Linux vs Windows : um benchmark com algoritmos de ordenação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linux vs Windows : um benchmark com algoritmos de ordenação"

Transcrição

1 Linux vs Windows : um benchmark com algoritmos de ordenação Negreiros, J 1, Painho, M 2, Lopes, I 3, Malta, P Instituto Superior de Línguas e Administração, Quinta do Bom Nome, Lisboa, Portugal 2 Instituto Sup. Estatística Gestão Informação-UNL, Campus de Campolide, Lisboa, Portugal 3 Instituto Superior de Gestão de Santarém, Complexo Andaluz, , Santarém, Portugal 4 Universidade Lusófona, Campo Grande 376, Lisboa, Portugal Resumo: Normalmente, os algoritmos apresentam como função resolver um problema específico a partir de um conjunto predefinido de passos singulares. Neste artigo, pretende-se utilizar cinco algoritmos de ordenação (Heap, Inserção, Selecção, Quick e Shell) como ferramenta de comparação de performance entre o sistema operativo SuSe Linux e o Windows XP Professional e, implicitamente, os respectivos compiladores (gcc e cl). Paralelamente, é apresentado o estado da arte relativo à complexidade logarítmica, tipos de algoritmos e outros estudos de benchmark envolvendo outros factores como o TCO (Total Cost of Ownership). Palavras-chave: Linux ; Windows ; Benchmark; Algoritmos de ordenação; Compiladores C/C Complexidade Algorítmica: Introdução Os algoritmos são uma parte diária na nossa vida reflectindo-se, por exemplo, em pesquisas operacionais, acessos na Web ou problemas de optimização. Genericamente, um algoritmo pode ser visto como uma sequência de acções executáveis para a obtenção de uma solução relativo a um determinado problema. Na medição da execução de um algoritmo, é comum definir uma função de custo ou função de complexidade f(t,s,n) em que t e s representam o tempo e o espaço de memória necessários para executar uma sequência de passos para a resolução de um problema de dimensão n (quantidade de input). Assim, é necessário distinguir três cenários: A) Melhor caso Corresponde ao menor tempo de execução sobre todas as possibilidades de input de tamanho n; B) Pior caso Corresponde ao maior tempo de execução; C) Caso médio Corresponde à média dos tempos de todas as entradas de tamanho n. Logicamente, o tempo de resposta de um algoritmo pode ser bastante diverso e por isso, a análise do comportamento da distribuição de probabilidades sobre o conjunto do input é de difícil estimação.

2 Se para valores suficientemente pequenos de n qualquer algoritmo apresenta um pequeno custo para ser executado, mesmo para algoritmos ineficientes, a escolha do algoritmo é fundamental para grandes valores de input de modo a obter-se uma análise assintótica O(n) ou função de complexidade do algoritmo em tempos razoáveis. Em termos de literatura clássica [Preiss, 2001, Loudon, 1999], independentemente do tipo de paradigma associado aos algoritmos (indução, recursividade, tentativa e erro, divisão e conquista, balanceamento, programação dinâmica, algoritmos gulosos e aproximados), tem-se a seguinte classificação de classes de função de complexidade: Constante f(n)=o(1): O tempo de resolução do algoritmo é independente da quantidade de input. Logarítmica f(n)=o(log n): O tempo de execução varia relativamente pouco aquando um aumento significativo da quantidade de registos à entrada. Linear f(n)=o(n): O tempo de resposta depende directamente da quantidade de dados. Linear logarítmica f(n)=o(n log n): A solução do problema é linearmente complexa mas acentuando-se à medida que o n cresce. Quadrática f(n)=o(n 2 ): Sempre que os dados de input duplicam, o tempo da solução quadruplica. Cúbica f(n)=o(n 3 ): Sempre que a quantidade de input duplica, o tempo de execução é multiplicada por 8. Exponencial f(n)=o(2 n ): Quando o n dobra, o tempo de execução fica elevado ao quadrado. Factorial f(n)=o(n!): O pior dos problemas para solucionar pois o conceito da força bruta pode requerer um tempo virtualmente infinito para a obtenção da solução óptima. Imagine uma problema deste tipo com n=50. O tempo de resposta seria E64 unidades de tempo. Por curiosidade, Garey e Johnson [1979] apresentam o seguinte quadro na qual mostra a razão de crescimento de várias funções de complexidade para tamanhos diferentes de n. Quadro 1 O tempo de execução varia entre milésimos de segundo e biliões de séculos. Função de custo Tamanho n n s s s s s s n s s s s 0.035s s n s 0.008s 0.027s 0.64s 0.125s 0.316s n 5 0.1s 3.2s 24.3s 1.7min 5.2min 13min 2 n 0.001s 1s 17.9min 12.7dias 35.7anos 366séc 3 n 0.059s 58min 6.5anos 3855séc 10 8 séc séc Uma outra visão interessante e apresentado por Ziviani [2004] é o efeito causado pelo aumento da velocidade dos computadores sobre os algoritmos. Repare-se que

3 para um aumento de 1000 vezes na velocidade de computação este apenas resolve 10 vezes mais rápido, se na presença de um algoritmo de complexidade O(2 n ). Quadro 2 Influência do aumento de velocidade de computação no tempo de resolução de problemas pertencentes a várias classes. Função de custo de tempo Computador actual Computador 100 vezes + rápido N t1 100 t t1 n 2 t2 10 t t2 n 3 t3 4.6 t3 10 t3 Computador 1000 vezes + rápido Infelizmente, não existe um conjunto completo de regras para analisar programas [Aho, Hopcroft, Ullman, 1983]. Por exemplo, o tempo de escrita num disco ou de leitura de uma banda magnética não pode ser considerado como O(1). Se o programa possui funções não recursivas associado a condições de execução, o cálculo torna-se mais complicado pois não se sabe, à partida, o número total de vezes que esse procedimento vai ser executado. Só o próprio tempo de execução da condição de teste é constante. Se a função é recursiva então é fundamental o recurso a equações de recorrência para se calcular o tipo de complexidade associado. Baseado no trabalho de Ziviani [2004], imagine o seguinte procedimento recursivo de pesquisa de um determinado número inteiro numa possível tabela unidimensional com z elementos: Naturalmente, a complexidade desta função de pesquisa depende de cada uma das instruções em causa. Assim, a primeira e a segunda instrução tem uma complexidade O(1) enquanto a terceira é de ordem O(n). Contudo, o principal problema de calculo é a instrução recursiva Pesquisa(n/3). Considere a equação de recorrência para o bloco else begin...end: T(n)=n+T(n/3). Se n=1 então a complexidade T(1)=1. Globalmente, tem-se T(n)=n+T(n/3) com T(n/3)=n/3+T(n/3/3). Consequentemente, T(n/3/3)=n/3/3+T(n/3/3/3) e assim sucessivamente. Adicionando todos estes termos, a complexidade do problema inicial significa uma complexidade O(n) dado que i T ( n) n (1/ 3) n i 0 1 3n Embora a complexidade de um algoritmo seja um factor importante para determinar o quão eficiente este pode ser, o facto é que o tempo de resposta de um.

4 algoritmo é um parâmetro extremamente importante a ter em consideração em qualquer análise de benchmark. Preiss [2001] confirma esta afirmação usando código Java no problema do somatório da série geométrica n i 0 i x (ver figura 1). Note que diferentes estratégias podem implicar diferentes performances. Como alternativa, este artigo apresenta como objectivo primário uma comparação de performance de dois sistemas operativos de 32 bits, SuSe Linux e Windows XP Professional, e respectivos compiladores (gcc e C/C ) baseado no tempo de resposta na resolução de cinco algoritmos de ordenação. Figura 1 Tempo de processamento versus quantidade de input relativo ao algoritmo somatório da série geométrica perante três estratégias diferentes. 2. Linux VS Windows : Estado da Arte Seguindo a luta actualmente existente entre estes dois sistemas operativos (SO) na conquista e reconversão de clientes, a realidade é que existem testes de comparação de performance para todos os gostos. Contudo, é de evitar análises independentes com a marca conducted at the request of Microsoft [Trezentos, 2005]. Mindcraft é uma empresa independente que se dedica a realizar testes de comparação entre diversos softwares e hardware. Num desses estudos, utilizou-se as ferramentas de benchmark Netbench 5.01 para analisar a performance de gestão de acesso a ficheiros em termos de servidor para n clientes (usou-se a plataforma Samba 2.03 em termos de Linux ) e o Webbench 2.0 para testar o servidor Web (Apache para Linux ). Em termos de hardware, o servidor usado foi o Dell PowerEdge 6300 com 4 processadores. Baseado nos seus testes de Junho de 1999 entre o Windows NT Server 4.0 e o Red Hat Linux 5.2, esta fonte claramente mostrou uma performance de superioridade em termos de servidor de ficheiros do Windows : 2.43 mais rápido. A mesma análise se verifica quando testados os respectivos servidores Web: A empresa VeriTest confirma esta superioridade em termos de servidor de ficheiros quando em Junho de 2004 comparou o Windows 2003 Server com o

5 Samba 3.0 num servidor HP DL 380. O teste indicou uma melhor performance de requests de ficheiros na ordem dos 46%. Contudo, o Linux é reconhecido pela sua fiabilidade. Um servidor pode estar em funcionamento durante vários anos sem qualquer problema. Ao invés, todos os utilizadores de Windows estão familiarizados com o ecrã blue screen of death. Além disso, é muito difícil manter o sistema sem fragmentação por um período longo dado ser um excelente devorador de recursos físicos do sistema [Bruce, Stokely, 2001]. Em termos de segurança, pouco se sabe da construção interna da plataforma Windows pois é código fechado. No entanto, existem empresas que sofrem diariamente danos por motivos de buracos de segurança [Bruce, Stokely, 2001]. O facto do Linux ser código aberto também constitui um problema por si só. Analise-se a falta de device drivers para alguns dispositivos físicos. Esta situação deve-se à não intenção dos fornecedores de devices em fornecer o código original provocando assim um problema ainda maior para os clientes. A mesma situação se passa com a criação de aplicações pessoais que podem compilar no Red Hat e não no Slackware. Claramente, a falta de aplicações comerciais (ferramentas Macromedia, por exemplo) é muito mais grave para o Linux do que para a plataforma Windows. Factualmente, o famoso TCO (Total Cost of Ownership) inicial é mais baixo para o Linux embora, no longo prazo, é uma situação que ainda requer mais estudos detalhados a nível financeiro. É importante não esquecer que a manutenção de um serviço informático é um pesadelo ainda maior que a compra deste. Actualmente, é mais dispendioso manter um administrador de Linux do que Windows. Por outro lado, é mais trabalhoso manter um servidor Windows do que Linux [Trezentos, 2005]. Quadro 3 Solução Linux standard versus Microsoft em termos de TCO. Os custos assinalados representam dólares australianos e incluem diversos serviços como antivírus, base de dados, mail server, firewall e custos de pessoal de administração [Cybersource, 2004]. Utilizando a actual infraestrutura Comprando uma nova estrutura de hardware Microsoft Linux % $1,066,712 $682,090 36% $1,366,833 $1,012,260 26% É também possível encontrar benchmarks de TCO que contraria as conclusões anteriores. Por exemplo, a Bearing Point [2004] apresenta um estudo equiparado ao anterior entre o Windows 2003 Server e o Red Hat Enterprise Linux 3. De acordo com esta análise, os custos totais são relativamente iguais ao longo de um período de 5 anos. Utilizando um CPU AMD Athlon e o famoso jogo Doom 3, testaram-se quatro placas de vídeo (ABIT GeForce 3 Vio com 64MB, ABIT GeForce 4 Ti 4600 com 128MB, NVIDIA GeForce FX 5900 Ultra com 256MB e GeForce 6800GT AGP com 256 MB) em função de dois sistemas operativos: Gentoo Linux e o Windows XP SP2. De acordo com [2005], o Windows consegue uma performance mais rápida que o Linux. Usando a placa de vídeo mais

6 sofisticada, por exemplo, a diferença do número de frames por segundo varia entre 20-36% mais rápido (naturalmente, maior definição no ecrã) e com placas de vídeo mais lentas, esta margem pode atingir 50%. Um outro facto sociológico interessante é o reaparecimento do Unix, um sistema operativo criado em C na AT&T em 1969, na forma de Linux devido a um jovem Finlandês que se entreteu a realizar um sistema alternativo ao actual vigente Windows e que está a tornar-se num caso muito interessante, nomeadamente em termos de servidores de base de dados, , FTP, Newsgroups e WWW. Casos como a cidade de Munique, a administração Chinesa ou a região administrativa espanhola da Extremadura, que estão a viver tempos de reconversão, poderão ser casos de alguma preocupação para o Golias Microsoft. 3. Algoritmos de Ordenação Ordenação significa arrumar um conjunto de elementos numa determinada ordem (ascendente ou descendente). Teoricamente, os métodos de ordenação são classificados em dois grupos: A) Interna (caso o ficheiro ou estrutura a ser ordenado resida em RAM); B) Externa (caso o arquivo esteja armazenado em disco, DVD ou fita magnética, por exemplo). Os algoritmos aqui considerados apenas focam o primeiro grupo e funcionam sobre uma parte do registo designada chave (este é por sua vez um campo de uma estrutura específica). O princípio da distribuição (como a ordem de um baralho de cartas com joker, reis, damas, valetes e ases) não foi considerado. Assim, apresentamse nas seguintes subsecções os cinco métodos de ordenação que servirão de ferramenta de teste Heap O algoritmo Heap consiste numa árvore binária completa (cada nó tem dois e apenas dois filhos) com as seguintes propriedades específicas de ordenação: A) Todos os nós descendentes de um determinado nó N são menores ou iguais ao conteúdo de N; B) Todos os nós ascendentes de N são maiores ou iguais ao conteúdo de N; C) Consequentemente, todos os nós são menores que a raiz. Uma característica curiosa desta metodologia consiste na sua representação em vectores. Os filhos de um nó i estão nas posições 2i e 2i+1 (caso existam) e o pai de um nó i está na posição (int)i/2. Assim, por exemplo, a raiz está no índice zero do vector (o maior valor de todos os elementos) e os seus descendentes directos estão no índice 1 e Inserção Esta metodologia consiste em percorrer sequencialmente o vector a ordenar elemento por elemento, deslocando-o e inserindo-o na posição correcta. Inicialmente, são formados dois blocos: Um de valores ordenados e outro de não ordenados. Este

7 algoritmo consiste em passar sucessivamente os valores de um bloco para o outro. Assim e caso os registos sejam inseridos sequencialmente por uma determinada aplicação, este procedimento torna-se muito útil Selecção Apesar de ser um algoritmo muito ineficiente para listas de valores muito extensas, este método simples de ordenação poderia ser apresentado do seguinte modo: A) Seleccionar o menor dos valores e trocá-lo por v[0]; B) Seleccionar o menor entre os restantes e trocá-lo por v[1]; C) Realizar sucessivamente os passos anteriores até todos os elementos estarem ordenados Quick Este algoritmo funciona do seguinte modo: Dado um vector de elementos, T[n], escolhe-se arbitrariamente um pivot x tal que todos os elementos menores que x ficam do lado esquerdo do vector enquanto os elementos maiores fiquem do lado direito. Normalmente, esse pivot costuma ser a mediana ou a média do conjunto de elementos de modo a obter uma performance equilibrada. Ao realizar-se este procedimento, a lista não fica necessariamente ordenada na primeira iteração. Em termos computacionais, portanto, o algoritmo passa pelas seguintes operações: A) Percorrer o vector T a partir da esquerda até que T[i]>=x; B) Percorrer o vector a partir da direita até que T[j]<=x; C) Trocar T[i] com T[j]; D) Continuar este processo até que os índices i e j se cruzem. Realizado estes quatro passos, o vector T[Esq...Dir] está dividido de tal forma que: A) Os valores T[Esq], T[Esq + 1],..., T[j] são menores ou iguais a x; B) Os valores T[i], T[i + 1],..., T[Dir] são maiores ou iguais a x (com i=j+1). Utilizando a estratégia da divisão e conquista, basta agora dividir a tabela dada, T[n]=T[Esq...Dir], em duas tabelas tal que T[n]=T[Esq...Dir]=T[Esq...j]+T[i...Dir]. Quando o cardinal do domínio [Esq...j] for zero ou um, então tem-se a primeira condição de paragem activa. Analogamente, quando o cardinal do domínio [i...dir] for zero ou um, tem-se a segunda condição de paragem activa o que significa que este ramo do vector já foi ordenado Shell Metodologia proposta em 1959, este é uma extensão do algoritmo da ordenação de Inserção e que se resume a dar um valor de salto para o teste de inserção. Como já foi referido anteriormente, no método de Inserção existe uma troca de itens adjacentes quando se está à procura do ponto de inserção na sequência destino. No caso do Shell, a troca dos registos estão separados h posições de tal forma que o vector está reorganizado ao nível h.

8 4. Análise Comparativa Na escolha de um algoritmo de ordenação interna, este procedimento deve considerar o tempo de resposta da metodologia em causa como factor crítico. Sendo n o número de registos do arquivo a ordenar, as medidas de complexidade relevantes nos diversos métodos são o número de comparações entre chaves, C(n), e o número de movimentações de itens dentro do arquivo, M(n). Claramente, o uso económico da memória disponível é também um requisito primordial na ordenação interna. Esta secção pretende relacionar e comparar os métodos de ordenação anteriormente referidos em vectores de diferentes dimensões e em função de dois sistemas operativos: Windows XP Professional SP2 e Linux SuSex 10. Considerase que ambos os sistemas operativos têm apenas os serviços mínimos para estes estarem operacionais. Mais, o computador (Pentium III a 1GHz com 1GB de RAM) deste benchmark é o rigorosamente o mesmo (a memória livre rondava 630MB em ambos os SO). A mesma situação acontece com o código C dos cincos algoritmos. Para facilitar a análise, todos os vectores considerados estavam ordenados descendentemente (o que significa que foi apenas simulado uma só vez para cada dimensão do vector a ordenar). Pretende-se uma ordenação ascendente. A compilação dos mesmos programas foi realizada pelo Microsoft Visual Studio.Net 2.0 e pelo GNU C/C , no caso do SuSe 10. É ainda de referir que no código usado, não foram usadas nenhumas threads como não foi usado qualquer outro software de medida de performance. Finalmente, o tempo de resposta de cada um dos algoritmos foi calculado pela diferença do tempo de resolução através da chamada da seguinte função C: Com base na figura 4, apresentam-se os seguintes comentários: Para todas as formas de algoritmos de ordenação considerados, o seu tempo de resolução é geralmente menor para o ambiente Linux. Contudo, esta regra é fatalmente quebrada quando o número de registos a ordenar atinge a ordem dos 300 milhões (Shellsort e Heapsort), 400 milhões (Quicksort) e 1 milhão (Seleção). No método de Shellsort, Heapsort, Quicksort e Seleção, a diferença do tempo de resposta entre o Linux e o Windows aumenta directamente com a quantidade de input considerada. Inexplicavelmente, este padrão não se verifica quando o vector a ordenar atinge as maiores dimensões consideradas neste estudo.

9 Segundos Segundos Considerando o método de Inserção, a plataforma Windows consegue superar a performance do SuSe Linux numa proporcionalidade que atinge 4.5 vezes. Esta proporcionalidade desce para 2 (Quicksort), 1.97 (Heapsort) e 1.8 (Shellsort). Contrariando a conclusão anterior, o SuSe Linux apresenta um tempo de resposta inferior com a ordenação de Seleção, independentemente da dimensão do vector a ordenar. De facto, a proporcionalidade referida no ponto anterior inverte para 3.86 vezes mais lento (Windows ). Analisando a imagem seguinte, verifica-se uma tendência de um comportamento linear positivo no tempo de resposta dos algoritmos, em geral. Performance (métodos de ordenação) Dimensão do vector a ordenar (milhões) ShellWindow s ShellLinux QuickWindow s QuickLinux HeapWindow s HeapLinux Figura 2 Análise de comparação de resultados dos cinco algoritmos de ordenação para dimensões inferiores a 200 milhões de registos. É ainda de notar diferenças substanciais entre os diversos métodos para um vector de 300 milhões de valores inteiros. Performance (métodos de ordenação) Milhões Dimensão do vector a ordenar ShellWindow s ShellLinux QuickWindow s QuickLinux HeapWindow s HeapLinux Figura 3 Análise de comparação de resultados dos cinco algoritmos de ordenação para uma dimensão de 300 milhões de registos.

10 Retirando a análise de todos os algoritmos para a respectiva maior dimensão do vector a ordenar, verificou-se um outlier no comportamento destes algoritmos. No algoritmo de Inserção, quando a dimensão do vector é de 100 mil registos, o tempo de resposta em Windows é menor que em Linux. Quer em Windows XP quer em SuSe Linux, as metodologias Quicksort e Heapsort são os algoritmos mais rápidos de ordenação, confirmando as afirmações comuns da literatura especializada. Esta diferença de performance com os restantes métodos verifica-se, nomeadamente, para vectores com médias e grandes dimensões. Os métodos com pior performance, independentemente do SO, são os métodos de Inserção e Seleção. Figura 4 Comparação de tempos de resposta das cinco metodologias de ordenação. 5. Conclusão Nesta análise prática sobre a performance de algoritmos de ordenação em função do sistema operativo e dos respectivos compiladores, este artigo não pretende indicar

11 qual o melhor sistema operativo na sua globalidade. Como já foi referido anteriormente e embora estes sejam concorrentes directos, ambos os SO tem um historial e uma realidade bastante diferente. Mais, esta análise aqui descrita é apenas e simplesmente mais uma outra análise de bechmark a juntar a tantos outros testes já realizados por outras empresas e particulares. De qualquer modo, os autores garantem o factor de imparcialidade e honestidade nos resultados finais apresentados. Contudo e fundamentalmente, estes testes indicam claramente que considerando o tempo de resolução de uma ordenação de um vector, o mesmo código C torna-se mais rápido quando em plataforma Linux do que em Windows para vectores com dimensão inferior a 200 milhões (Shell, Quick e Heap). Contrariamente, a situação inverte-se completamente quando a dimensão cresce para 300 milhões. Em relação ao porquê deste comportamento, é uma questão que fica em aberto para especialistas de compiladores e sistemas operativos. Colateralmente, as metodologias de pior performance, Inserção e Seleção, apresentam piores resultados em ambiente Windows do que em Linux, independentemente da dimensão considerada. Será que existe alguma dimensão superior ainda não testada que inverta este padrão? É ainda de referir a falta da medição da performance recorrendo ao uso de threads na codificação dos algoritmos em causa, um outro factor importante a considerar numa próxima análise de benchmark. Agradecimentos Pelo apoio prestado neste artigo, os presentes autores gostariam de agradecer aos alunos António Vargas, Telma Filipa e Jefra Araújo do actual 2º ano de Engenharia Informática da Universidade Lusófona. Referências Aho, A., Hopcroft, J., Ullman, J. (1983). Data Structures and Algorithms. Addison- Wesley. Bearing Point. (2004). Cybersource. (2004). comparison.pdf Garey, M., Johnson, D. (1979). Computers and Intractability A Guide to the Theory of NP-Completeness. Freeman Press. Loudon, K. (1999). Mastering Algorithms with C. O Reilly Media, Inc.

12 Mindcraft, Preiss, B. (2001). Estruturas de Dados e Algoritmos. Editora Campus. Trezentos, P. (2005). Linux para PCs - Caixa Mágica. FCA-Lidel. Veritest. (2004). Ziviani, N. (2004). Projecto de Algoritmos (2ª edição). Pioneira Thomson Learning.

Análise de complexidade

Análise de complexidade Introdução Algoritmo: sequência de instruções necessárias para a resolução de um problema bem formulado (passíveis de implementação em computador) Estratégia: especificar (definir propriedades) arquitectura

Leia mais

FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2. Vieira Lima Junior. Everson Santos Araujo

FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2. Vieira Lima Junior. Everson Santos Araujo 1 FACULDADE DE IMPERATRIZ - FACIMP BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA DE DADOS 2 Vieira Lima Junior Everson Santos Araujo ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO: estudo comparativo de diversos algoritmos

Leia mais

TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO (TI) TECNOLOGIAS ORIGEM DA PALAVRA

TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO (TI) TECNOLOGIAS ORIGEM DA PALAVRA TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO (TI) TECNOLOGIAS ORIGEM DA PALAVRA Provém das palavras gregas technê, que significa saber fazer, e logia, que significa conhecimento organizado SIGNIFICADO É o conhecimento

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

No VirtualBox, carregar no Botão Novo (New), que irá abrir o Assistente de Criação de Máquina Virtual para criar uma nova VM.

No VirtualBox, carregar no Botão Novo (New), que irá abrir o Assistente de Criação de Máquina Virtual para criar uma nova VM. INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES INFORMÁTICAS EFA NS/NÍVEL III UFCD 5 FORMADOR: PAULO RELVAS Fontes: http://www.formatds.org/instalar-ubuntu-no-virtualbox/ MANUAL DE INSTALAÇÃO UBUNTU 8.10 SOBRE VBOX DA SUN

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes

Complexidade de Algoritmos. Edson Prestes Edson Prestes Um problema pode ser resolvido através de diversos algoritmos; O fato de um algoritmo resolver um dado problema não significa que seja aceitável na prática. Na maioria das vezes, a escolha

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas

Universidade Federal de Alfenas Universidade Federal de Alfenas Projeto e Análise de Algoritmos Aula 04 Introdução a Análise de Algoritmos humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Última aula Fundamentos de Matemática Exercícios: Somatórios; Logaritmos

Leia mais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais

Disciplina de Projetos e Análise de Algoritmos. Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais Aula 1 - Apresentação aos Algoritmos Computacionais O que é a Disciplina? Disciplina de Projeto e Análise de Algoritmos Esta é uma disciplina de Algoritmos em nível de Pós-Graduação! Temas a serem abordados:

Leia mais

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br 1 Sumário 1) Introdução à Pesquisa em Memória Primária 2) Pesquisa Sequencial 3) Pesquisa Binária 4) Árvore

Leia mais

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento CPU - Significado CPU Central Processing Unit Unidade Central de Processamento CPU - Função Na CPU são executadas as instruções Instrução: comando que define integralmente uma operação a ser executada

Leia mais

Limitações dos Computadores

Limitações dos Computadores Limitações dos Computadores Baseado em Computers Ltd. What they really can t do, David Harel. Oxford University Press, 2000. Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 2004/07

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Marcelo Lobosco DCC/UFJF Avaliando e Compreendendo o Desempenho Aula 10 Agenda Análise de Desempenho (cont.) Avaliando o Desempenho Benchmark SPEC Falácias e Armadilhas Desempenho

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO : HARDWARE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO : HARDWARE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS CATU TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO : HARDWARE Profª. Eneida Alves Rios A consideração

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Pesquisa: Recuperação de informação em um grande volume de dados Informação é dividida em registros e cada

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI)

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) 4. Montagem do Computador Disco rígido limpeza; Disco rígido verificação de erros (modo gráfico); Disco rígido verificação de erros (linha de comandos;

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos

Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos Sistemas Distribuídos: Princípios e Algoritmos Introdução à Análise de Complexidade de Algoritmos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Informática Informática - Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

1.3. Componentes dum sistema informático HARDWARE SOFTWARE

1.3. Componentes dum sistema informático HARDWARE SOFTWARE 1.3. Componentes dum sistema informático Computador Sistema Informático HARDWARE SOFTWARE + Periféricos Sistema Operativo Aplicações HARDWARE - representa todos os componentes físicos de um sistema informático,

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos. Profa. Juliana Kaizer Vizzotto. Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1

Projeto e Análise de Algoritmos. Profa. Juliana Kaizer Vizzotto. Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1 Projeto e Análise de Algoritmos Profa. Juliana Kaizer Vizzotto Projeto e Análise de Algoritmos - Aula 1 Roteiro Introdução Exemplo: ordenação Introdução Análise de Algoritmos Estudo teórico da performance

Leia mais

Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior

Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior 5COP096 Teoria da Computação Aula 1 Apresentação da Disciplina e Revisão de Conceitos Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior 1 Sobre o Professor Dr. Sylvio Barbon Junior 5COP096 Teoria da Computação Formação:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO. Algoritmos de comparação-e-troca. Bubble Sort Merge Sort Quick Sort

ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO. Algoritmos de comparação-e-troca. Bubble Sort Merge Sort Quick Sort ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO Algoritmos de comparação-e-troca Bubble Sort Merge Sort Quick Sort 1 BUBBLE SORT Usa a estratégia de comparação-e-troca É constituído por várias fases Cada

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

DICIONÁRIOS. template class Par { public: K chave; T valor; Par():chave(),valor()

DICIONÁRIOS. template<class K,class T> class Par { public: K chave; T valor; Par():chave(),valor() DICIONÁRIOS Esta estrutura inclui-se nos chamados contentores associativos, que não são mais do que uma colecção de estruturas de tipo Par, com dois membros de dados (chave de pesquisa e valor associado),

Leia mais

Optimização de um Mundo Virtual

Optimização de um Mundo Virtual secção 3.2 Optimização de um Mundo Virtual Dadas as limitações impostas pela actual tecnologia, um mundo virtual que não seja cuidadosamente optimizado torna-se necessariamente demasiado lento para captar

Leia mais

Archive Player Divar Series. Manual de Utilização

Archive Player Divar Series. Manual de Utilização Archive Player Divar Series pt Manual de Utilização Archive Player Índice pt 3 Índice 1 Introdução 4 2 Operação 5 2.1 Iniciar o programa 5 2.2 Conhecer a janela principal 6 2.3 Botão Abrir 6 2.4 Vistas

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43 AULA A 3 ESTRUTURA RA DE DADOS Árvore B Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: identificar as vantagens da árvore B em relação às árvores binária de busca e AVL; conhecer as funções de

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 8.5, Asura Pro 8.5, Garda 4.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 5.5 PlugCROPin 5.5 PlugFITin 5.5 PlugRECOMPOSEin 5.5 PlugSPOTin 5.5 PlugTEXTin 5.5 PlugINKSAVEin 5.5 PlugWEBin

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais

Hashing. Estruturas de Dados. Motivação

Hashing. Estruturas de Dados. Motivação Estruturas de Dados Hashing Prof. Ricardo J. G. B. Campello Parte deste material é baseado em adaptações e extensões de slides disponíveis em http://ww3.datastructures.net (Goodrich & Tamassia). Motivação

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 8.2, Asura Pro 8.2, Solvero 8.1 (Windows, Macintosh OSX) Garda 4.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 5.2 PlugCROPin 5.2 PlugFITin 5.2 PlugRECOMPOSEin 5.2 PlugSPOTin 5.2 PlugTEXTin

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 9.0, Asura Pro 9.0, Garda 5.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 6.0 PlugCROPin 6.0 PlugFITin 6.0 PlugRECOMPOSEin 6.0 PlugSPOTin 6.0 PlugTEXTin 6.0 PlugINKSAVEin 6.0 PlugWEBin

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 8.2, Asura Pro 8.2, Garda 4.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 5.2 PlugCROPin 5.2 PlugFITin 5.2 PlugRECOMPOSEin 5.2 PlugSPOTin 5.2 PlugTEXTin 5.2 PlugINKSAVEin 5.2 PlugWEBin

Leia mais

Guilherme Pina Cardim. Pesquisa de Sistemas Operacionais I

Guilherme Pina Cardim. Pesquisa de Sistemas Operacionais I Guilherme Pina Cardim Pesquisa de Sistemas Operacionais I Presidente Prudente - SP, Brasil 30 de junho de 2010 Guilherme Pina Cardim Pesquisa de Sistemas Operacionais I Pesquisa realizada para identicar

Leia mais

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Motivos: 1 Manter a CPU ocupada o máximo de tempo para não existir gargalos na busca de dados na memória; 2 Gerenciar os espaços de endereçamento para que processos executem

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 9.5, Asura Pro 9.5,Garda 5.0...2 PlugBALANCEin 6.5, PlugCROPin 6.5, PlugFITin 6.5, PlugRECOMPOSEin 6.5, PlugSPOTin 6.5,...2 PlugTEXTin 6.5, PlugINKSAVEin 6.5, PlugWEBin

Leia mais

Conceitos básicos sobre TIC

Conceitos básicos sobre TIC Conceitos básicos sobre TIC Origem da palavra Informática Informação + Automática Informática Significado: Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 6-21/09/2007 1 Ementa Conceitos Básicos de Computação (Hardware, Software e Internet) Softwares Aplicativos Tutorial: Word Tutorial:

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Anteprojecto. Grupo 2. Projecto Informático do 5º ano. Informática de Gestão

Anteprojecto. Grupo 2. Projecto Informático do 5º ano. Informática de Gestão Grupo 2 Projecto Informático do 5º ano Informática de Gestão Índice Índice ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 MISSÃO 3 OBJECTIVOS 4 AMBIENTE DE EXPLORAÇÃO 5 Software 5 Hardware 6 POLÍTICA DE HISTÓRICOS 7 POLÍTICA DE

Leia mais

MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA. Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers

MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA. Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers Índice 1. Introdução...1 2. Requisitos...1 3. Instalar O Nokia Connectivity Cable Drivers...2 3.1 Antes da instalação...2 3.2

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Ø Computador Ø Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Ø Arquiteturas físicas e lógicas de redes de

Leia mais

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Grupo 17 Raphael Ferras Renan Pagaiane Yule Vaz SSC-0143 Programação

Leia mais

Pointer Jumping. odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V. um vértice r tal que. O vértice r é dita raíz de T

Pointer Jumping. odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V. um vértice r tal que. O vértice r é dita raíz de T Pointer Jumping T = (V,E) : árvore direcionada odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V um vértice r tal que v V-{r}, odg(v) = 1, odg(r)=0 v V-{r}, um caminho de v a r O vértice r é dita

Leia mais

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 01 Fundamentos de Computadores Sumário : Conceitos básicos: computador,

Leia mais

Bases de Dados. Parte IX: Organização Física dos Dados

Bases de Dados. Parte IX: Organização Física dos Dados Bases de Dados Parte IX Organização Física dos Dados Unidades de Medida da Informação A unidade fundamental é o byte. byte corresponde a 8 bits e cada bit permite representar ou um 0 ou um. Kilobyte (Kbyte

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam?

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam? Como é formado o meu computador? Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Mouse Teclado Monitor Placa de vídeo

Leia mais

Medição do Desempenho

Medição do Desempenho Medição do Desempenho Benchmarks AC1 Medição do Desempenho 1 Medição do Desempenho IDEAL: obter um número que caracterize completamente o desempenho da máquina IMPOSSÍVEL: complexidade dos sistemas grande

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados II. Apresentação. Prof a Karina Oliveira. kkco@dei.unicap.br

Algoritmos e Estrutura de Dados II. Apresentação. Prof a Karina Oliveira. kkco@dei.unicap.br Algoritmos e Estrutura de Dados II Apresentação Prof a Karina Oliveira kkco@dei.unicap.br Ementa Proporcionar ao aluno conhecimento teórico e prático para seleção, construção e manipulação de estrutura

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador.

Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador. Definição 1 Capítulo 2. Noção de hardware. As componentes de um computador. 1. Definição Hardware : toda a parte física do computador. Ex.: Monitor, caixa, disquetes, impressoras, etc. Hardware (hard =

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

CAD Trabalho III. PThreads e OpenMP. Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa

CAD Trabalho III. PThreads e OpenMP. Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Informática CAD Trabalho III PThreads e OpenMP Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa Maio 2008 Resumo Neste

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Tiago Eugenio de Melo

Tiago Eugenio de Melo "TCO: Reduzindo custos com Software Livre*" Tiago Eugenio de Melo *original elaborado por Marcelo de Jesus Ferreira1 Por que usar Software (Livre )? 2 Software livre x Software gratuito 3 4 Medidas quantitativas

Leia mais

Curso básico em técnicas de Manutenção para activistas comunitários

Curso básico em técnicas de Manutenção para activistas comunitários Curso básico em técnicas de Manutenção para activistas comunitários Perguntas relacionadas com a Aula 4 do Módulo I 1. Todos os computadores utilizam um sistema operativo para oferecer a interface de interacção:

Leia mais

Um retrospecto da aula passada... Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Gerência de E/S

Um retrospecto da aula passada... Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Gerência de E/S Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 2 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Romildo Martins (romildo@romildo.net)

Leia mais

Relatório de projecto

Relatório de projecto Relatório de projecto 9ºB 2005/2006 Página 1 de 12 1) Projecto inicial O projecto proposto é fruto de uma proposta independente que se integrou num dos projectos a integrar e desenvolver na disciplina

Leia mais

Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012

Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2011/2012 Enunciado do 2 o Projecto Data de entrega: 11 de Novembro de 2011 às 23h59 1 Introdução O EuroMilhões é uma lotaria

Leia mais

Guia de Instalação para Windows Vista /Windows 7

Guia de Instalação para Windows Vista /Windows 7 Guia de Instalação para Windows Vista / 7 Antes de utilizar o aparelho, tem de configurar o hardware e instalar o controlador. Leia o Guia de Instalação Rápida e este Guia de Instalação para Windows Vista

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 BC1518-Sistemas Operacionais Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Introdução Espaço de Endereçamento Lógico vs. Físico Estratégias

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 9.6, Asura Pro 9.6, Garda 5.6...2 PlugBALANCEin 6.6, PlugCROPin 6.6, PlugFITin 6.6, PlugRECOMPOSEin 6.6, PlugSPOTin 6.6,...2 PlugTEXTin 6.6, PlugINKSAVEin 6.6, PlugWEBin

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação

Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem 1 - Tecnologias da Informação e Comunicação 1.1. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS Sugestões metodológicas / Situações de - O professor deverá proceder a uma avaliação diagnóstica

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

Exercícios de revisão V2. FAT: 300 GB / 2KB = 150MB X 8 bytes (64 bits / 8) = 1.2GB

Exercícios de revisão V2. FAT: 300 GB / 2KB = 150MB X 8 bytes (64 bits / 8) = 1.2GB Exercícios de revisão V2 1 Uma empresa que possui partições FAT em seus servidores, estava impressionada com um processo em específico na memória, onde o mesmo ocupava um espaço grande. Este servidor dedicado

Leia mais

CI165 Introdução. André Vignatti. 31 de julho de 2014

CI165 Introdução. André Vignatti. 31 de julho de 2014 Introdução 31 de julho de 2014 Antes de mais nada... Os slides de 6 aulas (introdução, insertion sort, mergesort, quicksort, recorrências e limitantes de ordenação) foram originalmente feitos pelos Profs.

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

ClassPad Add-In Installer

ClassPad Add-In Installer Para a ClassPad 300/ClassPad 300 PLUS Po ClassPad Add-In Installer Manual de Instruções http://world.casio.com/edu/ http://classpad.net/ ClassPad Add-In Installer O ClassPad Add-In Installer permite-lhe

Leia mais

Guia de Manutenção. Preparação Instalar o DeskTopBinder V2 Lite Apêndice

Guia de Manutenção. Preparação Instalar o DeskTopBinder V2 Lite Apêndice Guia de Manutenção 1 2 3 Preparação Instalar o DeskTopBinder V2 Lite Apêndice Prefácio DeskTopBinder V2 Lite pode integrar e gerir diversos dados, tais como: ficheiros criados através de aplicações, dados

Leia mais

Impressão do Manual do Utilizador

Impressão do Manual do Utilizador bibliopac Interface WWW Versão 2003 Guia de instalação rápida Junho 2003 ATENÇÃO! Impressão do Manual do Utilizador No CD de instalação está disponível o ficheiro Interface WWW Manual.PDF. Este manual,

Leia mais

ST364 Estruturas de Dados Grupo 4 apresenta: Seminário MERGESORT Blog - http://grupomergesort.blogspot.com

ST364 Estruturas de Dados Grupo 4 apresenta: Seminário MERGESORT Blog - http://grupomergesort.blogspot.com ST364 Estruturas de Dados Grupo 4 apresenta: Seminário MERGESORT Blog - http://grupomergesort.blogspot.com Apresentação do Grupo André Pereira Giacon Dandara Contieri Folis Diego Narciso Hernandes Fernanda

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111 Manual de Instalação DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE A NOKIA MOBILE PHONES Ltd declara ser a única responsável pela conformidade dos produtos DTN-10 e DTN-11 com

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas)

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas) ENIAC Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 1 Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 2 O transistor foi inventado em 1947

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial Impressão Comerciale Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 10.2, Asura Pro 10.2, Garda 10.2...2 PlugBALANCEin 10.2, PlugCROPin 10.2, PlugFITin 10.2, PlugRECOMPOSEin 10.2, PlugSPOTin10.2,...2 PlugTEXTin

Leia mais