ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS +

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS +"

Transcrição

1

2 ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS

3 SISTEMA EDUCATIVO NA FINLÂNDIA SISTEMA EDUCATIVO NA ESTÓNIA PRÓS / CONTRAS BOAS PRÁTICAS

4 STRUCTURED STUDY VISIT TO SCHOOLS /INSTITUTES & TRAINING SEMINAR IN FINLAND 9 A 15 DE OUTUBRO DE 2016

5 Educação muito valorizada quer pelas famílias quer pelos governantes; Politicas Educacionais: gratuitidade em relação ao: ensino alimentação transporte A formação dos professores (nível superior equivalente ao mestrado mais formação em estudos pedagógicos; A importância da educação na construção da sociedade A importância do professor na para a sociedade

6 Educação muito valorizada quer pelas famílias quer pelos governantes; Políticas Educacionais: gratuitidade em relação ao: ensino alimentação transporte a formação dos professores (nível superior, mestrado mais formação em estudos pedagógicos; Professor é uma profissão muito respeitada, conceituada, valorizada e de difícil acesso;

7 Todos recebem o mesmo sistema de ensino não há escolas privadas ; Escolas de reduzida dimensão, mas incluindo todos os anos de ensino; Promover relação de proximidade entre professores e professores / aluno; Ambiente descontraído;

8 Início da escolaridade aos 7 anos; Escolaridade obrigatória de 9 anos; 20 alunos, no máximo, por turma - EB; No 1º ciclo, 2 docentes na sala de aula; Os mesmos professores nos primeiros anos de ensino mantendo assim os padrões de aprendizagem e sedimentando relações de confiança;

9 Manuais disponibilizados pelo estado não um por aluno, mas o número suficiente por sala mesmos livros servem para diferentes alunos; Responsabilização e valorização do que não é seu; Apenas é da responsabilidade das famílias a aquisição dos livros de fichas de trabalho;

10 As aulas desenvolvem-se, prioritariamente, por projeto e com apoio às tecnologias de informação e comunicação. As tarefas a realizar são negociadas com o professor e as metas definidas, semanalmente, de acordo com o seu ritmo; Cultura de confiança e orientação, não de controlo; Algumas aulas práticas com divisão por género; Aulas de Economia doméstica obrigatória no 7º ano e facultativa no 8º e 9º ano; Com efeito no 8º ano, os alunos não têm todos o mesmo currículo, escolhem as disciplinas que pretendem frequentar;

11

12 Horário semanal de 30h (alunos); Alunos com NEE apenas têm 1/3 das horas semanais com o grupo turma; Avaliação apenas em dois períodos, Natal e final de ano; Interrupções a meio dos períodos letivos. (férias de inverno); corpo docente é selecionado pelo diretor da escola em colaboração com a autarquia;

13 Não há exames, mas percebe-se a existência de seleção por notas, principalmente porque as escolas são pequenas e não podem ficar com todos os alunos; Horário dos alunos/docentes é alterado 5 vezes por ano - de 7/8 semanas - ES;

14 No final do EB os alunos que não reúnam as condições de transição, em algumas disciplinas, prolongam as atividades nessas disciplinas para aquisição dos conhecimentos/competências evitando deste modo as retenções.

15 Palavras Chave do Sucesso Educativo Finlandês Less is More * SISU Atitude Persistência Enfrentar os desafios com determinação independentemente das condições físicas e psicológicas

16 BEST PRACTICES BENCHMARKING 23 A 29 DE ABRIL DE 2017

17 BEST PRACTICES BENCHMARKING.COURSE PROGRAM 24 de abril Pressupostos de inovação Erasmus+ : Como as nossas escolas respondem ao desafio Visita à Escola Secundária de Tikkurila pelo Diretor. Observação de aulas Estudo de casos de sucesso em conferência com todos os participantes. 25 de abril Formação de Professores em serviço, Visita à Escola Secundária Martinlaakso. Observação de Aulas 26 de abril Currículo Finlandês Observação de Aulas em Tikkurila upper secondary school Visita ao Heureka Science Center. Estudos PISA da OCDE com foco na Finlândia 27 de abril Aalto university. Acesso ao ensino superior e estudos pós graduados na área da Educação. 28 de Abril (Tallinn) Visita à Escola Secundária Viimsi Keskkool iin. Observação de aulas e discussão com professores locais Visita à Universidade de Tallinn e o Sistema Educacional na Universidade de Tallinn. Reformas recentes na Estónia. Factores de Sucesso por detrás dos bons resultados PISA 29 de Abril (Tallinn) Tour Educacional pela Cidade Medieval de Tallinn.

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30 COMPETÊNCIAS DO FUTURO Participação, Influência, Construção de um Futuro Sustentável Pensar e Aprender a Aprender Competências Culturais de interação e Comunicação Competências no mundo do trabalho e empreendedorismo Desenvolvimento como ser Humano e como Cidadão Cidadania Ativa - Autonomia Consciente e Segura Competências ICT Multiliteracia e Espírito Crítico

31 Cultura de Escola Comunidade de Aprendizagem Participação e Democracia Respeito pela Diversidade Cultural e aprendizagem de outras línguas Diálogo e Abordagens Diversificadas Equidade e Igualdade Responsabilidade e Consciência Ambiental Segurança e Bem Estar

32 Cometam ERROS Se não experimentarem não podem dizer que não funciona Cometam erros, mas apenas uma vez.

33 NOVOS AMBIENTES

34 Laboratórios de Aprendizagem Ativa

35

36 EXAME DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR No Final do Ensino Secundário Exame Obrigatório de Língua Materna Candidato Escolhe pelo menos três outros testes: - 2ª Língua Materna - Língua Estrangeira - Matemática ( dois níveis diferentes) - Biologia, Filosofia, Física, História, Química, Geografia, Psicologia, Educação para a Saúde, Religião, Ética e Estudos Sociais.

37 Todos os Exames de Acesso passarão a ser realizados informaticamente até 2019

38

39

40 Por detrás do desenvolvimento e inovação Visão Partilhada Forte Liderança Professores Ativos Partilha de Informação Participação Ativa dos Alunos e Encarregados de Educação Aprendizagem pelo Erro + Financiamento de Projetos

41 O que é inovador na educação finlandesa Avaliação por Pares Interação com a vida real e famílias Mecanismos de Feedback Avaliação não baseada em testes Trabalho autónomo ICT e uso de manuais como consulta suplementar

42

43

44

45 Semelhanças com as nossas salas de aula? Descubra as diferenças.

46 O ensino das Artes e da Música tem especial relevo

47 Estónia 28 e 29 abril 2017

48 Tallinn University Sistema Educativo da Estónia e as mais recentes reformas educativas que foram introduzidas. Fatores de sucesso por detrás dos bons resultados do PISA apresentação Dr. Mart Laanpere, Tallinn University

49 Tallinn University A Universidade trabalha em parceria com as Escolas.

50 Mais de 80 % das famílias tem computador em casa com ligação à Internet. 95 % das declarações de impostos são submetidas por internet e 99% das transações bancárias são realizadas também por internet. Votação eletrónica e à distancia desde Mais de 30% de votos eletrónicos nas eleições de 2015 para o Parlamento. A internet é considerada um direito Humano, mais de 500 pontos Wi-Fi grátis.

51 Os estudantes da Estónia são os mais frequentes utilizadores da Internet na escola. São os maiores utilizadores da Página da Escola. 90% do alunos estão felizes com a sua vida. Somente 14% dos alunos apresentam nível 5-6 em matemática. Os alunos apresentam uma atitude positiva perante a escola. Professores qualificados, com idade média de 47 anos, predominando o género feminino.

52 Sistema Educativo da Estónia

53

54 Why Estonians are so smart Why Estonians are so smart? https://www.youtube.com/watch?v=hj4em2gc5eq

55 Visita à escola Viimsi Keskkool iin. Observação de aulas e discussão com os professores da escola. A escola é um espaço aberto! Existe uma grande diversidade de espaços físicos.

56 Receção do grupo de professores Erasmus. Evidente o espírito de pertença de alunos e professores à Escola.

57 Os Espaços de Educação Física são utilizados na componente letiva e em atividades extracurriculares.

58 Salas de Aula

59 Sala de Professores

60 Observação de aulas

61 A excelência dos espaços. A excelência dos alunos

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Agenda Preparação do trabalho a realizar no ano letivo 2015/2016 Regulamento Interno disponível no portal do agrupamento www.esvalongo.org

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2

Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Barulho Empreendedor Escola Estadual João XXIII Sala 8 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Kátia Valéria C.T.Peressinotto Marilda Suzani Gonçalves Realização: Foco Desenvolver competências e habilidades

Leia mais

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016 Reunião - Encarregados de Educação 1.º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 09 de setembro de 2016 Ordem de Trabalhos 1 Projeto Educativo 2 Normas de funcionamento 3 Apresentação 4 Plano Anual de Atividades 2 Ordem

Leia mais

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14

PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 PLANEAMENTO DAS AEC 2013/14 ENTIDADE PROMOTORA Município de Ponte de Sor NIPC: 506806456 Coordenação e Monitorização por parte da equipa de Coordenação dos Projetos Socioeducativos ENTIDADES PARCEIRAS

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA PORTUGAL (2) - 2012 CLUBE EUROPEU A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

CONFERÊNCIA: FORMAÇÃO INICIAL E CONTÍNUA NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FACE AOS DESAFIOS DO ALARGAMENTO DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA INCLUSIVA

CONFERÊNCIA: FORMAÇÃO INICIAL E CONTÍNUA NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FACE AOS DESAFIOS DO ALARGAMENTO DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA INCLUSIVA CONFERÊNCIA: FORMAÇÃO INICIAL E CONTÍNUA NA ÁREA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FACE AOS DESAFIOS DO ALARGAMENTO DA ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA INCLUSIVA COMO FORMAR PARA A ESCOLA DO SÉCULO XXI? Célia Sousa celia.sousa@ipleiria.pt

Leia mais

Ensino Médio na Finlândia. Tiina Tähkä Chefe da Unidade de Ensino Médio Conselho Nacional de Educação da Finlândia

Ensino Médio na Finlândia. Tiina Tähkä Chefe da Unidade de Ensino Médio Conselho Nacional de Educação da Finlândia Ensino Médio na Finlândia Tiina Tähkä Chefe da Unidade de Ensino Médio Conselho Nacional de Educação da Finlândia Finlândia em dados População 5,4 milhões (18 habitantes/km 2 ) Duas línguas oficiais: Finlandês

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Índice. Título Perfil do Docente 2010/2011

FICHA TÉCNICA. Índice. Título Perfil do Docente 2010/2011 Índice FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão de Estatísticas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTO ANDRÉ Cursos Científico Humanísticos Cursos Profissionais EFA Educação e Formação de Adultos (Ensino Noturno) Oferta Formativa 2017/18 Entrada da escola Exterior Bloco C Claustro

Leia mais

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Programa Operacional Norte 2020 Estrutura da Apresentação I. Eixo Prioritário/ Prioridade de Investimento/ Objetivo Específico

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo Educação Pré Escolar A Educação Pré-Escolar afigura-se como a primeira etapa da educação básica

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Agrupamento de Escolas Vasco Santana Código 171840 PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Aprovado em conselho pedagógico de 22 de janeiro 2015. Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 3 PÚBLICO-ALVO... 3 OBJETIVOS GERAIS...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito ARTIGO 1º ÂMBITO E NATUREZA Os Quadros de Excelência, Honra e Mérito destinam-se a reconhecer as competências/ capacidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA NPGECIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA NPGECIMA INSTRUÇÃO NORMATIVA 01/2015 Regulamenta a estrutura curricular do Curso de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. O Colegiado de Pós-Graduação do no uso de suas atribuições, Considerando a necessidade

Leia mais

Os desafios da Educação Inclusiva

Os desafios da Educação Inclusiva Os desafios da Educação Inclusiva Artur Ramísio Paula Gonçalves Mestrado em Ensino de TIC Instituto de Estudos Superiores de Fafe Docente: Profª Doutora Maria Celeste da Silva Leal de Sousa Lopes 2010

Leia mais

Educação Pré-Escolar

Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar Sendo a primeira etapa na educação básica, as competências gerais para a Educação Pré Escolar constituem um conjunto de princípios para apoiar o Educador de Infância na sua prática,

Leia mais

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO PÁGINA: 1 INGRESSOS DE 20041 161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 NÚMERO MÁXIMO DE PERÍODOS 9 CARGA HORÁRIA 3640 1 132 FUNDAMENTOS ÉTICOS DE EDUCAÇÃO 30 OBRIGATORIA

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM AGROECOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

CURSO TÉCNICO EM AGROECOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO CURSO TÉCNICO EM AGROECOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 1 MATRIZ CURRICULAR O curso está organizado em itinerários formativos definidos como anos (séries), e envolve disciplinas distribuídas em quatro

Leia mais

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO ATITUDES E VALORES (5%) CONHECIMENTOS E CAPACIDADES (95%) Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN 2016/2017 Português Leitura/ Educação Literária Componente escrita: Compreensão de textos escritos

Leia mais

EQUIPE. Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal. Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas

EQUIPE. Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal. Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas EQUIPE Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas Estudos & Pesquisas Fundação Victor Civita (FVC) 2007-2012 18 estudos Formatos: relatório,

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo Taxa média de retenção no 2.º ano de escolaridade de 12% no ano letivo 2014/2015 e de 11,6% no ano letivo 2015/2016. 1.º e 2.º anos. 3. Designação da Apoio educativo coadjuvante nas turmas de 1.º e 2.º

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

O currículo do Ensino Médio em perspectiva internacional: desafios e aprendizados BERND DOS SANTOS MAYER

O currículo do Ensino Médio em perspectiva internacional: desafios e aprendizados BERND DOS SANTOS MAYER O currículo do Ensino Médio em perspectiva internacional: desafios e aprendizados BERND DOS SANTOS MAYER Sistema educacional alemão A quebra de um paradigma Historia 1945 Fim da Segunda Guerra 1949 Constituição

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico PROET Direção de Ensino Campus Nilo Peçanha/Pinheiral

Leia mais

Educação Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho O presente calendário procura

Educação Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho O presente calendário procura Educação Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho O presente calendário procura conjugar o desenvolvimento de atividades educativas e letivas,

Leia mais

O Ensino de Ciências: história e tendências

O Ensino de Ciências: história e tendências O Ensino de Ciências: história e tendências Ensino de Química III 2011 Profª Tathiane Milaré Década de 60 Período marcante e crucial na história do Ensino de Ciências Guerra Fria Interesse dos EUA em vencerem

Leia mais

MODELO PEDAGÓGICO. (Niza, 1989).

MODELO PEDAGÓGICO. (Niza, 1989). MODELO PEDAGÓGICO O modelo pedagógico do MEM afirma que o desenvolvimento da criança vai para além das atividades individuais de compreensão do mundo. A criança também se desenvolve a partir de contatos

Leia mais

Projeto-Piloto de Computadores Tablet Acer-European Schoolnet Questionário de pré-avaliação para professores

Projeto-Piloto de Computadores Tablet Acer-European Schoolnet Questionário de pré-avaliação para professores Projeto-Piloto de Computadores Tablet Acer-European Schoolnet Questionário de pré-avaliação para professores Note por favor: Quando nos referimos a TIC, queremos dizer Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

NOVIDADES E PARCERIAS

NOVIDADES E PARCERIAS ......... Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-1712 / 3371-2265 / 98837-0282 Site: www.escolafazendinhafeliz.com.br / Email: contato@escolafazendinhafeliz.com.br

Leia mais

2.º e 3.º Ciclos Secundário

2.º e 3.º Ciclos Secundário Reunião - Encarregados de Educação 2.º e 3.º Ciclos Secundário Ano Letivo 2017/2018 12 de setembro de 2017 Ordem de Trabalhos 1. Apresentação 2. Momentos de Avaliação 3. Critérios de Avaliação 4. Plano

Leia mais

Pesquisa Acadêmica. Marco Antonio Zago Pró-Reitor de Pesquisa Universidade de São Paulo. Conferência Estadual de C&T&I São Paulo Abril de 2010

Pesquisa Acadêmica. Marco Antonio Zago Pró-Reitor de Pesquisa Universidade de São Paulo. Conferência Estadual de C&T&I São Paulo Abril de 2010 Marco Antonio Zago Pró-Reitor de Pesquisa Universidade de São Paulo Conferência Estadual de C&T&I São Paulo Abril de 2010 Pressuposto fundamental A pesquisa acadêmica no Brasil concentra-se nas universidades

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

Processos de reestruturação do Ensino Médio: desafios e aprendizados CLAUDIA COSTIN

Processos de reestruturação do Ensino Médio: desafios e aprendizados CLAUDIA COSTIN Processos de reestruturação do Ensino Médio: desafios e aprendizados CLAUDIA COSTIN PROCESSOS DE REESTRUTURAÇÃO DO ENSINO MÉDIO: DESAFIOS E APRENDIZADOS CLAUDIA COSTIN Diretora do Centro de Excelência

Leia mais

LABORATÓRIO DE INOVAÇÕES EM EDUCAÇÃO NA SAÚDE COM ÊNFASE EM EDUCAÇÃO PERMANENTE /EDITAL DA 1ª EDIÇÃO

LABORATÓRIO DE INOVAÇÕES EM EDUCAÇÃO NA SAÚDE COM ÊNFASE EM EDUCAÇÃO PERMANENTE /EDITAL DA 1ª EDIÇÃO LABORATÓRIO DE INOVAÇÕES EM EDUCAÇÃO NA SAÚDE COM ÊNFASE EM EDUCAÇÃO PERMANENTE /EDITAL DA 1ª EDIÇÃO Porque o Laboratório Os processos de educação em saúde constituem como um dos fundamentos das práticas

Leia mais

Recomendação de políticas Alfabetização digital

Recomendação de políticas Alfabetização digital Recomendação de políticas A oportunidade O conhecimento de informática e a alfabetização, a familiaridade com software de produtividade, a fluência no uso de uma ampla gama de dispositivos digitais, estas

Leia mais

1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações

1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações 1 - Educação Pré- Escolar (Despacho n.º 5220/97, de 4 de agosto) 2-1.º Ciclo do Ensino Básico (DL n.º 139/2012, de 5 de julho, com as alterações introduzidas pelo DL n.º 91/2013, de 10 de julho) 3-2.º

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2016/2017 A distribuição do serviço docente da Escola Secundária da Ramada (doravante designada

Leia mais

OFERTA FORMATIVA

OFERTA FORMATIVA OFERTA FORMATIVA 2016-17 OFERTA FORMATIVA (ensino diurno) Ensino Secundário: Parte I - Cursos Científico-Humanísticos *Ciências e Tecnologias; *Ciências Socioeconómicas; *Línguas e Humanidades; *Artes

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3)

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3) Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3) 2016-2019 Anexo 3 (Plano de Ação Estratégica) (PNPSE) 1 Introdução O Projeto Educativo do AEVH define como uma das principais áreas de

Leia mais

MOVIMENTO DA ESCOLA MODERNA

MOVIMENTO DA ESCOLA MODERNA e-mail: mem@mail.telepac.pt Índice ordinal (2005-2011) (2005) Niza, S. (2005). Editorial. Escola Moderna, 23 (5), 3-4. Mata Pereira, M. (2005). O Currículo por Competências: A construção de um instrumento

Leia mais

Matrículas/Renovações de matrículas 2ºano ao 12ºano de escolaridade

Matrículas/Renovações de matrículas 2ºano ao 12ºano de escolaridade Matrículas/Renovações de matrículas 2ºano ao 12ºano de escolaridade (17 DE JUNHO A 26 DE JUNHO) As renovações de matrículas são online e realizam-se no site do Agrupamento: http://www.ecarnaxide.pt/ -

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Colégio de Alfragide. Informações 2.º Ano. Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques

Colégio de Alfragide. Informações 2.º Ano. Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques Sala 2º ano Colégio de Alfragide Informações 2.º Ano Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques Equipa Pedagógica Diretor Pedagógico Coordenadora 1º Ciclo Professor Titular Expressão Plástica Educação

Leia mais

DISCIPLINAS MÓDULO 01

DISCIPLINAS MÓDULO 01 Matriz Curricular do Curso Subsequente Técnico em Edificações Educação Profissional Técnica de Nível Médio IFBA - Campus Ilhéus Período de Vigência: 2012.2 ao atual S MÓDULO 01 1º MÓDULO: FUNDAMENTOS Pré-requisito:

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

Projeto E.M.A. (Estímulo à Melhoria das Aprendizagens) Tejo: Um rio de Conhecimento

Projeto E.M.A. (Estímulo à Melhoria das Aprendizagens) Tejo: Um rio de Conhecimento Projeto E.M.A. (Estímulo à Melhoria das Aprendizagens) Tejo: Um rio de Conhecimento Objetivo Geral Desenvolver nos alunos competências relacionadas com a prática experimental que reforcem a motivação,

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

Autonomia e Flexibilidade Curricular. III Reunião com as Escolas do Projeto Julho de 2017

Autonomia e Flexibilidade Curricular. III Reunião com as Escolas do Projeto Julho de 2017 Autonomia e Flexibilidade Curricular III Reunião com as Escolas do Projeto Julho de 2017 AUTONOMIA E FLEXIBILIDADE CURRICULAR C RESPONSABILIDADE N F A U T O N O M I A A ACOMPANHAMENTO Ç F L E X I B I L

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Pedagogia Missão O Curso de Pedagogia tem por missão a formação de profissionais de educação autônomos e cooperativos, capazes de pensar, investigar, decidir, planejar,

Leia mais

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS DE DIPLOMADOS DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS DE DIPLOMADOS DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA Tabela 1. Entidades empregadoras Entidades Associações promotoras da dança / artes performativas 2 Companhias de Dança 3 Escolas de Dança 5 IPSS 1 Total 11 Tabela 1. As entidades empregadoras são maioritariamente

Leia mais

Auscultação à Comunidade. Professores ll: Reflexões sobre a prática profissional

Auscultação à Comunidade. Professores ll: Reflexões sobre a prática profissional Auscultação à Comunidade Professores ll: Reflexões sobre a prática profissional Auscultação à Comunidade Universo: 111 professores Inquiridos: 93 83,38% Questionário aos Professores Aplicação do Questionário

Leia mais

OFERTA FORMATIVA 2017/2018

OFERTA FORMATIVA 2017/2018 OFERTA FORMATIVA 2017/2018 www.esenviseu.net 2017/2018 OFERTA FORMATIVA Ensino Básico - 3º Ciclo 7º, 8º e 9º Ensino Regular Ensino Artístico Especializado de Música ou Dança Ensino Secundário Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA SUÉCIA (1) - 2012 ABORDAGEM EMPRESARIAL A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Pedagogia Licenciatura S-20 - Educação e Diversidade S-20 - Filosofia Geral

Pedagogia Licenciatura S-20 - Educação e Diversidade S-20 - Filosofia Geral Página 0001 de 0004 1º Período 6387-02S-20 - Educação e Diversidade 0 40-040 0491-02S-20 - Filosofia Geral 0 40-040 PED 0845-02S-20 - História da Educação I 0 40-040 PED 0752-02S-20 - Introdução à 0 40-040

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA Fórum Regional Sudeste de Pró-Reitores de Graduação (FORGRAD) Universidade Católica de Petrópolis, RJ 01/04/2016 1. 2. Precarização do Programa 3.

Leia mais

N Disciplina Nº CR C. H. Conteúdo Natureza. Introdução a EAD 4 60 DP Mód. 1 Obrigatória. Introdução à Filosofia 4 60 FG Mód.

N Disciplina Nº CR C. H. Conteúdo Natureza. Introdução a EAD 4 60 DP Mód. 1 Obrigatória. Introdução à Filosofia 4 60 FG Mód. Apresentação O curso de Filosofia licenciatura, na modalidade a distância, é resultado do desejo de iniciar um trabalho inter e multidisciplinar na qualificação de profissionais que atuam ou atuarão na

Leia mais

c) O número de grupos/ turmas a considerar em cada ciclo e anos é o aprovado na rede de oferta formativa para o ano letivo 2016/2017, a saber:

c) O número de grupos/ turmas a considerar em cada ciclo e anos é o aprovado na rede de oferta formativa para o ano letivo 2016/2017, a saber: CRITÉRIOS PARA A CONSTITUIÇÃO DE TURMAS ANO LETIVO 2016/2017 Os professores responsáveis pela constituição de turmas devem ter em atenção as seguintes orientações: a) Na constituição de turmas, aplicam-se

Leia mais

Calendário Escolar 2016/2017

Calendário Escolar 2016/2017 Calendário Escolar 2016/ 1.º PERIODO 1 de setembro de 2016 Apresentação de todos os Colaboradores 10h00 - Reunião de coordenação do início de atividades Anfiteatro Professores: - Trabalhos preparatórios

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR PEDAGOGIA. MÓDULO Introdutório Orientações Gerais sobre o Curso e Normas de Formatação de Trabalhos

MATRIZ CURRICULAR PEDAGOGIA. MÓDULO Introdutório Orientações Gerais sobre o Curso e Normas de Formatação de Trabalhos MATRIZ CURRICULAR PEDAGOGIA MÓDULO Introdutório Orientações Gerais sobre o Curso e Normas de Formatação de Trabalhos MÓDULO Fundamentos da Educação Fundamentos Psicológicos da Educação Fundamentos Filosóficos

Leia mais

Critérios e Instrumentos de Avaliação Ensino Secundário Cursos Científico Humanísticos

Critérios e Instrumentos de Avaliação Ensino Secundário Cursos Científico Humanísticos Critérios e Instrumentos de Avaliação Ensino Secundário Cursos Científico Humanísticos COMPETÊNCIAS NO DOMÍNIO COGNITIVO/MOTOR > 100% Compreensão/expressão oral Português Compreende criticamente géneros

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júlio Dantas

Agrupamento de Escolas Júlio Dantas Agrupamento de Escolas Júlio Dantas Proposta de Oferta Formativa 2016/2017* Largo Prof Egas Moniz, Apartado 302 8601 904 Lagosl Telefone: 282 770 990 Email: info @ aejd.pt http://www.aejd.pt/ * A abertura

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

Cidadania europeia: fundamentos da candidatura

Cidadania europeia: fundamentos da candidatura Cidadania europeia: fundamentos da candidatura De acordo com Castanheira (2013), o léxico político passou a integrar expressões como cidadania europeia, cidadania multicultural, cidadania planetária. Insiste-se

Leia mais

Escola Secundária de Rio Tinto

Escola Secundária de Rio Tinto UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Educação e Psicologia Luísa Pereira Agrupamento de Escolas de Rio Tinto nº 3 Escola Secundária de Rio Tinto 27 de fevereiro de 2013 2 Turma Delta (TD) Projeto

Leia mais

Políticas Educativas: O que há de novo?

Políticas Educativas: O que há de novo? V Congresso Internacional Educação, Inclusão e Inovação Políticas Educativas: O que há de novo? Luísa Ucha Filomena Pereira Lisboa, 8 julho 2017 V Congresso Internacional Educação, Inclusão e Inovação

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Inicial

Plano de Ações de Melhoria Inicial Plano de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2016/2017 Outubro de 2016 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria Inicial 2.1. Enquadramento das ações de melhoria nos Critérios da CAF

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Área de intervenção Resultados escolares: promoção do sucesso e da excelência Objetivos Metas Atividades Indicadores Situação inicial Atingir em 95% os Elaboração dos PDI segundo Cumprimento

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL DA FINLÂNDIA: CURRÍCULO, PROFISSIONAIS E AVALIAÇÃO

SISTEMA EDUCACIONAL DA FINLÂNDIA: CURRÍCULO, PROFISSIONAIS E AVALIAÇÃO SISTEMA EDUCACIONAL DA FINLÂNDIA: CURRÍCULO, PROFISSIONAIS E AVALIAÇÃO FINLÂNDIA - O PAÍS 338,000 km2 5,3 milhões de habitantes Capital: Helsinque 2 idiomas oficiais: finlandês sueco Helsinki FINLÂNDIA

Leia mais

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA 1. Introdução A avaliação externa do Agrupamento de Escolas da Maia, da responsabilidade da IGEC, decorreu de 17 a 20 de novembro do ano transato. A classificação de Muito Bom em todos os domínios enche-nos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Plano Plurianual de Atividades 2014/2017 0 Índice Índice... 1 Introdução... 2 DIMENSÃO PEDAGÓGICA... 3 DIMENSÃO CÍVICA... 7 DIMENSÃO ESCOLA, FAMÍLIA, COMUNIDADE... 9 DIMENSÃO

Leia mais

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e Agora Serviço de Psicologia e Orientação Psicóloga Eduarda Seabra Dossier Informação Escolar e Profissional Pág.1 1 Natureza dos Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Programa de Formação em Tecnologia Programa para Professores da Rede Pública Estadual

Programa de Formação em Tecnologia Programa para Professores da Rede Pública Estadual Programa de Formação em Tecnologia para Professores da Rede Pública Estadual 9 de outubro de 2008 Objetivos do Programa Visão: promover a habilidade no uso das TIC para enfrentar as demandas da sociedade

Leia mais

Desafios Curriculares do Ensino Médio

Desafios Curriculares do Ensino Médio SEMINÁRIO INTERNACIONAL Desafios Curriculares do Ensino Médio 09 e 10 NOVEMBRO 2016 Desafios Curriculares do Ensino Médio: Trajetória da Pesquisa ALEXSANDRO SANTOS Marco Lógico Trajetória da Pesquisa 2015-2016

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

7 de julho de 2016 Número 118

7 de julho de 2016 Número 118 7 de julho de 2016 7 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 282/2016 O calendário de atividades educativas e escolares constitui um elemento indispensável à organização e planificação do ano escolar,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS E CURRICULAR

PLANO DE ESTUDOS E CURRICULAR PLANO DE ESTUDOS E CURRICULAR ENSINO SECUNDÁRIO 1 CURRICULO E PLANO DE ESTUDOS DO 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Atendendo que o ano lectivo regular é de 30 semanas, cada disciplina terá a carga horária

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO LETIVO PARA 2012/2013 ESTUDO COMPARATIVO DE ORGANIZAÇÃO DOS TEMPOS LETIVOS EM 45/50 MINUTOS

ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO LETIVO PARA 2012/2013 ESTUDO COMPARATIVO DE ORGANIZAÇÃO DOS TEMPOS LETIVOS EM 45/50 MINUTOS ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO LETIVO PARA 2012/2013 ESTUDO COMPARATIVO DE ORGANIZAÇÃO DOS TEMPOS LETIVOS EM 45/50 MINUTOS 1. Quadro resumo Importante: 1 hora de serviço docente = 50 MATRIZES COM TEMPOS ORGANIZADOS

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2016 / 2017 Pré-escolar e 1º Ciclo Receção dos Fomentar a integração da criança no meio escolar. Promover a socialização dos alunos. Receção

Leia mais

Exames Nacionais 2017 e Candidatura ao Ensino Superior

Exames Nacionais 2017 e Candidatura ao Ensino Superior Exames Nacionais 2017 e Candidatura ao Ensino Superior Atualizado em 19.09.2016 Exames Nacionais do Ensino Secundário e Candidatura ao Ensino Superior Datas mais importantes a ter em conta*. Ao longo do

Leia mais

Parecer da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física (SPF) Revisão da Estrutura Curricular dos Ensino Básico e Secundário

Parecer da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física (SPF) Revisão da Estrutura Curricular dos Ensino Básico e Secundário Parecer da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física (SPF) sobre a proposta-base de Revisão da Estrutura Curricular dos Ensino Básico e Secundário apresentada pelo Ministério da Educação e

Leia mais

Critérios de Avaliação na educação pré-escolar

Critérios de Avaliação na educação pré-escolar Critérios de Avaliação na educação pré-escolar 1 - Modalidades de avaliação e suas funções O ato de avaliar contempla duas vertentes fundamentais: A avaliação da ação educativa - avaliação da qualidade

Leia mais

Direito é na Católica

Direito é na Católica é na Católica D UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE DIREITO Índice Um Curso de D inovador Dos métodos de ensino ao plano curricular, descubra porque estamos na vanguarda. Internacionalização:

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Profª Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE- UFMG

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Profª Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE- UFMG Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Profª Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE- UFMG Não é possível apresentar um manual ou receita para se construir uma escola democrática ou para implantar

Leia mais

Nota Informativa N.º 3/2016

Nota Informativa N.º 3/2016 Nota Informativa N.º 3/2016 MANUAIS ESCOLARES 1.º Ano do 1.º Ciclo Constitui uma prioridade para o XXI Governo Constitucional, plasmada no seu Programa de Governo, a valorização das pessoas, centrando

Leia mais

PROPOSTA II DO GRUPO DE TRABALHO

PROPOSTA II DO GRUPO DE TRABALHO SCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA PROPOSTA II DO GRUPO DE TRABALHO 2014-2017

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS ANOS LETIVOS: 2014/2015 A 2017-2018 Coordenadora do plano: Maria José

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais