2013/2014. Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2013/2014. Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa"

Transcrição

1 PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO RESULTADOS ESCOLARES 2013/2014 Adenda ao ponto: 2. Princípios orientadores e prioridades de intervenção educativa A intencionalidade do Projeto Educativo a missão e visão definidas, bem como o diagnóstico de áreas fortes e áreasa promover, foram identificadas cinco áreas de intervenção: Resultados escolares Prestação do serviço educativo Liderança e gestão Relação Escola/Família/Comunidade Autoavaliação Em cada área de intervenção, estão identificados objetivos gerais que definem os horizontes de desenvolvimento, os objetivos operacionais, passíveis de quantificar e medir. Área de intervenção Objetivo geral - Aumentar o sucesso académico e formativo dos alunos. - Melhorar a eficácia da comunicação no Agrupamento. - Melhorar a articulação entre ciclos e departamentos. - Melhorar a monitorização global do apoio educativo. - Melhorar e diversificar a oferta educativa. Objetivo operacional - Melhorar a taxa de sucesso em todos os níveis de ensino, de acordo com as metas estabelecidas para Melhorar as competências básicas em língua portuguesa, matemática e inglês. - Promover a qualidade das aprendizagens, promovendo a aquisição efetiva de conhecimento e estimulando a diversificação das práticas pedagógicas e a inovação. - Promover a aquisição e interiorização de métodos de trabalho e de estudo. - Simplificar e agilizar a circulação da comunicação interna e externa, através da página do Agrupamento. - Articular o currículo, horizontal e verticalmente, entre os diversos níveis de educação e ensino. - Integrar nas disciplinas e áreas curriculares não disciplinares a abordagem de temáticas transversais: educação para a saúde e para a sexualidade, ambiente, cidadania, solidariedade, prevenção e segurança. - Reforçar a articulação entre os professores das atividades de enriquecimento curricular e os docentes da mesma área/disciplina. - Inovar para a qualidade, promovendo e divulgando boas práticas. -Proporcionar saídas e ofertas vocacionais/profissionais diversificadas, nomeadamente nas Artes. 1

2 AUTOAVALIA ÇÃO RELAÇÃO ESCOLA/FAMÍLIA/COMUNIDADE LIDERANÇA e GESTÃO - Otimizar a gestão dos recursos humanos, materiais e financeiros disponíveis. - Promover a formação e qualificação do pessoal docente e não docente. - Articular o processo de ensino/aprendizagem com as políticas nacionais de educação. - Organizar as instalações de forma a assegurar as necessidades das atividades propostas e de acordo com as regulamentações de higiene e segurança. - Propor prioridades para a utilização dos fundos disponíveis. - Promover a transparência e o rigor na distribuição e utilização dos recursos. - Dinamizar a organização escolar de acordo com o Projeto Educativo, o Projeto Curricular, o Regulamento Interno e o Plano Anual de Atividades. - Privilegiar o diálogo com todos os elementos da comunidade educativa. - Construir parcerias, definir protocolos e dinamizar projetos. - Promover o envolvimento dos encarregados de educação, e outros elementos da comunidade, no processo educativo e escolar. - Promover o bem-estar dos alunos e da comunidade educativa. - Incentivar o envolvimento dos encarregados de educação, promovendo atividades com a sua presença e colaboração. - Desenvolver canais de comunicação mais eficazes com os encarregados de educação e com a comunidade. - Realizar a autoavaliação do Agrupamento. - Promover o processo de avaliação contínua no Agrupamento com divulgação dos resultados da autoavaliação à comunidade educativa. - Criar e implementar uma matriz de autoavaliação. - Divulgar à comunidade o processo de autoavaliação e os relatórios elaborados. 2

3 Adenda ao ponto: Horário de funcionamento 1º Ciclo 9h00 10h00 Atividades curriculares 60m 10h00 10h30 Atividades curriculares 30m 10h30 11h00 Intervalo 30m 11h00 12h00m Atividades curriculares 60m 3h00 12h00 13h30 ALMOÇO 13h30 14h30 Atividades curriculares 60m 14h30 15h30 Atividades curriculares 60m 15h30 16h00 Intervalo 30m 2h00 5h00 16h00 16h30 16h30 17h30 Flexibilidade curricular Atividade de Enriquecimento Curricular Atividade de Enriquecimento Curricular 30m 60m Horário de funcionamento 2º e 3º Ciclos 08h30 09h20 Atividades curriculares 50m 09h20 10h10 Atividades curriculares 50m 10h30 11h20 Intervalo 20m 11h20 12h10 Atividades curriculares 50m 12h20 13h10 Atividades curriculares 50m 13h20 14h10 Atividades curriculares 50m 14h10 15h00 Atividades curriculares 50m 15h10 16h00 Atividades curriculares 50m 16h00 16h50 Atividades curriculares 50m Hora de almoço de acordo com o horário da turma 3

4 Adenda ao ponto: 3.1 Desenhos Curriculares Desenho curricular do 1º ciclo Disciplinas Nº de horas Observações Português Matemática Estudo do Meio Expressões artísticas e físico-motoras Mínimo de 7h Mínimo de 7h Mínimo de 3h Mínimo de 3h Apoio ao estudo Mínimo 1,30 Oferta complementar: Sons e Palavras 1º e 2º anos Expressão Dramática 3º ano Inglês 4º ano Mínimo 1h Em articulação actividades que promovam de forma transversal a educação para a cidadania e trabalho com as tecnologias da informação e comunicação Total (entre 22,5 e 25h) 22,30h Frequência facultativa EMR AEC 1 h De 5 a 7,5 h 1

5 3.1.2 Desenho curricular do 2º ciclo 5º Ano máx. 1350/1395m 50m 6º Ano máx. 1350/1395m 50m Línguas e estudos sociais (500m) Matemática e Ciências (350m) Educação artística e Tecnológica (270m) Português Português 5x50 = 250 5x50 = 250 (mín. 250m) Línguas e estudos (mín. 250m) sociais Inglês 3x50 = 150 Inglês 3x50 = 150 (500m) HGP 2x50 = 100 HGP 2x50 = 100 Matemática (mín. 250m) 5x50 = 250 Matemática e Ciências (350m) Matemática (mín. 250m) 5x50 = 250 Ciências Naturais 2x50 = 100 Ciências Naturais 2x50 = 100 Educação Visual Educação Visual 2x50 = 100 (min. 90m) (min. 90m) Educação artística e 2x50 = 100 Educação Tecnológica 2x50 = 100 Tecnológica (270m) Educação Tecnológica 2x50 = 100 Educação Musical 2x50 = 100 Educação Musical 2x50 = 100 Educação Física (min. 135) 3x50 = 150 Educação Física (mín. 135m) 3x50 = 150 Educação Moral e Religiosa (45m)* 1x45 = 45 Educação Moral e Religiosa (45m)* 1x45 = 45 Subtotal 1300/1345* Subtotal 1300/1345* Oferta Complementar Música e Canto 1x50 Oferta Complementar - Música e Canto 1x50 Total 1350/1395 Total 1350/1395 Apoio ao Estudo (200m)* 4x50 = 200 Apoio ao Estudo (200m) 4x50 = 200 2

6 3.1.3 Desenho curricular do 3º ciclo 7º Ano máx. 1530/1575 8º Ano máx. 1485/1530 9º Ano máx. 1485/1530 Português (mín.200m) 4x50 = 200 Português (mín.200m) 4x50 = 200 Português (mín.200m) 4x50 = 200 Línguas Estrangeiras (270m) Inglês 3x50 = 150 Línguas Estrangeiras (225m) Inglês 3x50 = 150 Línguas Estrangeiras (225m) Inglês 3x50 = 150 L. I. II 3x50 = 150 L. I. II 2x50 = 100 L. I. II 2x50 = 100 Ciências Sociais e Humanas (200m) História 2x50 = 100 Ciências Sociais e Humanas (200m) História 2x50 = 100 Ciências Sociais e Humanas (250m) História 3x50 = 150 Geografia 2x50 = 100 Geografia 2x50 = 100 Geografia 2x50 = 100 Matemática (mín.200m) 4x50 = 200 Matemática (mín.200m) 4x50 = 200 Matemática (mín.200m) 4x50 = 200 Ciências Físicas e Naturais (270m) Ciências Naturais 3x50 = 150 Ciências Físicas e Naturais (270m) Ciências Naturais 3x50 = 150 Ciências Físicas e Naturais (270m) Ciências Naturais 3x50 = 150 Físico-Química 3x50 = 150 Físico-Química 3x50 = 150 Físico-Química 3x50 = 150 Educação Visual (min. 90m) 2x50 = 100 Educação Visual 2x50 = 100 Educação Visual 2x50 = 100 Expressões e Tecnologias (300m) TIC/ Oferta de Escola - Inovação e Empreendedorismo 1x50 = 50 Expressões e Tecnologias (300m) TIC/ Oferta de Escola - Inovação e Empreendedorismo 1x50 = 50 Educação Física 3x50 = 150 Educação Física 3x50 = 150 Expressões e Tecnologias (250m) Educação Física 3x50 = 150 Educação Moral e Religiosa (45m)* 1x45 = 45 Educação Moral e Religiosa (45m)* 1x45 = 45 Educação Moral e Religiosa (45m)* 1x45 = 45 Total 1500/1545 Total 1450/1495 Total 1450/1495 3

7 Adenda ao ponto: 4 Atividades de Animação e Apoio à Família e Atividades de Enriquecimento Curricular No que se refere ao Jardim-de-infância ocorrem Atividades de Animação e Apoio à Família. Estas atividades decorrem nas Escolas Básicas do 1º ciclo do Agrupamento, tendo como entidade promotora a Câmara Municipal de Azambuja, permitindo o funcionamento das escolas até às 17h30. Pré-Escolar 1º e 2º Anos 3º e 4º Anos Atividades Físicas e Desportivas Expressão Dramática Expressão Plástica Música Atividades Físicas e Desportivas Filosofia para Crianças Música Sons e Movimento Atividades Físicas e Desportivas Filosofia para Crianças Música 4

8 Adenda ao ponto: 8 - Avaliação 8.1 Critérios Gerais de Avaliação A Lei de Bases do Sistema Educativo, Lei n.º 46/86 de14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 49/ 2005 de 30 de Agosto, estabelece para o Ensino Básico o objetivo de assegurar uma formação geral comum a todos os alunos que garanta o desenvolvimento dos seus interesses e aptidões e que promova a realização individual em harmonia com os valores da solidariedade social. A avaliação tem por objetivo a melhoria do ensino através da verificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas nos alunos e da aferição do grau de cumprimento das metas curriculares. A publicação do Despacho Normativo n.º 24-/ de dezembro materializa a execução dos princípios enunciados no Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho no que respeita à avaliação das aprendizagens e á adoção de medidas de promoção do sucesso escolar e da Lei n.º 51/2012 de 5 de setembro que aprova o estatuto do aluno do ensino básico e secundário, estabelece que a avaliação terá em conta o enunciado no parágrafo anterior e deverá privilegiar os seguintes critérios: Expressão oral e escrita em Língua Materna Compreensão / Interpretação Capacidade de análise e de síntese Aplicação de conhecimentos Progressão na aprendizagem Organização / Métodos de trabalho Participação: i) nas atividades da aula (individual, pares, grupo) ii) nos trabalhos de casa iii) nas atividades de enriquecimento Iniciativa / Interesse / Empenho Espírito crítico Aptidões e destrezas físicas Autonomia / Confiança em si próprio Sentido de responsabilidade Cumprimento de regras Respeito pelas normas cívicas e morais Autoavaliação 5

9 Critérios de Retenção A avaliação sumativa interna é da responsabilidade do professor titular de turma, no 1º ciclo, do conselho de turma sob proposta dos professores de cada área disciplinar ou disciplina, nos 2º e 3º ciclos. A. Critérios de retenção 1. Anos não terminais de Ciclo 2.º e 3.º anos a) Aluno que tiver obtido simultaneamente classificação inferior a Satisfaz nas áreas disciplinares de Português e Matemática; b) Aluno que tiver obtido classificação inferior a Satisfaz nas áreas disciplinares de Português ou de Matemática e simultaneamente nas outras áreas disciplinares. 5.º, 7.º e 8.ºanos a) Aluno que tenha três avaliações negativas quando nelas se incluir Português e Matemática; b) Aluno que tenha mais de três avaliações negativas. 2. Anos terminais de ciclo a) Aluno que tiver obtido simultaneamente classificação inferior a 3 nas áreas disciplinares ou disciplinas de Português e Matemática; 4º,6º e 9º anos b) Aluno que tiver obtido classificação inferior a 3 em três ou mais disciplinas, no caso do 6º e 9º anos, e tiver obtido classificação inferior a 3 em Português ou Matemática e simultaneamente nas outras áreas disciplinares, no 4º ano. 6

10 Avaliação final Avaliação externa B. Avaliação sumativa externa 1. Anos terminais de ciclo a) A avaliação sumativa externa é da responsabilidade do Ministério da Educação Ciência e compreende a realização de provas finais de ciclo nos 4º, 6º e 9º anos de escolaridade nas disciplinas de Português e Matemática, as quais incidem sobre os conteúdos definidos nos programas e têm como referência as metas curriculares; b) As provas finais realizam-se em duas fases com uma única chamada cada, sendo que a primeira chamada tem caráter obrigatório para todos os alunos, destinando-se a segunda fase aos alunos: i. Que faltem à primeira fase por motivos excecionais devidamente comprovados; ii. Que obtiveram uma classificação final inferior a 3 após as provas finais realizadas na primeira fase. 4º,6º e 9º anos c) A não realização das provas finais implica a retenção do aluno nos 4.º, 6.ºe 9.º anos de escolaridade, excetuando-se as situações referidas no ponto 14 do Despacho Normativo n.º 24-A/2012 de dezembro. Fórmula de classificação A classificação final a atribuir às disciplinas de Português e Matemática, é o resultado da média ponderada, com arredondamento às unidades, entre a classificação obtida na avaliação interna do 3º período da disciplina e a classificação obtida pelo aluno na prova final, sendo cotada na escala percentual de 0 a 100 e convertida na escala de níveis de 1 a 5, de acordo com a seguinte fórmula com a seguinte fórmula: CF=(7Cf+3Cp)/10 CF - Classificação Final Cf - Classificação de frequência no final do 3º período Cp - Classificação da prova final. 3. Cursos de Educação e Formação (CEF) 3.1 Critérios de retenção a) Aluno que no 2.º ano, na parte escolar e/ou no estágio, não seja assíduo; b) Aluno que não obtenha aprovação no conjunto da formação prática em contexto de trabalho (70%) com a prova de avaliação final (30%). 7

11 4. Alunos com necessidades educativas especiais de carácter prolongado (NEEcp) a) Os alunos são avaliados de acordo com os critérios de avaliação constantes no seu Programa Educativo Individual (PEI); b) Os registos trimestrais de avaliação serão elaborados de acordo com as áreas/objetivos definidos no respetivo programa; c) Os alunos dos Currículos Específicos Individuais, ainda que tendo cumprido a maior parte dos objetivos do seu PEI, poderão ficar retidos atendendo ao seu perfil psicossocial. 5. Falta de assiduidade Retenção/ Exclusão por falta de assiduidade No 1.º ciclo do ensino básico, sempre que o aluno ultrapasse o limite de faltas injustificadas (dez faltas) ou o limite de faltas injustificadas (dobro dos tempos letivos semanais) no 2.º e 3.º ciclos, devem realizar, logo que avaliados os efeitos da aplicação das medidas corretivas, um plano individual de trabalho, ocorrendo uma vez no decorrer do ano letivo, obedecendo aos seguintes critérios: a) realização em período suplementar ao horário letivo; b) a avaliação do plano individual de trabalho será definida pelo conselho pedagógico do agrupamento; c) sempre que cesse o incumprimento do dever de assiduidade por parte do aluno, o conselho de turma no final do ano letivo pronunciar-se-á sobre o efeito da ultrapassagem do limite de faltas injustificadas; d) a manutenção da situação de incumprimento do dever de assiduidade, determina que o diretor da escola, na iminência de abandono escolar, possa propor a frequência de um percurso curricular alternativo. e) o incumprimento reiterado do dever de assiduidade determina a retenção no ano de escolaridade que o aluno frequenta. 8

12 Adenda ao ponto: 8.3 Classificações quantitativas e qualitativas relativas ao 1º ciclo Níveis Menções Percentagens 1 Fraco de 0 a 19 2 Não Satisfaz 20 a 49 3 Satisfaz 50 a 69 4 Satisfaz Bem 70 a 89 5 Satisfaz Muito Bem 90 a 100 9

13 Expressões Artísticas e Físico Motoras Capacidade de compreensão das ideias essenciais em diferentes situações de comunicação Capacidade de expressão oral e escrita das diversas áreas Uso das tecnologias de comunicação e informação como ferramenta das aprendizagens Adenda ao ponto: 8.4 Parâmetros de avaliação Parâmetros de avaliação do 1º Ciclo Áreas Curriculares Português Matemática Estudo do Meio Expressões Artísticas Parâmetros Oralidade Leitura e Escrita Iniciação à Educação Literária Gramática Números e Operações Geometria e Medida Organização e Tratamento de dados À descoberta de si mesmo À descoberta dos outros e das instituições À descoberta do ambiente natural À descoberta das inter-relações entre espaços À descoberta dos materiais e objetos Jogos de exploração Jogos dramáticos Experimentação / desenvolvimento e criação musical Descoberta e organização progressiva de superfícies e volumes Exploração de técnicas diversas de expressão Domínios LP EC TCI Expressões Artísticas Perícia e manipulação Deslocamentos e equilíbrios Jogos Atividades rítmicas e expressivas Percursos na natureza Apoio ao Estudo Métodos de estudo Pesquisa e seleção de informação Autonomia Organização E.M.R.C. Sons e Palavras Expressão Dramática Inglês Aquisição de saberes: Éticos, Morais, Religiosos e Culturais Aplicação de conhecimentos Participação Estrutura espacial Orientação espacial Organização preceptiva espacial Desenvolvimento ao nível ético, pragmático, semântico, lexical, fonológico, morfosintático Jogos, improvisações, exercícios e dinâmicas de grupo A linguagem verbal e não verbal Listening Reading Speaking Atividades da aula Dominio sócio afetivo / organizativo LP - Língua portuguesa; EC Educação para a cidadania; TCI Tecnologias de comunicação e informação 10

14 Capacidade de compreensão das ideias essenciais em diferentes situações de comunicação Capacidade de expressão oral e escrita das diversas áreas Uso das tecnologias de comunicação e informação como ferramenta das aprendizagens Atividades de Enriquecimento Curricular Parâmetros Domínios LP EC TCI Atividade Física e Desportiva Assiduidade/Pontualidade Participação e empenho Interesse Desenvolvimento das capacidades físicas Relação com os colegas e professor Expressão Musical Assiduidade/Pontualidade Participação e empenho Interesse Expressão e criatividade Relação com os colegas e professor Filosofia para Crianças Assiduidade/Pontualidade Participação e empenho Interesse Saber escutar e perguntar Saber cooperar Relação com os colegas e professor Sons e Movimento Disponibilidade motora a nível do deslocamento, equilíbrios laterais e sentido rítmico. Integração espácio-temporal. Domínio de materiais e espaços. Autonomia, responsabilidade e empenho Partilha, coopera e interage LP - Língua portuguesa; EC Educação para a cidadania; TCI Tecnologias de comunicação e informação 11

15 Capacidade de compreensão das ideias essenciais em diferentes situações de comunicação Capacidade de expressão oral e escrita das diversas áreas Uso das tecnologias de comunicação e informação como ferramenta das aprendizagens Parâmetros de avaliação do 2º Ciclo Áreas Curriculares Português Inglês História e Geografia de Portugal Matemática Ciências Naturais Parâmetros Compreensão de textos orais Compreensão de textos escritos Conhecimento da estrutura e função da linguagem Capacidade de interpretar situações de comunicação Domínio das técnicas de construção de textos Compreensão de textos orais Compreensão de textos escritos Conhecimento da estrutura e função da linguagem Capacidade de interpretar situações de comunicação Domínio das técnicas de construção de textos Aquisição de conhecimentos Compreensão de conhecimentos Relacionação de dados/ Conhecimentos Participação Atitudes e Valores Compreensão de conhecimentos Aquisição de conhecimentos Aplicação de conhecimentos Cumprimento das atividades propostas Participação nas atividades letivas Compreensão de conhecimentos Aquisição de conhecimentos Aplicação de conhecimentos Cumprimento das atividades propostas Participação nas atividades letivas Domínios LP EC TCI Educação Visual Compreensão de formas, cor e técnicas Conhecimento das formas diversas de expressão Domínio progressivo de técnicas e procedimentos Valores e atitudes Conhecimento e compreensão de acontecimentos tecnológicos históricos, conceitos e técnicas Educação Tecnológica Capacidade de executar e criar projetos de natureza diversa Domínio progressivo de técnicas e procedimentos Aquisição de termos e conceitos Compreensão de termos e conceitos Aplicação de termos e conceitos Educação Musical Cumprimento das atividades propostas Reprodução / Execução rítmica e melódica Flauta/Orff Aquisição de competências essenciais em cada matéria Nível de aptidão física Conhecimentos sobre as matérias Educação Física Sentido de responsabilidade Cumprimento de regras Respeito pelas normas cívicas e morais Sentido de autonomia Higiene Pessoal Aquisição de saberes (éticos, morais, religiosos e culturais) Educação Moral e Religiosa Aplicação de conhecimentos Participação Domínio na execução vocal Correção na execução conjunta com rigor rítmico e Música e Canto melódico Cumprimento das atividades propostas LP - Língua portuguesa; EC Educação para a cidadania; TCI Tecnologias de comunicação e informação 12

16 Capacidade de compreensão das ideias essenciais em diferentes situações de comunicação Capacidade de expressão oral e escrita das diversas áreas Uso das tecnologias de comunicação e informação como ferramenta das aprendizagens Parâmetros de avaliação do 3º Ciclo Áreas Curriculares Português Inglês Francês História Parâmetros Compreensão de textos orais Compreensão de textos escritos Conhecimento da estrutura e função da linguagem Capacidade de interpretar situações de comunicação Domínio das técnicas de construção de textos Compreensão de textos orais Compreensão de textos escritos Conhecimento da estrutura e função da linguagem Capacidade de interpretar situações de comunicação Domínio das técnicas de construção de textos Compreensão de textos orais Compreensão de textos escritos Conhecimento da estrutura e função da linguagem Capacidade de interpretar situações de comunicação Domínio das técnicas de construção de textos Aquisição de conhecimentos Compreensão de conhecimentos Relacionação de dados/conhecimentos Participação Domínios LP EC TCI Aquisição de conhecimentos Aplicação de conhecimentos Geografia Participação Interesse / Empenho Domínio de técnicas gráficas Aquisição de termos e conceitos Compreensão de termos e conceitos Matemática Aplicação de termos e conceitos Cumprimento das atividades propostas Participação nas atividades letivas Aquisição de termos e conceitos Compreensão de termos e conceitos Ciências Naturais Aplicação de termos e conceitos Cumprimento das atividades propostas Participação nas atividades letivas Aquisição de termos e conceitos Compreensão de termos e conceitos Ciências Físico Químicas Aplicação de termos e conceitos Cumprimento das atividades propostas Participação nas atividades letivas Compreensão de formas, cores e técnicas Educação Visual Conhecimento de formas diversas de expressão Domínio progressivo de técnicas e procedimentos Valores e Atitudes Aquisição de competências essenciais em cada matéria Nível de aptidão física Conhecimentos sobre as matérias Educação Física Sentido de responsabilidade Cumprimento de regras Respeito pelas normas cívicas e morais Sentido de autonomia / Higiene Pessoal Aquisição de saberes (Éticos, Morais, Religiosos e Culturais) Educação Moral e Religiosa Aplicação de conhecimentos Participação Aquisição de termos e conceitos Compreensão de termos e conceitos Tecnologias de Informação e Comunicação Aplicação de termos e conceitos Cumprimento das atividades propostas Participação nas atividades letivas Aquisição de termos e conceitos Compreensão de termos e conceitos Inovação e Empreendorismo Aplicação de termos e conceitos Cumprimento das atividades propostas Participação nas atividades letivas LP - Língua portuguesa; EC Educação para a cidadania; TCI Tecnologias de comunicação e informação 13

17 Adenda ao ponto: Critérios de elaboração horários dos docentes Critérios Gerais 1. A responsabilidade última da elaboração dos horários e consequente distribuição de serviço é da competência do diretor do agrupamento. 2. A elaboração de todos os horários obedece, primordialmente, a critérios de ordem pedagógica. 3. Para a elaboração de horários são respeitados os normativos legais vigentes e o Regulamento Interno. 4. Procurar-se-á manter a continuidade do professor titular de turma, bem como do diretor de turma, desde que não haja motivos que fundamentem a sua substituição (situações registadas em documentos oficiais ou do conhecimento do diretor). 5. Sempre que possível, são constituídas equipas pedagógicas estáveis ao longo de cada ciclo. 6. A distribuição de níveis pelos vários professores do grupo de recrutamento deverá ser equilibrada. 7. O funcionamento do agrupamento é definido em função da previsão do número de turmas, número de tempos curriculares de cada ano e capacidade dos respetivos espaços. 8. O período do funcionamento dos diferentes ciclos será o seguinte: a) Pré-Escolar 9h00m às 15h30m, com interrupção para o almoço das 12h00m às 13h30m; b) 1º CEB - 9h00m às 15h30m, com interrupção para o almoço das 12h00m às 13hm30; c) 2º e 3º CEB 8h30 às 16h50, com 1h00m de interrupção para o almoço, no mínimo. 9. A apresentação de cada horário obedecerá ao esquema de blocos/tempos letivos devidamente definidos quanto ao seu início e conclusão. Horários dos alunos 1. No 2º e 3º ciclo as aulas são organizadas em tempos de 50m. 2. No horário de cada turma não podem ocorrer tempos desocupados. 3. No 2º e no 3º ciclo, a distribuição da carga horária semanal não deve ultrapassar 7 tempos letivos diários. Se tal não for possível, poderão ser ocupados outros tempos desde que dois sejam destinados a disciplinas de caráter prático. 4. A distribuição dos tempos letivos deve ser feita de forma a evitar o lecionação de disciplinas em dias consecutivos. 5. As aulas de Língua Estrangeira II não devem ser lecionadas em tempos consecutivos à Língua Estrangeira I e vice-versa. 6. As aulas educação física/desporto escolar só poderão ocorrer uma hora depois do fim do período de almoço da turma. Horários dos educadores e professores 1. O horário completo de um docente totaliza: 25 horas semanais na educação préescolar e no 1º ciclo do ensino básico e 22 horas semanais (1100 minutos) no 2º e 3º ciclo e na educação especial. 2. Podem ser utilizados até 150 minutos da componente letiva dos professores do 1º ciclo para implementação de medidas de promoção do sucesso escolar, 14

18 dinamização de atividades de enriquecimento curricular e coadjuvação quando necessário em disciplinas estruturantes. 3. Podem ser utilizados até 100 minutos da componente letiva dos professores do 2º e 3º ciclos para implementação de medidas de promoção do sucesso escolar, nomeadamente apoio ao estudo do 1º e 2º ciclos, dinamização de atividades de enriquecimento curricular no 1º ciclo e coadjuvação nas expressões artísticas ou físico-motoras. 4. O serviço docente não deve ser distribuído por mais de dois turnos por dia, exceto a participação em reuniões de caráter pedagógico. 5. O horário do docente não deve incluir mais de 3 blocos ou 6 tempos letivos consecutivos, nem mais de 8 tempos letivos diários. 6. O docente obriga-se a comunicar à direção qualquer facto que implique redução ou condicionamento na elaboração do horário. 7. O número de horas a atribuir à componente não letiva de estabelecimento de qualquer ciclo é de três horas semanais (150m). 8. Se possível, cada horário não deve ser constituído por mais de três níveis de ensino diferentes. 9. No 3º ciclo, as disciplinas de ciências físico-químicas e ciências naturais desdobram, num máximo de 100 minutos, se as turmas tiverem mais de 20 alunos. 10. Os desdobramentos referidos no número anterior devem funcionar, para cada turno, semanalmente. 15

19 Adenda ao ponto: Critérios de atribuição de horas para o exercício de cargos de coordenação educativa e supervisão pedagógica Cargos Coordenador de departamento Critérios de atribuição de tempos Até 10 docentes De 11 a 15 docentes De 16 a 20 docentes De 21 a 25 docentes Nº de tempos para exercício do cargo Componente não lectiva Tempos utilizados Redução ao abrigo do artigo 79º do ECD 3 sim sim 4 sim sim 5 sim sim 6 sim sim Coordenação técnica do Clube do desporto (legislação) 2 sim sim escolar Coordenador adjunto do clube do desporto (legislação) 2 sim sim escolar Até 10 docentes 3 sim sim De 11 a 15 Coordenação de 4 sim sim Educadores docentes Titulares de De 16 a 20 5 sim sim Turma, docentes Professores De 21 a 25 Titulares de 6 sim sim docentes Turma e Diretores De 26 a 30 de Turma 7 sim sim docentes Mais de 30 docentes 8 sim sim Direção de Turma (legislação) 2 sim sim Crédito de horas K x CAP Sim (desde que esgotadas as horas da componente não lectiva e do artigo 79º de cada docente) Professor bibliotecário (legislação) sim sim Coordenação de clubes e projetos A definir pelo agrupamento A definir pelo agrupamento sim sim Coordenação e participação nas equipas PTE A definir pelo agrupamento A definir pelo agrupamento sim sim 16

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras Inglês

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS

CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS ANO LETIVO DE 2012/2013 CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DAS TURMAS E DOS HORÁRIOS SUMÁRIO A PRINCÍPIOS GERAIS B - CRITÉRIOS

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 1. Enquadramento legal da avaliação - Decreto-Lei 138/2012,

Leia mais

ADENDA Ano letivo 2015/2016

ADENDA Ano letivo 2015/2016 ADENDA Ano letivo 2015/2016 INTENCIONALIDADE EDUCATIVA Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo 2013/2017 3.2. Desenho Curricular e Carga Horária das Ofertas Educativas do Agrupamento 3.2.1. Desenho

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO 171311 Sede Escola Secundária da Moita CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO Os Critérios de Avaliação para o 1.º ciclo do Ensino Básico foram definidos de acordo com as orientações do currículo nacional constituindo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial

Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial Critérios de avaliação dos alunos abrangidos pela Educação Especial ANO LETIVO 2015 / 2016 Departamento de Educação Especial Proposta para o Ano Letivo 2015 / 2016 Avaliação dos alunos com NEE de carácter

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 150253 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRAGA OESTE Sede: 343640 Escola dos 2.º e 3.º Ciclos de Cabreiros DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Ano lectivo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO No primeiro

Leia mais

Projeto de decreto-lei 20-08-2014 p. 1

Projeto de decreto-lei 20-08-2014 p. 1 CAPÍTULO I Objeto e âmbito Artigo 1.º Objeto O presente decreto-lei aprova um conjunto de medidas visando a introdução do Inglês como disciplina obrigatória do currículo a partir do 3.º ano de escolaridade.

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de São Gonçalo 2014-2018 Índice 1- Desenho curricular... 1 1.1- Desenho curricular do pré-escolar... 2 1.2- Desenho curricular do 1º ciclo... 3

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO (3º CICLO) 2014 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais de Língua Portuguesa e Matemática do 9º ano

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALANDROAL Ano letivo 2014/15 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALANDROAL Ano letivo 2014/15 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALANDROAL Ano letivo 2014/15 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais Área /Disciplina de Ciências Experimentais 2º e 3º Ciclo Indicadores/Parâmetros

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Escola Básica Integrada da Praia da Vitória DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Após a avaliação diagnóstica realizada para cada matéria/turma, e mediante o documento de departamento «Adaptação do Currículo

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

Instituto dos Pupilos do Exército

Instituto dos Pupilos do Exército Instituto dos Pupilos do Exército Critérios de Avaliação 015-016 Página 1 de 5 1. Introdução A aplicação de critérios de avaliação pretende refletir o resultado da apreciação clara, coerente e objetiva

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA)

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (10º, 11º e 12º anos) ENSINO SECUNDÁRIO ATITUDES E VALORES Assiduidade e Pontualidade 3% Fichas de registo de observação Responsabilidade e

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 7 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 8 MODALIDADES DE AVALIAÇÃO 8 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 10 SUPORTE LEGISLATIVO 10 AVALIAÇÃO NO ENSINO BÁSICO 11 EFEITOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS ENSINO SECUNDÁRIO REGULAR

INFORMAÇÕES GERAIS ENSINO SECUNDÁRIO REGULAR COORDENAÇÃO DE DIRECTORES DE TURMAANO COORDENAÇÃO DE D COORDENAÇÃO DE DIRECTORES DE TURMA COORDENAÇÃO DE DIRECTORES DE TURMAANO IRECTORES DE TURMA COORDENAÇÃO DE DIRETORES DE TURMA ANO LETIVO 2012 2013

Leia mais

Escola Evaristo Nogueira

Escola Evaristo Nogueira Escola Evaristo Nogueira Grupo Disciplinar de Educação Física Ano Lectivo 2014 / 2015 Critérios de Avaliação Os critérios de avaliação constituem referenciais dos professores que lecionam as disciplinas

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Projeto Curricular de Escola Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Lisboa Projeto Curricular de Escola 2 O valor das coisas não está No tempo em que elas duram,

Leia mais

Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo

Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo DGEste - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 4.º ANO Ano Letivo 2014/2015 Aulas Previstas/Ano de Escolaridade Plano de Estudo e de Desenvolvimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 2º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 2º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO Critérios de Avaliação 2º Ano Atitudes e Valores Conhecimentos e Capacidades Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010 Portaria n.º /2010 Considerando a experiência obtida pela implementação do Programa Oportunidade, Sub- Programas Integrar e Profissionalizante, enquanto programas específicos de recuperação da escolaridade,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015 Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência Introdução Os Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência dos Ensinos Básico e Secundário

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo III Regulamento da Educação e Formação de Adultos Artigo 1.º Definição 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) criados ao abrigo das portarias

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

PROJECTO CURRICULAR 1

PROJECTO CURRICULAR 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO PROJECTO CURRICULAR 1 Documento de orientação e organização pedagógica para o ano letivo 2013/14 Aprovado em Conselho Pedagógico 3 Julho 2013 1 O Projecto

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA. A minha turma é a melhor da escola

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA. A minha turma é a melhor da escola ESCOLA BÁSICA DE MAFRA A minha turma é a melhor da escola 2014-2015 1 A MINHA TURMA É A MELHOR DA ESCOLA Este projeto foi elaborado tendo em conta as áreas de intervenção prioritária do Projeto Educativo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de caráter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração de 3 anos letivos correspondentes

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

PLANOS DE ESTUDO E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO

PLANOS DE ESTUDO E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO PLANOS DE ESTUDO E DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO TRIÉNIO 2013/2016 «conjunto de decisões articuladas, partilhadas pela equipa docente de uma escola, tendentes a dotar de maior coerência a sua actuação,

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC)

Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC) Atividades de Enriquecimento do Currículo (AEC) INTRODUÇÃO: De acordo com o DL 91/2013, artº 14º e os despachos normativos da organização do ano letivo n.s 7 e 7-A/2013 e o recente despacho de organização

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 6 de junho de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho normativo n.º 4/2013 Regulamenta a avaliação e certificação

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Índice Introdução... 3 Língua Portuguesa... 3 Inglês I... 3 Francês II... 3 Espanhol... 3 Matemática...

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA

CENTRO DE FORMAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA REQUISIÇÃO que podem ser consideradas como trabalho a nível de estabelecimento, conforme a alínea d), do nº 3, do Artº 82º do ECD (DL 41/2012). 1. Ações com acreditação pelo CCPFC

Leia mais

Critérios de avaliação 2015-2016

Critérios de avaliação 2015-2016 Agrupamento de Escolas de Amareleja 3.º ciclo Critérios de avaliação 2015-2016 Nomenclatura Co dos instrumentos de avaliação Classificação Nomenclatura 0% a 19% Fraco 20% a 49% Insuficiente 50% a 69 %

Leia mais