VISTRA SPED BI: UMA NOVA PLATAFORMA PARA A INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VISTRA SPED BI: UMA NOVA PLATAFORMA PARA A INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL"

Transcrição

1 1 VISTRA SPED BI: UMA NOVA PLATAFORMA PARA A INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL Jorge Henrique Brognoli Economista e Doutor em Ciências Empresariais pela Universidade do Museu Social Argentino UMSA de Buenos Aires, Argentina. Consultor de BI Business Intelligence e MI Management Intelligence [ Brasil ] Resumo Vivemos em uma época em que cada dia novo é uma nova realidade. A obtenção de conhecimento já não se dá mais em locais fechados, pois a informação está cada vez mais ao alcance daqueles que se dispuserem a alocar um pouco de recurso na aquisição de um computador e se ligar na internet. O governo e seus órgãos de controle investem pesado em tecnologia de informação, obtendo (...) maior controle pelo cruzamento de informações entre empresas e consumidores. O mesmo precisa acontecer com as empresas, imersas em oceanos hoje ditos azuis ou vermelhos, com as consequências atuais boas ou ruins em função do que foram e fizeram, mas olhando para o futuro, e o futuro está logo ali. Uma questão vem inevitavelmente à tona, a sobrevivência da organização empresarial está cada vez mais dependente de sua capacidade de antecipar as ameaças e oportunidades que surgem no ambiente, porém, na grande maioria das organizações tudo é feito de forma intuitiva. A partir de novas metodologias mais adequadas ao novo ambiente empresarial e às novas tecnologias associadas à gestão de negócios, o conhecimento poderá ser gerado e analisado antes de poder ser comunicado e administrado, avaliando o passado e projetando o futuro para que ele seja amigável. Palavras Chaves: Business Intelligence, Software de Apoio, Serviço Público de Escrituração Digital, Vistra Sped BI, Processo de Inteligência.

2 2 1 INTRODUÇÃO Com a globalização da economia, a inovação salvadora desponta na busca de diferenciações para as empresas que se deparam com um cenário de competitividade internacional, no qual a necessidade de monitoração dos movimentos da concorrência como também a detecção de ameaças e oportunidades tornam-se vitais para o crescimento ou sobrevivência no mercado. Os bons tempos em que o ritmo dos acontecimentos eram menores não voltam mais. No entanto, para aquelas empresas que encontram uma nova forma de atuar como contrapartida a tudo que ocorre, como diminuição de barreiras econômicas, aumento do ritmo na velocidade das comunicações, os bons tempos são os tempos vindouros. Numa economia cada vez mais globalizada, há condições fundamentais para a obtenção de estratégias competitivas essenciais, eliminar desperdício, criar riqueza, compreendendo, atraindo e mantendo clientes valiosos (PORTER, 1998; WOMACK & JONES, 1998; DAY, 1999). O mundo está se rearticulando. TOYNBEE (1973) já dizia que seus netos nasceram para realizar a rearticulação do mundo após uma histórica revolução na própria constituição das relações humanas, tarefa difícil, mas urgente, indicando o abandono do proveito próprio e a mente aberta, para o qual o computador não só tornou possível grandes avanços em vários campos do conhecimento como também, juntamente com um complexo sistema de informações, possibilitaram ao homem explorar uma série de oportunidades que lhe são oferecidas e planejar efetivamente. Mas também faz um alerta porque possibilita ao homem se libertar ou se aprisionar, ou seja, tornar-se senhor ou escravo do avanço tecnológico. Dos sinais de fumaça, passando pelo telégrafo e o telefone, o computador, como instrumento e técnicas para comunicação, surgiu com uma velocidade sem precedentes e a Rede se torna um poderoso multiplicador de capital intelectual (LEVINE et al., 2000), sugerindo abaixo os negócios de forma tradicional. Esta é a grande mudança, nada mais é como era antes, confirmando o que já dizia a frase de Heráclito (540 a.c a.c.) que a única coisa permanente no universo é a mudança. A mudança como necessidade recai sobre as organizações, sem as quais elas podem se considerar exclusas, em que a busca do conhecimento é fundamental, pois para intervir e inovar, nada é mais efetivo que o conhecimento moderno (DEMO, 1997). A partir dessa nova ordem, desponta a necessidade de sistemas estruturados de obtenção de informações, que permitam a monitoração permanente do ambiente em que a empresa atua, através de processos que envolvem coleta, análise e validação das informações, como também para o atendimento das demandas dos mais diversos setores de uma organização, além de sua integração, que permite uma ampla base de conhecimento sobre o negócio. Pretendemos, com este artigo, contribuir com essa discussão, baseados na literatura, visando não somente a solução de um problema, mas a oportunidade de oferecer uma pesquisa para o entendimento prático e conceitual sobre um sistema denominado BI Business Intelligence e o Vistra Sped BI, como software inovador de aplicação de ferramentas analíticas, projetado para transformar a base de dados do SPED Sistema Público de Escrituração Digital em um grande rol de cenários, dispostos em análises e informações padronizadas de negócios, elevando a inteligência empresarial.

3 3 2 DO ERP AO BI Já não vai muito tempo quando o equipamento básico, convencional, para processamento de textos era a máquina de escrever. Quanto trabalho para se corrigir uma única letra, ou quanto papel se jogou fora ao recomeçar em função de erros de frases e concordâncias. Era um tempo de pouca ou nenhuma flexibilidade, até que surgissem líquidos corretores ou corretores de fita, que vinham instalados na própria máquina era uma maravilha. Também havia o problema da estética, dos limites de margem direita e esquerda, anunciados por um sinal sonoro com o de uma sineta, para que atentássemos que estávamos chegando na margem, tendo que arranjar uma forma de controlar os espaços para que ficasse como o que conhecemos nos textos digitados: justificado. Com a vinda do computador, houve um alívio do esforço humano em suas várias tarefas: contabilidade, controle de estoque, etc; e com isso veio o aumento da produtividade, além de flexibilidade para realizar tarefas completamente distintas, que advém da funcionalidade do software que roda nas máquinas (SAMPAIO et al., 1987). KRAINAK (1995), falando em manutenção de computadores, faz uma analogia com um carro novo, comparando a limpeza da tela do computador com o parabrisa do carro, o que nos leva a pensar que quando ligamos o mesmo, tudo o que se passa na tela tem a profundidade de uma visão até a linha do horizonte e na medida em que o carro desenvolve velocidade, vão se descortinando novas paisagens. Assim também acontece quando estamos diante de uma tela de computador e nos deparamos com atividades que envolvem alguma interação com bancos de dados. As interações são exemplos do que podemos denominar de aplicações tradicionais de banco de dados, no qual a maioria das informações são armazenadas e acessadas, em formato textual ou numérico, também podendo armazenar figuras, videoclipes e mensagens sonoras, com também sistemas de informações geográficas capazes de armazenar e analisar mapas, dados do tempo e imagens do satélite (geographic information system GIS). Também, os data warehouse (DW), os online analytical processing (OLAP) e a tecnologia de bancos de dados ativos e real time são utilizados por empresas para extrair e analisar informações dos bancos de dados para tomada de decisão e no controle de processos industriais, em que a criação e o gerenciamento de um banco de dados exige um modo diferente de pensar os negócios, sendo a habilidade de manipular uma base de dados tão significativa quanto o próprio computador (ELMARSI e NAVATHE, 2005; WEITZEN, 1991). Todo esse desenvolvimento de tecnologia computacional permitiu o surgimento de sistemas de informações mais complexos, desde os primeiros sistemas integrados da área industrial, os MRPs (Material Requirement Planing), sendo sequenciado pelo MRP II, integrando-se a área de logística, resultando em uma nova forma de lidar com sistemas de informações, essencialmente, baseado numa estrutura de dados organizada por meio de sistemas gerenciadores de banco de dados, aliados a ferramentas avançadas para o desenvolvimento de sistemas, dando origem nesta evolução dos Sistemas Aplicativos dentro das organizações ao ERP - Enterprise Resource Planning. (CAMPANARIO et al, 2004). O ERP, traduzido para Sistemas Integrados de Gestão Empresarial (SIGE ou SIG), possibilita a integração de todos os dados e processos de uma organização para um único sistema que integra os diversos departamentos, possibilitando a automação e armazenamento de todas as informações das atividades empresariais, como sistemas de: finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras, etc.

4 4 De acordo com Colangelo (2001), apud SAID (2009), a figura 1 abaixo ilustra e sintetiza a evolução das aplicações empresariais: Figura 1: Evolução das Aplicações Empresariais Fonte: Colangelo, 2001 (apud SAID, 2009) Conforme o mesmo autor, o termo ERP está associado a pacotes comerciais e, embora isto não impeça que as empresas desenvolvam internamente os seus próprios sistemas, deve-se considerar que os sistemas ERP comerciais possuem cinco características que, tomadas em conjunto, podem distingui-los: São pacotes comerciais de software; Incorporam modelos de processos de negócios (best practices); São sistemas de informação integrados e utilizam um banco de dados corporativo; Possuem grande abrangência funcional; e, Requerem procedimentos de ajuste para que possam ser utilizados em determinada empresa. O que o ERP realmente faz é organizar, codificar e padronizar os processos e dados de negócio de um grupo empresarial. (SAID, 2009), de acordo com a figura 2: Figura 2: Entrada para os sistemas Fonte: SAID, 2009

5 5 O software do ERP não é intrinsecamente estratégico; ao contrário, é uma tecnologia de suporte, um conjunto de módulos integrados de software que formam o núcleo da máquina que realiza o processamento interno de transações. (SAID, 2009). O desenvolvimento de um sistema de gestão organizacional voltado para o alto desempenho requer a identificação e a análise de todos os seus processos, o que possibilita a compreensão da organização, adequação de responsabilidades, utilização eficiente de recursos, antecipando e provendo solução dos problemas, evitando redundâncias, além de uma identificação clara dos clientes e fornecedores, cuja análise, constando no sistema de gestão, possibilita o desenvolvimento do pensamento sistêmico da empresa (CAMPANARIO et al, 2004). O avanço consistente e livre das soluções computacionais levou as empresas a adotarem modelos de gestão cada vez mais sofisticados com redução de custos, aumento da eficiência, produtividade e melhoria das margens nos negócios, levando a um novo estágio, o de Business Intelligence BI. Busines Intelligence BI, ou seja, Inteligência de Gestão, Inteligência de Negócios Ou Inteligência Empresarial refere-se ao processo de coleta, organização, análise e compartilhamento de informações, que oferecem suporte a gestão de negócios. O termo Business Intelligence nasceu em 1989, popularizado por Howard Dresner, que o descreveu como um conjunto de conceitos e métodos para melhorar a capacidade de tomada de decisões, utilizando sistemas baseados em fatos de negócio. O sucesso das empresas passa a depender mais da rapidez e da maneira como elas respondem as condições de mercado, necessitando criar um canal de dados e processos em uma única fonte da verdade, oportunizando o surgimento de empresas e softwares de BI, que se propõem a dar uma visão precisa da organização, através da combinação dos vários sistemas disponíveis. Da base ao topo, onde está o BI, segundo a proposta da empresa Avanco International, temos: Figura 3: Business Intelligence Fonte: A descrição de cada fase ou participante para chegar ao BI é apresentada a seguir. Cada componente, assinalado em negrito, tem e deve responder a sua função de forma objetiva:

6 6 Base Transacional de Dados (Transactional Database): As bases de dados transacionais contêm todas as informações operacionais da empresa, tais como: cadastros de clientes, produtos, fornecedores, pessoal, representantes, movimentos de faturas, notas fiscais, documentos de cobrança, entradas e saídas de estoque, lançamentos financeiras, registros fiscais, lançamentos contábeis, eventos de pagamento, registro de serviços, atendimento a clientes, etc. (UtiBI, 2011) ETL Extração, Transformação e Carga (Extract, Transform and Load): É uma arquitetura de Banco de Dados com informações de caráter Gerencial voltado para: Suporte à Decisão, Planejamento Estratégico, Análise do Comportamento de Clientes e Análise da Performance de Vendas. Funciona como um Provedor de Informações de uma Empresa ou Instituição, pois concentram todas as informações estratégicas e históricas, extraídas das bases de dados transacionais relativos aos Clientes, Produtos, Serviços, Fornecedores e Finanças. (UtiBI, 2011) Banco de Dados (Date Warehouse DW): É uma arquitetura de Banco de Dados com informações de caráter Gerencial voltado para: Suporte à Decisão, Planejamento Estratégico, Análise do Comportamento de Clientes e Análise da Performance de Vendas. Funciona como um Provedor de Informações de uma Empresa ou Instituição, pois concentram todas as informações estratégicas e históricas, extraídas das bases de dados transacionais relativos aos Clientes, Produtos, Serviços, Fornecedores e Finanças. (UtiBI, 2011) Gestão de Desempenho (Performance Management - PM) : Inclui atividades que garantam que as metas estão sendo atendidas de forma consistente, de forma eficaz e eficiente, podendo incidir sobre uma organização, departamento, funcionário, ou até mesmo um processo para construir um produto ou serviço, bem como muitas outras áreas. Relatórios Corporativos (Enterprise Reporting): Relatórios corporativos ou de gestão, que possibilitam o fornecimento regular de informações servindo de apoio a tomada de decisão pelos administradores, podendo ser na forma de textos, tabelas, gráficos, etc. Podem ser disseminados pela rede ou diretamente ao interessado. Mineração de dados (Data Mining): Processo de extração de conhecimento de grandes bases de dados, convencionais ou não. Utilizando técnicas de inteligência artificial, procuram relações de similaridade ou discordância entre dados. Seu objetivo é encontrar, automaticamente, padrões, anomalias e regras com o propósito de transformar dados, aparentemente ocultos, em informações úteis para a tomada de decisão e/ou avaliação de resultados.

7 7 O BI Business Intelligence é um conceito que tem como objetivo o alinhamento estratégico, tático e operacional, oferecendo recursos para as tomadas de decisões dos executivos, com informações seletivas e integradas, a partir de um banco de dados. Considerado um estado de arte por KAHRBEK (2007), que agiliza e otimiza informações a partir da tecnologia de gestão (ação humana), com metodologia de gestão, conceitos e fórmulas, enquanto que a tecnologia da informação provê a parte formal (tecnológica), com o fluxo sistêmico e cálculos automatizados, interagindo por completo. KAHRBEK (2007) classifica ainda os processos sistematizados de Business Intelligence, assim como os sistemas financeiros, em uma categoria de aplicações analíticas projetadas para medir e otimizar o desempenho financeiro e/ou estabelecer e avaliar uma estratégia de negócio da empresa. Com relação às empresas, que fornecem software de BI a nível internacional, com participação também no mercado brasileiro, a empresa americana Gartner, Inc.(NYSE: IT), empresa líder mundial em pesquisa sobre tecnologia de informação, publica anualmente a posição das empresas fornecedoras de plataformas de BI a nível mundial, baseado em pesquisa com clientes/usuários. Em Janeiro de 2011, com ano base em 2010, publicaram a posição dos principais provedores de Software de Business Intelligence: Figura 4: Provedores de Softwares de BI Fonte: Gartner Inc/2011 O Quadrante Mágico é uma representação gráfica do mercado durante um período de tempo específico, no caso da figura 4, refere-se ao período de A análise do Gartner descreve como determinados fornecedores são avaliados com base nos critérios daquele mercado, conforme definido pela Gartner. O Gartner não endossa nenhum fornecedor, produto ou serviço representado no Quadrante Mágico, e não aconselha aos usuários de tecnologia a selecionar apenas aqueles fornecedores colocados no quadrante "Líderes". O Quadrante Mágico é meramente uma ferramenta de pesquisa e não pretende ser um guia específico para ação. O Gartner renuncia quaisquer garantias, expressas ou implícitas, com

8 8 respeito a essa pesquisa, inclusive qualquer garantia de comerciabilidade ou adequação de um propósito em particular. 3. VISTRA SPED BI ARISTÓTELES (384/322 A.C.), apud MARAMALDO (1983), já dizia que o caminho para alcançar o êxito começa em termos primeiramente uma idéia definida, clara e prática: um objetivo. Em segundo lugar, possuir meios necessários para atingir esse objetivo: conhecimento, dinheiro, materiais e métodos. Em terceiro lugar, combinar todos esses elementos com criatividade. Isto se aplica a plataforma de Business Intelligence que a empresa Datacoper, através de sua coligada Vistra, está disponibilizando ao mercado brasileiro um produto projetado para transformar a base de dados do SPED Sistema Público de Escrituração Digital em um grande rol de cenários, dispostos em análises e informações padronizados dos negócios, elevando a inteligência empresarial. Por que SPED-BI? O projeto SPED Sistema Público de Escrituração Digital oficializado pelos órgãos do governo, mais especificamente o Ministério da Fazenda, através da Secretaria da Receita Federal - SRF, em janeiro/2007 trata-se de uma solução tecnológica que oficializa os arquivos digitais das escriturações fiscal e contábil dos sistemas empresais dentro de um formato digital específico e padronizado. O Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) visa promover a atuação integrada dos fiscos nas três esferas de governo (federal, estadual e municipal), uniformizar o processo de coleta de dados contábeis e fiscais, bem como tornar mais rápida a identificação de ilícitos tributários. Dentre os benefícios vislumbrados para os contribuintes, com a implantação desse sistema, destaca-se a redução de custos, além de simplificação e agilização dos processos que envolvem o cumprimento de obrigações acessórias, em um fluxo conforme a figura 5: Figura 5: Fluxograma dosistema SPED Fonte: Password Interativa Sistemas

9 9 SPED FISCAL: Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras informações de interesse dos fiscos das unidades federadas e da Secretaria da Receita Federal do Brasil, bem como de registros de apuração de impostos referentes às operações e prestações praticadas pelo contribuinte. SPED Contábil é a substituição da escrituração em papel pela Escrituração Contábil Digital (ECD), também chamada de Sped Contábil. Corresponde à obrigação de transmitir em versão digital os seguintes livros: I - livro Diário e seus auxiliares, se houver; II - livro Razão e seus auxiliares, se houver; III - livro Balancetes Diários, Balanços e fichas de lançamento comprobatórias dos assentamentos neles transcritos. Em um momento como este, em que o governo tenta imprimir um programa de qualidade e competitividade dentro do Ministério da fazenda e a respectiva Secretaria da Receita Federal, não cabe mais perguntar aos atores envolvidos, aos empresários, se gostaram da ideia, pois todo o trabalho de sensibilização foi efetuado no tempo oportuno, ocasião em que se processou o choque cultural e que continua, iniciando o processo, sem possibilidade de retorno. Antes do SPED, voltar ao tempo passado era uma oportunidade de reparar alguns detalhes da contabilidade, pois ao interferir no que foi feito, mudava-se o presente, sendo que as consequências dependiam das suas novas escolhas ao ajustar o passado, pois cada mudança que era feita, por mínima que fosse, interferia em muitas outras coisas. Hoje, tudo fica mais difícil porque as estruturas de inteligência governamental andam mais céleres do que as empresariais, ao menos para a imensa maioria das micros, pequenas e médias empresas, não mais permitindo que o empresário brasileiro se estabeleça em um ambiente de passividade com relação ao tema SPED, mas exigirá no âmbito do planejamento empresarial, um agudo senso de risco, pois o empresário habituado a uma época de crescimento constante e determinado, dirigindo seu próprio negócio de dentro para dentro de si, a um passo da obtenção de altos níveis de rentabilidade, vê-se, agora, diante de fatos inteiramente novos, em consequência, uma densa perplexidade obscurece o juízo empresarial. (VIANA, 1991). Um aviso aos navegantes empreendedores: se você não está interessado no seu balanço patrimonial, achando que é problema do seu contador, a Receita Federal está. Não é novidade a constante evolução tecnológica nos diversos segmentos da economia, mas a velocidade com que crescem as mudanças nos sistemas do governo, a exemplo da Secretaria da Receita Federal do Brasil, cria-se um contraste com o ambiente empresarial, pois nem toda a empresa tem recursos para aplicar em tecnologia de informação, e se veem obrigadas a tal devido às obrigações acessórias contábeis e fiscais que passam a serem exigidas. Uma ajuda mais direcionada se faz necessária e há uma defasagem profunda no que se refere a conhecimentos, habilidades e comportamentos, que devem ser tratados, por exemplo, como parte integrante de um processo que possibilite por sua vez desenvolver as pessoas dentro do seu ambiente de trabalho, dado as novas regras e exigibilidades dos órgãos governamentais. Nesta ótica, o VISTRA SPED BI foi projetado para transformar a base de dados do SPED em um grande rol de cenários, dispostos em análises e informações padronizadas

10 10 dos negócios, a partir das quais se pode elevar a inteligência competitiva. Prontos para serem entregues, os painéis do VISTRA SPED BI fornecem poder para o usuário, exercendo papel fundamental para consolidar e potencializar as necessidades, eliminando as defasagens. Conforme CARDOSO JÚNIOR (2005), não se chega à inteligência nos negócios pelo acesso passivo à informação ou, ainda, pelos conhecimentos transmitidos nas escolas e universidades, a inteligência precisa ser criada. Como o próprio nome já anuncia, O VISTRA SPED BI se apropria dos dados do SPED enviados pelas empresas mensalmente para a Secretaria da Receita Federal, que tem por essência, garantir a arrecadação de impostos, e formas de aumentar via aumento ou eliminação de sonegação, e a partir deles fornece inúmeros gráficos, medidores de desempenho, tabelas dinâmicas sobre o andamento de toda a organização. Com apenas alguns minutos e com poucos cliques, se descortina no parabrisa (tela) do computador todo um horizonte de desempenho da empresa, contribuindo para que se possa ver como o ente governamental vê a empresa, contribuindo para que as decisões com relação ao futuro sejam mais seguras. Por outro lado, o surgimento de um software de apoio à inteligência empresarial, desenvolvido pela empresa VISTRA SOFTWARE (www.vistra.com.br), é uma ferramenta que está em consonância com as necessidades, pois tem uma funcionalidade integrada, permitindo mineração automatizada de dados e análises ontológicos através de cockpits e outros recursos. Ou seja, se pode verificar em que medida os problemas de informações em nível empresarial passam a ser vistos pela empresa e/ou governo e, consequentemente, se passa a agir diretamente sobre os seus desempenhos e resultados futuros, a partir da estrutura como demonstra a figura 6: Figura 6: Arquitetura - Sistema Vistra de BI Fonte: Datacoper Software Para os propósitos do VISTRA SPED BI, não se leva em conta apenas os aspectos teóricos, mas tem por base o interesse das empresas de terem seus processos decisórios e operacionais alimentados com informações de qualidade, obtidas dentro de uma boa relação

11 11 custo-benefício e adaptado às necessidades do negócio de cada um. As visões personalizadas e prontas possibilitam identificar os problemas que podem influenciar o desempenho dos negócios em um processo de inteligência competitiva, ou seja, possibilita verificar em que medida os problemas de informações em nível das empresas passam a constituir gargalos para o seu desempenho. Informação e conhecimento representam patrimônios cada vez mais valiosos, dado a necessidade de se prever, compreender e responder as mudanças ambientais. A gestão do conhecimento é todo o conjunto de conceitos, recursos e mecanismos que tornam as empresas mais produtivas e competitivas, é preciso procurar formas de interação entre a ciência, a tecnologia e a educação, segundo LARA (2004), EDVINSONN (2003). O conhecimento é um fluído misto de experiências, valores, informações contextuais e ideias especializadas que oferecem um arcabouço para avaliar e incorporar novas experiências e informações. Originase nas mentes dos conhecedores nas empresas e nelas é explicado, segundo DAVEMPORT e PRUSAK (apud EDVINSONN, 2003). Neste contexto, o VISTRA SPED BI trata, neste momento, de uma situação única e inovadora, mas certamente em um futuro próximo outras plataformas de BI também o farão, seguindo o que os especialistas da empresa VISTRA SOFTWARE fizeram, a partir de um objetivo claro e único, que uma plataforma de BI possa ser aplicada diretamente a base do SPED, de forma prática e racional, a partir do entrosamento dos setores e se transformará em conhecimento, cujas funções poderão ser otimizadas em seu desempenho, dependendo do objetivo do trabalho de cada utilizador. CONSIDERAÇÕES FINAIS A área do conhecimento e da inteligência empresarial que vem sendo abordada por muitos autores, alguns citados neste artigo, além da preocupação dos empresários com relação ao tema, demonstra a importância de se viabilizar estudos para um maior entendimento e análise dos processos de Business Intelligence no âmbito das organizações. A oportunidade que surge a partir do interesse existente entre as empresas, fornecedora de plataforma de BI e utilizadores de BI, surge como fomento para os objetivos de integração entre empresa fornecedora e empresa consumidora, contribuindo para que este processo seja feito de maneira profissional, sólida e sustentável. Por outro lado, o VISTRA SPED BI permitirá às empresas entenderem melhor a sua situação como um todo, a partir dos indicadores do BI, baseados nas informações via SPED, dado a possibilidade de se estudar na forma de anteprojeto novas medidas de salvaguarda de uma empresa ou de um setor, que pode ser reestruturado com uma proposta de conceitos, ferramentas e decisões, que permitem a continuidade e a longevidade empresarial. A plena utilização o modelo do VISTRA SPED BI torna exequível a conexão entre a teoria e a prática, com um impacto significativo sobre o desempenho operacional. A grande sacada do produto está em jogar o arrocho fiscal a favor dos empresários. O que poderia ser visto como ameaça, exatamente por conta da recente onipresença do fisco, com o VISTRA BI SPED é possível ver oportunidade de evolução dos negócios. Uma ferramenta simples, rápida e bastante acessível a todos os empresários, descreve Cezar Bernardon, presidente da Vistra Software.

12 12 A continuidade da presente pesquisa possibilitará a busca de novas soluções para a gestão do conhecimento nas organizações, cujas recomendações que surgirão no desenvolvimento do processo auxiliarão as organizações com relação aos aspectos qualitativos, para o atendimento das necessidades impostas pelas exigências de novos serviços de inteligência no mundo moderno. REFERÊNCIAS AVANCO INTERNATIONAL. Business Intelligence. Acessado em 29/10/2011 as 10:38 horas. BERNARDON, CEZAR. Empresa de Tecnologia Vistra obtém sucesso no lançamento do novo produto. Acessado em 31/10/2011 as 09:59 Horas. DAY, GEORGES S. A Empresa Orientada para o Mercado: com preender, atrair e manter clientes valiosos. Porto Alegre: Bookman, CARDOSO JÚNIOR, W. F. A inteligência competitiva aplicada nas organizações do conhecimento como modelo de inteligência empresarial estratégica para implementação e gestão de novos negócios. Florianópolis: UFSC, (Tese de Doutorado em Engenharia de Produção). DEMO, PEDRO. Conhecimento Moderno: sobre ética e intervenção do conhecimento. Petrópoli, RJ: Vozes, CAMPANARIO, MILTON ABREU et al. ERP Enterprise resource Planning: Como Escolher para uma Empresa. RAI Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 5-19, EDVINSSON, L. Longitude corporativa: navegando pela economia do conhecimento. São Paulo: M. Books do Brasil, ELMARSI, RAMEZ & NAVATHE, SHANKANT B..Sistemas de bancos de Dados. São Paulo: Pearson Addison Wesley, KAHRBEK, DETLEV. Inovando e Realizando com Inteligência de Gestão. Em co-autoria com Norberto Tamborlin. São Paulo: Scortecci, KRAINAK, JOE. Guia Inclível do PC. São Paulo: Makron Books, LARA, C. R. D. de. A atual gestão do conhecimento: a importância de avaliar e identificar o capital humano nas organizações. São Paulo: Nobel, 2004.

13 13 LEVINE, RICK et al. Manifesto da Economia Digital: The Cluetrain Manifesto, o fim dos negócios como nós conhecemos. Rio de Janeiro: Campus, MARAMALDO, DIRCEU. Análise de valor (Value Analysis/Value Engineering). Rio de janeiro/rj: Livraria e Editora Ltda, PASSWORD INTERATIVA SISTEMAS. Fluxograma do Sistema SPED. %20sistema%20publico%20de%20escritura%C3%A7%C3%A3o%20digital/ Acessado em 31/10/2011 as 10:06 horas. PORTER, M. E. Competição/on competition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, REZENDE, D. A.; ABREU, A. F. de. Tecnologia da informação: aplicada a sistemas de informação empresariais. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, SAID, RICARDO ALVES. Conceitos e Caracterísiticas dos Sistemas ERP. Acessado em 28/10/2011 as 23:52 horas. SAMPAIO, MARCUSC et al. Processamento de textos: ms/dos & unix. São Paulo: MacGraw-Hill, TARGIT. Sobre o Quadrante Mágico. TARGIT/TARGIT_News/2011/02/03_Gartner-includes-TARGIT Acessado em 28/10/2011 as 23:52 TOYNBEE, ARNOLD. A Sociedade do Futuro. Rio de Janeiro: Zahar, VIANA, MARCO A. FERREIRA. Mudando Paradigmas. Rio de Janeiro: Mapa 8 Editora, UTILSOFT. BI Características Técnicas. acessado dia 29/10/2011 as 15:55 horas. WITZEN, H. SKIP. O Poder da Informação: como transformar a informação que voce domina em um negócio lucrativo. São Paulo: Makron, MacGraw-Hill, WOMACK, JAMES P. & JONES, DANIEL T. A Mentalidade Enxuta nas Empresas: elimine desperdício e crie riquezas. Campus, 1998.

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Dealer Suite SIRCPlus - SIRCFlow - SIRCSped -

Dealer Suite SIRCPlus - SIRCFlow - SIRCSped - Dealer Suite Motos SIRCPlus - ERP para Gestão de Revendas e Concessionárias SIRCFlow - Gestão de Padronização de Processos para Revendas SIRCSped - Emissor de NF-e Integrado, Sped Fiscal e Sped Contábil

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy?

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy? Por que a sua empresa merece Quem somos? A Otimizy Sistemas Inteligentes é a desenvolvedora do software ErpSoft, um Sistema de Gestão Empresarial voltado a resultados, que automatiza processos operacionais

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Solução em Software e Automação Comercial

Solução em Software e Automação Comercial Solução em Software e Automação Comercial EMPRESA A Aps Informática é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltados para a gestão empresarial localizada em Recife, Pernambuco. Desde 1992 no mercado,

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Gestão de TI Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Aula passada... Gestão do Conhecimento 08:46 2 Aula de Hoje... BI Apresentação do artigo IT doesn t matter Debate 08:48 3 Caso da Toyota Toyota Motor

Leia mais

O que é a EFD Escrituração Fiscal Digital:

O que é a EFD Escrituração Fiscal Digital: Conheça a melhor ferramenta para auditar eletronicamente seus arquivos SPED com os mesmos critérios da Fiscalização. O que é a EFD Escrituração Fiscal Digital: A EFD pode ser considerada a obrigação acessória

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com. Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.br Sistemas de Informação SE SSD/ SAE Estratégico Tipos de decisão Não

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Certificado Digital Usos e Aplicações

Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital Usos e Aplicações Certificado Digital: Onde usar? O certificado digital é um documento eletrônico que proporciona agilidade em muitas das atividades realizadas atualmente por seu titular.

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Clóvis Luís Padoveze (UNIMEP) cpadoveze@romi.com.br Resumo A característica gerencial da informação contábil determina que o sistema de informação

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios

Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios Criamos informação e conhecimento, através de nossa suíte de soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios, ajudando as pessoas a tomarem

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital

Sistema Público de Escrituração Digital O SPED O Sistema Público de Escrituração Digital tem por objetivo promover a integração entre os órgãos reguladores e de fiscalização da União, FISCOS Estaduais e futuramente Municipais. Isso mediante

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

157.78 9.467.2 568.036.8

157.78 9.467.2 568.036.8 class Sisloc { class Sisloc { Nos últimos anos, o mundo tem passado por profundas e aceleradas transformações sociais, econômicas e culturais influenciadas, principalmente, pelas conseqüências da globalização

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

www. zaninisistemas.com.br

www. zaninisistemas.com.br www. zaninisistemas.com.br Sistemas para Lojistas e Empresas Corporativas ERP Gestor Financeiro Gerenciador NF-e CRM Gestão de Clientes Gestão de Sistemas Contábeis Contabilidade Escrita Fiscal RH & Folha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Proposta de Formação Complementar: BUSINESS INTELLIGENCE E SUA APLICAÇÃO À GESTÃO Aluno: Yussif Tadeu de Barcelos Solange Teixeira

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais