

4 132 Família Teiidae Ameiva ameiva (Linnaeus, 1758) Cnemidophorus ocellifer (Spix, 1825) Kentropyx paulensis Boettger, 1893 Família Gymnophthalmidae Colobosaura modesta (Reinhardt & Luetken, 1862) Vanzosaura rubricauda (Boulenger, 1902) Família Polychrotidae Anolis meridionalis Boettger, 1885 Família Tropiduridae Tropidurus oreadicus Rodrigues, 1987 Serpentes Família Viperidae Bothropoides mattogrossensis (Amaral, 1925) Caudisona durissa (Linnaeus, 1758) Família Dipsadidae Phalotris lativittatus Ferrarezzi, 1994 Oxyrhopus guibei Hoge & Romano, 1978 Quelônio Família Chelidae Phrynops geoffroanus (Schweigger, 1812),, CT, EO EO CT CV Figura 2. Algumas espécies de anuros registrados em uma área de Cerrado em Alto Araguaia, Mato Grosso, Brasil. A) Hypsiboas punctatus, B) Hypsiboas albopunctatus (macho vocalizando), C) Dendropsophus rubicundulus (macho vocalizando), D) Eupemphix nattereri, E) Rhinella schneideri e F) Elachistocleis ovalis (casal em cópula). Fotos: F. K. Ubaid (A), T. J. Mendes-Pinto (B, C, D, E, F). Dentre as 08 espécies de lagartos registradas, a família mais representativa foi Teiidae, com 37,5% do total amostrado. Esse resultado pode ter forte efeito de amostragem, considerando que teídeos são lagartos de grande porte, facilmente avistados enquanto forrageiam ativamente durante

5 133 o dia. A segunda família mais representativa foi Gymnophthalmidae com 25%, resultado obtido graças à instalação de armadilhas de interceptação e queda. Gimnoftalmídeos são lagartos que vivem entre a camada de folhiço no solo, e dificilmente são avistados visualmente e capturados manualmente. Polychrotidae, Tropiduridae e Scincidae representaram 12,5% do total amostrado (Tabela 1 e Figura 3). Figura 3. Algumas espécies de répteis (lagartos, serpentes e quelônio) registrados em Alto Araguaia, Mato Grosso, Brasil. A) Colobosaura modesta, B) Vanzosaura rubricauda, C) Kentropyx paulensis, D) Anolis meridionalis, E) Ameiva ameiva F) Bothropoides mattogrossensis, G) Phalotris lativittatus, H) Oxyrhopus guibei e I) Phrynops geoffroanus. Fotos: T. J. Mendes-Pinto (A, B, C, D, E, F, G, I), F. K. Ubaid (H). A taxocenose de serpentes está representada por duas famílias (Dipsadidae e Viperidae), ambas com duas espécies, o que representou 50% do total amostrado para cada família (Figura 3). Serpentes geralmente são sub-amostradas em avaliações rápidas de fauna, o acesso aprofundado de taxocenoses depende de monitoramentos em longo prazo (Fraga et al., 2011). Um quelônio da família Chelidae foi registrado (Phrynops geoffroanus) (Tabela 1 e Figura 3). Dentre os anfíbios, Physalaemus cuvieri foi à espécie mais abundante neste estudo, seguido por Eupemphix nattereri e Dendropsophus rubicundulus respectivamente. Entre os répteis Tropidurus oreadicus foi à espécie mais abundante seguida por Vanzosaura rubricauda e Ameia ameiva respectivamente. Os dados de abundância de todas as espécies encontram-se compilados a seguir (ver figuras 4 e 5).

6 134 Figura 4. Abundância de espécies de anfíbios coletados em uma área de Cerrado em Alto Araguaia, Mato Grosso, Brasil. Figura 5. Abundância de espécies de répteis coletados em uma área de Cerrado em Alto Araguaia, Mato Grosso, Brasil. Algumas espécies foram exclusivamente registradas por um dos métodos utilizados, corroborando com Cechin & Matins (2000), Queiroz Filho et al. (2010), Mendes-Pinto e Tello (2010), Silva et al. (2011), Mendes-Pinto e Souza (no prelo) a importância da utilização de mais de um método de amostragem em inventários como esse.

7 135 Considerando o número de espécies registradas ao fim das amostragens, procura limitada por tempo foi o método mais eficiente já que obteve o maior número de espécies (Figura 6). De fato, esse método tem sido amplamente utilizado para estudos como inventários herpetofaunísticos em várias regiões do mundo, e questões complexas sobre ecologia de espécies já foram respondidas com a aplicação de apenas esse método (ver Fraga, 2009). Figura 6. Número de espécies registradas por método de amostragem. = procura limitada por tempo, = pitfall trap, EO = encontros ocasionais, CT = coletas por terceiros e CV = covos. Apesar das limitações de amostragem, este estudo propôs objetivos similares aos Rapid Biological Inventories (sensu Hayden, 2007), sendo direcionado a uma área desconhecida do ponto de vista científico até o momento, e com alta relevância biológica, a exemplo daqueles realizados em outras regiões do Brasil como na Amazônia (e.g. Mendes-Pinto et al., 2010; Mendes-Pinto et al., 2011; Silva et al., 2011; Mendes-Pinto e Souza, no prelo). As espécies registradas são típicas de áreas de Cerrado, algumas com ampla distribuição geográfica, ocorrendo por todo o território brasileiro a exemplo do quelônio Phrynops geoffroanus e o lagarto Ameiva ameiva. Os anuros Hypsiboas punctatus e Elachistocleis ovalis têm sido registrados tanto no Bioma Cerrado quanto na floresta Amazônica. A serpente Caudisona durissa (Viperidae) além do Cerrado no Brasil Central, ocorre também em outras formações abertas no norte do país como nas savanas Amazônicas no oeste do Pará (Frota, 2004; Frota et al., 2005; Mendes-Pinto e Tello, 2010; Mendes-Pinto e Souza, no prelo). Os resultados obtidos representam uma estimativa pontual da diversidade de espécies que ocorrem nesta região. Este fato é corroborado pelo esforço amostral empregado no estudo, o que pode ser observado na tendência ascendente na curva do coletor. Inventários herpetofaunísticos demandam estudos de longa duração, ainda assim, novos registros são acrescentados continuamente mesmo para regiões melhores amostradas nos diferentes Biomas brasileiros. Contudo, a área pode ser considerada importante para a manutenção de populações da herpetofauna do Cerrado, já que guarda uma amostra importante das espécies com ocorrência neste Bioma. AGRADECIMENTO Somos gratos a JGP Consultoria Ambiental pelo apoio logístico durante as atividades de campo. Flávio Kulaif Ubaid, Rodrigo Gusmão, Guilherme Lima e Guilherme Moya pelo auxílio nas coletas de campo. T. J. Mendes-Pinto recebe bolsa de mestrado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

8 136 REFERÊNCIAS Amaral, D. L. & Fonzar, B. C. (1982). Levantamento de Recursos Naturais. In: RADAMBRASIL Folha SD 21. Cuiabá Rio de Janeiro. MME. Cechin, S. Z. & Martins, M. (2000). Eficiência de armadilhas de queda (pitfall traps) em amostragens de anfíbios e répteis no Brasil. Revista Brasileira de Zoologia 17: Conservation International, Fundação Biodiversidade & Sociedade Nordestina de Ecologia. (1993). Prioridades para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica do Nordeste. Mapa descritivo produzido pela CI, FB e SNE. Day, G. I.; Schemitz, S. D.; Tarder, R. D. (1987). Captura y marcación de animales silvestres. In Manual de técnicas de gestión de vida silvestres. 4 ed., Wildlife Society. 703p. Duellman, W. E. (1978). The biology of an equatorial herpetofauna in Amazonian Equador. Univ. Kansas Mus. Nat. Hist. Misc. Publ. 65: Fraga, R. de. (2009). A influência de fatores ambientais sobre padrões de distribuição de comunidades de serpentes em 25 km2 de floresta de terra firme na Amazônia central. Vol. Dissertação (Mestrado em Ecologia). Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 38 p. Fraga, R. de.; Lima, A. P. & Magnusson, W. E. (2011). Mesoscale spatial ecology of a tropical snake assemblage: the width of riparian corridors in central Amazonia. Herpetological Journal 21: Frota, J. G (2004). As serpentes da região de Itaituba, médio Rio Tapajós, Pará, Brasil (Squamata). Comunicações do Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS, Ser. Zool., Porto Alegre v. 17, n. 1, p Frota, J. G.; Santos-Jr., A. P.; Chalkidis, H. M. & Guedes, A. G. (2005). As serpentes do baixo Rio Amazonas, Oeste do estado do Pará, Brasil (Squamata). Biociências, Porto Alegre v. 13, n. 2. p Gibbons, J. W.; Bennett, D. H. (1974). Determination of Anuran terrestrial activity patterns by a drift fence method. Copeia, 1: Giugliano, L. G.; Contel, E. P. B. Colli, G. R. (2006). Genetic variability and phylogenetic relationships of Cnemidophorus parecis (Squamata, Teiidae) from Cerrado isolates in southwestern Amazonia. Biochemical Systematics and Ecology 34: Halffter, G.; Ezcurra, E. (1992). Qué es la biodiversidad? In: G. Halffter (ed.). La diversidad de Iberoamérica I. Acta Zoológica Mexicana, Instituto de Ecología, A.C., México, p Hayden, T. (2007). Ground force. News Feature. Nature. 445(1): Lopes, J. A. M. (2000). In: Alho, C. (Ed.). Fauna Silvestre do rio Manso, MT. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 350p.

9 137 Mendes-Pinto & Tello, J. C. R. (2010). Répteis Squamata de uma área de transição Floresta-Savana no Oeste do Estado do Pará, Brasil. Revista de Ciências Ambientais, Canoas, v.4, n.1, p Mendes-Pinto, T. J. & Souza, S. M. Preliminary assessment of amphibians and reptiles from Floresta Nacional do Trairão, with two new records for the Pará state in Brazilian Amazon. Herpetology Notes. (no prelo). Mendes-Pinto, T. J.; Fraga, R. de. & Tello, J. C. R. (2011). Primeiro registro de Hypsiboas leucocheilus (Caramaschi & Niemeyer, 2003) (Amphibia, Anura, Hylidae) para o estado do Amazonas, Brasil. Revista de Biologia e Farmácia 5(2): Mendes-Pinto, T. J.; Santos Júnior, L. B. & Tello, J. C. R. (2010). Inventário rápido da fauna de vertebrados de um fragmento de floresta de terra firme no município de Manaus, Amazonas, Brasil. Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, 7p. Mesquita, D. O.; Colli, G. R. França, R. G. R. and Vitt, L. J. (2006). Ecology of a Cerrado Lizard Assemblage in the Jalapa o Region of Brazil. Copeia (3), pp Milano, M. S.; Rizzi, N. E.; Kaniak, V. C. (1986). Princípios básicos de manejo administração de áreas silvestres. Instituto de Terras, Cart. e Florestas, Curitiba, Departamento de Recursos Naturais Renováveis. 56p. Mittermeier, R. A.; Ayres, J. M.; Werner, T.; Fonseca, G. A. B. (1992). O País da Megadiversidade. Ciência Hoje, 14: Queiroz Filho, R. G.; Mendes-Pinto, T. J. & Fragoso, A. C. (2010). Anurofauna da área do Centro Universitário Nilton Lins, Manaus, Amazonas, Brasil (Amphibia; Anura). Revista de Biologia e Farmácia. Vol. 04 (2): Resende, M. S.; Sandanielo, A. & Couto, E. G. (1994). Zoneamento agroecológico do Sudoeste do Estado de Mato Grosso. Documentos 4. EMPAER/EMBRAPA. Rodriguez, L. O. & Duellman, W. E. (1994). Guide to the frogs of the Iquitos Region, Amazonian Peru. Asociacion de Ecologia y Conservacion, Amazon Center for Environmental Education and Research, and Natural History Museum, the University of Kansas, Lawrence, Kansas. 227 p. SBH. Sociedade Brasileira de Herpetologia. (2011). (Org.). Brazilian reptiles Lista de espécies. Disponível em Sociedade Brasileira de Herpetologia. Acesso dia 08 de junho de Silva, E. P.; Mendes-Pinto, T. J.; Claro Júnior, L. H. & Sales, M. E. (2011). Riqueza de espécies de anfíbios anuros em um fragmento florestal na área urbana de Manaus, Amazonas, Brasil. Revista de Biologia e Farmácia 5(2): Wiederhecker, H. C.; Pinto, A. C. S. and Collin, G. R. (2002). Reproductive Ecology of Tropidurus torquatus (Squamata: Tropiduridae) in the Highly Seasonal Cerrado Biome of Central Brazil. Journal of Herpetology, Vol. 36, No. 1, pp

RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL

RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL RÉPTEIS SQUAMATA DE UMA ÁREA DE TRANSIÇÃO FLORESTA- SAVANA NO OESTE DO ESTADO DO PARÁ, BRASIL Telêmaco Jason Mendes-Pinto 1,2 Julio César Rodríguez Tello 1 RESUMO Este trabalho apresenta uma lista das

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO.

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO. TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA HERPETOFAUNA EM ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE BOREBI, SÃO PAULO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

ANUROFAUNA DA ÁREA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL (AMPHIBIA; ANURA)

ANUROFAUNA DA ÁREA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL (AMPHIBIA; ANURA) 13 ANUROFAUNA DA ÁREA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL (AMPHIBIA; ANURA) Romeu Gonçalves Queiroz Filho 1 ; Telêmaco Jason Mendes-Pinto 2 ; Ana Cristina Fragoso 3 RESUMO - Este

Leia mais

Federal do Espírito Santo. Santo. *Email para correspondência: 92.tomas@gmail.com

Federal do Espírito Santo. Santo. *Email para correspondência: 92.tomas@gmail.com III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 425 Atropelamento de Herpetofauna na Reserva Biológica de Sooretama, Espirito Santo, Brasil T. L. Rocha 1*, A. Banhos 2, P. L. V. Peloso 3, R.

Leia mais

Preservar sapos e rãs

Preservar sapos e rãs Preservar sapos e rãs Rogério Pereira Bastos 1 Apesar de atualmente os temas biodiversidade, conservação, desmatamento, aquecimento global estarem freqüentemente na mídia, a população brasileira tem pouco

Leia mais

LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR

LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 LEVANTAMENTO DA ANUROFAUNA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PR Igor de Paiva Affonso¹; Emanuel Giovani Cafofo Silva²; Rosilene

Leia mais

LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB

LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB LEVANTAMENTO HERPETOFAUNÍSTICO DA FAZENDA LIGEIRO DA FURNE EM CAMPINA GRANDE- PB LIFTING OF SLIGHT HERPETOFAUNÍSTICO FARM IN FURNE CAMPINA GRANDE- PB Jairton Severino Rocha COSTA 1, Joaci dos Santos CERQUEIRA²,

Leia mais

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS NA FAZENDA JUNCO, EM CABACEIRAS, PARAÍBA

ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS NA FAZENDA JUNCO, EM CABACEIRAS, PARAÍBA 21 ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS NA FAZENDA JUNCO, EM CABACEIRAS, PARAÍBA 1 Tainá Sherlakyann Alves Pessoa, ²Eudécio Carvalho Neco, ³Randolpho Gonçalves Dias Terceiro RESUMO: Estudos atuais

Leia mais

1. Programa Ambiental Monitoramento de Fauna

1. Programa Ambiental Monitoramento de Fauna 1. Programa Amiental Monitoramento de Fauna 1.1. Aordagem metodológica 1.1.1. Pontos de amostragem 1.1.2. Métodos de amostragem 1.1.2.1. Herpetofauna A terceira campanha de campo para amostragem de herpetofauna

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 CARACTERIZAÇÃO DA ANUROFAUNA DA ÁREA DO INSTITUTO DE PERMACULTURA CERRADO-PANTANAL E MATA ATLÂNTICA, NO MUNICÍPIO DE CARRANCAS, MG. FELIPE FERNANDES 1 & MARCELO PASSAMANI 2 RESUMO Este trabalho foi realizado

Leia mais

Herpetofauna, Espora Hydroelectric Power Plant, state of Goiás, Brazil.

Herpetofauna, Espora Hydroelectric Power Plant, state of Goiás, Brazil. Herpetofauna, Espora Hydroelectric Power Plant, state of Goiás, Brazil. Wilian Vaz-Silva 1, 2 Andrei Guimarães Guedes 3 Priscila Lemes de Azevedo-Silva 4 Fernanda Francisca Gontijo 4 Rosana Silva Barbosa

Leia mais

1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG. 00 14/08/09 Emissão final FAR MaAG

1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG. 00 14/08/09 Emissão final FAR MaAG 1 30/04/13 Consolidação a pedido do Ibama MaAG MJJG MJJG 00 14/08/09 Emissão final FAR MaAG REV. DATA NATUREZA DA REVISÃO ELAB. VERIF. APROV. OBdS/ FAR EMPREENDIMENTO: ÁREA: USINA HIDRELÉTRICA RIACHO SECO

Leia mais

As principais ameaças à conservação do Bioma Pampa. Márcio Borges Martins borges.martins@ufrgs.br

As principais ameaças à conservação do Bioma Pampa. Márcio Borges Martins borges.martins@ufrgs.br As principais ameaças à conservação do Bioma Pampa Márcio Borges Martins borges.martins@ufrgs.br Os anfíbios e répteis do Pampa gaúcho: análise dos padrões de distribuição, efeitos das mudanças climáticas

Leia mais

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA FAUNA TERRESTRE DA USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA FAUNA TERRESTRE DA USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA FAUNA TERRESTRE DA USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS Espécie de réptil endêmica do bioma Cerrado (Coleodactylus brachystoma) registrado na área de influência da UHE São Domingos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ECOLÓGICA DA HERPETOFAUNA DE UMA RESERVA DE USO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA CENTRAL, AMAZONAS, BRASIL

CARACTERIZAÇÃO ECOLÓGICA DA HERPETOFAUNA DE UMA RESERVA DE USO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA CENTRAL, AMAZONAS, BRASIL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS E AMBIENTAIS TELÊMACO JASON MENDES PINTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Amphibians and reptiles of a Cerrado area in Primavera do Leste Municipality, Mato Grosso State, Central Brazil

Amphibians and reptiles of a Cerrado area in Primavera do Leste Municipality, Mato Grosso State, Central Brazil SALAMANDRA 51(2) 187 194 30 June 2015 ISSN Correspondence 0036 3375 Correspondence Amphibians and reptiles of a Cerrado area in Primavera do Leste Municipality, Mato Grosso State, Central Brazil Marciana

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA NÚCLEO DE PESQUISAS DE RORAIMA RELATÓRIO DE PESQUISA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA NÚCLEO DE PESQUISAS DE RORAIMA RELATÓRIO DE PESQUISA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA NÚCLEO DE PESQUISAS DE RORAIMA RELATÓRIO DE PESQUISA DIVERSIDADE DE ANFÍBIOS DE DUAS LOCALIDADES DO LAVRADO (Savana) DE RORAIMA

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

ANUROFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA ATLÂNTICA EM LAURO DE FREITAS BAHIA

ANUROFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA ATLÂNTICA EM LAURO DE FREITAS BAHIA ISSN 1809-0362 ANUROFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA ATLÂNTICA EM LAURO DE FREITAS BAHIA Hugo Estevam de A. Coelho * Rodrigo Serafim Oliveira ** *Pós graduando do curso de Especialização em Ecologia e Intervenções

Leia mais

Herpetofauna em remanescente de Caatinga no Sertão de Pernambuco, Brasil

Herpetofauna em remanescente de Caatinga no Sertão de Pernambuco, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 37(1):29-43. Janeiro-Março de 2015 29 Herpetofauna em remanescente de Caatinga no Sertão de Pernambuco, Brasil Edivania do Nascimento Pereira¹, *, Maria José Lima

Leia mais

ANFÍBIOS DO MUNICÍPIO DE JOÃO PINHEIRO, UMA ÁREA DE CERRADO NO NOROESTE DE MINAS GERAIS, BRASIL 1

ANFÍBIOS DO MUNICÍPIO DE JOÃO PINHEIRO, UMA ÁREA DE CERRADO NO NOROESTE DE MINAS GERAIS, BRASIL 1 Arquivos do Museu Nacional, Rio de Janeiro, v.64, n.2, p.131-139, abr./jun.2006 ISSN 0365-4508 ANFÍBIOS DO MUNICÍPIO DE JOÃO PINHEIRO, UMA ÁREA DE CERRADO NO NOROESTE DE MINAS GERAIS, BRASIL 1 (Com 1 figura)

Leia mais

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Adrian Antonio Garda Departamento de Zoologia Laboratório de Anfíbios e Répteis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Estrutura da apresentação

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

Biota Neotropica ISSN: 1676-0611 cjoly@unicamp.br Instituto Virtual da Biodiversidade Brasil

Biota Neotropica ISSN: 1676-0611 cjoly@unicamp.br Instituto Virtual da Biodiversidade Brasil Biota Neotropica ISSN: 1676-0611 cjoly@unicamp.br Instituto Virtual da Biodiversidade Brasil Recoder, Renato; Nogueira, Cristiano Composição e diversidade de répteis Squamata na região sul do Parque Nacional

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES Adriana Mohr, Ana Cristina Silva, Danilo Fortunato, Keila Nunes Purificação, Leonardo Gonçalves Tedeschi, Suelem Leão, Renan Janke e David Cannatella

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RÉPTEIS DO ACERVO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UnU IPORÁ PARA CATALOGAÇÃO DA COLEÇÃO ZOOLÓGICA

LEVANTAMENTO DOS RÉPTEIS DO ACERVO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UnU IPORÁ PARA CATALOGAÇÃO DA COLEÇÃO ZOOLÓGICA LEVANTAMENTO DOS RÉPTEIS DO ACERVO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UnU IPORÁ PARA CATALOGAÇÃO DA COLEÇÃO ZOOLÓGICA Rosane Candida Leonel¹ e Helivânia Sardinha dos Santos² (rosane_leonel@hotmail.com

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

Anurans from a Caatinga area in state of Piauí, northeastern Brazil

Anurans from a Caatinga area in state of Piauí, northeastern Brazil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 37(2):207-217. Abril-Junho de 2015 207 Anurans from a Caatinga area in state of Piauí, northeastern Brazil Ronildo Alves Benício 1,*, Guilherme Ramos da Silva 2 &

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Anura, Estação Ecológica de Jataí, São Paulo state, southeastern Brazil

Anura, Estação Ecológica de Jataí, São Paulo state, southeastern Brazil Anura, Estação Ecológica de Jataí, São Paulo state, southeastern Brazil Vitor Hugo Mendonça do Prado 1 Fernando Rodrigues da Silva 1 Natacha Yuri Nagatani Dias 1 José Salatiel Rodrigues Pires 2 Denise

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

Contribuição ao conhecimento da herpetofauna do nordeste do estado de Minas Gerais, Brasil

Contribuição ao conhecimento da herpetofauna do nordeste do estado de Minas Gerais, Brasil Contribuição ao conhecimento da herpetofauna do nordeste do estado de Minas Gerais, Brasil Renato Neves Feio 1 e Ulisses Caramaschi 2,3 Phyllomedusa 1(2):105-111, 2002 2002 Melopsittacus Publicações Científicas

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

RELAÇÃO DOS SQUAMATA (REPTILIA) DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MEANDROS DO RIO ARAGUAIA, BRASIL

RELAÇÃO DOS SQUAMATA (REPTILIA) DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MEANDROS DO RIO ARAGUAIA, BRASIL RELAÇÃO DOS SQUAMATA (REPTILIA) DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MEANDROS DO RIO ARAGUAIA, BRASIL FIDÉLIS JÚNIO MARRA SANTOS VERA LÚCIA FERREIRA LUZ ALFREDO PALAU PEÑA SIDNEY GOMES FALEIRO JÚNIOR RICARDO

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: ADAPTA- CENTRO DE ESTUDOS DE ADAPTAÇÕES DA BIOTA AQUÁTICA DA AMAZÔNIA Descrição: Interações Biológicas com o Ambiente. Mecanismos de defesa e/ou resistência comuns entre peixes e mamíferos.

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: CARACTERIZAÇÃO FITOGEOGRÁFICA, DISTRIBUIÇÃO DAS ESPECIES LENHOSAS E DETERMINANTES VEGETACIONAIS NA TRANSIÇÃO CERRADO/AMAZÔNIA Descrição: Serão feitos levantamentos de solos e vegetação

Leia mais

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros DIFAP Rômulo Mello Coordenção Geral de Fauna CGFAU Ricardo Soavinski Coordenação de Conservação da

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

Termo de Referência. Contexto. Objetivo. Atividades

Termo de Referência. Contexto. Objetivo. Atividades Contexto Termo de Referência Consultor de Monitoramento Socioeconômico para Projeto de Conservação da Biodiversidade Wildlife Conservation Society, Programa Brasil (WCS Brasil), Manaus, Amazonas, Brasil

Leia mais

RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL

RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL Cuad. herpetol., 23 (2): 77 88, 2009 77 77 RÉPTEIS SQUAMATA DE REMANESCENTES FLORESTAIS DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, NATAL-RN, BRASIL RAUL FERNANDES DANTAS DE SALES; CAROLINA

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 Hidrelétricas planejadas e desmatamento na Amazônia Elis Araújo Pesquisadora do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia - Imazon

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes Zoo é notícia Ano 3 - No. 8 - Junho 2013 Gato-do-mato-pequeno Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes - Mestrado Profissional em parceria com

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA HERPETOFAUNA

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA HERPETOFAUNA PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA HERPETOFAUNA Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.2 Detalhar todos os programas de prevenção, controle e

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Campus Ciências Agrárias, CEP 56300-990, Petrolina, Brasil

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, Campus Ciências Agrárias, CEP 56300-990, Petrolina, Brasil ISSN 1517-6770 Comunicação Científica Fauna de lagartos de hábitats de Caatinga do Campus Ciências Agrárias da Universidade Federal Do Vale Do São Francisco, Petrolina-Pe, Brasil Kariny de Souza 1,2 ;

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE.

ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE. Salvador/BA 25 a 28/11/2013 ESTUDO DA HERPETOFAUNA DO LITORAL AMAZÔNICO NA MESORREGIÃO DO NORDESTE PARAENSE. Anderson André Alves da Silva (*), Antonio José Renan Bernardi *Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952)

Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Caio A. Figueiredo-de- Andrade Leonardo Serafim da Silveira Sapo pigmeu: Rhinella pygmaea (Myers & Carvalho, 1952) Caio A. Figueiredo-de-Andrade *

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

RÉPTEIS E ANFÍBIOS. Tabela 1. Herpetofauna do domo de Itabaiana, número de espécies registradas. Áreas Abertas. Áreas Fechadas

RÉPTEIS E ANFÍBIOS. Tabela 1. Herpetofauna do domo de Itabaiana, número de espécies registradas. Áreas Abertas. Áreas Fechadas PARQUE NACIONAL SERRA DE ITABAIANA - LEVANTAMENTO DA BIOTA Carvalho, C.M., J.C. Vilar & F.F. Oliveira 2005. Répteis e Anfíbios pp. 39-61. In: Parque Nacional Serra de Itabaiana - Levantamento da Biota

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

ANFÍBIOS. vascularizada e sempre umedecida. Pertencentes a classe de vertebrados denominada

ANFÍBIOS. vascularizada e sempre umedecida. Pertencentes a classe de vertebrados denominada ANFÍBIOS Os anfíbios foram os primeiros vertebrados a conquistar o ambiente terrestre e atualmente existem mais de 6.400 espécies no mundo. A característica principal do grupo é o ciclo de vida dividido

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

SINOPSE DAS OFICINAS

SINOPSE DAS OFICINAS SINOPSE DAS OFICINAS Oficina 1: Título: Diversidade de quelônios do sul do Brasil: Distribuição e ameaças Oficineiras: Raíssa Bressan - bióloga, doutoranda em Biologia Animal pela UFRGS, com experiência

Leia mais

SOCIEDADE PAULISTA DE ZOOLÓGICOS

SOCIEDADE PAULISTA DE ZOOLÓGICOS LEVANTAMENTO DE RÉPTEIS DO PARQUE MUNICIPAL MANOEL PEDRO RODRIGUES, ALFENAS-MG. Autores Ribeiro Júnior, M.A. marcoantonio@unisol.org.br 1 Leal, L.M.C. liliam.leal@ig.com.br 2 Brandão, A.A.A. andreabrandao@pitnet.com.br

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

SERPENTES RESPONSÁVEIS POR ENVENENAMENTOS NO BRASIL

SERPENTES RESPONSÁVEIS POR ENVENENAMENTOS NO BRASIL SERPENTES RESPONSÁVEIS POR ENVENENAMENTOS NO BRASIL A seguir serão apresentadas listas (tabelas 1, 2, 3 e 4) com os nomes científicos/família, nomes populares das serpentes incluindo também dados de distribuição

Leia mais

Dieta e Micro-habitat de duas espécies de anuros Rhinella ocellata (Bufonidae) e Ameerega picta (Dendrobatidae), Nova Xavantina-MT, Brasil.

Dieta e Micro-habitat de duas espécies de anuros Rhinella ocellata (Bufonidae) e Ameerega picta (Dendrobatidae), Nova Xavantina-MT, Brasil. Dieta e Micro-habitat de duas espécies de anuros Rhinella ocellata (Bufonidae) e Ameerega picta (Dendrobatidae), Nova Xavantina-MT, Brasil. Dhego Ramon, Jéssica Fenker, Lenize Calvão, Oriales Pereira e

Leia mais

DIVERSIDADE DE RÉPTEIS EM UMA ÁREA DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

DIVERSIDADE DE RÉPTEIS EM UMA ÁREA DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL DIVERSIDADE DE RÉPTEIS EM UMA ÁREA DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL DIVERSIDADE DE RÉPTEIS EM UMA ÁREA DA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Reptiles diversity in an area of the

Leia mais

6.2. Herpetofauna da área de Curimataú, Paraíba. Cristina. Arzabe. Gabriel Skuk. Gindomar Gomes Santana. Fagner Ribeiro Delfim

6.2. Herpetofauna da área de Curimataú, Paraíba. Cristina. Arzabe. Gabriel Skuk. Gindomar Gomes Santana. Fagner Ribeiro Delfim 6.2 Cristina Herpetofauna da área de Curimataú, Paraíba Arzabe Gabriel Skuk Gindomar Gomes Santana Fagner Ribeiro Delfim Yuri Cláudio Cordeiro de Lima Stephenson Hallyson Formiga Abrantes Resumo No Curimataú,

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Sérgio Rodrigo Quadros dos Santos 1, Maria Isabel Vitorino² e Ana Y. Harada 3 Aluno de graduação em Meteorologia

Leia mais

Biogeografia da Fauna de Lagartos dos Enclaves de Floresta. Estacional Decidual no Bioma Cerrado e sua Associação com o. Arco Pleistocênico

Biogeografia da Fauna de Lagartos dos Enclaves de Floresta. Estacional Decidual no Bioma Cerrado e sua Associação com o. Arco Pleistocênico Universidade de Brasília Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Ecologia CAPÍTULO 1 Biogeografia da Fauna de Lagartos dos Enclaves de Floresta Estacional Decidual no Bioma Cerrado e sua Associação

Leia mais

Simpósios. 2) Integrando a história natural com ecologia, evolução e conservação de anfíbios e répteis.

Simpósios. 2) Integrando a história natural com ecologia, evolução e conservação de anfíbios e répteis. Simpósios Nove simpósios irão tratar de assuntos atuais, envolvendo pesquisadores brasileiros e estrangeiros. As conferências deverão compor a temática do evento, priorizando a integração de disciplinas

Leia mais

OCORRÊNCIA SIMPÁTRICA DE DUAS FORMAS DE Erythrodiplax fusca (RAMBUR, 1842) (ODONATA: LIBELLULIDAE) NO ESTADO DE GOIÁS-BRASIL

OCORRÊNCIA SIMPÁTRICA DE DUAS FORMAS DE Erythrodiplax fusca (RAMBUR, 1842) (ODONATA: LIBELLULIDAE) NO ESTADO DE GOIÁS-BRASIL OCORRÊNCIA SIMPÁTRICA DE DUAS FORMAS DE Erythrodiplax fusca (RAMBUR, 1842) (ODONATA: LIBELLULIDAE) NO ESTADO DE GOIÁS-BRASIL Nelson Silva Pinto¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior², Leandro Juen¹, Lenize

Leia mais

Conservação da Herpetofauna dos Campos de Cima da Serra Dra. Laura Verrastro

Conservação da Herpetofauna dos Campos de Cima da Serra Dra. Laura Verrastro Conservação da Herpetofauna dos Campos de Cima da Serra Dra. Laura Verrastro Departamento de Zoologia Instituto de Biociências Universidade Federal do Rio Grande do Sul Agosto 2010 1. Cnemidophorus vacariensis

Leia mais

G e o l o g i a M i n e r a ç ã o e A s s e s s o r i a L t d a. E-mail : geominas@terra.com.br Fone 55 65 3682-7603 Fone Fax 3682-3273

G e o l o g i a M i n e r a ç ã o e A s s e s s o r i a L t d a. E-mail : geominas@terra.com.br Fone 55 65 3682-7603 Fone Fax 3682-3273 218 2.3. HERPETOFAUNA 2.3.1. Introdução O Brasil é um país megadiverso em espécies de anfíbios e répteis (Rodrigues, 2005; Silvano & Segalla, 2005), somando 732 espécies de répteis e 877 de anfíbios (SBH,

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

RPPN Fazenda Rio Negro

RPPN Fazenda Rio Negro Sítio Ramsar Área Úmida de Importância Internacional RPPN Fazenda Rio Negro Conservação Internacional 1. Dados G erais Nome da RPPN: Fazenda Rio Negro Proprietário: Conservação Internacional do Brasil

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos

Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos Juan Carlos Vargas Mena 1,3,4, Eugenia Cordero-Schmidt 1,3,4, Bernal Rodriguez- Herrera 2,3,4 & Eduardo Martins Venticinque 1 1 Universidade

Leia mais

Anuros do cerrado da Estação Ecológica e da Floresta Estadual de Assis, sudeste do Brasil

Anuros do cerrado da Estação Ecológica e da Floresta Estadual de Assis, sudeste do Brasil Anuros do cerrado da Estação Ecológica e da Floresta Estadual de Assis, sudeste do Brasil Biota Neotrop. 2009, 9(1): 207-216. On line version of this paper is available from: /v9n1/en/abstract?inventory+bn02709012009

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

Objetivos Quantificar as proporções das ocorrências nas diferentes espécies ou taxa encontrados;

Objetivos Quantificar as proporções das ocorrências nas diferentes espécies ou taxa encontrados; QUANTIFICAÇÃO DE ATROPELAMENTOS DE VERTEBRADOS SILVESTRES EM UM TRECHO DA GO 213. Kaio César Damacena Silva (UEG) kaiodamacena@gmail.com Dhesy Allax Cândido de Freitas (UEG) dhesy_allax@hotmail.com Kyrly

Leia mais

Herpetofauna dos remanescentes de Mata Atlântica da região de Tapiraí e Piedade, SP, sudeste do Brasil

Herpetofauna dos remanescentes de Mata Atlântica da região de Tapiraí e Piedade, SP, sudeste do Brasil Herpetofauna dos remanescentes de Mata Atlântica da região de Tapiraí e Piedade, SP, sudeste do Brasil Condez, T.H. et al. Biota Neotrop. 2009, 9(1): 157-185. On line version of this paper is available

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA DA PCH SANTO ANTONIO DO CAIAPÓ

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA DA PCH SANTO ANTONIO DO CAIAPÓ DA PCH SANTO ANTONIO DO CAIAPÓ RELATÓRIO 2013 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Pontos amostrais utilizados durante o Programa de Monitoramento da Fauna fase pós-enchimento na área de influencia da PCH Santo

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais