Anexo estatístico Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, metas e indicadores, 2004*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo estatístico Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, metas e indicadores, 2004*"

Transcrição

1 Anexo estatístico Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, metas e indicadores, 2004* Objectivo 1 Erradicar a pobreza extrema e a fome Meta 1 Reduzir para metade, entre 1990 e 2015, a proporção de pessoas cujo rendimento é inferior a um dólar por dia Indicador 1 População que apresenta uma paridade do poder de compra (PPC) inferior a 1 dólar por dia Percentagem da população que vive com menos de 1 dólar por dia Norte de África 2,6 2,0 1,9 África a sul do Sara 46,9 42,7 46,4 América Latina e Caraíbas 10,9 10,6 10,0 Leste Asiático 33,0 17,8 16,6 Sul da Ásia 39,7 30,5 30,4 Sudeste Asiático 18,4 10,8 10,2 Ásia Ocidental 1,6 4,2 3,7 0,5 10,3 5,0 Países em transição do Sudeste da Europa 0,4 1,7 2,1 a Excluem-se as economias de rendimento elevado, segundo a definição do Banco Mundial. *Tal como se refere na Declaração do Milénio das Nações Unidas (resolução da Assembleia Geral 55/2) e no relatório do Secretário-Geral intitulado Road map towards the implementation of the United Nations Millennium Declaration (Plano para a Execução da Declaração do Milénio das Nações Unidas, documento A/56/326), para uma descrição completa e pormenores técnicos sobre os indicadores, veja-se Indicators for Monitoring the Millennium Development Goals: Definitions, Rationale, Concepts and Sources (Publicação das Nações Unidas, Código de Venda E. 03.XVII.18).

2 Indicador 2 Índice de intensidade de pobreza a Distância média em relação à linha da pobreza b (percentagem) Norte de África 0,5 0,3 0,3 África a sul do Sara 19,5 18,6 20,5 América Latina e Caraíbas 3,5 4,1 3,5 Leste Asiático 8,9 4,2 3,9 Sul da Ásia 10,3 7,1 7,1 Sudeste Asiático 3,8 2,0 1,7 Ásia Ocidental Países em transição do Sudeste da Europa a O índice de intensidade de pobreza mede a dimensão da pobreza. Expresso como uma percentagem da linha de pobreza, o índice obtém-se multiplicando a proporção de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza pela diferença entre a linha da pobreza e o rendimento médio da população que vive abaixo da linha da pobreza. Por exemplo, se 30% da população viver com menos de 1 dólar por dia e se o seu consumo ou rendimento médio se situar 20% abaixo da linha da pobreza (o que corresponde a 0,80 dólares), então, o índice de intensidade da pobreza é de 6%. b Excluem-se as economias de rendimento elevado, segundo a definição do Banco Mundial. Indicador 3 Participação dos 20% mais pobres no consumo nacional Não existem novos dados mundiais ou regionais. Meta 2 Reduzir para metade, entre 1990 e 2015, a proporção de pessoas que sofrem de fome Indicador 4 Prevalência de crianças com menos de cinco anos com insuficiência ponderal (a) Total Crianças com menos de cinco anos com insuficiência ponderal (percentagem) Norte de África 10 9 África a sul do Sara América Latina e Caraíbas 11 8 Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia....

3 (b) Por sexo Crianças com menos de cinco anos com insuficiência ponderal, por sexo (percentagem em 2002) Rapazes / Rapazes Raparigas Raparigas Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia (Ásia) (Europa) Indicador 5 Proporção da população que não atinge o nível mínimo de consumo dietético de calorias Percentagem de pessoas subalimentadas na população total Norte de África 5 4 África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental 7 10 Oceânia (Ásia) 18 a 27 (Europa) 4 a 4 Outros países em transição da Europa b 4 a 4 a Os dados referem-se ao período de b Incluindo os países em transição do Sudeste da Europa abrangidos pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (Albânia, Bósnia- Herzegovina, Bulgária, Roménia, Sérvia e Montenegro, a antiga República Jugoslava da Macedónia) e outros países europeus (Croácia, República Checa, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, Eslováquia, Eslovénia).

4 Objectivo 2 Alcançar o ensino primário universal Meta 3 Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, terminem um ciclo completo do ensino primário Indicador 6 Taxa líquida de escolarização no ensino primário Nº de crianças matriculadas no ensino primário por 100 crianças em idade de se matricularem 1990/ / /02 Norte de África 81,7 88,1 91,9 África a sul do Sara 53,9 57,1 62,2 América Latina e Caraíbas 86,4 94,4 95,7 Leste Asiático 97,7 100,4 92,1 Sul da Ásia 72,7 79,4 79,7 Sudeste Asiático 92,4 90,1 90,8 Ásia Ocidental 81,0 80,2 82,9 Oceânia 74,2 77,0 79,4 (Ásia) 84,7 87,4 94,4 (Europa) 91,1 82,6 86,5 Indicador 7 Proporção de alunos que iniciam o 1º ano e atingem o 5º (a) Total Não existem dados mundiais ou regionais.

5 (b) Taxa de conclusão do ensino primário Percentagem de alunos matriculados no último ano do ensino primário a 1998/ /02 Total Rapazes Raparigas Total Rapazes Raparigas Norte de África 83,9 87,3 80,3 85,6 88,2 82,8 África a sul do Sara 49,4 54,4 44,3 52,9 57,0 48,6 América Latina e Caraíbas 89,0 86,6 91,5 98,1 97,2 99,0 Leste Asiático 107,1 106,7 107,6 102,2 102,1 102,2 Sul da Ásia 66,3 73,2 58,9 73,1 79,2 66,6 Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia Comunidade de Estados Independentes (Ásia) Comunidade de Estados Independentes (Europa) 88, 4 89,3 87,5 92,7 92,8 92,6 77, 2 82,9 71,1 76,1 80,9 71,1 64, 0 65,0 62,9 63,3 64,6 61,8 96, 1 96,5 95,6 97,6 98,1 96,9 79, 4 81,4 77,3 78,8 78,8 78,7 a A taxa de conclusão do ensino primário é calculada com base na taxa bruta de admissão no último ano do ensino primário: Número total de novos alunos matriculados no último ano do ensino primário, independentemente do seu sexo, expresso como percentagem da população em idade oficial de se matricular no último ano ; veja-se UNESCO Institute for Statistics, Global Education Digest 2004: Comparing Education Statistics Across the World. Indicador 8 Taxa da literacia do grupo etário dos anos Taxa de literacia, 1990 e (percentagem) /04 a Total Homens Mulheres Total Homens Mulheres Norte de África 66,3 76,3 55,8 78,5 84,1 72,5 África a sul do Sara 67,4 74,9 59,8 76, ,3 América Latina e Caraíbas 92,7 92,7 92,7 94,7 94,2 95,2 Leste Asiático 95,5 97,6 93,3 98,9 99,2 98,6 Sul da Ásia 61,5 71,1 51,0 72,3 81,5 62,5 Sudeste Asiático 94,3 95,5 93,1 95, ,9 Ásia Ocidental 80,1 88,2 71,5 85,6 90,7 80,3 Oceânia 73,5 78,5 68,0 81,3 84,4 78,1 Comunidade de Estados Independentes 99,2 99,2 99,2 99,4 99,4 99,3 a Os dados baseiam-se nas últimas estimativas e projecções de literacia publicadas em Março de 2004 pelo Instituto de Estatística da UNESCO, para o período de referência de

6 Objectivo 3 Promover a igualdade entre os sexos e a autonomização das mulheres Meta 4 Eliminar a disparidade entre os sexos no ensino primário e secundário, se possível até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais tardar até 2015 Indicador 9 Rácio raparigas/rapazes no ensino primário, secundário e terciário (a) Ensino primário Rácio taxas de escolarização das raparigas/taxas de escolarização dos rapazes 1990/ / /02 Norte de África 0,82 0,90 0,93 África a sul do Sara 0,83 0,84 0,86 América Latina e Caraíbas 0,98 0,98 0,98 Leste Asiático 0,93 1,01 0,99 Sul da Ásia 0,76 0,83 0,84 Sudeste Asiático 0,96 0,96 0,97 Ásia Ocidental 0,83 0,87 0,89 Oceânia 0,90 0,95 0,93 (Ásia) 0,99 0,98 0,98 (Europa) 1,00 0,99 1,00 Regiões desenvolvidas 0,99 1,00 1,00 (b) Ensino secundário Rácio taxas de escolarização das raparigas/taxas de escolarização dos rapazes 1998/ /02 Norte de África 0,94 0,96 África a sul do Sara 0,81 0,79 América Latina e Caraíbas 1,09 1,07 Leste Asiático.... Sul da Ásia 0,74 0,77 Sudeste Asiático 0,97 0,98 Ásia Ocidental 0,76 0,79 Oceânia 0,89 0,93 (Ásia) 0,98 0,97 (Europa).. 1,01 Regiões desenvolvidas 1,01 1,02

7 (c) Ensino terciário Não existem dados regionais ou mundiais. Indicador 10 Rácio mulheres/homens que sabem ler e escrever, grupo etário dos anos Rácio das taxas de literacia jovens do sexo feminino/jovens do sexo masculino /04 a Norte de África 0,73 0,86 África a sul do Sara 0,80 0,89 América Latina/Caraíbas 1,00 1,01 Leste Asiático 0,96 0,99 Sul da Ásia 0,72 0,77 Sudeste Asiático 0,97 0,99 Ásia Ocidental 0,81 0,89 Oceânia 0,87 0,93 Comunidade de Estados Independentes 1,00 1,00 Regiões desenvolvidas 1,00 1,00 a Os dados baseiam-se nas últimas estimativas e projecções de literacia publicadas em Março de 2004 pelo Instituto de Estatística da UNESCO, para o período de referência de Indicador 11 Proporção de mulheres com emprego remunerado no sector não agrícola Percentagem de mulheres assalariadas no sector não agrícola Norte de África 18,9 20,5 África a sul do Sara.... América Latina 38,4 42,9 Leste Asiático 38,2 39,8 Sul da Ásia 13,3 18,2 Sudeste Asiático 37,2 38,5 Ásia Ocidental 17,8 19,2 Oceânia 27,8 28,9 Comunidade de Estados Independentes, países em transição e outros da Europa a 49,0 48,9 Regiões desenvolvidas 43,1 46,1 a Incluindo Croácia, República Checa, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, Eslováquia e Eslovénia.

8 Indicador 12 Proporção de assentos parlamentares detidos por mulheres nos parlamentos nacionais Percentagem de assentos parlamentares detidos por mulheres (câmara única ou apenas câmara baixa) a Norte de África 2,6 1,8 6,7 África a sul do Sara 7,2 9,0 13,4 Caraíbas 22,1 16,6 23,9 América Latina 8,6 10,9 16,1 Leste Asiático 20,2 19,3 18,8 Sul da Ásia 5,7 5,9 8,5 Sudeste Asiático 10,4 10,8 15,3 Ásia Ocidental 4,6 3,0 4,9 Oceânia 1,2 1,6 2,4 (Ásia) 34,4 7,0 9,0 (Europa).. 5,4 8,1 Países em transição do Sudeste da Europa 27,8 7,5 14,5 Regiões desenvolvidas 13,2 16,5 20,6 Países nórdicos b 33,9 36,4 39,7 a Os dados referem-se a Janeiro de cada ano. b Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia. Objectivo 4 Reduzir a mortalidade de crianças Meta 5 Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças com menos de 5 anos

9 Indicador 13 Taxa de mortalidade dos menores de 5 anos Mortes por nados-vivos Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia Regiões desenvolvidas 11 8 Indicador 14 Taxa de mortalidade infantil Mortes por nados-vivos Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia Regiões desenvolvidas 10 6

10 Indicador 15 Proporção de crianças de 1 ano vacinadas contra o sarampo Objectivo 5 Melhorar a saúde materna Percentagem de crianças de meses de idade que receberam pelo menos uma dose da vacina contra o sarampo a Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia Regiões desenvolvidas a Este ano não é inteiramente comparável com o ano de referência porque alguns valores nacionais relativos a 1990 necessitam de ser reajustados; a nova série referente a 1990 ficará disponível proximamente. Meta 6 Reduzir em três quartos, entre 1990 e 2015, a taxa de mortalidade materna Indicador 16 Taxa de mortalidade materna a (Não estão disponíveis novos dados mundiais ou regionais; os dados aqui apresentados foram extraídos do relatório anterior (A/58/323).) Mortes maternas por nados-vivos 2000 Norte de África 130 África a sul do Sara 920 América Latina e Caraíbas 190 Leste Asiático 55 Ásia Centro-meridional 520 Sudeste Asiático 210 Ásia Ocidental 190 Oceânia 240 Regiões desenvolvidas 20 a Regiões de acordo com as divisões regionais estabelecidas no relatório de 2003 sobre os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio; ver

11 Indicador 17 Proporção de partos assistidos por pessoal de saúde qualificado a (Não estão disponíveis novos dados mundiais ou regionais; os dados aqui apresentados foram extraídos do relatório anterior (A/58/323).) Percentagem de partos Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Ásia Centro-meridional Sudeste Asiático Ásia Ocidental a Regiões de acordo com as divisões regionais estabelecidas no relatório de 2003 sobre os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio; ver Objectivo 6 Combater o VIH/SIDA, a malária e outras doenças Meta 7 Até 2015, deter e começar a inverter a actual tendência de propagação do VIH/SIDA Indicador 18 Prevalência do VIH/SIDA, ambos os sexos Percentagem da população da faixa etária dos anos que vive com VIH/SIDA Total Homens Mulheres Total Homens Mulheres Norte de África <0,1.... <0,1.... África a sul do Sara 7,3 6,3 8,3 7,2 6,2 8,3 América Latina e Caraíbas 0,6 0,8 0,5 0,7 0,9 0,5 Leste Asiático <0,1 0,1 <0,1 0,1 0,2 <0,1 Sul da Ásia 0,5 0,6 0,4 0,7 0,8 0,5 Sudeste Asiático 0,5 0,6 0,3 0,5 0,7 0,3 Ásia Ocidental <0,1.... <0,1.... Oceânia 0,4 0,5 0,2 0,5 0,7 0,3 (Ásia) <0,1 <0,1 <0,1 0,1 0,1 <0,1 (Europa) 0,8 1,0 0,5 1,1 1,5 0,8 Regiões desenvolvidas 0,4 0,6 0,2 0,5 0,6 0,3

12 Indicador 19 Utilização de preservativos como percentagem da taxa de prevalência de contraceptivos Não existem dados mundiais ou regionais. (a) Utilização de preservativos no último contacto sexual de alto risco Percentagem da população do grupo etário dos anos que utilizou um preservativo no último contacto sexual de alto risco a ( ) Mulheres, anos Número de países abrangidos pelos inquéritos Percentagem que utilizou um preservativo no último contacto sexual de alto risco a Homens, anos Número de países abrangidos pelos inquéritos Percentagem que utilizou um preservativo no último contacto sexual de alto risco a África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Sul da Ásia (Índia) a Percentagem de jovens de ambos os sexos com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos que disse ter utilizado um preservativo em relações sexuais com um parceiro não habitual nos últimos 12 meses, entre aqueles que tiveram um parceiro desse tipo nos últimos 12 meses. (b) Percentagem da população do grupo etário dos anos que tem conhecimentos pormenorizados e correctos sobre o VIH/SIDA Percentagem da população com conhecimentos pormenorizados a ( ) Número de países abrangidos pelos inquéritos Mulheres Homens Percentagem com conhecimentos pormenorizados a Número de países abrangidos pelos inquéritos Percentagem com conhecimentos pormenorizados a África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático (Mongólia) Sudeste Asiático Regiões desenvolvidas (Albânia) a Percentagem de jovens de ambos os sexos com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos que identificaram correctamente dois dos métodos principais para impedir a transmissão do VIH por via sexual (utilização de preservativos e manter relações sexuais com um único parceiro fiel e que não esteja infectado), que rejeitaram duas noções erradas comuns a nível local e que sabem que uma pessoa com aspecto saudável pode transmitir o vírus da SIDA.

13 Indicador 20 Rácio de frequência escolar órfãos/não órfãos com idades compreendidas entre os anos Rácio de frequência escolar órfãos/não órfãos a (1998/01) Número de países abrangidos pelos inquéritos Rácio de frequência escolar órfãos/não órfãos a África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Sudeste Asiático (Camboja) a Rácio entre a actual taxa de frequência escolar de crianças com idades compreendidas entre os 10 e os 14 cuja mãe e cujo pai biológicos morreram e a actual taxa de frequência escolar de crianças com idades compreendidas entre os 10 e os 14 cuja mãe e cujo pai biológicos estão ambos vivos e que vivem actualmente com pelo menos um deles. Meta 8 Até 2015, deter e começar a inverter a tendência de incidência da malária e de outras doenças graves Indicador 21 Prevalência da malária e mortes associadas a esta doença a (Não estão disponíveis novos dados mundiais ou regionais; os dados aqui apresentados foram extraídos do relatório anterior(a/58/323).) Número de mortes por crianças com idades compreendidas entre 0 e 4 anos (2000) Norte de África 47 África a sul do Sara 791 América Latina e Caraíbas 1 Leste Asiático 0 Ásia Centro-meridional 6 Sudeste Asiático 2 Ásia Ocidental 26 Oceânia 2 Regiões desenvolvidas 0 a Regiões de acordo com as divisões regionais estabelecidas no relatório de 2003 sobre os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio; ver Não existem dados sobre a prevalência da malária. Indicador 22 População de zonas de risco de malária que utiliza medidas eficazes de prevenção e tratamento da malária (Não estão disponíveis novos dados mundiais ou regionais; os dados aqui apresentados foram extraídos do relatório anterior(a/58/323).)

14 (a) Prevenção: crianças com menos de 5 anos que dormem debaixo de redes mosquiteiras tratadas com insecticida 1999/2003 (percentagem) África (31 países) 2,1 (b) Tratamento: crianças com menos de 5 anos com febre que são tratadas de forma apropriada 1998/2003 (percentagem) África (30 países) 38,3 Indicador 23 Taxas de prevalência e morte associadas à tuberculose (a) Prevalência Número de casos por habitantes (excluindo pessoas infectadas pelo VIH) Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia (Ásia) (Europa)

15 (b) Mortes Número de mortes por habitantes (excluindo pessoas infectadas pelo VIH) Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia (Ásia) (Europa) Regiões desenvolvidas Indicador 24 Proporção de casos de tuberculose detectados e curados no âmbito de tratamentos de curta duração sob vigilância directa (tratamentos CDVD) (a) Novos casos detectados no âmbito de tratamentos CDVD Percentagem de casos estimados participados à OMS Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia (Ásia) (Europa) Regiões desenvolvidas

16 (b) Casos curados no âmbito de tratamentos CDVD Percentagem de casos curados no âmbito de tratamentos CDVD coorte de 2000 coorte de 2001 Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia (Ásia) (Europa) Regiões desenvolvidas Objectivo 7 Garantir a sustentabilidade ambiental Meta 9 Integrar os princípios do desenvolvimento sustentável nas políticas e programas nacionais e inverter a actual tendência para a perda de recursos ambientais Indicador 25 Proporção do território terrestre constituída por zonas florestais Percentagem do território terrestre Norte de África 1,0 1,0 África a sul do Sara 29,3 27,1 Caraíbas 24,4 25,0 América Latina 50,4 48,0 Leste Asiático 15,4 17,0 Sul da Ásia 13,5 13,3 Sudeste Asiático 53,9 48,6 Ásia Ocidental 3,1 3,1 Oceânia 68,0 65,7 (Ásia) 5,1 5,8 (Europa) 48,9 49,2 Regiões desenvolvidas 25,7 25,9 Mundo 30,3 29,6

17 Indicador 26 Zonas protegidas para manter a diversidade biológica a Rácio zonas protegidas/superfície total do território (terrestre e marítimo) Norte de África 3,8 3,8 4,1 4,5 África a sul do Sara 9,4 9,8 10,0 10,1 América Latina e Caraíbas 12,6 15,3 16,8 17,3 Leste Asiático 7,8 8,9 10,8 11,8 Ásia Centro-meridional 4,5 5,1 5,3 5,5 Sudeste Asiático 5,3 6,5 7,6 7,8 Ásia Ocidental 4,1 17,8 17,9 18,0 Oceânia 3,5 6,1 7,0 7,1 Regiões desenvolvidas 8,7 9,7 11,4 11,7 a Regiões de acordo com as divisões regionais estabelecidas no relatório de 2003 sobre os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio; ver Indicador 27 Consumo de energia por 1 dólar de produto interno bruto (PIB) (paridade do poder de compra) (PPC)) Consumo de kg de equivalente petróleo por dólares do PIB (PPC) América Latina e Caraíbas Norte de África África a sul do Sara Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia.... Comunidade de Estados Independentes Países em transição da Europa a Países de rendimento elevado b a Incluindo países em transição da Europa classificados pelo Banco Mundial como economias de rendimento baixo ou médio. b Conforme definição do Banco Mundial. Indicador 28 Emissões de dióxido de carbono e consumo de clorofluorocarbonetos (CFC) que destroem a camada do ozono

18 (a) Emissões de dióxido de carbono: total e per capita Milhões de toneladas métricas de CO 2 Emissões per capita, toneladas métricas Fontes de combustíveis fósseis a Mundo b ,25 4,14 4,00 Regiões desenvolvidas c ,06 11,21 11,27 Regiões em desenvolvimento ,68 2,07 2, d 2001 d 1990 d 2001 d Fontes de todas as actividades e Países do Anexo I f ,0 12,1 a O total de emissões de CO 2 provenientes de combustíveis fósseis (expressas em milhões de toneladas métricas de CO 2 ) inclui as emissões de CO 2 provenientes do consumo de combustíveis sólidos e líquidos e do consumo de gás, da produção de cimento, e da combustão de gases da refinação do petróleo (United States Carbon Dioxide Information Analysis Center). b A soma das emissões de CO 2 provenientes de combustíveis fósseis referente às regiões (desenvolvidas e em desenvolvimento) não equivale ao total mundial porque as estimativas mundiais se baseiam em dados relativos à produção de energia, enquanto as estimativas nacionais e regionais se baseiam em estimativas do "consumo líquido aparente de energia", calculado com base em dados relativos à produção e comércio (importações, exportações, variações das reservas). A diferença entre as estimativas mundiais e a soma das estimativas regionais é de cerca de 5%. c Incluindo os países europeus da CEI. d A fim de avaliar as tendências referentes aos países do Anexo I considerados como um grupo, os valores agregados referentes a 2001 incluem dados relativos a um ano anterior no caso dos países para os quais não havia dados referentes a No caso do Liechtenstein e da Federação Russa, os dados referem-se a 1999, no caso da Lituânia e Ucrânia a 1998, e no caso da Eslovénia a O valor agregado referente a 1990 inclui dados relativos a 1991 no caso da Hungria. e Excluindo emissões/sumidouros provenientes de alterações da utilização dos solos e silvicultura. f Baseado nos inventários de emissões nacionais anuais dos países do Anexo I (Austrália, Áustria, Bielorrússia, Bélgica, Bulgária, Canadá, Croácia, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Itália, Japão, Letónia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Mónaco, Países Baixos, Nova Zelândia, Noruega, Polónia, Portugal, Roménia, Federação Russa, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Suécia, Suíça, Ucrânia, Reino Unido, Estados Unidos da América) que prestam informação no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas; os países não abrangidos pelo Anexo I não estão sujeitos à obrigação de prestar informações anualmente. (b) CFC que destroem a camada do ozono Consumo de CFC em toneladas de PDO a Mundo Regiões industrializadas Regiões em desenvolvimento a Potencial de destruição do ozono.

19 Indicador 29 Proporção da população que utiliza combustíveis sólidos Não estão disponíveis novos dados mundiais ou regionais. Meta 10 Reduzir para metade, até 2015, a proporção da população sem acesso permanente a água potável segura e a saneamento básico Indicador 30 Proporção da população urbana e rural com acesso permanente a uma fonte de água melhor Percentagem da população Total Urbana Rural Total Urbana Rural Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia Regiões desenvolvidas Indicador 31 Proporção da população urbana e rural com acesso a um saneamento melhor Percentagem da população Total Urbana Rural Total Urbana Rural Norte de África África a sul do Sara América Latina e Caraíbas Leste Asiático Sul da Ásia Sudeste Asiático Ásia Ocidental Oceânia Regiões desenvolvidas

20 Meta 11 Até 2020, conseguir melhorar significativamente a vida de pelo menos 100 milhões de pessoas que vivem em bairros degradados Indicador 32 Proporção de agregados familiares com acesso à segurança de ocupação da habitação População de bairros degradados (milhões) Percentagem da população urbana que vive em bairros degradados Norte de África 21,7 21,4 37,7 28,2 África a sul do Sara 101,0 166,2 72,3 71,9 América Latina e Caraíbas 110,8 127,6 35,4 31,9 Leste Asiático 150,8 193,8 41,1 36,4 Leste Asiático excluindo China 12,8 15,6 25,3 25,4 Sul da Ásia 198,7 253,1 63,7 59 Sudeste Asiático 49,0 56,8 36,8 28 Ásia Ocidental 28,6 40,7 34,4 35,3 Oceânia 0,4 0,5 24,5 24,1 (Ásia) 9,7 9,8 30,3 29,4 (Europa) 9,2 8,9 6,0 6,0 Regiões desenvolvidas 41,8 45,2 6,0 6,0 Países sem litoral em desenvolvimento 46,5 47,3 48,4 56,5 Pequenos Estados insulares em desenvolvimento 5,7 7,3 24,0 24,4 Países menos avançados 81,9 140,1 76,3 78,2 Objectivo 8 Criar uma parceria mundial para o desenvolvimento Meta 12 Continuar a criar um sistema comercial e financeiro aberto, baseado em regras e não discriminatório (inclui o compromisso de assegurar a boa governação, o desenvolvimento e a redução da pobreza tanto a nível nacional como internacional) Meta 13 Satisfazer as necessidades especiais dos países menos avançados (o acesso com isenção de direitos e sem restrições quantitativas para as exportações dos países menos avançados, a intensificação do programa de redução da dívida para os países pobres muito endividados, o cancelamento da dívida oficial bilateral, e ajuda pública ao desenvolvimento mais generosa para os países que estão empenhados em reduzir a pobreza) Meta 14 Satisfazer as necessidades especiais dos países sem litoral e dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento (através do Programa de Acção para o Desenvolvimento Sustentável dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento e da implementação das conclusões da 22ª sessão especial da Assembleia Geral)

21 Meta 15 Tratar de uma maneira global os problemas da dívida dos países em desenvolvimento, através de medidas nacionais e internacionais, a fim de tornar a dívida sustentável a longo prazo Ajuda pública ao desenvolvimento (APD) Indicador 33 APD líquida concedida a todos os países em desenvolvimento e menos avançados (a) Total da ajuda anual (em milhares de milhões de dólares americanos) Todos os países em desenvolvimento 54,3 52,4 58,3 68,5 Países menos avançados 15,2 12,0 15,1.. (b) Percentagem do rendimento nacional bruto dos doadores da OCDE/CAD Todos os países em desenvolvimento 0,33 0,22 0,23 0,25 Países menos avançados 0,09 0,05 0,06.. Indicador 34 Proporção da APD bilateral por sector concedida por doadores da OCDE/CAD afectada a serviços sociais básicos (ensino básico, cuidados de saúde primários, nutrição, água salubre e saneamento) Percentagem da ajuda sectorial bilateral Todos os países da OCDE/CAD ,5 17 Indicador 35 Proporção da APD bilateral concedida por doadores da OCDE/CAD que não está vinculada Percentagem de ajuda não vinculada Todos os países da OCDE/CAD a 67,6 84,8 a Valores baseados apenas em cerca de 40% do total dos compromissos assumidos pelos países da OCDE/CAD relativamente à APD, uma vez que se excluíram a cooperação técnica e os custos administrativos, bem como a APD da Áustria, Luxemburgo, Nova Zelândia e Estados Unidos, que não prestam informação sobre o carácter vinculado ou não vinculado da sua APD.

22 Indicador 36 APD recebida pelos países sem litoral em desenvolvimento como proporção do respectivo rendimento nacional bruto APD como percentagem do RNB dos beneficiários Países sem litoral em desenvolvimento 5,9 7,5 Indicador 37 APD recebida pelos pequenos Estados insulares em desenvolvimento como proporção do respectivo rendimento nacional bruto APD como percentagem do RNB dos beneficiários Pequenos Estados insulares em desenvolvimento 2,6 1,0 Acesso aos mercados Indicador 38 Proporção do total de importações dos países desenvolvidos (em valor e excluindo armas) provenientes dos países em desenvolvimento e dos países menos avançados e admitidas naqueles países em regime de isenção de direitos Percentagem das importações dos países desenvolvidos admitidas em regime de isenção de direitos (a) Excluindo armas Países em desenvolvimento Países menos avançados (b) Excluindo armas e petróleo Países em desenvolvimento Países menos avançados

Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO

Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO DIRECÇÃO PROVINCIAL DE RECURSOS MINERAIS E ENERGIA DE MANICA Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO Manica, 30 Junho à 04 Julho 2008 Elaborado por: José F. Quelhas Av. 25 de Setembro, 1218-2 o

Leia mais

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM)

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) Durante a reunião da Cúpula do Milênio, realizada em Nova Iorque, em 2000, líderes de 191 nações oficializaram um pacto para tornar o mundo mais

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO HISTÓRICO HISTÓRICO ACOMPANHAMENTO DAS METAS DO MILÊNIO NO ESTADO DA BAHIA Meta 1 - Reduzir à metade, entre 1990 e 2015 a proporção da população com renda inferior

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Objetivo 1 - Acabar com a fome e a miséria

Objetivo 1 - Acabar com a fome e a miséria Fonte: http://www.nospodemosparana.org.br/ Objetivo 1 - Acabar com a fome e a miséria O Paraná abriga mais de 2,2 milhões de pessoas vivendo em situação de pobreza, sendo, aproximadamente, um terço delas

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

O IBGE e os ODM CEA Santiago, 25 a 27 julho de 2007 A Participação do IBGE nos relatórios nacionais de ODM

O IBGE e os ODM CEA Santiago, 25 a 27 julho de 2007 A Participação do IBGE nos relatórios nacionais de ODM O IBGE e os ODM CEA Santiago, 25 a 27 julho de 2007 A Participação do IBGE nos relatórios nacionais de ODM Adobe Acrobat 7.0 Document Adobe Acrobat 7.0 Document 1 1- Participación del IBGE: Tuvo el IBGE

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística. Indicadores dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, Relatório Metodológico, 2014

Instituto Nacional de Estatística. Indicadores dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, Relatório Metodológico, 2014 1 Instituto Nacional de Estatística Indicadores dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, Relatório Metodológico, 2014 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av.

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Objectivos de Desenvolvimento do Milénio 1 Erradicar a pobreza extrema e a fome 2 Alcançar ensino primário universal 3 Promover a igualdade de género e o empoderamento das mulheres 4 Reduzir a mortalidade

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÓMICO = DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO ECONÓMICO = DESENVOLVIMENTO 9ºano Crescimento económico -> Aumento regular da produção de bens e serviços numa sociedade num determinado espaço e período de tempo. -> O crescimento económico é um meio para alcançar o desenvolvimento.

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 8 5 Unidade 8 Nome: Data: 1. Marque V para as sentenças verdadeiras e F para as falsas sobre a União Soviética. a) Os russos representavam a maioria no

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

R E L A T Ó R I O. Relatório sobre os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. A presente obra é publicada em nome da Organização das Nações Unidas

R E L A T Ó R I O. Relatório sobre os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. A presente obra é publicada em nome da Organização das Nações Unidas R E L A T Ó R I O I N S T I T U TO D E E S T U D O S PA R A O D E S E N V O LV I M E N TO Relatório sobre os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio 10 A presente obra é publicada em nome da Organização

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Os governos prestam cada vez mais atenção às comparações internacionais, uma vez que procuram políticas públicas efetivas, capazes de melhorar os indicadores

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo MATRIZ ENERGÉTICA E DADOS ESTATÍSTICOS Santo André, 21 de março de

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

O CONTINENTE EUROPEU

O CONTINENTE EUROPEU O CONTINENTE EUROPEU 12. Europa: Divisão Política Referências: Geografia em Mapas (pgs. 42 e 43) Geoatlas 9º ANO 1º BIMESTRE - TU 902 AULA 6 INTRODUÇÃO Recordando Aula 05 - Fluxos Financeiros Centros de

Leia mais

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO Maria Fernanda Cavalieri de Lima Santin Economista. Mestranda em Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Belo Horizonte, outubro de 2007 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Guernsey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 Caro Participante, Seja bem-vindo ao Programa de intercâmbio de estágio oferecido mundialmente pela IAESTE! Leia atentamente este manual. Ele contém todas as

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida EDUCADORA: BIANCA CORREA AGOSTO DE 2015 ASPECTOS GERAIS 1 - Europa desenvolvida países com renda per capita superior a US$ 15 MIL, altamente

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites.

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites. Vodafone Negócios Red é todas as coisas boas para o seu negócio Sem preocupações, sem limites. Vodafone Red Pro Chamadas e SMS para todas as redes Número fixo no telemóvel com funcionalidades One Net

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Jersey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A JT

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE

ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE 1 ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE INTRODUÇÃO 2 Prezados Ministros, Este material auxiliar foi pensado no intuito de situar cada nação que será representada em nosso comitê dentro

Leia mais

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta

Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta Ação de Formação Eco XXI 2015 Agência Portuguesa do Ambiente Alfragide/Amadora 23 de Fevereiro de 2015 FLORESTA Conservação da natureza e da

Leia mais

Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões

Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões 215 i Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões 215. Edição: CAF Vice-presidência de Energia da CAF Hamilton Moss, Vice-presidente Corporativo. Mauricio

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012 Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA Lisboa, 31 de Maio de 2012 O ESPAD European School Survey on Alcohol and other Drugs é um inquérito a nível europeu, que se realiza atualmente em

Leia mais

Relatório Global dos Salários 2014/2015

Relatório Global dos Salários 2014/2015 Sumário Executivo Relatório Global dos Salários 2014/2015 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Sumário Executivo Iª Parte: Principais tendências nos salários

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 Sumário Introdução... 14 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 1.1.1. Brasões de Armas da África do Sul... 18 1.1.2. Brasão de armas e Botswana... 23 1.1.3. Brasão de armas do Lesoto...

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5R. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5R. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5R Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-489 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

Combater. A SIDA, a Malária e outras doenças TU MERECES! HIV/SIDA. Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA!

Combater. A SIDA, a Malária e outras doenças TU MERECES! HIV/SIDA. Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA! Combater A SIDA, a Malária e outras doenças Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA! Confiei em ti! Metesme nojo! Não estou autorizado a falar contigo. Trouxeste vergonha à tua família! Como

Leia mais

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas 1 Impostos (1) Vida Diária e Impostos Os residentes no Japão por período superior a 1 ano, mesmo os de nacionalidade estrangeira, são obrigados a recolher impostos da mesma forma que os cidadãos japoneses

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/17 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pedido de

Leia mais

Melhoria da segurança rodoviária global

Melhoria da segurança rodoviária global Comissão Regionais das Nações Unidas Melhoria da segurança rodoviária global Definição de metas regionais e nacionais de redução de vítimas de acidentes rodoviários Relatório e recomendações Nações Unidas

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais