DICRE DIRETORIA DE CRÉDITO GCREF - Gerência de Crédito de Fomento COPEN - Coordenadoria de Pequenos Negócios Rurais e Urbanos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DICRE DIRETORIA DE CRÉDITO GCREF - Gerência de Crédito de Fomento COPEN - Coordenadoria de Pequenos Negócios Rurais e Urbanos"

Transcrição

1 PRESIDENTE Mâncio Lima Cordeiro DIRETOR DE CRÉDITO Milton Barbosa Cordeiro GERENTE EXECUTIVO DE CRÉDITO DE FOMENTO Raimunda Carmem Pereira da Silva COORDENADOR DE PEQUENOS NEGÓCIOS RURAIS E URBANOS Affonso Rodrigues Vianna Neto SUPERVISOR Júlio Augusto Muniz Tavares

2 RECURSOS FNO OGU FAT FDA -BNDES

3 BNDES

4 BNDES - FINAME INDUSTRIAL - FINAME AGRÍCOLA - BNDES AUTOMÁTICO - BNDES EXIM

5 FNO-AGROPECUÁRIA

6 BASES E CONDIÇÕES

7 PORTE PORTE RECEITA BRUTA ANUAL PREVISTA Mini/Micro Até R$ ,00 Pequeno (a) Acima de R$ ,00 até R$ ,00 Médio (a) Acima de R$ ,00 até R$ ,00 Grande Acima de R$ ,00

8 LIMITES DE FINANCIAMENTO Mini/ Micro Investimento Custeio Pequeno (a) Investimento Custeio Médio (a) Grande Assoc/Coop M/P Investimento Custeio Investimento Custeio Investimento Custeio 100% 100% 100% 100% 85% 95% 70% 90% 100% 100% , , , , , , , , , ,00 Assoc/Coop Me/G Investimento Custeio 85-70% 95-90% , ,00

9 ENCARGOS FINANCEIROS PORTE Mini produtores, suas cooperativas e associações JUROS 6,0 % a.a. Pequenos e Médios Produtores, suas cooperativas e associações 8,75 % a.a. Grandes produtores, suas cooperativas e associações 10,75 % a.a. OBS Sobre os encargos serão aplicados bônus de adimplência de 15% para os mutuários que pagarem as prestações até a data dos respectivos vencimentos

10 PRAZOS INVESTIMENTO FIXO INVESTIMENTO SEMI-FIXO CUSTEIO / CAPITAL DE GIRO Total até 16 anos, C/ carência de até 9 anos. Total até 10 anos, C/ carência de até 3 anos Total até 3anos.

11 FDA

12 CONDIÇÕES EXIGIDAS PARA OPERAR... Apresentação de projeto/plano de negócio Enquadramento às normas do Crédito Rural Conformidade com a Legislação Ambiental vigente Oportunidade do Crédito

13 CONDIÇÕES OPERACIONAIS TIPO DE CLIENTE ATENDIDO SOCIEDADE ANÔNIMA FORMALIZAÇÃO DA PROPOSTA CARTA CONSULTA A ser apresentada e analisada na ADA PROJETO TÉCNICO FINANCEIRO Apresent. na ADA e analisado no Banco da Amazônia. LIMITE Participação do FDA por empresa ( I ) - Sobre dotação anual do FDA ATÉ 10% - Sobre o investimento total ATÉ 60% LIMITE Recursos Próprios ( I I ) >= - Sobre o investimento total ATÉ 20% - Sobre o investimento fixo ATÉ 80%

14 CONDIÇÕES OPERACIONAIS ENGARGOS Taxa Efetiva ao Ano NA IMPLANTAÇÃO ENCARGOS BÁSICOS - TJLP ENGARGOS ADICIONAIS do FDA // 0% ENGARGOS ADICIONAIS Ag. Operador // 0,15% ENGARGOS Taxa Efetiva ao Ano APÓS IMPLANTAÇÃO (entrada em operação) ENCARGOS BÁSICOS - TJLP ENGARGOS ADICIONAIS do FDA // 0% Projetos considerados prioritários pelo MI // 1,0% Projetos de Infra-Estrutura // 1,5% - Demais casos // 3,0% ENGARGOS ADICIONAIS Ag. Operador // 0,15%

15 CONDIÇÕES OPERACIONAIS PRAZOS (meses) FORMAS DE AMORTIZAÇÃO CARÊNCIA ATÉ Implantação + 12 meses TOTAL NA CARÊNCIA Não há pagamento NA AMORTIZAÇÃO - Semestral GARANTIAS (Relação Garantia / Financiamento) Pré-existe MPE (50%) MGE (100%) Final (125%)

16 CONDIÇÕES OPERACIONAIS ITENS FINANCIÁVEIS (Invest. Realizados após a aprovação da Carta Consulta) Ativo Fixo ou Misto FORMALIZAÇÃO DO CONTRATO Forma de Participação Subscrição e integralização de debêntures conversíveis em ações com direito a voto Tipo de Instrumento Contratual Escritura Pública Registros Cartório de Títulos e Documentos; Cartório de Registro de Imóveis (qdo garant. Por imóvel); Registro de comércio

17 FNO - AGROINDÚSTRIA

18 OBJETIVO - Financiar a implantação, ampliação, modernização, reforma, Realocação e adequação ambiental de empreendimentos agroindústria BENEFICIÁRIOS -Pessoas jurídicas de direito privado, inclusive firmas individuais, desde que organizadas segundo as leis brasileiras e que tenham sua sede administrativa no País, independente da nacionalidade de seu capital e dirigentes, domicílio e residência das pessoas que exercem o seu controle. - Associações e Cooperativas de produção, legalmente constituídas e em atividade há mais de seis meses, com pelo menos, 70% do quadro social composto de micro (grupo I) e pequenos empresários (grupo II)

19 ATIVIDADES FINANCIADAS - Processamento ou beneficiamento de matéria-prima in-natura, de origens agrícolas, pecuárias, florestais e pesqueiras, produzidas pelo próprio empreendimento e/ou produzidas por terceiros. FINALIDADES -Investimento em ativo fixo Capital de giro isolado CLASSIFICAÇÃO POR PORTE Micro Pequeno Médio Grande Até R$ ,14 Acima de R$ ,14 até R$ ,00 Acima de R$ ,00 até R$ ,00 Acima de R$ ,00

20 ENCARGOS FINANCEIROS Micro e Associações/Cooperativas do G I Pequeno e Associações/Cooperativas do G II Médio Grande 8,75%aa 10,00%aa 12,00%aa 14,00%aa PRAZOS Finalidade Carência Total até Investimento Fixo e Misto Capital de Giro Isolado 03 anos 01 anos 12 anos 03anos

21 PROGRAMA NACIONAL DE BIODIESEL E A AGRICULTURA FAMILIAR

22 CASE AGROPALMA

23 CARTA CONSULTA BRASIL BIODIESEL

24 PRONAF

25 PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Enquadramentos... Manual de Crédito Rural (MDA/SAF, 2005)

26 PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Enquadramentos... Manual de Crédito Rural (MDA/SAF, 2005)

27 PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Enquadramentos... Manual de Crédito Rural (MDA/SAF, 2005)

28 PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Enquadramentos... Manual de Crédito Rural (MDA/SAF, 2005)

29 PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Enquadramentos... Manual de Crédito Rural (MDA/SAF, 2005)

30 PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Enquadramentos... Manual de Crédito Rural (MDA/SAF, 2005)

31 PRONAF FLORESTA

32 PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar

33 PRONAF AGROINDÚSTRIA INDUSTRIALIZAÇÃO

34 PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar

35

36 Endereço: Av. Presidente Vargas, 800 CEP Belém - Pará Fone: PABX (0xx91) Ramais: GCREF: 3851, 3852, 3152, 3167, 3168 Site: :// bancoamazonia.com..com.br bancoamazonia.com..com.br

37 OBRIGADO

FNO Amazônia Sustentável Rural

FNO Amazônia Sustentável Rural FNO Amazônia Sustentável Rural Conceito É um Programa de Financiamento que apóia os empreendimentos rurais. Finalidades do Crédito Investimento fixo, semifixo e misto (investimento + custeio); Custeio

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Seminário: Oportunidade de Investimento no Pará Palestra: Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Palestrante: Valmir Pedro Rossi - Presidente São Paulo, 02 de dezembro de 2013 Pauta da

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS

PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS SETEMBRO - 2011 BANCO DO NORDESTE APOIO AO MINI E PEQUENO PRODUTOR RURAL PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL DO NORDESTE (RURAL) FONTE:

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO NO SETOR RURAL Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Programa de Financiamento às Atividades Agropecuárias Programa a de Financiamento a

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE ) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações com ou

Leia mais

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014 Crédito Agro Principais Linhas de Crédito Fortaleza (CE), maio de 2014 Agricultura Familiar Principais Linhas de Crédito Pronaf Custeio - Beneficiários: Agricultores familiares, exceto dos grupos A e B;

Leia mais

Produtos do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira

Produtos do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira Produtos do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira Luiza Sidonio Outubro/2013 Produtos do BNDES Apoio ao pequeno produtor: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

Performance institucional

Performance institucional Performance institucional 212 Pontos de Atendimentos 3.005 empregados Pontos de Vendas Pioneiros: 10 Participação na Rede de Agências na Região Norte: 14,23%. Municípios Atendidos na Região Norte: 95%

Leia mais

Agência de Fomento Paulista

Agência de Fomento Paulista Financiamento ao Desenvolvimento Regional Crédito para as Pequenas e Médias Empresas 2011 Agência de Fomento Paulista A Agência de Fomento Paulista - Nossa Caixa Desenvolvimento é uma instituição financeira

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Linhas de financiamento BB para o Turismo Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Atualizada em 03/08/2009 Crédito / Financiamentos de Investimentos / Proger Turismo Investimento Características

Leia mais

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS Cadeia Produtiva do Café CADA + VEZ BOMPRATODOS Capital de Giro Recebíveis BB Giro Empresa Flex Agro Crédito Agroindustrial Desconto de Cheques/Títulos BB Giro Recebíveis Duplicatas/Cheques/Cartões BB

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

Propostas do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira

Propostas do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira Propostas do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira Jaldir Freire Lima Maio/2014 Diagnóstico Linhas de crédito convencionais são pouco adequadas à realidade do setor Principais dificuldades:

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

APRESENTAÇÃO BDMG. I Encontro COMTUR. Sete Lagoas - 25/02/2010

APRESENTAÇÃO BDMG. I Encontro COMTUR. Sete Lagoas - 25/02/2010 APRESENTAÇÃO BDMG I Encontro COMTUR Sete Lagoas - 25/02/2010 SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO PARA EMPREENDIMENTOS QUE INTEGRAM O SETOR DE TURISMO: GERAMINAS OBJETIVO Conceder financiamentos a microempresas e

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola CARTA-CIRCULAR N 17/2003 Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003 Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante

Leia mais

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010;

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010; RESOLUÇÃO Nº 4.028, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Autoriza a composição de dívidas e a renegociação de operações de crédito rural, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 faiares com renda bruta anual até R$ 360. (exceto Grupo A e A/C)

Leia mais

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE QUAIS SÃO AS PRIORIDADES DO FCO? O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado

Leia mais

InovaCamp. Dezembro / 2014

InovaCamp. Dezembro / 2014 InovaCamp Dezembro / 2014 O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em estágio inicial ou em processo. O

Leia mais

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS 23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS Carteira de Crédito Sicredi Fevereiro/2013 Saldo da Carteira de Crédito do Sicredi Carteira de Crédito Sicredi R$ 10.310,12 56,13% R$ 4.563,96

Leia mais

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012 O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário dezembro de 2012 Apoio ao setor rural Ministério da Agricultura Pecuária e Abatecimento - MAPA Programas Agropecuários do Governo Federal Operacionalizados pelo

Leia mais

Fontes de Financiamento para Sistemas Agroflorestais

Fontes de Financiamento para Sistemas Agroflorestais 1 Fontes de Financiamento para Sistemas Agroflorestais Introdução Sérgio Maurício Pinheiro Malheiros 1 A presente palestra tem como objetivo apresentar os tópicos principais das linhas de crédito disponíveis

Leia mais

Linhas Agrícolas Agosto 2013

Linhas Agrícolas Agosto 2013 Linhas Agrícolas Agosto 2013 MERCADO DE CRÉDITO DÍVIDA PRIVADA Dividido em 3 Principais Classes de Ativo: Crédito Geral: Linha de KG, Conta Garantida, Finame, PSI; CCB, Debênture; Crédito Imobiliário:

Leia mais

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) O Pronaf iniciou em 28 de julho de 1996, pelo

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

BNDES. Carta Al/DECOS n 97/2015 Rio de Janeiro, 26 de junho de 2015.

BNDES. Carta Al/DECOS n 97/2015 Rio de Janeiro, 26 de junho de 2015. . Carta Al/DECOS n 97/2015 Rio de Janeiro, 26 de junho de 2015. Ao Parque Tecnológico de Belo Horizonte bh.tec At.: Sr. Ronaldo Tadêu Pena Diretor-Presidente Rua Professor José Vieira de Mendonça, 770

Leia mais

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 QUEM SOMOS NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÉUMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CONTROLADA PELO ESTADO DE SÃO PAULO E ATUA COMO BANCO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Dezembro/2013 Pauta 1. Banco da Amazônia enfoque institucional 2. Ações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 familiares com renda bruta anual até R$ 360 mil. (exceto Grupo

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção

Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção CARTA-CIRCULAR Nº 65/2005 Rio de Janeiro, 08 de novembro de 2005 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica PROFARMA - Produção O Superintendente

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS Apresentação Criada em 2002 e autorizada a funcionar pelo Banco Central em 2003, entrou em operação em 2004. É uma sociedade anônima de economia mista vinculada à. Atualmente conta com um patrimônio líquido

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A SUCESSÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR MELHORIAS NAS CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO Resolução CMN nº 4.177, de 07 de Janeiro

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Tópicos 1. Sobre o Banco do Nordeste 2. Histórico do crédito para energias renováveis 3. Financiamento para a mini e microgeração

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais de Financiamento.

NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais de Financiamento. NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Técnicos: Luciano Marcos de Carvalho Rosemeire Cristina dos Santos Comissão: Crédito Rural Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais

Leia mais

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00 PLANO SAFRA 20132014 LINHAS DE FINANCIAMENTO E ENQUADRAMENTO DE CRÉDITO RURAL AFEAM BANCO DO BRASIL BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O presente documento contém as principais linhas e enquadramento de crédito

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte

Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte Superintendência Estadual do Rio Grande do Norte Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) Municípios atendidos: 1.990 (11 Estados) Administrado pelo BNB Marco normativo/legal, diretrizes

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios Soluçõ ções BB para a Economia dos Municípios Presença Nacional Presença Nacional Presença Exclusiva 4.388 Municípios * 874 Municípios * *Municípios com agências BB - dados de janeiro/2009 - Fonte: Bacen

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você.

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014 Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura. 4,1 bilhões em crédito e investimentos. Mais crédito e investimentos.

Leia mais

Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem. JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais

Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem. JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais 1.397 municípios sofrem com a estiagem. SECA aproximadamente

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

Ass.: Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária PRODECOOP

Ass.: Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária PRODECOOP CIRCULAR SEAGRI N 15/2011 Rio de Janeiro, 19 de junho de 2011 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO e FINAME AGRÍCOLA Ass.: Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária PRODECOOP

Leia mais

Produtores rurais de arroz, pessoa física ou jurídica, com sede e administração no país, inclusive cooperativas.

Produtores rurais de arroz, pessoa física ou jurídica, com sede e administração no país, inclusive cooperativas. CIRCULAR Nº 02/2013-BNDES Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 2013. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para Composição de Dívidas Decorrentes de Operações de Crédito de Investimento Rural

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA CRÉDITO COMO SOLUÇÃO PARA PRODUZIR COM SUSTENTABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL BNDES PRODUSA Objetivos Disseminar o conceito de agronegócio responsável e sustentável, agregando

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS SBN Q 02, Lote 11, Ed. Apex Brasil, Portaria B, Gabinete - CEP: 70.041-907 - Brasília- DF Telefone: (61) 3414-5867

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga São Paulo - SP 16.abr.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados no Programa.

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados no Programa. Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI N 39/2014-BNDES Rio de Janeiro, 12 de setembro de 2014 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para Composição de Dívidas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL CIRCULAR Nº 64/2009 Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução do BNDES, COMUNICA

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003.

Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003. - 6-16. VIGÊNCIA Esta Carta-Circular entra em vigor nesta data, podendo ser atendidos os financiamentos contratados até 30 de junho de 2003. Para fins de controle de comprometimento dos recursos, o BNDES

Leia mais

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Prof. :Dalton Dutra Objetivo Estimular a participação de graduados em cursos de

Leia mais

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural Deputado Ronaldo Caiado - Presidente PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO I - Securitização - Renegociada LEI Nº 10.437/02 (Artigos. 1º e 4º):

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

Programas de crédito e políticas de financiamento para a produção sustentável: a experiência do Banco da Amazônia

Programas de crédito e políticas de financiamento para a produção sustentável: a experiência do Banco da Amazônia Programas de crédito e políticas de financiamento para a produção sustentável: a experiência do Banco da Amazônia Fabrício Khoury Rebello Economista do Banco da Amazônia, Mestre em Agriculturas Familiares

Leia mais

Crédito para o Desenvolvimento

Crédito para o Desenvolvimento Crédito para o Desenvolvimento O BADESUL Agência de Fomento, controlada pelo Governo Estadual, integra o Sistema de Desenvolvimento do Estado coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do

Leia mais

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO NORDESTE ORGANOGRAMA SFRI INSTRUMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata o Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural

Leia mais

Acesso ao Crédito para a Pesca e Aquicultura

Acesso ao Crédito para a Pesca e Aquicultura Ministério da Pesca e Aquicultura Esplanada dos Ministérios- Bloco D- Brasília DF Telefones: (61) 3218-3812 - FAX: (61) 3218-3816 comunicacao@mpa.gov.br www.mpa.gov.br Acesso ao Crédito para a Pesca e

Leia mais

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais)

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais) Fórum Nacional Eólico Carta dos Ventos Financiamento de Projetos José Maria Vilar Superintendente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Natal, 19.06.2009 Nordeste do Brasil: Infraestrutura 12 portos marítimos

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará

Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará Rua Edite Braga, 50 - Jardim América - 60.425-100 Fortaleza - Ceará Fone: (85) 494-3933 - Fax: (85) 494-7695 site: www.faec.org.br e-mail: detec@faec.ogr.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros:

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros: RESOLUÇÃO Nº 2766 Dispõe sobre alterações no Regulamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de

Leia mais

LINHAS ATIVAS FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO

LINHAS ATIVAS FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO FINANCIAMENTOS 2014 LINHAS ATIVAS FINAME BK PSI (taxa fixa) FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO PADRÃO (taxa pós fixada-tjlp) FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME

Leia mais

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros.

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros. NEGÓCIO Crédito e Serviços Financeiros. MISSÃO Garantir acesso ao crédito, fomentando negócios, empreendedorismo e competitividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil Taller sobre el Acceso a Créditos para la Agricultura Familiar en América Latina - Cadena Productiva de Palma Bogotá Colombia Junio 2015 O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PRONAF Eco Dendê. Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo. Belém-PA Maio/2012

PRONAF Eco Dendê. Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo. Belém-PA Maio/2012 PRONAF Eco Dendê Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo Belém-PA Maio/2012 Instrumentos legais de enquadramento da agricultura familiar 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece as diretrizes para a formulação

Leia mais