IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR"

Transcrição

1 IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR Vanessa P. Leite 1, 2 Manassés Ribeiro 2 Eros Comunello 1, 2 Vilcionei Weirich 1 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Faculdade de Ciência da Computação, Campus VII São José SC Brasil 2 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC The Cyclops Group Laboratórios de Telemedicina e Informática Médica LABTELEMED Florianópolis SC Brasil {nessapl, / Resumo. Um sistema de workflow é uma ferramenta que tem por finalidade automatizar processos, aplicado à área hospitalar permite maximizar a utilização dos recursos, aumentando a qualidade dos serviços de saúde e tornando os dados atualizados e confiáveis. Analisando este contexto em parceria com o Grupo Cyclops, foi implantado e testado um protótipo de workflow hospitalar no Centro Cirúrgico Geral (CCG) do Hospital Regional Homero Miranda Gomes (HRSJ) em São José/SC. Para a validação dos testes foram utilizadas duas metodologias, sendo elas: Goal Question Metric (GQM) e a Análise de Variância (ANOVA). Os resultados obtidos com essas duas metodologias foram satisfatórios, pois obteve-se uma melhora de 40% no tempo para a elaboração da escala de serviço. Além de ser comprovado através da ANOVA, que a escala produzida pelo workflow é igual à escala feita manualmente. 1. Introdução O Um fluxo de trabalho ou workflow é uma ferramenta que tem por finalidade automatizar processos. Assim, um sistema de workflow pode ser desenvolvido obedecendo à arquitetura cliente-servidor [3] e padrões internacionais de sistemas de workflows sugerido pela WfMC [9]. Esta tecnologia aplicada na área hospitalar permite maximizar a utilização dos recursos, aumentando desta forma, a qualidade dos serviços de saúde. É possível alocar de forma precisa e eficiente os recursos disponíveis, controlando qualquer evento que possa interferir na programação previamente elaborada. Portanto, este trabalho teve por objetivo realizar a implantação e avaliação de um protótipo de workflow hospitalar, apresentado como resultado de pesquisa no trabalho[6]. Os objetivos propostos para este trabalho foram os de modelar um procedimento do serviço de enfermagem para utilização piloto no CCG do HRSJ. Realizar a implantação do protótipo do sistema de workflow para a execução do procedimento modelado. Testar e analisar os resultados obtidos com a implantação e realizar a modelagem de um novo sistema de workflow considerando os resultados obtidos na análise do protótipo. Esta pesquisa tem sua justificativa embasada na

2 necessidade de se ter um modelo de sistema de workflow adequado às necessidades do corpo de enfermagem. Além disso, o modelo servirá de suporte para a gerência de processos que deverá ser incorporado ao Prontuário Eletrônico do Paciente Supra Hospitalar (PEPS). O PEPS encontra-se atualmente em desenvolvimento em parceria com o FNS (Fundo Nacional de Saúde). Para a validação dos testes foram utilizadas as metodologias Goal Question Metric (GQM) e a Análise de Variância (ANOVA). A GQM é uma metodologia baseada na idéia de que a medida deve ser orientada a objetivos [1]. Isto significa que alguns objetivos que serviram de guia para a elaboração de questões devem ser identificados e especificados de modo preciso. As questões, por sua vez, orientarão a definição de métricas em um determinado contexto para o objeto estudado [7]. Utilizando essa metodologia é possível realizar medições em relação ao esforço despendido no uso do protótipo de workflow comparando com o serviço realizado manualmente. O método estatístico ANOVA tem por objetivo comparar grupos diferentes de médias e verificar se esses valores são iguais. Com essa metodologia será possível determinar se os resultados obtidos com o workflow são semelhantes ao que é gerado atualmente. 2. Trabalhos Correlatos Foram pesquisadas duas técnicas utilizadas para o gerenciamento de processos, focados em sistemas de workflow, que possam ser utilizados em ambientes hospitalares. Em um modelo proposto no trabalho [2], pode-se projetar o fluxo de execução de várias tarefas por vários atores diferentes. Para isso o modelo utiliza: gráficos, símbolos e textos para descrever as tarefas envolvidas e especificar os mecanismos de disparo e término das ações previstas. No entanto, no modelo proposto [5], o modelo de workflow está dividido em dois grupos: comunicação e atividades. No modelo baseado em comunicação o trabalho é considerado um conjunto de interações humanas bem definidas, representando compromissos realizados entre as pessoas envolvidas. E o modelo baseado em atividades o trabalho é considerado como sendo composto por uma seqüência de atividades. Cada atividade recebe entradas e produzem saídas. Além disso, no trabalho [5] aplicaram-se conceitos de transações permitindo o agendamento cronológico com dependência temporal. Desta forma, ele propôs um modelo para levantamento, execução e gerência de workflows. Tradicionalmente, as ferramentas desenvolvidas para ambientes hospitalares que implementam gerenciamento do fluxo de trabalho baseiam-se em um modelo tradicional estático. Nesta filosofia, analistas vão até o ambiente hospitalar, desenvolvem uma análise criteriosa e projetam uma estrutura de workflow com base nas necessidades específicas de cada hospital. A partir deste modelo parametriza-se a aplicação determinando um fluxo estático para o trabalho hospitalar. Em sua maioria, estas aplicações são partes integrantes de sistemas maiores, geralmente associados a setores hospitalares específicos. Estas aplicações são consideradas workflows pelo fato que orientam para um fluxo de trabalho indicando uma seqüência de passos que são necessários seguir e que não podem ser ignorados. Tais aplicações também possibilitam o controle de questões relacionadas à agendamentos tanto de pacientes quanto de recursos e materiais, dentre outras funcionalidades necessárias em ambientes hospitalares [4].

3 3. Materiais e Métodos Para o desenvolvimento do protótipo foram realizadas a modelagem do sistema de workflow hospitalar, bem como: protótipo, testes, análise e a validação dos resultados. Baseado na pesquisa realizada [6] optou-se por iniciar o projeto com a análise do módulo servidor, em seguida foram realizadas a modelagem do cliente de workflow, sendo que o processo escolhido foi a escala de serviço, por ser um trabalho que exige bastante tempo da Enfermeira para a sua elaboração. Para a análise dos dados obtidos com a utilização do protótipo foram utilizados dois tipos de validações, um com o método estatístico ANOVA e o outro utilizando a metodologia GQM. Através da ANOVA, foi possível determinar que os resultados obtidos com o teste do protótipo de workflow são semelhantes aos gerados manualmente. Desta forma, os dados foram considerados iguais, provando que o sistema conseguiu atingir o objetivo esperado. Com o GQM foi mensurado o tempo de esforço necessário para a elaboração das duas escalas e realizado uma análise a partir desses dados, tendo ambas as validações apresentado resultados adequados ao contexto deste projeto Funcionalidade do modelo O protótipo tem por objetivo realizar a alocação de funcionários para um determinado mês, o módulo cliente realiza a interface com o usuário e o módulo servidor é o responsável por essa alocação. Desta forma, são passados como parâmetro o horário de trabalho e a quantidade de funcionários necessários para o setor. E como resultado o servidor de workflow gera uma escala, o qual é apresentado pelo módulo cliente através de relatórios Estrutura do modelo O servidor de workflow está estruturado nas seguintes camadas: protocolo de comunicação, apresentação de dados, serviços de workflow, máquina de inferência, API de manutenção de dados e configuração (Figura 1). Figura 1. Modelo do servidor de workflow) As camadas de Protocolo de Comunicação, Apresentação de Dados e Mensagens de Serviços são responsáveis pelo meio de comunicação com o módulo

4 cliente, receber os dados, fazer verificações de consistência e prepará-los para serem enviados às camadas de processamento. A camada de máquina de inferência gerencia os procedimentos internos do servidor delegando os trabalhos aos módulos específicos a cada necessidade. Já a camada de configuração é responsável pelos procedimentos de configuração dos planos de workflow, controle de dependência temporal nas configurações e manutenção de contexto [6]. O cliente de workflow está estruturado com as interfaces de cadastro de funcionários, cadastro da escala de serviço e relatórios, com conexão com o módulo servidor Metodologia para implementação e validação A análise do protótipo realizou-se de duas formas, a primeira através da metodologia GQM, a idéia básica dessa metodologia é derivar métricas de software a partir de perguntas e objetivos [8]. A segunda fase de análise foi utilizada o método estatístico ANOVA, avaliando dessa maneira o comportamento das escalas de serviço geradas manualmente e pelo sistema. Para a utilização da metodologia GQM, foram definidos seis aspectos para a medição, sendo eles divididos da seguinte forma: 1. Objetivo: O que será analisado? R: Escala de serviço; 2. Propósito: Por que o objeto será analisado? R: Para avaliar a alocação dos dias de trabalho de cada funcionário, respeitando a necessidade do setor; 3. Enfoque de qualidade (conformidade, eficiência, eficácia): Quais atributos de objeto serão analisados? R: Hora plantão, hora normal de trabalho, quantidade de funcionários durante o dia, quantidade de funcionários no final de semana, alterações na escala e esforço despendido no uso do sistema; 4. Ponto de vista: Quem usará os dados? R: Analista deste projeto; 5. Contexto: Em qual contexto acontece a análise? R: Projeto workflow, unidade de CCG; e Quando, como e por quem os dados são coletados? R: Quando: mensalmente. Como: formulário contabilizando o tempo despendido para a realização da tarefa. Por quem: Enfermeira Chefe. Assim, foi realizado o acompanhamento da Enfermeira no desenvolvimento das duas escalas de serviço, a escala feita manualmente contabilizando o tempo despendido para a elaboração da mesma e depois o desenvolvimento da escala realizada através do sistema. Para a elaboração da escala manualmente a Enfermeira demorou 85 minutos com as atividades de distribuir as horas normais de trabalho, alocar as horas plantões e anotar os funcionários de férias ou que possuem algum tipo de licença. A medição desse esforço foi apenas para a elaboração do rascunho da escala. Depois de pronta a escala, é digitado os dados em uma planilha e esta parte do processo não estão contabilizada. Na elaboração da escala pelo protótipo de workflow não foi contabilizado o tempo que a Enfermeira despendeu para cadastrar os funcionários no sistema, considerando que esta atividade será realizada uma única vez. A medição foi iniciada a partir do cadastro da escala de serviço. O tempo do esforço despendido para o cadastro da escala, a verificação e correções foram de 51 minutos sendo que nesse tempo ela foi interrompida algumas vezes por outros funcionários com perguntas sobre o setor e outras rotinas diárias. É importante considerar também, que era a primeira vez que a Enfermeira realizava está atividade neste ambiente de software diferente de sua habitual rotina. A

5 partir destas medições foi possível responder às seguintes perguntas, conforme a metodologia GQM: 1. O esforço despendido para a elaboração da escala diminui utilizando o sistema? Sim. Comparando o tempo para a elaboração do rascunho da escala e a do sistema houve uma melhora de 34 minutos (Figura 2), podendo haver melhorias de desempenho após o usuário estar mais habituado a ferramenta; 2. A hora normal de trabalho foi alocada corretamente? Sim. Todas as horas normais de trabalho de cada funcionário foram geradas de forma correta pelo sistema; 3. A hora plantão dos funcionários foi gerada corretamente? Não. Algumas horas plantões foram readequadas pela responsável. Essas alterações ocorreram por fatores operacionais, pois alguns funcionários não podem trabalhar em determinados dias, ou precisam de descanso. Outras situações que interferem na alocação da agenda estão relacionadas a demanda de trabalho. Em dias que possuem mais cirurgias marcadas é necessário um número maior de funcionários para trabalhar nesse expediente. O sistema também não identifica feriado, para estes dias é necessária uma quantidade menor de funcionários. Estas informações não foram levadas em consideração dentro do contexto do workflow, por não ter um sistema totalmente informatizado dentro da organização; 4. A quantidade de funcionários necessários para trabalhar durante o dia foi distribuída de forma eficiente? Sim. Foi alocada a quantidade passada por parâmetro no sistema, no entanto, dependendo do dia da semana onde o número de cirurgias é maior que o padrão, foram realizadas realocações das HPs pela Enfermeira para cobrir a quantidade de funcionários necessária; e 5. Foi necessário fazer alterações manuais na escala depois de gerada pelo sistema? Sim. Nas horas plantões. Figura 2. Gráfico representando o esforço despendido para a elaboração da escala Apesar do tempo de digitação da escala não ter sido contabilizado, deve ser considerado que o workflow gera um relatório, o qual facilita ainda mais o trabalho de organização. Utilizando o método estatístico ANOVA foi realizado a segunda parte da análise deste protótipo. Para esta validação verificou-se a quantidade de funcionários que trabalham nos períodos manhã e tarde. Definido a quantidade de funcionários para cada período de trabalho, formaram-se dois grupos de amostras: a escala gerada manualmente e a gerada pelo workflow. Outra categoria de amostra analisada foi a quantidade total de funcionários alocados por dia. Esses dados são importantes porque para a geração da escala é necessário uma quantidade de funcionários para trabalhar

6 diariamente no setor. Na Tabela 1 estão representadas as amostras analisadas com o método estatístico. Como a escala é gerada mensalmente, foi escolhido o mês de outubro para análise por apresentar vários tipos de alocações, como funcionários de férias e um feriado, podendo desta forma, realizar um melhor estudo do comportamento do workflow. A quantidade de amostra de cada grupo foi de 31 elementos, ou seja, uma amostra de cada dia do mês de outubro. Para cada grupo de amostras: manhã, tarde e o total geral de funcionários por dia, foram geradas médias para realizar a análise com a ANOVA. As análises da quantidade total de funcionários por dia estão representadas nas Tabelas 1 e 2. Como podem ser observadas as médias de cada grupo são diferentes, entretanto aplicando-se a ANOVA foi possível concluir que as médias são similares, ou seja, o valor de F apresentado nas Tabelas 1 e 2 foram menores que a do valor crítico (F crítico). Assim, é aceito H0. Significando que a escala gerada pelo workflow é igual à feita manualmente e que o sistema conseguiu satisfazer o que foi proposto, além de ter reduzido o seu tempo de elaboração em 40% (85 minutos escala manual e 51 minutos escala workflow). Tabela 1. Análise do total de funcionários por dia Grupo Contagem Soma Média Variância Manual Workflow Tabela 2. ANOVA do total de funcionários por dia Fonte da variação gl MQ F valor-p F crítico Entre grupos Dentro dos grupos Total 61 4 Resultados Os resultados obtidos nos testes do protótipo de workflow auxiliaram na visualização do grau de eficiência alcançado com o sistema proposto. A primeira avaliação apresenta o resultado obtido com a aplicação da metodologia GQM, através da medição do esforço despendido para a elaboração das duas escalas. Assim, foi possível determinar que o tempo de geração da escala de serviço utilizando o protótipo, foi menor que o tempo despendido para ser feito manualmente, tendo um ganho de 40% de melhora com o sistema. Observou-se também que o resultado obtido nestes testes, podem ser considerados modestos em relação ao potencial desta ferramenta, uma vez que a sua utilização freqüente tende a melhorar o seu desempenho. A segunda avaliação apresenta o resultado obtido com a utilização do método estatístico ANOVA, com esta análise foi possível comprovar que a escala gerada pelo workflow é igual à escala feita manualmente e que a quantidade de funcionários alocados por cada dia de trabalho, satisfazem a necessidade do setor. Também deve ser observado que a análise da escala manual foi realizada apenas na elaboração do seu rascunho, após o seu término a Enfermeira deve repassar todos os dados para o

7 computador e esse tempo não foi medido. Com a utilização do protótipo esses relatórios já estão prontos para serem impressos, evitando desta forma, este tipo de retrabalho. 5 - CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho permitiu ampliar a visão crítica sobre o gerenciamento dos processos hospitalares, objetivando uma melhora em seu funcionamento ou facilitando a execução do mesmo. Todos os objetivos propostos no início deste trabalho foram concluídos com êxito, tendo uma análise positiva dos seus resultados. No início do desenvolvimento do trabalho foi feita a modelagem do servidor de workflow, baseando-se no resultado da pesquisa apresentado no trabalho [6] e seguindo o padrão estabelecido pela WfMC [9]. Observando a necessidade do setor de CCG foi escolhido um procedimento na área de enfermagem para utilização no protótipo de workflow hospitalar. O procedimento escolhido foi a escala de serviços dos funcionários, nesta fase do projeto, foram feitas entrevistas com a Enfermeira Chefe do setor e desta forma, modelado um cliente de workflow. A escolha desse cliente foi baseada nos benefícios que poderia gerar para a organização. A parte do cliente de workflow foi implementada em linguagem Java e foram realizados alguns ajustes no módulo servidor para se adequar as necessidades do cliente. Após ter sido concluída a implementação, o sistema foi instalado em uma máquina própria e implantado no setor de CCG, o qual foi testado pela responsável. A implantação do sistema baseou-se na norma da ISO Nem todos os itens que a norma estabelece foram seguidos, pois o sistema foi utilizado apenas para teste no setor, não sendo uma versão definitiva. Após a realização dos testes, o protótipo foi avaliado e analisado seguindo as orientações da metodologia GQM e o método estatístico ANOVA. Os resultados obtidos com essas validações foram satisfatórios, pois obteve-se a confirmação de que o sistema conseguiu reproduzir a mesma escala de serviço feita manualmente pela Enfermeira e em um tempo menor. Desta forma, concluí-se que o sistema de workflow possibilita uma melhora na eficiência, produtividade e mantém as informações atualizadas, auxiliando no serviço hospitalar. Além de possibilitar automatizar o agendamento de funcionários para um determinado dia de serviço. 5.1 Trabalhos futuros Podem ser sugeridos temas de continuidade para melhorias do sistema de workflow e novos requisitos que foram levantados durante a realização dos testes. O servidor como está implementado atualmente exige muito processamento do computador, para realizar a montagem da escala de serviços o servidor levou em média 12 minutos, esse tempo pode ser melhorado implementando o servidor em uma linguagem mais robusta como C ou C++. A alocação da agenda de cada funcionário também pode ser melhorada. Se o usuário desejar que seja refeita a agenda de um funcionário específico não é possível, o workflow vai realizar a alocação de toda a escala, ou seja, vai refazer a agenda de todos os funcionários. Na parte do cliente uma melhoria seria o cadastro dos feriados e dos dias que alguns funcionários não podem trabalhar, assim evitaria possíveis correções da escala pelo usuário. Além disso, vários clientes podem ser implementados e integrados ao PEPS, como um sistema para marcação de exames, sendo o workflow responsável por alocar os profissionais responsáveis, equipamentos e a melhor data para o paciente

8 realizar o procedimento. Também pode ser utilizado no agendamento do mapa cirúrgico ou em outros processos hospitalares que podem ser identificados durante o desenvolvimento do PEPS. 6 - REFERÊNCIAS [1] BASILI, V.; ROMBACH, H. Goal question metric paradigm. Encyclopedia of software engineering v. 2, [2] CASATI, Fabio; CERI, Stefano; PERNICI, Barbara; POZZI, Giuseppe. Workflow evolution. International Conference on Conceptual Modeling the Entity Relationship. Disponível em: <http://citeseer.ist.psu.edu/casati96workflow.html> Acesso em: 29 jul [3] CRUZ, Tadeu. Workflow II A Tecnologia que Revolucionou Processos. E-papers: Rio de Janeiro, [4] FERREIRA, Levi. Uma solução para o gerenciamento inteligente de processos hospitalares utilizando a tecnologia de workflow. Florianópolis, p (Dissertação de Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, [5] GEORGAKOPOULOS, Dimitrios; HORNICK, Mark F.; MANOLA, Frank; BRODIE, Michael L.; HEILER, Sandra; NAYERI, Farshad; HURWITZ, Benjamin. An extended transaction environment for workflows in distributed object computing. Data Engineering Bulletin, v. 16, n. 2, p. 24_27, Disponível em: <citeseer.ist.psu.edu/georgakopoulos93extended.html> Acesso em: 29 jul [6] RIBEIRO, Manassés. Extensão ao modelo WFMC para Servidores de Workflow em Ambientes Hospitalares p. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, [7] SOUSA, K.; OLIVEIRA, K. M.; ANQUETIL, N. Uso do GQM para avaliar implantação de processo de manutenção de software p. (Dissertação de Mestrado). Mestrado em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação - Universidade Católica de Brasília, [8] WANGENHEIM, Christiane Gresse Von. Medição de Software. LQPS/UNIVALI, [9] WFMC - Workflow Management Coalition. The Workflow Management Coalition Specification. Disponível em: <http://www. WfMC.org>. Acesso em: 22 abr

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR Vanessa P. Leite 1, 2 Manassés Ribeiro 2 Eros Comunello 1, 2 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Faculdade de Ciência da Computação,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR 1 IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR Vanessa P. Leite 1, 2, Eros Comunello 1, 2, Manassés Ribeiro 2 1 Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar Universidade do

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR Jeferson J. S. Boesing 1 ; Manassés Ribeiro 2 1.Aluno do Curso

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura OEI/TOR/MEC/DTI nº 003/2009 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

UM SISTEMA DE MONITORAMENTO E GERÊNCIA DA REDE CATARINENSE DE TELEMEDICINA

UM SISTEMA DE MONITORAMENTO E GERÊNCIA DA REDE CATARINENSE DE TELEMEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA UM SISTEMA DE MONITORAMENTO E GERÊNCIA DA REDE CATARINENSE DE TELEMEDICINA MIGUEL LEONARDO CHINCHILLA

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia EDITAL Nº05/ PROGRAD/ DIREN/2010 ANEXO II 1 Título do Projeto: Automação de Fluxo de Trabalho Administrativo 2- Nome do Orientador: Autran Macêdo 3 Unidade: FACOM 4- Curso: Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Visão Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 24/06/12

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaespecificacaocasouso.odt Número de páginas: 10 Versão Data Mudanças Autor 1.0 09/10/2007

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Simular de Financiamento

Simular de Financiamento Simular de Financiamento Versão: PI001 1. Objetivo deste documento Este documento tem como objetivo autorizar formalmente o início de um projeto e contém informações necessárias para o entendimento do

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013

Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Principais Novidades Abril/2013 a Junho/2013 Sumário 1. Ambiente Group Shopping... 3 2. Alteração na Tela de Contratos e Controle de Edições... 7 3. Propagação de Contratos... 10 4. Configuração de Impressora

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA 2012. INFORMAÇÕES GERAIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Coordenação

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Enfermagem

Programa de Pós Graduação em Enfermagem UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Programa de Pós Graduação em Enfermagem GIATE - Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem Mestranda: Camila Rosalia Antunes

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

15504MPE - Desenvolvendo um Método para Avaliação de Processos de Software em MPEs Utilizando a ISO/IEC 15504

15504MPE - Desenvolvendo um Método para Avaliação de Processos de Software em MPEs Utilizando a ISO/IEC 15504 15504MPE - Desenvolvendo um Método para Avaliação de Processos de Software em MPEs Utilizando a ISO/IEC 15504 Alessandra Anacleto Christiane Gresse von Wangenheim Rafael Savi Clenio F. Salviano Situação

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Questionamento 3. Ano. Série. Nome do Aluno. Escola

Questionamento 3. Ano. Série. Nome do Aluno. Escola Questionamento 3 Pergunta 1: Conforme página 3 do TR existe a necessidade de cadastro em sistema de gestão documental informatizado, conforme requisitos abaixo listados: Ano Série Nome do Aluno Escola

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Software

Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Software FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI FLORIANÓPOLIS DIREÇÃO GERAL DA FACULDADE: JOÃO ROBERTO LORENZETT COORDENAÇÃO DA FACULDADE: PRISCILA FAGUNDES COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: JANICE DETERS

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

SMS uma ferramenta integrada ao sistema do Serviço de Triagem Neonatal

SMS uma ferramenta integrada ao sistema do Serviço de Triagem Neonatal SMS uma ferramenta integrada ao sistema do Serviço de Triagem Neonatal Equipe CIPOI TI / Serviço Social / Área Médica CINFOTEC 2014 Objetivo Viabilizar a utilização do SMS através do sistema no Serviço

Leia mais

Processo. Auditoria Interna. Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Wilker Bueno de Freitas Rosa

Processo. Auditoria Interna. Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Wilker Bueno de Freitas Rosa Dono do processo Aprovado por Analisado criticamente por Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Wilker Bueno de Freitas Rosa Regiane Mendes Barbosa 1. Propósito Descrever a atividade de auditoria interna

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Proposta de Projeto de Pesquisa

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Proposta de Projeto de Pesquisa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Proposta de Projeto de Pesquisa IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto de Pesquisa: School Blocks Sistema de Gestão Acadêmica

Leia mais

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário Cadastramento de Computadores Manual do Usuário Setembro 2008 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Conhecendo a solução...03 Segurança pela identificação da máquina...03 2. ADERINDO À SOLUÇÃO e CADASTRANDO COMPUTADORES

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 3ª Série Fundamentos de Análise Orientada a Objetos A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Guia de Especificação. Vijeo Citect

Guia de Especificação. Vijeo Citect Guia de Especificação Vijeo Citect Guia de Especificação Vijeo Citect > Este documento destina-se à auxiliar nas especificações do software SCADA Vijeo Citect. > Descreve as licenças disponíveis e mostra

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Gestão de contratos de Fábrica de Software. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Gestão de contratos de Fábrica de Software. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Gestão de contratos de Fábrica de Software Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Agenda Diretriz (Método Ágil); Objeto de contratação; Volume de serviços estimado; Plataformas de Desenvolvimento;

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

Gerenciamento de Mudanças. Treinamento OTRS ITSM

Gerenciamento de Mudanças. Treinamento OTRS ITSM Gerenciamento de Mudanças Treinamento OTRS ITSM Sumário Introdução...3 Associando a Mudança à Requisições...4 Papéis...5 Construindo uma Mudança...6 Informações Gerais da Mudança...6 Definindo os Papéis

Leia mais

Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação

Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação Prezado Aluno, Seja bem-vindo à Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação! Antes de dar início à sua graduação

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS Marcos Mitsuo Ashihara 1, Nelson Tenório Jr 2, Rita Cristina Galarraga

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Circular SUSEP Nº285, de 21 de Março de 2005. Versão atualizada pela Circular SUSEP Nº297.

Circular SUSEP Nº285, de 21 de Março de 2005. Versão atualizada pela Circular SUSEP Nº297. Circular SUSEP Nº285, de 21 de Março de 2005. Versão atualizada pela Circular SUSEP Nº297. Cadastro de recursos dos sistemas de informação e mapa de saldos. Gustavo Dias - CEINF Marcos de Almeida - DECON

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Histórico Diversas metodologias e métodos surgiram para apoiar OO. Evolução a partir de linguagens C++ e SmallTalk. Anos 80 Anos 80-90: diversidade de autores.

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto

Plano de Gerenciamento do Projeto Projeto para Soluções Contábeis 2015 Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Brendon Genssinger o e Elcimar Silva Higor Muniz Juliermes Henrique 23/11/2015 1 Histórico de alterações

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2012-2 SISTEMA GERENCIADOR DE REVENDAS DE COSMÉTICOS Alunos: BARROS,

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

Pontos de Função na Engenharia de Software

Pontos de Função na Engenharia de Software Pontos de Função na Engenharia de Software Diana Baklizky, CFPS Este documento contém informações extraídas do Manual de Práticas de Contagem do IFPUG. Essas informações são reproduzidas com a permissão

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais