NATUREZA DO MARKETING INDUSTRIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NATUREZA DO MARKETING INDUSTRIAL"

Transcrição

1 NATUREZA DO MARKETING INDUSTRIAL CONSUMIDORES PROCURAM SATISFAÇÕES ATRAVÉS DA COMPRA DE PRODUTOS CLIENTES INDUSTRIAIS RESOLVEM PROBLEMAS EFICIENTEMENTE, VISANDO O LUCRO A DIFERENÇA RESIDE MAIS NA NATUREZA DO CLIENTE DO QUE NA NATUREZA DO PRODUTO NO MARKETING DE BENS DE CONSUMO MUITAS VEZES BASTA PRODUZIR ALTERAÇÕES AO NÍVEL OPERACIONAL PARA RESOLVER UM PROBLEMA NO MARKETING DE BENS INDUSTRIAIS, ALTERAÇÕES ESTRATÉGICAS ENVOLVEM PROVAVELMENTE INVESTIMENTOS E ALTERAÇÕES NAS ACTIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO 1

2 4 DIMENSÕES-CHAVE NA APLICAÇÃO DO CONCEITO DE MARKETING AO MARKETING INDUSTRIAL VISA A MELHORIA DA RENDIBILIDADE, NÃO SENDO A QUOTA E O VOLUME DE VENDAS, POR SI SÓS, TÃO IMPORTANTES. IDENTIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES DOS CLIENTES: REQUER A COMPREENSÃO DO SISTEMA ECONÓMICO EM QUE O CLIENTE OPERA, A ESTRUTURA DA INDÚSTRIA E A FORMA DE COMPETIR SEGMENTAÇÃO: SELECÇÃO DOS CLIENTES - PARTICULARMENTE IMPORTANTE ATENDENDO ÀS RELAÇÕES DE INTERDEPENDENCIA CONCEPÇÃO DO PACKAGE PRODUTO-SERVIÇO: DIFICILMENTE PODE SER STANDARD 2

3 SINGULARIDADE DO MARKETING INDUSTRIAL A EFICIÊNCIA DEPENDE EM MAIOR GRAU DE OUTRAS ÁREAS FUNCIONAIS A COMPLEXIDADE DO PRODUTO INFLUENCIA AS RELAÇÕES ECONÓMICAS, TÉCNICAS E PESSOAIS ENTRE COMPRADORES E VENDEDORES ELEVADA INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS PARTES, QUE SE PROLONGA PARA ALÉM DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO COMPLEXIDADE DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO 3

4 SINGULARIDADE DO MARKETING INDUSTRIAL (2) PROCURA FLUTUANTE, DERIVADA E MENOS ELÁSTICA É NECESSÁRIO CONHECER OS CLIENTES DOS NOSSOS CLIENTES GRANDE NÚMERO DE APLICAÇÕES DOS PRODUTOS PRODUTOS DEFINIDOS POR ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DOS PRODUTOS»» ENTRAM NO SISTEMA PRODUTIVO 4

5 TIPOS DE BENS INDUSTRIAIS BENS DE EQUIPAMENTO E INVESTIMENTO TERRENOS EDIFÍCIOS E OUTRAS EMPRESAS CRÉDITO IMPORTANTE EQUIPAMENTO P/ 1 ÚNICO FIM (1) ( TAILORED MADE) OU P/ VÁRIOS FINS(2) (1) INTERACÇÃO E NEGOCIAÇÃO, ACTIVOS ESPECÍFICOS, ELEVADO RISCO MOTIVADO POR ALTERAÇÕES TECNOLÓGICAS, CRÉDITO (2) P/ VÁRIAS INDÚSTRIAS, MERCADO HORIZONTAL, MENOR OBSOLESC. EQUIPAMENTO ACESSÓRIO MENOR NEGOCIAÇÃO/ INTERACÇÃO, DESPESAS CORRENTES, ROTINIZAÇÃO, DESCENTRALIZ.AÇÃO DA DECISÃO. COMPONENTES STANDARD vs ADAPTADOS COMPONENTES OEM ESPECIFICAÇÕES RIGOROSAS, JIT, BAIXOS STOCKS, CANAIS DIRECTOS 5

6 TIPOS DE BENS INDUSTRIAIS (2) MERCADO DE SUBSTITUIÇÃO MANUTENÇÃO DE IDENTIDADE NO PRODUTO FINAL»» MARCAS»» CONFIANÇA DOS CLIENTES FINAIS. INTERESSE DOS CONTRATOS OEM VISANDO A LUCRATIVIDADE DO AFTER-MARKET. ESTRATÉGIA PULL MATERIAS PRIMAS PROCESSADAS IMPOSSÍVEIS DE DISTINGUIR NO PRODUTO ACABADO. AFTER- MARKET POUCO SIGNIFICATIVO, COMPETIÇÃO P/ PREÇO, FIABILIDADE ENTREGA PRODUTOS DE MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E OPERAÇÃO -MRO MERCADOS HORIZONTAIS, DESPESAS CORRENTES, NEGOCIAÇÃO DE CONTRATOS, MKT SEMELHANTE AO DOS BENS DE CONSUMO MATÉRIAS PRIMAS CONCENTRAÇÃO GEOGRÁFICA, VOLATILIDADE DO FORNECIMENTO, FLUTUAÇÕES DE PREÇOS, POSSÍVEL INTERGRAÇÃO VERTICAL SERVIÇOS ESPECIALIZAÇÃO»» OUTSOURCING»»RAPIDEZ, CUSTO, FIABILIDADE 6

7 SEGMENTAÇÃO DE MERCADOS INDUSTRIAIS VARIÁVEIS EMPOROGRÁFICAS DIMENSÃO CAE LOCALIZA VARIÁVEIS DE OPERAÇÃO TECNOLOGIA UTILIZADOR/ Ñ UTILIZAD. CAPACIDADE FINANCEIRA CAPACIDADE TÉCNICA ORGANIZAÇ DA FUNÇÃO ESTRUTURA DE PODER CRITÉRIOS ABORDAGEM À COMPRA URGÊNCIA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS P/ PRODUTO DIMENSÃO DA ENCOMENDA FACTORES SITUACIONAIS CARACTERIST. PESSOAIS MOTIVAÇÃO PESSOAL; FORMAS DE REDUÇÃO DO RISCO; PERCEPÇÕES ANTÓNIO C. BARROS / 99 7

8 ASPECTOS DO MARKETING INDUSTRIAL PROCUREMENT INDUSTRIAL E COMPORTAMENTO DE COMPRA SITUAÇÕES DE COMPRA, FASES DE DECISÃO, MODELOS DE COMPORTAMENTO DE COMPRA, ANÁLISE DO VALOR, ANÁLISE MAKE OR BUY,... RELAÇÕES COMPRADOR-VENDEDOR DESEMPENHO DOS PAPÉIS VENDEDOR E COMPRADOR, A APRESENTAÇÃO, TIPOS DE RELAÇÕES E S/ GESTÃO, SERVIÇO AO CLIENTE E AFTERMARKETING SEGMENTAÇÃO E POSICIONAMENTO ESTRATÉGIAS DE PRODUTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS NOVOS, ESTRATÉGIAS DE PREÇAGEM, ESTRATÉGIAS DE DISTRIBUIÇÃO, GESTÃO DA FORÇA DE VENDAS, COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. 8

9 DIFERENÇAS ENTRE MKT DE NEGÓCIOS E MKT DE BENS DE CONSUMO COMPETIÇÃO - CONCENTRAÇÃO DE VENDEDORES E COMPRADORES, MENOR DIFERENCIAÇÃO PROCURA DERIVADA (Vs DIRECTA) - DEPENDE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA COMPRADORA NÍVEL DA PROCURA SEM RELAÇÃO DIRECTA COM AS FLUTUAÇÕES DO MERCADO FINAL (e.g uma máquina de fazer pregos) ELASTICIDADE INVERSA ADIAMENTO DA COMPRA EM SITUAÇÕES DE DIMINUIÇÃO DE PREÇOS NA EXPECTATIVA DE QUE VENHAM A BAIXAR AINDA MAIS, E INVERSAMENTE. DIMENSÃO DO MERCADO TOTAL COMPRA COLEGIAL GEOGRAFIA DO MERCADO - CONCENTRAÇÃO GEOGRÁFICA DE VENDEDORES PELA DISPONIBILIDADE DE RECURSOS NATURAIS 9

10 IMPLICAÇÕES DA PROCURA DERIVADA SOBRE O PREÇO E O LUCRO DIFICULDADE EM EXPANDIR A PROCURA GLOBAL INSENSIBILIDADE AO PREÇO / SENSIBILIDADE AO PREÇO SOBRE A PROMOÇÃO: ESTRATÉGIA DE MKT TELESCÓPICO»» FACTORES QUE FAVORECEM SOBRE A DISTRIBUIÇÃO: EFEITO DE ACELERAÇÃO (E.G. PELA REDUÇÃO DA PROCURA FINAL) EFEITO DE CORREIA DE CHICOTE»» MONITORIZAÇÃO DA EXTREMIDADE DA CADEIA VOLATILIDADE EM CANAIS LONGOS»» POLÍTICAS DE STOCKS E EXPECTATIVAS DOS VÁRIOS MEMBROS VOLATILIDADE EM MERCADOS DE BENS DE INVESTIMENTO» CICLO ECONÓMICO PROCURA DE COMPONENTES HI-TECH» ADIAMENTO DAS ENCOMENDAS 10

11 FACTORES QUE PERMITEM A UTILIZAÇÃO DO MARKETING TELESCÓPICO 1 ELEVADA QUOTA»» CASO CONTRÁRIO APROVEITAMENTO P/ CONCORRENTES ALTERNATIVA: ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES P/ IMPLEMENTAÇÃO 2 PROCESSO PATENTEÁVEL/ ELEVADAS BARREIRAS À ENTRADA 3 ELEVADA DIMENSÃO DO MERCADO FINAL»» GERAR SUFICIENTE PROCURA DERIVADA 4 ATENÇÃO À EXISTÊNCIA DE SUBSTITUTOS E S/ TEMPO DE PENETRAÇÃO 5 ATENÇÃO AO ESTADO DA ECONOMIA 6 PRODUTO C/ CONSIDERÁVEIS VANTAGENS OU AUSÊNCIA DE DESVANTAGENS 11

12 DIFERENÇAS ENTRE MKT DE NEGÓCIOS E MKT DE BENS DE CONSUMO SEGMENTAÇÃO»» TECNOLOGIA, ACTIVIDADES, DIMENSÃO, CENTRO DE COMPRAS, CAE... INVESTIMENTO»» + INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTO E I&D PERSPECTIVA DE MERCADO»» NECESSIDADE DE UMA PERSPECTIVA INTERNACIONAL - MENOR DEPENDÊNCIA DE GOSTOS LOCAIS MAIOR FOCALIZAÇÃO NO LUCRO EM DETRIMENTO DA QUOTA INOVAÇÃO»» + EMPURRADA P/ TECNOLOGIA DO QUE PUXADA P/ MERCADO INTERACÇÃO COMPRADOR- VENDEDOR RECIPROCIDADE»» POSSÍVEL SIMULTAN/ COMPRADOR VENDEDOR EXISTÊNCIA DE CLIENTES-CHAVE EDUCAÇÃO DOS CLIENTES»» TRABALHO LADO A LADO 12

13 DIFERENÇAS ENTRE MKT DE NEGÓCIOS E MKT DE BENS DE CONSUMO COMPORTAMENTO DE COMPRA MENOR Nº DE CLIENTES»» + PROXIMIDADE E CONHECIMENTO DO COMPORTAMENTO DE COMPRA FREQUÊNCIA/ DIMENSÃO DA COMPRA»» ENCOMENDA DE QUANTIDADES ECONOMICA/ VIÁVEIS ( MIN. SOMA DE CUSTOS DE ENCOMENDA+ STOCK) MOTIVAÇÕES DE COMPRA: RACIONAIS, ECONÓMICAS, OBJECTIVAS, VISANDO A EFICIÊNCIA VS EMOCIONAIS E AUTO RECREAÇÃO PENALIDADES CONTRATUAIS PODER NEGOCIAL MUITO MAIOR QUE EM MERCADOS DE BENS DE CONSUMO FIDELIDADE»» ELEVADOS CUSTOS DE MUDANÇA DOS CLIENTES ENVOLVIMENTO NA COMPRA PELO CLIENTE»» PLANEAMENTO, ESPECIFICAÇÕES 13

14 DIFERENÇAS ENTRE MKT DE NEGÓCIOS E MKT DE BENS DE CONSUMO DECISÕES DE COMPRA PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA CONSIDERAÇÕES CONTABILISTICAS E FISCAIS: O QUÊ, QUANDO, FORMA DE COMPRA, AMORTIZAÇÕES RISCO DE COMPRA.: C. NOVA, RECOMPRA MODIFICADA OU DIRECTA PESQUISA DE MARKETING ORIENTAÇÃO: PREVISÕES ECONÓMICAS, NOVOS PRODUTOS, ANÁLISE DO VALOR ABORDAGEM : TDS OS CLIENTES-CHAVE, AMOSTRA DOS OUTROS»» BAIXO CUSTO COMPARATIVA/ C/ BENS DE CONSUMO 14

15 PROCURA INDUSTRIAL A CADEIA INDUSTRIAL 1 EMPRESAS DE SERVIÇOS 6 1º TRANSFOR MADOR TRANSFORMA 1º INCORPO INCORPORA DOR FINAL RADOR DOR FINAL CONSUMO 7 8 PRODUTOR BENS DE EQUIPAMENTO PRODUTOR DE CONSUMÍVEIS 1 PROC. M.P. 2 PROC. PRODUTOS BRUTOS 3- PROC. PRODUTOS PROCESSAD. 4- PROC. PROD. ACABADOS INTERMÉDIOS 5- PROC. PROD. ACABADOS 6 PROC. SERVIÇOS 7- PROC. BENS EQUIPAM. 8- PROC. CONSUMÍVEIS 15

16 Compra nova, recompra directa ou modificada Quando a compra é nova, o centro de compras é: Numeroso Lento nas decisões Inseguro quanto às necessidades e à adequação das possíveis soluções Mais preocupado em encontrar uma boa solução do que em conseguir um preço baixo ou fornecimento garantido Receptivo a propostas de fornecedores externos (mais do que dos internos) Mais influenciável pelo pessoal técnico 16

17 Compra nova, recompra directa ou modificada Quando a recompra é directa ou modificada, o centro de compras é: Menos numeroso Rápido na decisão Confiante na sua avaliação do problema e das possíveis soluções Preocupado com o preço e condições de fornecimento Satisfeito com os vendedores internos 17

18 PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA DE BENS INDUSTRIAIS RECONHECIMENTO DE UMA NECESSIDADE DEFINIÇÃO DAS CARACTERISTICAS E QUANTIDADES DESENVOLVIMENTO DE UMA ESPECIFICAÇÃO PROCURA E QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES POTENCIAIS RECOLHA E ANÁLISE DE PROPOSTAS AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS E SELECÇÃO DE FORNECEDORES ROTINIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENCOMENDA FEEDBACK E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO 18

19 DIFERENÇAS ENTRE MKT DE NEGÓCIOS E MKT DE BENS DE CONSUMO MIX PRODUTO- SERVIÇO C.V.P.»» + CURTO DEVIDO A ALTERAÇÕES TECNOLÓGICAS ESPECIFICAÇÕES»» ADAPTAÇÃO DO PRODUTO BRANDING»» MARCAS DE FAMÍLIA TIMING DA COMPRA»» COMPRAS PLANEADAS, STOCAGEM. ESTÁDIO DE FABRICAÇÃO»» POSSIBILIDADE DE VALOR ACRESCENTADO PELO CLIENTE EMBALAGEM»» PROTECÇÃO É FACTOR FUNDAMENTAL SERVIÇOS : PRÉ E PÓS -COMPRA COMPATIBILIDADE TÉCNICA E UNIFORMIDADE DA QUALIDADE DESIGN: MAIS FREQUENTE NOS PRODUTOS DE CONSUMO SISTEMAS DE VENDA: VENDER SOLUÇÕES 19

20 DIFERENÇAS ENTRE MKT DE NEGÓCIOS E MKT DE BENS DE CONSUMO PROMOÇÃO ÊNFASE: FORÇA DE VENDAS VS PUB P/ POSICIONAR BENS DE CONSUMO OBJECTIVOS: INFORMAÇÃO S/ A ORGANIZAÇÃO, LINHAS DE PRODUTOS, CLIENTES»» POUPA TEMPO NAS APRESENTAÇÕES TEMAS : ASPECTOS FACTUAIS, RACIONAIS, ECONÓMICOS, ESPECIFICAÇÕES, PERFORMANCES, ÊNFASE NOS LUCROS GERADOS E EFICIÊNCIA VS APELOS EMOCIONAIS, AUTO-IMAGEM PAPEL DOS VENDEDORES: INFORMAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS»» REQUER EXPERIÊNCIA E TREINO- POSSIBILIDADE DE CONTACTOS TELEFÓNICOS VS TÉCNICAS DE VENDA E PERSUASÃO FERRAMENTAS PROMOCIONAIS: CATÁLOGOS, ESPECIFICAÇÕES, MAILING, FEIRAS,... DISTRIBUIÇÃO CANAIS + CURTOS, + CONHECIMENTO, + SELECTIVIDADE OU EXCLUSIVIDADE, FIABILIDADE INDISPENSÁVEL( JIT, PENALIDADES) 20

21 DIFERENÇAS ENTRE MKT DE NEGÓCIOS E MKT DE BENS DE CONSUMO COMPLEXIDADE: MAIOR DEVIDO À VARIEDADE DE CLIENTES ( DISTRIBUIDORES, CLIENTES, E GOVERNAMENTAIS) - FAMILIARIZAÇÃO C/ ASPECTOS TÉCNICOS DO PRODUTO COBERTURA»» ABORDAGENS DIRECTAS OU EXCLUSIVAS DEVIDO À CONCENTRAÇÃO DE CLIENTES PREÇO PEDIDOS DE PROPOSTAS, NEGOCIAÇÃO (TRADE-OFFS PREÇO/SERVIÇOS) E LEASING CICLO DE VIDA DOS CUSTOS E BENEFÍCIOS : CUSTOS DE MANUTENÇÃO, CONSUMO, STOCAGEM, EFEITOS S/ A M.O VS PRODUTIVIDADE E FLEXIBILIDADE DESCONTOS. LISTAS DE PREÇOS»» DESCONTOS P/ TIPO DE CLIENTE, VOLUME, FUNCÕES DESEMPENHADAS, IMPORTÂNCIA DO NEGÓCIO, CONDIÇÕES COMPETITIVAS, RENDIBILIDADE DOS CLIENTES E PODER NEGOCIAL PERCEBIDO. 21

22 Procura global por um produto de consumo (não relacionado c/ a utilização de um equipamento) Factores a considerar: 1- Número de unidades de consumo potenciais 2- Taxa de utilizadores efectivos (taxa de ocupação) 3- Taxa de consumo unitário por utilizador (taxa de penetração) 2 e 3 são importantes para a definição de objectivos: aumento da taxa de ocupação e/ou da taxa de penetração 22

23 Procura global por um produto de consumo (relacionado c/ a utilização de um equipamento) Factores a considerar: 1- Número de unidades de consumo potenciais Depende das funções servidas pelo produto 2- Taxa de equipamento dessas unidades Dados obtidos por inquérito ou por observação 3- Taxa de utilização do equipamento Dados obtidos por inquérito ou por observação 4- Taxa de consumo por unidade de utilização - Dado técnico 23

24 Procura global por consumíveis Factores a considerar: 1- Número potencial de empresas utilizadoras (por dimensão)-n 2- Taxa de utilizadores efectivos (por dimensão) - n 3- Nível de actividade por utilizador - p 4- Taxa de utilização unitária por unidade de actividade - q Q = N x n x p x q 24

25 Procura global por produtos intermédios Factores a considerar: 1- Número potencial de empresas incorporadoras N 2- Taxa de utilizadores efectivos n 3- Nível de actividade (quantidade produzida) por utilizador efectivo p 4- Taxa de utilização unitária (por unidade de produto) q (coeficiente técnico) Q = N x n x p x q 25

26 Procura global por equipamentos Q = Q1 + Q2 Procura de primeiro equipamento Q1 - Aumento da capacidade de produção em empresas equipadas A - Capacidade de produção de novos utilizadores B Q1 = A + B Procura de substituição Q2 - Dimensão do parque existente P - Vida média do produto v - Efeito de substituição (novas tecnologias) S - Efeito de redução de capacidade R Q2 = (P x 1/v) (S + R) 26

27 EXERCÍCIO A duração da vida dum parque de equipamentos é de 10 anos. Calcule a variação da procura global por esse equipamento quando: A) A procura de bens de consumo na extremidade da cadeia aumenta 10% B) A procura de bens de consumo baixa 10% 27

28 Resolução A) É necessário substituir 10% do parque existente É necessário aumentar a capacidade produtiva em 10% A procura de equipamentos duplica 28

29 Resolução B) A capacidade de produção necessária passa para 90% Não há necessidade de substituição dos 10% A procura de bens de equipamento é nula 29

30 Análise make or buy - CONSIDERAÇÕES DE CUSTO CUSTOS INCREMENTAIS DE GESTÃO IMPLICAÇÕES NAS RELAÇÕES COM OS CLIENTES RECURSOS PARA PRODUZIR O PRODUTO - SE O PRODUTO SÓ TEM 1 FORNECEDOR NO MERCADO - PROBLEMAS DE FIABILIDADE/ FLEXIBILIDADE DO FORNECEDOR - EXCESSO DE CAPACIDADE PRODUTIVA - PROTECÇÃO DE PATENTES - MANTER A QUALIDADE DO PRODUTO - AS QUANTIDADES NECESSÁRIAS NÃO SEREM ECONOMICAMENTE INTERESSANTES PARA O FORNECEDOR 30

31 Aspectos de uma análise do valor 1 O item pode ser eliminado? 2 Se o item não é standard pode ser substituído por um standard? 3 Se o item é standard, ele satisfaz plenamente a função ou apenas se aproxima? 4 O item tem capacidade superior à requerida? 5 O peso pode ser reduzido? 6 Existe algum item semelhante que possa ser substituído? 7 As tolerâncias dimensionais são demasiado severas? 8 As operações de maquinagem são necessárias? 9 - Os acabamentos especificados são necessários? 10 O item está classificado da forma mais correcta para obter custos logísticos mais baixos? 31

32 Aspectos de uma análise do valor 11 O custo de embalagem pode ser reduzido? 12 Têm sido pedidas sugestões aos fornecedores para reduzir os custos? 32

33 Aspectos da qualificação de fornecedores I 1- GARANTIA DA QUALIDADE Definição clara de responsabilidades Existência de manual de actualizações Existência de programa de prevenção de erros Treino / formação Sistema de auditoria interna 2 INSPECÇÃO - Instruções escritas - Documentação apropriada e actualizada - Instrumentos adequados 33

34 Aspectos da qualificação de fornecedores 3 - ASPECTOS DO CONTROLO Sistema de inibição de materiais não inspeccionados Área de controlo de materiais Certificação das matérias-primas 4 - ANÁLISE DOS MATERIAIS - Sistema documental para processamento de não-conformidade - Sistema de acção correctiva - Sistema de remoção de não-conformes 34

35 Aspectos da qualificação de fornecedores 5 - MANUTENÇÃO DAS INSTALAÇÕES Condições gerais Layout II TECNOLOGIA 1- Ferramentas (fabrico, concepção, reparação) 2 Engenharia 3 Processos 4 - Montagem 35

36 Aspectos da qualificação de fornecedores III SERVIÇO AO CLIENTE Apoio técnico Qualidade do apoio Resposta a acções de manutenção < 48 h reparação < 48 h Historial do serviço Recepção de encomendas ENTREGA - Programa JIT - Historial das entregas -EDI - Tempo - flexibilidade 36

37 Aspectos da qualificação de fornecedores IV - NEGÓCIO Estabilidade financeira Programa de socialização de R.H. Base de clientes diversificada Planos de investimento a longo-prazo Taxa de rotação de empregados Estabilidade da gestão de topo Capacidade produtiva < 60 % % - 70% % - 80% % -90 %

38 Aspectos da qualificação de fornecedores Cont. - Rotação de stocks - Definição de responsabilidades 38

39 ESTRATÉGIAS DEFENSIVAS E OFENSIVAS ESTRATÉGIAS OFENSIVAS» GERAL/ PME S AO LIDER / GRANDES ATAQUE FRONTAL» QD EXISTE UMA SÓLIDA VANTAGEM COMPETITIVA ATAQUE PELO FLANCO» EXPLORAÇÃO DE UMA FRAQUEZA OU SEGMENTO NÃO SERVIDO CERCO» OCUPAR POSIÇÕES AO INIMIGO BYPASS (ATALHO)» MANOBRAS P/ CONQUISTA DE SUBMERCADOS GUERRILHA» SORTIDAS SUBREPTÍCIAS VISANDO NICHOS 39

40 ESTRATÉGIAS DEFENSIVAS E OFENSIVAS (2) ESTRATÉGIAS DEFENSIVAS» DAS GRANDES CONTRA ATAQUES DAS PEQUENAS- REACTIVAS OU PROACTIVAS FORTIFICAÇÃO» CONTRA RIVAIS ACTUAIS MAS NÃO CONTRA NOVOS OU SUBSTITUTOS. MOBILIDADE(DIVERSIFICAÇÃO) PREEMPÇÃO E DEFESA DE FLANCO» CONTRAOFENSIVAS DE PROTECÇÃO DE POSIÇÕES FRÁGEIS (RETALIAÇÃO) REAGRUPAMENTO» OCUPAÇÃO DE UMA POSIÇÃO ADJACENTE A OUTRA QUE FICOU INDEFENSÁVEL COMENTÁRIOS: COMBINAÇÃO DE VÁRIAS,ANUNCIAR E FAZER DIFERENTE, ESCOLHER OS CAMPOS DE BATALHA,USO DE MAPAS DE POSICIONAMENTO, 40

41 GESTÃO DE RELAÇÕES COM OS CLIENTES NO CUSTOMERS, NO BUSINESS- NO BUSINESS, NO JOB AS R c C SÃO ACTIVOS CAROS; É PRECISO MAXIMIZAR A TAXA DE RETORNO, NÃO SÓ FINANCEIRO BASES DAS RELAÇÕES COM OS CLIENTES VENDA : O ANTES E O DEPOIS VENDA: RESULTADO DE INTERACÇÃO VS ESFORÇO UNILATERAL TENDÊNCIAS: REDUÇÃO DO Nº DE FORNECEDORES E CEDÊNCIA DE FUNÇÕES AO MERCADO UMA RELAÇÃO SIGNIFICA: AFECTAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS, ESPAÇO P/ MODIFICAÇÕES DE PRODUTOS, SERVIÇOS, PROCESSOS, LOGÍSTICA ADMINISTRAÇÃO»» POR VEZES IDIOSSINCRÁTICOS IMPORTANTES VARIAÇÕES NA IMPORTÂNCIA E NATUREZA»» PORTFOLIO DIMENSÕES DAS RELAÇÕES COM OS CLIENTES A OFERTA PODE SER CONSIDERADA SEGUNDO 2 ASPECTOS : VALOR FINANCEIRO ( EM % DO OUTPUT DO CLIENTE) E CRITICALIDADE P/ AS OPERAÇÕES DO CLIENTE 41

42 Conteúdo da oferta PRODUTO - Tecnologia de produto e tecnologia de processo - DISTRIBUIÇÃO E LOGÍSTICA - Tecnologias de mercado»» logística superior e capacidade de customizar a oferta - PROMOÇÃO - A maior parte das interacções não pode ser considerada como actividades de venda - PREÇO - Dificuldade de comparação - Valor recebido inclui aprendizagem, transferência de tecnologia, e valor da pp relação 42

43 ANÁLISE DO PORTFÓLIO PELA CONTRIBUIÇÃO DE CADA RELAÇÃO LUCROS ACTUAIS RESULTAM DE INVESTIMENTOS ANTERIORES REQUISITOS DE UMA DAS PARTES MUDAM»» POSSÍVEL REDUÇÃO DO VALOR DOS INVESTIMENTOS»» POSSÍVEL NECESSIDADE DE MAIS INVESTIMENTO OU DESVALORIZAÇÃO DA RELAÇÃO CASH COWS REPRESENTAM O MAIOR VOLUME DE VENDAS ACTUAL, NÃO NECESSARIA/ MAIOR LUCRO, RESULTADO DE ADAPTAÇÕES»» IMPORTANTES E ELEVADOS CUSTOS DA RELAÇÃO; IMPORTANTES P/ O FORNECEDOR»» PRESSÃO DE BAIXA DE PREÇOS P/ CLIENTES LUCROS DE ONTEM DIMINUIÇÃO DOS LUCROS ANTES CONSEGUIDOS»» CAUSAS: ALTERAÇÃO DOS REQUISITOS, ESFORÇOS DA COMPETIÇÃO, FALHANÇO DO FORNECEDOR,...; EVIDENCIA A NECESSIDADE DE ESCOLHER AS RELAÇÕES E DE TERMINAR ALGUMAS 43

44 ANÁLISE DO PORTFÓLIO PELA CONTRIBUIÇÃO DE CADA RELAÇÃO (2) VELHAS SITUAÇÃO EXTREMA DA ANTERIOR; RELAÇÕES ANTIGAS QUE SEGUEM PADRÕES DE INTERACÇÃO ADAPTADOS A CONDIÇÕES ANTERIORES (e.g. UM PRODUTO JÁ NÃO COMPETITIVO)»» ARRASTAM-SE ATÉ UM DOS PARCEIROS DESISTIR NOVOS REQUISITOS TÉCNICOS OU COMERCIAIS CLIENTES C/ ELEVADOS REQUISITOS TÉCNICOS»» INVESTIMENTO P/ FORNECEDOR EM TECNOLOGIAS»» POSSIVEMENTE NÃO LUCRATIVAS»»CONTER O Nº, GANHOS DE APRENDIZAGEM TRANSFERÍVEIS 44

45 ANÁLISE DO PORTFÓLIO PELA CONTRIBUIÇÃO DE CADA RELAÇÃO (3) RELAÇÕES MENORES NORMAL/ AS MAIS NUMEROSAS; PEQUENOS CLIENTES, BAIXOS REQUISITOS OU PAPEL POUCO IMPORTANTE DO FORNECEDOR; DIVIDIR EM CLASSES POR REQUISITOS/ CONTRIBUTOS; DIFÍCIL MANTER RELAÇÕES EFICIENTES (RECURSO À ELECTRÓNICA); FREQUENTE/ O CLIENTE TEM OUTRO FORNECEDOR PRINCIPAL E RECORRE À EMPRESA EM SITUAÇÕES DE FLEXIBILIDADE/ REQUISITOS MAIS EXIGENTES; SERVEM P/ MANTER AFINADO O FORNECEDOR PRINCIPAL SE O PORTFÓLIO FUNDAMENTAL/ COMPOSTO POR RELAÇÕES MENORES»» FORNEC. SUB-EQUIPADO P/ SER O FORNEC PRINCIPAL DEIXA CAIR EXPLORAÇÃO DE CURTO PRAZO»» BUSCA DE LUCROS, VOLUME, CONHECIMENTO»» PERDA DE INTERESSE NO FUTURO DEPOIS DE EXPLORADAS OU TRANSFERÊNCIA P/ NOVAS RELAÇÕES 45

46 ANÁLISE DO PORTFÓLIO PELA EXTENSÃO DA INTEGRAÇÃO (1) RELAÇÕES TRANSACCIONAIS SEM INTEGRAÇÃO, OFERTA (VÁRIOS ASPECTOS) INDIFERENCIADA, CLIENTE CONSEGUE ECONOMIAS POR PEQ. REDUÇÃO DO PREÇO»» NÃO VÊ NECESSIDADE NA INTEGRAÇÃO. OUTRA SITUAÇÃO: COMPRA ÚNICA»» PREÇO IRRELEVANTE, MÍNIMO ESFORÇO E TEMPO. POSTURA DE ADVERSÁRIOS, LIGAÇÕES DE ACTIVIDADES E RECURSOS LIMITADOS A ASPECTOS LOGISTICOS, RELAÇÃO PRÓXIMA DO MKT MIX TRADICIONAL. 46

47 ANÁLISE DO PORTFÓLIO PELA EXTENSÃO DA INTEGRAÇÃO (2) RELAÇÕES DE FACILITAÇÃO PRODUTOS INDIFERENCIADOS, MÍNIMO PREÇO DESEJADO P/ CLIENTE VONTADE MÚTUA EM INVESTIR EM RECURSOS E ACTIVIDADES P/ REDUZIR CUSTOS (SIST. DE ENCOMENDA, TRANSPORTE DEDICADO, CONDIÇÕES PAGAMENTO). TENTATIVA DO FORNECEDOR EM MELHORAR A COMPRA/ ENTREGA E NÃO A DIFERENCIAÇÃO DO PRODUTO»» CAPTAÇÃO DE MAIOR VOLUME DO CLIENTE. MENOR PUBLICIDADE E VENDA BENEFÍCIOS P/ CLIENTE: MENOS CUSTOS DE AQUISIÇÃO BENEFÍCIOS P/ FORNECEDOR:GARANTIA DE VOLUME, PREVISIBILIDADE, MENOS CUSTOS MKT 47

48 ANÁLISE DO PORTFÓLIO PELA EXTENSÃO DA INTEGRAÇÃO (3) RELAÇÕES INTEGRATIVAS VONTADE MÚTUA EM INVESTIR NO DESENVOLVIMENTO E ADAPTAÇÃO DE RECURSOS E ACTIVIDADES P/ SATISFAZER REQUISITOS DE AMBOS. BENEFÍCIOS P/ O CLIENTE: MENOS CUSTOS DE AQUISIÇÃO E MELHOR PERFORMANCE DO PP PRODUTO BENEFÍCIOS P/ O FORNECEDOR: MAIS VOLUME, MAIOR PROPORÇÃO NO VALOR ACRESCENTADO DO CLIENTE BENEFÍCIOS MÚTUOS: APRENDIZAGEM E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA POSSIBILIDADE DE SUPPLIER ON SITE 48

49 ANÁLISE DO PORTFÓLIO PELA EXTENSÃO DA INTEGRAÇÃO (4) COMENTÁRIOS TENDÊNCIA P/ MAIOR INTEGRAÇÃO»» IDENTIFICAR AS RELAÇÕES QUE VALEM A PENA + INTEGRAÇÃO NUMA RELAÇÃO PODE INVIABILIZA- LA NOUTRA EM MUTOS CASOS A INTEGRAÇÃO É ALIMENTADA PELO CLIENTE POSSÍVEL DESCONFIANÇA DE FORNECEDORES HABITUADOS À CONFRONTAÇÃO DAS RELAÇÕES TRANSACCIONAIS. O CLIENTE NÃO FICA APENAS DEPENDENTE DAS SUAS PRÓPRIAS TECNOLOGIAS 49

50 PAPEL DA PREÇAGEM EM DIFERENTES TIPOS DE RELAÇÕES AVALIAÇÃO DO PREÇO DO FORNECEDOR A DOIS NÍVEIS: CUSTOS DIRECTOS DE AQUISIÇÃO CUSTOS DE REALIZAÇÃO DA COMPRA E DAS SUBSEQUENTES (CUSTOS DE LIDAR C/ A RELAÇÃO) AVALIAÇÃO DOS BENEFÍCIOS A TRÊS NÍVEIS: COMPARAÇÃO DOS REQUISITOS PRETENDIDOS C/ AS CARACTERÍSTICAS OFERECIDAS REDUÇÃO DE OUTROS CUSTOS E MELHORIA DE PERFORMANCE/ VANTAGEM COMPETITIVA VALOR QUE PERCEBE NA RELAÇÃO ( APRENDIZAGEM POTENCIAL, GARANTIA DE FORNECIMENTO OU INOVAÇÃO) 50

51 Um produto industrial é um conjunto de relações económicas, técnicas, legais e pessoais entre uma empresa fornecedora e uma entidade cliente. 51

52 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS INDUSTRIAIS ARTIGOS DE CATÁLOGO»» produção em série, stocks ARTIGOS FEITOS P/ O CLIENTE»» Sistemas (edifícios, central de energia) às vezes modulares»» produtos completos (máquinas, equipamentos, )»» Componentes»» Serviços 52

53 Análise comparativa de produtos industriais concorrentes CARACTERÍSTICAS DE PRODUÇÃO Correspondem a parâmetros de produção e não necessariamente a critérios de utilidade para o cliente. 53

54 Análise comparativa de produtos industriais concorrentes CARACTERÍSTICAS DE TRANSFORMABILIDADE OU DE IMPLEMENTAÇÃO Descrevem a aptidão à transformação ou utilização Características definidas em função da tecnologia do cliente Importantes para o preço de venda do cliente Difícil a comparação com as características dos concorrentes Para ser rigorosa deve ser feita em termos estatísticos (média e desvio padrão). Característica mais importante: regularidade em cada entrega e no tempo (permite regular as máquinas). 54

55 Análise comparativa de produtos industriais concorrentes CARACTERÍSTICAS DE PERFORMANCE Influenciam directamente a qualidade do produto fabricado pelo cliente, a qual é requerida pelos seus próprios clientes. Dificuldade em encontrar medidas que traduzam a performance dos produtos dos clientes dos nossos clientes. 55

56 ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO 1 AUMENTO DE CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES PARA AUMENTAR O MERCADO»» Maior polivalência devido a mais funções»» Acrescento de valor social ou emocional»» Mais segurança, conforto ou comodidade de utilização 2 - EXTENSÃO DA GAMA»» Novos modelos, dimensão da embalagem ou unidade de compra, novas versões, formas, cores, 56

57 ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO 3 - REJUVENESCIMENTO DA LINHA»» Substituição de produtos obsoletos por outros tecnologicamente mais desenvolvidos»» melhor performance»» produtos verdes»» estética»» marca 4 MELHORIA DA QUALIDADE (DESEMPENHO FUNCIONAL)»» Determinar os atributos desejados por cada segmento»» Estabelecer normas da qualidade para cada atributo»» programa de garantia da qualidade 57

58 ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO 5 AQUISIÇÃO DE UMA GAMA DE PRODUTOS»» Compra de uma empresa detentora de uma gama complementar»» marca própria mas fabrico subcontratado»» JV para produção de um produto novo 6 RACIONALIZAÇÃO DA GAMA (Redução de custos)»» Standardização»» Abandono de produtos pouco rendíveis»» Modificação da concepção do produto»» Análise do valor 58

59 CONDIÇÕES PARA O RECURSO AO PEDIDO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EXISTÊNCIA DE UMA ESPECIFICAÇÃO Nª SUFICIENTE DE COMPETIDORES DIMENSÃO DA COMPRA SUFICIENTE TEMPO DISPONÍVEL P/ OS PROCEDIMENTOS OBTER MELHORES PREÇOS GESTÃO DE FUNDOS PÚBLICOS EVITA A TENTAÇÃO DE FAVORECIMENTO TESTAR O FORNECEDOR EM CASOS DE RECOMPRA DIRECTA SONDAR O MERCADO QD NÃO HÁ INFORMAÇÃO SOBRE PREÇOS APREENDER AS CONDIÇÕES DA OFERTA DE MENOR PREÇO TOMAR CONHECIMENTO DE VÁRIAS SOLUÇÕES POSSÍVEIS PARA CONTRATOS DE FORNECIMENTO C/ UM HORIZONTE TEMPORAL 59

60 SENSIBILIDADE AO PREÇO POR PARTE DO CLIENTE ORGANIZACIONAL O PREÇO DO PRODUTO REPRESENTAUMA PEQUENA PARTE DO CUSTO DO PRODUTO DO CLIENTE OU DO TOTAL DOS APROVISIONAMENTOS OS DANOS POR AVARIA SÃO GRANDES RELATIVAMENTE AO PREÇO A UTILIZAÇÃO DO PRODUTO GERA IMPORTANTES ECONOMIAS OU MELHORA A PERFORMANCE PRODUTIVA O PRODUTO REPRESENTA UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO P/ A QUALIDADE DO PRODUTO DO CLIENTE E ESTE PERSEGUE UMA ESTRATÉGIA DE ELEVADA QUALIDADE PRODUTO MUITO ESPECÍFICO OU À MEDIDA OS CUSTOS SÃO TRANSFERÍVEIS FALTA DE INFORMAÇÃO DO CLIENTE OU ESPECIFICAÇÕES VAGAS A MOTIVAÇÃO DO DECISOR NÃO É A ECONOMIA 60

61 PREÇAGEM DE PRODUTOS INDUSTRIAIS CICLO DE VIDA DOS CUSTOS PREÇO COMPRA CUSTOS ARRANQUE CUSTOS PÓS COMPRA VEC VEC PROD. REFER NOVO PROD Y NOVO PROD X 61

62 PREÇAGEM DE PRODUTOS INDUSTRIAIS VEC = V. C. do fabricante «Custos do fabricante Incentivo cliente Contribuição p/ margem/lucro do fornecedor Preço:

63 A NOSSA OFERTA Produto Preço Serviço comunicação DEFINIÇÃO DO PROBLEMA PELO CLIENTE COMPOSIÇÃO DO CENTRO DE COMPRAS PERCEPÇÃO DE VALOR PELO CLIENTE A OFERTA DA COMPETIÇÃO Produto Preço Serviço comunicação CUSTOS DE UTILIZAÇÃO/ INCORPORAÇÃO 63

64 FACTORES A CONSIDERAR NA FIXAÇÃO DO PREÇO A CUSTOS DE PRODUÇÃO B VALOR P/ OS POTENCIAIS CLIENTES C COMPETIÇÃO D PODER NEGOCIAL DAS PARTES E INTERVENÇÃO GOVERNAMENTAL F OBJECTIVOS DE PREÇAGEM 64

65 FACTORES A CONSIDERAR NA FIXAÇÃO DO PREÇO A CUSTOS DO PRODUTO - QD OS C.F. SÃO IMPORTANTES - QD OS CUSTOS VARIÁVEIS SÃO IMPORTANTES - POSSIBILIDADE DE PREÇO < CUSTO TOTAL» CONSEGUIR ENCOMENDA IMPORTANTE» EXPECTATIVA DE BAIXAR CUSTOS UNITÁRIOS» EXPECTATIVA DE SUBIR DEPOIS - PREÇO PENETRAÇÃO» EFEITO DA C. EXPERIÊNCIA ( CV) - BAIXA DE C. F. UNITÁRIOS» ECONOMIAS DE ESCALA DESLOCALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO 65

66 FACTORES A CONSIDERAR NA FIXAÇÃO DO PREÇO B VALOR PARA O CLIENTE VALORES CLIENTES ATRIBUTOS EX. Tubos de plástico enterrados qualidade Tubos de plástico à superfície preço Clientes que podem transferir custos são menos sensíveis ao preço 66

67 FACTORES A CONSIDERAR NA FIXAÇÃO DO PREÇO C COMPETIÇÃO COMMODITIES PREÇO DE MERCADO AUMENTOS AFECTA A SOBREVIVÊNCIA REDUÇÕES ALTERA A QUOTA ESCASSEZ OFERTA PREÇAGEM OPORTUNÍSTICA MILK THE BUSINESS + PREÇO DECLÍNIO 67

68 D PODER NEGOCIAL CONHECER OS FACTORES QUE CONFEREM PODER BANDA DE PREÇOS» DEPENDE DA DIFERENCIAÇÃO PROCURA ELEVADA P/ CLIENTES FINAIS» PERMITE AO FORNECEDOR AUMENTAR PREÇOS AO INTERMEDIÁRIO RESISTÊNCIA DO CLIENTE AO AUMENTO DE PREÇO QD: PREÇO > MATERIAIS OU M.O. 68

69 FACTORES A CONSIDERAR NA FIXAÇÃO DO PREÇO E INTERVENÇÃO GOVERNAMENTAL ESTABELECIMENTO DE QUOTAS REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS PARIDADE DA MOEDA F OBJECTIVOS DE PREÇAGEM DE TIR, DE QUOTA, DE ENFRAQUECIMENTO/ EVITAÇÃO DA COMPETIÇÃO, DE ESTABILIDADE DE PREÇO/ MARGEM 69

70 PREÇO DE PACKS (PRICE BUNDLING) CLIENTE PROD. A * PROD B* A+B * * PREÇO MAX DISPOSTO A PAGAR PREÇO A= 7; PREÇO B= 4; PREÇO PACK= 9 70

71 MEDIDAS DE PERFORMANCE DA F.V. MEDIDAS DE OUTPUT MEDIDAS DE INPUT VOL. E MONTANTE Nº DIAS TRABALHADOS LUCROS GERADOS Nº DE VISITAS Nº DE CLIENTES: NºVISITAS/DIA NOVOS, ACTUAIS, DESPESAS POTENCIAIS, TEMPO VENDA VS COMPLEMENTAR PERDIDOS Nº ENCOMENDAS DIMENSÃO ENCOMENDA RÁCIOS ENCOMENDAS/ VISITAS; DESPESAS/ VENDAS ; VENDAS /POTENCIAL OUTROS INDICADORES : MARGEM BRUTA, Nº DE RELATÓRIOS,... 71

72 Avaliação da força de vendas nº visitas Vendas ( ) = dias trabalhados x dias trabalhados x encomendas vendas ( ) x visitas encomendas 72

73 EXEMPLO DE ANÁLISE DAS RESPOSTAS A UMA ACÇÃO DE MARKETING DIRECTO PUBLIC. DATA DIMENSÃO CÓDIGO CIRCUL CUSTO Nº RESP TAXA» ESPAÇO ANÚNC 000 TOTAL RESP A 10/1 25X4 PR % B 20/1 15X2 D II % Nº VENDAS TX CONVER. CUSTO/VENDA VALOR VENDAS ROI/ % % NOTA: PREÇO DO ARTIGO

74 ANÁLISE DA ZONA DE ATRACÇÃO COMERCIAL TEMPO DE POPULAÇ. POTENCIAL COMPETIÇÃO m PREVISÃO VIAGEM VENDAS TOTAL m CAPITA VENDAS (m) SEMANAL SOCIOECON * ZONA CRRECTAMENTE *** IDADE, TER SUB OU SOBRECARREG CARRO DE ESTABELECIMENTOS(**) * CONSUMO/ CAPITA EM DIFEREN TES CATEGORIAS X Nª DESSES CONSUMIDORES/ PARTIÇÃO DE TEMPO DE VIAGEM ** ISR = Ci x Cri / TOT m *** COMPARAÇÃO DOS DADOS C/ OUTRAS LOJAS DA CADEIA 74

75 MATRIZ DE DECISÃO DPP POTENCIAIS DPP ELEVADA VENCEDORES ESTIMULAR ROTAÇ FORTE PROM+ PUB DISPLAY DISPLAY AGRESSIV +FACING, + PUB REPOSIÇÃO POS PRATELEIRA + POSIÇ. NO LINEAR REVER PREÇO BAIXO VOL VENDAS ALTO VOL VENDAS PERDEDORES GERADORES DE - ESPAÇO PRATEL TRÁFEGO REVER PREÇO VER. MANUSEAM E PREÇO REDUZ. PROFUND. LINHA REDUZIR VARIEDADE ABANDONO POSIÇ PRATELEIRA - - PROMOÇÃO DPP BAIXA 75

76 CÁLCULO DO DPP PREÇO DE VENDA CUSTO FACTURA MARGEM BRUTA OUTROS PROVEITOS DIRECTOS CUSTOS DE ARMAZENAG DIRECTOS CUSTOS TRANSPORTE DIRECTOS MARGEM BRUTA AJUSTADA CUSTOS DIRECTOS PRODUTO DPP 76

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Marketing Operacional

Marketing Operacional Estratégia de Preço Objectivos Analisar a forma com as empresas fixam um preço para um produto ou serviço Avaliar como os preços podem ser adaptados às condições do mercado Discutir em que condições deverão

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Marketing Mix Tânia Leão n.º19 12.ºS Marketing Mix O Marketing mix ou Composto de marketing é formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING

POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING COMPETÊNCIAS COGNITIVAS - Capacidade de análise crítica - ADENDA POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING Generalidades; A política de preço e o marketing mix os custos e os preços; a procura e

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO PLANO DE MARKETING

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO PLANO DE MARKETING DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO PLANO DE MARKETING Na elaboração do plano de marketing deve procurar responder a três questões básicas: - onde é que estamos? - para onde é que queremos ir? - como é que lá chegamos?

Leia mais

CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL

CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL MÁRIO DE CARVALHO uma@welvitchia.com ou mjcuma@hotmail.com www.welvitchia.com 1. QUAL É A HISTÓRIA DA EMPRESA? QUAIS SÃO AS PONTO DE PARTIDA CONDIÇÕES

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE. Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE. Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor GESTÃO da Qualidade Práticas DEG/AB 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I CUSTOS conceitos fundamentais Custo Sacrifício de um recurso para atingir um objectivo específico, ou, dito de outro modo, valor associado à utilização ou consumo de um recurso. A determinação dos custos

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo IX Produção e Logística Global Carina Viveiros Carla Pereira Ruben Dias Rui Ponte Produção e Logística Global Objectivos: Descrever as diferentes dimensões da estratégia

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

GESTÃO. 5. - Marketing. 5.1- Introdução, conceitos fundamentais Comportamento do consumidor

GESTÃO. 5. - Marketing. 5.1- Introdução, conceitos fundamentais Comportamento do consumidor GESTÃO 5. - Marketing 5.1- Introdução, conceitos fundamentais Comportamento do consumidor Definições de Marketing Kotler (1991): Marketing é um processo social e de gestão pelo qual indivíduos e grupos

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4 E X E M P L O S D E I N O V A Ç Ã O 2 0 0 8 2 Exemplos de Inovação Apresentação de alguns exemplos relacionados com os vários tipos de inovação para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Custos Industriais e Custos Não Industriais Custos controláveis e não controláveis Custos

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1

o SEU clube de aluguer de DVD s na internet. BluePlanetDVD.com Study Case 2003 - IDEF/ISEG www.blueplanetdvd.com 1 BluePlanetDVD.com Study Case www.blueplanetdvd.com 1 A Ideia Necessidades não satisfeitas para o cliente; Uma IDEIA; Dois anos a amadurecer a ideia, de forma a ser inovadora, tecnologicamente avançada,

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

Encontrar sempre a melhor solução que potencie o retorno dos seus investimentos e que adicione real valor às suas equipas e estratégias.

Encontrar sempre a melhor solução que potencie o retorno dos seus investimentos e que adicione real valor às suas equipas e estratégias. Desde 2003, esta nossa atitude de estarmos sempre prontos a compreender e adaptarmonos às suas necessidades e partilhar os seus valores, é o que nos permite em conjunto atingir os objectivos propostos.

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

2007 Prentice Hall 4-1

2007 Prentice Hall 4-1 Capítulo 4 Desenho da Pesquisa Exploratória: Dados Secundários 4-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução; 2) Informação Secundária versus Primária; 3) Vantagens e Usos da Informação Secundária; 4) Desvantagens

Leia mais

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010 Marketing mix Trabalho realizado por: Sandra Costa 12ºS Marketing mix É formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado e é dividido

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teoria da Decisão e Gestão de Stocks Licenciatura em Engenharia Civil Licenciatura em Engenharia do Território 1 Agenda 1. Introdução 2. Definição de 3. Evolução Histórica da 4. Integração - Aproximação

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN LISBOA 9 de Novembro de 2011 A PROCURA INCESSANTE DO EMAGRECIMENTO 1 INTRODUÇÃO HOJE EM DIA A MAIOR PARTE DAS ORGANIZAÇÕES ACTUA MAIS NUMA LÓGICA DE SOBREVIVÊNCIA. O

Leia mais