GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO"

Transcrição

1 Aprovação CAD: Data: 23/07/2011 Aprovação CRA: Data: 04/09/ FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar e unificar os procedimentos adotados nas Reuniões de Educação Mediúnica do Grupo da Fraternidade Espírita Irmã Grupo. 2 - FINALIDADES DA ATIVIDADE Acolher, orientar e preparar, no âmbito da Reunião de Educação Mediúnica, os fraternistas que tenham concluído o Ciclo de Estudos, para o desempenho, nas reuniões mediúnicas do Grupo, das funções de médiuns, vibracionais, esclarecedores e coordenadores Orientar o fraternista quanto à necessidade da Educação Mediúnica, pelo estudo aprofundado das obras espíritas e pelo exercício seguro da mediunidade com Jesus, a fim de que o médium possa ser instrumento do bem onde quer que se encontre. Será indicada pela MED bibliografia de referência para estudo Esta Atividade constitui-se na 4ª fase do processo de Educação Mediúnica implantado no Grupo, conforme item 6.3 deste RI. 3 - ÁREAS EM QUE SE APLICAM ESTE REGIMENTO INTERNO - MED Coordenação de Ação Mediúnica do Grupo. - CREM Coordenação das Reuniões de Educação Mediúnica. 4 OUTROS DOCUMENTOS RELACIONADOS COM A ATIVIDADE - Estatuto Social. - Anexos elaborados pela CREM. 5 DEFINIÇÃO DE TERMOS E SIGLAS -AGF - Assembléia Geral de Fraternistas. -CRA Conselho de Representação da Assembleia -CAD - Conselho de Administração. -MED - Coordenação de Ação Mediúnica. -CREM - Coordenação das Reuniões de Educação Mediúnica. -REM - Reunião de Educação Mediúnica. -EDU - Coordenação de Educação Espírita. -ROE - Reunião de Orientação Espiritual. 6 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE Na Reunião de Educação Mediúnica do Grupo, buscar-se-á prioritariamente a educação moral e psíquica do médium, visando o seu equilíbrio e orientando-o quanto às manifestações mediúnicas que surgirem espontaneamente. Portanto, são vedadas práticas com o objetivo de estimular o 1/11

2 desenvolvimento das faculdades mediúnicas que não se coadunem com as orientações contidas nas obras já referidas no item Da Coordenação das Reuniões de Educação Mediúnica - CREM: Constituída de dois fraternistas indicados pela Coordenação da Ação Mediúnica - MED ao Conselho de Administração - CAD, com as funções de coordenador titular e de coordenador suplente, por período coincidente com o mandato dos coordenadores do CAD O Coordenador suplente exercerá as atividades em conjunto com o Coordenador titular, visando o pleno êxito das atividades Atribuições da Coordenação das Reuniões de Educação Mediúnica-CREM: Coordenar as atividades do setor e indicar tarefeiros para as funções de coordenador titular e de coordenador suplente para cada reunião, submetendo à avaliação da Coordenação da MED Participar das reuniões ordinárias e extraordinárias e ou eventos, quando convocada pela MED Manter a Coordenação de Ação Mediúnica - MED informada das atividades realizadas Promover em parceria com a MED e EDU, treinamento para formação e reciclagem de tarefeiros Promover reunião trimestral com o seu colegiado, para avaliação da tarefa e troca de experiências Divulgar este RI, de forma a que todos os envolvidos o conheçam integralmente e realizem sua tarefa de acordo com o mesmo A Educação Mediúnica se dará em parceria com a EDU em 4 (quatro) fases: FASES OBJETO DE ESTUDO TEMPO 1ª fase: Módulo I O Livro dos Espíritos Estipulado pela EDU 2ª fase: Módulo II O Evangelho segundo o Estipulado pela EDU Espiritismo 3ª fase: Módulo III O Livro dos Médiuns Estipulado pela EDU 4ª fase: Reunião de Educação Mediúnica Estudo e exercício da prática mediúnica Mínimo de 06 meses e máximo de 02 anos Estipulado pela MED 2/11

3 6.4 - Da composição da Reunião de Educação Mediúnica Cada reunião de Educação Mediúnica será composta de no máximo 18 integrantes, distribuídas nas seguintes funções: Função Mínimo Máximo Coordenador titular Coord. Suplente Médiuns em educação Esclarecedores* Vibracionais* Total *Os coordenadores titular e suplente poderão exercer concomitantemente a função de esclarecedores e vibracionais e os esclarecedores exercem também a função de vibracionais Na composição da mesa haverá de dez a doze integrantes e, dentro das possibilidades, serão intercalados médiuns e vibracionais Da Coordenação da Reunião: Constituída de 02 (dois) trabalhadores, com experiência mínima de 02 (dois) anos na respectiva reunião, exercendo a função de coordenador titular e coordenador suplente Poderão ser treinados, a critério da Coordenação da Reunião, até (02) trabalhadores, que exercerão a função de Coordenador Suplente, perfazendo um total de até 04 coordenadores O (s) Coordenador (es) suplente(s) e o Coordenador titular exercerão as atividades em conjunto, alternando trimestralmente a direção da tarefa, difundindose o espírito de equipe, além de propiciar a preparação de irmãos para desempenharem, com êxito, essa tarefa Das Atribuições da Coordenação da Reunião: Acolher fraternalmente e orientar o novo participante sobre a tarefa, solicitando-lhe a orientação espiritual de encaminhamento para a Reunião e preenchendo sua ficha de cadastro Promover na Reunião de Educação Mediúnica, o treinamento de Coordenadores, Esclarecedores e Vibracionais para o desempenho dessas funções nas Reuniões mediúnicas do Grupo. 3/11

4 Incentivar os tarefeiros a se manterem ativos nas tarefas assistenciais, a frequentar as reuniões públicas, realizar o Culto do Evangelho no Lar, cultivar o hábito de leituras de obras espíritas e a participar das reuniões de confraternizações do GRUPO SCHEILLA Solicitar avaliação semestral dos médiuns em educação mediúnica, por meio de Orientação Espiritual em reunião específica, ROE Manter atualizados os cadastros e o controle de frequência dos tarefeiros, contatando aqueles que se ausentarem da tarefa sem prévia comunicação, com o objetivo de conhecer o real motivo e auxiliá-los Diligenciar para que sejam mantidas a pontualidade e assiduidade dos participantes, conversando em particular com quem não mantenha essa postura Arquivar ficha de cadastro (anexo 1) e cópias das avaliações semestrais do participante em treinamento, durante o período em que este integrar a reunião, entregando-lhas, ao se desligar da mesma Fazer escala com rodízio dos componentes da equipe, para que todos participem na exposição do estudo preparatório, no inicio da reunião Surgindo mediunidade de psicografia, o coordenador poderá encaminhar o médium para a reunião de Educação Mediúnica específica de Psicografia (anexo 3) Promover bimestralmente reunião de avaliação da tarefa, sendo esta no mesmo dia da reunião ordinária para facilitar a participação de todos, observando o Roteiro de Avaliação das Reuniões de Educação Mediúnica (anexo 2). 7- Da realização da reunião 7.1. Das atividades e dos tempos A Reunião de Educação Mediúnica terá a duração de 02 (duas) horas e constituir-se-á das seguintes fases: a) Preparação do ambiente (no mínimo três hinos) e Prece inicial; b) A porta do recinto da reunião deverá ser fechada 15 minutos após a prece inicial; c) Estudos básicos obrigatórios e permanentes, com duração de 50 minutos, das seguintes obras: Obras mediúnicas (psicografia de Francisco Cândido Xavier); O Livro dos Espíritos; 4/11

5 O Livro dos Médiuns; O Evangelho Segundo o Espiritismo. d) Relaxamento e prece preparatória para o intercâmbio mediúnico (05 minutos); e) Intercâmbio mediúnico (duração: 40 minutos); f) Encerramento do intercâmbio, com prece; g) 10 minutos para avaliação da percepção dos médiuns; h) No decorrer do esclarecimento poderão ser entoados hinos espiritualizantes, quando solicitados pelo próprio esclarecedor - garantindo o bom andamento e a sustentação do trabalho Passes nos médiuns serão aplicados quando necessários O tempo para o transe mediúnico deverá ser em média de 10 (dez) minutos para cada manifestação, durante a qual o médium não deve ser tocado e tampouco recebendo passes; No diálogo com os espíritos sofredores, ocorrido na Reunião de Educação Mediúnica, o esclarecedor ficará atento para ouvir mais e falar menos, observando a atuação do médium, de modo que a comunicação seja espontânea e natural, o que possibilitará uma orientação mais segura ao médium em desenvolvimento O tempo de permanência para treinamento do médium, coordenador, esclarecedor ou vibracional em Reunião de Educação Mediúnica, será de no mínimo 06 (seis) meses e, no máximo, 02 (dois) anos. Após esse prazo, os mesmos deverão ser encaminhados, mediante avaliação espiritual, para Reuniões de Ectoplasmia, de Desobsessão ou de Orientação Espiritual, observando-se as características de cada tarefeiro. O tarefeiro poderá ainda ser encaminhado para outras tarefas do Grupo, de sua preferência. As exceções serão avaliadas pela CREM O médium em treinamento deverá ser orientado a buscar sua disciplina no sentido de: a) Evitar as manifestações simultâneas; b) Não permitir comunicações seguidas, buscando o cuidado em relação ao desgaste energético e assim um melhor refazimento após a comunicação, salvo em casos especiais, a critério da Espiritualidade. 8 Dos participantes da Reunião de Educação Mediúnica O fraternista, para ingressar na reunião, deverá ter concluído o Ciclo de Estudos do Grupo, atendendo ao item 6.3 deste Regimento e dominar os 5/11

6 vícios da bebida, das drogas e do fumo, que são prejudiciais ao organismo e ao desempenho dos trabalhos mediúnicos Excepcionalmente, poderá ser admitido médium que não tenha concluído o Ciclo de Estudos, nos casos de mediunidade aflorada, se liberado pela Espiritualidade, por meio de Orientação Espiritual solicitada em Reunião de Orientação Espiritual do Grupo, desde que esteja frequentando o Ciclo de Estudos do Grupo O médium em treinamento não poderá participar de outra Reunião Mediúnica O participante da REM deverá comunicar, com antecedência, eventual impossibilidade de comparecer à reunião ou justificar a falta Será passível de desligamento da Reunião, o participante que se ausentar por 03 (três) vezes consecutivas ou 06 (seis) alternadas, em um mesmo semestre, sem justificativa plausível. O Coordenador diligenciará para que haja entendimentos, em particular, com o mesmo. Nos casos de licença prolongada, superior a 60 dias, o participante poderá ser substituído, e no retorno, se houver vaga, o reingresso dependerá de pedido de avaliação da Espiritualidade, via ROE Solicita-se dos participantes que, no dia da reunião, tenham preparação interior adequada, alimentando-se de forma frugal, para que o organismo seja menos refratário ao trânsito das energias indispensáveis à realização do trabalho. Aconselha se ainda que, na véspera e no dia da reunião não se alimente de carne vermelha Os participantes da tarefa deverão abster-se de comentar fora do recinto, sobre as manifestações ocorridas na reunião. 8.8 O participante deverá manter-se afastado da reunião, quando submetido a tratamento desobsessivo e de ectoplasmia, até ser liberado através de Orientação Espiritual. 8.9 O participante de uma REM poderá se transferir para outra REM, devendo o seu Coordenador enviar para o Coordenador da Reunião que irá recebê-lo um relatório sucinto sobre o mesmo, esclarecendo sobre o motivo da transferência, além da sua ficha de cadastro e avaliações semestrais. 6/11

7 9 - Disposições gerais 9.1 É vedado o cancelamento das Reuniões Mediúnicas, sob qualquer pretexto, inclusive nos feriados ou outras datas comemorativas, sendo realizadas com os participantes presentes, ainda que em número reduzido Orientação mediúnica emitida por médiuns para a própria reunião somente poderá ser acatada após avaliação da CREM e da MED Para melhor desenvolvimento do trabalho o coordenador e seus suplentes poderão visitar outras reuniões mediúnicas do Grupo. 9.4 É recomendável a realização de Encontros Fraternos mensais, contando-se com a participação de todos, para Culto do Evangelho no lar de cada um dos integrantes da reunião, mediante planejamento prévio, zelando pela disciplina quanto ao horário de começar e terminar o Culto do Evangelho O quadro de avisos situado no recinto das reuniões deve ser observado constantemente e será o veículo de comunicação no âmbito MED/CREM Disposição final Este Regimento entra em vigor a partir da data de sua aprovação, revogando- se as disposições anteriores. 11 Anexos Anexos Nome do Arquivo Data Anexo-01 Cadastro Equipe Educação Mediúnica.xls Julho Anexo-02 Roteiro AvaliaçãoReuEduMediunica.doc Julho Anexo-03 AdendoEducaçãoMediúnicaPsicografia.doc Julho Revisões Revisão Aprov. CRA Descrição 7/11

8 Anexo 1 Nome completo legível: Endereço: Tel.Resid.: Celular: Data de Nascimento: / / Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino 1) Qual a sua função na reunião? Preencher com um X. ( ) Médium ( ) Vibracional ( ) Esclarecedor ( ) Coordenador a) Se Médium ostensivo qual tipo de mediunidade possui? ( ) Psicofonia ( ) Clariaudiência ( ) Psicografia ( ) Efeitos Físicos ( ) Clarividência ( ) Intuitiva 2) Participa desta reunião desde / (Mês/Ano) 3) Preencher de acordo com a reunião que participa: Reunião Dia da Reunião Horário Educação Mediúnica 4) Ciclos de Estudos dos quais participou no Grupo : Marcar com um X no quadro à esquerda de cada Módulo e incluir outros que tenha participado e não constam na tabela abaixo: Módulo I PASSES Módulo II ESDE Módulo III Módulo IV 5) Além da reunião, quais as outras tarefas que participa atualmente no Grupo? Marcar com um X no quadro à esquerda de cada tarefa e incluir outras das quais participa e que não constam na tabela abaixo: Reuniões Públicas Visita Fraterna Tarefa de Passes Sala Costura Evangelização / Atendimento Mocidade Fraterno Ciclos Estudos CELAR Biblioteca Sopa (CEAL) Expositor Recepção Campanha do Quilo Data do preenchimento: / / Assinatura: Obs.: O Coordenador da Reunião deverá guardar esta ficha, preenchida corretamente, em pasta própria. 8/11

9 1 Abertura da Reunião Anexo 2 2 Prece inicial e Estudo do Evangelho (20 minutos) 3 Avaliação dos componentes da Reunião: 3.1 Todos deverão participar, distribuídos em torno da mesa ou num formato de círculo; 3.2 O Coordenador deve conduzir a reunião (conversar antes com os suplentes sobre as necessidades da reunião); 3.3 Estabelecer o tempo de fala de cada cooperador para que todos tenham oportunidade de falar; 3.4 Os assuntos deverão ser tratados de forma sincera, fraterna, aberta e com bom senso; 3.5 Deverão estar ausentes o melindre e a aspereza, compreendendo-se que o objetivo principal da avaliação é a melhoria na qualidade da reunião; 3.6 Os assuntos tratados deverão ser exclusivamente pertinentes à Reunião Mediúnica como: 4 Prece final. a) Relacionamento interpessoal; b) Dificuldade no exercício da mediunidade; c) Atuação dos cooperadores perante o trabalho (médiuns, vibracionais, esclarecedores e coordenadores); d) As preces; e) A apresentação dos estudos; f) Culto no lar dos Participantes. Obs.: O tempo de duração da reunião de avaliação será o mesmo utilizado nas reuniões ordinárias. 9/11

10 Anexo 3 Justificativa: Mensagens psicografadas dirigidas a esta ou àquela pessoa é fato freqüente nas casas espíritas. Dar a esta prática uma estrutura e um direcionamento trouxe tantos benefícios a tantas pessoas e às atividades desenvolvidas no Grupo que, hoje, seguros quanto ao método utilizado no treinamento de médiuns para esta tarefa, desejamos divulgar no Movimento Espírita essa experiência. De todas as formas de comunicação, a escrita manual (psicografia) é a mais simples, a mais cômoda e, sobretudo, a mais completa. Todos os esforços devem ser feitos para o seu desenvolvimento, porque ela permite estabelecer relações tão permanentes e regulares com os Espíritos, como as que mantemos entre nós. Tanto mais devemos usá-la, quanto é por ela que os Espíritos revelam melhor a sua natureza e o grau de sua perfeição ou de sua inferioridade. Pela facilidade com que podem exprimir-se, dão-nos a conhecer os seus pensamentos íntimos e assim nos permitem apreciá-los e julgá-los em seu justo valor. Além disso, para o médium essa faculdade é a mais suscetível de se desenvolver pelo exercício. (Allan Kardec, em O Livro dos Médiuns, cap. XV, item 178). O método: A Educação Mediúnica segue o seu curso normal, as quatro fases propostas no seu Regimento Interno, item 6.3, qual seja: 1ª fase - freqüência ao módulo I 2ª fase - freqüência ao módulo II 3ª fase - freqüência ao módulo III 4ª fase Reunião propriamente dita (de Educação Mediúnica), onde acontecem as manifestações mediúnicas mais variadas, de forma natural e serena (na expressão de um dos mentores da Casa: a mediunidade desabrocha como uma flor na haste: naturalmente ) e nesse desabrochar surgem também os médiuns de psicografia. Tais médiuns são encaminhados então à Reunião específica de Educação Mediúnica de Psicografia, cujo propósito é, tão somente, orientar e direcionar a atividade psicográfica à tarefa, denominada nesta Casa Espírita, como Orientação Espiritual, em substituição ao termo anteriormente utilizado: Receituário Mediúnico. Por que a substituição na denominação do trabalho? O termo Receituário mediúnico exige a participação de médiuns receitistas, lidando com indicação de medicamentos da medicina terrena; mediunidade rara e eivada de dificuldades com o meio social. O termo Orientação Espiritual, conta com a participação de numerosos médiuns de psicografia, que captam dos Espíritos, orientações seguras e indicação de terapêuticas de ordem espiritual: passes, água fluidificada, leituras edificantes (sugerindo a leitura adequada a cada pessoa naquele seu momento de vida), tratamentos desobsessivos e tratamentos de ectoplasmia, definindo a duração dos tratamentos, tudo na simplicidade cristã. Em grande número de orientações vem a sugestão: freqüentar os cursos que a casa 10/11

11 oferece é preciso, pois, que a casa ofereça os cursos (módulos supracitados), pois ali está se iniciando a Educação Mediúnica do futuro trabalhador. O treinamento direcionamento da mediunidade psicográfica Na Reunião de Educação Mediúnica de psicografia o médium trabalha com um formulário simples uma folha de papel contendo no cabeçalho: o nome completo, sexo, a idade e o endereço da pessoa a quem se destina a mensagem. A Reunião: O tempo de duração da Reunião é de duas horas, assim dividido: 1) Harmonização: hinos e prece inicial 10 minutos 2) Estudos 50 minutos Estudo seqüenciado dos livros: - O Livro dos Espíritos - O Livro dos Médiuns - Obras mediúnicas de psicografia de Francisco Cândido Xavier - O Evangelho Segundo o Espiritismo 3) Relaxamento 05 minutos 4) Psicografia 30 minutos 5) Avaliação* das mensagens psicografadas 15 minutos 6) Esclarecimento às dúvidas dos médiuns 10 minutos 7) Prece de encerramento * A avaliação é feita com vista apenas aos aspectos das indicações de ordem doutrinária e evangélica, sem interferência na mensagem de ordem pessoal contida na orientação, frisando a essência do trabalho mediúnico (a pureza), a transmissão mais fiel possível que possam realizar. 11/11

Aprovação CAD: Data: 25/03/2012 Aprovação CRA: Data: 03/06/2012

Aprovação CAD: Data: 25/03/2012 Aprovação CRA: Data: 03/06/2012 Aprovação CAD: Data: 25/03/2012 Aprovação CRA: Data: 03/06/2012 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar a atividade do Atendimento Fraterno do Grupo da Fraternidade Espírita Irmã Scheilla Grupo

Leia mais

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: DESPENSA IRMÃO VICENTE Revisão: 1

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: DESPENSA IRMÃO VICENTE Revisão: 1 1/5 Aprovação CAD: Data: 14-01-07 Aprovação CRA: Data: 11-03-2007 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar o funcionamento dos trabalhos da Despensa Irmão Vicente do Grupo da Fraternidade Espírita

Leia mais

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: Conselho de Administração - CAD Revisão: 0

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: Conselho de Administração - CAD Revisão: 0 Aprovação CAD: Data: 29-11-08 Aprovação CRA: Data: 11-01-09 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar o funcionamento do Conselho de Administração (CAD), previsto no Artigo 20 do Estatuto Social.

Leia mais

Aprovação CAD: - Data: - Aprovação CRA: Data: 04/03/2012 Aprovação AGF: Data: 31/03/2012

Aprovação CAD: - Data: - Aprovação CRA: Data: 04/03/2012 Aprovação AGF: Data: 31/03/2012 Aprovação CAD: - Data: - Aprovação CRA: Data: 04/03/2012 Aprovação AGF: Data: 31/03/2012 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar o funcionamento do Atendimento à Gestante Irmã Daniela e da Sala

Leia mais

4. OUTROS DOCUMENTOS RELACIONADOS COM A ATIVIDADE Estatuto Social Art 22, parágrafo 1º, alínea b.

4. OUTROS DOCUMENTOS RELACIONADOS COM A ATIVIDADE Estatuto Social Art 22, parágrafo 1º, alínea b. GRUPO DA FRATERNIDADE ESPIRITA IRMÃ SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título Reuniões Públicas COD GS03 Aprovação CAD: Data: 16/04/2014 Aprovação CRA: Data: 03/08/2014 Aprovação da Assembléia Data: não é necessário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Objetivos. Fundado em 17 / 03 / 2002, tem como objetivos e características o seguinte:

REGIMENTO INTERNO. Objetivos. Fundado em 17 / 03 / 2002, tem como objetivos e características o seguinte: NÚCLEO ESPÍRITA ALAN DE MELLO REGIMENTO INTERNO Objetivos Fundado em 17 / 03 / 2002, tem como objetivos e características o seguinte: O estudo, prática e divulgação da Doutrina Espírita codificada por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I MISSÃO Art. 1º - Em consonância com o Regimento Interno da AECX, e sob a premissa de que a mediunidade é coisa

Leia mais

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Reginaldo de Carvalho

Leia mais

Centro Espírita Ildefonso Correia

Centro Espírita Ildefonso Correia Centro Espírita Ildefonso Correia REGULAMENTO INTERNO PARA GRUPOS MEDIÚNICOS CAPÍTULO I - DOS GRUPOS MEDIÚNICOS Art. 1º - Os grupos mediúnicos podem ser criados: a) pela reunião de novos trabalhadores

Leia mais

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Fundação Educacional de Além Paraíba Regulamento de Monitoria Art. 1º A Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro admitirá, sem vínculo empregatício,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

Regimento Interno No. 15 / Coordenação das Reuniões de Educação Mediúnica - CREM / MED. Coordenação de Ação Mediúnica - MED / CAD

Regimento Interno No. 15 / Coordenação das Reuniões de Educação Mediúnica - CREM / MED. Coordenação de Ação Mediúnica - MED / CAD Regimento Interno No. 15 / 2.001 Coordenação das Reuniões de Educação Mediúnica - CREM / MED Coordenação de Ação Mediúnica - MED / CAD Conselho de Administração - CAD Conselho de Representação da Assembléia

Leia mais

DECRETO MUNICIPAL N O 2462/2015 Data: 28 de maio de 2015

DECRETO MUNICIPAL N O 2462/2015 Data: 28 de maio de 2015 DECRETO MUNICIPAL N O 2462/2015 Data: 28 de maio de 2015 HOMOLOGA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ MUNICIPAL DE MOBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO NO CONTROLE A DENGUE DE ITAPOÁ. de suas atribuições legais, SERGIO FERREIRA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O Colegiado de Curso, previsto no Regimento Geral da Faculdade Guairacá é órgão da Coordenação Didática, destinado a

Leia mais

A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 02 DE 02

A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 02 DE 02 ALIANÇA ESPÍRITA EVANGÉLICA REGIONAL ABC A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 02 DE 02 COORDENADORIA DE ESTUDOS 01/11/2008 VERSÃO 05/02/2012 O ENCAMINHAMENTO A ENTREVISTA A DOCUMENTAÇÃO (PREENCHIMENTO DA FICHA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

SOCIEDADE ESPÍRITA MARIA NUNES SEMAN DIVISÃO DE ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL E DOUTRINÁRIA - DOED REGIMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

SOCIEDADE ESPÍRITA MARIA NUNES SEMAN DIVISÃO DE ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL E DOUTRINÁRIA - DOED REGIMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE SOCIEDADE ESPÍRITA MARIA NUNES SEMAN 1 DIVISÃO DE ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL E DOUTRINÁRIA - DOED REGIMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º- A fim de cumprir suas finalidades, a Sociedade Espírita Maria Nunes

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Regulamento do Programa de Capacitação Técnica em Ciências

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 Institui regulamento referente ao Trabalho de Conclusão de Curso para o curso de Medicina do Instituto Metropolitano de Ensino Superior. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM Mantido pela Fundação de Ensino Eurípides Soares Da Rocha

CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM Mantido pela Fundação de Ensino Eurípides Soares Da Rocha REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Art. 1º - Este regulamento fixa as normas para o Trabalho de Curso (TC) do Curso de Graduação em Direito do Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES 1 NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 o O Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Suzano

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES. Plantando Conhecimento para a Vida. Regulamento do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso TCC

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES. Plantando Conhecimento para a Vida. Regulamento do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso TCC Regulamento do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso TCC DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E SUA ESTRUTURA Art. 1º O Trabalho de Conclusão do Curso de Bacharelado em Direito da Faculdade Raízes deve

Leia mais

Natureza / Características / Etapas / Organização / Funcionamento. Marlene Valéria - Emerson

Natureza / Características / Etapas / Organização / Funcionamento. Marlene Valéria - Emerson Natureza / Características / Etapas / Organização / Funcionamento Marlene Valéria - Emerson Entender o que é uma reunião mediúnica. Saber identificar uma reunião mediúnica pela sua natureza e característica.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento do Grupo de Estudos denominado Núcleo de Estudos Educacionais Interdisciplinares NUDEI Faculdade CNEC Unaí Unaí/MG RESOLUÇÃO Nº CS/005/2015,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIPAR - CPAIUP -

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIPAR - CPAIUP - REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIPAR - CPAIUP - REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIPAR - CPAIUP - CAPÍTULO I DA FINALIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS 1 Capítulo I Da Natureza Artigo 1º - O presente Regulamento tem por finalidade

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS SNPTEE Documento Permanente SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E Abril de 2010 TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS 1.0 INTRODUÇÃO Este Manual de Operação das Sessões Técnicas

Leia mais

Regimento Interno do Encontro Estadual da Família Espírita - ENEFE. Capitulo I Do ENEFE e das Normas Regimentais

Regimento Interno do Encontro Estadual da Família Espírita - ENEFE. Capitulo I Do ENEFE e das Normas Regimentais Regimento Interno do Encontro Estadual da Família Espírita - ENEFE Capitulo I Do ENEFE e das Normas Regimentais Art. 1º - O ENCONTRO ESTADUAL DA FAMÍLIA ESPÍRITA (ENEFE) é coordenado pela Área de Educação

Leia mais

Art. 1. O presente Regulamento tem por objetivo normatizar o conjunto de atividades relacionadas com o Trabalho de Conclusão Curso (TCC);

Art. 1. O presente Regulamento tem por objetivo normatizar o conjunto de atividades relacionadas com o Trabalho de Conclusão Curso (TCC); Regulamenta o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), fixados no Projeto Pedagógico dos cursos de graduação da Faculdade Sequencial, e dá outras providências: O COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 196 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 196 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 196 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

B) Preparação do Médium nos dias de Reuniões

B) Preparação do Médium nos dias de Reuniões REGIMENTO INTERNO A) Em casa 1-Leitura do Evangelho e Meditação no mínimo de 15 minutos diariamente,principalmente nos dias de reuniões; 2- Leituras educativas sobre a Doutrina Espírita; 3-A prática da

Leia mais

Título I. Da Monitoria

Título I. Da Monitoria MONITORIA O programa de monitoria tem como objetivo dar oportunidade de aprimoramento na formação do aluno e ainda despertar a valorização do ensino aprendizado de sua prática bem como estimular a seguir

Leia mais

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação.

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação. Normas de regulamentação para a certificação de atualização profissional de título de especialista e certificado de área de atuação Em decorrência do convênio celebrado entre a Associação Médica Brasileira

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Faculdade de Tecnologia de Americana Curso Superior de Tecnologia em Logística REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Americana, SP 2015 SUMÁRIO 1 SOBRE O TRABALHO

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI REGULAMENTO NO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FEATI NUPEFE Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti FEATI SEÇÃO I Da Natureza e Missão Art. 1 O Núcleo de Pesquisa e Extensão da FEATI

Leia mais

REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA CAMINHO DE DAMASCO (SECAD) Capítulo I Da Denominação e Fins

REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA CAMINHO DE DAMASCO (SECAD) Capítulo I Da Denominação e Fins REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA CAMINHO DE DAMASCO (SECAD) Capítulo I Da Denominação e Fins Art. 1º - O presente Regimento Interno tem por finalidade normatizar as disposições que constam no Estatuto

Leia mais

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs Pág.: 1/5 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os procedimentos relativos ao funcionamento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs na COPASA MG. 1.2 Aplica-se a todos os empregados e Unidades

Leia mais

CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014.

CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014. CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre as normas de afastamento para qualificação e de cooperação acadêmica de docentes lotados no Instituto de Ciência, Engenharia e

Leia mais

REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO)

REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) Goiânia-2010 REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS

Leia mais

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS. CAPÍTULO I Dos objetivos

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS. CAPÍTULO I Dos objetivos FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIAS CAPÍTULO I Dos objetivos Art.1º Adotar e estimular a Monitoria Acadêmica, que será desenvolvida em conformidade com o regulamento abaixo,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

Apresentação. Sejam bem-vindos! Lúcia Velloso Maurício Coordenadora Márcia Soares de Alvarenga Coordenadora Adjunta

Apresentação. Sejam bem-vindos! Lúcia Velloso Maurício Coordenadora Márcia Soares de Alvarenga Coordenadora Adjunta Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Formação de Professores Programa de Pós-Graduação em Educação: Processos formativos e desigualdades sociais Manual do Mestrando 1 Apresentação Este

Leia mais

5.5.4 Para cada eleição deverá haver uma folha de votação que ficará arquivada na empresa por um período mínimo de 3 (três) anos.

5.5.4 Para cada eleição deverá haver uma folha de votação que ficará arquivada na empresa por um período mínimo de 3 (três) anos. NR 5 5.1 As empresas privadas e públicas e os órgãos governamentais que possuam empregados regidos pela ConsoIidação das Leis do Trabalho - CLT ficam obrigados a organizar e manter em funcionamento, por

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. A DIRETORA EM EXERCÍCIO DO CÂMPUS DE PARANAÍBA da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS RESOLUÇÃO DA VRG Nº 03/2008 DISPÕE SOBRE O SERVIÇO DE ATENDIMENTO E FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA MARIO OSORIO MARQUES DA UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL -

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento visa normatizar as atividades relacionadas a Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Graduação - Bacharelado em Relações Internacionais

Leia mais

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares

Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso. Das Disposições Preliminares Regulamento Trabalho de Conclusão de Curso Das Disposições Preliminares Art. 1. Respaldado pelo disposto nos termos do parágrafo terceiro do Artigo 65 do Regimento Unificado da Associação Educativa Evangélica

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Ciência Política Bacharelado TCC

Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Ciência Política Bacharelado TCC Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Ciência Política Bacharelado TCC Estabelece normas para a realização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Graduação em

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO 2 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1 - O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008.

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

Leia mais

NORMA INTERNA DA ESCOLA DE MÉDIUNS

NORMA INTERNA DA ESCOLA DE MÉDIUNS NORMA INTERNA DA ESCOLA DE MÉDIUNS I DOS OBJETIVOS Artigo 1º - A presente Norma Interna - NI - regula as relações de ensino-aprendizagem, os conteúdos programáticos, a composição do quadro de docentes,

Leia mais

Regulamento da Monografia do Curso de Graduação em Direito

Regulamento da Monografia do Curso de Graduação em Direito Regulamento da Monografia do Curso de Graduação em Direito Regulamento que disciplina a Monografia para os alunos do Curso de Direito do Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL Unidade Universitária

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM Regimento Interno do Curso de Mestrado Acadêmico em Engenharia Mecânica do Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica Este programa de Pós-Graduação

Leia mais

Profª PEDRA SANTANA ALVES Reitora

Profª PEDRA SANTANA ALVES Reitora 0 PORTARIA Nº 11/11 APROVA AD REFERENDUM O REGULAMENTO PARA PROJETO FINAL DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UNERJ. A Reitora do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ, e Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia

Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia A atividade de trabalho de conclusão de curso é desenvolvida em área escolhida pelo aluno, sob a orientação professor (es) orientador(es). O aluno descreverá

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA GRADUAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA * TÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é exigência obrigatória para integralização curricular

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE SEÇÃO I Da Instituição: Art. 1º - O presente Regimento Interno, regula as atividades e as atribuições do Conselho Gestor na Unidade de Saúde, conforme

Leia mais

EDITAL N.º 104/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID/UNISANTOS)

EDITAL N.º 104/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID/UNISANTOS) EDITAL N.º 104/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID/UNISANTOS) A Pró-Reitora Acadêmica da UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS - UniSantos, no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC -

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO PARA OS PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAMEC CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Nº 010/88 COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPÍRITA - CAD / EDU CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - CAD GRUPO DA FRATERNIDADE IRMÃ SCHEILLA - GFEIS

REGIMENTO INTERNO Nº 010/88 COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPÍRITA - CAD / EDU CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - CAD GRUPO DA FRATERNIDADE IRMÃ SCHEILLA - GFEIS REGIMENTO INTERNO Nº 010/88 COORDENAÇÃO DA MOCIDADE ESPÍRITA MARIA JOÃO DE DEUS - EDU / CME COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPÍRITA - CAD / EDU CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - CAD GRUPO DA FRATERNIDADE IRMÃ SCHEILLA

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório.

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais REGULAMENTO 001, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. Regula o Monitoramento da Inserção e das Atividades

Leia mais

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU RESOLUÇÃO Nº 928/2012 - Aprova o Regulamento do Programa de Bolsas de Extensão (PROBEX). Pró-Reitoria de Extensão (PROEX). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no

Leia mais

NORMA DOS CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO - UNIFEI -

NORMA DOS CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO - UNIFEI - NORMA DOS CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO - UNIFEI - Página 1 / 9 DOS OBJETIVOS Art. 1º - Os cursos de mestrado da Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI, tem por objetivo a formação de pessoal qualificado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. por. Fábio Zschornack Clarissa Tarragô Candotti CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. por. Fábio Zschornack Clarissa Tarragô Candotti CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS por Fábio Zschornack Clarissa Tarragô Candotti CONCEPÇÃO E COMPOSIÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR Conforme

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biotecnociência (PPG-BTC) está basicamente fundamentado nas normas

Leia mais