Impacto de intervenção nutricional sobre o perfil alimentar e antropométrico de usuárias do Programa Academia da Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impacto de intervenção nutricional sobre o perfil alimentar e antropométrico de usuárias do Programa Academia da Saúde"

Transcrição

1 DOI: / Impacto de iterveção utricioal sobre o perfil alimetar e atropométrico de usuárias do Programa Academia da Saúde The impact of a utritioal itervetio o the utritioal status ad athropometric profile of participats i the Health Gym Programme i Brazil Temas livres free themes Raquel Medoça de Deus 1 Sueli Aparecida Migoti 2 Patrícia Costate Jaime 3 Alie Cristie Souza Lopes 1 1 Departameto de Efermagem Matero- Ifatil e Saúde Pública, Escola de Efermagem, Uiversidade Federal de Mias Gerais (UFMG). Av. Prof. Alfredo Balea 190/420, Sata Efigêia Belo Horizote MG Brasil. gmail.com 2 Departameto de Estatística, Istituto de Ciêcias Exatas, UFMG. 3 Faculdade de Saúde Pública, Uiversidade de São Paulo. Abstract The objective of this study was to assess the impact of a itervetio implemeted uder the Programa Academia da Saúde (Health Gym Programme) of Belo Horizote, MG o the utritioal status ad athropometric profile of participats. Itervetio study ivolvig participats i the Health Gym Programme which ecompasses group food ad utritio educatio activities over a period of 11 moths combied with regular physical activity. Impact was assessed by comparig utritioal ad athropometric idicators i wome participats who were divided ito two groups accordig to their participatio rate i the itervetio. A total of 124 wome were evaluated, results showed a icrease i the umber of daily meals (p<0.001) amog all participats. Participats whose participatio rate was less tha 50% ( = ) reduced their daily cosumptio of sugary soft driks (p = 0.03), while those whose participatio rate was 50% ad over ( = ) reduced daily per capita itake of oil (p = 0.01) ad sugar (p = 0.002), icreased their cosumptio of fruit (p = ), ad milk ad dairy products (p = 0.02), ad also experieced weight loss (-1.3 ± 3.9kg; p = 0.02). The fidigs show the importace of combiig utritioal itervetios with physical activity to esure positive impacts o the utritioal status ad athropometric profile of participats i the Health Gym Programme. Key words Health services, Primary Health Care, Itervetio studies, Food ad utritioal educatio Resumo O objetivo do artigo é avaliar o impacto de iterveção sobre o perfil alimetar e atropométrico de usuárias do Programa Academia da Saúde de Belo Horizote, MG. Estudo de iterveção com usuárias do Programa Academia da Saúde em prática regular de exercícios físicos. A iterveção utricioal, com duração de 11 meses, costou de grupos de educação alimetar e utricioal. Mesurou-se o impacto da iterveção pela comparação de idicadores dietéticos e atropométricos de dois grupos divididos coforme o percetual de participação a iterveção. Avaliou-se 124 mulheres após a iterveção, verificou-se aumeto do úmero de refeições diárias (p < 0,001) para todas as participates. As usuárias que participaram de meos de 50% ( = ) da iterveção utricioal apresetaram redução do cosumo diário de refrigerate adoçado (p = 0,03), e aquelas que participaram de 50% ou mais ( = ) reduziram o cosumo per capita diário de óleo (p = 0,01) e de açúcar (p = 0,002); aumetaram o cosumo de frutas (p = 0,004) e de leite e derivados (p = 0,02), apresetado redução poderal (-1,3 ± 3,9 kg; p = 0,02). Verificou-se a importâcia de associar a iterveção utricioal à prática de exercício físico para impactar o perfil alimetar e atropométrico das frequetadoras do Programa Academia da Saúde. Palavras-chave Serviços de saúde, Ateção Primária à Saúde, Estudos de Iterveção, Educação Alimetar e Nutricioal

2 1938 Medoça de Deus R et al. Itrodução As elevadas prevalêcias de obesidade e demais doeças crôicas ão trasmissíveis (DCNT) costituem um desafio para o sistema de saúde por demadarem simultaeamete ações de promoção de modos ativos de vida e de alimetação saudável, de preveção do gaho de peso e de cuidado itegral e cotíuo 1. Iterveções relativas à obesidade e demais DCNT podem ser feitas em diversos âmbitos: político, regulatório, itersetorial e assistecial. No plao assistecial dos serviços de saúde, a Ateção Primária à Saúde (APS) caracteriza-se como um espaço privilegiado por permitir o desevolvimeto de ações de promoção com foco em grupos populacioais, idivíduos e suas famílias 2,3. Na Ateção Primária à Saúde destaca-se a implatação do Programa Academia da Saúde (PAS) que são potos de ateção à saúde com ifraestrutura, equipametos e profissioais qualificados para a orietação de práticas corporais, atividade física, lazer e modos de vida saudáveis 4. Esses serviços começaram a ser implatados o Brasil em 2002, com a deomiação Academia da Cidade, objetivado ofertar a prática regular de exercícios físicos 5. Estudos demostram a importâcia desta iiciativa. Em Curitiba, Paraá, a participação essa estratégia foi associada com a prática de atividade física e camihada o lazer 6. Em Recife, Perambuco, participates da Academia da Cidade praticavam mais atividade física o lazer, com relação àqueles que coheciam o programa 7. Ademais, a associação de promoção da atividade física e alimetação a Academia da Cidade revelou-se efetiva a melhoria do perfil de saúde dos participates 8. Resultados acerca desses serviços, sobretudo relativos às ações de alimetação e utrição, aida são escassos, haja visto sua recete implatação e o reduzido úmero de estudos de iterveção coduzidos o ceário dos serviços de saúde, pricipalmete a APS 9. Etretato, estudos pautados o icetivo à adoção de uma alimetação saudável, pricipalmete associada à prática de exercícios físicos, apresetam resultados satisfatórios para o cotrole da obesidade 10-12, revelado a ecessidade de cohecer seu impacto o cotexto dos serviços de saúde, visado ampliar a compreesão de estratégias viáveis e factíveis para esse ambiete. Nessa cocepção é que se susteta este artigo, ao propor avaliar o impacto de iterveção utricioal associada à prática de exercícios físicos sobre o perfil alimetar e atropométrico de usuárias do Programa Academia da Saúde o muicípio de Belo Horizote (MG). Métodos Realizou-se estudo de iterveção ão aleatorizado evolvedo mulheres com 20 aos ou mais que praticavam exercícios físicos o Programa Academia da Saúde (PAS). O PAS o muicípio é estruturado em potos de ateção da APS, deomiados polos, que ofertam prioritariamete prática regular de exercícios físicos, além de ações de promoção da saúde, icluido atividades relacioadas à alimetação, cidadaia e lazer. Os polos são espaços físicos dotados de equipametos, estrutura e profissioais qualificados, com o objetivo de cotribuir para a promoção da saúde e produção do cuidado e de modos de vida saudáveis da população 5. O polo em estudo situa-se em região de alta vulerabilidade social (IVS = 0,77) de Belo Horizote, Mias Gerais. O Ídice de Vulerabilidade Social (IVS) é um idicador composto, que associa diferetes variáveis socioecoômicas e ambietais para aalisar as características de grupos populacioais em determiadas áreas geográficas. O ídice é potuado de zero a um, sedo que quato mais próximo o valor estiver de um (1,0), maior é a vulerabilidade social da população, e, portato, maior a desigualdade viveciada 13. No iício do estudo, todas as usuárias foram covidadas a participar das iterveções utricioais o polo, sedo a posteriori agrupadas de acordo com o seu grau de exposição à iterveção utricioal, mesurada pelo percetual de participação as ações em relação ao úmero total de atividades de utrição realizadas o período. % de participação = úmero de vezes que participou úmero total de ações oportuizadas x 100 A partir do cálculo do percetual de participação, as usuárias foram alocadas em dois grupos: grupo exercício físico e participação isatisfatória (49,9% ou meos de participação) a iterveção utricioal, deomiado GPI, e grupo exercício físico e participação satisfatória (50,0% ou mais de participação) a iterveção utricioal deomiado GPS. A divisão dos grupos, de acordo com o percetual de participação, ba-

3 1939 seou-se em publicação da Orgaização Mudial da Saúde 14, que discute a adesão a iterveções em saúde. Adicioalmete, tal critério de alocação dos grupos permite, o cotexto do serviço de saúde, comparar diferetes percetuais de participação a iterveção, mas resguardado critérios estatísticos de semelhaça itera. A prática de exercícios físicos a PAS foi orietada por professor de educação física e icluía exercícios aeróbios e aaeróbios de itesidade leve, com frequêcia média de três vezes por semaa e 60 miutos de duração. Destaca-se que, em ambos os grupos a participação a prática de exercícios físicos foi similar 15. A iterveção utricioal avaliada teve duração de 11 meses e cotemplou grupos abertos de educação alimetar e utricioal, realizados mesalmete com todas as usuárias em dias e horários alterados, com a prática de exercícios físicos. Cada grupo possuía duração de 60 miutos e atedia o máximo 20 usuárias, sedo replicados em úmero suficiete para ateder a todos os participates do serviço. A escolha por este úmero de participates por grupo visava garatir que todas se maifestassem e se setissem assistidas, e que ão fosse colocada em risco a comuicação visual e auditiva das participates 3,16. Ademais, a itesidade da iterveção utricioal foi baseada o guidelie, que aborda a itesidade de iterveções para o cotrole da obesidade 17. As ações coletivas de alimetação e utrição coduzidas visavam costruir coceitos aplicáveis à realidade das usuárias, para a realização de escolhas saudáveis de alimetos³. Os temas foram selecioados a partir do perfil das participates (avaliação iicial), cohecimetos prévios e dúvidas sobre alimetação e utrição apresetadas, abordado os pricípios da alimetação saudável; porções, compra, higieização, armazeameto e sabor dos alimetos; asiedade e alimetação, e coceito ampliado de saúde. Todas as ações de alimetação e utrição realizadas foram ilustradas por materiais educativos e lúdicos, como réplicas, fotos de alimetos e medidas caseiras, além de jogos educativos e teatro, visado favorecer a compreesão das mesages. A iterveção utricioal foi coduzida por utricioistas estudates de pós-graduação e graduados em Nutrição, treiados e supervisioados pelos pesquisadores resposáveis pelo estudo. O impacto da iterveção utricioal foi testado comparado-se a evolução de idicadores dietéticos e atropométricos os dois grupos de estudo (GPI versus GPS). Os idicadores dietéticos aalisados foram úmero de refeições; per capita diária de uso de sal, óleo e açúcar; e frequêcia de cosumo de alimetos (frutas, hortaliças, leite e derivados, doces, refrigerate adoçado, frituras, embutidos e baha de porco). Os idicadores atropométricos aalisados costaram de peso, ídice de massa corporal (IMC), circuferêcia da citura e razão citura/quadril. Estes dados foram aferidos por etrevistadores treiados a partir de questioário e avaliação atropométrica, obtidos ates da iterveção e após 11 meses de seu iício. O questioário semiestruturado e pré-testado 18 costou de: 1) Dados sociodemográficos e ecoômicos (idade, aos de estudo e reda per capita); 2) Morbidades autorreferidas; 3) Perfil alimetar (úmero de refeições diárias, per capita diária de uso de sal, óleo e açúcar - obtido pelo relato da quatidade mesal utilizada destes alimetos divido pelo úmero de pessoas que realizavam as refeições o domicílio; e frequêcia de cosumo de alimetos). As medidas atropométricas aferidas foram: peso, estatura, circuferêcias da citura (CC) e do quadril (CQ). O peso aferido por balaça digital, a estatura por atropômetro e as circuferêcias por fita métrica ielástica, coforme as recomedações do Miistério da Saúde 19. A partir das medidas de peso e estatura, calculou-se o ídice de massa corporal (IMC = peso/altura 2 ) e das de CC e CQ, e a razão citura/quadril (RCQ = CC/CQ) 20. Na aálise estatística, realizou-se a descrição dos dados e avaliação da ormalidade das variáveis quatitativas pela aplicação do teste Kolmogorov-Smirov. Adicioalmete, realizou-se a comparação itergrupos com aplicação dos testes estatísticos: t de Studet, para médias; para as variáveis cujas distribuições eram ormais, Ma-Whitey; para mediaas para dados ão ormais, Qui-Quadrado; e Exato de Fisher, para proporções. Para avaliar os idicadores do impacto da iterveção, foram utilizadas comparações itragrupos pelos seguites testes estatísticos: McNemar, para variáveis categóricas e dicotômicas; t de Studet pareado ou Wilcoxo de postos sializados, para as variáveis uméricas cotíuas ormais e ão-ormais, respectivamete. Para todos os testes, adotou-se o ível de sigificâcia igual a 5% (p < 0,05). Os resultados estão apresetados sob a forma de média e desvio-padrão para as variáveis que apresetaram distribuição ormal e a forma de mediaa e amplitude iterquartílica para aquelas Ciêcia & Saúde Coletiva, 20(6): , 2015

4 1940 Medoça de Deus R et al. com distribuição assimétrica. Utilizou-se o programa estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Scieces) versão 17.0, para elaboração do baco e aálise dos dados. O estudo foi aprovado pelos Comitês de Ética em Pesquisa da Uiversidade Federal de Mias Gerais e Prefeitura de Belo Horizote. Resultados (60,3% para 74,6%; p = 0,02) (Tabela 3), além de reduzirem o per capita diário de uso de óleo [-6,0ml (AI: 14,5); p = 0,01] e de açúcar [-19,5g (AI: 42,5); p = 0,002] (Tabela 4). Em relação aos idicadores atropométricos, verificou-se redução de 1,3kg a média de peso (p = 0,02) das participates do GPS, com valores próximos do ível de sigificâcia para o IMC (Tabela 5). Foram estudadas 124 mulheres, sedo pertecetes ao GPI e ao GPS. Ambos os grupos possuíam características sociodemográficas, de saúde e perfil alimetar similares a pré-iterveção. Participates do GPS apresetaram maiores valores de peso (p = 0,04), ídice de massa corporal (p = 0,02) e proporção de excesso de peso (p = 0,02) (Tabela 1), além de meor cosumo diário de hortaliças (p = 0,02) e refrigerate adoçado (p = 0,03) (Tabela 2). Após a iterveção, as usuárias aumetaram a mediaa do úmero de refeições realizadas diariamete, tato aquelas participates do GPI (p = 0,005) quato do GPS (p<0,001). Mulheres do GPI relataram redução sigificativa o cosumo diário de refrigerate adoçado (11,5% para 1,6%; p = 0,03), equato aquelas do GPS apresetaram aumeto a igestão diária de frutas (58,1% para 79,0%; p = 0,004) e de leite e derivados Discussão A iterveção utricioal proposta, composta por atividades coletivas de educação alimetar e utricioal associada à rotia de exercícios físicos do PAS, demostrou possibilidade de impactar positivamete o perfil alimetar e atropométrico das usuárias. Nossos resultados, relativos ao perfil alimetar e atropométrico, corroboram outros estudos de iterveção 8,10-12,21,22. Destaca-se este estudo, o aumeto o cosumo de alimetos saudáveis como frutas, leite e derivados; e a redução do uso de igredietes como açúcar e óleo, que quado usados em excesso em preparações culiárias podem comprometer sua qualidade 23,24. Diversos trabalhos apotam que a redução da igestão excessiva de alimetos calóricos e a elevação daqueles com baixa desidade calórica, ricos em micro- Tabela 1. Perfil sociodemográfico, saúde e atropométrico dos grupos a pré-iterveção. Belo Horizote, Variáveis Idade (aos) * Aos de Estudo (aos) * Reda familiar per capita (R$) ** Morbidade autorreferida *** (%) Hipertesão arterial sistêmica Hipercolesterolemia Hipertrigliceridemia Diabetes Mellitus Atropometria * Peso (Kg) IMC (Kg/m²) CC (cm) RCQ Excesso peso IMC >25,0 (%) GPI Medida descritiva 49,7 ± 13,6 7,0 ± 3,5 333,3 (AI: 420,0) 49,1,5 18,2 12,5 67,0 ± 10,8 27,5 ± 4,7 84,3 ± 10,0 65, Medida descritiva 51,3 ± 10,9 7,5 ± 3,4 336,0 (AI: 301,5) 51,7,3 14,8 11,3 72,4 ± 15,4 29,4 ± 5,8 87,0 ± 11,7 84,1 0,47 a 0, a 0,82 b 0,78 c 0,93 c 0, c 0,84 c 0,04 a 0,02 a 0,12 a 0,92 a 0,02 c * Média. ** Mediaa. *** Idivíduos relataram que ão sabiam. a Teste t de studet. b Teste Ma-Whitey. c Teste Qui-quadrado. Nota: AI - amplitude iterquartílica - resultado da difereça etre o quartil superior (P75) e o iferior (P25). GPI grupo exercício físico e participação isatisfatória a iterveção utricioal; GPS - grupo exercício físico e participação satisfatória a iterveção utricioal; IMC - ídice de massa corporal; CC - circuferêcia da citura; RCQ - razão citura/quadril. GPS

5 1941 Tabela 2. Idicadores dietéticos dos grupos a pré-iterveção. Belo Horizote, Idicador Número de refeições * Cosumo per capita * Sal (g) Óleo (ml) Açúcar (g) Frequêcia Alimetar (%) Frutas Hortaliças Leite e derivados Doces Refrigerate adoçado Frituras Embutidos Baha de Porco GPI Medida descritiva 4,0 (AI:2,0) 5,5 (AI:4,1) 16,6 (AI:10,9) 41,7 (AI:33,3) 69,5 30,5 52,5 47,5 71,7 28,3 18,0 82,0 11,5 88,5 9,8 90,2 1,6 98,4 13,1 86, GPS Medida descritiva 4,0 (AI:2,0) 5,5 (AI:5,0) 15,0 (AI:18,7) 55,5 (AI:50,0) 58,1 41,9 31,7 68,3 60,3 39,7 15,9 84,1 1,6 98,4 3,2 96,8 4,8 95,2 9,7 90,3 0,88 a 0,91 a 0,94 a 0,13 a 0,19 b 0,02 b 0,18 b 0,75 b 0,03 b 0,16 b 0, b 0,55 b Ciêcia & Saúde Coletiva, 20(6): , 2015 * Mediaa. a Teste Ma-Whitey. b Teste Qui-quadrado. Nota: Nota: AI - amplitude iterquartílica. GPI grupo exercício físico e participação isatisfatória a iterveção utricioal; GPS - grupo exercício físico e participação satisfatória a iterveção utricioal. utrietes, fibras e água, associados a reduzidas quatidades de açúcar e óleo, podem colaborar para redução do peso, preveção e cotrole das DCNT 21-26, aspectos esseciais ao cosiderar o perfil de saúde das participates. Observou-se a redução média de 1,3 kg do peso das mulheres que praticavam exercícios físicos e participavam regularmete das ações de alimetação e utrição. Ressalta-se que a prática regular de exercício físico se associa à ateuação de fatores de risco cardiovasculares, idepedete de alterações o peso, em parte, mediada pela melhora da aptidão cardiorrespiratória 27. Estes resultados, ao serem alcaçados a APS, sugerem a potecialidade deste ível de ateção para a promoção e o cuidado em saúde da população, ao utilizar iterveções baseadas em evidêcias cietíficas e pautadas as especificidades dos idivíduos, suas famílias e comuidade 2,3. Esta redução do peso, observada etre as mulheres, mostra-se aida mais relevate, ao cosiderar as evidêcias que apotam uma tedêcia atural de gaho de peso a ausêcia de ações de promoção da saúde. Dados da literatura apotam um gaho aual de peso de 0,5 a 2 kg etre adultos 26,28. Especificamete para o Brasil, a partir de dados do Sistema de Vigilâcia de Fatores de Risco e Proteção para Doeças Crôicas por Iquérito Telefôico VIGITEL, observa-se que etre as mulheres adultas, o período de 2006

6 1942 Medoça de Deus R et al. Tabela 3. Variação a frequêcia alimetar, segudo os grupos de estudo. Belo Horizote, Frequêcia alimetar (%) Os resultados positivos apresetados revelam a importâcia da expasão das estratégias de iterveção baseada a prática regular de exer- Pré- Iterveção % GPI Pós- Iterveção % Valor p Pré- Iterveção % GPS Pós- Iterveção % Valor p Frutas Hortaliças Leite e derivados Doces Refrigerate adoçado Frituras Baha de porco ,5 30,5 52,5 47,5 71,7 28,3 16,7 83,3 11,5 88,5 10,0 90,0 11,9 88,1 67,8 32,2 41,0 59,0 70,0 30,0 15,0 85,0 1,6 98,4 11,7 88,3 11,9 88,1 0,23 0,03 58,1 41,9 68,3 31,7 60,3 39,7 15,9 84,1 1,6 98,4 3,2 96,8 9,7 90,3 79,0 21,0 58,7 41,3 74,6 25,4 9,5 90,5 1,6 98,4 3,2 96,8 3,2 96,8 0,004 0,29 0,02 0,29 0,22 Teste de McNemar. Nota: A categoria outros se refere ao cosumo semaal, mesal, raro e uca. GPI grupo exercício físico e participação isatisfatória a iterveção utricioal; GPS - grupo exercício físico e participação satisfatória a iterveção utricioal. Tabela 4. Variação dos idicadores dietéticos, segudo os grupos de estudo. Belo Horizote, GPI Idicador Pré-Iterveção Pós-Iterveção Difereça Número diário de refeições * Cosumo per capita * Sal (g) Óleo (ml) Açúcar (g) 4,0 (AI:2,0) 5,5 (AI:4,2) 16,6 (AI:10,9) 41,7 (AI:33,3) 5,0 (AI:1,0) 5,5 (AI:4,5) 15,6 (AI:11,9) 40,3 (AI:29,8) 0,3 (AI:1,0) 0,0 (AI:3,1) 0,0 (AI:8,0) -1,7 (AI:19,7) 0,005 a 0,82 a 0,11 a 0,13 a GPS Idicador Pré-Iterveção Pós-Iterveção Difereça Número diário de refeições * Cosumo per capita * Sal (g) Óleo (ml) Açúcar (g) 4,0 (AI:2,0) 5,5 (AI:5,0) 15,0 (AI:18,7) 55,5 (AI:50,0) 5,0 (AI:2,0) 4,1 (AI:4,8) 10,7 (AI:11,3) 33,3 (AI:22,3) 1,0 (AI:2,0) -0,7 (AI:3,5) -6,0 (AI:14,5) -19,5 (AI:42,5) < 0,001 0,09 0,01 0,002 * Mediaa. Teste de Wilcoxo de postos sializados. Nota: AI - Amplitude Iterquartílica; GPI grupo exercício físico e participação isatisfatória a iterveção utricioal; GPS - grupo exercício físico e participação satisfatória a iterveção utricioal. a 2011, houve um aumeto médio aual de 1,5 potos percetuais a frequêcia de excesso de peso, e 1,0 para a obesidade 29.

7 1943 Tabela 5. Variação dos idicadores atropométricos, segudo os grupos de estudo. Belo Horizote, Variáveis Medidas Atropométricas * Peso (Kg) IMC (Kg/m²) CC (cm) RCQ Pré-Iterveção 67,0 ± 10,8 27,5 ± 4,7 84,3 ± 10,0 GPI Pós-Iterveção 67,0 ± 10,3 27,3 ± 4,2 83,6 ± 10,4 Difereça 0,0 ± 3,9-0,1 ± 1,9-0,7 ± 4,2 0,0 ± 0,5 0,96 0, 0,32 0,59 Ciêcia & Saúde Coletiva, 20(6): , 2015 GPS Pós-Iterveção Variáveis Pré-Iterveção Difereça Medidas Atropométricas * Peso (Kg) IMC (Kg/m²) CC (cm) RCQ 72,4 ± 15,4 29,4 ± 5,8 87,0 ± 11,7 71,2 ± 14,7 28,9 ± 5,6 86,8 ± 12,2-1,3 ± 3,9-0,5 ± 2,2-0,2 ± 6,0 0,0 ± 0,05 0,02 0,07 0,81 0, * Média. Teste t de Studet pareado. Nota: IMC - ídice de massa corporal; CC - circuferêcia da citura; RCQ - razão citura-quadril; GPI grupo exercício físico e participação isatisfatória a iterveção utricioal; GPS - grupo exercício físico e participação satisfatória a iterveção utricioal. cícios físicos, associada à ateção utricioal, como parte de uma liha de cuidado itegral para preveção e cotrole da obesidade. Neste setido, é oportua a implatação e expasão de um serviço público de ateção à saúde, como o PAS 5, que possui potecial para promover a saúde da população, por iserir o escopo de suas ações a prática regular de atividade física, práticas corporais, alimetação saudável e lazer 4,8. Neste estudo, viveciou-se elevada rotatividade dos usuários o serviço, o que limita o alcace dos resultados, haja vista a participação isatisfatória de parte das usuárias a iterveção. Por esta razão, é importate que os polos ocorram ações que cosiderem as realidades locais, para que as ecessidades dos participates sejam atedidas 3,5. Ao desevolver iterveções utricioais os serviços de saúde, é importate também cosiderar a situação ecoômica e o grau de escolaridade da população atedida 30. Na iterveção apresetada, os coceitos de utrição foram trabalhados de forma ilustrativa e cocreta, utilizado réplicas e fotos de alimetos, medidas caseiras e ilustrações de situações cotidiaas, visado cotemplar tais aspectos. As elevadas prevalêcias de excesso de peso e doeças apresetadas pelas usuárias apotam para a ecessidade do PAS em ofertar ações de promoção, preveção e recuperação da saúde cocomitatemete. Apesar da complexidade dos determiates e cosequêcias das DCNT, acrescidas às dificuldades dos profissioais de saúde para realizar o acoselhameto sobre estilo de vida saudáveis e promoção da saúde 3,30, o desevolvimeto de ação efetiva e com amplo espectro revelou-se possível de ser coduzida. Ao desevolver uma pesquisa o cotidiao de serviço de saúde viveciam-se limitações ieretes ao próprio serviço. Como exemplo, cita-se as dificuldades logísticas e de ifraestrutura, para a realização da iterveção, que para serem superadas demadam ações em um âmbito macro das políticas de saúde que visem à melhoria do serviço e o pleo desevolvimeto de suas potecialidades. Outra limitação foi a ão alocação aleatória dos grupos, pois pessoas com excesso de peso, como visto etre as participates do GPS, poderiam estar mais propesas a participarem das ações relativas à utrição e a modificarem sua alimetação, o que poderia iterferir os resultados. Todavia, segudo o protocolo do serviço de saúde estudado, o acompahameto utricioal deveria ser realizado segudo a complexidade de cada caso, característica esta respeitada o estudo. Adicioalmete, visado mater a qualidade dos dados, todas as ações de alimetação e utrição, coduzidas com as mulheres do GPI, foram igualmete moitoradas quato à participação e cohecimeto apreedido (dados ão apresetados), apresetado itesidade iferior ao GPS. É importate cosiderar aida que, o desfecho pricipal, redução de peso após 11 meses de iterveção, apresetou poder de 76,6%, relativo

8 1944 Medoça de Deus R et al. ao teste estatístico calculado a posteriori, cosiderado o tamaho amostral e a difereça do peso (kg) ates e após a iterveção, corroborado as difereças dos resultados ecotrados etre os grupos decorretes da iterveção. Os grupos abertos de educação alimetar e utricioal demostraram-se efetivos e factíveis, para a realização do acoselhameto utricioal e a promoção da saúde o PAS. Tal aspecto corrobora orietação realizada pelo Miistério da Saúde 31, que sugere a codução destes grupos a APS, por costituírem estratégia de atedimeto, o qual os sujeitos são os protagoistas e podem expor suas ecessidades ou da comuidade, além de potecializar a iterdiscipliaridade. A itesidade e o tempo da iterveção, desevolvidos durate o período de 11 meses, pode ter iflueciado a redução do peso corporal. Para estudos futuros, recomeda-se que as ações de alimetação e utrição possuam duração míima de 12 meses, com ecotros mesais ou quizeais, itercalados por cotatos rápidos, como ligações telefôicas, visado itesificar as ações e ampliar sua efetividade, sobretudo, sobre a redução poderal. Os resultados sugerem o impacto positivo da associação etre iterveção utricioal e prática regular de exercícios físicos o PAS sobre o perfil alimetar e atropométrico das usuárias, reforçado a ecessidade de pesquisas os serviços de saúde para qualificar suas ações. As ações desevolvidas o polo do Programa Academia da Saúde demostram ter potecial para promover modos saudáveis de vida. Ademais, as ações se revelaram aplicáveis o Sistema Úico de Saúde, pricipalmete ao cosiderar a expasão dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família o país 32, profissioais habilitados a desevolverem ações o Programa Academia da Saúde 5. Colaboradores RD Medoça cotribuiu para a cocepção e desig, aquisição de dados; realizou aálise e iterpretação dos dados, e redação do artigo. SA Migoti - cotribuiu para a aálise e iterpretação dos dados; revisão crítica e itelectual do coteúdo e aprovação fial da versão a ser publicada. PC Jaime revisao crítica e itelectual do coteúdo, participou a redação do mauscrito e aprovação fial da versão fial a ser publicada; ACS Lopes - cocepção e desig, e aquisição de dados; participou da aálise e iterpretação dos dados; revisão crítica e itelectual do coteúdo e aprovação fial da versão a ser publicada.

9 1945 Agradecimetos À Fudação de Amparo à Pesquisa de Mias Gerais pelo fiaciameto do projeto, ao Coselho Nacioal de Desevolvimeto Cietífico e Tecológico pela bolsa mestrado, à Secretaria Muicipal de Saúde de Belo Horizote, os educadores físicos Thiago e Daielle, graduados, pós-graduados e usuários pela possibilidade de execução deste projeto. Referêcias Orgaização das Nações Uidas (ONU). Political declaratio of the High-Level Meetig of the Geeral Assembly o the Prevetio ad Cotrol of No-commuicable Diseases. Washigto: ONU; Medes EV. O cuidado das codições crôicas a Ateção Primária à Saúde: o imperativo da cosolidação da Estratégia da Saúde da Família. Brasília: Orgaização Pa-Americaa da Saúde; Careiro ACLL, Souza V, Godiho LK, Faria ICM, Silva KL, Gazzielli MF. Educação para a promoção da saúde o cotexto da ateção primária. Rev Paam Salud Publica 2012; 31(2): Brasil. Miistério da Saúde (MS). Avaliação de Efetividade de Programas de Atividade Física o Brasil. Brasília: MS; Brasil. Miistério da Saúde (MS). Portaria 719, de 7 de abril de Istitui o Programa Academia da Saúde o âmbito do Sistema Úico de Saúde. Oficial da Uião 2011; 7 abr. Reis RS, Hallal PC, Parra DC, Ribeiro IC, Browso RC, Pratt M, Hoeher CM, Ramos L. Promotig Physical Activity Through Commuity-Wide Policies ad Plaig: Fidigs From Curitiba, Brazil. J Phys Act Health 2010; 7(Supl. 2):S137-S45. Simoes EJ, Hallal P, Pratt M, Ramos L, Muk M, Damascea W, Perez DP, Hoeher CM, Gilbertz D, Malta DC, Browso RC. Effects of a commuity-based, professioally supervised itervetio o physical activity levels amog residets of Recife, Brazil. Am J Public Health 2009; 99(1): Medoça RD, Lopes ACS. The effects of health itervetios o dietary habits ad physical measuremets. Rev Esc Eferm USP 2012; 46(3): Caella DS, Silva ACF, Jaime PC. Produção cietífica sobre utrição o âmbito da Ateção Primária à Saúde o Brasil: uma revisão de literatura. Cie Saude Colet 2013; 18(2): Bogt NCW, Bemelmas WJE, Beltama FW, Broer J, Smit AJ, Va der Meer K. Prevetig weight gai by lifestyle itervetio i a geeral practice settig: there-year results of a radomized cotrolled trial. Arch Iter Med 2011; 171(4): Moleaar EA, Va Ameijde EJC, Vergouwe Y, Grobbee DE, Numas ME. Effect of utritioal cousellig ad utritioal plus exercise cousellig i overweight adults: a radomized trial i multidiscipliary primary care practice. Fam Pract 2010; 27(2): Goldberg Y, Boaz M, Matas Z, Goldberg I, Shargorodsky M. Weight loss iduced by utritioal ad exercise itervetio decreases arterial stiffess i obese subjects. Cli Nutr 2009; 28(1): Nahas MIP. Metodologia de costrução de ídices e idicadores sociais como istrumetos balizadores da gestão muicipal da qualidade de vida urbaa: uma sítese da experiêcia de Belo Horizote. I: Daiel J, Hoga RB, Cuha JMP, Carmo RL. Migração e Ambiete as aglomerações urbaas. Campias: Uicamp; p World Health Orgaizatio (WHO). Adherece to log-term therapies: evidece for actio. Geeva: WHO; Ciêcia & Saúde Coletiva, 20(6): , 2015

10 1946 Medoça de Deus R et al Costa BVL, Medoça RD, Satos LC, Peixoto SV, Alves M, Lopes ACS. Academia da Cidade: um serviço de promoção da saúde a rede assistecial do Sistema Úico de Saúde. Cie Saude Colet 2013; 18(1): Afoso L. Oficias em diâmica de grupo: um método de iterveção psicossocial. São Paulo: Casa do Psicólogo; Prevetive Services Task Force. Screeig for obesity i adults: recomedatios ad ratioale. A Iter Med 2003; 139(11): Lopes ACS, Ferreira AD, Satos LC. Atedimeto utricioal a Ateção Primária à Saúde: proposição de protocolos. Nutrição em Pauta 2010; 18(101): Brasil. Miistério da Saúde (MS). Sisva: orietações básicas para a coleta, processameto, aálise de dados e iformação em serviços de saúde. Brasília: MS; World Health Orgaizatio (WHO). Physical status: the use ad iterpretatio of athropometry. Geeva: WHO; Sartorelli DC, Fraco LJ, Cardoso MA. High itake of fruits ad vegetables predicts weight loss i Brazilia overweight adults. Nutr Res 2008; 28(4): Assução MCF, Gigate DP, Cardoso MA, Sartorelli DS, Satos IS. Radomized, cotrolled trial promotes physical activity ad reduces cosumptio of sweets ad sodium amog overweight ad obese adults. Nutr Res 2010; 30(8): World Health Orgaizatio (WHO). Burde: mortality, morbidity ad risk factors. I: Global status report o ocommuicable diseases Geeva: WHO; Oakpova IJ, Perry R, Zhag J, Erst E. Efficacy of calcium supplemetatio for maagemet of overweight ad obesity: systematic review of radomized cliical trials. Nutr Rev 2011; 69(6): World Health Orgaizatio (WHO). Obesity: prevetig ad maagig the global epidemic. Geeva: WHO; Lewis CE, Jacobs DR, McCreath H, Kiefe CI, Schreier PJ, Smith DE. Weight gai cotiues i the 1990s: 10-years treds i weight ad overweight from the CARDIA study Coroary Artery Risk Developmet i Youg Adults. Am J Epidemiol 2000; 151(12): Ross R, Jaiszewski PM. Is weight loss the optimal target for obesity-related cardiovascular disease risk reductio? Ca J Cardiol 2008; 24(Supl. D):25D-31D. Visscher TL, Kromhout D, Seidell JC. Log-term ad recet time treds i the prevalece of obesity amog Dutch me ad wome. It J Obes Relat Metab Disord 2002; 26(9): Brasil. Miistério da Saúde (MS). Vigitel Brasil 2011: vigilâcia de fatores de risco e proteção para doeças crôicas por iquérito telefôico. Brasília: MS; Sichieri RS, Souza RA. Estratégias para a preveção da obesidade em criaças de adolescetes. Cad Saude Publica 2008; 24(Supl. 2):S209-S234. Brasil. Miistério da Saúde (MS). Curso de extesão em promoção de saúde para gestores do SUS com efoque o Programa Academia da Saúde. Brasília: MS; Brasil. Miistério da Saúde (MS). Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: MS; Artigo apresetado em 15/08/2014 Aprovado em 31/10/2014 Versão fial apresetada em 02/11/2014

PALAVRAS-CHAVE Prematuridade. Idade Materna. Recém Nascido de Risco.

PALAVRAS-CHAVE Prematuridade. Idade Materna. Recém Nascido de Risco. 12. CONEX Apresetação Oral Resumo Expadido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA

Leia mais

DETERMINANDO A SIGNIFICÂNCIA ESTATÍSTICA PARA AS DIFERENÇAS ENTRE MÉDIAS

DETERMINANDO A SIGNIFICÂNCIA ESTATÍSTICA PARA AS DIFERENÇAS ENTRE MÉDIAS DTRMINANDO A SIGNIFIÂNIA STATÍSTIA PARA AS DIFRNÇAS NTR MÉDIAS Ferado Lag da Silveira Istituto de Física - UFRGS lag@if.ufrgs.br O objetivo desse texto é apresetar através de exemplos uméricos como se

Leia mais

Análise de dados de 06 meses de atendimento

Análise de dados de 06 meses de atendimento Programa de Atedimeto Nutricioal e Suplemetação dos Pacietes do DST-AIDS do Muicípio de Bebedouro Aálise de dados de 06 meses de atedimeto Michele Su Stedile Nutricioista CRN: 6579 michelesu@grupoemporio.com.br

Leia mais

ARTIGOS ORIGINAIS. Ana Paula Carlos Cândido 1, Adriana Soares Torres Melo 2 RESUMO ABSTRACT

ARTIGOS ORIGINAIS. Ana Paula Carlos Cândido 1, Adriana Soares Torres Melo 2 RESUMO ABSTRACT ARTIGOS ORIGINAIS AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS NUTRICIONAIS, DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E DO PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE IDOSOS ATENDIDOS NO DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO IDOSO JUIZ DE FORA, MG Evaluatio of the utritioal

Leia mais

Estudo da precipitação pluviométrica no período seco e chuvoso do município de Sete Lagoas, MG

Estudo da precipitação pluviométrica no período seco e chuvoso do município de Sete Lagoas, MG Estudo da precipitação pluviométrica o período seco e chuvoso do muicípio de Sete Lagoas, MG Aa Paula Coelho Madeira Silva 13 Jailso de Araujo Rodrigues 2 Jaime dos Satos Filho 2 1 Itrodução A precipitação

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E SUAS MÃES EM BOLSÕES DE POBREZA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, SP

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E SUAS MÃES EM BOLSÕES DE POBREZA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, SP NUTRIÇÃO DE CRIANÇAS EM BOLSÕES DE POBREZA 18 ARTIGO ORIGINAL PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E SUAS MÃES EM BOLSÕES DE POBREZA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, SP - 1996 NUTRITIONAL PROFILE OF CHILDREN AND THEIR

Leia mais

Instruções gerais sobre a Prova:

Instruções gerais sobre a Prova: DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA - UFMG PROVA DE ESTATÍSTICA & PROBABILIDADES SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2012/2013 Istruções gerais sobre a Prova: (a) Cada questão respodida corretamete vale 1 (um) poto. (b) Cada

Leia mais

Cap. 4 - Estimação por Intervalo

Cap. 4 - Estimação por Intervalo Cap. 4 - Estimação por Itervalo Amostragem e iferêcia estatística População: cosiste a totalidade das observações em que estamos iteressados. Nº de observações a população é deomiado tamaho=n. Amostra:

Leia mais

CÁLCULO DO ÍNDICE DO CUSTO DA CESTA BÁSICA EM ANÁPOLIS, NO PERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A AGOSTO DE 2009

CÁLCULO DO ÍNDICE DO CUSTO DA CESTA BÁSICA EM ANÁPOLIS, NO PERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A AGOSTO DE 2009 CÁLCULO DO ÍNDICE DO CUSTO DA CESTA BÁSICA EM ANÁOLIS, NO ERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A AGOSTO DE 2009 Walquiria Cardoso de Brito 1 ;Reato Lopes dos Satos 2 ; Eliezer da Silva Freitas 2 ; Luís Ferado Barbosa

Leia mais

Taxas e Índices. Ana Maria Lima de Farias Dirce Uesu Pesco

Taxas e Índices. Ana Maria Lima de Farias Dirce Uesu Pesco Taxas e Ídices Aa Maria Lima de Farias Dirce Uesu esco Itrodução Nesse texto apresetaremos coceitos básicos sobre ídices e taxas. Embora existam aplicações em diversos cotextos, essas otas utilizaremos

Leia mais

Rogério da Silva Pimentel 1, 4 ; Emerson Wruck 2,4 ; Robson de Souza Vieira 3,4. Bolsista PBIC/UEG UEG.

Rogério da Silva Pimentel 1, 4 ; Emerson Wruck 2,4 ; Robson de Souza Vieira 3,4. Bolsista PBIC/UEG UEG. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE DADOS CATEGORIZADOS NA DESCRIÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PERFIL DOS CANDIDATOS INSCRITOS NO VESTIBULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM QUÍMICA INDUSTRIAL: EVOLUÇÃO DO PERFIL.

Leia mais

Sumário. 2 Índice Remissivo 19

Sumário. 2 Índice Remissivo 19 i Sumário 1 Estatística Descritiva 1 1.1 Coceitos Básicos.................................... 1 1.1.1 Defiições importates............................. 1 1.2 Tabelas Estatísticas...................................

Leia mais

MEDIDAS DESCRITIVAS DE POSIÇÃO, TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE

MEDIDAS DESCRITIVAS DE POSIÇÃO, TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE MEDIDAS DESCRITIVAS DE POSIÇÃO, TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE 1 Estatística descritiva (Eploratória) PRIMEIRO PASSO: Tabelas (distribuição de frequêcia) e Gráficos. SEGUNDO PASSO: Cálculo de medidas

Leia mais

Relatório dos índices de evasão, retenção e conclusão dos Cursos de Graduação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR

Relatório dos índices de evasão, retenção e conclusão dos Cursos de Graduação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Uiversidade Tecológica Federal do Paraá UTFPR Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissioal PROGRAD Comissão de aálise dos ídices de evasão e reteção os Cursos de Graduação o Âmbito da UTFPR Pato Braco,

Leia mais

10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão

10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão 10 - Medidas de Variabilidade ou de Dispersão 10.1 Itrodução Localizado o cetro de uma distribuição de dados, o próximo passo será verificar a dispersão desses dados, buscado uma medida para essa dispersão.

Leia mais

Disciplina: MATEMÁTICA Turma: 3º Ano Professor (a) : CÉSAR LOPES DE ASSIS INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA. Organização de dados

Disciplina: MATEMÁTICA Turma: 3º Ano Professor (a) : CÉSAR LOPES DE ASSIS INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA. Organização de dados Escola SESI de Aápolis - Judiaí Aluo (a): Disciplia: MATEMÁTICA Turma: 3º Ao Professor (a) : CÉSAR LOPES DE ASSIS Data: INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA A Estatística é o ramo da Matemática que coleta, descreve,

Leia mais

Estimativa de Parâmetros

Estimativa de Parâmetros Estimativa de Parâmetros ENG09004 04/ Prof. Alexadre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Trabalho em Grupo Primeira Etrega: 7/0/04. Plao de Amostragem - Cotexto - Tipo de dado, frequêcia de coleta, quatidade

Leia mais

Distribuições Amostrais

Distribuições Amostrais 9/3/06 Uiversidade Federal do Pará Istituto de Tecologia Estatística Aplicada I Prof. Dr. Jorge Teófilo de Barros Lopes Campus de Belém Curso de Egeharia Mecâica 3/09/06 3:38 ESTATÍSTICA APLICADA I - Teoria

Leia mais

Gestão da Manutenção em Micro e Pequenas Empresas

Gestão da Manutenção em Micro e Pequenas Empresas Diagóstico da Gestão da Mauteção em Micro e Pequeas Empresas Questioário Sumário Apresetação Itrodução Atividades Metodologia Grupo 1 Gerêcia e Cotrole da Mauteção Grupo 2 Plaejameto Programação Grupo

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Distribuições Comus Avaliação de Desempeho de Sistemas Discretos Probabilidade e Estatística 2 Uiforme Normal Poisso Hipergeométrica Biomial Studet's Geométrica Logormal Expoecial Beta Gamma Qui-Quadrado

Leia mais

INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA EM GRÃO, 1986 A TALLES GIRARDI DE MENDONÇA; LUIZ EDUARDO VASCONCELOS ROCHA;

INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA EM GRÃO, 1986 A TALLES GIRARDI DE MENDONÇA; LUIZ EDUARDO VASCONCELOS ROCHA; INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA EM GRÃO, 1986 A 2004. TALLES GIRARDI DE MENDONÇA; LUIZ EDUARDO VASCONCELOS ROCHA; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA - MG - BRASIL

Leia mais

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE DISPERSÃO Í N D I C E Medidas de Tedêcia Cetral Itrodução... 1- Média Aritmética... - Moda... 3- Mediaa... Medidas de Dispersão 4- Amplitude Total... 5- Variâcia

Leia mais

MEDIDAS DE COMPARAÇÃO DE MAPAS DA VARIABILIDADE ESPACIAL DO FÓSFORO GERADOS POR MÉTODOS GEOESTATÍSTICOS

MEDIDAS DE COMPARAÇÃO DE MAPAS DA VARIABILIDADE ESPACIAL DO FÓSFORO GERADOS POR MÉTODOS GEOESTATÍSTICOS MEDIDAS DE COMPARAÇÃO DE MAPAS DA VARIABILIDADE ESPACIAL DO FÓSFORO GERADOS POR MÉTODOS GEOESTATÍSTICOS Brua Gabriela Wedpap (PIBIC/CNPq-UNIOESTE), Miguel Agel Uribe- Opazo (Orietador), e-mail: mopazo@pq.cpq.br.

Leia mais

Bacharel em Educação Física pela Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO), Guarapuava, PR, Brasil. 2

Bacharel em Educação Física pela Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO), Guarapuava, PR, Brasil. 2 ISSN 2177-4005 Revista do Departameto de Educação Física e Saúde e do Mestrado em Promoção da Saúde da Uiversidade de Sata Cruz do Sul / Uisc >> Acesse; http://olie.uisc.br/seer/idex.php/ciergis >> Ao

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Exercício 1 A Secretaria de Saúde de um muicípio vem realizado um programa educativo etre as gestates mostrado a importâcia da amametação. Para averiguar a eficácia do programa pretede-se realizar uma

Leia mais

Número-índice: Conceito, amostragem e construção de estimadores

Número-índice: Conceito, amostragem e construção de estimadores Número-ídice: Coceito, amostragem e costrução de estimadores Objetivo Geral da aula Defiir o que são os úmeros-ídices, efatizado a sua importâcia para aálise ecoômica. Cosidere os dados apresetados a Tabela

Leia mais

CONSUMO DE ÁGUA DO FEIJÃO CAUPI USANDO DADOS DE ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS CONVENCIONAL E AUTOMÁTICA EM ARCOVERDE, PE

CONSUMO DE ÁGUA DO FEIJÃO CAUPI USANDO DADOS DE ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS CONVENCIONAL E AUTOMÁTICA EM ARCOVERDE, PE CONSUMO DE ÁGUA DO FEIJÃO CAUPI USANDO DADOS DE ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS CONVENCIONAL E AUTOMÁTICA EM ARCOVERDE, PE ARAÚJO, J. E. M. 1, SILVA, T. G. F. DA, CRUZ NETO, J. F. DA 1, SILVA, F. V. DA 1 1 Graduados

Leia mais

Introdução. Notas de pesquisa

Introdução. Notas de pesquisa Notas de pesquisa Sobrevivêcia específica de pacietes com câcer de pulmão tratados o sistema público de saúde o Brasil e uma aplicação da Tábua Associada de Decremeto Úico Carlos Philipe Barbosa Polato

Leia mais

Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciências Exatas Prof. Daniel Furtado Ferreira 1 a Aula Prática Técnicas de somatório

Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciências Exatas Prof. Daniel Furtado Ferreira 1 a Aula Prática Técnicas de somatório Uiversidade Federal de Lavras Departameto de Ciêcias Exatas Prof. Daiel Furtado Ferreira 1 a Aula Prática Técicas de somatório Notação e propriedades: 1) Variáveis e ídices: o símbolo x j (leia x ídice

Leia mais

Capítulo 5- Introdução à Inferência estatística.

Capítulo 5- Introdução à Inferência estatística. Capítulo 5- Itrodução à Iferêcia estatística. 1.1) Itrodução.(184) Na iferêcia estatística, aalisamos e iterpretamos amostras com o objetivo de tirar coclusões acerca da população de ode se extraiu a amostra.

Leia mais

Intervalos de Confiança

Intervalos de Confiança Itervalos de Cofiaça Prof. Adriao Medoça Souza, Dr. Departameto de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM - 0/9/008 Estimação de Parâmetros O objetivo da Estatística é a realização de iferêcias acerca de

Leia mais

Introdução. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

Introdução. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... Itrodução Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário para

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA Itrodução CINÉTICA QUÍMICA FATORES DE INFLUÊNCIA - TEORIA A Ciética Química estuda a velocidade com a qual as reações acotecem e os fatores que são capazes de realizar ifluêcia sobre ela. A medida mais

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Laboratório de Física e Química

Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Laboratório de Física e Química Uiversidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecologia e Ciêcias Exatas Laboratório de Física e Química Aálise de Medidas Físicas Quado fazemos uma medida, determiamos um úmero para caracterizar uma gradeza

Leia mais

Aumentou-se o número de crimes nas regiões onde foram construídos os presídios?

Aumentou-se o número de crimes nas regiões onde foram construídos os presídios? Aumetou-se o úmero de crimes as regiões ode foram costruídos os presídios? Guilherme Aparecido Satos Aguilar 1 Vilma Mayumi Tachibaa 1 1 Itrodução O Brasil tem a quarta maior população carcerária do mudo

Leia mais

Avaliação do desempenho da Atenção Básica nos municípios brasileiros com indicador sintético

Avaliação do desempenho da Atenção Básica nos municípios brasileiros com indicador sintético 984 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE Avaliação do desempeho da Ateção Básica os muicípios brasileiros com idicador sitético Performace evaluatio of Primary Care i Brazilia muicipalities with Sythetic Idicator

Leia mais

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística

Prova Resolvida e Comentada Prof. Joselias (011 ) AFRF 2005 Matemática Financeira e Estatística Prova Resolvida e Cometada Prof. Joselias joselias@uol.com.br (0 )9654-53 FRF 005 Matemática Fiaceira e Estatística Soluções das Provas do FRF-005 de Matemática Fiaceira e de Estatística Prof. Joselias

Leia mais

Cenários de arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte dos Rendimentos do Trabalho e Outros Rendimentos com Correção Inflacionária

Cenários de arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte dos Rendimentos do Trabalho e Outros Rendimentos com Correção Inflacionária PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Covêio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 12 Ceários de arrecadação

Leia mais

Espacialização da Temperatura do Ar do Polo de Desenvolvimento Petrolina, PE Juazeiro, BA, Submédio São Francisco

Espacialização da Temperatura do Ar do Polo de Desenvolvimento Petrolina, PE Juazeiro, BA, Submédio São Francisco Espacialização da Temperatura do Ar do Polo de Desevolvimeto Petrolia, PE Juazeiro, BA, Submédio São Fracisco Brauliro Goçalves Leal 1 ; Sérgio Aurélio Ferreira Soares 2 ; Raiéri Carlos Ferreira de Amorim

Leia mais

O jogo MAX_MIN - Estatístico

O jogo MAX_MIN - Estatístico O jogo MAX_MIN - Estatístico José Marcos Lopes Resumo Apresetamos este trabalho um jogo (origial) de treiameto para fortalecer os coceitos de Média, Mediaa, Moda, Desvio Padrão e Desvio Médio da Estatística

Leia mais

Espacialização da Radiação Solar da Região do Polo de Desenvolvimento Petrolina, PE Juazeiro, BA, Submédio São Francisco

Espacialização da Radiação Solar da Região do Polo de Desenvolvimento Petrolina, PE Juazeiro, BA, Submédio São Francisco Espacialização da Radiação Solar da Região do Polo de Desevolvimeto Petrolia, PE Juazeiro, BA, Submédio São Fracisco Brauliro Goçalves Leal 1, Sérgio Aurélio Ferreira Soares 2, Raiéri Carlos Ferreira de

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO MATEMÁTICA DE POSSÍVEIS DIFERENÇAS ENTRE A CORRELAÇÃO DE DUAS VARIÁVEIS SIMPLES E A CORRELAÇÃO DE DUAS VARIÁVEIS DERIVADAS.

DEMONSTRAÇÃO MATEMÁTICA DE POSSÍVEIS DIFERENÇAS ENTRE A CORRELAÇÃO DE DUAS VARIÁVEIS SIMPLES E A CORRELAÇÃO DE DUAS VARIÁVEIS DERIVADAS. DEMONSTRAÇÃO MATEMÁTICA DE POSSÍVEIS DIFERENÇAS ENTRE A CORRELAÇÃO DE DUAS VARIÁVEIS SIMPLES E A CORRELAÇÃO DE DUAS VARIÁVEIS DERIVADAS Daiel Pires Bitecourt 1 e Prakki Satyamurty Cetro de Previsão de

Leia mais

1 Departamento de Nutrição. Universidade Federal do Piauí.

1 Departamento de Nutrição. Universidade Federal do Piauí. ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES Ifluêcia de fatores obstétricos, socioecoômicos e utricioais da gestate sobre o peso do recém-ascido: estudo realizado em uma materidade em Teresia, Piauí Obstetric,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS - CEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS - PPGER

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS - CEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS - PPGER Resolução 0/204 do PPGER Estabelece ormas para credeciameto, recredeciameto e descredeciameto de docetes do Programa de Pós-Graduação em Eergias Reováveis, sob a resposabilidade do Cetro de Eergias Alterativas

Leia mais

Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 1/2005

Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 1/2005 Virgílio A. F. Almeida DCC-UFMG 1/005 !" # Comparado quatitativamete sistemas eperimetais: Algoritmos, protótipos, modelos, etc Sigificado de uma amostra Itervalos de cofiaça Tomado decisões e comparado

Leia mais

Hipótese Estatística. Tipos de Hipóteses

Hipótese Estatística. Tipos de Hipóteses Hipótese Estatística Hipótese, em estatística, é uma suposição formulada a respeito dos parâmetros de uma distribuição de probabilidade de uma ou mais populações. Podemos formular a hipótese que a produtividade

Leia mais

O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE 1986 A 2004

O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE 1986 A 2004 V I I S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A F I N A N Ç A S O QUE HÁ DE ERRADO COM O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO? - COMPARAÇÃO ENTRE OS RETORNOS MÉDIOS DO IBOVESPA E DO CDI NO PERÍODO DE

Leia mais

Matriz de Contabilidade Social. Prof. Eduardo A. Haddad

Matriz de Contabilidade Social. Prof. Eduardo A. Haddad Matriz de Cotabilidade Social Prof. Eduardo A. Haddad Fluxo circular da reda 2 Defiição 1 Sistema de dados desagregados, cosistetes e completos, que capta a iterdepedêcia existete detro do sistema socioecoômico

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM MODELO DE PEDIDOS COORDENADOS PARA A GESTÃO DE ESTOQUE DE PRODUTOS IMPORTADOS

APLICAÇÃO DE UM MODELO DE PEDIDOS COORDENADOS PARA A GESTÃO DE ESTOQUE DE PRODUTOS IMPORTADOS APLICAÇÃO DE UM MODELO DE PEDIDOS COORDENADOS PARA A GESTÃO DE ESTOQUE DE PRODUTOS IMPORTADOS Arthur Strommer de Farias Hugo T. Y. Yoshizaki Escola Politécica USP - Departameto De Egeharia De Produção

Leia mais

Quantas pétalas tem a rosácea r = sin(nθ)?

Quantas pétalas tem a rosácea r = sin(nθ)? http://dx.doi.org/10.4322/gepem.2015.009 Quatas pétalas tem a rosácea r = si(θ)? Nota de Aula 1 Elisadra Bar de Figueiredo Professora, Uiversidade do Estado de Sata Cataria- UDESC elis.b.figueiredo@gmail.com

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emerso Marcos Furtado Mestre em Métodos Numéricos pela Uiversidade Federal do Paraá (UFPR). Graduado em Matemática pela UFPR. Professor do Esio Médio os estados do Paraá e Sata Cataria desde 199. Professor

Leia mais

Estimação da área foliar de mucuna cinza por meio de método não destrutivo - NOTA -

Estimação da área foliar de mucuna cinza por meio de método não destrutivo - NOTA - Ciêcia 238 Rural, Sata Maria, v.42,.2, p.238-242, fev, Cargelutti 202 Filho et al. ISSN 003-8478 Estimação da área foliar de mucua ciza por meio de método ão destrutivo Leaf area estimatio of velvet bea

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 2.=000. 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm do cetro deste. Assuma

Leia mais

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB Govero do Estado do Rio Grade do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

Stela Adami Vayego DEST/UFPR

Stela Adami Vayego DEST/UFPR Resumo 3 Resumo dos dados uméricos por meio de úmeros 1. Medidas de Tedêcia Cetral A tedêcia cetral da distribuição de freqüêcias de uma variável em um cojuto de dados é caracterizada pelo valor típico

Leia mais

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 3 TEOREMA DO LIMITE CENTRAL INTRODUÇÃO AO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 3 TEOREMA DO LIMITE CENTRAL INTRODUÇÃO AO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG 09008 AULA 3 TEOREMA DO LIMITE CENTRAL INTRODUÇÃO AO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO PROFESSOR: CARLA SCHWENGBER TEN CATEN Teorema do limite cetral A soma (e sua média) de

Leia mais

... Newton e Leibniz criaram, cada qual em seu país e quase ao mesmo tempo, as bases do cálculo diferencial.

... Newton e Leibniz criaram, cada qual em seu país e quase ao mesmo tempo, as bases do cálculo diferencial. DERIVADAS INTRODUÇÃO O Cálculo Diferecial e Itegral, criado por Leibiz e Newto o século XVII, torou-se logo de iício um istrumeto precioso e imprescidível para a solução de vários problemas relativos à

Leia mais

CUSC MEDICINA - Primeiro Semestre CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO

CUSC MEDICINA - Primeiro Semestre CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO US 016 - MEDIINA - Primeiro Semestre ENTR UNIVERSITÁRI SÃ AMIL 01. A quatidade média de sódio (massa molar g/mol) ecotrada por pacote de 100 g de amostras de biscoito de polvilho aalisadas pela ANVISA

Leia mais

Relatório. Mulheres e Homens em 2015

Relatório. Mulheres e Homens em 2015 Relatório Sobre as Remuerações Pagas a e em 2015 (a que se refere o.º 2 da RCM.º 18/2014, de 7 de março) 1 Ídice Itrodução.. 3 1. Objetivo do Relatório. 4 2. Difereças Salariais Aálise Quatitativa. 4 3.

Leia mais

Complementos Orais em Pediatria. Luiza Kent-Smith, RD, PhD Saskatoon Health Region

Complementos Orais em Pediatria. Luiza Kent-Smith, RD, PhD Saskatoon Health Region Complemetos Orais em Pediatria Luiza Ket-Smith, RD, PhD Saskatoo Health Regio Nutriçã ção o Pediátrica - objectivo Alimetaçã ção o equilibrada por forma a permitir à criaça a um desevolvimeto de acordo

Leia mais

Whats: PROGRESSÃO GEOMÉTRICA

Whats: PROGRESSÃO GEOMÉTRICA Questões Vídeos 1. As áreas dos quadrados a seguir estão em progressão geométrica de razão 2. Podemos afirmar que os lados dos quadrados estão em a) progressão aritmética de razão 2. b) progressão geométrica

Leia mais

A mobilidade urbana no planejamento da cidade

A mobilidade urbana no planejamento da cidade A mobilidade urbaa o plaejameto da cidade A mobilidade urbaa o plaejameto da cidade 1 2 Apresetação Nas últimas quatro décadas osso país viveciou uma mudaça sigificativa em relação ao perfil de sua população:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPTO. DE ESTATÍSTICA LISTA 1-ESTATÍSTICA II (CE003)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPTO. DE ESTATÍSTICA LISTA 1-ESTATÍSTICA II (CE003) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPTO. DE ESTATÍSTICA LISTA -ESTATÍSTICA II (CE003) Prof. Beito Olivares Aguilera o Sem./6. Usado os dados da Tabela o Aexo (Seção Orçameto da MB),

Leia mais

A Inferência Estatística é um conjunto de técnicas que objetiva estudar a população através de evidências fornecidas por uma amostra.

A Inferência Estatística é um conjunto de técnicas que objetiva estudar a população através de evidências fornecidas por uma amostra. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Distribuição Amostral Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departameto de Estatística INTRODUÇÃO A Iferêcia Estatística é um cojuto de técicas que objetiva estudar a população

Leia mais

Testes de Hipóteses sobre uma Proporção Populacional

Testes de Hipóteses sobre uma Proporção Populacional Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses sobre uma Proporção Populacioal Seja o seguite problema: Estamos iteressados em saber que proporção de motoristas da população usa cito de seguraça regularmete.

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA MATEMÁTICA FINANCEIRA Coceito de taxa de juros Taxa de juro é a relação etre o valor dos juros pagos (ou recebidos) o fial de um determiado período de tempo e o valor do capital

Leia mais

Parte 3: Gráfico de Gestão de Estoque. Gráficos e Cálculos Fundamentais

Parte 3: Gráfico de Gestão de Estoque. Gráficos e Cálculos Fundamentais Capítulo 3: Gestão de stoques Curso de Admiistração de mpresas 2º Semestre 09 Disciplia: Admiistração da Logística e Patrimôio Capítulo 03: Gestão de estoques (Partes 3 e 4) Parte : Itrodução Parte 2:

Leia mais

Testes de Comparação Múltipla

Testes de Comparação Múltipla Testes de Comparação Múltipla Quado a aplicação da aálise de variâcia coduz à reeição da hipótese ula, temos evidêcia de que existem difereças etre as médias populacioais. Mas, etre que médias se registam

Leia mais

CAPÍTULO 6 - ESTIMAÇÃO E TESTES DE HIPÓTESES

CAPÍTULO 6 - ESTIMAÇÃO E TESTES DE HIPÓTESES CAPÍTULO 6 - ESTIMAÇÃO E TESTES DE HIPÓTESES 6. INTRODUÇÃO INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Estimação por poto por itervalo Testes de Hipóteses População X θ =? Amostra θ Iferêcia Estatística X, X,..., X 6. ESTIMAÇÃO

Leia mais

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. ACONSELHAMENTO SOBRE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA: PRÁTICA E ADESÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. Camila Silva Souza graduanda, milasspsi@gmail.com Cristiane Aparecida dos Santos- graduanda, cristyanne17@yahoo.com.br

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena EEL USP Departamento de Engenharia Química DEQUI Disciplina: Normalização e Controle da Qualidade NCQ

Escola de Engenharia de Lorena EEL USP Departamento de Engenharia Química DEQUI Disciplina: Normalização e Controle da Qualidade NCQ 1 Escola de Egeharia de orea EE SP Departameto de Egeharia Química DEQI Disciplia: Normalização e Cotrole da Qualidade NCQ Capítulo : Amostragem por Variáveis (MI STD 1) SEÇÃO A.1 Objetivo Este capítulo

Leia mais

Objetivo. Estimar a média µ de uma variável aleatória X, que representa uma característica de interesse de uma população, a partir de uma amostra.

Objetivo. Estimar a média µ de uma variável aleatória X, que representa uma característica de interesse de uma população, a partir de uma amostra. ESTIMAÇÃO PARA A MÉDIAM Objetivo Estimar a média µ de uma variável aleatória X, que represeta uma característica de iteresse de uma população, a partir de uma amostra. Exemplos: µ : peso médio de homes

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO. Licenciatura em Economia E C O N O M E T R I A I I PARTE

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO. Licenciatura em Economia E C O N O M E T R I A I I PARTE FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Liceciatura em Ecoomia E C O N O M E T R I A I (LEC0) Exame Fial 0 de Jaeiro de 00 RESOLUÇÃO: I PARTE I GRUPO a) Dispoível uma amostra de observações de Y para períodos cosecutivos,

Leia mais

Exercício: Mediu-se os ângulos internos de um quadrilátero e obteve-se 361,4. Qual é o erro de que está afetada esta medida?

Exercício: Mediu-se os ângulos internos de um quadrilátero e obteve-se 361,4. Qual é o erro de que está afetada esta medida? 1. Tratameto estatísticos dos dados 1.1. TEORIA DE ERROS O ato de medir é, em essêcia, um ato de comparar, e essa comparação evolve erros de diversas origes (dos istrumetos, do operador, do processo de

Leia mais

5. ANÁLISE DE SISTEMAS DA CONFIABILIADE DE SISTEMAS SÉRIE-PARALELO

5. ANÁLISE DE SISTEMAS DA CONFIABILIADE DE SISTEMAS SÉRIE-PARALELO 5. ANÁLISE DE SISTEMAS DA CONFIABILIADE DE SISTEMAS SÉRIE-PARALELO 5.1 INTRODUÇÃO Um sistema é defiido como todo o cojuto de compoetes itercoectados, previamete determiados, de forma a realizar um cojuto

Leia mais

ESTIMAÇÃO DA PROPORÇÃO POPULACIONAL p

ESTIMAÇÃO DA PROPORÇÃO POPULACIONAL p ESTIMAÇÃO DA PROPORÇÃO POPULACIONAL p Objetivo Estimar uma proporção p (descohecida) de elemetos em uma população, apresetado certa característica de iteresse, a partir da iformação forecida por uma amostra.

Leia mais

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Ciêcia & Saúde Coletiva ISSN: 14138123 cecilia@claves.fiocruz.br Associação Brasileira de PósGraduação em Saúde Coletiva Brasil Guimarães Tavares, Felipe; Alvares Coimbra Juior, Carlos Everaldo; Moreira

Leia mais

Exame MACS- Inferência-Intervalos.

Exame MACS- Inferência-Intervalos. Exame MACS- Iferêcia-Itervalos. No iício deste capítulo, surgem algumas ideias que devemos ter presetes: O objectivo da iferêcia estatística é usar uma amostra e tirar coclusões para toda a população.

Leia mais

Medição e Métricas de Software

Medição e Métricas de Software Medição e Métricas de Software Motivação Um dos objetivos básicos da Egeharia de Software é: a trasformação da criação de sistemas software de uma maeira artística, idiscipliada e pouco etedível para uma

Leia mais

DERIVADAS DE FUNÇÕES11

DERIVADAS DE FUNÇÕES11 DERIVADAS DE FUNÇÕES11 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 11.1 O cálculo diferecial 11. Difereças 11.3 Taxa de variação média 11.4 Taxa de variação istatâea e potual 11.5 Primeiros exemplos

Leia mais

Características do acesso e utilização de serviços odontológicos em municípios de médio porte

Características do acesso e utilização de serviços odontológicos em municípios de médio porte 3115 Características do acesso e utilização de serviços odotológicos em muicípios de médio porte Characteristics of the access ad utilizatio of public detal services i mediumsized cities ARTIGO ARTCILE

Leia mais

INFERÊNCIA. Fazer inferência (ou inferir) = tirar conclusões

INFERÊNCIA. Fazer inferência (ou inferir) = tirar conclusões INFERÊNCIA Fazer iferêcia (ou iferir) = tirar coclusões Iferêcia Estatística: cojuto de métodos de aálise estatística que permitem tirar coclusões sobre uma população com base em somete uma parte dela

Leia mais

Teorema do Limite Central, distribuição amostral, estimação por ponto e intervalo de confiança

Teorema do Limite Central, distribuição amostral, estimação por ponto e intervalo de confiança Teorema do Limite Cetral, distribuição amostral, estimação por poto e itervalo de cofiaça Prof. Marcos Pó Métodos Quatitativos para Ciêcias Sociais Distribuição amostral Duas amostrages iguais oriudas

Leia mais

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017)

Procedimentos de Marcação a Mercado (06, 2017) Procedimetos de Marcação a Mercado (06, 207) Risk Maagemet Baco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A SUMÁRIO ESCOPO 4 2 PRINCÍPIOS 4 3 ORGANIZAÇÃO 5 4 COTAS 5 4. Cotas de Fechameto 5 4.2 Cotas de Abertura 6

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 04: Medidas de Posição (webercampos@gmail.com) . MÉDIA ARITMÉTICA : Para um cojuto de valores Média Aritmética Simples: xi p Média Aritmética Poderada: MÓDULO 04 - MEDIDAS

Leia mais

ANÁLISE MULTIDIMENSIONAL DE POBREZA PARA AS MESO E MICRORREGIÕES DE MINAS GERAIS

ANÁLISE MULTIDIMENSIONAL DE POBREZA PARA AS MESO E MICRORREGIÕES DE MINAS GERAIS ANÁLISE MULTIDIMENSIONAL DE POBREZA PARA AS MESO E MICRORREGIÕES DE MINAS GERAIS Helger Marra Lopes 1 Paulo Brígido Rocha Macedo 2 Aa Flávia Machado 3 Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza relativa

Leia mais

Comparação de rotas de coleta de leite usando métodos não-paramétricos

Comparação de rotas de coleta de leite usando métodos não-paramétricos Comparação de rotas de coleta de leite usado métodos ão-paramétricos Eio Júior Seidel Luis Felipe Dias Lopes Agela Pellegri Asu Resumo:

Leia mais

PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO

PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO 4 PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO PROBABILIDADE NOS PROJETOS Em Egeharia o cohecimeto das magitudes das precipitações apreseta grade iteresse prático por sua freqüete aplicação os projetos hidráulicos. Nos projetos

Leia mais

Indicadores de Qualidade de Vida nos Municípios Mineiros e Eficiência Alocativa de Recursos Públicos

Indicadores de Qualidade de Vida nos Municípios Mineiros e Eficiência Alocativa de Recursos Públicos Sociedade, Cotabilidade e Gestão, Rio de Jaeiro, v. 6,.1, ja/ju 2011. Idicadores de Qualidade de Vida os Muicípios Mieiros e Eficiêcia Alocativa de Recursos Públicos Quality of Life Idexes i Mias Gerais

Leia mais

A finalidade de uma equação de regressão seria estimar valores de uma variável, com base em valores conhecidos da outra.

A finalidade de uma equação de regressão seria estimar valores de uma variável, com base em valores conhecidos da outra. Jaete Pereira Amador Itrodução A aálise de regressão tem por objetivo descrever através de um modelo matemático, a relação existete etre duas variáveis, a partir de observações dessas viráveis. A aálise

Leia mais

4 Teoria da Probabilidade

4 Teoria da Probabilidade 48 4 Teoria da Probabilidade Apresetam-se este capítulo coceitos de probabilidade e de estimação de fuções desidade de probabilidade ecessários ao desevolvimeto e compreesão do modelo proposto (capítulo

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 0: Medidas de Dispersão (webercampos@gmail.com) MÓDULO 0 - MEDIDAS DE DISPERSÃO 1. Coceito: Dispersão é a maior ou meor diversificação dos valores de uma variável, em toro

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Admiistração PROVA DE ESTATÍSTICA II º Semestre / 00 - P - TIPO DADOS DO ALUNO: Nome: Assiatura INSTRUÇÕES: Você receberá

Leia mais

Unidade IX Estimação

Unidade IX Estimação Uidade IX Estimação 6/09/07 Itervalos de cofiaça ii. Para a difereça etre médias de duas populações (μ μ ) caso : Variâcias cohecidas Pressupostos: 6/09/07 x - x x - x ; N é - x x ) ( x x x x E ) ( x x

Leia mais

Alterações do nível pressórico e fatores de risco em graduandos de enfermagem*

Alterações do nível pressórico e fatores de risco em graduandos de enfermagem* Alterações do ível pressórico e fatores de risco em graduados de efermagem* Artigo Origial Risk factors ad alteratios i blood pressure levels i udergraduate ursig studets Alteracioes del ível de la presió

Leia mais

Redação do Trabalho de Conclusão

Redação do Trabalho de Conclusão Redação do Trabalho de Coclusão Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departameto de Iformática Uiversidade Federal do Espírito Sato Ageda Estrutura de Trabalho Acadêmico Elemetos pré e pós-textuais

Leia mais

Avaliação de mapas urbanos produzidos a partir de imagens orbitais de alta resolução

Avaliação de mapas urbanos produzidos a partir de imagens orbitais de alta resolução Avaliação de mapas urbaos produzidos a partir de images orbitais de alta resolução Salomão Soares Roberto Coelho de Berrêdo Agaldo Morais Ataíde Igor Lacerda Ferreira Cemig Distribuição SA Av. Barbacea,

Leia mais

ALTO RIO GRANDE: MODELOS DE PROBABILIDADES E VALORES CARACTERÍSTICOS

ALTO RIO GRANDE: MODELOS DE PROBABILIDADES E VALORES CARACTERÍSTICOS 84 PRECIPITAÇÃO PROVÁVEL JUNQUEIRA PARA JÚNIOR, A REGIÃO J. A. et al. DE MADRE DE DEUS, ALTO RIO GRANDE: MODELOS DE PROBABILIDADES E VALORES CARACTERÍSTICOS Probable raifall for Madre de Deus couty, Alto

Leia mais

VISUALIZANDO DESIGUALDADES E PROPRIEDADES DE SEQUÊNCIAS RACIONAIS COM APOIO NO GEOGEBRA

VISUALIZANDO DESIGUALDADES E PROPRIEDADES DE SEQUÊNCIAS RACIONAIS COM APOIO NO GEOGEBRA VISUALIZANDO DESIGUALDADES E PROPRIEDADES DE SEQUÊNCIAS RACIONAIS COM APOIO NO GEOGEBRA Katia Vigo Igar Potifícia Uiversidade Católica de São Paulo PUC/SP Fracisco Regis Vieira Alves Istituto Federal de

Leia mais

Avaliação entre o estado nutricional materno e o de uma população infantil de São Tomé e Príncipe África

Avaliação entre o estado nutricional materno e o de uma população infantil de São Tomé e Príncipe África ARTIGOS ORIGINAIS Avaliação etre o estado utricioal matero e o de uma população ifatil de São Tomé e Prícipe África Diaa e Silva 1 Aa Valete 2 Adreia Borges 3 Cláudia Dias 4 Feliciaa Almeida 5 José Luís

Leia mais