Métodos Numéricos. (Integração numérica) Miguel Moreira DMAT

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos Numéricos. (Integração numérica) Miguel Moreira DMAT"

Transcrição

1 Métodos Numéricos (Integrção numéric) Miguel Moreir DMAT

2 1 Introdução Em muits situções, colocds à engenhri, é necessário conhecer o integrl definido I = f (x) dx sem que o mesmo poss ser cálculdo nliticmente: 1. qundo expressão de f é conhecid pens trvés de um tbel ou em resultdo de procedimentos experimentis;. qundo expressão de f é demsido complex, não se conhece um primitiv de f ou est não se pode exprimir de form elementr. Nests circunstâncis são utilizdos métodos de integrção numéric. Bsicmente, n integrção numéric procurmos proximr função f integrr por um função p simples de primitivr: I = f (x) dx p (x) dx. Tendo em vist controlr o erro cometido no processo de integrção numéric torn-se igulmente necessário sber estimr um mjornte E do erro cometido: f (x) dx p (x) dx E. Seguidmente introduziremos s mis usuis técnics de integrção numérics, bem como s expressões que nos permitirão controlr os erros cometidos. Regrs dos rectângulos Começremos por descrever s regrs dos rectângulos. Nests regrs, o intervlo de integrção [, b], é prticiondo em subintervlos no interior de cd qul função integrnd é proximd por um polinómio de gru zero (isto é, por um constnte dequd). Suponh-se que o intervlo de integrção se encontr prticiondo num único subintervlo. Então, o procedimento descrito nteriormente conduznos às proximções do integrl definido procurdo que seguidmente se presentm. 1 1/Junho/003

3 1. Regr do rectângulo à esquerd: f (x) dx. Regr do rectângulo à direit: 3. Regr do ponto médio: f (x) dx f (x) dx f () dx =(b ) f (). f (b) dx =(b ) f (b). ( ) + b f dx =(b ) f ( + b Se dmitirmos que função f é diferenciável no intervlo de integrção, um mjornte do erro cometido, n plicção ds regrs do rectângulo à esquerd e à direit, pode ser determindo com seguinte expressão: ). E R 1 (b ) mx x [,b] f (x). (1) Com efeito, se f é diferenciável em [, b], então f (x) =f ()+f (c)(x ) pr um certo c ], b[ (Teorem de Lgrnge). Dest form f (x) f () dx mx x [,b] f (x) = mx x [,b] f (x) (x ) dx = (x ) = 1 (b ) mx x [,b] f (x). Estes rgumentos demonstrm vercidde d firmção (1), no cso em que utilizmos regr do rectângulo à esquerd, isto é, qundo proximmos f (x) por f (). Anlogmente se demonstr (1) no cso utilizrmos regr do rectângulo à direit. No cso de plicrmos regr do ponto médio e dmitirmos que f é e clsse C em [, b], o respectivo mjornte do erro de integrção pode ser clculdo com seguinte expressão: E M 1 4 (b )3 mx x [,b] f (x). () b 1/Junho/003

4 Notemos, que ns condições indicds f (x) =f (x 0 )+f (x 0 )(x x 0 )+f (c) (x x 0), com x 0 = +b, pr um certo c ], b[ (Fórmul de Tylor de f, em x 0, com resto de ordem um). Então, pr um certo c ], b[ (f (x) f ()) dx = f (x 0 ) (x x 0 ) dx + f (c) (x x 0) dx = f (c) (x x 0) dx, pois (x x 0) dx =0(Porquê?). Nests circunstâncis f (x) f () mx f (x x 0 ) (x) dx x [,b] = mx f (x) (x x 0) 3 b x [,b] 6 = mx f (x ( + b b))3 (x) x [,b] 48 = 1 4 (b )3 mx f (x). x [,b] Estes fctos demonstrm (). Tendo em vist diminuir o erro cometido n plicção ds regrs nteriores, o intervlo de integrção pode ser subdividido em diferentes subintervlos, hbitulmente de idêntico comprimento, de form repetidmente se plicrem os lgorítmos de integrção e ssim obter s chmds regrs de integrção composts. Suponh-se, então, que [, b] se encontr subdividido em n subintervlos de idêntico comprimento h h = x k x k 1 = b, k =0,...,n. n Assim, x k = + kh, k =0,...,n. Tomemos,porexemplo,plicçãorepetiddregrdorectânguloàesquerd. Ter-se-á: n 1 xi +h n 1 f (x) dx = f (x) dx f (x i ) hdx. i=0 x i i=0 3 1/Junho/003

5 Notemos que os mjorntes dos erros cometidos no cálculo de cd integrl xi +h f (x) dx, d form trás indicd, serão x i E Ri 1 ( b n ) mx x [x i,x i +h] f (x), i =0,...,n 1. Assim, um mjornte E Compost R do erro totl cometido será E Compost R n 1 i=0 1 ( ) b mx n f (x) x [x i,x i +h] ( ) b mx x [,b] f (x) 1 n = 1 (b ) mx n f (x), x [,b] n o que mostr que o procedimento doptdo conduz efectivmente à dimuição do erro no cálculo proximdo do integrl, como seri de esperr. Notese que o erro totl E Compost R tende pr zero qundo n tende pr mis infinito. Argumentos semelhntes permitem chegr conclusões nálogs no tocnte à vntgem de plicr repetidmente tmbém os outros lgorimos de integrção. Resumidmente, plicção repetid, de cd um ds regrs nteriores, em intervlos prticiondos conduz os seguintes lgoritmos (regrs composts) e correspondentes fórmuls de mjorção dos erros: 1. Regr do rectângulo à esquerd compost (n subintervlos, h = b ): n [ b n 1 ] f (x) dx h f (x k ), (3) Se f diferenciável em [, b] : E Compost R 1 (b ) mx n f (x) (4). x [,b]. Regr do rectângulo à direit compost (n subintervlos, h = b ): n [ b n ] f (x) dx h f (x k ), (5) Se f diferenciável em [, b] :E Compost R 1 (b ) mx n f (x). (6) x [,b] k=0 k=1 4 1/Junho/003

6 3. Regr do ponto médio compost (n subintervlos, h = b n ): f (x) dx h [f (x 1 )+f (x 3 )+ + f (x n 1 )], (7) Se f é de clsse C em [, b] :E Compost M 1 4 (b ) 3 n mx f (x). x [,b] (8) Exemplo 1 Estime 1 sin xdx plicndoregrdopontomédioutilizndo 0 10 subintervlos de idêntico comprimento. Obtenh um mjornte do erro cometido. Comecemos por observr que h =1/10 e n =5.Então, 1 0 sin xdx 4 ( ) k sin 10 k= Tendo em vist estimr o erro cometido começemos por clculr mx sin x =sin x [0,1] Assim, E Compost M 1 (1 0) Regr do trpézio Ns fórmuls nteriores, s funções integrnds erm proximds, em cd subintervlo, por polinómios de gru zero. N chmd regr do trpézio, em cd subintervlo, função integrnd é proximd por um função polinomil de gru um, que interpol nos extremos dos intervlos considerdos. Tl proximção, sendo clrmente menos grosseir, deverá conduzir, comprtivmente, menores erros de integrção. Suponh-se, então, que o intervlo de integrção se encontr prticiondo num único subintervlo. Então, o procedimento descrito nteriormente conduznos, sem dificuldde, à seguinte proximção do integrl definido procurdo, f (x) dx (b ) f ()+f (b) (9) 5 1/Junho/003

7 que corresponde o seguinte mjornte do erro cometido E T, dmitindo que função integrnd é de clsse C em [, b] : E T 1 1 (b )3 mx x [,b] f (x). (10) No cso de plicrmos repetidmente regr do trpézio n idênticos subintervlos de [, b] (n subintervlos, h = b ), obtemos o seguinte lgoritmo (Regr do trpézio compost) e correspondente fórmul de n mjorçãodoerrocometido: f (x) dx h [f (x 0)+f (x 1 )+ +f (x n 1 )+f (x n )], (11) Se f édeclssec em [, b] :E Compost T 1 1 (b ) 3 n mx f (x). (1) x [,b] Tendo em vist comprr regr do ponto médio com regr do trpézio, vliemos expressão () e expressão (1) E M 1 4 (b )3 mx x [,b] f (x). E Compost T 1 (b ) 3 mx 1 n f (x), x [,b] fzendo nest últim n =(porquê?). Verificmos que n plicção d regr do trpézio o mjornte do erro é dus vezes menor! Este fcto confirm idei referid inicilmente que sugeri obtenção de erros de integrção comprtivmente menores. 4 Regr de Simpson Finlmente, n chmd regr de Simpson, em cd subintervlo [x i,x i + h, x i +h], função integrnd f é proximd por um função polinomil de gru dois que interpol f nestes nós. Concretizemos. Suponh-se que o intervlo originl de integrção se encontr prticiondo em dois subintervlos de idêntico comprimento (h = b ). Então, o procedimento descrito, conduz-nos à 6 1/Junho/003

8 seguinte proximção do integrl definido procurdo, f (x) dx b [ ( ) + b f ()+4f 6 ] + f (b) (13) = h + b [f ()+4f (m)+f (b)],m= 3. (14) que corresponde o seguinte mjornte do erro cometido E S, dmitindo que função integrnd é de clsse C 4 em [, b]: E S (b )5 880 mx f (4) (x). (15) x [,b] No cso de plicrmos repetidmente regr de Simpson n idênticos subintervlos de [, b] (n subintervlos, h = b ), obtemos o seguinte lgoritmo (Regr de Simpson compost) e correspondente fórmul de n mjorçãodoerrocometido: f (x) dx h [ ] f (x0 )+4f (x 1 )+f (x )+4f (x 3 )+, 3 +f (x n )+4f (x n 1 )+f (x n ) Se f édeclssec 4 em [, b] :E Compost S (b )5 880n 4 mx f (4) (x). x [,b] Note-se que cd dois intervlos consecutivos definem os três pontos de interpolção necessários. Exemplo Clcule 5 x dx plicndo regr dos trpézios e regr de 1 x+1 Simpson utilizndo 4 intervlos equidistntes. Estime mjorntes dos erros cometidos. Utilizndo 4 intervlos equidistntes result: x i =1+hi com i =0,...,4 e h =1.Assimpelregrdotrpézio: 5 ( ) x f 1 x +1 dx h (x0 )+f (x 4 ) + f (x 1 )+f (x )+f (x 3 ) ( 1 = ) = Pel regr de Simpson: 5 1 x x +1 dx h 3 (f (x 0 + f (x 4 )) + 4f (x 1 )+f (x )+4f (x 3 )) = 1 ( ) = /Junho/003

9 Clculemos gor os mjorntes dos vlores bsolutos segund e qurt derivd de f (x) = x no intervlo de integrção. x+1 Comecemos por clculr os vlores bosolutos ds seguintes derivds nos referidos intervlos: d ( ) x x+1 = dx (x +1) 3, d ( ) 4 x x+1 4 = dx 4 (x +1) 5. Como qulquer dests funções é decrescente (no intervlo indicdo) o respectivo máximo ocorre em x =1. Assim, os mjorntes solicitdos, tendo em cont s expressões respectivs, serão e E Compost (5 1)3 T (1 + 1) E Compost S (5 1) (1 + 1) Fórmuls de Newton-Cotes e gru de um fórmul de qudrtur Como verificámos nteriormente, s fórmuls de integrção utilizds (tmbém chmds fórmuls de qudrtur), são crcterizds por expressões do tipo n f (x) dx A k f (x k ), em que A k,k=0,...,n, representm pesos propridos ou coeficientes de ponderção e f (x k ), k =0,...,n, o vlor d função integrnd nos correspondentes nós. Ests fórmuls de qudrtur, podem ser deduzids, sem dificulddes de mior, recorrendo o polinómio interpoldor de Lgrnge, como ilustrremos seguidmente. Consideremos o polinómio interpoldor de Lgrnge k=0 p n (x) = n L k (x) f (x k ) k=0 8 1/Junho/003

10 com L k (x) = l k (x) l k (x k ),k=0,...,n que interpol o intervlo [, b], nos n +1nós Dest form, com I = = = = x 0,x 1,...,x n = b. f (x) dx p n (x) dx n f (x k ) L k (x) dx k=0 n A k f (x k ), k=0 A k = Este fcto mostr que fórmul de qudrtur f (x) dx L k (x) dx. (16) n A k f (x k ), pr proximr o integrl definido I, ns condições indicds, present coeficientes de ponderção A k que se clculm trvés d expressão (16). Ilustremos este procedimento pr deduzir regr de Simpson. Consideremos o polinómio interpoldor de gru menor ou igul dois dos pontos de nós distintos ( + b (, f ()),,f k=0 ( + b Os correspondentes polinómios de Lgrnge são ( ) x +b (x b) L 0 (x) = ( ), +b ( b) )) e (b, f (b)). (x )(x b) L 1 (x) = ( +b )( +b b ) e L (x) = (x ) ( ) x +b (b ) ( ). b +b 9 1/Junho/003

11 Então, tendo em cont (16), deduz-se ( ) x +b (x b) A 0 = L 0 (x) dx = ( ) dx = 1 (b ), +b ( b) 6 (x )(x b) A 1 = L 1 (x) dx = ( +b )( +b b )dx = (b ) e 3 (x ) ( ) x +b A = L (x) dx = (b ) ( ) dx = 1 (b ). b +b 6 Assim, regr de Simpson ssume form isto é, f (x) dx 1 (b ) f () 6 + ( ) + b 3 (b ) f + 1 (b ) f (b), 6 f (x) dx 1 ( ) + b [f 6 (b ) ()+4f ] + f (b), como seri de esperr [bst compr expressão obtid com (13)]. Ao utilizrmos fórmuls tis como expressão (1), entre outrs, pr estimr um mjornte do erro cometido n integrção numéric relizd, verificmos que ests dependem de um cert ordem d derivd d função integrnd. Assim, se por exemplo, se plicrmos regr do trpézio pr integrr numericmente um polinómio de gru 0 ou 1, verificmos imeditmente que o erro cometido é nulo, já que segund derivd dests funções é identicmente nul. Este princípio motiv definição do conceito de gru de um fórmul de integrção como sendo o mis elevdo gru do polinómio que pode ser integrdo numéricmente, por est, com erro nulo. Mis formlmente o gru de um fórmul de integrção pode ser definido com se segue. Sej n I n (f (x)) = A k f (x k ) um fórmul de integrção. Se k=0 I n (p n (x)) = I (p n (x)) 10 1/Junho/003

12 qulquer que sej o polinómio p n (x), de gru igul ou inferior n eseexistir um polinómio q n+1, de gru superior n, tl que I n (q n+1 (x)) I (q n+1 (x)), então, fórmul de integrção I n, tem gru n. Fórmuls de qudrtur de gru não inferior n que utilizm os pontos (igulmente espçdos) x k = x 0 + kh, k = 0,...,n, são conhecids por fórmuls de Newton-Cotes. As regrs do trpézio e de Simpson, como vimos, são fórmuls de Newton-Cotes, pr n =1e n =, respectivmente. É possível mostrr que 1. s regrs dos rectângulos são de gru zero;. s regrs do ponto médio e do trpézio são de gru um; 3. regr de Simpson é de gru /Junho/003

13 Exercícios propostos Alguns destes exercícios form extrídos de Crpentier []. Exercício 1 Estime, plicndo regr do rectângulo à esquerd 1 0 x dx utilizndo 3 subintervlos iguis. Exercício Estime, plicndo regr do rectângulo à direit 1 0 x dx utilizndo 3 subintervlos iguis. Exercício 3 Estime, plicndo regr do ponto médio 1 0 x dx utilizndo 10 subintervlos iguis. Exercício 4 Considere o integrl 1 0 e x dx. 1. Determine o seu vlor proximdo, usndo 4 subintervlos e utilizndo respectivmente regr dos rectângulos, regr dos trpézios e regr de Simpson;.Fçumestimtivdonúmeromínimodesubintervlosquesedeveri considerr se se pretendesse clculr integrl ddo com um erro inferior 10 4,utilizndosregrsdlínenterior. Exercício 5 Sej f umpolinómiodo3 o gru, do qul lguns vlores são fornecidos n seguinte tbel x x 0 x 1 x x 3 x 4 x 5 f (x) 6 f 1 f 3 10 f 5 1. Sbendo que os pontos x i se encontrm igulmente espçdos, com psso h =1, e que f =1,determinef 1 ;. Clcule f [x 0,x 1,x ] e 3 f 0 ; 3. Clcule o integrl d função qundo [, b] =[x 0,x 4 ],usndoumfórmul numéric que sej exct pr f (x) e com o menor número de operções possíveis. Qul o gru d fórmul utilizd? Exercício 6 Considere seguinte tbel, onde x (t) represent coordend de um ponto mteril no instnte t: Suponh que x (t) = t + vt + s 0. t x (t) /Junho/003

14 1. Determine,, v e s 0, utilizndo o método de interpolção de Newton;. Utilizndo um qudrtur que sej exct pr este cso, clcule 0.5 x (t) dt. 0.3 Justifique escolh d qudrtur. Exercício 7 Sbe-se que 1 0 (x + x +1)dx = Pretende-se clculr o integrl plicndo regr dos trpézios. () Obtenh o vlor pretendido utilizndo pontos; (b) Obtenh o vlor pretendido considerndo 4 pontos; (c) Aplique fórmul de Richrdson f (x) dx 4T n T n 3 em que T k represent plicção d regr do trpézio com k pontos, os resultdos obtidos ns línes nteriores. Comente os resultdos.. Ao plicr regr de Simpson () Qul o número de pontos considerr de modo obter mior exctidão? (b) Clcule o vlor do integrl pel fórmul indicd. Exercício 8 Tendo em cont firmção π 4 prte de um círculo de rio unitário, i.e., éovlordáredqurt x dx, determine, utilizndo regr dos trpézios com 5 subintervlos, um vlor proximdo de π. Poderá estimr o erro de trunctur cometido? 4 Exercício 9 Pr poder clculr o vlor proximdo de π/3 ln (sin x) dx, π/4 determine o número mínimo de subintervlos em que será necessário subdividir o intervlo de integrção, de form ssegurr que o erro não exced, em vlor bsoluto, 10 4, qundo 1. se utiliz regr dos trpézios;. se utiliz regr de Simpson; 13 1/Junho/003

15 Exercício 10 Pretende-se clculr um vlor proximdo de I = 1 ln ( 1 x) dx. 1. Use regr de Simpson pr obter um proximção de I com erro bsoluto inferior ;. Sem determinr o vlor excto de I, será possível sber se o vlor obtido pr I é por defeito ou por excesso? Justifique. Exercício 11 Demonstre que, n regr de integrção do ponto médio, se tem x0 + h x 0 h f (x) dx = hf (x 0 )+E (f) onde E (f) = h3 f (θ) 4,comθ ] x 0 h,x 0 + h [. 14 1/Junho/003

16 Referêncis [1] Apostol, Tom M., Clculus, Editoril Reverté, [] Crpentier, M. P. J., Análise Numéric-Teori, Sebent editd pel AEIST em Fev [3] Conte, S. D. & Boor, C., Elementry Numericl Anlysis, McGrw-Hill, [4] Gerld, C. e Whetley, P., Applied Numericl Anlysis, Addison-Wesley, [5] Lindfield, G. e Penny, J., Numericl Methods Using Mtlb. Ellis Horwood, [6] Kreyszig, Erwin., Advnced Engineering Mthemtics (Cp. 17 e 18), Willey, (Livro de texto). [7] Pin, Heitor, Métodos Numéricos, McGrw-Hill, [8] Press, W., Flnnery, B. P., Teukolsky, S. A. e Vetterling, W. T., Numericl Recipes-The Art of Scientific Computing, Cmbridge University Press, [9] Sntos, F. C., Fundmentos de Análise Numéric, Edições Sílbo, /Junho/003

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Integrção Numéric Métodos Numéricos e Esttísticos Prte I-Métodos Numéricos Integrção numéric Luís Morgdo Lic. Eng. Biomédic e Bioengenhri-009/010 Luís Morgdo Integrção numéric Integrção Numéric Recorrendo

Leia mais

Lista de Exercícios: Integração Numérica. xe x 2 dx. x f(x) t(min.) v(km/h)

Lista de Exercícios: Integração Numérica. xe x 2 dx. x f(x) t(min.) v(km/h) Instituto de Ciêncis Mtemátics de São Crlos - USP Deprtmento de Mtemátic Aplicd e Esttístic Prof: Murilo List de Exercícios: Integrção Numéric. Obtenh fórmul de integrção de Newton-Cotes do tipo fechdo,

Leia mais

Prof. Doherty Andrade- DMA/UEM DMA-UEM-2004

Prof. Doherty Andrade- DMA/UEM DMA-UEM-2004 Integrção Numéric Prof. Doherty Andrde- DMA/UEM DMA-UEM-4 Preliminres Nests nots o nosso interesse é clculr numericmente integris f(x)dx. A idéi d integrção numéric reside n proximção d função integrnd

Leia mais

dx f(x) dx p(x). dx p(x) + dx f (n) n! i=1 f(x i) l i (x) ), a aproximação seria então dada por f(x i ) l i (x) = i=1 i=1 C i f(x i ), i=1 C i =

dx f(x) dx p(x). dx p(x) + dx f (n) n! i=1 f(x i) l i (x) ), a aproximação seria então dada por f(x i ) l i (x) = i=1 i=1 C i f(x i ), i=1 C i = Cpítulo 7 Integrção numéric 71 Qudrtur por interpolção O método de qudrtur por interpolção consiste em utilizr um polinômio interpolnte p(x) pr proximr o integrndo f(x) no domínio de integrção [, b] Dess

Leia mais

Artur Miguel Cruz. Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Setúbal 2015/2016 1

Artur Miguel Cruz. Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Setúbal 2015/2016 1 Itegrção Numéric Aálise Numéric Artur Miguel Cruz Escol Superior de Tecologi Istituto Politécico de Setúbl 015/016 1 1 versão 13 de Juho de 017 1 Itrodução Clculr itegris é muito mis difícil do que clculr

Leia mais

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS.

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS. Qudrtur por interpolção DMPA IM UFRGS Cálculo Numérico Índice Qudrtur por interpolção 1 Qudrtur por interpolção 2 Qudrturs simples Qudrturs composts 3 Qudrtur por interpolção Qudrtur por interpolção O

Leia mais

Capítulo Breve referência histórica Aproximação da primeira derivada

Capítulo Breve referência histórica Aproximação da primeira derivada Cpítulo 5 Derivção e integrção numéric 5.1 Breve referênci istóric As técnics de derivção e integrção numéric, d form como s iremos estudr neste cpítulo, têm mesm origem d interpolção. No entnto, temos

Leia mais

Diferenciação Numérica

Diferenciação Numérica Cpítulo 6: Dierencição e Integrção Numéric Dierencição Numéric Em muits circunstâncis, torn-se diícil oter vlores de derivds de um unção: derivds que não são de ácil otenção; Eemplo clculr ª derivd: e

Leia mais

Homero Ghioti da Silva. 9 de Junho de 2016 FACIP/UFU. Homero Ghioti da Silva (FACIP/UFU) 9 de Junho de / 16

Homero Ghioti da Silva. 9 de Junho de 2016 FACIP/UFU. Homero Ghioti da Silva (FACIP/UFU) 9 de Junho de / 16 Homero Ghioti d Silv FACIP/UFU 9 de Junho de 216 Homero Ghioti d Silv (FACIP/UFU) 9 de Junho de 216 1 / 16 Integrção Numéric Motivção Estudr métodos numéricos pr se resolver integris denids do tipo I =

Leia mais

Integração Numérica Grau de uma regra

Integração Numérica Grau de uma regra Integrção Numéric Gru de um regr Um regr diz-se de gru n se integrr sem erro todos os polinómios de gru n eexistir pelo menos um polinómio de gru n que não é integrdo exctmente. Exemplos: Regr do Trpézio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas. CÁLCULO L1 NOTAS DA DÉCIMA SÉTIMA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nest ul, utilizremos o Teorem Fundmentl do Cálculo (TFC) pr o cálculo d áre entre dus curvs. 1. A áre entre dus curvs A

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli Introdução à Integrl Definid Aul 04 Mtemátic II Agronomi Prof. Dnilene Donin Berticelli Áre Desde os tempos mis ntigos os mtemáticos se preocupm com o prolem de determinr áre de um figur pln. O procedimento

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Integração Numérica. Leonardo F. Guidi. Cálculo Numérico DMPA IME UFRGS

Integração Numérica. Leonardo F. Guidi. Cálculo Numérico DMPA IME UFRGS Qudrtur por interpolção DMPA IME UFRGS Cálculo Numérico Índice Qudrtur por interpolção 1 Qudrtur por interpolção 2 Qudrturs simples Qudrturs composts 3 4 Qudrtur por interpolção Qudrtur por interpolção

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

4.2. ME TODO DE LAGRANGE

4.2. ME TODO DE LAGRANGE Cpítulo 4 Interpolção 4. Introdução Ddos n + pontos do plno P 0 = (x 0, y 0 ), P = (x, y ),, P n = (x n, y n ), tis que x i x j se i j, nosso principl objetivo neste cpítulo é encontrr um função f (x)

Leia mais

Introdução ao Cálculo Numérico S(M, B) = (y i Mx i B) 2

Introdução ao Cálculo Numérico S(M, B) = (y i Mx i B) 2 Introdução o Cálculo Numérico 25 List de Exercícios 2 Observção importnte: Resolv o proplem pr o di d prov com função f(x) = cos(πx/2) e não com f(x) = sin(πx)! Problem 1. Sejm {x i, y i } n i= números

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

MATEMÁTICA COMPUTACIONAL

MATEMÁTICA COMPUTACIONAL MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Mestrdo Integrdo em Engenhri Físic Tecnológic Ano Lectivo: 2007/2008 Semestre: 1 o TCCC Exercícios [3] Considere um equção f(x) = 0 onde f : I R R é um função continumente Newton.

Leia mais

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT 5 SEVERINO TOSCANO DO REGO MELO. Polinômios de Tylor A ret tngente o gráfico de um função f derivável em um ponto define função de primeiro gru que melhor proxim função em pontos

Leia mais

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci MÓDULO - AULA 7 Aul 7 Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci Objetivo Conhecer dois critérios de convergênci de integris imprópris:

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c.

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c. EQUAÇÃO DO GRAU Você já estudou em série nterior s equções do 1 gru, o gru de um equção é ddo pelo mior expoente d vriável, vej lguns exemplos: x + = 3 equção do 1 gru já que o expoente do x é 1 5x 8 =

Leia mais

Aproximação de funções de Bessel

Aproximação de funções de Bessel Aproximção de funções de Bessel Gonzlo Trvieso 2013-04-05 Sumário 1 Integrção numéric 1 1.1 Integrl definid......................... 1 1.2 Regr do trpézio......................... 1 1.3 Número de intervlos.......................

Leia mais

< 9 0 < f(2) 1 < 18 1 < f(2) < 19

< 9 0 < f(2) 1 < 18 1 < f(2) < 19 Resolução do Eme Mtemátic A código 6 ª fse 08.. (B) 0 P = C 6 ( )6 ( ).. (B) Como f é contínu em [0; ] e diferenciável em ]0; [, pelo teorem de Lgrnge, eiste c ]0; [tl que f() f(0) = f (c). 0 Como 0

Leia mais

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução Elementos de Análise - List 6 - Solução 1. Pr cd f bixo considere F (x) = x f(t) dt. Pr quis vlores de x temos F (x) = f(x)? () f(x) = se x 1, f(x) = 1 se x > 1; F (x) = se x 1, F (x) = x 1 se x > 1. Portnto

Leia mais

1 A Integral de Riemann

1 A Integral de Riemann Medid e Integrção. Deprtmento de Físic e Mtemátic. USP-RP. Prof. Rfel A. Rosles 22 de mio de 27. As seguintes nots presentm lgums limitções d integrl de Riemnn com o propósito de justificr construção d

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas;

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o : Áre entre Curvs, Comprimento de Arco e Trblho Objetivos d Aul Clculr áre entre curvs; Clculr o comprimento de rco; Denir Trblho. 1 Áre entre

Leia mais

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos Aplicções de integris Áres e comprimentos MÓDULO - AULA 9 Aul 9 Aplicções de integris Áres e comprimentos Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo d áre de um superfície de revolução e do comprimento

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

Aplicações da integral Volumes

Aplicações da integral Volumes Aplicções d integrl Volumes Sumário. Método ds seções trnsversis........... 5. Método ds cscs cilíndrics............. 6.3 Exercícios........................ 9.4 Mis plicções d integrl Áres e comprimentos.5

Leia mais

AULA 1 Introdução 3. AULA 2 Propriedades e teorema fundamental do cálculo 5. AULA 3 Integrais indefinidas 7. AULA 4 Integração por substituição 9

AULA 1 Introdução 3. AULA 2 Propriedades e teorema fundamental do cálculo 5. AULA 3 Integrais indefinidas 7. AULA 4 Integração por substituição 9 www.mtemticemexercicios.com Integris (volume ) Índice AULA Introdução AULA Proprieddes e teorem fundmentl do cálculo 5 AULA Integris indefinids 7 AULA 4 Integrção por sustituição 9 AULA 5 Integrção por

Leia mais

Cálculo integral. 4.1 Preliminares

Cálculo integral. 4.1 Preliminares Cpítulo 4 Cálculo integrl 4. Preinres Considere um decomposição do intervlo [, ] R em su-intervlos d orm [x, x ], [x, x ],..., [x n, x n ], onde = x < x < < x n < x n = e n N. Por um questão de simplicidde,

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Integris imprópris

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões Aul de solução de problems: cinemátic em 1 e dimensões Crlos Mciel O. Bstos, Edurdo R. Azevedo FCM 01 - Físic Gerl pr Químicos 1. Velocidde instntâne 1 A posição de um corpo oscil pendurdo por um mol é

Leia mais

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i Integrl Noção de Integrl. Integrl é o nálogo pr unções d noção de som. Ddos n números 1, 2,..., n, podemos tomr su som 1 + 2 +... + n = i. O integrl de = té = b dum unção contínu é um mneir de somr todos

Leia mais

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração RESUMO DE INTEGRAIS INTEGRAL INDEFINIDA A rte de encontrr ntiderivds é chmd de integrção. Desse modo, o plicr integrl dos dois ldos d equção, encontrmos tl d ntiderivd: f (x) = d dx [F (x)] f (x)dx = F

Leia mais

(x, y) dy. (x, y) dy =

(x, y) dy. (x, y) dy = Seção 7 Função Gm A expressão n! = 1 3... n (1 está definid pens pr vlores inteiros positivos de n. Um primeir extensão é feit dizendo que! = 1. Ms queremos estender noção de ftoril inclusive pr vlores

Leia mais

CÁLCULO I. Denir e calcular o centroide de uma lâmina.

CÁLCULO I. Denir e calcular o centroide de uma lâmina. CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Aul n o : Aplicções d Integrl: Momentos. Centro de Mss Objetivos d Aul Denir momento em relção um ponto xo e um ret. Denir e clculr

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

Utilizar a integral definida para calcular área, comprimento de arcos, volume de sólidos de revolução e trabalho mecânico.

Utilizar a integral definida para calcular área, comprimento de arcos, volume de sólidos de revolução e trabalho mecânico. Aul 3 Aplicções d integrl Objetivos Utilizr integrl definid pr clculr áre, comprimento de rcos, volume de sólidos de revolução e trblho mecânico. Inicimos ul 9, dedicd à integrção, motivndo o conceito

Leia mais

Fundamentos de Matemática I EFETUANDO INTEGRAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Fundamentos de Matemática I EFETUANDO INTEGRAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques EFETUANDO INTEGRAIS 7 Gil d Cost Mrques Fundmentos de Mtemátic I 7. Introdução 7. Algums Proprieddes d Integrl Definid Propriedde Propriedde Propriedde Propriedde 4 7. Um primeir técnic de Integrção 7..

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

Análise numérica para solução de integrais não elementares

Análise numérica para solução de integrais não elementares UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA CAMPUS CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ESPECIALIZACAO EM MATEMÁTICA PURA E APLICADA Análise numéric pr solução de integris não elementres por BALDOINO SONILDO

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

Termodinâmica e Estrutura da Matéria 2013/14

Termodinâmica e Estrutura da Matéria 2013/14 Termodinâmic e Estrutur d Mtéri 3/4 (LMAC, MEFT, MEBiom Responsável: João P Bizrro Prátics: Edurdo Cstro e ítor Crdoso Deprtmento de Físic, Instituto Superior Técnico Resolução de exercícios propostos

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Prof. Emerson Veig Prof. Tigo Coelho Aul n o 26: Teorem do Vlor Médio pr Integris. Teorem Fundmentl do Cálculo II. Funções dds por

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL E INTEGRAÇÃO NUMÉRICA. Equipe de Cálculo Numérico do MAP/IME/USP

INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL E INTEGRAÇÃO NUMÉRICA. Equipe de Cálculo Numérico do MAP/IME/USP INTERPOLAÇÃO POLINOMIAL E INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Equipe de Cálculo Numérico do MAP/IME/USP Nests nots desenvolveremos teori d prte finl do curso, escolendo lguns cminos lterntivos à referênci principl, que

Leia mais

CÁLCULO I. Denir o trabalho realizado por uma força variável; Denir pressão e força exercidas por um uido.

CÁLCULO I. Denir o trabalho realizado por uma força variável; Denir pressão e força exercidas por um uido. CÁLCULO I Aul n o 3: Comprimento de Arco. Trblho. Pressão e Forç Hidrostátic. Objetivos d Aul Denir comprimento de rco; Denir o trblho relizdo por um forç vriável; Denir pressão e forç exercids por um

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I 2 o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec

Cálculo Diferencial e Integral I 2 o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec Cálculo Diferencil e Integrl I o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec de Junho de, h Durção: hm Apresente todos os cálculos e justificções relevntes..5 vl.) Clcule, se eistirem em R, os limites i)

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prov Escrit de MATEMÁTICA A - o Ano 0 - Fse Propost de resolução GRUPO I. Como comissão deve ter etmente mulheres, num totl de pessos, será constituíd por um único homem. Logo, como eistem 6 homens no

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 10º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A FICHA DE AVALIAÇÃO Nº 5. Grupo I

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS COIMBRA 10º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A FICHA DE AVALIAÇÃO Nº 5. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA COM º CICLO D. DINIS COIMBRA 10º ANO DE ESCOLARIDADE MATEMÁTICA A FICHA DE AVALIAÇÃO Nº Grupo I As cinco questões deste grupo são de escolh múltipl. Pr cd um dels são indicds qutro lterntivs,

Leia mais

Resposta: Basta fazer integração por partes. Seja j = 1 (para j 1, o argumento é o mesmo). Logo. i x 1. lim. lim. (R n ), temos.

Resposta: Basta fazer integração por partes. Seja j = 1 (para j 1, o argumento é o mesmo). Logo. i x 1. lim. lim. (R n ), temos. LISTA DE EXECÍCIOS 5 - TEOIA DAS DISTIBUIÇÕES E ANÁLISE DE OUIE MAP 57-4 PO: PEDO T P LOPES WWWIMEUSPB/ PPLOPES/DISTIBUICOES Os eercícios seguir form seleciondos do livro do Duistermt e Kolk denotdo por

Leia mais

V ( ) 3 ( ) ( ) ( ) ( ) { } { } ( r ) 2. Questões tipo exame Os triângulos [ BC Da figura ao lado são semelhantes, pelo que: BC CC. Pág.

V ( ) 3 ( ) ( ) ( ) ( ) { } { } ( r ) 2. Questões tipo exame Os triângulos [ BC Da figura ao lado são semelhantes, pelo que: BC CC. Pág. António: c ; Diogo: ( ) i e ; Rit: e c Pág Se s firmções dos três migos são verddeirs, firmção do António é verddeir, pelo que proposição c é verddeir e, consequentemente, proposição c é fls Por outro

Leia mais

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas;

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas; Funções vetoriis Integris MÓDULO 3 - AULA 35 Aul 35 Funções vetoriis Integris Objetivo Conhecer integrl de funções vetoriis; Aprender clculr comprimentos de curvs prmetrizds; Aprender clculr áres de regiões

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte Neste texto vmos provr um importnte resultdo que nos permite clculr integris definids. Ele pode ser enuncido como

Leia mais

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL MAT 103 - Complementos de Mtemátic pr Contbilidde - FEAUSP 1 o semestre de 011 Professor Oswldo Rio Brnco de Oliveir INTEGRAL Suponhmos um torneir bert em um recipiente e com velocidde de escomento d águ

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

I = O valor de I será associado a uma área, e usaremos esta idéia para desenvolver um algoritmo numérico. Ao

I = O valor de I será associado a uma área, e usaremos esta idéia para desenvolver um algoritmo numérico. Ao Cpítulo 6 Integrl Nosso objetivo qui é clculr integrl definid I = f(x)dx. (6.1) O vlor de I será ssocido um áre, e usremos est idéi pr desenvolver um lgoritmo numérico. Ao contrário d diferencição numéric,

Leia mais

(B) (A) e o valor desta integral é 9. gabarito: Propriedades da integral Represente geometricamente as integrais para acompanhar o cálculo.

(B) (A) e o valor desta integral é 9. gabarito: Propriedades da integral Represente geometricamente as integrais para acompanhar o cálculo. Cálculo Univrido List numero integrl trcisio@sorlmtemtic.org T. Prcino-Pereir Sorl Mtemátic lun@: 7 de setemro de 7 Cálculo Produzido com L A TEX sis. op. Dein/GNU/Linux www.clculo.sorlmtemtic.org/ Os

Leia mais

Usando qualquer um dos métodos de primitivação indicados anteriormente, determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. e x e 2x + 2e x + 1

Usando qualquer um dos métodos de primitivação indicados anteriormente, determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. e x e 2x + 2e x + 1 Instituto Superior Técnico Deprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LEIC-ALAMEDA o SEM. 7/8 6 FICHA DE EXERCÍCIOS I. Treino Complementr de Primitivs. CÁLCULO INTEGRAL

Leia mais

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas 8.1 Áres Plns Suponh que um cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região

Leia mais

6 Cálculo Integral. 1. (Exercício VI.1 de [1]) Considere a função f definida no intervalo [0, 2] por. 1 se x [0, 1[ 3 se x ]1, 2]

6 Cálculo Integral. 1. (Exercício VI.1 de [1]) Considere a função f definida no intervalo [0, 2] por. 1 se x [0, 1[ 3 se x ]1, 2] 6 Cálculo Integrl. (Eercício VI. de []) Considere função f definid no intervlo [, ] por se [, [ f () = se = 3 se ], ] () Mostre que pr tod decomposição do intervlo [, ], s soms superior S d ( f ) e inferior

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade 1 Limite - Revisão O conceito de limite de um função contribui pr nálise do comportmento d função n vizinhnç de um determindo ponto. Intuitivmente, dd um função f(x) e um ponto b que pertence o domínio

Leia mais

Problemas e Algoritmos

Problemas e Algoritmos Problems e Algoritmos Em muitos domínios, há problems que pedem síd com proprieddes específics qundo são fornecids entrds válids. O primeiro psso é definir o problem usndo estruturs dequds (modelo), seguir

Leia mais

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8 GUIÃO REVISÕES Simplificção de expressões Um disco rígido de 00Gb foi dividido em qutro prtições. O conselho directivo ficou com 1 4, os docentes ficrm com 1 4, os lunos ficrm com 8 e o restnte ficou pr

Leia mais

MATEMÁTICA II. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari

MATEMÁTICA II. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari MATEMÁTICA II Prof. Dr. Amnd Liz Pcífico Mnfrim Perticrrri mnd.perticrrri@unesp.r DEFINIÇÃO. Se f é um função contínu definid em x, dividimos o intervlo, em n suintervlos de comprimentos iguis: x = n Sejm

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano.

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano. CÁLCULO NUMÉRICO Prof. Dr. Yr de Souz Tdno yrtdno@utfpr.edu.br Aul 0 0/04 Sistems de Equções Lineres Prte MÉTODOS ITERATIVOS Cálculo Numérico /9 MOTIVAÇÃO Os métodos itertivos ou de proimção fornecem um

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura.

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura. Cálculo I Aul 2 - Cálculo de Volumes Dt: 29/6/25 Objetivos d Aul: Clculr volumes de sólidos por seções trnsversis Plvrs-chves: Seções Trnsversis - Volumes Volume de um Cilindro Nosso objetivo nest unidde

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam Aplicções de integris Volumes Aul 28 Aplicções de integris Volumes Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo de diversos tipos de volumes de sólidos, especificmente os chmdos método ds seções

Leia mais

IFRN Campus Natal/Central. Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos matemáticos para físicos e engenheiros - Aula 02.

IFRN Campus Natal/Central. Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos matemáticos para físicos e engenheiros - Aula 02. IFRN Cmpus Ntl/Centrl Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos mtemáticos pr físicos e engenheiros - Aul 0 Séries de Fourier 3 de gosto de 08 Resumo Neste ul, vmos estudr o conceito de conjunto completo

Leia mais

Revisão de Polinômios

Revisão de Polinômios Cpítulo 1 Revisão de Polinômios Definição 1 Um polinômio p é um função com domínio e imgem em um conjunto C ou R ddo n form: p : C C x p(x) = 0 x n + 1 x n 1 +... + n 1 x + 0 O número inteiro n é dito

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

Como calcular a área e o perímetro de uma elipse?

Como calcular a área e o perímetro de uma elipse? Como clculr áre e o perímetro de um elipse? Josiel Pereir d Silv Resumo Muitos professores de Mtemátic reltm que miori dos livros didáticos de Mtemátic utilizdos no Ensino Médio não bordm o conceito de

Leia mais

Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira. MAT146 - Cálculo I - Teoremas Fundamentais do Cálculo

Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira. MAT146 - Cálculo I - Teoremas Fundamentais do Cálculo MAT46 - Cálculo I - Teorems Fundmentis do Cálculo Alexndre Mirnd Alves Anderson Tigo d Silv Edson José Teixeir Os Teorems Fundmentis do Cálculo Os próximos teorems fzem conexão entre os conceitos de ntiderivd

Leia mais

6-1 Determine a primitiva F da função f que satisfaz a condição indicada, em cada um dos casos seguintes: a) f(x) = sin 2x, F (π) = 3.

6-1 Determine a primitiva F da função f que satisfaz a condição indicada, em cada um dos casos seguintes: a) f(x) = sin 2x, F (π) = 3. 6 Fich de eercícios de Cálculo pr Informátic CÁLCULO INTEGRAL 6- Determine primitiv F d função f que stisfz condição indicd, em cd um dos csos seguintes: ) f() = sin, F (π) = 3. b) f() = 3 + +, F (0) =

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

Lista de Exercícios Integração Numérica

Lista de Exercícios Integração Numérica List de Exercícios Integrção Numéric ) Nos exercícios ixo, proxime integrl utilizndo () Regr do Trpézio e () Regr de Simpson. (Arredonde respost pr três lgrismos significtivos.) ) x dx n = 8 Regr do Trpézio:

Leia mais

CÁLCULO I. Teorema 1 (Teorema Fundamental do Cálculo I). Se f for contínua em [a, b], então. f(x) dx = F (b) F (a) x dx = F (b) F (a), x dx = x2 2

CÁLCULO I. Teorema 1 (Teorema Fundamental do Cálculo I). Se f for contínua em [a, b], então. f(x) dx = F (b) F (a) x dx = F (b) F (a), x dx = x2 2 CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Aul n o 5: Teorem Fundmentl do Cálculo I. Áre entre grácos. Objetivos d Aul Apresentr o Teorem Fundmentl do Cálculo (Versão Integrl).

Leia mais

Integrais Imprópias Aula 35

Integrais Imprópias Aula 35 Frções Prciis - Continução e Integris Imprópis Aul 35 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 05 de Junho de 203 Primeiro Semestre de 203 Turm 20304 - Engenhri de Computção

Leia mais

Resolução 2 o Teste 26 de Junho de 2006

Resolução 2 o Teste 26 de Junho de 2006 Resolução o Teste de Junho de roblem : Resolução: k/m m k/m k m 3m k m m 3m m 3m H R H R R ) A estti globl obtém-se: α g = α e + α i α e = ret 3 = 3 = ; α i = 3 F lint = = α g = Respost: A estrutur é eteriormente

Leia mais

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x.

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x. Universidde Federl Fluminense Mtemátic II Professor Mri Emili Neves Crdoso Cpítulo Integrl. Diferenciis dy Anteriormente, foi considerdo um símolo pr derivd de y em relção à, ms em lguns prolems é útil

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral.

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Auls n o 8: Técnics de Integrção I - Método d Substituição Objetivos d Aul Apresentr técnic de integrção por substituição; Utilizr técnics presentds

Leia mais

Derivação e Integração Numérica. 1.1 Aproximação da derivada por diferenças nitas. f (x 0 ) f(x 0) f(x 0 h) = y 1 y 0

Derivação e Integração Numérica. 1.1 Aproximação da derivada por diferenças nitas. f (x 0 ) f(x 0) f(x 0 h) = y 1 y 0 Derivção e Integrção Numéric 1 Derivção Numéric Ddo um conjunto de pontos (x i, y i ) ( ) n i=1, derivd dy pode ser clculd de váris forms N próxim dx i seção trblremos com diferençs nits, que é mis dequd

Leia mais

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a)

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a) A integrl definid Prof. Méricles Thdeu Moretti MTM/CFM/UFSC. - INTEGRAL DEFINIDA - CÁLCULO DE ÁREA Já vimos como clculr áre de um tipo em específico de região pr lgums funções no intervlo [, t]. O Segundo

Leia mais

x n dx = xn+1 n k, k R sin(x) dx = cos(x) + k, cos(x) dx = sin(x) + k, k R Sh(x) dx = Ch(x) + k, Ch(x) dx = Sh(x) + k, k R dx = tan(x) + k, k R

x n dx = xn+1 n k, k R sin(x) dx = cos(x) + k, cos(x) dx = sin(x) + k, k R Sh(x) dx = Ch(x) + k, Ch(x) dx = Sh(x) + k, k R dx = tan(x) + k, k R Algums primitivs Simples... c dt = cx + k, k R x n dx = xn+ n + + k, k R sin(x) dx = cos(x) + k, cos(x) dx = sin(x) + k, k R Sh(x) dx = Ch(x) + k, Ch(x) dx = Sh(x) + k, k R dx = rctn(x) + k, dx = SetSh(x)

Leia mais

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL Clculo Integrl AMI ESTSetubl-DMAT 15 de Dezembro de 2012 AMI (ESTSetubl-DMAT) LIC ~AO 18 15 de Dezembro de 2012 1 / 14 Integrl de Riemnn Denic~o: Sej [, b] um intervlo

Leia mais

Cálculo a uma Variável

Cálculo a uma Variável Cálculo um Vriável Sinésio Pesco CAP 9 - A Integrl (Integrção Numéric) Som de Riemnn Podemos usr som de Riemnn pr clculr um proximção pr integrl dx. Pr isso em cd suintervlo [x i,x i ] sustituimos integrl

Leia mais

Cálculo de Limites. Sumário

Cálculo de Limites. Sumário 6 Cálculo de Limites Sumário 6. Limites de Sequêncis................. 3 6.2 Exercícios Recomenddos............... 5 6.3 Limites de Funções.................. 7 6.4 Exercícios Recomenddos...............

Leia mais