NovaDelimitação dosemi-árido Brasileiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NovaDelimitação dosemi-árido Brasileiro"

Transcrição

1 NovaDelimitação dosemi-árido Brasileiro Secretaria de depolíticasde Desenvolvimento Regional Ministério da IntegraçãoNacional

2 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro Presidência da República Presidente LuizInácioLuladaSilva MinistériodaIntegração Nacional Ministro CiroFerreira Gomes Secretaria-Executiva do Ministério Secretário-executivo MarcioAraújodeLacerda SecretariadePolíticasde Desenvolvimento Regional SDR Secretário Antônio CarlosF.Galvão Departamento de PlanejamentodeDesenvolvimento Regional Diretor Henrique VilladaCosta Ferreira Secretário-executivo do Grupo de Trabalho Interministerial do Semi-árido JoãoMendesda Rocha Consultores CarlosCaldasLins OtamardeCarvalho

3 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 01 Antecedentes Ainiciativado Ministério daintegraçãonacionalde propor acriação deum grupode trabalho, integradopor instituiçõesdogoverno Federal, com vistas aredelimitar aárea geográfica deabrangência do semi-árido brasileiro, decorreu da constatação da inadequabilidadedo critério anteriormenteadotado, emvigor desde1989, que levava em conta apenas aprecipitação médiaanual dosmunicípiosdessa região. o Com efeito,alein 7.827, de 27 de dezembro de1989, que criou e estabeleceu ascondições de aplicação dosrecursos dos Fundos Constitucionais de Financiamento donorte(fno), do Nordeste(FNE)edo Centro-Oeste (FCO), definiu comosemi-árido: A região inserida naáreade atuação dasuperintendência de Desenvolvimento do Nordeste -Sudene, com precipitação pluviométrica média anualigual ou inferiora800 mm (oitocentos milímetros), definida em portaria daquelaautarquia o (inciso IV do art. 5 do Capítulo II DosBeneficiários). Aúltima atualização dosmunicípiosdo semi-árido foi feitaem1995, por o meio daportarian da antiga SUDENE. Com aextinção dessa autarquia,em 2001, oministério daintegração Nacional(MI) assumiua atribuição, antes acargo daquelasuperintendência, deposicionar-se acerca dospleitosde inclusão demunicípios interessadosembeneficiar-sedo tratamento diferenciadodaspolíticas de crédito ebenefícios fiscais conferidoao semi-árido brasileiro. Uma questão crucial quelevouomi abuscar instituir uma base técnica mais consistente quesubsidiasse osposicionamentos sobreospleitos deinclusão nalista dosmunicípiosdo semi-áridofoi aconstatação da insuficiênciado índicepluviométricocomocritério exclusivo de seleçãodosmunicípios.

4 02 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro Os conhecimentosacumuladossobre oclima permitemconcluir não serafalta dechuvas aresponsável pela ofertainsuficientede água naregião, mas suamá distribuição, associada aumaalta taxade evapotranspiração, que resultam no fenômeno da seca, aqual periodicamente assola apopulaçãoda região. Com basenessasconstatações,omi convocou ministérios einstituições envolvidas com asdiferentesquestõesatinentesaosemi-árido brasileiro e, em março de2004, foiinstalado ogrupo detrabalho Interministerial(GTI) incumbido deredelimitar oespaço geográfico dessa área. OGrupo detrabalhointerministerial GTIparadelimitaçãodo novosemi-áridobrasileiro Pela Portaria InterministerialN 6, de29 demarço de 2004, assinada pelos ministros daintegração Nacional, Ciro Gomes,edo MeioAmbiente, Marina Silva, foi instituído ogtipara, em 120dias, apresentar estudos epropostasde critériosquedefinissem aárea compreendidapelo semi-árido brasileiro. Essa delimitação foi considerada instrumental para aadoção depolíticas de apoio ao desenvolvimento daregião. OGTI, coordenado pelo MI, reuniu técnicosdosministériosdo Meio Ambiente, daciência etecnologia eda Integração Nacional; daagência de Desenvolvimento do Nordeste (Adene), da Companhiade Desenvolvimento dos Valesdo São Francisco edo Parnaíba(Codevasf), do DepartamentoNacional de ObrasContra assecas (Dnocs), da Agência Nacional de Águas(ANA)edo Instituto Brasileirodo Meio Ambiente edosrecursosnaturaisrenováveis (Ibama).Participaram igualmente,aconvite, oinstituto Nacional depesquisas Espaciais(Inpe), oinstituto Nacional dosemi-árido (Iesa), oinstituto Nacional demeteorologia(inmet), aempresa Brasileirade PesquisasAgropecuárias (Embrapa) eobancodo Nordeste (BNB).

5 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 03 Para anovadelimitação do semi-árido brasileiro,ogtitomou por base três critériostécnicos: Ii. I. precipitação pluviométrica média anualinferior a800 milímetros; Índicede aridezde até0,5 calculado pelo balanço hídrico que relaciona asprecipitações eaevapotranspiraçãopotencial, no período entre 1961 e1990; e Iii. riscode seca maior que60%, tomando-sepor base operíodo entre 1970 e1990. Essestrêscritériosforam aplicadosconsistentemente atodososmunicípios quepertencem àárea da antigasudene, inclusive osmunicípiosdo norte de Minas edo Espírito Santo. Aatualização do mapageográficoesocialdosemi-árido brasileiro Em10 demarço de 2005, oministroda Integração Nacional assinou,na cidadede Almenara, no nordestede MinasGerais, Portaria que instituiu a nova delimitação do semi-áridobrasileiro, resultante do trabalhodo GTI que atualizou oscritériosdeseleção eosmunicípios que passam afazer parte dessa região.

6 04 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro

7 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 05 Alémdos1.031 municípios já incorporados,passam afazer parte dosemi-árido outros102 novosmunicípiosenquadradosem pelo menosum dostrêscritérios utilizados. Com essa atualização,aáreaclassificada oficialmentecomo semiárido brasileiro aumentoude ,4 km² para ,4 km ²,um acréscimo de8,66%. Minas Geraisteve omaior número de inclusõesna nova lista -dos40 municípiosanteriores, vai para85, variaçãode 112,5%. Aárea do Estadoque faziaanteriormenteparte daregião erade 27,2%, tendo aumentado para51,7% Os municípiosintegrantesdo novo semi-áridobrasileiro se beneficiarão debônusde adimplência de 25% dosrecursos do Fundo Constitucionalde Financiamento donordeste (FNE), enquanto norestante daregião Nordeste esse percentual éde 15%. Ainda quanto ao FNE,aConstituição determina que pelo menos50% dosrecursosdeste Fundosejamaplicados no financiamento deatividadesprodutivasem municípios dosemi-árido, oquecertamente representa umestímulo àatração de capitais eàgeração deemprego na região. Em 2005,ovalor aser aplicadopelofne nosemi-árido alcança os R$2,5 bilhões. Ademais, produtoresruraisbeneficiáriosdo Pronaf dosemi-árido têm à disposição créditocomjurosde 1% ao ano,prazode pagamento deaté 10 anos etrêsanosdecarência. Desta forma, com anova delimitação do semi-árido brasileiro, oministério da Integração Nacional evidênciaseu compromisso com odesenvolvimentodesta sub-região, tantono queserefere àativação deseu potencial endógeno de crescimento econômico,como no sentido da diminuição dasdesigualdades interregionaisvigentesnopaís.

8 NovaDelimitação do Semi-Árido Brasileiro 06 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro MUNICÍPIOS DANOVADELIMITAÇÃODO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO EM MARÇO DE 2005 Março de2005 EstadodeAlagoas M u n ic íp i o * I n c l u s ã o IB G E N o m e A n t ig o N o v o Á g u a B r a n c a X A r a p i r a c a X B a t a l h a X B e l o M o n t e X C a c im b i n h a s X C a n a p i X C a r n e i r o s X C o it é d o N ó i a X C r a íb a s X D e l m ir o G o u v e i a X D o is R i a c h o s X E s t r e l a d e A l a g o a s X G ir a u d o P o n c i a n o X Ig a c i X In h a p i X J a c a r é d o s H o m e n s X J a r a m a t a i a X L a g o a d a C a n o a X M a j o r I s id o r o X M a r a v i l h a X M a ta G r a n d e X M i n a d o r d o N e g r ã o X M o n t e i r ó p o l is X O lh o d 'Á g u a d a s F l o r e s X O lh o d 'Á g u a d o C a s a d o X O li v e n ç a X O u r o B r a n c o X P a l e s ti n a X P a l m e i r a d o s Í n d io s X P ã o d e A ç ú c a r X P a r ic o n h a X P ir a n h a s X P o ç o d a s T r i n c h e i r a s X Q u e b r a n g u l o X S a n t a n a d o I p a n e m a X S ã o J o s é d a T a p e r a X S e n a d o r R u i P a lm e i r a X T r a i p u X R e g i ã o S e m i - á r id a 3 5 3

9 Estado dabahia Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 07 O rd e m IB G E M u n ic íp io * I n c lu s ã o N o m e A n tig o N o v o A b a íra X A b ar é X A d u s t in a X Á g u a F ria X A m a rg os a X A m é ric a D o u r a d a X A n a g é X A n d a ra í X A n d o ri n h a X A n g u e r a X A n t as X A n t ô n io C a rd o s o X A n t ô n io G o n ç a l ve s X A ra c a t u X A ra c i X B a i xa G ra n d e X B a n za ê X B a rr a X B a rr a d a E s ti va X B a rr a d o C h o ç a X B a rr a d o M e n d e s X B a rr o A l to X B e l o C a m p o X B irit in g a X B o a N o v a X B o a V is ta d o T u p i m X B o m J e s u s d a L a p a X B o m J e s u s d a S e rra X B o n in a l X B o n ito X B o q u ir a X B o t u p o rã X B re j õ e s X B re j o l â n d ia X B ro t as d e M a c a ú b a s X B ru m a d o X B u ri tir a m a X C a a t ib a X C a b ac e ir a s d o P a r a g u a ç u X C a c u l é X C a é m X C a e t a n o s X

10 08 Estado dabahia Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro M u n ic í p i o * In c lu s ã o IB G E N o m e A n tig o N o v o C a et it é X C a f a rn a u m X C a l d e ir ã o G r a n d e X C a m p o A l e g r e d e L o u r d e s X C a m p o F o rm o s o X C a n a r a n a X C a n d e a l X C a n d i b a X C â n d i d o S a le s X C a n s a n ç ã o X C a n u d o s X C a p e l a d o A lt o A l e g re X C a p im G ro s s o X C a r a íb a s X C a ri n h a n h a X C a s a N o v a X C a s tr o A lv e s X C a tu ra m a X C e n t ra l X C h or ro c h ó X C íc e r o D a n t a s X C ip ó X C o c o s X C o n c e i ç ã o d o C o it é X C o n d e ú b a X C o n t e n d a s d o S in c o r á X C o rd e iro s X C o ri b e X C o r o n e l J o ã o S á X C ra vo lâ n d i a X C ris ó p o li s X C u r a ç á X D o m B a s í li o X E lís i o M e d ra d o X E n c ru z il h a d a X É ric o C a rd o s o X E u c li d e s d a C u n h a X F á t im a X F e ir a d a M a t a X F e ir a d e S a n t a n a X F il a d é lfi a X G a vi ã o X

11 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 09 Estado dabahia O rd e m IB G E M u n i cíp i o * In cl u s ã o N o m e A n ti g o N o vo G en t io d o O ur o X G lória X G u ajer u X G u an a m b i X H elió p olis X Iaç u X Ibias s uc ê X Ibic o ar a X Ibip e b a X Ibip it an g a X Ibiq u er a X Ibitiar a X Ibititá X Ib ot ira m a X Ic hu X Ig ap o rã X Igu a í X Inh a m b up e X Ip ec a et á X Ipirá X Ipu p iar a X Ir aju b a X Ir am a ia X Ir aqu a r a X Ir ec ê X It ab er ab a X It ae té X It ag i X It ag ua ç u d a B ah ia X It am b é X It ap et in g a X It ap ic ur u X It aq ua r a X It ara nt im X It atim X Itir u ç u X Itiú b a X It oro ró X Itu aç u X Iuiú X J ac ar ac i X J ac o bin a X

12 10 Estado dabahia Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro C ó d i g o IB G E M u n i c íp i o * In c lu s ã o N o m e A n tig o N o v o J a g u a q u a r a X J a g u a r a ri X J e q u i é X J e r e m o a b o X J o ã o D o u r a d o X J u a z e i ro X J u ss a r a X J u ss i a p e X L a f a i e t e C o u t in h o X L a g o a R e a l X L a j e d in h o X L a j e d o d o T a b oc a l X L a m ar ã o X L a p ã o X L e n ç ó is X L ic ín i o d e A l m e i d a X L iv ra m e n to d o B ru m a d o X M a c a ju b a X M a c a r a n i X M a c a ú b a s X M a c u ru ré X M a e ti n g a X M a iq u i n i q u e X M a iri X M a lh a d a X M a lh a d a d e P e d r a s X M a n o e l V ito ri n o X M a r a c á s X M a rc i o n íl i o S o u z a X M a tin a X M i g u e l C a lm o n X M i la g r e s X M ir a n g a b a X M ir a n t e X M o n t e S a n to X M o r p a r á X M o rr o d o C h a p é u X M o r tu g a b a X M u c u g ê X M u lu n g u d o M o rr o X M u n d o N o vo X M u q u é m d e S ã o F ra n c is c o X

13 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 11 Estado dabahia M u n ic íp i o * I n c l u s ã o IB G E N o m e A n t ig o N o v o N o r d e s ti n a X N o va C a n a ã X N o va F á ti m a X N o va I t a ra n a X N o va R e d e n ç ã o X N o va S o u r e X N o vo H o r iz o n te X N o vo T ri u n f o X O lin d i n a X O li ve ir a d o s B r e j in h o s X O u r o l â n d i a X P a l m a s d e M o n te A lt o X P a l m e ir a s X P a r a m iri m X P a r a ti n g a X P a r ip ir a n g a X P a u l o A f o n s o X P é d e S e rr a X P e d r o A l e x a n d re X P i a tã X P il ã o A rc a d o X P in d a í X P in d o b a ç u X P in ta d a s X P iri p á X P iri ti b a X P l a n a lti n o X P l a n a lt o X P o ç õ e s X P o n t o N o v o X P o t ir a g u á X P r e s id e n t e D u t ra X P r e s id e n t e J â n i o Q u a d r o s X Q u e i m a d a s X Q u i ji n g u e X Q u i x a b e ir a X R a f a e l J a m b e i ro X R e m a n s o X R e t ir o l â n d i a X R i a c h ã o d o J a c u íp e X R i a c h o d e S a n ta n a X R ib e ir a d o A m p a r o X

14 12 Estado dabahia Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro O rd em IB G E M u n icíp io * In clu s ão No m e An tig o No v o R ib eir a do P om bal X R ib eir ão d o L argo X R io de C ont as X R io do A nt ônio X R io do P ires X R od elas X R u y B arb os a X S an ta B árb ar a X S an ta B rí gid a X S an ta Inês X S an ta T eres in ha X S an ta luz X S an ta na X S an ta nóp olis X S an to E st êvã o X S ão D om ing os X S ão F é lix d o C orib e X S ão G abriel X S ão J os é d o J acuí pe X S átiro D ias X S aú de X S eabra X S eb as tião L aranjeir as X S en hor do B onf im X S en to S é X S err a do R am alh o X S err a D our ad a X S err a P ret a X S errinh a X S err olâ ndia X S ítio d o M at o X S ítio d o Q uinto X S obr ad inh o X S ou to S oar es X T ab oc as d o B rejo V e lho X T an h aç u X T an q ue N o vo X T an q uinh o X T ap ir am ut á X T eofilân dia X T rem e dal X T uc ano X

15 Estado da Bahia Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 13 Município* Inclusão Ordem Código IBGE Nome Antigo Novo Uauá X Ubaíra X Uibaí X Umburanas X Urandi X Utinga X Valente X Várzea da Roça X Várzea do Poç o X Várzea N ova X Vitória da Conquista X W agner X Xique-Xique X Região Semi-árida Estado de Ceará I B G E M u n ic íp io * In c l u s ã o N o m e A n tig o N o v o A b a i a r a X A c a r a p e X A c o p i a ra X A i u a b a X A l c â n t a r a s X A l t a n e i ra X A l t o S a n t o X A n t o n in a d o N o r te X A p u i a r é s X A r a c a t i X A r a c o i a b a X A r a r e n d á X A r a r i p e X A r a t u b a X A r n e ir o z X A s s a r é X A u r o r a X

16 14 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro Estado do Ceará C ó d i g o I B G E M u n ic íp i o * In c l u s ã o N o m e A n t ig o N o v o B a ix i o X B a n a b u i ú X B a r b a l h a X B a r r e ir a X B a r r o X B a tu r it é X B o a V i a g e m X B r e jo S a n t o X C a m p o s S a l e s X C a n i n d é X C a p i s tr a n o X C a r id a d e X C a r ir é X C a r ir ia ç u X C a r iú s X C a r n a u b a l X C a ta r in a X C a tu n d a X C a u c a ia X C e d r o X C h o r ó X C h o r o z in h o X C o r e a ú X C r a te ú s X C r a to X C r o a t á X D e p u ta d o I r a p u a n P i n h e ir o X E r e r ê X F a r i a s B r it o X F o r q u i lh a X F r e c h e ir in h a X G e n e r a l S a m p a io X G r a ç a X G r a n j e i r o X G r o a ír a s X G u a r a c i a b a d o N o r t e X G u a r a m ir a n g a X H id r o l â n d i a X H o r iz o n t e X Ib a r e t a m a X Ib ia p in a X Ib ic u iti n g a X Ic a p u í X Ic ó X Ig u a tu X In d e p e n d ê n c ia X Ip a p o r a n g a X

17 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 15 Estado do Ceará IB G E M u n ic íp i o * In c l u s ã o N o m e A n t ig o N o v o I p a u m ir im X I pu X I pu eir as X I ra c e m a X I ra uç u b a X I ta iç a b a X I ta p a g é X I ta p ip oc a X I ta p iú n a X I ta t ir a X J a g u a r e t am a X J a g u a rib ar a X J a g u a rib e X J a g u a ru an a X J a r dim X J a t i X J u az e iro d o N or t e X J u c ás X L a v r as d a M a n g a b e ir a X L im oe ir o d o N o rt e X M a d a len a X M ar a n g u ap e X M as s a p ê X M a ur iti X M er u o c a X M ila g r es X M ilh ã X M ir aí m a X M is s ã o V e lh a X M o m b aç a X M o ns e n h o r T a b o s a X M or a d a N o va X M u c a m b o X M u lu n g u X N o v a O lin d a X N o v a R u s s as X N o v o O rie n t e X O c ar a X O r ós X P a c a jus X P a c o t i X P a c u já X

18 16 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro Estado do Ceará M u n i c íp i o * I n c lu s ã o IB G E N o m e A n tig o N o v o P a lh a n o X P a lm á c i a X P a ra m b u X P a ra m o ti X P e d ra B r a n c a X P e n a f o rt e X P e n t e c o st e X P e re i ro X P i q u e t C a rn e ir o X P i re s F e rre ir a X P o ra n g a X P o rte i ra s X P o te n g i X P o tir e ta m a X Q u i te ri a n ó p o l is X Q u i xa d á X Q u i xe lã X Q u i xe ra m o b i m X Q u i xe ré X R e d e n ç ã o X R e riu t a b a X R u ss a s X S a b o e ir o X S a lit re X S a n t a Q u i té r ia X S a n t a n a d o A c a r a ú X S a n t a n a d o C ar iri X S ã o B e n e d i to X S ã o J o ã o d o J a g u a ri b e X S e n a d o r P o m p e u X S o b ra l X S o lo n ó p o l e X T a b u le i ro d o N o rt e X T a m b o ri l X T a rra f a s X T a u á X T e ju çu o c a X T ia n g u á X U b a j a ra X U m a ri X U m iri m X U ru b u r e t a m a X V a rjo ta X V á rz e a A l e g r e X R e g iã o S e m i- á r id a

19 Estado de Minas Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 17 Gerais M u n ic íp io In c l u s ã o IB G E N o m e A n tig o N o v o Á g u a s V e rm e l h as X A lm e n a r a X A ra çu a í X B a n d e ir a X B e ril o X B e riz a l X B o n i to d e M in as X C a ch o e ir a d e P a je ú X C a p it ã o E n é a s X C a ra í X C a tu ti X C h a p a d a d o N o rte X C o m e rc i n h o X C ô n e g o M a rin h o X C o ro n e l M u rt a X C rist á li a X C u rra l d e D e n tr o X D ivi s a A le g re X D ivi s óp o l is X E sp in o s a X F e l isb u rg o X F ra n c is c o B a d a ró X F ra n c is c o S á X F ru ta d e L e i te X G a m e l e ir as X G rã o M o g o l X Ib ir ac a t u X In d a ia b ira X Ita c a ra m b i X Ita o b im X Itin g a X Ja c in to X Ja í b a X Ja n a ú b a X Ja n u á ri a X Ja p o n va r X Je n ip a p o d e M i n a s X Je q u iti n h o n h a X Jo a ím a X Jo r d â n i a X Jo s é G o n ç a lve s d e M in a s X Jo s e n ó p o lis X

20 18 Estado de Minas Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro Gerais IB G E M u n ic í p io In c l u s ã o N o m e A n tig o N o v o Ju ve n í lia X L o n tra X M a m o n a s X M a n g a X M a ta V e rd e X M a tia s C a rd o s o X M a to V e rd e X M e d i n a X M ir a v â n ia X M o n t a lv â n ia X M o n t e A z u l X M o n t e F o rm o s o X M o n t e z u m a X N in h e i ra X N o v a P o rte iri n h a X N o v o C r u z e iro X N o v o ri zo n te X P a d r e C a rv a lh o X P a d r e P a ra ís o X P a i P e d ro X P a tis X P e d r a A zu l X P e d r a s d e M a ri a d a C ru z X P o n to d o s V o l a n t e s X P o rt e ir in h a X R ia c h o d o s M a c h a d o s X R io P a rd o d e M i n a s X R u b e li ta X R u b im X S a l in as X S a lt o d a D iv is a X S a n ta C ru z d e S a li n a s X S a n ta M a ria d o S a lt o X S a n to A n t ô n i o d o R e ti ro X S ã o J o ã o d a P o n t e X S ã o J o ã o d a s M is s õ e s X S ã o J o ã o d o P a ra í s o X S e rra n ó p o lis d e M i n a s X T a i o b e ir a s X V a rg e m G ra n d e d o R i o P a rd o X V a rz e l â n d i a X V e rd e l â n d ia X V irg e m d a L a p a X R e g i ã o S e m i-á r id a

21 Nova DelimitaçãodoSemi-ÁridoBrasileiro 19 Estado da Paraíba IB G E M u n ic íp i o * I n c l u s ã o N o m e A n ti g o N o v o Á g u a B r a n c a X A g u i ar X A lc a n til X A lg o d ã o d e J a n d a í r a X A m p ar o X A p a r e c id a X A r ar a X A r ar u n a X A r eia d e B a r a ú n a s X A r eia l X A r o e ir a s X A s s u n ç ã o X B a n a n e ir a s X B a r a ú n a X B a rr a d e S a n t a R o s a X B a rr a d e S a n t a n a X B a rr a d e S ã o M ig u e l X B e lé m d o B r e jo d o C r u z X B e rn a r d in o B at is t a X B o a V e n t u r a X B o a V is t a X B o m J e s u s X B o m S u c e s s o X B o n it o d e S a n t a F é X B o q u e ir ã o X B r ejo d o C r u z X B r ejo d os S a n t o s X C a b a c e ir a s X C a c h o e ir a d o s Í n d io s X C a c im b a d e A r e ia X C a c im b a d e D e n t r o X C a c im b a s X C a iç ar a X C a ja z e ir a s X C a ja z e ir in h a s X C a m a la ú X C a m p in a G r a n d e X C a r a ú b a s X C a rr a p a t e ir a X C a s s e r e n g u e X C a tin g u e ir a X C a t o lé d o R oc h a X

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO

ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO CEMcapa12007ok 14.02.75 14:15 Page 1 ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS NO BRASIL URBANO Eduardo Marques (coord.),

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS FEVEREIRO/2005 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTRO DA

Leia mais

Efeitos da indexação do salário-decontribuição

Efeitos da indexação do salário-decontribuição MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Artigo Setembro de 2009 Volume 21 Número 09 Efeitos da indexação do salário-decontribuição no valor do benefício Eduardo da Silva Pereira

Leia mais

Um bre ve ba lan ço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil

Um bre ve ba lan ço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil Um bre ve ba lan ço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil Marilia Pontes Spo si to Uni ver si da de de São Pa u lo Resumo O ar ti go re a li za ba lan ço da pes qui sa so bre as re la ções en tre

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Química feita pelo Intergraus. 11.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Química feita pelo Intergraus. 11.01.2010 UNICAMP 2010 - QUÍMICA As questões dessa prova exploram matérias da Revista Pesquisa FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), uma publicação men sal disponível gratuitamente na rede

Leia mais

Subsídios para a Elaboração do. Plano de Ação para a Prevenção e. Controle do Desmatamento na Caatinga

Subsídios para a Elaboração do. Plano de Ação para a Prevenção e. Controle do Desmatamento na Caatinga Subsídios para a Elaboração do Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Caatinga MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Subsídios para a Elaboração do Plano de Ação para a Prevenção e Controle

Leia mais

Parte I Es ta tís ti cas mo ne tá ri as e financeiras

Parte I Es ta tís ti cas mo ne tá ri as e financeiras Parte I Es ta tís ti cas mo ne tá ri as e financeiras Es ta tís ti cas mo ne tá ri as e fi nan cei ras METODOLOGIA UTILIZADA NA RECONSTRUÇÃO DE ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS 1. Introdução 1.1 Objectivo

Leia mais

GUIA DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA NOVA PERSPECTIVA NA ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS, PROGRAMAS E PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA

GUIA DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA NOVA PERSPECTIVA NA ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS, PROGRAMAS E PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA GUIA DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA NOVA PERSPECTIVA NA ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS, PROGRAMAS E PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA GUIA DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA PRESIDENTE DA REPUBLICA VICE- PRESIDENTE

Leia mais

Série Mais Educação. Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira

Série Mais Educação. Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Série Mais Educação Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Mapeamento das experiências de jornada escolar ampliada no Brasil Presidente da

Leia mais

OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública. Alba Zaluar

OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública. Alba Zaluar OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública Alba Zaluar Resumo O texto aborda algumas das idéias mais disseminadas hoje nos meios de comunicação de massa, assim como no acadêmico, para entender

Leia mais

EcoSol NA PRÁTICA BEM FAZER E BEM VIVER! No município de Vitória, no

EcoSol NA PRÁTICA BEM FAZER E BEM VIVER! No município de Vitória, no Boletim Informativo. Ano I. janeiro/2010 Contato Secretaria Nacional de Economia Solidária Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Ed. Sede, Sala 347. Fone: (61) 3317-6308 Fax: (61) 3317-8221 CEP: 70059-900

Leia mais

A pediatria social e as suas apostas re f o rm i s t a s. Social pediatrics and its re f o rmist pro p o s a l s

A pediatria social e as suas apostas re f o rm i s t a s. Social pediatrics and its re f o rmist pro p o s a l s A RTIGO A RT I C L E 9 7 7 A pediatria social e as suas apostas re f o rm i s t a s Social pediatrics and its re f o rmist pro p o s a l s Maria de Lu rdes Zanolli 1 Emerson Elias Me rhy 2 1 De p a rtamento

Leia mais

ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Stephen Castles. Introdução

ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Stephen Castles. Introdução ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS Stephen Castles Resumo As mudanças globais e a crescente importância dos fluxos e das redes transnacionais em todas as áreas da vida social criam novos desafios às ciências

Leia mais

Luz para Todos UM MARCO HISTÓRICO. 10 milhões de brasileiros saíram da escuridão UM MARCO HISTÓRICO

Luz para Todos UM MARCO HISTÓRICO. 10 milhões de brasileiros saíram da escuridão UM MARCO HISTÓRICO Luz para Todos 10 milhões de brasileiros saíram da escuridão 10 milhões de brasileiros saíram da escuridão PROGRAMA LUZ PARA TODOS Luz para Todos 10 milhões de brasileiros saíram da escuridão EXPEDIENTE

Leia mais

RETRATOS DA DEFICIÊNCIA NO BRASIL

RETRATOS DA DEFICIÊNCIA NO BRASIL RETRATOS DA DEFICIÊNCIA NO BRASIL SUMÁRIO EXECUTIVO A Fundação Banco do Brasil e a Fundação Getúlio Vargas estabeleceram uma parceria no sentido de elaborar um mapa de conhecimento sobre o universo das

Leia mais

O Pronaf B e o financiamento agropecuário nos Territórios da Cidadania do semiárido

O Pronaf B e o financiamento agropecuário nos Territórios da Cidadania do semiárido O Pronaf B e o financiamento agropecuário nos Territórios da Cidadania do semiárido Guilherme Baptista da Silva Maia Valéria Delgado Bastos Bruno Martarello De Conti Fábio Brener Roitman* Resumo Com elevada

Leia mais

Nº 75 - março de 2015

Nº 75 - março de 2015 Nº 75 - março de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2014 Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2014 O DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos,

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS IGAM Unidade Estadual de Gerenciamento do PROÁGUA Nacional UEGP-MG O PROÁGUA APRESENTAÇÃO PARA

Leia mais

Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti LIRAa

Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti LIRAa Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti LIRAa O QUE É LIRAa Mapeamento rápido dos índices de infestação por Aedes aegypti. Neste ano, 161 municípios participaram do levantamento.

Leia mais

O GOSTO AMARGO DA FRUTA: CRISE NA CITRICULTURA SERGIPANA E (DES) ORGANIZAÇÃO DOS PRODUTORES *

O GOSTO AMARGO DA FRUTA: CRISE NA CITRICULTURA SERGIPANA E (DES) ORGANIZAÇÃO DOS PRODUTORES * O GOSTO AMARGO DA FRUTA: CRISE NA CITRICULTURA SERGIPANA E (DES) ORGANIZAÇÃO DOS PRODUTORES * Eliano Sérgio Azevedo Lopes Professor do Mestrado em Sociologia da Universidade Federal de Sergipe UFS INTRODUÇÃO

Leia mais

CADERNOS DE CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS VOLUME 1 O COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA O QUE É E O QUE FAZ?

CADERNOS DE CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS VOLUME 1 O COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA O QUE É E O QUE FAZ? CADERNOS DE CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS VOLUME 1 O COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA O QUE É E O QUE FAZ? O COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA O QUE É E O QUE FAZ? CADERNOS DE CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Vozes. Educação em nossas mãos BRASILEIROS DE EDUCADORES VOZES DE EDUCADORES BRASILEIROS

Vozes. Educação em nossas mãos BRASILEIROS DE EDUCADORES VOZES DE EDUCADORES BRASILEIROS Vozes DE EDUCADORES BRASILEIROS VOZES DE EDUCADORES BRASILEIROS Educação em nossas mãos Vozes DE EDUCADORES BRASILEIROS Educação em nossas mãos Apoio: introdução Senhores Parlamentares e Gestores Públicos

Leia mais

MU DAN ÇAS NA IMI GRA ÇÃO Uma aná li se das es ta tís ti cas so bre a po pu la ção es tran ge i ra em Por tu gal, 1998-2001

MU DAN ÇAS NA IMI GRA ÇÃO Uma aná li se das es ta tís ti cas so bre a po pu la ção es tran ge i ra em Por tu gal, 1998-2001 MU DAN ÇAS NA IMI GRA ÇÃO Uma aná li se das es ta tís ti cas so bre a po pu la ção es tran ge i ra em Por tu gal, 1998-2001 Rui Pena Pires Re su mo Os da dos es ta tís ti cos so bre o re cen te cres ci

Leia mais

Apresentação 4. Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado. Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis

Apresentação 4. Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado. Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis SUMÁRIO Expediente Apresentação 4 Constitucionalidade da mediação 5 José Delgado Mediação no Direito comparado 15 Edward P. Davis Credenciamento de mediador e honorários 27 Régis Fernandes de Oliveira

Leia mais

Estratégias de cálculo mental utilizadas por alunos do 1.º ano de escolaridade Cristina Morais Externato da Luz morais.cristina@gmail.com Resumo Neste artig o será apresentada parte de um estudo q ue tem

Leia mais

Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal FPE

Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal FPE MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal FPE AGOSTO/2014 1

Leia mais

Trabalho Escravo no Brasil do Século XXI

Trabalho Escravo no Brasil do Século XXI Trabalho Escravo no Brasil do Século XXI ISBN 92-2-819328-X 978-92-2-819328-2 Primeira edição 2006 Coordenação do estudo: Leonardo Sakamoto As designações empregadas nas publicações da OIT, segundo a praxe

Leia mais

O decrescimento como condição de uma sociedade convivial. Ser ge La tou che. ano 4 - nº 56-2006 - 1679-0316

O decrescimento como condição de uma sociedade convivial. Ser ge La tou che. ano 4 - nº 56-2006 - 1679-0316 O decrescimento como condição de uma sociedade convivial Ser ge La tou che ano 4 - nº 56-2006 - 1679-0316 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS Re i tor Mar ce lo Fer nan des de Aqui no, SJ Vice-reitor

Leia mais

A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO NO MARKETING DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE UBERABA FAZU.

A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO NO MARKETING DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE UBERABA FAZU. 13 2 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO NO MARKETING DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE UBERABA FAZU. H IL L ESH EIM,

Leia mais