O MERCADO BRASILEIRO PARA MÓVEIS DE MADEIRA BOLIVIANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MERCADO BRASILEIRO PARA MÓVEIS DE MADEIRA BOLIVIANOS"

Transcrição

1 O MERCADO BRASILEIRO PARA MÓVEIS DE MADEIRA BOLIVIANOS Identificação do produto Tal como definido na Tarifa Externa Comum (TEC) 1, os móveis de madeira compreendem os seguintes códigos da Nomenclatura Comum do MERCOSUL (NCM): do tipo utilizado em escritórios; do tipo utilizado em cozinhas; do tipo utilizado em quartos de dormir; e outros móveis de madeira. Incluem-se nas posições de NCM acima descritas, dentre outros, os seguintes móveis de madeira: mesas, cadeiras, estantes, escrivaninhas, oratórios, biombos, armários, camas, berços, penteadeiras, mesas de cabeceira, gaveteiros, arcas, baús, bengaleiros, guarda-pratas, guarda-comida, aparadores, móveis com prateleiras ou com divisões. Características gerais do mercado A produção mundial de móveis de madeira movimenta aproximadamente US$ 200 bilhões e é concentrada nos países desenvolvidos, que, conforme matéria divulgada na Revista da Madeira 2, respondem por aproximadamente 76% da produção global. Dentre as economias desenvolvidas, os maiores produtores mundiais são os Estados Unidos, Itália, Alemanha, Canadá, França e Reino Unido. Alguns mercados emergentes vêm apresentando expressivo aumento na produção de móveis de madeira, é o caso da China, México e Polônia. Regionalmente, os países da União Européia são os principais produtores mundiais de móveis de madeira, com participação de cerca de 42% no total produzido. Em seguida, destacam-se a América do Norte, com 27%, e a Ásia, com 25%. Quanto ao padrão tecnológico da indústria moveleira, ele é determinado pelos fornecedores de máquinas e equipamentos. Os principais países fornecedores mundiais de equipamentos são Itália e Alemanha, que, além de produtores de bens de capital, são também grandes produtores e consumidores mundiais de móveis de madeira. No que se refere ao consumo aparente, observa-se que os países produtores apresentam uma demanda maior que sua capacidade produtiva e demonstram, assim, grande necessidade de importação. Entre os maiores consumidores mundiais destacam-se os Estados Unidos, França, Alemanha, Espanha e Japão. No âmbito do comércio internacional, conforme estatísticas da UNCTAD/ITC/Trademap 3, observa-se uma lista extensa de exportadores, mas a

2 maioria deles com volumes pouco representativos. Em 2004, por exemplo, foram listados 222 países vendedores, mas somente seis países responderam por aproximadamente 45% do total das exportações globais. Regionalmente, observa-se que os países europeus e asiáticos, além dos Estados Unidos, são os principais vendedores e compradores mundiais, responsáveis por mais de 70% dos valores comercializados. Em 2004, destacaram-se no ranking dos exportadores mundiais, os seguintes países: China (12,5% do total); Itália (12,1%); Alemanha (8,9%); Canadá (7,2%); Dinamarca (6,0%); Polônia (5,2%); Malásia (3,7%); e França (3,2%), conforme discriminado na tabela a seguir: Principais exportadores mundiais de móveis de madeira, 2004 (US$ milhões) País Valor Part.% no total China ,5% Itália ,1% Alemanha ,9% Canadá ,2% Dinamarca ,0% Polônia ,2% Malásia ,7% França 953 3,2% Indonésia 853 2,9% Vietnã 829 2,8% Bélgica 695 2,4% Estados Unidos 688 2,3% Espanha 684 2,3% Tailândia 582 2,0% Romênia 91 0,3% Subtotal ,7% Outros países ,3% Total ,0% Fonte: UNCTAD/ITC/Trademap. Dos itens comercializados, a subposição (outros móveis de madeira) é a que apresentou maior volume de comércio dentro do grupo de móveis de madeira, tanto nas exportações, quanto nas importações mundiais. Em termos de participação no total exportado do grupo, os outros móveis de madeira responderam, no intervalo de 1996 a 2005, por mais de 50% das transações. Uma análise isolada do item mostra que os valores referentes a 2004 atingiram cerca de US$ 17 bilhões, dos quais os principais fornecedores foram: Itália (12,5% do total); China (11,6%); Polônia (6,7%); Alemanha (4,9%); Dinamarca (4,6%); e Indonésia (4,0%). Os cinco países, em conjunto, somaram 44,3% do total das vendas mundiais do produto. 2

3 Exportações bolivianas Principais exportadores mundiais de outros móveis de madeira (NCM ), 2004 (US$ milhões) País Valor Part.% no total Itália ,5% China ,6% Polônia ,7% Alemanha 840 4,9% Dinamarca 792 4,6% Indonésia 678 4,0% França 666 3,9% Malásia 661 3,9% Canadá 655 3,8% Romênia 608 3,6% Vietnã 563 3,3% Tailândia 524 3,1% Espanha 492 2,9% Bélgica 484 2,8% Estados Unidos 430 2,5% Subtotal ,0% Outros países ,0% Total ,0% Fonte: UNCTAD/ITC/Trademap. As vendas bolivianas da subposição experimentaram, nos últimos anos, expansão média de 11,5% ao ano, passando de US$ 5,0 milhões, em 2000, para US$ 7,7 milhões em Em volume, nesse mesmo período, as exportações do país passaram de 1,1 mil toneladas para 1,9 mil toneladas. Entretanto, a posição do país entre os exportadores mundiais é ainda pouco expressiva, ocupando o 139º lugar, em 2004, e respondendo por somente 0,01% da demanda global. Exportações bolivianas de outros móveis de madeira (exceto para escritórios, cozinhas e quartos de dormir), (US$ milhões) Ano Valor Variação % Toneladas , ,4-12,0% ,9 79,7% ,6 8,0% ,7-9,7% Fonte: UNCTAD/ITC/Trademap. Pelo lado das importações mundiais de móveis de madeira, ainda com base nas estatísticas do Trademap 4, constata-se expressiva expansão ocorrida 3

4 nos últimos anos. Do montante de US$ 31,1 bilhões registrado em 2004, mais de 1/3 (34,1%) foi destinado aos Estados Unidos, maior importador mundial. Em seguida destacaram-se: Reino Unido (8,1%); Alemanha (7,3%); França (6,3%); Japão (3,9%); Países Baixos (3,0%); Bélgica (2,9%); Canadá (2,5%); Áustria (2,2%); Espanha (2,1%); e Suíça (2,1%). Principais importadores mundiais de móveis de madeira, 2004 (US$ milhões) País Valor Part.% no total Estados Unidos ,1% Reino Unido ,1% Alemanha ,3% França ,3% Japão ,9% Países Baixos 942 3,0% Bélgica 900 2,9% Canadá 764 2,5% Áustria 698 2,2% Espanha 668 2,1% Suíça 645 2,1% Hong Kong 487 1,6% Suécia 401 1,3% Itália 385 1,2% Subtotal ,6% Outros países ,4% Total ,0% Fonte: UNCTAD/ITC/Trademap. A seguir, são analisadas individualmente as subposições de NCM compreendidas no grupo de móveis de madeira: a) móveis do tipo utilizado em escritórios: A importação mundial de móveis para escritórios apresentou, entre 2000 e 2004, crescimento da ordem de 3% ao ano, totalizando US$ 2,4 bilhões. Os Estados Unidos são os principais importadores, absorvendo, em 2004, cerca de 33,5% do total, seguidos do Reino Unido (6,4%); França (5,6%); Alemanha (5,3%); Bélgica (3,4%); e Suíça (3,0%). O Brasil posicionou-se, em 2004, no 150º lugar entre os importadores mundiais, com fatia de mercado quase insignificante, de cerca de 0,0001%. 4

5 Principais importadores mundiais de móveis para escritórios, 2004 (US$ milhões) País Valor Part.% no total Estados Unidos ,5% Reino Unido 152 6,4% França 132 5,6% Alemanha 126 5,3% Bélgica 81 3,4% Suíça 71 3,0% Canadá 60 2,5% Noruega 59 2,5% Emirados Árabes Unidos 44 1,8% Rússia 43 1,8% Hong Kong 37 1,6% Países Baixos 37 1,6% Espanha 35 1,5% Austrália 32 1,4% México 31 1,3% Subtotal ,2% Outros países ,8% Total ,0% Fonte: UNCTAD/ITC/Trademap. b) móveis do tipo utilizado em cozinhas: As compras mundiais de móveis de cozinha mostraram expressivo crescimento da ordem de 14% ao ano, no intervalo de 2000 a Vale notar que em 2004 foi alcançada a maior expansão do qüinqüênio, de 17% em relação ao ano anterior, totalizando US$ 3,4 bilhões. Os principais importadores de móveis para cozinha em 2004, foram: Estados Unidos (31,0% do total); França (8,2%); Suíça (6,8%); Países Baixos (6,3%); Reino Unido (5,3%); Bélgica (4,7%); Áustria (3,2%); e Alemanha (3,1%). O Brasil ocupou a 157ª posição entre os importadores mundiais com um volume de compras em torno de US$ 114 mil. 5

6 Principais importadores mundiais de móveis para cozinhas, 2004 (US$ milhões) País Valor Part.% no total Estados Unidos ,0% França 276 8,2% Suíça 228 6,8% Países Baixos 212 6,3% Reino Unido 178 5,3% Bélgica 159 4,7% Áustria 108 3,2% Alemanha 105 3,1% Noruega 88 2,6% Japão 70 2,1% Suécia 63 1,9% Espanha 61 1,8% República da Coréia 58 1,7% Canadá 53 1,6% Grécia 50 1,5% Subtotal ,8% Outros países ,2% Total ,0% Fonte: UNCTAD/ITC/Trademap. c) móveis do tipo utilizado em quartos de dormir: As importações mundiais de móveis para quartos de dormir totalizaram US$ 6,9 bilhões em 2004, das quais cerca de metade foram destinadas aos Estados Unidos. Em seguida destacaram-se: Reino Unido (8,6%); Alemanha (7,1%); França (4,5%); e Suíça e Canadá (2,7% cada). Naquele ano, o Brasil ocupou a mesma posição no ranking de compradores mundiais de móveis para cozinha, o 157º lugar em móveis para quartos de dormir, com apenas US$ 86 mil. Principais importadores mundiais de móveis para quartos de dormir, 2004 (US$ milhões) País Valor Part.% no total Estados Unidos ,1% Reino Unido 599 8,6% Alemanha 490 7,1% França 311 4,5% Suíça 188 2,7% Canadá 187 2,7% Países Baixos 161 2,3% Bélgica 148 2,1% 6

7 Japão 142 2,0% Áustria 133 1,9% Austrália 91 1,3% Hong Kong 89 1,3% Espanha 88 1,3% Emirados Árabes Unidos 68 1,0% Irlanda 55 0,8% Subtotal ,7% Outros países ,3% Total ,0% Fonte: UNCTAD/ITC/Trademap. d) outros móveis de madeira: Outros móveis de madeira formam o principal item importado dentro do grupo de móveis de madeira, responsável, em 2004, por aproximadamente 59% do total, US$ 18,4 bilhões. Os Estados Unidos também apareceram como principal importador, respondendo por 30,2% do total; seguido do Reino Unido (8,6%); Alemanha (8,5%); França (6,6%); Japão (5,5%); Países Baixos (2,9%); Bélgica (2,8%); Espanha (2,6%); Canadá (2,5%) e Áustria (2,5%). O Brasil deteve, em 2004, o 141º lugar entre os importadores mundiais de outros móveis de madeira, com 0,01% da demanda mundial. Principais importadores mundiais de outros móveis de madeira, 2004 (US$ milhões) País Valor Part.% no total Estados Unidos ,2% Reino Unido ,6% Alemanha ,5% França ,6% Japão ,5% Países Baixos 532 2,9% Bélgica 512 2,8% Espanha 484 2,6% Canadá 465 2,5% Áustria 457 2,5% Suíça 417 2,3% Itália 385 2,1% Hong Kong 361 2,0% Suécia 338 1,8% Subtotal ,8% Outros países ,2% Total ,0% Fonte: UNCTAD/ITC/Trademap. 7

8 Perfil do mercado brasileiro No Brasil, o setor moveleiro caracteriza-se pela junção de diversos tipos de matérias-primas, produzidas por distintas cadeias produtivas. Os móveis de madeira, que são a maioria da produção do setor, são segmentados em dois tipos: retilíneos e os torneados. Os retilíneos são lisos, com desenhos simples de linhas retas e a matéria-prima principal são painéis de madeira em geral. Os torneados reúnem detalhes mais sofisticados de acabamento, misturando formas retas e curvilíneas, cuja principal matéria-prima é a madeira maciça. As principais empresas produtoras de móveis de madeira estão localizadas, principalmente, no sul e no sudeste do País, conforme o estudo Madeira e Móveis, elaborado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) 5. Os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro concentram em torno de 75% das empresas do setor. São Paulo responde por cerca de 40% do faturamento e por 80% da produção nacional de móveis para escritório. No cômputo geral, o estado de Santa Catarina é o maior exportador de móveis de madeira e detém cerca da metade das vendas brasileiras. 6 No tocante ao comércio exterior brasileiro, conforme estatísticas do MDIC/SECEX/AliceWeb 7, o Brasil é exportador líquido de móveis de madeira, transacionando mais de US$ 400 milhões. No intervalo de 1996 a 2005, o total do comércio do produto apresentou expansão média da ordem de 13% ao ano. Nesse período somente foram registrados decréscimos em 1998 e 2001, de 9,1% e 4,9% respectivamente. Em valores, o intercâmbio comercial brasileiro passou de US$ 232,9 milhões para US$ 696,9 milhões no período. Em 2006 (janeiro-julho), as trocas comerciais brasileiras de móveis de madeira apresentaram retração em torno de 12% em relação ao mesmo período de 2005, passando de US$ 419,2 milhões, para US$ 368,5 milhões. Comércio exterior brasileiro de móveis de madeira, Ano Valor Variação % ,7% ,1% ,1% ,8% ,9% ,9% ,3% ,0% ,8% ,7% O saldo da balança comercial brasileira de móveis de madeira apresentouse superavitário em todos os anos do intervalo de 1996 a 2005, acumulando no 8

9 decênio a cifra de US$ 4 bilhões. Entre janeiro e julho de 2006, foi registrado superávit comercial da ordem de US$ 363,6 milhões. Os números referentes às exportações brasileiras, no decênio de 1996 a 2005, mostraram elevado crescimento médio, da ordem de 12,4% ao ano, cujos valores passaram de US$ 244,5 milhões para US$ 700,2 milhões. Vale notar que as vendas brasileiras apresentaram decréscimo, no intervalo sob análise, somente no ano de 1998, quando foi registrada queda de 10%, em relação a Em 2006 (janeiro-julho), as vendas brasileiras caíram cerca de 14,4% em comparação com o mesmo intervalo de 2005, totalizando US$ 161,6 milhões. Perfil das importações 8 Exportações brasileiras de móveis de madeira, Ano Valor Variação % ,0% ,1% ,0% ,9% ,9% ,8% ,9% ,3% ,2% ,4% As compras brasileiras de móveis de madeira têm apresentado retrações consecutivas nos últimos anos. No período de 1996 a 2005, por exemplo, as importações brasileiras do item caíram, em média, 12,9% ao ano. Em valores, as compras brasileiras caíram, no decênio, de US$ 11,7 milhões para US$ 3,4 milhões. No intervalo sob análise, as importações brasileiras mostraram decréscimos em todos os anos, exceto entre e em Vale notar que em 2005 foi registrado o melhor desempenho das compras brasileiras no decênio, com expansão de 132,2% em relação a No primeiro semestre de 2006, as compras brasileiras mostraram incremento de aproximadamente 55% em relação ao mesmo intervalo de 2005, representando aumento de US$ 878 mil. 9

10 Importações brasileiras de móveis de madeira, Ano Valor Variação % ,9% ,1% ,3% ,7% ,0% ,7% ,1% ,9% ,1% ,2% As compras brasileiras de móveis de madeira, discriminadas por tipo de móvel, apresentou o seguinte comportamento nos últimos dez anos: a) móveis de madeira dos tipos utilizados em escritórios As importações brasileiras de móveis de madeira para escritórios mostraram-se instáveis em todo o período de 1996 a 2005 e, no cômputo geral, decresceram, em média, 11,4% ao ano, caindo de US$ 1,2 milhão para US$ 404 mil. A participação da subposição no grupo de móveis de madeira variou, no decênio, entre 8% e 28%, passando de 10% em 1996, para 13% em Entre janeiro e julho de 2006, as estatísticas mostraram expansão das importações brasileiras de 9,6% em relação ao mesmo intervalo de Importações brasileiras de móveis de madeira para escritórios, Ano Valor Variação % ,5% ,0% ,2% ,4% ,9% ,1% ,5% ,0% ,1% ,9% 10

11 b) móveis de madeira dos tipos utilizados em cozinhas Móveis de madeira para cozinhas é a subposição do grupo que contabiliza os menores valores de importação do grupo. No decênio sob análise, as compras brasileiras apresentaram queda anual de 20,8%, em média, caindo de US$ 875 mil em 1996, para US$ 107 mil em Em 2006 (janeiro-julho), foi registrado crescimento de 26,5% em relação a 2005 (janeiro-julho). Importações brasileiras de móveis de madeira para cozinhas, Ano Valor Variação % ,4% ,3% ,0% ,7% ,6% ,0% ,5% ,9% ,4% ,4% c) móveis de madeira dos tipos utilizados em quartos de dormir Móveis para quartos de dormir representam a segunda principal subposição do grupo e, a exemplo dos outros itens, também mostrou instabilidade em todo o período de 1996 a 2005, com decréscimo médio de 9% ao ano, caindo de US$ 2,3 milhões para apenas US$ 226 mil. Entre janeiro e julho de 2006, as compras brasileiras do produto somaram US$ 217 mil, representando expansão da ordem de 53% em relação ao primeiro semestre de Importações brasileiras de móveis de madeira para quartos de dormir, Ano Valor Variação % ,1% ,3% ,6% ,8% ,4% ,3% ,9% ,1% ,7% ,8% 11

12 d) outros móveis de madeira Outros móveis de madeira constituem o item mais significativo do grupo, representando cerca de 60% do total das compras. Mesmo assim, os valores mostraram decréscimos ao longo do decênio de 1996 a 2005, quando foi verificada queda média de 10,6% ao ano. Em valores, as compras brasileiras de outros móveis de madeira caíram de US$ 7,3 milhões para US$ 2,6 milhões. No primeiro semestre de 2006, as importações brasileiras do produto mostraram expressivo crescimento, da ordem de 64,2% em comparação a janeiro-julho de Importações brasileiras de outros móveis de madeira, Ano Valor Variação % ,7% ,4% ,2% ,9% ,3% ,9% ,8% ,5% ,6% ,3% Principais países fornecedores 9 Uma análise das estatísticas das importações brasileiras de móveis de madeira originárias da Bolívia, no decênio de 1996 a 2005, mostra que somente foram registradas operações em 1996 e totalizaram aproximadamente US$ 9 mil. Do montante, US$ 4 mil foram referentes às compras de móveis para cozinhas e os restantes US$ 5 mil foram creditados a outros móveis de madeira. A seguir estão listados os principais fornecedores ao Brasil das subposições de NCM importadas do grupo de móveis de madeira: a) móveis de madeira dos tipos utilizados em escritórios Os principais fornecedores de móveis de madeira para escritórios ao Brasil são os Estados Unidos, Argentina e Itália, que alternaram os primeiros lugares nos últimos anos. Em 2005 destacaram os seguintes países: Estados Unidos (51,5% do total); Argentina (27,9%); Itália (13,8%); China (1,6%); Noruega (1,2%); e Alemanha (1%). 12

13 Importações brasileiras de móveis de madeira para escritórios, por principais países fornecedores, País Valor Part. Valor Part. Valor Part. Estados Unidos 30,3 15,3% 104,5 36,3% 208,2 51,5% Argentina 10,7 5,4% 132,0 45,9% 112,8 27,9% Itália 125,0 63,2% 42,9 14,9% 55,7 13,8% China 3,0 1,5% 1,2 0,4% 6,5 1,6% Noruega 0,0 0,0% 0,0 0,0% 4,7 1,2% Alemanha 5,8 2,9% 0,0 0,0% 3,9 1,0% Suíça 0,0 0,0% 0,0 0,0% 3,8 0,9% Egito 0,0 0,0% 2,9 1,0% 2,6 0,6% França 3,2 1,6% 0,0 0,0% 1,2 0,3% Subtotal 178,0 90,0% 283,5 98,5% 399,4 98,8% Outros países 19,7 10,0% 4,2 1,5% 4,9 1,2% Total 197,7 100,0% 287,7 100,0% 404,3 100,0% b) móveis de madeira dos tipos utilizados em cozinhas A Itália e Indonésia são os principais abastecedores do mercado brasileiro em móveis para cozinhas, respondendo, em conjunto, por quase 90% das compras brasileiras. Em 2005, os principais exportadores ao Brasil do produto foram: Itália (53,1%); Indonésia (25,8%); China (6,3%); Noruega (5,6%); Índia (3,3%); e Argentina (2,9%). País Importações brasileiras de móveis de madeira para cozinhas, por principais países fornecedores, Valor Part. Valor Part. Valor Part. Itália 32,5 30,0% 50,3 58,7% 56,6 53,1% Indonésia 24,9 23,0% 26,2 30,6% 27,5 25,8% China 1,6 1,5% 2,2 2,6% 6,7 6,3% Noruega 0,0 0,0% 0,0 0,0% 6,0 5,6% Índia 0,3 0,3% 1,5 1,8% 3,5 3,3% Argentina 0,0 0,0% 1,5 1,8% 3,1 2,9% Áustria 0,0 0,0% 0,0 0,0% 0,9 0,8% Coréia do Sul 0,0 0,0% 0,7 0,8% 0,7 0,7% Hong Kong 3,1 2,9% 2,1 2,5% 0,4 0,4% Estados Unidos 9,8 9,0% 0,5 0,6% 0,3 0,3% Alemanha 32,9 30,4% 0,3 0,4% 0,0 0,0% Subtotal 105,1 97,0% 85,3 99,5% 105,7 99,2% Outros países 3,3 3,0% 0,4 0,5% 0,9 0,8% Total 108,4 100,0% 85,7 100,0% 106,6 100,0% 13

14 c) móveis de madeira dos tipos utilizados em quartos de dormir Os países europeus e asiáticos são os principais vendedores de móveis para quartos de dormir ao Brasil. Em 2005, por exemplo, destacaram-se os seguintes países: Itália (52,4%); Noruega (13,0%); Alemanha (8,9%); China (8,8%); e Indonésia (7,3%). Os cinco países somados em conjunto totalizaram mais de 90% do total. Importações brasileiras de móveis de madeira para quartos de dormir, por principais países fornecedores, País Valor Part. Valor Part. Valor Part. Itália 79,7 54,7% 68,0 33,3% 118,4 52,4% Noruega 0,0 0,0% 0,0 0,0% 29,5 13,0% Alemanha 19,5 13,4% 36,2 17,7% 20,1 8,9% China 6,1 4,2% 18,1 8,9% 19,9 8,8% Indonésia 16,1 11,1% 21,0 10,3% 16,5 7,3% Estados Unidos 5,3 3,6% 1,3 0,6% 5,3 2,3% Egito 0,5 0,3% 3,3 1,6% 4,8 2,1% Tailândia 0,6 0,4% 0,5 0,2% 3,6 1,6% Argentina 0,8 0,5% 4,7 2,3% 3,2 1,4% Índia 1,6 1,1% 0,9 0,4% 2,8 1,2% França 3,2 2,2% 0,8 0,4% 1,5 0,7% África do Sul 0,0 0,0% 6,6 3,2% 0,0 0,0% Hong Kong 5,4 3,7% 1,4 0,7% 0,0 0,0% Subtotal 138,8 95,3% 162,8 79,6% 225,6 99,8% Outros países 6,9 4,7% 41,6 20,4% 0,5 0,2% Total 145,7 100,0% 204,4 100,0% 226,1 100,0% d) outros móveis de madeira As importações brasileiras de outros móveis de madeira apresentaram diversidade de fornecedores, mas os quatro principais responderam por aproximadamente 74% do total importado. Em 2005 os fornecedores mais importantes foram: Espanha (30,2%); Itália (16,6%); Argentina (16,2%); China (10,8%); Suíça (6,7%); e Indonésia (6,4%). 14

15 Importações brasileiras de outros móveis de madeira, por principais países fornecedores, País Valor Part. Valor Part. Valor Part. Espanha 876,3 42,5% 38,1 3,9% 797,4 30,2% Itália 161,0 7,8% 261,3 26,7% 437,4 16,6% Argentina 12,3 0,6% 15,6 1,6% 429,2 16,2% China 38,8 1,9% 163,2 16,7% 285,3 10,8% Suíça 0,1 0,0% 9,0 0,9% 175,8 6,7% Indonésia 123,9 6,0% 184,0 18,8% 167,8 6,4% Índia 30,2 1,5% 32,6 3,3% 30,2 1,1% República Tcheca 0,0 0,0% 0,0 0,0% 38,4 1,5% Hong Kong 12,1 0,6% 22,4 2,3% 36,1 1,4% Malásia 0,0 0,0% 0,0 0,0% 33,1 1,3% França 186,0 9,0% 25,3 2,6% 29,3 1,1% Egito 16,1 0,8% 47,0 4,8% 26,3 1,0% Vietnã 0,0 0,0% 1,7 0,2% 22,1 0,8% Estados Unidos 65,4 3,2% 77,9 8,0% 19,0 0,7% Alemanha 85,8 4,2% 3,1 0,3% 14,7 0,6% Tailândia 9,7 0,5% 50,5 5,2% 11,4 0,4% Países Baixos 78,4 3,8% 1,6 0,2% 0,9 0,0% Subtotal 1.696,1 82,3% 933,3 95,5% 2.554,4 96,7% Outros países 366,0 17,7% 43,6 4,5% 87,0 3,3% Total 2.062,1 100,0% 976,9 100,0% 2.641,4 100,0% Questões logísticas 10 O estado de São Paulo é responsável por mais de 60% da importação brasileira de móveis de madeira. Em 2005, as compras brasileiras foram efetuadas, principalmente, pelos seguintes estados: São Paulo (65,2% do total); Espírito Santo (9,5%); Pernambuco (7,1%); Minas Gerais (6,8%); Santa Catarina (3,3%); Rio de Janeiro (2,6%); Rio Grande do Sul (1,7%) e Paraná (1,6%). Importações brasileiras de móveis de madeira, por estado da federação, 2005 Estado Valor Part.% no total São Paulo 2.201,6 65,2% Espírito Santo 322,0 9,5% Pernambuco 240,5 7,1% Minas Gerais 228,8 6,8% Santa Catarina 112,2 3,3% Rio de Janeiro 86,4 2,6% Rio Grande do Sul 57,3 1,7% Paraná 55,1 1,6% 15

16 Amazonas 36,9 1,1% Subtotal 3.340,8 98,9% Demais estados 37,5 1,1% Total 3.378,3 100,0% Quanto aos modais utilizados no transporte das mercadorias importadas, foram os seguintes em 2005: a) móveis de madeira dos tipos utilizados em escritórios A carga importada em 2005 foi transportada por modal marítimo (75,3% do total), rodoviário (22,7%) e aéreo (2,0%). Por modal marítimo, foram desembarcadas quase em sua totalidade nos portos de Santos-SP (55,7%), de Vitória-ES (12,9%) e do Rio de Janeiro-RJ (3,5%). Por modal rodoviário, tiveram como ponto de entrada no Brasil rodovias localizadas no Rio Grande do Sul: Uruguaiana e São Borja. b) móveis de madeira dos tipos utilizados em cozinhas Os móveis de madeira para cozinhas foram importados utilizando os modais de transporte: marítimo (97,2%) e rodoviário (2,8%). As mercadorias transportadas via marítima foram desembarcadas, principalmente, nos portos do Rio de Janeiro (32,0% do total); Santos-SP (29,1%); Paranaguá-PR (13,6%); e Itajaí-SC (10,7%). Por último, a carga transportada via rodoviária utilizou a Rodovia de Uruguaiana-RS. c) móveis de madeira dos tipos utilizados em quartos de dormir A mercadoria importada foi desembarcada no Brasil utilizando, em sua quase totalidade, o modal marítimo. Os principais portos de entrada da mercadoria foram: Sepetiba-RJ (53,2%); Santos-SP (14,2%); Itajaí-SC (13,5%); Vitória-ES (8,6%); e Rio de Janeiro-RJ (7,7%). d) outros móveis de madeira O produto importado utilizou os seguintes modais de transporte: marítimo (76,3% do total); aéreo (19,2%); e rodoviário (4,5%). As mercadorias transportadas via marítima foram desembarcadas, principalmente, nos portos de Santos-SP (57,1%); Salvador-BA (11,8%); e Sepetiba-RJ (10,1%). Tratamento tarifário 11 O Imposto de Importação (II) que incide nas compras brasileiras de móveis de madeira, códigos da NCM: , , e é de 18%. Entretanto, no âmbito do Acordo de Complementação Econômica (ACE) nº 36, entre o MERCOSUL e a Bolívia, os produtos bolivianos gozam das seguintes margens de preferência: preferência de 70%; preferência de 100%; preferência de 70%; e 16

17 preferência de 100%. Incidem sobre os produtos as tarifas referentes aos Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PIS/PASEP (1,65%) e à Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins (7,6%), além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de competência estadual, cuja alíquota varia normalmente de 0 a 25%, em função da essencialidade ou seletividade do produto, podendo ultrapassar esse percentual em alguns casos, por exemplo, de serviços de telecomunicação (30%). Por último, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidente sobre as mercadorias é de 5%. Tratamento administrativo 12 A importação brasileira de móveis de madeira, de acordo com a Instrução Normativa MAPA nº 67/02, está sujeita a Licenciamento de Importação, junto ao SISCOMEX, após a fiscalização e inspeção sanitária, fitossanitária e de qualidade. A fiscalização e a inspeção dar-se-ão por ocasião do desembaraço aduaneiro, e serão realizadas pelo Fiscal Federal Agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), respeitadas as competências técnicas e profissionais. Para que o produto tenha tratamento preferencial no escopo do MERCOSUL é necessário a comprovação da sua origem nesses países. Não será considerado originário do país exportador o produto resultante de operação ou processo efetuado no seu território, que lhe confira a forma final em que será comercializado quando: a) nessa operação ou processo, for utilizado material ou insumo não originário desse país; b) consista apenas em montagem, embalagem, fracionamento em lotes ou volumes, seleção, classificação, marcação, composição de sortimentos de produtos ou simples diluições em água ou outra substância que não altere as características do produto como originário; ou c) outras operações ou processos equivalentes que alterem a classificação do produto, considerada a quatro dígitos. O certificado de origem deverá ser apresentado à fiscalização da Secretaria da Receita Federal do Ministério da Fazenda, quando solicitado, junto com os demais documentos que instruem a declaração de importação ou documento equivalente utilizado como base para o despacho aduaneiro. No caso da Bolívia, somente serão aceitos certificados de origem emitidos por órgãos ou entidades autorizados e visados por autoridade diplomática ou consular brasileira, com jurisdição no país. Não serão aceitos certificados de origem emitidos por fabricantes ou exportadores. Empresas bolivianas exportadoras Empresários brasileiros interessados em fazer negócios com a Bolívia poderão ter acesso a informações referentes à exportação boliviana e, também, eventualmente, solicitar lista de empresas bolivianas exportadoras de móveis de madeira, no sítio do Centro de Promoción Bolivia - CEPROBOL (http://www.ceprobol.gov.bo). 17

18 Constam no Diretório de Exportadores Bolivianos do CEPROBOL, as seguintes vinte e três empresas exportadoras do produto, cujos dados completos estão disponíveis no sítio do CEPROBOL: Empresas bolivianas exportadoras de móveis de madeira e suas partes Empresa Fax Artemobili Srl. (591-2) Bolivian Caoba Srl. (591-2) Circle Bolivia Srl. Int. e Com. International (591-2) Escala Design (591-2) Fabrica de Muebles Casa Bella Ltda. (591-2) Fundacion Cultural Quipus (591-2) Fusi Industria Maderera Srl. (591-2) Gregorio Yampara Eda Erika I.T.M. San Jose Srl. (591-2) Lara Irahola Christian Jorge (591-2) Maderera Bolivia Etienne S.A. (591-2) Mobilia S.A. (591-2) Muebles San Ignacio m Occidental Bolivia Srl. (591-2) Proyecto Forestal Srl. (591-2) Reichik Rosenberg Avraham (591-2) Schmidt & Wood (591-2) Soex Srl. (591-2) Todocentro Srl. (591-2) United Furniture Ind. Bolivia United S.A. (591-2) Vallejo Ocampo Juan Gustavo (591-2) Zarate Corina Vidal (591-2) Cia de Inversiones Y Ediciones Srl. (591-4) Empresas brasileiras importadoras 13 Ciente da importância de apresentar diretório importador para produtos da demanda brasileira, o Ministério das Relações Exteriores (MRE), em parceria com a Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (Funcex), lançou em 2006, no âmbito do Programa de Substituição Competitiva de Importações (PSCI), o Catálogo de Importadores Brasileiros (CIB). O catálogo foi produzido a partir de informações obtidas diretamente das empresas importadoras, em atendimento a consulta específica da Funcex. Trata-se de uma iniciativa pioneira e que vem ao encontro das tradicionais demandas da comunidade empresarial sul-americana. O CIB, disponível em formato eletrônico e na BrazilTradeNet ( PSCI ), traz dados completos de empresas importadoras e permite consulta tanto por código quanto por nome da empresa importadora. É possível, ainda, filtrar a consulta por faixas de valor importado. Tendo em vista a necessidade de facilitar as consultas, foi adotada a nomenclatura do Sistema Harmonizado (SH), em nível de seis dígitos (SH 6). As empresas relacionadas no catálogo 18

19 representaram mais de 80% do volume importado pelo País anualmente. O CIB está disponível em português, espanhol e inglês. Entretanto, conforme salientado, as listagens do CIB não são exaustivas. Compreendem apenas as empresas que se dispuseram a responder questionário encaminhado pela Funcex, a respeito do perfil importador das firmas brasileiras. No que tange ao mercado de móveis de madeira, o CIB mostra a presença de 39 empresas brasileiras importadoras, conforme relacionadas a seguir, em ordem alfabética, com a respectiva indicação de endereço eletrônico e fax: Empresas brasileiras importadoras de móveis de madeira Empresa Fax Agrati do Brasil Ltda Gillette do Brasil Ltda Mecal Bras Ltda Mina Índia Ltda Sigma do Brasil Granitos e Mármores Ltda Simpro do Brasil Ltda Barcellona Ind. e Com. de Móveis Ltda Cassioli Brasil Ltda Dolly da Amazônia Ltda. Hanarocomercial Imp. e Exp. de Alim. Ltda Mina Índia Ltda Bontempo Móveis Ltda Cotonipe Moveis Ltda Ipanema Stones Com. Imp. e Exp. Ltda Mecal Bras Ltda O L Com. Imp. e Exp. Ltda Scolari Imp. e Exp. Ltda Tapuzim Comercial Ltda Arteca Vitória Imp. e Exp. Ltda Barcellona Ind. e Com. de Móveis Ltda Call Export Ltda Casseb Comércio Exterior Ltda Cotonipe Moveis Ltda Dolly da Amazônia Ltda. Ferreira Costa Minerações Ltda Hanarocomercial Imp. e Exp. de Alim. Ltda Il Ponte Artefatos de Couro Ltda Invert do Brasil S.A Marelli Móveis para Escritório Ltda Mina Índia Ltda

20 O L Com. Imp. e Exp. Ltda Peale Ind. e Com. de Móveis Ltda Prataria Universal Ltda. Scolari Imp. e Exp. Ltda Semco Equipamentos Industriais Ltda Tapuzim Comercial Ltda Tramontina Belém S.A Vci Brasil Ind. e Com. de Embalagens Ltda Ypora Mercantil Ltda Ainda com referência ao universo de empresas importadoras do produto em questão, cumpre esclarecer que o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil (MDIC) dispõe de relação completa das empresas brasileiras importadoras da Bolívia. Tal relação, contudo, não permite realizar as consultas utilizando como filtro o código dos produtos. O endereço eletrônico da Secretaria de Comércio Exterior do MDIC é: sticas/empexpimp_importadoras.php Endereços úteis A seguir lista das representações diplomáticas bolivianas no Brasil, bem como das brasileiras na Bolívia, cujos dados completos encontram-se disponíveis no sítio do Ministério das Relações Exteriores (http://www.mre.gov.br): Embaixada da Bolívia em Brasília SHIS QI 19, Conjunto 13, Casa Brasília - DF Telefone: (61) Fax: (61) Sítio: Expediente: de segunda a sexta-feira das 09h30 às 16h00 Consulados bolivianos no Brasil: Consulado-Geral em Cuiabá - MT Tel.: (65) Fax: (65) Consulado-Geral no Rio de Janeiro-RJ Tel.: (21) Fax: (21) Consulado-Geral em São Paulo-SP Tel.: (11) Fax: (11) Consulado em Brasiléia AC Tel.: (68)

O MERCADO BRASILEIRO PARA PARTES DE MÁQUINAS DE SONDAGEM OU DE PERFURAÇÃO BOLIVIANAS

O MERCADO BRASILEIRO PARA PARTES DE MÁQUINAS DE SONDAGEM OU DE PERFURAÇÃO BOLIVIANAS O MERCADO BRASILEIRO PARA PARTES DE MÁQUINAS DE SONDAGEM OU DE PERFURAÇÃO BOLIVIANAS Identificação do produto Partes de máquinas de sondagem ou de perfuração, das posições 8430.41 (autopropulsadas: máquinas

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL UTILIZADO NA FABRICAÇÃO DE PAPEL HIGIÊNICO/TOUCADOR EQUATORIANO

O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL UTILIZADO NA FABRICAÇÃO DE PAPEL HIGIÊNICO/TOUCADOR EQUATORIANO O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL UTILIZADO NA FABRICAÇÃO DE PAPEL HIGIÊNICO/TOUCADOR EQUATORIANO Identificação do produto Como definido na Tarifa Externa Comum (TEC) 1, o papel utilizado na fabricação de

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE

O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE Identificação do Produto A subposição 3104.30 compreende os fertilizantes potássicos. Especificamente, o produto está assim classificado:

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO PARA GELATINAS E SEUS DERIVADOS EQUATORIANOS

MERCADO BRASILEIRO PARA GELATINAS E SEUS DERIVADOS EQUATORIANOS MERCADO BRASILEIRO PARA GELATINAS E SEUS DERIVADOS EQUATORIANOS Identificação do produto Gelatinas (incluídas as apresentadas em folhas de forma quadrada ou retangular, mesmo trabalhadas na superfície

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL JORNAL CHILENO

O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL JORNAL CHILENO O MERCADO BRASILEIRO PARA PAPEL JORNAL CHILENO Identificação do Produto A subposição 4801.00 compreende o papel jornal, em rolos ou em folhas. O produto em exame está classificado no item 4801.00.10 papel

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA AUTOMÓVEIS, ORIGINÁRIOS DO CHILE

O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA AUTOMÓVEIS, ORIGINÁRIOS DO CHILE O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA AUTOMÓVEIS, Identificação do Produto ORIGINÁRIOS DO CHILE Os pneus aos quais o estudo se refere são classificados, na Tarifa Externa Comum (TEC), no subitem 4011.10.00.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA GARRAFÕES, GARRAFAS, FRASCOS E ARTIGOS SEMELHANTES DE PLÁSTICO PERUANOS

O MERCADO BRASILEIRO PARA GARRAFÕES, GARRAFAS, FRASCOS E ARTIGOS SEMELHANTES DE PLÁSTICO PERUANOS O MERCADO BRASILEIRO PARA GARRAFÕES, GARRAFAS, FRASCOS E ARTIGOS SEMELHANTES DE PLÁSTICO PERUANOS Identificação do produto Garrafões, garrafas, frascos e artigos semelhantes de plástico, conforme informações

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA CAMINHÕES E ÔNIBUS, ORIGINÁRIOS DA COLÔMBIA

O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA CAMINHÕES E ÔNIBUS, ORIGINÁRIOS DA COLÔMBIA O MERCADO BRASILEIRO DE PNEUS PARA CAMINHÕES E ÔNIBUS, Identificação do Produto ORIGINÁRIOS DA COLÔMBIA O estudo contempla o subitem 4011.20.10 - pneumáticos novos de borracha, dos tipos utilizados em

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Programa de Substituição Competitiva de Importações (PSCI) PERFIL DE PRODUTO

Programa de Substituição Competitiva de Importações (PSCI) PERFIL DE PRODUTO Programa de Substituição Competitiva de Importações (PSCI) PERFIL DE PRODUTO O MERCADO BRASILEIRO PARA CAVALAS, CAVALINHAS E SARDAS PERUANAS (NCM 0303.74.00) agosto de 2008 2 O MERCADO BRASILEIRO PARA

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

PERFIL DO MERCADO BRASILEIRO PARA ALHOS FRESCOS OU REFRIGERADOS, ORIGINÁRIOS DA ARGENTINA

PERFIL DO MERCADO BRASILEIRO PARA ALHOS FRESCOS OU REFRIGERADOS, ORIGINÁRIOS DA ARGENTINA PERFIL DO MERCADO BRASILEIRO PARA ALHOS FRESCOS OU Identificação do Produto REFRIGERADOS, ORIGINÁRIOS DA ARGENTINA Com base na Tarifa Externa Comum (TEC), o estudo contempla o subitem 0703.20.90 (outros

Leia mais

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo.

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Comércio exterior Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Janeiro 2015 Sindusfarma Gerência de Regulação de Mercados Índice Brasil...

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA

Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Priorização de Mercados Potenciais ABEXA Associação Brasileira de Exportação de Artesanato Biênio 2014/2015 Elaborado pela: Unidade de Inteligência Comercial - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55

Leia mais

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870

Toshiba Corporation. Faturamento (2000): US$ 47.950 mi. Empregados (2000): 190.870 Toshiba Corporation 1. Principais Características Matriz: Toshiba Corporation Localização: Minato-Ku, Tóquio, Japão Ano de fundação: 1875 Internet: www.toshiba.co.jp Faturamento (2000): US$ 47.950 mi Empregados

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil

Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil 18_Animal Business-Brasil O Brasil e as biotecnologias reprodutivas

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Mercado em Foco: Chile

Mercado em Foco: Chile Mercado em Foco: Chile EXPOMIN, 2014 Breve estudo com informações sobre as perspectivas de negócios da economia do Chile. Apresentamos também uma análise do comércio exterior de máquinas e equipamentos

Leia mais

PORTARIA Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 03/02/2015) DANIEL MARTELETO GODINHO

PORTARIA Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 03/02/2015) DANIEL MARTELETO GODINHO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2015 (Publicada no D.O.U. de 03/02/2015) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR,

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

Motorola Incorporation

Motorola Incorporation Motorola Incorporation 1. Principais Características Matriz: Motorola Incorporation Localização: Illinois, Estados Unidos Ano de fundação: 1928 Internet: www.motorola.com Faturamento (2000): US$ 37.580

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99

PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 PERFIL DE MERCADO PRODUCTO: SISTEMAS DE INSPECCION POR VIDEO N.C.M.: 9031.80.99 Perfil elaborado en octubre de 2008 TRATAMIENTO ARANCELARIO E IMPOSITIVO 1) IMPUESTOS Y TASAS: 1.1) ARANCELES DE IMPORTACIÓN

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo O Setor em Grandes Números Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo I - CADEIA PRODUTIVA NÚMERO ESTIMADO DE EMPRESAS EM 2012 Lapidação / Obras de pedras 350 INDÚSTRIA Joalheria ouro e

Leia mais

Perfil Exportador do Setor Brasileiro de Calçados de Couro

Perfil Exportador do Setor Brasileiro de Calçados de Couro Perfil Exportador do Setor Brasileiro de Calçados de Couro 2013 Apex-Brasil Maurício Borges PRESIDENTE José Ricardo Santana DIRETOR DE NEGÓCIOS Tatiana Martins Porto DIRETORA DE GESTÃO CORPORATIVA Marcos

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

CONSULADOS (011) 285.0433 - FAX (11) 284.4862 ( 011) 3814.6644 - FAX (11) 3815.7538 (011) 284.1355-288.5857 FAX (11) 285.0748

CONSULADOS (011) 285.0433 - FAX (11) 284.4862 ( 011) 3814.6644 - FAX (11) 3815.7538 (011) 284.1355-288.5857 FAX (11) 285.0748 CONSULADOS NOME ENDEREÇO FONE E-MAIL ÁFRICA DO SUL Avenida Paulista, 1754-12º andar - Cerqueira César - São Paulo - SP - CEP: 01310-200 (011) 285.0433 - FAX (11) 284.4862 ALEMANHA Avenida Brigadeiro Faria

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AOS PLANOS ALTERNATIVOS Nº 119 (REGIÕES I, II, III DO PGO) PACOTE DE MINUTOS DDI

CONTRATO DE ADESÃO AOS PLANOS ALTERNATIVOS Nº 119 (REGIÕES I, II, III DO PGO) PACOTE DE MINUTOS DDI CONTRATO DE ADESÃO AOS PLANOS ALTERNATIVOS Nº 119 (REGIÕES I, II, III DO PGO) PACOTE DE MINUTOS DDI Por este instrumento, em que fazem parte de um lado, TELEFÔNICA BRASIL S.A., com sede na Av. Engenheiro

Leia mais

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado,

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial

Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial Oswaldo Moraes 26.09.2013 AGENDA I. Instrumentos de Controle Aduaneiro Licenciamento Não Automático Regras de Origem Não Preferencial Controle e Investigação

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Cadeia: Madeira e Móveis

Cadeia: Madeira e Móveis Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (UNICAMP-IE-NEIT) Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio Exterior (MDIC) Ministério

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA PÊRAS FRESCAS CHILENAS

O MERCADO BRASILEIRO PARA PÊRAS FRESCAS CHILENAS O MERCADO BRASILEIRO PARA PÊRAS FRESCAS CHILENAS Identificação do Produto As pêras frescas são classificadas, na nomenclatura brasileira, no item 0808.20.10. As estatísticas internacionais apresentam o

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico 2.3 Transformados Plásticos Diagnóstico A indústria de plásticos vem movendo-se ao redor do mundo buscando oportunidades nos mercados emergentes de alto crescimento. O setor é dominado por um grande número

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

O Brasil adoptou, em 1 de Janeiro de 1995, a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM),

O Brasil adoptou, em 1 de Janeiro de 1995, a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), Tratamento tributário i e administrativo na importação 68 O Brasil adoptou, em 1 de Janeiro de 1995, a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), baseada no Sistema Harmonizado de Designação e Codificação de

Leia mais

Projeto de análise de Importação

Projeto de análise de Importação Projeto de análise de Importação Empresa: Import Brasil S/A Objetivo: Estudo sobre a viabilidade da importação analisando pontos como logística, s, impostos, barreiras de entrada, estatística de importação

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves*

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* * Respectivamente, gerente e economista da Gerência Setorial de Indústria Automobilística

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais