A SUBVERSÃO DO TEMPO E DO ESPAÇO NO CINEMA: UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR PARA O ENSINO DA FÍSICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SUBVERSÃO DO TEMPO E DO ESPAÇO NO CINEMA: UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR PARA O ENSINO DA FÍSICA"

Transcrição

1 A SUBVERSÃO DO TEMPO E DO ESPAÇO NO CINEMA: UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR PARA O ENSINO DA FÍSICA Nelson Silva Junior Universidade Tecnológica Federal do Paraná Avenida Monteiro Lobato, s/n, Km 04 Ponta Grossa - Paraná Marcos César Danhoni Neves Universidade Tecnológica Federal do Paraná Avenida Monteiro Lobato, s/n, Km 04 Ponta Grossa Paraná Resumo: Este artigo apresenta uma proposta interdisciplinar para o Ensino de Física, a partir do Cinema. O Cinema aqui, considerado, não como um complemento meramente ilustrativo para as aulas de Física, mas sim como o ponto de partida para a construção de um saber específico. A proposta metodológica para este estudo está pautada na pesquisa de natureza qualitativa, que analisa e interpreta, de forma mais aprofundada, aspectos que descrevem a complexidade do comportamento humano, possibilitando assim uma análise mais detalhada sobre hábitos, atitudes, comportamentos do homem em sociedade. Quanto aos instrumentais utilizados na pesquisa, estes foram: o estudo documental e bibliográfico e a análise fílmica. Por se tratar de um estudo em fase inicial de desenvolvimento, os resultados até agora registrados, restringem-se aos estudos comparativos com outras pesquisas que abordam o tema Cinema e ensino de Física e a investigação de filmes que propiciem que a proposta se efetive em sala de aula. Palavras-chave: Ensino de Física, Cinema, Tempo, Espaço. 1 A PESQUISA O cinema invadiu o cotidiano do homem moderno, com tal intensidade, que é impossível não considerar sua influência nos diferentes aspectos da vida desse homem. Segundo Costa (2005, p. XVII), o cinema tem atuado tão fortemente sobre as formas de percepção e as experiências do tempo e do espaço neste século, que já não há limites claros entre as linguagens audiovisuais a que ele deu forma e as outras contemporâneas de linguagem. Essa linguagem, essencialmente visual, acabou por determinar padrões estéticos de imagem e de som, que nos propiciaram formas de representar e perceber o mundo e o homem. O aparato que ocupou, inicialmente, o posto de atração em feiras e circos, em pouco tempo viria a se

2 constituir numa importante linguagem artística e elemento determinante para a comunicação de massa do século XX. Tal como outras linguagens e expressões artísticas, o cinema é um meio para que o homem expresse e problematize o seu tempo e sua existência, gerando vínculos com as mais diversas áreas do conhecimento. Ao adentrar no campo educacional, o cinema não perde sua licença poética, em detrimento do caráter pedagógico ou didático. É uma linguagem artística que ao ser transposta para o meio escolar se torna uma fonte de conhecimento, que mediada pela especificidade de uma área, pode proporcionar, não só uma experiência estética, mas também uma experiência didática que possibilita confrontar temas educacionais, como o processo de ensino e aprendizagem de uma área específica, com temas específicos do contexto cinematográfico. Vários estudos sobre cinema e sua relação com outras áreas do conhecimento, têm apontado para a produção de diversos filmes, nos quais a inveridicidade de fenômenos físicos, químicos ou naturais, são facilmente constatados. Antes de se utilizar um filme enquanto recurso didático pedagógico há necessidade de entendê-lo enquanto uma produção que se prevalece da liberdade da criação artística para concebê-lo numa perspectiva artística e comercial. Aí a necessidade do papel mediador do professor que utiliza o cinema como recurso didático pedagógico, numa perspectiva dialógica, que permita o acesso ao conhecimento, seja pela análise de um fenômeno factual ou de um fenômeno manipulado, o que é mais comum de se observar no cinema. Nossos estudos apontam para uma relação entre os recursos cinematográficos utilizados na narrativa fílmica e o ensino de Física. Esses recursos cinematográficos, muitas vezes, propositadamente ou não, subvertem a noção do tempo e do espaço a fim de criar a diegese do filme, estabelecendo o que chamamos de tempo e espaço diegéticos. O Tempo e o Espaço enquanto elementos físicos são determinantes no conhecimento específico da Física e consequentemente no entendimento do mundo que nos cerca. O nosso cotidiano apresenta diferentes possibilidades e desafios para o nosso entendimento sobre diversos fenômenos físicos, entre eles a questão do tempo e do espaço, fenômenos estes que o cinema nos apresenta de forma recorrente como elementos constituintes das mais diferentes tramas e ações. O conhecimento científico, aqui entendido como aquele que traduz uma forma de conhecer o mundo muito particular (PIETROCOLA, 2001, p. 29), nos permite interpretar a realidade física presente na obra de arte, especificamente, na obra cinematográfica, assim como entender a Física nas dimensões histórica e social. Quando o cinema se constitui enquanto linguagem, deixando de ser um mero registro de imagens do cotidiano do homem do início do século XX, ele passa a ser também uma fonte histórica e de conhecimentos. Segundo Arlindo Machado (COSTA, 2005, p. XII), as histórias do cinema são sempre a história da sua positividade técnica, a história das teorias científicas da percepção e dos aparelhos destinados a operar a análise/síntese do movimento, estabelecendo assim uma relação com o campo da ciência. Essa percepção, citada por Machado nos leva a problematizar como a liberdade artística do cinema, a sua poética, a partir de seus elementos fundantes como o enquadramento, a edição e a montagem, subvertem fenômenos e conceitos da Física, como o tempo e o espaço, para compor uma narrativa própria? Como isso é percebido pelas pessoas que assistem a um filme? E em especial: como isto pode ser usado no ensino de Física? Como ponto de partida para nossa investigação, temos como proposições que provisoriamente respondem à nossa problematização: - O tempo e o espaço real ao serem transpostos para uma obra fílmica estão sujeitos aos efeitos cinematográficos, os quais, invariavelmente, criam realidades espaciais e temporais que só são possíveis na narrativa cinematográfica.

3 - No cinema uma imagem é produzida para representar uma situação específica de espaço, tempo e significado na narrativa. Para que isso seja percebido por quem assiste a um filme, é necessária uma alfabetização cinematográfica que propicie a compreensão da linguagem própria do cinema, o que é restrito a quem produz e não a quem assiste a um filme, o que faz com que as pessoas, ao assistirem esse filme, não percebam a subversão do tempo e do espaço presentes. - O ensino da Física prevê a observação de fenômenos naturais, como a passagem do tempo e o deslocamento no espaço. Os filmes podem ser elementos de observação que propiciam a percepção do tempo e do espaço em situações que simulam o cotidiano do aluno que estuda a Física. Desde obras como Le voyage dans la lune (1902), de Georges Méliès, O encouraçado Potemkin (1925), de Sergei Eisenstein, E o vento levou (1939), de Victor Fleming, Cidadão Kane (1941), de Orson Welles até o cinema contemporâneo de Corra, Lola, corra (1998), de Tom Tykwer, apresentam possibilidades para se entender esses conceitos tempo e espaço como parâmetros físicos, bem como articulá-los ao processo artístico e outras formas de expressão e produção humana, que facilitem a compreensão dos conteúdos no ensino de Física, tais como os tempos envolvidos nos processos biológicos ou químicos e mesmo sua contraposição com os tempos psicológicos, além da importância do tempo no mundo da produção e dos serviços. (BRASIL, 2000, p. 25). A partir da análise da imagem cinematográfica, ou seja, da imagem em movimento, podemos evidenciar a ruptura entre o tempo físico (aquele que aconteceria numa situação real) e o tempo diegético (aquele que acontece na situação do filme), sua relação com os espaços físico e diegético. O tempo diegético, aquele que só existe dentro do filme, é produzido a partir de elementos específicos da linguagem cinematográfica, como o enquadramento, a edição e a montagem, porém, pode propiciar ao assistente mais atento, uma reflexão sobre o conceito de tempo e espaço, enquanto grandezas físicas e suas relações com a Mecânica, a Cinemática, a Termodinâmica e outros conteúdos específicos no ensino de Física. Nossa proposta configura-se num estudo analítico e interdisciplinar que propicia uma abordagem inicial de conteúdos do ensino de Física, trazendo para o estudante aquilo que os Parâmetros Curriculares Nacionais de Física preconizam: o de promover o desenvolvimento das competências que o conhecimento científico possibilita, a partir da interpretação de fatos, fenômenos e processos naturais que fazem parte do cotidiano do aluno, seja ele um cotidiano doméstico, social, artístico cultural ou profissional. Desde o século XVII, com as projeções da chamada Lanterna Mágica, o homem antevia o surgimento de um modelo de cinema que culminaria com o cinema proposto pelos irmãos Lumière e por Thomas A. Edison, no final do século XIX. As primeiras exibições públicas, porém restritas, ocorreram em 1893, quando Edison patenteou o quinetoscópio, um equipamento munido de um visor, através do qual se podia assistir a exibição de imagens como lutas de boxes, performances de animais amestrados, entre outras. O processo pelo qual se podiam observar imagens em movimento no quinetoscópio, consistia num visor e uma manivela, que acionava a apresentação de fotos tiradas em sequência e que davam a sensação de movimento. Os irmãos Lumière, além de terem promovido a mais famosa projeção pública, que demarcou o início do cinema, em 1895, foram também responsáveis pela primeira estrutura de distribuição de filmes, fornecendo para os vaudevilles - casa de entretenimentos variados, projetores, filmes e operadores. Os primeiros 20 anos do cinema demarcam um período preliminar à linguagem que o mesmo estabeleceria. Um período de experimentações e descobertas, que conduz o cinema aos princípios específicos de sua linguagem, ligados ao manejo da montagem como

4 elemento fundamental da narrativa. (COSTA, 2006, p. 22). Historicamente, esses primeiros 20 anos foram divididos nem dois períodos, chamados de Cinema de Atrações ( ) e Período de Transição ( ). O Cinema de Atrações é caracterizado por apresentar filmes onde o espetáculo visual predomina e não a narrativa. Aqui já se definem os planos e uma estruturação nas relações causais e temporais entre os planos. Os filmes do Período de Transição, já apresentam uma narrativa cinematográfica, na qual se podia perceber as intenções e motivações dos personagens. É nesse período que a produção cinematográfica passa a trabalhar, de forma sistematizada, com a conexão entre planos, dando origem a montagem nos filmes. Um dos principais nomes, na história da montagem cinematográfica, foi o norte americano David Wark Griffith ( ). A partir das obras de Griffith, os espectadores passaram a perceber as atitudes emocionais dos personagens, o suspense e contrastes dramáticos da história contada, com o uso criativo da montagem. É Griffith, também, o responsável pela aceitação do longa metragem como forma definitiva para a narrativa fílmica. Suas obras, O Nascimento de uma Nação (1915) e Intolerância (1916), são marcos do cinema e contribuíram para o surgimento do estilo clássico hollywoodiano. Enquanto Griffith dava continuidade à formação do sistema clássico hollywoodiano, no qual a montagem segue uma proposta de invisibilidade e realismo. Já na União Soviética que, segundo Saraiva (2006, p. 110) encontrava-se com um pé no front da guerra civil e outro no ambiente cultural onde vanguardista como Maiakovski, Malevich e Meyerhold lutavam por uma revolução estética, cresceu-se uma geração de cineastas que revolucionaria o cinema para sempre. A revolução citada por Saraiva se deu na forma da montagem cinematográfica e foi fruto da influência direta de artistas como Malevich e Tatlin, nas artes plásticas, Maiakovski na poesia e Meyerhold no teatro. A montagem no cinema ainda era um campo a ser explorado, quando o pintor soviético Lev Kuleshov ( ), passou a atuar no cinema como cenógrafo e defender a postura de um cinema autoral, baseado na criação plástica. O cinema autoral, ao qual Kuleshov se referia era aquele no qual o diretor determinava até mesmo o roteiro do filme e a criação plástica a relação dos elementos que faziam parte da composição do plano. É a partir da sua experiência como cenógrafo que Kuleshov aponta suas primeiras reflexões sobre a montagem cinematográfica, quando o cinema passa a ser encarado como um conjunto de signos, no qual os elementos valem por sua posição dentro da composição e não por serem registro do real. (SARAIVA, 2006, p. 116). Kuleshov é considerado o fundador da Teoria da Montagem. A montagem cinematográfica soviética foi a escola do cinema dos anos 30 e 40, inclusive do cinema clássico hollywoodiano. A partir dos estudos de Kuleshov, a montagem passou a ser considerada o princípio de construção do cinema. A pesar de Kuleshov ter iniciado, formalmente, os estudos sobre montagem, foi outro cineasta russo que melhor elucidou os processos e elementos da montagem e acabou por influenciar a filmografia posterior às suas principais obras: Sergei Eisensten ( ). Vindo do Teatro Operário Soviético, Eisenstein traz para o cinema a influência do teatro baseado em estímulos sensoriais e emocionais, o que ele articula a partir da montagem nos seus filmes. O ato de cortar (literalmente), organizar e ordenar os planos, definir a duração de uma cena ou de um plano, estabelece a forma plástica e rítmica de um filme e caracteriza a montagem como elemento específico da linguagem cinematográfica. E é justamente nessa especificidade da montagem que vamos encontrar o corpus da pesquisa proposta. Do cinema clássico ao cinema contemporâneo, nos diferentes gêneros, movimentos e períodos, temos diversos momentos nos quais a montagem aparece como o elemento ímpar da produção. A concepção da montagem num filme dá a ele o que Gilles Deleuze chama de a imagem tempo,

5 uma imagem que representa, indiretamente, o tempo decorrido. Segundo Parente (2008), Deleuze afirma que só o cinema é capaz de nos dar uma percepção direta do tempo. Quando os cineastas do pós-guerra inventaram a imagem-tempo, criou-se um curto circuito de indiscernibilidade entre o real e o virtual. Trata-se de uma questão ao mesmo tempo artística, filosófica e política. O virtual não se opõe ao real, mas sim aos ideais de verdade que são a mais pura ficção. Tanto na filosofia, como na ciência e na arte, o tempo é o operador que põe em crise a verdade e o mundo, a significação e a comunicação. (PARENTE, 2008, p. 142). Quando assistimos a um filme no qual a mudança de plano representa um deslocamento de tempo e espaço, nem sempre estamos atentos o suficiente para percebermos a ocorrência de um fenômeno físico manipulado pela arte. Isso não é mesmo papel de quem está assistindo a um filme. Para entendermos esse processo seria necessária a confluência de certas percepções, noções e conceitos físicos, que apesar de presentes na obra cinematográfica, não são o objeto de interesse do espectador. Porém esse processo pode ser de grande valia ao transpormos a situação fílmica para uma sala de aula, na qual o objeto em discussão seja, por exemplo, fenômenos físicos do cotidiano. Segundo Peduzzi (2001), sabe-se que os modelos utilizados para se explicar tais fenômenos, desenvolvem-se a partir da infância, muitas vezes fora do ambiente escolar, longe do espaço formal de ensino e aprendizagem e que tais concepções são estruturadas a partir de conceitos elaborados, proporcionando aos indivíduos, uma compreensão coerente sobre estes fenômenos do cotidiano. Esses conceitos aparecem entre os estudantes de Física de todos os níveis de escolaridade e isto é um fato relevante, que reforça a concepção de ensino a partir da bagagem conceitual e cultural trazida pelo aluno. Muitos dos nossos primeiros aprendizados sobre os fenômenos físicos acontecem diante de uma tela de uma televisão ou de um cinema, assistindo-se a um filme, seja ele de ação, romance, aventura ou ficção. O conhecimento físico/científico nos possibilita entender a natureza, o mundo físico, os fenômenos naturais, presentes no nosso dia a dia. Por isso a necessidade contemporânea da alfabetização científica e técnica dos indivíduos, numa perspectiva emancipatória, como apregoava Paulo Freire. Para o cientista educador Gaston Bachelar, a formação do pensamento científico se manifesta a partir da formulação de problemas e estes, por sua vez, são frutos da nossa interação com a vida cotidiana. Ainda, para Bachelar, essa cultura científica adquirida no dia a dia, acaba por ser repensada quando se adentra ao mundo escolar e acadêmico. O conhecimento empírico que os alunos trazem das suas atividades cotidianas, como assistir a um filme, muitas vezes se manifestam como obstáculos epistemológicos para a efetivação do conhecimento científico, porém são importantes no processo de aprendizagem, pois desse conhecimento é que se originam os problemas. E, digam o que disserem, na vida científica os problemas não se formulam de modo espontâneo. É justamente esse sentido do problema que caracteriza o verdadeiro espírito científico. Para o espírito científico, todo conhecimento é resposta a uma pergunta. Se não há pergunta, não pode haver conhecimento científico. Nada é evidente. Nada é gratuito. Tudo é construído. (BACHELAR, 1996, p. 14)

6 Num cotidiano, essencialmente tecnológico, são as leis e teorias do campo da Física que explicam a maior parte dos fenômenos aos quais estamos submetidos, geralmente a partir de modelos teóricos. Para Lopes (2004), o ensino da Física sempre estará vinculado a modelos teóricos, os quais permitem que o estudante relacione os conhecimentos fundamentais da Física com a realidade que o cerca. Uma aprendizagem significativa em Física, entendida por Peduzzi (2001) como aquela na qual o aluno chega a uma solução, estabelecendo uma relação entre a sua estrutura cognitiva e a proposição de problemas advindos dos fenômenos físicos que ele vivencia no seu cotidiano, pode ocorrer ao pensarmos na resolução de um problema com enunciado aberto, que envolve dois carros numa perseguição. Uma situação recorrente em filmes de ação, na qual o aluno poderia constatar, por exemplo, que nas condições reais, que são apresentadas no tempo e no espaço diegético do filme, os carros jamais se encontrariam. A constatação que determinada situação só é possível no espaço da arte cinematográfica, nos aponta uma compreensão significativa sobre os fenômenos físicos e as leis que regem estes fenômenos e não apenas para uma resolução mecânica de um problema. Atividades que envolvem a resolução de problemas fazem parte de um processo de aprendizagem que é consenso entre os educadores que trabalham com o ensino da Física, cabendo aqui destacar o pensamento de Thomas Khun sobre o estudante que resolve muitos problemas. Para Khun (1998), este aluno, muitas vezes, pode apenas ter ampliado sua facilidade para resolver outros mais. A resolução de um problema muitas vezes parece ser uma atividade matemática, mecânica, que a princípio consiste em encontrar a similaridade entre um problema resolvido e um problema a ser resolvido. Para Neves e Savi (2000), o ensino tradicional se baseia em métodos manualísticos, livrescos, memorizativos e matematizáveis para o ensino da Física. Para os autores, a experimentação e a observação, não fazem parte desse tipo de ensino e os conflitos cognitivos e epistemológicos, citados por Khun não surgem num processo deste tipo. A utilização de recursos e linguagens artísticas como o cinema, no processo de ensino da Física, responde à dimensão artística e à função da arte, preconizadas nas Diretrizes Curriculares do Ensino de Física: A Arte concentra, em sua especificidade, conhecimentos de diversos campos, possibilitando um diálogo entre as disciplinas escolares e ações que favoreçam uma unidade no trabalho pedagógico. Por isso, essa dimensão do conhecimento deve ser entendida para além da disciplina de Arte, bem como as dimensões filosófica e científica não se referem exclusivamente à disciplina de Filosofia e às disciplinas científicas. Essas dimensões do conhecimento constituem parte fundamental dos conteúdos nas disciplinas do currículo da Educação Básica. (PARANÁ, 2008, p.22) O ensino de Física se configura num dos desafios contemporâneos da Educação Básica, pois requer o pensar sobre a prática pedagógica do professor de Física, numa perspectiva interdisciplinar. Perspectiva esta que proponha novas metodologias, capazes de integrar o ensino a uma discussão epistemológica sobre a natureza do conhecimento científico, suas possibilidades, suas limitações (se é que isso existe) e suas perspectivas. A dimensão artística do cinema pode propiciar o exercício de se olhar cientificamente para um fenômeno representado, não como um método ou instrumento fechado, encerrado na própria linguagem, mas sim numa concepção integradora entre a Ciência e a Arte.

7 2 A METODOLOGIA O principal objetivo de nossa pesquisa, o de desenvolver uma proposta interdisciplinar para o ensino de Física a partir do cinema, nos leva a investigar um tema pouco estudado ou mesmo novo: o uso de filmes no ensino de Física, não como um complemento meramente ilustrativo, mas sim como o ponto de partida para a construção de um saber específico. Esse tipo de pesquisa serve para desenvolver métodos a serem utilizados em estudos mais profundos. (SAMPIERI, 2006, p. 112). Nossa proposta metodológica para este estudo está pautada na pesquisa de natureza qualitativa, aqui entendida, na perspectiva das ciências sociais, como o estudo de um nível de realidade que não pode ser quantificado, ou seja, trabalha com um universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, que corresponde a um espaço mais profundo das relações (MINAYO, 1998, p.21). Segundo Marconi e Lakatos (2006), uma proposta qualitativa, analisa e interpreta, de forma mais aprofundada, aspectos que descrevem a complexidade do comportamento humano, possibilitando assim uma análise mais detalhada sobre hábitos, atitudes, comportamentos do homem em sociedade. Quanto aos instrumentais utilizados na pesquisa, estes foram: o estudo documental e bibliográfico e a análise fílmica. Quanto ao estudo bibliográfico, utilizamos autores que trazem a discussão sobre temas como: a formação do professor de Física, o Ensino de Física, a linguagem cinematográfica, a História do Ensino da Física e a História do Cinema. Para tanto trabalhamos autores como Pietrocola, Lopes, Neves, Piassi, Machado, Chaves, Braga e Guerra, Edgar-Hunt, Delizoicov, Angotti, Mascarello, Costa, Eisenstein, Deleuze, Aumont, entre outros. Para a análise das obras cinematográficas estamos utilizando a metodologia proposta por Erwin Panofsky em seu livro Significado nas Artes Visuais, denominado metodologia panofyskiana, iconológico ou histórico social. Sua análise consiste em seguir três passos: a análise pré-iconográfica, a análise iconográfica e, por fim, a interpretação. A análise préiconográfica tem por objetivo identificar os significados factual e expressional de uma determinada obra. Já a análise iconográfica busca identificar os significados convencionais expressos pelos elementos de uma obra. E por fim, vem a interpretação, quando se consegue captar o significado dessa obra, seus valores simbólicos que representam signos da cultura na qual foi produzida. Tal metodologia possibilita a análise de uma obra dentro do seu tempo e espaço e em sua relação com outras produções culturais do período. (PANOFSKY, 2007). Os filmes analisados são definidos a partir de critérios como: relevância da obra, período, movimentos, acessibilidade e pertinência ao contexto escolar. 3 OS RESULTADOS Por se tratar de um estudo em fase inicial de desenvolvimento, os resultados até agora registrados, restringem-se aos estudos comparativos com outras pesquisas que abordam o tema cinema e ensino de Física e a investigação de filmes que propiciem que a proposta se efetive em sala de aula. Utilizado como instrumento para diferentes propostas pedagógicas, o cinema tem sido objeto de estudos na área de formação docente do professor de Ciências, como no caso da doutora Silvia Nogueira Chaves, professora da Universidade Federal do Pará; como elemento de cultura midiática utilizado na educação científica, nos estudos do doutor Luís Paulo Piassi, docente da USP; como fonte da história da Ciência nos estudos dos doutores Marco Braga e Andreia Guerra do CEFET-RJ; como fonte de linguagem verbo

8 visual aplicada à divulgação da Ciência nas pesquisas do doutor Marcos Cesar Danhoni Neves, da Universidade Estadual de Maringá, entre outros. Nosso estudo integra este quadro de propostas ao trazer o cinema como dispositivo pedagógico capaz de propiciar um modo de ver a Ciência a partir da produção cinematográfica, não só específica (Ficção Científica), mas sim dos mais diferentes gêneros que o cinema produziu e que, cotidianamente, alunos e professores consomem e apreciam, aproximando o conhecimento científico da fruição artística. Diante do levantamento de estudos, como os apontados anteriormente, nossa proposta se apresenta como inédita, enquanto proposta metodológica para o ensino de Física, face às publicações encontradas até o presente momento. 4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BACHELARD, Gaston. A Formação do Espírito Científico. Trad.: Esteia dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio. Parte III Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasil, 2000 COSTA, Flavia Cesarino. O Primeiro Cinema: espetáculo, narração, domesticação. São Paulo, SP: Azougue, Primeiro Cinema. In: MASCARELLO, F. (org.) História do Cinema Mundial. Campinas: Papirus, KUHN, Thomas S. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, LOPES, J. Bernardino. Aprender e Ensinar Física. Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian, MINAYO, Maria Cecília de Souza. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: (org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 9ª ed. Petrópolis: Vozes, NEVES, M.C.D. e SAVI, A.A. A Sobrevivência do Alternativo: uma pequena digressão sobre mudanças conceituais que não ocorrem no ensino de Física. Ciência e Educação (Bauru). Vol.6. nº 1. Bauru PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica Física. Paraná, SEED, PARENTE, André. As imagens-cristais na arte de Sonia Andrade. In: ARANTES, P. e SANTAELLA, L. (org.) Estéticas Tecnológicas novos modos de sentir. São Paulo: Educ, PANOFSKY, Erwin. Significado nas Artes Visuais. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva. Trad. M.C.F. Keese e J. Guinsburg, PEDUZZI, Sônia S. Concepções alternativas em Mecânica. In: PIETROCOLA, M. (org.) Ensino de Física: conteúdo, metodologia e epistemologia numa concepção integradora. Florianópolis: Ed. da UFSC, PEDUZZI, Luiz O.Q. e PEDUZZI, Sônia S. Sobre o papel da resolução literal de problemas no Ensino de Física: exemplos em Mecânica. In: PIETROCOLA, M. (org.) Ensino de Física: conteúdo, metodologia e epistemologia numa concepção integradora. Florianópolis: Ed. da UFSC, PIETROCOLA, M. (org.) Ensino de Física: conteúdo, metodologia e epistemologia numa concepção integradora. Florianópolis: Ed. da UFSC, SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P.B. Metodologia de Pesquisa. Trad. F. C.

9 Murad. 3ª ed. São Paulo: McGraw-Hill, SARAIVA, Leandro. Montagem Soviética. In: MASCARELLO, F. (org.) História do Cinema Mundial. Campinas: Papirus, THE SUBVERSION OF TIME AND SPACE IN CINEMA: A PROPOSAL FOR AN INTERDISCIPLINARY TEACHING PHYSICS Abstract: This paper presents an interdisciplinary proposal between Physics Teaching and Cinema. The Cinema considered here not merely as an illustrative supplement for school physics, but as the starting point for building a specific knowledge. The methodology for this study is based in the qualitative research, which analyzes and interprets, in more depth, aspects that describe the complexity of human behavior, allowing a more detailed analysis of habits, attitudes, behavior of man in society. As for the instruments used in the survey, these were the documentary and bibliographical study and film analysis. Because it is a study in early stage of development, the results so far recorded are restricted to comparative studies with other research that address Cinema and physics teaching and research films that provide that the proposal becomes effective in the classroom. Keywords: Physics Teaching, Film, Time, Space.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de História

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de História MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de História Laboratório de Pesquisa e Ensino em História Contemporânea II (HH 130) Créditos:

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Didática e Formação de Professores: provocações Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Vivemos tensões nas propostas e concretizações da formação inicial de professores, com padrões culturais formativos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

Educação, tecnologia, aprendizagem exaltação à negação: a busca da relevância

Educação, tecnologia, aprendizagem exaltação à negação: a busca da relevância Educação, tecnologia, aprendizagem exaltação à negação: a busca da relevância Marilú do Nascimento Salvador Lourenço Doutoranda em Ciências da Informação UFP/PT Orientadores: Paulo Rurato e Luis Borges

Leia mais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais

APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais APRENDER E ENSINAR CIÊNCIAS NATURAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação do PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) de Ciências Naturais INTRODUÇÃO Para o ensino de Ciências Naturais é necessária a construção

Leia mais

Palavras-chave: Competências; habilidades; resolução de problemas.

Palavras-chave: Competências; habilidades; resolução de problemas. AVALIAÇÃO POR COMPETÊNCIA: TEORIA E PRÁTICA NO CONTEXTO DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Camilla da Rosa Leandro (Bolsista PUIC) 1 Diva Marília Flemming (Profa. Orientadora) 2 INTRODUÇÃO Na Educação é frequente,

Leia mais

Aula de março O cinema como representação visual e sonora

Aula de março O cinema como representação visual e sonora Aula 2. 11 de março O cinema como representação visual e sonora Bibliografia requisitada: AUMONT, Jacques. O filme como representação visual e sonora. In: AUMONT, Jacques et al. A estética do filme. Campinas:

Leia mais

NATUREZA DO CONHECIMENTO

NATUREZA DO CONHECIMENTO NATUREZA DO CONHECIMENTO CONHECER E PENSAR Conhecer e pensar são uma necessidade para o ser humano e indispensável para o progresso. Sabemos que existimos porque pensamos. Se nada soubéssemos sobre o universo

Leia mais

Conteúdos e Didática de História

Conteúdos e Didática de História Conteúdos e Didática de História Professora autora: Teresa Malatian Departamento de História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP / Franca. Bloco 2 Disciplina 21 Didática dos Conteúdos Conteúdos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763

PLANO DE ENSINO. CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 76 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução 07/11-COGEP

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa PLANO DE ENSINO CURSO Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais MATRIZ 763 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução 037/11-COGEP

Leia mais

Curso de Especialização Lato Sensu - Ensino de Ciências - EaD

Curso de Especialização Lato Sensu - Ensino de Ciências - EaD Curso de Especialização Lato Sensu - Ensino de Ciências - EaD CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR Módulo 1 Carga horária total: 210 Introdução ao Estudo a Distância Introdução à Pesquisa em Ensino de

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) OU PROPOSTA PEDAGÓGICA Representa a ação intencional e um compromisso sociopolítico definido coletivamente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA PAISAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Autora: Alcione Pereira da Silva Universidade Federal do Maranhão Alcione.1980@hotmail.com.br Co-autora: Aldaene Ferreira Silva Universidade Federal

Leia mais

VMSIMULADOS QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP 1

VMSIMULADOS QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP  1 CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP WWW.VMSIMULADOS.COM.BR 1 CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CURRÍCULO ESCOLAR ENSINOAPRENDIZAGEM FORMAÇÃO DO PROFESSOR PLANEJAMENTO ESCOLAR PROJETO PEDAGÓGICO CURRÍCULO

Leia mais

Subprojeto Química A PRÁTICA DOCENTE INICIAL APLICADA AO ENSINO DE QUÍMICA E A FEIRA DE CIÊNCIAS. Bolsista de ID: Aline Florentino da Costa

Subprojeto Química A PRÁTICA DOCENTE INICIAL APLICADA AO ENSINO DE QUÍMICA E A FEIRA DE CIÊNCIAS. Bolsista de ID: Aline Florentino da Costa Subprojeto Química A PRÁTICA DOCENTE INICIAL APLICADA AO ENSINO DE QUÍMICA E A FEIRA DE CIÊNCIAS Bolsista de ID: Aline Florentino da Costa Autores: Aline S. Gomes, Aurélio M. D. Moreira, Márcia F. Mendes,

Leia mais

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Universidade Tecnológica Federal do Paraná Curso Ciências Biológicas Licenciatura Campus Santa Helena Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br

Leia mais

Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14

Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14 Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc- 76517/14 Duração: 25 horas presenciais Número de Créditos: 1 Destinatários: Educadores de

Leia mais

Jacques Therrien, UFC/UECE

Jacques Therrien, UFC/UECE Jacques Therrien, UFC/UECE ALGUNS PRINCÍPIOS QUE FUNDAMENTAM PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAR: É O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E DE RECONSTRUÇÃO CRIATIVA DE SI E DO MUNDO SOCIAL ONDE CONVIVEMOS É

Leia mais

O Imaginário Infantil em Georges Méliès Uma experiência pedagógica para desenvolver a criatividade

O Imaginário Infantil em Georges Méliès Uma experiência pedagógica para desenvolver a criatividade O Imaginário Infantil em Georges Méliès Uma experiência pedagógica para desenvolver a criatividade O Cinema e a Literatura como base de um Projecto Educativo André Mantas Educação pelos Media A Educação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS ANIMAÇÕES\ SIMULACÕES EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE BIOLOGIA

IDENTIFICAÇÃO DAS ANIMAÇÕES\ SIMULACÕES EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE BIOLOGIA IDENTIFICAÇÃO DAS ANIMAÇÕES\ SIMULACÕES EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE BIOLOGIA Maria Giselly Jorge de Matos 1 ; Patrícia Mariana Vasco de Góz²; Gerllane Jorge de Matos³; Ricardo

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU254 DISCIPLINA: METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA CARGA HORÁRIA:

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FILMES COMO REFORÇO DE APRENDIZAGEM NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE ARAÇOIABA PE

A UTILIZAÇÃO DE FILMES COMO REFORÇO DE APRENDIZAGEM NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE ARAÇOIABA PE A UTILIZAÇÃO DE FILMES COMO REFORÇO DE APRENDIZAGEM NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE ARAÇOIABA PE Hellyton José Vieira Marinho¹; Thaynã Emanoela Guedes Carneiro²; Dra.

Leia mais

Análise dos conceitos básicos de eletroquímica à luz da epistemologia de Bachelard. Santos, J. E 1 ; Silva, F. J. S 2

Análise dos conceitos básicos de eletroquímica à luz da epistemologia de Bachelard. Santos, J. E 1 ; Silva, F. J. S 2 Análise dos conceitos básicos de eletroquímica à luz da epistemologia de Bachelard Santos, J. E 1 ; Silva, F. J. S 2 1 UFCG CFP - UACEN Cajazeiras. E-mail: jestrela@cfp.ufcg.edu.br 2 Licenciatura em Química

Leia mais

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Autor: Almir Lando Gomes da Silva (1); Co-autor: Antonio Fabio do Nascimento Torres (2); Coautor: Francisco Jucivanio

Leia mais

EDUCAÇÃO E IMAGENS: A UTILIZAÇÃO DO AUDIOVISUAL COMO RECURSO DIDÁTICO NO CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO

EDUCAÇÃO E IMAGENS: A UTILIZAÇÃO DO AUDIOVISUAL COMO RECURSO DIDÁTICO NO CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO EDUCAÇÃO E IMAGENS: A UTILIZAÇÃO DO AUDIOVISUAL COMO RECURSO DIDÁTICO NO CAMPUS AVANÇADO SOMBRIO Autores: Ulysses Tavares CARNEIRO Orientador IFC Campus Avançado Sombrio, Cynthia Nalila Souza Silva Colaboradora

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE ENSINO QUE FACILITAM A APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES. Márcia Maria Gurgel Ribeiro DEPED/PPGEd/CCSA

PROCEDIMENTOS DE ENSINO QUE FACILITAM A APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES. Márcia Maria Gurgel Ribeiro DEPED/PPGEd/CCSA PROCEDIMENTOS DE ENSINO QUE FACILITAM A APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES Márcia Maria Gurgel Ribeiro DEPED/PPGEd/CCSA OBJETIVO Analisar os processos de ensino e de aprendizagem e suas significações no ensino

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA E ARTISTÍCA Serviço Educativo do Museu do Abade de Baçal

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA E ARTISTÍCA Serviço Educativo do Museu do Abade de Baçal PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ESTÉTICA E ARTISTÍCA Serviço Educativo do Museu do Abade de Baçal Programa de Educação Estética e Artística Ministério da Educação Intenção Pedagógica VER, DIALOGAR e EXPERIMENTAR

Leia mais

Resenha (recesso) - Aprendizagem, Arte e Invenção de Virgínia Kastrup

Resenha (recesso) - Aprendizagem, Arte e Invenção de Virgínia Kastrup Resenha (recesso) - Aprendizagem, Arte e Invenção de Virgínia Kastrup RESUMO. O texto aborda o tema da aprendizagem, usando como referência as contribuições de Gilles Deleuze e Félix Guattari. O objetivo

Leia mais

OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider

OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br O que são objetivos de ensino/aprendizagem? O que espero que meu aluno aprenda?

Leia mais

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO. Zaqueu Vieira Oliveira

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO. Zaqueu Vieira Oliveira HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO Zaqueu Vieira Oliveira História da Matemática História da Ciência História e Filosofia da Ciência: Alguns Debates que Impactam no Ensino Discussões metodológicas O conhecimento

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA. Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR)

MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA. Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR) MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR) analuisa@ufpr.br Escopo Conceitual Estudos de Iconologia Erwin Panofsky. Editorial Estampa, Lisboa, 1986, p.19-37 - Introdução.

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS Autores: Vanessa Martins Mussini 1 Taitiâny Kárita Bonzanini 1,2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS Autores: Vanessa Martins Mussini 1 Taitiâny Kárita Bonzanini 1,2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS Autores: Vanessa Martins Mussini 1 Taitiâny Kárita Bonzanini 1,2 1 Universidade de São Paulo/Univesp Licenciatura em Ciências semipresencial/ Polo

Leia mais

Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) (Educação Física): (Ciências):

Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) (Educação Física): (Ciências): Disciplina: Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) Código da Disciplina: EDU333 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 6º P

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

A ESCOLA PÚBLICA E AS PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES NO COMPONENTE CURRICULAR DO ENSINO RELIGIOSO PROMOVENDO A DIVERSIDADE COMO ATITUDE EMANCIPADORA

A ESCOLA PÚBLICA E AS PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES NO COMPONENTE CURRICULAR DO ENSINO RELIGIOSO PROMOVENDO A DIVERSIDADE COMO ATITUDE EMANCIPADORA A ESCOLA PÚBLICA E AS PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES NO COMPONENTE CURRICULAR DO ENSINO RELIGIOSO PROMOVENDO A DIVERSIDADE COMO ATITUDE EMANCIPADORA Currículo e Educação Básica Apresentadora: Cristiane Méri

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia

Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia Mariana Rampinelli & Michelle Oliveira PIBIC/CNPq Laércio

Leia mais

NADAL, BEATRIZ GOMES. POR VÁRIOS

NADAL, BEATRIZ GOMES. POR VÁRIOS NADAL, BEATRIZ GOMES. POR VÁRIOS AUTORES. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS ANOS INICIAIS: CONCEPÇÃO E AÇÃO. SLIDES Prof. Amarildo Vieira PROFESSOR RODRIGO MACHADO MERLI PEDAGOGO UNIb ESPECIALIZAÇÃO EM DIDÁTICA

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

Uma Leitura Sobre as Escolhas dos Conteúdos.

Uma Leitura Sobre as Escolhas dos Conteúdos. Uma Leitura Sobre as Escolhas dos Conteúdos. Os conteúdos disciplinares devem ser tratados, na escola, de modo contextualizado, estabelecendo-se, entre eles, relações interdisciplinares e colocando sob

Leia mais

O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Ana Beatriz Conejo, Josyane Fernanda Sgarbosa, Gabrielly Silva Guandalino, Lorenna Luciano

Leia mais

TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA. A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a

TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA. A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a TEORIA DA HISTÓRIA: O ENSINO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA RACHEL DUARTE ABDALA - UNITAU A preocupação com o ensino da História tem recaído sobre a finalidade e a metodologia atribuída e empregada

Leia mais

Programa de Ensino. Curso a que se destina: Curso de Cinema

Programa de Ensino. Curso a que se destina: Curso de Cinema Programa de Ensino Nome da disciplina: - Direção de Arte para Cinema de Ficção Código da disciplina: CMA6001 (20162) Horas/aula semanais: 4 Total de horas/aula: 72 Pré-requisito: Nenhum Equivalência: Não

Leia mais

A avaliação da aprendizagem no curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Londrina: um olhar sobre a formação discente

A avaliação da aprendizagem no curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Londrina: um olhar sobre a formação discente A avaliação da aprendizagem no curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Londrina: um olhar sobre a formação discente Resumo: Jocimara Aparecida de Jesus 1 Dirce Aparecida Foletto de Moraes 2 Este

Leia mais

Livro: GASPARIN, João Luiz. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. 2ªed.- Campinas, SP:Autores Associados,2003.

Livro: GASPARIN, João Luiz. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. 2ªed.- Campinas, SP:Autores Associados,2003. Livro: GASPARIN, João Luiz. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. 2ªed.- Campinas, SP:Autores Associados,2003. UNIOESTE Curso de Pedagogia Professora Jamily Charão Vargas METODOLOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM PLANIFICAÇAO DE OFICINA DE TEATRO ANO: 8º Ano ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM PLANIFICAÇAO DE OFICINA DE TEATRO ANO: 8º Ano ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5 p.1/5 SÓCIO-AFECTIVA 1. Dinâmica do Grupo 2. Dinâmica Individual 0. Aprofundar a dinâmica do Grupo Reconhecimento da nova realidade do Grupo. Comunicação com o outro e com o Grupo. Argumentação e negociação

Leia mais

UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP

UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP custodioandrade@uol.com.br Resumo: Este trabalho apresenta parte das investigações

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

Palavras-Chave: Didática. Ensino Superior. Plano de Curso.

Palavras-Chave: Didática. Ensino Superior. Plano de Curso. A DIDÁTICA E SUA RELAÇÃO COM A FORMAÇÃO E PRÁTICA DOCENTE NO ENSINO SUPERIOR Léia Soares da Silva Universidade Federal do Piauí-UFPI Francisco das Chagas Alves Rodrigues Universidade Federal Piauí-UFPI

Leia mais

LICENCIATURA EM QUÍMICA

LICENCIATURA EM QUÍMICA LICENCIATURA EM QUÍMICA EMENTAS DAS DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA 5º SEMESTRE ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS II 40 horas Os estudantes deverão cumprir 40 aulas ao longo do semestre em atividades

Leia mais

Metas Curriculares de Geografia. Documento de apoio

Metas Curriculares de Geografia. Documento de apoio Metas Curriculares de Geografia Ensino Básico: 3.º Ciclo Documento de apoio Adélia Nunes António Campar de Almeida Cristina Castela Nolasco 1. Âmbito do documento As Metas Curriculares de Geografia para

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA 1 Danielle Thais Vital Gonçalves (UEM-CRV) RESUMO: O presente artigo apresenta resultados

Leia mais

Palavras-chave: Formação Continuada. Múltiplas Linguagens. Ensino Fundamental I.

Palavras-chave: Formação Continuada. Múltiplas Linguagens. Ensino Fundamental I. 1 MÚLTIPLAS LINGUAGENS: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA REDE MUNICIPAL DE LONDRINA E REGIÃO SANTOS, A. R. B; Instituto Federal do Paraná (IFPR) GAMA, A.

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

A CULTURA CORPORAL DO CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFC

A CULTURA CORPORAL DO CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFC RESUMO: A CULTURA CORPORAL DO CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFC Carlos Alexandre Holanda Pereira Universidade Estadual do Ceará(UECE) Maria Socorro Lucena Lima Universidade Estadual

Leia mais

ARTE EDUCAÇÃO E ARTETERAPIA NO AMBIENTE ESCOLAR MÓDULO I: OFICINA DE TEATRO

ARTE EDUCAÇÃO E ARTETERAPIA NO AMBIENTE ESCOLAR MÓDULO I: OFICINA DE TEATRO ARTE EDUCAÇÃO E ARTETERAPIA NO AMBIENTE ESCOLAR MÓDULO I: OFICINA DE TEATRO Profa. Ms. Ana Cláudia Ramos OFICINA DE TEATRO NO CONTEXTO ESCOLAR Como o teatro vem sendo concebido na escola? Qual a importância

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS RELACIONADAS AO ENSINO DE CIÊNCIAS PRESENTES NAS MATRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA

ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS RELACIONADAS AO ENSINO DE CIÊNCIAS PRESENTES NAS MATRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS RELACIONADAS AO ENSINO DE CIÊNCIAS PRESENTES NAS MATRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA Maurílio Mendes da Silva (UFPB/UFRPE) Resumo O presente artigo

Leia mais

Acessibilidade: mediação pedagógica. Prof. Blaise Duarte Keniel da Cruz Prof. Célia Diva Renck Hoefelmann

Acessibilidade: mediação pedagógica. Prof. Blaise Duarte Keniel da Cruz Prof. Célia Diva Renck Hoefelmann Acessibilidade: mediação pedagógica Prof. Blaise Duarte Keniel da Cruz Prof. Célia Diva Renck Hoefelmann Ementa: Funções Psicológicas Superiores; conceitos; Processos mentais aquisição da alfabetização

Leia mais

A POÉTICA VISUAL NO CINEMA DE SERGIO BIANCHI. Palavras-chave: cinema nacional, Sergio Bianchi, poética visual.

A POÉTICA VISUAL NO CINEMA DE SERGIO BIANCHI. Palavras-chave: cinema nacional, Sergio Bianchi, poética visual. A POÉTICA VISUAL NO CINEMA DE SERGIO BIANCHI Área Temática: Cultura Nelson Silva Junior (Coordenador da Ação de Extensão) Nelson Silva Junior 1 Maria Andréia Dias 2 Palavras-chave: cinema nacional, Sergio

Leia mais

Bachelard. A Ciência é contínua?

Bachelard. A Ciência é contínua? Texto B Visão Dialética do conhecimento científico Inclui razão e experiência As observações são influenciadas por teorias prévias Visão descontinuísta das Ciências: presença de rupturas com o senso comum

Leia mais

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL Kelen dos Santos Junges - UNESPAR/Campus de União da Vitória Mariane de Freitas - UNESPAR/Campus de União da Vitória

Leia mais

Projeto: Sala ambiente e Grafite. Cajado Temático

Projeto: Sala ambiente e Grafite. Cajado Temático Projeto: Sala ambiente e Grafite Cajado Temático Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção.( Paulo Freire) JUSTIFICATIVA: A ideia das salas ambiente

Leia mais

O NÚCLEO AUDIOVISUAL DE GEOGRAFIA (NAVG) TRABALHANDO A GEOGRAFIA COM CURTAS: EXPERIÊNCIA DO PIBID SUBPROJETO DE GEOGRAFIA.

O NÚCLEO AUDIOVISUAL DE GEOGRAFIA (NAVG) TRABALHANDO A GEOGRAFIA COM CURTAS: EXPERIÊNCIA DO PIBID SUBPROJETO DE GEOGRAFIA. O NÚCLEO AUDIOVISUAL DE GEOGRAFIA (NAVG) TRABALHANDO A GEOGRAFIA COM CURTAS: EXPERIÊNCIA DO PIBID SUBPROJETO DE GEOGRAFIA. Rodrigo Siqueira da Silva Luciana Lima Barbosa Leydiane Paula da Silva 1 Orientadores:

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Perfil dos egressos do curso de Bacharelado em Turismo da Universidade Federal do Rio Grande FURG, campus Santa Vitória do Palmar - RS

Perfil dos egressos do curso de Bacharelado em Turismo da Universidade Federal do Rio Grande FURG, campus Santa Vitória do Palmar - RS Perfil dos egressos do curso de Bacharelado em Turismo da Universidade Federal do Rio Grande FURG, campus Santa Vitória do Palmar - RS Resumo: A presente pesquisa objetivou levantar dados sobre o Egresso

Leia mais

Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação

Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação CONCEPÇÕES DOS EDUCANDOS SOBRE A UTILIZAÇÃO DO LIVRO DIDÁTICO DE BIOLOGIA NA ESCOLA PÚBLICA Leandra Tamiris de Oliveira Lira-UFRPE Leonardo Barbosa

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE 1 CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Joana D`arc Anselmo da Silva Estudante do Curso de Licenciatura em Pedagogia, bolsista PIBID Universidade Federal da Paraíba. UFPB Campus IV, joanadarc945@gmail.com

Leia mais

ANEXO 01 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UENF SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS

ANEXO 01 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UENF SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS ANEXO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UENF SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES PROGRAMAS / ATIVIDADES PERFIS DOS CANDIDATOS NÚMEROS DE VAGAS Coordenador (PA2) Conteudista (PA3) DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS

MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS Celso Gomes Ferreira Neto, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Profª. Drª. Filomena Maria G. S. Cordeiro Moita, Universidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil

A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil Fernanda Taynara de Oliveira Graduando em Geografia Universidade Estadual de Goiás Campus Minaçu Kelytha

Leia mais

A prática como componente curricular na licenciatura em física da Universidade Estadual de Ponta Grossa

A prática como componente curricular na licenciatura em física da Universidade Estadual de Ponta Grossa A prática como componente curricular na licenciatura em física da Universidade Estadual de Ponta Grossa Da Silva, Silvio Luiz Rutz 1 ; Brinatti, André Maurício 2 ; De Andrade, André Vitor Chaves 3 & Da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: BIOLOGIA

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS)

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS) 1 Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Instituto de Filosofia, Artes e Cultura (IFAC) Departamento de Música (DEMUS) Curso de Licenciatura em Música DISCIPLINAS ELETIVAS / EMENTAS Análise Musical

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Metodologia do Trabalho Científico O Método Cientifico: o positivismo, a fenomenologia, o estruturalismo e o materialismo dialético. Héctor José

Leia mais

Israel 1994 mundo 2004 Brasil 2006

Israel 1994 mundo 2004 Brasil 2006 AS ORIGENS Os primeiros estudos e aplicações de uma metodologia para desenvolvimento de habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas por meio de jogos de raciocínio foram iniciados em Israel em

Leia mais

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA Gabriel Pereira Paes Neto LEPEL-UFPA/SEDUC-PA gabrieledfisica@hotmail.com Ney Ferreira França LEPEL-UFPA/SEDUC-PA

Leia mais

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO ANTROPOLOGIA CULTURAL E DESENVOLVIMENTO HUMANO

CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO ANTROPOLOGIA CULTURAL E DESENVOLVIMENTO HUMANO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 7

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: DESAFIOS E POSSSIBILIDADES NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: DESAFIOS E POSSSIBILIDADES NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: DESAFIOS E POSSSIBILIDADES NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Flávia B. Pereira 1 ; Melissa S. BRESCI 2 RESUMO O presente trabalho objetiva uma reflexão sobre o conhecimento

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 5º semestre

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 5º semestre EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU:( )integrado( )subsequente( ) concomitante ( ) bacharelado( x )licenciatura( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU519 DISCIPLINA: PRATICA EDUCATIVA I - DIDÀTICA CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: OBJETIVOS:

Leia mais

A MATEMÁTICA NO COTIDIANO: RECONHECENDO E TRABALHANDO COM SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM FUNÇÕES

A MATEMÁTICA NO COTIDIANO: RECONHECENDO E TRABALHANDO COM SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM FUNÇÕES A MATEMÁTICA NO COTIDIANO: RECONHECENDO E TRABALHANDO COM SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10 José Jorge Casimiro Dos SANTOS jorge.cassimiro14@gmail.com

Leia mais

OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO DE QUIMICA: DISCUTINDO UMA PROPOSTA DE TRABALHO PARA PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO.

OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO DE QUIMICA: DISCUTINDO UMA PROPOSTA DE TRABALHO PARA PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO. OFICINAS TEMÁTICAS NO ENSINO DE QUIMICA: DISCUTINDO UMA PROPOSTA DE TRABALHO PARA PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO. José Djhonathas Firmino de Vasconcelos LIMA 1,Antonio Nóbrega de SOUSA 2, Thiago Pereira da

Leia mais

BRINQUEDOTECA PARAÍSO DA CRIANÇA ATIVIDADES RECREATIVAS BRINQUEDOS NO PERÍODO CONTRATADO SUPERVISÃO DE MONITORES DA ÁREA DE EDUCAÇÃO OFICINAS

BRINQUEDOTECA PARAÍSO DA CRIANÇA ATIVIDADES RECREATIVAS BRINQUEDOS NO PERÍODO CONTRATADO SUPERVISÃO DE MONITORES DA ÁREA DE EDUCAÇÃO OFICINAS FES ATIVIDADES RECREATIVAS BRINQUEDOS NO PERÍODO CONTRATADO SUPERVISÃO DE MONITORES DA ÁREA DE EDUCAÇÃO BRINQUEDOTECA PARAÍSO DA CRIANÇA OFICINAS NOITE DO PIJAMA FESTA INFANTIL PROPOSTA Acreditamos que

Leia mais

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões PLANEJAMENTO INSTRUMENTO DE AÇÃO EDUCATIVA PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões Busca determinar fins Torna presentes valores e crenças Explicita nossa compreensão (mundo, vida, sociedade,

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO ESCRITA COMO ESTRATÉGIA DE DIAGNÓSTICO EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO

ANÁLISE DA PRODUÇÃO ESCRITA COMO ESTRATÉGIA DE DIAGNÓSTICO EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO 00944 ANÁLISE DA PRODUÇÃO ESCRITA COMO ESTRATÉGIA DE DIAGNÓSTICO EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO Eliane Maria Oliveira Araman Jader Otavio Dalto Universidade Tecnológica Federal do Paraná Resumo: O presente

Leia mais

!"#$"%&%'()*+,+-.,#)%/'01'2#/*%'01'(),.,%34#'5'6#.7).,%'8'!(2(69:;!<='8';"+1*

!#$%&%'()*+,+-.,#)%/'01'2#/*%'01'(),.,%34#'5'6#.7).,%'8'!(2(69:;!<='8';+1* PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAD Código: Área: Artes (Plásticas e Visuais) Nome do bolsista: SAMIR CHAMBELA ROCHA Produto: Data/ Período: 01/02/13 a 20/12/13. Nome

Leia mais