TABELA DE CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA - CBMRO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TABELA DE CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA - CBMRO."

Transcrição

1 ESTDO DE RONDÔNI SERETRI D SEGURNÇ, DEFES E IDDNI ORPO DE OMEIROS MILITR DIRETORI DE SERVIÇOS TÉNIOS TEL DE LSSIFIÇÃO DOS RISOS DO ORPO DE OMEIROS MILITR DO ESTDO DE RONDÔNI - MRO. PR SE HEGR O RISO DE OUPÇÃO D SU EDIFIÇÃO SIG OS PSSOS SEGUIR: 1. DEVE-SE PRIMEIRMENTE OSERVR N TEL DE RISOS IXO, TIVIDDE / SERVIÇO OU PRODUTO OMERILIZDOS OU FRIDOS PEL SU EMPRES; 2. LISTGEM ENONTR-SE EM ORDEM LFÉTI, ONDE PODERÁ SER ENONTRD SU LSSIFIÇÃO DE RISO; VEJ QUL SU TIVIDDE E UTILIZE UM DS TELS IXO PR ENONTRR O RISO DE OUPÇÃO D SU EDIFIÇÃO: I - LOJS E OMÉRIO EM GERL II - FÁRIS/INDÚSTRIS III - DEPÓSITOS EM GERL IV - ESPEIIS E DIVERSOS Obs. PR S EDIFIÇÕES NÃO ENONTRDS NS TELS IXO, DEVERÁ SER ONSULTD TEL DE RISO DE OUPÇÃO DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO RSIL (I.R..).

2 ESTDO DE RONDÔNI SERETRI D SEGURNÇ, DEFES E IDDNI ORPO DE OMEIROS MILITR DIRETORI DE SERVIÇOS TÉNIOS I - LOJS E OMÉRIO EM GERL LSSIFIÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO ÁIDOS DEREISTS DUOS GÊNIS DE LOTERIS ÁGUS MINERIS E ÁGUS GSOSS ÁLOOL E EIDS LOÓLIS LGODÃO (TEIDOS DOS), NTIGUIDDES RMRINHOS RMS E MUNIÇÕES RMZÉNS MISTOS RROZ SFLTO UTOMÓVEIS VES E OVOS R, OTEQUIM E RESTURNTE RERI ILIOTES IILETS IJUTERIS ILHRES OLSS, INTOS E ONGÊNERES. ORRH RINQUEDOS RÉ E SLÃO PÚLIO DE ILE FÉ RISO

3 I - LOJS E OMÉRIO EM GERL LSSIFIÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO LÇDOS ÂMRS MORTUÁRIS ÂMIO E MOEDS RIMOS RTÓRIOS RVÃO NIML RVÃO MINERL RVÃO VEGETL ELULOSE IRÚRGIOS, HOSPITLRES E DENTÁRIOS LUES RERETIVOS, DESPORTIVOS E SOIIS OLHÕES (SEM OFIIN E SEM TRLHOS DE ESTOFMENTO) OLHÕES (OM OFIIN E/ OU OM TRLHOS DE ESTOFMENTO) ONSERVS LIMENTÍIS ONSULTÓRIOS MÉDIOS E DENTÁRIOS ORDORIS ORRERIS ORTIÇ OUROS E PELES DISOS DROGRIS EDIFÍIOS DESOUPDOS EDIFÍIOS EM ONSTRUÇÃO ELETRIIDDE ( MTÉRIS ELÉTRIS) ESOLS ESRITÓRIOS ESPORTES E RTIGOS DESPORTIVOS EXPLOSIVOS FRINH FRMÁIS FERRGENS FLORES FOGOS DE RTIFÍIO FORRGENS GURD-MÓVEIS HIDROTERÁPIOS HOSPITIS RISO

4 I - LOJS E OMÉRIO EM GERL LSSIFIÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO HOTÉIS IGREJS IMUNIZDORES (SEM SUSTÂNIS PERIGOSS) IMUNIZDORES (OM SUSTÂNIS PERIGOSS) JOLHERIS LORTÓRIOS DE PESQUIS E NÁLISES EM ONSULTÓRIO MÉDIO LORTÓRIOS DE PESQUIS E NÁLISES FOR DE ONSULTÓRIO MÉDIO LDRILHOS LNÇ-PERFUME LTIÍNIOS LVNDERIS LEILOEIROS LIVRRIS LON LOUÇS MLS MRMORRIS MSSS LIMENTÍIS MTERIIS PR ONSTRUÇÃO MEIS MERDOS PÚLIOS MOLDURS MORDIS MÓVEIS MUSEUS MÚSI (INSTRUMENTOS MUSIIS) OLEDOS ORTOPÉDIOS,(PRELHOS E EQUIPMENTOS) OSSOS, HIFRES E ONGÊNERES ÓTI PDRIS PPEL PPELRIS PEDRS PREIOSS E SEMIPREIOSS PEIXES PENHORES (SS DE RTIGOS DE JOLHERI) RISO

5 I - LOJS E OMÉRIO EM GERL LSSIFIÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO PENHORES (SS QUISQUER OUTROS RTIGOS) PENSÕES PERFUMRI E RTIGOS DE TOUDOR PINTURS PLNTÇÕES OM ÁRE TÉ 25 H PLNTÇÕES OM ÁRE DE 25 HÁ TÉ 50 HÁ PLNTÇÕES OM ÁRE IM DE 50 H PLÁSTIS, MTÉRIS SEM RTIGOS DE ELULOSE PLÁSTIS, MTÉRIS OM RTIGOS DE ELULOSE PLUMS PÓ-DE-PEDR POSTOS DE SERVIÇOS (OM DEPÓSITOS INFLMÁVEIS) POSTOS DE SERVIÇOS (SEM DEPÓSITOS INFLMÁVEIS) PRODUTOS QUÍMIOS QURTÉIS QUITNDS RÁDIO E TELEVISÃO (ESTÇÕES TRNSMISSORS E REEPTORS ESTÚDIOS DE TRNSMISSÃO) RÁDIO E TELEVISÃO (ESTÚDIO DE IMGEM E UDITÓRIOS OM ENÁRIOS E PINÉIS; ENÁRIOS E DEPÓSITOS DE ENÁRIOS) RÁDIO E TELEVISÃO (ESTÚDIO DE SOM, IMGEM, UDITÓRIOS SEM ENÁRIOS OU PINÉIS) ROUPS SLÕES DE ONERTOS SNITÁRIOS (RTIGOS SNITÁRIOS) SPONÁEOS SEOS E MOLHDOS SERIIULTUR TMNOS TPETES (LOJS SEM OFIIN DE ONERTO) TPETES (LOJS OM OFIIN DE ONERTO) TETROS TELEFONES E TELÉGRFOS (ESTÇÕES) RISO

6 I - LOJS E OMÉRIO EM GERL LSSIFIÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO TELEFONES E TELÉGRFOS TINTS TINTURRIS TIPOGRFIS (OFIIN SEM RETRO GRVUR) TIPOGRFIS (OFIIN OM RETRO GRVUR) VIDROS VIME, JUNO, PIÇV E SIMILRES RISO

7 II - FÁRIS EM GERL OUPÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO ÁIDOS DEREISTS ÁLOOL E EIDS LOÓLIS LGODÃO (TEIDOS DOS) SFLTO (PREPRÇÃO) IILETS IJUTERIS ILHRES OLSS, INTOS E ONGÊNERES. ORRH (FRI OM EMPREGO DE INFLMÁVEIS) ORRH (FRI SEM EMPREGO DE INFLMÁVEIS) RINQUEDOS FÉ LÇDOS RIMOS RVÃO NIML RVÃO MINERL RVÃO VEGETL ELULOSE IRÚRGIOS, HOSPITLRES E DENTÁRIOS OLHÕES ONSERVS LIMENTÍIS ORDORIS ORRERIS ORTIÇ DISOS ELETRIIDDE (PRODUTOS ELÉTRIOS) EXPLOSIVOS FRINH FLORES FÓSFOROS GÁS RÔNIO GELO (FÁRIS SEM EMPREGO DE INFLMÁVEIS) GELO (FÁRIS OM EMPREGO DE INFLMÁVEIS) HIDROGÊNIO (FÁRIS POR ELETRÓLISE) HIDROGÊNIO(FÁRIS POR ENHIMENTO) JORNIS E REVISTS (FRIS /OFIINS DE IMPRESSÃO OM ROTO GRVURS) RISO

8 II - FÁRIS EM GERL OUPÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO LRE (FÁRIS ISOLDS D LDEIR) LRE (FÁRIS EM OMUNIÇÃO OM LDEIR OU FOGO DIRETO) LDRILHOS (FÁRIS SEM FORNO) LDRILHOS(FÁRIS OM FORNO) LÁPIS (FÁRIS OM ONFEÇÃO DE PRTES DE MDEIR) LÁPIS (FÁRIS SEM ONFEÇÃO DE PRTES DE MDEIR) LTIÍNIOS (FÁRIS/ USINS DE PSTEURIZÇÃO) LIX LON LOUÇS MDEIR (SERRRIS; FÁRIS DE RTEFTOS, LMINDOS E OMPENSDOS). MRMORRIS MSSS LIMENTÍIS MSSS LIMENTÍIS (FÁRIS OM ESTUF VPOR EM OMUNIÇÃO OM LDEIR E ESTUFS OM FOGO DIRETO) METL (LMINÇÃO EM S DE FORNO E OFIINS) MINERÇÃO (LVGEM E RITMENTO OM FORNO) MINERÇÃO (LVGEM E RITMENTO SEM FORNO) MÓVEIS MÚSI OLRIS OLEDOS OXIGÊNIO PLITOS PIRO LENHOSO PLÁSTIOS E MTÉRIS PLÁSTIS (FÁRIS SEM DEPÓSITOS DE ELULOSE) PLÁSTIOS E MTÉRIS PLÁSTIS (FÁRIS OM DEPÓSITOS DE ELULOSE) PÓ-DE-PEDR RISO VER MTÉRI- PRIM

9 II - FÁRIS EM GERL OUPÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO PRODUTOS QUÍMIOS ROUPS SÃO E SONETE (FÁRIS ELETRIIDDE) SÃO E SONETE (FÁRIS VPOR OU FOGO DIRETO) TINTS (FÁRIS OM EMPREGO DE INFLMÁVEIS) TINTS (FÁRIS SEM O EMPREGO DE INFLMÁVEIS) TINTURRIS TIPOGRFIS (OFIIN SEM RETRO GRVUR) TIPOGRFIS (OFIIN OM RETRO GRVUR) VIDROS VINGRE RISO

10 III - DEPÓSITOS EM GERL OUPÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO ÁIDOS DUOS GURRÁS ÁGUS MINERIS E ÁGUS GSOSS ÁLOOL E EIDS LOÓLIS (DEPÓSITOS SEM MNIPULÇÃO) ÁLOOL E EIDS LOÓLIS (DEPÓSITOS OM MNIPULÇÃO) LGODÃO (TEIDOS DOS) RMRINHOS RMZÉNS MISTOS RROZ SFLTO UTOMÓVEIS VES E OVOS ILIOTES (LIVROS) IILETS IJUTERIS ILHRES OLSS, INTOS E ONGÊNERES. ORRH RINQUEDOS FÉ LÇDOS RIMOS RVÃO NIML RVÃO MINERL RVÃO VEGETL ELULOSE IRÚRGIOS, HOSPITLRES E DENTÁRIOS OLHÕES (DEPÓSITOS DE OLHÕES OU ONGÊNERES SEM OFIIN E SEM TRLHOS DE ESTOFMENTO) ONSERVS LIMENTÍIS ORDORIS (DEPÓSITOS DE PRODUTOS DOS) ORDORIS (DEPÓSITOS DE MTÉRI PRIM) ORRERIS ORTIÇ OUROS E PELES RISO

11 III - DEPÓSITOS EM GERL OUPÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO DEPÓSITOS PÚLIOS DISOS DROGRIS ELETRIIDDE (RTIGOS ELÉTRIOS) ESPORTES E RTIGOS DESPORTIVOS EXPLOSIVOS FRINH FERRGENS FLORES FOGOS DE RTIFÍIO FORRGENS GÁS RÔNIO GSES OMUSTÍVEIS (DEPÓSITO SEM MNIPULÇÃO) GELO INFLMÁVEIS (DEPÓSITOS EM TNQUES SUTERRÂNEOS OM OM) INFLMÁVEIS (DEPÓSITOS EM TNQUES SUTERRÂNEOS SEM OM) JOLHERIS LRE LDRILHOS LTIÍNIOS LENH (DEPÓSITO O R LIVRE MENOS DE 30 METROS DE QULQUER O DE FOGO) LENH (DEPÓSITO O R LIVRE MIS DE 30 METROS DE QULQUER O DE FOGO) LIVRRIS LON LOUÇS MDEIR MLS MSSS LIMENTÍIS MTDOUROS MTERIIS PR ONSTRUÇÃO MEIS METL (DEPÓSITOS DE FERRO, ÇO E OUTROS METIS) MOLDURS MÓVEIS RISO

12 III - DEPÓSITOS EM GERL OUPÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO MÓVEIS (DEPÓSITOS OM OFIIN E TRLHOS DE ESTOFMENTO) MÓVEIS (DEPÓSITOS OM OLHÕES OU ONGÊNERES OM OFIIN E SEM TRLHOS DE ESTOFMENTO MÚSI OLRIS OLEDOS ÓLEOS MINERIS (DEPÓSITOS NÃO INFLMÁVEIS E INFLMÁVEIS EM TNQUE SUTERRÂNEOS) ÓLEOS MINERIS (DEPÓSITOS INFLMÁVEIS SEM TNQUES SUTERRÂNEOS) ÓLEOS VEGETIS ORTOPÉDIOS (PRELHOS) OSSOS, HIFRES E ONGÊNERES ÓTI OXIGÊNIO PDRIS PPEL PPELRIS PEDRS PREIOSS E SEMIPREIOSS PERFUMRI E RTIGOS DE TOUDOR PIRETRO, FLOR DE PLÁSTIOS E MTÉRIS PLÁSTIS (DEPÓSITOS, SEM RTIGOS DE ELULOSE) PLÁSTIOS E MTÉRIS PLÁSTIS (DEPÓSITOS, SEM RTIGOS DE ELULOSE) PLUMS PÓ-DE-PEDR POSTOS DE SERVIÇOS (SEM DEPÓSITOS INFLMÁVEIS OU OM DEPÓSITOS EM TNQUES SUTERRÂNEOS OM OMS) POSTOS DE SERVIÇOS (OM DEPÓSITOS INFLMÁVEIS SEM OMS) PRODUTOS FRMÊUTIOS PRODUTOS QUÍMIOS PRODUTOS QUÍMIOS (SUSTNIS OU MTÉRIS PERIGOSS) ROUPS SÃO E SONETE SOS DE FIRS VEGETIS RISO

13 III - DEPÓSITOS EM GERL OUPÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO SPONÁEOS SEOS E MOLHDOS SOJ TMNOS TPETES TELEFONES E TELÉGRFOS TINTS VIDROS VIME, JUNO, PIÇV E SIMILRES VINGRE VINHOS RISO IV - ESPEIIS E DIVERSOS OUPÇÃO DO RISO TIVIDDE / PRODUTO / SERVIÇO GENIS NRIS REHES E SIMILRES EDIFÍIOS RESIDÊNIS E OMERIIS (DESOUPDOS) EDIFÍIOS RESIDÊNIS E OMERIIS (EM ONSTRUÇÃO) ESTÇÕES E SUESTÇÕES TRNSFORMDORS EXPLOSIVOS (FÁRIS, DEPÓSITOS E LOJS) HOTÉIS / MOTÉIS / RESIDENIIS / PENSÃO E SIMILRES INSTITUIÇÕES E ESOLS DE INSTRUÇÃO E ENSINO E URSOS PREPRTÓRIOS IGREJS E SIMILRES MNUTENÇÃO EM TRNSFORMDORES MERDOS PÚLIOS POSTOS DE SERVIÇOS (SEM DEPÓSITOS INFLMÁVEIS OU OM DEPÓSITOS EM TNQUES SUTERRÂNEOS OM OMS) POSTOS DE SERVIÇOS (OM DEPÓSITOS INFLMÁVEIS SEM OMS) SUPERMERDOS, RESTURNTES E SIMILRES RISO

ENQUADRANDO O PORTE E O POTENCIAL POLUIDOR DO SEU EMPREENDIMENTO GRUPO 8.B.5 AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL 8.A.5 - CLASSIFICAÇÃO DO PORTE

ENQUADRANDO O PORTE E O POTENCIAL POLUIDOR DO SEU EMPREENDIMENTO GRUPO 8.B.5 AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL 8.A.5 - CLASSIFICAÇÃO DO PORTE GRUPO 8.B.5 AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL 8.A.5 - CLASSIFICAÇÃO DO Indivíduo té 2 ci de 2 té 6 ci de 6 té 12 ci de 12 té 24 ci de 24 icro édio grnde especil 8.B.5 ATIVIDADES PASSÍVEIS DE AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555

Rua Guishi Yoshioka, 305 - Itaquera - São Paulo/SP Tel. (011) 6525-9555 PAULISTEEL Ru Guishi Yoshiok, 0 Itquer São Pulo/SP Tel. (0) 9 0 nos Perfil U pdrão merino Perfil I pdrão merino Perfil H pdrão merino Perfil T Cntoneir s iguis Cntoneir s desiguis Trilhos Perfís As Prlels

Leia mais

NR 5 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 5 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 5 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES Publicção D.O.U. Portri GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterções/Atulizções D.O.U. Portri SSMT n.º 33, de 27de outubro de 1983 31/10/83

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO NR5 - Comissão Intern de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Intern de Prevenção de Acidentes CIPA - tem como objetivo prevenção de cidentes e doençs decorrentes do trblho, de

Leia mais

PALACETE BOLONHA Uma promessa de amor PASSAGEM BOLONHA ACESSO SOCIAL. 18,50 m SOBE SOBE SOBE ESCADA A - EM FERRO/METAL E MÁRMORE

PALACETE BOLONHA Uma promessa de amor PASSAGEM BOLONHA ACESSO SOCIAL. 18,50 m SOBE SOBE SOBE ESCADA A - EM FERRO/METAL E MÁRMORE Uma promessa de amor MOBILIÁRIO E EQUIPMENTOS PRINCIPIS: "VIL BOLONH" º CS/Nº CS,0 m MONT CRG CESSO DE PSSGEM BOLONH,0 m 0 CESSO 0 B DE CESSO,0 m POSTE REDE ELÉTRIC VENID GOVERNDOR JOSÉ MLCHER (NTIG SÃO

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

CECOMETAL. Distribuidora Ltda. CECOMETAL Distribuidora Ltda. A entrega mais rápida e confiável de Campinas

CECOMETAL. Distribuidora Ltda. CECOMETAL Distribuidora Ltda. A entrega mais rápida e confiável de Campinas Distriuidor Ltd A entreg mis rápid e onfiável de Cmpins Ru José Gonçlves Mhdo, 132, Vil Elz Cmpins-SP - CEP: 141-5 Fone/Fx: (1) 3232-7 VIVO: (1) 1-546 ID:7* E-mil: eometl@eometl.om.r CECOMETAL Distriuidor

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Intern de Prevenção de Acidentes CIPA - tem como objetivo prevenção de cidentes e doençs decorrentes

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL 2012 - Nível I

LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL 2012 - Nível I LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL 0 - Nível I Mteril Qtde *Bloco Critive lumi pper (Foroni) *Crepom super crepe vermelho e *Estojo grnde de ziper com divisoris mrrom cd *Bloco de cnson A4 40gr/m (*)

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

ANEXO 3.4 folha 1/10 ATIVIDADES PERMITIDAS CONFORME SUA ZONA AMBIENTAL

ANEXO 3.4 folha 1/10 ATIVIDADES PERMITIDAS CONFORME SUA ZONA AMBIENTAL ANEXO 3.4 folha 1/10 ZA R1 de duas economias) comunitários e clubes e ZA R2 comunitários e clubes e ANEXO 3.4 folha 2/10 ZA M1 CATEGORIA 2 - Comercial e de Serviços (com até 300,00 m² de área construída)

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015 rtchitectours SALONE INTERNAZIONALE DEL MOBILE DI MILANO 2015 A Feir de Móveis de Milão é mior feir do gênero no mundo. A exposição present o mis recente em mobiliário

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO

ESTADO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO ESTDO DE SERGIPE SECRETRI DE ESTDO D FZEND GBINETE DO SECRETÁRIO PORTRI Nº 365/2011 - SEFZ, DE 13 DE JUNHO DE 2011 Disciplina a geração e guarda de arquivo digital por contribuinte usuário de equipamento

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 1º SEMESTRE DE 2015. 1.º PERÍODO TURMAS A e C: SALA 1401 TURMAS B e D: SALA 1402

HORÁRIO DE AULAS 1º SEMESTRE DE 2015. 1.º PERÍODO TURMAS A e C: SALA 1401 TURMAS B e D: SALA 1402 HORÁRIO E ULS 1º SEMESTRE E 2015 1.º PERÍOO TURMS e : SL 1401 TURMS e : SL 1402 ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Sinais. O mundo está a mudar

Sinais. O mundo está a mudar Sinais O mundo está a mudar O nosso Planeta está a aquecer, do Pólo Norte ao Polo Sul. Os efeitos do aumento da temperatura estão a acontecer e os sinais estão por todo o lado. O aquecimento não só está

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

DIMENSÕES Prof. 720mm 720mm CALDEIRA. Prod. de Vapor Kg/h (20 Cº) Quadro de comando. Resistências

DIMENSÕES Prof. 720mm 720mm CALDEIRA. Prod. de Vapor Kg/h (20 Cº) Quadro de comando. Resistências Geradores de Vapor aldeira Elétrica O gerador de vapor foi desenvolvido para saunas de maiores dimensões (clubes, hotéis, condomínios, etc.). caldeira gerador de vapor é fabricada em tubo mecânico de aço,

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO O ódulo II é oposto por eeríios evolvedo poteição e rdiição Estos dividido-o e dus prtes pr elhor opreesão ª PARTE: POTENCIAÇÃO DEFINIÇÃO

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

Lei Municipal 3.263/99: ANEXO 3 - CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES QUADRO 1. COMÉRCIO VAREJISTA - CONDIÇÕES PARA INSTALAÇÃO

Lei Municipal 3.263/99: ANEXO 3 - CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES QUADRO 1. COMÉRCIO VAREJISTA - CONDIÇÕES PARA INSTALAÇÃO NA BACIA DE CONTRIBUIÇÃO INDIRETA CÓD. ATIVIDADES EM ÁREA COM IMPLANTADO EM ÁREA SEM COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 10101 AÇOUGUE E PEIXARIA 10102 BOMBONIÈRE E CONFEITARIA 10103 CONDIMENTOS

Leia mais

ESTUDO DA MATÉRIA. QUÍMICA - Prof. Marcelo Uchida -

ESTUDO DA MATÉRIA. QUÍMICA - Prof. Marcelo Uchida - ESTUDO DA MATÉRIA QUÍMICA - Prof. Marcelo Uchida - Matéria Material ou matéria é tudo aquilo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Água Ar Madeira Ouro Corpo Porção limitada da matéria Barra de Ouro Tronco

Leia mais

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005 Zelio Logi 2 Interfe e omunição SR2COM01 Aju pr utilizção pst e explorção 11/2005 1606327 Aju pr utilizção pst e explorção Desrição gerl Introução A pst e explorção é um fiheiro e texto rio pelo softwre

Leia mais

CARRINHO DE PICOLÉ THERMOTOTAL TRICICLO MOD.: L400 MOD.: T375. MOD.: T450 CAPACIDADE DA CAIXA: de 350 a 400 picolés MOD.: T350 CAPACIDADE DA CAIXA:

CARRINHO DE PICOLÉ THERMOTOTAL TRICICLO MOD.: L400 MOD.: T375. MOD.: T450 CAPACIDADE DA CAIXA: de 350 a 400 picolés MOD.: T350 CAPACIDADE DA CAIXA: TRICICLO MOD.: L400 Parte Superior: 600 x 575mm Parte Inferior: 700 x 620mm / Altura: 490mm PESO: 68Kg Cabo espumado; Rodas aro 20 com pneus com câmara de ar; Combinação entre as cores: Azul, Amarelo,

Leia mais

ANEXO V - QUADRO 1 - USOS DO SOLO E MEDIDAS MITIGADORAS MÍNIMAS

ANEXO V - QUADRO 1 - USOS DO SOLO E MEDIDAS MITIGADORAS MÍNIMAS ANEXO V - QUADRO 1 - USOS DO SOLO E MÍNIMAS Parte integrante da Lei Complementar de Uso e Ocupação do Solo Açougue, padaria, farmácia, peixaria, bares e lanchonetes com no máximo 100 m² de área construída.

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br USOPE USO PEPAATÓIO PAA ONUSOS EM ELETOTÉNIA PE ELETIIDADE (Ligções SÉI E E PAALELA. EDE DELTA E ESTELA) AULA Prof.: Jen WWW.esoldoeletrotenio.om.r 0 de Setemro de 007 LIGAÇÕES SÉIES E PAALELAS USOPE.

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

ENFERMAGEM CIRÚRGICA CENTRO CIRÚRGICO

ENFERMAGEM CIRÚRGICA CENTRO CIRÚRGICO Enfermgem Cirúrgi ENFERMAGEM CIRÚRGICA CENTRO CIRÚRGICO Prof. MsC. Vléri Aguir UTI Pronto Atendimento Rdiologi CENTRO CIRÚRGICO Segundo o MS é o onjunto de elementos destindos às tividdes irúrgis, reuperção

Leia mais

Tabela de Códigos de Atividades Econômicas - CAE (Título I, Capítulo X, 2.2.2.7, "d", da IN/DRP nº 045/98)

Tabela de Códigos de Atividades Econômicas - CAE (Título I, Capítulo X, 2.2.2.7, d, da IN/DRP nº 045/98) Tabela de Códigos de Atividades Econômicas - CAE (Título I, Capítulo X, 2.2.2.7, "d", da IN/DRP nº 045/98) A) COMÉRCIO VAREJISTA: C A E DESCRIÇÃO DO C A E 801000000 AÇOUGUES E PEIXARIAS 801010000 Açougues

Leia mais

Rua Adelino Pinto da Costa, 182 Ibitinga SP Tel: (16) 3342-2907 atendimentofrank@hotmail.com

Rua Adelino Pinto da Costa, 182 Ibitinga SP Tel: (16) 3342-2907 atendimentofrank@hotmail.com TABELA ST ATUALIZADA ATÉ 09/05/2012 Exibe Tos os Tópicos Ocult Tos os Tópicos ARTEFATOS DE USO DOMÉSTICO IVA ST Portri CAT 53/2012 IVA ST AJUSTADO Produto Clssificção TIPI / NCM / NBM Vigênci ST Efeitos:

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

EDITAL DE DISCIPLINAS ISOLADAS Nº 040/REITORIA/2008

EDITAL DE DISCIPLINAS ISOLADAS Nº 040/REITORIA/2008 EDITL DE DISCIPLINS ISOLDS Nº 00/REITORI/008 O Reitor da Universidade Comunitária Regional de Chapecó - UNOCHPECÓ, Prof. Odilon Luiz Poli, em conjunto com Vice-Reitora de Graduação, Profª. Maria Luiza

Leia mais

PDDUA CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES PARA A ÁREA INTENSIVA ANEXO 5.2(NR) 1. RESIDENCIAL: 1.1.Habitação 1.2.Habitação para zeladoria

PDDUA CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES PARA A ÁREA INTENSIVA ANEXO 5.2(NR) 1. RESIDENCIAL: 1.1.Habitação 1.2.Habitação para zeladoria PDDUA CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES PARA A ÁREA INTENSIVA ANEXO 5.2(NR) 1. RESIDENCIAL: 1.1.Habitação 1.2.Habitação para zeladoria 2. COMÉRCIO 2.1.Comércio varejista 2.1.1. Comércio varejista INÓCUO: 2.1.1.1.

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

Vagas Existentes 60 60 SEGUNDA, 10:00 às 12:00 QUARTA, 10:00 às 12:00 SEXTA, 10:00 às 12:00

Vagas Existentes 60 60 SEGUNDA, 10:00 às 12:00 QUARTA, 10:00 às 12:00 SEXTA, 10:00 às 12:00 Oferta de Turmas para ENGENHRI MECNIC em 2010.2 1 de 7 12/07/2010 15:19 Universidade Federal do Ceará Módulo cadêmico Oferta de Turmas para ENGENHRI MECNIC em 2010.2 ENGENHRI MECNIC 2010.2 COMPORTMENTO

Leia mais

CALDEIRAS. 1) Porque se formam incrustações?

CALDEIRAS. 1) Porque se formam incrustações? CALDEIRAS 1) Porque se formam incrustações? O Processo de formar incrustação é um Processo Físico. Não é um Processo Químico. A incrustação acontece em virtude de que os sais minerais existentes na água

Leia mais

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Etec. Prof. Mário Antônio Verza Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Realização: CIPA Responsável CIPA: Micaiser Faria Silva (2015/2016) A reciclagem é o processo de reaproveitamento do lixo descartado,

Leia mais

1. O item 3 da Instrução n. 009, de 02/05/2011, publicada no DOE de 03/05/2011, passa a vigorar com a seguinte redação:

1. O item 3 da Instrução n. 009, de 02/05/2011, publicada no DOE de 03/05/2011, passa a vigorar com a seguinte redação: INSTRUÇÃO N. 15 DE 3 DE NOVEMBRO DE 211 Alter Instrução n. 9/211, que orient os órgãos e entiddes d Administrção Públic do Poder Executivo Estdul, qunto os procedimentos licittórios e contrtções de serviços

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

CAPÍTULO I DAS CARREIRAS DE AUDITORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL E AUDITORIA-FISCAL DO TRABALHO

CAPÍTULO I DAS CARREIRAS DE AUDITORIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL E AUDITORIA-FISCAL DO TRABALHO PROJETO DE LEI Dispõe sobre a remuneração das Carreiras de uditoria da Receita Federal do rasil e uditoria-fiscal do Trabalho, de que trata a Lei n o 10.910, de 15 de julho de 2004; das Carreiras do anco

Leia mais

T E R M O P L Á S T I C O S BRINQUEDOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015

T E R M O P L Á S T I C O S BRINQUEDOS CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 T E R M O P L Á S T I O S RINQUEDOS TÁLOGO DE S 2015 L L L L L L L FRIÇÃO OFF ROD OFF ROD FTRUK SOLP OLETIV 48 977 12 x 13,3 x 19,5 cm 7898902909674 FRIÇÃO FTRUK OLETIV 24 1067 6,5 x 19,5 x 8 cm 7898602780870

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Normas Brasil. Lei nº 4454 DE 31/10/2013. Mais Lidas no Mês. Seu portal de normas e legislação brasileira INICIAL BUSCAR NORMAS

Normas Brasil. Lei nº 4454 DE 31/10/2013. Mais Lidas no Mês. Seu portal de normas e legislação brasileira INICIAL BUSCAR NORMAS Nors Brsil Seu portl de nors e legislção rsileir INICIAL BUSCAR NORMAS Lei Nors Nor ISO 9000 Lei nº 4454 DE 31/10/2013 Nor Municipl - Arcju - SE Pulicdo no DOM e 01 nov 2013 Dispõe nors sore o Liceciento

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFOP EM RELAÇÃO AO SEU FUTURO PROFISSIONAL

EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFOP EM RELAÇÃO AO SEU FUTURO PROFISSIONAL EXPECTATIVAS DOS ESTUDANTES DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFOP EM RELAÇÃO AO SEU FUTURO PROFISSIONAL Henor Artur de Souz Deprtmento de Téni Fundmentis EM Universidde Federl de Ouro Preto Ouro Preto/MG -

Leia mais

SEGURANÇA A palete necessita de equipamento adequado para ser elevada e transferida em altura.

SEGURANÇA A palete necessita de equipamento adequado para ser elevada e transferida em altura. O pessoal deverá atuar com a devida diligência e deverá efetuar os trabalhos conforme as normas. Relativamente aos aspetos não cobertos no presente documento, siga sempre as respetivas normas vigentes

Leia mais

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892)

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892) Vi duto do Chá (1892) UHE P rn íb (1900) Est ção d Luz (1900) 1.2 Atr ção do C pit l Estr ngeiro Em 1911 Emile Quoni m de S hompré publi ou, em fr n ês, pel C s G rreux o livro L Bourse de São P ulo, om

Leia mais

ANEXO 11 Usos e Atividades

ANEXO 11 Usos e Atividades Usos e s omércio varejista de mercado- 52.13-2 omércio varejista de mercadorias em geral, com rias em geral com predominância predominância de produtos alimentícios, com área de de produtos alimentícios.

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA):

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA): CURRICULUM VITAE Nome Ncionlidde Helder Jorge Gomes Ribeiro Portugues Dt de Nscimento 27 de Setembro de 1979 Estdo Civil Mord Solteiro Ru d Figueir d Foz nº77, 2DTO 3000-184 Coimbr Tlm: +351 916 515 477

Leia mais

Tecnologias de Produção de Hidrogênio

Tecnologias de Produção de Hidrogênio Programa de Pós-Graduação em Bioenergia Tecnologias de Produção de Hidrogênio Prof. Helton José Alves Palotina, 19/05/14 O HIDROGÊNIO - Elemento mais abundante do universo (95% em número de átomos e 75%

Leia mais

Ementa Primeira Infância

Ementa Primeira Infância LMOO LMOO LMOO LMOO LMOO menta Primeira nfância PO OP Creme de bóbora M Hambúrguer de vaca grelhado com esparguete e salada Frango cozido com esparguete e cenoura cozida Panados de eitan com esparguete

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 109, DE 21 DE JANEIRO DE 1993

RESOLUÇÃO Nº 109, DE 21 DE JANEIRO DE 1993 RESOLUÇÃO Nº 109, DE 21 DE JANEIRO DE 1993 Transcrito do Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro nº16, de 26 de janeiro de 1993. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA DEFESA CIVIL e COMANDANTE GERAL DO CORPO DE

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 01/2005 PORTUGAL

CATÁLOGO TÉCNICO 01/2005 PORTUGAL TÁLOGO TÉNIO 0/2005 PORTUGL MOLS ÉRES PR PORTS OXER (MOL OULT) RÇO GUI NORML E OM RETENÇÃO 9972 FORÇ 2/4 20 0 99735 FORÇ 3/6 20 0.5 MOL OXER OULT PR PORTS DE TENTE E VI-VÉM MOL (ORPO) GUI G 9537 - RÇO/GUI

Leia mais

CALENDÁRIO DE JOGOS CAMPEONATO DISTRITAL DE JUVENIS DE FUTSAL MASCULINOS FASE UNICA CLUBES - - - - - - CLUBES - - - - - - N. Sportinguistas C.C.

CALENDÁRIO DE JOGOS CAMPEONATO DISTRITAL DE JUVENIS DE FUTSAL MASCULINOS FASE UNICA CLUBES - - - - - - CLUBES - - - - - - N. Sportinguistas C.C. CALENDÁRIO DE S 01 JORNADA 504. 00. 001 504. 00. 002 504. 00. 003 504. 00. 004 504. 00. 005 504. 00. 00 02 JORNADA 504. 00. 007 504. 00. 008 504. 00. 009 504. 00. 010 504. 00. 011 504. 00. 012 23/09/2012

Leia mais

Rua Miguel Landim, 268 - Centro Ibitinga SP Tel: (16) 3342-2907 www.frankcontabil.com.br

Rua Miguel Landim, 268 - Centro Ibitinga SP Tel: (16) 3342-2907 www.frankcontabil.com.br ATUALIZADA EM 23/04/2013 OPERAÇÕES COM ARTEFATOS DE USO DOMÉSTICO Produto Clssificção TIPI / NCM / NBM Aliquot Intern (%) IVA ST (%) IVA ST AJUSTADO Previsão Legl / Convênio Serviços mes e outros utensílios

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES PARA A ÁREA INTENSIVA

CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES PARA A ÁREA INTENSIVA PDDUA CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES PARA A ÁREA INTENSIVA ANEXO 5.2(NR ) 1. RESIDENCIAL:.1. Habitação.2. Habitação para zeladoria 2. COMÉRCIO.1.Comércio varejista.1.comércio varejista INÓCUO:.1. antigüidades.2.

Leia mais

ANEXO 02 Tabela de Atividades dos Usos do Solo.

ANEXO 02 Tabela de Atividades dos Usos do Solo. Residencial, Comercial, Serviços, Atividades Especiais e Atividades Primárias USO RESIDENCIAL R.1 Residencial Tipo I Residencial unifamiliar R.2 Residencial Tipo II Residencial multifamiliar horizontal

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO

HORÁRIO DE AULAS 2º SEMESTRE DE 2016 1.º PERÍODO 2016/1 2º PERÍODO HORÁRIO E ULS 2º SEMESTRE E 2016 1.º PERÍOO ISIPLIN INTROUÇÃO À IÊNI O IREITO IT 038 HISTÓRI O IREITO IT 039 NTROPOLOGI JURÍI IT 040 TEORI O ESTO I IP 039 EONOMI I EN 101 INTROUÇÃO À FILOSOFI: ÉTI FIL

Leia mais

ÁCIDOS. Função Inorgânica

ÁCIDOS. Função Inorgânica ÁCIDOS Função Inorgânica LEMBRANDO CONCEITOS: PH POTENCIAL HIDROGENIÔNICO É a medida de acidez de uma solução aquosa, cuja escala de medidas vai de 0 a 14. ALGUNS VALORES DE PH: Substância ph Coca-cola

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Mnul do Proprietário Crt os Proprietários É com imens stisfção que entregmos você, migo e cliente, chve deste imóvel e desde já grdecemos su escolh, o que é motivo de muito orgulho pr todos nós. Este Mnul

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRDO EM EMPRESRIL CLIENTE CCS-ECONOMI ESTUDO NÁLISE DE RISCO Emitido em: 10/07/2013 SUMÁRIO 1. LISTGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLSSIFICÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICÇÃO FTORES DE

Leia mais

FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA INDUSTRIAL

FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA INDUSTRIAL UNIVERSIE ESTUL E MPINS - UNIMP INSTITUTO E FILOSOFI E IÊNIS HUMNS - IFH EPRTMENTO E EONOMI E PLNEJMENTO EONÔMIO - EPE ENTRO TÉNIO EONÔMIO E SSESSORI EMPRESRIL - TE FLUXO E IX E UM EMPRES INUSTRIL Professores

Leia mais

PORTARIA N.º 945 DE 2015 DO MTE NOVAS REGRAS PARA O TRABALHO AOS DOMINGOS E FERIADOS

PORTARIA N.º 945 DE 2015 DO MTE NOVAS REGRAS PARA O TRABALHO AOS DOMINGOS E FERIADOS PORTARIA N.º 945 DE 2015 DO MTE NOVAS REGRAS PARA O TRABALHO AOS DOMINGOS E FERIADOS José Daniel Gatti Vergna Câmara de Comércio Brasil e Japão (São Paulo) 30.07.2015 EXEMPLOS DE ATIVIDADES QUE NÃO PRECISAM

Leia mais

TC17 LARGA Ondulada. ESPESSURA (mm) 0,35 0,43 0,50 0,65 08,0 3,36 4,13 4,80 6,24 7,68 3,43 4,21 4,89 6,37 7,84. L - DISTÂNCIA ENTRE APOIOS (mm)

TC17 LARGA Ondulada. ESPESSURA (mm) 0,35 0,43 0,50 0,65 08,0 3,36 4,13 4,80 6,24 7,68 3,43 4,21 4,89 6,37 7,84. L - DISTÂNCIA ENTRE APOIOS (mm) TC17 ARGA Onduld Telhs metális em ço, om inompráveis vntgens às onvenionis, presentndo-se omo um solução rquitetôni segur. Isto signifi eonomi de tempo n onstrução e minimizção dos ustos glois ns opções

Leia mais

Gestão de resíduos no Município de Vilankulo

Gestão de resíduos no Município de Vilankulo Gestão de resíduos no Município de Vilankulo Situação atual e desafios Centro de Transferência e Reciclagem Sr.Dembele Chefe da Secção Urbana do CMVV Sr.Raposo Coordenador do projecto Chakahanyela no CMVV

Leia mais

EDITAL DE DISCIPLINAS ISOLADAS Nº 42/REITORIA/2009

EDITAL DE DISCIPLINAS ISOLADAS Nº 42/REITORIA/2009 EDITL DE DISCIPLINS ISOLDS Nº /REITORI/009 O Reitor da Universidade Comunitária Regional de Chapecó - UNOCHPECÓ, Prof. Odilon Luiz Poli, em conjunto com Vice-Reitora de Graduação, Profª. Maria Luiza de

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt

Biogás. Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt Biogás Eletroeletrônica 2º Modulo Noturno Alunos: Bianca Graziela de Oliveira Guilherme AlbertoOhf LucasPegoraroEinhardt O que é o Biogás? É um gás produzido através de resíduos orgânicos que estão em

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

ESCOLAS DE MERGULHO COM CREDENCIAMENTO ATIVO

ESCOLAS DE MERGULHO COM CREDENCIAMENTO ATIVO ESCOLAS DE MERGULHO COM ATIVO ESCOLA CREDENCIADA CURSOS AUTORIZADOS CERTIFICADO DE SEGURANÇA DE SISTEMAS DE MERGULHO R(CSSM) CURSO BÁSICO DE MERGULHO RASO PROFISSIONAL * Hbilitção: mergulhos com r comprimido

Leia mais

O atrito de rolamento.

O atrito de rolamento. engengens. Obseve-se que s foçs de tito de olmento epesentds n figu (F e f ) têm sentidos opostos. (Sugeimos que voê, ntes de possegui, poue i um modelo que pemit expli s foçs de tito de olmento). "Rffiniet

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS

LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS LC nº 16/2005 TABELA I USOS COMERCIAIS COM. VICINAL 1 OBS. 1 COM. DE BAIRRO OBS. 2 GRUPO A OBS. 3 GRUPO B GRUPO C COM. SETORIAL OBS. 4 e 5 COM. GERAL OBS. 5 GERAL 1 GERAL 2 GRUPO A COM. ESPECÍFICO OBS.

Leia mais