MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO AMAPÁ SR21

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO AMAPÁ SR21"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO AMAPÁ SR21 Rua Adilson José Pinto Pereira nº Bairro de São Lázaro CEP Macapá/Amapá Telefone (96) Fax (96) CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE ENTIDADE(S) PARA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ATER, ELABORAÇÃO DE PLANOS DE DESENVOLVIMENTO E PLANOS DE RECUPERAÇÃO DE ASSENTAMENTOS EM PROJETOS DE ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRÁRIA SOB A JURISDIÇÃO DA SR 21. PROJETO BÁSICO NOVEMBRO / 2011

2 1. OBJETO 2. APRESENTAÇÃO 3. PRINCÍPIOS 4. JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVO GERAL 6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 7. PÚBLICO BENEFICIÁRIO 8. ÁREA GEOGRÁFICA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS 9. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS 9.1 Etapas na Elaboração de PDA/PRA Atividades de Caráter Individual META Atividades de Caráter Coletivo Meta Meta Meta Serviços de ATER Atividades de Caráter Individual Meta Atividades de Caráter Coletivo Meta Meta Metas 2 e Meta Meta Metas 7, 8, 9 e Meta Meta DETALHAMENTO DAS METAS POR PROJETO DE ASSENTAMENTO E NÚCLEO OPERACIONAL 11. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS METAS 12. COMPOSIÇÃO DOS NÚCLEOS OPERACIONAIS 13. COMPOSIÇÃO TÉCNICA DOS NÚCLEOS OPERACIONAIS 14. COMPOSIÇÃO DOS CUSTOS 15. DAS ESTRUTURAS DE ACOMPANHAMENTO, MONITORAMENTO E 16. CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 17. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 18. ANEXOS Anexo PB I Identificação da Demanda Anexo PB II Detalhamento das Metas por PA e NO Anexo PB III- Planilhas de Custos Anexo PB IV Parcerias

4 1. OBJETO Seleção de entidade(s) executora(s) de assistência técnica e extensão rural para prestar serviços de Assistência Técnica e Extensão ATER, incluindo a elaboração de Plano de Desenvolvimento do Assentamento - PDA e Plano de Recuperação do Assentamento PRA, por meio de atividades individuais, coletivas e complementares, compreendendo o planejamento, a execução e avaliação, no contexto da implementação da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária PNATER e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária PRONATER. 2. APRESENTAÇÃO O presente documento apresenta o Projeto Básico formatado pela Superintendência Regional do Estado do Amapá - SR 21, para prestação dos serviços de ATER, elaboração de Planos de Desenvolvimento e de Recuperação do Assentamento, através do Programa 1427 e Ação 4470, no contexto da implementação da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária PNATER e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária PRONATER, instituídos pela Lei , de 11 de janeiro de 2010 e o Decreto 7.215, de 16 de junho de A ATER é uma ação desenvolvida sob a coordenação do INCRA, por meio da Diretoria de Desenvolvimento de Projetos de Assentamento, cuja execução dar-se-à através de Contratos, nas formas previstas nas Leis 8.666, de 21 de junho de 1993 e Lei /2010, visando assegurar de forma continuada e integral os serviços de assistência técnica, desde a implantação dos Projetos de Assentamento, com o objetivo de torná-los unidades de produção estruturadas, inseridas de forma competitiva no processo de produção, voltadas para o mercado e integradas à dinâmica do desenvolvimento municipal e regional. O PDA e PRA são instrumentos básicos à formulação de projetos técnicos e todas as atividades a serem planejadas e executadas nas áreas do assentamento, constituindo-se em peças fundamentais ao monitoramento e avaliação dessas ações.

5 3. PRINCÍPIOS Especificamente, o Programa de ATER tem os seguintes princípios: I. Assegurar às famílias assentadas em Projetos de Assentamento federais ou reconhecidos pelo INCRA o acesso à ATER, pública, gratuita, de qualidade e em quantidade suficiente, visando o desenvolvimento dessas áreas e o fortalecimento da agricultura familiar; II. Contribuir para a promoção do desenvolvimento rural sustentável, com ênfase em processos de desenvolvimento endógeno, apoiando as famílias assentadas na potencialização do uso sustentável dos recursos naturais; III. Adotar uma abordagem multidisciplinar e interdisciplinar, estimulando a adoção de novos enfoques metodológicos participativos e de um paradigma tecnológico baseado nos princípios da Agroecologia; IV. Estabelecer um modo de gestão capaz de democratizar as decisões, contribuir para a construção da cidadania e facilitar o processo de controle social no planejamento, monitoramento e avaliação das atividades, de modo a permitir a análise e melhoria no andamento das ações; V. Desenvolver processos educativos permanentes e continuados, a partir de um enfoque dialético, humanista e construtivista, visando à formação de competências, mudanças de atitudes e procedimentos dos atores sociais, que potencializem os objetivos de melhoria da qualidade de vida e de promoção do desenvolvimento rural sustentável; VI. Promover a viabilidade econômica, a segurança alimentar e nutricional e a sustentabilidade ambiental das áreas de assentamento, tendo em vista a efetivação dos direitos fundamentais do trabalhador rural e considerando a perspectiva do desenvolvimento territorial; VII. Promover a igualdade entre trabalhadoras e trabalhadores rurais assentados da reforma agrária, favorecendo o protagonismo da mulher na construção e implementação dos projetos; e VIII. Contribuir no fortalecimento das organizações sociais dos assentados.

6 4. JUSTIFICATIVA Os Projetos de Assentamentos constituem alternativa viável para a solução de graves problemas que afetam a sociedade brasileira. A história dos assentamentos na jurisdição da SR 21 revela que o acesso a terra possibilita geração de emprego e renda, moradia, alimentação, escola e melhoria na qualidade de vida das famílias beneficiadas. As famílias assentadas provêm, fundamentalmente, de regiões distantes onde as densidades demográficas geram excedentes populacionais, e onde a escassez de emprego e oportunidades determina históricos de baixa escolaridade, exclusão e privações sociais, que redundam em precário domínio de técnicas de gestão e produção agrícola. Acrescenta-se a estas limitações, o fato de que costuma ser lento e penoso o processo de relacionamento entre os assentados e a sociedade local, sendo imperioso superar estágios de aproximação e construir níveis adequados de interação para que se obtenham sinergias que impulsionem o desenvolvimento territorial. Nestas condições desfavoráveis, é fundamental que as famílias recebam apoio técnico qualificado, de forma que construam referenciais sociais, produtivos e tecnológicos ajustados ao novo ambiente, e que respeitem os recursos naturais locais, aperfeiçoem o trabalho na atividade de produção e elevem o nível de conhecimento técnico, através da apropriação compartilhada com outros agricultores e entre os próprios beneficiados. Trata-se de potencializar, com investimentos públicos, as iniciativas das famílias, dinamizando a organização social juntamente com as iniciativas produtivas. Contempla-se, assim, a sustentabilidade ambiental, os agroecossistemas locais, as potencialidades e oportunidades de comercialização, dentro de um contexto de desenvolvimento local e regional. Os investimentos no processo de formação permanente dos agricultores permitirão a construção de formatos produtivos e tecnológicos adequados à realidade local, coerente com os princípios de uma comunidade sustentável sob os pontos de vista social, ambiental e econômico. As ações de ATES realizadas pelo INCRA desde 2003 ocorreram de forma descentralizada de apoio às famílias dos assentados nos Projetos de Reforma Agrária, com os seguintes instrumentos: - A presença diária dos técnicos nos assentamentos, que possibilita a leitura das diferentes realidades e a interação com as famílias, e estimula a busca de soluções criativas aos problemas que se apresentam;

7 - A ATES demonstrou ser uma ação estruturante dentro do desenvolvimento de assentamentos de Reforma Agrária, pois atua de forma transversal às demais políticas públicas do INCRA para o desenvolvimento dos PA s, possibilitando uma real articulação entre elas; - As alternativas de produção, que levam ao desenvolvimento econômico dos assentamentos, são experimentadas a partir das especificidades de cada realidade. Acrescentamos ainda, que os Planos de Desenvolvimento e de Recuperação dos Assentamentos PDA e PRA, subsidiarão o licenciamento ambiental nos projetos de assentamento contidos nesse Projeto Básico. 5 OBJETIVO GERAL O presente Projeto Básico propõe-se respaldar a contratação, por meio de Chamada Pública, de entidades públicas e privadas, com e sem fins lucrativos para execução dos serviços de ATER e elaboração de Planos de Desenvolvimento e de Recuperação dos Assentamentos, através de atividades individuais, coletivas e complementares, compreendendo o planejamento, a execução e avaliação, no contexto da implementação da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária PNATER e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária PRONATER, no âmbito do INCRA - SR OBJETIVOS ESPECÍFICOS I. Apontar estratégias iniciais para a construção da viabilidade econômica e da soberania alimentar e nutricional das famílias assentadas em projetos de assentamento novos, mediante a formulação de Planos de Desenvolvimento de Assentamentos (PDA)) quando requerido. Sendo considerada ação permanente, envolverá desde o processo de planejamento da ocupação e da utilização racional das áreas de assentamento, no âmbito de cada território, até o seu pleno desenvolvimento, através da efetiva garantia dos serviços básicos de infra estrutura física e social, assegurando complementarmente a recuperação do passivo ambiental, social e econômico inerente às áreas de reforma e desenvolvimento agrário. II. Apontar estratégias iniciais para a construção da viabilidade econômica e da soberania alimentar e nutricional das famílias assentadas em projetos de assentamento criados antes de 2003 ou que se encontram em estágios de estruturação ou em consolidação, através da elaboração de Planos de Recuperação

8 de Assentamentos (PRA), quando requerido, revisando Planos de Desenvolvimento existentes e apontando novas estratégias de desenvolvimento, assegurando complementarmente a recuperação do passivo ambiental, social e econômico inerente às áreas de reforma e desenvolvimento agrário. III. Apontar estratégias para a inserção na dinâmica do desenvolvimento territorial, onde o fortalecimento da noção de pertencimento do assentado ao território é fundamental. Nessa perspectiva, duas vias de interação devem ser estabelecidas: de um lado, a aproximação da comunidade assentada com a dinâmica do município, e de outro, a busca da complementaridade na execução das ações do Programa pela agregação de instituições privadas e públicas, de todas as esferas federativas, que atuam localmente. IV. Viabilizar a integração do Programa de ATER com planos de desenvolvimento regionais existentes ou que venham a existir, como os Territórios da Cidadania. V. Promover, através do uso de metodologias participativas, a compreensão do propósito de um grupo, introduzindo técnicas de planejamento, execução e monitoramento da evolução das propostas de desenvolvimento individual, coletivo e comunitário (produtivas e de crédito); incentivar a melhoria nas comunicações e atividades, tornando-os eficazes nas ações conjuntas pela prática do compartilhamento de conhecimentos e experiências, gerando aprendizado mútuo, valendo-se da manutenção de registros e anotações. VI. Promover contato entre grupos para intercâmbio de experiências, potencializando a formação de redes de cooperação entre as famílias assentadas, para inserção em cadeias produtivas. VII. Viabilizar a promoção da igualdade de gênero, o resgate dos saberes locais e do respeito à diversidade étnica e cultural dos assentados, que são princípios fundamentais do Programa, que deverão permear todas as ações das prestadoras de ATER. VIII. Desenhar ações de estímulo à compreensão dos direitos especiais de crianças, jovens e idosos, com foco de atenção à saúde, à segurança e ao lazer, buscando a consolidação da unidade familiar. IX. Promover a segurança alimentar, com a conscientização da importância de uma boa alimentação para a manutenção da saúde, através do estímulo à instalação e ao consumo de produtos da horta caseira agroecológica, formada por plantas medicinais, condimentares e olerícolas.

9 X. Encorajar a proteção à saúde através de mudanças nos hábitos e da compreensão das atitudes diárias como mecanismos de: promoção do saneamento básico a baixo custo, manutenção da segurança dos alimentos consumidos, provimento de água potável segura através do acesso a fontes de água limpa, redução da incidência de doenças e infecções, em especial as zoonoses, através de educação sobre os mecanismos de disseminação de doenças e seu controle. XI. Estimular, nas famílias, a prática de preservação do meio ambiente e ações necessárias para a conscientização quanto aos cuidados necessários ao uso sustentável da propriedade como forma de desenvolvimento. XII. Contribuir para o fortalecimento da noção de cidadania e suas implicações nos direitos e responsabilidades sociais, incluindo ações de valorização do indivíduo, da família e da unidade produtiva como instrumentos de inclusão social. 7. PÚBLICO BENEFICIÁRIO Após identificação e qualificação da demanda formada por agricultores e agricultoras, beneficiários do Programa Nacional de Reforma Agrária, sob a jurisdição da SR 21, foram organizados os núcleos operacionais, que por sua vez constituirão os Lotes, passíveis de concorrência da Chamada Pública. 8. ÁREA GEOGRÁFICA DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços serão prestados no Estado do Amapá, em Projetos de Assentamento localizados nos municípios de abrangência da Superintendência Regional do INCRA SR 21, conforme quadro abaixo e detalhamento no Anexo I da Chamada Pública. Núcleos Operacionais Projetos de Assentamento Tradicionais (SR 21 Macapá / AP) Lote 1 Denominação do Lote Nº de Assentamentos Total de famílias 1 Tartarugalzinho Mazagão Itaubal TOTAL TABELA 1: Síntese da área geográfica para prestação dos serviços e público beneficiário da Chamada Pública 1 Entende-se por Lote, o conjunto de assentamentos dispostos em arranjo de maneira a facilitar a execução dos serviços, considerando a otimização de deslocamento, proximidade entre assentamentos, número de famílias, entre outros. O nome do Lote geralmente coincide com o município no qual será exigida a instalação de uma base/núcleo operacional central, de onde será projetada toda a distribuição e o planejamento dos serviços a serem executados. Para cada lote é admitida uma concorrência.

10 9. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Considerando o contexto da PNATER, do Programa de ATER do INCRA e da demanda qualificada dos Projetos de Assentamento, sob a custódia da Superintendência Regional do Estado do Amapá SR 21 foram definidas 12 metas específicas para ATER e 05 metas para a elaboração dos PDA s e PRA s nos assentamentos que os demandarem. As metas envolvem atividades de caráter individual, coletivas e complementares. A conceituação dos serviços a serem contratados e o detalhamento numérico por Núcleo Operacional e Projeto de Assentamento das metas encontram-se anexos neste documento. Todas as ações serão sempre discutidas e aprovadas pelos assentados. A programação de todas as ações das metas a serem executadas deve ser enviada ao INCRA/ATER (SR21) com antecedência mínima de 15 (quinze) dias para que o Fiscal Assegurador do Contrato acompanhe as atividades, sob pena de não pagamento do serviço executado. No caso dos PA s onde serão contratados apenas serviços de ATER, ou seja, que já possuem PDA s ou PRA s já elaborados, a Prestadora efetivará a implementação, revisão e adequação desses instrumentos. A qualificação dos assentamentos com as ações e políticas públicas já implementadas e atual estágio (crédito apoio, habitação, infra estrutura, etc.), serão entregues na assinatura do contrato. Os PDA s e PRA s serão elaborados conforme os roteiros estabelecidos na Resolução CONAMA nº 387 de 27 de dezembro de 2006, anexos III e V. A Entidade buscará junto ao Órgão Estadual Ambiental OEMA, todas as informações necessárias e que porventura não estejam elencadas neste Termo de Referência, objetivando a aprovação dos PDA s e PRA s no órgão ambiental na ocasião da solicitação das licenças necessárias (ex. Licença de Instalação e Operação LIO). As peças técnicas seguem o preconizado nos Anexo III e V da CONAMA 387/2006, porém sugere-se que a entidade efetue articulação com o OEMA, para os devidos esclarecimentos quanto a elaboração dos mapas temáticos e demais exigências para a obtenção da LIO.

11 Os instrumentos a serem elaborados, atenderão aos critérios do art. 8º da Resolução supracitada. Todos os dados e informações pertinentes às atividades realizadas e produtos pertinentes ao Programa de ATER e aos Planos (PEA, PDA, PRA, Projetos de Recuperação e Conservação dos Recursos Naturais, entre outros) deverão ser agregados aos Sistemas Corporativos do INCRA, quando for o caso. Nas atividades coletivas, atendendo ao art. 3º, parágrafos 2º e 3º, da Portaria INCRA / P nº 581 de 20 de setembro de 2010, as entidades deverão distribuir quadro resumo, aos agricultores (as) participantes com os custos da cada atividade, assim como na realização dessas atividades terão pelo menos 02 (dois) banners destinados exclusivamente à identificação do Programa do INCRA e do MDA Etapas na Elaboração de PDA/PRA Profissionais específicos tratarão do cumprimento das etapas necessárias. A equipe será multidisciplinar e composta por profissionais das Ciências Agrárias, Ambientais, Biológicas, Sociais e Florestal com especialização em georreferenciamento, mapeamento participativo, topografia, cartografia, taxonomia de fauna e flora, solos, meio ambiente. Entre eles, obrigatoriamente, pelo menos um Engenheiro Agrônomo (CONAMA 387/2006). Na composição dos custos, previu-se um número adicional de técnicos para o período de elaboração das peças técnicas Atividade de Caráter Individual Meta 01 Aplicação de questionário para levantamento sócio, econômico e ambiental e croqui do lote (somente para o PA). Os questionários Sócio, Econômico e Ambiental serão considerados como atividade inicial e serão aplicados a todas as famílias que ocupam lotes no Projeto de Assentamento, independente de sua situação ocupacional. Os questionários subsidiarão a elaboração dos PDA s e PRA s e, posteriormente para o acompanhamento da evolução dos serviços de ATER. As entrevistas e preenchimento dos questionários serão executados pelos técnicos que compõem o núcleo operacional. O questionário sócio, econômico e ambiental será elaborado pelos técnicos da Equipe de ATER da SR 21 e será entregue no momento da assinatura do contrato.

12 Caso o lote visitado esteja vago ou esteja ocupado de maneira irregular, a entidade utilizará outro formulário específico a ser disponibilizado pela Equipe de ATER da SR 21. Nesse caso, a entidade levantará todas as informações necessárias (se já foi ocupado, onde está o dono, qual motivo que saiu do lote, foi comprado, está concentrado, etc.) para que o INCRA adote os procedimentos previstos em normas específicas com vistas a ocupação/regularização das parcelas por meio de assentamento de uma nova família, caso seja possível, ou outra medida cabível. Neste caso, estes documentos substituirão os questionários sócios econômicos. A digitação dos dados será de responsabilidade dos técnicos da prestadora. O Banco de dados digital será encaminhado ao INCRA SR01 /ATER. Concomitantemente à aplicação do questionário, a contratada levantará e definirá com o assentado o croqui do lote com o zoneamento ambiental e os shapes dos temas individuais: Área de Preservação Permanente - APP e Área de Reserva Legal ARL, Área de Uso Alternativo do Solo - AUAS e Área Desmatada - AD e demais características da propriedade (Rios, Lagos e Nascentes). O INCRA irá disponibilizar os mapas dos assentamentos demarcados e os arquivos digitais no formato shape para subsidiar o levantamento nos lotes. A Entidade buscará junto ao Órgão Estadual ambiental, todas as informações necessárias para a elaboração dos PRA s e para a obtenção do Licenciamento Ambiental nos PA s. A aplicação do questionário servirá ainda de base, para que o INCRA conheça o número exato de famílias que residem no assentamento e sua situação legal. Meio de Verificação: Para comprovação desta meta serão considerados os questionários aplicados com atesto / assinatura dos produtores entrevistados, os arquivos digitais no formato shape entregues dos temas individuais, o banco de dados digital, relatórios técnicos com resumo das informações obtidas por meio de gráficos e tabelas. Também serão encaminhadas listas de freqüências de reuniões, oficinas e assembléias, com anexos fotográficos indicando a data da atividade. O INCRA procederá à fiscalização do levantamento das informações e a correta digitação dos dados obtidos por meio de amostragem. Caso seja detectado erro em qualquer uma destas fases, a prestadora será obrigada a corrigi-los imediatamente, sem ônus para o INCRA. Nesta meta, serão ainda elaborados dois documentos complementares em formato de texto para cada assentamento.

13 O primeiro documento conterá informações individuais sobre os lotes e sua situação ocupacional, as famílias ocupantes dos lotes, incluindo os dados de cada família, número do lote que ocupa e se possui, aparentemente, alguma pendência junto ao INCRA, entre outras informações. Para os casos dos formulários preenchidos para as parcelas vagas ou ocupadas de forma irregular a entidade solicitará a assinatura de 02 (dois) beneficiários moradores do projeto de assentamento que estejam regulares junto ao INCRA, de preferência assinatura dos presidentes de associações e dos vizinhos do lote vago, que atestarão a veracidade das informações fornecidas pela prestadora. O segundo documento conterá as informações de todas as associações, cooperativas ou outro grupo coletivo presentes no Núcleo Operacional. As informações necessárias serão preenchidas em formulário próprio a ser entregue pelo INCRA / ATER. Os relatórios conterão em anexo, todos os documentos que deram origem às informações, que incluem os questionários sócio, econômico e ambiental e a completa digitação dos dados em software específico (Microsoft ou BR Office). A meta somente será considerada como cumprida caso seja executada na sua totalidade, de acordo com os critérios aqui estabelecidos. O INCRA poderá solicitar, a qualquer momento, documentos adicionais para comprovação da execução das ações desta meta Atividades de Caráter Coletivo A contratada deve considerar que o processo de elaboração dos Planos é efetivamente participativo. Assim, os instrumentos jamais poderão ser elaborados somente com reuniões com os assentados para a coleta de informações, sistematizá-ias em escritório e assim obter um "diagnóstico". Neste processo, a palavra "participativo" passa pela compreensão de que para mudar uma realidade é preciso conhecê-ia, entendendo que só assim é possível refletir sobre qual intervenção será realizada para que se possa alcançar um "futuro desejado" mais coerente com a realidade estudada. Neste sentido, a abordagem e postura adotadas pelos técnicos são fundamentais para que esse processo possa se concretizar em uma proposta viável para o desenvolvimento do (s) assentamento (s), visando garantir o acesso irrestrito às políticas públicas do INCRA e demais instituições parceiras. Assim, para que esse processo possa garantir a participação efetiva dos assentados, sugere-se a referência metodológica descrita abaixo.

14 Meta 2-1ª etapa (Planejamento e Sensibilização) PLANEJAMENTO Etapa 1 - A preparação da equipe técnica A implementação dos métodos participativos e o atendimento das demandas dos órgãos ambientais estaduais são questões centrais do planejamento. Momentos de preparação da equipe técnica: I. Levantamento dos dados secundários: Para isso a equipe técnica deve estabelecer contatos com instituições públicas, órgãos de classe, representações populares e técnicos que atuam ou atuaram no município onde o assentamento está localizado. Essas informações são extremamente importantes para o processo de elaboração do (s) Plano (s). Nessa fase, antes da primeira abordagem no assentamento, dever ser feito um levantamento e análise de "dados secundários" disponíveis do território ou microregião, do município e do Projeto de Assentamento. Deve-se ter atenção à necessidade de levantar as condições físicas e edafoclimáticas, bem como a elaboração de proposta de organização espacial, incluindo a confecção de mapas temáticos que irão subsidiar o licenciamento ambiental dos projetos de assentamento. Algumas dessas informações serão levantadas na própria Superintendência Regional do INCRA, mais especificamente os perímetros dos projetos de assentamento na cartografia e os dados técnicos do processo de criação dos projetos. Os demais dados, geralmente encontram-se em fontes bibliográficas e/ou nas bases cartográficas e classificações divulgadas pelo IBGE, Exército Brasileiro, IBAMA, RADAM BRASIL, SIPAM, etc. II. Estudo e organização das informações levantadas: após o levantamento dos dados secundários a equipe técnica deve organizar estas informações por temas (ambiental, econômica e social, etc.), para que sejam, posteriormente, socializadas com os assentados; I. Construção da agenda de atividades a serem realizadas na elaboração dos Planos: a equipe técnica deve organizar uma agenda de atividades para a elaboração do (s) plano (s), isso facilitará a realização dos trabalhos.

15 SENSIBILIZAÇÃO O primeiro momento de trabalho no assentamento para elaboração de um PDA ou PRA é a "sensibilização 2 " das famílias assentadas. Isso pressupõe mobilizá-ias para a ação da participação, no sentido de captar a percepção dos agricultores assentados sobre sua realidade, bem como a sua visão de futuro sobre o desenvolvimento do PA. Um processo de sensibilização bem trabalhado é fundamental para o sucesso, tanto na elaboração como na implementação dos PDA / PRA. Momentos da Sensibilização I. Mobilização: a equipe deve utilizar os meios disponíveis, como radiodifusão, cartazes, folders e outros. É importante conversar com lideranças e organizações sociais do assentamento (associação, grupos de mulheres, grupos de jovens) buscando envolver homens, mulheres, jovens e idosos. Eventualmente poderá ser realizada visita domiciliar; II. Sensibilização para o trabalho coletivo: a equipe deve realizar sensibilização das principais lideranças, as organizações do assentamento e assentados, quanto a relevância da construção do seu PDA / PRA. Isso pressupõe uma reflexão sobre as principais ferramentas e estratégias para construção de um processo de planejamento participativo. Para isso, é importante promover encontros (reuniões) no assentamento. Nas reuniões a entidade e técnicos buscarão um contato inicial positivo entre famílias assentadas, organização local e demais atores que participarão da elaboração dos PRA s. realidade. Esse momento será de apresentação, aproximação e reconhecimento da Nas reuniões a entidade apresentará a equipe e os dados básicos do contrato (duração, número de técnicos, metas, etc.), buscando criar um clima de transparência e de compromisso. Através das metodologias participativas, os participantes serão sensibilizados da importância de participar das demais etapas da elaboração dos instrumentos técnicos. atividades. Orienta-se a participação de no mínimo 30% de mulheres e jovens nessas 2 Adaptado de (Furtado e Furtado de Souza,1994).A sensibilização é feita a partir de uma mobilização e de momentos coletivos(reuniões)onde se faz reflexão crítica da necessidade, formas e capacidade de externalizar e trocar conhecimento, despertando valores como: cooperação, participação, paciência, união, cidadania, níveis de renda, perdas e consumo, para que se possa construir o novo. A sensibilização não é estanque, ela faz parte de todas as etapas de campo para elaboração dos planos.

16 Meio de Verificação: A comprovação dessa meta se dá com encaminhamento de listas de freqüências de reuniões, oficinas e assembléias, com anexos fotográficos indicando a data da atividade. A meta somente será considerada como cumprida caso a mesma seja executada na sua totalidade, de acordo com os critérios aqui estabelecidos. O INCRA poderá solicitar, a qualquer momento, documentos adicionais para comprovação da execução das ações desta meta Meta 3-2ª etapa (Autodiagnóstico) O "Autodiagnóstico 3 ", como já diz o próprio nome é diferente do diagnóstico tradicional. Neste sentido, o autodiagnóstico deve ser realizado pelos próprios assentados tendo a equipe técnica como orientadora. Isso os possibilita participar desde o início do processo de conhecimento da realidade e a partir daí analisar seus problemas e suas possibilidades de ação para o alcance das mudanças segundo os seus próprios interesses. Os técnicos atuam como facilitadores, contribuindo com sua capacidade teórica, de análise e sua metodologia. São também atores. De acordo com Marban e Sotelo (1981:5), três aspectos são importantes no autodiagnóstico: a teoria, o método e a ação. A teoria dá elementos para interpretar os problemas concretos que se busca conhecer na realidade. Ajuda a interpretar a realidade, a modificá-ia, mas também pode ser modificada por esta mesma realidade. Ela entra de forma dinâmica e refletida para "explicar por que as coisas acontecem da maneira como acontecem". (Furtado e Furtado de Souza, 1994). O método é o caminho para se conseguir alcançar os objetivos de forma lógica e simples. Identificam-se e organizam-se as informações tecnológicas, econômicas e financeiras, socioculturais, ambientais e político institucionais. Planeja-se como trabalhar com elas, "cotejando os interesses e os desejos da sociedade com os limites e possibilidades técnicas" (Buarque, 1998). A ação é importante também para testar se o conhecimento obtido da realidade é ou não adequado. Ela justifica o conhecimento que a comunidade precisa ter de sua realidade. (Furtado e Furtado de Souza, 1994) 3 Em virtude da semântica e considerando que a formação do profissional engajado com desenvolvimento no Estado leva a confundir o Autodiagnóstico com Diagnóstico ou Estudo de Realidade, faz-se necessário destacar a diferença conceitual entre os termos. O diagnóstico ficou bastante conhecido na fase do Crédito Supervisionado da Extensão Rural é uma etapa estanque e diferenciada na elaboração de projetos de crédito rural, principalmente. Já o Autodiagnóstico é processual, dinâmico e abrangente, compreendendo, resumidamente, o diagnóstico propriamente dito, a intervenção e a avaliação, com a participação dos sujeitos, num processo cíclico intermitente. (Furtado e Furtado de Souza; 1994).

17 Momentos do Autodiagnóstico 4 I. Sensibilizar as lideranças e a comunidade para a necessidade de conhecer a realidade do assentamento. Para isso é importante promover encontros (reuniões) de motivação, com os agricultores, as mulheres, os jovens, idosos. Planejar o trabalho de pesquisa, decidir os temas e como coletar as informações. A partir daí, dividem-se os grupos por temas (social, ambiental econômico, infra-estrutura, organização social) para o conhecimento da realidade. Os técnicos devem acompanhar os grupos de pesquisa-ação de acordo com o seu plano de trabalho; Il. Pesquisa-Ação 5 : estudar a realidade por meio do levantamento de informações, tendo os agricultores (as) e suas famílias como pesquisadores (grupos de pesquisa-ação). III. Sistematizar as informações obtidas na pesquisa-ação, agrupando-as sobre um mesmo tema e depois estabelecer relações entre elas. Para isso, realizar reunião(s) no assentamento com os grupos de pesquisa-ação; IV. Socializar o resultado da pesquisa-ação, utilizando técnicas, que garantam a participação de homens e mulheres em igualdade de oportunidades, para prosseguir com a reflexão sobre a sua realidade; V. Problematizar, identificar e definir com clareza os problemas mais importantes.; VI. Priorizar os problemas a partir da sua identificação; Vll. ldentificar as possíveis soluções para os problemas priorizados. Os itens IV, V, VI e VIII serão discutidos em oficina (s) no assentamento com as famílias e demais atores do processo de elaboração dos instrumentos. Meio de Verificação: A comprovação dessa meta se dá com encaminhamento de listas de freqüências de reuniões, oficinas e assembléias, com anexos fotográficos indicando a data da atividade. A meta somente será considerada como cumprida caso a mesma seja executada na sua totalidade, de acordo com os critérios aqui estabelecidos. O INCRA poderá solicitar, a qualquer momento, documentos adicionais para comprovação da execução das ações desta meta. 4 Adaptado de (Furtado e Furtado de Souza, 2000) 5 A pesquisa-ação é um tipo de pesquisa participante engajada, em oposição à pesquisa tradicional, que é considerada como "independente", "não.reativa"e "objetiva". Como o próprio nome já diz, a pesquisa-ação procura unir a pesquisa à ação ou prática, isto é, desenvolver o conhecimento e a compreensão como parte da prática. É, portanto, uma maneira de se fazer pesquisa em situações em que também se é uma pessoa da prática e se deseja melhorar a compreensão desta. (ENGEL, G. I. Pesquisa-ação. Educar, Curitiba, n. 16, p Editora da UFPR). O sujeito que realiza a investigação é também o investigado. (Costa-1991,Whyte-1991).

18 Meta 4-3ª etapa (Futuro Desejado, redação do PDA e Socialização) Essa etapa deve ter como base principal os problemas e as potencialidades identificados no autodiagnóstico realizado pelos assentados, levando sempre em consideração suas próprias análises com o apoio dos técnicos responsáveis pelas atividades. Na visão crítico-construtiva, serão identificadas as ações que devem estar contempladas dentro dos "programas" definidos nos anexos III e V da Conama nº 387/2006, que possam tornar possível o processo de transformação da realidade e o alcance do desenvolvimento do (s) assentamento (s). Momentos das Oficinas do Futuro Desejado I. Sensibilização para o trabalho de planejamento da "programação para o desenvolvimento": é importante realizar um processo de sensibilização que envolva as lideranças e toda a comunidade para a necessidade de trabalhar na forma coletiva o planejamento e para o desenvolvimento; II. Construção, Sistematização das Agendas de Prioridades: a partir da priorização dos problemas e potencialidades, deve ser realizado no mínimo um encontro (oficina) com os grupos de pesquisa-ação para construção e sistematização de uma agenda de prioridades onde serão identificadas ações a serem realizadas para solucionar os problemas e aproveitar as potencialidades anteriormente identificadas; III. Socialização da Agenda de Prioridades: deve ser realizado no mínimo um encontro (oficina) com os assentados para socialização (apresentação) da construção e sistematização da "agenda de prioridades". A Redação do Plano A redação do Plano deve ocorrer ao final de cada etapa, pois, dessa forma a equipe ganhará tempo para se necessário retomar a campo e tratar novamente sobre alguns aspectos que por ventura não tenham ficado suficientemente claros. A Devolução para as Famílias e Aprovação do Plano Deve ser realizado no mínimo um encontro (reunião) com os assentados para devolução e aprovação do Plano. A Entrega do Plano Após a validação do Plano pelos assentados, o documento deverá ser entregue em 03 vias impressas. O documento deve ser entregue também em uma via digital. Meio de Verificação: A comprovação dessa meta se dá com encaminhamento de listas de freqüências de reuniões, oficinas e assembléias, com anexos fotográficos indicando a data da atividade.

19 A meta somente será considerada como cumprida caso a mesma seja executada na sua totalidade, de acordo com os critérios aqui estabelecidos. O INCRA poderá solicitar, a qualquer momento, documentos adicionais para comprovação da execução das ações desta meta. Caso o documento final do PDA/PRA não seja entregue ao INCRA, a entidade deverá devolver os recursos recebidos referentes às metas anteriores Etapas dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural Atividade de Caráter Individual Meta 1 - Visitas Técnicas aos lotes As visitas técnicas terão duração média de 02 (duas) horas para os PAE s e 1,5 h para os PA s. Esta atividade não se confunde com outras ações desenvolvidas pela assistência técnica, como laudos, elaboração de projetos, avisos para reuniões, entre outras. As visitas estão diretamente ligadas às ações de cunho produtivo, social ou ambiental e tem por finalidade o fortalecimento da unidade familiar na sua relação com a unidade produtiva no espaço físico do lote. Nesse sentido, as visitas técnicas serão um dos instrumentos mais importantes, pois permite o levantamento pormenorizado dos elementos psicossociais, ambientais, de produção e de autoconsumo, formando o contexto de cada unidade do assentamento. Essa contextualização resultará na busca das estratégias de ação coletiva, ao mesmo tempo em que possibilita a construção da tomada de decisão para a superação dos problemas específicos de cada família assentada. A ação da visita técnica pretende garantir que a ATER não perca contato com as unidades familiares, ao mesmo tempo em que aproxima o serviço das famílias que têm maior dificuldade de acessar ações coletivas. As visitas técnicas devem abranger um conjunto de iniciativas que visem redução da insegurança alimentar e nutricional. O técnico de ATER deverá introduzir alternativas para que o assentado tenha produção regular e permanente de alimentos, em qualidade e quantidade suficientes, respeitando a diversidade cultural, econômica e socialmente sustentável. As orientações devem estar articuladas às diversas políticas / programas governamentais (econômico, agrícola, ambiental, social, de alimentos, comercialização, etc.).

20 A Prestadora comunicará aos assentados, o cronograma de visitas, contendo a data e período (manhã ou tarde) em que a visita ocorrerá, evitando assim desencontros entre técnico (a) e assentado (a). Os beneficiários terão ciência do cronograma, com antecedência mínima de três meses para periodicidade quadrimestral e quatro meses para trimestral. Somente serão aceitas e pagas, as visitas àqueles que estão na Relação de Beneficiários RB, a ser entregue pelo INCRA / SR 21, no dia da assinatura do contrato. A orientação será registrada em Boletins de Assistência Técnica, Social e Ambiental, em linguagem de fácil entendimento ao agricultor, contendo todas as orientações necessárias para melhoria da qualidade de vida do beneficiário, sua família e o desenvolvimento do assentamento (áreas técnica, social e ambiental). O Boletim será assinado somente pelo titular do lote (ou cônjuge, desde que esteja em RB). O técnico responsável pela visita preencherá o Boletim, com a data do atendimento, assinatura legível e número do Conselho de Classe (CREA, CORECON, CRESS, CRMV, etc.), se houver. Os Boletins de Visitas com assinatura e / ou nº do conselho de classe ilegíveis, não serão aceitos para efeito de pagamento de visita realizada. Os beneficiários que possuírem projetos (PRONAF, FNO, PROCERA, etc.) elaborados por outra Prestadora, deverão ser atendidos, acompanhados e/ou negociados pela Prestadora ATER. Uma cópia do Boletim de Assistência Técnica ficará com o agricultor e outra irá compor o histórico do agricultor no período do contrato, além de ser escaneado para lançamento no SIATER, no prazo máximo de 10 dias. A exigência mínima de visitas técnicas individuais não considera as repetições que eventualmente ocorram no mesmo período. A primeira visita não se confunde com a aplicação do questionário sócio econômico e ambiental, para os PA / PAE onde serão elaborados PDA / PRA. Meio de Verificação: Esta meta será comprovada através do Boletim de Assistência Técnica, Social e Ambiental inserido em sistema eletrônico próprio (SIATER), no prazo máximo de 10 dias Atividades de Caráter Coletivo Este eixo de avaliação está relacionado com as metas estabelecidas para as ações técnicas, sociais, ambientais e de integração das políticas públicas e programas

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Vigência Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO

PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO Em decorrência da reestruturação organizacional o INCRA tomou-se iniciativas voltadas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - CEP: 70

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - CEP: 70 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA Edifício Palácio do Desenvolvimento - CEP: 70.057-900 Brasília-DF - (61) 3411-7655 PROJETO BÁSICO SELEÇÃO DE ENTIDADE

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) para atuação na área de suporte técnico e avaliação das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, com enfoque nos princípios da

Leia mais

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER-

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER- Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- -DATER- Lei 12.188 Assistência Técnica e Extensão Rural para a

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento 1. Do Conceito de Tecnologia Social 1.1 Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO O projeto deve ser elaborado no formulário em WORD, disponível para download

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS PARA ELABORAÇÃO de ESTUDOS AMBIENTAIS,

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR ANTECEDENTES DO PRONAF SUSTENTÁVEL RESGATANDO OS OBJETIVOS DO PRONAF... Estimular o incremento ordenado dos investimentos rurais,

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária e o Licenciamento Ambiental.

O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária e o Licenciamento Ambiental. Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Incra O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/ 09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

3. ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS

3. ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS EDITAL FLD 04/2011 SELEÇÃO DE PROJETOS DE FORTALECIMENTO DE REDES SOCIAIS QUE ATUAM NA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM JUSTIÇA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICA 1. OBJETIVO Selecionar projetos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Agrário MISSÃO Promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, a democratização do acesso à terra, a gestão territorial da estrutura fundiária, a inclusão produtiva

Leia mais

Tendo a seguinte vaga de: NÍVEL SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO Código I Técnico Responsável pela Coordenação Geral do Projeto

Tendo a seguinte vaga de: NÍVEL SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO Código I Técnico Responsável pela Coordenação Geral do Projeto COTAÇÃO PRÉVIA Nº 01/2012 MELHOR TÉCNICA Técnico Responsável pela Coordenação Geral do Projeto Técnico Responsável pela Gestão Administrativa e Financeira do Projeto A FA - Fundação Araripe, em atendimento

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAR ESTUDO SOBRE ACESSO DAS MULHERES A POLÍTICAS DE CRÉDITO - PRONAF E PRONAF MULHER Projeto UTF/BRA/083/UTF

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS

COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS COTAÇÃO PRÉVIA Nº 07/2015 / Convênio nº 762009/2011/MMA/FNMC/FA Contratação de Consultoria Pessoa Física SERVIÇOS TÉCNICOS A FA - Fundação Araripe, em atendimento ao disposto no Convênio nº 762009/2011,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DA CESE

EDITAL DE PROJETOS DA CESE Igreja Católica Apostólica Romana Igreja Episcopal Anglicana do Brasil Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Igreja Presbiteriana Independente do Brasil Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS

ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS ANEXO II ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Roteiro Pedagógico e Metodológico Parte 1. Identificação do Projeto 1.1. Instituição de ensino proponente, com a respectiva identificação 1.2. Título do Projeto/Objeto

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça Termo de Referência Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas 1. Grupo Interministerial

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

EDITAL DE COTAÇÃO PRÉVIA Nº 02/2012 Contratação de Consultor

EDITAL DE COTAÇÃO PRÉVIA Nº 02/2012 Contratação de Consultor EDITAL DE COTAÇÃO PRÉVIA Nº 0/01 Contratação de Consultor A FA - Fundação Araripe, em atendimento ao disposto no Acordo de Cooperação Técnica: firmado entre ao Fundo Socioambiental Caixa e Fundação para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO)

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SEDR - DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO APOIO A GRUPOS VULNERÁVEIS SESAN COORDENAÇÃO GERAL DE CARTEIRA DE PROJETOS FOME ZERO

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO MARANHÃO SR

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO MARANHÃO SR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÀRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO MARANHÃO SR 12 Av. Santos Dumont, 18 - Anil, São Luis MA. CEP: 65.046-660 Telefone:

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria Financeira de conciliação das informações repassadas pelos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais