A DIFERENÇA QUE NOS ENRIQUECE NA DIVERSIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DIFERENÇA QUE NOS ENRIQUECE NA DIVERSIDADE"

Transcrição

1 A DIFERENÇA QUE NOS ENRIQUECE NA DIVERSIDADE Lúcia Miranda Gouvêa Universidade Federal de Juiz de Fora - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação e Diversidade. RESUMO O homem é por essência um ser social e nesse tempo e nesse espaço em que habita hoje, interage com outras pessoas. O encontro de todos esses seres diferentes não está vinculado somente a disfunções físicas, características étnicas ou de gênero, mas também, à constituição subjetiva. Eles não são nem melhores, nem piores enquanto seres humanos, apenas diversos. Dessa forma, os sujeitos não são seres passíveis de exclusão, mas sim, seres complementares, que agregam valores. Ao me transportar para o cenário escolar, percebo que compete ao sistema educacional não encarar a diversidade como problema, mas como uma oportunidade de aprimoramento pessoal e social, que enriquece o processo ensinoaprendizagem. O apoio à educação inclusiva, com ênfase na interculturalidade, conduz à ideia de inserção, de pertencimento de todos os alunos no tempo e no espaço da escola. Nessa perspectiva inclusiva e intercultural, o trabalho realizado pelos membros da escola recebe uma nova significação. Planejamento, metodologia, currículo, ou seja, tudo que conduz à aprendizagem passa a ser construído por todos, em benefício do educando. Nessa escola mais humanizada, todas as minorias tem voz e são ouvidas. Nela, formam-se sujeitos críticos, reflexivos e consequentemente, cidadãos conscientes de seu valor na e para a sociedade. Palavras-chave: diferença; diversidade; inclusão; educação; interculturalidade.

2 Primeiras considerações... O homem é por essência um ser social e isso o coloca em constante interação com o outro, seu tempo e seu espaço. A partir das relações estabelecidas com outros seres da mesma espécie tem-se um entrelaçar de vidas que faz emergir uma profusão de ideias e manifestações que almejam produzir eco no mundo no qual estamos todos inseridos. A necessidade de serem estabelecidas relações dialógicas pautadas no/pelo respeito ao próximo, que é um sujeito, por assim dizer, singular e plural, na sua múltipla capacidade de ser, é um grande desafio. É possível constatar que as pessoas que habitam o tempo e o espaço de hoje são diferentes e que essa diversidade não está vinculada somente a disfunções físicas ou características étnicas ou de gênero. Todas são diferentes quanto à formação, hábitos, habilidades, atitudes, necessidades e porque não dizer, peculiaridades subjetivas. Tudo que constitui o indivíduo o faz um ser especial dentre todos os demais. As diferenças não o colocam na categoria de melhor ou de pior enquanto ser humano, o tornam apenas um ser diverso. A diversidade não é algo prejudicial à coletividade, pelo contrário, ela traz enriquecimento para todos, visto que na troca, no encontro com o outro, vivencia-se o crescimento e a oportunidade de construção de indivíduos melhores. Assim, os sujeitos não são seres passíveis de exclusão e sim, seres complementares, que agregam valores, o que pode ser também observado, no ambiente escolar. O que me move... O presente trabalho tem por objetivo defender a reflexão e a discussão por uma educação realmente inclusiva, na qual todas as diferenças são respeitadas e acolhidas no tempo e no espaço escolar, visto que, através da diversidade, a educação é construída e enriquecida pela troca entre os sujeitos singulares e múltiplos que dialogam. O que me guia... Para desenvolver o referido trabalho acadêmico faz-se necessário definir a metodologia a ser seguida. Em função do objetivo que intenciono alcançar, minha opção é a realização de uma pesquisa com Abordagem Qualitativa por ser aquela cujas estratégias de pesquisa privilegiam a compreensão dos sentidos dos acontecimentos

3 sociais, não se reduzindo a explicação com base apenas nas relações de causa e efeito. A pesquisa qualitativa representa uma forma de investigação do material teórico coletado, ou seja, dos conteúdos fornecidos pelos autores que alicerçam meus estudos e minhas ideias. Considero pertinente também, me valer do estudo no/do/com o cotidiano em termos de abordagem metodológica, por ele estar relacionado ao movimento de pesquisas no âmbito educacional. Esse estudo mostra, revela, uma subjetividade oculta ou não vista. Os sentimentos que me movem, minhas intenções e minhas expectativas de mudanças são tecidas no cotidiano escolar, nunca fora dele. Nas palavras de Alves (2002, p.49), Pesquisar o cotidiano escolar é, assim, um trabalho de busca de compreensão das táticas e usos que os professores desenvolvem no seu fazer pedagógico, penetrando astuciosamente e de modo peculiar, a cada momento, no espaço do poder. Abdicando da busca de ver a totalidade objetivo e paradigma de uma ciência que traz, embutido em si mesma, um necessário esquecimento e desconhecimento das práticas cotidianas complexas, plurais, diversas esta metodologia de pesquisa pretende assumir a complexidade das práticas com suas trajetórias, ações, corpo e alma, redes de fazeres em permanente movimento. A pesquisa no/do/com o cotidiano conduz à busca de humanização do conhecimento escolar e dessa forma, prepara os indivíduos que atuam nessa escola para tornarem-se profissionais melhores. Seguindo essa linha de raciocínio, nada mais pertinente que a referida pesquisa seja realizada no tempo e no espaço vivenciado todos os dias, que é por assim dizer, o cotidiano da escola. Nele, tem-se a possibilidade de refletir, discutir, concordar e discordar, pensar e repensar teorias e práticas a respeito da realidade dos alunos que possuem diferenças e que essas diferenças são ricas em sua diversidade. Com a intenção de alicerçar meu trabalho, inúmeros estudos são realizados e os autores pesquisados substancializam minha pesquisa. Ao me transportar para o cenário escolar, observo que compete ao sistema educacional não encarar a diversidade como problema, mas como uma oportunidade de aprimoramento pessoal e social que enriquece o processo ensinoaprendizagem 1. Optamos por fazer a junção destas duas palavras, visto que, uma não existe sem a outra. Elas são indissociáveis, inseparáveis. Segundo Freire (2013, p.26)

4 Aprender precedeu ensinar ou, em outras palavras, ensinar se diluía na experiência realmente fundante de aprender. Não temo dizer que inexiste validade no ensino de que não resulta um aprendizado em que o aprendiz não se tornou capaz de recriar ou de refazer o ensinado, em que o ensinado que não foi aprendido não pode ser realmente aprendido pelo aprendiz. 1 Segundo Alves (2008, p.41), a escrita conjunta desses termos têm, também, a ver com a busca de superação das marcas que em nós estão devido à formação que tivemos dentro do modo hegemônico de pensar, representado pela ciência da moderna, na qual, um dos movimentos principais é a dicotomização desses termos, visto com pares mas opondo-se entre si. A escola ainda tende a padronizar seus alunos para vê-los como iguais. Ela não percebe o quão significativas são as contribuições dadas pelas diferenças, no cotidiano escolar. É como se a variedade cultural existente no espaço e no tempo da escola, fosse excludente. Felizmente, ela é enriquecedora. É como se persistisse uma espécie de incômodo para lidar com as diferenças, sejam elas quais forem. Nas palavras de Santiago, Akkari e Marques (2013, p.99), A concepção de igualdade predominante no contexto escolar incorre em um processo de padronização, orientando à informação de uma cultura comum a todos. Nesse processo, as diferenças são invisibilizadas e silenciadas, culminando em perspectivas pedagógicas de caráter monocultural, que associam a diferença ao déficit de cultural e à desigualdade. Tendo por concepção um ensino que compara, padroniza, reproduz fórmulas prontas, que não suscita a curiosidade de seus educandos, cabe reforçar a ideia de uma falsa aprendizagem, fruto de um falso ensinar. Ensinar para conduzir à efetiva aprendizagem implica em participação crítica por parte dos educandos. Segundo Freire (2013, p.26), Quando vivemos a autenticidade exigida pela prática de ensinaraprender, participamos de uma experiência total, diretiva, política, ideológica, gnosiológica, pedagógica, estética e ética, em que a boniteza deve achar-se de mãos dadas com a decência e com a serenidade. Ao pensar uma educação pautada nas relações interculturais, vislumbro uma mudança de olhar, de percepção do educando, menos violentado no cotidiano da escola. Desejo seu pertencimento, acolhimento, respeito e total participação. A interculturalidade

5 preocupa-se com o reconhecimento da diferença, repugna discriminação e tratamentos desiguais nos espaços da escola. A diversidade cultural não pode ser tratada como problema para a educação, mas como oportunidade de aprimoramento. A sala de aula é o local de encontro de vários diferentes sujeitos, que mediante sua interação, contribuem e valorizam o ambiente escolar. Urge acolher esses sujeitos, fazer com que se sintam parte do contexto em que estão inseridos, sem preconceito, discriminação ou qualquer tipo de sentimento avesso à pratica educativa. Nos ensinamentos de Mittler (2003, p.25). No campo da educação, a inclusão envolve um processo de reforma e de reestruturação das escolas como um todo, com o objetivo de assegurar que todos os alunos possam ter acesso a todas as gamas de oportunidades educacionais e sociais oferecidas pela escola. [...] O objetivo de tal reforma é garantir o acesso e a participação de todas as crianças em todas as possibilidades de oportunidades oferecidas pela escola e impedir a segregação e o isolamento. Tem-se conhecimento de que assuntos relativos à diversidade vêm sendo discutidos no âmbito internacional a partir da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, no entanto, a educação intercultural e a educação inclusiva são pouco conhecidas e por consequência, pouco vivenciadas em um grande número de escolas no Brasil. Tudo o que não é conhecido ou não é entendido, inúmeras vezes, é conduzido à negação. Partindo-se desse pressuposto, verifica-se tanta resistência em aceitar ou até mesmo, falar sobre mudanças. O tempo vem passando e sinto a necessidade de dialogarmos a respeito dos princípios da inclusão social e de uma educação intercultural. A sociedade é multicultural, os indivíduos que dela fazem parte são portadores de especificidades diversas e sendo assim, como imaginar que a escola seja formada por indivíduos iguais? Nas palavras de Santiago, Akkari e Marques (2013, p.100), Podemos considerar que o marco político e filosófico de maior envergadura histórica em caráter internacional no que se refere à perspectiva intercultural e de inclusão ocorreu no ano de 1990 com a Conferência de Jomtien (Tailândia), que resultou na Declaração Mundial sobre Educação para Todos (BRASIL, 1990).

6 Ainda que os avanços relativos à inclusão apresentem poucos e lentos resultados, a minha inquietude, a minha insatisfação com o meu semelhante discriminado, excluído, e até invisível no ambiente escolar, é uma forma de fomentar mudanças. Acredito que essa escola inclusiva e intercultural é possível. Movimentos que conduzem a ela têm que ser constantes. Assim, posso mencionar outro importante acontecimento em prol da inclusão: o documento da Declaração de Salamanca (BRASIL, 1994) apud Santiago, Akkari e Marques, reforça a ideia de que as escolas: [...] deveriam acomodar todas as crianças independentemente de suas condições físicas, intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas ou outras. Aquelas deveriam incluir crianças deficientes e superdotadas, crianças de rua e que trabalham, crianças de origem remota ou população nômade, crianças pertencentes a minorias linguísticas, étnicas ou culturais, e crianças de outros grupos desavantajados ou marginalizados (UNESCO, 1994). Essas declarações citadas acima tiveram por resultado, o desenvolvimento de políticas direcionadas ao acesso e permanência à educação no âmbito universal e passouse a discutir a seleção e exclusão de alunos em nossas escolas. O que parecia natural e aceitável até então, cede lugar a um repensar mais humano e coerente. A partir de então, contando com a participação e influência da UNESCO, o tema passa a ter maior visibilidade nas discussões sobre inclusão das diferenças. Em muitos casos, a escola considera-se cumpridora do papel educacional, o que na verdade não ocorre. O que pode ser observado, é mais uma vez a segregação, que agora acontece em um ambiente comum. Freire (2013, p.118) mostra que: Aceitar e respeitar a diferença é uma dessas virtudes sem o que a escuta não se pode dar. Se discrimino o menino ou a menina pobre, a menina ou o menino negro, o menino índio, a menina rica; se discrimino a mulher, a camponesa, a operária, não posso evidentemente escutá-las, e se não os escuto, não posso falar com elas, mas a elas, de cima para baixo. Sobretudo me proíbo entendê-las. Se me sinto superior ao diferente, não importa quem seja, recuso escutálo ou escutá-la. O diferente não é o outro a merecer respeito, é um isto ou aquilo, destratável ou desprezível. A educação inclusiva determina que todos os alunos de uma comunidade tem direito à educação, na mesma escola. A escola que se propõe a ser inclusiva não escolhe

7 ou seleciona seus alunos. Ao me deter à inclusão na educação e à educação intercultural, vislumbro reconhecer o pertencimento do aluno à escola, que é seu lugar de direito, usufruindo de um ambiente prazeroso, favorável à sua aprendizagem, à sua autonomia, à sua autoestima e à inclusão social que é o grande objetivo a ser alcançado pela formação integral do sujeito. Toda sua trajetória educacional terá sido representativa à medida que o aluno se tornar um ser atuante e dialogar com a sociedade na qual está inserido e por ela ser tratado com respeito e dignidade. Para que todo esse processo encontre eco, se propague e seja realmente uma realidade em todas as escolas, mudanças de paradigmas são fundamentais. Precisa-se construir, todos os dias, uma sociedade mais justa, mais solidária, que interaja com as diferenças e as conceba como atuantes da democracia, com poder como todos seus demais membros. Ela recebe todos, indistintamente. Ela tem lugar para todas as diferenças individuais. A riqueza do encontro se dá na diversidade. O convívio com alunos diversos em sua singularidade remete a uma viagem fantástica, em que horizontes vão sendo ampliados mediante a interação com o outro. Segundo Freire (2013, p.37), Faz parte igualmente do pensar certo a rejeição mais decidida a qualquer forma de discriminação. A prática preconceituosa de raça, de classe, de gênero ofende a substantividade do ser humano e nega radicalmente a democracia. Através de algumas leituras, tive a oportunidade de observar que o termo inclusão é empregado por alguns autores, relacionando-o a alunos portadores de deficiências. Prefiro me ater ao enfoque das diferenças tão importantes para o crescimento de todos. Para Santiago, Akkari e Marques (2013, p.104), Inclusão com princípio se refere, no entanto, a nosso ver, em questionar todos os processos de exclusão que acontecem na escola e na sociedade com todos os sujeitos; consequentemente, a educação inclusiva pretende desenvolver um processo educacional que contemple as diferenças. O apoio à educação inclusiva, com ênfase na interculturalidade, conduz à ideia de inserção, de pertencimento de todos os alunos no tempo e no espaço do ambiente escolar. A educação intercultural preocupa-se sobremaneira com aspectos interculturais, ou seja, com questões relacionadas à sensibilidade cultural, experiências relativas ao

8 tema, a emoções, a formas de representação de gênero, de justiça, de etnia, de discriminação. Todos os alunos são seres merecedores de educação e ela tanto mais se efetiva, se for praticada em um ambiente que acolhe a todos. Mais uma vez recorro a Santiago, Akkari e Marques (2013, p.105) por dizerem que: A educação inclusiva se baseia, pois, no direito de todos- crianças, jovens e adultos- receberem uma educação que satisfaça suas necessidades básicas de aprendizagem e enriqueça suas vidas. O objetivo da educação inclusiva, então seria fazer uma educação livre de práticas discriminatórias e segregacionistas, eliminando a exclusão em relação à etnia, à idade, à classe social, à religião, ao gênero e às habilidades. Todos os educandos possuem saberes. Seus saberes são socialmente construídos através da vivência em comunidade. Eles são reflexo da prática desenvolvida no espaço e no tempo em que vivem. Suas experiências representam um ponto de partida para o ensino de conteúdos. Essa realidade concreta, muitas vezes dura e cruel, possibilita maior eficácia em relação aos resultados obtidos no processo ensinoaprendizagem. Minhas ideias coadunam com as de Freire (2013, p.32) ao questionar: Por que não discutir com os alunos a realidade concreta a que se deva associar a disciplina cujo conteúdo se ensina, a realidade agressiva em que a violência é a constante e a convivência das pessoas é muito maior com a morte do que com a vida? Por que não estabelecer uma intimidade entre os saberes curriculares fundamentais aos alunos e a experiência social que eles com indivíduos? Para que se vivencie uma realidade educacional mais inclusiva e menos excludente, faz-se necessário o envolvimento de todos os atores que participam do processo educacional, sejam eles: administradores, especialistas, professores, funcionários e alunos. Todos precisam estabelecer uma espécie de parceria em benefício do educando, que representa o princípio e a finalidade da educação. Nessa perspectiva, o trabalho realizado pelos membros da escola recebe uma nova significação. Posturas, atitudes e hábitos são revistos e redimensionados, para que planejamento, metodologia, currículo, ou seja, tudo que conduz à aprendizagem, seja construído de forma conjunta, em benefício do educando.

9 Dando continuidade ao pensamento acerca da realização de um trabalho escolar de todos para todos e percebendo que apenas através de práticas dialógicas, melhores resultados podem ser obtidos, atribuo papel de destaque à figura do professor, por estar mais próximo do aluno. Cabe a ele, valendo-se de sua sensibilidade e conhecimento, identificar quais são os anseios e as necessidades de seus alunos, para então, desafiá-los na conquista da aprendizagem. Mediante tal postura, ele é capaz de promover a participação crítica de seus alunos. Ao professor compete perceber que conteúdos são indispensáveis a eles, sem impregná-los com assuntos desconectados da realidade e que provavelmente não possuem significação para suas vidas. Como relata Freire (2013, p.47), Quando entro em sala de aula devo estar sendo um ser aberto a indagações, à curiosidade, às perguntas dos alunos, a suas inibições; um ser crítico e inquiridor, inquieto em face da tarefa que tenho a de ensinar e não a de transferir conhecimento. O professor, ao abraçar a proposta de uma educação realmente inclusiva, com enfoque intercultural, passa a ressignificar a forma de planejar, o que planejar, com que objetivo planejar e para quem planejar. Com isso, seu planejamento e metodologia deixam de ser algo distante do aluno, elaborado sem levar em conta sua realidade social, econômica e cultural. O trabalho do professor transforma-se em uma construção feita em equipe, de forma coletiva, contando com a participação de todos. Santiago, Akkari e Marques (2013, p.111) dizem, O planejamento passa a ser participativo e coletivo, constituindo o substrato teórico-metodológico que norteia toda prática pedagógica, fortalecendo a interação escola, realidade social, teorias e práticas educacionais. A partir de então, o professor deixa de ser um simples transmissor de conhecimento, para tornar-se mediador de sua construção. Os conteúdos não são mais prontos e acabados, sem relação com a realidade dos alunos, mas adquirem significado. Outro ponto importante a ser comentado, refere-se à questão da avaliação, que passa a direcionar sua preocupação para o aluno real e não mais é pensada e elaborada em função de um aluno ideal, visto que o mesmo não existe. É fundamental conhecer o aluno para avaliá-lo. Avaliações que não levam em consideração o meio cultural do aluno, suas

10 condições de aprender, sua linguagem e seu ritmo pessoal de aprendizagem, não representam avaliações fidedignas. Educar para formar exige postura ética, ou seja, aquela que evita julgamentos que implicam no estabelecimento do que é certo ou errado, bom ou ruim, melhor ou pior. Freire (2013, p.34) nos adverte que, Não é possível pensar os seres humanos longe, sequer, da ética, quanto mais fora dela. Estar longe, ou pior, fora da ética, entre nós, mulheres e homens, é uma transgressão. É por isso que transformar a experiência educativa em puro treinamento técnico é amesquinhar o que há de fundamentalmente humano no exercício educativo: o seu caráter formador. Posicionar-se eticamente implica em dialogar com as diferentes formas de expressão, respeitando-as. Valores éticos ao inundarem os indivíduos, os constituem como sujeitos mais conscientes. Depois de muito refletir... Nesse desbravar de trilhas abertas ao caminhar, desejo que seja construída uma educação realmente formadora, democrática, inclusiva, que acolha as diferenças, que são por assim dizer, tão enriquecedoras. Embora tenha conhecimento de que essas trilhas são longas e por vezes árduas, os obstáculos precisam ser transpostos porque agir em benefício do outro é imperativo. Não é mais permitido lamentar, culpar e transferir responsabilidades, sem nada fazer. Acreditando e creditando na perspectiva intercultural, questiono a escola que não está aberta ao pertencimento de todos em seu espaço e seu tempo. A inclusão de todos não representa favor, caridade ou qualquer forma assistencialista. Ela é direito adquirido, ela é resultado de conquistas em benefício da educação. A inclusão das diferenças é o caminho para a conquista de uma escola que se enriquece diariamente através da troca de experiências, valores e posturas. Essa escola tão desejada, mais humanizada e consequentemente mais justa, é formada por atores de suas próprias histórias, indivíduos esses, que falam e são ouvidos, que pensam, refletem, criticam, agem e interagem com dignidade. Através dela, cidadãos conscientes do seu valor na e para a sociedade são formados e capacitados a atuar na construção dessa mesma sociedade.

11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. 47ª. Edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, MITTLER, Peter. Educação Inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, ALVES, Nilda. Pesquisa no/do cotidiano das escolas sobre redes de saberes/ Inês Barbosa de Oliveira e Nilda Alves (orgs.) Rio de Janeiro: DP&A, 2002, 2ª Edição. Metodologia e pesquisa do cotidiano. ALVES, Nilda. Sobre movimentos das pesquisas no/do/com os cotidianos. In: OLIVEIRA, I. B. DE; ALVES, N. (Orgs.). Pesquisa no/do/com os cotidianos das escolas sobre redes de saberes. Petrópolis: DP ET Alii, 2008, p SANTTIAGO, Mylene Cristina. Educação Intercultural: desafios e possibilidades/ Mylene Cristina Santiago, Abdejalil Akkari, Luciana Pacheco Marques. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

Assessoria da Área Pedagógica

Assessoria da Área Pedagógica Assessoria da Área Pedagógica Jane Carla Claudino Tosin jtosin@positivo.com.br 0800 725 3536 Ramal 1171 Imagem: http://escolakids.uol.com.br/dia-das-comunicacoes.htm acesso em 04/05/2016 Webs da semana:

Leia mais

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli Freire inicia sua obra esclarecendo o alvo (docentes formados ou em formação), colocando que

Leia mais

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método Relações pedagógicas Professor aluno Ensino aprendizagem Teoria e prática Objetivo e avaliação Conteúdo e método A linha mestra que norteia qualquer ação na educação está relacionada à relação humana.

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

Pedagogia da Autonomia. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

Pedagogia da Autonomia. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. Pedagogia da Autonomia FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. Pressupostos a Educação é libertadora desde que o seu sujeito seja

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Currículo escolar. Desafios e potencialidades. Formação dos jovens.

PALAVRAS-CHAVE: Currículo escolar. Desafios e potencialidades. Formação dos jovens. 01470 CURRÍCULO ESCOLAR: DESAFIOS E POTENCIALIDADES NA FORMAÇÃO DOS JOVENS Maria Perpétua do Socorro Beserra Soares 1 Eixo Temático: Didática e Prática de Ensino na Relação com a Sociedade Subeixo: Temas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CONHECIMENTOS TECIDOS NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REGIÃO SUL FLUMINENSE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CONHECIMENTOS TECIDOS NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REGIÃO SUL FLUMINENSE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CONHECIMENTOS TECIDOS NO COTIDIANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REGIÃO SUL FLUMINENSE Educação ambiental e conhecimentos tecidos no cotidiano de uma escola pública da região Sul Fluminense.

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 14) No documento - Progestão : como

Leia mais

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica,

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica, PROJETO TECENDO CIDADANIA: PROJETO DE APOIO AO ESTUDO DOS TEMAS TRANSVERSAIS Autores: Leonardo Cristovam de JESUS, aluno do IFC Campus Avançado Sombrio e bolsista do projeto. Ana Maria de MORAES, Pedagoga

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU519 DISCIPLINA: PRATICA EDUCATIVA I - DIDÀTICA CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: OBJETIVOS:

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Resolução Nº 01, de 12 de dezembro de 2012. Fixa Normas e Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos EJA

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DE UMA PEDAGOGIA INTER/MULTICULTURAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

AS PERSPECTIVAS DE UMA PEDAGOGIA INTER/MULTICULTURAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL AS PERSPECTIVAS DE UMA PEDAGOGIA INTER/MULTICULTURAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Simone de Jesus Sena da Silva Sousa IESM Carmen Lúcia de Oliveira Cabral - UFPI O presente estudo traz uma reflexão

Leia mais

Pedagogia da Autonomia Capítulo 1 Não há docência sem discência Paulo Freire. Délia Dilena Isabel Isaura Geovana Paulo Stéfany

Pedagogia da Autonomia Capítulo 1 Não há docência sem discência Paulo Freire. Délia Dilena Isabel Isaura Geovana Paulo Stéfany Pedagogia da Autonomia Capítulo 1 Não há docência sem discência Paulo Freire Délia Dilena Isabel Isaura Geovana Paulo Stéfany IDEIA CENTRAL A formação docente ao lado da reflexão sobre a prática educativa

Leia mais

PEDAGOGIA FREIREANA E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: repensando os saberes necessários à prática docente

PEDAGOGIA FREIREANA E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: repensando os saberes necessários à prática docente PEDAGOGIA FREIREANA E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: repensando os saberes necessários à prática docente Autores: GEIZA MARIA CAVALCANTE BRASIL E PÉRICLES LUIZ SALES DE SOUZA Introdução O presente trabalho é um estudo

Leia mais

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio A introdução da Sociologia no ensino médio é de fundamental importância para a formação da juventude, que vive momento histórico de intensas transformações sociais, crescente incerteza quanto ao futuro

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Nesta tese pesquisamos as concepções das categorias de empowerment, participação e dialogicidade, no contexto da Promoção da Saúde, como política pública proposta por alguns países

Leia mais

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Didática e Formação de Professores: provocações Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Vivemos tensões nas propostas e concretizações da formação inicial de professores, com padrões culturais formativos

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

DISCUTINDO CURRÍCULO NA ESCOLA CONTEMPORANEA: OLHARES E PERSPECTIVAS CRÍTICAS

DISCUTINDO CURRÍCULO NA ESCOLA CONTEMPORANEA: OLHARES E PERSPECTIVAS CRÍTICAS DISCUTINDO CURRÍCULO NA ESCOLA CONTEMPORANEA: OLHARES E PERSPECTIVAS CRÍTICAS Resumo Esse relato surgiu a partir de uma pesquisa exploratória realizada por 12 professores participantes envolvidos em 15

Leia mais

Agente de transformação social Orientador do desenvolvimento sócio-cognitivo do estudante Paradigma de conduta sócio-política

Agente de transformação social Orientador do desenvolvimento sócio-cognitivo do estudante Paradigma de conduta sócio-política CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO Ana Maria Iorio Dias março/2012 Educação função social primordial a incorporação ativa de conhecimentos e experiências i produzidas por gerações e sua socialização; produção do

Leia mais

A GESTÃO ESOLAR EM UMA PRÁTICA DE ENSINO DEMOGRÁTICA E PATICIPATIVA

A GESTÃO ESOLAR EM UMA PRÁTICA DE ENSINO DEMOGRÁTICA E PATICIPATIVA A GESTÃO ESOLAR EM UMA PRÁTICA DE ENSINO DEMOGRÁTICA E PATICIPATIVA Izanete Maria Silva de Lima Graduada em Ciências Sociais pela UFCG e-mail: izannete@hotmail.com José Wellington Farias da Silva Graduado

Leia mais

AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS. Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998

AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS. Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998 AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998 QUEM É O PROFESSOR? QUEM É O ALUNO? COMO DEVE SER O ENSINO? COMO

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 1 INTRODUÇÃO 1.3. Os fundamentos pedagógicos da BNCC Compromisso com a formação e o desenvolvimento humano global (dimensões

Leia mais

A inclusão dos portadores de necessidades especiais no atual contexto socioeducacional

A inclusão dos portadores de necessidades especiais no atual contexto socioeducacional A inclusão dos portadores de necessidades especiais no atual contexto socioeducacional N Marcos Tadeu Bacci Coimbra (Supervisor de Ensino da Rede Oficial do Estado de São Paulo) ão é possível efetuar qualquer

Leia mais

O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS

O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Luana Firmino Lobo Licenciada em Pedagogia e Mestranda em Educação

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio TEMA CADERNO 3 : O CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO, SEUS SUJEITOS E O DESAFIO DA FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL Moderadora: Monica Ribeiro da Silva Produção: Rodrigo

Leia mais

PROJETO DE INTERCULTURALIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE

PROJETO DE INTERCULTURALIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE Portaria de Autorização nº. 65 de 16 de Janeiro de 2009 1-8 CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO (NUPE) PROJETO DE INTERCULTURALIDADE

Leia mais

O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carmen Lucia Lopes Galvão Universidade Estadual do Rio de Janeiro - lumiar13@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Este estudo buscará refletir sobre o autismo e o papel do educador na

Leia mais

CONHECENDO SUA PROFISSÃO III

CONHECENDO SUA PROFISSÃO III CONHECENDO SUA PROFISSÃO III META Levar o aluno a conhecer a profissão de Biólogo Professor. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar as principais dificuldades encontradas na profissão;

Leia mais

AS BARREIRAS DE COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO DO SUJEITO SURDO

AS BARREIRAS DE COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO DO SUJEITO SURDO AS BARREIRAS DE COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO DO SUJEITO SURDO Carina Fiuza dos Santos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Arlindo Fernando Paiva de Carvalho Junior Instituto Benjamin Constant Universidade

Leia mais

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Curso Gestão para Educação de Qualidade 1 TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Sonia Balzano... a escola de qualidade é aquela que tem como valor fundamental a garantia dos direitos de aprendizagem

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

Armando Traldi Júnior

Armando Traldi Júnior www.fisem.org/web/union http://www.revistaunion.org ISSN: 1815-0640 Número 48. Diciembre 2016 Página 232-237 Reseña de los libros: Desafios da Educação Inclusiva: formação de professores e práticas Armando

Leia mais

UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP

UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP UMA MATEMÁTICA PARA O PROJETO DE REFORÇO ESCOLAR NO SEGUNDO CICLO DE ENSINO Cristiane Custodio de Souza Andrade UERJ/FFP custodioandrade@uol.com.br Resumo: Este trabalho apresenta parte das investigações

Leia mais

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES Um desafio para a igualdade numa perspectiva de gênero Ituporanga 30/04/04 Conferência Espaço de participação popular para: Conferir o que tem sido feito

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS. Antonia Edna Brito/UFPI

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS. Antonia Edna Brito/UFPI FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS Antonia Edna Brito/UFPI 1 UMA PAUTA POSSÍVEL... Palavras Iniciais Sobre Formação Inicial Sobre Formação Continuada

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA. A Geografia Levada a Sério

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA.  A Geografia Levada a Sério ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA 1 Educação é aquilo que a maior parte das pessoas recebe, muitos transmitem e poucos possuem Karl Kraus 2 Fundamentos de Políticas Públicas O TRONO DE ESTUDAR

Leia mais

Ar t e-e d u c a ç ã o

Ar t e-e d u c a ç ã o Ar t e-e d u c a ç ã o 99 100 1º Co n g r e s s o In t e g r a d o do Co n h e c i m e n t o: Vi d a, So c i e d a d e e Fu t u r o A p r á t i c a d o e n s i n o d e a r t e n a s a l a d e a u l a:

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Educação Física Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1º, 2º, 3º Ano Carga Horária: 80h/a (67/H) Docente Responsável: EMENTA

Leia mais

Inclusão Social. Dra.Nadia A. Bossa

Inclusão Social. Dra.Nadia A. Bossa Inclusão Social Dra.Nadia A. Bossa Uma viagem de mil milhas começa com um único passo. filósofo Lao Tse Dra.Nadia A. Bossa É conhecida a dificuldade do ser humano para lidar com a diferença. Historicamente

Leia mais

ESTUDANTES COM DEFICIENCIA INTELECTUAL

ESTUDANTES COM DEFICIENCIA INTELECTUAL ESTUDANTES COM DEFICIENCIA INTELECTUAL EM ESCOLAS DEMOCRÁTICAS: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Ma. Julia Gomes Heradão Dra. Elisa Tomoe Moriya Schlunzen UNESP Presidente Prudente Eixo Temático: Práticas Pedagógicas

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

O TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO ESCOLAR: ANALISE, REFLEXÃO E FORMAÇÃO EM FOCO.

O TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO ESCOLAR: ANALISE, REFLEXÃO E FORMAÇÃO EM FOCO. O TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO ESCOLAR: ANALISE, REFLEXÃO E FORMAÇÃO EM FOCO. João Diego da Silva Ferreira; Lúcia Monteiro Padilha; Genylton Odilon Rêgo da Rocha Universidade

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY Introdução Este artigo é resultado de uma experiência com formação continuada

Leia mais

INCLUSÃO: SOMOS DIFERENTES, MAS IGUAIS 1

INCLUSÃO: SOMOS DIFERENTES, MAS IGUAIS 1 INCLUSÃO: SOMOS DIFERENTES, MAS IGUAIS 1 Claudete Freitas de Andrade 2 INTRODUÇÃO O presente relato trata de um projeto Inclusão: Somos diferentes, mas iguais, desenvolvido no Primeiro Ano do Ensino Fundamental

Leia mais

TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL

TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL TESE DE DOUTORADO MEMÓRIAS DE ANGOLA E VIVÊNCIAS NO BRASIL: EDUCAÇÃO E DIVERSIDADES ÉTNICA E RACIAL Marciele Nazaré Coelho Orientadora: Profa. Dra. Roseli Rodrigues de Mello Por: Adriana Marigo Francisca

Leia mais

PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E A INCLUSÃO ESCOLAR

PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E A INCLUSÃO ESCOLAR PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E A INCLUSÃO ESCOLAR Flores, A. S. 1,* ; Pagliarini, C.D. 1 ; Escolano, A. C. M. 1 ; Maltoni, K, L. 1 andrezza_flores@hotmail.com 1 Faculdade de Engenharia Campus de Ilha

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO PÓS-GRADUANDOS NA ESCOLA

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO PÓS-GRADUANDOS NA ESCOLA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO PÓS-GRADUANDOS NA ESCOLA Inclusão Escolar: reflexão e mão na massa Marcos Rodrigo Louvem da Rosa São Paulo 2016 1 Apresentação e Justificativa O acesso de educandos

Leia mais

Ser diferente, faz a diferença

Ser diferente, faz a diferença Ser diferente, faz a diferença DEDICATÓRIA " O amor tem feito coisas que até Deus duvida..." Ivan Lins A todas as pessoas que me fazem ver a convivência com as diferenças como uma oportunidade de descobrir

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O USO DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVA

CONTRIBUIÇÃO PARA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O USO DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVA CONTRIBUIÇÃO PARA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O USO DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVA Francisca Tamires Alves da Silva¹, Jacicleide Rodrigues de Sousa², Simone Pereira Camboim³, Nadia Farias dos Santos. ¹Universidade Estadual

Leia mais

OFICINA: Aprendizagem no Ensino Superior. FORMADORAS: Profa. Blaise K. C. Duarte Profa. Lourdes Furlanetto Profa. Luciane Nesello

OFICINA: Aprendizagem no Ensino Superior. FORMADORAS: Profa. Blaise K. C. Duarte Profa. Lourdes Furlanetto Profa. Luciane Nesello OFICINA: Aprendizagem no Ensino Superior FORMADORAS: Profa. Blaise K. C. Duarte Profa. Lourdes Furlanetto Profa. Luciane Nesello IDENTIFICAÇÃO: Aprendizagem no Ensino Superior FORMADORES (AS): PLANO DE

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PLANEJAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PERSPECTIVAS DO PLANEJAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PERSPECTIVAS DO PLANEJAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES Raquel Silva Vieira raquel.vieirajp@gmail.com Joselucia Rodrigues de Araújo joseluciarodrigues@gmail.com Maria Gorete Pereira

Leia mais

Oficina para Comunicação Assistiva em Deficiência Auditiva

Oficina para Comunicação Assistiva em Deficiência Auditiva Oficina para Comunicação Assistiva em Deficiência Auditiva Aula 19 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL INTEGRADA À EDUCAÇÃO BÁSICA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL INTEGRADA À EDUCAÇÃO BÁSICA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL INTEGRADA À EDUCAÇÃO BÁSICA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Descrição do Curso O curso tem duração de 360 horas sendo

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CONSELHO ESCOLAR PARA UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

AS CONTRIBUIÇÕES DO CONSELHO ESCOLAR PARA UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA AS CONTRIBUIÇÕES DO CONSELHO ESCOLAR PARA UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Priscila Cavalcante Silva Universidade Estadual do Ceará- UECE Priscilacavalcante-@hotmail.com Resumo A importância de uma educação pública

Leia mais

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Autor: EDILSON JOSÉ DE CARVALHO E ANA ALICE Introdução Este trabalho é uma síntese das aulas da professora Ana Alice, que administrou a disciplina:

Leia mais

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação.

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação. CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação. 41 Conforme as Diretrizes Nacionais Gerais para a Educação Básica, a

Leia mais

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral 1. Conceito A Educação Integral (EI) é uma concepção que compreende que a educação deve garantir o desenvolvimento dos sujeitos em todas as suas

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O PROCESSO DE INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NOS ANOS INICIAIS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O PROCESSO DE INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NOS ANOS INICIAIS A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O PROCESSO DE INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NOS ANOS INICIAIS Natalia Barbosa Verissimo Profª Dra. Célia Regina Vitaliano Danielle Nunes Martins do

Leia mais

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8 GRUPO 5.1 MÓDULO 8 Índice 1. O Processo de Organização Escolar...3 1.1. Pensando para a Prática... 3 2 1. O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO ESCOLAR O processo de organização escolar dispõe de etapas a fim de que

Leia mais

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL Kelen dos Santos Junges - UNESPAR/Campus de União da Vitória Mariane de Freitas - UNESPAR/Campus de União da Vitória

Leia mais

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania.

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DEMOCRACIA REGIME PAUTADO NA SOBERANIA POPULAR E NO RESPEITO

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES LEMOS, Rita Maria - CEFET-MG/Araxá - ritamaria.lemos@gmail.com VIEIRA, Vânia Maria de Oliveira. UNIUBE - vaniacamila@uol.com.br

Leia mais

Construção coletiva. Infantil Currículo da Educação Infantil. Diretrizes Municipais da Educação. Municípios pertencentes - AMOSC

Construção coletiva. Infantil Currículo da Educação Infantil. Diretrizes Municipais da Educação. Municípios pertencentes - AMOSC Diretrizes Municipais da Educação Infantil Currículo da Educação Infantil Construção coletiva 2015 Municípios pertencentes - AMOSC Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 AMOSC-EGEM-FECAM

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases

Lei de Diretrizes e Bases Lei de Diretrizes e Bases 01. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases, a avaliação do desempenho do aluno deverá ser contínua e cumulativa, considerando-se a: a) prevalência dos aspectos quantitativos sobre

Leia mais

Grupo de Trabalho: GT03 CULTURAS JUVENIS NA ESCOLA. IFPR - Instituto Federal do Paraná (Rua Rua Antônio Carlos Rodrigues, Porto Seguro, PR)

Grupo de Trabalho: GT03 CULTURAS JUVENIS NA ESCOLA. IFPR - Instituto Federal do Paraná (Rua Rua Antônio Carlos Rodrigues, Porto Seguro, PR) Grupo de Trabalho: GT03 CULTURAS JUVENIS NA ESCOLA Sandra Amarantes ¹, Maicon Silva ² IFPR - Instituto Federal do Paraná (Rua Rua Antônio Carlos Rodrigues, 453 - Porto Seguro, PR) ÉTICA E HUMANIZAÇÃO NO

Leia mais

APRENDER E ENSINAR: O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA GRADUAÇÃO Leise Cristina Bianchini Claudiane Aparecida Erram Elaine Vieira Pinheiro

APRENDER E ENSINAR: O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA GRADUAÇÃO Leise Cristina Bianchini Claudiane Aparecida Erram Elaine Vieira Pinheiro APRENDER E ENSINAR: O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA GRADUAÇÃO Leise Cristina Bianchini Claudiane Aparecida Erram Elaine Vieira Pinheiro Resumo Neste texto, discute-se o estágio em docência desenvolvido em cursos

Leia mais

Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA

Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA Expectativas de aprendizagem: transposição do currículo prescrito para a prática docente Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA Professor(es) Apresentador(es): ALEX SILVIO DE

Leia mais

ATITUDES ÉTICAS: a escola e as influências sobre o comportamento do adolescente 1

ATITUDES ÉTICAS: a escola e as influências sobre o comportamento do adolescente 1 ATITUDES ÉTICAS: a escola e as influências sobre o comportamento do adolescente 1 Renata Cleiton Piacesi Corrêa 2 ; Larissa Alves da Silva 3 INTRODUÇÃO Como devemos agir? Quais atitudes devem ser realizadas?

Leia mais

APAE - Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Cascavel PROJETO APOSTILAS ADAPTADAS

APAE - Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Cascavel PROJETO APOSTILAS ADAPTADAS APAE - Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Cascavel PROJETO APOSTILAS ADAPTADAS APRESENTAÇÃO Professora: Maria de Fatima da Silva Eckstein fatima_eckstein@hotmail.com É Especialista em Magistério

Leia mais

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA Carmen Célia Barradas Correia Bastos- UNIOESTE/Cascavel/PR Nelci Aparecida

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR

EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR 1 EDUCAÇÃO INFANTIL E A SEXUALIDADE: O OLHAR DO PROFESSOR Laísa Mayda Santos Ferreira Estudante do Curso de Licenciatura em Pedagogia Universidade Federal da Paraíba UFPB Campus IV, laisa_mayda_rb@hotmail.com

Leia mais

MINICURSO - PRÁTICAS DE ENSINO E FORMAÇÃO DOCENTE. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: QUEFAZER NA SALA DE AULA MARIA JOSE CALADO, MARIA JOSÉ DE SOUZA MARCELINO

MINICURSO - PRÁTICAS DE ENSINO E FORMAÇÃO DOCENTE. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: QUEFAZER NA SALA DE AULA MARIA JOSE CALADO, MARIA JOSÉ DE SOUZA MARCELINO MINICURSO - PRÁTICAS DE ENSINO E FORMAÇÃO DOCENTE. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: QUEFAZER NA SALA DE AULA MARIA JOSE CALADO, MARIA JOSÉ DE SOUZA MARCELINO Neste trabalho, apresentaremos pressupostos teóricos e legais

Leia mais

23/08/2013. Pedagogia. Sete princípiosde diferenciaçãoda qualidade profissional docente conforme Pinheiro (2013):

23/08/2013. Pedagogia. Sete princípiosde diferenciaçãoda qualidade profissional docente conforme Pinheiro (2013): Pedagogia Profª Adriana Barroso de Azevedo Planejamento das atividades de ensino: processo de construção de aula e ambiência de aprendizagem Do ensinar conteúdos à ambiência da aprendizagem desafios da

Leia mais

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE 1 CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Joana D`arc Anselmo da Silva Estudante do Curso de Licenciatura em Pedagogia, bolsista PIBID Universidade Federal da Paraíba. UFPB Campus IV, joanadarc945@gmail.com

Leia mais

Escola inclusiva e o professor

Escola inclusiva e o professor Escola inclusiva e o professor Profa Sandra Braga Temas 1- Escola inclusiva 2- Currículo na escola inclusiva 3- O professor inclusivo e sua formação 4- Práticas de sala de aula inclusiva 5- Flexibilização

Leia mais

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO Maria Isabel Francisco da Silva 1 FIP- Faculdades Integradas de Patos Isabelsilva04@hotmail.com RESUMO Neste trabalho apresenta-se uma discussão e reflexão sobre

Leia mais

O papel do professor mediador escolar e comunitário

O papel do professor mediador escolar e comunitário Mediação Escolar e Comunitária O papel do professor mediador escolar e comunitário Edson Felix de Pontes Setembro de 2016 PMEC Quem sou? Onde estou? Para onde vou? PMEC Quem sou? Para entender o papel

Leia mais

Currículo Escolar. Contextualização. Instrumentalização. Teleaula 2. Refletir sobre currículo. Profa. Me. Inge R. F. Suhr

Currículo Escolar. Contextualização. Instrumentalização. Teleaula 2. Refletir sobre currículo. Profa. Me. Inge R. F. Suhr Currículo Escolar Teleaula 2 Contextualização Profa. Me. Inge R. F. Suhr Que realidade se põe? Como isso afeta a questão do currículo? Refletir sobre currículo Expansão industrial X finalidade da educação

Leia mais

REFELEXÃO SOBRE OS SABERES NECESSÁRIOS Á PRÁTICA EDUCATIVA - PAULO FREIRE

REFELEXÃO SOBRE OS SABERES NECESSÁRIOS Á PRÁTICA EDUCATIVA - PAULO FREIRE REFELEXÃO SOBRE OS SABERES NECESSÁRIOS Á PRÁTICA EDUCATIVA - PAULO FREIRE BARBOSA, Dayane Rodrigues 1 ; FERREIRA, Marilda de Lima Oliveira 2 ; MARIANO, Jeryka Thawany Silva 3 ; SOUZA, João Paulo Francisco

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADA À INCLUSÃO SOCIAL

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADA À INCLUSÃO SOCIAL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADA À INCLUSÃO SOCIAL RESUMO MENEGUCE, Beatriz 1 bmeneguce@hotmail.com PAULINO, Paulo César 2 paulino@utfpr.edu.br Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS Andrea Soares Wuo Aline Martins Varela Juliany Mazera Fraga Rita Buzzi Rausch Universidade Regional de Blumenau FURB Eixo Temático: Política

Leia mais

A Educação para a paz na formação de professores

A Educação para a paz na formação de professores 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO A Educação para a paz na formação de professores : Vandoski, Josiane Miranda. Apresentador : Vandoski, Josiane Miranda. Autor RESUMO:

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

Ensino Religioso nas Escolas Públicas

Ensino Religioso nas Escolas Públicas Ensino Religioso nas Escolas Públicas Fundamentação legal: Constituição Federal de 1988: qdo reconhece os direitos sociais dos cidadãos e estabelece a promoção da cidadania e da dignidade como dever do

Leia mais

ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL

ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL Marta Gertel RESUMO: Nos últimos anos, a proposta de inclusão escolar tem gerado uma modalidade de atividades cujo objetivo principal é

Leia mais

VMSIMULADOS QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP 1

VMSIMULADOS QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP  1 CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CE EA FP PE PP WWW.VMSIMULADOS.COM.BR 1 CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS CURRÍCULO ESCOLAR ENSINOAPRENDIZAGEM FORMAÇÃO DO PROFESSOR PLANEJAMENTO ESCOLAR PROJETO PEDAGÓGICO CURRÍCULO

Leia mais

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda A proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil deve ter como objetivo garantir à

Leia mais

Jacques Therrien, UFC/UECE

Jacques Therrien, UFC/UECE Jacques Therrien, UFC/UECE ALGUNS PRINCÍPIOS QUE FUNDAMENTAM PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAR: É O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E DE RECONSTRUÇÃO CRIATIVA DE SI E DO MUNDO SOCIAL ONDE CONVIVEMOS É

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

Ressignificação da juventude

Ressignificação da juventude Ressignificação da juventude Seminário de Integração Favela-Cidade Regina Novaes. maio de 2012 MESA 5: Ressignificação da juventude A proliferação de atividades ilegais e o constante isolamento das favelas

Leia mais

AÇÃO PEDAGÓGICA NAS CRECHES: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AÇÃO PEDAGÓGICA NAS CRECHES: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL AÇÃO PEDAGÓGICA NAS CRECHES: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL OLGADO, Maiara Daiane da Silva 1 mai_daiane_olgado@hotmail.com TORSI, Elizabeth Ângela dos Santos

Leia mais

Nas palavras de Gadotti:

Nas palavras de Gadotti: Nas palavras de Gadotti: Todo projeto supõe rupturas com o presente e promessas para o futuro. Projetar significa tentar quebrar um estado confortável para arriscar-se, atravessar um período de instabilidade

Leia mais

CARTA DE COMPORTAMENTOS

CARTA DE COMPORTAMENTOS STOP BULLYING! Uma abordagem baseada nos direitos humanos para combater o bullying e a discriminação CARTA DE COMPORTAMENTOS Projeto Co- Projeto Stop Bullying: Uma abordagem baseada nos direitos humanos

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO ÂMBITO ESCOLAR

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO ÂMBITO ESCOLAR INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO ÂMBITO ESCOLAR Fonte: https://scontent.fplu1-1.fna.fbcdn.net/v/t34.0-0/p206x206/14080997_1264335063576553_179639638 5_n.png? Discentes: Bruno Holmo Camila Rebouças Julia Imparato

Leia mais

ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS

ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS ATIVIDADE DOCENTE: UMA ANÁLISE DOS SENTIDOS E SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS POR UM/A PROFESSOR/A DA REDE PÚBLICA DE ALAGOAS Elaine de Holanda Rosário - Universidade Federal de Alagoas (UFAL/CEDU) Elainerosarioholanda@yahoo.com.br

Leia mais

O PMEC E SUA FUNÇÃO DENTRO DAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS: UMA ANÁLISE A PARTIR DA D.E. REGIÃO BAURU /SP 2012

O PMEC E SUA FUNÇÃO DENTRO DAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS: UMA ANÁLISE A PARTIR DA D.E. REGIÃO BAURU /SP 2012 O PMEC E SUA FUNÇÃO DENTRO DAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS: UMA ANÁLISE A PARTIR DA D.E. REGIÃO BAURU /SP 2012 Trabalho de Conclusão de curso apresentado ao curso de pós-graduação Lato Sensu em Ética, Valores

Leia mais

PROJETO DE NIVELAMENTO: REFLEXÕES SOBRE LEITURA, ESCRITA E REGULAÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS DO ALUNO INGRESSANTE

PROJETO DE NIVELAMENTO: REFLEXÕES SOBRE LEITURA, ESCRITA E REGULAÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS DO ALUNO INGRESSANTE 1 PROJETO DE NIVELAMENTO: REFLEXÕES SOBRE LEITURA, ESCRITA E REGULAÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS DO ALUNO INGRESSANTE COORDENAÇÃO GERAL: PROFª. Drª MARINA PINHEIRO FORTUNATO 1. INTRODUÇÃO O tema deste projeto

Leia mais