GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO"

Transcrição

1 2010

2 MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DA FAPEMA São Luís - MA 2010

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS Custeio... 5 Material de Consumo... 5 Serviços de Terceiros e Encargos Despesas de Capital... 6 Equipamentos e Material Permanente UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS Regras Gerais Fiscalização Conta Bancária e Aplicações Financeiras Prazo para Prestação de Contas e Relatório Técnico Comprovantes de Despesa Comprovantes de Despesas de Viagens Para Passagens Apresentar: Tipos de Diárias Para Diárias Apresentar Documentos Necessários em Casos de Importação Importação Via Instituição Importação Direta Via Catálogos Importação Direta Via Escritório Importação Direta Via Bônus da UNESCO É VEDADO CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO BEM DOAÇÃO DOS BENS ADQUIRIDOS APRECIAÇÃO DE PEDIDOS DE PRORROGAÇÃO DE PRAZOS E OUTROS ELABORAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS COMPOSIÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PASSOS DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DISPOSIÇÕES FINAIS ANEXOS ANEXO 1 BALANCETE FINANCEIRO ANEXO 2 RELAÇÃO DOS COMPROVANTES DE DESPESAS POR RUBRICA ANEXO 3 RECIBO DE SERVIÇOS ( )TÉCNICOS ( ) DIÁRIAS ( )BOLSA ANEXO 4 ANÁLISE DA APLICAÇÃO FINANCEIRA ANEXO 5 DECLARAÇÃO/RELAÇÃO DOS MATERIAIS PERMANENTES DOADOS ANEXO 6 TERMO DE ACEITAÇÃO, DOAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE MATERIAL PERMANENTE ANEXO 7 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE PEDIDOS ANEXO 8 VALOR DAS DIÁRIAS ANEXO 9 A LEGISLAÇÃO ANEXO 10 MODELO DE CARTA DE ENCAMINHAMENTO

4 1 INTRODUÇÃO A utilização dos recursos concedidos deve atender normas e princípios fundamentais da administração pública, com destaque para o art. 70, parágrafo único da Constituição Federal, art. 50, parágrafo único da Constituição do Estado do Maranhão e dos Decretos Estaduais nº /2005 e /2005. Com efeito, o emprego de recursos sofrerá exame no que se refere ao bom e regular uso, à legalidade, legitimidade, moralidade, impessoalidade, publicidade, eficiência, eficácia e economicidade. 1.1 Todo beneficiário de auxílio concedido pelo FAPEMA está obrigado a prestar contas. 1.2 Os beneficiados com bolsas estão sujeitos a prestar contas quando constar no Termo de Outorga. 1.3 A utilização dos recursos concedidos a pessoas físicas, jurídicas, pública ou privada, bem como, a prestação de contas das mesmas, devem ocorrer de acordo com o estipulado no Termo de Outorga e Aceitação de Auxílio, no manual de prestação de contas da FAPEMA e de dentro do previsto nos projetos e planos de trabalho e de aplicação aprovados. 1.4 A utilização dos recursos concedidos deve atender normas e princípios fundamentais da administração pública e normas e princípios presentes no sistema jurídico nacional, com destaque para o art. 70 da Constituição Federal e o art. 50 da Constituição do Estado do Maranhão. Decorrente do que o emprego de recursos sofrerá exame especialmente no que se refere ao bom e regular uso, à legalidade, legitimidade, moralidade, impessoalidade, publicidade, eficiência, eficácia e economicidade. 4

5 2 CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS 2.1 Custeio São aquelas despesas relativas a serviços prestados por pessoa física ou jurídica e a aquisição de materiais diversos de consumo. Material de Consumo Material de conservação e limpeza, material de desenho e de expediente, combustíveis e lubrificantes, material de reparo e manutenção de veículos, embalagens, material fotográfico, de filmagens e gravações, produtos químicos, biológicos, farmacêuticos e odontológicos em geral, material de impressão, vidrarias de laboratório ou outro material de consumo. Quando comprados separadamente os seguintes itens são considerados materiais de consumo: placas de computador, drives, winchesters, memórias e processadores. Serviços de Terceiros e Encargos Despesas com prestação de serviços executados por pessoas físicas e jurídicas, tais como: despesas de diárias e prestação de serviços a pessoal, técnico e de apoio, adaptação, reparos e conservação de bens móveis, despesas com instalação de equipamento de comunicação, reproduções xerox, impressos e serviços gráficos, passagens, serviços de reparos de veículos, aluguéis para eventos, assinatura de revistas, exposições, conferências e congressos, diferenças de câmbio, etc. 5

6 2.2 Despesas de Capital São aquelas relativas à aquisição de bens patrimoniáveis. Equipamentos e Material Permanente Equipamentos de comunicação, máquinas e aparelhos gráficos, aparelhos elétricos, aparelhos técnicos e científicos, veículos, outras máquinas e equipamentos, material bibliográfico, ferramentas e utensílios de laboratório e enfermagem, utensílios de desenho, software, equipamentos de informática (impressoras, computadores, monitores, etc). 3 UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS 3.1 Regras Gerais A utilização dos recursos concedidos deve ocorrer dentro do prazo de vigência do Termo de Outorga e Aceitação de Auxílio. Finda a vigência ocorre à extinção do ajuste, a menos que haja prorrogação aprovada por escrito pela diretoria da FAPEMA, sendo vedada qualquer despesa fora do prazo de vigência Os recursos concedidos sob hipótese alguma poderão ser destinados a fins diversos dos indicados no Termo de Outorga do Auxílio e nos projetos, planos de trabalho e orçamentos de aplicação aprovados, ficando o beneficiário como responsável se pessoa física, pessoalmente responsável pela perfeita e regular aplicação do ajustado A não realização do objeto do ajuste, a aplicação para fins diversos dos previstos, o manejo irregular de recursos, ações que afrontem normas e princípios vigentes no sistema jurídico estadual e/ou nacional ou qualquer alteração do ajustado, em especial, gastos diferentes dos propostos e aprovados, alteração de rubricas e de prazos, será considerada irregular caso não haja previa aprovação escrita da diretoria da FAPEMA. Neste caso, a 6

7 instituição usará o direito de bloquear a concessão de outros auxílios, reter recursos, retirar material adquirido e rescindir o Termo de Outorga e Aceitação de Auxílio, além de exigir a devolução total ou parcial de recursos e a retirada total ou parcial do material adquirido, dependendo da gravidade da irregularidade cometida O beneficiário poderá ser responsabilizado pelo descumprimento do acordado no Termo de Outorga e Aceitação do Auxílio, do aprovado no projeto e plano de trabalho e aplicação e das disposições do manual de prestação de contas, ficando obrigada a reparar, por ação ou omissão voluntária, negligência, ou imprudência, bem como, pela ação de seus parceiros de concessão, prepostos, estagiários, empregados, procuradores, subordinados de qualquer espécie ou por pessoa a quem tenha atribuído qualquer tarefa relativa ao projeto O beneficiário dos recursos concedidos deverá seguir as regras contidas no manual de prestação de contas As normas deste manual são parte integrante do Termo de Outorga e Aceitação de Auxílio. Sendo que o citado Termo, além de reger-se por suas estipulações e pelas que constam no manual de prestação de contas, regula-se pelas normas legais pertinentes, nos termos do Decreto Estadual nº / Fiscalização O beneficiário dos recursos concedidos pela FAPEMA deverá aceitar fiscalização, sem qualquer restrição, que a outorgante entender necessária e conveniente, como: solicitar informações; acompanhar e avaliar a execução do projeto e plano de trabalho e de aplicação; fiscalizar in loco a utilização dos recursos; verificar extratos bancários e a localização de equipamentos em poder do beneficiário e da instituição de ensino e pesquisa O beneficiário se sujeita, ainda, as fiscalizações decorrentes de normas presentes no sistema jurídico nacional, com destaque para a possibilidade de sofrer fiscalização da 7

8 Contadoria e Auditoria Geral do Estado - CAGE, do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão e do Tribunal de Contas da União A fiscalização citada poderá ocorrer em até 05 (cinco) anos, contados somente a partir da data da aprovação das contas da FAPEMA pelo Tribunal de Contas do Estado do Maranhão, referente ao exercício da aprovação final da prestação de contas do Auxílio concedido Nos processos de prestação de contas com irregularidades sérias citados pelos relatórios do Tribunal de Contas do Estado, pela CGE, bem como, por exames realizados pelo setor de prestação de contas da FAPEMA o prazo para a fiscalização é de 10 (dez) anos. 3.3 Conta Bancária e Aplicações Financeiras Os recursos concedidos serão depositados e devem ser administrados pelo outorgado, obrigatoriamente, em conta específica no Banco do Brasil, exceto quando o auxílio se destinar à viagens, participação em eventos ou para o pagamento de bolsas A abertura da conta bancária específica para o auxílio será providenciada pelo beneficiário em qualquer agência do Banco do Brasil, mediante autorização da outorgante. Os pagamentos apenas deverão ser realizados após a abertura da conta corrente e após os depósitos de valores pela FAPEMA O beneficiário deverá informar ao Departamento financeiro da FAPEMA a agência e o número da conta corrente Os recursos depositados devem ser mantidos na conta, somente sendo permitidos saques para o pagamento de despesas previstas no ajuste, ou para a aplicação financeira. Casos omissos ou excepcionais devem ser justificados para avaliação e aprovação pela FAPEMA. 8

9 3.3.5 Os recursos recebidos, enquanto não utilizados, como regra geral, serão direcionados obrigatória e imediatamente para aplicações financeiras de renda fixa de curto prazo, com liquidez e rendimento diário. OBS: É vedada a aplicação financeira dos recursos concedidos em investimentos de renda variável e em outros investimentos de risco A receita obtida com a aplicação financeira deverá ser gasta dentro das rubricas contempladas, de acordo com as necessidades do projeto, sem obrigatoriedade de manter as proporções estabelecidas no contrato O rendimento líquido da aplicação financeira deve ser registrado no balancete financeiro. 3.4 Prazo para Prestação de Contas e Relatório Técnico A não apresentação da prestação de contas e relatório técnico até 60 dias após o final do prazo estipulado acarretará automaticamente a inclusão do nome do outorgado no CADIN (Cadastro de Inadimplentes do Estado) ficando o mesmo impossibilitado de receber recursos oriundos da FAPEMA e de qualquer órgão do Estado Não será concedido novo auxílio ao proponente se houver inadimplência quanto a prestação de contas ou relatório técnico. 3.5 Comprovantes de Despesa Os comprovantes de despesa devem ser emitidos em nome do beneficiário, contendo, data de emissão, descrição detalhada, o número do cheque ou da ordem bancária que efetivou o pagamento e quitação Os documentos e notas da prestação de contas não devem estar rasurados ou borrados. Devem ser enviadas as primeiras vias, caso seja necessário que estas permaneçam 9

10 na entidade, as segundas vias serão aceitas. Neste caso, será obrigatória a apresentação do recibo de repasse à instituição. Casos omissos serão avaliados pela FAPEMA Para os comprovantes de despesa referentes à aquisição de material permanente deve ser enviada a primeira via e uma fotocópia autenticada e carimbada pelo setor de patrimônio da Instituição constante no termo de outorga Para o pagamento de diárias e remuneração de serviços às pessoas físicas é necessário o preenchimento do formulário Recibo de Serviços - Anexo Na execução de projetos que incluam a realização de missões e expedições (trabalho de campo), cujos pagamentos sejam inviáveis nas formas usuais, em face de peculiaridades regionais, o beneficiário pode pagar em espécie, mediante recibo, devendo o saldo remanescente retornar à conta do projeto As duplicatas deverão vir acompanhadas das respectivas faturas e notas fiscais. Os talões de caixa simplificados deverão vir acompanhados de nota fiscal e/ou recibo no qual esteja descrita a mercadoria adquirida. As notas série D (venda a varejo) dispensam a apresentação de quitação Documentos de emissão fiscal com impressão termoelétrica deverão vir acompanhados das respectivas cópias. 3.6 Comprovantes de Despesas de Viagens Para Passagens Apresentar: Os bilhetes: passagens de ônibus, navio ou trem; Os bilhetes e os recibos de compra das passagens aéreas. Não serão aceitos documentos relativos à reserva PTA; 10

11 Em casos de perda, extravio ou professor visitante, excepcionalmente, poderá ser aceita a fotocópia do bilhete, desde que acompanhada de uma declaração do outorgado; Passagens emitidas com o uso de milhas não poderão ser reembolsadas Tipos de Diárias Nacionais; Internacionais; Estaduais: com pernoite, sem pernoite e refeição, sempre que tiver duração superior a 6 horas; O valor das diárias é aquele constante na tabela de diárias da FAPEMA e a quantidade deve ser de acordo com a duração do evento para o qual foram concedidas Para Diárias Apresentar Recibo em nome do projeto ou comprovação efetiva da despesa mediante entrega da documentação em nome do titular, observando os limites máximos de gastos fixados na tabela de diárias da FAPEMA; Comprovante da participação no evento. 3.7 Documentos Necessários em Casos de Importação Importação Via Instituição: Contrato de câmbio (cópia); Fatura proforma-invoice (original); 11

12 Guia de repasse dos recursos da FAPEMA para a instituição (2a.via original); Declaração de importação emitida pela Receita Federal (DI - cópia). OBS.: Toda a documentação relativa à importação deverá estar disponível no setor competente da instituição sede da pesquisa Importação Direta Via Catálogos Fatura proforma-invoice (original); Comprovante de pagamento: vale postal ou cartão de crédito (original e quitado). Neste caso deve ficar registrada a taxa da moeda estrangeira equivalente a moeda nacional na data do pagamento Importação Direta Via Escritório: Contrato de cambio; Fatura proforma-invoice (original); Declaração de importação (D.I.) ou requerimento emitido pela Receita Federal em caso de material bibliográfico; Nota fiscal relativa à prestação do serviço Importação Direta Via Bônus da UNESCO Recibo de compra dos bônus; Fatura discriminatória dos bônus adquiridos; Fatura proforma-invoice (original). 12

13 4 É VEDADO 4.1 Efetuar pagamento a si próprio, exceto diárias. 4.2Transferir recursos de uma rubrica para outra, salvo com autorização da FAPEMA por escrito. 4.3 Remunerar auxiliares de atividades administrativas de instituições de pesquisa. 4.4 Realizar compras a prazo, inclusive através de cartão de crédito. 4.5 Aplicar recursos que não sejam destinados ao fomento do ensino e à pesquisa científica e tecnológica. 5 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO BEM 5.1 O material adquirido ficará sediado no endereço da instituição mencionada e sob os cuidados do outorgado. 5.2 O beneficiário que der ao bem destinação diversa daquela aprovada, fica sujeito à devolução do mesmo ou do valor correspondente, à FAPEMA, atualizado monetariamente, acrescido de juros legais, na forma de legislação aplicável aos débitos para com a Fazenda Nacional, impedido ainda, de obter novos auxílios enquanto perdurar a irregularidade. 5.3 Toda e qualquer redistribuição que tiver sido dada ao bem, nas hipóteses de conclusão antecipada, interrupção do projeto ou utilização indevida, deve ser comunicada, formalmente à FAPEMA, pelo beneficiário e/ou pela instituição. 5.4 Em caso de roubo, furto ou de força maior, o beneficiário e/ou a instituição deve comunicar o fato, por escrito, à autoridade policial e enviar cópia da ocorrência à FAPEMA para conhecimento e juntada ao processo de prestação de contas. 5.5 O bem deve ser mantido em perfeito estado de conservação e funcionamento, correndo as custas da instituição toda e qualquer despesa nesse sentido. 13

14 6 DOAÇÃO DOS BENS ADQUIRIDOS 6.1 O material adquirido será doado à instituição onde o projeto foi sediado, mediante Termo de Doação - Anexo 6, após a aprovação da prestação de contas. 6.2 A instituição ficará responsável: para que o material doado fique nela sediado e para que atenda da forma mais qualificada e ampla os objetivos de pesquisa. 6.3 O material será propriedade da outorgante até a assinatura de Termo de Doação. 7 APRECIAÇÃO DE PEDIDOS DE PRORROGAÇÃO DE PRAZOS E OUTROS 7.1 Somente serão apreciados os pedidos de prorrogação que derem entrada na FAPEMA até 30 dias antes da data do vencimento do prazo para a apresentação de prestação de contas e relatório técnico constante do Termo de Outorga. 7.2 Para a solicitação de prorrogação de prestação de contas, relatório técnico, transposição de rubricas, aquisições de equipamentos não previstos, deve ser usado o modelo do formulário Anexo 7. 8 ELABORAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS 8.1 Para a realização da prestação de contas final, a conta corrente deve ser zerada e o saldo recolhido à FAPEMA, por meio de depósito bancário no Banco do Brasil, conta nº xxxxxx agência nº xxxxxx. No comprovante de depósito bancário, deve estar identificado o número do processo e o nome do outorgado. 8.2 O talonário de cheques em branco deve ser inutilizado para segurança do beneficiário ou devolvido ao banco. 14

15 8.3 A devolução de saldo deve ser realizada até a data do vencimento da prestação de contas e corrigida monetariamente, quando da devolução total do auxílio, a partir da data do recebimento do recurso. 9 COMPOSIÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS 9.1 Ofício de encaminhamento de prestação de contas. 9.2 Balancete Financeiro - Anexo Relação dos Comprovantes de Despesas por Rubrica - Anexo Recibo de Serviços Técnicos, Diárias, Bolsa de Aluno/Docente - Anexo Análise da Aplicação Financeira Anexo Declaração/Relação do Material Permanente Doados - Anexo Termo de Aceitação, Doação e Transferência de Domínio de Material Permanente Anexo Notas fiscais, sendo que as referentes à aquisição de material permanente devem ser originais e uma cópia autenticada e carimbada pelo setor de patrimônio da Instituição constante no termo de outorga. 9.9 Extrato bancário Comprovante de depósito bancário referente à devolução do saldo não utilizado, com identificação do número do processo e nome do outorgado. 15

16 10 PASSOS DA PRESTAÇÃO DE CONTAS 10.1 Todos os valores registrados na prestação de contas deverão estar expressos em moeda nacional Zerar a conta corrente e devolver o saldo corrigido Inutilizar os talões de cheque Separar as notas fiscais e/ou recibos de acordo com as rubricas contempladas no projeto. Colar em folhas de ofício por ordem cronológica Elaborar a Relação dos Comprovantes de Despesa por Rubrica em ordem cronológica - Anexo Quando na mesma nota fiscal estiverem arrolados itens classificados como material permanente e material de consumo, a via original deve ser juntada a relação do material permanente e, a segunda via ou xerox, na relação de material de consumo Elaborar a Declaração/Relação dos Materiais Permanentes a serem Doados Anexo 5, carimbada e assinada pelo representante legal da instituição Fazer uma fotocópia de cada nota fiscal do material permanente e juntar ao final da prestação de contas Colar os extratos de conta em folhas de ofício na ordem cronológica observando que a movimentação financeira completa da conta corrente deve constar no mesmo Preencher os Recibos de Serviços Técnicos, Diárias e Bolsa Aluno/Docente Anexo 03, quando necessário Apurar o rendimento da aplicação financeira e preencher a Análise da Aplicação Financeira Anexo 4 e o Balancete Financeiro - Anexo Consolidar todas as informações no Balancete Financeiro Anexo

17 10.13 Remeter pelo correio por carta registrada ou por SEDEX ou entregar diretamente no protocolo da FAPEMA a prestação de contas. 11 DISPOSIÇÕES FINAIS 11.1 Os trabalhos publicados em decorrência das atividades apoiadas pela FAPEMA deverão, necessariamente, fazer referência ao apoio recebido A substituição do Beneficiário só poderá ser efetivada com a prévia concordância da FAPEMA. Quando isso ocorrer, o primeiro será obrigado a apresentar a prestação de contas referente ao período de sua gestão, cabendo ao seu substituto a prestação de contas final Os casos omissos serão apreciados pela Diretoria da FAPEMA. Solicitações e informações poderão ser obtidas no endereço: São Luís, 03 de agosto de 2010 Rosane Nassar Meireles Guerra Diretora Presidente 17

18 ANEXO 1 BALANCETE FINANCEIRO OBS: Todos os valores devem ser expressos em moeda nacional Outorgado: Número do Processo: Receitas Pago FAPEMA: Despesas Total das Despesas: Aplicação Financeira: Despesas Bancárias: Recursos Próprios: Outras Despesas: (Máximo 10 UFIRs) Outras Receitas Devolvido: Correção da Devolução: Total: Total: Local Data Assinatura do Outorgado Obs.: Os totais de receitas e despesas obrigatoriamente deverão ser iguais 18

19 ANEXO 2 RELAÇÃO DOS COMPROVANTES DE DESPESAS POR RUBRICA OBS Todos os valores expressos devem ser expressos em moeda nacional Outorgado Nº Processo: Nome da Rubrica de Despesa: Nº Data Pagamento Nº do Cheque Nº Fatura Fornecedor Valor Sub Total / Total Local: Data: Assinatura do Outorgado Obs: confeccionar uma para cada rubrica recebida 19

20 ANEXO 3 RECIBO DE SERVIÇOS ( )TÉCNICOS ( ) DIÁRIAS ( )BOLSA ALUNO Valores expressos em moeda nacional ( ) BOLSA DOCENTE Valor da remuneração: R$ Recebido(a) de (outorgado) a importância de (por extenso) relativo a (descrição da tarefa) no período de em caráter eventual e sem vínculo empregatício. Do que dou plena e geral quitação. Data: dd/mm/anno Nome por extenso: Endereço: Cidade: CPF ou Passaporte: Assinatura: Testemunhas: (em caso de recibo passado a rogo) Nome: Ass.: Nome: Ass.: 20

21 ANEXO 4 ANÁLISE DA APLICAÇÃO FINANCEIRA Valores expressos em moeda nacional Outorgado Número do processo Conta Corrente Data Aplicação Resgate Total: 1) Total de resgates 2) total de aplicações 3) rendimento liquido 4)Despesas bancárias Local, data Assinatura do Outorgado 21

22 ANEXO 5 DECLARAÇÃO/RELAÇÃO DOS MATERIAIS PERMANENTES DOADOS Valores expressos em moeda nacional Declaro, para os fins de prestação de contas, do processo número que os materiais permanentes adquiridos encontram-se no Departamento (Instituição/Departamento) Item Descrição Quant. Valor Sub - Total/ Total Local: Data: Ass. Resp. Instituição: Ass. Outorgado: Válido somente com o carimbo do Responsável pela Instituição 22

23 ANEXO 6 TERMO DE ACEITAÇÃO, DOAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO DE MATERIAL PERMANENTE Estado do Maranhão Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Maranhão - FAPEMA Processo número: Outorgado: Doadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Maranhão Donatária: Representante legal: Nos termos da resolução número 05/91, do Conselho Superior da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Maranhão, a DONATÁRIA acima identificada, através de seu representante legal, declara expressamente, para fins de direito, que aceita a doação e transferência de domínio de material permanente a ser adquirido com os recursos da DOADORA, nos termos e condições seguintes: I - A DONATÁRIA compromete-se a manter o material permanente em boas condições de uso e assegurar ao OUTORGADO a sua plena e efetiva utilização durante a execução dos projetos para os quais foi concedido o Auxílio, e, facilitará o acesso a ele de especialistas na matéria, desde que devidamente credenciados. A documentação originária da aquisição será entregue pela DOADORA, mediante recibo, obrigando-se a DONATÁRIA a conservá-lo em seus arquivos para efeitos de eventuais exigências do Tribunal de Contas do Estado, ao qual a DOADORA está sujeita. II - A DONATÁRIA comprometem-se, ainda, a efetuar, no prazo de trinta dias, a contar da data da concretização da doação, os lançamentos contábeis em sua conta patrimonial. São Luis, dd/mm/anno Representante legal (carimbo): 23

24 ANEXO 7 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE PEDIDOS Valores expressos em moeda nacional Nome: Número do processo: Tipo de auxílio: Vigência: 1 - Prorrogação do prazo de prestação de contas e relatório técnico: De / / até / / justificativa: ( ) Extratos bancários incompletos ( ) Atraso na compra de materiais ( ) Atraso no cronograma de execução ( ) Atraso na entrega de materiais ( ) Condições climáticas desfavoráveis a execução das atividades ( ) Outros: 2 Compra de materiais não previstos no projeto: Justificativa: ( ) Readequação do orçamento em função de redução c/ relação ao proposto ( ) Alteração do projeto gerando necessidade de outros equipamentos ( ) Aumento do preço de alguns itens sendo necessário a substituição ( ) Necessidades imprevistas por danos em equipamentos ( ) Outros: 3 Transposição de rubrica: Rubricas De para Material de consumo Serviços de terceiros e encargos Equipe e material permanente Total Justificativa: ( ) Alteração do projeto gerando necessidade de mudanças nas rubricas ( ) Outros: data: / / Ass. do outorgado 24

25 ANEXO 8 VALOR DAS DIÁRIAS Os Valores de diárias praticados pela FAPEMA no País (R$ 200,00 e no Exterior US$ a US$ ), conforme Grupos de Países tomados como base da Tabela de Diárias no Exterior instituída para os servidores da Administração Pública Federal, (Tabela abaixo). Conselho Técnico Administrativo da FAPEMA, em reunião de 16 de junho de 2010, resolveu alterar o valor das diárias conforme tabela a seguir: Tipo de Diárias Valor das Diárias Nacional fora do Estado R$ 200,00 Nacional no estado - Com pernoite R$ 140,00 Nacional no estado - Sem pernoite R$ 80,00 Refeição R$ 30,00 Internacional U$ 200,00 a U$300,00 Obs.: Não são aceitas despesas referentes ao consumo de bebidas alcoólicas. 25

26 ANEXO 9 A LEGISLAÇÃO No artigo 70 da Constituição Federal temos: Art. 70. A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada Poder. Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária. O art. 50 da Constituição do Estado do Maranhão diz que: Art. 50 A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial do Estado e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicações das subvenções e renúncia de receitas, será exercida pela Assembléia Legislativa, mediante controle externo e pelo sistema de controle interno de cada Poder. Parágrafo único Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais o Estado responda, ou que, em nome deste, assuma obrigações de natureza pecuniária. 26

27 ANEXO 10 CARTA DE ENCAMINHAMENTO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE AUXÍLIO À FAPEMA. São Luís, dd/mm/200x. Senhora Diretora Presidente, Encaminho a Vossa Senhoria a documentação em anexo, para efeito de comprovação de despesas do auxílio concedido pela FAPEMA na modalidade xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, referente ao processo de nº xxxx xxxx/200x concedido em nome de XXXXX XXXXXXX X no valor total de R$ XXXX,XXX (XXXXXXXXX). Atenciosamente, Assinatura do Outorgado 27

Programa de Educação Tutorial - PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET

Programa de Educação Tutorial - PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET LEGISLAÇÃO Lei nº11.180/2005 O professor tutor, de acordo com o 1º do art. 12 da Lei n o 11.180/2005, receberá semestralmente um montante de recursos equivalente

Leia mais

Governo do Rio Grande do Norte Fundação de Apoio à Pesquisa do RN MANUAL DE APLICAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS

Governo do Rio Grande do Norte Fundação de Apoio à Pesquisa do RN MANUAL DE APLICAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS Governo do Rio Grande do Norte Fundação de Apoio à Pesquisa do RN MANUAL DE APLICAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS NATAL RN Julho/2008 1. Introdução: 1.1. Recomendamos a leitura deste MANUAL antes

Leia mais

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 1 FAPERGS Edital 16/2013 Orientações Básicas Execução Financeira dos Recursos de Subvenção Econômica FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 2 1. Regras Básicas Vedado alteração do objeto do Termo de Subvenção

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI

FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI PRESTAÇÃO DE CONTAS FORMULÁRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PROINFRA/IFCE -PRPI 1. A prestação de contas deve ser constituída dos seguintes documentos: a) Encaminhamento de Prestação de Contas Anexo I; b) Relação

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016.

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. 1 Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. Formulários obrigatórios para Prestação de Contas PRESTAÇÃO DE CONTAS - PROJETOS INCENTIVADOS PELA DME E/OU SUAS SUBSIDIÁRIAS.

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS FREQUENTES

AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS FREQUENTES Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Setor Bancário Norte, Quadra 2, Bloco L, Lote 6. CEP: 70.040-020 Brasília/DF Brasil AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS

Leia mais

Manual de Orientações Técnico-Financeiras

Manual de Orientações Técnico-Financeiras Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Manual de Orientações Técnico-Financeiras Programa /COLCIÊNCIAS BRASIL-COLÔMBIA 2013 Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 1 APRESENTAÇÃO As presentes instruções têm por finalidade estabelecer critérios

Leia mais

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO FINANCEIRA/PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS TRANSFERIDOS PELO MINISTÉRIO/ORGANISMOS INTERNACIONAL REFERENTE AOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO DE ATIVIDADES FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

Leia mais

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I Anexo I REGULAMENTO DA CONCESSÃO DO AUXÍLIO FINANCEIRO A PROJETO EDUCACIONAL E DE PESQUISA - AUXPE 1. Da Concessão e Aceitação 1.1 A solicitação e concessão de recursos financeiros dar-se-á mediante celebração

Leia mais

Guia para Comprovação de Investimentos

Guia para Comprovação de Investimentos Guia para Comprovação de Investimentos 1 2 4 5 Introdução Acompanhamento na Fase de Análise ETAPA 1 Comprovação Financeira ETAPA 2 Comprovação Física ETAPA Comprovação Jurídica ETAPA 4 Liberação Penalidades

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS FREQUENTES

AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS FREQUENTES Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Setor Bancário Norte, Quadra 2, Bloco L, Lote 6. CEP: 70.040-020 Brasília/DF Brasil AUXÍLIO FINANCEIRO A PESQUISADOR PERGUNTAS

Leia mais

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014.

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 2.054 de 12 de junho de 2014 para dispor sobre o custeio de transporte, hospedagem e alimentação do colaborador eventual e do profissional técnico

Leia mais

FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2009

FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2009 INTRODUÇÃO FUNDO DE APOIO A CULTURA DA SOJA 1.1 - Recomenda-se a leitura deste manual antes de utilizar os recursos concedidos pelo FACS. O manual está disponível no site http://www.facsmt.com.br. 1.2

Leia mais

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por meio da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS) torna público o presente EDITAL

Leia mais

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos:

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos: Orientações para Solicitação e Prestação de Contas de Diárias de acordo com o Decreto nº 3328-R, de 17 de junho de 2013. DIÁRIAS Diárias são indenizações pagas antecipadamente para cobrir despesas com

Leia mais

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS NÚMERO CIR.FIN.MAT.0001 Elaborada em: 08/08/2011 Atualizada em: - Quant. Páginas DEPARTAMENTO DE ORIGEM Departamento Finanças 5 1 Objetivo Este documento tem como objetivo

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA ANEXO VI MINUTA DE CONTRATO CONTRATO que entre si fazem o DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA e a empresa xxxxxxxx, para seguro contra terceiros para os veículos deste Departamento. O DEPARTAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014

LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 LEI Nº 1326/2014 De 10 de dezembro de 2014 Dispõe sobre concessão de diária aos Vereadores e servidores que menciona e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piranguinho aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital.

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital. ÍNTEGRA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto nos artigos 113 e 114 do Decreto n 53.151, de 17 de maio de 2012, RESOLVE:

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA EDITAL PROGRAD Nº 79 DE 15 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA EDITAL PROGRAD Nº 79 DE 15 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL PROGRAD Nº 79 DE 15 DE SETEMBRO DE 2014 CONSIDERANDO as normas estabelecidas pela Resolução COSUEN 013/2014, de 23 de julho de 2014, a Pró-Reitoria de Graduação, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA APOIO FINANCEIRO DE CURSOS E SEMINÁRIOS

INSTRUÇÕES PARA APOIO FINANCEIRO DE CURSOS E SEMINÁRIOS INSTRUÇÕES PARA APOIO FINANCEIRO DE CURSOS E SEMINÁRIOS O instrumento administrativo Cursos e Seminários aplica-se a eventos pontuais como reuniões, capacitações e workshops previstos para serem realizados

Leia mais

Instruções para prestação de contas de auxílio

Instruções para prestação de contas de auxílio Instruções para prestação de contas de auxílio Modalidade: Auxílio à Projetos de Inovação Tecnológica - ADT 1 Auxílio para a Inserção de Novas Tecnologias no Mercado - ADT 2 Pessoa Jurídica 1 DÚVIDAS:

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB Fixa normas e procedimentos administrativos relativos ao controle patrimonial do ativo imobilizado da FFFCMPA. O Diretor da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS 1 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS Todas as normas devem ser lidas atentamente antes da submissão da proposta de pesquisa, bem como antes da realização

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 1 COMO ACESSAR O PATRONAGE... 4 2 INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO... 5 3 PRESTAÇÃO DE CONTAS... 8 3.1 Execução do projeto... 8 3.2 Autorização de recursos (remanejamento de recurso,

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TEXTO 2 PRESTAÇÃO DE CONTAS E SUAS ESPECIFICIDADES INTRODUÇÃO Tomando como base a definição do Tesouro Nacional que designa a Prestação Contas como: Demonstrativo organizado pelo próprio

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014 CONSÓRCIO PÚBLICO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO NORTE PIONEIRO RESOLUÇÃO DA DIRETORIA Nº 09/2014 A Diretoria Administrativa do Consórcio Público Intermunicipal de Saúde do Norte Pioneiro -, no uso de suas

Leia mais

Instruções para prestação de contas de auxílio

Instruções para prestação de contas de auxílio Instruções para prestação de contas de auxílio Modalidade: Auxílio à Organização de Eventos APQ 2 1 DÚVIDAS: Auditoria Interna da FAPERJ: Rua Erasmo Braga, 118-6º andar Centro - Rio de Janeiro Tels: 2333-1948/1957/1976/1992

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições:

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições: REGULAMENTO A OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS CVC TUR LTDA., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às condições

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA DE APOIO A PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS ARTIGO/FAPEMA EDITAL FAPEMA Nº 09/2014 ARTIGO

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO PROPLAN Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO CCAF RESOLUÇÃO Nº 123, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO CCAF RESOLUÇÃO Nº 123, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO CCAF RESOLUÇÃO Nº 123, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o Manual de utilização de Recursos Financeiros

Leia mais

Instruções para prestação de contas de auxílio

Instruções para prestação de contas de auxílio Instruções para prestação de contas de auxílio Modalidade: Jovem Cientista do Nosso Estado JCNE 1 DÚVIDAS: Auditoria Interna da FAPERJ: Rua Erasmo Braga, 118-6º andar Centro - Rio de Janeiro Tels: 2333-1948/1957/1976/1992

Leia mais

Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte

Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte Local/Data: Brasília, 20 de setembro de 2013 GTI-003/2013 Fl. 1/7 Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte 1. INTRODUÇÃO: A presente Nota

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

EDITAL 10/2010 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ

EDITAL 10/2010 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ PRÓ-REITORIA DE E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL 10/2010 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPESP) e a Fundação de Amparo e Desenvolvimento

Leia mais

MANUAL. Cartão Pesquisa/Facepe. Atualizado em Junho/2015

MANUAL. Cartão Pesquisa/Facepe. Atualizado em Junho/2015 MANUAL Cartão Pesquisa/Facepe Atualizado em Junho/2015 Prezado Pesquisador, A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco - FACEPE está adotando um novo meio para a utilização dos

Leia mais

PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS http://www.fapemig.br/files/manual.

PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS http://www.fapemig.br/files/manual. PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NORMAS E PROCEDIMENTOS GERAIS UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS http://www.fapemig.br/files/manual.pdf INFORMAÇÕES GERAIS Duração do projeto O prazo de vigência do projeto

Leia mais

1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA

1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA 1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA 1º PASSO: Recebimento do e-mail de aprovação do projeto. 2º PASSO: Preenchimento e assinatura do Termo de Aceitação de Apoio Financeiro e do Cadastro de Portador, que

Leia mais

Fundo de Apoio à Cultura. Manual da Prestação de Contas 2014

Fundo de Apoio à Cultura. Manual da Prestação de Contas 2014 Fundo de Apoio à Cultura Manual da Prestação de Contas 2014 Secretaria de Cultura do DF Subsecretaria de Fomento Fundo de Apoio à Cultura Introdução Visando atender ao novo Decreto do FAC (34.785/2013),

Leia mais

Sobre o Cancelamento de Gravames. Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP

Sobre o Cancelamento de Gravames. Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP Sobre o Cancelamento de Gravames Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/SP Procedimentos para Solicitação do Desbloqueio de Cancelamento de Gravame De acordo com a portaria 2.762 de 28 de dezembro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP PAEP Programa de Apoio a Eventos no País EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação Coordenação

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO - ANEXOS - ANEXO I - PROCEDIMENTOS PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO REQUERIMENTO Art. 1º - A capacitação interna poderá ser proposta pela Reitoria, Pró-Reitorias ou Diretorias

Leia mais

Edital FINATEC 04/2015 - Finatec / UnB. Participação em Eventos Científicos Internacionais

Edital FINATEC 04/2015 - Finatec / UnB. Participação em Eventos Científicos Internacionais Edital FINATEC 04/2015 - Finatec / UnB Participação em Eventos Científicos Internacionais A Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos - Finatec, pessoa jurídica de direito privado, sem fins

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Maranhão - PPG UEMA em conjunto

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição.

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição. TARIFAS BANCÁRIAS A utilização de bancos é praticamente indispensável aos cidadãos. Contas e impostos, salários e seguros-desemprego são exemplos de transferência de dinheiro normalmente intermediada por

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Móveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

CIRCULAR Nº 2792. a) pagos pela utilização de cartões de crédito emitidos no País; e. II - a apresentação mensal ao Banco Central do Brasil de:

CIRCULAR Nº 2792. a) pagos pela utilização de cartões de crédito emitidos no País; e. II - a apresentação mensal ao Banco Central do Brasil de: CIRCULAR Nº 2792 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes Alteração nº 48 - Cartões de Crédito Internacionais A Diretoria Colegiada do Banco

Leia mais

EDITAL Nº 30, DE 15 DE AGOSTO DE 2014

EDITAL Nº 30, DE 15 DE AGOSTO DE 2014 EDITAL Nº 30, DE 15 DE AGOSTO DE 2014 A DIRETORA GERAL Pro-tempore DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL (IFRS) -, por intermédio da Coordenação de Extensão, no uso

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS: AUXÍLIO FINANCEIRO A PROJETO EDUCACIONAL E DE PESQUISA. Perguntas Frequentes

PRESTAÇÃO DE CONTAS: AUXÍLIO FINANCEIRO A PROJETO EDUCACIONAL E DE PESQUISA. Perguntas Frequentes Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Setor Bancário Norte, Quadra 2, Bloco L, Lote 06 CEP 70040-020 - Brasília, DF PRESTAÇÃO DE CONTAS: AUXÍLIO FINANCEIRO

Leia mais

1.2. Presenteador: pessoa física ou jurídica que adquire o FLOT TRAVEL CARD mediante a compra direta de carga de valor.

1.2. Presenteador: pessoa física ou jurídica que adquire o FLOT TRAVEL CARD mediante a compra direta de carga de valor. REGULAMENTO DO FLOT TRAVEL CARD FLOT OPERADORA TURÍSTICA LTDA., o Presenteador e o Presenteado do FLOT TRAVEL CARD, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, o segundo e o terceiro,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Publicada no Boletim de Serviço nº 12, de 7 dez. 2011, p. 7-11 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o funcionamento da Biblioteca Ministro Victor Nunes Leal do Supremo Tribunal

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS EDITAL Nº 008/2015 CONVÊNIO Nº: 812779/2014 SDH/PR PROCESSO LICITATÓRIO Nº: 012/2015 TIPO: Cotação prévia de preços / Menor preço OBJETO: Contratação de Seguro contra Acidentes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO N.15964, DE 14 DE JUNHO DE 2011. DIÁRIO N 1754 PUBLICADO EM 15 DE JUNHO DE 2011. Dispõe sobre a Regulamentação da Concessão de Diárias, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 Dispõe sobre alterações na Regulamentação de apoio à pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

Programa Nota CAPES COTA

Programa Nota CAPES COTA PROGRAMA DE BOLSAS FAPESB - COTAS INSTITUCIONAIS MESTRADO PROFISSIONAL, MESTRADO E DOUTORADO 1. INTRODUÇÃO A FAPESB tem como um de seus principais objetivos apoiar a formação científica através da concessão

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) Este Regulamento faz parte integrante do Contrato de Cartão de Crédito ( Contrato ) e regula as condições aplicáveis ao Programa

Leia mais

AUXPPG MANUAL DO OUTORGADO

AUXPPG MANUAL DO OUTORGADO 3 1 Condições necessárias para a celebração do Termo de Outorga (TO) 1.1 O Programa Interno de Auxilio Financeiro aos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu (AUXPPG) da Universidade do Estado da Bahia

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA BOLSISTAS CUBANOS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA BOLSISTAS CUBANOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA BOLSISTAS CUBANOS PROGRAMA CAPES/MES - CUBA BRASIL-CUBA PROGRAMA CAPES/MES CUBA PROJETOS Todas as informações aqui descritas devem ser interpretadas em consonância com as normas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana EDITAL PROEX 10/2014, de 05 de agosto de 2014 PROFIEX 2014 A Comissão Superior de Extensão e a Pró-Reitora de Extensão da Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ

PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ EDITAL 01/2016 PROPESP PROGRAMA DE APOIO À PUBLICAÇÃO QUALIFICADA - PAPQ A Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PROPESP) torna pública a seleção de propostas no âmbito do Programa de Apoio à Publicação

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013)

Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013) 1. Conceito Orientações sobre Adiantamento de Despesas de Pequeno Valor (Versão n.º 03, de 16/09//2013) 1.1 Adiantamento consiste na entrega de numerário a servidor, sempre precedida de empenho gravado

Leia mais

a) constituição e retorno de capitais brasileiros no exterior e de capitais estrangeiros no País;

a) constituição e retorno de capitais brasileiros no exterior e de capitais estrangeiros no País; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. As pessoas físicas e as pessoas jurídicas podem comprar e vender moeda estrangeira ou realizar transferências internacionais em reais, de qualquer natureza, sem limitação

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014.

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014. DECRETO N 2.492714. DE 31 DE 01 DE 2014. "INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHI MENTO POR MEIOS ELETRÔNICOS, RELATI VÁS AO ISSQN

Leia mais

Norma para Concessão de Bolsa de Pesquisa

Norma para Concessão de Bolsa de Pesquisa Norma para Concessão de Bolsa de Pesquisa 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I - Do Objetivo e Abrangência... 4 CAPÍTULO II - Dos Procedimentos e Critérios para Concessão da Bolsa de Pesquisa... 4 CAPÍTULO

Leia mais

Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF. MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro)

Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF. MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro) Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal SIGEF MÓDULO TRANSFERÊNCIAS (Convênio e Contrato de Apoio Financeiro) Diretoria de Auditoria Geral DIAG Gerência de Auditoria de Recursos Antecipados -

Leia mais

Termo de Concessão e Aceitação de Apoio Financeiro a Projeto

Termo de Concessão e Aceitação de Apoio Financeiro a Projeto Anexo 2 da RN-024/2006 Apoio Financeiro a Projeto Termo de Concessão e Aceitação de Apoio Financeiro a Projeto CONDIÇÕES GERAIS 1. DA CONCESSÃO 1.1 - A concessão de apoio financeiro dar-se-á mediante celebração

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE.

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE. GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE. Gerência de Contabilidade Março/2014 APRESENTAÇÃO A finalidade deste guia é orientar

Leia mais

Atenção: Empréstimos ao projeto não constituem receitas, por favor mencione-os no saldo consolidado NOTA 5.

Atenção: Empréstimos ao projeto não constituem receitas, por favor mencione-os no saldo consolidado NOTA 5. GUIA para o Relatório de auditoria 1. Generalidades - Forma jurídica da entidade responsável do projeto (estatutos, personalidade jurídica, representantes legais etc.) NOTA 1. - Organização interna (organograma

Leia mais

2º WORKSHOP EAIP. Primeira fase a partir de 01/06/2014 e segunda fase a partir de 30/08/2014. Todos os auxílios à pesquisa vigentes

2º WORKSHOP EAIP. Primeira fase a partir de 01/06/2014 e segunda fase a partir de 30/08/2014. Todos os auxílios à pesquisa vigentes Primeira fase a partir de 01/06/2014 e segunda fase a partir de 30/08/2014 Todos os auxílios à pesquisa vigentes Termos de outorga alterados quando gerado aditivo Exceto para alguns Convênios por exigência

Leia mais

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 #Estabelece procedimentos para registro, no SICONV, de informações referentes a Convênios com OBTV. O Coordenador da Administração Geral, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no uso das suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou e eu PREFEITO MUNICIPAL sanciono a presente LEI: SEÇÃO I.

A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou e eu PREFEITO MUNICIPAL sanciono a presente LEI: SEÇÃO I. LEI Nº 2927/2014 Estabelece o Regime de Diárias e Adiantamentos do Poder Legislativo, normas para o pagamento de despesas e revoga a Lei nº. 2.887/2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, ESTADO DO PARANÁ decretou

Leia mais

Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social

Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social O que é o FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social? O FNAS, instituído pela Lei nº. 8.742, de 7 de dezembro de 1993, tem por objetivo proporcionar

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína CNPJ 04.709.778/000-25 SCI - 007/203 3/05/203 /8 ) DOS OBJETIVOS:.) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Patrimônio;.2) Regulamentar o fluxo operacional de movimentação patrimonial móveis

Leia mais