Coral da terceira idade da ACM de Sorocaba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coral da terceira idade da ACM de Sorocaba"

Transcrição

1 Coral da terceira idade da ACM de Sorocaba Hamilton de Oliveira Santos, Universidade de Sorocaba, Resumo: O presente trabalho traz um relato de experiência de um projeto de extensão da Universidade de Sorocaba, por meio do curso de Licenciatura em Música, que vem sendo realizado na ACM de Sorocaba. O objetivo principal do projeto é promover a educação musical a um público formado por homens e mulheres da terceira idade por meio da expressão vocal. O projeto está voltado ao estudo do desenvolvimento, preparação e exercícios vocais, no intuito de melhorar o desempenho antes e depois do ensaio de um coral da terceira idade. O trabalho justifica-se por trazer uma experiência de educação musical em um ambiente de educação não-formal e por apontar como questões centrais o processo didático-pedagógico, o trabalho de cuidados com a voz dos cantores do coral e a reflexão dessa prática na vida social das pessoas envolvidas. Palavras-chave: Coral. terceira idade. voz. Introdução O trabalho com pessoas da terceira idade tem sido um tema muito debatido nos dias de hoje em razão do aumento da expectativa do tempo de vida. Nessa faixa etária, algumas atividades são de extrema importância para uma vida mais saudável. Dentre as atividades realizadas com esse grupo está a música cantada, que tem como objetivo, além de prevenir a saúde vocal do aparelho fonador, desenvolver a criatividade e a livre expressão, como é o caso da prática coral. A atividade com o coral da terceira idade tem dado resultados satisfatórios no que diz respeito à saúde, ao bem-estar social e emocional dos integrantes. Uma das principais melhorias obtidas é o cuidado com a voz antes e depois dos ensaios periódicos que envolvem seu aquecimento desaquecimento. Trata-se de procedimentos que ajudam para um melhor rendimento vocal dos cantores antes de começar o ensaio propriamente dito e tem como objetivo preservar a saúde do aparelho fonador. A voz é primordial para a expressividade, a comunicação, a interação, a socialização e a qualidade de vida das pessoas. Em um coral da terceira idade, uma voz saudável, aquecida corretamente, obterá o efeito desejado no que diz respeito à afinação, emissão de ar, boa dicção vocal, além de outros benefícios que vão ajudar no ensaio das músicas sem prejudicar as pregas vocais. Hoje em dia, pouco se sabe a respeito de como os idosos cuidam da voz ou de como a percebem. O processo de envelhecimento humano implica em transformações estruturais e funcionais que afetam a qualidade da voz, daí a importância de um bom aquecimento e desaquecimento vocal. 211 P ágina

2 A voz, o canto e a terceira idade. Com o avanço da idade, ocorre, gradativamente, uma calcificação e ossificação das cartilagens laríngeas reduzindo a sua mobilidade, ao mesmo tempo em que ocorre atrofia dos músculos laríngeos. A voz passa a apresentar características como tremor ou instabilidade, alterações na afinação, tessitura 57 restrita, ataque vocal suave ou aspirado, ressonância com predomínio laringofaríngeo 58, dentre outras. O aquecimento vocal é importante para preparar o coro para a coordenação e resistência que o corpo precisará para o canto. Com a musculatura preparada, o cantor sentirá um maior controle sobre a voz. Segundo Behlau e Pontes (1995), é possível retardar o processo de envelhecimento vocal ou atenuar o impacto deste na qualidade da voz do idoso. Os idosos que possuem demanda vocal intensa como, por exemplo, aqueles que integram um coral, necessitam desenvolver a atenção e a percepção sobre a própria voz e os cuidados de saúde vocal a fim de possibilitar a busca precoce de orientação e apoio especializado para o aprimoramento vocal, bem como de prevenir ou retardar o impacto negativo das alterações vocais decorrentes do processo de envelhecimento. A educação vocal se realiza, basicamente, em três níveis: controle de fluxo aéreo (exercícios respiratórios), vocalizações (exercícios específicos com vogais) e técnica vocal propriamente dita canto (impostação e articulação). A voz cantada e sua produção em grupo estabelecem um processo de ensino/aprendizagem dos procedimentos vocais com alto grau de rendimento, pois na convivência com vários modelos vocais é possível desenvolver técnicas de propriocepção e imitação altamente eficazes para uma produção de música coral de qualidade. (FUCCI AMATO, 2007, p. 84) Segundo Costa e Andrada e Silva (1998), o aquecimento vocal corresponde à realização de uma série de exercícios respiratórios e vocais, cuja finalidade é aquecer a musculatura das pregas vocais antes de uma atividade mais intensa para evitar sobrecarga, o uso inadequado ou um quadro de fadiga vocal. O objetivo do aquecimento vocal é preservar a saúde do aparelho fonador. De acordo com Maria Ignez de Lima Pedroso (1997), o professor de canto é o profissional que possui conhecimentos relativos à arte. Ele estuda e ensina técnicas vocais específicas para a voz cantada com o objetivo de treinar o aluno para adquirir espontaneidade, 57 Conjunto de notas que o cantor consegue articular com qualidade e sem esforço. 58 Disfonia, rouquidão, pigarro, tosse seca, ardência e irritação na garganta. 212 P ágina

3 serenidade, maleabilidade, aprimorando toda sua sonoridade vocal. É necessário que tenha pelo menos conhecimentos básicos de fisiologia da voz para que não utilize técnicas que possam ser prejudiciais ou inadequadas sob esse ponto de vista. Técnicas vocais e seus procedimentos fonoaudiológicos Muito se tem falado a respeito de técnicas vocais para coral, no entanto, quando se trata de terceira idade alguns cuidados são imprescindíveis para a saúde vocal de cada cantor: Jamais cante quando não estiver em boas condições gerais de saúde, pois cantar é um ato de esforço e de enorme gasto energético. Uma boa saúde geral auxilia a produção da voz, cantada ou falada. São raros os indivíduos doentes que mantêm boa emissão vocal. (BEHLAU; REHDER, 2009, p. 39). O aquecimento vocal prepara e auxilia principalmente os cantores para uma correta emissão do ar proporcionando um melhor desempenho na hora de emitir um som sem prejudicar as pregas vocais. Os exercícios respiratórios contribuem para que haja uma melhor resistência da musculatura vocal facilitando a emissão das notas com mais fluidez. Além disso, a massagem em torno do pescoço, rosto e couro cabeludo ajudam a relaxar a musculatura e a eliminar uma possível tensão que venha prejudicar as pregas vocais. A higiene vocal visa reduzir ou eliminar abusos vocais e fornecer informações e técnicas que auxiliam no uso adequado da voz. Beber água e comer maçã são benefícios importantes no que diz respeito ao cuidado com a voz. A água hidrata o organismo, inclusive as pregas vocais, fazendo-as vibrar com mais facilidade, diminuindo o esforço. Já a maçã possui propriedades adstringentes que ajudam na limpeza da boca e da faringe, melhorando a ressonância da voz. A mastigação da maçã também auxilia na musculatura em torno da boca que resulta na melhor articulação das palavras. Segundo Mello (1988), através das técnicas respiratórias, é possível assegurar um fluxo contínuo de inspiração e expiração, auxiliar na redução de tensões laríngeas e evitar o fechamento da glote antes da iniciação da fonação, com isso consegue-se um maior controle do aumento de volume de ar. As técnicas de ressonância auxiliam na modulação vocal, modificando os formantes 59 da voz de acordo com as cavidades de ressonância utilizadas, fundamentais para a voz cantada. A técnica de projeção vocal auxilia no desenvolvimento de um maior alcance da voz, de acordo com a necessidade do indivíduo em ambientes diversos. 59 Freqüências naturais de ressonância do trato vocal. 213 P ágina

4 Segundo Cooper (1991), murmurar com os lábios fechados é tão natural quanto respirar. A vibração indica como a voz deve ser externada e que tom o indivíduo deve utilizar. De acordo com Behlau e Pontes (1995) a técnica do bocejo/suspiro é utilizada para reduzir os ataques vocais bruscos, auxiliar na projeção vocal e propiciar um ajuste motor mais equilibrado das estruturas do aparelho fonador. A execução de escalas musicais induz o alongamento e encurtamento das pregas vocais, sendo eficaz no trabalho das fendas fusiformes 60. Rammage (1997) diz que as técnicas de diferentes expressões faciais visam à liberação de tensão na região facial. O autor atribui a utilização do registro de cabeça, descansando o registro de peito à técnica de vocalizes de sons graves para sons agudos e viceversa. Costa e Silva (1998) pontuam que a técnica de desaquecimento vocal visa à quebra do padrão da voz cantada com pitch 61 mais elevado e com loudness 62 muito forte para a voz com o seu pitch e loudness habituais. A contribuição da fonoaudióloga Dra. Mara Behlau foi de suma importância para o desenvolvimento do presente artigo. Através de uma entrevista em seu consultório, na cidade de São Paulo, ela relata a experiência e a vivência com o trabalho vocal, principalmente com pessoas da terceira idade, colaborando para uma melhor fundamentação deste trabalho. Entrevista Ao responder as perguntas realizadas pelo autor, a doutora esclarece que a voz envelhece de modo paralelo a todas as outras funções do corpo, embora, às vezes, são observadas pessoas que não estão tão ágeis do ponto de vista físico, mas tem uma voz melhor ou vice-versa. Na terceira idade, o canto coral é uma excelente atividade, sob todos os pontos de vista. A satisfação ao cantar e o investir em alguma coisa que é criativo e ao mesmo tempo prazeroso permitem um melhor desempenho e uma melhora na saúde vocal do cantor. Do ponto de vista da saúde, o canto é um exercício programado, repetitivo, bem orientado, bem organizado, e faz com que os músculos adquiram uma funcionalidade melhor e, por 60 Espaço entre as pregas vocais em forma de fuso. 61 Altura de uma nota musical. 62 Intensidade sonora. 214 P ágina

5 consequência, reduz o impacto da voz alterada. O canto trabalha na funcionalidade vocal e não reverte o processo de envelhecimento, mas a manifestação deste processo. Segundo Behlau (2012), na terceira idade, a voz do homem fica um pouco mais fina (aguda), enquanto a voz da mulher fica um pouco mais grossa (grave). O aquecimento vocal no idoso tem uma importância significativa, pois calibra a mente para o canto, melhora a emissão da voz e faz com que haja uma melhor articulação vocal. A fonoaudióloga pontuou ainda a falta de livros específicos que falem sobre o canto coral na terceira idade, o que justifica a importância de um estudo mais aprimorado sobre a voz cantada nessa faixa etária. Além do canto coral, o teatro também é uma ótima opção para o idoso, pois a interpretação de um personagem diminui a timidez e facilita o relaxamento da musculatura, que vai ajudar para um melhor desempenho. Outro dado importante apontado pela fonoaudióloga na entrevista é o fato de que quando uma voz é treinada na idade jovem e ao longo da idade adulta, esta provavelmente demora mais tempo para envelhecer e terá mais chances de se manter inteira. Relato de experiência A ACM Associação Cristã de Moços (YMCA) é uma instituição ecumênica não sectária de educação integral, assistência social e filantrópica sem fins lucrativos, fundada em Londres - Inglaterra em 06 de Junho de 1844 por George William. Tem como objetivo a formação da personalidade do ser humano tanto espiritual, intelectual e física, preparando assim o indivíduo para ser útil à sociedade, cooperando com sua cidade, país e com o mundo. Sua missão é colocar em prática os princípios cristãos através de atividades esportivas, sociais e espirituais que formem um corpo, uma mente e um espírito sadio. O Coral da ACM de Sorocaba existe há mais de 10 anos e é muito conhecido no cenário musical da cidade. O coral conta hoje com 22 integrantes, sendo 10 sopranos, 10 contraltos e 02 tenores que cantam juntos desde sua formação. A regência e direção musical do coral estão nas mãos do autor deste trabalho desde o ano de No primeiro contato com os coralistas, foi possível perceber a dificuldade na emissão das notas bem articuladas e com técnica que propiciasse uma correta emissão de voz. A partir daí puderam ser propostos exercícios e técnicas vocais para auxiliar na postura e saúde vocal do coral. 215 P ágina

6 Através do questionário (tabela 1), elaborado por Mara Behlau e Maria Inês Rehder para identificação de possíveis problemas de voz do cantor respondido pelos coralistas, pode-se perceber como eles avaliaram a própria voz e se o resultado dos exercícios de respiração, relaxamento e vocalize executados nesse tempo alterou para melhor ou pior o rendimento vocal do coral. Tabela 1 - Questionário de Avaliação da Voz SIM NÃO Você acha que sua voz é rouca ou alguém já comentou que sua voz é rouca? 30% 70% Você fica rouco por mais de dois dias sem motivo aparente? 38% 62% Sua voz fica rouca após os ensaios e apresentações? 0% 100% Você tem ou já teve algum problema de voz diagnosticado? 7% 93% Sua voz piorou depois que você começou a cantar? 0% 100% Ultimamente você tem demorado mais tempo para aquecer sua voz? 7% 93% Durante o canto sua voz quebra ou some? 46% 54% Você desafina ou perde o controle da emissão? 53% 47% Você sente dificuldade no pianíssimo ou no fortíssimo? 7% 93% Você sente que sua voz é fraca ou forte demais para o canto coral? 0% 100% Você tem dificuldade para atingir as notas agudas ou graves? 38% 62% Você sente alguma instabilidade vocal ao cantar? 61% 39% Quando você canta percebe que sai "ar" na voz? 0% 100% Falta ar para você terminar as frases musicais? 53% 47% Quando você canta suas veias ou músculos do pescoço saltam? 30% 70% Você canta em diversos naipes ou mudou de naipe recentemente? 15% 85% Você procura cantar mais forte que os demais componentes do coral? 15% 85% Você sente dor de cabeça ou na região do pescoço quando canta? 7% 93% Você dubla certos trechos da música que não consegue cantar? 15% 85% Você tem algum desses sintomas na laringe: coceira, ardor, dor, sensação de 38% 62% garganta seca, sensação de queimação, sensação de aperto ou bola na garganta? Você pigarreia constantemente? 30% 70% Você apresenta quadros alérgicos nas vias respiratórias? 7% 93% Você tem resfriados, gripes, tonsilites, faringites ou laringites freqüentes? 7% 93% Você tem dificuldades digestivas, azia ou refluxo gastro- esofágico? 30% 70% Você consegue controlar sua emissão cantada no coral? 100% 0% Seu coral costuma interpretar diversos estilos musicais? 100% 0% Além do coral, você canta habitualmente em outras situações ou utiliza a voz 69% 31% falada em demasia? Você canta durante muitas horas seguidas? 23% 67% 216 P ágina

7 Você fuma ou ingere bebidas alcoólicas frequentemente? 0% 100% Você se automedica quando tem problemas de voz? 38% 62% Com base nas respostas dadas pelos coralistas através do questionário acima, começamos a trabalhar com mais atenção no aquecimento e desaquecimento vocal, nos exercícios que envolvem o controle de ar nos pulmões, no relaxamento da musculatura em torno do pescoço e na prevenção da saúde do aparelho fonador. Com isso foram trabalhados os exercícios de respiração, relaxamento e vocalize baseados nas técnicas escritas pelos autores citados no presente artigo. Através dos trabalhos realizados, percebeu-se que 100% dos coralistas obtiveram uma melhora significativa no que diz respeito ao conforto em cantar após os exercícios de aquecimento e relaxamento muscular e técnicas de vocalize utilizadas nesse período. Sobre os exercícios que envolvem dança e movimento somados à canção a aprovação foi da maioria, pois facilita, segundo uma das coralistas, a coordenação motora e a memorização das músicas. Em suma, o resultado apresentou uma melhora significativa no que diz respeito ao cuidado com a voz, afinação, coordenação motora e na saúde vocal do aparelho fonador. Procedimentos O trabalho com os coralistas começou a ser executado em Inicialmente houve um reconhecimento de como eles cantavam e cuidavam da voz. Desde então, foram propostos exercícios e atividades com o intuito de melhorar a respiração e a afinação, contribuindo para um melhor rendimento nas apresentações. Em 2012, começamos a utilizar as técnicas de vocalize de sons graves para sons agudos e vice-versa. Os exercícios de desaquecimento vocal também foram bastante utilizados de acordo com Costa e Silva (1998), visto que, após a prática da atividade coral era necessário um exercício para que a voz voltasse ao padrão normal da fala. Atualmente são feitos exercícios de relaxamento corporal, respiração, massagem em torno do pescoço e face, vocalize com lábios fechados e abertos, escalas ascendentes e descendentes, postura corporal e exercícios rítmicos. O coral da ACM mantém uma rotina de exercícios de respiração e vocalize semanais segundo orientações dos diversos autores utilizados no presente artigo com o objetivo de contribuir para um correto aquecimento e desaquecimento da voz, além de manter a saúde do aparelho fonador. 217 Página

8 Considerações finais Através de exercícios vocais propostos pelos diversos autores citados nesse artigo, pôde-se observar que as músicas cantadas durante os ensaios e apresentações fluíram com mais facilidade, contribuindo para uma melhora significativa na qualidade vocal dos integrantes. A abertura de duas ou mais vozes 63, o cantar de memória e a postura corporal foram algumas das dificuldades encontradas durante os ensaios do coral, bem como uma prática contínua de aquecimento e desaquecimento fora dos ensaios. Além disso, alguns cantores manifestaram dificuldades em aspectos relacionados à projeção vocal, apoio respiratório e a coordenação pneumofônica 64. O repertório escolhido também contribuiu para que houvesse um melhor empenho e prazer na hora de cantar, pois aborda canções que remetem a uma recordação alegre e saudosista dos integrantes do coral, assim, as músicas fluíram com mais facilidade diminuindo a preocupação inicial de aprender uma letra que não tivesse sentido para eles. O repertório incluía boleros, canções da jovem-guarda, músicas italianas, Ludwig van Beethoven, canções da MPB, músicas natalinas, entre outras. O trabalho com o coral da terceira idade da ACM de Sorocaba, nesses três anos, foi para o autor, uma atividade muito prazerosa e recompensadora, pois possibilitou a ele notar a felicidade de cada integrante ao perceber sua importância dentro do grupo, respeitando os limites e a individualidade de cada um. Enfim, os benefícios vocais foram claramente notados por todos os envolvidos na preparação e no desenvolvimento do coral e pela sociedade local. Referências bibliográficas: BELHAU, Mara. Entrevista concedida a Hamilton de Oliveira Santos e Patrícia dos Santos Andrade Marchi. CEV-Centro de Estudos da Voz. São Paulo. 23 de abril de Entrevista. 63 Duas ou mais melodias sobrepostas. 64 Controle de saída de ar durante a fonação. 218 P ágina

9 BEHLAU, Mara; PONTES, Paulo. O Desenvolvimento Ontogenético da Voz: Do Nascimento à Senescência. In: BEHLAU, Mara; PONTES, Paulo. Avaliação e Tratamento das Disfonias. São Paulo: Lovise, p BEHLAU, Mara; REHDER, Inês. Higiene vocal para o canto coral. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Revinter, COOPER, Morton. Vencendo com a sua voz; tradução Ibraim Salum Barchin... et al. São Paulo, Editora Manole, COSTA, H. O & ANDRADA e SILVA, M.A. Voz cantada - evolução, avaliação e terapia fonoaudiológica. São Paulo: Lovise FUCCI AMATO, Rita de Cássia. O canto coral como prática sócio-cultural e educativomusical. Opus, Goiânia, v. 13, n. 1, p , jun MELLO, Edmée Brandi de Souza. Educação da Voz Falada. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu, PEDROSO, Maria Ignez de Lima. Técnicas vocais para os profissionais da voz. São Paulo: CEFAC, Monografia de conclusão do curso de especialização em voz, RAMMAGE, Linda A. Vocalizing with Ease: A Self-Improvement Guide. Pacific Voice Clinic, WP4. In:PEDROSO, Maria Ignez de Lima. Técnicas vocais para os profissionais da voz. São Paulo: CEFAC, Monografia de conclusão do curso de especialização em voz, P ágina

A Voz Como Instrumento De Trabalho: Uma Abordagem Para Professores. Fga:Lara Cristina F. Castilho

A Voz Como Instrumento De Trabalho: Uma Abordagem Para Professores. Fga:Lara Cristina F. Castilho A Voz Como Instrumento De Trabalho: Uma Abordagem Para Professores Fga:Lara Cristina F. Castilho A voz é uma das extensões mais fortes da nossa personalidade, nosso sentido de inter-relação na comunicação

Leia mais

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Apresentação: Millena Vieira (Fonoaudióloga) Joel Pinheiro (Preparador Vocal) Bárbara Camilo (3ºano) Daniele Istile (2º ano) Orientação: Profª Drª Kelly

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ

PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ PROGRAMA DE SAÚDE VOCAL MANUAL DA VOZ Rio de Janeiro Maio/2014 Professor, bem vindo ao Programa de Saúde Vocal Nós, fonoaudiólogas, a equipe de Valorização do servidor e toda a equipe educação somos parceiras

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

Débora Abreu Aulas de Canto www.debora.mus.br (41) 35247665/88622074

Débora Abreu Aulas de Canto www.debora.mus.br (41) 35247665/88622074 O CANTOR E SEU INSTRUMENTO Um bom cantor é aquele que conhece bem sua voz, até aonde pode ir, e sabe controlá-la. Para isso, é de fundamental importância que se conheça o seu instrumento e como ele se

Leia mais

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento ROUQUIDÃO Prevenção e Tipos de Tratamento O que é Rouquidão? Quais são as causas da rouquidão? Como a rouquidão é avaliada? Quando devo procurar uma avaliação especializada? Como tratar as desordens vocais?

Leia mais

SAÚDE VOCAL PROFISSIONAIS DA VOZ

SAÚDE VOCAL PROFISSIONAIS DA VOZ SAÚDE VOCAL PROFISSIONAIS DA VOZ GABRIELA RODRIGUES, VANESSA PEDROSA VIEIRA E MARA BEHLAU 2011 O s profissionais da voz são todas as pessoas que utilizam a voz como seu principal instrumento de trabalho.

Leia mais

Dicas para Professores:

Dicas para Professores: O que fazer: > Falar em tons médios. > Hidratar bem o organismo (entre seis e oito copos de água por dia). > Evitar excessos alimentares antes de usar a voz profissionalmente > Evitar os choques térmicos.

Leia mais

Orientações e Dicas para a Saúde Vocal do Docente

Orientações e Dicas para a Saúde Vocal do Docente Orientações e Dicas para a Saúde Vocal do Docente Prezado (a) Professor (a), A sua voz é um instrumento indispensável para o seu trabalho; por isso, atenção e cuidados especiais devem ser dados a ela.

Leia mais

Técnica Vocal - Rayre Mota. Respiração e Apoio

Técnica Vocal - Rayre Mota. Respiração e Apoio Técnica Vocal - Rayre Mota Respiração e Apoio A respiração e o apoio são bases para uma boa performance no canto e são essenciais na nossa vida. É necessário entender o funcionamento da respiração dentro

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

Manual do Bem-Estar Vocal

Manual do Bem-Estar Vocal Manual do Bem-Estar Vocal e i u a Programa Municipal de Saúde Vocal - SP Prefeito Fernando Haddad Secretária Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão Leda Maria Paulani Coordenadora de Gestão de Pessoas

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

UsoProfissionaldaVoz: conhecerparamelhoratuar

UsoProfissionaldaVoz: conhecerparamelhoratuar UsoProfissionaldaVoz: conhecerparamelhoratuar Curso aos Docentes FECAP Fernanda M. A. Rodrigues Fonoaudióloga Especialista em Voz Consultora em Comunicação www.voicecare.com.br Outubro/2008 www.fecap.br

Leia mais

Ídolos de diferentes gerações, a cantora Ivete Sangalo e o cantor Roberto Carlos encantam seus fãs pelo timbre único que possuem

Ídolos de diferentes gerações, a cantora Ivete Sangalo e o cantor Roberto Carlos encantam seus fãs pelo timbre único que possuem Vozes Humanas Cada pessoa possui uma voz única e especial. É como se fosse uma impressão digital. É claro que existem vozes parecidas. Algumas pessoas cantam num registro sonoro mais agudo, outras num

Leia mais

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário).

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário). CURSOS DE MÚSICA DO SESC (2º Semestre) MODALIDADE INICIANTE 1) VIOLÃO POPULAR Este curso está direcionado ao estudo da música popular com acompanhamento harmônico. Serão praticadas canções do repertório

Leia mais

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ A voz humana é produzida na laringe, um tubo que fica no pescoço. Dentro desse tubo, temos duas dobras de músculos e mucosa, chamadas popularmente de

Leia mais

Apresentação: ICMPES Central de Louvor www.centraldelouvor.org.br secretaria@centraldelouvor.org.br

Apresentação: ICMPES Central de Louvor www.centraldelouvor.org.br secretaria@centraldelouvor.org.br 2 Apresentação: Visando a unificação do louvor na obra a Central de Louvor do PES elaborou esta apostila com o objetivo de conscientizar o Grupo de Louvor sobre o uso da voz no canto, abordando de maneira

Leia mais

Educação musical: o canto coral como processo de aprendizagem e desenvolvimento de múltiplas competências

Educação musical: o canto coral como processo de aprendizagem e desenvolvimento de múltiplas competências Educação musical: o canto coral como processo de aprendizagem e desenvolvimento de múltiplas competências Rita de Cássia Fucci Amato Faculdade de Música Carlos Gomes FMCG Resumo. O presente projeto objetiva

Leia mais

EM DEFESA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DO(A) PROFESSOR(A)

EM DEFESA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DO(A) PROFESSOR(A) EM DEFESA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DO(A) PROFESSOR(A) A luta sindical em defesa de melhor qualidade de vida para os trabalhadores tem como elemento estratégico as relações entre as condições de

Leia mais

O SUCESSO DA COMUNICAÇÃO. O caminho natural da VOZ

O SUCESSO DA COMUNICAÇÃO. O caminho natural da VOZ 16º CONGRESSO ANEFAC 2014 O Balanço do Sucesso Vida Profissional e Pessoal O SUCESSO DA COMUNICAÇÃO O caminho natural da VOZ Profa. Esp. Anna Paula Sahdi www.cantossagrados.com.br annaintegrativos@gmail.com

Leia mais

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ profissional A voz é a forma de comunicação mais utilizada pelo homem. Por isso, quando ela sofre alguma alteração ou quando não está de acordo com as

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

VOZ E CORPOREIDADE SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE CORISTAS

VOZ E CORPOREIDADE SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE CORISTAS VOZ E CORPOREIDADE SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE CORISTAS VOICE AND CORPORALITY ACCORDING TO CHOIR SINGERS PERCEPTION Adriana Braga - UnB braga.adriana@gmail.com Patrícia Pederiva - UnB pat.pederiva@uol.com.br

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 Preâmbulo. LAUDO MÉDICO PERICIAL. Aos vinte e um dias do mês de maio do ano de 2009, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 5.ª Vara Cível da Comarca de São

Leia mais

CORAL FEMININO DO HOSPITAL MOINHOS DE VENTO PORTO ALEGRE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

CORAL FEMININO DO HOSPITAL MOINHOS DE VENTO PORTO ALEGRE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA CORAL FEMININO DO HOSPITAL MOINHOS DE VENTO PORTO ALEGRE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Lúcia Helena P. Teixeira Resumo. A tradição do Canto Coral no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, existe desde

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE VOZ A voz humana é produzida na laringe, um tubo que fica no pescoço. Dentro desse tubo, temos duas dobras de músculos e mucosa, chamadas popularmente de

Leia mais

Higiene Vocal Cuidando da voz

Higiene Vocal Cuidando da voz Higiene Vocal Cuidando da voz BEHLAU, Mara; PONTES, Paulo. Higiene Vocal: cuidando da voz. 4. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2009. Compilação: profa. Lúcia Teixeira PROJETO MÚSICA NAS ESCOLAS DO RS Polo

Leia mais

TÉCNICAS DE AQUECIMENTO VOCAL UTILIZADAS POR PROFESSORES DE TEATRO. Vocal warming techniques used by theater teachers

TÉCNICAS DE AQUECIMENTO VOCAL UTILIZADAS POR PROFESSORES DE TEATRO. Vocal warming techniques used by theater teachers 83 TÉCNICAS DE AQUECIMENTO VOCAL UTILIZADAS POR PROFESSORES DE TEATRO Vocal warming techniques used by theater teachers Bianca Aydos (1), Eliana Midori Hanayama (2) RESUMO Objetivo: este trabalho teve

Leia mais

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE DISFONIA INFANTIL

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE DISFONIA INFANTIL RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE DISFONIA INFANTIL A voz é uma expressão que revela elementos de dimensão biológica, psicológica e sócio-educacional. Cada criança desenvolve formas de usá-la

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

Exercícios de Relaxamento

Exercícios de Relaxamento Exercícios de Relaxamento Relaxamento: - Circular a cabeça para a Direita e para a esquerda - Circular a cabeça para os lados, para cima e para baixo - Fazer caretas procurando utilizar todos os músculos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

VOZ: INSTRUMENTO OU ARMA? A saúde vocal do professor e seus principais problemas

VOZ: INSTRUMENTO OU ARMA? A saúde vocal do professor e seus principais problemas ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 VOZ: INSTRUMENTO OU ARMA? A saúde vocal do professor e seus principais problemas Resumo Rosyeri de Souza Cordeiro Curso de Especialização em

Leia mais

SAUDE VOCAL DO PROFESSOR

SAUDE VOCAL DO PROFESSOR SAUDE VOCAL DO PROFESSOR Heidi Mara De Mare Graduação: Fonoaudiologia PUC/SP Instituição: Secretaria de Educação e Cultura de São Bernardo do Campo UF: São Paulo Email: heididemare1963@hotmail.com SAÚDE

Leia mais

Programa de Aperfeiçoamento de Docentes PAD. Cuidados com a Voz. Profª. Ingrid Gielow

Programa de Aperfeiçoamento de Docentes PAD. Cuidados com a Voz. Profª. Ingrid Gielow Programa de Aperfeiçoamento de Docentes PAD Cuidados com a Voz Profª. Ingrid Gielow 1 Sumário 1. Introdução... 3 2.Fisiologia da fonação... 3 3. Identificação de situações de risco, abuso e mal uso vocal...

Leia mais

Oficina de Estudos da Arte Espírita Prática Vocal

Oficina de Estudos da Arte Espírita Prática Vocal Prática Vocal OFICINA DE ESTUDOS DA ARTE ESPÍRITA APOSTILA DE PRÁTICA VOCAL Parte 1 1ª edição ELABORADO POR EQUIPE OFICINA Copyleft Rio de Janeiro Brasil 2010 Todos os direitos liberados. É incentivada

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO Superintendência de Saúde Segurança e Ambiente do Trabalho CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO - Saúde Vocal - Ginástica Compensatória - Saúde Auditiva SINTTEL-Rio CARTILHA

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Voz do Professor A prevenção e Preservação da Saúde Vocal do Docente

Voz do Professor A prevenção e Preservação da Saúde Vocal do Docente Voz do Professor A prevenção e Preservação da Saúde Vocal do Docente Profa. Flávia Viegas Profa. Assistente do Curso de Fonoaudiologia da UFF (área: voz) Fonoaudióloga especialista em Voz e Motricidade

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

(Re) Criando Vozes Estudando o processo de composição vocal nos musicais biográficos brasileiros

(Re) Criando Vozes Estudando o processo de composição vocal nos musicais biográficos brasileiros (Re) Criando Vozes Estudando o processo de composição vocal nos musicais biográficos brasileiros Ana Lúcia de Alcantara Calvente Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas UNIRIO Mestrando Processos Formativos

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

AQUECIMENTO E DESAQUECIMENTO VOCAL

AQUECIMENTO E DESAQUECIMENTO VOCAL CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA VOZ AQUECIMENTO E DESAQUECIMENTO VOCAL ANDRÉA COELHO GAGLIARDI MOTA SÃO PAULO 1998 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA VOZ

Leia mais

MÚSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

MÚSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS Formação Continuada de Alfabetizadores MÚSICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS Maria Teresinha Fortes Braz* Resumo A música, uma das grandes Belas Artes, é um elemento importantíssimo no processo

Leia mais

Palavras-chave: Professores de Educação Física; alterações vocais;

Palavras-chave: Professores de Educação Física; alterações vocais; PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA: INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES VOCAIS Roberta Moreno Sas, UFSCar/ Sao Carlos-SP robertasas@hotmail.com Sheila Glaucieli Fenske, UFSCar/ Sao Carlos-SP sheilafenske@yahoo.com.br

Leia mais

TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON

TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON Por Drª Ana Paula Vital, Terapeuta da Fala, Mestre em Psicologia da Saúde Comunicação A comunicação é um aspecto essencial da natureza humana usada

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

A prática coral e a formação dos sujeitos: uma reflexão teórica e algumas práticas pedagógicas

A prática coral e a formação dos sujeitos: uma reflexão teórica e algumas práticas pedagógicas A prática coral e a formação dos sujeitos: uma reflexão teórica e algumas práticas pedagógicas Leila Miralva Martins Dias UFBA/UFRGS Resumo: Este artigo reflete primeiramente sobre a importância da prática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM MÚSICA MONOGRAFIA FINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM MÚSICA MONOGRAFIA FINAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM MÚSICA MONOGRAFIA FINAL ALTERAÇÕES VOCAIS EM PROFESSORES DE MÚSICA COM MÚLTIPLAS FUNÇÕES: ORIENTAÇÕES PARA A SUA PREVENÇÃO MICHELI

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico DEFINIÇÃO Comprometimento súbito da função cerebral causada por alterações histopatológicas em um ou mais vasos sanguíneos. É o rápido

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

PARAR DE FUMAR. Uma decisão saudável. Programa de Controle do Tabagismo

PARAR DE FUMAR. Uma decisão saudável. Programa de Controle do Tabagismo PARAR DE FUMAR Uma decisão saudável Programa de Controle do Tabagismo Você sabe o que tem dentro do cigarro e outros produtos do tabaco? 4720 substâncias tóxicas, incluindo: Nicotina; Alcatrão; Monóxido

Leia mais

Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância

Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância ( ) o movimento, o cantar e o tocar se tornam um todo ( ) Com base na espontaneidade dos jogos musicais e corporais das crianças, que têm, na sua base razões

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

MODELO DE BULA. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos.

MODELO DE BULA. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos. MODELO DE BULA Endronax alendronato de sódio FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos. USO ADULTO Via oral Composição: Cada

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

merece cuidados professor e o mundo da escola Estudo realizado para traçar perfil vocal dos professores em escolas privadas

merece cuidados professor e o mundo da escola Estudo realizado para traçar perfil vocal dos professores em escolas privadas professor e o mundo da escola 1 :: débora meurer brum fonoaudióloga 1 Especialista em Voz pelo Centro de Estudos da Voz (CEV SP), Especialista em Audição (IPA-RS) e Mestranda em Distúrbios da Comunicação

Leia mais

CANTO CORAL NA 3ª IDADE, GERONTOLOGIA E MUSICOTERAPIA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA * Deila Maria Ferreira Scharra 1 RESUMO

CANTO CORAL NA 3ª IDADE, GERONTOLOGIA E MUSICOTERAPIA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA * Deila Maria Ferreira Scharra 1 RESUMO 1 CANTO CORAL NA 3ª IDADE, GERONTOLOGIA E MUSICOTERAPIA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA * Deila Maria Ferreira Scharra 1 RESUMO Este estudo se propõe a analisar as relações entre a Gerontologia, a Musicoterapia

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

A Importância do Sono

A Importância do Sono 1 A Importância do Sono Dra. Regeane Trabulsi Cronfli É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos

Leia mais

3º BIMESTRE Vícios e suas consequências Aula 130 Conteúdos: Concordância verbal Dependência química e limitações do corpo Ervas entorpecentes

3º BIMESTRE Vícios e suas consequências Aula 130 Conteúdos: Concordância verbal Dependência química e limitações do corpo Ervas entorpecentes CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º BIMESTRE Vícios e suas consequências Aula 130 Conteúdos: Concordância verbal Dependência química e limitações do

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Yoga da Voz. Maude Salazar. Maudie Chiarini

Yoga da Voz. Maude Salazar. Maudie Chiarini Maude Salazar Maudie Chiarini 3 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 INTRODUÇÃO... 13 CAPÍTULO I O QUE É YOGA DA VOZ... 19 CAPÍTULO II OS SONS QUE CURAM... 23 CAPÍTULO III OS CHAKRAS... 31 ENTOAÇÃO PARA ATIVAR OS

Leia mais

Conteúdo do curso de pedras quentes na Bergqvist Massagem e Treinamento

Conteúdo do curso de pedras quentes na Bergqvist Massagem e Treinamento Conteúdo do curso de pedras quentes na Bergqvist Massagem e Treinamento O que são pedras quentes? A massagem com pedras quentes é muito utilizada em terapias naturais ou complementares, como em consultórios

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA O nosso corpo é uma máquina fantástica, que não foi feita para ficar parada. Se você estiver realmente decidido a ter uma atitude positiva em relação a sua saúde e ao seu

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

É um exercitador respiratório também chamado de inspirômetro de incentivo. Pode ser utilizado com dois objetivos:

É um exercitador respiratório também chamado de inspirômetro de incentivo. Pode ser utilizado com dois objetivos: 1- O que é o RESPIRON? É um exercitador respiratório também chamado de inspirômetro de incentivo. Pode ser utilizado com dois objetivos: 1- Para obtenção de inspirações profundas e sustentadas o que possibilita

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches The Commonwealth of Massachusetts Executive Office of Health and Human Services Department of Public Health Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches 18 de setembro, 2009 A gripe H1N1 (suína) voltará

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL Domínios e Subdomínios Desenvolvimento da Capacidade de Expressão e Comunicação: Interpretação e Comunicação INDICADORES O aluno canta controlando a emissão vocal em termos de afinação e respiração. O

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES.

ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES. ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES. Autores: LAISE FERNANDES DE PAIVA, DANILO AUGUSTO DE HOLANDA FERREIRA, ALINE MENEZES GUEDES DIAS DE ARAÚJO, YOLANDA

Leia mais

Gastrite e Dispepsia Funcional

Gastrite e Dispepsia Funcional Gastrite e Dispepsia Funcional Este assunto caiu de bandeja pra você! Comer é uma coisa gostosa, e ninguém precisa sofrer com disgestão difícil, náuseas, saciedade precoce, desconforto ou dor de estômago.

Leia mais

Introdução. Rita de Cássia Fucci Amato - FMCG fucciamato@terra.com.br. Marcela Maia Carlini - FMCG marcelacarlini@hotmail.com

Introdução. Rita de Cássia Fucci Amato - FMCG fucciamato@terra.com.br. Marcela Maia Carlini - FMCG marcelacarlini@hotmail.com A saúde vocal dos educadores musicais: um estudo comparativo com docentes atuantes na educação infantil e no ensino fundamental The vocal health of music educators: a comparative study with teachers working

Leia mais

Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló. 1º e 2º anos (14.15 14.45; 14.15-15.15)

Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló. 1º e 2º anos (14.15 14.45; 14.15-15.15) Planificação das aulas de Expressão Musical na Escolinha da Tia Ló 1º e 2º anos (14.15 14.45; 14.15-15.15) 1.ª FASE Motivação e Organização geral 15/09 (sala de aula) Musicais Reconhecer a musica como

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego?

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego? Você que está tentando largar o vício do cigarro e não consegue encontrar forças para se livrar desse mal. Anda sentindo dores nas costas, cansaço e/ou inchaço nas pernas, problemas com acnes ou querendo

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa

ツVivo Feliz Sem Drogas. Capa Capa ツVivo Feliz Sem Drogas Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo o uso indevido de drogas Capa fim MUNICIPIO DE ITAPEVA SP Secretaria Municipal de Defesa Social Projeto ツVivo Feliz Sem Drogas Prevenindo

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Organização das Aulas Uma aula de Educação Física é composta por três partes sequenciais, cada uma com objetivos específicos. 1.1 Parte Inicial A parte inicial

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais