O TEXTO NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM: ESPECIFICIDADES E LIMITES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TEXTO NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM: ESPECIFICIDADES E LIMITES"

Transcrição

1 O TEXTO NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM: ESPECIFICIDADES E LIMITES Freda Indursky UFRGS Introdução: situando a reflexão Falar em texto consiste em uma tarefa bastante complexa, pois, desde os bancos escolares, ouvimos falar de texto e com ele trabalhamos. Este fato, de certa maneira, naturaliza esta noção e ela passa a fazer parte do senso comum - todos sabem o que é texto: sabemos, desde sempre, que texto é verbal, que deve apresentar-se de forma escrita, que esta forma deve apresentar clareza, e precisa ter começo, meio e fim. Este é um pré-construído, da ordem do todo mundo sabe o que é. Meu propósito, neste ensaio, será colocar este pré-construído sob observação, com o intuito de desfazer esta naturalização de sentido. Para tanto, proponho-me fazer uma reflexão sobre a categoria texto. Esta passagem do texto empírico para a categoria texto me possibilita sair do préconstruído, do senso comum, e iniciar uma reflexão que leva em conta diferentes enfoques teóricos, todos inscritos nos estudos da linguagem. Pensar a categoria texto vai permitir-me salientar que, dependendo da concepção teórica, texto pode ser entendido diferentemente, suas propriedades textuais podem ser mais ou menos numerosas e, inclusive, diferentes. Ou seja: desejo deixar de lado o que todo mundo já sabe para passar a examinar o texto à luz de diferentes teorias. Este é o propósito deste ensaio. Mais exatamente: vou examinar a noção de texto pelo viés da Lingüística Textual, da Teoria da Enunciação, da Semiótica e da Análise do Discurso. Tomo estas quatro diferentes teorias que estudam a linguagem e que, por conseguinte, pensam direta ou indiretamente sobre a categoria texto para desnaturalizar o entendimento que se tem sobre esta noção, já que ele não é concebido de forma idêntica nesses quadros teóricos. O sentido de texto muda de acordo com o aparato teórico de que nos cercamos para concebê-lo. E, se a concepção de texto não é a mesma para todos, também não é idêntico o trabalho que sobre ele pode ser realizado. Para trilhar este caminho, vou interrogar cada um destes quadros teóricos para deles apreender o que é texto. 1. Entrando no túnel do tempo Antes de começar, porém, desejo fazer um outro tipo de viagem. Quero entrar no túnel do tempo, em busca de um possível momento em que a noção de texto começou a ser formulada. Este passeio me levou a Quintiliano, que tomo, para os propósitos deste trabalho, como efeito de discurso fundador (ORLANDI, 1993, p. 7) de uma reflexão sobre o texto. Para tanto, vou referi-lo através de Adam (1999) que, por sua vez, remete aos estudos de Barbotin e de Rigolot. Adam registra que o conceito de texto` começou a tomar consistência a partir das reflexões de Quintiliano. Assim, lendo Quintiliano através de Adam, e das relações que este autor estabelece com outros teóricos, podemos ver que esta é uma preocupação que tem atravessado muitos séculos. Vejamos a citação: No Livro IX da Instituição Oratória, Quintiliano associa o texto textus e textum a compositio, isto é, a inventio (escolha dos argumentos), a elocutio (colocação em palavras) e a dispositio (colocação em ordem ou plano do texto), todas reunidas. O textus (IX, 4, 13) está próximo da bela conjunctura 1 (...), é o que reúne, junta ou organiza elementos diversos e mesmo díspares, o que os transforma em um todo organizado` (Vinaver, 1970). Esta conjunctura` é a tradução do latim junctura da Ars Poetica de Horácio (verso e ). Quanto a textum (IX, 4, 17), ele está mais próximo da infinita contextura dos debates` dos Essais (livro II, 17) de Montaigne, isto é, da idéia de composição aberta e menos acabada. O texto é assim definido 1 Conjointure, em francês.

2 desde a origem, tanto por sua unidade quanto por sua abertura e compete a nós não esquecer deste duplo funcionamento constitutivo (ADAM, 1999, p.5-6; a tradução é minha). Seguindo as pistas deixadas por Adam, na citação acima, decidi ir ao dicionário Latim- Português (FARIA, 1956), para examinar os termos latinos por ele citados e alguns outros que me parecem vinculados a este mesmo objeto que estou investigando, o texto. E, esta ida ao Dicionário Latino me mergulhou no mundo clássico onde me deparei com um resultado bastante instigante. Vejamos, um a um, os termos que pesquisei nesta minha garimpagem inicial. Comecei por conjunctura. A primeira palavra latina que encontrei foi conjuncte, advérbio, que significa conjuntamente, ao mesmo tempo. Continuando minha busca, selecionei conjunctim, também advérbio, que significa conjuntamente. Continuando, localizei conjunctio, ones, um substantivo que, em seu sentido próprio, significa união, ligação, mas que, na Retórica, pode assumir outros sentidos, dos quais vou reter apenas um, o de ligação harmoniosa das palavras na frase, tal como foi usado por Cícero. Depois tomei a palavra junctura, substantivo. Para este termo, encontrei juntura, cujo sentido próprio é lugar em que duas partes se juntam, segundo o uso que Virgílio fez na Eneida (12, 274). E Horácio, em sua Ars Poetica (47), tal como já havia sido registrado por Adam, na citação acima, utilizou-o também para falar de estilo, significando ligação, conexão, composição, combinação (de palavras). Vejamos, a seguir, o termo textus, substantivo masculino. Para ele, encontrei contextura, encadeamento, conforme uso que dele fez Lucrécio (4, 728). Já para Textum, substantivo neutro, há um registro bastante significativo em Metamorfoses, de Ovídio: tecido, pano de onde, por extensão, Virgílio, na Eneida (8, 625) vai usar com o sentido de obra formatada de várias partes reunidas, decorrendo daí o sentido de contextura. Mas, se há contextura em Português, me indaguei se também haveria em Latim e qual seria seu significado. Eis o resultado de minha busca. Inicialmente, me deparei com contextus, substantivo masculino que remete, em Cícero, para dois sentidos diversos. O primeiro, (em De Finibus Bonorum et Malorum, 5, 32), corresponde a reunião e o segundo, (em Partitiones Oratoriale, 82) remete a contextura de um discurso. Então, por fim, fui buscar a palavra textura. Substantivo que significa, segundo o uso que dele faz Plauto (Stichus 2, 348), tecido, contextura, encadeamento. Como é possível verificar, esta minha garimpagem inicial revela que a questão do texto é bem antiga e era pensada por autores clássicos do mundo romano que se ocupavam de Oratória, de Filosofia e de Gramática. Sobre esta questão, vale explicitar que Cícero ( a.c.) deixou uma vasta obra que pode ser dividida em duas grandes partes: tratados de argumento retórico e tratados de argumento filosófico, no interior das quais refletiu, dentre muitas questões de natureza política, filosófica, religiosa, moral, sobre a retórica e, neste âmbito, refletiu sobre a questão que aqui nos mobiliza, o texto. Cabe também destacar que Quintiliano (30-96 d. C) estudou e, posteriormente, ensinou retórica. Sua obra mais importante, De Institutione Oratória (95 d.c.), se ocupa da linguagem, mais exatamente, da gramática e da retórica. Para Quintiliano, segundo Pereira (2000), a Gramática se divide em duas partes: a arte de falar corretamente e a explicação dos poetas, sendo que as regras da escrita devem se combinar com as do falar. Ou seja, cabia à gramática determinar, a partir dos autores que formavam o cânone clássico, os usos da língua considerados legítimos e cabia à retórica atualizar, no discurso, aqueles usos, com o objetivo de convencer. Se me detive tão longamente sobre estes dois retóricos romanos, foi para mostrar que a gramática daqueles tempos clássicos se interessava pela arte de bem falar e de bem escrever, o que conduzia a pensar necessariamente no texto, como foi possível verificar pelas citações que fiz mais acima e pelas citações feitas por Adam. Ainda segundo este autor, (idem, ib.), na França, durante o Renascimento, o interesse pelo texto era muito grande. E se esta preocupação se fazia presente entre os romanos e, posteriormente, na Renascença, cabe questionar o que determinou seu desaparecimento dos estudos que se seguiram. Qual o acontecimento que vai determinar o declínio da reflexão em torno do texto é a questão que desejo 2 Este é o título de uma imitação, assinada por Plauto, de uma comédia de Menandro.

3 formular, neste momento em que aponto para os antecedentes dos estudos textuais. Para respondêla, vou formular três diferentes hipóteses. A primeira, e, para mim, muito forte, é a passagem dos estudos em Latim para os estudos nas diferentes línguas neolatinas. Na França, esta passagem determinou o surgimento da Gramática Geral e Razoada, a Gramática de Port-Royal (1775/1783) e, em Portugal, a Grammatica philosóphica da língua portuguesa; princípios da gramática geral applicados a nossa linguagem, de Soares Barboza, nos Estas gramáticas destinavam-se a descrever as novas línguas, examinando suas letras e sons, sua composição silábica, as palavras, as diferentes categorias gramaticais, tal como estas ocorrem ainda hoje nas gramáticas contemporâneas. Ou seja: entre a gramática de uma língua clássica, como o Latim, e a Gramática das novas línguas, mudanças ocorreram, as quais refletem a conjuntura política, econômica e lingüística dos novos tempos. Enquanto em De Institutione Oratória, Quintiliano trabalhava com uma língua de tradição e de erudição, buscando nos grandes mestres que dela se serviram os exemplos para ensinar oratória a seus discípulos, nas novas gramáticas que vão surgindo após o declínio do uso do Latim como língua de Cultura, o trabalho é outro: é preciso estabelecer as novas línguas, fixar suas regras fonéticas, morfológicas e sintáticas. É preciso descrever a nova língua para que ela possa prestar-se às mais diferentes manifestações da comunidade que a utiliza. O surgimento destas novas línguas está, pois, diretamente relacionado com o declínio do Império Romano, o que determinou, por sua vez, o declínio do uso do latim. Esta conjuntura determina uma nova tarefa aos gramáticos: descrever as novas línguas. Esta passagem não se faz sem transformações fortes, sem deslocamentos importantes. Nesta passagem da gramática da Institutione Oratória para as Gramáticas Razoadas ocorre uma perda importante: não mais se fala em oratória e em retórica. Por um lado, não mais havia uma tribuna a ocupar. Por outro, objetivos mais prementes se impunham. Mas a arte de falar bem parece que fica como uma presença ausente, pois ela ainda é mencionada, mas isto deve se dar pela simples aprendizagem das regras da língua. Os gramáticos formulavam regras que pudessem dar conta do bom uso da língua. Aquele que as dominasse, teria a sua disposição a arte de falar bem, mas sem entrar na Oratória ou na Retórica. Diria que, com o desaparecimento da Retórica e da Oratória, inicia o apagamento do texto no interior da gramática. É sabido que os grandes gramáticos das línguas modernas não tomaram o texto como objeto de análise. E isto se dá porque eles entendiam que se um falante domina as regras gramaticais e sabe fazer frases bem formadas então também sabe compor textos bem formulados, porque os textos são constituídos pela combinação de sílabas, palavras e frases. Para isto, basta remontar aos sentidos pesquisados, mais acima. Considero que os gramáticos entendiam texto a partir de seu sentido latino textus: contextura, encadeamento. Ou seja: texto, para os gramáticos, tanto os romanos como os que se lhes seguiram, consiste em um encadeamento de frases, e a gramática ensina a compor frases bem formadas e a encadeá-las em períodos igualmente bem constituídos. Por conseguinte, cabe àquele que produz o texto simplesmente seguir as regras da gramática. Se o fizer, estará apto a construir um bom texto: um conjunto de frases bem formadas. Decorre daí, segundo hipótese minha, a primeira causa para tomar o texto como um objeto empírico, concreto, que não precisa ser teorizado: um texto é o que todo mundo sabe o que é e se todo mundo sabe o que é ninguém o problematiza nem o toma como objeto de observação. Tudo isto retardou/dificultou a constituição do texto como objeto de estudo, e solidificou os estudos do objeto gramatical, a frase e o período. É neste estágio do conhecimento sobre as questões da linguagem que se instaura minha segunda hipótese. Para tanto, vou dar um salto no tempo e passar a observar o momento em que se deu o advento da Lingüística, mais exatamente ao que se passou quando Saussure, em , 3 Data da publicação póstuma do Curso de Lingüística Geral, organizado por seus discípulos Ch. Bally e A. Sechehaie.

4 instituiu a Lingüística como ciência, ao proceder ao famoso corte saussuriano, que cindiu a Linguagem em Língua e Fala, separando, com este gesto, o que entendia como social e passível de descrição, a língua, do que era individual, marcado pelo idiossincrático e, por isto mesmo, acidental e acessório, a fala, não podendo, por suas próprias características, ser descrita e sistematizada. Vejamos brevemente o que sucedeu e de que forma isto afeta a nossa questão. Interessa aqui entender quais as conseqüências que o corte saussuriano trouxe para a questão que aqui nos mobiliza, ou seja: em que a instituição da língua como objeto de estudo da lingüística pode desfavorecer a tomada do texto como objeto de estudos. Para chegar a esta resposta é suficiente verificar quais os limites da ação da própria lingüística. Para tanto, a primeira constatação nos leva a observar o que estava sendo analisado no Curso. E a resposta nos chega com rapidez: Saussure estava interessado no que faz de uma língua uma língua. E, para tanto, formula um conjunto significativo de conceitos tais como sincronia/diacronia, sintagma/paradigma, signo lingüístico e valor lingüístico, os quais mostram com clareza como é possível estudar o objeto língua: esta deve ser tomada em sua totalidade, deve ser vista como um todo sistêmico e homogêneo, em que cada elemento constituinte se relaciona com todos os demais constituintes, de tal forma que cada signo é o que o outro não é. O sistema lingüístico, assim compreendido, é um conjunto de puras diferenças, de puras oposições (SAUSSURE, 1974). Este modo de entender a língua aponta para uma primeira observação: Saussure vislumbrava a língua como constituída de signos. Entretanto, elaborou conceitos como o de sintagma e o de eixo sintagmático que prepararam o caminho para as futuras gerações de lingüistas que se identificaram com esta concepção de língua sistêmica, porém ampliaram um pouco mais o observatório montado para o seu estudo. Refiro-me aqui à passagem do signo para a frase que foi feita, primeiramente pelos estruturalistas, de modo geral e, logo depois, por Chomsky e todos os lingüistas que trabalham com seu modelo. A segunda observação, que também deriva desta visão sistêmica de língua, de fato é conseqüência do que foi dito mais acima: se, na visão de Saussure, a língua deve ser vista como um sistema de signos, em que um elemento é o que o outro não é, podemos verificar que os elementos constituintes da língua têm como contexto o próprio sistema, nunca podendo dele se afastar. Com a passagem do signo para a frase, este preceito é fortemente observado: a frase, para os estruturalistas e os gerativistas, toma como contexto os elementos do entorno frasal. Ou seja: a frase institui como seu contexto não mais necessariamente todo o sistema lingüístico, como é o caso dos signos ou dos fonemas, mas os elementos que estão presentes na frase, elementos estes que precedem ou que seguem um determinado constituinte frasal. Vale dizer: o contexto da frase é estritamente lingüístico, constituído de relações internas ao sistema e/ou à frase. A terceira observação vai nos mostrar que Saussure e, posteriormente, os estruturalistas e os gerativistas tomam a língua em diferentes níveis. Para descrevê-la, e esta era a tarefa dos estruturalistas, e descrevê-la e/ou interpretá-la, e esta é a tarefa dos gerativistas, os lingüistas vão trabalhar nos níveis fonológico, morfológico e sintático da língua. Este é o limite do objeto da lingüística. Ele não pode expandir-se para além da frase, seu observatório natural. A estas observações, de caráter geral sobre o objeto Língua, vou acrescentar uma quarta observação que diz respeito especificamente ao corte saussuriano. A exclusão da Fala traz várias conseqüências, mas para o que me move neste ensaio, vou fixar-me exclusivamente em uma delas: a exclusão do falante e de sua atividade linguageira. Isto foi muito bem registrado e discutido por Benveniste (1966, 1974) e não pretendo repeti-lo neste momento. Apenas retomo a questão do falante, neste ponto de minha reflexão, pois entendo que uma das decorrências desta exclusão incide diretamente sobre a problemática que aqui está em pauta: esta, no meu entender, é uma das causas de o texto, enquanto categoria teórica, não ter sido mobilizado, pois o texto remete para a atividade de um sujeito. Estas observações que acabo de fazer mostram que, se o gramático Dionísio de Trácio pensava que a arte gramática (das Letras) é o trato das coisas ditas com mais freqüência nos

5 poetas e prosadores e se, muito tempo depois, em 1775, os gramáticos de Port-Royal entendiam que a gramática é a arte de falar (ARNAULT e LANCELOT, 1992, p. xxxv), os lingüistas se distanciaram da prática e do uso da língua, a performance, como a denominou Chomsky, para se fixar exclusivamente no sistema lingüístico. Eles não ignoram que há falantes que usam a língua, mas necessitam abstrair o uso, vale dizer a fala, segundo Saussure e a competência, conforme Chomsky, para fixar-se apenas na língua sistêmica, como um todo, sem considerar nada que lhe seja exterior, e o falante é um dos elementos exteriores ao sistema, bem como os usos que da língua ele faz para produzir suas práticas, entre elas, a produção textual. Por conseguinte, o texto, enquanto objeto de estudo, continua fora do escopo dos lingüistas. Neste ponto de minha reflexão, cabe referir dois lingüistas e o modo muito particular como eles pensam o texto. O primeiro deles é o dinamarquês Hjelmslev (1943). E o segundo é Jakobson (1956). Seria de se esperar que eu obedecesse ao critério cronológico, mas não vou respeitá-lo por razões que se farão perceber pela exposição que faço a seguir. Inicio, pois, examinando o pensamento de Jakobson (1956) 4. Para tanto, vamos observar a seguinte citação, extraída de seu artigo Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia, especificamente da seção em que o lingüista trata do duplo caráter da linguagem, numa clara releitura dos eixos sintagmático e paradigmático, tal como foram formulados pelo mestre genebrino, mas deslocando-os para a atividade linguageira do falante, o que mostra que sua releitura traz implicações teóricas importantes, pois vai deslocar a aplicação dos dois eixos saussurianos para a prática do falante, ou seja, este deslocamento vai por em cena o falante que tinha sido cuidadosamente excluído por Saussure, como vimos em minha quarta observação, mais acima. Vejamos a citação em questão: Existe, pois, na combinação de unidades lingüísticas, uma escala ascendente de liberdade. Na combinação de traços distintivos em fonemas, a liberdade individual do que fala é nula; o código já estabeleceu todas as possibilidades que podem ser utilizadas na língua em questão. A liberdade de combinar fonemas em palavras está circunscrita; está limitada à situação marginal da criação de palavras. Ao formar frases com palavras, o que fala sofre menor coação. E, finalmente, na combinação de frases em enunciados, cessa a ação das regras coercitivas da sintaxe e a liberdade de qualquer indivíduo para criar novos contextos cresce substancialmente, embora não se deva subestimar o número de enunciados estereotipados (JAKOBSON, 1969, p. 39; os destaques são meus). Como já afirmei anteriormente, Jakobson fez uma releitura de Saussure. O que nos autoriza esta afirmação são duas questões que se fazem presentes na citação anterior. A primeira refere-se à combinação de unidades lingüísticas que Jakobson, ao contrário de Saussure, atribui à atividade do falante. Então, em que pese todo o esforço de Saussure em retirar o falante de dentro de seu objeto, contra-argumentando que o sintagma seja da ordem da fala (SAUSSURE, 1974, p. 144) e apontando que, ao contrário, é preciso atribuir à língua, e não à fala, todos os tipos de sintagmas construídos por formas regulares (...) acontecendo exatamente o mesmo com as frases regulares... (idem, ib., p. 145), Jakobson inverte este tipo de argumento, ao apontar para o trabalho de combinação das unidades, ao referir a coerção de natureza sintática sofrida pelo locutor ao formar frases. Este é o ponto em que este lingüista produz seu deslocamento teórico. Por outro lado, esta citação indica o limite de tal coerção, pois Jakobson sinaliza para a liberdade de que goza o locutor quando este passa da organização da frase para a combinação de frases em enunciados. Esta é uma releitura que, ao mesmo tempo em que mobiliza as formulações de Saussure, redireciona-as para um outro patamar teórico em que o falante não só não é mais excluído como é explicitamente convocado, na qualidade de locutor, para mostrar que ele é submetido a um duplo funcionamento da linguagem: ao mesmo tempo em sofre coerções provenientes da língua, também 4 A primeira publicação deu-se em Fundamentals of language (LaHaye, 1956). A segunda datação remete para a tradução francesa de Adler e Ruwet, que foi publicada em 1963, no livro Essais de Linguistique Générale, da Éditions de Minuit, que reunia vários textos dispersos de Jakobson. E, finalmente, em 1969, é traduzido por Isidoro Blikstein e José Paulo Paes e publicado no Brasil pela Cultrix.

6 é colocado em posições não-coercitivas. Ou seja: sob o domínio do que provém do sistema lingüístico, o locutor, longe de ser livre, é totalmente submetido ao sistema. Mas, à medida que ultrapassa o limiar da frase, conquista sua liberdade. Deste modo, Jakobson trabalha com a oposição coerção / liberdade, que poderia ser assim parafraseada: a coerção remete ao sistema, que determina a atividade propriamente lingüística do locutor no interior dos limites da frase, enquanto a liberdade conduz à produção textual do locutor, porém, em ambas as situações o locutor se faz presente. Com base no que precede, diria mais: só é possível postular a liberdade porque os lingüistas consideram o texto como algo que não se encaixa em seu objeto de estudo, como algo que está para além das fronteiras da frase, como algo que não foi teorizado e pertence ao mundo empírico, ao mundo não-teórico. E isto vai se tornar muito claro um pouco mais tarde, quando será feita a ultrapassagem teórica que leva da frase ao texto. Aí, então, muitas coerções vão se fazer perceber e serão descritas, como veremos na seção em que será examinada a primeira perspectiva teórica que reflete sobre texto. Vejamos agora o modo como Hjelmslev, ainda em , vai posicionar-se face à categoria texto. Para tanto, vou começar fazendo uma citação. A teoria da linguagem se interessa por textos e seu objetivo é o de estabelecer um procedimento que permita a descrição não-contraditória e exaustiva de um texto dado. Mas esta teoria deve também mostrar como se pode, da mesma maneira, abordar qualquer outro texto de mesma natureza, e fornecer-nos os instrumentos utilizáveis para estes textos. [...] deve poder descrever de forma não-contraditória não apenas um determinado texto dado, mas também todos os textos franceses existentes, e não apenas estes, mas ainda todos os textos franceses possíveis e concebíveis, mesmo aqueles de amanhã, mesmo aqueles que pertençam a um futuro não definido. [...] Estes conhecimentos dizem respeito aos processos ou aos textos aos quais eles se aplicam; mas este não é seu único e essencial interesse: estes conhecimentos se referem também ao sistema ou à língua que preside à estrutura de todos os textos de mesma natureza, e que nos permite construir novos textos. Graças aos conhecimentos lingüísticos assim adquiridos, poderemos prever, para uma mesma língua, todos os textos concebíveis ou teoricamente possíveis. Entretanto, não é suficiente que a teoria da linguagem possa descrever e prever todos os textos possíveis de uma dada língua; é preciso ainda que, sobre a base de um conhecimento da linguagem, ela possa fazer o mesmo para os textos de qualquer língua [...] (HJELMSLEV, 1968, p. 31-2; a tradução é minha; os destaques são do autor) Inicialmente, cabe destacar que Hjelmslev conhece bastante bem a obra de Saussure, sobre a qual se debruçou neste e em outros livros, chegando a propor algumas releituras que ficaram bastante conhecidas, como é o caso da discussão sobre a arbitrariedade do signo e sobre a própria natureza do signo lingüístico, sobre cuja constituição refletiu bastante, propondo uma releitura do signo bastante sofisticada. Nunca se apartou da concepção sistêmica de língua, tal como a concebeu Saussure. Ao contrário. Colocou ainda mais ênfase sobre a questão da auto-suficiência da língua no que diz respeito a possíveis relações com a exterioridade. Mas não é isso que me conduz a trazer Hjelmslev para esta discussão. Vejamos alguns pontos que parecem de suma importância para o nosso propósito, neste ensaio. O primeiro destes pontos diz respeito ao fato que, para este lingüista, é importante falar em linguagem. Em outras palavras: está propondo uma teoria que trate não apenas da língua, mas da linguagem. Ou seja: não acompanha o argumento saussuriano de que não é possível estudar a linguagem porque ela heteróclita e heterogênea. Ao contrário. Entende que se faz necessária uma teoria da linguagem e é sobre esta teoria ainda a construir que ele está refletindo. E mais: é justamente porque mobiliza a linguagem que existe espaço, em sua reflexão, para pensar o texto, 5 A obra Prolégomènes à une théorie du langage, publicada originalmente em Copenhagen, em 1943, foi traduzida para o francês, em 1968.

7 porque a linguagem não está encerrada no interior do sistema. O enclausuramento sistêmico diz respeito exclusivamente à língua. E é no âmbito da linguagem que é possível refletir sobre o texto, já que este corresponde a uma das manifestações do sujeito que utiliza a língua, mas não se confunde com ela. O segundo ponto a ser considerado é que o lingüista em exame não está se referindo ao texto empírico, não está mais considerando ser o texto aquilo que todo mundo já sabe o que é. Longe disso. Para Hjelmslev, o texto é uma categoria teórica que deve ser descrita. E esta descrição deve ser tão fina que seja capaz de dar conta de todos os textos, os existentes e os que ainda não existem, mas podem vir a existir. Ou seja: com isto, diria que ele lança um verdadeiro programa a ser realizado. E esta proposta tira o texto do senso comum, do empirismo e convoca os lingüistas a tomarem posição face ao texto, a considerarem o texto como um objeto de estudo. Ou seja: para este lingüista, trata-se de produzir teoria sobre o texto. E, ao propor isto, na verdade, já está teorizando. Está propondo que o texto saia do senso comum em que ele se encontrava, inclusive com Jakobson, como vimos nos comentários antecedentes, e passe a constituir uma categoria de análise, tal como ocorreu com a frase, anteriormente. Entretanto, em que pese os deslocamentos teóricos que produziu, sua reflexão não o colocou em reta de colisão com Saussure. Ao contrário. E isto sinaliza que sua reflexão sobre o texto situa os estudos textuais como uma extensão da teoria da língua. E isto vai se refletir, sem dúvida alguma, nos primeiros estudos de texto, como veremos mais adiante: diferentes vertentes de estudos textuais vão requisitar o pensamento hjelmsleviano como o momento teórico fundador de um novo objeto. Foi isto que determinou minha decisão de examinar o pensamento de Hjelmslev depois de passar por Jakobson, embora o texto deste último seja posterior. Enquanto, para Jakobson, o texto era o tão sonhado espaço de liberdade, depois das duras coerções impostas pelo sistema lingüístico até chegar à frase, Hjelmslev tinha a clareza que este era um objeto que esperava descrição e tratamento teórico. Ou seja: que esta atividade também é lingüística e que apresenta sua própria ordem coercitiva também. Como se vê, já em 1943, este lingüista antevia questões que se tornariam candentes nos anos que se seguiram. Com estas duas visões lingüísticas sobre o texto, encerro este passeio pelo túnel do tempo. 2. Saindo do túnel É neste estado do conhecimento que chegamos aos anos 50/60. Aí vamos nos deparar com uma grande divisão entre os lingüistas. Por um lado, vamos encontrar aqueles que estão absolutamente convictos de que o objeto da lingüística é a frase. Dentre eles, encontram-se lingüistas como Jakobson, de quem acabamos de analisar uma citação na seção anterior e lingüistas como Chomsky, que assumem que o objeto da lingüística é a frase. De outro lado, encontram-se lingüistas que estão perturbados por um conjunto de perguntas que não cessam de se formular e que não conseguem ser respondidas no quadro teórico da lingüística, tal como ela se consubstanciou na primeira metade do século XX. A seguir, vamos examinar alguns destes questionamentos para percebermos o tipo de inquietação que se fazia sentir e para onde ela conduziu. Na verdade, havia uma dupla inquietude que já sinaliza que os rumos não seriam únicos. Na verdade, tais questionamentos iam delineando novos objetos. Entretanto, diria que estes caminhos de mão dupla surgem de uma inquietação comum: como pensar teoricamente o que está para além da frase. E havia uma pergunta básica e comum a estas duas tendências: um texto é uma simples soma de frases? Partiam de uma hipótese comum: pensavam que deveria existir uma organização na seqüência das frases que seria decorrente de um conjunto de regras que não se reduzem às coerções sintáticas frasais. Ou seja: percebiam que havia coerções, mas entendiam que estas não eram de mesma natureza para a frase e para o texto. Havia, pois, consciência de que era preciso ultrapassar os rígidos limites impostos pela lingüística frasal para que tais perguntas pudessem ser respondidas.

8 Mas, se havia consenso sobre a hipótese acima exposta, havia também fortes divergências, ou seja: havia perguntas que sinalizavam interesses antagônicos. Por um lado, lingüistas formulavam questões que poderiam ser entendidas como da ordem de uma sintaxe do texto, enquanto outros formulavam perguntas que eram da ordem da significação, do contexto situacional, do sujeito falante. Interesses diversos que já sinalizavam objetos igualmente diferentes. De um lado, pode-se ver nascer o objeto texto e, por outro, vê-se despontar o objeto discurso. Ou seja: questionamentos diferentes dirigidos ao texto vão construindo dois objetos de estudo distintos, confirmando o que Saussure já havia enunciado em seu Curso: é o ponto de vista que cria o objeto (SAUSSURE, op. cit., p.15). E já que esta inquietação se fazia presente durante boa parte da primeira parte do século XX, é de se perguntar por que demorou tanto para que este novo campo do conhecimento se constituísse enquanto um corpo conceitual. Cito, a seguir, uma passagem de Catherine Kerbrat-Orecchioni, bastante interessante para iluminar este questionamento: A unidade-texto pertence de pleno direito à lingüística: mas essa evidência verdadeira só foi reconhecida há muito pouco tempo, e este não é um dos menores paradoxos desta ciência que ela tenha se preocupado apenas em último lugar deste objeto que, entretanto, funcionalmente é o primeiro (nós nos comunicamos apenas por textos). É que quanto mais a dimensão das unidades a serem descritas se estende, mais difícil se torna dar conta de seu funcionamento semântico. (KERBRAT-ORECCHIONI, Encyclopaedia Universalis, p. 607, apud ADAM, 1999; a tradução é minha). Como se vê, a metodologia construída pela lingüística foi suficientemente forte para sustar e/ou retardar as novas indagações que se colocavam sobre o texto, nível que ainda não havia sido investigado pela lingüística. E a problemática em torno da questão semântica, instituída pelo corte saussuriano, que excluiu de seu objeto a fala e o falante, também impediu a reflexão sobre o texto que faz intervir, em maior ou menor escala, os sentidos. Retomando o que disse mais acima, posso dar a entender que estamos diante de apenas duas perspectivas teóricas diversas. Mas não é este o caso. A mão dupla a que me referi aponta para os diferentes interesses e questionamentos dos lingüistas que desejavam examinar o texto, ou seja, dois pontos de vista diferentes de onde deriva a constituição de dois objetos de análise distintos o texto e o discurso. Mas, a partir desta dupla constituição de objetos, vão surgir várias perspectivas teóricas para observá-los. A seguir, vou examinar quatro delas: a Lingüística Textual, a Teoria da Enunciação, a Semiótica e a Análise do Discurso. E justifico: ao abordar estes quatro referenciais teóricos estarei apontando para quatro perspectivas teóricas diversas de conceber o texto. Por outro lado, se estas quatro perspectivas não esgotam as discussões, elas são bastante representativas de cada uma das diferentes tendências teóricas que se abrem diante de nós, nos estudos da linguagem. Cabe ainda dizer que não pretendo examinar em detalhes as teorias que serão mobilizadas, a seguir. O que vou buscar em cada uma delas é a concepção de texto que seu aparato teórico permite projetar. Então, com esta indagação na cabeça, inicio o exame de meu primeiro referencial teórico. 3. A categoria texto pelo filtro teórico da Lingüística Textual Falar em Lingüística Textual não garante homogeneidade a este recorte de campo teórico que se interessa pelo texto. Também não tenho a pretensão de dar conta de tudo o que este campo já produziu desde que surgiu até nossos dias. Não é este o propósito deste ensaio. Mas desejo apontar alguns caminhos trilhados por lingüistas que se inscrevem neste campo de conhecimento. Os precursores deste campo tinham como objetivo entender as regularidades que transcendem a frase, sem, no entanto, a pretensão de abandonar os estudos frasais nem de criar um novo objeto de estudo. A evidência disso é que entendiam o texto como uma seqüência coerente de frases, considerando o texto como uma extensão da frase. Esta fase dos estudos textuais, por esta razão,

9 ficou conhecida como transfrástica, caracterizando-se por se inscrever numa extensão aos estudos frasais. Num segundo momento, os pesquisadores deste campo de conhecimento buscaram o entendimento do texto, pretendendo descrevê-lo por si mesmo e em sua totalidade. Esta fase denominou-se de gramática de texto e caracterizou-se por apresentar-se como um prolongamento da lingüística descritiva, indo para além dos limites descritivos de uma única frase. Para tanto, estudavam relações de tipo referenciais, co-referenciais e de pronominalização, por exemplo. Como se vê, buscavam transferir para o objeto texto o conhecimento que já havia sido construído antes sobre o objeto frase. Ou seja: pretendiam escrever uma gramática que desse conta do texto. O que determinou este caminho foi o desejo de compreender os fenômenos lingüísticos que não podiam ser respondidos por uma gramática interna à frase: buscavam explicar certos fenômenos que se instauravam para além do limite frasal, chegando, desta forma, ao texto propriamente dito. Para tanto, questionavam os princípios de constituição do texto, os fatores de sua coerência, de sua coesão e de sua textualidade, formas de delimitação dos textos, pois estes devem apresentar completude, vale dizer, ter começo, meio e fim. Tais interesses mostram que os lingüistas textuais buscavam apreender o texto como um todo. Entendiam que a significação do texto diferia da soma das significações das frases. Mais exatamente, diziam que havia uma diferença qualitativa de significação que derivava do todo textual da qual a soma de frases não dava conta. Via-se aí os contornos de uma gramática textual que visava a uma sintaxe textual, produzida por diferentes operações coesivas das quais derivaria o sentido do texto, concebido como uma unidade de significação. Logo os gramáticos textuais se deram conta de que não seria possível dar conta de uma estrutura profunda do texto que estivesse na base da realização de todo e qualquer texto. Esta constatação conduziu os estudiosos da lingüística textual para uma nova etapa, a qual perdura até os nossos dias e se caracteriza pela proposta de junção do processamento do texto, cujos estudos já estavam, de fato, em andamento, como pudemos apreciar pelo que precede, e seu contexto pragmático, buscando fazer associações que viessem melhor iluminar a compreensão e a significação do texto. Apresentadas, assim, brevemente, as diferentes fases que caracterizam os estudos do texto na abordagem da Lingüística Textual, passo a examinar um pouco mais detalhadamente cada um destes três diferentes momentos. Para tanto, vou verificar como os teóricos que se inscrevem neste campo teórico definem texto. Inicio com a definição já clássica de Weinrich (1964), que se inscreve no primeiro momento anteriormente descrito: Texto é uma rede de determinações. É manifestamente uma totalidade onde cada elemento mantém com os outros relações de interdependência. Estes elementos e grupos de elementos seguem-se em ordem coerente e consistente, cada segmento textual contribuindo para a inteligibilidade daquele que segue. Este último, por sua vez, depois de decodificado, vem esclarecer retrospectivamente o precedente (WEINRICH, 1973, p. 174). A partir desta concepção de texto, podemos entender como a categoria texto foi inicialmente entendida pela Lingüística Textual. Podemos compreender melhor, também, o que se entendia por lingüística transfrástica. Dito de outra forma: a lingüística tradicional toma como objeto de análise a frase. E a Lingüística Textual, percebendo que um texto não é uma soma de frases, propõe uma lingüística transfrástica que contemple os fenômenos lingüísticos para além da frase, tomando o texto como uma frase estendida. Se observarmos bem a definição de Weinrich, veremos que são examinadas as relações de interdependência que se estabelecem entre os elementos do texto, onde os primeiros iluminam os seguintes e os últimos explicitam os que antecedem. Este modo de examinar o texto permite concebê-lo como um todo, onde os elementos constitutivos se relacionam entre si, do mesmo modo que os elementos constitutivos da frase se relacionam entre si, também. É deste conjunto de

10 relações que deriva o que os lingüistas textuais denominam de significação do texto. Por conseguinte, é das relações internas que se estabelecem no interior do texto que deriva sua compreensão. Mais: se uns elementos textuais se relacionam com os outros, então estamos diante de uma rede textual de relações que alguns entendiam como uma sucessão de unidades lingüísticas constituída mediante uma concatenação pronominal ininterrupta (HARWEG 6, apud Fávero & Koch, p. 13, 1988). Ou seja, o texto, nesta acepção teórica, repousa sobre um conjunto de conexões que poderiam ser entendidas, de acordo com Charolles, como marcas instrucionais que têm por função sinalizar ao destinatário que esta ou aquela unidade deve ser tomada em sua relação com esta ou aquela outra [unidade textual] (CHAROLLES, 1993, p. 311). Nesse sentido, este autor propõe que sejam descritas as categorias que permitem estabelecer as referidas conexões. E esta é uma tarefa importante que os lingüistas textuais precisam cumprir porque, de acordo com Combettes (1992), não há correspondência exata entre as categorias morfossintáticas definidas pelas teorias lingüísticas tradicionais e a coerência do texto. Segundo ele, a coerência do texto não resulta de fatos de gramaticalidade (COMBETTES, 1992, p.113). Por conseguinte, os domínios textual e morfossintático são diferentes e bastante independentes. Em função disso, este lingüista propõe que sejam elaboradas unidades intermediárias entre a língua e o texto (idem, ib., p. 107). Para cumprir este programa, os dois autores acima citados trabalham separadamente e também em conjunto. Charolles (1995) distingue quatro tipos diferentes de conexões textuais: os conectores, as anáforas ou as cadeias de referência, as expressões introdutórias e as marcas de segmentação. Já Combettes propõe cinco categorias, algumas delas idênticas ou muito próximas das propostas por Charolles: os conectores, os substitutos anafóricos, as posições tema/rema, os dêiticos e os modalizadores (a tradução é minha). Estes estudos, com maiores ou menores semelhanças, realizados por diferentes pesquisadores e situados em diferentes centros de pesquisa, foram construindo a Gramática de Texto, fase em que os lingüistas textuais propunham-se a descrever as relações entre frases, mais exatamente, verificar que tipo de relação se estabelecia entre as diferentes frases que constituem o texto e apurar a existência de uma seqüência coerente e significativa de frases e, ainda, se tais relações poderiam ser pensadas como uma sintaxe textual. Ou seja: passa-se da sintaxe frasal para a sintaxe textual. Estas relações passam a ser conhecidas como relações coesivas, mais exatamente, coesão textual. Isto permite sublinhar que, para esta perspectiva teórica, passa-se naturalmente da observação das relações internas da frase para as relações internas ao texto. E, deste conjunto de relações textuais, decorre o sentido do texto, isto é, se ele se apresenta como uma unidade semântica, então ele é dotado de coerência. (HALLIDAY & HASAN, 1976; a tradução é minha). Como é possível perceber, estamos longe da propalada liberdade de que falava Jakobson (1969, p. 39), ao referir-se à passagem da frase para o texto, como já sublinhei mais acima. Decorre daí que as tramas de um texto também estão sujeitas a regras coercivas, embora a natureza da coerção seja diversa em cada um dos níveis considerados. De tudo quanto precede, pode-se afirmar que há três conceitos fundamentais formulados pelos lingüistas textuais que sempre devem ser considerados: Inicialmente, é necessário examinar a textualidade de um texto que consiste em sua propriedade intrínseca. E para avaliá-la é preciso analisar este texto a partir de sua coesão e coerência. Ou seja: estes três conceitos representam o cerne dos estudos textuais para esta área do conhecimento. E é através das relações internas, coesivas, que se realiza o que Ingedore Koch, estudiosa brasileira que inscreve sua reflexão sobre texto na Lingüística Textual, chama de processamento do texto e, através dele, chega-se à operação semântica que determina a unidade de significação que um texto deve apresentar para ser entendido como texto, a coerência. 6 A obra de Harweg em referência é de 1968 e foi publicada em alemão, com o título Pronomina und textkonstituition.

11 É ainda na fase da gramática de texto que alguns teóricos da lingüística textual vão se interessar por formulações da teoria chomskiana. Interessam-se mais precisamente pela dicotomia competência/performance formulada por este lingüista, em E surge, então, a formulação de mais uma noção deste campo do conhecimento, a competência textual, baseada na competência lingüística. Trata-se de uma reflexão cognitiva sobre o sujeito falante, anteriormente teorizada por Chomsky: se ele é competente lingüisticamente para produzir frases também o é para produzir textos. Sua competência textual lhe permite parafrasear textos, resumi-los, e avaliá-los, isto é, perceber se são bem formados, se são coerentes e ainda se são completos ou não. Como se vê, com tais propósitos, a lingüística textual aproxima-se não apenas da lingüística chomskiana, mas também da lingüística cognitiva, tal como foi desenvolvida pelo campo da psicolingüística. Diria que este momento representa para os lingüistas textuais um ponto de ancoragem teórica bastante confortável, pois isto sinaliza que não houve ruptura com os preceitos da lingüística. O que a lingüística textual fez foi apenas ampliar sua lente de observação: ampliou o filtro através do qual é examinada a competência lingüística do falante ideal, tal como foi introduzida por Chomsky. Sobre este ponto, abro um parêntese: Saussure havia excluído, juntamente com a fala, o falante e todas suas atividades linguageiras. Por outro lado, os lingüistas, de um modo geral, sabiam que não dava para recuperar o falante real porque, juntamente com ele, faria retorno a heterogeneidade para um objeto que se deseja, desde sua origem, homogêneo. No entanto, sabiam também que a noção de falante ou de locutor era importante, conforme vimos na seção anterior. O reparo se operou pelo viés da formulação da noção de falante ideal, construída para representar o falante real. Esta inteligente manobra teórica de Chomsky permitiu resgatar o falante, mas um falante bastante particular, totalmente inócuo, por ser imaginário e não real, um falante que domina o sistema como um todo homogêneo. É ele que está por traz da competência lingüística, não chegando nunca à performance, espaço de atuação do falante real, que não é convocado nem pela lingüística de frase, nem pela lingüística de texto. Como se vê, as combinações continuam pertencendo, de direito, à língua e não à fala, exatamente como postulou Saussure. Ou seja: todo o esforço de Jakobson de integrar o locutor nas tarefas combinatórias se desvanece com esta dicotomia chomskiana. E é este falante ideal que está por traz das reflexões que levam em conta a competência textual, pois se vê claramente que a lingüística textual não chega à performance textual. Dito em outras palavras: nesta perspectiva, a Lingüística Textual inscreve-se como um prolongamento da lingüística de frase e considera o texto como a maior unidade lingüística de análise deste campo do conhecimento. O que ocorre, então, é a passagem da unidade frasal para a unidade textual. De tudo quanto precede, pode-se concluir que os estudos da lingüística textual que, de forma genérica, chamei, nesta seção, até o presente momento de gramática textual, imprimiram dois movimentos distintos, mas complementares, às pesquisas deste campo de conhecimento: de um lado, pretendeu-se constituir uma verdadeira gramática de texto, comparável a uma gramática de frase e, de outro, buscou-se estudar as conexões entre as frases. Seja através de uma, seja através da outra, é pela análise do texto e de sua coesão que é possível perceber a unidade que dá origem à coerência. Vale ressaltar também que, em nenhum momento anterior desta longa jornada, esta teoria interrogou-se sobre o sujeito que produz o texto ou pensou em formular alguma noção de sujeito. Nesse sentido, diria que ela ignorou as formulações de Jakobson e de Benveniste, para apenas apontar dois pesquisadores cujas preocupações precedem ou são contemporâneas ao debate estabelecido pelos teóricos da Lingüística Textual. Ou seja: do mesmo modo que a lingüística de frase afasta a consideração do sujeito, a lingüística textual também o fez. Somente quando começou a aproximar-se da teoria de Chomsky e de sua noção de competência é que surgiu, de forma

12 implícita, mas incontornável, a noção de sujeito ideal, que já comentei mais acima, e que não ameaçava em nada os pressupostos da teoria lingüística e os pressupostos da lingüística textual. É no quadro desta moldura teórica que a Lingüística Textual vai começar a se dar conta que o texto, além de ser uma superfície textual, que pode ser examinada em relação aos fatores de coesão e de coerência, também é um ato de comunicação, por conseguinte, é um objeto de natureza pragmática. Ou seja: este parece ser um momento de inflexão em que os lingüistas textuais vão passar a defender a idéia de que, para estudar o texto, é preciso examinar, além de suas relações internas (que remetem para a organização textual e o sentido que daí decorre) outras relações que ultrapassam o limite do texto propriamente dito. Vários são os pesquisadores que se inscrevem nessa vertente da Lingüística Textual. Para representá-los, cito inicialmente Siegfried Schmidt (1973) que se propôs a refletir em uma Teoria do Texto que se colocasse sociologicamente como uma ampliação da comunicação humana. E ele o faz na esteira do pensamento de P. Hartmann (apud Schmidt, op. cit., p.50), segundo o qual o ponto de partida de uma fenomenologia do objeto lingüístico localiza-se na textualidade do sinal lingüístico original. Ou seja: toda e qualquer manifestação lingüística, antes de qualquer outra consideração, inscreve-se no objeto texto. Vale dizer: surgia aí a proposta de substituição do sistema lingüístico por uma teoria do texto, concebida como teoria da comunicação lingüística (SCHMIDT, op. cit., p. 3). Estava formulada a proposta de uma lingüística de texto dotada de um componente pragmático. E o autor explicita como deve ser entendido o texto nesse quadro teórico, como podemos verificar tela citação que segue: Os constituintes de um texto (isto é, do conjunto verbal enunciado por ocasião de um ato comunicativo) funcionam como indicadores, visando a uma determinada interpretação das instruções manifestadas por meio deste texto. A relevância referencial e comunicativa, então, realiza-se mediante uma associação a outros sistemas correlatos, ou seja, a elementos verbais e não-verbais pertencentes à situação de comunicação, ao sistema de comunicação ou a modelos da realidade vigentes numa sociedade de comunicação. Visto sob este ângulo, o texto pode ser concebido como um conjunto ordenado de instruções que se estabelece entre os parceiros de comunicação. É somente nos jogos de atuação comunicativa que os parceiros realizam efetivamente o conjunto de instruções de um texto, ou seja, o próprio significado desse texto. Um texto isolado não possui um significado, mas este significado é adquirido nos jogos de atuação comunicativa. Existem, portanto, dois níveis distintos de significação para cuja especificação introduzimos aqui os termos de sentido textual e instrução textual. O sentido textual assinala o papel potencial (determinado pelas proposições), de ordem informativa e comunicativa, inerentes aos textos sob a forma de conjunto de instruções; a instrução textual refere-se à relevância informativa e comunicativa dos textos, realizada pelos parceiros nos jogos de atuação comunicativa (= instruções executadas). (SCHMIDT, op. cit., p. 80; os destaques são do autor). Como é possível depreender da citação acima, o texto, nesta perspectiva da lingüística textual, é concebido como uma unidade pragmático-comunicativa, isto é, o autor tem certas intenções comunicativas que se fazem presentes no texto sob a forma de instruções (referências e relações) que se encontram marcadas no corpo do texto. Vale dizer: o texto é entendido como uma unidade pragmática porque procura estabelecer uma comunicação com o seu receptor, o leitor. E esta comunicação é definida pelo autor do texto, que dá as instruções que devem ser seguidas corretamente pelo leitor. Se o fizer, terá entrado adequadamente nos jogos de atuação comunicativa propostos pelo texto. Creio poder afirmar, sem distorcer o pensamento desse autor, que estes jogos de atuação comunicativa colocam as bases para uma abordagem psicolingüística da leitura, em que o texto é portador de instruções e o leitor deve decodificá-las para realizar a leitura do texto e alcançar o sentido textual. Ou seja, o sentido já está dado (instruções), mais exatamente codificado e compete ao leitor decodificá-lo. Este é o sentido que, neste campo do conhecimento, assume a concepção de texto como unidade pragmático-comunicativa e ele se instaura sobre o pressuposto de uma língua transparente, sem opacidades. Em suma, a língua é um código.

O QUE É A LINGÜÍSTICA TEXTUAL

O QUE É A LINGÜÍSTICA TEXTUAL O QUE É A LINGÜÍSTICA TEXTUAL O estudo da coesão textual tem sido predominantemente desenvolvido dentro do ramo da Lingüística a que se denomina Lingüística do Texto. Cabe, assim, inicialmente, dizer algumas

Leia mais

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009 Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p. 187-191, jan./abr. 2009 RESENHA DE INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM: DISCURSO E TEXTUALIDADE [ORLANDI, E.P.; LAGAZZI- RODRIGUES, S. (ORGS.) CAMPINAS, SP:

Leia mais

RESENHA: O TEXTO NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM: ESPECIFICIDADES E LIMITES, DE FREDA INDURSKY

RESENHA: O TEXTO NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM: ESPECIFICIDADES E LIMITES, DE FREDA INDURSKY Página181 RESENHA: O TEXTO NOS ESTUDOS DA LINGUAGEM: ESPECIFICIDADES E LIMITES, DE FREDA INDURSKY Jair Joaquim Pereira 1 Freda Indursky, neste texto, apresenta uma importante e consistente reflexão acerca

Leia mais

Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA META Discutir língua e texto para a Análise do Discurso. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Entender a língua como não linear e que

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

Aula 5 ESTRUTURALISMO

Aula 5 ESTRUTURALISMO Aula 5 ESTRUTURALISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Sistema, estrutura, estruturalismo SISTEMA: resultado

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva

Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva Jeize de Fátima Batista 1 Devido a uma grande preocupação em relação ao fracasso escolar no que se refere ao desenvolvimento do gosto da leitura e à formação

Leia mais

EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA

EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA Italiano I: Língua e Cultura - Introdução às situações prático-discursivas da língua italiana mediante o uso

Leia mais

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios.

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios. 2ª Língua Portuguesa 5º Ano E.F. Objeto de Estudo Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: norma-padrão e variedades linguísticas. Usos

Leia mais

TEXTO E ELEMENTOS DE TEXTUALIZAÇÃO. PROF. Nathan Bastos de Souza UNIPAMPA 2017/1

TEXTO E ELEMENTOS DE TEXTUALIZAÇÃO. PROF. Nathan Bastos de Souza UNIPAMPA 2017/1 TEXTO E ELEMENTOS DE TEXTUALIZAÇÃO PROF. Nathan Bastos de Souza UNIPAMPA 2017/1 O QUE É UM TEXTO? Texto é o produto de uma atividade discursiva em que alguém diz algo a alguém (GERALDI,1997,p.98). Um texto

Leia mais

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático O Funcionalismo As Funções da Linguagem de Roman Jakobson A Linguística Sistêmica de Michael Halliday

Leia mais

Letras Língua Inglesa

Letras Língua Inglesa Letras Língua Inglesa 1 semestre Núcleo de estudos interdisciplinares I 45h Ementa: Estuda os procedimentos envolvidos na realização de uma pesquisa cientifica. Desenvolve habilidade de produção de fichamento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS. Patrícia Cugler 1 Nathalia Azevedo 2, Lucas Alencar, Margareth Mara 4

A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS. Patrícia Cugler 1 Nathalia Azevedo 2, Lucas Alencar, Margareth Mara 4 A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS Patrícia Cugler 1 Nathalia Azevedo 2, Lucas Alencar, Margareth Mara 4 1 IFRJ/Licenciando, patriciacugler@gmail.com 2 IFRJ/Licenciando,

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

Linguística O Gerativismo de Chomsky

Linguística O Gerativismo de Chomsky Linguística O Gerativismo de Chomsky Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático A Gramática Gerativa Inatismo versus Behaviorismo Competência e Desempenho Estrutura Profunda e Estrutura Superficial Objetivos

Leia mais

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Soeli Maria Schreiber da Silva 1 (UFSCar) xoila@terra.com.br Estudar o sentido significa estudá-lo na relação

Leia mais

Compreensão e Interpretação de Textos

Compreensão e Interpretação de Textos Língua Portuguesa Compreensão e Interpretação de Textos Texto Texto é um conjunto coerente de enunciados, os quais podem serem escritos ou orais. Trata-se de uma composição de signos codificada sob a forma

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL GONÇALVES, Raquel Pereira Universidade Estadual de Goiás, Câmpus de Iporá raquelpg.letras@gmail.com MOURA,

Leia mais

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 200 REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES Elizete Beatriz Azambuja Doutoranda em Linguística UEG Unidade de São Luís de Montes

Leia mais

Oficina de Leitura e Produção de Textos

Oficina de Leitura e Produção de Textos Oficina de Leitura e Produção de Textos Aula I Apoio Pedagógico ao Núcleo Comum: Programa de Monitorias Professora Sabriny Santos aluna do programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade

Leia mais

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação.

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. Você encontra as leituras de apoio ao exercício neste link: http://www.revel.inf.br/pt/edicoes/?mode=especial&id=13

Leia mais

8 A L B E R T E I N S T E I N

8 A L B E R T E I N S T E I N 7 PREFÁCIO Este livro pretende dar uma idéia, a mais exata possível, da Teoria da Relatividade àqueles que, de um ponto de vista geral científico e filosófico, se interessam pela teoria mas não dominam

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p Aula 6 GERATIVISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Linguística Gerativa Gerativismo Gramática Gerativa

Leia mais

Ele tomou emprestado sem meu consentimento, ou seja, roubou.

Ele tomou emprestado sem meu consentimento, ou seja, roubou. a paráfrase, que é uma atividade de reformulação de um texto-fonte. Comumente vem marcada por expressões introdutórias como isto é, ou seja, quer dizer, digo, ou melhor, em outras palavras: Ele tomou emprestado

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva

10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Teoria Gramatical Análise do Discurso Prof. Sidney Facundes Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Análise do Discurso Conforme Maingueneua

Leia mais

produziu mais cedo será sempre anterior ao que se produziu mais tarde. Quanto aos conceitos temporais, Elias escreve:

produziu mais cedo será sempre anterior ao que se produziu mais tarde. Quanto aos conceitos temporais, Elias escreve: 5 O Conceito Tempo Entender e conceituar o tempo sempre foi um desafio para o homem. Isaac Newton (1643 1727) criou o conceito de tempo absoluto, verdadeiro, matemático que flui constante e uniformemente.

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO. Professor Marlos Pires Gonçalves

TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO. Professor Marlos Pires Gonçalves TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO 1 DISSERTAR é um ato que desenvolvemos todos os dias, quando: procuramos justificativas: para a elevação dos preços; para o aumento da violência; para os descasos com a

Leia mais

Prefácio. Karina Falcone 1 Mônica Nóbrega 2

Prefácio. Karina Falcone 1 Mônica Nóbrega 2 Prefácio Karina Falcone 1 Mônica Nóbrega 2 A Revista Investigações, em seu número especial, resolveu juntar se às homenagens feitas a Ferdinand de Saussure no centenário da sua morte, em 2013. Os artigos

Leia mais

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO O que é texto? TEXTO - escrito ou oral; O que as pessoas têm para dizer umas às outras não são palavras nem frases isoladas, são textos; TEXTO - dotada de unidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO SILVIA FERNANDES DE OLIVEIRA 1 INTRODUÇÃO Este projeto pretende enfocar a especificidade da construção do sistema da escrita como processo cognitivo.

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA 53 14 PLANOS DE DISCIPLINAS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E RETENÇÃO DA LEITURA EM TEXTOS DE LIVRO DIDÁTICO

INTERPRETAÇÃO E RETENÇÃO DA LEITURA EM TEXTOS DE LIVRO DIDÁTICO Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 pesquisa@cesumar.br INTERPRETAÇÃO E RETENÇÃO DA LEITURA EM TEXTOS DE LIVRO DIDÁTICO Mônica Garcia Barros 1 ; Juliano Tamanini

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe Sumário Introdução 2 PONTOS DE PARTIDA: Currículo Nacional do Ensino Básico publicado em 2001. O Programa

Leia mais

COESÃO TEXTUAL. Língua Portuguesa Prof. Samuel KühnK

COESÃO TEXTUAL. Língua Portuguesa Prof. Samuel KühnK COESÃO TEXTUAL Língua Portuguesa Prof. Samuel KühnK A COESÃO DO TEXTO Relações textuais Procedimentos Recursos 1.1. Repetição 1.1.1. Paráfrase 1.1.2. Paralelismo 1. REITERAÇÃO 1.2. Substituição 1.2.1.

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais

RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER

RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER Vander Schulz Nöthling 1 SKINNER, Quentin. Meaning and Understand in the History of Ideas, in: Visions of Politics, Vol. 1, Cambridge: Cambridge

Leia mais

CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS Desse modo, a língua de sinais não é uma língua universal, pois adquire características diferentes em cada país e,

Leia mais

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE NOÇÃO DE TEXTO Texto ou discurso é uma ocorrência linguística falada ou escrita, de qualquer extensão. Para ser considerada um texto, uma ocorrência linguística precisa ser percebida

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Grupo 01. I) Ambas as concepções mantêm um discurso no qual é alimentado pela expansão política e econômica das sociedades industrializadas;

Grupo 01. I) Ambas as concepções mantêm um discurso no qual é alimentado pela expansão política e econômica das sociedades industrializadas; Grupo 01 QUESTÃO 01 - Segundo José Luiz dos Santos, ao abordar o tema O Que se Entende por Cultura ele afirma que não há por que nos confundirmos com tanta variação de significado. O que importa é que

Leia mais

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017

Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC. BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 Fundamentos Pedagógicos e Estrutura Geral da BNCC BNCC: Versão 3 Brasília, 26/01/2017 1 INTRODUÇÃO 1.3. Os fundamentos pedagógicos da BNCC Compromisso com a formação e o desenvolvimento humano global (dimensões

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL. Introdução

CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL. Introdução CAPÍTULO 2 A ECONOMIA COMO CIÊNCIA SOCIAL Introdução A economia é tida como uma ciência social. Ou seja, o estudo das actividades económicas do ponto de vista social. Contudo, muitos economistas sustentam

Leia mais

GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, 376 p.

GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, 376 p. Resenha GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, 376 p. DE TEXTOS E DE PARATEXTOS Rodrigo da Costa Araujo (Doutorando, UFF) rodrigoara@uol.com.br Na obra intitulada Paratextos

Leia mais

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA José Fernandes Vilela (UFMG) Quando se indaga por que ensinar teoria gramatical, está-se, na verdade, indagando para que ensiná-la. Ou seja, estão-se buscando, em linguagem pedagógica,

Leia mais

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO Wellyna Késia Franca de SOUSA e Eliane Marquez da Fonseca FERNANDES Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás wellynakesiahb@bol.com.br

Leia mais

TEXTO E ENUNCIAÇÃO. Eduardo Guimarães

TEXTO E ENUNCIAÇÃO. Eduardo Guimarães TEXTO E ENUNCIAÇÃO Eduardo Guimarães RESUMO: Pour l auteur, la notion de texte, prise hors d un appareil theórique, est empirique et sans valeur analytique. Par contre, texte en tant que catégorie de la

Leia mais

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio

10 Ensinar e aprender Sociologia no ensino médio A introdução da Sociologia no ensino médio é de fundamental importância para a formação da juventude, que vive momento histórico de intensas transformações sociais, crescente incerteza quanto ao futuro

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN 2

SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN 2 SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN 2 II- Um recorte na Semiótica Discursiva ou Greimasiana (de Algirdas Julien Greimas) Para a Semiótica Discursiva, as manifestações (sejam elas verbais, visuais, gestuais, plásticas,

Leia mais

3. Programa de pesquisa com três aplicações do método

3. Programa de pesquisa com três aplicações do método 3. Programa de pesquisa com três aplicações do método 3.1 Análise de publicações para crianças de dados estatísticos do IBGE Tendo a análise do discurso como linha metodológica, o que o presente estudo

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 17 de março de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA MAT1513 - Laboratório de Matemática - Diurno Professor David Pires Dias - 2017 Texto sobre Lógica (de autoria da Professora Iole de Freitas Druck) A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA Iniciemos

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 08 de março de 2012 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

GRAMÁTICA E DISCURSIVIDADE EM PÊCHEUX: ALGUNS COMENTÁRIOS 1

GRAMÁTICA E DISCURSIVIDADE EM PÊCHEUX: ALGUNS COMENTÁRIOS 1 GRAMÁTICA E DISCURSIVIDADE EM PÊCHEUX: ALGUNS COMENTÁRIOS 1 Mônica Oliveira SANTOS Universidade Estadual de Campinas Ao ler o texto de Pêcheux Materialités Discursives: L enoncé: Enchâssement, articulation

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático

Raciocínio Lógico Matemático Raciocínio Lógico Matemático Cap. 4 - Implicação Lógica Implicação Lógica Antes de iniciar a leitura deste capítulo, verifique se de fato os capítulos anteriores ficaram claros e retome os tópicos abordados

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 5 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 5 o ano EF Os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental < 125 identificam o sentido de expressão típica da fala coloquial utilizada em segmento de história em quadrinhos; e o local em que se desenrola o enredo, em anedota.

Leia mais

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo NOÇÕES DE PRAGMÁTICA Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo 17.08.2015 Situando a Pragmática no seio das disciplinas da Linguística O aspecto pragmático

Leia mais

AS FORMAS BÁSICAS DE COMPOSIÇÃO DO TEXTO

AS FORMAS BÁSICAS DE COMPOSIÇÃO DO TEXTO AS FORMAS BÁSICAS DE COMPOSIÇÃO DO TEXTO O texto pode ser: Argumentativo Dissertativo Descritivo narrativo Argumentativo Tipo de texto em que se sobressai a preocupação do autor em persuadir e convencer

Leia mais

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º AULA 2 Texto e Textualização Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br O QUE É TEXTO? Para Costa Val, texto = discurso. É uma ocorrência linguística falada ou escrita,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Metodologia de Dissertação II Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Definição Análise de Conteúdo Análise de Conteúdo se define como um "conjunto de técnicas de análise das comunicações e aposta no rigor do método

Leia mais

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS Por Claudio Alves BENASSI omo vimos anteriormente, em relação ao uso que o sujeito com C surdez faz da modalidade escrita do surdo, o recurso didático Números Semânticos

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Materna: uma entrevista com Luiz Carlos Travaglia. ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. LINGUÍSTICA APLICADA AO

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO PARÁGRAFO:

A CONSTITUIÇÃO DO PARÁGRAFO: A CONSTITUIÇÃO DO PARÁGRAFO: Olá a todos! Vamos assistir a uma Apresentação da Profa. Dra. Marcela Silvestre sobre a Constituição do Parágrafo. Ao final desta espera-se que você aprenda sobre a construção

Leia mais

4 O aprendizado de leitura no 2º ano e no 3º ano do ensino fundamental

4 O aprendizado de leitura no 2º ano e no 3º ano do ensino fundamental 4 O aprendizado de leitura no 2º ano e no 3º ano do ensino fundamental O objetivo deste capítulo é esclarecer, detalhadamente, o leitor, sobre as habilidades desenvolvidas pelos alunos do 2º e do 3º anos

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Leitura e Produção Textual Professor: Wilma Cléa Ferreira e-mail: wilmaclea@yahoo.com.br Código: Carga Horária: 60 H Créditos:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO BRANCO RESPOSTAS AOS RECURSOS CONTRA O GABARITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO BRANCO RESPOSTAS AOS RECURSOS CONTRA O GABARITO PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO BRANCO RESPOSTAS AOS RECURSOS CONTRA O GABARITO Cargo: S1 PROFESSOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL AEE ZONA URBANA 15 pronome apassivador Em resposta ao recurso interposto, temos a dizer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Questão: 02 O candidato alega que, na questão 02, tanto a alternativa E como a alternativa A apresentam-se corretas, visto que as linhas 12 e 13 mostram que os violinistas mais relaxados também tinham

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1 ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA Sheila Elias de Oliveira 1 Eduardo Guimarães 2 tem se dedicado desde a década de 1980 à reflexão sobre o sentido na linguagem e nas línguas de um ponto de vista

Leia mais

Análise de Discurso Roteiro sugerido para a elaboração de trabalho de análise

Análise de Discurso Roteiro sugerido para a elaboração de trabalho de análise Análise de Discurso Roteiro sugerido para a elaboração de trabalho de análise Sérgio Augusto Freire de Souza 1. Escolha do tema O tema em análise de discurso normalmente envolve alguma inquietação social

Leia mais

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Anexo 5 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo 5 Trabalhando com textos na Alfabetização (Marlene Carvalho, 2005) Muitas professoras

Leia mais

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação F a c u l d a d e d e L e t r a s d a U n i v e r s i d a d e d e L i s b o a D e p a r t a m e n t o d e L i n g u í s t i c a G e r a l e R o m â n i c a E s t r u t u r a d a s F r a s e s e m P o r

Leia mais

Simbolismo e Realidade (1925) Fundamentos da Teoria do Signo (1938) Signos Linguagem e Comportamento (1946)

Simbolismo e Realidade (1925) Fundamentos da Teoria do Signo (1938) Signos Linguagem e Comportamento (1946) Charles Morris (1901-1979) clássico da semiótica cuja influência no desenvolvimento da história da semiótica foi decisiva nos anos 30 e 40 raízes na semiótica de Peirce, no behaviorismo, no pragmatismo

Leia mais

jornalistas identifica como peculiar, como formador de seu caráter, de suas visões do que significa ser e fazer jornalismo.

jornalistas identifica como peculiar, como formador de seu caráter, de suas visões do que significa ser e fazer jornalismo. 1. Introdução Afinal, o que significa ser jornalista e fazer jornalismo? Estas perguntas foram feitas primeiramente a mim mesma, ainda nos tempos de graduação, durante a faculdade de Jornalismo. E, mesmo

Leia mais

AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA

AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA Prof. MSc: Anael Krelling 1 O planejamento e a execução de uma pesquisa fazem parte de um processo sistematizado que compreende etapas que podem ser detalhadas da seguinte forma:

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

Não se destrói senão o que se substitui

Não se destrói senão o que se substitui 1 Não se destrói senão o que se substitui Vanise G. MEDEIROS (Uerj, Puc-Rio) Gostaria de destacar um fragmento do texto de Pêcheux e Fuchs A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas

Leia mais

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p Gramática e seu conceito Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p.11-16. Gramática descritiva ou sincrônica Estudo do mecanismo pelo qual uma dada língua funciona

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O CONTEXTO E O PLANO DE EXPRESSÃO NO RECONHECIMENTO DO SINAL MULHER (LIBRAS) COMO ICÔNICO OU CONVENCIONAL/ARBITRÁRIO

A RELAÇÃO ENTRE O CONTEXTO E O PLANO DE EXPRESSÃO NO RECONHECIMENTO DO SINAL MULHER (LIBRAS) COMO ICÔNICO OU CONVENCIONAL/ARBITRÁRIO A RELAÇÃO ENTRE O CONTEXTO E O PLANO DE EXPRESSÃO NO RECONHECIMENTO DO SINAL MULHER (LIBRAS) COMO ICÔNICO OU CONVENCIONAL/ARBITRÁRIO Adriana Aparecida de Oliveira UFMG/FALE, adrianaletras75@gmail.com Resumo:

Leia mais

Da fala para a escrita: atividades de retextualização

Da fala para a escrita: atividades de retextualização Da fala para a escrita: atividades de retextualização Luiz Antônio Marcuschi, professor titular da Universidade Federal do Pernambuco, pós-doutor pela Universitat Freiburg na Alemanha e Doutor em Letras

Leia mais

PELO VIÉS DA SINTAXE, O ACESSO AO ACONTECIMENTO DISCURSIVO 1

PELO VIÉS DA SINTAXE, O ACESSO AO ACONTECIMENTO DISCURSIVO 1 PELO VIÉS DA SINTAXE, O ACESSO AO ACONTECIMENTO DISCURSIVO 1 Rosely Diniz da Silva MACHADO Fundação Universidade Federal do Rio Grande Pêcheux (1981), ao referir a questão da heterogeneidade discursiva,

Leia mais

TEMA, PROBLEMA OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA. Prof. Cálidon Costa

TEMA, PROBLEMA OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA. Prof. Cálidon Costa TEMA, PROBLEMA OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA. Prof. Cálidon Costa calidontur@hotmail.com É designação do problema (prático) e da área do conhecimento a serem observados. O tema tanto pode ser definido em termos

Leia mais

18 Introdução à. Semântica

18 Introdução à. Semântica 18 Introdução à Semântica 5 Introdução UNIDADE 1: O significado 9 1. Objectivos da Unidade 1 9 1.1. Em busca do sentido 13 1.2. A semiótica 22 1.3. A semântica 30 1.4. A semântica e a cognição UNIDADE

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Série/período: 1º ano Carga

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Libras I 160h Não há Sujeito Surdo, Diferença,

Leia mais

PREPARA-TE PARA OS EXAMES: descobre os verbos mais importantes. Biblioteca da ESMA Coordenadora: Catarina Azevedo

PREPARA-TE PARA OS EXAMES: descobre os verbos mais importantes. Biblioteca da ESMA Coordenadora: Catarina Azevedo PREPARA-TE PARA OS EXAMES: descobre os verbos mais importantes 2012-2013 Coordenadora: Catarina Azevedo Um exame prepara-se com antecedência e depende muita da tua capacidade de interpretares corretamente

Leia mais

Letras Língua Espanhola

Letras Língua Espanhola Letras Língua Espanhola 1º Semestre Disciplina: Introdução aos Estudos Literários Ementa: Estudo crítico das noções de literatura. Revisão das categorias tradicionais de gêneros literários e estudo dos

Leia mais