PRIMEIRA INFÂNCIA - CRECHE -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRIMEIRA INFÂNCIA - CRECHE -"

Transcrição

1 PRIMEIRA INFÂNCIA - CRECHE - Apresentação dos principais resultados da pesquisa Ana Lúcia Lima

2 NECESSIDADES E INTERESSES DE FAMÍLIAS E CRIANÇAS

3 PESQUISA PRIMEIRÍSSIMA INFÂNCIA - CRECHE - Realização: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Parceria: IBOPE Inteligência Objetivo: Mapear necessidades e interesses das famílias em relação ao atendimento em educação de crianças de 0 a 3 anos no Brasil Etapa Qualitativa prévia Etapa Quantitativa: questões objetivas sobre dia a dia das crianças e de seus responsáveis

4 QUEM, QUANDO e ONDE? 991 entrevistas 9, 5 milhões domicílios Julho 2016

5 QUEM, QUANDO e ONDE? Pensando que há uma reunião na creche / escolinha, normalmente quem irá comparecer? Quem decide onde e com quem essa criança de 0-3 deve ficar quando a mãe não pode cuidar dela? No momento de se alimentar fora de casa, normalmente quem decide o que a criança irá comer? Durante a noite, se a criança acorda quem normalmente cuida da criança? Se a criança precisa ir no posto de saúde, quem leva a criança? Mães adolescentes com menos de 18 anos não fizeram parte da amostra do estudo Cada adulto entrevistado respondeu por apenas uma criança entre 0 e 3 anos O termo creche refere-se a estabelecimentos que oferecem atendimento educacional pago ou gratuito (creches públicas, conveniadas, confessionais, comunitárias e filantrópicas) Considerado responsável, se sim em pelo menos 3 desses itens

6 Responsáveis pelas crianças de 0 a 3 anos Quem são? 89% são as mães da criança; em 5% o pai é o responsável; em 5% o responsável não é um dos pais (avó, tia, outros) Idade: 29% entre 18 a 24 anos e 49% entre 25 a 34 anos ; 46% responderam sobre seu primeiro filho; 31% são donas de casa; 49% têm atividade econômica (formal ou informal); 5% estão de licença e 13% estão desempregados; A cada 10 responsáveis: 1 concluiu no máximo 5 anos de estudo, 2 têm entre 6 e 9 anos de escolaridade, 5 chegaram ou completaram o Ensino Médio e 2 chegaram ou concluíram o Ensino Superior 10% estão estudando atualmente; 75% moram com companheiro, quase sempre o pai da criança; 59% moram em domicílios com 3 a 4 moradores ou acima de 4 moradores (38%); 15% dos domicílios também têm uma ou mais crianças de 4 a 5 anos, 26% de 6 a 10 anos e 11% de 11 a 12 anos; Apenas 66% das crianças-referência de 2 a 3 anos tem seu pai morando no mesmo domicílio 38% declaram estar em algum programa de complementação de renda 6

7 33% das crianças frequentam creches / escolinhas.» aproximadamente 20% utilizam serviços gratuitos (creches públicas, conveniadas, confessionais, comunitárias ou filantrópicas)» 14% frequentam creches pagas 12% das crianças vão para a casa de alguém durante o dia (sendo que 7% frequenta a creche e vai para a casa de alguém) 57% das crianças ficam em casa [VALOR] % gratuitas [VALOR] % pagas [VALOR] % tempo parcial [VALOR] % tempo integral Das crianças que frequentam a creche, 51% em período integral e 49% em tempo parcial

8 QUATRO BRASIS Famílias com renda inferior a 5 s.m.» nas Capitais e seu entorno» em contextos urbanos do Interior» na zona Rural ana Famílias com renda superior a 5 s.m., vivendo em qualquer contexto

9 68% moram com os pais (vs 75% no total) cerca de crianças não convivem cotidianamente com a figura paterna

10 As famílias são mais numerosas, com 5 pessoas em média 49% participam de programas de complementação de renda (vs 38% do total)

11 83% dos chefes de família são do sexo masculino (vs 69% do total) 79% têm renda familiar até 2 s.m. (vs 47% no total) 44% participam de programas de complementação de renda (vs 38% do total)

12 % dos domicílios têm apenas 2 moradores (vs 4% do total) 45% dos chefes de família são mulheres. (vs 31% no total) 82% das crianças moram com o pai (vs 75% do total)

13 CRECHE E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA Fonte: IBGE/Pnad e Todos pela Educação

14 Onde a criança fica durante o dia Um terço das crianças de 0 a 3 anos frequenta uma creche / escolinha cerca de 3,2 milhões de crianças, sendo 2,1 milhões de domicílios com renda familiar de até 5SM. 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 33% 42% 63% 12% 14% 13% 13% 11% Frequenta creche Vai para a casa de alguém que cuida dela, sem você junto 57% 74% 48% Fica em casa 29% Total Criança de 0 a 1 ano Criança de +1 a 2 anos Criança de +2 a 3 anos 7% das crianças frequentam a creche e também a casa de alguém 14

15

16 Percepções sobre o desenvolvimento das crianças (0 a 3 anos) Quando a criança começa a aprender 34% 25% 24% 11% 3% 2% 1% Ainda no útero/ ventre/ barriga da mãe Assim que nasce A partir dos 6 meses A partir de 1 ano A partir de 2 anos A partir de 3 anos A partir de 6 anos Quanto maior a escolaridade do responsável, maior sua percepção que o desenvolvimento da criança começa mais cedo, no caso, ainda no útero (51% - ensino superior). 16

17 Percepções sobre o desenvolvimento das crianças (0 a 3 anos) Fatores mais importantes para o desenvolvimento 100% 90% Total Capital/periferia Interior Urbano > 5 SM Rural 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Levar ao pediatra regularmente / Dar vacinasrecomendadas Levar ao pediatra regularmente Amamentar Ter cuidado com a alimentação Receber atenção dos adultos Ter bons exemplos dos pais Receber carinho, afeto Brincar / Passear Viver em um ambiente adequado Amamentar Ter cuidado com a alimentação Receber atenção dos adultos Ter bons exemplos dos pais Receber carinho, afeto Brincar/ Passear Viver em um ambiente adequado Ter uma rotina Ter uma rotina Estabelecer limites, ter regras claras sobre o que pode ou não pode fazer. Estabelecer limites Conversar com a criança Conversar com a criança *Resultados apresentados acima de 10% no total 17

18 Atitudes que mais estimulam aprendizagens (0 a 3 anos) Ficar protegido do contato com outras crianças e lugares públicos para não ficar doente. Não ficar muito no colo, ficar no berço mesmo que chore. Oferecer, todos os dias, o máximo de atividades Ir o quanto antes para a creche para aprender com as professoras. Ser colocada em um andador para logo aprender a andar. Estimular para que se alimente sozinha Ficar próxima de adultos para aprender com eles a falar. Assistir desenho na televisão. Ter contato com letras, palavras e números Respeitar o tempo da criança Ter muito carinho e estímulos. 6 % 11 % 11 % 15 % 15 % 24 % 30 % 32 % 38 % 47 % 70 % TOTAL > 5 SM Rural Interior Urbano Capital e entorno 18

19 Percepções sobre o desenvolvimento das crianças (0 a 3 anos) A creche é a melhor alternativa para a criança se desenvolver A melhor alternativa para a criança se desenvolver é ficar na sua casa 34% 12% 21% 09% 24% 46% 33% 42% entre os que deixam a criança na casa de alguém A creche deve ser a principal responsável pela aprendizagem da criança A família deve ser a principal responsável pela aprendizagem da criança 07% 05% 20% 13% 54% 12% 68% 19

20 Existe idade ideal? 20

21 ROTINA QUE PRENDE E LIBERTA

22 Rotinas mudam dependendo de onde passam o dia 22

23 O acesso à creche amplia o repertório de atividades 23

24 UM OLHAR SOBRE A QUALIDADE Famílias mais escolarizadas têm percepções mais favoráveis e também mais críticas

25 Vantagens e desvantagens das creches 25

26 A QUESTÃO DA EQUIDADE

27 Oportunidades desiguais

28 O tamanho do deficit

29 Como atender ao direito de quem mais precisa? Flexibilidade na medida certa O caminho da intersetorialidade

30 CRECHE E VIDA PRODUTIVA DOS PAIS Empregabilidade em trabalhos de local fixo ou em casa, de acordo com a obtenção de vaga na creche

31 Oportunidades qualificadas e disponibilidade de vagas

32 Considerações finais A qualidade como princípio A atuação intersetorial e interdisciplinar

33 Creche para quê? Primeiros anos de vida são fundamentais para o desenvolvimento da criança.» Ciência comprova: assegurar condições adequadas ao desenvolvimento nos primeiros anos de vida é mais eficaz e gera menos custos do que tentar reverter ou minimizar os efeitos ou problemas mais tarde. Estabelecimentos de educação infantil: aliados da família no cuidado e educação nos primeiros anos de vida.» Trabalho complementar ao da família e da comunidade na promoção do desenvolvimento da criança. Especialistas: associam experiência educativa no espaço coletivo da creche com o cuidado zeloso, o bem-estar físico e emocional» Importância das interações, das relações interpessoais para favorecer aprendizagens.» Estímulos, vivências e aprendizagens da creche podem proporcionar ganhos cognitivos e aprimoramento de habilidades futuras mais complexas. Articulação entre família e creche: diferentes papéis e contextos a serem partilhados com as crianças fazendo convergir suas especificidades. 33

34 Creche para quem? Meta PNE: atender a, no mínimo, 50% das crianças de até 3 anos até Pnad 2015: 25,6% das 10,3 milhões de crianças do 0 a 3 anos estavam matriculadas em estabelecimentos gratuitos e pagos. É função dos gestores públicos e dos formuladores de políticas analisarem os obstáculos que se colocam entre as famílias e o seu direito constitucional de matricular os filhos na educação infantil e buscar soluções. O debate deve abranger a questão da equidade.» Pnad 2015: há grande desigualdade no acesso à creche, regional e econômica.» Acesso para os 20% mais pobres: 21%, para os 20% mais ricos é de 53%.» A desigualdade aumentou nos últimos cinco anos (a diferença passou de 26 para 32 pontos percentuais entre 2009 e 2015) Necessidade de políticas afirmativas de educação infantil para as populações mais pobres. 34

35 Grata pela atenção. E boas leituras!

36 Grata pela atenção Ana Lúcia Lima

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL. Julho de 2009

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL. Julho de 2009 TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL Brasília, Julho de 2009 Trabalho Decente e Juventude no Brasil 1. Diagnóstico da situação magnitude do déficit de Trabalho Decente para os jovens relação educação

Leia mais

Primeira Infância: Cumprimento das metas do PNE. Mozart Neves Ramos

Primeira Infância: Cumprimento das metas do PNE. Mozart Neves Ramos Primeira Infância: Cumprimento das metas do PNE Mozart Neves Ramos mozart@ias.org.br 1. s Rápidas Crianças, jovens e adultos de todas as idades respondem a tratamentos, atenção e estímulos. Entretanto,

Leia mais

50 anos de direitos proclamados

50 anos de direitos proclamados 50 anos de direitos proclamados a situação da criança brasileira 1 Léa Tiriba Julho 2009 1 Trabalho apresentado no Ciclo de Debate: escola hoje, promovido pelo MSE (Movimento Sócio-Educativo) e MEDH (Movimento

Leia mais

O Plano Nacional de Educação. Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal

O Plano Nacional de Educação. Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal O Plano Nacional de Educação Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal Plano Nacional de Educação Diretrizes Superação das desigualdades educacionais

Leia mais

PATERNIDADE E CUIDADO no marco legal pela primeira infância LEI No , DE 8 DE MARÇO DE

PATERNIDADE E CUIDADO no marco legal pela primeira infância LEI No , DE 8 DE MARÇO DE PATERNIDADE E CUIDADO no marco legal pela primeira infância LEI No 13.257, DE 8 DE MARÇO DE 2016 saudedohomem@saude.gov.br A ampliação da licença-paternidade em 15 dias é vantajosa para as crianças, para

Leia mais

A ATENÇÃO À SAÚDE DAS CRIANÇAS NA PRIMEIRA INFÂNCIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

A ATENÇÃO À SAÚDE DAS CRIANÇAS NA PRIMEIRA INFÂNCIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A ATENÇÃO À SAÚDE DAS CRIANÇAS NA PRIMEIRA INFÂNCIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A Pesquisa da Primeira Infância, realizada pela Fundação Seade em parceria com a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal,

Leia mais

Perfil sócio-demográfico

Perfil sócio-demográfico Capítulo Perfil sócio-demográfico [em %] Macro regiões Norte Natureza e porte do Município 6 Centro-oeste 5 Sul 4 Sudeste Nordeste Onde viveu a maior parte da vida Na cidade No campo/ áreas rurais Meio

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL VMSIMULADOS QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS

EDUCAÇÃO INFANTIL VMSIMULADOS QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS EDUCAÇÃO INFANTIL 01. A estrutura do Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil tem como eixos principais: (A) ações de cuidar e proteger e promoção do brincar. (B) uso de diferentes linguagens

Leia mais

A importância da Educação Infantil de qualidade no desenvolvimento das crianças Para uma sociedade melhor

A importância da Educação Infantil de qualidade no desenvolvimento das crianças Para uma sociedade melhor 01/04/2015, Botucatu (SP) A importância da Educação Infantil de qualidade no desenvolvimento das crianças Para uma sociedade melhor Boa Tarde, É um imenso prazer participar dessa tarde com os profissionais

Leia mais

USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL. Relatório em Setembro de 2012

USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL. Relatório em Setembro de 2012 1 1 USO DE CADEIRINHA NO AUTOMÓVEL Relatório em Setembro de 2012 Índice 2 2 Objetivo Metodologia Hábito de transportar crianças com até 10 anos em automóvel de passeio Perfil População adulta Transporta

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases

Lei de Diretrizes e Bases Lei de Diretrizes e Bases 01. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases, a avaliação do desempenho do aluno deverá ser contínua e cumulativa, considerando-se a: a) prevalência dos aspectos quantitativos sobre

Leia mais

INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO I Identificação ASSOCIAÇÃO DE REABILITAÇÃO INFANTIL LIMEIRENSE ARIL INSTRUMENTAL PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Entidade Executora: Associação de Reabilitação Infantil Limeirense - ARIL Endereço: Rua Dr.

Leia mais

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília 2014 Extensão: 8,5 milhões km 2 População: 191,5 milhões População

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 Soeli do Rocio Nunes Lechinhoski Pedagoga do Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (2013-2016) Secretaria

Leia mais

Encontro dos Municípios com Desenvolvimento Sustentável

Encontro dos Municípios com Desenvolvimento Sustentável Encontro dos Municípios com Desenvolvimento Sustentável Desafios e alternativas para o aumento do atendimento na educação infantil com qualidade Profª. Me. Manuelina Martins da Silva Arantes Cabral Dirigente

Leia mais

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016 MEC Censo Escolar 215 Notas Estatísticas Brasília-DF março de 216 MEC Agenda O desafio da universalização Educação infantil Creche e Pré-escola Ensino fundamental Anos iniciais e anos finais Ensino médio

Leia mais

Reunião Ordinária UNDIME/SP

Reunião Ordinária UNDIME/SP Reunião Ordinária UNDIME/SP 20 de maio de 2016 São Paulo / SP Judicialização da Infância Cenário Novo Ciclo do Par Meta 1 PNE Creches Verticais Creche em Período Parcial e Integral Desafios Universalização

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública sobre Energia Elétrica

Pesquisa de Opinião Pública sobre Energia Elétrica Pesquisa de Opinião Pública sobre Energia Elétrica METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal da pesquisa é levantar a opinião dos brasileiros sobre a situação da energia elétrica no país e a percepção

Leia mais

Objetivos. Medir o grau de informação, opinião e interesse sobre microgeração de energia entre a população brasileira

Objetivos. Medir o grau de informação, opinião e interesse sobre microgeração de energia entre a população brasileira Nov / 2016 Objetivos Medir o grau de informação, opinião e interesse sobre microgeração de energia entre a população brasileira Metodologia Técnica A pesquisa foi realizada através de metodologia quantitativa,

Leia mais

Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde

Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde População brasileira, 16 anos ou mais Setembro de 2015 Índice Introdução Planos de saúde SUS X Plano de saúde Perfil da amostra Principais

Leia mais

O IDOSO COMO CUIDADOR: UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDADO DOMICILIAR

O IDOSO COMO CUIDADOR: UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDADO DOMICILIAR O IDOSO COMO CUIDADOR: UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDADO DOMICILIAR João Paulo Fernandes Macedo (UFC dalijoao@gmail.com) INTRODUÇÃO:As famílias brasileiras estão passando por mudanças estruturais, sociais

Leia mais

ALICE ROMÃO DA SILVA

ALICE ROMÃO DA SILVA 1 ALICE ROMÃO DA SILVA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL Trabalho apresentado como instrumento de avaliação da(s) disciplina(s) "Gestão Escolar" do curso de Pedagogia. PARANAGUÁ 2012 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 03 2. EDUCAÇÃO

Leia mais

Promovendo desenvolvimento integral na primeira infância. Outubro de 2016

Promovendo desenvolvimento integral na primeira infância. Outubro de 2016 Promovendo desenvolvimento integral na primeira infância Outubro de 2016 MARCO LEGAL DA PRIMEIRA INFÂNCIA Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016 DIRETRIZES E ESTRATÉGIAS de apoio às famílias em sua função

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM

CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM CARTA DE BRASÍLIA EM DEFESA DA APRENDIZAGEM CARTA DE BRASÍLIA-DF EM DEFESA DA APRENDIZAGEM Os participantes do 3º Seminário Nacional de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, promovido

Leia mais

A EJA após 10 anos do PNE, PEE e PME: avanços e desafios. Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA

A EJA após 10 anos do PNE, PEE e PME: avanços e desafios. Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA A EJA após 10 anos do PNE, PEE e PME: avanços e desafios Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA Desafio de constituir-se MODALIDADE Construção histórica do PNE 2001-2010 Debate intenso da sociedade

Leia mais

ENCERRAMENTO DA CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES DO PROGRAMA CRIANÇA FELIZ Creche AME 23/02/2017

ENCERRAMENTO DA CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES DO PROGRAMA CRIANÇA FELIZ Creche AME 23/02/2017 ENCERRAMENTO DA CAPACITAÇÃO DE MULTIPLICADORES DO PROGRAMA CRIANÇA FELIZ Creche AME 23/02/2017 A Primeira Infância é um tesouro! É um período único para a promoção do desenvolvimento pleno do potencial

Leia mais

CENSO ESCOLAR 2016 Notas Estatísticas. Brasília-DF Fevereiro de 2017

CENSO ESCOLAR 2016 Notas Estatísticas. Brasília-DF Fevereiro de 2017 CENSO ESCOLAR 216 Notas Estatísticas Brasília-DF Fevereiro de 217 O DESAFIO DA UNIVERSALIZAÇÃO O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de igualdade de condições para o acesso

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS. 01) Assinale a alternativa que completa CORRETAMENTE o enunciado abaixo.

CONHECIMENTOS GERAIS. 01) Assinale a alternativa que completa CORRETAMENTE o enunciado abaixo. CONHECIMENTOS GERAIS 01) Assinale a alternativa que completa CORRETAMENTE o enunciado abaixo. Segundo a Lei, a Educação Básica, no Brasil, é formada: A( ) pelas escolas, professores, servidores e administradores.

Leia mais

Primeira Infância Completa

Primeira Infância Completa Primeira Infância Completa Uma abordagem integrada do Desenvolvimento Infantil Seminário Itaú de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Printed Eduardo Pádua Outubro, 2011 Agenda 1. Educação Infantil

Leia mais

LDB Introdução. Conceito de Educação 12/07/2017

LDB Introdução. Conceito de Educação 12/07/2017 LDB 9394-96 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL Introdução A LDB 9394/96 tem por característica principal a flexibilidade; Ela serve para organizar a educação escolar em nível nacional; Abrande

Leia mais

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde Situação Alimentar e Nutricional no Brasil e no Mundo - O rápido declínio da desnutrição infantil no Brasil e o papel das políticas públicas na redução das desigualdades Coordenação-Geral da Política de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO CUIABÁ 2015 Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar

Leia mais

Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola

Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola 1 Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola Sem acesso à escola não há acesso pleno à Educação. Nesse sentido, o Todos Pela Educação estabeleceu em 2006 como a primeira de suas cinco Metas a

Leia mais

Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados:

Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados: Documento Preliminar para Consulta Pública Outubro de 2010 2.4 Atendimento de crianças e adolescentes com direitos violados ou ameaçados: 2.4.6 Trabalho infantil A exploração do trabalho é uma violação

Leia mais

Fundação Nosso Lar Foz do Iguaçu PR. Roteiro para Entrevista : Seleção.

Fundação Nosso Lar Foz do Iguaçu PR. Roteiro para Entrevista : Seleção. Fundação Nosso Lar Foz do Iguaçu PR Roteiro para Entrevista : Seleção. 1. Nome do entrevistado: 2. Endereço/ Rua: nº 3. Bairro: Telefone: Celular : 4. Cidade: Referência: 5. Data da entrevista: / /. Parte

Leia mais

Lançamento do PROGRAMA CRIANÇA FELIZ 10/03/2017

Lançamento do PROGRAMA CRIANÇA FELIZ 10/03/2017 Lançamento do PROGRAMA CRIANÇA FELIZ 10/03/2017 Cuidar de nossas crianças é cuidar de nosso futuro. Os 6 primeiros anos de vida são fundamentais para o desenvolvimento pleno do indivíduo. Nos meus 20 anos

Leia mais

Encontro Estadual do Proinfância

Encontro Estadual do Proinfância Encontro Estadual do Proinfância Salvador \BA Março/2014 (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica AÇÕES DO MEC Curso de Especialização em Educação Infantil Formação em nível de especialização

Leia mais

Creche como demanda das mulheres

Creche como demanda das mulheres PESQUISA DATA POPULAR/SOS CORPO Creche como demanda das mulheres OUTUBRO/2012 1/10/2012 1 Pesquisa Creche como demanda das mulheres por políticas públicas Eleições. O tema creche voltou à pauta nas eleições

Leia mais

Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Aumento da Licença Paternidade: estratégia para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Milena do Carmo m.santos@promundo.org.br Promundo-Brasil Brasília, 06 de julho de 2016. Instituto Promundo

Leia mais

Trabalho Infantil no Brasil

Trabalho Infantil no Brasil Trabalho Infantil no Brasil ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1) Evolução do trabalho Infantil de 1992 a 2011. 2) Fatores que contribuíram para a queda. 3) Causas e as consequências do trabalho infantil. 4) Análise

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA SOCIAL DE SÃO GONÇALO DO RIO DAS PEDRAS, SERRO MINAS GERAIS

RELATÓRIO DA PESQUISA SOCIAL DE SÃO GONÇALO DO RIO DAS PEDRAS, SERRO MINAS GERAIS RELATÓRIO DA PESQUISA SOCIAL DE SÃO GONÇALO DO RIO DAS PEDRAS, SERRO MINAS GERAIS Esta pesquisa foi realizada na área urbana de São Gonçalo do Rio das Pedras, distrito de Serro MG, Pelos voluntários do

Leia mais

Trabalho remunerado e trabalho doméstico uma tensão permanente. Dezembro de 2012

Trabalho remunerado e trabalho doméstico uma tensão permanente. Dezembro de 2012 Trabalho remunerado e trabalho doméstico uma tensão permanente Dezembro de 2012 1 Objetivos do Estudo Examinar a rotina das mulheres brasileiras para compreender as tensões que existem em relação: à forma

Leia mais

Mães Guerreiras: o que é ter um filho com doença genética rara no Brasil

Mães Guerreiras: o que é ter um filho com doença genética rara no Brasil Mães Guerreiras: o que é ter um filho com doença genética rara no Brasil Objetivo A Aliança Brasil MPS juntamente com o Ibope realizou uma pesquisa com cuidadores de pacientes com Mucopolissacaridose -

Leia mais

Conflitos no Rio de Janeiro. novembro de 2010

Conflitos no Rio de Janeiro. novembro de 2010 Conflitos no Rio de Janeiro novembro de 2010 1 Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo Geral Levantar a percepção

Leia mais

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro Prefeitura de São Paulo União Européia Histórico do Projeto Cooperação técnica bilateral da Prefeitura de São Paulo com a União Européia com duração de quatro

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

AGENDA DA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICAS PARA POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Rio de Janeiro, julho 2013

AGENDA DA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICAS PARA POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. Rio de Janeiro, julho 2013 AGENDA DA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICAS PARA POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Rio de Janeiro, julho 2013 1. PROGRESSO BRASILEIRO RECENTE 1.1 Crescimento inclusivo 1. PROGRESSO BRASILEIRO RECENTE 1.1 Crescimento

Leia mais

Processos de reestruturação do Ensino Médio: desafios e aprendizados CLAUDIA COSTIN

Processos de reestruturação do Ensino Médio: desafios e aprendizados CLAUDIA COSTIN Processos de reestruturação do Ensino Médio: desafios e aprendizados CLAUDIA COSTIN PROCESSOS DE REESTRUTURAÇÃO DO ENSINO MÉDIO: DESAFIOS E APRENDIZADOS CLAUDIA COSTIN Diretora do Centro de Excelência

Leia mais

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral 1. Conceito A Educação Integral (EI) é uma concepção que compreende que a educação deve garantir o desenvolvimento dos sujeitos em todas as suas

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PROJETO REDE EXTENSIVA DE APRENDIZAGEM ENTIDADE BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO MISSÃO VISÃO VALORES IMPACTO DIAGNÓSTICO DA REGIÃO Pequena Casa da Criança CNPJ: 92.852.953/0001-04 Registrada sob o nº 429

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR- O QUE A SALA DE RECURSOS TEM A VER COM ISSO?

INCLUSÃO ESCOLAR- O QUE A SALA DE RECURSOS TEM A VER COM ISSO? INCLUSÃO ESCOLAR- O QUE A SALA DE RECURSOS TEM A VER COM ISSO? Glaucia dos Santos Carvalho Palavras-chave: Inclusão, Pessoa com Deficiência, Aprendizagem e Sala de Recursos. INTRODUÇÃO Japeri no que se

Leia mais

Meta do PNE para Educação Infantil: desafio para os Municípios. Mariza Abreu Consultora em educação da CNM Brasília, 06 julho 2016

Meta do PNE para Educação Infantil: desafio para os Municípios. Mariza Abreu Consultora em educação da CNM Brasília, 06 julho 2016 Meta do PNE para Educação Infantil: desafio para os Municípios Mariza Abreu Consultora em educação da CNM Brasília, 06 julho 2016 Educação para a 1ª Infância: PNE/2014 e Lei do Marco Legal/2016 Educação

Leia mais

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES

CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES CONFERÊNCIA REGIONAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES Um desafio para a igualdade numa perspectiva de gênero Ituporanga 30/04/04 Conferência Espaço de participação popular para: Conferir o que tem sido feito

Leia mais

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo LEI Nº 16.271, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015 (Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo META 1. Ampliar o investimento

Leia mais

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DO SUS NO MUNICÍPIO DE TAPERA

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DO SUS NO MUNICÍPIO DE TAPERA ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO DO SUS NO MUNICÍPIO DE TAPERA 1 PRESSER, V. J.; 2 PRESSER, J. J. L.; 3 SILVA, L. M. P. M.; 4 BEZUTTI, A. M.; 5 MEIRA, D. A.; 6 TOMAZONI, E.; 7 BOFF, M. A.; 8 VOGEL, M. T.; 9 DÓRO.

Leia mais

OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA SOBRE TEMAS RELATIVOS A ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS. Setembro/2017

OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA SOBRE TEMAS RELATIVOS A ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS. Setembro/2017 OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA SOBRE TEMAS RELATIVOS A ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS 1 Setembro/2017 ÍNDICE 2 OBJETIVO E METODOLOGIA ANÁLISE DOS RESULTADOS Perfil da amostra Opinião sobre alimentos industrializados

Leia mais

AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03

AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; ; LEI DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03 AULA 03 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 03 CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 205 a 214) CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO,

Leia mais

EXPECTATIVA DAS FAMÍLIAS EM RELAÇÃO AO ATENDIMENTO NA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL.

EXPECTATIVA DAS FAMÍLIAS EM RELAÇÃO AO ATENDIMENTO NA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL. 02127 EXPECTATIVA DAS FAMÍLIAS EM RELAÇÃO AO ATENDIMENTO NA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Joana Angélica Bernardo de Oliveira Reis e Gilza Maria Zauhy Garms. Faculdade de Ciências e Tecnologia-FCT/Unesp

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV

Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV Brasil vai incluir meninos na vacinação contra HPV Brasil é o 1º país da América do Sul e 7º do mundo a inserir a vacina no programa nacional Apresenta 98% de eficácia para quem segue corretamente o esquema

Leia mais

Programa Qualidade de Vida e Saúde do Trabalhador. Categoria: Gestão de Pessoas Subcategoria: Classe 1

Programa Qualidade de Vida e Saúde do Trabalhador. Categoria: Gestão de Pessoas Subcategoria: Classe 1 Programa Qualidade de Vida e Saúde do Trabalhador Categoria: Gestão de Pessoas Subcategoria: Classe 1 Hospital Independência: Infraestrutura: Reconhecimento: Programa: Justificativa: Assistir a saúde do

Leia mais

A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos

A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos AF357-15FIS_CampanhaPrescrevaumLivroItauCrianca_FOLHETO_19x23_V6.indd 1 29/09/15 01:22 2 Receite um livro A importância de recomendar a

Leia mais

Francisco Aparecido Cordão

Francisco Aparecido Cordão 128 ENTREVISTA O PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO (PRONATEC) RESULTADOS E DESAFIOS Um dos investimentos prioritários do governo federal para a educação em todo o país é o Programa

Leia mais

A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem

A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem crescendo no mundo inteiro, com base no pressuposto

Leia mais

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades,

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades, Agradecimentos Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho e nas minhas capacidades, pelo apoio incansável nos momentos mais aflitivos, pelas

Leia mais

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade,

Leia mais

03/04/2017. Departamento de Psicologia Psicologia da Aprendizagem aplicada à área escolar Profª Ms. Carolina Cardoso de Souza

03/04/2017. Departamento de Psicologia Psicologia da Aprendizagem aplicada à área escolar Profª Ms. Carolina Cardoso de Souza Departamento de Psicologia Psicologia da Aprendizagem aplicada à área escolar Profª Ms. Carolina Cardoso de Souza Preâmbulo...assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS AGOSTO DE 2012 JOB1692-1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto aos eleitores da área em estudo opiniões

Leia mais

Pesquisa. Metodologia: Quantitativa: IBOPE Bus, entrevistas em 143 municípios Qualitativa: Discussão em grupo

Pesquisa. Metodologia: Quantitativa: IBOPE Bus, entrevistas em 143 municípios Qualitativa: Discussão em grupo Pesquisa O IBOPE Inteligência e a ABRAFARMA conversaram com os brasileiros ente maio e junho de 205 para entender a adesão ao tratamento médico e o papel da farmácia Metodologia: Quantitativa: IBOPE Bus,

Leia mais

Opinião da população sobre o uso das sacolas plásticas. Agosto de 2012

Opinião da população sobre o uso das sacolas plásticas. Agosto de 2012 1 Opinião da população sobre o uso das sacolas plásticas Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil da amostra Hábitos de compra em supermercados Posicionamento sobre a decisão judicial que retira

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Resolução nº XX, de 21 de outubro de 2016 Pactua o desenho do Programa Criança

Leia mais

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego

Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Resultados do Serviço Preparação para o Primeiro Emprego Ano 2014 Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene Martin Tendolo Diretora de Departamento: Silmaire

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS PLANOS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO. Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS PLANOS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO. Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS PLANOS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO Maria Margarida Machado FE/UFG Fórum Goiano de EJA Construção histórica do pne2001-2010 Debate intenso da sociedade civil (CONED) Apresentação

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carmen Lucia Lopes Galvão Universidade Estadual do Rio de Janeiro - lumiar13@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Este estudo buscará refletir sobre o autismo e o papel do educador na

Leia mais

O que faz e o que pensa o gestor escolar

O que faz e o que pensa o gestor escolar O que faz e o que pensa o gestor escolar Pesquisa mostrou que esses profissionais ainda se preocupam muito mais com a burocracia que com o pedagógico Cinthia Rodrigues Outubro de 2009 Os diretores de escolas

Leia mais

GUIA PROCESSO SELETIVO

GUIA PROCESSO SELETIVO GUIA PROCESSO SELETIVO Você sabia que o IF Sudeste MG leva você aonde quiser chegar? Pois é. E para aproveitar do nosso ensino público, gratuito e de qualidade é preciso ficar atento às datas e regras

Leia mais

COM SAÚDE É MELHOR. Informação e Prevenção: os Melhores Aliados

COM SAÚDE É MELHOR. Informação e Prevenção: os Melhores Aliados COM SAÚDE É MELHOR Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão

Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão Horário dos Jogos e Avaliação do Brasileirão Especificações Técnicas - Pesquisa Quantitativa - Datas de campo De 17 a 22 de junho de 2015 Seleção da amostra Aleatória Margem de erro 3 pontos percentuais

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO

PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO PROJETO ESPECIAL DE AÇÃO - 2013 PORTARIA Nº 1.566 DE 18/03/08 Nome da Unidade Educacional EMEI MÁRIO SETTE Diretoria Regional de Educação CAMPO LIMPO Modalidade (art.2º): A tematização das práticas desenvolvidas

Leia mais

Mudanças no comportamento do consumidor da base da pirâmide

Mudanças no comportamento do consumidor da base da pirâmide Mudanças no comportamento do consumidor da base da pirâmide Luciana Aguiar Setembro/2010 OQue Discutíamos : em 2004-2005 Base X Topo da Pirâmide A baixa renda era vista como um massa indistinta. Usava-se

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O PET/CONEXÕES DE SABERES PET/FITOTERAPIA/CCBS/UFCG EDITAL Nº 01/2016

PROCESSO SELETIVO PARA O PET/CONEXÕES DE SABERES PET/FITOTERAPIA/CCBS/UFCG EDITAL Nº 01/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE COORDENAÇÃO DO PET/CONEXÕES DE SABERES

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ELEIÇÕES 2016

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ELEIÇÕES 2016 PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ELEIÇÕES 2016 DEZEMBRO DE 2015 JOB1629 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO O principal objetivo desse projeto é levantar opiniões sobre as eleições municipais

Leia mais

1. A população de Portugal não tem um número elevado de filhos porque não pode ou porque não quer?

1. A população de Portugal não tem um número elevado de filhos porque não pode ou porque não quer? O Inquérito à Fecundidade, realizado em 2013, resultou de uma parceria entre o Instituto Nacional de Estatística (INE) e a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS). O momento para apresentação da totalidade

Leia mais

Seminário sobre LDB da Educação Nacional TALITA CRISTINI BATISTA LOPES MARIANA DA COSTA LOUREIRO COTOVICZ

Seminário sobre LDB da Educação Nacional TALITA CRISTINI BATISTA LOPES MARIANA DA COSTA LOUREIRO COTOVICZ Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto Multidisciplinar Departamento de Tecnologias e Linguagens Seminário sobre LDB da Educação Nacional TALITA CRISTINI BATISTA LOPES MARIANA DA COSTA

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO Ana Carolina PRAÇA anacarol.praca@gmail.com ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAGUAÍ RESUMO O presente trabalho fez parte de um

Leia mais

Percepção de Presença do Crime Organizado/Facções na vizinhança/bairro do(a) entrevistado(a)

Percepção de Presença do Crime Organizado/Facções na vizinhança/bairro do(a) entrevistado(a) Percepção de Presença do Crime Organizado/Facções na vizinhança/bairro do(a) entrevistado(a) Pesquisa que integra os estudos técnicos para a criação de um Índice de Efetividade da Segurança Pública e que

Leia mais

Programas de Atendimento aos Estudantes

Programas de Atendimento aos Estudantes Programas de Atendimento aos Estudantes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Câmpus Guarulhos 1. Integração dos Ingressantes O atendimento ao estudante no IFSP Guarulhos

Leia mais

Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os. pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL

Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os. pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL Fábrica de Ideias: Identificação de tendências e oportunidades para os pequenos negócios nos bairros de Mossoró/RN ALTO DE SÃO MANOEL Mossoró/RN 2014 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende auxiliar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM SALÕES DE BELEZA

ADMINISTRAÇÃO EM SALÕES DE BELEZA Consultoria e Coaching ADMINISTRAÇÃO EM SALÕES DE BELEZA Magda Vilas-Boas www.magdavilasboas.com.br magdavilasboas@gmail.com 1 Consultoria Vilas-Boas CRESCER COM HUMILDADE. AMADURECER, TER RESPONSABILIDADE.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ANO 2015

PLANO DE AÇÃO ANO 2015 1 PLANO DE AÇÃO ANO 2015 I Identificação da Entidade: Nome da Entidade: Grupo Cultural AfroReggae - GCAR Endereço da Entidade: Rua Santo Antônio, nº 11 Bairro: Vigário Geral CEP: 21.010-400 Telefone: 21

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

Sobre o CGI.br Criado em maio de 1995 Pela Portaria Interministerial Nº 147 de 31/05/1995, alterada pelo Decreto Presidencial Nº de 03/09/2003 R

Sobre o CGI.br Criado em maio de 1995 Pela Portaria Interministerial Nº 147 de 31/05/1995, alterada pelo Decreto Presidencial Nº de 03/09/2003 R INDICADORES DE USO DA INTERNET NO BRASIL 2005/2006 Centro de Estudos sobre as TICs (CETIC.br) NIC.br / CGI.br Sobre o CGI.br Criado em maio de 1995 Pela Portaria Interministerial Nº 147 de 31/05/1995,

Leia mais

Processo de Elaboração do Termo de Uso das Farinheiras Comunitárias de Açungui e Potinga, Guaraqueçaba - PR

Processo de Elaboração do Termo de Uso das Farinheiras Comunitárias de Açungui e Potinga, Guaraqueçaba - PR Processo de Elaboração do Termo de Uso das Farinheiras Comunitárias de Açungui e Potinga, Guaraqueçaba - PR Área temática: Tecnologia e produção Valdir Frigo Denardin¹ Bruno Mathias Paifer², Nathalia de

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Ipanema, o estudante também aprende e desenvolve habilidades além da sala de aula. As turmas das Atividades Extraclasse, para cada modalidade, são divididas de acordo

Leia mais

CAMPANHA INSTINTO DE VIDA Redução de homicídios ABRIL 2017

CAMPANHA INSTINTO DE VIDA Redução de homicídios ABRIL 2017 CAMPANHA INSTINTO DE VIDA Redução de homicídios ABRIL 07 Metodologia Técnica Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal dos entrevistados em pontos de fluxo populacionais. As entrevistas foram realizadas

Leia mais

Zika Vírus e Gravidez

Zika Vírus e Gravidez Gravidez e o Zika Vírus Zika Vírus e Gravidez Impacto da doença no planejamento familiar Julho, 2016 Metodologia e Objetivos O objetivo da pesquisa foi medir o nível de preocupação das mulheres em relação

Leia mais