INFECÇÃO CRUZADA EM ODONTOLOGIA: RISCOS E DIRETRIZES CROSS-INFECTION IN DENTISTRY: RISK AND GUIDELINES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFECÇÃO CRUZADA EM ODONTOLOGIA: RISCOS E DIRETRIZES CROSS-INFECTION IN DENTISTRY: RISK AND GUIDELINES"

Transcrição

1 Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 2, Número 3, Janeiro/Junho, INFECÇÃO CRUZADA EM ODONTOLOGIA: RISCOS E DIRETRIZES CROSS-INFECTION IN DENTISTRY: RISK AND GUIDELINES Clacir Londero Zenkner (UFSM) a Resumo A Odontologia caracteriza-se por ser uma profissão onde existe o contato do profissional com agentes biológicos, durante o atendimento do paciente, como sangue, saliva e outros fluídos. Estes dados levam a indicação de um efetivo controle da infecção, através da adoção de protocolos que são descritos por diversos órgãos de saúde como o Ministério da Saúde, Center for Diseases Control (CDC), American Dental Association (ADA) entre outros. Dentre as doenças passíveis de transmissão, a hepatite B é a de maior prevalência, a AIDS a que mais assusta e a hepatite C que atualmente é considerada um problema de saúde pública. Este artigo apresenta uma revisão bibliográfica sobre o tema, com o objetivo de alertar o Cirurgião-Dentista para os riscos que está exposto na clínica e a maneira de prevenilos. PALAVRAS-CHAVE: Controle de infecção, prática dental Abstract While working in the dental office, the dentist is often exposed to biological agents, such as blood, saliva and other fluids. Therefore the implementation of effective measures to infection control is recommended, which can be achieved by adapting official protocols presented by health organs, as Ministério da Saúde, Center for Diseases Control (CDC), American Dental Association (ADA) and others. Although Hepatitis B is the more prevalent and AIDS is the more scaring of the transmissible diseases, Hepatitis C also plays a role as a public health problem. This paper presents a review of the literature aiming to inform the dentist about the occupational biological risks faced in the dental office and how to prevent them. KEYWORDS: Key words: control infection, dental practing a Cirurgiã Dentista, especialista em endodontia, mestre em Eng. de Produção UFSM

2 Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 2, Número 3, Janeiro/Junho, Introdução A odontologia é uma profissão que se caracteriza pela exposição, tanto do profissional quanto de sua equipe, a uma variedade de agentes infecciosos (Ministério da Saúde, 2000). Esta situação faz com que o risco de contaminação seja significativo (Molinari e Molinari, 1991; Miller, 1993), podendo a mesma ser direta ou cruzada, do profissional, pessoal auxiliar e paciente. São várias as doenças infecto contagiosas associadas a profissão, entre as principais podemos citar a AIDS, Hepatites virais (A,B,C,D,E, não-a-e), Herpes e Tuberculose, sendo que a AIDS é a que mais amedronta, embora de menor risco de transmissão ocupacional, mas a hepatite B é a de maior prevalência (Ministério da Saúde, 2000). Estima-se que o risco de aquisição do VHB (vírus da hepatite B) em um acidente com perfuro-cortante é 57 vezes superior, quando comparado ao HIV ( vírus da imunodeficiência humana); e o risco de óbito é 1,7 vezes superior para o VHB, embora o vírus HIV também possua características letais (Ministério da Saúde, 2000). O dentista e sua equipe tem um risco de 3 a 6 vezes maior de contrair hepatite B quando comparado com a população em geral (Baker apud Burgardt, 1997). Desta forma, é imperativo a implantação de um protocolo de controle de infecção na prática odontológica. São inúmeras as medidas capazes de interferir na cadeia de infecção, proporcionando um atendimento odontológico seguro ao paciente (Kohn, 2004). Com a finalidade de reduzir o risco de transmissão de patógenos, ou seja, controlar a infecção cruzada no ambiente odontológico, vários órgãos de saúde de todo o mundo Center for Disease Control (CDC), American Dental Association (ADA), Ministério da Saúde, entre outros_elaboraram diretrizes a serem seguidas pelo profissional e sua equipe. Estas diretrizes constantemente são aprimoradas com o intuito de tornar o atendimento odontológico cada vez mais seguro. Este artigo se propõe a revisar a literatura disponível sobre o assunto, com a finalidade de alertar o Cirurgião Dentista para a importância da adoção de protocolo de controle de infecção na prática diária e desta forma diminuir os riscos a que estão expostos. Revisão da literatura: Diretrizes a serem seguidas: Á partir da década de 80, com o aparecimento da AIDS, cresceu a preocupação dos cirurgiõesdentistas com a problemática das infecções, direta e cruzada, que podem acometer o profissional, paciente e equipe auxiliar. Maior importância passou a ser dada no sentido de reduzir o risco de transmissão de doenças passíveis de contágio durante a prática dental. Para um efetivo controle da infecção cruzada é necessária a adoção das normas de precauções universais (ADA, 1996; Ministério da Saúde, 2000). O princípio das precauções universais é de que todo o sangue e fluídos corporais devem ser considerados potencialmente infectados por vírus HBV e HIV ou outros patógenos, devido ao fato de que a identificação

3 Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 2, Número 3, Janeiro/Junho, destes pacientes nem sempre é possível; ou por não saberem da sua situação devido ao longo período de incubação ou por não quererem revelar sua situação ao profissional (CDC, 2003). Então, todos os pacientes devem ser considerados como potencialmente transmissores de patógenos e portanto, submetidos as condutas de precauções universais para o controle de infecção (Cottone et al., 1991). Estas condutas foram desenvolvidas inicialmente no ano de 1986, onde foi apresentado um conjunto de normas para o controle de infecções dirigidas especialmente para dentistas, denominado Prática de Controle de Infecções para Dentistas. Neste documento fica evidente a necessidade dos profissionais da área da saúde de considerarem todos os pacientes como potencialmente infectados. Em 1993, o CDC publicou novas recomendações, sendo que em 2003 foram divulgadas as atualizações de procedimentos odontológicos que são mais extensas que as versões anteriores. A maior parte das recomendações são projetadas para prevenir ou reduzir o potencial de transmissão de doenças do paciente para o profissional, do profissional para o paciente e do paciente para o paciente. O documento enfatiza o uso de Precauções Padrão, que substitui o termo Precauções Universais,para a prevenção de exposição e transmissão, não apenas dos agentes patogênicos encontrados em ambientes e materiais usados no tratamento odontológico. A adoção das Precauções Padrão faz com que o cirurgião-dentista exerça sua atividade com segurança tanto para o paciente como sua equipe. Antes da adoção das precauções universais em 1987, havia relatos da transmissão do HBV para pacientes de 14 cirurgiões e 9 dentistas que transmitiram HBV para 55 pacientes (Bell e cols.,1995). Baseados nesses dados, faz-se necessário que o profissional tenha conhecimento da etiopatogenia das doenças infecciosas para desta forma se conscientizar da importância da adoção dos protocolos de controle de infecção com o intuito de reduzir o risco de doenças ocupacionais decorrente da atividade. Riscos e Prevenção: HEPATITE B O vírus da hepatite B (HBV) foi primeiramente descrito em É transmitido tanto através de lesões percutâneas como não percutâneas. A transmissão dental não percutânea se dá através da transferência de secreções de corpos infecciosos presentes na saliva, sangue e fluído gengival (Cottone, J. A., 1991). De acordo com o mesmo autor, o cirurgião dentista representa uma das populações com alto risco de contrair hepatite B. A transmissão pode ocorrer principalmente de modo horizontal, como mostra o quadro número 1. Contato direto Profissional Profissional Familiares Contato indireto

4 Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 2, Número 3, Janeiro/Junho, também em virtude da adesão às precauções Quadro número 1, fonte: Ministério da Saúde (2000) Estudos têm documentado que esta transmissão ocorre principalmente do paciente para o profissional e menos freqüente o contrário. Também pode ser transmitido de modo vertical, ou seja, quando um dentista infectado transmite a hepatite B de modo prénatal (Cottone, 1991). São necessárias minúsculas quantidades de sangue ou saliva (sobre tudo fluído gengival) (0,00004ml) para que ocorra a transmissão, e os riscos de contaminação, durante e após procedimentos invasivos, são de 30% a 50% (Nesi,2000). O número estimado de portadores crônicos da doença em todo o mundo varia de 500 a 700 milhões de pessoas, sendo que 1 em 5 pessoas infectadas apresentam a doença, o que faz aumentar ainda mais o risco de transmissão (Guandalini et al., 1999). O risco de se contrair hepatite B com sangue contaminado é bastante alto, devido a apresentar 10 6 até 10 9 partículas virais por ml de sangue, e mais de 10 5 virions infectante de hepatite B por mililitro de saliva de um paciente infectado cronicamente (Buischi, 2000). O vírus da hepatite B permanece infeccioso após a secagem (sobre alguma superfície) por até 6 meses (Nesi, 2000). Clinicamente se observa um período de incubação que pode variar de 50 a 180 dias, com uma média de 75 dias (Focaccia, 1997 apud Estrela, 2003). Nas duas últimas décadas, houve uma redução das infecções ocupacionais por HBV entre os profissionais de saúde, isto aconteceu desde que a vacina para hepatite B se tornou disponível em 1982 e universais (Shapiro,1995). Desta forma, é de fundamental importância que a equipe odontológica esteja vacinada contra o vírus da hepatite B e que depois de decorridos 30 dias da aplicação da última dose seja verificada a soroconversão através de exames sorológicos específicos (Nesi.2000). Para que a imunidade seja assegurada é indispensável que sejam aplicadas as 3 doses preconizadas: as 2 primeiras com um mês de intervalo e a terceira com um intervalo de 6 meses (0, 1 e 6 meses) (Cottone, 1991). Depois de decorridos 30 dias da última aplicação,verificar a efetividade ou não da soroconversão para o VHB. A aplicação da vacina deve ser feita via intramuscular, no músculo deltóide (Ministério da Saúde, 2000). Se houver uma exposição ao HBV, deve ser implementado alguns procedimentos profiláticos que vão variar de acordo com a situação vacinal do indivíduo (Focaccia,1997 apud Estrela, 2003) : (fonte de contaminação) positivo para HBsAg e equipe de saúde não vacinada contra hepatite B: vacinação (3 doses) e administração de imunoglobulina anti-hepatite B até 7 dias após a exposição; positivo para HBsAg e equipe de saúde vacinada contra hepatiteb: cuidados locais com a ferida; não identificado ou que se recusa a fazer o teste e equipe de saúde não vacinada: fazer a vacinação (3 doses) e administrar imunoglobulina antihepatite B até 7 dias após a exposição;

5 Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 2, Número 3, Janeiro/Junho, não identificado ou que se recusa a fazer o teste e equipe de saúde vacinada contra hepatite B: cuidados com a ferida. HEPATITE C A hepatite C é causada pelo vírus HCV, que por ser suscetível a mutações dificulta a produção de uma vacina (Focaccia,1997 apud Estrela, 2003). É considerada, atualmente, como um dos mais importantes problemas de saúde pública, tendo em vista a elevada prevalência entre os doadores de sangue e a alta taxa de evolução crônica (80% dos casos) (Estrela,2003). É transmitido normalmente por via parenteral, sendo que os grupos de maior risco são os usuários de drogas injetáveis (35%), dialiticos(1%), indivíduos que apresentam contato domiciliar (16%) ou sexual (10%) com pessoas portadoras do vírus, e também profissionais da área da saúde (2 a 10%) (Focaccia,1997 apud Estrela, 2003). aproximadamente 1 décimo da infecção por HBV (Klein et al.,1991; Thomas et al.,1996). O período médio de incubação do vírus depende da carga viral, podendo ser de 6 a 8 semanas, com uma variação de 2 a 26 semanas (Estrela,2003). Normalmente em 90% dos pacientes, anticorpos para HCV ou anti-hcv, podem ser detectados com 3 meses depois do inicio da infecção (em média com 8 a 10 semanas) (Clevelandet al 1999). As medidas para prevenir exposições ocupacionais incluem o uso de precauções-padrão, mudanças na técnica de trabalho e modificações no design de instrumentos afiados. As precauções padrão incluem o uso de EPI (equipamento de proteção individual) como luvas, máscaras, óculos de proteção e jalecos. Mudanças na técnica de trabalho devem ser tomadas para proteger as pessoas que trabalham, como exemplo,reencapar agulhas sem usar as duas mãos (técnica de deslizar a agulha para dentro do estojo que esta colocado sobre uma superfície) (Cleveland, 2003). Estudos mostram que profissionais expostos a sangue infectado com HCV através de lesões percutâneas ou outros tipos, encontraram que a taxa de conversão do soro teve média de 1,8% (variando de 0% a 7%) (Puro et al., 1995; Lanphear et al.,1994). Existem poucos dados para estimar o risco ocupacional de infecção por HCV em odontologia, no entanto, alguns estudos indicam que a prevalência de infecção para HCV entre dentistas, cirurgiões e trabalhadores de saúde em hospitais é similar a da população em geral, entre 1 a 2%, ou AIDS (Síndrome da imunodeficiência humana adquirida) A síndrome da imunodeficiência humana adquirida possuí como agente etiológico o vírus HIV (vírus da imunodeficiência humana). As principais vias de transmissão do HIV são a sexual, sanguínea e vertical. Esta última pode ser congênita (transmissão do vírus da mãe para o filho durante a gestação), perinatal (transmissão durante o

6 Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 2, Número 3, Janeiro/Junho, parto) ou pós-natal (transmissão através do aleitamento) (Estrela,2003). A transmissão ocupacional mais comum é através de ferimentos causados por agulhas e as exposições percutâneas (Buischi, 2000). A saliva, ao contrário do que muitos pensam, não é um meio eficaz de transmissão do vírus HIV (Ministério da Saúde, 2000). Estudos prospectivos em todo o mundo indicam que o risco médio de infecção por HIV depois de uma única exposição percutânea por sangue contaminado é de 0,3% (variando de 0,2% - 0,5%) (Bell,1997). Após uma exposição de membranas mucosas dos olhos, nariz ou boca, o risco é aproximadamente 0,1% (Ippolito et al., 1993). O período de incubação pode variar de 2 a 4 semanas, com a ocorrência de soroconversão seguida de uma fase assintomática cuja duração é variável (meses ou anos). Após há o desenvolvimento da fase sintomática que é caracterizada pela imunodeficiência progressiva (Estrela, 2003). O período de transmissão abrange desde o momento que ocorre a infecção até o eventual óbito do paciente. Levando-se em conta que muitas vezes os pacientes soropositivos não revelam sua condição, por receio de terem seu tratamento negado, é de fundamental importância a adoção das medidas de precaução-padrão (Ministério da Saúde,2000). Conclusão: Percebe-se pelo exposto que o risco de transmissão viral no consultório odontológico é uma realidade, por isso é de suma importância que o dentista e sua equipe tenham conhecimento dos riscos biológicos que estão expostos e também que é vital a necessidade de adotar condutas eficazes para o controle da infecção cruzada, usando o conceito de precaução-padrão, ou seja, tratar todos os pacientes como potencialmente infectados. Referências: 1-AMERICAN DENTAL ASSOCIATION. Infection control recommendations for dental office and the dental laboratory. J. Amer. Dent. Assoc., v. 127, p , BELL D.M. Occupational risk of human immunodeficiency virus infection in healthcare workers: an overwiew. Am. J. Med. 1997; 102(5B): BUICHI, Yvonne de Paiva. Promoção da saúde bucal na clínica odontológica. São Paulo: Artes Médicas, BURGARDT, Célia Inês & LEÃO, Maria Terezinha Carneiro. Controle de Infecção em Odontologia. Curitiba: Champagnat, CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Guidelines for infection control in dental health-care settings. MMWR, Dec.19, v.52, n.rr-17, CLEVELAND J. L.,CARDO D. M. Occupational exposures to human immunodeficiency virus, hepatitis B virus, and hepatitis C virus: risk, prevention, and management. Dent. Clin. N. Am ; 47,

7 Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 2, Número 3, Janeiro/Junho, Cleveland J. L., GOOCH B. F., SHEARER B. G., LYERLA R. L. Risk and prevention of hepatitis C virus infection: implications for dentistry. J. Am. Dent. Assoc. 1999; 130 (5): COTTONE, J. A. et al. A Pratical Infection Control in Dentistry: Philadelphia: Lea & Febiger, p. 9-ESTRELA C.; ESTRELA, C. Controle de infecção em odontologia.são Paulo: Artes Médicas, p. 10-GUANDALINI, S.L.;MELO, N.S.F.; SANTOS, E.C.P. Biossegurança em odontologia. 2 ed. Curitiba: Odontex, p. 11-IPPOLITO G.; PURO V.; De CARLI G. The risk of occupational human immunodeficiency vírus in health care workes: Italian Multicenter Study, The Italian Study Group on Occupational Risk of HIV Infection. Arch Intern Med 1993;153: seroconversion after occupational exposures in health care workers. Am. J. Infect Control.1995;23 (5): KLEIN R.S.; FREEMAN K.; TAYLOR P.E.; STEVENS C.E. Occupational risk for hepatitis C virus infection among New York City dentist. Lancet 1991; 338: KOHN, W. G. et al. Normas de procedimentos para o controle de infecção nos locais de tratamento odontológico JADA. Brasil. v. 7, n. 1, p. 5-19, jan./feb THOMAS D.L. et al. Occupational risk of hepatitis C infections among general dentists and oral surgeons in North America. Am. J. Med. 1996; 100: LANPHEAR B.P., LINNEMANN C.C.Jr., CANNON C.G., DeRONDE M.M., PENDY L., KERLEY L.M. Hepatitis C vírus in health care workers: risk of exposure and infection. Infect Control Hosp Epidemiol. 1994; 15(12): MINISTÉRIO DA SAÚDE. Controle de infecções e a prática odontológica em tempos de AIDS. Brasília: Manual de Condutas. 2000, 118p. 14-MOLINARI, J.A., MOLINARI, G.L. Is mouth rinsing before dental procedure worthwhile? Guide to Technical Exhibits. Infection Control, MILLER, C.H. Cleaning, sterilization and disinfection: basics of microbial killing for infection control. J. Am. Dent. Assoc., v. 124, p.48-73, NESI, Maria Auxiliadora Montenegro. Prevenção de contágios nos atendimentos odontológicos. São Paulo: Atheneu, PURO V., PETROSILLO N.; IPPOLITO G.; Italian Study Group on Occupational Risk of HIV and other bloodborne infections. Risk of hepatitis C

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

SOROPREVALÊNCIA E FATORES DE RISCO PARA O VÍRUS DA HEPATITE C EM ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA 1

SOROPREVALÊNCIA E FATORES DE RISCO PARA O VÍRUS DA HEPATITE C EM ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA 1 ARTIGO ORIGINAL SOROPREVALÊNCIA E FATORES DE RISCO PARA O VÍRUS DA HEPATITE C EM ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA 1 SEROPREVALENCE AND RISK FACTORS FOR HEPATITIS C VIRUS IN STUDENTS OF DENTISTRY Ana Cecília Cavalcanti

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Gerusa Maria Figueiredo gerusa.figueiredo@saude.gov.br I CONGRESSO BRASILEIRO

Leia mais

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Sangue, fluidos orgânicos potencialmente infectantes (sêmen, secreção vaginal, liquor, líquido sinovial, líquido pleural, peritoneal, pericárdico,

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL SEGURANÇA DO PROFISSIONAL RISCO BIOLÓGICO Palestrante: Carolina Cardoso de Araujo Ferri Importância na Enfermagem Brasil: 1,5 milhões de profissionais São Paulo: 346.730 profissionais * Enfermeiros: 65.981

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

RECOMENDAÇÃO CFM Nº 7/2014

RECOMENDAÇÃO CFM Nº 7/2014 RECOMENDAÇÃO CFM Nº 7/2014 Recomendar a adoção de procedimentos, cuidados, tratamentos e precauções aos médicos vivendo com HIV ou com AIDS, assim como seus direitos. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Conceito de segurança em dispositivos médico-hospitalares - a teoria e o mercado. Eliane Martinho

Conceito de segurança em dispositivos médico-hospitalares - a teoria e o mercado. Eliane Martinho Conceito de segurança em dispositivos médico-hospitalares - a teoria e o mercado Eliane Martinho A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DA SAÚDE ACIDENTES OCUPACIONAIS POR MATERIAIS PÉRFURO- CORTANTES HISTÓRICO 1984

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico. Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.org Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde 1621134 - Produzido

Leia mais

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas Isolamento HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC Isolamento Categoria Específico Isolamento Doença Específico 1987: Precauções Universais 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas 1996: Novo Guia de

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

Hepatites virais e profissionais de saúde

Hepatites virais e profissionais de saúde Hepatites virais e profissionais de saúde Prof. Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. Faculdade de Medicina da Unifenas-BH Pós-graduação em Medicina Tropical e Infectologia da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

ACIDENTES COM MATERIAL BIOLÓGICO ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA*

ACIDENTES COM MATERIAL BIOLÓGICO ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA* Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2007 set-dez; 19(3):263-8 ACIDENTES COM MATERIAL BIOLÓGICO ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA* ACCIDENTS with biological material among

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES INTRODUÇÃO *Cindy Heloisa Silva da Silva - NOVAFAPI *Frida Jéssica de Carvalho e Silva- NOVAFAPI *Renata Giordana de Sousa Andrelino- NOVAFAPI

Leia mais

SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas

SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL BIOLÓGICO GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas Dr. Francisco Ivanildo de Oliveira Junior O Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO EM ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO AO RISCO BIOLÓGICO ASSIS 2013 Página 1 de 7 COMISSÃO DE PREVENÇÃO

Leia mais

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL Rosana Izabela Spiller 1 Rosana Aparecida dos Santos INTRODUÇÃO: Com a propagação

Leia mais

O IMPACTO DA AIDS NA PRÁTICA DE ENFERMAGEM:

O IMPACTO DA AIDS NA PRÁTICA DE ENFERMAGEM: ARTIGO ARTICLE O IMPACTO DA AIDS NA PRÁTICA DE ENFERMAGEM: UM PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA THE IMPACT OFAIDS IN NURSINGPRACTICE: A PUBLICHEALTH PROBLEM Elucir Gir 1, Marinésia A Prado 2, Silvia RMS Canini

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C Renato Nelson Sasso 1, Lauyze Dall"ago Barbosa 2, Janete Lane Amadei 3 RESUMO: As hepatites emergem com problema

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

Hepatite C Grupo Vontade de Viver

Hepatite C Grupo Vontade de Viver Hepatite C Grupo Vontade de Viver De apoio aos Portadores de Hepatite C Apresentação Data de Fundação : 19 Maio de 2002 Formação do Grupo: Portadores e ex-portadores do vírus C Trasplantados de fígado

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

RISCOS BIOLÓGICOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

RISCOS BIOLÓGICOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE RISCOS BIOLÓGICOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE HIV Hepatite B Hepatite C Transmissão sangüínea Mais de 60 diferentes agentes infecciosos 40% dos casos de hepatites B e C 2.5% das infecções pelo HIV Atribuíveis

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO CONTROLE DE INFECÇÃO CRUZADA : LABORATÓRIO DE PRÓTESE VERSUS CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO THE CROSS-INFECTION CONTROL: DENTAL LABORATORY X DENTAL OFFICE Marcelo Vilas Bôas Maria Rozeli de Souza Quirino Departamento

Leia mais

Prevalência da Exposição Ocupacional de Profissionais de Saúde Oral Portugueses a Produtos Biológicos

Prevalência da Exposição Ocupacional de Profissionais de Saúde Oral Portugueses a Produtos Biológicos JOSÉ AGOSTINHO DE ALMEIDA NOGUEIRA Prevalência da Exposição Ocupacional de Profissionais de Saúde Oral Portugueses a Produtos Biológicos DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA:

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO Hepatites

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MARCADORES

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

Após mais de duas décadas de sua identificação, a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Após mais de duas décadas de sua identificação, a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida 1 INTRODUÇÃO Após mais de duas décadas de sua identificação, a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) continua seguindo seu curso, fazendo vítimas em todos os continentes. A pandemia de HIV/AIDS

Leia mais

Risco de contágio ocupacional pelo sangue do doente durante os procedimentos neurocirúrgicos

Risco de contágio ocupacional pelo sangue do doente durante os procedimentos neurocirúrgicos Risco de contágio ocupacional pelo sangue do doente durante os procedimentos neurocirúrgicos Flávia Elisa Antunes Lemes de Oliveira*, Claudia Reiko Akamoto Sato*, Milton K. Shibata** Centro de Estudos

Leia mais

A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho

A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho Esta pesquisa ajuda a avaliar os aspectos relativos à notificação

Leia mais

BIOSSEGURANÇA ODONTOLÓGICA: PREVENIR É PRECISO

BIOSSEGURANÇA ODONTOLÓGICA: PREVENIR É PRECISO BIOSSEGURANÇA ODONTOLÓGICA: PREVENIR É PRECISO Antonia Alvino Aragão Pantaleão Cirurgiã Dentista Especialista em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana pela FIOCRUZ. Email: aaapantaleao@hotmail.com Telefone:

Leia mais

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 HEPATITE C PAPEL DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE FILIPE DE BARROS PERINI Assessor Técnico GEDST-DIVE-SES Infectologista Policlínica Municipal do Continente SMS-PMF Assessor

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Como Minimizar o Risco Profissional? Prevenção contra HIV e Profilaxia Medicamentosa

Como Minimizar o Risco Profissional? Prevenção contra HIV e Profilaxia Medicamentosa CAPÍTULO 110 Como Minimizar o Risco Profissional? Prevenção contra HIV e Profilaxia Medicamentosa Soraia Menezes Genelhu * Em todo mundo, 38 milhões de pessoas vivem com o vírus da imunodeficiência humana

Leia mais

Clique para editar o título mestre

Clique para editar o título mestre Fórum HIV e Hepatites Virais NOVAS ABORDAGENS PARA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV ESTE É O MELHOR CAMINHO? Profilaxia Pós Exposição Denize Lotufo Estevam Infectologista Coordenação de DST/Aids de SP 1

Leia mais

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde A PREVENÇÃO DA HEPATITE B ATRAVÉS DA IMUNIZAÇÃO EM CASO DE ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO DOS TRABALHADORES

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO CID-10: Z20.9 Elaboração: equipe técnica Camila Seixas - Médica - Vigilância em Saúde do Trabalhador Frederico Leão - Médico - Vigilância em Saúde

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

Anomalias Congênitas Oro Faciais

Anomalias Congênitas Oro Faciais Anomalias Congênitas Oro Faciais Urubatan Medeiros BDS, MSc, PhD, PDc Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária UERJ/UFRJ Resumo de Aula Durante a vida intrauterina o feto,

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Hepatite B: Conhecimento e Prática dos Alunos de Odontologia da UFPB

Hepatite B: Conhecimento e Prática dos Alunos de Odontologia da UFPB ISSN - 1519-51 DOI: 1.434/1519.51.27.73.3 Hepatite B: Conhecimento e Prática dos Alunos de Odontologia da UFPB B Hepatitis: Knowledge and Practical Approaches of Dental Students from UFPB Angelinne Ribeiro

Leia mais

Dr Iris Ricardo Rossin Médico Assistente HC-FMRP/USP Tese doutorado

Dr Iris Ricardo Rossin Médico Assistente HC-FMRP/USP Tese doutorado Uso de dispositivos eletrônicos para melhorar a adesão dos trabalhadores da saúde ao tratamento e seguimento de acidentes ocupacionais com risco biológico Dr Iris Ricardo Rossin Médico Assistente HC-FMRP/USP

Leia mais

de acidentes entre cirurgiões dentistas

de acidentes entre cirurgiões dentistas Artigos Originais Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins I Rodrigo Dantas Pereira II Raquel Conceição Ferreira I Adesão a protocolo pósexposição ocupacional de acidentes entre cirurgiões dentistas

Leia mais

OS RISCOS OCUPACIONAIS DOS AUXILIARES EM SAÚDE BUCAL

OS RISCOS OCUPACIONAIS DOS AUXILIARES EM SAÚDE BUCAL OS RISCOS OCUPACIONAIS DOS AUXILIARES EM SAÚDE BUCAL Glissia Gisselle Alves Faculdade ASCES. E-mail: glissia@hotmail.com Eduardo Sérgio Donato Duarte Filho Mestrando em Odontologia Clínicas Odontológicas

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

Avaliação de riscos e ferimentos por picada de agulha

Avaliação de riscos e ferimentos por picada de agulha 40 Avaliação de riscos e ferimentos por picada de agulha Introdução A saúde dos trabalhadores, em especial dos trabalhadores dos sectores da saúde e da protecção social, corre riscos decorrentes da exposição,

Leia mais

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Hepatites Virais Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Definição Hepatite viral: Doença causada exclusivamente por vírus hepatotrópico. Diagnóstico Diferencial: CMV, mononucleose

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - 2001 DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA HOSPITALAR RISCO OCUPACIONAL: SANGUE

Leia mais

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE DST/AIDS DE UBERABA Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG Gerente: Maria Clara de Vasconcelos Afonso Elaboração:

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO 1 FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO FLUXOGRAMA DAS MEDIDAS A SEREM ADOTADAS APÓS O ACIDENTE BIOLÓGICO E OS CUIDADOS COM O ACIDENTADO: 1) PACIENTE FONTE ASSINA TERMO DE CONSENTIMENTO (pág 2); 2) COLHER EXAMES

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, transcorreram já mais de duas décadas desde que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO: USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM1

SEGURANÇA NO TRABALHO: USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM1 SEGURANÇA NO TRABALHO: USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM1 Elisabeth Alves Silva Martha Maria Macedo Bezerra Rachel de Sá Barreto Luna Callou Cruz Resumo O homem expõe-se

Leia mais

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País;

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País; Direito à Educação - PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 796, de 29/05/1992, dos Ministros da Educação e da Saúde - Normas e procedimentos educativos referente à transmissão e prevenção da infecção pelo HIV

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção da Saúde do Trabalhador da Saúde: conscientização acerca do uso de luvas e higienização das mãos pelos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 624, DE 2011 (Da Sra. Nilda Gondim)

PROJETO DE LEI N.º 624, DE 2011 (Da Sra. Nilda Gondim) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 624, DE 2011 (Da Sra. Nilda Gondim) Altera o art. 3º da Lei nº 7.649, de 25 de janeiro de 1988, que estabelece a obrigatoriedade do cadastramento dos doadores de

Leia mais

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA

TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA TESTES RÁPIDOS: CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA SEU USO COM ÊNFASE NA INDICAÇÃO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Unidade de Assistência, Unidade de Laboratório e Rede de Direitos Humanos

Leia mais

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES REGIONAIS DE HEPATITES VIRAIS Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 CADEIA DE TRANSMISSÃO DOS VÍRUS Depende:

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Testes Rápidos. em Fluido Oral

Testes Rápidos. em Fluido Oral Testes Rápidos em Fluido Oral Esforço de desenvolvimento do OraQuick O trabalho inicial surgiu em 1989. Foram gastos mais de US$20 milhões e 14 anos para trazer o OraQuick ao mercado. 2 Aprovação do OraQuick

Leia mais

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar Thaiana Santiago Acreditação Acreditação é um processo que as organizações de saúde utilizam

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores Gestão em Saúde e Segurança a no Trabalho em Serviços de Saúde Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores 2007 As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

Medidas de prevenção pré e pós-exposição a acidentes perfurocortantes na prática odontológica

Medidas de prevenção pré e pós-exposição a acidentes perfurocortantes na prática odontológica Artigo Original Medidas de prevenção pré e pós-exposição a acidentes perfurocortantes na prática odontológica Pre and post-exposure preventive measures to injuries caused by percutaneous instruments during

Leia mais

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção 21. Sobre a participação do setor privado no Sistema Único de, SUS, é incorreto afirmar que: a. As entidades filantrópicas e sem fins lucrativos também recebem remuneração do SUS pelos serviços prestados

Leia mais