Socialização: características, mecanismos e agentes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Socialização: características, mecanismos e agentes"

Transcrição

1 Socialização: características, mecanismos e agentes Socialização (conceito): processo dinâmico através do qual os indivíduos aprendem valores, as regras e as práticas próprias da sociedade em que vivem. Visa a integração do indivíduo nos múltiplos e variados grupos a que há de pertencer. Socialização primária ocorre na infância e adolescência e refere-se aos valores fundamentais e condutas básicas que permitem interagir com os outros (famílias) Socialização secundária novas aprendizagens aos longo da vida; adaptações e interiorizações de novas situações (escola, clubes, emprego...).

2 Socialização: características, mecanismos e agentes Características da Socialização É um processo: Duradouro (ao longo da vida); Dinâmico (permanente adaptação a novas situações); Global (abrange todos os setores da vida); Interativo (reciprocidade: influencia e é influenciado).

3 Socialização: características, mecanismos e agentes Mecanismos de Socialização Imitação; Aprendizagem; Identificação. Grupos de pertença Grupos de referência

4 Socialização: características, mecanismos e agentes Agentes de Socialização Família; Escola; Conflitos Meios de comunicação social. Integração social adaptação do indivíduo à sociedade.

5 Cultura: diversidade cultural, padrões de cultura e etnocentrismo cultural Cultura todos os elementos que caracterizam uma determinada sociedade Elementos de cultura Espirituais crenças, hábitos, valores, costumes, língua... Materiais alimentação, vestuário, habitação, instrumentos de trabalho...

6 Cultura: diversidade cultural, padrões de cultura e etnocentrismo cultural Cultura todos os elementos que caracterizam uma determinada sociedade Elementos de cultura Espirituais crenças, hábitos, valores, costumes, língua... Materiais alimentação, vestuário, habitação, instrumentos de trabalho...

7 Cultura: diversidade cultural, padrões de cultura e etnocentrismo cultural Elementos de cultura Espirituais valores Materiais tempo espaço Aquilo que os indivíduos valorizam Diversidade de valores: liberdade na adoção dos valores

8 Cultura: diversidade cultural, padrões de cultura e etnocentrismo cultural Padrões de cultura: modos de vida habituais e próprios de uma sociedade ou grupo e adotados pela maioria dos seus elementos. Diferentes modos de vida = diversidade cultural Desenvolvimento dos meios de transporte e de comunicação fomentam a diversificação cultural

9 Cultura: diversidade cultural, padrões de cultura e etnocentrismo cultural Padrões de cultura: modos de vida habituais e próprios de uma sociedade ou grupo e adotados pela maioria dos seus elementos. Diferentes modos de vida = diversidade cultural Desenvolvimento dos meios de transporte e de comunicação fomentam a diversificação cultural Cultura processo dinâmico: Homem produto e produtor de cultura

10 Cultura: diversidade cultural, padrões de cultura e etnocentrismo cultural Etnocentrismo cultural: julgar os padrões das outras culturas com bases nos nossos padrões culturais. Sobrevalorização da «nossa» cultura em detrimento da cultura dos «outros». Xenofobia, racismo...

11 Representações sociais As vivências fazem com que os indivíduos tenham uma imagem de si próprios e dos outros - representações É o processo com que os indivíduos interpretam e interiorizam a realidade e lhe dão significado Os indivíduos selecionam a informação que lhes chega do exterior, descontextualizam-na para, depois, construírem as suas representações sociais.

12 Representações sociais As representações sociais são construções simbólicas que, uma vez interiorizadas pelos indivíduos pela socialização, vão constituir-se como instrumentos que lhes permitem dar significado à informação que lhes chega da realidade social contribuindo desta forma para orientar as suas práticas sociais.

13 Representações sociais As representações sociais são construções simbólicas que, uma vez interiorizadas pelos indivíduos pela socialização, vão constituir-se como instrumentos que lhes permitem dar significado à informação que lhes chega da realidade social contribuindo desta forma para orientar as suas práticas sociais. Código simbólico signos e símbolos

14 Representações sociais

15 Representações sociais Os grupos sociais configuram as suas representações sociais que são determinadas pelas configurações sociais dominantes da sociedade em que se inserem

16 Interações sociais Interação social processo de interação (agir e reagir) com os indivíduos que nos rodeiam. Podem ser mais ou menos esporádico; pode ser mais ou menos profundo. Reação verbal (palavas) ou não verbal (gestos, expressões...) Nas situações do quotidiano, as reações podem acabar por ser tipificadas padrões de interação. Repetição de comportamentos base da estruturação da sociedade. Interação face a face Interação mediada Interação formal Interação informal Interação social: no tempo no espaço

17 Grupo social Grupo social conjunto de indivíduos que estabelecem entre si relações (interagem) de forma sistemática (relações diretas, contínuas e duradouras). Interesses e objetivos comuns estrutura e identidade própria sentimento de pertença Uniformização de condutas. Uniformização no pensar e agir Regras próprias e sanções

18 Grupo social

19 Grupo social Grupo de pertença SOCIALIZAÇÃO Diversidade de grupos Grupo de referência

20 Papel e estatuto social Desempenham funções Tipos de comportamento Indivíduos Papel social O comportamento que a sociedade espera por parte de quem desempenha uma determinada função Comportamentos comuns à função Comportamentos comuns à função independentemente de quem a executa

21 Papel e estatuto social Papel social conjunto de expectativas de comportamento padronizado em relação a cada uma das funções existentes numa sociedade.

22 Papel e estatuto social Estatuto social posição que um indivíduo ocupa num determinado grupo. Diferentes estatutos ao longo da vida Estatuto atribuído; Estatuto adquirido.

A cultura. A importância da cultura no processo de humanização

A cultura. A importância da cultura no processo de humanização A cultura A importância da cultura no processo de humanização A cultura A capacidade do Homem de se adaptar ao meio, transformando-o, distingue-o dos outros animais. Para aprender e desenvolver a capacidade

Leia mais

SOCIALIZAÇÃO E CULTURA

SOCIALIZAÇÃO E CULTURA SOCIALIZAÇÃO E CULTURA CULTURA Sentido comum Sentido sociológico -indivíduo com conhecimentos em vários domínios do saber -quando o indivíduo é portador de cultura, que varia de grupo social -cada grupo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

Objetivos 05/09/2017. Ao nascermos... Psicologia aplicada à nutrição

Objetivos 05/09/2017. Ao nascermos... Psicologia aplicada à nutrição Psicologia aplicada à nutrição O indivíduo como sujeito social e sua relação com o seu ambiente Uma condição sócio-histórica Compreender a relação indissociável entre indivíduo e sociedade na subjetividade

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 2º Teste Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento, de compreensão

Leia mais

Sociedade e indivíduo. Cultura e socialização: cultura.

Sociedade e indivíduo. Cultura e socialização: cultura. Sociedade e indivíduo Cultura e socialização: cultura. Todo este património de artefactos materiais ou espirituais em que o Homem se movimenta e de que se serve para satisfazer as suas necessidades físicas,

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

EAD- 622 FUNDAMENTOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS O PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO

EAD- 622 FUNDAMENTOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS O PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO EAD- 622 FUNDAMENTOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS O PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO Prof. André Fischer Monitora: Veronica PROCESSOS SOCIAIS Ser humano é um ser que interage (influência entre indivíduos) Interação cria

Leia mais

Aula 4 Cultura e Sociedade

Aula 4 Cultura e Sociedade Sociologia e Antropologia em Administraçã ção Aula 4 Cultura e Sociedade Profa. Ms. Daniela Cartoni Leitura para a aula DIAS, Reinaldo. Sociologia Geral. Campinas: Alinea, 2008. PLT 254 Capítulo 2 CONCEITO

Leia mais

O Indivíduo e a Sociedade

O Indivíduo e a Sociedade O Indivíduo e a Sociedade O Processo de Socialização A socialização é um processo dinâmico (exige interação) de interiorização dos padrões culturais, sob a influência de agentes socializadores significativos,

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS

INFLUÊNCIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS INFLUÊNCIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA Def.: Grupo de pessoas unidas directamente por laços de parentesco, no qual os adultos assumem a responsabilidade de cuidar das crianças.

Leia mais

GLOSSÁRIO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL:

GLOSSÁRIO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL: GLOSSÁRIO DE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL: ACULTURAÇÂO Mecanismo de mudança social desencadeada pelo estabelecimento de um contacto contínuo ou repetido, directo ou indirecto, entre culturas diferentes. A aculturação

Leia mais

Cultura e Sociedade. Giddens, capitulo 2

Cultura e Sociedade. Giddens, capitulo 2 Cultura e Sociedade Giddens, capitulo 2 Cultura Aspectos da sociedade humana que são antes aprendidos do que herdados. São compartilhados e tornam possível o convívio social e a comunicação. Formam contextos

Leia mais

Socialização. Estrutura social Família : avô, avó, pai, mãe, filho, filha

Socialização. Estrutura social Família : avô, avó, pai, mãe, filho, filha Socialização Processo de aprendizagem de papéis. Todos os grupos são constituídos por um conjunto de posições sociais estruturadas; todos esperam determinados comportamentos uns dos outros. Estrutura social

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) PROVA 140/C/5 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE PSICOLOGIA 1. CRITÉRIOS

Leia mais

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo

Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley ( ) Sociólogo Socialização Tal como aprendemos um jogo, jogando o, também aprendemos a viver, vivendo. Peter Worsley (1924 2013) Sociólogo As pessoas não são mais do que indivíduos socializados Todos os homens nascem

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

OS NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS E OS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO NÃO- FORMAL. A Geografia Levada a Sério

OS NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS E OS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO NÃO- FORMAL.  A Geografia Levada a Sério OS NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS E OS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO NÃO- FORMAL 1 Lutar pela igualdade sempre que as diferenças nos discriminem. Lutar pela diferença sempre que a igualdade nos descaracterize. Boaventura

Leia mais

BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO

BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO BEHAVIORISMO x COGNITIVISMO CONSTRUTIVISMO Jean Piaget (1896-1980) Psicologia do desenvolvimento EPISTEMOLOGIA GENÉTICA embriologia mental Jean Piaget (1896-1980) Psicologia do desenvolvimento EPISTEMOLOGIA

Leia mais

O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO

O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO I O ESPAÇO NA PEDAGOGIA-EM- -PARTICIPAÇÃO Júlia Oliveira-Formosinho Filipa Freire de Andrade Introdução Espaço(s) em Participação Na Pedagogia -em-participação damos muita importância à organização do(s)

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS- Grupo 430. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: SOCIOLOGIA 12.

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS- Grupo 430. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: SOCIOLOGIA 12. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS- Grupo 430 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: SOCIOLOGIA 12.º ano 2016/2017 Domínio (Unidade/tema)

Leia mais

Material de escrita, caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Não é permitido o uso de lápis nem de corretor.

Material de escrita, caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Não é permitido o uso de lápis nem de corretor. ESCOLA SECUNDÁRIA DE BARCELINHOS E N S I N O S E C U N D Á R I O Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 50/2011 Ano Letivo 2016 / 2017 1ª E 2ª FASES Prova de Equivalência

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

Capítulo 9 Fundamentos do comportamento em grupo

Capítulo 9 Fundamentos do comportamento em grupo Capítulo 9 Fundamentos do comportamento em grupo slide 1 Objetivos de aprendizagem Definir grupo e diferenciar seus vários tipos. Identificar os quatro estágios do desenvolvimento de grupos. Explicar como

Leia mais

(1) BLAU, P. M.; SCOTT, W. R. Organizações formais. São Paulo: Atlas, 1970.

(1) BLAU, P. M.; SCOTT, W. R. Organizações formais. São Paulo: Atlas, 1970. (1) BLAU, P. M.; SCOTT, W. R. Organizações formais. São Paulo: Atlas, 1970. OBJETIVOS GERAL: Discutir as concepções de organizações sociais e organizações formais e informais ESPECÍFICOS: Apresentar concepções

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos A identidade como fator distintivo entre os seres humanos Homem Unidade Diversidade Espécie humana Património genético único; tempo, sociedade e cultura diferentes Eu sou único Eu sou eu, diferente de

Leia mais

Construindo a cultura através da comunicação

Construindo a cultura através da comunicação Construindo a cultura através da comunicação Assessoria de Imprensa O que é Cultura Organizacional? Conjunto de hábitos e crenças estabelecidos através de normas, valores, atitudes e expectativas compartilhados

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

8 Os contextos afectam os comportamentos dos indivíduos. Explica esta afirmação. O contexto de vida de cada um, o conjunto dos seus sistemas

8 Os contextos afectam os comportamentos dos indivíduos. Explica esta afirmação. O contexto de vida de cada um, o conjunto dos seus sistemas 1 Quais as principais características do modelo ecológico do desenvolvimento humano? A perspectiva ecológica do desenvolvimento humano encara-o como um processo que decorre ao longo do tempo e a partir

Leia mais

Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA

Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA OUTUBRO 2016

Leia mais

Assiduidade/Pontualidade. Estruturação do pensamento de forma a comunicar adequadamente as ideias. Erros ortográficos.

Assiduidade/Pontualidade. Estruturação do pensamento de forma a comunicar adequadamente as ideias. Erros ortográficos. CRITÉRIOS DE PERFIL DE 5.º A N O Conhece e exerce os seus direitos e deveres em diálogo e no respeito pelos outros; Reflete sobre os problemas sentidos por cada um e pela sociedade; Toma consciência dos

Leia mais

O PAPEL DOS PROCESSOS MENTAIS NA VIDA QUOTIDIANA. Conhecimento, relacionamento e ação

O PAPEL DOS PROCESSOS MENTAIS NA VIDA QUOTIDIANA. Conhecimento, relacionamento e ação O PAPEL DOS PROCESSOS MENTAIS NA VIDA QUOTIDIANA Conhecimento, relacionamento e ação Conhecimento, relacionamento e ação A mente realiza-se através dos processos mentais, dos processos cognitivos, emocionais

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário Elementos da narrativa Acção Tempo Espaço Personagens Narrador Modos de Expressão e representação Narratário O texto narrativo Conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas, o que implica

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL I. Psicologia Geral e Psicologia Social. De que trata a Psicologia Social? 21/08/2016

PSICOLOGIA SOCIAL I. Psicologia Geral e Psicologia Social. De que trata a Psicologia Social? 21/08/2016 PSICOLOGIA SOCIAL I A psicologia social e seu objeto de estudo: QUESTÕES PRELIMINARES Profa. Dra. Rosana Carneiro Tavares A HISTÓRIA DA PSICOLOGIA SOCIAL ÁREAS DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO De que trata a Psicologia

Leia mais

COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA

COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Quadra 906 Conjunto E Brasília - DF Telefone: (61) 3443-7878 Site: www.lasalledf.com.br E-mail: lasalledf@lasalledf.com.br DIRETRIZES CURRICULARES Série: Maternal 2 1º Período

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto:

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO Escola Ano letivo 2013-2014 Turma: Docente Responsável pelo projeto: SEXUALIDADE (...) É um aspeto central do ser humano, que acompanha toda a vida e que envolve o sexo,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

SOCIOLOGIA UNIDADE 5: SOCIALIZAÇÃO

SOCIOLOGIA UNIDADE 5: SOCIALIZAÇÃO SOCIOLOGIA UNIDADE 5: SOCIALIZAÇÃO CONTEÚDO DA UNIDADE # Socialização # Teorias de socialização infantil # Agentes de socialização #Ressocialização #Papéis Sociais # Socialização ao longo da vida SOCIALIZAÇÃO

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS OS AGREGADOS SOCIAIS O GRUPO

PRINCÍPIOS BÁSICOS OS AGREGADOS SOCIAIS O GRUPO PRINCÍPIOS BÁSICOS OS AGREGADOS SOCIAIS O GRUPO AGREGADOS: Constituem uma reunião de pessoas frouxamente aglomeradas que, apesar da proximidade física, tem um mínimo de comunicação e de relações sociais.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA NATUREZA, CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA NATUREZA, CULTURA E SOCIEDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA NATUREZA, CULTURA E SOCIEDADE Prof. Antonio Lázaro Sant Ana ILHA SOLTEIRA SP SETEMBRO - 2017 OS SIGNIFICADOS

Leia mais

Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS

Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS 111 MIRANDA, Everton NABOZNY, Almir Introdução A relação entre paisagem-identidade constrói-se um jogo sem fim, onde as identidades são construídas ao longo do

Leia mais

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano)

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano) ANO : 12º PSICOLOGIA B Curso Científico-Humanístico p.1/4 COMPETÊNCIAS A UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a humano) TEMA 1: ANTES DE MIM A genética, o cérebro e a cultura (12 aulas de 90`) ADN, genes e cromossomas.

Leia mais

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REITORIA Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná OBS: Política elaborada pela comissão designada

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

RUDIGER, F. As teoria da Comunicação... WOLF, M. Teorias das Comunicações de Massa... TEORIA FUNCIONALISTA

RUDIGER, F. As teoria da Comunicação... WOLF, M. Teorias das Comunicações de Massa... TEORIA FUNCIONALISTA RUDIGER, F. As teoria da Comunicação... WOLF, M. Teorias das Comunicações de Massa... TEORIA FUNCIONALISTA LASSWELL... Pioneiro T. HIPODÉRMICA: visão linear do processo Meios de Comunicação para guiar/direcionar

Leia mais

PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO

PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO CAPÍTULO 1 ESTILOS EDUCATIVOS PARENTAIS Ao longo deste capítulo serão apresentadas breves definições sobre o conceito de família, tendo em atenção diferentes autores que contribuíram

Leia mais

Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais. Desigualdades sociais e identidades sociais

Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais. Desigualdades sociais e identidades sociais Desigualdades sociais e identidades sociais Desigualdade social uma desigualdade social consiste, sobretudo, num grau desigual de acesso a bens, serviços ou oportunidades, situação criada pela própria

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO COGNITIVO A Epistemologia Genética de Jean Piaget Apontamentos biográficos Pressupostos básicos Conceitos

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Introdução à obra de Wallon

Introdução à obra de Wallon Henri Wallon Introdução à obra de Wallon A atividade da criança: conjunto de gestos com significados filogenéticos de sobrevivência. Entre o indivíduo e o meio há uma unidade indivisível. A sociedade é

Leia mais

Desenvolvimento cognitivo

Desenvolvimento cognitivo ATIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO Mestrado em Psicologia da Educação Ano Lectivo 2011/2012 PRINCIPAIS TEORIAS: DESENVOLVIMENTO COGNITIVO A Epistemologia Genética de Jean Piaget Apontamentos biográficos

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização Gestão de Recursos Humanos Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Comunicação nas empresas Motivação dos talentos humanos Comunicação Processo de comunicação Contextualização Barreiras

Leia mais

Designação do Módulo: Técnicas de Animação

Designação do Módulo: Técnicas de Animação Módulo N.º 3258 Designação do Módulo: Técnicas de Animação Planificar e dinamizar a animação com caráter interdisciplinar, como forma de desenvolver competências e autonomias. Expressão livre e animação

Leia mais

Serão as emoções importantes? Sim

Serão as emoções importantes? Sim As emoções Emoções Uma reação complexa a estímulos externos (mais frequentemente) e também a estímulos internos, que se traduz em reações fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afetivas, sentimentais

Leia mais

Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2016/2017

Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado. Ano Letivo 2016/2017 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual Área de Integração 12º Ano de Escolaridade Turma C Curso Profissional de Técnico de Secretariado Ano Letivo 2016/2017 Professor

Leia mais

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO CURRÍCULO Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª.

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A D E C A L D A S D A S T A I P A S

E S C O L A S E C U N D Á R I A D E C A L D A S D A S T A I P A S MÓDULO 1 Área I A Pessoa Unidade Temática 1 O SUJEITO LÓGICO-PSICOLÓGICO Tema-problema: 1.2 PESSOA E CULTURA DURAÇÃO DE REFERÊNCIA (AULAS): 15 APRESENTAÇÃO: Com este Tema-problema reconhecer-se-á que partilhamos

Leia mais

GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS. Prof. Walfredo Ferreira

GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS. Prof. Walfredo Ferreira GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Prof. Walfredo Ferreira Estrutura do estudo: (Onde estamos no programa?) O Ambiente dos Negócios Internacionais o Aspectos culturais dos negócios internacionais o Aspectos

Leia mais

TEORIAS DA APRENDIZAGEM

TEORIAS DA APRENDIZAGEM TEORIAS DA APRENDIZAGEM Professora Mônica Caetano Vieira da Silva UNIDADE DE ESTUDO 08 HENRI WALLONS E A PSICOGÊNESE DA PESSOA Henri Wallon nasceu na França em 1879. Dedicou-se ao estudo da medicina, filosofia

Leia mais

Comportamento do consumidor (Pensamentos, sentimentos e ações). a

Comportamento do consumidor (Pensamentos, sentimentos e ações). a Comportamento do consumidor (Pensamentos, sentimentos e ações). a Antes de 1990- Visão de consumidor Depois de 1990- Visão de cliente indivíduos, com suas necessidades entendidas e atendidas individualmente.

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Para: Psicologia B. Escolas João de Araújo Correia. Objeto da Avaliação. Caracterização da Prova. Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Para: Psicologia B. Escolas João de Araújo Correia. Objeto da Avaliação. Caracterização da Prova. Informação - Prova de Equivalência à Frequência Psicologia B Prova 340 2016 Tipo de Prova Escrita Secundário Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Para: Reprografias Portal do Agrupamento Diretores de Turma Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

Teoria e Análise das Organizações. Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014

Teoria e Análise das Organizações. Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014 Teoria e Análise das Organizações Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL: Ressaltar a organização enquanto objeto de estudo científico; OBJETIVOS ESPECÍFICOS: o Comparar

Leia mais

MODELO PEDAGÓGICO. (Niza, 1989).

MODELO PEDAGÓGICO. (Niza, 1989). MODELO PEDAGÓGICO O modelo pedagógico do MEM afirma que o desenvolvimento da criança vai para além das atividades individuais de compreensão do mundo. A criança também se desenvolve a partir de contatos

Leia mais

Centro Social Monsenhor Júlio Martins

Centro Social Monsenhor Júlio Martins Centro Social Monsenhor Júlio Martins Plano Anual de Atividades 2014/2015 Tema do Projeto Educativo: Brincar a Aprender Tema do Projeto Curricular de Turma: Descobrir com as emoções Sala dos 3,4 e 5 anos

Leia mais

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR MÓDULO 4 EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 O JOGO

Leia mais

Comportamento do Consumidor

Comportamento do Consumidor Comportamento do Consumidor FATORES QUE INFLUENCIAM O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR PROF. JEFFERSON GARRIDO - Conjunto de valores incorporados (valores, percepções, preferências) - Dependem da subcultura

Leia mais

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA

FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA Escola Secundária/3 de Barcelinhos ANO LETIVO 2012-2013 FORMAÇÃO CÍVICA E HUMANA 3.º Ciclo Ensino Básico A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS B) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ÍNDICE A) ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS?

LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? LER E ESCREVER SÃO COISAS DE CRIANÇAS? II Encontro Orientadores de Estudo PNAIC A criança no ciclo de alfabetização Mônica Correia Baptista monicacb.ufmg@gmail.com Professora Departamento de Administração

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Sociologia Código da Prova º Ano de Escolaridade

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Sociologia Código da Prova º Ano de Escolaridade Disciplina Sociologia Código 344 2013/2014 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Sociologia Código da Prova 344 2014 12.º Ano de Escolaridade 1. Introdução As informações sobre a prova apresentadas

Leia mais

PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA. ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003

PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA. ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003 PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003 CAP. 1 Alunos, professores e escola face à sociedade da informação A sociedade da informação em que vivemos;

Leia mais

II FORMAÇÃO DE ASSESSORES E SUPERVISORES

II FORMAÇÃO DE ASSESSORES E SUPERVISORES II FORMAÇÃO DE ASSESSORES E SUPERVISORES Salvador, 27.09 a 01.10.2010 BRiNCaR Luciana M.Dias BRiNCaR O processo pedagógico deve considerar as crianças em sua totalidade,observando suas especificidades,

Leia mais

PIERRE BOURDIEU PODER SIMBÓLICO

PIERRE BOURDIEU PODER SIMBÓLICO PIERRE BOURDIEU 1930-2002 PODER SIMBÓLICO Construtivismo Estruturalista Superação do pensar por dicotomias mundo social construido no pasado (historicidade) formas sociais (passado) são reproduzidas, apropriadas,

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

Científico Humanísticos/12.º ano

Científico Humanísticos/12.º ano Científico Humanísticos/12.º ano N.º de anos: 1 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto Prova: E Duração: 90 minutos 1. Introdução O presente documento visa divulgar

Leia mais

A Economia e o problema económico. A Economia no contexto das ciências sociais

A Economia e o problema económico. A Economia no contexto das ciências sociais A Economia no contexto das ciências sociais Realidade social Objeto de estudo das ciências sociais Conjunto dos seres humanos e das relações que resultam da vida em grupo. O estudo da realidade social

Leia mais

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento

24/07/2014. As origens da Sociologia. A questão do conhecimento Tema 1: O enfoque do Positivismo para a Educação Professora Ma. Mariciane Mores Nunes As origens da Sociologia Sociologia: ciência que explica a dinâmica das sociedades contemporâneas. Envolve: herança

Leia mais

Submissão de Resumos Sessões de Comunicação Coordenada. Dados Gerais da Sessão de Comunicação Coordenada

Submissão de Resumos Sessões de Comunicação Coordenada. Dados Gerais da Sessão de Comunicação Coordenada Submissão de Resumos Sessões de Comunicação Coordenada Dados Gerais da Sessão de Comunicação Coordenada Área temática: Discurso, Cultura e Identidade Título da Sessão: Práticas identitárias de constituição

Leia mais

RESENHA. Sociologia da infância

RESENHA. Sociologia da infância RESENHA Sociologia da infância Giselle Reznik Wajsbrot Zlot 1 gi.zlot@gmail.com Luciana Gandarela Chamarelli 2 luciana.chamarelli@gmail.com CORSARO, William A. Sociologia da infância. Trad. Lia Gabriele

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA O

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA O CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA O ENSINO PRÉ-ESCOLAR 1/11 De acordo com a Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007, de 17 de Outubro da DGIDC (Gestão do Currículo na Educação Pré-escolar) a avaliação é um elemento

Leia mais

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral 1. Conceito A Educação Integral (EI) é uma concepção que compreende que a educação deve garantir o desenvolvimento dos sujeitos em todas as suas

Leia mais

DIMENSÕES DA ALIENAÇÃO

DIMENSÕES DA ALIENAÇÃO IDEOLOGIA MÓDULO 11 INTRODUÇÃO Tudo em nosso mundo tem uma ideia atrás de si. Tudo tem um conjunto de concepções ideológicas que buscam nos fazer pensar, sentir e agir dentro de determinado padrão. ALIENAÇÃO

Leia mais

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOSÉ AFONSO Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova 340 2014 12º Ano de Escolaridade Objeto de avaliação A prova a que esta informação se refere incide nos conhecimentos e nas competências

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

SABERES INFANTIS: olhando para as crianças e seus processos de alfabetização. Lisandra Ogg Gomes Doutora em Educação/USP

SABERES INFANTIS: olhando para as crianças e seus processos de alfabetização. Lisandra Ogg Gomes Doutora em Educação/USP SABERES INFANTIS: olhando para as crianças e seus processos de alfabetização Lisandra Ogg Gomes Doutora em Educação/USP Refletir sobre alguns dos princípios sociológicos presentes na formação das crianças

Leia mais

Abordagem Inclusiva em um Programa de Qualidade de Vida

Abordagem Inclusiva em um Programa de Qualidade de Vida Abordagem Inclusiva em um Programa de Qualidade de Vida Abordagem inclusiva em um programa de qualidade de vida Iran Cosme Pereira Mestre em Engenharia de Produção pela UFPE, Especialista em Engenharia

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

Resumo - Parte 4. Cultura e Sociedade. Sugestão de leitura: DIAS, Reinaldo. Sociologia Geral. Campinas: Alinea, (PLT 254) Capítulo 2.

Resumo - Parte 4. Cultura e Sociedade. Sugestão de leitura: DIAS, Reinaldo. Sociologia Geral. Campinas: Alinea, (PLT 254) Capítulo 2. Disciplina: Sociologia e Antropologia Aplicadas à Administração Profa: Daniela Cartoni Resumo - Parte 4 Cultura e Sociedade Sugestão de leitura: DIAS, Reinaldo. Sociologia Geral. Campinas: Alinea, 2010.

Leia mais

MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO

MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO Paula Portugal 15 de Maio de 2004 Algumas pessoas à medida que vão envelhecendo, não perdem a beleza; apenas a transferem para o coração. Martin Buxbaun

Leia mais

Pobreza fenómeno complexo e multidimensional Várias formas de a medir

Pobreza fenómeno complexo e multidimensional Várias formas de a medir Pobreza fenómeno complexo e multidimensional Várias definições Várias formas de a medir Carência de recursos materiais para satisfazer as necessidades básicas (vestuário, alimentação, saúde, habitação,

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Série: 1ª Ensino Médio Professora: Erika Vilas Boas Atividades para Estudos Autônomos Data: 5 / 9 / 2016 Aluno(a): N o : Turma: INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto

Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto PROJETO DE PESQUISA PÓS-DOUTORADO Ensino em arquitetura e urbanismo: meios digitais e processos de projeto Candidata: Mayara Dias de Souza Supervisor: Prof. Associado Dr. Marcelo Tramontano 1 RESUMO Reflexões

Leia mais

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Não há docência sem discência 1 1) Representações: de crianças e adultos. 2) Lugares e

Leia mais