UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE METODOLOGIA RÁPIDA UMA VISÃO ORIENTADA A OBJETO UML - LINGUAGEM DE MODELAGEM UNIFICADA AUTOR Alexandre Ignacio de Azevedo ORIENTADORA Prof. Mary Sue Pereira Rio de Janeiro, RJ, fevereiro/2003

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE METODOLOGIA RÁPIDA UMA VISÃO ORIENTADA A OBJETO UML - LINGUAGEM DE MODELAGEM UNIFICADA AUTOR Alexandre Ignacio de Azevedo Trabalho Monográfico apresentado como requisito parcial para obtenção do Grau de Especialista em Docência do Ensino Superior. Rio de Janeiro, RJ, fevereiro/2003

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que direta e indiretamente contribuíram para execução desta pesquisa em especial ao meu colega de trabalho e amigo Alfredo Nazareno Boente, que me orientou no estudo da UML.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho de pesquisa a todos aqueles que estão envolvidos nos ideais da educação, principalmente a minha professora Mary Sue Pereira, pela paciência e dedicação a seus alunos.

5 5 RESUMO A metodologia rápida em é uma visão orientada a objeto, com a finalidade de fazer uma análise de sistema perfeita em um curto espaço de tempo utilizando a linguagem UML. UML é uma linguagem padrão para modelagem de dados para objetos. A OOA (Object Oriented Analisy) - Análise Orientada a Objeto foi criada com o objetivo de auxiliar na análise dos sistemas atuais, nos quais utilizam linguagens de programação orientadas a objetos. A OOA utiliza os conceitos que aprendemos no nosso mundo real : objetos e atributos, todos e parte, classes e membros. A OOA aborda uma visão sistêmica de elementos de um certo sistema que são denominados objetos. É através deles que a OOA passa a ter uma característica prima denominada Reusabilidade (é o ato de incorporar resultados de análises anteriores na análise atual).

6 6 METODOLOGIA Este Trabalho foi realizado através de pesquisas em livros, visitas a bibliotecas e a sites na internet. E também tive uma ajuda de um colega na orientação da bibiografia usada, e que me orientou como um co-orientador.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...08 CAP. I - Introdução a Orientação a Objetos...09 CAP. II - A Importância da Modelagem de Dados...12 CAP. III - Introdução a UML...14 CAP. IV - O Estudo da Metodologia Rápida...16 CAP. V - Diagrama do UML Utilizados na Metodologia Rápida...18 CAP. VI - Diagrama de Use-Cases (Casos de uso)...20 CAP. VII - Diagrama de Classes...25 CAP. VIII- Diagramas de Sequência...30 CAP. IX - Diagrama de Estado...33 CAP. X - Ferramentas Case para Modelagem Orientada a Objetos(MOO)...36 CONCLUSÃO...38 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA...39 ANEXOS...40 ÍNDICE...42 FOLHA DE AVALIAÇÃO...44

8 8 INTRODUÇÃO No primeiro capítulo é abordado uma Introdução a Orientação a Objetos, que irá explicar os princípios básicos da OOA e alguns conceitos usados neste tipo análise como: Objetos, Classes, Métodos, Atributos, Abstração, Relacionamento entre Objetos, Encapsulamento, Herança e Polimorfismo. No segundo capítulo é abordado A Importância da Modelagem de Dados, mostrando a importância da construção de um modelo de sistemas para implementação. E a importância da discussão do sistema com os usuários, antes e depois da implementação. No terceiro capítulo é abordado Introdução a UML, que explica o que significa UML e a sua importância no mercado atual da análise de sistemas. No quarto capítulo é abordado O Estudo da Metodologia Rápida, com seus objetivos e suas fases de desenvolvimento No quinto capítulo são abordados os Diagramas do UML Utilizados na Metodologia Rápida-, e irá mostrar os quatros diagramas utilizados pela Metodologia Rápida e suas definições. No sexto capítulo é abordado o Diagrama de Use-Cases (Casos de Uso), que irá explicar todo o seu funcionamento, quais e como usar suas ferramentas. No sétimo capítulo é abordado o Diagrama de Classe, que irá explicar todo o seu funcionamento e como usar suas ferramentas.

9 9 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO A ORIENTAÇÃO A OBJETOS

10 10 Aqui será abordado os princípios básicos da OOA, assim como, alguns conceitos básicos e essenciais para o estudo desse tipo de análise: - Objetos : Elementos (componentes) de um sistema que apresenta abributos (propriedades/características) próprios; - Classes : É o agrupamento de métodos e atributos de forma a definir as características de um objeto; - Métodos : São as funções (serviços) do objeto. Ex.: Calcular, Imprimir, etc...; - Atributos : São os dados do objeto. Ex.: Posição, Altura, Largura, Cor, etc...; - Abstração : Princípio de ignorar os aspectos de um assunto não relevante para o propósito em questão, tornando possível uma concentração maior nos assuntos principais, ou seja, analisando apenas uma parte de um todo. Ex.: Caneta (todo) = suas partes (altura, diâmetro, cor corpo, cor tinta, etc); - Relacionamento entre Objetos : É extremamente necessário que todos os Objetos que estão sendo modelados por uma OOA apresentem um forte relacionamento entre si, para que o princípio básico da OOA conhecido como Herança; - Encapsulamento : É o ato de envolver (esconder) atributos e operações em um mesmo envolucro, disponibilizando somente a interface. As propriedades e métodos de um objeto estão contidos na sua própria definição (nele mesmo);

11 11 - Herança : Tem a finalidade de reutilizar métodos e atributos de outras classes no novo objeto. Assim o novo objeto herdara as características e métodos de outra(s) classe(s), minimizando o trabalho de descrição das mesmas para este novo objeto similar a outro que já tenha sido definido anteriormente; - Polimorfismo : É quando dois ou mais objetos usam o mesmo método, ao mesmo tempo, sendo que o controle do método pertence ao objeto que o possui em sua estrutura

12 12 CAPÍTULO II A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DE DADOS

13 13 A modelagem de dados tem a finalidade de construir um modelo de um sistema e usa os objetivos do sistema a se construir. A idéia é modelar todo o sistema para que não haja nenhum imprevisto em sua construção, e menos erros em sua implementação. É claro que a sempre uns reajustes a fazer na implementação do sistema, mas a idéia é organizar a análise do sistema. A modelagem de dados é uma nova forma de se analisar os problemas na criação de um sistema e utiliza modelos fundamentais em conceitos do nosso mundo real. O objetivo e desenvolver módulos com objetos e seus relacionamentos, juntamente com seus fluxos de controles. É importante a discussão do sistema com os usuários, para ajudar no processo de obtenção de requisitos para o sistema, esta discussão deve se manter ao longo da análise deste sistema. Mesmo na implementação o usuário fará suas observações na funcionalidade do sistema. Sem a modelagem de dados não há como construir um bom sistema pela complexibilidade cada vez maior dos sistemas. Principalmente hoje em dia que as linguagens de programação são orientadas a objetos.

14 14 CAPÍTULO III INTRODUÇÃO A UML

15 15 O Que é UML? UML (Unified Modeling Language) - Linguagem de Modelagem Unificada é a sucessora da onda de métodos de análise e projeto orientado a objetos, que tem a função de orientar os desenvolvedores de software a criar seus programas, através de análises sobre o assunto no qual o software irá executar. E a UML irá mostrar como esse software funcionar, por isto ela é uma linguagem com vários métodos de representação. UML é chamada de linguagem de modelagem e não um método. A linguagem de modelagem é a notação (principalmente gráfica) utilizadas por métodos para expressar projetos de análise. O processo mostra os passos a serem seguidos na elaboração de um projeto. A notação é totalmente gráfica, você pode observar através de seus modelos; ela é a sintaxe da linguagem de modelagem.

16 16 CAPÍTULO IV O ESTUDO METODOLOGIA RÁPIDA

17 17 A Metodologia Rápida tem como objetivo minimizar o trabalho dos projetistas de análise de sistemas. Sua função é analisar as fases de desenvolvimento que inicia com as especificações do usuário até a especificação completa da interface de todos os módulos componentes do sistema. Com esta metodologia a compreensão na construção de um projeto visando um determinado assunto, será mais simples e mais organizado, pela facilidade de visualizar os diversos pontos da análise. O objetivo é evitar a complexibilidade dos projetos que acarretam não só em uma demora em sua análise como também na sua implementação. E isto acaba acarretando também um grande custo para a empresa.

18 18 CAPÍTULO V DIAGRAMAS DO UML UTILIZADOS NA METODOLOGIA RÁPIDA

19 19 Os diagramas são representações gráficas de uma coleção de elementos de um determinado modelo. Os diagramas utilizados na Metodologia Rápida são quatro : - Diagrama de Casos de Uso : Um diagrama que mostra os relacionamentos entre casos de uso em interação com o sistema. Relacionamento : É a relação existente entre dois ou mais objetos. - Diagrama de Classe : Um diagrama que mostra uma coleção de elementos estáticos, como classes, tipos e seus conteúdos e relações. - Diagrama de Sequência : Um diagrama que mostra interações de objetos organizados em uma sequência de tempo, mostrando os objetos que participam na interação e a sequência de mensagens trocadas. Interação entre objetos : É a forma como eles interagem entre si. - Diagrama de Estado : Um diagrama que mostra as transições de estado de uma máquina de estado finita. Transições : São as mudanças de comportamento dos objetos. Os diagramas são divididos em subsistemas para se ter uma melhor organização de acordo com a finalidade de cada subsistema. Ex.: SISTEMA GERAL SUBSISTEMA SUBSISTEMA SUBSISTEMA SUBSISTEMA VENDAS COMPRAS CLIENTES FORNECEDORES

20 20 CAPÍTULO VI DIAGRAMA DE USE-CASES (CASOS DE USO)

21 21 O primeiro método que será apresentado é o Casos de Uso (Use Cases). Que consiste em apresentar um conjunto de cenários amarrados por um objetivo comum de um usuário. Os componentes básicos deste tipo de diagrama são os atores e os "use case". Notação usada: Sistema Interação Use Case Ator Figura interação do usuário com o Use Case do subsistema. Ator : Representa qualquer entidade que interage com o sistema. Ator não é parte do sistema, mas representa os papéis que o usuário do sistema pode representar. Algumas definições do ator : - ator pode representar um ser humano, uma máquina ou outro sistema. - ator pode ser um receptor passivo de informação. - ator pode interagir ativamente com o sistema. Use Case : É uma sequência de ações que o sistema executa e produz um resultado de valor para o ator. Algumas das suas características : - Um "Use Case" modela o diálogo entre o atores e o sistema. - Um "Use Case" é iniciado por um ator para invocar uma certa funcionalidade do sistema. - Um "Use Case" é um fluxo de eventos completo e consistente. O conjunto de todos os "Use Case" representa todas as situações possíveis de utilização do sistema.

22 22 Interação : é a ligação entre os objetos. Cenário : é uma sequência de passos que descreve uma interação entre o usuário e o sistema. Interno : É quando se chama um procedimento da mesma rotina. ex. Uses. Externo : É quando se chama um procedimento de uma outra rotina. ex. Extends ou Include). Chamadas : Uses => Quando se faz uma chamada da rotina de caso de uso em questão. Include => Quando se faz uma chamada a uma outra rotina. Extends = Include. Obs.: O Include é usado na versão 2000 em diante, antes se utilizava com o nome Extends, tendo a mesma finalidade. Hoje em dia alguns autores usam o Include para informar que está sendo utilizada toda a rotina chamada, e usam o Extends para informar que somente algumas partes da rotina estão sendo utilizadas. Isto depende de autor para autor.

23 23 Como trabalhar com o User-Cases Exemplo : Clínica Infantil Cenário complementar: Nome do use-case : Cadastrar Cliente Ator : Secretária (Administração) Descrição : A secretária efetua o cadastramento dos dados do cliente e seus filhos. Fluxo Principal : 1- O cliente entra na clínica e solicita o atendimento; 2- Não sendo cadastrado, a secretária acessa o terminal para efetuar o cadastramento; 3- A secretária solicita ao sistema a abertura da janela de Cadastrar Cliente; 4- A janela solicita a classe Cliente que retorne a relação dos clientes cadastrados; 5- Após receber a resposta, a janela exibe as informações do primeiro cliente da relação. 6- Secretária informa a janela que quer cadastrar um novo cliente. 7- A janela solicita que a classe Cliente prepare um espaço para os dados de novo cliente. 8- Secretária digita informações do novo cliente. 9- Secretária informa a janela a confirmação da inclusão. 10- A janela solicita que a classe cliente efetue a inclusão. 11- Secretária comanda o fechamento (saída) da janela. Será mostrada uma proposta para este use-case, não significando que ele só poderá ser feito desta forma, pois outras propostas poderam aparecer, com tanto que o resultado atingido seja satisfeito.

24 24 Proposta: Sistema de Atendimento Instituto da Criança CADASTRAR MÉDICOS CADASTRAR MÉDICOS SECRETÁRIA ADMINISTRAÇÃO CADASTRAR SERVIÇOS CONSULTAR SERVIÇOS <<EXTENDS>> CADASTRAR SERVIÇOS CLIENTE CONSULTAR MÉDICOS MARCAR CONSULTA Figura interação dos usuários com o Use Case do subsistema.

25 25 CAPÍTULO VII DIAGRAMA DE CLASSES

26 26 O Diagrama de classes descreve os tipos de objetos no sistema e os vários tipos de relacionamentos estático que existem entre eles. Há dois tipos principais de relacionamento estático: 1) Associações : por exemplo, um cliente pode alugar vários vídeos. 2) Subtipos : uma enfermeira é um tipo de pessoa. Associação : É um relacionamento (ligação) entre as classes. Agregação : É um relacionamento cujo valo referente a um item é agregado a outro item de forma direta. Multiplicidade : é a indicação de quantos objetos podem participar de um dado relacionamento. Generalização : é o relacionamento entre um item geral e vários itens específicos. Exemplo: o item geral produto pode ter os itens específicos leite, biscoito e chocolate. Restrição : É uma limitação que se dá a classe, usando chaves {}. Por exemplo : - Pedido só pode ser feito por um único Cliente. - Cliente Indivíduo têm limite de crédito, mas Cliente Organização, não. Cardinalidade : indica a quantidade de vezes da relação. Exemplos. 0 - zero 1 - um * - muitos 0..* - zero para muitos 1..* - um para muitos zero para um um para cinco

27 27 Os diagrama de classes também mostram atributos e operações de uma classe, e as restrições á maneira com que os objetos são conectados. Classe : É o agrupamento de métodos e atributos de forma a definir as características de um objeto. Superclasse : É a classe principal. Subclasse : É a classe subordinada a classe principal. Métodos : São as funções do objeto. Ou seja, são procedimentos para qual o objeto foi criado. Atributos : São os dados do objeto. Ou seja, são os valores com o qual o objeto trabalha. (ex.: nome, endereço, data de nascimento, etc...)

28 28 Exemplo Geral de Diagrama de Classes Associação Pedido Cliente CódigoDoCliente LimiteDeCrédito {ou} Indivíduo Associação Exclusiva IncluirPedido() AtenderPedido() Atributos Organizaçã 1 Agregação Multiplicidade Classe * Organização Cliente Pedido, Item Quantidade IncluirItemPedido() CalcularTotalPedido() Superclasse Operações Produto Classe associativa Generalização Subclasse Leite Chocolate Biscoito Figura diagrama de classes geral.

29 29 Exemplo de Agregação Por referência : Pedido * Pedido, Item Figura agregação por referência. A classe Pedido, Item faz parte da classe Pedido, ou seja, ela só existe porque existe o Pedido, se o pedido for cancelado então Pedido, Item some para este pedido. Por valor :. Pessoa Nome Endereço CPF Têm End, Completo Bairro Logradouro CEP Etc... Figura agregação por valor.

30 30 CAPÍTULO VIII DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA

31 31 É um diagrama de interação entre objetos do sistema. Este diagrama é utilizado na Metodologia Rápida como ferramenta básica para a definição dos serviços das classes. E mostra um conjunto de objetos e seus relacionamentos, incluindo as mensagens que são disparadas na sequência, enfatizando a ordenação temporal em que ocorre. Representa uma visão dinâmica do sistema. Os objetos são representados por um retângulo onde se encontra o nome deste objeto e a sua respectiva classe. Abaixo deste retângulo é anexada uma linha vertical pontilhada, que se chama linha da vida, e esta linha representa a existência deste objeto em um determinado momento. A linha da vida pode ser contínua até o fim do diagrama, ou seja, durante toda a sequência deste linha o objeto estará sendo executado na memória. Notação usada : - Os objetos são representados por um retângulo com os seus nomes sublinhados. Ex.: Nome do Objeto - As linhas de vida do objeto são representadas por linhas verticais tracejadas. - As interações entre objetos são indicadas por flechas horizontais que são direcionadas da linha vertical que representa o Objeto cliente para a linha que representa o Objeto fornecedor. - As flechas horizontais são rotuladas com mensagens, que serão o meio de comunicação entre os objetos. - A ordem das mensagens no tempo é indicada pela posição vertical, com a primeira mensagem aparecendo no topo. - A numeração é opcional e baseada na posição vertical.

32 32 Exemplo de um Diagrama de Sequência utilizando o subsistema Clínica Infantil. << Secretária >> Secretária FormCadCliente Cadastrar Secretária 1 ABRIR 2 OBTER CLIENTES DADOS DO CLIENTES 4 DADOS DO CLIENTES INCLUIR NOVO CLIENTE DADOS NOVO CLIENTE 6 PREPARAR PARA INCLUSÃO 8 CONFIRMAR INCLUSÃO 9 INCLUIR DADOS OK 10 OK SAIR. Figura diagrama de sequência

33 33 CAPÍTULO IX DIAGRAMA DE ESTADO

34 34 É um modo alternativo que representa a troca de mensagens entre um conjunto de Objetos. Este diagrama mostra uma interação organizada que envolve os objetos e suas ligações uns com os outros. Estado é uma condição do objeto, que irá durar no ciclo de vida deste objeto. Aqui irá mostrar uma interação que satisfaça a alguma condição com todas as suas mensagens para enviar e receber. Notação usada : - Os objetos são representados por um retângulo com o nome do estado deste objeto. Ex.: Nome do Estado deste objeto - As sequências de cada estado de cada objeto são indicadas por uma linha com um seta apontando a direção da sequência. Ex.: - O estado inicial é representado por um círculo sólido; Ex.: - O estado final é representado por um círculo contendo um outro interno circulo sólido; Ex.: Será mostrado dois exemplos de Diagrama de Estado, cada um ira representar a execução de um User Case. Os dois diagramas destes dois casos são bem parecidos. Cada retângulo está representando um objeto botão, onde o usuário ira clicar e executar cada rotina na sequência. As palavras cancelar também são botões para que o usuário tenha como cancelar a execução do devido formulário.

35 35 Exemplos de Diagrama de Estado utilizando o subsistema Clínica Infantil. Ex1.: Este diagrama mostra a execução do Caso de Uso Secretária. Dados do Cliente [Cancelar] Figura diagrama de estado Secretária. Dados do(s) Filhos [Cancelar] Gravar Dados Ex2.: Este diagrama mostra a execução do Caso de Uso Cliente. Consultar Serviços Figura diagrama de estado Cliente. Consultar Médicos Marcar Consulta

36 36 CAPÍTULO X FERRAMENTAS CASE PARA MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS.

37 37 Foram criadas algumas ferramentas para se trabalhar com a Modelagem Orientada a Objetos (MOO). Essas ferramentas são nada mais que softwares que criam todos os objetos de trabalho para o sistema ser modelado, facilitando assim o trabalho dos analistas de sistemas (projetistas), que podem se orientar e se organizar melhor com a ajuda destas ferramentas case. Sem dúvida este trabalho também poderia ser feita na mão através de desenhos com o próprio punho, mas a complexiblidade dos projetos iria deixar o trabalho muito lento. Por isto, é importante da utilização da ferramenta case. Algumas destas ferramentas usadas no mercado: - FastCase - Rational Rose - Poseidom - Smart Boente

38 38 CONCLUSÃO A importância da Análise de Sistemas é fundamental para se conseguir uma boa estrutura não só para quem for construir este sistema mas também para o próprio desempenho do sistema a ser construído. Vendo esta necessidade da Análise de Sistemas e sabendo que as linguagens de programação atualmente são orientadas a objetos, a UML torna-se um grande linguagem de modelagem de sistemas para os profissionais do ramo. O único problema da UML é que não existe um única notação para seus métodos, isto dificulta o aprendizado dos profissionais. A Metodologia Rápida tem a finalidade de criar um padrão mínimo de esforços para o profissional, fazendo uma análise de sistemas perfeita em um curto espaço de tempo, favorecendo assim não só aos analistas de sistemas mas também as empresas nas quais estes profissionais trabalham. Esta análise perfeita se dá ao tempo que o analista ganha fazendo somente estes quatro (4) diagramas, no qual serão suficientes para se entender como irá funcionar todo o sistema, sabendo-se que a UML tem atualmente onze (11) diagramas a disposição, pelo menos por enquanto, só que não a necessidade de usar os onze (11). E por isto a necessidade da Metodologia Rápida, para simplificar o conceito da UML, tornando-se assim uma linguagem mais fácil para a aprendizagem dos profissionais do ramo. A Metodologia Rápida tem todo o potencial para se tornar padrão no desenvolvimento de análise sistemas.

39 39 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA SCHMITZ, Ebert; SILVEIRA, Denis. Desenvolvimento de Software Orientado a Objetos, Rio de Janeiro: Ed. Brasport, SHLAER, S ; MELLOR, S. Análise de Sistemas Orientada para Objetos,. Ed. Makron Books Ltda, São Paulo, MARTIN, James. Princípios de Análise e Projetos Baseados em Objetos,. Ed. Makron Books, BOOCH, Grady ; RUMBAUGH,James ; JACOBSON, Ivar. UML - Guia do Usuário, Ed. Campus Ltda; Brasil, 2000 FURLAN, José Davi. Modelagem de Objetos através da UML, Ed. Makron Books do Brasil Ltda, São Paulo, 1998 NAZARENO, Alfredo. Internet. "TUTORIAIS", Internet

40 40 ANEXOS ATIVIDADES EXTRA-CLASSE ANEXO 1 : Atividades Culturas ANEXO 2 : Bibliotecas ANEXO 1

41 42 ÍNDICE FOLHA DE ROSTO...02 AGRADECIMENTO...03 DEDICATÓRIA...04 RESUMO...05 METODOLOGIA...06 SUMÁRIO...07 INTRODUÇÃO...08 CAPÍTULO I Introdução a Orientação a Objetos...09 CAPÍTULO II A Importância da Modelagem de Dados...12 CAPÍTULO III Introdução a UML...14 CAPÍTULO IV O Estudo da Metodologia Rápida...16 CAPÍTULO V Diagrama do UML Utilizados na Metodologia Rápida...18 CAPÍTULO VI Diagrama de Use-Cases (Casos de uso) Como trabalhar com o User-Cases Proposta de um gráfico de User-Cases...24 CAPÍTULO VII Diagrama de Classes Exemplo Geral de Diagrama de Classes Agregação...29 CAPÍTULO VIII Diagramas de Sequência Modelo de Diagrama de Sequência...32

42 43 CAPÍTULO IX Diagrama de Estado Modelo de Diagrama de Estado...35 CAPÍTULO X Ferramentas Case para Modelagem Orientada a Objetos(MOO)...36 CONCLUSÃO...38 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA...39 ANEXOS...40 ÍNDICE...42

43 44 FOLHA DE AVALIAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES Instituto de Pesquisa Sócio-Pedagógicas Pós-Graduação "Latu Sensu" Título da Monografia Data da Entrega: Avaliado por: Grau: Rio de Janeiro, de de Coordenação do Curso

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Definição de Objeto...2 2 Estereótipos...3 2.1 Classe fronteira (boundary):...3 2.2 Classe de Entidade (entity):...3 2.3 Classe de Controle (control):...4 3 Interação

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional

Modelagem de Casos de Uso! Um modelo funcional Modelagem de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Especificação de Cenários! Um modelo funcional! Mostra como os valores são processados, sem preocupações com:! ordenamento (seqüência) das ações;! as

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê?

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê? Bibliografia Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof.: Edson dos Santos Cordeiro LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. Porto Alegre: Bookman, 2000. STAA, Arndt von. Programação modular. Rio de Janeiro:

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 04

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 04 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 04 Agenda Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Modelagem Visual Síntese Histórica da UML Conceitos da UML Notações da UML Diagramas Estruturais Diagramas

Leia mais

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho.

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho. :: Nome do Curso Sistemas da informação :: Nome da Unidade Curricular PI Sistemas orientados a objetos :: Tema da aula Diagrama de Seqüência e Prototipação :: Fase / Etapa Fase 4 Desenho do Projeto e Interligação

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CASO DE USO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Caso de Uso Descreve o modelo funcional (comportamento) do sistema Técnica de especificaçao de requisitos Especifica um serviço que o sistema

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Exemplo de Diagrama de Caso de Uso Sistema de Locadora de Filmes Sistema de Vídeo Locadora Você foi contratado para desenvolver

Leia mais

Unified Modeling Language

Unified Modeling Language Unified Modeling Language Modelagem de Negócios e de Sistemas com Casos de Uso Denize Terra Pimenta dpimenta@gmail.com www.analisetotal.com.br Índice 2 1 Objetivos Esta palestra é uma introdução à modelagem

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros,

Leia mais

Orientação à Objetos. Aécio Costa

Orientação à Objetos. Aécio Costa Aécio Costa O paradigma da orientação à objetos Paradigma? Um paradigma é uma forma de abordar um problema. No contexto da modelagem de um sistema de software, um paradigma tem a ver com a forma pela qual

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Lógica e Programação Java

Lógica e Programação Java Lógica e Programação Java Agenda Orientação a Objetos Parte 2 UML (software astah) Diagramas Estruturais Diagramas Comportamentais Diagramas de Interação astah Diagrama de Classes Antigo Jude Versão Community

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Modelando com UML Unified Modeling Language

Modelando com UML Unified Modeling Language Modelando com UML Unified Modeling Language AHMED ALI ABDALLA ESMIN 1 1 ILES ULBRA Instituto de Informática - Universidade Luterana do Brasil de Informática Cx. Postal 271 CEP 78.9860-000 Ji-Paraná (RO)

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

UML 01. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

UML 01. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED UML 01 Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Referências BARBIERI, Carlos. Análise e Programação

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Sumário. Uma visão mais clara da UML

Sumário. Uma visão mais clara da UML Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática Módulo V Unidade Curricular: Engenharia de Software Professora: Lara P. Z. B. Oberderfer Uma visão mais clara da

Leia mais

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto

Programa do Módulo 2. Fundações do Modelo Objeto 2.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Processo Unificado (RUP) Fundações do Modelo Objeto 2.2 Programação Orientada a Objetos: é um método de

Leia mais

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema.

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema. Definindo o Escopo: Modelo de Caso de Uso Agradei-me, particularmente, da possibilidade de que Joshua estivesse tão preso ao seu modo clássico de pensar que me permitisse realizar o incrível feito de chegar

Leia mais

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Histórico Diversas metodologias e métodos surgiram para apoiar OO. Evolução a partir de linguagens C++ e SmallTalk. Anos 80 Anos 80-90: diversidade de autores.

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5.

1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. 1. Introdução 2. Desenvolvimento de Softwares orientado a objetos 3. UML A unificação dos métodos para a criação de um novo padrão 4. Uso da UML 5. Fases do Desenvolvimento de um Sistema em UML 1. Análise

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais

Programa do Curso de ESW

Programa do Curso de ESW 1 Programa do Curso de ESW Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Diagramas de Interação: Sequência, Comunicação Processo Unificado (RUP) Métodos Orientados a Objetos

Leia mais

Casos de Uso - definições

Casos de Uso - definições Casos de Uso - definições Um caso de uso é uma descrição narrativa de uma seqüência de eventos que ocorre quando um ator (agente externo) usa um sistema para realizar uma tarefa [Jacobson 92] Um caso de

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE Fabiana Gomes Marinho Faculdade Lourenço Filho Resumo: Na UML, a modelagem conceitual dos dados é descrita pelo diagrama de classes, que através

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 1 Apresentação Profª Kelly Christine C. Silva Sistemas para Internet Módulo I - Construção de sites informativos Módulo II - Construção de sites dinâmicos Módulo III - Aplicações para

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada

UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada Introdução É a padronização das metodologias de desenvolvimento de sistemas baseados na orientação a objetos. Foi criada por três grandes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info

Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org. www.tiagodemelo.info Análise de Sistemas Orientados a Objetos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org www.tiagodemelo.info Roteiro Conceitos de Orientação a Objetos (OO) Visão Geral da UML Diagrama de Classes Diagramas

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Análise Orientada a Objetos com UML Análise Orientada a Objetos com UML Diagrama de Caso

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos ORIENTAÇÃO A OBJETOS COM PROTOTIPAÇÃO CAPÍTULO 02 CONCEITOS FUNDAMENTAIS OBJETIVOS Definiremos alguns conceitos fundamentais de forma a não deixar dúvidas básicas ou interpretações que nos coloquem em

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Tema da Aula A Modelagem e os Métodos em Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Modelos em Abstração Um modelo é uma abstração de um objeto ou fenômeno sob um determinado ponto de vista

Leia mais

UML. Unified Modeling Language

UML. Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language 1 1. Introdução O desenvolvimento de sistemas de software de grande porte são suportados por métodos de análise e projeto que modelam esse sistema de modo a fornecer para

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

Capítulo 6. Criando um Diagrama de Caso de Uso Inicial

Capítulo 6. Criando um Diagrama de Caso de Uso Inicial Capítulo 6 Criando um Diagrama de Caso de Uso Inicial Mapa do Processo Por que Necessitamos de Um Diagrama de Casos de Uso? Eis algumas razões da necessidade de um Diagrama de Casos de Uso: O SRS é preenchido

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Análise e Projeto Orientados a Objetos Análise e Projeto Orientados a Objetos O que é Análise e Projeto? Análise o quê Investigação

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

MODELAGEM DE CASOS DE USO PARA UM SISTEMA DE CLÍNICA VETERINÁRIA

MODELAGEM DE CASOS DE USO PARA UM SISTEMA DE CLÍNICA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ADAM DREYTON FERREIRA DOS SANTOS CARLOS ROGÉRIO CAMPOS ANSELMO FELIPE BATISTA CABRAL FRANK GOMES DE AZEVEDO NAGIB

Leia mais

Histórico da Orientação a Objetos Ciclo de vida de Desenvolvimento de SW

Histórico da Orientação a Objetos Ciclo de vida de Desenvolvimento de SW Histórico da Orientação a Objetos Ciclo de vida de Desenvolvimento de SW Baseado nos materiais dos profs: Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Edna Canedo Marcio de Carvalho Victorino Brasília-DF,

Leia mais

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language)

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language) Programação com Objectos Processamento de Dados I 3. UML (Unified Modeling Language) 1 Modelo UML Diagrama de classes Programação com Objectos / Processamento de Dados I 2 Modelo O desenvolvimento de programas

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introduçãoa Engenhariade Software Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA O que é Software? O que é software? São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. Um programa

Leia mais

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software UML: Casos de Uso Projeto de Sistemas de Software UML Casos de Uso Introdução Casos de uso Elementos do diagrama de casos de uso Descrição de casos de uso Exemplo: Blog Ferramentas de modelagem Bibliografia

Leia mais