Eliane Andrea Bender A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO FRANCESA NA AFIRMAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E DO CONSTITUCIONALISMO MODERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eliane Andrea Bender A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO FRANCESA NA AFIRMAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E DO CONSTITUCIONALISMO MODERNO"

Transcrição

1 Eliane Andrea Bender A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO FRANCESA NA AFIRMAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E DO CONSTITUCIONALISMO MODERNO Monografia final do Curso de Graduação em Direito da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ, apresentado como requisito parcial para a aprovação no componente curricular Metodologia da Pesquisa Jurídica. DEJ - Departamento de Estudos Jurídicos Orientador: Dr. Doglas César Lucas Ijuí (RS) 2013

2 Agradecimentos A Deus, que sempre me ilumina; Ao professor Douglas César Lucas, pela orientação e acompanhamento; Ao Departamento de Ciências Jurídicas e Sociais, que esteve comigo nessa caminhada; Á Direção da Escola Estadual de Ensino Médio Antônio Padilha, pelo constante apoio; A meus familiares, amigos, colegas e a todos que prestaram sua contribuição para que eu alcançasse meus objetivos. Muito obrigada a todos!

3 São estes os preceitos do direito: viver honestamente, não ofender os demais e dar a cada um o que lhe pertence. Ulpiano

4 Resumo O presente trabalho monográfico propõe uma análise histórico-reflexiva sobre os impactos causados pela Revolução Francesa na história universal. Visa acentuar de que maneira prestou sua contribuição para o novo curso seguido pela humanidade após essa revolução, considerando o desencadear dos movimentos de cunho social e a conquista dos direitos, tal como conhecemos hoje. Através de uma abordagem histórica, pretende discutir a linha traçada pelo direito para se chegar aos direitos humanos e às constituições, envolvendo um Estado social de direito. Havendo, ainda, o questionamento sobre a plenitude dos direitos humanos frente à atual realidade social e ao mundo globalizado. Palavras-chave: Direitos humanos; Revolução Francesa; Constituição; direitos e globalização. Abstract This monograph proposes a reflexive historical analysis of the impacts caused by the French Revolution in world history. Aims to highlight how paid its contribution to the new careerguido for humanity after this revolution, considering the onset of social movements and the conquest of rights as we know it today. Through a historical approach, discusses the line drawn by the law to reach human rights and the constitutions, involving a social state of law. If there is still the question about the fulness of human rights against the current social reality and the globalized world. Keywords: Human rights; French Revolution; Constitution; rights and globalization.

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITO E ORIGEM DOS DIREITOS HUMANOS Problemática dos direitos humanos Direitos humanos e direitos fundamentais Desenvolvimento das idéias sobre os direitos humanos SIGNIFICADO DA REVOLUÇÃO FRANCESA NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE Antecedentes da Revolução Francesa Presença do movimento iluminista A Revolução e o marco de um novo período histórico A Europa após a Revolução REFLEXOS DA REVOLUÇÃO FRANCESA NO DIREITO INTERNACIONAL E NO BRASIL As constituições como a garantia dos direitos Desenvolvimento e fases dos direitos humanos O direito internacional e a globalização Influência da Revolução Francesa no ordenamento jurídico brasileiro CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 49

6 INTRODUÇÃO A pesquisa pretende analisar a influência da Revolução Francesa na história da humanidade, sua importância histórica e social para o desenvolvimento dos direitos humanos. Tem como objetivos verificar como a Revolução comandou as novas direções tomadas pela humanidade através de movimentos e novas formas de pensar. Ainda, pretende observar como suas ideias foram seguidas e determinaram a conquista dos direitos humanos e fundamentais. Tem caráter teórico e referencial, com abordagem histórica e reflexiva sobre os diferentes momentos pelos quais passaram os direitos para se chegar ao conceito atual. Propõe-se a divisão em três segmentos, na forma de capítulos, para explanar as proposições e, ao final, ser fornecida uma conclusão geral. Inicialmente, discutir-se-á o que significa o termo direitos humanos, qual sua finalidade e propósito. Junto a essa expressão, ainda há outras similares, como direitos fundamentais, essenciais, entendidos como básicos para a vida humana. Ao se falar em direitos humanos se questiona se há referência exclusiva ao ser humano ou a sua relação com o ambiente em seu todo. Ainda, coloca-se em questão quais são esses direitos e por que são imprescindíveis na vida dos sujeitos. Junto a isso, será abordada a origem dos direitos humanos e como se afirmaram como princípios institucionais. O segundo capítulo faz referência à própria Revolução Francesa, sua origem, repercussão, matrizes filosóficas e fatores que constituíram seu ponto culminante. Nesse, a proposta é uma análise histórica desse movimento, considerando sua importância para as novas direções que foram traçadas, conquistas e consequências para as nações como um todo. Pretende-se discutir até que ponto essa revolução foi tão determinante para os novos cursos da humanidade ou se é apenas um ícone da história, assemelhado a um mito que predominou. Ao se estudar a Revolução como marco da História Universal, se instigará a relação com o desenvolvimento dos direitos humanos. O terceiro capítulo pretende analisar e discutir a herança deixada pela Revolução Francesa nas instituições jurídicas em geral. Primeiramente, de que maneira teve início a organização das leis que foram consideradas como supe-

7 riores no direito de cada nação, como se formaram as primeiras constituições e o que seria fundamental para sua estrutura. Após a discussão sobre a Constituição e a garantia dos direitos, será exposto o desenvolvimento dos direitos humanos divididos em suas várias fases, ou gerações. Seguindo, se fará uma discussão sobre os direitos no âmbito internacional e a globalização e, por fim, a influência da Revolução no sistema jurídico brasileiro. Sendo a pesquisa histórica e analítica, tendo como base as referências citadas, não há pretensão de uma análise das leis constitucionais propriamente ditas. Apenas serão feitas considerações em meio às informações expostas, estabelecendo comparações e refletindo sobre a atual situação, principalmente no Brasil. Também, não se pretende fazer críticas ou trazer soluções, mas trazer, de forma discursiva, os fatos que envolveram a Revolução Francesa e de que forma comandaram os fundamentos que estruturaram as leis de diferentes nações.

8 1 CONCEITO E ORIGEM DOS DIREITOS HUMANOS A expressão direitos humanos parece ser tão comum que, muitas vezes, é pronunciada sem a devida importância. Os direitos humanos deveriam ser o guia para a elaboração de todo um ordenamento jurídico, de todas as leis e decisões. As nações em geral se dizem adeptas aos direitos humanos, mas, ao se observar os vários e diferentes conflitos que atingem a humanidade, percebe-se que há falhas nessa aplicação. Primeiramente cabe discutir o que são direitos humanos. Esse adjetivo remete a homem, mas se questiona se todos têm acesso a esses direitos e se todos são dignos desse acesso. Cabe, também, a pergunta se estão direcionados apenas aos seres humanos ou se podem ser contemplados todos os seres vivos em geral, a natureza como um todo. A própria qualidade de vida dos seres humanos depende de seu relacionamento harmônico com o meio natural, assim, se põe em questão quais os direitos humanos frente a outros seres. Questiona-se se os chamados direitos humanos são exclusivamente humanos e ilimitados ou se têm restrições nas relações tanto naturais como humanas e sociais. Direitos humanos, assim, não são unos e nem tão abrangentes, pois cada ser humano pode gozar dos que lhe são assegurados desde que respeite os do semelhante. Assim, acaba havendo choques, pois ideias e atitudes não são compatíveis, havendo pensamentos diferentes. Os conflitos enfrentados pela sociedade demonstram descontentamento, havendo grupos defendendo seus direitos contra outros que estão tentando negá-los. As lutas sociais se caracterizaram pela busca ao direito, à libertação dos que estavam sendo oprimidos. Os direitos humanos, embora mascarando outros interesses, sempre foram o ponto central de qualquer luta, o objeto expresso dos diferentes movimentos. Além de se questionar o que são os direitos humanos, também cabe a indagação de quais são esses direitos. Além da expressão direitos humanos, há outras, como, direitos fundamentais, universais, que acabam gerando confusão em seu entendimento, podendo ser sinônimos ou variações, em que uma expressão seria gênero das outras. Tais expressões podem ter se desenvolvido junto às próprias conquistas dos direitos, especificando tipos de direitos. As

9 9 lutas e as ideias voltadas ao bem da humanidade fizeram com que os direitos passassem por fases e por prioridades dependendo da época, das circunstâncias vividas e modos de pensar e de ver a realidade em cada momento histórico. 1.1 Problemática dos direitos humanos A conquista dos direitos humanos sempre esteve ligada às lutas, muitas delas sangrentas e com altos índices de destruição. Pode ser visto como contradição o fato de direitos, voltados para a humanidade, foram causa de tantos momentos de barbárie. Os direitos atuais não apenas são resultado de muitas lutas, mas continuam sendo, pois não basta os mesmo existirem, mas que estejam disponíveis e sejam eficazes a todos. Segundo Dalmo de Abreu Dallari (1998), direitos humanos são uma abreviação de direitos fundamentais da pessoa humana, sendo essenciais para a sobrevivência e assegurado a todos para se viver com dignidade. Todas as pessoas são iguais em condições de valor, mas devem ser respeitadas quanto a suas diferenças e a suas necessidades básicas. Para esse autor, os direitos humanos são uma faculdade e, assim sendo, os indivíduos podem ou não gozá-los. Estão associados a dignidade da pessoa humana, o que apenas acontece quando os direitos são respeitados, à cidadania, havendo direitos e deveres e à solidariedade. Havendo essa observância, poderá haver paz e, assim, se poder falar em justiça social. O autor cita como um dos principais direitos a vida, que é o bem principal de todos os seres humanos, não tendo ninguém o direito de tirar a vida de ninguém ou de tentar algo contra alguém que lhe seja nocivo, em qualquer circunstância. Apenas o Estado tem o dever de punir alguém, mesmo assim, dentro de determinados padrões, evitando guerras, genocídio e a pena de morte. O direito à vida é uma garantia às necessidades individuais. Todos os seres humanos têm o direito de exigir que respeitem sua vida. E só existe respeito quando a vida, além de ser mantida, pode ser mantida, pode ser vivida com dignidade.. (DALLARI, 1998, p. 22).

10 10 Além do direito à vida, também é citado o direito de ser pessoa, havendo o respeito a esse bem, à dignidade e à integridade física. A violência é uma aversão a esse direito, sendo uma agressão também moral. Por outro lado, não há apenas violência física, a discriminação e indiferença que uma pessoa pode passar e lhe faz se sentir diminuída, pode significar violência. Outro direito que aparece como principal é a liberdade, que é uma condição de todos desde o seu nascimento. As pessoas precisam ser livres para tomar suas próprias decisões, fazer escolhas, agindo de acordo com sua própria vontade. Ao lado da liberdade, está a igualdade, significando valor igual a todos e iguais oportunidades a todos. Continuando com a enumeração de direitos do autor, é citado o direito à moradia e à terra. A moradia é essencial não como espaço físico, mas como abrigo, acolhimento, sendo o local do repouso físico e espiritual. A terra é o local de trabalho para muitas pessoas, de onde tiram seu sustento e, como a casa, pode ser um lugar de apego. No Brasil, a Reforma Agrária é uma maneira de se fazer justiça com a terra. Seguindo, há o direito ao trabalho, mas em condições justas, onde há oportunidade do desenvolvimento intelectual e o convívio social, havendo retribuição compatível com o serviço prestado. As pessoas, também, têm o direito de participar das riquezas e das decisões do governo. Ainda, há o direito à educação, à saúde e ao ambiente sadio, devendo ser fornecido através das políticas públicas. O autor expôs que os direitos humanos constituem-se como uma faculdade, mas quanto ao direito à vida ninguém decide, nem mesmo quanto a sua própria vida. Mas, de qualquer forma, o que foi exposto significa que ninguém pode exercer atos que prejudiquem o outro, que comprometam a dignidade física ou pessoal de alguém. O poder público tem a obrigação de garantir a todos os seus direitos, fornecendo estrutura para isso e protegendo-os. Com o respeito mútuo ao direito de todos, com a igualdade de condições, se tem uma sociedade democrática, levando à cidadania. Essa é uma questão política, envolvendo os direitos e deveres, definidos pelo ordenamento de cada Estado. A cidadania, que no século dezoito teve sentido político, ligando-se ao princípio da igualdade de todos, passou a expressar uma situação jurídica, indicando um conjunto de direitos e deveres jurídicos. Na terminologia atual, cidadão é o indivíduo vinculado à ordem jurídica de um Estado. Essa vinculação pode ser determinada pelo local do

11 11 nascimento ou pela descendência, bem como por outros fatores, dependendo das leis do Estado [...] (DALLARI, 1998, p. 15). Costas Douzinas (2009) diz que os direitos humanos, na modernidade, chegaram a um ponto que pode se pensar que é o fim, ou a morte, mas o que acontece é que há paradoxos. No século XX foram declarados vários direitos aos seres humanos, mas, ao mesmo tempo em que esses foram concedidos, também foram violados, não havendo o devido respeito, o que pode ser exemplificado com as guerras, formas de tortura e discriminações que esse século assistiu. Junto a isso, há as condições de miséria a que uma grande parcela da humanidade está submetida. A concessão de direitos humanos acaba sendo uma utopia, pois os fatos reais contradizem o que é idealizado. O autor compara os direitos humanos da atual modernidade com os direitos naturais idealizados na Idade Moderna clássica, com o pensamento iluminista. Na verdade, os direitos naturais e os direitos humanos são um conjunto de ideias associadas a determinados padrões que começaram a surgir, em confronto com os que estavam vigorando. Na época clássica, os direitos naturais determinavam o que era certo e justo naquele momento histórico, indo ao encontro com aquele pensamento e, o mesmo acontece hodiernamente com os direitos que passaram a ser chamados de humanos. Esses podem ser uma ideia que confronta com as normas vigentes, estabelecendo novos padrões. [...] a possibilidade de julgar o real em nome do ideal só pode começar quando o que é correto por natureza confronta o que é legítimo por convenção ou prática passada [...] (DOUZINAS, 2009, p. 48). Os direitos humanos surgiram para assegurar a paz, com a finalidade de conceder a todos as mesmas oportunidades e tratamento com igualdade. Surgiram em um período conturbado justamente devido às necessidades, sendo preciso pensar em algo uniforme para cessarem os conflitos. Assim, pode-se dizer que os direitos humanos são frutos dos próprios conflitos, mesmo objetivando cessá-los. Na atualidade, podem ocasionar outros conflitos com o confronto de ideias, mesmo havendo a luta por esses direitos.

12 Direitos humanos e direitos fundamentais Considerando a etimologia direitos humanos e direitos fundamentais, pode-se considerar os primeiros como direitos dirigidos ao homem, à espécie humana. Fundamentais podem ser aqueles direitos que são básicos, sem os quais não se pode viver. No entanto, essa distinção deve considerar o que o ordenamento jurídico entende por ambos, já que é esse quem os determina e presta a garantia. Mas direitos humanos e fundamentais deveriam acontecer naturalmente, apenas pelo consenso, sem haver a necessidade de lei. No entanto, as relações sociais fizeram com que tudo ficasse registrado, havendo a aprovação de direitos e punição para o não cumprimento. O próprio conceito de direito é visto como algo semelhante à lei. Assim, antes de se falar sobre direitos humanos e fundamentais é preciso se pense na própria definição de direito. Roberto Lyra Filho (2004), comparando direito e lei, diz que a legislação abrange o direito e o antidireito. De maneira ideológica, o Estado faria a identificação entre lei e direito e, a legislação, deve ser analisada em qualquer nação. A forma de legislação vai depender da organização de cada Estado, podendo ser autoritário ou democrático. O direito que apenas considera a legalidade não vai ao encontro da legitimidade. Desde sempre, o direito se manifestou através das ideologias, que são apenas pensamentos, em que não há perfeição. A ideologia pode aparecer como crença, mostrando em que ordem de fenômenos mentais aparece; como falsa consciência, como crenças e deformações da realidade; e como instituição, tendo origem no social e em seus processos. O autor apresenta como concepções de direito o jusnaturalismo e o positivismo. O primeiro se refere ao direito natural, como uma ordem justa. O positivismo é relativo ao próprio direito positivo, dentro de uma ordem estabelecida, podendo ser legalista, voltado para a lei; historicista ou sociologista, voltado para as formações jurídicas preexistentes; psicologista, romântico e ideológico. A teoria dialética do direito não permite que nem o jusnaturalismo e nem o positivismo seja privilegiado. As duas concepções podem se complementar, sendo o positivismo o mais abrangente. Luiz Fernando Coelho (1991) diz que o direito como dogmática jurídica pode partir do senso comum e se chegar à organização social. O Estado mo-

13 13 derno possui como sistema econômico o capitalismo e, como filosofia jurídica, o positivismo, o que se contextualizou com as revoluções burguesas. A palavra direito pode significar a regra do que se determina o que é certo. A ideologia romana estabelecia direito como um conjunto de normas, dirigindo o que é certo, podendo ser objetivo, subjetivo e como lei. O positivismo é visto pelo autor como um fenômeno social, capaz de estabilizar o direito. O Estado é o órgão de criação do direito, uno e monista, que se consolidou e, junto a isso, deu-se a afirmação do direito como identificação às normas de organização estatal. O princípio da estabilidade pressupõe o Estado como condição necessária do direito. (COELHO, 1991, p. 263). A positividade do direito é uma característica do direito estatal, sendo o Estado o lugar da legitimidade. O direito de Estado é apenas uma espécie, sendo que o direito vem antes do Estado. O direito pluralista, da libertação parte de uma sociedade politicamente organizada, deixando de ser único para ser social, envolvendo a norma com a cultura. A estabilidade do direito também está ligada a sua racionalidade, formando um sistema de normas que forma o ordenamento, dentro dessa lógica racional. A racionalidade normativa implica a concepção de norma jurídica como racional em si; a ornamental implica a concepção do direito como ordem jurídica, ou seja, um conjunto de normas cuja articulação interna é racional, formando um sistema ; e a racionalidade decisional implica a imagem ideológica das decisões judiciais como racionais e, portanto neutra em relação ás partes envolvidas no conflito. (COELHO, 1991, p. 308). Lilith Abrantes Bellinho (2009) estabelece uma distinção entre direitos humanos e direitos fundamentais. Inicialmente fala em direitos do homem, termo do jusnaturalismo, bastando a condição de ser homem para ter o direito e, também, o poder, de obtê-los. As críticas a essa terminologias se davam por se considerar que tais direitos eram apenas para quem fosse do sexo masculino, tendo que ser modificado, não contemplando a pessoa humana. Assim, passou-se a denominação de direitos fundamentais, expressão adotada pelas constituições, sendo do direito interno de cada ordenamento. O termo Direitos humanos passou a ser usado a nível internacional, considerando os direitos fundamentais, que deveriam ser atribuídos a todos os seres humanos, sem distinção.

14 14 [...] Os direitos fundamentais estão duplamente positivados, pois atuam no âmbito interno e no âmbito externo, possuindo maior grau de concretização positiva, enquanto que os direitos humanos estão positivados apenas no âmbito externo, caracterizando um menor grau de concretização positiva [...] (BELLINHO, 2009, p. 2). Flávio Maria Leite Pinheiro (2008) fala na legitimação universal dos direitos humanos, havendo proteção e garantia no âmbito internacional. Também, deve-se pensar na pessoa como um todo, na sua dignidade, devendo lhe ser assegurados todos os direitos para que se qualifique como cidadão. Assim, direitos universais podem ser vistos como aqueles dedicados a todos, partindo do princípio da igualdade, fazendo parte do direito universal. Por outro lado, podem ser vistos como direitos concedidos em sua integralidade, somando todos aqueles que são fundamentais para qualquer ser humano ser digno enquanto pessoa. Direitos humanos, quando foram pronunciados pela primeira vez, poderiam não se referir ao homem no sentido de gênero, tendo surgido em um período de adesão à igualdade. Mas sabe-se que a igualdade era relativa, havendo condições desiguais de diversas formas. No entanto, a expressão direitos humanos foi mais adequada, confirmando a abrangência dos direitos, a todos os seres humanos. Direitos fundamentais podem ser considerados aqueles que são elementares para que todos os seres humanos possam viver com dignidade, sendo citados na Lei Maior, como forma de garantia. Por fim, direitos universais passam a ideia de totalidade, protegidos internacionalmente e capazes de garantir a dignidade plena das pessoas. 1.3 Desenvolvimento das idéias sobre os direitos humanos Direitos existem desde que o homem assim se reconheceu, pois sempre houve direitos e todas as sociedades, mesmo as mais primitivas, tiveram sua organização, mesmo que precária. Poderia acontecer de alguns terem mais direitos do que outros, não havendo igualdade, mas separação entre os supostamente superiores e os inferiores. A preocupação com os direitos humanos, reconhecendo o princípio da igualdade, é recente, algo que se institucionaliza

15 15 no século XVIII. Passando por um caminho longo e conflituoso, se chegou à conquista dos direitos comuns a todos os seres humanos. Fábio Konder Comparato (2001), ao sintetizar a evolução dos direitos humanos, reforça a ideia de igualdade entre os homens, devendo isso ser reconhecido universalmente, não podendo nenhum ser considerado superior ou inferior aos demais. Todos os avanços e evoluções experimentados estavam a favor do homem, pois tudo gira em torno desse e em sua posição no mundo. Tanto as histórias religiosas como as teorias científicas e históricas procuraram justificar a origem e a existência humana, sempre posta como superior entre os demais seres. As leis começaram a existir já com a ideia de igualdade, mesmo que superficial e não valendo para todos, primeiramente de caráter religioso e, depois, natural. Com o pensamento voltado para a racionalidade, mais do que para a religiosidade, iniciado com os gregos, fluíam as ideias de autonomia e de ética. A biologia via o homem como um produto do meio, depois, o próprio evolucionismo admitiu a evolução não apenas biológica, mas cultural, do homem. A Grécia Antiga falava em democracia, fundada nos princípios da preeminência das leis e na participação popular, tendo as leis um caráter quase que religioso. A política grega limitava o poder dos governantes e lhe atribuía responsabilidades. Aristóteles citou espécies tradicionais de regimes políticos: monarquia, aristocracia e democracia. A república romana também teve poder limitado, com funções moderadas, que inspiraram Montesquieu. Na Baixa Idade Média, no século IV a.c., houve a instituição da vaga imperial que destruiu a democracia ateniense e a república romana. Na Alta Idade Média, é instaurado o feudalismo e, no século XI d.c., há a reconstrução da unidade política perdida junto à proclamação pelos direitos humanos, pela liberdade e benefício do Terceiro Estado. A Europa começa assistir a avanços na produção agrícola, na navegação e no comércio, voltando à limitação do arbítrio do poder político, formando-se os burgos novos, território da liberdade pessoal. Concomitantemente, entre o século XI e o século XIII, a Europa medieval viveu um período fecundo em inovações técnicas, que revolucionaram toda a estrutura produtiva. (COMPARATO, 2001, p. 45). Darcísio Correa (2002) estabelece uma relação entre direitos e cidadania através de uma abordagem histórica dos direitos humanos. A cidadania foi

16 16 um processo de inclusão social dentro dos diferentes modos de produção da vida social. Diz que o jusnaturalismo é uma doutrina que defende um estado, um direito natural, sendo a ideologia dos pensadores antigos e medievais. Foi apenas uma forma de idealização, fora do comportamento social. O direito natural, enquanto ideal, era externo ao espírito humano, sendo um dos fundamentos da mitologia grega. A identificação entre direito e justiça estaria ligada à vontade divina, que poderia estar a favor dos dominantes ou dos oprimidos. Heráclito via a lei divina como orientação para o cosmos e para os mortais. A vida dos homens era comandada pelos deuses, a divindade estabelecia a ordem social. Para os sofistas o direito natural estava a serviço da mudança social, sendo o direito um resultado das relações sociais. A ideia era de que todos nasciam iguais, mas as leis geravam desigualdade. Segundo Platão, o universo estava dividido entre o mundo sensível e o das ideias. O ser humano era portador de corpo e espírito. A justiça se configurava como uma ideia de harmonia, de equilíbrio, absoluto e imutável. Para Aristóteles era justo o direito natural, mas a natureza em seu todo, não apenas o homem, considerando seu aspecto físico e social. As leis naturais deveriam ser comuns a todos os povos. Os autores da Idade Média viam o direito como justiça, a natureza junto com a teologia. Santo Tomás de Aquino cristianizou o pensamento aristotélico, teorizando que existem três tipos de leis: a divina, proveniente de Deus; a natural, vinda de Deus, mas acessível aos homens; e a humana, produto dos homens em sociedade. Se uma lei social fosse injusta, não precisava ser obedecida. O jusnaturalismo antigo e medieval tinham como característica comum o conservadorismo e a convivência social era suporte absoluto, transpositivo e metafísico. Na Idade Média, o direito jusnaturalista era sinônimo de justiça e com fundamentos na natureza das coisas, a natureza física, cósmica e social, com instituições políticas. Os pensadores modernos consideravam a natureza do homem. Hugo Grócio representou a passagem da formulação teórica do direito natural e as regras passaram a ser ditadas pela razão, o direito passou a representar lei. A base do direito era o homem individual. O contratualismo partia da vontade dos indivíduos, sendo um acordo entre os indivíduos e o Estado.

17 17 [...] mudou o significado da palavra direito: não mais justiça, mas regra (lei). Mudou também seu fundamento: não mais a natureza enquanto ordem universal (incluídas nelas as instituições sociais e políticas), mas a natureza humana, abrindo a perspectiva do enfoque individualista da modernidade [...]. (CORREA, 2002, p. 46). O direito natural perdurou durante os séculos XVIII e XIX, tendo-se, em 1804, o Código de Napoleão. Com o feudalismo, houve a crise do cristianismo, estando o direito natural centrado na natureza do homem. A escola de direito natural moderno fundamentava o direito na razão e não na retórica, descobrindo o justo e o injusto pelas evidências, o que contrariava Aristóteles, que dizia que a voz de todos era a voz da natureza. Com o surgimento das teorias contratualistas, o direito passa pelo consentimento para ser direito positivo, havendo um contrato social no Estado de direito. O positivismo fundamentava as normas fixadas pelo poder estatal, objetivando um estado de direito. O sistema capitalista criou contradições para a justiça e para a própria cidadania. O autor diz que o ideal de uma sociedade de direito, e justa, sempre encontra obstáculos, havendo sempre opressão em uma sociedade que visa o lucro. Primeiramente, deve-se pensar no ser humano, pensando a justiça como definidora da ordem pública, dentro de uma concepção ético-política. O discurso dos direitos humanos surge ligado aos problemas de paz e de democracia. Ainda segundo Comparato, no século XVII, a Europa começou a viver a crise da consciência, dando-se questionamentos e incertezas sobre as verdades tradicionais. As novas formas de pensar e de representar o mundo provocaram revoluções artísticas, científicas e políticas. Jean Bodin e Thomas Hobbes teorizaram sobre a monarquia absoluta, tendo como cenário a fundação dos impérios coloniais ibéricos ultracolonizadores. A crise da consciência europeia também é dada pelo sentimento de liberdade e de perigo quanto ao poder absoluto, em que as liberdades pessoais beneficiavam o clero e a nobreza. O Parlamento seria uma forma de limitação do poder monárquico e garantia das liberdades na sociedade civil. Na Inglaterra, em que ascendia as ideias sobre liberdade, foi criada a Magna Carta e o Bill of Rights, como forma de garantia das liberdades pessoais e de poder representativo. As ideias de liberdade e limitação de poder, bem como a institucionalização dessas, foram influência para as revoluções e independências que se seguiram.

18 18 A instituição-chave para a limitação do poder monárquico e garantia das liberdades na sociedade civil foi o Parlamento. A partir do Bill of Rights britânico, a ideia de um governo representativo, ainda que não de todo o povo, mas pelo menos de suas camadas superiores, começa a firmar-se como uma garantia institucional indispensável das liberdades civis. (COMPARATO, 2001, p. 47). Segundo Evaldo Vieira (2004), a proteção dos direitos foi um processo de democratização do sistema internacional, vindo de uma necessidade de proclamar, fundamentar e proteger os direitos do homem. No entanto, uma significativa parte do mundo é excluída desses direitos. A soberania do cidadão foi trocada pela soberania do consumidor. O direito apenas existe quando há sua realização, o que não condiz com as guerras e massacres e nem com a globalização, que distancia ricos e pobres. [...] não ocorreu progressão constante no consentimento de direitos e de elementos de justiça social. (VIEIRA, 2004, p. 29). O direito social precisa acontecer junto a uma política social, formando uma totalidade que é necessária para a concretização dos direitos. Norberto Bobbio (1992) expõe que não há um fundamento absoluto para o direito, havendo dicotomia entre o direito que se tem e o que se quer. A própria expressão direitos humanos pode trazer definições vagas. Os fundamentos de direito precisam trazer condições para a realização de valores últimos. Os direitos humanos constituem uma classe variável, heterogênea e com estatutos diversos, não existindo direitos fundamentais por natureza. Os direitos individuais tradicionais consistem em liberdades e, os sociais, consistem em poderes. Aumentando os direitos dos indivíduos, também diminuem a liberdades desses mesmos. O problema fundamental em relação aos direitos do homem, hoje, não é tanto o de justificá-los, mas o de protegê-los. Trata-se de um problema não filosófico, mas político.. (BOBBIO, 1992, p. 24). Os direitos humanos são o resultado de um processo histórico, tendo as influências de cada época. Em cada fase histórica se falou em direitos com ideia de democracia, talvez não da forma como a entendemos hoje, mas ao se pensar em direito, se pensava em uma ordem social com condições de sobrevivência. Tanto com o direito natural como com o positivismo não se pensou em direito sem dois denominadores básicos: o indivíduo e o Estado. Aquele seria o merecedor do direito, não tendo sentido elaborar leis sem haver um

19 19 destinatário, e o Estado seria o garantidor desses direitos e o responsável pela ordem social através do respeito às normas institucionalizadas. Os direitos naturais foram se positivando, pois a institucionalização das leis era uma garantia, uma forma de amparo. Os direitos fundamentais comandaram a formação dos ordenamentos, servindo como base do direito. São direitos pétreos e servem como princípios para a Lei Maior, não podendo ser desconsiderados nas leis infraconstitucionais sob pena de inconstitucionalidade. Direitos humanos fundamentais são consequência e resultado das falhas e incoerências do Estado, sendo conquistados através de conflitos. Direitos sempre existiram, mas o que sempre faltou foi sua plena universalidade, concedidos a todos e em sua totalidade.

20 2 SIGNIFICADO DA REVOLUÇÃO FRANCESA NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE A humanidade não teria sua história se não fossem os fatos que, em sua maioria, são descobertas e conflitos. Esses são consequências de descontentamentos dados por desvios na ordem natural e, causa, para movimentos maiores, que geraram revoluções que deixaram marcas profundas, alterando o destino de muitas nações. As guerras e revoluções trouxeram mudanças para formas de governo, sistema político e econômico e até para a identidade de muitos povos. Movimentos podem ser vistos como organizações que visam solucionar conflitos e, muitas vezes, criando outros, mas devido a um problema anterior, indo contra uma ideologia dominante. Guerras acontecem entre nações, sendo conflitos intensos com bombardeios. Revolução, por sua vez, seria uma mudança intensa nos povos envolvidos, iniciando com conflitos e chegando a o ponto culminante, que se assemelha a guerra. Evolução se refere a mudanças contínuas, direcionadas para a atualidade. Revolução pode ser vista como uma volta a algo que foi perdido. A revolução leva os povos para mudanças, mas podendo resgatar elementos passados. A Revolução Francesa foi uma das lutas burguesas, objetivando igualdade, devendo terminar as regalias da nobreza e o poder absoluto do Antigo Regime. Foi iniciada com lutas pela independência de nações em relação às metrópoles, sendo espalhada a ideia de direitos humanos, assegurados pelas constituições. Aparentemente, o mundo se encaminhava para uma nova direção, indo ao encontro do direito igualitário para todos os seres humanos. 2.1 Antecedentes da Revolução Francesa O início da história da humanidade se caracterizou pela evolução do ser humano. Da Pré-História à Idade Antiga, houve as mutações humanas até se chegar ao Homo sapiens, passando pelas idades da pedra e dos metais até chegar à descoberta da escrita. Os demais fatos que marcaram o fim e o início de uma nova Idade histórica foram revoluções, agora considerando as lutas que alcançaram seu auge, dando outra forma à sociedade. Desde a tomada de

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

FÁBIO KONDER COMPARATO

FÁBIO KONDER COMPARATO FÁBIO KONDER COMPARATO Ética Direito, moral e religião no mundo moderno COMPANHIA DAS LETRAS Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CJP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Comparato,

Leia mais

BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS

BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS Kelen Campos Benito 1 Bruno Souza Garcia 2 Resumo: O presente trabalho tem por finalidade discutir os Direitos Humanos que são os Direitos Fundamentais do homem.

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza Gustavo Noronha Silva José Nailton Silveira de Pinho Juliana Gusmão Veloso Kátia Geralda Pascoal Fonseca Walison Vasconcelos Pascoal Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado

Leia mais

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem índice Agradecimentos 15 Prefácio 17 Introdução 23 Capítulo 1 Que forma de Estado previne melhor os golpes militares? 27 Golpes de Igreja, golpes de Estado, golpes militares 27 Que é a forma do Estado

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS RESUMO

A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS RESUMO 51 A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS Andreia Aparecida D Moreira Arruda Mestranda em Direito Constitucional pela FDSM Pouso Alegre-MG Recebido em: 10/04/2013 Aprovado

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 094/2015-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Altera os Anexos I e II, da Resolução Nº 133/2012- CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, de 23 de novembro de 2012, e aprova o relatório final.

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Me: Edson Fasano Sociedade Capitalista: REVOLUÇÃO FRANCESA A Organização da Aula 1º Bloco: Iluminismo e Independência dos EUA. 2º Bloco: - Antecedentes da Revolução Francesa.

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA 1. (Enem) É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente

Leia mais

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke Adyr Garcia Ferreira Netto 1 Resumo No estado de natureza, situação em que segundo a doutrina contratualista o homem ainda não instituiu o governo civil, John Locke entende que os indivíduos são iguais,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS: CONCEPÇÃO UNIVERSAL E ALCANCE ILIMITADO

DIREITOS HUMANOS: CONCEPÇÃO UNIVERSAL E ALCANCE ILIMITADO DIREITOS HUMANOS: CONCEPÇÃO UNIVERSAL E ALCANCE ILIMITADO Sérgio Victor Tamer Pós-graduado em Direito Público pela Universidade Federal de Pernambuco Graduado em Direito Procuradoria Jurídica da Universidade

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009.

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestrante: Profa. Dra. Gisele Mascarelli Salgado. GISELLE MASCARELLI SALGADO:

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS

AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Nathália do Vale SILVA RESUMO: Os antecedentes dos direitos fundamentais estão divididos em quatro gerações, tendo como objetivo a proteção da dignidade da pessoa

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CAROLINE OLIVEIRA JUNG * RESUMO Neste trabalho discute-se a questão da liberdade, o que é ser livre no século XVI e XVII, em específico dentro da Revolução

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Upe 2014) A passagem do século XVIII para o XIX foi marcada por um desequilíbrio nas relações entre a Europa e o Novo Mundo. As lutas políticas na América estavam ligadas à resistência contra a colonização

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO 1 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome Curso HISTÓRIA DO DIREITO DIREITO Código DIR

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais