EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA NECESSIDADE A PARTIR DAS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA NECESSIDADE A PARTIR DAS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA NECESSIDADE A PARTIR DAS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO Reginaldo Peixoto 1 UEM Marcio de Oliveira 2 UEM Eliane Rose Maio 3 RESUMO O presente estudo tem como objetivo compreender as mudanças ocorridas nos modos de produção e nas relações sociais a partir do século XVIII. As Revoluções Industriais no seu ápice alteraram o modo de vida, e as relações familiares dos trabalhadores. A configuração de sociedade passou por uma redefinição. O trabalho artesanal que acontecia nas oficinas residenciais passa a ser executado dentro da indústria, remunerado e sob o olhar do capitalismo. Nesse contexto, surge a necessidade da preparação do indivíduo para desempenhar não somente a função do trabalho manual, mas também de operar a máquina e compreendê-la. Assim, é a partir das mudanças nas relações de trabalho, que as ideias de uma educação para todos começam a se acentuar em todo o mundo, corroborando para acordos internacionais, diretrizes para a educação e leis que normatizem a implantação, a organização, o financiamento, o acesso e a permanência e a universalização do ensino. A educação formal escolar passa a se configurar como uma necessidade social que ao longo da sua trajetória tem reforçado e se somado aos saberes popular através de conceitos científicos, preparando o sujeito para a vida social e para o trabalho. Como base principal de análise, investigamos nos preceitos de Marx. Palavras-chave: Revolução Industrial; Sociedade; Educação Escolar; Capitalismo. INTRODUÇÃO Para pensar a educação formal e as relações que esta tem com a sociedade é necessário retomar alguns fatores históricos e compreender como ao longo dos anos, a 1 Aluno do Programa de Mestrado em Educação da Universidade Estadual de Maringá 2 Aluno do Programa de Mestrado em Educação da Universidade Estadual de Maringá 3 Doutora em Psicologia, professora do Programa de Mestrado em Educação - UEM 1

2 relação entre a escola, trabalho e sociedade foi se constituindo e com isso, é necessário perceber qual a importância que a educação escolar tem para a emancipação do sujeito. A partir das transformações sociais causadas pela ordem capitalista da industrialização, a necessidade de ensinar e aprender se tornam cada vez mais necessárias dentro e fora do ambiente de trabalho. Historicamente, a educação não formal sempre existiu, seja nas práticas diárias, nas relações com o outro, ou em ambientes afins como nas oficinas e nas indústrias, com o propósito de despertar nos sujeitos ações necessárias para o convívio familiar, para o trabalho e para tantas outras práticas sociais. A Revolução Industrial criou uma série de mudanças na estrutura social, de ordem econômica, política e cultural, afetando profundamente a vida das pessoas que sob a nova ordem perderam sua identidade e passaram por um processo cruel de alienação. O desenvolvimento da maquinaria e a divisão do trabalho levaram o trabalho dos proletários a perder sua característica e se tornar apenas acessório da máquina que exige apenas a operação mais simples, mais monótona, mais fácil de aprender. Diante da nova ordem produtiva, o mundo passava por um amplo processo de transformação, exigindo uma nova escola, capaz de introduzir o ensino técnico e profissional, capaz de garantir a mão de obra qualificada, para atuar em favor do crescimento da indústria e gerar riqueza para a burguesia capitalista, uma vez que a escola teria o desafio de instruir os trabalhadores, tornando-os mais eficientes em suas funções, serem bons cidadãos e trabalhadores disciplinados. Com isso surgem dois modelos de escola: a escola do rico e a escola do pobre, com níveis mais elevados para os ricos e apenas o ensino primário para os pobres, mas por pressões de movimentos trabalhadores como sindicatos, a escola para todos não tardou a chegar. Nesse sentido, a educação escolar, historicamente, representa uma parte da educação que se processa em outras instituições como na família, no trabalho, na igreja, nos clubes, etc., tem o desafio de transformar a sociedade e sujeito histórico, nas suas mais singelas manifestações. 2

3 Para cumprir o objetivo da nossa pesquisa, refletiremos sobre a importância da educação, da afetividade e da prática pedagógica, como uma constante luta para transformar o sujeito, através dos conhecimentos científicos, que somente a escola enquanto instituição séria, planejada, instruída, aliada ao trabalho do professor, pode provocar. AS REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS A Revolução Industrial consistiu em um conjunto de mudanças tecnológicas com profundo impacto no processo produtivo em nível econômico e social. Iniciada na Inglaterra em meados do século XVIII. Pode-se afirmar que este fato é um divisor de águas na história. Por volta de 1830, após ter se completado na Inglaterra, o fenômeno migrou para o continente europeu. Em meados do século XIX, atravessou o Atlântico e se estabeleceu nos Estados Unidos, perfazendo um ciclo de transformações nos meios de produção, nas relações de trabalhos e modos de viver. No final do século, a Alemanha, Itália e o Japão também renunciam ao novo modelo econômico e de produção (MARX, 1984). As principais características da Primeira Revolução Industrial se baseiam nos meios de produção industrial têxtil de algodão e da siderurgia, dada à importância que o aço tem na instalação de um período técnico apoiado na mecanização do trabalho (Idem). A tecnologia característica é a máquina de fiar, o tear mecânico. Todas são máquinas movidas por energia produzida da combustão do carvão, a máquina a vapor. O sistema de transporte característico é a ferrovia e a navegação marítima, cujas máquinas, também são movidas pela energia do vapor do carvão. Junto a isso, a base do sistema de trabalho da Primeira Revolução Industrial é o trabalho assalariado, cujo cerne é o trabalhador por ofício. Um trabalhador qualificado é geralmente pago por peça (MARX, 1984). Sobre o trabalho parcial, Marx (1984, p. 393) afirma: 3

4 De produto individual do artífice de Nuremberg, o relógio transformou-se no produto social de numerosos trabalhadores parciais, cada um com o encargo de um produto parcial, como as rodas em bruto, as molas, o mostrador, a mola espiral, os furos para as pedras e as alavancas de rubis, os ponteiros, a caixa, os parafusos, o douramento. Assim, segundo nos observa Marx (1984), a Primeira Revolução Industrial mudou a forma de pensar dos indivíduos, suas relações com a família e com o trabalho, uma vez que o artesão que trabalhava em todas as partes de um determinado objeto passa a produzir apenas uma parte desse todo, alterando sua relação com o objeto. No caso de um relógio que era confeccionado na sua totalidade por um único artesão, com as modificações do sistema de trabalho, passa a ser produzido por vários trabalhadores, uma vez que o trabalhador já não tem mais o domínio do todo, e sim da parte apenas. Marx (1992, p. 15) ainda explicita que devido à divisão de trabalho no interior dos diferentes ramos, assiste-se ao desenvolvimento de diversas subdivisões entre os indivíduos que cooperam em trabalhos determinados. A Segunda Revolução Industrial começou por volta de 1870, embora seus efeitos tenham se efetivado somente nas primeiras décadas do século XX, mais nos Estados Unidos que em outros países europeus. A segunda Revolução Industrial foi a grande responsável por todo desenvolvimento técnico, científico e de trabalho que ocorreu nos anos da Primeira e, principalmente, da Segunda Guerra Mundial (MARX, 1984). A Segunda Revolução Industrial tem suas bases nos ramos metalúrgicos e químicos. Neste período, o aço torna-se um material básico, facilitando a ampliação da indústria automobilística que assume grande importância. O trabalhador típico desse período é o metalúrgico e o sistema de técnica e de trabalho é o fordista, termo que se refere ao empresário Ford, criador, na sua indústria de automóveis em Detroit, Estados Unidos, do sistema que se tornou o paradigma de regulação técnica e do trabalho conhecido em todo o mundo industrial (FORD, 1964). Nesse período as tecnologias estão ligadas ao aço, a metalurgia, a eletricidade, a eletromecânica, o petróleo, o motor a explosão e a petroquímica. A eletricidade e o petróleo são as principais formas de energia. 4

5 A forma mais característica de automação é a linha de montagem, criada por Ford (1920), com a qual introduz na indústria a produção padronizada, em série e em massa. Nesse período, o modelo de trabalhador é o de sujeito desqualificado, que desenvolve uma função mecânica, que não exige raciocínio. Pensar é a função de um especialista, o engenheiro, que planeja para o conjunto dos trabalhadores dentro do sistema da fábrica (FORD, 1964). Ford criou uma nova relação entre o trabalhador e o objeto, conforme ilustra no seguinte excerto: Nosso primeiro passo no aperfeiçoamento da montagem consistiu em trazer o trabalho ao operário ao invés de levar o operário ao trabalho. Hoje todas as operações se inspiram no princípio de que nenhum operário deve ter mais que um passo a dar; nenhum operário deve ter que se abaixar (FORD, 1964, p. 65). Considerando o trecho acima, temos aqui, a principal característica do período técnico da Segunda Revolução Industrial: a separação do sujeito que pensa (o engenheiro) de quem executa (o trabalhador). O trabalhador cumpre a determinação de manipular e dirigir a máquina, mas não conhece o seu funcionamento. A Terceira Revolução Industrial tem início na década de 1970, tendo por base a alta tecnologia. O sistema de produção em massa, iniciado a partir da indústria automobilística, permanece como padrão em todo o mundo. O Toyotismo ganha cada vez mais espaço, devido ao seu sistema de produção enxuta, uma vez que evita os altos custos da produção artesanal e a inflexibilidade da produção em massa. Assim, operários com várias habilidades trabalham ao lado de máquinas automatizadas, produzindo grande quantidade de bens, mas com variedade de escolha. O sistema de hierarquia gerencial e as chamadas linhas de produção são substituídos por equipes multiqualificadas que trabalham em conjunto, o que diminui significativamente o esforço humano e os custos (SILVA, 2009). A tecnologia se renova, na medida em que antigas invenções são aprimoradas, novas são criadas estabelecendo conexões entre os diferentes ramos da ciência. A informática produz computadores e softwares; a microeletrônica, chips, transistores e inúmeros produtos eletrônicos. Surge a robótica. As telecomunicações, utilizando os satélites, viabilizam transmissões de rádio e televisão em tempo real. A telefonia - fixa e 5

6 móvel conjugada à Internet, transforma a comunicação em um processo instantâneo. A indústria aeroespacial fabrica satélites e leva homens e robôs a novas fronteiras no espaço. Medicamentos, plantas e animais são transformados pela biotecnologia. Acerca dessas transformações, Lopes (2002, p. 13) corrobora observando que: Quem poderia afirmar com segurança que em menos de vinte anos o sistema bancário seria totalmente informatizado? Ou admitir que, há cerca de dez anos, um computador poderia ser carregado no bolso (palmtop), com uma capacidade de memória bem maior do que os existentes em, por exemplo, 1961 e a um preço tão mais acessível? Desta forma, pontuamos que todas essas inovações são introduzidas no processo produtivo, criando máquinas capazes de realizar não apenas o serviço pesado, mas tarefas sutis e que exigem cálculos complexos e grande precisão. Computadores e robôs, unidos, extraem matéria-prima, manufaturam, distribuem o produto final e realizam serviços gerais, substituindo a mão de obra humana e eliminando a necessidades de determinados materiais, como o papel e a caneta. Percebe-se, tanto, que a compressão de tempo passa a exigir respostas e decisões mais rápidas. O tempo e o conhecimento tornam-se mercadorias e os postos de trabalhos são substituídos por máquinas e computadores, desaparecendo o trabalhador tradicional, conforme observa Lopes (2002, p ) que o conhecimento, por isso, tem caminhado para ser a mola propulsora da economia mundial e cujo valor de produtos e serviços depende cada vez mais da parcela do conhecimento a eles incorporados [...] é claro que isto inclui a aptidão de desenvolver, preservar e utilizar os mesmos, não se descuidando de maneira a permitir que o processo se dilua no dia a dia da administração da empresa como um todo [...] importante ressaltar, entretanto, que por trás de toda e qualquer mudança estão as pessoas, quer pela aplicação de novas tecnologias, quer pelo conhecimento advindo de pesquisas e práticas administrativas. Operar a máquina e o computador exige do trabalhador níveis maiores de conhecimento, pois as atividades nesse novo contexto passam a ser mais criativas, exigindo um grande domínio de conhecimento, da linguagem e maior autonomia para resolver os problemas encontrados no ambiente de trabalho. (LOPES, 2002). Assim, a educação passa a ter um significado bastante importante para preparar o sujeito para os novos desafios, torná-lo criativo e autônomo. A educação que se 6

7 processa na instituição escolar, deve se unir àquela aprendida fora do contexto escolar e transformar esse novo sujeito para a vida social e para o trabalho. A EDUCAÇÃO EM SUA TRAJETÓRIA HISTÓRICA A educação está presente em todos os momentos da história da humanidade. Por mais primitiva que seja a sociedade há a prática educativa a fim de aprender a viver seja em grupos isolados ou em grupos constituídos em sociedade. Na educação, os objetivos de se educar aos poucos foram se evoluindo, assim como suas finalidades. Nas sociedades tribais o ato de aprender acontecia a todo instante e em todos os lugares. Aprendia-se em qualquer relação social: no trabalho, nas atividades de caça e coleta de alimentos, nas festas e nos ritos religiosos, enquanto os egípcios desenvolveram a educação a fim de resolver problemas práticos e concretos, sendo uma das sociedades mais ricas nas concepções educacionais. (MOSER, 2011) A educação grega visava à formação do cidadão, o saber era algo menos importante que o treinamento militar. O importante era o desejo apaixonado da glória, ser o melhor no campo de lutas e guerras (FERREIRA, 2010). Na educação da Roma antiga a fonte fundamental era a família. Assim, privilegiava a aprendizagem literária, dando ênfase à arte da retórica e do debate, em detrimento da ciência, da educação musical e do atletismo. (FERREIRA, 2010). Ainda sobre a educação romana, Moser (2011, p. 57) acrescenta que os patrícios romanos tinham grande respeito e necessidade de educação. Davam uma educação primorosa para seus filhos. Contratavam-se escravos gregos educados e pregadores para ensinar seus filhos. Aos pobres na antiga Roma não era fornecida uma educação formal, eles eram, contudo, ensinados a ler e escrever. Durante a Idade Média, a educação tinha cunho cristão e se desenvolveu principalmente por meio dos monges que tinham a vida sagrada em Deus, enquanto o Renascimento foi um Movimento que trouxe mudanças para o modo de viver e pensar de muitas pessoas. Apesar de persistirem algumas metodologias da Idade Média, no 7

8 Renascimento houve maior interesse pela educação e maior integração entre professores e alunos (MOSER, 2011). Na Contra Reforma, os jesuítas sistematizaram um novo modelo de educação e estenderam a ideia para a maioria dos países da Europa. Esse sistema procurou desenvolver aspectos religiosos e a potencialidade das pessoas. A partir do século XVIII surgem várias escolas, porém passa a existir a separação de escola do rico e a escola do pobre. A escola do rico ofertava o ensino primário, ginasial e superior, enquanto que a escola do pobre apenas o ensino primário, considerando as mudanças do modo de produção capitalista. Neste mesmo período surge a escola única, que atende as duas demandas sociais: pobres e ricos (MOSER, 2011). A partir das mudanças nas relações de trabalho é que as ideias de uma educação para todos começam a se acentuar em todo o mundo, corroborando para acordos internacionais, diretrizes para a educação e leis que normatizem a implantação, a organização, o financiamento, o acesso e a permanência e a universalização do ensino. O CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BURGUESA E O SURGIMENTO DA ESCOLA PARA TODOS Até o advento das revoluções burguesas, escola era privilégio dos nobres. Grande parte da população contava apenas com educação que se processa fora da instituição escolar, a educação não formal. As classes sociais compostas por operários, artesões, camponeses, entre outros, não tinham nenhum tipo de instrução. A educação ministrada em moldes anteriores, até o final do século XVIII, estava ultrapassada. O advento do capitalismo industrial forçou as estruturas do feudalismo e do absolutismo a passarem por um complexo processo de transformação, assim como contribuíram para uma mudança significativa na estruturação do mundo moderno, uma vez que, instituíram a separação entre a Igreja e o Estado, incentivando o surgimento dos sistemas públicos de educação (PILLETTI e PILLETTI, 2006). As revoluções burguesas acabaram, então, por definir novos tempos, visto que se impuseram contra a antiga ordem do Absolutismo Monárquico, que não respeitava os 8

9 novos valores introduzidos pelas principais revoluções desde período: Revolução Industrial, Revolução Americana e a Revolução Francesa. Assim, a educação escolar seguia os moldes da sociedade burguesa conservadora, conforme descrevem: a escola que educava os filhos dos nobres e os futuros membros do clero era uma escola voltada ara o passado, para a conservação da ordem vigente, que fornecia privilégios às classes dominantes. Dava muita importância à moral e à religião, ao domínio da palavra, ao latim e a outros símbolos da tradição que se queria preservar (PILLETTI; PILLETTI, 2006, p. 98). Neste sentido, com o advento da Revolução Industrial a utilização da máquina transformou o mundo do absolutismo e do feudalismo. As relações de produção foram alteradas, dando espaço, inserindo na realidade, uma nova consciência de si mesmo e do mundo. Essas novas classes adquiriram, desta forma, uma nova consciência de sua importância social e dos seus direitos. O poder que outrora se concentrava na mão da aristocracia rural, é tomado pela burguesia industrial. A classe operária formada pelos trabalhadores fabris pobres, também começou a lutar por melhores salários e condições dignas de trabalho. Neste contexto de transformação a escola é pressionada a adaptar-se à nova ordem e não fazia mais sentido ficar restrita apenas às elites da sociedade. O rápido desenvolvimento da indústria e as mudanças nas relações de trabalho exige um número crescente de trabalhares forçando a escola a formar os futuros trabalhadores por meio de um modelo de educação tecnicista. A escola é forçada a modernizar-se, a dar mais importância aos conteúdos técnicos e científicos ao longo das antigas matérias clássicas e literárias (PILLETTI, 1996, p. 98). A Revolução Industrial criou uma série de mudanças na estrutura social, de ordem econômica, política e cultural, afetando profundamente a vida das pessoas, e como consequência, muitas delas perderam sua identidade e passaram por um processo cruel de alienação, conforme explicam Marx e Engels (1996, p. 72): o desenvolvimento da maquinaria e a divisão do trabalho levam o trabalho dos proletários a perder todo caráter independente e com isso qualquer atrativo para o operário. Esse se torna um simples 9

10 acessório da maquina, do qual só se requer a operação mais simples, mais monótona, mais fácil de aprender. Desta forma, os trabalhadores, estavam sob nova ordem produtiva. O mundo passava por um amplo processo de transformação, exigindo uma nova escola, capaz de introduzir o ensino técnico e profissional, capaz de garantir a mão de obra qualificada, para atuar em favor do crescimento da indústria e gerar riqueza para a burguesia capitalista. Assim, o trabalhador era impulsionado pela nova ordem produtiva a (re) significar as suas relações com o trabalho, conforme aponta Goia e Pereira (1988, p. 169): O trabalhador perde o controle do processo de trabalho. E ele quem se adapta ao processo de produção, (e não mais o contrário, como acontecia na manufatura). A máquina determina o ritmo do trabalho e é responsável pela qualidade do produto. Também a quantidade de produção e o tempo de trabalho necessário à elaboração de um produto deixam de ser determinados pelo trabalhador. Assim, era vantajoso para os capitalistas instruir os trabalhadores, tornando-os mais eficientes em suas funções, ser bons cidadãos e trabalhadores disciplinados, conforme salienta Manacorda (2000, p. 272): Tentam-se então, duas vias diferentes: ou reproduzir na fábrica os métodos platônicos da aprendizagem artesanal, a observação e a imitação, ou derramar no velho odre da escola desinteressada, o vinho novo dos conhecimentos profissionais, criando várias escolas não só sermocionales, mas reales, isto é, de coisas, de ciências naturais: em suma, escolas científicas, técnicas e profissionais. Com isso, surgem dois modelos de escola: a escola do rico e a escola do pobre, com níveis mais elevados para os ricos e apenas o ensino primário para os pobres. Ao passo em que as classes trabalhadoras começaram a se organizar em sindicatos, surgem não somente reivindicações trabalhistas conforme já descrito, mas também as de que o ensino seja público e igual para a classe trabalhadora (pobre) e para classe burguesa (ricos) e devagar, o sistema de duas escolas, uma para ricos e outra para os pobres, vai sendo substituído por um único sistema (PILLETTE, 1996, p 99). O modelo de educação burguesa, criado a partir do século XXI, influencia a educação do contexto moderno. Com o advento do capitalismo, a educação tornou-se 10

11 mais prática e tecnicista, uma vez que a demanda da mão de obra fabril exigiu operários qualificados, abandando suas práticas referenciadas em tradições, aproximando-se dos valores modernos relacionados às transformações sociais e do mundo capitalista. (PILLETTE, 1996) Ao longo da sua trajetória e reconhecimento pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) 9394/96, o Artigo 10 aponta que a educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações sociedades civil e nas manifestações culturais (BRASIL, 1996). A educação escolar, desde seu surgimento representa uma parte da educação e unida a outras possibilidades formativas exteriores tem a função da transformação social do sujeito histórico, nas suas mais singelas manifestações. Portanto, o trabalho do professor também tem uma participação bastante importante na ruptura, desconstrução e construção e emancipação do sujeito. AS CORRELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO FORMAL E INFORMAL A educação no discurso político e contemporâneo em face da globalização tem sido a palavra-chave para enfrentar os novos desafios. A educação informal que até a década de 1980 foi um campo de menor importância ganha espaço e reconhecimento tanto nas políticas públicas, quanto no olhar dos educadores. Neste sentido, a ampliação do conceito de Educação, na atualidade, não se restringe mais aos processos de ensino e aprendizagem nos espaços institucionais escolares, transpõe os espaços físicos da escola para outros, como a casa, o trabalho e a qualquer espaço de convivência com os outros. A partir dos anos 90, após aprovada a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, LDB 9394/96, a educação informal passou a ter um destaque mais relevante na educação, devido a uma série de mudanças na estrutura social como economia, relações de trabalho e uma nova configuração de sociedade (BRASIL, 19966). Passaram-se grupos e os valores culturais articulados às ações dos indivíduos, conforme se apresenta o Artigo 1º da LDB 9394/96. 11

12 A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. (BRASIL, 1996, p. 34). Embora a educação que se processa na sociedade somente tenha sido reconhecida como modalidade no presente, historicamente contribui para a formação de grandes civilizações ao longo da história da humanidade. Acreditamos que ao ganhar espaços nos discursos educacionais, a própria constituição de escola, currículos, metodologias e formação de professores internalizam a importância das aprendizagens extraescolares que são complementadas com o conhecimento científico, institucional e construídas historicamente. Há ainda que considerar, conforme corrobora Oliveira (2011, p. 38), que na educação informal não há lugar predestinado, horários ou currículos, onde o ensino e a aprendizagem acontecem de forma espontânea, através da interação sociocultural e do meio. Percebemos, assim, a importância do meio social na formação dos indivíduos. Ao ocupar lugar de destaque na legislação educacional brasileira, a educação formal tem estrutura e dinâmicas próprias, além de fins e objetivos determinados (BRASIL, 1996), uma vez que deve favorecer experiências positivas de aprendizagem e de ajustamento, uma vez que as rápidas transformações sociais exigem um melhor desdobramento da comunicação e das relações humanas. A escola, reconhecida como um espaço das reproduções sociais desenvolve uma forma de pensar bastante específica, baseada na experiência culturalmente acumulada, conforme afirma Rego (1995, p. 104): na escola, as atividades educativas, diferentes daquelas que ocorrem no cotidiano extra-escolar, são sistemáticas, tem uma intencionalidade deliberada e compromisso explícito (legitimado historicamente) em tornar acessível o conhecimento formalmente organizado. Nesse contexto, as crianças são desafiadas a entender as bases dos sistemas de concepções científicas e a tomar consciência de seus próprios processos mentais. Dada à importância da contribuição da autora citada, faz-se necessário reconhecer a importância da construção histórica do saber, desde os tempos mais remotos, quando na pré-história, ainda que não processassem a linguagem verbal, os sujeitos aprendiam nas relações do grupo, pela observação e repetição. 12

13 Assim, a educação que se processa fora da escola, contempla seu sentido na contribuição dialógica entre o trabalho pedagógico da escola e a reflexão que esta faz sobre direitos, deveres, sociedade etc. AS RELAÇÕES ENTRE ESCOLA E SOCIEDADE Ao longo de sua existência, a escola passou por diversas transformações, embora fosse inevitável, uma vez que é uma instituição social, reflexo de uma sociedade em processo de mudança e (re) construção. A cada tipo de sociedade, existe, então, uma forma de conceber a educação. A tendência à universalização da educação escolar ampliou o atendimento escolar a todas as crianças, fruto de um processo estrutural que mudou as relações sociais principalmente nos três últimos séculos, seja nas relações de trabalho, seja no convívio familiar (FONTANA, 1997). Embora a nossa discussão não inclua análise específica sobre a Revolução Industrial, faz-se necessário registrar as mudanças que esta exigiu da sociedade, alterando sua estrutura e levando novas funções para a escola, como a de preparar o indivíduo para o trabalho, fornecer-lhe os conhecimentos básicos da língua e do cálculo, ganhando importância e ampliando suas funções. Em nossa sociedade, atualmente, a escola tem a missão de transmitir conhecimentos, enquanto que em outras, essa função é realizada de forma exteriorizada, seja pela família seja por outros grupos de convivência, conforme contribui Fontana (1997, p. 65) no seguinte excerto: em nossas sociedades, a escola é uma instituição encarregada de possibilitar o contato sistemático e intenso das crianças com o sistema de leitura e de escrita, com os sistemas de contagem e de remuneração, com os conhecimentos acumulados e organizados pelas diversas disciplinas científicas [...]. Partindo do pressuposto de que a criança constrói aprendizagens nas relações e interações com outros sujeitos, quer seja nas relações com os familiares, seja no grupo que brinca, já chega à escola dominando uma série de conhecimentos que possibilitam agregar outros. Durante o processo de escolarização, a criança encontra mecanismos 13

14 que para Fontana (1997, p. 66) permitem a reelaboração desses conhecimentos mediante o estabelecimento de uma nova relação cognitiva com o mundo e com seu próprio pensamento. Corroborando com Fontana (1997), Vigotsky (2007, p. 94) diz que a educação formal se une com experiências que a criança já vivenciou. Qualquer situação de aprendizado com a qual a criança se defronta na escola tem sempre uma história prévia. Por exemplo, as crianças começam a estudar aritmética na escola, mas muito antes elas tiveram algumas experiências com quantidades tiveram que lidar com operações de divisão, adição, subtração e determinação de tamanho. Consequentemente, as crianças têm sua própria aritmética pré-escolar, que somente psicólogos míopes podem ignorar. Assim, há que se reconhecer na escola a sua importância para a formação do sujeito, uma vez que ela desde o seu início na história da educação, tem um papel formador que vai além dos papéis que outras instituições, mesmo importantes nas relações sociais, têm. Para Bock (2002, p. 261), a escola é, entre outras, uma instituição de reconhecida importância e valor, uma vez que transmite valores e cultura, além de modificar o comportamento do sujeito. Com a prática da educação proferida na escola, a criança deixa de imitar os comportamentos aprendidos informalmente, e aos poucos, vai se apropriando de outros valores que possibilitam a mudança, a construção da autonomia e o reconhecimento individual do sujeito dentro de um contexto social (Idem). Conquistar um modelo de escola democrática não foi algo tão fácil na história da educação. As pressões das Revoluções Industriais, o desenvolvimento das cidades e a extensão do capital, são fatores que contribuíram para que a escola se transformasse. Todo desenvolvimento exige uma maior demanda de mão de obra. Assim, conforme as classes trabalhadoras foram se fortalecendo, suas lutas também foram se intensificando. Assim, os movimentos de trabalhadores passaram a exigir o direito de ter seus filhos em escola, à cultura e ao conhecimento dominantes. Uma vez pressionada, a escola abriu suas portas com a finalidade de atender outras demandas sociais além da burguesia. Assim, conforme assinala Bock (2002, p. 263), a escola universalizava-se. 14

15 Esses fatores, então, contribuíram para que a escola, conforme seus ideais contemporâneos, se revelasse como instituição da sociedade, que trabalha em prol desta sociedade, que gera os recursos que a mantém fincada na sua proposta, as pessoas de tantos problemas e conflitos internalizados. Segundo Fontana (1997), na escola se adquire conhecimentos que faz o sujeito pensar e explicar o mundo, organizados segundo uma lógica que ele deverá apreender. Comungando com as ideias de Fontana (1997), Bock (2002, P. 263) diz que a escola precisa exercer funções especializadas. A escola cumpre, portanto, o papel de preparar as crianças para viverem no mundo adulto. Elas aprendem a trabalhar, a assimilar as regras sociais, os conhecimentos básicos, os valores morais, coletivos, os modelos de comportamento considerados adequados pela sociedade. Até aqui, enquanto explicitando a importância da aprendizagem, as funções da escola e as relações desta com a sociedade, nos parece que a escola é uma instituição neutra dos problemas que acometem a sociedade, mas enquanto instituição social, muitos são os desafios a enfrentar, sejam nas concepções pedagógicas, sejam na realidade cotidiana. A APRENDIZAGEM E A CONSTRUÇÃO DO SUJEITO É sabido que os seres humanos necessitam de contínuas aprendizagens que iniciam mesmo durante seu processo de formação biológica. Entendemos que o aprender é o caminho para o crescimento, maturidade e desenvolvimento como sujeito de um mundo organizado. As interações com o meio e com o outro nos permitem organizar uma série de conhecimentos, portanto, a aprendizagem é um processo contínuo que ocorre durante toda a vida. Defendemos que se por um lado devemos considerar que o sujeito nasce biologicamente, por outro é importante destacar que também nasce socialmente, uma vez que o sujeito biológico em contato com o ambiente adquire conhecimentos capazes de construir a história. As formas de aquisição de conhecimento são muito variadas, visto que o processo de desenvolvimento e aprendizagens e relações que a criança estabelece com o 15

16 outro varia muito entre as sociedades, que vão desde um ensino com intervenções muito diretas dos adultos ou indivíduos mais experientes a uma aprendizagem mais autônoma. (SALVADOR, 1999) afirma que Sobre a educação que se processou no meio social, Salvador (1999, p. 146) de maneira bastante geral, o processo de desenvolvimento das crianças inicia-se na família, sendo os pais os primeiros cuidadores e educadores ao mesmo tempo; é o primeiro contexto de desenvolvimento, que em todas as culturas é visto, mais cedo ou mais tarde, progressivamente ampliado. As crianças participam, assim, de outros contextos e interagem com outras pessoas em uma diversidade de modalidade. Assim, o conhecimento do mundo social efetiva-se por meio da participação da criança nas atividades de relações com o outro, à medida que seu desenvolvimento permite observar o mundo, as regras, a negação sobre o que culturalmente está errado, assim como a afirmação do que é certo. Inferimos, então, que com a finalidade de complementar a educação processada socialmente, a educação escolar surgiu como uma possibilidade de transmitir habilidades instrumentais, produto da acumulação cultural, como a escrita, a leitura e ao longo da sua história passou a ocupar-se do conhecimento científico, baseado em princípios gerais, devido aos enormes progressos e desenvolvimento da ciência. CONCLUSÃO Apesar de as Revoluções Industriais terem trazido uma série de mudanças e transformações nas relações sociais, há que considerar que também trouxe inovações, progresso e tecnologias que na contemporaneidade não conseguimos nos desvincular, mesmo que sob uma grande influência e pressões do sistema capitalista, estampado nos mais variados meios de comunicação, reafirmando o seu propósito de consumo. Com o advento da industrialização e a necessidade de mão de obra qualificada, a escola surge a fim de dar competência aos sujeitos que sob o mando do capitalismo, precisavam cumprir ordens, operar máquinas e cumprir tarefas diárias que até então eram feitas de acordo com as condições de trabalho, tempo e estimativas dos artesãos 16

17 que trabalhavam em pequenas oficinas, muitas vezes dentro de suas casas e conheciam todo o processo de confecção inicial até o final do produto. A exigência de uma escola para todos, parte das necessidades da industrialização, uma vez que além da necessidade da formação técnica, as mães deixam seus afazeres domésticos para trabalhar na indústria, exigindo um novo espaço para as crianças. A educação ao longo da sua trajetória tem sido uma necessidade que acompanha a humanidade desde os tempos mais remotos. Aliada à educação escolar, a educação que se processa no meio social se completa, a fim de tornar os sujeitos mais autônomos e independentes nas suas relações. REFERÊNCIAS BOCK, Ana M. B. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Câmara dos Deputados. Série Separata de Leis, Decretos etc. n.11/96. Centro de Documentação e Informação. Brasília, DF, FERREIRA, José Ribeiro. Educação em Esparta e em Atenas: dois métodos e dois paradigmas. In: FIALHO, Maria do Céu. Cidadania e Paideia. Coimbra: Simões & Linhares, p FONTANA, R.; CRUZ, N. Psicologia do trabalho pedagógico. São Paulo: Atual, FORD, Henry. Os princípios da prosperidade: minha vida e minha obra. São Paulo/ Rio de Janeiro: Freitas Bastos, GOIA, Silvia C.; PEREIRA, Maria E. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro: Espaço e tempo, LOPES, Ricardo de Moura. Gestão do conhecimento: o desafio de um novo paradigma como alternativa estratégica para implantação na Câmara dos Deputados. Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. Centro de Documentação e Informação. Coordenação de Biblioteca. Brasília, Disponível em: pdf?sequence=3. Acesso em: 30/07/2013. MANACORDA, Mario A. História da Educação: da antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez,

18 MARX. Karl. O capital. São Paulo: Difel, MARX, Karl. ENGELS, Friedrich. Sistema de ensino e divisão do trabalho. In:. Textos sobre educação e ensino. São Paulo: Moraes, p MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. Rio de Janeiro: Vozes, MOSER, Giancarlo. História da Educação. 2 ed. Indaial: Uniasselvi, OLIVEIRA, Fernanda G. de. Psicologia da educação e aprendizagem. Indaial: Uniasselvi, p. PILETTI, Nelson; PILETTI, Claudino. História da educação. São Paulo: Ática, PILETTI, Nelson. História da educação. São Paulo: Ática, REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico cultural da educação. Petr ópolis, RJ: Vozes, SALVADOR, Cesar Coll. Psicologia da educação. Porto Alegre: Artmed, SILVA, Rafael Alves da. Toyotismo e neoliberalismo: novas formas de controle para uma sociedade-empresa. Surveillance em Latin America. Vigilância, segurança e controle social. PUCPR. Curitiba 04 a 06 mar Disponível em: https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0cc 4QFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww2.pucpr.br%2Freol%2Findex.php%2FSSSCLA% 3Fdd1%3D2677%26dd99%3Dpdf&ei=1FT4UcHaDvDyyAHP4IGgAw&usg=AFQjCN GIZnMfYFOELX3fb0K_WaaRZyrCKg&sig2=Y6BpuNlNxjRohpMvNSrO9Q. Acesso em: 30 jul VIGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes,

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aula - 2 A evolução da sociedade da era agrícola à era do conhecimento Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Conhecer

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADO FEDERAL RAFAEL MOTTA

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADO FEDERAL RAFAEL MOTTA PROJETO DE LEI Nº 2015 _, DE (Do Senhor Rafael Motta) Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB), para dispor sobre educação em tempo integral. O CONGRESSO

Leia mais

Função Social da Escola. Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB

Função Social da Escola. Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB Função Social da Escola Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB Esquema de Apresentação 1. Quem é a CONTEE 1.1. Princípios e Bandeiras 2. Função Social da Escola 2.1. Constituição Federal/1988

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Novas Formas de Organização do Trabalho

Novas Formas de Organização do Trabalho Novas Formas de Organização do Trabalho Nesse cenário tecnológico, os trabalhadores são organizados em um novo conceito de divisão do trabalho que compreende: a) Novas tecnologias de produção; b) Novos

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI Claudionei Lucimar Gengnagel UPF Fernanda Nicolodi UPF Resumo: A pesquisa que se apresenta irá discutir a importância e a necessidade de políticas

Leia mais

História da Educação Cumprimentos

História da Educação Cumprimentos História da Educação Cumprimentos Burguesia Passagem da Idade Moderna para a Idade Contemporânea Fins do século XVIII Início do século XIX Ascensão dos ricos burgueses ao poder Burguesia Revoluções Burguesas

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Educação técnica e desenvolvimento humano e social

Educação técnica e desenvolvimento humano e social Educação técnica e desenvolvimento humano e social Nacim Walter Chieco(*) 1. Educação e desenvolvimento social A partir de 1996 teve início, no Brasil, um processo de ampla e profunda reforma educacional.

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA ANEXO II - EDITAL Nº. 16/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - ICHLA MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA VAGAS DIA CARGA História da Educação 01

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE.

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. Mônica Cintrão França Ribeiro Universidade Paulista (UNIP) Comunicação Científica RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique?

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? 27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? A implantação da informática em quase todos os campos de atividades humanas tem seu lado positivo, mas, por outro lado, a mão

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN.

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Gustavo Daniel S. Souza (IC)1, Alidna Mosana S. de Oliveira

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha?

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? VIII Jornadas da Infância do Centro de Apoio Social e Acolhimento C.A.S.A. Bernardo Manuel Silveira Estrela PRÁTICAS EDUCATIVAS:

Leia mais

T e r c e i r i z a ç ã o

T e r c e i r i z a ç ã o T e r c e i r i z a ç ã o O que é...o que é? O Direito considera a TERCEIRIZAÇÃO uma das formas de relação do trabalho... Por isto, é passível de Lei... O DIEESE conceitua a TERCEIRIZAÇÃO, como sendo:

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais