Ref.: insalubridade no exercício da atividade como médico nefrologista. Prezados Senhores,

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ref.: insalubridade no exercício da atividade como médico nefrologista. Prezados Senhores,"

Transcrição

1 São Paulo, 13 de dezembro de À DIRETORIA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA SBN Rua Machado Bittencourt, 205, conj. 53 VI Vila Clementino São Paulo/ SP Brasil CEP Ref.: insalubridade no exercício da atividade como médico nefrologista. Prezados Senhores, Atendendo à solicitação de Vossas Senhorias, servimo-nos da presente para expor nossas considerações acerca dos critérios e procedimentos para a caracterização da insalubridade no exercício da atividade de médico nefrologista, bem como sobre os direitos que assistem ao profissional que eventualmente se enquadrar nessa situação, consoante termos que seguem: Dentre o universo de direitos trabalhistas previstos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), temos o adicional de insalubridade, preconizado na Seção XIII Das Atividades Insalubres ou Perigosas, do Capítulo V, do Título II, que, adotando medidas protecionistas, destina-se a proporcionar uma compensação ao trabalho realizado em condições de agressão à saúde e ao bem estar do trabalhador. Assim é que, na legislação em vigor, são consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos (art. 189, CLT).

2 Veja-se, então, que a definição de insalubridade leva em conta o tempo de exposição do trabalhador ao agente nocivo, o tipo de atividade desenvolvida no curso da jornada de trabalho, os limites de tolerância, as taxas de metabolismo e os respectivos tempos de exposição. Ainda nessa seara, cumpre esclarecer que por limite de tolerância entende-se a concentração ou intensidade do agente potencialmente insalubre, máxima ou mínima, que não causa dano à saúde do trabalhador durante a sua vida laboral. Igualmente, no que tange ao tempo de exposição a agentes agressivos considerados insalubres, temos que isso deve ocorrer de forma permanente, não ocasional nem intermitente, sob pena de não ser devido qualquer adicional por insalubridade. No mais, em decorrência do art. 190 da CLT, cumprirá ao Ministério do Trabalho aprovar o quadro das atividades, substâncias e operações consideradas insalubres, adotando normas específicas sobre os critérios de sua caracterização, os limites de tolerância aos agentes agressivos, os meios de proteção e o tempo máximo de exposição do empregado a esses agentes. Disso decorre que, juridicamente, a insalubridade somente será reconhecida quando a atividade ou operação estiver relacionada nas listas elaboradas pelo Ministério do Trabalho, que, no caso, estão previstas na Norma Regulamentadora nº 15, aprovada pela Portaria nº de do Ministério do Trabalho. Em suma, podemos listar as seguintes atividades ou operações que a NR15 considera como sendo insalubres 1 : a) Aquelas que se desenvolvem acima dos Limites de Tolerância previstos nos Anexos 1, 2, 3, 5, 11 e 12 da NR15, os quais disciplinam sobre: ruído contínuo ou itinerante (anexo 1); ruído de impacto (anexo 2); exposição ao calor (anexo 3); radiações ionizantes (anexo 5); agentes químicos cuja 1 Cada atividade ou operação considerada insalubre encontra-se descrita e especificada nos anexos da NR15, razão pela qual enviaremos a V.Sas., também, a íntegra da NR15 e anexos, para possibilitar uma melhor avaliação, caso necessário.

3 insalubridade é caracterizada, também, por inspeção no local de trabalho (anexo 11) e; poeiras minerais (anexo 12). b) As atividades previstas nos Anexos 6, 13 e 14 da NR15, que consistem em: trabalho sob condições hiperbáricas (anexo 6); agentes químicos (anexo 13) e; agentes biológicos, cuja insalubridade é caracterizada mediante avaliação qualitativa (anexo 14). c) Quando há insalubridade comprovada por meio de laudo de inspeção do local de trabalho, em decorrência do previsto nos Anexos 7, 8, 9 e 10 da NR15, no que se refere a: radiações não-ionizantes (microondas, ultravioletas e laser), sem a proteção adequada (anexo 7); atividades e operações que exponham os trabalhadores, sem a proteção adequada, às vibrações localizadas de corpo inteiro (anexo 8); atividades ou operações executadas no interior de câmaras frigoríficas ou em locais que apresentem condições similares, que exponham os trabalhadores ao frio, sem a proteção adequada (anexo 9); atividades ou operações executadas em locais alagados ou encharcados, com umidade excessiva, capazes de produzir danos à saúde dos trabalhadores (anexo 10). Importante destacar, portanto, que para se caracterizar e classificar a insalubridade, necessária se mostra a previsão dessa atividade ou operação como insalubre na relação oficial elaborada pelo Ministério do Trabalho (NR15 e anexos). No entanto, apenas isso não basta. Há de se proceder, também, à constatação da insalubridade por meio de laudo pericial, realizado por profissional competente e devidamente registrado no Ministério do Trabalho e Emprego (médico ou de engenheiro do trabalho) 2. No caso de comprovada a existência de insalubridade, as Delegacias Regionais do Trabalho (DRT) notificarão as empresas, estipulando prazos para a eliminação ou neutralização da insalubridade, com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância e/ou com a utilização de equipamentos de proteção individual ao trabalhador, que diminuam a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância. 2 A legislação possibilita, às empresas e aos sindicatos das categorias profissionais interessadas, requer ao Ministério do Trabalho, por meio das Delegacias Regionais do Trabalho (DRTs), a realização de perícia em estabelecimento ou setor específico, com o objetivo de caracterizar e classificar ou delimitar as atividades insalubres. Contudo, essa possibilidade não impede que se processe a ação fiscalizadora do Ministério do Trabalho, tampouco a realização de perícia por iniciativa deste último.

4 Uma vez expostas essas breves considerações, passamos à análise da insalubridade no exercício da atividade como médico nefrologista, sobretudo no que tange ao contato permanente com agentes biológicos nocivos a que esses profissionais estão sujeitos. Segundo o Anexo 14 da NR15, haverá de se falar em insalubridade de grau máximo quando ela decorrer de trabalho ou operações, em contato permanente com pacientes em isolamento por doenças infecto-contagiosas, bem como objetos de seu uso, não previamente esterilizados. Haverá de se falar, no entanto, em insalubridade de grau médio quando houver trabalhos e operações em contato permanente com pacientes ou com material infecto-contagiante em hospitais, serviços de emergência, enfermarias, ambulatórios, postos de vacinação e outros estabelecimentos destinados aos cuidados da saúde humana (aplica-se unicamente ao pessoal que tenha contato com os pacientes, bem como aos que manuseiam objetos de uso desses pacientes, não previamente esterilizados). Também é aplicável, dentre outros, aos trabalhos e operações em laboratórios de análise clínica e histopatologia (aplica-se tão-só ao pessoal técnico). Nessa seara, aproveitamos o ensejo para colacionar trecho do parecer emitido pela Delegacia Regional do Trabalho e citado no Recurso de Revista nº TST-RR , de onde se percebe que a ocorrência de insalubridade em grau médio ocorrerá pelo simples contato [em caráter permanente] com pacientes, senão vejamos: (...) Entendemos também que para percepção do Adicional de insalubridade de grau médio (20%) basta que os trabalhos e operações sejam realizados em contato permanente com pacientes, seja o mesmo portador ou não de doença infecto-contagiosa, uma vez que o texto do Anexo 14 não detalha o tipo de paciente como verificamos quando se 3 Citação extraída do Recurso de Revista nº TST-RR , Rel. Min. Maria de Assis Calsing, Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, julgado em 04/08/2010, por votação unânime.

5 trata de insalubridade de grau máximo (Pacientes em isolamento por doenças infecto-contagiosas). Na caracterização da insalubridade de grau médio, o texto entra em detalhes apenas ao tipo de material (que deve ser infecto-contagiante). Desta forma ficou caracterizado o contato permanente com pacientes, apesar dos mesmos serem portadores de Doença Psiquiátricas (...). Portanto, não obstante possíveis contatos do médico nefrologista em sua atividade laboral com outros agentes nocivos, também discriminados nos demais anexos da NR15, em face da interpretação que conferimos especificamente ao Anexo 14 vislumbramos que, no caso dos médicos nefrologistas que mantêm contato permanente com pacientes (em hospitais, serviços de emergência, enfermarias, ambulatórios, postos de vacinação e outros estabelecimentos destinados aos cuidados da saúde humana) haveria de se falar, s.m.j., pelo menos, na existência de insalubridade de grau médio. Essa insalubridade, uma vez caracterizada por meio de laudo pericial, ensejará, portanto, a percepção do respectivo adicional ao médico celetista que mantiver contato permanente com pacientes, independentemente destes últimos possuírem ou não doenças infecto-contagiosas, por aplicação dos artigos 189 e seguintes da CLT, bem como no Anexo 14, da NR15, aprovada pela Portaria 3.214/78 do Ministério do Trabalho. Quanto aos direitos trabalhistas decorrentes da constatação de trabalho do médico celetista em condições insalubres, se verificado por laudo pericial que, de fato, o exercício do trabalho se realiza em condições acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, o empregado, além do salário normal, receberá um adicional de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) ou 10% (dez por cento) do salário-mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo de tolerância. Assim, quanto à fixação dos percentuais, uma vez comprovada a insalubridade por laudo técnico de engenheiro ou médico do trabalho devidamente habilitado, incumbirá à autoridade regional competente em matéria de

6 segurança e saúde do trabalhador fixar o adicional devido aos empregados expostos à insalubridade, quando impraticável a eliminação ou neutralização dos agentes nocivos, consoante tabela: ANEXO DA NR15 ATIVIDADE OU OPERAÇÃO INSALUBRE A QUE O TRABALHADOR ESTÁ EXPOSTO PERCENTUAL 1 Níveis de ruído contínuo ou intermitente superiores aos limites de tolerância fixados no Quadro constante do Anexo 1 e no item 6 do mesmo Anexo. 20% 2 Níveis de ruído de impacto superiores aos limites de tolerância fixados nos itens 2 e 3 do Anexo 2. 20% 3 Exposição ao calor com valores de IBUTG, superiores aos limites de tolerância fixados nos Quadros 1 e 2 20% 4 (Revogado pela Portaria MTE n.º 3.751, de 23 de novembro de 1990) 5 Níveis de radiações ionizantes com radioatividade superior aos limites de tolerância fixados no Anexo 5. 40% 6 Ar comprimido. 40% 7 Radiações não-ionizantes consideradas insalubres em decorrência de inspeção realizada no local de trabalho. 20% 8 Vibrações consideradas insalubres em decorrência de inspeção realizada no local de trabalho. 20% 9 Frio considerado insalubre em decorrência de inspeção realizada no local de trabalho. 20% 10 Umidade considerada insalubre em decorrência de inspeção realizada no local de trabalho. 20% 11 Agentes químicos cujas concentrações sejam superiores aos limites de tolerância fixados no 10%, 20% e Quadro 1. 40% 12 Poeiras minerais cujas concentrações sejam superiores aos limites de tolerância fixados neste Anexo. 40% 13 Atividades ou operações, envolvendo agentes químicos, consideradas insalubres em 10%, 20% e decorrência de inspeção realizada no local de trabalho. 40% 14 Agentes biológicos descritos no Anexo 14 20% e 40% Isso porque, a eliminação ou neutralização da insalubridade que comprove a inexistência de risco à saúde do trabalhador, somente caracterizável por meio de nova avaliação pericial, faz cessar o pagamento do respectivo adicional. É importante mencionar, ainda, que a caracterização da insalubridade garante ao empregado perceber, durante as férias, a remuneração que lhe for devida na data da sua concessão, sendo, então, computado o adicional de insalubridade no salário que servirá de base de cálculo da remuneração de férias. Contudo, é importante destacarmos algumas regras inerentes ao adicional de insalubridade, tal como o fato de que, se houver incidência de mais de um fator de insalubridade, considerar-se-á, apenas, o de grau mais elevado para efeito de acréscimo salarial, já que é vedada a percepção cumulativa. Ainda, se houver afastamento ou desligamento do empregado no decorrer do mês, o adicional de

7 insalubridade será calculado proporcionalmente ao número de dias trabalhados. Em acréscimo, no caso de faltas injustificadas o empregado estará sujeito a sofrer o desconto do adicional de insalubridade proporcionalmente aos dias em que tiver faltado, além do desconto do salário. Por fim, não é possível ao empregado receber simultaneamente adicionais de insalubridade e periculosidade, devendo haver o pagamento de somente um dos dois, à escolha do empregado. Por fim, verifica-se, também, que ao médico segurado da Providência Social que trabalhe em condições insalubres, seja ele empregado (celetista), trabalhador avulso ou contribuinte individual (neste caso somente quando cooperado filiado a cooperativa de trabalho ou de produção), também é assegurado o direito de ter reconhecida a atividade exercida em condições especiais e, assim, de ter a concessão de aposentadoria especial, ou contagem diferenciada do tempo de contribuição. A aposentadoria especial é um benefício previsto no artigo 57 da Lei nº 8.213/91, concedido ao segurado que tenha trabalhado em condições prejudiciais a sua saúde ou integridade física, que consiste no recebimento de renda mensal equivalente a cem por cento do salário de benefício. Uma vez cumprida a carência exigida na mencionada Lei 4, a aposentadoria especial já será devida ao segurado que tiver trabalhado nas condições especiais que prejudiquem a sua saúde ou integridade física durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, de acordo com o enquadramento legal. Para tanto, deverá comprovar, além do tempo de trabalho, a efetiva exposição aos agentes nocivos (químicos, físicos, biológicos), de modo habitual e permanente (não ocasional nem intermitente), pelo período exigido para a concessão do benefício. A comprovação de exposição aos agentes nocivos será feita por meio de um formulário denominado Perfil Profissiográfico Previdenciário, preenchido 4 Os inscritos na Previdência Social a partir de 25 de julho de 1991 devem ter realizado, ao menos, 180 contribuições mensais. Já os filiados antes dessa data devem observar a tabela progressiva, acessável por meio do site:

8 pela empresa ou preposto, com base no laudo pericial realizado. Já a comprovação das atividades desempenhadas pode se dar mediante diferentes formas, tais como por meio do carnê de recolhimento relativo à inscrição na atividade de médico, pelos comprovantes recolhimentos do ISS, pelos recebimentos de cirurgias efetuados por operadoras etc. Nesse sentido, importante diferenciar, no que tange à comprovação da atividade pelo médico, que aquelas exercidas até 28/04/1995 gozam de presunção de insalubridade, podendo ser enquadrada como especial independentemente de ter sido exercida em estabelecimentos de saúde, sendo, inclusive, dispensável a apresentação de laudo. Contudo, quanto às atividades exercidas no período de 29/04/1995 a 05/03/1997, o médico deverá comprovar, por meio de laudo pericial, que a sua atividade foi exercida com exposição habitual e permanente a agentes nocivos à saúde. Já as atividades exercidas a partir de 06/03/1997 serão tidas como insalubres somente se enquadradas na lista da NR15 (no caso dos médicos, provavelmente no Anexo 14), consoante discorrido anteriormente. Neste caso, também deverá ser comprovada por meio de formulários e laudo pericial. Veja-se, então, que as atividades exercidas após 1995 têm a comprovação do tempo de serviço prestado em exposição a agentes nocivos dificultado, sobretudo ao contribuinte individual, pois passou a ser imprescindível a apresentação de laudo pericial. É por tal razão, inclusive, que o posicionamento comumente adotado pelo INSS, fundamentado na Instrução Normativa nº 78/02, é de que, a partir de 29/04/1995, não é possível o enquadramento do trabalhador autônomo nas questões atinentes à insalubridade, uma vez que não reconhece a existência de uma forma de comprovar a exposição a agentes nocivos prejudiciais a saúde de forma permanente, não ocasional nem intermitente. Outra questão benéfica relacionada à insalubridade é a previsão legal acerca da possibilidade de que se some, ao tempo de trabalho exercido em atividade comum, aquele tempo de trabalho que se tiver exercido sob as condições

9 especiais 5, após a respectiva conversão, isto é, após a aplicação de um fator multiplicador sobre esse período, segundo critérios estabelecidos pelo Ministério da Previdência e Assistência Social, para efeito de concessão de benefícios. Pois bem. Não obstante todo o exposto, ocorre que as previsões legais até o momento mencionadas direito a se aposentar/contar tempo de forma diferenciada desde 1991 (data da edição da Lei nº 8.213) não se aplicariam aos médicos servidores públicos, haja vista que se submetem a regime próprio, distinto da Lei n º 8.213/91 que regula o Regime Geral da Previdência Social (trabalhadores da iniciativa privada). Entretanto, por precedente firmado em 2008, o Supremo Tribunal Federal reconheceu o direito à aposentadoria especial, também, aos médicos servidores públicos que desenvolvem atividades de risco ou sob condições especiais, que prejudiquem a saúde ou integridade 6, senão vejamos a ementa da decisão: (...) APOSENTADORIA TRABALHO EM CONDIÇÕES ESPECIAIS PREJUÍZO À SAÚDE DO SERVIDOR INEXISTÊNCIA DE LEI COMPLEMENTAR ARTIGO 40, 4º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Inexistente a disciplina específica da aposentadoria especial do servidor, impõe-se a adoção, via pronunciamento judicial, daquela própria aos trabalhadores em geral artigo 57, da Lei nº 8.213/91. (Mandado de Injunção nº 758 / DF, Rel. Min. Marco Aurélio, Tribunal Pleno, julgado em 01/07/2008, DJE 26/09/ Ata nº 30/ DJE nº 182, divulgado em 25/09/2008 destaque nosso) Isso porque, no caso específico dos servidores públicos, os quais devem observar regime próprio, até o momento nada existe de regulamentação a amparar as condições decorrentes da exposição a agentes nocivos considerados insalubres. 5 Condições especiais que sejam ou venham a ser consideradas prejudiciais à saúde ou à integridade física na relação oficial editada pelo Ministério do Trabalho.

10 Diante disso, o STF, no precedente mencionado, reconheceu a aplicação analógica ao artigo 57, da Lei nº 8.213/91, assegurando também aos médicos servidores públicos filiados à sua entidade de classe, a aplicação da aposentadoria especial em função das atividades prestadas em condições insalubres 7. Portanto, o servidor público ocupante do cargo efetivo de médico que estiver exposto às condições insalubres elencadas na NR15 (sobretudo no Anexo 14) também deve buscar o reconhecimento da contagem especial do tempo de serviço exercido em condições insalubres, bem como, se preenchidos os requisitos, requerer a aposentadoria especial. Assim sendo, expostas as observações e considerações que temos para o momento acerca da questão indagada, colocamo-nos à inteira disposição de Vossas Senhorias para prestar os esclarecimentos que se fizerem necessários. Atenciosamente, MICHELLI DE ALMEIDA ADVOGADOS ASSOCIADOS Avenida Angélica, 2.510, 11º andar - Higienópolis São Paulo/SP - Brasil - CEP / A aplicação analógica é para efeitos de contagem especial de tempo de serviço/aposentadoria especial, não devendo haver mescla dos sistemas jurídicos de cada qual, sobretudo no que tange à idade mínima de aposentadoria, por exemplo.

Insalubridade Os Riscos Biológicos em Estabelecimentos de Serviços de Saúde. Histórico e Legislação

Insalubridade Os Riscos Biológicos em Estabelecimentos de Serviços de Saúde. Histórico e Legislação Insalubridade Os Riscos Biológicos em Estabelecimentos de Serviços de Saúde Histórico e Legislação Interpretação de normas jurídicas para: - Advogados - Assistentes Técnicos (Médicos e Engenheiros do Trabalho)

Leia mais

INFORMATIVO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

INFORMATIVO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE INFORMATIVO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES. Segundo a Portaria Ministerial número 3214 de 08 de junho de 1978, na sua Norma Regulamentadora de número

Leia mais

SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO. Professor: Gleison Renan Inácio Tecnólogo Mecatônica

SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO. Professor: Gleison Renan Inácio Tecnólogo Mecatônica SEG72 - SEGURANÇA DO TRABALHO Professor: Gleison Renan Inácio gleison.renan@ifsc.edu.br Curso: Tecnólogo Mecatônica - Aula 02 NR 6 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NR 15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

Leia mais

RUBENS CENCI MOTTA - médico, especialista pela Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina em Medicina

RUBENS CENCI MOTTA - médico, especialista pela Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina em Medicina RUBENS CENCI MOTTA gumiermotta@gumiermotta.com - médico, especialista pela Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina em Medicina Legal e Perícia Médica; Certificado pela Associação Médica

Leia mais

O que é Adicional de Insalubridade. Quem tem direito. Como Calcular Adicional de Insalubridade

O que é Adicional de Insalubridade. Quem tem direito. Como Calcular Adicional de Insalubridade Este conteúdo faz parte da série: Folha de Pagamento Ver 10 posts dessa série O que é Adicional de Insalubridade O adicional de insalubridade é uma compensação financeira dada para trabalhadores que estão

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Insalubridade e periculosidade. Prof. Hermes Cramacon

DIREITO DO TRABALHO. Insalubridade e periculosidade. Prof. Hermes Cramacon DIREITO DO TRABALHO Insalubridade e periculosidade Prof. Hermes Cramacon Atividades insalubres art. 189 CLT São consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições

Leia mais

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE. Aspectos Técnicos e Práticos

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE. Aspectos Técnicos e Práticos INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE Aspectos Técnicos e Práticos 1ª edição 1994 2ª edição 1995 3ª edição 1997 4ª edição 1998 5ª edição 2000 6ª edição 2002 7ª edição 2004 8ª edição 2007 9ª edição 2009 10ª edição

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo LEI Nº 6.814

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo LEI Nº 6.814 Estado do Espírito Santo LEI Nº 6.814 Dispõe sobre o pagamento do Adicional de Insalubridade e de Periculosidade aos servidores do Município de Vitória, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de

Leia mais

Serviço Especializado em Segurança do Trabalho SEST DASA/PROACE/UFVJM. Contato: (38) Ramal

Serviço Especializado em Segurança do Trabalho SEST DASA/PROACE/UFVJM. Contato: (38) Ramal Serviço Especializado em Segurança do Trabalho SEST DASA/PROACE/UFVJM Contato: (38) 3532-1200 Ramal 8197 E-mail: sest.proace@ufvjm.edu.br 1 - Quais são os critérios utilizados para a concessão dos adicionais

Leia mais

Insalubridade Periculosidade

Insalubridade Periculosidade Insalubridade Periculosidade Eng. Mecânico e de Segurança do Trabalho Jaques Sherique sherique@gbl.com.br Criação de uma Norma Regulamentadora NECESSIDADE Publicação no Diário Oficial MTE / DSST ENTIDADE

Leia mais

ATIVIDADES PERIGOSAS OU INSALUBRES PROFESSOR LEANDRO ANTUNES ATIVIDADES OU OPERAÇÕES INSALUBRES Art. 189 Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou

Leia mais

Rosylane Rocha Especialista em Medicina do Trabalho ANAMT/AMB Especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas ABMLPM/AMB

Rosylane Rocha Especialista em Medicina do Trabalho ANAMT/AMB Especialista em Medicina Legal e Perícias Médicas ABMLPM/AMB Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Administração Pública Subsecretaria de Saúde, Segurança e Previdência dos Servidores Coordenação de Saúde, Segurança e Previdência dos Servidores Rosylane

Leia mais

Assessoria jurídica orienta sobre direito à aposentadoria especial MI 904

Assessoria jurídica orienta sobre direito à aposentadoria especial MI 904 Aparecida, calma procure orientação especializada, Advogado Trabalhista e priu. Leia e procure orientação especializada, seus direitos serão preservados. Att, Bartolomeu Dias TST/Recife Acesse a fonte

Leia mais

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE PALESTRA INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE P A L E S T R A N T E : E N G. º S É R G I O B A P T I S T A T A B O S A E N G E N H E I R O D E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O P E R I T O J U D I C I A

Leia mais

Periculosidade e Insalubridade Aposentadoria Especial

Periculosidade e Insalubridade Aposentadoria Especial Periculosidade e Insalubridade Aposentadoria Especial Jaques Sherique Eng. Mecânico e de Segurança do Trabalho Presidente da Sobes-Rio Conselheiro Federal do CONFEA Conceitos Técnicos e Legais Insalubridade

Leia mais

Tempos computáveis pelo INSS para fins de concessão da aposentadoria Especial

Tempos computáveis pelo INSS para fins de concessão da aposentadoria Especial Tempos computáveis pelo INSS para fins de concessão da aposentadoria Especial Serão computados como tempo de serviço : - A partir de 29 de abril de 1995, data da publicação da Lei nº 9.032, a caracterização

Leia mais

P REQUERIMENTO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE Nº DO PROCESSO:

P REQUERIMENTO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE Nº DO PROCESSO: P REQUERIMENTO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE Nº DO PROCESSO: FUNCIONAL Nome: Siape: Reg. Jur.: Situação Funcional: Classe/Nível/Padrão: Função: Titulação: Cargo/Emprego: Câmpus: Setor:

Leia mais

Insalubridade. NR 15 Insalubridade 25/07/2016. Enfermagem do Trabalho. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Públicos. Profa.

Insalubridade. NR 15 Insalubridade 25/07/2016. Enfermagem do Trabalho. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Públicos. Profa. Enfermagem do Trabalho Curso Completo de Enfermagem para Concursos Públicos NR 15 Insalubridade Profa. Fernanda Barboza Insalubridade A palavra insalubre vem do latim e significa tudo aquilo que origina

Leia mais

Médico de Saúde Ocupacional

Médico de Saúde Ocupacional } NR 3 - Embargo ou Interdição } NR 5 - CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes } NR 6 - EPI } NR 7 - PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional } NR 8 - Edificações } NR 9 - PPRA

Leia mais

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE SUMÁRIO 1. Conceitos...3 2. Embasamento legal e agentes...4 3. Equipamentos de Proteção Individual...8 4. Normas Regulamentadoras...9 5. Sinopse...10 2 1. CONCEITOS ADICIONAL

Leia mais

1. Tempo de Serviço em atividade prejudicial a saúde ou a integridade física 2. Carência 3. Manutenção da qualidade de segurado

1. Tempo de Serviço em atividade prejudicial a saúde ou a integridade física 2. Carência 3. Manutenção da qualidade de segurado APOSENTADORIA ESPECIAL É um tipo de aposentadoria por tempo de serviço, concedida ao segurado que trabalha em atividade prejudicial a saúde ou a integridade física (insalubre, penosa ou perigosa), durante

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL 51 3219 6586 ASC ebook APOSENTADORIA ESPECIAL a) O QUE É APOSENTADORIA ESPECIAL? A aposentadoria especial está prevista no art. 57 da Lei n. 8.213/91, sendo o benefício concedido pelo Instituto Nacional

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso III do 4 do art. 40 da Constituição Federal, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial ao servidor público titular de cargo efetivo

Leia mais

COMO PROCEDER A CARACTERIZAÇÃO DA INSALUBRIDADE. João Carlos A. Lozovey Médico do trabalho / ANAMT Prof. Adjunto Univ. Federal PR

COMO PROCEDER A CARACTERIZAÇÃO DA INSALUBRIDADE. João Carlos A. Lozovey Médico do trabalho / ANAMT Prof. Adjunto Univ. Federal PR COMO PROCEDER A CARACTERIZAÇÃO DA INSALUBRIDADE João Carlos A. Lozovey Médico do trabalho / ANAMT Prof. Adjunto Univ. Federal PR lozovey@ufpr.br COMO PROCEDER A CARACTERIZAÇÃO DA INSALUBRIDADE de onde

Leia mais

CURSO SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Pericia de Engenharia de Segurança

CURSO SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Pericia de Engenharia de Segurança CURSO SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Pericia de Engenharia de Segurança Conteúdo programático Como emitir um relatório pericial? Como emitir um LTCAT? COMO EMITIR UM RELATÓRIO PERICIAL? Para emissão

Leia mais

Insalubridade e Periculosidade

Insalubridade e Periculosidade Insalubridade e Periculosidade Aspectos Legais sobre Insalubridade e Periculosidade 1 MARCELO LEONARDO BRAGA DE OLIVEIRA TÉC. SEG. DO TRABALHO - EBSERH É importante ter em mente que... Insalubridade e

Leia mais

Sabemos que existem 3 regimes: a) RGPS Social. Regime Geral de Previdência. b) Regimes Próprios. c) Regime de Previdência Complementar.

Sabemos que existem 3 regimes: a) RGPS Social. Regime Geral de Previdência. b) Regimes Próprios. c) Regime de Previdência Complementar. 1 Sabemos que existem 3 regimes: a) RGPS Social Regime Geral de Previdência b) Regimes Próprios c) Regime de Previdência Complementar. 2 Regimes Próprios Servidores Públicos Vamos informar só a regra geral

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 20: ADICIONAL DE PERICULOSIDADE E INSALUBRIDADE

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 20: ADICIONAL DE PERICULOSIDADE E INSALUBRIDADE EI: 0.04.2005 ANUAL DE PESSOAL ÓD: 20 CAP: ÓDULO 20: ADICIONAL DE PERICULOSIDADE E INSALUBRIDADE CAPÍTULO : APRESENTAÇÃO FINALIDADE Estabelecer as normas de concessão de adicional de insalubridade e de

Leia mais

ETEC SÃO MATEUS

ETEC SÃO MATEUS AULA 5 GESTÃO DE PESSOAS I PROF. PROCÓPIO ETEC SÃO MATEUS - 11-03-2016 Não fique sem o conteúdo, acesse: www.professorprocopio.com Processo de Admissão A área de Recursos Humanos (RH) / Departamento Pessoal

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE PERICULOSIDADE.

LAUDO TÉCNICO DE PERICULOSIDADE. LAUDO TÉCNICO DE PERICULOSIDADE. VIGÊNCIA: JANEIRO DE 2016 à JANEIRO DE 2017 Empresa: PANIFICADORA CONDE LTDA FILIAL 03 Responsável Técnico: Reginaldo Beserra Alves Engº Segurança do Trabalho CREA 5907

Leia mais

ROTEIRO PARA PEDIR ADMINISTRATIVAMENTE OS ADICIONAIS (PARA FILIADOS)

ROTEIRO PARA PEDIR ADMINISTRATIVAMENTE OS ADICIONAIS (PARA FILIADOS) LINK 1 As Delegacias Sindicais também poderão protocolar requerimentos administrativos para suas bases, de acordo com os modelos próprios para as DS. Seguem abaixo o modelo de requerimento para o filiado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 (Publicada no D.O.U. de 27/07/2010)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 (Publicada no D.O.U. de 27/07/2010) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 (Publicada no D.O.U. de 27/07/2010) Estabelece instruções para o reconhecimento do tempo de serviço público exercido sob condições especiais que prejudiquem

Leia mais

Magnífico(a) Reitor(a),

Magnífico(a) Reitor(a), REQUERIMENTO DE CONCESSÃO DE ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE, IRRADIAÇÃO IONIZANTE E GRATIFICAÇÃO POR TRABALHO COM RAIO-X OU SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS Magnífico(a) Reitor(a), O servidor(a) abaixo

Leia mais

Manifesto 03. Atividades insalubres e perigosas DAS ATIVIDADES INSALUBRES OU PERIGOSAS

Manifesto 03. Atividades insalubres e perigosas DAS ATIVIDADES INSALUBRES OU PERIGOSAS Manifesto 03 Segurança e Saúde no Trabalho Atividades insalubres e perigosas DAS ATIVIDADES INSALUBRES OU PERIGOSAS Art. 189 - Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua

Leia mais

SALÁRIOS E ADICIONAIS

SALÁRIOS E ADICIONAIS SALÁRIOS E ADICIONAIS Salário Valor do salário Salário Minimo é o pagamento realizado diretamente pelo empregador ao empregado, como retribuição pelo seu trabalho A estipulação do valor do salário hoje,

Leia mais

Avaliação de Atividades e Operações Insalubres e Perigosas nos locais de trabalho. Nome do Servidor: Data de Nascimento: Sexo: Matrícula Siape:

Avaliação de Atividades e Operações Insalubres e Perigosas nos locais de trabalho. Nome do Servidor: Data de Nascimento: Sexo: Matrícula Siape: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais. Campus: Formulário 001/2017 - CAPAIP Requerimento de Adicionais de Insalubridade e Periculosidade Diretoria de Gestão de

Leia mais

Atualizações no preenchimento do PPP, conforme IN 77 de , Memo-Circular n 02 de e IN 85 de Ciesp Jundiaí 12/05/16

Atualizações no preenchimento do PPP, conforme IN 77 de , Memo-Circular n 02 de e IN 85 de Ciesp Jundiaí 12/05/16 Atualizações no preenchimento do PPP, conforme IN 77 de 21.01.15, Memo-Circular n 02 de 23.07.15 e IN 85 de 18.01.16 Ciesp Jundiaí 12/05/16 1 Preenchimento de PPP conforme IN 85 de 18.01.16 e atualizações

Leia mais

O conforto térmico e as repercussões na saúde dos trabalhadores

O conforto térmico e as repercussões na saúde dos trabalhadores O conforto térmico e as repercussões na saúde dos trabalhadores Moacir José Cerigueli Engº Segurança Trabalho Repercussões na saúde dos trabalhadores: Desconforto; Risco ambiental; Insalubre; Nocivo; NTEP;

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ADICIONAIS - INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/IRRADIAÇÃO IONIZANTE e GRATIFICAÇÃO DE RAIO-X ou SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS

SOLICITAÇÃO DE ADICIONAIS - INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/IRRADIAÇÃO IONIZANTE e GRATIFICAÇÃO DE RAIO-X ou SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS SOLICITAÇÃO DE ADICIONAIS - INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/IRRADIAÇÃO IONIZANTE e GRATIFICAÇÃO DE RAIO-X ou SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS Este formulário tem o OBJETIVO GERAL de descrever as atividades dos servidores

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PEC Nº 287

CONSTITUIÇÃO PEC Nº 287 CONSTITUIÇÃO PEC Nº 287 Artigo 201 Art. 1º Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE

APOSENTADORIA ESPECIAL INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE APOSENTADORIA ESPECIAL INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE RISCOS OCUPACIONAIS MECÂNICOS CAT=60% ERGONÔ- MICOS CAT=30% AMBIENTAIS (F/Q/B) CAT=10% INSS/M.P.S X DRT/M.T.E INSS/M.P.S NFLD Cobrança dos passivos retroativos

Leia mais

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE OU RADIAÇÃO IONIZANTE ON 4/2017 SEGRT/MP, Portaria MTE nº 3.214/78 e Normas Regulamentadoras NR 15 e16

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE OU RADIAÇÃO IONIZANTE ON 4/2017 SEGRT/MP, Portaria MTE nº 3.214/78 e Normas Regulamentadoras NR 15 e16 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENADORIA DE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Campus em Juazeiro do Norte-CE CEP: 63.048-080 Avenida Tenente Raimundo Rocha, S/N atendimento.progep@ufca.edu.br

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL DOS GUARDAS MUNICIPAIS

APOSENTADORIA ESPECIAL DOS GUARDAS MUNICIPAIS APOSENTADORIA ESPECIAL DOS GUARDAS MUNICIPAIS CURITIBA 15 DE SETEMBRO DE 2012 FESSMUC O QUE É APOSENTADORIA ESPECIAL O QUE É APOSENTADORIA ESPECIAL? EM RAZÃO DE CONDIÇÕES ESPECIAIS NOCIVAS À SAÚDE HÁ REDUÇÃO

Leia mais

Como fica a Aposentadoria Especial e a Conversão do Tempo Especial com a Reforma da Previdência?

Como fica a Aposentadoria Especial e a Conversão do Tempo Especial com a Reforma da Previdência? Como fica a Aposentadoria Especial e a Conversão do Tempo Especial com a Reforma da Previdência? ALMIR REIS Diretor do Instituto dos Advogados Previdenciários IAPE (Gestão 2017 2019) O QUE DIZ ATUALMENTE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA C.N.P.J / Rua 15 de Novembro, 08 Centro, CEP Utinga - BA

PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA C.N.P.J / Rua 15 de Novembro, 08 Centro, CEP Utinga - BA 2 LEI Nº 356, DE 28 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UTINGA O Prefeito Municipal de UTINGA-BAHIA,

Leia mais

Aposentadoria especial nos RPPS

Aposentadoria especial nos RPPS Aposentadoria especial nos RPPS Quem deve emitir o PPP e os Laudos Periciais? Conversão de períodos especiais em comum para servidores públicos; Regime Jurídico único????? Mandado de Injunção e Aposentadoria

Leia mais

FORMULÁRIO PARA REQUISIÇÃO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU PERICULOSIDADE

FORMULÁRIO PARA REQUISIÇÃO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU PERICULOSIDADE FORMULÁRIO PARA REQUISIÇÃO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU PERICULOSIDADE 1) INFORMAÇÕES IMPORTANTE Não geram direito ao adicional de insalubridade ou periculosidade as atividades em que a exposição as

Leia mais

Aposentadoria Especial

Aposentadoria Especial Aposentadoria Especial Tuffi Messias Saliba Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em Meio Ambiente. Ex-professor dos cursos de Pós-Graduação de Engenharia de Segurança

Leia mais

Previdência social LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA. Os beneficiários

Previdência social LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA. Os beneficiários 1 Previdência social Conceito Previdência Social é um seguro que garante a renda do contribuinte e de sua família, em casos de doença, acidente, gravidez, prisão, morte e velhice. Oferece vários benefícios

Leia mais

Dir. Previdenciário Marcos. Alterações: Salário Maternidade

Dir. Previdenciário Marcos. Alterações: Salário Maternidade Alterações: Salário Maternidade NOVIDADE - ALTERAÇÃO Lei 8213/91 Art. 71-A. Ao segurado ou segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança é devido

Leia mais

A aposentadoria especial por sua vez poderá ser concedida aos 15, 20 ou 25 anos dependendo da penosidade da atividade de cada trabalhador

A aposentadoria especial por sua vez poderá ser concedida aos 15, 20 ou 25 anos dependendo da penosidade da atividade de cada trabalhador INTRODUÇÃO: Este laudo foi feito recentemente para um segurado cliente da Previcalc, trata-se de uma ação de revisão com objetivo de aplicar proporcionalmente o fato previdenciário, conforme explicativos

Leia mais

MANUAL DO SERVIDOR ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU DE PERICULOSIDADE

MANUAL DO SERVIDOR ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU DE PERICULOSIDADE MANUAL DO SERVIDOR ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU DE PERICULOSIDADE 1 O que é? 1.1 São adicionais devidos aos servidores expostos a riscos ambientais, provenientes de agentes físicos, químicos e biológicos,

Leia mais

PARECER TÉCNICO PERICIAL IMPUGNAÇÃO DE LAUDO PERICIAL

PARECER TÉCNICO PERICIAL IMPUGNAÇÃO DE LAUDO PERICIAL PARECER TÉCNICO PERICIAL IMPUGNAÇÃO DE LAUDO PERICIAL RECLAMADA: LK PRESTADORA DE SERVIÇOS RECLAMANTE: ANTONIO GONÇALVES AUTOS: 0010136-20.2013.5.12 1ª VARA DO TRABALHO DE CHAPECÓ OBJETIVOS Atendendo ao

Leia mais

Sendo assim, saiba quais são os tipos de aposentadoria e quais as condições que o trabalhador deve observar para cada um deles:

Sendo assim, saiba quais são os tipos de aposentadoria e quais as condições que o trabalhador deve observar para cada um deles: O trabalhador brasileiro pode ter acesso à aposentadoria de várias formas, dependendo das condições de saúde, idade, tempo em que o empregado trabalhou com carteira assinada, bem como se o cidadão trabalhou

Leia mais

XIII Congresso Nacional de Previdência Social Caracterização de Atividades Periculosas na esfera Administrativa e Judicial Prof. Paulo Vitor Nazário

XIII Congresso Nacional de Previdência Social Caracterização de Atividades Periculosas na esfera Administrativa e Judicial Prof. Paulo Vitor Nazário XIII Congresso Nacional de Previdência Social Caracterização de Atividades Periculosas na esfera Administrativa e Judicial Prof. Paulo Vitor Nazário Sermann O que é periculosidade? Risco iminente de morte

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Número do Processo: 44232.421650/2015-21 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA

Leia mais

Insalubridade e Periculosidade

Insalubridade e Periculosidade Insalubridade e Periculosidade Eng. Mecânico e de Segurança do Trabalho Jaques Sherique Conselheiro Federal do CONFEA Presidente da SOBES-RJ Conselheiro da ABPA sherique@gbl.com.br Criação de uma Norma

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 27ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 27ª Junta de Recursos Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 27ª Junta de Recursos Número do Processo: 44232.059869/2014-16 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA

Leia mais

MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE

MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE MUDANÇAS NAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO, ABONO SALARIAL ANUAL, AUXILIO-DOENÇA E PENSÃO POR MORTE Em 30/12/2014, por meio das Medidas Provisórias 664 e 665, publicadas no Diário Oficial da União, as normas

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS. 2. Todos os campos do item 1 - Dados do servidor - devem ser preenchidos.

INFORMAÇÕES GERAIS. 2. Todos os campos do item 1 - Dados do servidor - devem ser preenchidos. Caro (a) servidor (a), Antes de se dar início ao processo de solicitação dos adicionais de insalubridade, periculosidade e irradiação ionizante, e de gratificação por trabalhos com raios-x, é muito importante

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE

SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE OBJETIVO: SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE 1 - Este formulário tem o objetivo de uniformizar os encaminhamentos de solicitações de Laudo de Insalubridade

Leia mais

REVOGADA PELA PORTARIA Nº 7.796, DE (D.O.U ) PORTARIA Nº 4.882, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1998 (D.O.U

REVOGADA PELA PORTARIA Nº 7.796, DE (D.O.U ) PORTARIA Nº 4.882, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1998 (D.O.U REVOGADA PELA PORTARIA Nº 7.796, DE 28.08.2000 (D.O.U. 29.08.2000) PORTARIA Nº 4.882, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1998 (D.O.U. - 17.12.98) O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, no uso da atribuição

Leia mais

INSALUBRIDADE Igor Vasconcelos Engenheiro de Segurança do Trabalho

INSALUBRIDADE Igor Vasconcelos Engenheiro de Segurança do Trabalho INSALUBRIDADE Igor Vasconcelos Engenheiro de Segurança do Trabalho Grupo de Segurança do Trabalhador e Sustentabilidade Ambiental COSTSA Conceito Insalubre: Tudo aquilo que origina doença. Salubre Saudável;

Leia mais

CURSO SEGURANÇA TRABALHO III E MEDICINA DO. Normas Regulamentadoras

CURSO SEGURANÇA TRABALHO III E MEDICINA DO. Normas Regulamentadoras CURSO SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO III Normas Regulamentadoras Conteúdo programático PPRA x LTCAT LTCAT NR - 13 Caldeiras Vasos de Pressão e tubulações NR - 14 - Fornos NR - 15 - Insalubridade PPRA

Leia mais

SÚMULAS DO TST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULAS DO TST EM SEGURANÇA DO TRABALHO SÚMULAS DO TST EM SEGURANÇA DO TRABALHO SÚMULAS DO TST EM SEGURANÇA DO TRABALHO Súmula nº 39 do TST PERICULOSIDADE (mantida) - Res. Os empregados que operam em bomba de gasolina têm direito ao adicional

Leia mais

O que é Adicional de Periculosidade

O que é Adicional de Periculosidade Este conteúdo faz parte da série: Folha de Pagamento Ver 10 posts dessa série O que é Adicional de Periculosidade O adicional de periculosidade é uma compensação financeira (no valor de 30% do salário

Leia mais

ADICIONAL POR PERICULOSIDADE

ADICIONAL POR PERICULOSIDADE ADICIONAL POR PERICULOSIDADE DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É uma vantagem pecuniária, de caráter transitório, concedida ao servidor

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 558.157 - RS (2014/0192720-6) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS ADVOGADO : PROCURADORIA-GERAL FEDERAL

Leia mais

JORNADA: HORAS ( ) CLT ( ) ESTATUTÁRIO Deverão ser preenchidos somente os campos em que o servidor apresentar exposição.

JORNADA: HORAS ( ) CLT ( ) ESTATUTÁRIO   Deverão ser preenchidos somente os campos em que o servidor apresentar exposição. FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS DO TRABALHO Leia com atenção as informações solicitadas e, se necessário, complete-as em folhas avulsas datadas. NOME: FACULDADE/INSTITUTO: CARGO/FUNÇÃO:

Leia mais

Atividades e operações insalubre e periculosas (NR 15 e 16)

Atividades e operações insalubre e periculosas (NR 15 e 16) Atividades e operações insalubre e periculosas (NR 15 e 16) Professor Autor: Maria Beatriz de Freitas Lanza Professor Telepresencial: Maria Beatriz de Freitas Lanza Coordenador de Conteúdo: Pedro Sergio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA PROGEPE Nº 003, DE 07 DE JUNHO DE 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA PROGEPE Nº 003, DE 07 DE JUNHO DE 2017 INSTRUÇÃO NORMATIVA PROGEPE Nº 003, DE 07 DE JUNHO DE 2017 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão dos adicionais de insalubridade, periculosidade, irradiação ionizante e gratificação por trabalhos

Leia mais

LEI N.º 2.146, DE 31 DE JANEIRO DE O povo do Município de Ubá, por seus representantes, decretou, e eu, em seu nome, sanciono a seguinte Lei:

LEI N.º 2.146, DE 31 DE JANEIRO DE O povo do Município de Ubá, por seus representantes, decretou, e eu, em seu nome, sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 2.146, DE 31 DE JANEIRO DE 1991. Estabelece normas para a fixação do vencimento básico e da remuneração dos níveis e graus dos cargos e das funções públicas do quadro de Servidores Públicos do

Leia mais

PERÍCIAS DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE E APOSENTADORIA ESPECIAL. Novas Diretrizes para Aposentadoria Especial

PERÍCIAS DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE E APOSENTADORIA ESPECIAL. Novas Diretrizes para Aposentadoria Especial PERÍCIAS DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE E APOSENTADORIA ESPECIAL Novas Diretrizes para Aposentadoria Especial PREVENRIO - 2004 RISCOS OCUPACIONAIS MECÂNICOS CAT=60% ERGONÔMICOS CAT=30% AMBIENTAIS (F/Q/B)

Leia mais

Seguridade do Servidor Federal Lei 8112/1990

Seguridade do Servidor Federal Lei 8112/1990 Seguridade do Servidor Federal Lei 8112/1990 - Lei 8122/1990, arts. 183 a 230 Professora Claudete Pessôa SEGURIDADE SOCIAL DO SERVIDOR A União manterá Plano de Seguridade Social para o servidor e sua família

Leia mais

CARTILHA APOSENTADORIA ESPECIAL PARA MÉDICOS VETERINÁRIOS E ZOOTECNISTAS

CARTILHA APOSENTADORIA ESPECIAL PARA MÉDICOS VETERINÁRIOS E ZOOTECNISTAS CARTILHA APOSENTADORIA ESPECIAL PARA MÉDICOS VETERINÁRIOS E ZOOTECNISTAS CONCEITO A aposentadoria especial é um benefício concedido ao cidadão que trabalha sujeito a condições especiais que prejudiquem

Leia mais

Esclareça todas as suas dúvidas!

Esclareça todas as suas dúvidas! Esclareça todas as suas dúvidas! Queridos amigos, Estamos felizes por concluir a nossa terceira cartilha sobre benefícios previdenciários. Falaremos sobre o papel da Previdência Social, quem são os segurados,

Leia mais

LAUDO 005/2017 GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SMS

LAUDO 005/2017 GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SMS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA LAUDO 005/2017 GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SMS LAUDO PERICIAL

Leia mais

CASTELINHOS REFEIÇÕES LTDA UNIDADE: HOSPITAL GETÚLIO VARGAS

CASTELINHOS REFEIÇÕES LTDA UNIDADE: HOSPITAL GETÚLIO VARGAS Serviço de Assessoria em Segurança e Medicina do Trabalho Laboratório de análises e patologia clínica Av. Ayrão, 518 Centro Fone: 3637 77 65 Manaus / Amazonas CASTELINHOS REFEIÇÕES LTDA UNIDADE: HOSPITAL

Leia mais

INSALUBRIDADE & PERICULOSIDADE

INSALUBRIDADE & PERICULOSIDADE INSALUBRIDADE & PERICULOSIDADE AS NOVAS INTERPRETAÇÕES DO TST ODEMIRO J B FARIAS INTRODUÇÃO As equivocadas interpretações da legislação e da jurisprudência, cometidas por alguns peritos nas suas conclusões

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Número do Processo: 44232.371063/2015-84 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA

Leia mais

MANUAL SOBRE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL:

MANUAL SOBRE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL: CAPAIP - Comissão Multicampi de Análise de Adicionais de Insalubridade e Periculosidade. CAPRAT - Comissão Multicampi de Análise e Prevenção de Riscos nos Ambientes de Trabalho. Avenida Luiz Interior,

Leia mais

Fundamentação Legal: Lei nº 8.212, de e alterações posteriores; Lei nº 8.213, de e alterações posteriores.

Fundamentação Legal: Lei nº 8.212, de e alterações posteriores; Lei nº 8.213, de e alterações posteriores. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 49 DE 3 DE MAIO DE 2001 Fundamentação Legal: Lei nº 8.212, de 24.07.1991 e alterações posteriores; Lei nº 8.213, de 24.07.1991 e alterações posteriores. O Diretor Presidente do Instituto

Leia mais

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU DE PERICULOSIDADE

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU DE PERICULOSIDADE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE OU DE PERICULOSIDADE 1 Definição 1.1 São adicionais devidos aos servidores expostos a riscos ambientais, provenientes de agentes físicos, químicos e biológicos, pela exposição

Leia mais

Lei nº 8.212, de e alterações posteriores; e Lei nº 8.213, de e alterações posteriores.

Lei nº 8.212, de e alterações posteriores; e Lei nº 8.213, de e alterações posteriores. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 22 DE JANEIRO DE 2001 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei nº 8.212, de 24.07.91 e alterações posteriores; e Lei nº 8.213, de 24.07.91 e alterações posteriores. O DIRETOR PRESIDENTE do

Leia mais

Assunto: Cirurgião-Dentista/ Adicional de Insalubridade/ Adicional de Periculosidade. PARECER

Assunto: Cirurgião-Dentista/ Adicional de Insalubridade/ Adicional de Periculosidade. PARECER CRO-RJ ASJUR / 2017 Assunto: Cirurgião-Dentista/ Adicional de Insalubridade/ Adicional de Periculosidade. Pareceristas: ALEXANDRE PESSOA e RAUL BARRETO PARECER No intuito de dirimir dúvidas suscitadas

Leia mais

ANEXO I DESPACHO E ANÁLISE ADMINISTRATIVA DA ATIVIDADE ESPECIAL

ANEXO I DESPACHO E ANÁLISE ADMINISTRATIVA DA ATIVIDADE ESPECIAL ANEXO I DESPACHO E ANÁLISE ADMINISTRATIVA DA ATIVIDADE ESPECIAL CÓDIGO/LOCAL do RH: NOME DO SERVIDOR: Nº DO PROCESSO: Para efeito de requerimento de aposentadoria com tempo de atividade exercida em condições

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 2ª Composição Adjunta da 13ª Junta de Recursos Número do Processo: 44232.500695/2015-61 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA

Leia mais

POSTED BY DIEGO CASTRO ON 27/10/2015 IN NOTICIAS VIEWS 21 RESPONSES

POSTED BY DIEGO CASTRO ON 27/10/2015 IN NOTICIAS VIEWS 21 RESPONSES POSTED BY DIEGO CASTRO ON 27/10/2015 IN NOTICIAS 11.333 VIEWS 21 RESPONSES Neste artigo vamos tratar do direito que os professores têm de requerer o benefício de aposentadoria com um bônus de cinco anos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DO PATRIMÔNIO INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 05, DE 28 DE ABRIL DE 1999.

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DO PATRIMÔNIO INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 05, DE 28 DE ABRIL DE 1999. SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DO PATRIMÔNIO INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 05, DE 28 DE ABRIL DE 1999. Estabelece orientação aos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Disciplina de Saúde do Trabalho

Disciplina de Saúde do Trabalho Disciplina de Saúde do Trabalho Angelica dos Santos Vianna 10 e 11 fevereiro 2011 NORMAS REGULAMENTADORAS Ministério Trabalho e Emprego - CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 33 NR Revogadas

Leia mais

Manual da aposentadoria especial dos deficientes e fatores multiplicadores

Manual da aposentadoria especial dos deficientes e fatores multiplicadores 1 Orientações básicas sobre a aposentadoria especial dos deficientes e fatores multiplicadores (Decreto n. 8.145, de 03 de dezembro de 2013) Segundo a Lei Complementar n. 142, de 8 de maio de 2013, foram

Leia mais

ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA. 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário?

ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA. 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário? ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário? R: O Contrato de Experiência está previsto no Parágrafo Único do artigo 445 CLT

Leia mais

RELATOR: Francisco Humberto Simões Magro, Atuário MIBA n 494

RELATOR: Francisco Humberto Simões Magro, Atuário MIBA n 494 ASSUNTO: Proposta de inclusão na base de cálculo do benefício previdenciário de parcelas temporárias para os servidores segurados do Sistema Municipal de Previdência Social SIMPS de Coronel Bicaco - RS.

Leia mais

OS DESAFIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PPP E DO CONSTRUÇÃO

OS DESAFIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PPP E DO CONSTRUÇÃO OS DESAFIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PPP E DO LTCAT NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO P P P (PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO) E LTCAT (LAUDO TÉCNICO DE CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO) PPP E LTCAT FUNDAMENTAÇÃO

Leia mais

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus

Data: / / Assinatura e carimbo do Diretor do Campus SOLICITAÇÃO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE/PERICULOSIDADE/RADIAÇÃO IONIZANTE E GRATIFICAÇÃO DE RAIOS-X Nome SIAPE Lotação Coordenação Cargo Telefone INFORMAÇÕES DO SERVIDOR Carga horária /

Leia mais

UNIDADE DE RECURSOS HUMANOS

UNIDADE DE RECURSOS HUMANOS UNIDADE DE RECURSOS HUMANOS Página 1 Versão 15/04/2016 Página 2 Versão 15/04/2016 Sumário 1. INSALUBRIDADE... 5 1.1. INTRODUÇÃO... 5 1.2. CONCEITO... 6 1.3. DIREITO... 6 1.4. PERDA DO DIREITO... 6 1.5.

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.302-E DE 1998 Altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe

Leia mais

RELATÓRIO VOTO. É o relatório.

RELATÓRIO VOTO. É o relatório. INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO JEF Nº 5004229-95.2013.4.04.7118/RS RELATORA : Flavia da Silva Xavier RECORRENTE : ADVOGADO : IVAN JOSÉ DAMETTO INTERESSADO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS MPF :

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2010. Sumário: 1 - Introdução 2 - Beneficiários 2.1 - Verificação da Invalidez 2.2 - Pai e Mãe 3 - Início

Leia mais