ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO"

Transcrição

1 AAAAA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO Manual de Procedimentos UNEB

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO 92937/86, DOU 18/07/86 RECONHECIMENTO: PORTARIA 909/95, DOU 01/08/95 PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PROAD GERÊNCIA ADMINISTRATIVA GERAD SUBGERÊNCIA DE MATERIAL E PATRIMÔNIO - SUMAPA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO Manual de Procedimentos Salvador, BA. Revisado - Julho/10

3 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO 92937/86, DOU 18/07/86 RECONHECIMENTO: PORTARIA 909/95, DOU 01/08/95 Lourisvaldo Valentim da Silva Reitor Amélia Tereza Santa Rosa Moraux Vice-Reitora José Durval Uzêda Filho Pró-Reitora de Administração Jolívia Telles de Araújo lima Gerente Administrativo Gethsêmane da Silva Vidal Subgerente de Mat. Patrimônio Benivaldo Nascimento Bispo Edmilson Teixeira dos Santos Dalton Tiano Gonçalves Vicente Glauco Bomfim Nascimento Silvia de Jesus Cruz Carla Gomes Sales da Silva Equipe Técnica Sumapa End.: Rua Silveira Martins, 2555 Cabula - Cep.: Salvador / Ba. Tel.: (71) , Fax (71) , Central Telefônica (71) Site:

4 APRESENTAÇÃO Este Manual, foi elaborado para atender a necessidade de sistematização das informações para desenvolvimento da área objeto do trabalho. Definiu-se como metodologia a elaboração de um instrumento que contempla as normas e os procedimentos da Área de Administração de Material e Patrimônio. A necessidade de se utilizar manuais operacionais nas Instituições, se justifica a partir do crescimento da organização e da rotatividade de pessoal, evitando-se dar instruções particulares e treinamento exaustivo a cada funcionário, tendo em vista que os procedimentos estão de forma detalhada, facilitando a consulta pelo funcionário para o desenvolvimento do trabalho. Com esses objetivos foi elaborado o Manual de Administração de Material e Patrimônio da UNEB, que contou com a valiosa participação de todos os funcionários envolvidos na área de trabalho no fornecimento das informações, discussão e indicação de sugestão.

5 4 NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO 1- OBJETIVO Orientar os usuários, funcionários e sistematizar as atividades de administração de material e patrimônio, bem como disciplinar as ações e definir os instrumentos de trabalho. 2- RESPONSABILIIDADE E COMPETÊNCIA A Subgerência de Material e Patrimônio - SUMAPA é responsável pelas atividades de acompanhamento das aquisições, emissão da Autorização de Fornecimento de Material AFM, baixa das notas fiscais junto ao SIMPAS, lançamentos de bens móveis e atualização do SIAP Sistema de Administração de Bens Móveis, recepção, guarda, distribuição de material, cadastro, registro, controle e movimentação dos bens móveis da UNEB. 3- DEFINIÇÕES (Conceituação utilizada na administração patrimonial do Estado) Administração Patrimonial - conjunto de ações que compreende a utilização, controle e conservação do bem móvel ou imóvel, segundo a destinação natural ou legal, incluindo ainda, a aquisição de novo bem e a alienação, quando necessário. Agente Responsável - toda pessoa física que, no exercício de cargo, função ou emprego público, utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiro, valores, materiais, bens móveis ou imóveis pertencentes ao Estado ou a ele confiado. Alienação - toda transferência, a qualquer título, de domínio de bens a terceiros, mediante venda, permuta, doação ou outros meios previstos no direito, subordinada á existência de interesse público devidamente justificado e precedida de avaliação, obedecidas as exigências legais pertinentes. Almoxarifado - local destinado à guarda dos bens patrimoniais de propriedade do Estado, destinados a consumo, uso, reaproveitamento ou alienação. Aquisição - ato ou fato em virtude do qual o Estado, para a realização de seus fins, adquire a propriedade de um bem patrimonial, observadas as formas e condições estabelecidas em lei. Avaliação - operação pela qual se determina o valor de um bem patrimonial para fins de aquisição, contabilização e alienação, observadas as normas técnicas e legais específicas. Baixa - lançamento mediante o qual um bem patrimonial é excluído do estoque ou do cadastro patrimonial e, contabilmente, gera registro de diminuição do saldo de uma conta patrimonial, em decorrência de consumo, transferência, extravio, destruição, inutilização, obsolescência, desuso ou alienação..

6 5 Bem Patrimonial - bens imóveis ou móveis suscetível de avaliação monetária, que constitui o patrimônio do Estado, tais como: máquinas, motores, aparelhos, equipamentos, veículos, instrumentos, ferramentas, utensílios, mobiliários, acervo bibliográfico, objetos de arte e históricos, instrumentos musicais, semoventes e numerário de caráter permanente, que se constitui objeto de controle administrativo, destinado ao uso e funcionamento de órgãos e entidades da Administração Pública. Benfeitoria - qualidade acrescentada ou adaptação efetuada em um bem, com o fim de protegê-lo, conservá-lo, melhorá-lo, aperfeiçoá-lo, embelezá-lo ou mantê-lo em condições para melhor atender às suas necessidades e finalidades. Bens de Terceiros - bens que não integram o patrimônio do Estado, mas que em decorrência de negócio jurídico celebrado com terceiros recebem codificação diferenciada dos bens patrimoniais do Estado, e sobre os quais não incidir os processamentos financeiros, mas, apenas nos controles físicos. Bens Desativados - todos aqueles que, obsoletos ou inservíveis para as necessidades da administração pública, estão sujeitos a alienação ou reaproveitamento, devendo ser entregues à Secretaria da Administração, para as providências cabíveis, quando se tratar de materiais permanentes. Bens Imóveis - são os que não podem ser removidos sem alteração de sua substância tais como: terrenos, edifícios, construções e as benfeitorias a eles incorporados de modo permanente. Bens Móveis - são os que, sem alteração na substância ou na destinação econômica-social, podem ser transportados de um lugar para outro, por movimento próprio ou força alheia, inclusive os que constituem acervos de museus, pinacotecas, bibliotecas e assemelhados. Bens Públicos - são todas as coisas, corpóreas ou incorpóreas, imóveis, móveis e semoventes, créditos, direitos e ações que compõem o patrimônio do Estado. Bens Relacionados - bens permanentes que em razão de sua estrutura física, não podem ser marcados ou gravados seus respectivos números de tombamento. Exemplo: celular, arma, máquina fotográfica, extintor de incêndio. Cadastramento - ação de registro que arrola os bens patrimoniais, especificando suas características físicas, financeiras e de localização, de modo a permitir a identificação e avaliação de cada um deles. Cessão de Uso outorga do uso de bens públicos estaduais móveis e imóveis, gratuitamente ou em condições especiais, a entidade de sua administração indireta ou a outras pessoas jurídicas integrantes da Administração Pública, para que seja por elas utilizadas, sempre com predeterminação de prazo e, quando cabível, atribuição de encargos. Compra toda aquisição renumerada de bens para fornecimento de uma vez ou parcelamento, procedida de acordo com a legislação específica em vigor. Concessão de Uso de Bens Públicos contrato administrativo que outorga a utilização ou exploração exclusiva de bem público móvel ou imóvel, em caráter gratuito ou mediante remuneração, com imposição de encargos, com prazo determinado e precedida de licitação, para exploração indicada no edital. Dação em Pagamento - a entrega de um bem patrimonial, para solver dívida anterior.

7 6 Depreciação - perda progressiva de valor econômico ou do preço de um bem patrimonial em decorrência do seu uso, levando-se em consideração, além de exigências legais, o valor de aquisição e o tempo de vida útil, em face das condições objetivas de sua utilização. Doação de Bens Imóveis contrato que, dependendo de autorização legislativa específica, transfere o bem imóvel do patrimônio do Estado para outrem, devendo constar obrigatoriamente da escritura os encargos do donatário, o prazo de seu cumprimento e a cláusula de reversão, sob pena de nulidade. Doação de Bens Móveis contrato no qual por liberalidade, o bem é transferido para outrem, com ou sem encargos, exclusivamente para fins e uso de interesse social, expressamente justificado pela autoridade competente, após avaliação prévia e análise de sua oportunidade e conveniência sócio-econômica. A doação para instituição filantrópica depende do seu reconhecimento como de utilidade pública pelo Estado. Incorporação - registro contábil da inclusão ou entrada de um bem patrimonial, em decorrência de aquisição, nas suas diversas modalidades. Indenização - ato de entrada de recursos financeiros em decorrência do ressarcimento do valor do bem patrimonial que sofreu extravio, furto ou sinistro. Inutilização destruição, total ou parcial, de um bem patrimonial que ofereça ameaça vital, risco de prejuízo ecológico ou cuja manutenção seja inconveniente para a Administração Pública Estadual. Inventário - arrolamento periódico com a descrição e avaliação dos bens patrimoniais do Estado, exigido por lei, tendo como objetivo o controle quantitativo e qualitativo dos mesmos, inclusive o confronto entre as existências físicas e as consignadas sob a responsabilidade dos órgãos e entidades da Administração Pública, bem como entre os valores avaliados e os escriturados na contabilidade Material - designação genérica de bens, itens ou conjunto destinado a consumo ou aplicação, tanto em serviço como em mobiliário, equipamentos e instalações, inclusive aqueles aplicados em obras públicas entregues à Administração Pública através de convênios com outros organismos. Material Antieconômico - todo bem patrimonial com manutenção onerosa, rendimento precário ou com recuperação economicamente inviável, cujo valor orçado para conserto ou manutenção seja superior a 50% (cinqüenta por cento) do seu valor de mercado. Material Irrecuperável - todo material que não mais puder ser utilizado para o fim a que se destina, devido à perda de suas características ou em razão da inviabilidade econômica de sua recuperação. Material Obsoleto - todo bem em desuso, considerado antiquado ou antieconômico para o fim a que se destina, podendo ser doado, transferido ou permutado com outro órgão ou entidade ou recolhido à Secretaria da Administração. Material Ocioso - todo material que, embora em perfeitas condições de uso, não esteja sendo aproveitado por ser ultrapassado, podendo ser cedido, transferido ou doado a outro órgão ou entidade ou recolhido à Secretaria da Administração.

8 7 Material Recuperável - todo material passível de ser recuperado por valor orçado equivalente a, no máximo, 50 % (cinqüenta por cento) do seu valor de mercado, podendo ser cedido, doado ou transferido para outro órgão ou entidade. Movimentação - mudança decorrente da transferência, alteração, reavaliação ou alienação de um bem patrimonial. Movimentação Temporária - mudança temporária da localização do bem decorrente de conserto, empréstimo ou exposição externa. Patrimônio Público - conjunto dos bens de toda natureza e espécie que pertencem ao domínio do Estado, e que se institui para atender a seus próprios objetivos ou para servir à produção de utilidades indispensáveis às necessidades coletivas. Permissão de Uso outorga do uso de bens públicos estaduais, efetuada a título precário ou clausulada, por ato administrativo, em caráter gratuito ou mediante renumeração, sempre com imposição de encargos e após chamamento público dos interessados para seleção, dispensada esta quando o permissionário for entidade filantrópica ou assistencial. Permuta - acordo em virtude do qual os contratantes trocam entre si bens patrimoniais de sua propriedade, e que se substituem reciprocamente no patrimônio dos permutantes, permitida nos casos de interesse social, precedida de dupla avaliação dos bens. A permuta de imóveis depende de prévia autorização do legislativo. Reaproveitamento - ato ou efeito de voltar a utilizar um bem que tenha sido desativado por outro órgão ou entidade da Administração Pública, passando a integrar o seu patrimônio. Reavaliação - elaboração de novos cálculos do valor de um bem patrimonial após análise de suas características, em conseqüência de obra realizada, benfeitorias efetivadas ou pela adoção de novos critérios técnicos de valoração, para atualização cadastral. Registro Patrimonial - processo de codificação numérica pelo qual o bem patrimonial é identificado, tombado e inventariado, para o processamento do correspondente lançamento contábil. Termo de Responsabilidade - documento no qual um bem patrimonial é posto sob a guarda, conservação e controle do agente responsável, mediante sua assinatura. Tombamento - arrolamento de todo bem patrimonial com a finalidade de colocá-lo sob a guarda e proteção dos agentes responsáveis. Transferência - ato administrativo mediante o qual o bem patrimonial é deslocado de uma unidade organizacional para outra, no âmbito da administração direta ou indireta, exigindo-se emissão e assinatura do Termo de Transferência, anotação da mudança de guarda do bem e atualização do registro cadastral. Venda - ato pelo qual a Administração Pública transfere, de forma remunerada, a propriedade de um bem patrimonial a outra pessoa física ou jurídica, obedecidas às formalidades e condições previstas em lei, tais como autorização competente, avaliação prévia e licitação.

9 8 PRINCIPAIS ROTINAS 4- RECEBIMENTOS DE BENS MÓVEIS SUMAPA recebe o processo da GERFIN referente a aquisição do bem, com a Nota de Empenho NE, em anexo. Gera no SIMPAS a Autorização de Fornecimento de Material - AFM. Encaminha (01) uma cópia da AFM e da NE para o fornecedor, cobrando-lhe a entrega do bem, observando o prazo estabelecido na proposta. Aguarda o recebimento do bem objeto da compra. Recebe o bem, confere a sua especificação com a solicitação e, quando tratar-se de material especializado o faz juntamente com o usuário. Faz a diligência e baixa da AFM no SIMPAS. Segue a Rotina de cadastramento dos Bens Móveis. 5- CADASTRAMENTO DE BENS MÓVEIS Após os procedimentos de recepção e conferência do bem. Faz-se o cadastramento, lançando os dados do bem no Sistema de Administração de Patrimônio SIAP. Emite através do SIAP, a Entrada de Material Analítico 2, e a Guia de Transferência / Termo de Responsabilidade. Anexa ao processo a Nota Fiscal devidamente atestada, juntamente com a Entrada de Material, encaminha a GERFIN para fins de pré-liquidação, em seguida, a GERCON para efetuar a liquidação e incorporação em conta própria no Contábil. 6- REGISTRO DE BENS MÓVEIS Após os procedimentos de cadastramento dos bens móveis. Atribui o número de tombo ou PIB Plaqueta de Identificação de Bem afixando-a no material, quando for o caso. Emite a Guia de Transferência / Termo de Responsabilidade em 2 ( duas ) vias. Entrega a 1ª via, juntamente com o bem à Unidade/Setor interessado e arquiva a 2ª via em pasta própria.

10 9 7- MOVIMENTAÇÕES DE BENS MÓVEIS UNIDADE / SETOR RECEBEDOR Solicita à Unidade/Setor cedente o bem. UNIDADE/SETOR CEDENTE Recebe a solicitação, encaminha à Subgerência de Material e Patrimônio SUMAPA para as providências administrativas. SUMAPA Após o recebimento da solicitação, registra no SIAP a movimentação realizada mantendo o sistema atualizado. Imprime 03 ( três ) vias da Guia de Transferência, providenciando as devidas assinaturas, sendo que 01 ( uma ) para o cedente, 01 ( uma ) para o recebedor e 01 ( uma ) para a SUMAPA. O bem patrimonial não poderá ser movimentado sem as respectivas Guias de transferência/termo de Responsabilidade. 8- AVALIAÇÃO DE BENS MÓVEIS REITOR: Nomeia a Comissão de Avaliação de Bens Móveis através de Portaria, encaminha ao seu Presidente uma cópia do ato.

11 10 PRESIDENTE DA COMISSÃO: Recebe uma cópia da Portaria e dá conhecimento aos demais membros. Instala a Comissão para dar início aos trabalhos. COMISSÃO DE AVALIAÇÃO: Solicita à SUMAPA, providenciar junto às Unidades/Setores a relação dos bens móveis que serão avaliados. SUMAPA: De posse da relação, faz-se a consulta no Sistema de Administração de Patrimônio SIAP e a impressão dos dados cadastrais dos bens, devidamente classificados dentro do plano de contas: Móveis e Utensílios, Máquinas e Equipamentos, Sistema de Comunicação, Processamento de dados e etc. Encaminha à Comissão. COMISSÃO DE AVALIAÇÃO: Recebe a relação dos Bens e, formaliza processo com o ato que a instituiu. Faz a avaliação dos bens, observando as normas técnicas e legais especificadas na Instrução Normativa da SAEB em vigor, que é publicada em DOE anualmente. Elabora parecer sobre a alienação dos bens, encaminha juntamente com o processo a GERAD/PROAD, para junto ao CONSAD Conselho de Administração, deliberar acerca da baixa. Após a autorização do CONSAD, o processo é encaminhado a PROAD/GERCON, para efetuar a baixa nas contas especificas do bem. TABELA APLICÁVEL PARA AVALIAÇÃO DO BEM ESTADO DE CONSERVAÇÃO PERCENTUAL SOBRE VALOR DE MERCADO BOM 80% REGULAR 60% PRECÁRIO 40% INSERVÍVEL 20% SUMAPA Encaminha os bens listados no Termo de Baixa ao Almoxarifado Central da SAEB, ou nos Batalhões de Policia Militar conveniados. Caso os materiais venham a ser doados, elabora-se o Termo de Doação que é assinado pelo Reitor. Arquiva-se uma cópia do parecer da Comissão e demais documentos.

12 INVENTÁRIO GERAL PROAD/GERAD Indica os membros que irão compor a Comissão de Inventário. Encaminha o nome dos indicados à PROAD/REITORIA, para formalização da Portaria. COMISSÃO CENTRAL DE INVENTÁRIO Recebe cópia da Portaria. Procede a localização, contagem física e avaliação qualitativa dos bens nos Departamentos/Órgão/Setores, com a colaboração da SUMAPA, que atualiza os registros através do coletor de dados integrados, para posterior lançamento das novas informações no Sistema de Administração de Patrimônio SIAP. Solicita à SUMAPA o último relatório de inventário. Compatibiliza os dados encontrados, com os do último inventário de bens móveis, havendo divergência, cita em relatório. Solicita à SUMAPA, a impressão definitiva do que foi arrolado, com a quantidade de cópias necessárias, conforme solicitado. Após assinatura dos membros da Comissão é encaminhada uma cópia do inventário aos Departamentos, uma cópia consolidado á GERCON para anexar a prestação de contas do exercício, ficando uma cópia na SUMAPA. 10 CLASSIFICAÇÃO DOS BENS MÓVEIS Sistema de Comunicação equipamento de comunicação e radiocomunicações, aparelhos telefônicos, TV, vídeo; Sistema de Processamento de Dados computadores, impressoras, estabilizadores e outros equipamentos de processamento de dados; Sistema de Segurança armamentos, veículos, aeronaves, embarcações e semoventes, quando utilizado no desempenho de atividades de segurança pública; Sistema de Transportes veículos, aeronaves e embarcações; Sistema de Administração Geral móveis e utensílios, materiais bibliográficos, máquinas e equipamentos e outros bens móveis; Móveis e Utensílios mobiliários em geral, aparelhos, eletrodoméstico, além dos conjuntos de ferramentas, de utensílios, de instrumentos etc.; Máquinas e Equipamentos equipamento de refrigeração, equipamento de condicionamento de ar, equipamentos similares, máquina de escritório, máquina de calcular, máquinas similares, motores etc.; Outros Bens Móveis instrumentos musicais, bandeiras, flâmulas, insígnias e semoventes destinados a utilização no Serviço Público Estadual ou exposição; Semoventes quando utilizados para produção animal e/ou reprodução; Material Bibliográfico e Outros Acervos objetos de arte, peças para coleções de discotecas, mapotecas, filmotecas, museus e assemelhados.

13 12 ROTINAS DAS UNIDADES GESTORAS DA UNEB 11 - RECEBIMENTOS DE BENS MÓVEIS Após os procedimentos de aquisição do material no Departamento. Recebe o bem, confere a sua especificação com a solicitação e, quando tratar-se de material especializado o faz juntamente com o usuário. Faz a diligência e baixa da AFM no SIMPAS, quando for o caso. Encaminha para a SUMAPA, para fins de cadastro no Sistema de Administração de Patrimônio - SIAP, 01 (uma) cópia da Nota Fiscal, Nota de Empenho NE e da Autorização de Fornecimento de Material AFM, indicando o Setor onde o bem ficará alocado. Emite o Termo de Responsabilidade modelo já encaminhado pela GERAD/SUMAPA, devendo ser assinando no local Cedente, pela Direção do Departamento/Setor, juntamente com o Coordenador Administrativo e, no local Órgão Recebedor, deve ser assinado pelo Usuário que ficará com a guarda do bem. Sempre que houver movimentação do material, deverá ser emitido novo Termo, atribuindo responsabilidade ao novo Usuário, encaminhando uma das vias a SUMAPA, para fins de atualização do SIAP. Quanto aos Bens de Terceiro, também deverá ser encaminhado a SUMAPA 01 (uma) cópia da Nota Fiscal e indicar o convênio, projeto etc., para registro e incorporação quando for o caso.

14 INVENTÁRIO / DEPARTAMENTO / ÔRGÃO LEVANTAMENTO/CONFERÊNCIA PARA FINS DE MUDANÇA GESTÃO DIRETOR Indica os membros que irão compor a comissão local. COMISSÃO LOCAL Recebe cópia da Portaria/Ato. Solicita a SUMAPA a impressão no SIAP - Sistema de Administração de Patrimônio, da relação dos bens móveis do Departamento/Órgão. De posse da relação dos bens, realiza o inventário do Departamento/Órgão, checando as informações com os bens distribuídos nos Setores. Após a realização do inventário, elaborar parecer, caso seja observado alguma divergência, consultar a Coordenação Administrativa/Financeira, acerca do bem não localizado para tomada de providencias junto com a Direção. Deverá ser encaminhando para a SUMAPA, uma cópia do novo levantamento, para atualização do Sistema de Administração de Patrimônio.

15 DISPOSIÇÕES GERAIS O dirigente do Departamento / Órgão / Setor, será o responsável pelo uso, conservação, e guarda do bem patrimonial, mediante a assinatura do Termo de Guarda (TERMO DE RESPONSABILIDADE) No final de cada exercício deverá ser designada uma comissão central composta de no mínimo de três funcionários da UNEB, para realizar o Inventário anual de Bens Móveis e de Consumo, existente no Campus I e nos Departamentos / Órgãos Toda transferência dos bens permanentes de uma Departamento / Órgão / Setor para outra, deverá ser realizada através de Guia de Transferência /Termo de Guarda A avaliação de bens móveis, será feita por comissão designada pelo Reitor A alienação por doação será permitida exclusivamente a entidades reconhecidas como de utilidade publica, com a prévia autorização do CONSAD A alienação de bens móveis será iniciada, após a apresentação de relatório que demonstre obsoletismo ou imprestabilidade ao serviço da UNEB, e de laudo circunstanciado acerca do estado dos bens, com a indicação do respectivo valor contábil Na composição do processo de doação para instituição filantrópica, deverá constar um cópia da ata de posse da gestão atual, cópia do cartão do CNPJ, documentação do Diretor (CPF e Identidade) e o seu reconhecimento como de utilidade pública pelo Estado Nos casos dos bens sinistrados através de; roubo, furto, desaparecimento etc., o Diretor do Departamento / Órgão, deverá constituir através de Ato Administrativo, uma comissão de sindicância de no mínimo três servidores, podendo também fazer parte da mesma professores, cujos membros deverão pertencerem ao quadro do Estado, sendo que o resultado final do trabalho, deverá ser encaminhado para SUMAPA, que anexará histórico do bem expedido pelo SIAP e envio do processo a PROJUR Serão classificados como material de consumo, independentemente do seu valor de aquisição, os instrumentos, ferramentas e utensílios que, adquiridos de forma unitária sejam destinados a substituição ou recomposição de conjunto, aparelho, jogo ou assemelhados O material permanente que, em razão de sua estrutura física não puder ter marcado ou gravado seu respectivo número de tombamento, será considerado e registrado no controle de bens relacionados Serão classificados como material permanente, independente do valor de aquisição, mobiliário em geral, acervo bibliográfico, objeto de artes e histórico, peças para coleção de bibliotecas, discotecas, mapotecas, filmotecas, museus e assemelhados.

16 LEGISLAÇÃO ATUAL Estadual: Decreto nº de 14 de outubro de Institui o Sistema de Administração de Patrimônio - SIAP para bens móveis permanentes da Administração Direta, Autarquias e Fundações do Poder Executivo Estadual. Decreto Estadual nº de 20 de junho de Dispõe sobre a classificação de material para fins de orçamento público, apropriação contábil da despesa e administração patrimonial. Lei Estadual nº de 11 de abril de Disciplina a Administração Financeira, Patrimonial e de Material do Estado. Instrução Normativa da SAEB - Dar orientação sobre a realização de inventário de bens móveis em uso e de bens em almoxarifado, decorrente de encerramento do exercício, publicada até a primeira quinzena do mês de novembro de cada exercício. Regimento Geral da UNEB, Sessão III do Conselho de Administração CONSAD, Artigo 17, Capítulo VII - Delibera sobre doações alienações e baixas a qualquer titulo, de bens patrimoniais, moveis, imóveis e semoventes incorporados à Universidade ou que venham a ser constituídos. Capitulo VIII Delibera sobre a aceitação de doações, cessões de direitos e legados, quando onerados por encargos.

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA CNPJ 15.061.773/0001-55

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA CNPJ 15.061.773/0001-55 PORTARIA N.º 012/GP/2010 DE 01 DE SETEMBRO DE 2.010. Dispõe sobre o controle e a baixa do material permanente e de consumo no âmbito do Poder Legislativo e nomeia a Comissão de Reavaliação, Baixa, Registro,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL Tangará da Serra Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL Tangará da Serra Estado de Mato Grosso PORTARIA Nº 005, DE 06 DE JANEIRO DE 2014. O Vereador WELITON ÚNGARO DUARTE, Presidente da Câmara Municipal de Tangará da Serra, Estado de Mato Grosso, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e,

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e, Publicação: 22/09/99 PORTARIA Nº 1145/1999 Dispõe sobre aquisição, controles e formas de desfazimento de bens móveis permanentes no âmbito da Secretaria do Tribunal de Justiça e Comarcas do Estado de Minas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop.

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP PARANÁ. CONSELHO ADMINISTRATIVO SESCOOP PARANÁ RESOLUÇÃO No. 06 de 14 de fevereiro de 2000 ORIENTA E NORMATIZA O CONTROLE DE BENS PERMANENTES

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 Orienta os órgãos da Administração Direta do Poder Executivo Estadual sobre os procedimentos a serem aplicados no controle patrimonial de bens móveis, em conformidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA

1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA 1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA 1.1) CONTROLE DE ACERVO BIBLIOGRÁFICO Os livros, periódicos e demais acervos considerados gráficos (discos, fitas, slides, etc) serão registrados e tombados na

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JANGADA

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JANGADA PORTARIA Nº. 006/2014 Dispõe sobre a nomeação de comissão especial de inventário físico, contábil e baixa do patrimônio público no âmbito da Câmara Municipal de Jangada MT. O Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002/2010 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Diretor Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2010

RESOLUÇÃO Nº 12/2010 RESOLUÇÃO Nº 12/2010 Dispõe sobre a incorporação, carga patrimonial, movimentação, controle, responsabilização, conservação, recuperação, baixa, reaproveitamento e alienação de bens permanentes no âmbito

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO 1. Esta Instrução tem por objetivo disciplinar o recebimento e registro de bens permanentes,

Leia mais

2. Para os bens relacionados na conta contábil 142124200 Mobiliários em Geral:

2. Para os bens relacionados na conta contábil 142124200 Mobiliários em Geral: Reunião realizada no Edifício da Reitoria. Pauta: Rotinas para desfazimento de mobiliários diversos. Presentes: Paulo Hypolito - Coordenador Patrimonial, José Mailho - Presidente da Comissão de Avaliação

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína CNPJ 04.709.778/000-25 SCI - 007/203 3/05/203 /8 ) DOS OBJETIVOS:.) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Patrimônio;.2) Regulamentar o fluxo operacional de movimentação patrimonial móveis

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA DESFAZIMENTO DE BENS PATRIMONIAIS DA UFSJ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA DESFAZIMENTO DE BENS PATRIMONIAIS DA UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ INSTITUÍDA PELA LEI N O 10.425, DE 19/04/2002 D.O.U. DE 22/04/2002 PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DIVISÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO DIMAP SETOR DE

Leia mais

Diretoria de Patrimônio - DPA

Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Diretoria de Patrimônio - DPA Finalidade Coordenar, supervisionar, controlar e executar as atividades relativas a administração patrimonial do Estado. (Decreto Estadual nº

Leia mais

INTRUÇÃO Nº 03/2005 - Previmpa

INTRUÇÃO Nº 03/2005 - Previmpa P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E P O R T O A L E G R E DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE - PREVIMPA INTRUÇÃO Nº 03/2005 - Previmpa Fixa

Leia mais

José Carlos Barreto de Santana Reitor. Genival Côrrea de Souza Vice-Reitor. Rossine Cerqueira Cruz Pró-Reitor de Administração e Finanças - PROAD

José Carlos Barreto de Santana Reitor. Genival Côrrea de Souza Vice-Reitor. Rossine Cerqueira Cruz Pró-Reitor de Administração e Finanças - PROAD José Carlos Barreto de Santana Reitor Genival Côrrea de Souza Vice-Reitor Rossine Cerqueira Cruz Pró-Reitor de Administração e Finanças - PROAD Jasmo Dantas Gerente Administrativo - GERAD Diego Emanoel

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCL Sistema de Compras e Licitações Versão: 1.0 Aprovada em: 17/12/2010 Unidade Responsável: Departamento de Compras e Licitações

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB Fixa normas e procedimentos administrativos relativos ao controle patrimonial do ativo imobilizado da FFFCMPA. O Diretor da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas

Leia mais

OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL

OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL OBJETIVO Estabelecer os procedimentos necessários para administração do patrimônio imobilizado da empresa. CONCEITOS Constitui

Leia mais

PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO

PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO Contador José Carlos Garcia de Mello MELLO 1 Controle Patrimonial MELLO 2 PATRIMÔNIO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Conceito Patrimônio Público, segundo Heilio Kohama, "compreende o conjunto

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES Versão: 02 Aprovação em: 23/12/2014 Ato de aprovação:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, o Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, no uso das suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO 1 - INTRODUÇÃO O Setor de Patrimônio do Campus Timóteo é uma extensão da Divisão de

Leia mais

MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL

MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo deste manual é definir conceitos e competências, estabelecendo normas e uniformizando procedimentos para toda a movimentação física e contábil

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA SG Nº 383 DE 19 DE AGOSTO DE 1993

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA SG Nº 383 DE 19 DE AGOSTO DE 1993 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA SG Nº 383 DE 19 DE AGOSTO DE 1993 O SECRETÁRIO-GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, no uso de suas atribuições regimentais estabelecidas pela Portaria-PGR nº 752, de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROVIMENTO Nº 001 /98 Estabelece normas e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais existentes na Universidade. O CONSELHO DE CURADORES, no uso de sua competência, atribuída através do artigo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 "Estabelece normas de controle para o Patrimônio do Poder Executivo Municipal." A Unidade Central de Controle Interno, no uso de suas atribuições, conforme determina o

Leia mais

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente PROJETO DE LEI N 493/2015 DISCIPLINA OS PROCEDIMENTOS DE BAIXA DE BENS MÓVEIS PERMANENTES DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PALHOÇA, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

DECRETO 4.479 DE 01 DE AGOSTO DE 2013.

DECRETO 4.479 DE 01 DE AGOSTO DE 2013. DECRETO 4.479 DE 01 DE AGOSTO DE 2013. Dispõe sobre o controle e a baixa do material permanente e de consumo no âmbito da Prefeitura Municipal de Severínia e Autarquias, nomeia a Comissão de Reavaliação,

Leia mais

DECRETO MUNICIPAL Nº 008/2013

DECRETO MUNICIPAL Nº 008/2013 DECRETO MUNICIPAL Nº 008/2013 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO DE BENS MÓVEIS PERMANEN- TES E DÁ OUTRAS PROVI- DÊNCIAS. 0 PREFEITO MUNICIPAL DE EMAS, Estado da Paraíba, usando das atribuições que lhe

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial

Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial 1) Como fazer uma doação de um Bem para o Instituto Federal do Paraná Câmpus Curitiba, adquirido com recursos de Projetos de Pesquisa? Deverá comunicar o

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 03 de julho de 2012. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Regulamenta os procedimentos para movimentação física dos bens patrimoniais,

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS

ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS 1 - OBJETIVO A Auditoria de Bens Patrimoniais tem por objetivo examinar os controles administrativos e contábeis, a situação e condições, bem como a verificação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 03/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014 Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014 REGULAMENTA A GESTÃO DOS BENS MÓVEIS INTEGRANTES DO PATRIMÔNIO PÚBLICO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 21 DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia Catarinense Campus Araquari, Prof. Robert Lenoch, no uso das atribuição que lhe

Leia mais

PREFEITURA DE ITABIRITO CONTROLE INTERNO INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERNA nº 014/2013 NORMAS DE PATRIMÔNIO

PREFEITURA DE ITABIRITO CONTROLE INTERNO INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERNA nº 014/2013 NORMAS DE PATRIMÔNIO Dispõe sobre a incorporação, carga patrimonial, movimentação, controle, responsabilização, conservação, recuperação, baixa, reaproveitamento e alienação de bens permanentes no âmbito do Poder Executivo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS ESTADO DO PARANÁ CONTROLADORIA INTERNA

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS ESTADO DO PARANÁ CONTROLADORIA INTERNA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 09/2008 Dispõe sobre as normas gerais e orientações a serem adotadas para o controle e conservação dos bens patrimoniais sob a responsabilidade da Câmara Municipal de São José dos

Leia mais

PORTARIA nº 649/2005

PORTARIA nº 649/2005 PORTARIA nº 649/2005 O SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO DO SALVADOR, no uso de suas atribuições, com base na Lei 4.320/64, e em cumprimento ao disposto no Decreto Municipal nº 16.126 de 10 de novembro

Leia mais

Câmara Municipal dos Barreiros

Câmara Municipal dos Barreiros Barreiros, 30 de Abril de 2010 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ofício nº 006/2010 SCI EXMO. SR. JOSÉ GERALDO DE SOUZA LEÃO M.D. Presidente da Câmara de Vereadores dos Barreiros NESTA O Coordenador do Sistema

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015 O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO, da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL, no uso das suas atribuições e considerando o disposto na Instrução

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA NORMA DE EXECUÇÃOIDAIN. -11/0 DE 39 DE ~~rt-o Dispõe sobre

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. VRADM - Superintendência Administrativa. Patrimônio Mobiliário. Normas e Procedimentos

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. VRADM - Superintendência Administrativa. Patrimônio Mobiliário. Normas e Procedimentos Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro VRADM - Superintendência Administrativa Patrimônio Mobiliário Normas e Procedimentos Definições: A PUC não possui um órgão centralizado para o controle

Leia mais

II - transferência: modalidade de movimentação de bens, com troca de responsabilidade, dentro da mesma empresa ou Administração Portuária;

II - transferência: modalidade de movimentação de bens, com troca de responsabilidade, dentro da mesma empresa ou Administração Portuária; RESOLUÇÃO Nº 443-ANTAQ, DE 07 DE JUNHO DE 2005. DISPÕE SOBRE A DESINCORPORAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE BENS DA UNIÃO SOB A GUARDA E RESPONSABILIDADE DAS ADMINISTRAÇÕES PORTUÁRIAS. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA

Leia mais

DECRETO Nº 16.126 de 10 de novembro de2005

DECRETO Nº 16.126 de 10 de novembro de2005 DECRETO Nº 16.126 de 10 de novembro de2005 Dispõe sobre a classificação de material, para fins de controle do orçamento público e da descentralização da Gestão Patrimonial da administração direta do Município

Leia mais

Inventário 2014 Manual de Procedimentos

Inventário 2014 Manual de Procedimentos Inventário 2014 Manual de Procedimentos O Inventário anual de bens móveis Conforme está previsto na legislação vigente (Instrução Normativa 205/88), é obrigatório aos gestores das Unidades responsáveis

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do Campus Bento Gonçalves do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012.

No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do Campus Bento Gonçalves do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012. Norma Operacional número 01/2012 Bento Gonçalves, 13 de janeiro de 2012 No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012. Norma Operacional nº 01/2012

Leia mais

MINUTA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 010/2012

MINUTA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 010/2012 MINUTA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 010/2012 DISPÕE SOBRE AS NORMAS E PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS NO REGISTRO, CONTROLE, INVENTÁRIO E DEPRECIAÇÃO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICÍPIO DE NOVA VENÉCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 348, DE 8 DE AGOSTO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 348, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 348, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. Publicado em: 08/08/2014 Normatiza os procedimentos para registro, baixa, avaliação e depreciação de bens patrimoniais no âmbito do Sistema CFBio/CRBios. O CONSELHO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 02/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP.

Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP. Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP. O Presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia

Leia mais

ÍNDICE GENERALIDADES 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PROCESSO ADMINISTRATIVO PARA ALIENAÇÃO DE BENS

ÍNDICE GENERALIDADES 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PROCESSO ADMINISTRATIVO PARA ALIENAÇÃO DE BENS ÍNDICE 00 FOLHA 01 ASSUNTO FOLHA GENERALIDADES 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PROCESSO ADMINISTRATIVO PARA ALIENAÇÃO DE BENS 03 01/03 ALIENAÇÃO POR VENDA 04 01/04 ALIENAÇÃO POR PERMUTA 05 01/01 ALIENAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 799/2007. (publicada no DOE nº 230, de 05 de dezembro de 2007) Regulamenta a administração dos

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. O Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, no uso de suas atribuições

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO nº 196, de 18 de outubro de 2013. Institui a obrigatoriedade de realizar os procedimentos de reavaliação, redução ao valor recuperável de ativos, depreciação, amortização e exaustão dos bens da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013 Publicada no Boletim de Serviço, n. 11, p. 6-14 em 13/11/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013 Dispõe sobre a administração de bens móveis patrimoniais no âmbito da Secretaria do Supremo

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO

MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO ÍNDICE: CAPÍTULO 01 NORMA E PROCEDIMENTOS 1 - OBJETIVO 03 2 - VISÃO 03 3 - DISPOSIÇÕES GERAIS 03 4 - DEFINIÇÕES 03 5 - CLASSIFICAÇÃO 03 6 - PEDIDO DE MATERIAL PERMANENTE

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO NORMATIVO N.º 47/2007

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO NORMATIVO N.º 47/2007 ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO NORMATIVO N.º 47/2007 DISPÕE SOBRE NORMAS PARA MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DOS BENS MÓVEIS NO ÂMBITO DAS UNIDADES DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil.

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil. Avaliação e Mensuração de Bens Patrimoniais em Entidades do Setor Público 1. DEFINIÇÕES Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior

Leia mais

PORTARIA N 1257, DE 25 DE JUNHO DE 2015.

PORTARIA N 1257, DE 25 DE JUNHO DE 2015. PORTARIA N 1257, DE 25 DE JUNHO DE 2015. O DIRETOR GERAL DO CAMPUS SAMAMBAIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA - IFB, nomeado pela Portaria Nº 1600, de 15 de outubro de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº. 003/2013-01

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº. 003/2013-01 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº. 003/2013-01 Estabelece normas e procedimentos relativos à organização, responsabilidade e baixa dos bens permanentes do acervo patrimonial da Prefeitura de Anápolis e dá

Leia mais

MANUAL CONTROLE PATRIMONIAL

MANUAL CONTROLE PATRIMONIAL MANUAL CONTROLE PATRIMONIAL Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO A partir da vigência da Constituição de 1988, a Administração Pública passou a conviver com normas e leis mais rígidas de controle contábil, financeiro,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011 Versão: 01 Aprovação em: 22/12/2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de Controle Patrimonial I FINALIDADE Estabelecer as diretrizes,

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo 1 de 10 Glossário de Termos e Siglas CATMAT Sistema de

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Ensino e Pós-Graduação Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo 1 de 6 Glossário de Termos: AGU Advocacia Geral

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 31/07/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FED. DE EDUCAÇÃO,CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE CONTABILIDADE

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 ESTADO DA PARAÍBA MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 Estabelece normas e procedimentos relativos à organização, responsabilidade e baixa dos bens permanentes

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 016/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social, RESOLVE: Art. 1º - Estabelecer normas e

Leia mais

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES

Apresentação PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução ão: Com a necessidade de manter os bens o maior tempo possível em uso, torna-se importante um acompanhamento eficiente de sua

Leia mais

Ref.: Orientações sobre processos de patrimônio e de recolhimento de bens. I - Processos de Patrimônio

Ref.: Orientações sobre processos de patrimônio e de recolhimento de bens. I - Processos de Patrimônio Ofício Circular DGA/ARCC Número 00027/2015 Campinas, 3 de novembro de 2015. À Diretoria da DD. Prof. Dr. Ref.: Orientações sobre processos de patrimônio e de recolhimento de bens

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB 1 BASE LEGAL LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 (Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das Autarquias

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

Pró-Reitoria de Administração Coordenadoria de Material e Patrimônio Divisão de Patrimônio. Manual de Patrimônio

Pró-Reitoria de Administração Coordenadoria de Material e Patrimônio Divisão de Patrimônio. Manual de Patrimônio Pró-Reitoria de Administração Coordenadoria de Material e Patrimônio Divisão de Patrimônio Manual de Patrimônio SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL... 4 2.1 OBJETIVO... 4

Leia mais

CURSO DE CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PÚBLICAS

CURSO DE CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PÚBLICAS CURSO CURSO DE CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PÚBLICAS SÃO LUÍS - MA 27 a 28/11 NOVEMBRO/2014 APRESENTAÇÃO Nas várias facetas que se reveste o tema gestão pública, certamente aquele que trata da gestão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41 DECRETO Nº. 075, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos para o encerramento do exercício financeiro de 2015 no âmbito da Administração Pública Municipal e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014. Estabelece procedimentos para o inventário de bens móveis, imóveis e bens de consumo da Fundação Universidade Federal de Rondônia. A Reitora

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

PATRIMôNIO NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO. PRESIDENTE Arnaldo Bernardino Alves. DIRETORA EXECUTIVA Rosângela Conde Watanabe

PATRIMôNIO NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO. PRESIDENTE Arnaldo Bernardino Alves. DIRETORA EXECUTIVA Rosângela Conde Watanabe VENTVRIS VENTIS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - FEPECS fepecs Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências

Leia mais

Introdução 3. Controle patrimonial 4. Definições de material 4. Material 4 Bens Móveis 4 Material de consumo 4 Material Permanente 4.

Introdução 3. Controle patrimonial 4. Definições de material 4. Material 4 Bens Móveis 4 Material de consumo 4 Material Permanente 4. Índice: Introdução 3 Controle patrimonial 4 Definições de material 4 Material 4 Bens Móveis 4 Material de consumo 4 Material Permanente 4 Incorporação 6 Identificação patrimonial 7 Transferências 8 Inventário

Leia mais

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Reitor

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Reitor UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

5) Vincular fiscais aos cronogramas no sistema SIASG / SICON, quando necessário; Saiba mais...

5) Vincular fiscais aos cronogramas no sistema SIASG / SICON, quando necessário; Saiba mais... 5) Vincular fiscais aos cronogramas no sistema SIASG / SICON, quando necessário; Saiba mais... Todo processo de aquisição ou contratação precisa de um fiscal! A Divisão de Contratos encaminha o processo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 002/2009. Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA:

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 002/2009. Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA: CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 002/2009 Versão: 02 Aprovação em: 18/08/2014 Unidade Responsável: Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA: Sistema de Controle

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA nº 5-2014/PR

PORTARIA NORMATIVA nº 5-2014/PR PORTARIA NORMATIVA nº 5-2014/PR Estabelece critérios, normas e procedimentos básicos para aquisição, mobilização, inventário e baixa de bens patrimoniais e de massa pertencentes ao IPASGO. O Presidente

Leia mais

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira Regulamento do inventa rio Junta de freguesia da Carapinheira 24-11-2014 Índice Página CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1º - Objecto 3 Artigo 2º - Âmbito 4 CAPÍTULO II Inventário e cadastro Artigo 3º

Leia mais

PORTARIA 359 DE 20 DE JANEIRO DE

PORTARIA 359 DE 20 DE JANEIRO DE PORTARIA 359 DE 20 DE JANEIRO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos para conservação e devolução de livros, bem como o descarte de livros didáticos irrecuperáveis ou desatualizados no âmbito da Secretaria

Leia mais

MÓDULO D PATRIMONIO. - Estrutura organizacional do ILMD para a respectiva área aprovada pelo CD Fiocruz

MÓDULO D PATRIMONIO. - Estrutura organizacional do ILMD para a respectiva área aprovada pelo CD Fiocruz MÓDULO D PATRIMONIO - Grau de descentralização administrativa do Patrimônio - Médio - Dados gerenciais ( X ) A Dirad possui dados gerenciais ou técnicos de diversas áreas do ILMD. conforme apresentados

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Freguesia

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Freguesia 1 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Freguesia Nota Justificativa Dada a inexistência de um regulamento sobre o inventário e cadastro do património da freguesia e por força da Lei nº

Leia mais

MANUAL DE P R O C E D I M E N T O S Administrativos e Operacionais P A T R I M Ô N IO

MANUAL DE P R O C E D I M E N T O S Administrativos e Operacionais P A T R I M Ô N IO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno MANUAL DE P R O C E D I M E N T O S Administrativos e Operacionais P

Leia mais

CONTABILIZAR BENS MATERIAIS E PATRIMONIAIS DO TJERJ 1 OBJETIVO

CONTABILIZAR BENS MATERIAIS E PATRIMONIAIS DO TJERJ 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe da Divisão de Classificação Contábil (DICLA) Analisado por: Diretor do Departamento Contábil (DECON) Aprovado por: Diretora-Geral da Diretoria-Geral de Planejamento, Coordenação e

Leia mais

AUDITORIA DE REGULARIDADE

AUDITORIA DE REGULARIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA CPA AUDITORIA DE REGULARIDADE DISCIPLINA: OFICINA DE PESQUISA TEMA:

Leia mais