CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES"

Transcrição

1 Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 5907 ABRIL 2014 Foto: Reuters / Paul Hackett BES e Microsoft Ventures Fundo promove aceleração de startups tecnológicas no Brasil CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES Candidaturas abertas até 30 de Junho

2

3 BES e Microsoft Ventures Uma iniciativa conjunta da Microsoft, do Banco Espírito Santo, da Qualcomm e da AGE-RIO visa apoiar startups brasileiras de base tecnológica em áreas-chave para o desenvolvimento do País. Saiba como se processa esta iniciativa. Entrevista Ricardo Abecassis Espírito Santo, presidente do BES Investimento Brasil explica como o lançamento do Brasil Aceleradora de Startups Fundo de Investimento em Participações pretende ajudar empreendedores a transformar ideias brilhantes em empresas de sucesso. Concurso Nacional de Inovação BES Mais uma edição do Concurso Nacional de Inovação BES está na calha. Pelo décimo ano consecutivo, o BES propõe premiar projectos inovadores que contribuem para a competitividade do País. As candidaturas decorrem até 30 de Junho, nas três categorias sectoriais a concurso. Balanço da inovação São inúmeros projectos e promotores que, ano após ano, na última década, se mobilizaram para o Concurso Nacional de Inovação BES. Muitos já voam além-fronteiras e constituem autênticos casos de sucesso na sua área de especialização. Case-study Podia tratar-se apenas da criação de 155 postos de trabalho numa região castigada pela interioridade. Mas não é. A AMS revolucionou o processo industrial tradicional de produção de papel tissue, tornando-se num caso de inovação e de sucesso na Europa.

4 FUNDO BES E MICROSOFT VENTURES Apoiar startups de base tecnológica no Brasil 4 ABR 14 É UMA INICIATIVA CONJUNTA DA MICROSOFT, DO BANCO ESPÍRITO SANTO, DA QUALCOMM E DA AGE-RIO E VISA APOIAR STARTUPS DE BASE TECNOLÓGICA BRASILEIRAS EM ÁREAS-CHAVE PARA O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS.

5 Florian Kopp / Westen 61 / Corbis / VMI Chama-se Brasil Aceleradora de Startups Fundo de Investimento em Participações (FIP) e destina-se, como o próprio nome indica, a empresas jovens e com forte potencial de crescimento. Lançado pela Microsoft Ventures e pelo BESAF Banco Espírito Santo Activos Financeiros, numa iniciativa que contou ainda com a Qualcomm e a AGE-RIO como investidores, o novo fundo de investimento tem como foco jovens empresas de base tecnológica. O objectivo último passa por contribuir para investigação e desenvolvimento no Brasil, bem como para o incremento da competitividade daquele país. A iniciativa arranca com uma dotação inicial de 10 milhões de reais (3,2 milhões de euros) e potencial para atingir até 300 milhões de reais (95,8 milhões de euros). As empresas envolvidas na iniciativa uniram esforços para que o novo fundo ofereça investimentos entre 120 mil reais (38,3 mil euros) e três milhões de reais (958 mil euros), faixa em que as startups geralmente não encontram apoio de aceleradoras ou fundos para que possam crescer. Ingressamos naquela etapa em que o capital próprio ou o chamado ff, de family and friends, não é mais suficiente para expandir o número de clientes ou iniciar um processo de internacionalização, afirma Ricardo Abecassis Espírito Santo, presidente do BES Investimento Brasil. O fundo tem como objectivo investir em startups que possam contribuir para fortalecer o tecido produtivo local, ou seja, cujas áreas de actuação estejam intimamente ligadas às especificidades económicas das regiões onde actuam. Entre as áreas estratégicas definidas contam-se a educação, defesa e segurança cibernéticas, saúde, petróleo, gás, energia, aeroespacial e aeronáutico. O fundo apoiará ainda projectos relacionados com grandes eventos desportivos, agricultura e meio ambiente, finanças, telecomunicações, mineração e tecnologias estratégicas, como a cloud, a mobilidade e a informática avançada de elevado desempenho. O foco não é a tecnologia em si, mas como uma aplicação tecnológica pode ser útil para resolver problemas. É um espectro mais amplo, afirma o responsável do BES Investimento Brasil. Para além do investimento, as startups seleccionadas contarão ainda com uma rede de parceiros para ajudar ao processo de aceleração, em áreas como a consultoria estratégica, apoio operacional, apoio tecnológico, espaço físico, business networking e apoio financeiro. Nesta primeira fase, o fundo recorrerá ao processo de selecção do Programa Startup Brasil, do Governo Federal, para atrair as startups. À Microsoft, mentora do fundo, cabe o mapeamento e seleção das startups e aceleradoras para posterior recomendação, por meio de uma apresentação técnica à BESAF, que é responsável pelo investimento e desinvestimento nas empresas e nas aceleradoras, de acordo com a política de investimento estabelecida em regulamento. Temos um compromisso com o desenvolvimento e o fomento à competividade do Brasil. A Microsoft acredita que a competitividade de uma empresa e a saúde das comunidades ao seu redor estão intimamente interligadas, e a nossa intenção é que as startups seleccionadas possam contribuir para fortalecer o arranjo produtivo local, ou seja, que as suas áreas de actuação tenham íntima conexão com a expertise económica das regiões em que actuam, comenta Mariano de Beer, presidente da Microsoft Brasil. FACTOS & NÚMEROS Nome: Brasil Aceleradora de Startups Fundo de Investimento em Participações (FIP) Objectivo: apoiar jovens empresas brasileiras de base tecnológica com forte potencial de crescimento e promover a competitividade do país Promotores/investidores: Microsoft Ventures, BESAF Banco Espírito Santo Activos Financeiros, Espírito Santo Ventures, Qualcomm e AGE-RIO Dotação inicial: 10 milhões de reais (3,2 milhões de euros), com potencial para atingir 300 milhões de reais (95,8 milhões de euros) Intervalo de investimentos: entre 120 mil reais (38,3 mil euros) e três milhões de reais (958 mil euros) Áreas estratégicas: educação, defesa e segurança cibernéticas, saúde, petróleo, gás, energia, aeroespacial e aeronáutico, grandes eventos desportivos, agricultura e meio ambiente, finanças, telecomunicações, mineração e tecnologias estratégicas, como cloud, mobilidade e informática avançada de elevado desempenho Empresas-alvo: em início de actividade ou com facturação anual entre os 120 mil reais (38,3 mil euros) e um milhão de reais (319,3 mil euros) Processo de selecção: Programa Startup Brasil, do Governo Federal 5 ABR 14

6 FUNDO BES E MICROSOFT VENTURES Critérios de selecção divididos em duas etapas SENDO UM FUNDO VOCACIONADO PARA STARTUPS, NÃO PODIA DEIXAR DE CONTEMPLAR EMPRESAS AINDA SEM FACTURAÇÃO. SÓ DEPOIS DE SUBMETIDAS A UMA ETAPA DE ACELERAÇÃO É QUE ESTAS EMPRESAS PODEM RECEBER INVESTIMENTOS DO FUNDO. 6 ABR 14 Para ser seleccionada, a startup deve apresentar uma facturação anual entre os 120 mil reais (38,3 mil euros) e um milhão de reais (319,3 mil euros), sendo o nível de maturidade da empresa que determina em que etapa de incentivo será enquadrada. Para as empresas em início de actividade, ainda sem facturação, existe uma etapa de aceleração (1.º ciclo), que será gerida pela Acelera Partners. As empresas que vencem esta etapa inicial de constituição entram numa nova etapa (2.º ciclo), para se prepararem para receber investimentos do fundo, que lhes permitam atingir os 300 mil reais de facturação (95,8 mil euros). A partir daí, as empresas que vencerem estas duas etapas estarão habilitadas a disputar o investimento do Fundo Brasil Aceleradora de Startups. Existem muitas oportunidades interessantes entre as startups mas, para além do ganho financeiro, o investimento promove o crescimento do País. O Brasil tornou-se um grande pólo tecnológico de empresas em desenvolvimento. As coisas estão a acontecer aqui e agora, e o Banco Espírito Santo quer participar activamente deste processo, esclarece o presidente do BES Investimento do Brasil, Ricardo Abecassis Espírito Santo. REDE DE ACELERADORAS E STARTUPS JÁ SELECCIONADAS As startups podem desfrutar dos investimentos por via do Fundo Brasil Aceleradora de Startups ou por meio da Acelera Partners, a rede de aceleradoras constituída pelo fundo e por sócios independentes que contribui para o fortalecimento do empreendedorismo e da inovação. A aceleradora pretende apoiar a criação e o desenvolvimento de empresas startups com elevado potencial de crescimento, não apenas no mercado local, como também no mercado global. Todo o empreendimento parte de uma plataforma de aceleração de abrangência nacional, que já nasce integrada a uma rede mundial de aceleradoras, por meio da parceria estabelecida com a Microsoft Ventures. A equipa de parceiros da Acelera Partners conta ainda com instituições com competências distintas nas suas áreas de actuação. Em causa estão áreas como a tecnologia (Microsoft Ventures e Qualcomm), as finanças e o mercado de capitais (Banco Espírito Santo e Performa Investimentos), a área jurídica (escritório jurídico Derraik & Menezes) e também o empreendedorismo e o investimento de business angels (Anjos Cariocas). Neste primeiro momento, a Acelera Partners inicia as suas actividades com duas startups : a VTX, responsável pelo desenvolvimento do aplicativo da NetShoes e da NetPharma, e a Cerensa, que faz a gestão ambiental e de sustentabilidade para clientes como a Odebrecht e a CCR.

7 BES INVESTIMENTO NO BRASIL DESDE 2000 O BES Investimento do Brasil (BESI Brasil) foi criado no segundo semestre de 2000 e é controlado pelo BES Investimento de Portugal (80%) e pelo Banco Bradesco (20%). A política de actuação do BESI no Brasil tem como enfoque as actividades de banca de investimento e abrange a prestação de serviços de assessoria financeira e estruturação de operações de project finance, típicas do sector de infra-estruturas, onde possui larga experiência local e internacional. O BESI Brasil actua ainda na gestão de recursos de terceiros e nas áreas de tesouraria e gestão de riscos, mercado de capitais, corporate finance, corretagem de títulos e valores mobiliários, private equity e gestão patrimonial. Já a BESAF BES Activos Financeiros Ltda (BESAF) é uma asset manager controlada pelo BESI Brasil e ESAF Espírito Santo Activos Financeiros (ESAF), à razão de 50% cada. Foi constituída em Maio de 2004 como uma sociedade de gestão de activos financeiros, especializada no mercado brasileiro, aproveitando a experiência internacional dos seus accionistas e a presença local de uma equipa altamente qualificada. MICROSOFT NO BRASIL DESDE 1989 Ricardo Abecassis Espírito Santo e Mariano de Beer, presidentes, respectivamente, do BES Investimento do Brasil e da Microsoft Brasil Fundada em 1989, a Microsoft Brasil possui oito escritórios em todo o País e gera localmente oportunidades directas na área da tecnologia para mais de 18 mil empresas e 424 mil profissionais. Nos últimos dez anos, a empresa investiu mais de 167 milhões de reais (53,3 milhões de euros) em projectos sociais, levando tecnologia a escolas, universidades, ONG e comunidades carentes. É uma das 110 subsidiárias da Microsoft Corporation, fundada em 1975, empresa líder mundial em software, serviços e soluções que ajudam empresas e pessoas a alcançarem o seu pleno potencial. A Microsoft Ventures (conhecida anteriormente como Microsoft Participações) é uma iniciativa global da Microsoft, que visa ajudar empreendedores a transformar ideias em grandes empresas. Trabalha com startups em todos os estágios de maturidade. A iniciativa inclui um programa comunitário, aceleradoras e capital semente. A sua abordagem ajuda as startups a dimensionar os seus negócios, levar serviços inovadores ao mercado e conquistar novos clientes. Além do Brasil, a Microsoft Ventures está presente nos Estados Unidos, Índia, Israel, Alemanha, Inglaterra, Rússia, China e França. DR 7 ABR 14 Reuters / Paulo Whitaker

8 ENTREVISTA A RICARDO ABECASSIS ESPÍRITO SANTO Presidente do BES Investimento Brasil A nossa proposta permitirá a criação de ciclos de superaceleração AJUDAR EMPREENDEDORES A TRANSFORMAR IDEIAS BRILHANTES EM EMPRESAS DE SUCESSO, ATRAVÉS DE UM MODELO QUE EXTRAPOLA O CONCEITO DE ACELERADORA. Porquê lançar o Brasil Aceleradora de Startups Fundo de Investimento em Participações (FIP)? Quais os principais objectivos deste fundo? O Brasil Aceleradora de Startups FIP tem como foco o desenvolvimento de jovens empresas de base tecnológica. A nossa proposta permitirá a criação de verdadeiros ciclos de superaceleração. Queremos ajudar empreendedores a transformar ideias brilhantes em empresas de sucesso. É um modelo novo, que extrapola o conceito de aceleradora. Outro ponto importante é que tem como foco suportar as startups num momento em que têm dificudade em encontrar investimentos no Brasil, pois necessitam de valores superiores aos que são fornecidos pelas aceleradoras actuais, porém ainda menores do que os fornecidos pelos investidores de risco. Do ponto de vista dos cotistas, o objectivo do Fundo é proporcionar a possibilidade de valorização de suas cotas por meio da aquisição, pelo Fundo, de participações em startups e em aceleradoras. 8 ABR 14 Ricardo Abecassis Espírito Santo, presidente do BES Investimento Brasil DR A iniciativa envolve a Microsoft e a BESAF, contando ainda com a Qualcomm e a AGE-RIO como investidores. Quais os critérios de selecção de parceiros e investidores? Um deles foi o alinhamento com os valores éticos e com o plano de impacto e relevância no País, bem como um compromisso com negócios sustentáveis. Considerámos a demonstração de grande comprometimento com o projecto, pois formalizaram a participação no mesmo tomando risco financeiro. E os conhecimentos técnicos desses parceiros. Quais os critérios de selecção das 12 áreas estratégicas a que o fundo se destina? A nossa intenção é que as startups seleccionadas sejam de base tecnológica e possam contribuir para fortalecer o arranjo produtivo local, ou seja, que suas áreas de actuação tenham conexão com a expertise económica das regiões onde actuam. Daí resultou a defini-

9 DR ção das 12 áreas estratégicas. Para participar da rede de aceleradoras, as empresas mais maduras precisam ter um a três anos de existência. Aquelas ainda em fase inicial devem-se enquadrar no conceito MVP (Minimum Viable Product): a empresa precisa ter desenvolvido pelo menos um protótipo de produto comercializável no mercado. Igualmente importante é que os produtos tenham potencial de comercialização para o mercado exterior. Existem ainda outros critérios a serem considerados: ter um plano de negócios que descreva como a empresa pretende escalar as suas operações para atingir massa crítica e estar pronta a comercializar os seus produtos em mercados internacionais em até 36 meses; os fundadores das startups devem dedicar-se em tempo integral às suas empresas; as startups devem estar dispostas a iniciar um processo formal de profissionalização das operações da companhia, estabelecendo processos internos e mecanismos de controlo de negócios; e prontas a receber uma primeira rodada de investimento de capital de risco em até 24 meses. Devem ainda assinar um Acordo de Accionistas e um Acordo de Investimento com a rede de aceleradoras, e demonstrarem um alto retorno de investimento para os futuros investidores. O Brasil tem tido um grande influxo de capitais estrangeiros, seja para investimentos directos, seja para investimentos financeiros, como a bolsa e outras aplicações. Qual o estado da arte da Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil? Que áreas apresentam maior dinamismo? O cenário de Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil é promissor. O que este mercado precisa é o fortalecimento do ecossistema empreendedor para potencializar e tornar a pesquisa e principalmente as patentes em produtos e serviços que tragam soluções reais para problemas reais. As universidades, incubadoras, centros ou parques de inovação tecnológica são os principais actores na geração e alimentação do ecossistema de empreendedorismo de base tecnológica. As áreas mais dinâmicas são o B2B, soluções/ apps para mobiles, e-commerce e, não menos importantes, mas não tão dinâmicas, as áreas de biotecnologia e agronegócio. Que desafios, relacionados com o contexto do País, enfrenta quem se lança no empreendedorismo de base tecnológica no Brasil? O investimento é um deles? O desafio da burocracia, o acesso ao mercado e aos clientes e o investimento, com certeza. Até o sucesso das empresas que surgiram e se desenvolveram no Silicon Valley tem relação directa com a capacidade de atraírem investidores que ajudaram a transformar ideias e pequenos projectos em grandes empresas. Em 2012, o Espírito Santo Investment Bank Brasil representou cerca de 50% dos lucros do BES Investimento. Esta proporção é um reflexo da dimensão do mercado brasileiro, ou existem outras especificidades a ter em conta na banca de investimento, face à realidade portuguesa? A dimensão do mercado brasileiro é crucial para o número de operações apresentadas e executadas pelo BESI Brasil. Outra especificidade é o seu dinamismo, assim como as grandes necessidades de uma economia ainda em estágio de desenvolvimento. O Brasil tem tido um grande influxo de capitais estrangeiros, seja para investimentos directos, seja para investimentos financeiros, como a bolsa e outras aplicações. Estes recursos acabam por gerar um maior número de operações de banco de investimento, sendo que o BE- SI Brasil tem-se conseguido posicionar muito bem para ganhar parte destes negócios. Numa óptica de investimento, como é que os investidores brasileiros olham para Portugal e como sente que os investidores portugueses olham para o Brasil? Em que áreas ou sectores identifica oportunidades para uns e para os outros? Com a recuperação da economia portuguesa, os in- vestidores brasileiros estão a mostrar-se mais interessados nas oportunidades que aparecem em Portugal, seja nas privatizações que estão para ocorrer, seja nas empresas privadas que necessitam de novos recursos para crescer. Já os investidores portugueses vêm o Brasil como um grande mercado, de 200 milhões de pessoas, com uma boa capacidade de consumo e uma classe média em crescimento, ávida por novos produtos e serviços. O Brasil também tem uma falta grande de infra-estruturas, como as rodoviárias, ferroviárias, aeroportuárias e energéticas, e as empresas portuguesas vêem boas oportunidades para oferecer os seus serviços e produtos. Como está o BES no Brasil? Quais as áreas mais e menos dinâmicas este trimestre? O primeiro trimestre do BESI Brasil correu bem e temos a confiança de que este será um bom ano. A actividade de Banco de Investimento tem a desvantagem de não ter muita receita recorrente: estamos sempre dependentes de fechar os negócios para termos receita e resultados. De qualquer maneira, a volatilidade no mercado de juros futuros e no câmbio geram boas oportunidades de negócios para os nossos clientes e para a tesouraria do banco, o que resulta em boas receitas e resultados. Já a área de Project começou o ano com vários mandatos importantes assinados e novas operações de crédito desembolsadas. Também a área de mercado de capitais domésticos, na parte de renda fixa, conseguiu fechar boas operações no primeiro trimestre. Na área de Wealth Management, que tem crescido consistentemente nos últimos trimestres, vemos um movimento de cidadãos brasileiros a querer saber mais sobre o programa de VISA Gold de Portugal, com resultados interessantes na abertura de novas contas no BES Portugal e encaminhamento de oportunidades de aquisição de imóveis em Portugal. 9 ABR 14

10 10.ª EDIÇÃO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES Reuters / Christian Charisius Dez anos a premiar a excelência na investigação MAIS UMA EDIÇÃO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES ESTÁ NA CALHA. PELO DÉCIMO ANO CONSECUTIVO, O BES PROPÕE PREMIAR PROJECTOS INOVADORES QUE CONTRIBUEM PARA A COMPETITIVIDADE DO PAÍS. CANDIDATURAS DECORREM ATÉ 30 DE JUNHO. 10 ABR 14 O Concurso Nacional de Inovação BES comemora este ano uma década. Durante dez anos consecutivos, a iniciativa promovida pelo BES vem materializando as motivações e objectivos que lhe deram origem: premiar a excelência na investigação, contribuir para uma economia mais competitiva e promover uma cultura empresarial orientada para a inovação. Dirigido a pequenas e a microempresas, e a investigadores e inventores independentes, o concurso tem como principais factores de diferenciação, face a outras iniciativas em Portugal, um alargado leque de parcerias e elevada representatividade do meio científico português, bem como a existência de categorias sectoriais, implicando uma aplicação concreta a um sector empresarial. A edição de 2014 conta com três sectores a concurso. No sector de Recursos Naturais e Ambiente incluem- -se projectos que envolvam a valorização sustentável dos recursos naturais endógenos. Incluem-se ainda as iniciativas que tragam maior valor à produção, através do desenvolvimento de actividades que utilizem de uma forma eficaz, eficiente e inovadora recursos endógenos e capacidades de investigação ligadas às actividades agrícolas, florestais, marítimas, turísticas, extractivas e energéticas (renováveis). Já o sector da Competitividade Industrial engloba processos tecnológicos de suporte à produção industrial criadora de emprego, quer em novas indústrias emergentes (como energia, água, saneamento e valorização de resíduos e bioindústrias), quer nos sectores mais tradicionais da economia (como a construção e materiais de construção, moda, calçado e automóvel). Neste sector serão aceites projectos que contemplem ainda a eficiência de consumos de materiais e energia e a gestão optimizada dos recursos produtivos. Quanto ao sector de Serviços e Tecnologias de Informação e Comunicação, abrange iniciativas que arrisquem novos modelos de negócio e novos produtos/ serviços, potenciados por aplicações de tecnologias de informação e comunicação em áreas como a saúde, educação, distribuição e logística, comércio (grosso e retalho), assim como em conceitos urbanos emergentes, por integração das áreas da Edificação, Mobilidade, Energia, Comunicações e Ambiente. As candidaturas são sujeitas a um processo de avaliação e selecção que envolve critérios como a excelência científica e carácter inovador do projecto (35%), o impacto potencial dos resultados na competitividade empresarial (45%) e a credibilidade da empresa, instituição de I&D ou inventor (20%). As candidaturas à 10.ª edição do Concurso Nacional de Inovação BES estão a decorrer até 30 de Junho. A excelência científica e o carácter inovador do projecto, o impacto na competitividade empresarial e a credibilidade da empresa, instituição ou inventor são alguns dos critérios de avaliação das candidaturas. A primeira fase da avaliação dos projectos acontece em Julho por peritos nomeados pelas universidades, a segunda fase tem lugar em Setembro pelo comité de selecção e a terceira é decidida em reunião de júri, durante o mês de Outubro. A cerimónia de entrega de prémios terá lugar no último trimestre do ano. TOTAL DE 205 MIL EUROS EM PRÉMIOS A estrutura de prémios reflecte a visão da inovação que o concurso pretende transmitir, ao envolver um prémio pecuniário por sector no valor de 25 mil euros, o apoio à protecção da propriedade intelectual, executado pelo Departamento de IP da Garrigues Portugal, no valor de 10 mil euros, e o estudo de viabilidade do negócio, da responsabilidade do Banco Espírito Santo de Investimento, no montante de 25 mil euros. Os projectos vencedores em cada sector recebem assim um prémio no valor global de 60 mil euros, sendo o melhor projecto absoluto, saído do grupo dos vencedores sectoriais, distinguido com um prémio pecuniário complementar de 25 mil euros. No total, a 10.ª edição do concurso envolve 205 mil euros em prémios. PARCEIROS O Concurso Nacional de Inovação BES conta com a parceria das principais universidades do País, a que se juntam entidades de reconhecido prestígio na sua área de actuação. Programa Estratégico para o Empreendedorismo e a Inovação (+e+i) Instituto Ibérico de Nanotecnologia Fundação Ilídio Pinho Fundação para a Ciência e a Tecnologia Associação Portuguesa de Business Angels Nokia Siemens Networks Tecmaia Grupo Lena Cotec Universidade dos Açores Universidade de Aveiro Universidade do Algarve Universidade de Coimbra Universidade Católica Universidade de Évora Universidade de Lisboa Universidade do Minho Universidade do Porto Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Instituto Politécnico de Castelo Branco Instituto Politécnico da Guarda Instituto Politécnico de Leiria COMO CONCORRER As candidaturas ao Concurso Nacional de Inovação BES são formalizadas através do preenchimento de um formulário electrónico, disponível em As dúvidas relacionadas com o concurso podem ser esclarecidas nesse mesmo site ou através do endereço de

11 SECTORES A CONCURSO EM 2014 Competitividade Industrial Recursos Naturais e Ambiente Serviços e Tecnologias de Informação e Comunicação 11 ABR 14 Reuters / Todd Korol Reuters / China Daily

12 10.ª EDIÇÃO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES Sucesso dos projectos vencedores evidenciam excelência do concurso SÃO INÚMEROS PROJECTOS E PROMOTORES QUE, ANO APÓS ANO, NA ÚLTIMA DÉCADA, SE MOBILIZARAM PARA O CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES. MUITOS VOAM ALÉM-FRONTEIRAS. O Concurso Nacional de Inovação BES é a iniciativa do banco com maior visibilidade no apoio à inovação empresarial e ao empreendedorismo, em áreas de aplicação ligadas aos recursos endógenos do País, com o objectivo de o tornar mais competitivo. Em nove edições, o concurso registou candidaturas, distinguiu 46 projectos e atribuiu 2,935 milhões de euros em prémios. Os projectos em causa foram eleitos pelo potencial de inovação baseada em conhecimento, sobretudo pelos seus resultados concretos, no curto e médio prazos, servindo de exemplo e estímulo na procura de novos modelos de competitividade, tanto para as empresas, como para as universidades e centros de investigação. Muitos são já embaixadores da excelência nacional além-fronteiras. Na edição de 2013 registaram-se 134 projectos candidatos aos quatro sectores a concurso, o que representa um acréscimo de 24 projectos face à edição anterior. O grande vencedor foi eleito no sector da Saúde, pelo desenvolvimento, por parte do Instituto de Medicina Molecular, de uma plataforma de vacinação contra a malária em humanos, doença para a qual não existe ainda registo de uma vacina eficaz. A solução encon- ECOFOOT Conquistou o grande prémio do Concurso Nacional de Inovação BES em 2011, tendo captado, posteriormente, a atenção de capitais de risco como a Texrisco e a Espírito Santo Ventures. A ECOFOOT é responsável pelo desenvolvimento de uma inovadora tecnologia de tingimento têxtil, com recurso a nanopigmentos, que permite tingir fibras celulósicas com a mesma qualidade que se obtém com os melhores corantes tradicionais, mas sem a problemática ambiental que estes representam. A spin-off da Universidade do Minho tem em curso um processo de scale up no Avepark, com o apoio de um projecto QREN, e está envolvida num consórcio europeu de candidatura a um projecto de estamparia digital, no âmbito do programa europeu H2020. Bruno Barbosa DR Jaime Rocha Gomes lidera a equipa da ECOFOOT. Nuno Sebastião, Pedro Bizarro e Paulo Marques dão a cara pela FeedZai. FEEDZAI A FeedZai foi responsável pelo desenvolvimento de uma tecnologia inovadora para processamento de grandes volumes de informação em tempo real, que conquistou o Concurso Nacional de Inovação BES em O inovador e disruptivo FeedZai Pulse garantiu-lhe ainda o título de Cool Vendor na área de business intelligence, tendo sido a única empresa não norte-americana a receber esta distinção. Foi também a primeira a conseguir financiamento directo de investidores de capital de risco norte-americanos em Portugal, nomeadamente da SAP Ventures e da Data Collective, a somar ao investimento conseguido inicialmente junto da Espírito Santo Ventures, da EDP Inovação e da Novabase Capital. Na sua carteira de clientes, a FeedZai tem empresas como a Coca-Cola, a Vodafone, a Ericsson e a SIBs Payment Solutions.

13 Gonçalo Sá foi o proponente do projecto vencedor em 2008 e que deu origem à LaserLeap Technologies. Daniela Couto, mentora da Cell2B. Bernardo S. Lobo Neves António LASERLEAP Conquistou o Concurso Nacional de Inovação BES com uma tecnologia de administração transdérmica de fármacos patenteada pela Universidade de Coimbra e licenciada, em exclusivo, à empresa LaserLeap Technologies, que dispensa a utilização de agulhas e seringas em muitas aplicações. Em causa está o recurso à luz de um laser pulsado que, ao ser absorvida por um material inovador, a converte numa onda de pressão intensa que provoca o alargamento momentâneo da estrutura da pele, tornando-a permeável às moléculas de fármacos e cosméticos. O prémio conquistado em 2008 revelou-se fundamental para a miniaturização dos lasers, para o aumento da sua portabilidade e diminuição dos custos de produção. Com o investimento em curso, a empresa pretende criar condições para se afirmar no mercado de dermatologia cosmética na Europa, nos Estados Unidos, no Brasil e no Japão. CELL2B Foi durante o terceiro trimestre de 2012 que a Cell2B vencedora do Concurso Nacional de Inovação BES em 2011 conseguiu o aumento de capital necessário para financiar o desenvolvimento da ImmuneSafe, uma nova terapia celular que promete revolucionar a vida dos doentes com sinais de rejeição após transplante de medula óssea. A empresa de biotecnologia, sediada em Cantanhede, angariou cerca de 1,2 milhões de euros para preparação do ensaio clínico a iniciar este ano. O histórico da Cell2B fica ainda marcado pela distinção atribuída pela Fundação Everis, envolvendo um prémio de 40 mil euros. trada tem por base a utilização de parasitas causadores de malária em roedores, incapazes de causar a doença em seres humanos, mas que podem ser geneticamente modificados de forma a expressarem antigénios dos seus congéneres infecciosos para humanos. No sector de Processos Industriais, o projecto destacado envolve o desenvolvimento, por cinco investigadores, de uma nova geração de supercondensadores os C2C que vêm resolver a maior dificuldade associada ao uso da electricidade: o seu armazenamento. Os inovadores supercondensadores armazenam muita energia de uma forma bastante rápida, com a vantagem de serem fabricados através de um processo simples, com recurso a materiais abundantes e pouco poluentes. Já a tecnologia ScreenWood foi a que mereceu a atenção do júri no sector de Recursos Naturais. Em causa está uma metodologia não-destrutiva, baseada numa análise por raios X, capaz de detectar as estrias características de infecção fúngica da videira. Com esta tecnologia, desenvolvida no Instituto Superior de Agronomia, é possível tomar medidas ainda no viveirista, evitando assim a difusão de uma doença grave, para a qual não existe ainda tratamento e que pode levar ao arranque de toda uma vinha. No sector de Tecnologias de Informação e Serviços o júri da nona edição do Concurso Nacional de Inovação BES distinguiu o projecto biom Wearable Gesture Recognition. A aplicação desenvolvida no Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, recorre a um têxtil inteligente aplicado na zona do antebraço, que permite a interacção com dispositivos electrónicos, como consolas, smartphones, tablets, televisões e robots, a partir de gestos simples da mão do utilizador. A projecção e mobilização conquistada pelo Concurso Nacional de Inovação BES iniciativa concebida para premiar e promover uma cultura orientada para a inovação está também patente no crescente número de parceiros que a ele associam. Entre instituições de ensino de todo o País, passando por empresas e parques tecnológicos, associações, fundações e outras entidades representativas do meio académico e empresarial português, são já 23 os parceiros envolvidos no concurso. 13 ABR 14

14 CASE-STUDY José Miranda e Paulo Santos, o presidente do Conselho de Administração com o director financeiro da AMS. A inovar da matéria-prima ao mercado PODIA TRATAR-SE APENAS DA CRIAÇÃO DE 155 POSTOS DE TRABALHO NUMA REGIÃO CASTIGADA PELA INTERIORIDADE. MAS NÃO É. A AMS É UM CASO DE INOVAÇÃO E SUCESSO NA EUROPA. FOMOS SABER PORQUÊ. 14 ABR 14 A primeira pedrada no charco começou com a decisão de localização. Ao implementar a ligação por pipeline ao fornecedor de pasta de papel, a AMS revolucionou o processo industrial tradicional, tornando-se na única unidade da indústria de papel tissue europeia com estas características. A proximidade à fábrica de pasta, a centralidade face ao mercado preferencial o ibérico e o dinamismo revelado pela autarquia local ditaram a instalação da empresa em Vila Velha de Rodão, distrito de Castelo Branco, uma região castigada pela interioridade que a empresa propôs ajudar a desenvolver. E é o que a empresa tem feito. Desde o arranque, em Agosto de 2009, a AMS criou 155 postos de trabalho directos, tendo contribuído sobretudo para a ocupação de mão-de-obra jovem (41% dos colaboradores têm menos de 30 anos) e qualificada (62% apresenta um nível de literacia igual ou superior ao 12.º ano). Contribuiu ainda para outra estatística pouco comum, e assinalável, numa unidade industrial: o rácio de colaboradores que são do género feminino ascende a 24%. No decurso da nossa curta existência, rentabilizámos a centralidade do distrito de Castelo Branco, promovemos a criação de valor, gerámos riqueza nacional, demonstrámos como gerir eficientemente os recursos públicos [QREN] e reduzimos a nossa pegada ecológica. Este foi, e continuará a ser, o nosso papel na vida, explica José Miranda, presidente do Conselho de Administração. Inspirada por Cesário Verde o obstáculo estimula, a AMS surge com a desafiante visão de ser o mais eficaz fornecedor de tissue da Península Ibérica, adianta o responsável, lembrando o investimento de grande dimensão, em que o apoio da AICEP se revelou determinante, quer no arranque, quer na consolidação internacional. POSIÇÃO DE DESTAQUE NA INDÚSTRIA DE PAPEL NACIONAL Associando a sustentabilidade económica a uma postura eco-friendly, a AMS assegurou em apenas quatro anos uma posição de destaque na indústria de papel nacional, com crescimentos sucessivos do volume de vendas e da rentabilidade. No primeiro ano completo de actividade, em 2010, a AMS-GC registou um volume de negócios de 35 milhões de euros, já com resultados positivos, um feito muito incomum em projectos startup, lembra José Miranda.

15 SUSTENTABILIDADE A CONCURSO A AMS-GC apresentou uma candidatura ao Prémio Europeu de Promoção Empresarial, na categoria de Apoio ao desenvolvimento de Mercados Ecológicos e à Eficiência dos Recursos. Realizada em parceria com a AICEP, a candidatura reflecte a visão de sustentabilidade de longo prazo, que permitiu investir no conceito de economia verde, não só por efeito de diferenciação, mas sobretudo para potenciar a sustentabilidade económica e ambiental do negócio, sustenta José Miranda. O facto de a pasta ser transportada por pipeline desde o fornecedor de pasta até à fábrica a AMS é a única fábrica na indústria de papel tissue na Europa onde isso se verifica traduz-se numa pegada ambiental inferior à dos players do sector. A minimização da pegada ambiental dá-se também por via da redução dos consumos energéticos, resultado do trabalho de uma equipa dedicada à sua optimização. E os resultados são já visíveis: desde 2012, a empresa conseguiu evitar a emissão de toneladas de CO 2. A certificação PEFC (Programme for the Endorsement of Forest Certification) garante ainda que a matéria- -prima provém de florestas sustentáveis e que a AMS-GC procura reduzir ao máximo o recurso a produtos químicos na produção de papel. Medidas que espelham o compromisso de responsabilidade social que a empresa persegue ao longo de toda a cadeia produtiva. Smart oportunity. Para a AMS, ter instalado a fábrica em Vila Velha de Ródão foi um boa jogada. A facilidade com que se consegue chegar a Espanha faz com que a empresa encare este mercado quase como sendo nacional. Fotos: Pedro Aperta FACTOS & NÚMEROS Planos de crescimento. José Miranda adianta que a empresa espera que, em 2018, as exportações pesem 35% no volume de negócios. Em 2013, a empresa viu subir o volume de negócios para os 48 milhões de euros, o que representa um crescimento de 48% face a 2010, enquanto o resultado líquido passou, no mesmo período, de 50 mil euros para 3,4 milhões de euros. Para 2018, a AMS tem inscrito no plano de negócios um volume de 68 milhões de euros (35% advindos de exportação). A diferenciação na qualidade do produto, associada à competitividade, possibilitou a penetração em vários mercados, com as exportações anuais a atingirem os 13,2 milhões de euros em 2013, representando 28% do volume de negócios. Em causa estão mercados como Espanha, França, Holanda, Marrocos, Cabo Verde, Moçambique e Angola. A localização em Vila Velha de Rodão é uma smart opportunity. Daqui chegamos a Lisboa e a Madrid com a mesma facilidade, o que nos leva a encarar Espanha como se fosse mercado nacional, e é muito atractivo, explica José Miranda. O objectivo passa agora por consolidar os mercados onde a AMS já deu entrada, sobretudo Angola, um mercado muito interessante, a partir do momento em que se mitigam alguns riscos, adianta. É certo que o nosso produto, a partir de 600 quilómetros, ganha um peso substancial em custos logísticos, mas como somos fanáticos em termos de optimização de custos, temos alguma margem para transferir para a logística, o que nos permite ir um pouco mais longe, explica o responsável. E adianta: Não estamos a utilizar a capacidade total instalada, permitindo-nos aumentar a facturação. Este ano prevemos dar mais um salto. Estamos atentos às oportunidades de mercado, adianta José Miranda. AMS-BR, SA Indústria de Pasta e Papel Sediada em Vila Velha de Ródão Arranque de produção em colaboradores Integração vertical: preparação de pasta e papel, fabricação de papel, transformação de papel em rolos Segmentos industrial e doméstico 30 mil toneladas de papel produzidas em milhões de euros de volume de negócios em 2013 PRÉMIOS E RECONHECIMENTO 25 Melhores Empresas do Distrito de Castelo Branco ( ) 100 Melhores Empresas para Trabalhar em Portugal Exame-Accenture ( ) Prémio Evolução na Excelência no Trabalho Heidrick & Struggels (2012) Reportagem do Diário Espanhol ABC: Fábrica com grande visão de futuro 15 ABR 14

16

evidenciam excelência do concurso

evidenciam excelência do concurso 12 Balanço da inovação São inúmeros projectos e promotores que, ano após ano, na última década, se mobilizaram para o Concurso Nacional de Inovação BES. Muitos já voam além-fronteiras e constituem autênticos

Leia mais

NOVO BANCO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO REGULAMENTO. O NOVO BANCO promove o NOVO BANCO Concurso Nacional de Inovação.

NOVO BANCO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO REGULAMENTO. O NOVO BANCO promove o NOVO BANCO Concurso Nacional de Inovação. NOVO BANCO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO REGULAMENTO Preâmbulo O NOVO BANCO promove o NOVO BANCO Concurso Nacional de Inovação. Associam-se ainda a esta iniciativa entidades do maior relevo na área da

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores?

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores? O que é uma start-up? As empresas que criam modelos de negócio altamente escaláveis, a baixos custos e a partir de ideias inovadoras são normalmente consideradas empresas startups. Concebidas para crescerem

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES. O sucesso. dos métodos. não invasivos. de detecção. do cancro

CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES. O sucesso. dos métodos. não invasivos. de detecção. do cancro CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES O sucesso dos métodos não invasivos de detecção do cancro Foi distinguida no Concurso Nacional de Inovação BES em 2007 e desde então já lançou no mercado

Leia mais

Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais. Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015)

Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais. Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015) Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais PEEI Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015) Programa +E+I Enquadramento Resolução do Conselho de Ministros nº54/16

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

1. Ecossistema Empreendedor de Lisboa p.3. 2. Perfil dos empreendedores p.3. 3. Perfil das Startups p.4. 4. Financiamento de projectos p.

1. Ecossistema Empreendedor de Lisboa p.3. 2. Perfil dos empreendedores p.3. 3. Perfil das Startups p.4. 4. Financiamento de projectos p. 1 Índice 1. Ecossistema Empreendedor de Lisboa p.3 2. Perfil dos empreendedores p.3 3. Perfil das Startups p.4 4. Financiamento de projectos p.5 5. Porquê Lisboa? p.5 Destaques O ecossistema empreendedor

Leia mais

CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento

CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento Empreendedorismo e Inovação Leopoldina Alves Maio 2009 Estruturas de promoção do Empreendedorismo e Inovação no IPL OTIC - Oficina de Transferência

Leia mais

Prémios Europeus de Promoção Empresarial. Resultados Nacionais 2014

Prémios Europeus de Promoção Empresarial. Resultados Nacionais 2014 Prémios Europeus de Promoção Empresarial Resultados Nacionais 2014 LISTA DE PROJETOS PREMIADOS Primeiros classificados por categoria 1 - Promoção do espírito de empreendedorismo Projeto: Beta-i Promotor:

Leia mais

Apresentação POR LISBOA

Apresentação POR LISBOA Apresentação POR LISBOA 1 POR LISBOA FINOVA Fundo de Apoio ao Financiamento à Inovação Intervém nas diferentes vertentes de apoio ao financiamento de PME, com vista a reforçar a solidez, competitividade

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade Regulamento 2015 1. Objectivo Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2015 é um concurso que resulta da conjugação de esforços e vontades do Crédito Agrícola, aqui representado pela Caixa Central

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ]

Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ] Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ] Preâmbulo O Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor é uma iniciativa da Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas Os Business Angels O contexto de internacionalização das start-ups Os desafios dos BA s e suas participadas Possíveis apoios governamentais Os BA s têm um papel fundamental no desenvolvimento de ideias

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Objetivos

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Objetivos Artigo 1º Âmbito O WANTED BUSINESS IDEAS é uma iniciativa de captação de novas ideias e negócios promovido e organizado pela Rede Regional de Empreendedorismo Viseu Dão Lafões, sob a coordenação da Comunidade

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Vacinação eficaz contra a malária

Vacinação eficaz contra a malária Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 5812 NOVEMBRO 2013 Foto: Bernardo S. Lobo Vacinação eficaz contra a malária Projecto do IMM é grande vencedor da 9.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

Concurso Inovação CVMóvel

Concurso Inovação CVMóvel Concurso Inovação CVMóvel REGULAMENTO Edição 204 REGULAMENTO Preâmbulo O Concurso Inovação CVMóvel é uma iniciativa promovida pela CVMóvel, implementada anualmente no âmbito do seu Plano de Contributos

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS?

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O ISQ e a ASK querem ajudar empreendedores e empresários à procura de financiamento a obterem o apoio de que necessitam para lançar ou desenvolver os seus

Leia mais

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 1 QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades

Leia mais

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA Conselho Estratégico da Green Business Week Entidades Empresas convidadas

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS Reforço dos Capitais Permanentes Nuno Gonçalves nuno.goncalves@iapmei.pt Linhas de Crédito Linhas LINHAS DE FINANCIAMENTO VALOR Operações Entradas Operações

Leia mais

PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA. Melhores Planos de Negócio

PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA. Melhores Planos de Negócio PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA Melhores Planos de Negócio 2014 REGULAMENTO Preâmbulo Consciente dos novos cenários económicos, que se observam à escala global, e atenta ao papel que

Leia mais

Passaporte para o Empreendedorismo

Passaporte para o Empreendedorismo Passaporte para o Empreendedorismo Enquadramento O Passaporte para o Empreendedorismo, em consonância com o «Impulso Jovem», visa através de um conjunto de medidas específicas articuladas entre si, apoiar

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

Entrega de Prémios Internacionalização 18 de Julho de 2011

Entrega de Prémios Internacionalização 18 de Julho de 2011 Entrega de Prémios Internacionalização 18 de Julho de 2011 Muito boa tarde a todos, No contexto actual económico e financeiro é uma HONRA, um PRIVILÉGIO e um PRAZER termos, em conjunto com o Jornal de

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características:

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características: 1. O que é o Candidatura ao FIAEA? Este programa de apoio ao empreendedorismo, é uma iniciativa liderada pela SDEA e pela Portugal Ventures, que visa fortalecer o ecossistema de empreendedorismo nas áreas

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 7 de Novembro de 2014 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora Enquadramento Evolução Recente Comércio

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Desenvolvimento Rural. Capital Humano. Mar e Pescas

Desenvolvimento Rural. Capital Humano. Mar e Pescas ROADSHOW 2015 4 Grandes Grupos de Apoios Desenvolvimento Rural Competitividade e Internacionalização Capital Humano Mar e Pescas Beneficiários: Entidades Privadas Como Concorrer?? PRINCIPAIS LINHAS DE

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

DIÁRIO ECONÓMICO Calendário Projectos Especiais

DIÁRIO ECONÓMICO Calendário Projectos Especiais DIÁRIO ECONÓMICO Calendário Projectos Especiais 2012 JAN 19 Prémio Excelência Revista 30 Propriedade Intelectual 31 Industria Farmacêutica de Genéricos 2 Energia: Painéis Solares 7 Desafios de Portugal:

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE PENELA

REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE PENELA REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS DO CONCELHO DE Preâmbulo O concurso de Ideias do Concelho de Penela é uma iniciativa da Câmara Municipal de Penela. O presente documento visa regular o Concurso Empreendedorismo

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

Programa de Empreendedorismo Tecnológico

Programa de Empreendedorismo Tecnológico PROGRAMA EIBTnet O QUE É? Programa de Empreendedorismo Tecnológico de apoio ao desenvolvimento, implementação, criação e consolidação de novas empresas inovadoras e de base tecnológica. 1 OBJECTIVOS Facilitar

Leia mais

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais.

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais. QUEM SOMOS O Business Angels Club de Lisboa é constituído por um grupo de pessoas ligadas há mais de 20 anos ao mundo empresarial e ao empreendedorismo com larga experiência no desenvolvimento e triagem

Leia mais

Mais de 30 anos ao serviço das PME s

Mais de 30 anos ao serviço das PME s Mais de 30 anos ao serviço das PME s Historial 1977 Fundação da RISA pelo seu actual Chairman João Artur Rosa 1977 Área de negócio inicial: consultoria em contabilidade e fiscalidade 1984 Criação de um

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA - PROVERE Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE Fomento da competitividade

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 07 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO Nos termos do Regulamento do SI Qualificação

Leia mais

III Encontro Nacional de BIC s

III Encontro Nacional de BIC s de BIC s de BIC s Decorreu a 18 de Maio, em Abrantes, num hotel com uma vista magnífica para a Barragem de Castelo de Bode o 3º Encontro de BIC s (Business Innovation Centers Portugueses). Neste encontro

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO?

WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO? WORKSHOP COMO FINANCIAR O MEU NEGÓCIO? FINANCIAMENTOS DISPONÍVEIS para PME s Mecanismos de Financiamento 1. Sistemas de Incentivos do QREN 2. Linhas PME Investe 3. Microcrédito 4. Valtejo FINICIA 5. PAECPE

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Organização. Iniciativa. 2ª Fase. Regulamento. O GSI Accelerators tem. Apoio

Organização. Iniciativa. 2ª Fase. Regulamento. O GSI Accelerators tem. Apoio 2ª Fase Regulamento Artº 1º Definição e Âmbito 1. O GSI Accelerators - AIDA Start Up Challenge tem por objetivo identificar e premiar uma Start Up promissora em termos do mercado global com um estágio

Leia mais

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida

Leia mais

Concurso Nacional de Inovação BES. Candidaturas até final de Junho. JAIME ROCHA GOMES Vencedor de 2011 fala da importância do prémio

Concurso Nacional de Inovação BES. Candidaturas até final de Junho. JAIME ROCHA GOMES Vencedor de 2011 fala da importância do prémio Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 5410 ABRIL 2012 Foto: Matthias Kulka/Corbis/VMI Concurso Nacional de Inovação BES Candidaturas até final de Junho JAIME ROCHA GOMES Vencedor de

Leia mais

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!»

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» REGULAMENTO Preâmbulo A capacitação da força laboral com formação avançada e a criação de um sector privado forte, adequando-os aos desafios

Leia mais

Ninho de Empresas de Mortágua

Ninho de Empresas de Mortágua mortágua ninho de empresas Ninho de Empresas de Mortágua REGULAMENTO Preâmbulo Inserindo-se numa estratégia de Desenvolvimento do Concelho de Mortágua que dá prioridade ao Crescimento Económico e ao Empreendedorismo,

Leia mais

Ecossistemas Empreendedores

Ecossistemas Empreendedores Ecossistemas Empreendedores O caso de Cascais Paulo Andrez Administrador da DNA Cascais Vice-Presidente da EBAN (Ass.Europeia de Business Angels) 1 O papel de uma autarquia no apoio ao empreendedorismo

Leia mais