Rua Teixeira Soares, Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54) e Fax.: (54) End. Eletrônico: http: //

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com."

Transcrição

1 HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO DA SOCIEDADE HOSPITALAR BENEFICENTE SÃO VICENTE DE PAULO Rua Teixeira Soares, Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54) e Fax.: (54) End. Eletrônico: http: // Órgãos Diretivos Diretoria Gestão Presidente DIONISIO TEDESCO Vice Presidente PLÍNIO GRAZZIOTIN 1º Secretário LUIZ CARLOS TEIXEIRA DE FARIAS 2º Secretário MONTECIR JESUS DUTRA 1º Tesoureiro DÉCIO RAMOS DE LIMA 2º Tesoureiro DILO CANOFRE DOS SANTOS CONSELHO FISCAL Efetivos EUGENIO LUIZ DE LAZARI LUIZ NORMÉLIO DOS SANTOS CARLOS ALBERTO DOS SANTOS VARGAS Suplentes RONALDO ANTONIO MARSON LUIZ MACARINI OLIRIO GRAZZIOTIN

2 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de ADMINISTRAÇÃO Diretor Médico DR. RUDAH JORGE Administrador ILÁRIO JANDIR DE DAVID Chefe de Enfermagem ENF.ª CARMELINA PELLEGRINI COMISSÃO ASSESSORA DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER ANDRÉ LUIZ MUCCINI ALVARO VINICÍUS DA S. MACHADO DANIELA AUGUSTIN SILVEIRA ELDER LERSCH EDISON LUIS COVATTI GLAUCIA SARTURI TRES LIEGE SILVEIRA DUTRA LIEVERSON AUGUSTO GUERRA MARCO ANTONIO RUAS SCHILLING PEDRO MOACIR B. BRAGHINI ROSEMAR PAULO FOGAÇA TANIA MARIA BILIBIO WAGNES BORGES FRANCESCHI Equipe Técnica: ELDER LERSCH(Coordenador) VICENTINA ROMAN PIRES(Registradora) JERRI ANTÔNIO BILIBIO(Analista de Sistema) MARCOS GANGIN (Analista de Sistema) Editores: ALVARO VINICÍUS DA S. MACHADO VICENTINA ROMAN PIRES LIEVERSON AUGUSTO GUERRA

3 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de SUMÁRIO Pág. Apresentação Prefácio Agradecimentos Metodologia Avaliação da qualidade da informação registrada no prontuário Modelo da ficha Apresentação dos dados de Distribuição de neoplasias malignas cadastradas segundo localização topográfica e sexo Distribuição de neoplasias malignas mais freqüentes em homens segundo localização topográfica e sexo Distribuição de neoplasias malignas mais freqüentes em mulheres segundo localização topográfica e sexo Distribuição de neoplasias malignas segundo faixa etária e sexo Distribuição de neoplasias malignas segundo base mais importante do diagnóstico Distribuição de neoplasias malignas segundo clínica responsável pelo primeiro tratamento Distribuição de neoplasias malignas segundo doença ao final do primeiro tratamento Distribuição de neoplasias malignas tratadas na instituição de acordo com o primeiro tratamento instituído Distribuição de pacientes em acompanhamento e o percentual de casos perdidos Distribuição de neoplasias por topografia e morfologia segundo sexo Distribuição de neoplasias malignas por localização sexo e idade Apresentação dos dados de Distribuição de neoplasias malignas cadastradas segundo localização topográfica e sexo Distribuição de neoplasias malignas mais freqüentes em homens segundo localização topográfica e sexo Distribuição de neoplasias malignas mais freqüentes em mulheres segundo localização topográfica e sexo Distribuição de neoplasias malignas segundo faixa etária e sexo Distribuição de neoplasias malignas segundo base mais importante do diagnóstico Distribuição de neoplasias malignas segundo clínica responsável pelo primeiro tratamento Distribuição de neoplasias malignas segundo doença ao final do primeiro tratamento Distribuição de neoplasias malignas tratadas na instituição de acordo com o primeiro tratamento instituído Distribuição de pacientes em acompanhamento e o percentual de casos perdidos Distribuição de neoplasias por topografia e morfologia segundo sexo Distribuição de neoplasias malignas por localização sexo e idade Bibliografia

4 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de APRESENTAÇÃO Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) foi fundado em 24 de junho de 1918, O com sede e foro na cidade de Passo Fundo, rua Teixeira Soares, 808 centro. É uma instituição hospitalar geral, privada, de corpo clínico aberto sem fins lucrativos, de abrangência regional, destinada a prestar assistência médica hospitalar e ambulatorial à população em geral, independente de credo político, religioso ou condição social. O HSVP é mantido pela Sociedade Hospitalar Beneficente São Vicente de Paulo. O HSVP visa também colaborar com o desenvolvimento de atividades de ensino, treinamento e aperfeiçoamento do seu corpo clínico; oferecer campo de estágio para estudantes; apoiar a realização de investigações e pesquisas éticas; cooperar com a comunidade e órgãos públicos na divulgação e execução sanitária, proteção de saúde e assistência social à pessoas carentes e, promover intercâmbio cultural, técnico-científico com outras instituições. Durante o ano de 1996, segundo o Registro Hospitalar de Câncer do HSVP, foram realizadas internações. A triagem dos prontuários para revisão foi feita através da codificação do arquivo nosológico, buscando todos os prontuários com diagnósticos de neoplasias malignas. Esta listagem mostra o nome de todos os pacientes registrados do código 140 a 239 da CID 9ª (Código Internacional de Doenças, Lesões e Causas de Morte nona revisão). O total de prontuários foi de Em 1997, o HSVP internou pacientes e, seguindo a mesma metodologia, o Registro Hospitalar de Câncer chegou a um total de prontuários.

5 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de PREFÁCIO As informações médicas catalogadas são uma fonte inestimável de dados objetivos sobre a realidade que trabalhamos. Quão mais extensas e complexas são estas informações, maior a dificuldade em organizá-las e maior as possibilidades em entendermos e, por conseguinte, intervirmos na realidade. Estas valiosas informações são hoje utilizadas para planejamento e execução de políticas, públicas ou privadas, objetivando resultados que, ao final, vão beneficiar aqueles que são a razão de nossa existência nossos pacientes e a promoção de sua saúde. Este novo conjunto de dados aqui publicados pelo Registro Hospitalar de Câncer do HSVP é o resultado de esforços diversos e a evolução de um modelo bem sucedido. As informações hoje são mais claras, fidedignas e complexas que nos primeiros anos de catalogação. Evoluiu o software, o trabalho individual de cada colaborador do RHC e a qualidade das informações descritas nos prontuários. Ainda temos um imenso débito com o estagiamento das neoplasias. É fundamental transformar o sistema TNM/ UICC familiar e de uso médio diário. Novos passos e esforços para o futuro aperfeiçoamento já resultam deste trabalho. Tudo isso é parte de uma evolução global na área da oncologia do HSVP. O Centro de Radioterapia, já em construção, trará novos desafios ao corpo clínico na incorporação desta modalidade de tratamento, assim como beneficiará largamente a comunidade regional. Pedro Moacir B. Braghini

6 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Agradecimentos Agradecemos aos médicos, secretárias, arquivo médico, Instituto de Patologia de Passo Fundo, Serviço de Patologia e Genética do Hospital São Vicente de Paulo pela colaboração ao Registro de Câncer. A todos que de alguma forma colaboraram para a realização desta publicação. Registro Hospitalar de Câncer -HSVP

7 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Metodologia A identificação dos casos a serem registrados foi feita a partir da análise de todos os prontuários de pacientes cadastrados pelo Serviço de Arquivo Médico e Estatística (SAME), do Hospital São Vicente de Paulo, em regime de internação hospitalar codificados como neoplasias pelo Arquivo nosológico em 1996 e Para aumentar a eficiência da codificação em 1994, os dois serviços de patologia de Passo Fundo passaram a enviar ao Registro de Câncer todos os resultados de exames realizados no hospital, aumentando assim a eficiência do Serviço de codificação. O arquivo nosológico funciona desde 1975, possui cerca de prontuários. O sistema é de prontuário único e dígito terminal a cores. Em 1996 e 1997 o serviço de codificação utilizava o Código Internacional de Doenças, Lesões e Causas de Óbito(CID 9ª 1979). Esses dados fazem parte do banco de dados do hospital. Para elaborar a listagem dos prontuários a serem revisados o Departamento de Informática listou todos os registros cadastrados da topografia 140 a 239 pelo arquivo nosológico. Todos os casos contidos nesta publicação possuem o primeiro diagnóstico de neoplasia maligna definidos em 1996 e Uma vez verificado se o caso atende ou não os requisitos de tumor notificável, certifica-se de que os casos de neoplasia maligna possuem todas as informações necessárias, anotadas no prontuário médico. Os casos eleitos de neoplasia maligna comprovada com as informações disponíveis, são cadastradas em fichas padronizadas, seguindo recomendações dadas pelo IARC(International Agency for Research on Cancer). Cadastramos os tumores classificados pelo CID-O como malignos ou metastáticos (/3), ou in situ (/2) e de comportamento incerto (/1), sendo que, neste último, quando tenha sido realizado algum procedimento antineoplásico. Para a codificação da topografia e histologia dos tumores utilizou-se a Classificação Internacional de Doenças para Oncologia (CID-O Segunda edição). Para o estadiamento dos tumores foi utilizada, quando aplicável e informada, a Classificação TNM da União Internacional Contra o Câncer (UICC Quinta edição). O tratamento informatizado dos dados se deu através de um sistema de Banco de Dados, desenvolvido pelo departamento de informática do HSVP, com o sistema Ingres (Interactive Graphical Retrieval System) da Computer Associates. Este sistema é executado pelos servidores RISC Hewlett Packard, integrados ao sistema de prontuário médico do hospital. As tabelas e relatórios extraídos do sistema central tiveram o tratamento final realizado com as ferramentas Microsoft Excel e Microsoft Word. Todo o projeto informatizado observou as recomendações de implantação de um Registro Hospitalar de Câncer.

8 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Avaliação da qualidade da informação registrada no prontuário Na análise da qualidade das informações registradas nos prontuários, foram detectadas algumas falhas: a existência de alguns casos da duplicidade de prontuários; no item 08. Cor da pele, a maior parte dos pacientes de cor branca; no item 09.0 Grau de instrução; constavam sem informações, na maioria dos prontuários; no item 35. Ocupação, evidenciou-se que, por serem cadastradas pelo setor de internação do hospital, a grande parte dos pacientes eram designados como aposentados ou sem profissão definida( ex: do lar). Ainda, prontuários sem preenchimento total em relação ao estadiamento (item 22 e 23 Estágio e TNM), o que demandou a revisão completa destes. A falta destas informações relevantes registradas no prontuário deverá ser reavaliada pela comissão, para que também exista uma conscientização do Corpo Clinico da Entidade.

9 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de

10 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de

11 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de APRESENTAÇÃO DOS DADOS DO ANO DE 1996 REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER - HSVP

12 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA I Distribuição das neoplasias malignas cadastradas segundo a localização topográfica e sexo no HSVP-1996 Localização topográfica Masculino Feminino Total (CID O2) f % f % f % C01 Base da língua 0 0,0 1 0, C05 Palato 1 0, ,2 C06 Outras partes e partes não especificadas da boca 5 1,6 1 0,4 6 1,0 C07 Glândula parótida 2 0, ,3 C10 Orofaringe 7 2,2 0 0,0 7 1,2 C11 Nasofaringe 0 0,0 1 0,4 1 0,2 C13 Hipofaringe 10 3,1 0 0,0 10 1,7 C14 Outras localizações e as mal definidas, do lábio, cavidade oral e faringe 2 0,6 0 0,0 2 0,3 C15 Esôfago 22 6,8 7 2,5 29 4,8 C16 Estômago 16 5,0 12 4,3 28 4,7 C17 Intestino delgado ,0 1 0,2 C18 Cólon 13 4,0 9 3,3 22 3,7 C19 Junção retossigmoidiana 10 3,1 4 1,4 14 2,3 C20 Reto 4 1,2 8 2,9 12 2,0 C22 Fígado e vias biliares intra-hepáticas 4 1,2 3 1,1 7 1,2 C23 Vesícula biliar ,4 5 0,8 C24 Outras partes e partes não-especificadas das vias biliares 2 0,6 0 0,0 2 0,3 C25 Pâncreas 10 3,1 11 4,0 21 3,5 C31 Seios da face C32 Laringe 11 3,4 2 0,7 13 2,2 C34 Brônquios e pulmões 53 16,5 19 6, ,0 C37 Timo , C38 Coração, mediastino e pleura 3 0,9 0 0,0 3 0,5 C40 Ossos, articulações e cartilagens articulares dos membros 0 0,0 2 0,7 2 0,3 C41 Neoplasia maligna ossos,cartilagens, articul. outras loc. não-especificadas , C42 Sistemas hematopoético e reticuloendotelial 11 3,4 20 7,2 31 5,2 C44 Pele 25 7,8 9 3, C48 Retroperitônio e peritônio 2 0,6 2 0,7 4 0,7 C49 Tecido conjuntivo, subcutâneo e outros tecidos moles 0 0,0 2 0, C50 Mama 0 0, , ,9 C51 Vulva , C53 Colo de útero ,1 39 6,5 C54 Corpo de útero ,4 4 0,7 C56 Ovário ,5 7 1,2 C57 Outros órgãos genitais femininos e os não especificados 0 0,0 1 0,4 1 0,2 C60 Pênis 2 0, ,3 C61 Próstata 25 7, ,2 C62 Testículo 9 2, ,5 C64 Rim 8 2,5 4 1, C66 Ureter 1 0,3 0 0, C67 Bexiga 21 6,5 3 1,1 24 4,0 C69 Olho e anexos ,0 1 0,2 C71 Encéfalo 10 3,1 4 1,4 14 2,3 C72 Medula espinhal, nervos cranianos e outras partes do sistema nervoso C73 Glândula parótida 1 0,3 15 5,4 16 2,7 C76 Outras localizações e localizações mal definidas 1 0,3 0 0, C77 Linfonodos(gânglios linfáticos) 13 4,0 7 2,5 20 3,3 C80 Localização primária desconhecida 12 3,7 7 2,5 19 3,2 TOTAL f = freqüência Nesta tabela, observa-se como localizações topográficas mais freqüentes, brônquios e pulmões(12,0%), mama(10,9%) e colo de útero(6,5%) que correspondem em conjunto a 28,4% das neoplasias cadastradas. Fonte: RHC/SHBSVP

13 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA II Distribuição das neoplasias malignas mais freqüentes em homens segundo a localização topográfica no HSVP-1996 Localização topográfica (CID O2) f % C34 Brônquios e pulmões 53 16,5 C44 Pele 25 7,8 C42 Próstata 25 7,8 C15 Esôfago 22 6,8 C15 Bexiga 21 6,5 C16 Estômago 15 6,5 C18 Cólon 13 4,0 C77 Linfonodos 13 4,0 C80 Localização primária desconhecida 12 3,6 C32 Laringe 11 3,4 Outros ,5 Total f=freqüência São apresentadas as localizações topográficas mais freqüentes em homens, sendo que as três topografias mais freqüentes, brônquios e pulmões (16.5%) e próstata (7.8%) correspondem a 32.1% do total. Neoplasias malignas mais freqüentes em homens no HSVP 1996 Outros 34,5 Laringe Localização primária desconhecida Linfonodos 3,4 3,6 4,0 Topografias Cólon Estômago Bexiga 4,0 6,5 6,5 Esôfago 6,8 Próstata 7,8 Pele 7,8 Brônquios e pulmões 16, Freqüência relativa homens Fonte:RHC/HSVP

14 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA III Distriuição das neoplasias malignas mais frequentes em mulheres segundo a localização topográfica no HSVP-1996 Localização topográfica (CID O2) f % C50 Mama 65 23,6 C53 Colo de útero 39 14,1 C42 Sistemas hematopoético e reticuloendotelial 20 7,2 C34 Brônquios e pulmões 19 6,9 C73 Glândula tiróide 15 5,4 C16 Estômago 12 4,3 C25 Pâncreas 11 4,0 C18 Cólon 9 3,3 C44 Pele 9 3,3 C20 Reto 8 2,9 Outros 69 25,0 Total f= frequência A semelhança da tabela II são apresentadas as topografias mais freqüentes no sexo femenino, mama (23,0%), colo de útero (14,1%) e sistemas hematopoético e reticuloendotelial (7.2%) correspondem a 44.3% do total. Neoplasias mais freqüentes em mulheres no HSVP em 1996 Outros 25,0 Topografias Reto Pele Cólon Pâncreas Estômago Glândula tiróide Brônquios e pulmões Sistemas hematopoético e reticuloendotelial 2,9 3,3 3,3 4,0 4,3 5,4 6,9 7,2 Colo de útero 14,1 Mama 23,6 Freqüência relativa mulheres Fonte:RHC/HSVP

15 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA IV Distribuição dos casos de neoplasias malignas segundo faixa etária e sexo no HSVP Faixa Etária Masculino Feminino Total f % f % f % 0 a 4 2 0,6 0 0,0 2 0,3 5 a 9 3 0,9 1 0,4 4 0,7 10 a ,6 4 1,4 6 1,0 15 a ,9 6 2,2 12 2,0 20 a ,6 2 0,7 7 1,2 25 a ,6 8 2,9 13 2,2 30 a ,5 5 1,8 13 2,2 35 a ,6 23 8,3 28 4,7 40 a , ,4 50 8,4 45 a , ,1 54 9,0 50 a , ,1 58 9,7 55 a , , ,0 60 a , , ,9 65 a ,0 23 8, ,5 70 a ,7 26 9, ,7 75 a ,5 6 2,2 27 4,5 > de ,4 19 6,9 30 5,0 TOTAL f = freqüência A tabela IV mostra que 59,60% dos casos ocorreram dos 50 aos 74 anos de idade e apenas 6.8% antes dos 25 anos de idade. Neoplasias malignas segundo sexo e idade 1996 Mulheres Homens 0,0 0,6 0,4 2,2 1,4 0,6 0,9 0,7 1,9 2,9 1,6 1,8 1,6 8,3 2,5 13,4 10,1 4,0 1,6 10,1 8,1 11,2 9,3 10,5 12,7 18,0 13,0 9,4 8,3 13,7 6,9 6,5 2,2 3,4 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 Homens Mulheres Fonte:RHC/HSVP

16 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA V Distribuição dos casos de neoplasias malignas segundo base mais importante do diagnóstico no HSVP Base mais importante do diagnóstico f % Histologia do tumor primário ,1 Histologia da metástase 77 12,9 Citologia ou hematologia 15 2,5 Exames clínicos 11 1,8 Cirurgia exploratória ou necrópsia 05 0,8 Testes específicos(bioq./imunológicos) 03 0,5 Anamnese e exame físico 1 0,2 Necropsia com histologia ou histologia prévia 1 0,2 Total f = freqüência Dos casos de neoplasias maligna, 94,0% tem diagnóstico confimado por método histológico do HSVP. Neoplasias malignas segundo base mais importante para diagnóstico no HSVP 1996 Necropsia com histologia ou histologia prévia 0,2 Anamnese e exame físico 0,2 Testes específicos (bioquímica / imunológica 0,5 Cirurgia exploratória ou necropsia 0,8 Exames clínicos 1,8 Citologia e hematologia 2,5 Histologia da metástase 12,9 Histologia do tumor primário 81, Freqüência relativa Fonte:RHC/HSVP

17 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA VI Distribuição dos casos de neoplasias malignas cadastrados segundo a clínica responsável pelo primeiro atendimento no HSVP Clínica f % Cirurgia geral ,5 Oncologia 65 11,0 Cirurgia urológica 60 10,0 Cirurgia de cabeça e pescoço 55 9,2 Mastologia 39 6,5 Pneumologia 37 6,2 Clínica médica 29 4,8 Hematologia 26 4,3 Cirurgia ginecológica 25 4,2 Neurologia 17 2,8 Gastroenterologia 17 2,8 Ginecologia 15 2,5 Neurocirurgia 15 2,5 Ortopedia e traumatologia 15 2,5 Cirurgia plástica e reparadora 13 2,2 Urologia 9 1,5 Cirurgia cardiotoraxica 8 1,3 Cirurgia ortopéica 3 0,5 Cirurgia digestiva 2 0,3 Cirurgia vascular 2 0,3 TOTAL f = freqüência Nesta tabela, tem-se a a porta de entrada do paciente no hospital. A cirurgia (24,5%), a oncologia (11,0%) e a urologia (10,0%) são responsáveis por (45,5%) das internações. Neoplasias malignas segundo clínica responsável pelo primeiro atendimento no HSVP 1996 Clínicas Cirurgia vascular Cirurgia digestiva Cirurgia ortopéica Cirurgia cardiotoraxica Urologia Cirurgia plástica e reparadora Ortopedia e traum atologia N eurocirurgia Ginecologia G astroenterologia N eurologia Cirurgia ginecológica Hematologia Clínica m édica P neum ologia M astologia Cirurgia de cabeça e pescoço Cirurgia urológica O ncologia Cirurgia geral 0,3 0,3 0,5 1,3 1,5 2,2 ' 2,5 2,5 2,5 2,8 2,8 4,2 4,3 4,8 6,2 6,5 9,2 10,0 11,0 24,5 Fonte:RHC/HSVP 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 Freqüência relativa

18 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA VII Distribuição de casos tratados de neoplasias malignas segundo o estado da doença no final do tratamento no HSVP Estado da doença f % Doença estável ,0 Sem evidência da doença ,1 Óbito 65 10,9 Doença em progressão 20 3,3 Fora de possibilidade terapêutica 9 1,5 Remissão parcial 8 1,3 Não se aplica 4 0,7 Sem informação 1 0,2 TOTAL f = freqüência Neoplasias malignas segundo estado da doença no final do tratamento no HSVP 1996 Não se aplica Sem informação Remissão parcial Fora de possibilidade terapêutica Doença em progressão 0,2 0,7 1,3 1,5 3,3 Óbito 10,9 Sem evidência da doença Doença estável 39, Freqüência relativa Fonte:RHC/HSVP

19 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA VIII Distribuição das neoplasias malignas tratadas na instituição, de acordo com o primeiro tratamento instituído no HSVP-1996 Tratamento recebido f % Cirurgia Quimioterapia 76 12,7 Outros 69 11,5 Cirurgia + quimioterapia Cirurgia + quimioterapia + hormonioterapia 19 3,2 Cirurgia + outros 17 2,8 Nenhum 12 2,2 Cirurgia + hormonioterapia Quimioterapia + outros 8 1,8 Outros + quimioterapia 8 1,3 Quimioterapia + hormonioterapia 7 1,2 Quimioterapia + cirurgia 7 1,2 Quimioterapia + outros Hormonioterapia Outros + cirurgia 4 0,7 Hormonioterapia + outros 1 0,2 Outros + cirurgia + hormonioterapia + quimioterapia 1 0,2 Outros + cirurgia + hormonioterapia 1 0,2 Quimioterapia + cirurgia + hormonioterapia Nenhum + outros Cirurgia + imunoterapia Outros + cirurgia + quimioterapia 1 0,2 TOTAL f = freqüência TABELA IX Distribuição dos casos em acompanhamento e percentual de casos perdidos no HSVP f % Pacientes em acompanhamento ,1 Percentual dos casos perdidos ,9 Total f = freqüência Fonte:RHC/HSVP

20 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA X Distribuição de neoplasias malignas cadastradas segundo a localização topográfica e sexo no HSVP Topografia e morfologia (CID O2) Masculino Feminino Total C01 Base da língua 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE total C05 Palato 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE total C06 Outras partes e partes não especificadas da boca 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Adenocarcinoma, SOE total C07 Glândula parótida 8000/3 Neoplasia maligna /3 Carcinoma, SOE total C10 Orofaringe 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Rabdomiossarcoma embrionário total C11 Nasofaringe 8082/3 Carcinoma linfoepitelial total C13 Hipofaringe 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE total C14 Outras localizações, e as mal definidas, do lábio, da cavidade oral e da faringe 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE total C15 Esôfago 8010/3 Carcinoma, SOE /3 Carcinoma de células escamosas, SOE total

21 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Continuação Topografia e morfologia (CID O2) Masculino Feminino Total C16 Estômago 8010/2 Carcinoma in situ, SOE /3 Adenocarcinoma, SOE /3 Adenocarcinoma, tipo intestinal /3 Carcinoma, tipo difuso /3 Adenocarcinoma mucinoso /3 Carcinoma de células de anel de sinete /3 Linfoma maligno de células grandes difuso total C17 Intestino delgado 8490/3 Carcinoma de células de anel de sinete total C18 Cólon 8140/3 Adenocarcinoma, SOE /3 Adenocarcinoma in situ em pólipo adenomatoso /3 Adenocarcinoma em adenoma viloso /3 Adenocarcinoma viloso /3 Adenocarcinoma mucinoso /3 Adenocarcinoma produtor de mucina /3 Carcinoma de células de anel de sinete total C19 Junção retossigmoidiana 8140/3 Adenocarcinoma, SOE /3 Adenocarcinoma mucinoso total C20 Reto 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Adenocarcinoma, SOE /3 Adenocarcinoma em pólipo adenomatoso /3 Adenocarcinoma em adenoma viloso total C22 Fígado e vias biliares intra-hepáticas 8170/3 Carcinoma hepatocelular, SOE total C23 Vesícula biliar 8140/3 Adenocarcinoma, SOE /3 Adenocarcinoma papilar, SOE total C24 Outras partes e partes não especificadas das vias biliares 8140/3 Adenocarcinoma, SOE total 2 0 2

22 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Continuação Topografia e morfologia (CID O2) Masculino Feminino Total C25 Pâncreas 8000/3 Neoplasia maligna /3 Carcinoma, SOE /3 Carcinoma anaplásico, SOE /3 Adenocarcinoma, SOE total C31 Seios da face 8200/3 Carcinoma adenóide cístico total C32 Laringe 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Adenocarcinoma, SOE /3 Linfoma maligno não-hodgkin, SOE total C34 Brônquios e pulmões 8000/3 Neoplasia maligna /3 Carcinoma, SOE /3 Carcinoma de células grande, SOE /3 Carcinoma de células pequenas, SOE /3 Carcinoma oat cell /3 Carcinoma de células pequenas e de células grandes /3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Carcinoma de células escamosas grandes, não ceratinizado /3 Adenocarcinoma, SOE /3 Adenocarcinoma bronquíolo- alveolar /3 Adenocarcinoma alveolar /3 Adenocarcinoma papilar, SOE total C37 Timo 8580/3 Timoma maligno total C38 Coração, mediastino e pleura 9064/3 Germinoma /3 Linfoma maligno não-hodgkin, SOE /3 Doença de Hodgkin, esclerose nodular, SOE total C40 Ossos, articulações e cartilagens articulares dos membros 9180/3 Osteossarcoma, SOE /3 Sarcoma de Ewing total 0 2 2

23 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Continuação Topografia e morfologia (CID O2) Masculino Feminino Total C41 Neoplasia maligna dos ossos e cartilagens articulares de outras localizações e loc. não-especificadas 9180/3 Osteossarcoma, SOE /3 Condrossarcoma mesenquial total C42 Sistema hematopoético e reticuloendotelial 9732/3 Mieloma múltiplo /3 Leucemia linfoblástica aguda, SOE /3 Leucemia linfocítica crônica /3 Leucemia mielóide aguda /3 Leucemia mielóide crônica /3 Leucemia promielocítica aguda Total C44 Pele 8010/3 Carcinoma SOE /3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Carcinoma basocelular, SOE /3 Carcinoma basocelular, multicêntrico /3 Adenocarcinoma sebáceo /2 Melanoma in situ /3 Melanoma maligno, SOE /3 Leiomiossarcoma, SOE /3 Sarcoma de Kaposi total C48 Retroperitônio e peritônio 8800/3 Sarcoma, SOE /3 Lipossarcoma, SOE /3 Lipossarcoma bem diferenciado /3 Lipossarcoma mixóide total C49 Tecido conjuntivo, subcutâneo e outros tecidos moles 8852/3 Lipossarcoma mixóide /3 Leiomiossarcoma, SOE total C50 Mama 8050/3 Carcinoma, SOE /3 Adenocarcinoma mucinoso /3 Carcinoma ductal infiltrante /3 Carcinoma lobular, SOE /3 Carcinoma ductal infiltrante e lobular /3 Sarcoma fusocelular total

24 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Continuação Topografia e morfologia (CID O2) Masculino Feminino Total C51 Vulva 8010/3 Carcinoma, SOE total C52 Vagina 8010/2 Carcinoma in situ, SOE total C53 Colo do útero 8010/3 Carcinoma, SOE /3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Carcinoma de células escamosas grandes, não ceratizado /2 Neoplasia intra-epitelial, grau III, de colo uterino, vulva e vagina /2 Adenocarcinoma in situ, SOE /3 Adenocarcinoma, SOE total C54 Corpo do útero 8140/3 Adenocarcinoma, SOE total C56 Ovário 8140/3 Adenocarcinoma, SOE /3 Adenocarcinoma papilar, SOE /3 Cistadenocarcinoma seroso, SOE /3 Cistadenocarcinoma seroso de superfície /3 Cistadenocarcinoma mucinoso, SOE total C57 Outros órgãos genitais femininos e os não especificados 8010/3 Carcinoma, SOE total C60 Pênis 8070/3 Carcinoma de células escamosas total C61 Próstata 8140/3 Adenocarcinoma, SOE total C62 Testículo 9061/3 Seminoma, SOE /3 Seminoma espermatocítico /3 Carcinoma embrionário, SOE /3 Linfoma maligno não-hodgkin, SOE total 9 0 9

25 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Continuação Topografia e morfologia (CID O2) Masculino Feminino Total C64 Rim 8310/3 Adenocarcinoma de células claras, SOE /3 Carcinoma de células renais /3 Nefroblastoma, SOE total C66 Ureter 8120/3 Carcinoma de células transicionais, SOE total C67 Bexiga 8070/3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Carcinoma de células transicionais, SOE /3 Carcinoma de células transicionais fusiformes /3 Carcinoma papilar de células transicionais /3 Adenocarcinoma, SOE total C69 Olho e anexos 8910/3 Rabdomiossarcoma embrionário total C71 Encéfalo 9391/3 Ependimoma, SOE /3 Ependimoma anaplásico /3 Astrocitoma, SOE /3 Glioblastoma, SOE /3 Oligodendroglioma, SOE /3 Meduloblastoma, SOE total C72 Medula espinhal, nervos cranianos e outras partes do sistema nervoso central 9473/3 Tumor neuroectodérmico primitivo total C73 Glândula tiróide 8020/3 Carcinoma indiferenciado, SOE /3 Carcinoma papilar, SOE /3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Adenocarcinoma papilar, SOE /3 Adenoma folicular total C76 Outras localizações e localizações mal definidas 8020/3 Carcinoma indiferenciado, SOE total 1 0 1

26 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de Continuação Topografia e morfologia (CID O2) Masculino Feminino Total C77 Linfonodos(Gânglios linfáticos) 9591/3 Linfoma maligno não-hodgkin, SOE /3 Doença de Hodgkin, celuridade mista, SOE /3 Doença de Hodgkin, depleção linfocítica, SOE /3 Doença de Hodgkin, predominância linfocítica, SOE /3 Doença de Hodgkin, esclerose nodular, SOE /3 Linfoma maligno de células grandes, difuso, SOE /3 Linfoma maligno linfoblástico total C80 Localização primária desconhecida 8000/3 Neoplasia maligna /3 Carcinoma, SOE /3 Carcinoma de células escamosas, SOE /3 Adenocarcinoma, SOE total

27 Registro Hospitalar de Câncer/21 -SHBSVP - Dados de TABELA XI Neoplasias malignas por localização topográfica (CID O2) sexo e idade no HSVP-1996 Localização topográfica(cid O2) SEXO TOTAL C01 Base da língua F T C05 Palato M T C06 Outras partes e partes não M especificadas da boca F T C07 Glândula parótida M T C10 Orofaringe M T C11 Nasofaringe F T C13 Hipofaringe M T C14 Outras localizações, e as mal M definidas, do lábio cavidade oral e faringe T

28 Registro Hospitalar de Câncer/21 -SHBSVP - Dados de Continuação Localização topográfica(cid O2) SEXO TOTAL C15 Esôfago M F T C16 Estômago M F T C17 Intestino delgado M F T C18 Cólon M F T C19 Junção retossigmoidiana M F T C20 Reto M F T C22 Fígado e vias biliares intra-hepáticas M F T C23 Vesícula biliar M F T

29 Registro Hospitalar de Câncer/21 -SHBSVP - Dados de Continuação Localização topográfica(cid O2) SEXO TOTAL C24 Outras partes e partes não específicas M das vias biliares T C25 Pâncreas M F T C31 Seios da face M T C32 Laringe M F T C34 Brônquios e pulmões M F T C37 Timo F T C38 Coração, mediastino e pleura F T C40 Ossos articulações e cartilagens F articulares dos membros T C41 Neoplasia maligna dos ossos e das M cartilagens articulares e de localizações F não especificadas T

30 Registro Hospitalar de Câncer/21 -SHBSVP - Dados de Continuação Localização topográfica(cid O2) SEXO TOTAL C42 Sistemas hematopoético e M reticuloendotelial F T C44 Pele M F T C48 Retroperitônio e peritônio M F T C49 Tecido conjuntivo, subcutâneo F e outros tecidos moles T C50 Mama M F T C51 Vulva F T C53 Colo de útero F T C54 Corpo do útero F T C56 Ovário F T

31 Registro Hospitalar de Câncer/21 -SHBSVP - Dados de Continuação Localização topográfica(cid O2) SEXO TOTAL C57 Outros órgãos genitais femininos F e os não especificados T C60 Pênis M T C61 Próstata M T C62 Testículo M T C64 Rim M F T C66 Ureter M T C67 Bexiga M F T C69 Olho e anexos M T C71 Encéfalo M F T

32 Registro Hospitalar de Câncer/21 -SHBSVP - Dados de Continuação Localização topográfica(cid O2) SEXO TOTAL C72 Medula espinhal, nervos M T C73 Glândula Tiróide M F T C74 Glândula supra-renal F T C76 Outras localizações e F localizações mal definidas T C77 Linfonodos(gânglios linfáticos) M F T C80 Localização primária desconhecida M F T

33 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de APRESENTAÇÃO DOS DADOS DO ANO DE 1997 REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER - HSVP

34 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA XII Distribuição das neoplasias malignas cadastradas segundo a localização topográfica e sexo no HSVP-1997 Localização topográfica Masculino Femenino Total (CID O2) f % f % f % C00 Lábio 1 0,3 0 0,0 1 0,1 C01 Base da língua 3 0, ,4 C03 Gengiva 1 0,3 0 0,0 1 0,1 C04 Assoalho da boca 1 0,3 0 0,0 1 0,1 C06 Outras partes e partes não especificadas da boca 2 0,5 0 0,0 2 0,3 C07 Glândula parótida 0 0,0 1 0,3 1 0,1 C08 Amígdala 2 0,5 2 0,7 4 0,6 C10 Orofaringe 5 1,4 0 0,0 5 0,7 C11 Nasofaringe 0 0,0 1 0,3 1 0,1 C12 Seio piriforme 1 0,3 0 0,0 1 0,1 C13 Hipofaringe 6 1,6 0 0,0 6 0,9 C15 Esôfago 16 4,3 5 1,7 21 3,1 C16 Estômago 29 7,9 16 5,3 45 6,7 C17 Intestino delgado 2 0,5 1 0,3 3 0,4 C18 Cólon 14 3,8 17 5,6 31 4,6 C19 Junção retossigmoidiana 3 0,8 2 0,7 5 0,7 C20 Reto 8 2,2 8 2,7 16 2,4 C21 Ânus e canal anal 1 0,3 2 0,7 3 0,4 C22 Fígado e vias biliares intra-hepáticas 4 1,1 1 0,3 5 0,7 C23 Vesícula biliar 4 1,1 1 0,3 5 0,7 C25 Pâncreas 8 2,2 6 2,0 14 2,1 C30 cavidade nasal e ouvido médio 1 0,3 0 0,0 1 0,1 C31 Seios da face ,3 2 0,3 C32 Laringe 12 3,3 4 1,3 16 2,4 C34 Brônquios e pulmões 57 15, , ,9 C37 Timo 1 0,3 0 0,0 1 0,1 C38 Coração, mediastino e pleura 0 0,0 2 0,7 2 0,3 C40 Ossos, articulações e cartilagens articulares dos membros 2 0,5 2 0,7 4 0,6 C41 Neoplasia maligna ossos,cartilagens, articula. outras loc. não-especificadas 0 0,0 1 0,3 1 1,1 C42 Sistemas hematopoético e reticuloendotelial 20 5,4 24 8,0 44 6,6 C44 Pele 29 7,9 14 4,7 43 6,4 C48 Retroperitônio e peritônio 1 0,3 1 0,3 2 0,3 C49 Tecido conjuntivo, subcutâneo e outros tecidos moles 0 0,0 2 0, C50 Mama 0 0, , ,5 C52 Vagina ,0 3 0,4 C53 Colo de útero ,0 36 5,4 C54 Corpo de útero ,7 2 0,3 C56 Ovário ,3 10 1,5 C58 Placenta 0 0,0 4 1,3 4 0,6 C60 Pênis 1 0, ,1 C61 Próstata 52 14, ,8 C62 Testículo 7 1, ,0 C63 Outros orgãos genitais masculinos 1 0,3 0 0,0 1 0,1 C64 Rim 11 3,0 5 1,7 16 2,4 C65 Pelve renal 1 0,3 0 0,0 1 0,1 C67 Bexiga 18 4,9 1 0,3 19 2,8 C71 Encéfalo 14 3,8 5 1,7 19 2,8 C73 Glândula parótida 2 0,5 3 1,0 5 0,7 C74 Glândula supra-renal 0 0,0 1 0,3 1 0,1 C75 Outras glândulas endocrinas e estruturas relacionadas 0 0,0 1 0,3 1 0,1 C77 Linfonodos(gânglios linfáticos) 17 4,6 4 1,3 21 3,1 C80 Localização primária desconhecida 9 2,4 6 2,0 15 2,2 TOTAL f = frequência Nesta tabela, observa-se como localizações topográficas mais freqüentes, brônquios e pulmões (15,5%), mama(10,5%), e próstata (7,8%) que correspondem em conjunto a 33,84% das neoplasias cadastradas. Fonte:RHC/HSVP

35 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA XIII Distribuição de neoplasias malignas mais freqüentes em homens segundo a localização topográfica no HSVP Localização topográfica (CID O2)_ f % C34 Brônquios e pulmões 57 15,5 C61 Próstata 52 14,1 C16 Estômago 29 7,9 C44 Pele 29 7,9 C42 Sistema hematopoético e reticuloendotelial 20 5,4 C67 Bexiga 18 4,9 C77 Linfonodos 17 4,6 C15 Esôfago 16 4,3 C18 Cólon 14 3,8 C71 Encéfalo 14 3,8 Outros ,7 Total f= Freqüência São apresentadas as localizações topográficas mais freqüentes em homens, sendo que as três topografias mais freqüentes, brônquios e pulmões (15,5%), próstata (14,1%) e estômago (7,9) correspondem a 37,5 do total. Neoplasias malignas mais freqüentes em homens no HSVP 1997 Outros 27,7 Topografias Encéfalo Cólon Esôfago Linfonodos Bexiga 3,8 3,8 4,3 4,6 4,9 Sistema hematopoético e reticuloendotelial 5,4 Pele Estômago 7,9 7,9 Brônquios e pulmões ^ Próstata 14,1 15, Freqüência relativa homens Fonte:RHC/HSVP

36 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA XIV Distribuição das neoplasias malignas mais freqüentes em mulheres segundo a localização topográfica no HSVP-1997 Localização topográfica (CID O2) f % C50 Mama 70 23,3 C34 Brônquios e pulmões 36 12,0 C53 Colo de útero 36 12,0 C42 Sistemas hematopoético e reticuloendotelial 24 8,0 C18 Cólon 17 5,6 C16 Estômago 16 5,3 C44 Pele 14 3,3 C56 Ovário 10 3,3 C20 Reto 8 2,7 C80 Localização primária desconhecida 6 2,5 Outros 64 21,3 Total f = freqüência A semelhança da tabela II são apresentadas as topografias mais freqüentes no sexo feminino, onde mama(23.0%), brônquios e pulmões (12,0%) e colo de útero (12,0%) corresponem a 47,0% do total. Neoplasias mais freqüentes em mulheres no HSVP em 1997 Outros 21,3 Topografias Localização primária desconhecida Reto Ovário Pele Estômago Cólon 2,5 2,7 3,3 3,3 5,3 5,6 Sistemas hematopoético e reticuloendotelial 8,0 Colo de útero Brônquios e pulmões 12,0 12,0 Mama 23,3 Freqüência relativa mulheres Fonte:RHC/HSVP

37 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA XV Distribuição dos casos de neoplasias malignas segundo a faixa etária e sexo no HSVP-1997 Faixa Etária Masculino Feminino Total f % f % f % ,6 5 1,7 11 1, ,5 5 1,7 7 1, ,0 3 1,0 3 0, ,8 1 0,3 4 0, ,8 4 1,3 7 1, ,5 4 1,3 6 0, ,1 15 5,0 19 2, ,3 20 6,6 32 4, ,3 22 7,3 38 5, , ,6 61 9, ,9 28 9, , , ,3 65 9, , , , ,9 29 9, , ,3 24 8,0 62 9, ,2 13 4,3 47 7, ,4 16 5,3 36 5,4 TOTAL f = freqüência A tabela IV mostra que 59.6% dos casos ocorreram dos 50 aos 74 anos de idade e apenas 4,62% dos casos antes dos 25 anos de idade. Neoplasias malignas segundo sexo e idade ,0 16,3 20,1 20,0 Mulheres Homens 1,7 1,7 1,0 0,3 0,5 0,0 1, ,8 1, ,8 1, , ,0 6,6 1, ,3 3, ,6 4, ,3 7, ,3 10, , , ,9 8, , ,3 9,2 5, , ,0 10,0 5,0 0,0 Homens Mulheres Fonte:RHC/HSVP

38 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA XVI Distribuição dos casos de neoplasias malignas segundo base mais importante para diagnóstico no HSVP Base mais importante para diagnóstico f % Histologia do tumor primário ,4 Histologia da metástase 75 11,2 Citologia e hematologia 2 0,3 Exames clínicos 9 1,3 Cirurgia exploratória ou necropsia 4 0,6 Testes específicos (bioquímica / imunológica 1 0,1 Anamnese e exame físico 0 0 Necropsia com histologia ou histologia prévia 0 0 Total f = freqüência Dos casos de neoplasias malignas, 97.60% tem diagnóstico confirmado por método histológico no HSVP Neoplasias malignas segundo base mais importante para diagnóstico no HSVP 1997 Necropsia com histologia ou histologia prévia 0 Anamnese e exame físico 0 Testes específicos (bioquímica / imunológica) 0,1 Cirurgia exploratória ou necropsia 0,6 Exames clínicos 1,3 Citologia e hematologia 0,3 Histologia da metástase 11,2 Histologia do tumor primário 86, Fonte:RHC/HSVP Freqüência relativa

39 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA XVII Distribuição dos casos de neoplasias malignas cadastrados segundo a clínica responsável pelo primeiro atendimento no HSVP Clínica f % Cirurgia geral ,6 Oncologia 84 12,6 Neurologia 66 9,9 Cirurgia de cabeça e pescoço 57 8,5 Cirurgia urológica 55 8,2 Pneumologia 37 5,5 Hematologia 37 5,5 Cirurgia ginecológica 36 5,4 Neurologia 24 3,6 Clinica médica 24 3,6 Cirurgia Cardiotorácica 16 2,4 Ortopedia e traumatologia 15 2,2 Cirurgia plástica e reparadora 15 2,2 Gastroenterologia 12 1,8 Urologia 12 1,8 Neurocirurgia 9 1,3 Ginecologia 7 1,0 Cardiologia 5 0,7 Nefrologia 4 0,6 Cirurgia pediátrica 3 0,4 TOTAL f = freqüência Nesta tabela, tem-se a a porta de entrada do paciente no hospital. A cirurgia(22,6%), a oncologia(12,6%) e a mastologia(9,9%) são responsáveis por (45,10%) das internações. Neoplasias malignas segundo clínica responsável pelo primeiro atendimento no HSVP 1997 Clínicas Cirurgia pediátrica Nefrologia Cardiologia Ginecologia N eurocirurgia Urologia G astroenterologia Cirurgia plástica e reparadora Ortopedia e traum atologia Cirurgia Cardiotoráxica Clínica m édica N eurologia Cirurgia ginecológica Hematologia Pneum ologia Cirurgia urológica Cirurgia de cabeça e pescoço M astologia O ncologia Cirurgia geral 0,4 0,6 0,7 1,0 1,3 1,8 1,8 2,2 2,2 2,4 3,6 3,6 5,4 5,5 5,5 8,2 8,5 9,9 12,6 22,6 Fonte:RHC/HSVP 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 Freqüência relativa

40 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA XVIII Distribuição de casos tratados de neoplasias malignas segundo o estado da doença ao final do tratamento no HSVP Estado da doença f % Doença estável ,2 Sem evidência da doença ,6 Óbito 80 12,0 Doença em progressão 31 4,6 Fora de possibilidade terapêutica 7 1,0 Remissão parcial 3 0,4 Sem informação 11 1,6 Não se aplica 3 0,4 Total f = freqüência Neoplasias malignas segundo estado da doença no final do tratamento no HSVP 1997 Não se aplica Sem informação Remissão parcial Fora de possibilidade terapëutica Doença em progressão ^ 0,4 1,6 0,4 1,0 4,6 Óbito 12,0 Sem evidência da doença Doença estável 39,6 40,2 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 Freqüência relativa Fonte:RHC/HSVP

41 Registro Hospitalar de Câncer/21 - SHBSVP - Dados de TABELA XIX Distribuição das neoplasias malignas tratadas na instituição, de acordo com o primeiro tratamento instituído no HSVP Tratamento Recebido f % Cirurgia ,9 Quimioterapia Cirurgia + quimioterapia 71 10,6 Outros 61 9,1 Nenhum 38 5,7 Cirurgia + outros 22 3,3 Cirurgia + hormonioterapia 15 2,2 Outros + quimioterapia 11 1,6 Outros + quimioterapia + hormonioterapia 7 1 Quimioterapia + outros 7 1 Quimioterapia + cirurgia 5 0,7 Cirurgia + quimioterapia + outros 5 0,7 Outros + cirurgia 3 0,4 Quimioterapia + hormonioterapia 2 0,3 Hormonioterapia 2 0,3 Cirurgia + hormonioterapia + quimioterapia 1 0,1 Quimioterapia + cirurgia + outros 1 0,1 Quimioterapia + cirurgia + hormonioterapia + outros 1 0,1 Cirurgia + hormonioterapia 1 0,1 Outros + quimioterapia + hormonioterapia 1 0,1 Cirurgia + outros + quimioterapia 1 0,1 TOTAL f = freqüência TABELA XX Distribuição dos casos em acompanhamento e percentual dos casos perdidos no HSVP-1997 f % Pacientes em acompanhamento Percentual dos casos perdidos ,9 Total f = freqüência

Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com.

Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com. HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO DA SOCIEDADE HOSPITALAR BENEFICENTE SÃO VICENTE DE PAULO Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (54)316.4000 e Fax.: (54) 316.4020 End. Eletrônico:

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer

Registro Hospitalar de Câncer HSVP Registro Hospitalar de Câncer 2015 Passo Fundo / RS - Brasil HSVP REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Relatório anual Dados coletados de 2012 2015 PASSO FUNDO / RS - BRASIL Associação Hospitalar Beneficente

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer

Registro Hospitalar de Câncer Registro Hospitalar de Câncer 2010 Passo Fundo / RS - Brasil REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Relatório anual Dados coletados de 2010 2010 PASSO FUNDO / RS - BRASIL Associação Hospitalar Beneficente São

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2)

COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2) Anexo COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2) Os Registros Hospitalares de Câncer utilizam para codificar os tumores (topografia e histologia),

Leia mais

REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DADOS DE 2004

REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DADOS DE 2004 HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DADOS DE CURITIBA - PR 8 HOSPITAL DE CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Serviço de

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

Palato duro. Palato, SOE. Palato, lesão sobreposta do

Palato duro. Palato, SOE. Palato, lesão sobreposta do C00 C000 C001 C002 C003 C004 C005 C006 C008 C009 C01 C019 C02 C020 C021 C022 C023 C024 C028 C029 C03 C030 C031 C039 C04 C040 C041 C048 C049 C05 C050 C051 C052 C058 C059 C06 C060 C061 C062 C068 C069 C07

Leia mais

REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO. PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro.

REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO. PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro. REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro. ANO DE 2009 REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO endereço: www.croc.min-saude.pt email: ror@ipocoimbra.min-saude.pt RESPONSÁVEIS

Leia mais

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011 H Convencionados Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010 7 11 de Fevereiro de 2011 Título Actividade cirúrgica dos Convencionados Versão V1 Autores Unidade Central de Gestão

Leia mais

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÕES PADRONIZADAS UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS - 10ª Revisão (CID-10) CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO. PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro.

REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO. PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro. Edição revista REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO PORTARIA Nº. 35/88 de 16 de Janeiro. ANO DE 2008 REGISTO ONCOLÓGICO REGIONAL REGIÃO CENTRO (*) tempo parcial endereço: www.croc.min-saude.pt email:

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DO CÂNCER NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FATORES DE RISCO MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER/CONPREV SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE / FUNDAÇÃO ONCOCENTRO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE / PRO-AIM FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. RELATO DA IMPLANTAÇÃO DO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER NO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. COORDENADOR Prof a. Dr a. Denise Siqueira de Carvalho AUTOR

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br C00-D48 CAPÍTULO II : Neoplasmas (Tumores) C00.0 Lábio superior externo C00.1 Lábio inferior externo C00.2 Lábio externo, não especificado C00.3 Lábio superior, face interna C00.4 Lábio inferior, face

Leia mais

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÕES PADRONIZADAS UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS - 10ª Revisão (CID-10) CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

Assunto: Atendimento a pacientes corn Neoplastia Maligna pelo SUS.

Assunto: Atendimento a pacientes corn Neoplastia Maligna pelo SUS. ESTADO OE SAO PAULO - BRASIL Prefeitura Municipal de Limeira Gabinete do Prefeito A / C"tAh S LA DASASS 0EaJlt/ Limeira, 16 de outubro de 2014. OF. CM. n 2718/2014 A Sua Excelencia o Senhor RONEI COSTA

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO

BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 2 BENTO GONÇALVES RELATÓRIO EPIDEMIOLÓGICO MORTALIDADE POR NEOPLASIAS SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE - SIM 8ª REVISÃO 1990 a 2012 Rio Grande do Sul Bento Gonçalves Secretaria Municipal da Saúde

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO Luíse Meurer MANEJO DO CÂNCER GÁSTRICO: PAPEL DO PATOLOGISTA prognóstico Avaliação adequada necessidade de tratamentos adicionais MANEJO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

Rua Teixeira Soares, Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (0**54) e Fax.: (0**54) End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com.

Rua Teixeira Soares, Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (0**54) e Fax.: (0**54) End. Eletrônico: http: //www.hsvp.com. HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO DA SOCIEDADE HOSPITALAR BENEFICENTE SÃO VICENTE DE PAULO Rua Teixeira Soares, 808 - Centro - PASSO FUNDO / RS Telefone: (0**54)311.2000 e Fax.: (0**54) 311.6669 End. Eletrônico:

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Biomedicina (17) Ano: 2013 Semestre: 2 Período: 2 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Patologia geral Neoplasias - quarta Alunos 4º semestre Prof. Jane Maria Ulbrich Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Material utilizado em sala de aula com alunos Neoplasia Neoplasia:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P Sérgio S Arouca Mestrado em Saúde Pública P e Meio Ambiente Área de concentração: Epidemiologia Ambiental malignas entre beneficiários da Previdência

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

Biopatologia glossário Neoplasias

Biopatologia glossário Neoplasias NEOPLASIAS/LESÕES NEOPLASIFORMES/LESÕES PRECURSORAS/LESÕES PRÉ-MALIGNAS Adenocarcinoma Adenocarcinoma endometrióide Adenocarcinoma mucinoso Adenocarcinoma seroso Adenoma 1 Adenoma folicular 2 Adenoma pleomórfico

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC. Atualizado para 2015.2

CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC. Atualizado para 2015.2 CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC Atualizado para 2015.2 1ª Fase I: MED 7001 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA MEDICINA I Anatomia 48 (+12 Integr.) Fisiologia 68 (+12 Integr.) Bioquímica 62 Histologia

Leia mais

Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores

Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores Presidente do Conselho de Administração do Centro de Oncologia dos Açores Dr. Raul Rego Centro de Oncologia dos Açores Coordenador Científico do RORA Prof. Doutor Vítor Rodrigues Faculdade de Medicina

Leia mais

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JULHO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 15.985.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JULHO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 15.985.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JULHO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 15.985.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia 107.02.01.01 biópsia de pele e partes moles 39.02.01.01 Biópsia

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento

Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento Fundação Oncocentro de São Paulo Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento 2013 2º edição ÍNDICE APRESENTAÇÃO p. 03 1 ROTINAS E CONCEITOS p. 05 1.1 REGISTRO HOSPITALAR

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA Aprovado no CONGRAD: 14..06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 48 CURSO DE MEDICINA EIXOS TRANSVERSAIS E ÁREAS DO CONHECIMENTO DO CURRÍCULO PLENO ACADÊMI COS I FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DO CURSO

Leia mais

ALESSANDRA MORELLO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFSC: ANO DE 2007

ALESSANDRA MORELLO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFSC: ANO DE 2007 ALESSANDRA MORELLO REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFSC: ANO DE 2007 Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de

Leia mais

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 MED-100 - Unidades de Ensino da área de conhecimento das bases moleculares e celulares dos processos normais e alterados, da estrutura e função

Leia mais

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS SETEMBRO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 16.443.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS SETEMBRO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 16.443.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS SETEMBRO./2014.02 Proced com finalidade diagnóstica 16.443.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia 66.02.01.01 biópsia do colo uterino 4.02.01.01 Biópsia de

Leia mais

10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS -

10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - Código SUGRUPO 10101004 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - CONSULTA 10102000 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - VISITAS 10103007 PROCEDIMENTOS GERAIS - CONSULTAS - RECÉM-NASCIDO 10104003 PROCEDIMENTOS

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Vigilância do câncer no Canadá

Vigilância do câncer no Canadá 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres

Leia mais

Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância, Segunda Edição

Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância, Segunda Edição Anexos Anexo 1. Classificação Internacional do Câncer Infantil segundo Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) (KRAMÁOVÁ e STILLER, 1996) Quadro 2. Classificação Internacional do Câncer na Infância,

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

ISSN: 2183-0746. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Oncológicas. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0746. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Oncológicas. www.dgs.pt ISSN: 2183-0746 Portugal Doenças Oncológicas em números 2013 Programa Nacional para as Doenças Oncológicas www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal

Leia mais

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada SÅo Paulo, 20 de setembro de 2011 Protocolo: 0115/2011 Informo que a partir de 20/09/2011 alguns protocolos de atendimento da especialidade Cirurgia PlÑstica do Hospital das ClÖnicas foram desativados,

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Neoplasias. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias Neo (novo) plasia (crescimento, formação). Crescimento novo Massa anormal de tecido cujo crescimento excede aquele dos tecidos normais e não está coordenado

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00

10,00 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 SÉRIE TEMPORAL DAS TAXAS DE MORTALIDADE, BRUTAS E AJUSTADAS POR IDADE PELAS POPULAÇÕES MUNDIAL E BRASILEIRA, PARA TOPOGRAFIAS SELECIONADAS, ENTRE E SANTA CATARINA Taxas de mortalidade por câncer do estômago,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 02/2015 EBSERH/HE-UFPEL EDITAL N 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA NÍVEL SUPERIOR - MANHÃ

CONCURSO PÚBLICO 02/2015 EBSERH/HE-UFPEL EDITAL N 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA NÍVEL SUPERIOR - MANHÃ Gabarito Preliminar CONCURSO PÚBLICO 02/2015 EBSERH/HE-UFPEL EDITAL N 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA NÍVEL SUPERIOR - MANHÃ MÉDICO - ALERGIA E IMUNOLOGIA D A B E C D D C A B C C E A E E B B E B D A C D A MÉDICO

Leia mais

ANO VII NÚMERO 20 Dezembro 2014 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição

ANO VII NÚMERO 20 Dezembro 2014 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição Boletim Epidemiológico Núcleo Hospitalar de Epidemiologia HNSC ANO VII NÚMERO 2 Dezembro 214 Monitoramento do Câncer no Grupo Hospitalar Conceição Ivana R. Santos Varella, Pediatra, Doutora em Epidemiologia

Leia mais

CAPÍTULO 4 NEOPLASIAS

CAPÍTULO 4 NEOPLASIAS CAPÍTULO 4 NEOPLASIAS Na CID-9-MC as Neoplasias são classificadas de acordo com o seu comportamento, localização anatómica e morfologia. Este capítulo classifica os tumores benignos e malignos. Para codificar

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS (HFA)

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS (HFA) U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS (HFA) Concurso

Leia mais

Ensino. Principais realizações

Ensino. Principais realizações Principais realizações Reestruturação dos Programas de ; Início do Projeto de Educação à Distância/EAD do INCA, por meio da parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ; Três novos Programas

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

Parte II: Sumário narrativo das diretrizes práticas da NCCN PET e PET/CT

Parte II: Sumário narrativo das diretrizes práticas da NCCN PET e PET/CT Parte II: Sumário narrativo das diretrizes práticas da NCCN PET e PET/CT As diretrizes da NCCN foram revisadas em 03/02/2011 para utilização de PET e PET/CT (disponível em: http://www.nccn.org/professionals/physician_

Leia mais

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JANEIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS JANEIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS.02 Proced com finalidade diagnóstica 8.946.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia 33.02.01.01 biópsia do colo uterino 0.02.01.01 biópsia de fígado por punção

Leia mais

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide SUBSTÂNCIA LOCALIZAÇÃO INDICAÇÃO Acetato de Abiraterona Anastrozol Bicalutamida Bussulfano Metastático resistente à castração em homens que receberam quimioterapia prévia com docetaxel Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP)

Incidência das doenças oncohematológicas. destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Incidência das doenças oncohematológicas no Brasil, com destaque para os dados do Registro de Câncer de Base Populacional de São Paulo (RCBP-SP) Maria do Rosario Dias de Oliveira Latorre Professora Titular

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Sumário 1. Sistema Cardiovascular...1 2. Sistema Respiratório...27 3. Sistema Linfático e Hematopoético...57 4. Sistema Digestório...

Sumário 1. Sistema Cardiovascular...1 2. Sistema Respiratório...27 3. Sistema Linfático e Hematopoético...57 4. Sistema Digestório... Sumário 1. Sistema Cardiovascular...1 Ivan Damjanov Histologia Normal 1 Aterosclerose 2 Doença Cardíaca Coronariana 2 Hipertensão 3 Doença Cardíaca Reumática 3 Infecções do Coração 4 Cardiomiopatia 5 Tumores

Leia mais

Imuno-histoquímica - aplicações

Imuno-histoquímica - aplicações Imuno-histoquímica - aplicações diagnóstico diferencial entre neoplasias indiferenciadas pela histopatologia - casos nos quais a morfologia não permite conclusão da diferenciação do tumor Ex.: carcinoma

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES DA BOCA E OROFARINGE CONFORME A DESCRIÇÃO ANATÔMICA REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DO HOSPITAL ERASTO GAERTNER 2000 2004

CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES DA BOCA E OROFARINGE CONFORME A DESCRIÇÃO ANATÔMICA REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DO HOSPITAL ERASTO GAERTNER 2000 2004 Artigo Original CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES DA BOCA E OROFARINGE CONFORME A DESCRIÇÃO ANATÔMICA REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER DO HOSPITAL ERASTO GAERTNER 2000 2004 CLASSIFICATION OF ORAL CAVITY AND OROPHARYNX

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

13º - AUDHOSP ANO 2014

13º - AUDHOSP ANO 2014 13º - AUDHOSP ANO 2014 13º - AUDHOSP ONCOLOGIA - QUIMIOTERAPIA Aguas de Lindoia 09/2014 José dos Santos Particular: docsantos@uol.com.br Institucional: jdsantos@prefeitura.sp.gov.br ESTRUTURA DA TABELA

Leia mais