A PAC pós Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais"

Transcrição

1 A PAC pós Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES) CAP, 29 de Novembro de 2012

2 Esquema da apresentação 1. Introdução 2. A superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) no contexto do futuro sistema de pagamentos directos as produtores (PDP) 3. Superfície agro-florestal dentro e fora das explorações agrícolas em Portugal Continental 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? 5. Estimativas dos impactos sobre o valor dos Pagamento Base (PB) e Pagamento Verde (PV) das SPE resultantes dos diferentes cenários alternativos 6. Conclusões 2

3 1. Introdução (1 de 2) A superfície agrícola potencialmente t elegível l (SPE) vai assumir uma importância enorme no contexto do futuro sistema de pagamentos directos aos produtores (PDP); A SPE de base proposta pela CE no seu documento de 12/10/2011 (3 milhões de hectares) poderá vir aserbastante inferior i à resultante de futuras candidaturas; 3

4 1. Introdução (2 de 2) Sendo assim, importa debruçarmo-nos sobre duas questões distintas mas complementares: - Será que essa diferença é suficientemente significativa para que esta problemática deva ser ponderada cuidadosamente pelos centros de decisão nacionais? - Que critérios de elegibilidade deverão ser adoptados pelo Governo Português para evitar um impacto exageradamente negativo da SPE sobre os Pagamentos Base (PB) e Verde (PV)? Oobjectivo desta comunicação é procurar contribuir para uma resposta futura a estas duas questões, utilizando para o efeito a informação disponibilizada pelo INE, IFAP e GPP. 4

5 2. A superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) no contexto do futuro sistema de pagamentos directos as produtores (PDP) (1 de 6) A SPE do ano base constitui um elemento fundamental no modelo de convergência dos PDP entre Estados Membros (EM), uma vez que é utilizada (Figura 1): no cálculo dos PDP/ha que servem de base à fórmula de convergência proposta; no cálculo dos envelopes nacionais (EN) propostos para financiar o conjunto dos respectivos PDP. 5

6 2. A superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) no contexto do futuro sistema de pagamentos directos as produtores (PDP) (2 de 6) Figura 1 - Modelo de convergência dos PDP (caso português) Figura x 3M ha = 610,8M

7 2. A superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) no contexto do futuro sistema de pagamentos directos as produtores (PDP) (3 de 6) A SPE que venha a resultar, no futuro, das candidaturas apresentadas pelos produtores agrícolas portugueses até 15 de Maio de 2014, irá condicionar: os valores unitários do Pagamento Verde (PV) e do Pagamentos Base (PB) que irão estar na base da futura flat rate nacional(figura 2); e, consequentemente, a evolução mais ou menos favorável dos pagamentos directos da maioria dos produtores agrícolas portugueses. 7

8 2. A superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) no contexto do futuro sistema de pagamentos directos as produtores (PDP) (4 de 6) Figura 2 - O futuro sistema de pagamentos directos as produtores (PDP) PDP Aplicação Valor total Valor unitário Pagamento base (PB) Obrigatória 97% 1) do (EN menos o dos restantes PDP) PB tota l/spe Pagamento verde (PV) Obrigatória i 30% do EN PV total /SPE Apoio aos jovens agricultores (AJA) Ajuda à pequena agricultura (APA) Pagamento às zonas com desvantagens naturais (PZDN) Pagamentos ligados à produção (PLP) Obrigatória até 2% do EN AJA total /SJA Obrigatória até 10% do EN APA total /ExpPA Voluntária até 5% do EN PZDN/SDN Voluntária até 10% do EN PLP /ha (ou ton) 1) 3% dos PD correspondem à Reserva Nacional (RN) 8

9 2. A superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) no contexto do futuro sistema de pagamentos directos as produtores (PDP) (5 de 6) A futura SPE irá ser influenciada pelo que vier a ser acordado no contexto do Regulamento dos Pagamentos Directos (Artigo 21º): 1. Sob reserva do n. º 2, são atribuídos direitos ao pagamento aos agricultores que peçam a atribuição de direitos ao pagamento a título do regime de pagamento de base até 15 de Maio de 2014, salvo em caso de força maior ou circunstâncias excepcionais. 2. Os agricultores que, em 2011, tenham activado pelo menos um direito ao pagamento ao abrigo do regime de pagamento único ou pedido apoio ao abrigo do regime de pagamento único por superfície, ambos em conformidade com o Regulamento (CE) n.º 73/2009, recebem direitosit ao pagamento no primeiro i ano de aplicação do regime de pagamento de base, desde que tenham direito ao benefício de pagamentos directos em conformidade com o artigo 9.. 9

10 2. A superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) no contexto do futuro sistema de pagamentos directos as produtores (PDP) (6 de 6) (continuação do n.º 2 do Art. 21º) : Em derrogação do primeiro parágrafo, os agricultores recebem direitos ao pagamento no primeiro ano de aplicação do regime de pagamento de base, desde que tenham direito ao benefício de pagamentos directos em conformidade com o artigo 9. e em 2011: a) Ao abrigo do regime de pagamento único, não tenham activado qualquer direito, mas produzido exclusivamente frutos, produtos hortícolas e/ou cultivado exclusivamente vinhas; b)ao abrigo do regime de pagamento único por superfície, não tenham pedido qualquer apoio e dispusessem apenas de terras agrícolas que, à data de 30 de Junho de 2003, não estavam mantidas em boas condições agrícolas, como previsto no artigo 124º, n.o 1, do Regulamento (CE) n.o 73/2009. Salvo em casos de força maior ou circunstâncias excepcionais, o número de direitos ao pagamento atribuídos por agricultor é igual ao número de hectares elegíveis, na acepção do artigo 25.º, n.º 2, que declare nos termos do artigo 26.º, n.º 1, para

11 3. Superfície agro-florestal dentro e fora das explorações agrícolas em Portugal Continental (1 de 3) Para analizarmos a actual superfície agro-florestal de Portugal Continental, procedeu-se à sua separação entre: as áreas dentro das explorações agrícolas (Quadro 1); e as áreas fora das explorações agrícolas (Quadro 2); Na desagregação das áreas dentro e fora das explorações agrícolas recorreuse: a dados retirados directamente do Recenseamento Agrícola (RA) de 2009; a estimativas realizadas a partir dos dados do Inventário Florestal Nacional (IFN) de 2005/06, com base nas NUT III. 11

12 3. Superfície agro-florestal dentro e fora das explorações agrícolas em Portugal Continental (2 de 3) Quadro 1 Desagregação das áreas existentes dentro das explorações agrícolas Superfície agrícola sem coberto florestal [terra arável, culturas permanentes (excluindo pinheiro manso e castanheiro) e prados e pastagens permanentes sem coberto florestal] 2590,3 x 10 3 ha Superfície agrícola cultivada 2021,1 x 10 3 ha Áreas com prados e pastagens pobres 569,2 x 10 3 ha Superfécie agrícola total 3622,2 x 10 3 ha Superfície agrícola com coberto florestal ,9 x 10 3 ha Áreas com pinheiro manso e castanheiros 75,5 x 10 3 ha Áreas com sobreiros, azinheiras carvalho negral e mistos de Quercíneas 956,4 x 10 3 ha Áreas com >60 árvores/ha 37,1 x 10 3 ha Áreas com <60 árvores/ha 38,4 x 10 3 ha Áreas de sobreiro para a produção de cortiça 616,8 x 10 3 ha Outras áreas com Quercíneas 339,6 x 10 3 ha Sobreiro dominante com >40 árvores/ha Sobreiros sem culturas sob coberto 79,9 9 x ,8 x 10 ha 3 ha Sobreiro dominante com <40 árvores/ha 211,3 x 10 3 ha Sobreiro não dominante 79,7x 10 3 ha Áreas com >60 árvores/ha 52,3 X 10 3 ha Áreas com <60 árvores/ha 287,3 X 10 3 ha Áreas com prados e pastagens melhorados e semeados 130,6 x 10 3 ha Áreas com prados e pastagens pobres 745,9 x 10 3 ha Superfície agrícola não utilizada 125,3 x 10 3 ha Superfície florestal [pinheiro bravo, eucalipto, azinheiras e carvalhos ( sem culturas sob coberto)] 417,1 x 10 3 ha Superfície não arborizada com vegetação arbustiva (matos) 340,4 x 10 3 ha Fonte: RA-2009 e IFN

13 3. Superfície agro-florestal dentro e fora das explorações agrícolas em Portugal Continental (3 de 3) Quadro 2 - Desagregação das áreas existentes fora das explorações agrícolas Superfície florestal total fora das explorações agrícolas 3836,3 x 10 3 ha Áreas ocupadas por pinheiro manso i e Áreas com >60 árvores/ha 35,1 x 10 3 ha castanheiros 88,7 x 10 3 ha Áreas com <60 árvores/ha 53,6 x 10 3 ha Sobreiro dominante com >40 árvores/ha 46,6 x 10 3 ha Áreas de sobreiro para a produção de cortiça Áreas ocuoadas por sobreiros, azinheiras carvalho negral e mistos de Quercíneas 259,8 x 10 3 ha 129,4 x 10 3 ha Sobreiro dominante com <40 árvores/ha 10,9 x 10 3 ha Sobreiro não dominante 71,9 x 10 3 ha Outras áreas com Quercíneas 130,4 x 10 3 ha Superfícies ocupadas por povoamentos de pinheiro bravo, eucalipto e povoamentos de Quercíneas (sem culturas sob coberto) 1907,5 x 10 3 ha Superfícies não arborizadas com vegetação arbustiva (matos) 1586,6 x 10 3 ha Fonte: RA-2009 e IFN

14 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (1 de 13) Cenários alternativos para a SPE futura: Cenário A Toda a área potencialmente elegível dentro e fora das explorações agrícolas; Cenário B Áreas do Cenário A sujeitas às regras de elegibilidade em vigor no Plano de acção do parcelário de 2011; Cenário C Áreas do Cenário A sujeitas a critérios mais restritivos do que os do Cenário B. 14

15 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (2 de 13) Cenário A Pressupostos base: A SPE dentro das explorações agrícolas resulta da respectiva superfície total menos a área das explorações agrícolas que se admite aderir ao Regime da Pequena Agricultura (179 mil ha que se consideram corresponder integralmente à superfície agrícola sem coberto florestal), menos a área ocupada por povoamentos florestais sem culturas sobcoberto (com excepção para o sobreiro), menos a área correspondente a outras superfícies (construções, caminhos, albufeiras,...); A SPE fora das explorações agrícolas ocupadas por pinheiro-manso, castanheiro e Quercíneas; resulta das respectivas áreas 15

16 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (3 de 13) Quadro 3 - Valor total e composição da SPE Cenário A 10 3 ha Dentro das explorações Fora das explorações Total agrícolas agrícolas Superfície agrícola sem coberto florestal 1) Total Pequena agricultura Áreas com pinheiro-manso e castanheiros Áreas com >60 árvores/ha Áreas com <60 árvores/ha Áreas com sobreiros Áreas com >40 árvores/ha Áreas com <40 árvores/ha Áreas com outras Quercíneas Áreas com >60 árvores/ha Áreas com <60 árvores/ha Superfície agrícola não utilizada Áreas não arborizadas com vegetação arbustiva (matos) Superfície potencialmente elegível (SPE) ) Superfície Agrícola sem coberto florestal do total das explorações agrícolas menos a Superfície Agrícola equivalente das explorações aderentes ao Regime de Pequena Agricultura 16

17 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (4 de 13) Cenário B Pressupostos base: As SPE dentro e fora das explorações agrícolas baseiam-se nas do Cenário A, às quais se aplicaram as regras de elegibilidade em vigor no Plano de acção do parcelário de 2011 (Figuras 3, 4, 5 e 6) Uma vez que não dispúnhamos de informação relativa, nem às áreas por graus de cobertura arbórea, nem às percentagens das áreas ocupadas por vegetação arbustiva, admitiu-se uma distribuição das respectivas áreas elegíveis idêntica para todas as classes consideradas. 17

18 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (5 de 13) Figura 3 - Regras de elegibilidade das parcelas agrícolas com árvores - Classes de ocupação de solo (Plano de acção do parcelário 2011) Áreas ocupadas por pinheiro manso e castanheiros (> 60 árvores/ha) Exploradas para a produção de frutos (> 60 árvores/ha) Não exploradas para a produção de frutos mas com aproveitamento do sob coberto para a produção vegetal (espaço agro florestal com aproveitamento sob coberto) (> 60 árvores/ha) Não exploradas para a produção de frutos e sem aproveitamento sobcoberto (espaço florestal arborizado) 100% da área elegível 75% da área elegível para grau de cobertura<50% 50% da área elegível para grau de cobertura>50%e e < 75% 0% da área elegível para grau de cobertura>75% 0% da área elegível (< 60 árvores/ha) Abandonadas com vegetação arbustiva dominante (espaço agro florestal não arborizado) (< 60 árvores/ha) Área limpa (Superfície agrícola) 100% da área elegível 18

19 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (6 de 13) Figura 4 - Regras de elegibilidade das parcelas agrícolas com árvores - Classes de ocupação de solo (Plano de acção do parcelário 2011) (> 40 sobreiros/ha, > 60% do coberto arbóreo) Exploradas para a produção de cortiça (espaço agro florestal arborizado de sobreiros) Áreas ocupadas por sobreiros (> 40 sobreiros/ha, > 60% do coberto arbóreo) Exploradas para a produção de cortiça com vegetaçãoarbustivaarbustiva dominante (espaço agro florestal arborizado de sobreiros) 100% da área elegível (<40 sobreiros/ha) Exploradas para a produção de cortiça em povoamentos com dominancia do sobreiro (área agrícola) 19

20 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (7 de 13) Figura 5 - Regras de elegibilidade das parcelas agrícolas com árvores - Classes de ocupação de solo (Plano de acção do parcelário 2011) Áreas ocupadas por outras Quercineas (azinheira, cavalho negral e mistos de Quercíneas) (>60 árvores/ha, > 60% do coberto arbóreo) Áreascom aproveitamento do sob coberto (espaço agro florestal arborizado de Quercíneas) (>60 árvores/ha, > 60% do coberto arbóreo) Áreassem aproveitamento sob coberto / com vegetação arbustiva dominante (espaço florestal arborizado) (<60 árvores/ha) Áreascom vegetação arbustivadominante (espaço agro florestal não arborizado) 90% da área elegível para grau de cobertura<50% 70% da área elegível para grau de cobertura >50% e < 75% 0% da área elegível para grau de cobertura >75% 0% da área elegível (<60 árvores/ha) Áreas com aproveitamento sob coberto (superfície agrícola) 100% da área elegível 20

21 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (8 de 13) Figura 6 - Regras de elegibilidade das parcelas agrícolas com árvores - Classes de ocupação de solo (Plano de acção do parcelário 2011) Vegetação arbustiva dispersa ocupando < 25% da área da parcela 100% da área elegível Áreas com <60 árvores/ha e com vegetação arbustiva dispersa Vegetação arbustiva dispersa ocupando entre 25 a 50% da área da parcela 66% da área elegível Vegetação arbustiva dispersa ocupando > 50% da área da parcela (Espaço agro florestal não arborizado) 0% da área elegível 21

22 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (9 de 13) Quadro 4 - Valor total e composição da SPE 10 3 ha Dentro das explorações agrícolas Cenário B Fora das explorações agrícolas Superfície agrícola sem coberto florestal 1) Total Pequena agricultura Áreas com pinheiro-manso e castanheiros Áreas com >60 árvores/ha Áreas com <60 árvores/ha Áreas com sobreiros Áreas com >40 árvores/ha Áreas com <40 árvores/ha Áreas com outras Quercíneas Áreas com >60 árvores/ha Áreas com <60 árvores/ha Superfície agrícola não utilizada Áreas não arborizadas ccom vegetação arbustiva (matos) Superfície potencialmente elegível (SPE) ) Superfície Agrícola sem coberto florestal do total das explorações agrícolas menos a Superfície Agrícola equivalente das explorações aderentes ao Regime de Pequena Agricultura Total 22

23 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (10 de 13) Cenário C Pressupostos base: A definição de outro(s) cenário(s) alternativo(s) depende da escolha de critérios de elegibilidade d distintos, i os quais podendo d ser bastante variados devem ser devidamente avaliados nos respectivos prós e contras, do ponto de vista da sua racionalidade, operacionalidade e impacto. A título de exemplo, iremos considerar três hipóteses distintas no âmbito de Cenário C - Hipótese C1- elegibilidade, apenas, de áreas que em 2011 integravam a SAU das explorações agrícolas beneficiárias dos diferentes tipos de ajudas directas aos produtores (RPU, PLP, ICs e MAA); 23

24 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (11 de 13) Pressupostos base (continuação): - Hipótese C2 aceitação das áreas previstas para o Cenário A, diferenciando as áreas com árvores de acordo com a respectiva densidade d (> ou < 60 árvores/ha ou > ou < 40 árvores/ha), tornando elegíveis: - as de maior densidade aos PB e PV; - as de menor densidade, apenas, ao PV. 24

25 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (12 de 13) Cenário C (continuação) - Hipótese C3- aceitação das áreas previstas no Cenário A, diferenciando as superfícies cultivadas (terra arável, culturas permanentes e prados e pastagens permanentes melhoradas e semeadas sem coberto florestal), as superfícies com pinheiro-manso e castanheiro > de 60 árvores/ha e as de sobreiro > 40 árvores/ha (1º grupo), de todas as restantes áreas (2º grupo) e aplicando-lheslhes as seguintes regras de elegibilidade: - 100% de elegibilidade ao 1º grupo de áreas; - e de 50% de elegibilidade ao 2º grupo de áreas. 25

26 4. Qual a dimensão futura da superfície agrícola potencialmente elegível (SPE) em Portugal? (13 de 13) Quadro 5 Valor total da SPE Cenário C 10 3 ha Área elegível Hipótese 1 Hipótese 2 Hipótese 3 Pagamento base (PB) Pagamento verde (PV) SPE total

27 5. Estimativas dos impactos sobre o valor dos Pagamento Base (PB) e Pagamento Verde (PV) das SPE resultantes dos diferentes cenários alternativos (1 de 3) Pressupostos base: - Um envelope nacional (EN) para financiamentoi dos PDP de 610,8 milhões de euros/ano; - Flat rate em 2019; - A opção do Governo Português por: - não fazer transferências de verbas entre os 2 pilares; - não aplicar os pagamentos às zonas com desvantagens naturais; - utilizar em ajudas aos jovens agricultores a totalidade da verba disponível (2% EN): - utilizar 50,8 milhões de euros/ano no Regime de Pequena Agricultura. - Variantes analisadas para os PB e os PV por hectares de SPE - diferentes cenários alternativos da SPE sem Pagamentops Ligados à Produção (PLP); - diferentes cenários alternativos da SPE com PLP correspondentes a 10% do EN. 27

28 5. Estimativas dos impactos sobre o valor dos Pagamento Base (PB) e Pagamento Verde (PV) das SPE resultantes dos diferentes cenários alternativos (2 de 3) Quadro 6 PB e PV por ha de SPE sem PLP Cenários alternativos da SPE /ha Cenário A Cenário B Cenário C Hipótese Hipótese Hipótese C1 C2 C3 Pagamento base (PB) Pagamento verde (PV) Flat rate em ) ) 1) Flat rate a aplicar a cerca de 2,9 milhões de hectares 2) Flat rate a aplicar a cerca de 1,4 milhões de hectares 28

29 5. Estimativas dos impactos sobre o valor dos Pagamento Base (PB) e Pagamento Verde (PV) das SPE resultantes dos diferentes cenários alternativos (3 de 3) Quadro 7 PB e PV por ha de SPE com PLP Cenários alternativos da SPE /ha Cenário A Cenário B Cenário C Hipótese Hipótese Hipótese C1 C2 C3 Pagamento base (PB) Pagamento verde (PV) Flat rate em ) ) 1) Flat rate a aplicar a cerca de 2,9 milhões de hectares 2) Flat rate a aplicar a cerca de 1,4 milhões de hectares 29

30 6. Conclusões As candidaturas no âmbito do Regime Geral dos PDP irão dar origem a uma SPE significativamente superior à SPE de base Os impactos que tal situação irá ter sobre a flat rate futura aconselham a uma intervenção dos centros de decisão nacionais Esta intervenção deverá basear-se em critérios de elegibilidade bem fundamentados do ponto de vista da respectiva racionalidade, operacionalidade e impacto Em minha opinião, é indispensável que se analisem, o mais cedo possível, diferentes critérios alternativos de elegibilidade 30

31 Av. da República Cascais Portugal Tel.: (+351) Fax: (+351)

ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009

ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009 ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009 1. Os requisitos de elegibilidade das parcelas agrícolas resultam da conjugação da realidade agronómica e ecológica

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal 5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final Direcção Nacional de Gestão Florestal SEFDR 7 de Setembro de 2010 1. INOVAÇÕES 1.ª cobertura aerofotográfica digital Utilização de software

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

AGROGLOBAL 2014. Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014. Luís Souto Barreiros

AGROGLOBAL 2014. Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014. Luís Souto Barreiros AGROGLOBAL 2014 Aplicação da Reforma da PAC em Portugal (1º Pilar) 10 de setembro 2014 Luís Souto Barreiros Aplicação da Reforma da PAC Novas ajudas 1. Regime de pagamento de base (RPB) 2. Pagamento por

Leia mais

VII Congresso Ibérico sobre Recursos Genéticos Animais

VII Congresso Ibérico sobre Recursos Genéticos Animais VII Congresso Ibérico sobre Recursos Genéticos Animais A Pecuária em Portugal no Horizonte 2020 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL) Évora, 13 de Setembro de 2012 Esquema da apresentação 1.

Leia mais

Auto-suficiência alimentar: mitos e realidades

Auto-suficiência alimentar: mitos e realidades Ciclo de Conferências Gulbenkian/Público O Futuro da Alimentação, Ambiente, Saúde e Economia Auto-suficiência alimentar: mitos e realidades Francisco Avillez Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador

Leia mais

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 Programa de Desenvolvimento Rural Novas Medidas de Apoio ao Investimento Operação 8.1.1 Florestação de Terras Agrícolas e não Agrícolas

Leia mais

Futura Política Agrícola Comum Resultados negociação em Conselho Ministros 24-25 Junho de 2013 e Acordo político GPP 27 de Junho de 2013 1 1 Ponto situação da Reforma da PAC Resultados para Portugal* *

Leia mais

Índice. Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar

Índice. Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar O Sistema de Identificação Parcelar O que é? Implementação dos novos limites Administrativos - CAOP Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar Como estava a ser calculada

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março

Versão Consolidada. Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março Portaria n.º 229-A/2008, de 6 de Março O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, que estabelece as regras gerais do apoio ao desenvolvimento rural sustentável, tem como objetivo,

Leia mais

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening

Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base. Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening Pagamentos Diretos Regime de Pagamento Base Esclarecimento sobre o pagamento por práticas agrícolas benéficas para o clima e o ambiente Greening A presente nota de divulgação tem por objectivo facultar

Leia mais

Seminário Nacional Direito da Agricultura e da Produção Agroindustrial. Faculdade da Universidade de Direito de Coimbra 9 de Outubro de 2015

Seminário Nacional Direito da Agricultura e da Produção Agroindustrial. Faculdade da Universidade de Direito de Coimbra 9 de Outubro de 2015 Seminário Nacional Direito da Agricultura e da Produção Agroindustrial Faculdade da Universidade de Direito de Coimbra 9 de Outubro de 2015 A política agrícola comum e o Programa de Desenvolvimento Rural

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Incentivos PRODER Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Abertura: A partir de 22 de Maio Objectivos: Melhorar condições vida, trabalho e produção dos agricultores

Leia mais

Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar. Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica

Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar. Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural português Território?

Leia mais

24 de junho de 2014 Rossio a Sul do Tejo - Abrantes

24 de junho de 2014 Rossio a Sul do Tejo - Abrantes Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro 24 de junho de 2014 Rossio a Sul do Tejo - Abrantes Paula Guerra 1 SUMÁRIO BREVE CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO CAUSAS

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Custos de Gestão e Produção do Sobreiro

Custos de Gestão e Produção do Sobreiro www.unac.pt união da floresta mediterranica Custos de Gestão e Produção do Sobreiro ContaSB1. Outubro 213 No âmbito do Projeto CORKNOW-HOW: CONHECIMENTO SUBERÍCOLA EM REDE foi desenvolvida uma ferramenta

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg Sessão de Divulgação PDR2020 NERA Loulé 2 de Julho de 2015 Júlio Cabrita - DRAPAlg (Continuação) 25,0% PRODER - TOTAL (Região Algarve) Investimento total por concelho (%), em 2015-03-23 22,5% 20,0% 17,3%

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL

A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL A SUSTENTABILIDADE DO USO ENERGÉTICO DA BIOMASSA FLORESTAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades Comemoração do Dia Internacional das Florestas Cláudia Sousa, CBE Aveiro, 20 março de 2014

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Análise das Propostas Legislativas Francisco Cordovil Director do GPP Auditório da CAP 10 Novembro 2011 Propostas de Reforma da PAC I. Enquadramento e principais elementos

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

AVISO A CORTE OU ARRANQUE DE SOBREIROS E AZINHEIRAS

AVISO A CORTE OU ARRANQUE DE SOBREIROS E AZINHEIRAS AVISO A CORTE OU ARRANQUE DE SOBREIROS E AZINHEIRAS 1 O corte ou arranque de sobreiros e azinheiras, em povoamento ou isolados, carece de autorização. 2 Exceptuam-se ao disposto no nº1, os cortes em desbaste

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVAS ESAPL / IPVC

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVAS ESAPL / IPVC ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVAS ESAPL / IPVC Objectivos de Constituição de uma Cooperativa: normalmente OBJECTIVOS DE CARÁCTER ECONÓMICO. por exemplo, MELHORAR O RENDIMENTO DOS ASSOCIADOS. são objectivos

Leia mais

Agenda 21 Agricultura e Floresta. Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO. Nordeste 21 PRÓXIMOS SEMINÁRIOS

Agenda 21 Agricultura e Floresta. Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO. Nordeste 21 PRÓXIMOS SEMINÁRIOS PRÓXIMOS SEMINÁRIOS 23 de Maio - ESTRATÉGIAS DA GESTÃO DE ÁGUA e RESÍDUOS, em Macedo de Cavaleiros Seminário Temático O FUTURO DA AGRICULTURA, FLORESTA E DESPOVOAMENTO DA REGIÃO Agenda 21 Local do Helena

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro Bolsa Nacional de Terras A Cultura do Medronheiro Sardoal, 19 novembro 2015 A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural português O desafio inicial da Bolsa de Terras

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

DINÂMICA DA OCUPAÇÃO FLORESTAL D DO TERRITÓRIO ECONOMIA E REGULAÇÃO PROGRAMAS DE INCENTIVOS À (RE)FLORESTAÇÃO. DGPF/DGF Nuno Sequeira

DINÂMICA DA OCUPAÇÃO FLORESTAL D DO TERRITÓRIO ECONOMIA E REGULAÇÃO PROGRAMAS DE INCENTIVOS À (RE)FLORESTAÇÃO. DGPF/DGF Nuno Sequeira DINÂMICA DA OCUPAÇÃO FLORESTAL D DO TERRITÓRIO ECONOMIA E REGULAÇÃO PROGRAMAS DE INCENTIVOS À (RE)FLORESTAÇÃO DGPF/DGF Nuno Sequeira Programas anteriores à adesão à CEE/UE Vigência Plano de Povoamento

Leia mais

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola PDR 2020 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice Índice... 1 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.1 SEGUROS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE)

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Que Agricultura para Portugal no Séc. XXI? Desafios e Oportunidades Francisco Cordovil Director do GPP Universidade Évora 16 Dezembro 2011 A Política Agrícola Comum Pós-2013

Leia mais

Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras

Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras Lusoflora, 27 de fevereiro de 2015 Bolsa Nacional de Terras Potenciar a utilização do território rural A nossa Visão Potenciar

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar Incentivos a Microempresas do Interior 3 Incentivos a Microempresas do Interior Para que servem estes incentivos? 4 5 Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal A Biomassa Florestal, energia e desenvolvimento rural Universidade Católica do Porto Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal Centro de Biomassa para a Energia 1 O QUE É A BIOMASSA? De acordo

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE SANTO TIRSO NOTA JUSTIFICATIVA Em resultado da conjuntura socioeconómica com que o país se depara, verifica-se um novo e crescente interesse na exploração de

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia José Nuncio Auditório do IPQ, Caparica 29 Maio 2013 Definição POLUIÇÃO DIFUSA

Leia mais

Novas Regras da PAC. Greening. Efeitos da aplicação na exploração agrícola das práticas agrícolas benéficas para o clima e ambiente

Novas Regras da PAC. Greening. Efeitos da aplicação na exploração agrícola das práticas agrícolas benéficas para o clima e ambiente Novas Regras da PAC Greening Efeitos da aplicação na exploração agrícola das práticas agrícolas benéficas para o clima e ambiente Gabinete Técnico da CNA 2014 Novas Regras da PAC Greening Índice Nota prévia...

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2623

Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2623 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2623 3 Substituição de equipamento equivalente, excepto se a substituição implicar a compra de equipamentos cuja valia tecnológica seja considerada

Leia mais

INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES. Prémio à Primeira Instalação

INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES. Prémio à Primeira Instalação Prémio à Primeira Instalação Destina-se a apoiar a primeira instalação do jovem agricultor através da atribuição de um prémio Objectivos. Renovar e rejuvenescer o sector agrícola. Promover a instalação

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. site do programa, comunicou a suspensão, a partir de 11 de Fevereiro de 2011, de

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. site do programa, comunicou a suspensão, a partir de 11 de Fevereiro de 2011, de ....---.. ~CDS-PP Expeça-se D REQUERIMENTO Número /XI ( Publique-se [gi PERGUNTA Assunto: Suspensão de candidaturas de jovens agricultores ao PRODER Destinatário: Ministério da Agricultura, Desenvolvimento

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706 Edgar Rocha Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 71-76 Nota sobre a população activa agrícola do sexo feminino, segundo o Recenseamento e segundo o Inquérito Permanente ao Emprego : em busca de 3 mulheres

Leia mais

Validação da Cartografia de Habitats

Validação da Cartografia de Habitats LIFE Natureza Nº LIFE04/NAT/PT/000214: NORTENATUR Validação da Cartografia de Habitats 1. Material a. Fotografia área b. Carta Habitats c. Carta Militar d. Bússola e régua 2. Metodologia de Validação a.

Leia mais

Cofinanciado pela Comissão Europeia

Cofinanciado pela Comissão Europeia Cofinanciado pela Comissão Europeia A NOVA PAC Em vigor a partir de janeiro 2015 Mais direcionado e flexível que nunca Maior escolha de regimes e medidas opcionais Transferências entre pilares Alguns dos

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Um laboratório com 35 hectares!

Um laboratório com 35 hectares! Um laboratório com 35 hectares! Prof. José Oliveira Peça; Prof. Anacleto Cipriano Pinheiro; Prof. António Bento Dias Universidade de Évora, Departamento de Engenharia Rural - ICAM Apartado 94, 7002 554

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI Sistema de Apoio Financeiro à Agricultura Linha de Crédito ao Fundo de Maneio

Leia mais

1232 Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2015

1232 Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2015 1232 Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2015 «AZ Castro Verde».............................. «AZ Outras Áreas Estepárias»..................... ZPE Zona de proteção especial SIC Sítio

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

1/7. Muto obrigado pela sua colaboração. Dados da exploração. Nome da empresa ou do Agricultor (a): Morada: Responsável: DESCRIÇÃO GERAL DA EXPLORAÇÃO

1/7. Muto obrigado pela sua colaboração. Dados da exploração. Nome da empresa ou do Agricultor (a): Morada: Responsável: DESCRIÇÃO GERAL DA EXPLORAÇÃO Exmo Sr(a) Este inquérito é realizado no âmbito do projeto RURAL/ITER, financiado pelo Programa Europeu LEONARDO e envolve um conjunto de parceiros internacionais de Itália, Grécia, Bélgica, e Portugal,

Leia mais

Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais. 1º, 2º e 3º ciclos do IST

Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais. 1º, 2º e 3º ciclos do IST Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais 1º, 2º e 3º ciclos do IST O Decreto- Lei nº 36/2014 de 10 de março regula o estatuto do Estudante Internacional (EEI). O Regulamento de Ingresso

Leia mais

A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental

A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental Francisco Avillez Professor Emérito do ISA/UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES, Sociedade de Estudos e Projectos Beja, 18 de

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação

A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação Lúcio do Rosário Autoridade Florestal Nacional / Comissão Nacional de Coordenação

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Impacte dos fundos estruturais na agricultura portugesa

Impacte dos fundos estruturais na agricultura portugesa Análise Social, vol. xxvii (118-119), 1992 (4.º-5. ), 691-702 Impacte dos fundos estruturais na agricultura portugesa 1. INTRODUÇÃO A evolução da agricultura portuguesa nestes primeiros anos após a adesão

Leia mais

GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL. 20 de novembro de 2015 Santarém

GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL. 20 de novembro de 2015 Santarém GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL 20 de novembro de 2015 Santarém 1 2 ENQUADRAMENTO PRÁTICA EQUIVALENTE À DIVERSIFICAÇÃO DE CULTURAS 3 ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO 4 CONTROLO 2 1 ENQUADRAMENTO O

Leia mais

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional 11 de Maio de 2012 Carlos Trindade (Agro.Ges (Agro Ges / E.S.A.Santarém) E S A Santarém) João Ribeiro (Coop. Moura e Barrancos) Mª Dolores Humanes (Cotecnisur)

Leia mais

X Congresso Nacional do Milho. no âmbito da nova Política Agrícola Comum

X Congresso Nacional do Milho. no âmbito da nova Política Agrícola Comum X Congresso Nacional do Milho A agricultura de regadio no âmbito da nova Política Agrícola Comum 12 de Fevereiro de 2015 Hotel Altis, Lisboa Eduardo Diniz Diretor-Geral GPP Decisões Nacionais 1º Pilar

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 1 / SAMA/ 2009 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) PROJECTOS-PILOTO SUSTENTADOS EM REDES DE NOVA GERAÇÃO OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Os recursos minerais da República de Moçambique, quando racionalmente avaliados e utilizados, constituem um factor

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural 2014 2020 Seminário A PAC rumo a 2020: fazer face aos desafios da sustentabilidade João Marques DSPP 19 de Abril de 2013 1 1 Programação do Desenvolvimento Rural 2014-2020

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS (IMT) E IMPOSTO DO SELO (IS) VERBA 1.1

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS (IMT) E IMPOSTO DO SELO (IS) VERBA 1.1 Classificação: 0 00. 0 1. 0 9 Segurança: P ú blic a Processo: GABINETE DO DIRETOR GERAL Direção de Serviços do Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis, do Imposto do Selo, do Imposto

Leia mais

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão"

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Seminário Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Alcácer do Sal Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão" Nélia Aires Eng.ª Florestal UNAC -União da Floresta Mediterrânica 18. 09. 2012 Índice

Leia mais

22-11-2015. Regime de certificação ambiental do Greening GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL ENQUADRAMENTO

22-11-2015. Regime de certificação ambiental do Greening GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL ENQUADRAMENTO GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL 0 de novembro de 05 Santarém ENQUADRAMENTO PRÁTICA EQUIVALENTE À DIVERSIFICAÇÃO DE CULTURAS 3 ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO 4 CONTROLO ENQUADRAMENTO O que é o greening?

Leia mais

A nova Politica Agrícola Comum. Cofinanciado pela Comissão Europeia

A nova Politica Agrícola Comum. Cofinanciado pela Comissão Europeia A nova Politica Agrícola Comum em Portugal Cofinanciado pela Comissão Europeia Em Portugal a agricultura: ocupa 70% do território; contribui para 6% do PIB; representa 15% das exportações e 18% das importações

Leia mais

Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica

Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica Carlota Alves Barata Associação de Produtores Florestais de Coruche Castro Verde, 23 de Abril de 2013 Coruche em números: Área: 1120 km 2 60% área florestal

Leia mais

AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR)

AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS Informação-síntesepara apoioà sessãode avaliação dos trabalhos desenvolvidosapóso GIF de Catraia São Brás de Alportel e Tavira, 24 de novembro de 2014 1. ÁREA ARDIDA ENTRE

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO)

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE OVERBOOKING EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Nos termos do Regulamento de Bolsas de Investigação da Fundação

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Orientações relativas aos limites dos contratos

Orientações relativas aos limites dos contratos EIOPA-BoS-14/165 PT Orientações relativas aos limites dos contratos EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email: info@eiopa.europa.eu

Leia mais