O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag"

Transcrição

1 O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag Paulo Daniel Pessoa (FAGEN/UFU) Claúdio Luis Miotto (FAGEN/UFU) Resumo Estudo de caso sobre o projeto de logística reversa desenvolvido para o reaproveitamento das embalagens de big bag. O objetivo é avaliar se, por meio da logística reversa, torna-se possível alcançar a redução dos custos e, também, contribuir para minimizar a degradação ambiental. Dentro desta ótica, o estudo faz uma descrição sobre a reutilização dessas embalagens e a economia que a empresa obteve com a logística reversa no ano Palavras-chave: Logística reversa; Redução dos custos; Sustentabilidade. 1. Introdução A logística vem despertando um interesse crescente nas organizações empresariais e nas pesquisas científicas, uma vez que torna possível melhorar o desempenho e a competitividade da organização. Dentro desta ótica, a logística reversa e o estudo dos canais de distribuição reverso, segundo Leite (2003), se destacam como uma nova área de estudo da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo e as informações logísticas correspondentes, do retorno dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ciclo produtivo, por meio dos canais de distribuição reversos, agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico, ecológico, legal, logístico, de imagem corporativa, entre outros. Este estudo tem o objetivo de fazer uma análise sobre a logística reversa, com enfoque para a redução dos custos com embalagens e benefícios para o meio-ambiente. Isso porque percebese que existe um escasso referencial bibliográfico acerca do tema, o que dificulta a obtenção de informações e uma visão mais abrangente e didática sobre este assunto. No Brasil, o problema é ainda mais grave, uma vez que somente agora os pesquisadores estão voltando os olhos para essa questão, conforme afirma Leite (2003). Portanto, a escolha do tema se justifica pela necessidade de pesquisas nesta área. Para a realização desta pesquisa foram utilizados três procedimentos metodológicos: a pesquisa exploratória, a pesquisa descritiva e a explicativa. Essas se realizaram através de uma pesquisa bibliográfica a partir de materiais já publicados: livros, artigos e textos disponibilizados na Internet e um estudo de caso que permitiu a obtenção e posterior análise dos dados necessários para a discussão da logística reversa mediante o levantamento de documentos, relatórios e planilhas de custos. 1

2 O trabalho foi dividido em quatro capítulos sendo que o primeiro faz uma abordagem sobre o tema proposto caracterizando os objetivos a serem alcançados e a justificativa para a escolha do tema e também os recursos metodológicos, o segundo apresenta uma análise, a luz de referencial teórico, da logística reversa no sentido de apreender quais são seus objetivos e identificar as oportunidades, o terceiro faz uma abordagem geral sobre a organização e discute sobre a logística reversa desta organização e o quarto faz as conclusões sobre o estudo. 2. REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo são abordados o conceito da logística, a importância de sua utilização nas empresas, com enfoque na logística reversa sua finalidade e objetivos. 2.1 Logística empresarial A logística exerce um papel relevante para as organizações empresariais, pois, através dela é possível promover melhorias em todas as etapas do processo produtivo das empresas. Em termos macroeconômicos a logística é a responsável pelo fluxo físico dos materiais no setor industrial, passando pelos diversos elos dos canais de distribuição (BOWERSOX; CLOSS, 2001). Nas empresas o termo é utilizado para descrever as atividades relacionadas com os fluxos de entrada de materiais e de saída de produtos e tende a ganhar uma visão integrada entre as organizações à medida que estas passam a planejar suas atividades de forma conjunta, para melhor servir o mercado e ganhar eficiência e eficácia (BALLOU, 2001). Para Ballou (1993), a logística empresarial concentra esforços no sentido de racionalizar e obter maior eficiência em todas as atividades relativas a movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo do produto desde a aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final. Lambert et all (1998) também relacionam algumas atividades como parte da administração logística em uma empresa: serviço ao cliente, processamento de pedidos, comunicações de distribuição, controle de inventário, previsão de demanda, tráfego e transporte, armazenagem e estocagem, ocalização de fábrica e armazéns/depósitos, movimentação de materiais, suprimentos, suporte de peças de reposição e serviços, embalagem, reaproveitamento e remoção de refugo e administração de devoluções. Entre as atividades aqui citadas, fazem parte da logística reversa o reaproveitamento, remoção de refugo e o retorno de devoluções. 2.2 Logística reversa: considerações gerais A logística reversa pode ser entendida como a área da logística empresarial que visa equacionar os aspectos logísticos do retorno dos bens ao ciclo produtivo ou de negócios através da multiplicidade de canais de distribuição reversos de pós venda e de pós consumo, agregando-lhes valor econômico, ecológico, legal e de localização (CLM, 1993; FULLER, ALLEN,1995; LEITE, 2003). O retorno de pós-venda é devido a dois motivos principais, genericamente chamados de problemas de garantia ou qualidade e a problemas comerciais. Na primeira categoria podem ser incluídos defeitos de fabricação, mau funcionamento, entre outros, enquanto no segundo caso incluem-se problemas relacionados à expedição e recebimento de produtos e os acordos comerciais: vendas em consignação, erros de comercialização, excessos de estoques nos canais, obsolescência ou prazos de validade expirados, lançamento de novos produtos, recall, entre outros (STOCK,1998; ROGERS, TIBBEN-LEMBKE,1999; CALDWELL, 1999). 2

3 Segundo Leite (2003), o produto de pós-consumo são os bens descartados pela sociedade em geral que, por sua vez, retornam ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo e pode ser classificado como em condições de uso, fim de vida útil, e resíduos industriais. Um produto considerado em condições de uso apresenta interesse de reutilização. 2.3 Meio ambiente: degradação ambiental e sensibilidade ecológica De acordo com a análise de Milaré (2001), o primeiro alerta em relação à necessidade de preservação do meio ambiente foi a conferência de Estocolmo em 1972, na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano. O principal fator que contribuiu para a sua realização foi o fato das nações mais desenvolvidas perceberem que a sua busca pelo desenvolvimento econômico havia causado danos irreparáveis à natureza, e de que seria necessário tomar medidas mais efetivas para proteger o meio ambiente da ação do homem, a fim de não comprometer ainda mais a sua vida no planeta. Para Kinlaw (1997, p.83), Desenvolvimento Sustentável é a macrodescrição de como todas as nações devem proceder em plena cooperação com os recursos e ecossistemas da terra para manter e melhorar as condições econômicas gerais de seus habitantes, presentes e futuros. Hoje, as empresas estão interessadas na logística reversa por planejar o retorno dos materiais aos fornecedores. Entretanto, num futuro próximo, as decisões sobre a logística reversa serão profundamente influenciadas pelos estudos de impactos no meio ambiente (ROGERS e TIBBEN-LEMBKE, 1998). 3. ESTUDO DE CASO 3.1 A organização O estudo de caso foi realizado em uma empresa fornecedora de amido para indústrias dos setores de papel e celulose, cervejaria, mineração, chocolates, sorvetes, balas, biscoitos e panificação e que terá sua marca preservada nesta pesquisa. 3.2 O produto - amido de milho O produto é o amido obtido a partir do milho e apresenta-se na forma de pó fino, branco, com sabor e odor característicos. É vendido à granel e embalado, em sacos de papel e big bags conforme descrevemos a seguir: Sacos de papel - 25 kg Figura 4: Layout da embalagem de 25 kg Fonte: Software de qualidade da empresa. 3

4 A embalagem de 25 kg é confeccionada com papel multifolhado composto por duas camadas de papel uma interna, em contato com o produto, e outra externa onde são impressas as informações sobre a empresa e o produto. A embalagem não tem muitos detalhes no visual para atrair a atenção do consumidor, conforme podemos constatar na figura 4, isto porque não é direcionada para o cliente final e sim para indústrias assim os objetivos principais são oferecer qualidade e um formato de fácil utilização na linha de produção Big bag Fonte: Software de qualidade da empresa Figura 5: Modelo de embalagem big bag A capacidade do big bag varia de 500 kg à 1250kg e são fabricadas com a utilização de polipropileno o que proporciona resistência e para suportar grande quantidade de produto e segurança na movimentação sendo a mais utilizada a de 1000 kg. Na figura 5 temos o modelo e o layout do big bag que é composto por duas válvulas uma superior, por onde é colocado o amido, e a inferior, por onde ele é descarregado, elas são fechadas pelas cordas de amarração. 3.2 A logística reversa O big bag tem como maior vantagem a possibilidade de ser reaproveitado na produção após passar um processo de limpeza e sanitização. Para que o reaproveitamento fosse possível foi necessário um projeto de logística reversa para retirar as embalagens usadas nos clientes, reciclá-las e colocá-las em condições de uso no centro produtivo. A empresa por exigência de alguns clientes, já comercializava o amido nesta embalagem mas não efetuava o retorno para reutilização, assim ao identificar a possibilidade de reciclagem deste material visualizou que obteria uma economia significativa e ainda também diminuir os resíduos na produção do cliente pois o big bag não seria mais descartado após o uso. Com isso o projeto também começou a incentivar a substituição do saco de 25 kg, embalagem tradicional, pelo big bag pois além de ter um custo maior para empresa a embalagem de 25kg e os acessórios necessários para seu transporte não seriam mais descartados. Na figura 2 visualizamos o fluxo logístico antes da introdução do big bag e da logística reversa e podemos verificar que era um fluxo simples com a entrega sendo feita no cliente e o posterior descarte dos resíduos da embalagem no lixo. Cargil Amido em sacos de 25 Client Lixo 4

5 Descarte dos resíduos das embalagens Figura 2: Fluxo antes da introdução da embalagem tipo big bag Na figura 3 visualizamos o novo fluxo logístico no qual os big bags são utilizados e que são direcionados para reciclagem após o uso do produto e quando estão prontos para uso são reenviados para o centro produtivo iniciando um novo ciclo. Cargill Amido em big bags Cliente Envio dos big bags reciclados para o centro Reciclage m Envio dos big bags Figura 3: Fluxo após a introdução da embalagem tipo big bag Com a introdução da logística reversa a organização obtém maior competitividade na cadeia como um todo. Com isso os consumidores poderão adquirir maiores quantidades e/ou começar a comprar e ter acesso a produtos que antes não eram acessíveis devido ao alto preço. 3.4 Comparativo saco 25 kg x big bag novo e reciclado Na Tabela 2 temos um comparativo de custos, para uma tonelada de amido, veja que o custo total da embalagem de 25 kg é R$41,60 contra R$36,10 do big bag novo e R$20,10 do custo do big bag reciclado. Verificamos que o big bag reciclado é viável, do ponto de vista financeiro, em relação a embalagem de 25 kg e ao big bag Novo representado uma economia de R$21,50 ou 51% em relação ao saco de 25 kg e R$16,00 ou 44% em relação ao big bag comprado novo. Custos(R$)* SC 25 KG Big Bag Novo Big Bag Reciclado Embalagem Reciclagem Palete 15,6 0 0 Plástico 1, Cinta 1,6 0 0 Papelão 2,2 0 0 Impressão da Validade 0, Etiqueta 0 0,1 0,1 Acréscimo frete Total 41,6 36,1 20,1 Comparativo 1 100% 87% 48% Comparativo 2 115% 100% 56% * Para uma tonelada de amido 5

6 Tabela 2: Custos saco 25 kg e big bag novo e reciclado O saco de 25 kg é embarcado paletizado e com isso ele tem custos adicionais com os acessórios utilizados para reforçar e revestir o palete e que não são necessários no big bag. Os acessórios, constituídos de plásticos e papéis, e a embalagem são descartados após o uso. O big bag também era descartado antes do projeto assim identificamos o papel sustentável da logística reversa pois contribui para um melhor aproveitamento dos materiais. 3.5 Economias obtidas com a reciclagem do big bag Neste tópico demonstraremos as economias alcançadas pela Cargill com a reutilização do big bag ao invés de comprá-lo novo. A Cargill aproveitou a estrutura interna com ociosidade como equipamentos de movimentação, espaços para armazenagem e profissionais de diferentes departamentos, para suprir a demanda da logística reversa pela criação e implementação de novos processos e procedimentos específicos à operação com isso evitando investimentos e gastos nestes ítens. A recuperação das embalagens foi terceirizada para isso foi desenvolvido um fornecedor especializado neste tipo de serviço, a empresa contratada coleta os big bags no cliente, recicla e entrega os mesmos prontos para serem recolocadas no processo produtivo, sendo o valor atual igual a R$ 18,00 reais a unidade. Este preço é fixo idenpendente do tamanho do big bag isso porque os princípais custos do fornecedor (transporte, limpeza e restauração) não sofrem variações significativas por causa do tamanho Analisando a Tabela 4 podemos constatar que se todas as embalagens recicladas fossem compradas novas teriamos um um custo total de R$ ,00 enquanto o custo de reciclagem ficou em R$ ,00 portanto uma diferença de R$ ,00 que representa uma economia total de 45%. Podemos verificar ainda que as embalagens de 1000kg e 1250kg são as que tem maior saída sendo responsáveis por R$ ,00 de economia representando 88% do total economizado. EMBALAGEM 500 KG 800 KG 900 KG 1000 KG 1250 KG TOTAL Total Reciclado (UN) Custo Novos (UN) Custo Reciclados (UN) Custo Total Novos Custo Total Reciclados Economia Total Economia Total (%) 25% 33% 40% 47% 50% 45% Tabela 4 : Economia total no ano de 2004 A Figura 7 traz informações sobre a quantidade utilizada e comprada de embalagens big bag no ano de 2004 e constatamos que do total das embalagens de 1000 kg utilizadas, 6300 un, somente 1325 un (21%) foi comprada, ou seja, 79 % eram recicladas e quanto as de 1250 kg, do total de 3312 un utilizadas, 1216 un foram compradas (37%), e o restante 63 % foram originadas da logistica reversa. Esses dados demostram que os big bags reciclados já são mais utilizados no processo produtivo do que os novos e estão tendo uma boa aceitação. 6

7 UTILIZADOS COMPRADOS BIG BAG 500 Kg BIG BAG 800 Kg BIG BAG 900 Kg BIG BAG 1000 Kg BIG BAG 1250 Kg Figura 7 Quantidade utilizada e comprada no ano de 2004 Assim podemos verificar que o reaproveitamento de big bags na Cargill tem proporcionado vantagens econômicas que justificam a logístiva reversa o que impacta diretamente nos custos totais de produção e com isso temos um aumento na competitividade da empresa. 4. CONCLUSÃO O presente trabalho procurou destacar a importância da logística reversa para a redução dos custos de produção e também para a sustentabilidade do meio ambiente. Foi possível constatar que a sua utilização está reduzindo os custos. Os dados elencados na Tabela 4 mostram uma economia de 45% que a empresa obteve com a reutilização das embalagens no ano de Na Figura 7 observamos que as embalagens recicladas já são mais utilizadas do que as novas, o que significa que elas estão tendo aceitação. De outra parte, a reutilização dos big bags contribui para a sustentabilidade do meio ambiente ao eliminar a necessidade dos clientes descartarem as embalagens após o uso e também diminui a coleta de matérias-primas na natureza para fabricação das mesmas. Com isso a empresa melhora também sua imagem corporativa frente aos clientes e a sociedade. Conclui-se que a logística reversa de big bags proporciona vantagens competitivas para a organização tanto em termos financeiros, ao reduzir os custos com embalagens, como também fortalecendo sua marca ao implementar um projeto que respeita o meio-ambiente e procura um resultado sustentável. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais, distribuição física. São Paulo: Atlas, BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da cadeia de abastecimento: planejamento, organização e logística empresarial. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, Disponível em < > Acesso em 20 outubro/2005. BOWERSOX, D.J.; CLOSS, D.J. Logistica Empresarial. São Paulo: Atlas, Disponível em < > Acesso em 25 outubro/2005. CALDWELL, Bruce. April 12, Disponível em < > Acesso em 21 janeiro/

8 C.L.M. Reuse and recycling reverse logistics opportunities. Illinois: Council of Logistics Management, Disponível em <http://www.gestaoorg.dca.ufpe.br/ges TORG_2005_N3_V3_ARTIGO_EXIB_04.pdf> Acesso em 25 outubro/2005. FULLER, D.A.; ALLEN, J. Reverse Channel Systems. In Polonsky, M.J.; MINTU-WIMSATT, A.T. Environmental marketing: strategies, practice, theory and research. London: The Haworth Press, Disponível em < > Acesso em 25 outubro/2005. KINLAW, Dennis C.. Empresa Competitiva e Ecológica: desempenho sustentado na era ambiental. São Paulo: Makron Books, LAMBERT, D.M. et. all. Administração estratégica da logística. São Paulo:Vantine Consultoria, LEITE, Paulo Roberto. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo Prentice Hall, MILARÉ, Edis. Direito do ambiente: doutrina, prática, jurisprudência, glossário. 2 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, NOVAES, Antônio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro: Campus, ROGERS, D. S. e TIBBEN-LEMBKE, R. S. Going backwards - reverse logistics trends and practices. University of Nevada, Reno - Center for Logistics Management, Disponível em <http://equinox.unr.edu/homepage/logis/reverse.pdf> Acesso em 05 outubro/2005. Stock, James R.. Development and Implementation of Reverse Logistics Programs. Oak Brook, IL: Council of Logistics Management, Disponível em < Acesso em 25 outubro/

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil.

Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil. Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil. Cristiane Duarte de Souza Graduada em Administração cridrds@ig.com.br Natália Pecorone de Sá Graduada

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo Logística Prof: Roberto Macedo Canais de Distribuições Reversos Objetivos Apresentar os conceitos da logística reversa e os canais utilizados; Evidenciar a importância destes canais e as formas corretas

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Logística reversa: importância, fatores para a aplicação e contexto brasileiro

Logística reversa: importância, fatores para a aplicação e contexto brasileiro Logística reversa: importância, fatores para a aplicação e contexto brasileiro Luciangela Galletti da Costa 1 Rogério Valle 1 luciangela@pep.ufrj.br valle@pep.ufrj.br 1 Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA Maria do Carmo Jampaulo Plácido Palhaci UNESP, Departamento de Artes e Representação Gráfica palhaci@faac.unesp.br Ricardo

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA COMO UMA FERRAMENTA GERENCIAL: UM NOVO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS ORGANIZAÇÕES

A LOGÍSTICA REVERSA COMO UMA FERRAMENTA GERENCIAL: UM NOVO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 A LOGÍSTICA REVERSA COMO UMA FERRAMENTA GERENCIAL: UM NOVO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS ORGANIZAÇÕES Resumo André de Sousa Pedrosa Diante das intensas ações estratégicas de mercado para criação de

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R.

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R. . CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: LOGÍSTICA LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM

3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM 3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM (SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉNS): UMA PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DA LOGÍSTICA REVERSA EM ARMAZÉNS Patrícia Guarnieri Kazuo Hatakeyama Daniele

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DOS PRODUTOS DE PÓS-VENDA NO SEGMENTO DE LOJAS DE DEPARTAMENTO

LOGÍSTICA REVERSA DOS PRODUTOS DE PÓS-VENDA NO SEGMENTO DE LOJAS DE DEPARTAMENTO LOGÍSTICA REVERSA DOS PRODUTOS DE PÓS-VENDA NO SEGMENTO DE LOJAS DE DEPARTAMENTO Gisela Gonzaga Rodrigues Nélio Domingues Pizzolato Dep.Eng. Industrial PUC Rio de Janeiro Vitor Pires dos Santos Centro

Leia mais

12/08/2008. A cadeia de Suprimentos. Coordenação Intercorporações

12/08/2008. A cadeia de Suprimentos. Coordenação Intercorporações Projeto Integrador Banco Dados e Sistemas para Internet Empresa Logística : A Logística empresarial é um campo relativamente novo estudo da gestão integrada, das áreas tradicionais das finanças, marketing

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA

ESCOLA DE ENGENHARIA Unidade Universitária: Curso: Engenharia de Produção ESCOLA DE ENGENHARIA Disciplina: Tópicos em Logística Empresarial Professor(es): Celso Luchezzi Carga horária: 4 aulas (Teoria) DRT: 113599-4 Código

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC.

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. Viviane Santos Lacerda Pontelo Administradora de Empresas, Pós Graduada em

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina. Projeto

Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina. Projeto Poder Judiciário Justiça Federal de Primeiro Grau em Santa Catarina Projeto Florianópolis, 2006 ÍNDICE 1. OBJETIVO...5 2. APRESENTAÇÃO...5 3. JUSTIFICATIVAS...5 4. AÇÕES CONCRETAS...7 4.1. REDUÇÃO...

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO 40 Logística Reversa como Política Pública para o Desenvolvimento Regional: Uma Proposta de Pesquisa sobre a Aplicabilidade da Política Nacional de Resíduos Sólidos no município de Franca (SP) Fernando

Leia mais

A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora

A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora Resumo Leozenir Betim (CEFET PR) leobetim@visaonet.com.br Patrícia Guarnieri (CEFET PR) patriciaguarnieri@ibest.com.br

Leia mais

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE!

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! A EMPRESA A Fast Solution é uma empresa especializada em desenvolver soluções integradas em sistemas de impressão,

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense

Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense Logística Reversa: Destinação dos Resíduos de Poliestireno Expandido (Isopor ) Pós- Consumo de uma Indústria Catarinense F. H. C. Chagas a, A. L. Berretta-Hurtado b, C. A. K. Gouvêa b a. SOCIESC, Joinville,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Estudo de Caso MCDonald s Autores: Alexandre Formigoni Enio Fernandes Rodrigues Viviane Alves Belo Tatiane Neves Lopes Marcelo Rabelo Henrique

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO SUSENTÁVEL E COMPETITIVO DAS EMPRESAS

A LOGÍSTICA REVERSA COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO SUSENTÁVEL E COMPETITIVO DAS EMPRESAS A LOGÍSTICA REVERSA COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO SUSENTÁVEL E COMPETITIVO DAS EMPRESAS Esp. Mayara Cristina Ghedini da Silva (PPGEP/UTFPR) mayara_ghedini@hotmail.com Prof. Dr. João Carlos Colmenero (PPGEP/UTFPR)

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Agenda. 1. Perfil. 2. Criação Área Prevenção Perdas. 3. Mensuração Índice. 4. Ações 2008

Agenda. 1. Perfil. 2. Criação Área Prevenção Perdas. 3. Mensuração Índice. 4. Ações 2008 Agenda 1. Perfil 2. Criação Área Prevenção Perdas 3. Mensuração Índice 4. Ações 2008 Perfil 1954 2008 Maior 26 Número 11 600 Faturamento 01 Unidades Área Produtos 7.000 Centro 2.000 Cooperativa Check-outs

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais