Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio"

Transcrição

1 Interface Rádio

2 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (1/23) A transmissão de informação bidireccional (canais ascendente, UL uplink, e descendente, DL downlink) em sistemas duplex pode ser feita por divisão: na frequência: os canais ascendente e descendente ocupam bandas de frequência diferentes FDD (Frequency Division Duplex); no tempo: os canais ascendente e descendente ocupam janelas de tempo diferentes TDD (Time Division Duplex).

3 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (2/23) A FDD caracteriza-se por: permitir transmissão simultânea nos dois sentidos; necessitar de filtros com grande rejeição na banda adjacente; requerer, em geral, a utilização de filtros duplex. [Fonte: Rappaport, 1996]

4 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (3/23) A TDD caracteriza-se por: efectuar transmissão sequencial nos dois sentidos; requerer sincronismo; dispensar a utilização de filtros duplex. [Fonte: Rappaport, 1996]

5 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (4/23) A utilização da técnica de divisão duplex pode depender da técnica usada para o acesso múltiplo ao canal. Para tornar os sistemas eficientes, cada utilizador só deve ter um canal atribuído a seu pedido, e quando tem necessidade dele.

6 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (5/23) Existem 3 técnicas básicas de repartir canais pelos utilizadores: na frequência: atribuição de uma portadora FDMA (Frequency Division Multiple Access) no tempo: atribuição de uma janela temporal (time-slot) TDMA (Time Division Multiple Access) no código: atribuição de um código CDMA (Code Division Multiple Access)

7 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (6/23) O FDMA é o esquema clássico, usado nos sistemas analógicos, em que cada utilizador ocupa uma portadora durante a comunicação. [Fonte: Rappaport, 1996]

8 Técnicas de Acesso Múltiplo As principais características do FDMA são: um canal por portadora; transmissão contínua; interferência intersimbólica baixa; sobre-informação baixa; equipamento de utilizador simples; custo elevado das estações base; requer utilização de filtros duplex; handover perceptível. TeAM (7/23)

9 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (8/23) No TDMA, cada utilizador tem acesso a toda a banda, sendo-lhe atribuído um time-slot, periodicamente, numa estrutura de tramas. [Fonte: Rappaport, 1996]

10 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (9/23) O uso de TDMA requer a utilização de uma hierarquização de tramas e time-slots. [Fonte: Rappaport, 1996]

11 Técnicas de Acesso Múltiplo As principais características do TDMA são: múltiplos canais por portadora; transmissão por rajadas (bursts); requer sincronismo; banda estreita ou banda larga; interferência intersimbólica elevada; sobre-informação elevada; equipamento de utilizador complexo; custo baixo das estações base; dispensa filtros duplex; handover eficiente. TeAM (10/23)

12 Técnicas de Acesso Múltiplo O sincronismo dos time-slots é essencial. TeAM (11/23) [Fonte: Shankar, 2002]

13 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (12/23) O CDMA baseia-se na técnica do espalhamento espectral, em que cada utilizador tem acesso a um código. [Fonte: Rappaport, 1996]

14 Técnicas de Acesso Múltiplo O sinal do utilizador é associado a um código: o esquema de transmissão é TeAM (13/23) [Fonte: Yacoub, 1992]

15 Técnicas de Acesso Múltiplo na transmissão, tem-se em termos de sinais TeAM (14/23) [Fonte: Shankar, 2002]

16 Técnicas de Acesso Múltiplo o esquema de recepção é TeAM (15/23) [Fonte: Yacoub, 1992]

17 Técnicas de Acesso Múltiplo na recepção, tem-se em termos de sinais TeAM (16/23) [Fonte: Shankar, 2002]

18 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (17/23) O CDMA conduz a um forte aumento da largura de banda. [Fonte: Shankar, 2002]

19 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (18/23) As principais características do CDMA são: canais ilimitados por portadora; banda (muito) larga; interferência intersimbólica muito elevada; interferência, e capacidade, dependente do número de utilizadores; pouco sensível aos efeitos do desvanecimento rápido; requer controlo de potência; sobre-informação (para controle) baixa; tecnologia ainda pouco dominada.

20 Técnicas de Acesso Múltiplo O acesso em GSM é feito em TDMA TeAM (19/23) [Fonte: Yacoub, 2002]

21 Técnicas de Acesso Múltiplo A estrutura dos time-slots em GSM é: TeAM (20/23) [Fonte: Yacoub, 2002]

22 Técnicas de Acesso Múltiplo Em UMTS, o acesso é feito por CDMA, usando dois tipos de códigos: channelisation scrambling Channelisation code Scrambling code TeAM (21/23) Data Bit rate Chip rate Chip rate

23 Técnicas de Acesso Múltiplo Os códigos têm funções diferentes. Channelisation Scrambling Uso DL: separação de terminais UL: separação de canais Duração DL: chip UL: chip Número Spreading factor Família OVSF Espalhamento Sim 1 chip = ns TeAM (22/23) DL: separação de sectores UL: separação de terminais chip DL: 512 UL: > Gold ou S(2) Não

24 Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (23/23) A árvore de códigos OVSF (Orthogonal Variable Spreading Factor) define o espalhamento. SF = 1 SF = 2 SF = 4 SF = 2 k, k = 2,3,..., 16 [Fonte: Holma & Toskala, 2000]

25 Descrição de Canais DeCa (1/23) Podem distinguir-se três tipos básicos de canais: canal rádio: canal associado a uma portadora de frequência; canal físico: canal transportando qualquer tipo de informação do sistema, podendo estar associado a uma frequência, time-slot, ou código; canal lógico: canal transportando um tipo específico de informação do sistema.

26 Descrição de Canais DeCa (2/23) Quanto ao conteúdo da informação, distingue-se: canais de tráfego: contêm os sinais de voz, dados, vídeo e outros, dos utilizadores; canais de controle: contêm os sinais de sinalização, informação, sincronização, e outros, do sistema. Quanto ao endereçamento dos canais, distingue-se, em geral: canais comuns: troca de informação entre a EB e TMs genéricos; canais dedicados: troca de informação entre a EB e um ou vários (específicos) TMs.

27 Descrição de Canais DeCa (3/23) Os canais rádio: obtêm-se por divisão da banda do espectro em N cr intervalos; são separados por f sc ; têm uma largura de banda f cr. f c -1 f c f c +1 f lb cr f f sc f sc

28 Descrição de Canais Os canais rádio em GSM têm: f sc = 200 khz f cr = 200 khz com banda de 900 MHz UL: [890, 915] MHz DL: [935, 960] MHz banda de 1800 MHz UL: [1 710, 1 785] MHz DL: [1 805, 1 880] MHz DeCa (4/23)

29 Descrição de Canais A máscara dos canais rádio em GSM é: DeCa (5/23) EB:20W EB:2W TM:5W TM:2W [Fonte: Steele, 1992]

30 Descrição de Canais O espectro dos canais rádio em GSM é: DeCa (6/23) [Fonte: Mouly and Paulet, 1992]

31 Descrição de Canais DeCa (7/23) Os canais rádio em UMTS têm: f sc = 5 MHz f cr = 4.4 MHz com Modo FDD UL: [1 920, 1 980] MHz DL: [2 110, 2 170] MHz Modo TDD UL/DL: [1 900, 1 920] [2 010, 2 025] MHz

32 Descrição de Canais O espectro dos canais rádio em UMTS é: DeCa (8/23) [Fonte: Lempiäinen and Manninen, 2001]

33 Descrição de Canais DeCa (9/23) Os canais físicos transportam a informação no interface rádio, e dependem do tipo de acesso: nos sistemas analógicos, correspondem aos canais rádio; no GSM, correspondem a um time-slot de uma portadora; no UMTS, correspondem a canais com características diferentes, e que dependem do sentido da comunicação.

34 Descrição de Canais DeCa (10/23) Os canais físicos em UMTS são: DL: P-CCPCH Primary Common Control Physical Channel S-CCPCH Secondary Common Control Physical Channel DPDCH Dedicated Physical Data Channel DPCCH Dedicated Physical Control Channel PDSCH Physical Downlink Shared Channel

35 Descrição de Canais DeCa (11/23) UL: PRACH Physical Random Access Channel DPDCH Dedicated Physical Data Channel DPCCH Dedicated Physical Control Channel PCPCH Physical Common Packet Channel

36 Descrição de Canais DeCa (12/23) Em UMTS, pode-se esquematizar os canais físicos da forma seguinte: TM P-CCPCH S-CCPCH DPDCH DPCCH PDSCH PCPCH PRACH EB

37 Descrição de Canais DeCa (13/23) Os canais lógicos podem estar associados a funções de tráfego ou de controle, e definem a transferência de um tipo específico de informação entre o terminal móvel e a rede. A complexidade dos canais lógicos tem sido crescente, de geração para geração.

38 Descrição de Canais DeCa (14/23) Os canais lógicos em GSM são: TCH Traffic Channels (UL/DL): CS TCH-S Speech (11.4, 22.8 kb/s) TCH-D Data(9.6, 4.8, 2.4 kb/s) PS (GPRS) PDTCH Packet Data Traffic Channel

39 Descrição de Canais DeCa (15/23) CCH Control Channels: BCCHs Broadcast Control Channels BCCH Broadcast Control Channel (DL) FCCH Frequency Correction Channel (DL) SCH Synchronisation Channel (DL) CCCH Common Control Channels PCH Paging Channel (DL) AGCH Access Grant Channel (DL) RACH Random Access Channel (UL)

40 Descrição de Canais DeCa (16/23) DCCH Dedicated Control Channels (UL/DL) SDCCH Stand-alone Dedicated Control Channel FACCH Fast Associated Control Channel SACCH Slow Associated Control Channel

41 Descrição de Canais DeCa (17/23) Em GSM, pode-se esquematizar os canais lógicos da forma seguinte: TM TCH BCCHs CCCH PCH AGCH RACH DCCH EB

42 Descrição de Canais DeCa (18/23) Os canais lógicos em UMTS são: BCCH Broadcast Control Channel (DL) PCCH Paging Control Channel (DL) CCCH Common Control Channel (UL/DL) CTCH Common Traffic Channel (DL) DCCH Dedicated Control Channel (UL/DL) DTCH Dedicated Traffic Channel (UL/DL)

43 Descrição de Canais DeCa (19/23) Em UMTS, pode-se esquematizar os canais lógicos da forma seguinte: TM BCCH PCCH CCCH CTCH DTCH DCCH EB

44 Em UMTS, existem ainda os canais de transporte, que fazem a interface entre o UE e o RNC. UE Descrição de Canais Node B Logical Channels DeCa (20/23) RNC Transport Channels Physical Channels

45 Descrição de Canais Os canais de transporte em UMTS são: DL BCH Broadcast Channel PCH Paging Channel FACH Forward Access Channel DCH Dedicated Channel (UL/DL) DSCH Dedicated Shared Channel UL RACH Random Access Channel DCH Dedicated Channel (UL/DL) CPCH Common Packet Channel DeCa (21/23)

46 O mapeamento dos canais em UMTS, em DL, é: BCCH PCCH Descrição de Canais CTCH CCCH DCCH DeCa (22/23) DTCH Logical channels BCH PCH FACH DCH DSCH Transport channels P- CCPCH S- CCPCH DPDCH DPCCH PDSCH Physical channels

47 Descrição de Canais enquanto que em UL é: CCCH DTCH DCCH DeCa (23/23) Logical channels RACH DCH CPCH Transport channels PRACH DPDCH DPCCH PCPCH Physical channels

48 Comparação de Sistemas CoSi (1/5) De algum modo, a transição entre o GSM (sistema de 2ª geração) e o UMTS (sistema de 3ª geração) foi feita através do cdmaone (sistema de 2ª geração) dos EUA, pela introdução do CDMA.

49 Comparação de Sistemas CoSi (2/5) GSM cdmaone UMTS Acesso Canal [MHz] Serviço de referência Recurso partilhado Canais por serviço Controlo de potência [Hz] Transmissão de pacotes TDMA 0.2 Voz Frequência Mono 2 GPRS CDMA 1.25 Voz Potência Mono 800 Baseada em CS CDMA 5 Dados Potência Multi Baseada na carga

50 Comparação de Sistemas CoSi (3/5) Chip rate [Mc/s] Sincronismo de EBs Handover inter-frequência Sensibilidade à gestão de recursos rádio cdmaone Sim (via GPS) Possível Não (voz) UMTS 3.84 Não Sim Elevada, associada a QoS

51 Comparação de Sistemas CoSi (4/5) Reutilização de frequências Canais físicos Potência por canal Diversidade em frequência Planeamento Sensibilidade ao planeamento Qualidade Balanço cobert./capacid. GSM 3-12 Time-slots Dedicada Slow freq. hopping Frequências Elevada Planeamento de frequências Não UMTS 1 Códigos Partilhada Banda larga Códigos Baixa Gestão de recursos rádio Sim

52 Comparação de Sistemas CoSi (5/5) Acesso Duplex Banda Banda total Chip rate [Mc/s] SF Multi-ritmo Handover UMTS Modo FDD Modo TDD WCDMA (FDMA) TDMA/CDMA (FDMA) FDD TDD Emparelhada Desemparelhada 2 60 MHz 35 MHz , ,..., 512 1,..., 16 Multi-código, OVSF Multi-código, multi-slot, OVSF Soft/Hard Hard

UMTS. Universal Mobile Telecommunication System MPR FEUP

UMTS. Universal Mobile Telecommunication System MPR FEUP UMTS 1 UMTS Universal Mobile Telecommunication System MPR FEUP Bibliografia UMTS 2 Harri Holma, Antti Toskala, WCDMA for UMTS, Radio Access For Third Generation Mobile Communications, 2000, John Wiley

Leia mais

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations 2 Tecnologia LTE 2.1. Arquitetura da Rede Existe há alguns anos uma tendência para que as redes migrem os serviços que utilizam circuit switch (CS) para uma rede baseada totalmente em IP, packet switch

Leia mais

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Anderson Clayton de Oliveira para a etapa de classificação do II Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

Comunicação sem fios

Comunicação sem fios Introdução Devido à elevada penetração de mercado atingida pelos sistemas de 2ª geração nomeadamente o GSM, procurouse criar normas para sistemas de 3ª geração totalmente digitais com capacidade incrementada,

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

UMTS 1 UMTS. Manuel P. Ricardo. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

UMTS 1 UMTS. Manuel P. Ricardo. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto UMTS 1 UMTS Universal Mobile Telecommunication System Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto UMTS 2 Bibliografia Harri Holma, Antti Toskala, WCDMA for UMTS, Radio Access For

Leia mais

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI TELEFONIA CELULAR Tecnologia celular digital - sistema TDMA TDMA= Time Division Multiple Acess Multiplexação digital As informações de vários usuários são transmitidas em um canal comum em um determinado

Leia mais

7 - Sistemas WCDMA e Evoluções

7 - Sistemas WCDMA e Evoluções Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso 7 - Sistemas WCDMA e Evoluções Agenda Conceito 3G UMTS e WCDMA Canais Lógicos HSDPA & HSUPA Tendência CETUC-PUC/Rio ELE 2614 Cap6 Sistemas

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores móveis Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis

Redes de Comunicações Móveis Redes de Móveis Cronologia das redes de comunicações móveis Sistemas de 1ª Geração (Anos 1980 1990) Rede celular de tecnologia analógica Células de grande dimensão Serviço de voz Sistemas de 2ª Geração

Leia mais

3. Sistemas GSM. O desenvolvimento do padrão GSM. Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso

3. Sistemas GSM. O desenvolvimento do padrão GSM. Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso 3. Sistemas GSM O desenvolvimento do padrão GSM CETUC-PUC/Rio ELE 2614 - Capítulo 3 - Sistemas GSM 2 Estrutura de rede A rede GSM é dividida

Leia mais

ARQUITETURA DE REDES CELULARES, TDMA E GSM/GPRS: SIMULAÇÃO NO OPNET

ARQUITETURA DE REDES CELULARES, TDMA E GSM/GPRS: SIMULAÇÃO NO OPNET ARQUITETURA DE REDES CELULARES, TDMA E GSM/GPRS: SIMULAÇÃO NO OPNET Breno Perim Pimenta brenoperim@click21.com.br Thelma Virgínia Rodrigues thelma@pucpcaldas.br Marcos Trevisan Vasconcellos marcostv@pucpcaldas.br

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution)

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) 23 2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) O LTE (Long Term Evolution) surge como uma evolução das redes 2G (GSM) e 3G (UMTS) existentes. Espera-se que o LTE seja capaz de absorver, eficientemente o crescente

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE

Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE Diego dos Santos Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»TELECOMUNICAÇÕES «21. O receptor super-heterodino, foi inventado em 1918 por Edwin Armstrong. O seu princípio de funcionamento é o da conversão de frequência: o sinal captado

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

Desempenho de Redes Móveis M 3.5G

Desempenho de Redes Móveis M 3.5G 1 Desempenho de Redes Móveis M 3.5G André Afonso Dias, Ricardo Franco Nuno Cota, António Rodrigues 1.º Seminário do Comité Português da URSI Radiocomunicações Novos paradigmas e impacto na saúde Lisboa,

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

Cap. 3 Redes sem fios

Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas

Leia mais

ALGORTIMO PARA DESENVOLVER UMA FERRAMENTA DE PLANEAMENTO PARA O SISTEMA DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS LTE. Sofia Margarida Rosa de Sá

ALGORTIMO PARA DESENVOLVER UMA FERRAMENTA DE PLANEAMENTO PARA O SISTEMA DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS LTE. Sofia Margarida Rosa de Sá DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO ALGORTIMO PARA DESENVOLVER UMA FERRAMENTA DE PLANEAMENTO PARA O SISTEMA DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS LTE Sofia Margarida Rosa de Sá Dissertação submetida

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Comparação de Técnicas para Aumento de Capacidade nos Serviços de Dados em UMTS

Comparação de Técnicas para Aumento de Capacidade nos Serviços de Dados em UMTS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Comparação de Técnicas para Aumento de Capacidade nos Serviços de Dados em UMTS Gonçalo Martins, nº 46539, AE de Telecomunicações Sofia Correia,

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular

2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular 18 2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular Neste capítulo será mostrada uma configuração básica para qualquer sistema de comunicação móvel celular, relacionando as principais funções de cada

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Um estudo do aumento da capacidade de sistemas 3G WCDMA usando técnicas 3.5G de expansão

Leia mais

Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo

Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo Eng. Ângelo Canavitsas Objetivos Introdução Capacidade dos RDS Arquitetura Sumário Tecnologia e propriedades de um RDS operando como rádio

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

OWA200004 WCDMA Gerenciamento dos recursos de rádio (RRM)

OWA200004 WCDMA Gerenciamento dos recursos de rádio (RRM) Internal OWA200004 WCDMA Gerenciamento dos recursos de rádio (RRM) ISSUE 1.0 www.huawei.com HUAWEI TECHNOLOGIES CO., LTD. All rights reserved Capítulo 1 Introdução ao RRM Capítulo 2 Configuração de canais

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO PARTE 2 GSM CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A 1ª Geração da telefonia celular européia foi caracterizada pela existência de diversos padrões analógicos, tais como: NMT (Nordic Mobile Telecommunications) nos países

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular

Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular Introdução aos Sistemas de Comunicação Celular Nos últimos 10 anos o setor de comunicações o setor de comunicações móveis via rádio cresceu em ordem de grandeza, alimentado por melhorias na fabricação

Leia mais

Comunicações Móveis por Satélite

Comunicações Móveis por Satélite Satélite Trabalho realizado por: Marco Costa Pedro Sobral Satélite - História Comunicações por Satélite surgiram após a 2ª Grande Guerra; Em 1957 a União Soviética lança o SPUTNIK, em plena guerra fria;

Leia mais

Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP

Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP Sistemas de espalhamento espectral com saltos em frequência (FH/SS) Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP Saltos em frequência (FH) Se a frequência de uma portadora modulada saltar sequencialmente de valor em valor

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Impacto das Interferências Intra- e Inter-Celulares na Capacidade em UMTS-FDD

Impacto das Interferências Intra- e Inter-Celulares na Capacidade em UMTS-FDD UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Impacto das Interferências Intra- e Inter-Celulares na Capacidade em UMTS-FDD Hugo Esteves, nº 49352, AE de Telecomunicações Mário Pereira, nº

Leia mais

Dimensionamento de capacidade rádio numa rede GSM/GPRS

Dimensionamento de capacidade rádio numa rede GSM/GPRS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Dimensionamento de capacidade rádio numa rede GSM/GPRS Francisco Ferraz Leal Villanueva, nº 47969, AE de Telecomunicações LICENCIATURA EM ENGENHARIA

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis. Redes Celulares

Sistemas de Comunicações Móveis. Redes Celulares Redes Celulares Sistemas Celulares SiCe (1/6) Os sistemas de comunicações celulares baseiam-se no princípio da reutilização de um canal (frequência, tempo, código): um canal que é usado para cobrir uma

Leia mais

COMUNICAÇÕES MÓVEIS WCDMA/HSPA/LTE

COMUNICAÇÕES MÓVEIS WCDMA/HSPA/LTE COMUNICAÇÕES MÓVEIS WCDMA/HSPA/LTE MODULAÇÃO DIGITAL BPSK Binary Phase Shift Keying (2 fases) QPSK Quaternary Phase Shift Keying (4 fases) 8PSK 8 Phase Shift Keying (8 fases) QAM 16 Quadrature Amplitude

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis e Pessoais. Dimensionamento Celular

Sistemas de Comunicações Móveis e Pessoais. Dimensionamento Celular Dimensionamento Celular BaPo(1/12) A avaliação da atenuação máxima de propagação admitida numa célula é essencial para o dimensionamento da cobertura de uma célula, e consequentemente para o planeamento

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Introdução. UMTS - ntrodução

Introdução. UMTS - ntrodução UMTS - ntrodução Introdução O crescimento sem precedentes verificado nos últimos tempos no mercado da comunicação sem fios, juntamente com os avanços das tecnologias da comunicação e o desenvolvimento

Leia mais

GSM/GPRS OVERVIEW & PROTOCOLOS DE REDE. Ricardo Perez Mendes - Engenheiro

GSM/GPRS OVERVIEW & PROTOCOLOS DE REDE. Ricardo Perez Mendes - Engenheiro GSM/GPRS OVERVIEW & PROTOCOLOS DE REDE Ricardo Perez Mendes - Engenheiro fevereiro/2004 GSM/GPRS Protocolos de Rede 2 Ementa Overview sobre Sistemas Celulares Definições e Conceitos Gerais sobre Sistemas

Leia mais

MODELOS PARA PREVISÃO DE TRÁFEGO UMTS

MODELOS PARA PREVISÃO DE TRÁFEGO UMTS UIVERSIDADE TÉCICA DE LISBOA ISTITUTO SUPERIOR TÉCICO MODELOS PARA PREVISÃO DE TRÁFEGO UMTS Alexandre Félix, nº 46470, Ramo de Telecomunicações e Electrónica João Almeida, nº 46564, Ramo de Telecomunicações

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS CELULARES DE TERCEIRA GERAÇÃO - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO ALGORITMOS GENÉTICOS

OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS CELULARES DE TERCEIRA GERAÇÃO - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO ALGORITMOS GENÉTICOS INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA SEBASTIAN ESPINOSA RUEDA OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS CELULARES DE TERCEIRA GERAÇÃO - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO ALGORITMOS GENÉTICOS Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES CARLA MATHEUS MOREIRA VIEIRA INTERFERÊNCIA NO SISTEMA WCDMA NITERÓI 2010 CARLA MATHEUS MOREIRA VIEIRA INTERFERÊNCIA

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Controle de Acesso ao Meio

Controle de Acesso ao Meio Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Controle

Leia mais

Engenheiro Eletricista, ênfase em Eletrônica, pela Universidade Federal da Bahia (2003).

Engenheiro Eletricista, ênfase em Eletrônica, pela Universidade Federal da Bahia (2003). Redes 3G e Evolução para as Redes 4G Este tutorial apresenta de forma sucinta as tecnologias das redes 3G, e o caminho de evolução dessas redes para as tecnologias 4G, notadamente para o Long Term Evolution

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

9 Sistemas celulares de terceira geração (3G), quarta geração (4G) e B4G

9 Sistemas celulares de terceira geração (3G), quarta geração (4G) e B4G Celulares e de Rádio Acesso - Comunicação Móvel Celular 9 Sistemas celulares de terceira geração (3G), quarta geração (4G) e B4G Agenda Redes 3G e 4G Introdução Evolução dos sistemas Elementos do sistema

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE Início: 16 de Dezembro 2009 Término: 26 de Janeiro de 2010 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO....2

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Área Departamental de Engenharia de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Área Departamental de Engenharia de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Área Departamental de Engenharia de Eletrónica e Telecomunicações e de Computadores Previsão de Desempenho para

Leia mais

Comunicações móveis por Satélite. slide 1

Comunicações móveis por Satélite. slide 1 Comunicações móveis por Satélite slide 1 Satélite de Comunicações São satélites colocados em órbita da terra com a missão de transportarem repetidores de sinais de telecomunicações. Os satélites podem

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

TP305 Sistemas de Comunicações Móveis

TP305 Sistemas de Comunicações Móveis TP305 Sistemas de Comunicações Móveis Sistema GSM/GPRS/EDGE Sistema WCDMA/HSDPA e LTE Prof. MS. Daniel Andrade Nunes danielnunes@inatel.br 1 Conteúdo do curso Capítulo 1: Introdução ao sistema GSM/GPRS/EDGE

Leia mais

Controle de Acesso ao Meio

Controle de Acesso ao Meio Controle de Acesso ao Meio Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br 23 de agosto de 2010 Francisco Silva

Leia mais

Capítulo 4. Técnicas de Acesso Múltiplo

Capítulo 4. Técnicas de Acesso Múltiplo Capítulo 4 para Comunicações Wireless Técnicas de acesso múltiplo são utilizadas para permitir a múltiplos usuários dividirem simultaneamente uma porção finita do espectro de rádio, resultando em alta

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Agilent Conheça o General Packet Radio Service (GPRS)

Agilent Conheça o General Packet Radio Service (GPRS) Agilent Conheça o General Packet Radio Service (GPRS) Nota de Aplicação 1377 Aumente os seus conhecimentos sobre a tecnologia GPRS. Saiba mais sobre o GPRS: redes protocolos interface aérea métodos de

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 ELIÉZER SPINELLI MELO YGOR COSTA LIMA Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Unicamp. Redes GSM e GPRS. Prof. Dr. Omar Branquinho

Universidade Estadual de Campinas Unicamp. Redes GSM e GPRS. Prof. Dr. Omar Branquinho Universidade Estadual de Campinas Unicamp Redes GSM e GPRS Prof. Dr. Omar Branquinho Luis Fernando B Braghetto Sirlei Cristina da Silva Marcelo Lotierso Brisqui Paulo da Costa Pós Graduação em Redes Computadores

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013 Guaratinguetá 2013 LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA

Leia mais

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet Acesso Internet Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008 Agenda TIM no Brasil Tecnologias de Acesso Banda Larga Aplicações das Tecnologias de Acesso Popularizando o Acesso a Internet TIM no Brasil

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações 2010/2011

Sistemas de Telecomunicações 2010/2011 Departamento de Engenharia Electrotécnica Sistemas de Telecomunicações 2010/2011 2º - Trabalho Prático: Serviços de Voz e dados em Redes GSM e canais lógicos Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation

The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation Nuno Borges Carvalho nbcarvalho@ua.pt www.av.it.pt/nbcarvalho Universidade de Aveiro 005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos

Leia mais

General Packet Radio Service GPRS

General Packet Radio Service GPRS GPRS 1 General Packet Radio Service GPRS FEUP/MRSC/SCO 2001 MPR GPRS 2 Bibliografia Christian Bettstetter, Hans-Jorg Vogel and Jorg Eber Spacher, GSM Phase 2+ General Packet Radio Service GPRS: Architecture,

Leia mais

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel.

Rádios Licenciados. O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Rádios Licenciados O que significa licenciado: Significa que requer uma licença de uso de frequência concedida pela Anatel. Qual é a vantagem: 1 Os canais em uso são registrados pela Anatel e a base de

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 29 de junho de 2009 1 Resumo É apresentado

Leia mais