PRÉ-PROJETO DO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÉ-PROJETO DO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO 2016"

Transcrição

1 PRÉ-PROJETO DO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO 2016 CAPÍTULO 1 CRIMINAL Objetivo 1 (Execução Penal): Interface com os Direitos Humanos - Melhoria e aperfeiçoamento das instalações e da forma de gestão dos estabelecimentos penais. Meta única: Observar o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana no cumprimento da pena, tendo por escopo a reinserção social do egresso. Objetivo 2(Execução Penal): Combate às facções criminosas atuantes nos presídios. Meta única: Realizar trabalho de inteligência com o fim de identificar membros de organizações criminosas inseridos no sistema prisional, obtendo subsídios concretos para atuar, de forma mais eficiente, nas respectivas execuções penais. Objetivo 3 (Execução Penal): Efetivação da fiscalização do correto cumprimento das condições do regime aberto e da saída temporária. Meta única: Instar o Poder Público a fiscalizar, de forma efetiva e concreta, em especial por meio da monitoração eletrônica (artigos 146-B, 146-C e 146-D da Lei nº 7210/84) o cumprimento da pena em regime aberto ( albergue-domiciliar ) e as saídas temporárias. Objetivo 4 (Execução Penal): Intensificação do controle externo da atividade policial. Meta 1: Buscar meios de favorecer a eficiência da produção de provas por parte da Polícia Judiciária. Meta 2: Combater, de forma articulada, a corrupção policial. Objetivo 5(combate à violência doméstica e de gênero): Interface com Promotoria de Direitos Humanos - Implementação de projetos de atendimento integral à vítima e de reeducação do agressor. Meta 1: Tutelar a dignidade da vítima e, ao mesmo tempo, promover a reinserção social do agressor. Meta 2: Promover atuação integrada com as Promotorias de Justiça de Direitos Humanos e de Família.

2 Objetivo 6 (Tribunal do Júri): Identificação e combate às principais circunstâncias sociais que favorecem o aumento da ocorrência de homicídios. Meta única: Estimular a implantação de políticas públicas que promovam a redução da violência e da letalidade. Objetivo 7 (Juizado Especial Criminal): Interface com Direitos Humanos - Incentivo à implementação da justiça restaurativa, com atuação em rede. Meta 1: Aprimorar medidas legais para recuperação e tratamento de dependentes químicos que cometem infrações de menor potencial ofensivo, e, por consequência, reduzir a criminalidade. Meta 2: Promover interlocução com a Promotoria de Justiça de Direitos Humanos, Áreas de Saúde Pública e Inclusão Social. Objetivo 8(criminal geral): Enfrentamento ao tráfico de drogas por meio de estratégias de atuação que permitam a identificação e repressão daqueles que comandam e gerenciam o comércio ilícito. Meta única: Efetuar trabalho de inteligência a partir dos feitos envolvendo pequenos traficantes, buscando reunir elementos que possam levar à investigação e produção de provas em face de traficantes de escalão superior. Objetivo 9 (criminal geral): Interface com a defesa do Patrimônio Público e Social - Combate à corrupção em contratações públicas. Meta única: Identificar as contratações anuais mais significativas dos municípios a fim de verificar possíveis fraudes ensejadoras de atos de corrupções ativas e passivas. Objetivo 10 (criminal geral): Promoção de medidas judiciais visando à recuperação dos ativos provenientes do crime. Meta 1: Analisar, em especial nos crimes contra a Administração Pública e contra o patrimônio, a possível prática do crime de lavagem de capitais, instaurando ou requisitando a instauração de procedimento investigatório específico, quando for o caso. Meta 2: Dar especial atenção às medidas assecuratórias que possibilitem a constrição de bens e valores de propriedade dos acusados (sequestro, arresto e hipoteca legal).

3 Objetivo 11 (criminal geral): Fortalecimento de medidas de proteção às vítimas de crimes praticados com violência ou grave ameaça. Meta 1: Fortalecer os elos entre o Ministério Público e os programas de atendimento às vítimas, em especial o Programa de Proteção às Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (PROVITA) e o Centro de Referência e Apoio às Vítimas de Violência (CRAVI). Meta 2: Dar especial atenção ao previsto no art. 387, IV, do Código de Processo Penal, zelando para que o Poder Judiciário fixe, na sentença criminal, valor mínimo para reparação dos danos causados à vítima. Objetivo 12 (Segurança Pública): Estabelecimento de ações preventivas e proativas que permitam a redução do número de crimes de roubo e receptação. Meta Única: Valer-se de inquéritos policiais, processos criminais, estatísticas e informações de segurança pública para identificação de locais propícios à prática de roubos e receptações, para, a partir de tais dados, desenvolver trabalho que possibilite a redução da incidência de tais delitos. Além dos temas acima referidos que constaram como objetivos do pré-projeto de PGA 2016, foram lembrados pelos Membros do Ministério Público, pela sociedade civil e pela comunidade científica os seguintes temas da área criminal: 1) Implementar a Política de Incentivo à Auto Composição no âmbito do MP, atendendo ao disposto na Res. 118/CNMP, de ; 2) Em Execução Penal, zelar pela exigência efetiva do requisito subjetivo para a progressão de regime, por meio de exames criminológicos (especialmente em crimes praticados com violência); 3) Zelar pelo cumprimento efetivo do artigo 28 e seus parágrafos da Lei nº /06 quanto ao tratamento e acompanhamento de usuários de drogas, para enfrentamento à criminalidade; 4) Atuar no sentido do enfrentamento da letalidade policial; 5) Promover a integração das Promotorias de Justiça de Direitos Humanos e Criminais na elaboração de estratégias conjuntas relacionadas com os direitos fundamentais; 6) Fortalecer a prevenção e repressão à venda de cigarros de nicotina e bebidas alcoólicas a menores de dezoito anos; 7) Atuar para a diminuição de processos suspensos e prisões decretadas e não cumpridas; 8) Pleitear mudança legislativa voltada à previsão de penas severas para os crimes de corrupção e desvio de dinheiro público; 9) Criar Promotorias de Justiça Regionais Criminais; 10)Atuar no sentido de enfrentar a violência em estádios de futebol; 11)Zelar pelo combate à corrupção em todos os setores;

4 12)Em Execução Penal, pleitear modificação legislativa para aumento do requisito objetivo (tempo) de progressão nos crimes praticados com violência; 13)Quanto ao controle externo da atividade policial, publicar a eficiência ou ineficiência dos distritos policiais, a partir dos dados da área e do novo relatório CNMP; 14) No Juizado Especial Criminal, zelar pelo fomento à mediação e ao uso de medidas terapêuticas no caso de uso de drogas, em especial com a colaboração da sociedade civil e do Estado; 15)Empreender reestudo da idade biológica para imputabilidade penal; 16)Apurar crimes e desvios praticados por Juízes de Direito e Promotores de Justiça; 17)Promover a integração da Primeira e Segunda Instâncias, com a formação de um grupo de gestão estratégica, voltado a avaliar a eficiência. E foram lembrados, ainda, dois entendimentos: 1) Planejamento familiar inibirá discussões sobre o aborto, redução da maioridade penal e pena de morte por exemplo; 2) Planejamento familiar solucionará déficit de vagas em creches, escolas abrigos, leitos hospitalares, etc.

5 CAPÍTULO 2 CÍVEL E CONSUMIDOR Objetivo 1: Maior efetividade na fiscalização e no controle das Fundações. Meta 1: Buscar mecanismos mais eficazes de controle de contas das Fundações. Meta 2: Buscar mecanismos mais eficazes de controle de gestão das Fundações. Objetivo 2: Maior efetividade na atuação e fiscalização das Curatelas e respectivas prestações de contas. Meta 1: Aprimorar a atuação nas ações de interdição buscando a proteção da pessoa do interditando, se necessário em atuação compartilhada com a Promotoria de Justiça de Direitos Humanos, área da Pessoa com Deficiência. Meta 2: Melhorar a fiscalização das prestações de contas nas Curatelas. Meta 3: Fomentar a adoção das medidas de Curatela parcial. Objetivo 3: Intervenção mais abrangentedo Ministério Público na área de Falências e Recuperações Judicial. Meta única: Alinhar a atuação dos Promotores de Justiça na área de Falências e Recuperação Judicial, nas diversas Comarcas. Objetivo 4: Aprimoramento da intervenção dos Promotores de Justiça nos acordos extrajudiciais cíveis. Meta única: Aprimorar e alinhar a intervenção dos Promotores de Justiça nos acordos extrajudiciais cíveis. Objetivo 5: Enfrentamento das práticas abusivas nos contratos de planos de saúde. Meta única: Combater as práticas abusivas nos contratos de planos de saúde, especialmente no que se refere a reajustes e cobertura.

6 Objetivo 6: Enfrentamento da interrupção e deficiência dos serviços de fornecimento de água. Meta 1: Fiscalizar a prestação dos serviços no fornecimento de água, evitando sua interrupção injustificada. Meta 2: Zelar pela eficiência da prestação dos serviços de fornecimento de água, acompanhando tarifas, qualidade e prestação de informações à população. Objetivo 7: Intensificação da fiscalização de alimentos impróprios e nocivos à saúde. Meta 1: Zelar pela restrição à publicidade e a comercialização de produtos alimentícios com altos índices de substâncias nocivas à saúde, especialmente agrotóxicos. Meta 2: Atuar para garantir a fiscalização dos alimentos expostos à venda quanto a potenciais efeitos nocivos à saúde. Meta 3: Intensificar a fiscalização de publicidade e comercialização de alimentos com pequeno valor nutritivo que estimulem a obesidade. Objetivo 8: Enfrentamento às práticas abusivas e interrupção dos serviços de telefonia e internet. Meta 1: Fiscalizar cláusulas abusivas em contratos de telefonia e internet. Meta 2: Combater interrupção de serviços essenciais de telefonia e internet. Objetivo 9: Garantia de maior eficiência nos serviços de transporte público. Meta única: Fiscalizar os serviços quanto à qualidade, tarifas, segurança, inclusive em atuação compartilhada com as áreas do Idoso e Pessoa com Deficiência, no que se refere à acessibilidade e prioridade no atendimento. Além dos temas acima referidos que constaram como objetivos do pré-projeto de PGA 2016, foram lembrados pelos Membros do Ministério Público, pela sociedade civil e pela comunidade científica os seguintes temas dasáreas cível e do consumidor: 1) Atuar visando à inibição da comercialização de alimentos lícitos, mas de pouco ou nenhum valor nutritivo; 2) Investigar os pagamentos à vista de cursos de línguas e outros, por meio de cartão de crédito ou entrega de cheques pós-datados; 3) Quanto à iluminação pública das cidades, atuar em face da Resolução ANEEL, repassou a responsabilidade para as Prefeituras em 2015, gerando graves transtornos;

7 4) Atuar em face do transporte público; 5) Idem, transporte coletivo, quanto à tarifa e qualidade; 6) Atuar para restringir comercialização de produtos com alto índice de sódio e outros produtos nocivos à saúde; 7) Atuar no sentido do fortalecimento dos PROCONs, com enfoque em atividades de fiscalização; 8) Atentar para a responsabilidade solidária da mídia (Caso Neon Eletro Jaú); 9) Quanto à indústria de medicamentos, em especial genéricos, de procedência estrangeira ou nacional, verificar propaganda enganosa, ausência de princípio ativo, placebos e oferta de similares.

8 CAPÍTULO 3 DIREITOS HUMANOS Objetivo 1 (Saúde Pública): Fortalecimento da Rede de Saúde Mental, com ênfase no enfrentamento na dependência de álcool e outras drogas, preferencialmente pela administração direta. Meta 1: Cobrar a pactuação da Rede de Atenção Psicossocial no Estado de São Paulo (RAPS) com vistas à construção da política pública na área de saúde mental, com a instalação dos equipamentos necessários para atendimento de pessoas portadoras de transtornos mentais e de dependentes químicos. Meta 2: Cobrar, em todos os níveis, a criação e o acompanhamento dos Planos Municipais e do Plano Estadual de Saúde Mental. Objetivo 2 (Saúde Pública): Garantia do aprimoramento da Política de Atenção Básica, preferencialmente pela administração direta. Meta 1: Fomentar a adoção de políticas públicas para maior qualidade do atendimento de saúde nas áreas de atenção básica. Meta 2: Definir responsabilidades dos entes públicos em relação à atenção básica em saúde. Meta 3: Fiscalizar a adesão dos municípios ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ). Meta 4: Instar o Poder Público à implementação do Programa de Estratégia da Saúde da Família. Meta 5: Cobrar a destinação de recursos físicos e humanos para cumprimento da Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Objetivo 3(Saúde Pública): Atenção Perinatal. Meta 1: Garantir atendimento adequado à gestante e ao nascituro. Meta 2: Fomentar medidas de planejamento familiar. Meta 3: Fomentar a estruturação da rede Cegonha. Meta 4: Zelar pela implantação da Política Pontual de prevenção a Síndrome Alcóolica Fetal.

9 Objetivo 4 (Saúde Pública): Quantidade e Qualidade dos Leitos Hospitalares. Meta 1: Atuar pelo aprimoramento da regulação dos serviços de saúde e leitos hospitalares. Meta 2: Instar o Poder Público a oferecer atendimento hospitalar de qualidade em número suficiente à demanda, mediante estruturação das redes de atendimento à saúde. Meta 3: Atuar pela implantação de leitos de UTI em número compatível com as normas da Organização Mundial de Saúde e do Ministério da Saúde. Meta 4: Atuar pela implantação de leitos psiquiátricos em hospitais gerais. Objetivo 5 (Educação): Universalização do Ensino Infantil. Meta 1: Atuar pela garantia da existência de vagas em creches e pré-escolas em números proporcionais à demanda. Meta 2: Atuar pela garantiade atendimento de qualidade. Meta 3: Atuar pela garantia do cumprimento do Plano Nacional de Educação. Objetivo 6 (Educação): Financiamento da Educação. Meta 1: Atuar para garantir o cumprimento do financiamento mínimo constitucional na área da educação. Meta 2: Buscar meios de definição de qualidade da educação. Meta 3: Ampliar o controle social do financiamento da educação. Objetivo 7 (Educação): Planos Municipais de Educação. Meta Única: Atuar pelo cumprimento do Plano Nacional de Educação (PNE). Objetivo 8 (Educação): Controle Social da Educação. Meta 1: Atuar pelo cumprimento do Plano Nacional de Educação. Meta 2: Fomentar a independência dos Conselhos ligados à área de educação.

10 Objetivo 9 (Pessoa com Deficiência): Acessibilidade no transporte (Compartilhado com áreas do Idoso e Consumidor). Meta Única: Atuar para garantir acessibilidade no transporte e incremento da mobilidade da pessoa com deficiência. Objetivo 10 (Pessoa com Deficiência): Acessibilidade arquitetônica. Meta Única: Atuar para garantir acessibilidade em prédios públicos. Objetivo 11 (Pessoa com Deficiência): Educação inclusiva como forma de universalização do ensino. Meta 1: Atuar para garantir suporte e ajuda para manutenção do aluno com deficiência na rede regular de ensino. Meta 2: Exigir capacitação dos profissionais para atendimento de alunos com deficiência na rede regular de ensino. Objetivo 12 (Pessoa com Deficiência): Residências Inclusivas. Meta única: Atuar para garantir a existência de equipamentos para acolhimento de pessoas com deficiência em situação de desamparo familiar, referenciados na rede SUS e SUAS. Objetivo 13 (Pessoa com Deficiência): Reabilitação (órteses e próteses). Meta 1: Atuar para redução do tempo de espera para obtenção de órteses e próteses no sistema público. Meta 2: Atuar pela garantia de cumprimento de diretrizes técnicas na fiscalização do fornecimento de órteses e próteses. Objetivo 14 (Inclusão Social): Fortalecimento da Rede SUAS (Compartilhado com Proteção da Pessoa com Deficiência, Idoso, Cível e Criminal). Meta Única: Instar o Poder Público a garantir a estrutura e a qualidade dos serviços, programas e projetos no âmbito do Sistema Único de Assistência Social, inclusive mediante fiscalização dos planos de metas já existentes.

11 Objetivo 15 (Inclusão Social): Casas de acolhida para mulheres vítimas de violência doméstica (Compartilhado com área criminal). Meta Única: Fomentar a instalação de locais para acolhimento de mulheres vítimas de violência doméstica em situação de risco. Objetivo 16 (Inclusão Social): Desocupação forçada em casos de reintegração de posse e interdição administrativa de imóveis (Compartilhado com área de habitação e urbanismo). Meta Única: Atuar para minimizar os impactos sociais de ordens de reintegração de posse. Objetivo 17 (Inclusão Social): População em situação de rua. Meta Única: Exigir do Poder Público a promoção de políticas eficientes de promoção dos direitos fundamentais da população em situação de rua. Objetivo 18 (Inclusão Social): Ações Afirmativas. Meta 1: Zelar pela adoção de medidas de inclusão racial e prevenção de racismo, inclusive nos órgãos policiais. Meta 2: Zelar pela adoção de medidas tendentes à redução da discriminação da população LGBT. Objetivo 19 (Inclusão Social): Atuação propositiva para aprimorar o atendimento de vítimas de crimes em órgãos policiais (Compartilhado com área criminal). Meta 1: Instar o Poder Público a agilizar o registro de crimes e aprimorar o atendimento à vítima de violência. Meta 2: Fomentar políticas de proteção à vítima, a exemplo do CRAVI e PROVITA. Objetivo 20 (Inclusão Social): Enfrentamento da superpopulação carcerária (Compartilhado com área criminal). Meta Única: Garantir cumprimento de pena e medidas de segurança em estabelecimento adequado.

12 Além dos temas acima referidos que constaram como objetivos do pré-projeto de PGA 2016, foram lembrados pelos Membros do Ministério Público, pela sociedade civil e pela comunidade científica os seguintes temas da área de direitos humanos: - Saúde Pública: 1) Atuar em face dos obstáculos do CREMESP para concessão de licença provisória a médicos estrangeiros ou formados no exterior; 2) Investigar o relacionamento inadequado de médicos com a indústria farmacêutica; 3) Apurar a quantidade de profissionais negros de origem africana ou caribenha em exercício no Escola de Educação Permanente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP; 4) Zelar pela celeridade no atendimento médico à população; 5) Zelar pela higiene nos equipamentos de saúde; 6) Zelar pelo fornecimento de medicamentos; - Educação: 1) Investigar o superfaturamento de salários em universidades paulistas; 2) Zelar pela garantia da educação em relação à Lei nº /01, que trata da história e cultura afro-brasileira; - Pessoas com Deficiência: 1) Atuar em face do autismo; - Inclusão Social: 1) Instar a criação de comissão de controle das políticas de inclusão étnico racial (cotas), no serviço público estadual, assim como a apuração de falsas declarações; 2) Investigar o impedimento da inclusão racial e a apuração dos casos de racismo; 3) Racismo da polícia; 4) Zelar pela moradia de interesse social para a população de rua e investigar a má-fé de movimentos sociais que contemplam pessoas por propina.

13 CAPÍTULO 4 INFÂNCIA E JUVENTUDE Objetivo 1: Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo. Meta Única: Atuar para garantir que todos os municípios do Estado de São Paulo tenham editado o Plano Municipal de Atendimento Socioeducativo. Objetivo 2: Plano Municipal de Convivência Familiar e Comunitária. Meta Única: Atuar para garantir que todos os municípios do Estado de São Paulo tenham editado o Plano Municipal de Convivência Familiar e Comunitária. Objetivo 3: Articulação do Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente (Rede Protetiva). Meta Única: Conhecer a rede protetiva local dos direitos da criança e do adolescente e facilitar a efetiva integração entre os serviços. Objetivo 4: Reordenamento das Entidades de Acolhimento Institucional. Meta Única: Zelar para que os Municípios que aderiram ao Plano Nacional de Reordenamento do Acolhimento Institucional cumpram-no integralmente. Objetivo 5: Qualificação do atendimento socioeducativo em meio aberto. Meta Única: Aprimorar a fiscalização das entidades de cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto em todo o Estado. Objetivo 6: Qualificação dos serviços prestados pelos Conselhos Tutelares. Meta Única: Garantir que os Conselhos Tutelares tenham a autonomia e a estrutura necessária para o atendimento das crianças e adolescentes. Além dos temas acima referidos que constaram como objetivos do pré-projeto de PGA 2016, foram lembrados pelos Membros do Ministério Público, pela sociedade civil e pela comunidade científica os seguintes temas da área de infância e juventude: 1) enfrentar a obesidade em crianças e adolescentes; 2) judicializar a qualidade do ensino ( progressão continuada );

14 3) atuar para garantir, quanto à gestação, acesso e qualidade em relação à saúde e educação; 4) contribuir para o afastamento dos adolescentes em conflito com a lei de situações que levarão à sua recidiva; 5) incrementar a efetiva cobrança sobre a atuação dos conselheiros tutelares; 6)promover a estruturação das Promotorias de Justiça da Infância com analistas, veículos e corpo técnico; 7) realizar o acompanhamento dos casos de acolhimento institucional com corpo técnico próprio; 8) assegurar que as medidas socioeducativas sejam aplicadas aos pais e responsáveis, visando ao efetivo acompanhamento familiar; 9) enfrentar a ação policial truculenta e discriminatória aos jovens negros; 10)promover a apuração dos Crimes de Maio ; 11)contribuir para o incentivo a trabalhos preventivos com a infância e adolescência, que favoreçam e estimulem o surgimento de lideranças/referências proativas; 12)realizar campanhas de socorro às crianças e adolescentes para adoção por famílias mais estruturadas para prover roupas e material escolar; 13)incentivar projeto de famílias treinadas para orientar famílias em vulnerabilidades; 14) fiscalizar a prestação de contas dos Conselhos Tutelares junto aos Municípios; 15)atuar para a garantia de estudo para crianças e adolescentes, com a efetivação da Lei 10639/01; 16)exigir programas que evitem que o jovem chegue às drogas e ao crime.

15 CAPÍTULO 5 IDOSO Objetivo 1: Aperfeiçoamento da atuação de proteção à pessoa idosa. Meta 1: Garantir a criação e o fortalecimento da rede de proteção à pessoa idosa. Meta 2: Zelar pela implantação de políticas públicas alternativas à institucionalização. Meta 3: Promover o aperfeiçoamento funcional de articulação com a rede pública. Meta 4: Zelar pela criação dos Fundos Municipais do Idoso e a fixação dos critérios de utilização Meta 5: Garantir a proteção integral à pessoa idosa em risco e incapaz. Objetivo 2: Aperfeiçoamento da atribuição de fiscalização das entidades de atendimento a pessoas idosas. Meta 1: Zelar para que os órgãos de fiscalização cumpram sua atribuição legal. Meta 2: Garantir que sejam dispensados cuidados à saúde, conforme as necessidades individuais da pessoa idosa institucionalizada. Meta 3: Garantir a identificação civil a todas as pessoas idosas institucionalizadas. Meta 4: Zelar pela efetivação da preservação dos vínculos familiares. Objetivo 3: Acessibilidade no transporte (em compartilhamento com Direitos Humanos - Pessoa com Deficiência). Meta Única: Atuar para garantir acessibilidade no transporte e incremento da mobilidade da pessoa idosa. Objetivo 4: Garantir acessibilidade arquitetônica (em compartilhamento com Direitos Humanos - Pessoa com Deficiência). Meta Única: Atuar para garantir acessibilidade em prédios públicos.

16 Objetivo 5: Fortalecimento da Rede SUAS (em compartilhamento com Direitos Humanos - Pessoa com Deficiência). Meta Única: Instar o Poder Público a garantir a estrutura e a qualidade dos serviços, programas e projetos no âmbito do Sistema Único de Assistência Social, inclusive mediante fiscalização dos planos de metas já existentes. Além dos temas acima referidos que constaram como objetivos do pré-projeto de PGA 2016, foram lembrados pelos Membros do Ministério Público, pela sociedade civil e pela comunidade científica os seguintes temas da área do idoso: 1) Instar a elaboração de Políticas intersetoriais de atenção à pessoa idosa; Centros-dia do idoso, com oferta de cuidados terapêuticos, de ocupação; 2) Instar a elaboração de Políticas de apoio às famílias cuidadoras (renda, serviços, aconselhamento, referência); 3) Atuar em face do Plano Diretor da Cidade de São Paulo, garantindo a destinação de áreas para edificação de moradias/bairros para idosos; 4) Instar a implantação de Projetos de edificações para idosos.

17 CAPÍTULO 6 PATRIMÔNIO PÚBLICO Objetivo 1: Combate às fraudes em licitações mediante atuação integrada entre membros do Ministério Público. Meta Única: Identificar as fraudes em procedimentos licitatórios, praticadas mediante atuação cartelizada ou de forma repetitiva em diversas comarcas, buscando atuação conjunta com a área criminal, na investigação, a fim de facilitar a persecução judicial. Coibir as fraudes em licitações e as respectivas contratações ilegais. Objetivo 2: Combate às fraudes nos ajustes do Poder Público com o setor privado e com o terceiro setor direcionamento e desvios de recursos. Meta Única: Coibir o desvio, punir os agentes e beneficiários e buscar o ressarcimento do erário. Objetivo 3: Análise das distorções e do percentual dos cargos em comissão no quadro administrativo. Meta 1: Verificar o percentual de cargos comissionados previstos no quadro administrativo (art. 37, II V da CF e 115, V da CE). Meta 2: Verificar distorções na criação e no provimento de cargos comissionados. Objetivo 4: Controle da eficiência e legitimidade na aplicação de recursos constitucionais vinculados à prestação de serviços na área da saúde e educação. Meta Única: Combater omissões e desvios na aplicação dos recursos públicos destinados à saúde e educação, em atuação conjunta com os Promotores de Justiça das referidas áreas. Objetivo 5: Fiscalização da implementação de política de gestão documental, bem como a criação e adequação dos Portais de Transparência, zelando pelo cumprimento das Lei de Acesso a Informação e de Responsabilidade Fiscal. Meta 1: Fiscalizar a criação e funcionamento dos Portais de Transparência. Meta 2: Fiscalizar a criação e funcionamento de sistema de gestão documental e arquivo público. Meta 3: Fiscalizar a criação e funcionamento do Serviço de Informações ao Cidadão SIC.

18 Objetivo 6: Enfrentamento da omissão da Administração Pública na implementação do sistema de controle interno e da Lei Anticorrupção. Meta 1: Fomentar a criação de sistema de controle interno. Meta 2: Provocar a edição de ato normativo regulamentando o processo administrativo de responsabilidade previsto na Lei nº /13. Meta 3: Fiscalizar acordos de leniência firmados. Meta 4: Zelar pela responsabilização judicial decorrente da prática de atos ilícitos contra a Administração Pública. Objetivo 7: Combate, de forma integrada, da corrupção em todas as instâncias de responsabilidade. Meta Única: Desenvolver condutas preventivas e repressivas no combate da corrupção, buscando o ressarcimento do erário e a devolução dos bens acrescidos ilicitamente. Além dos temas acima referidos que constaram como objetivos do pré-projeto de PGA 2016, foram lembrados pelos Membros do Ministério Público, pela sociedade civil e pela comunidade científica os seguintes temas da área do patrimônio público: 1) Promover a divulgação da atuação criminal e cível contra defensores de foro qualificado ou privilegiado, em relação a crimes contra a Administração Pública; 2) Zelar pela redução da subjetividade de candidatos em concursos públicos; 3) Enfrentar a omissão administrativa derivada da ausência de implantação do sistema de monitoramento eletrônico previsto na Lei nº /11.

19 CAPÍTULO 7 MEIO AMBIENTE, HABITAÇÃO E URBANISMO Objetivo 1 (Meio Ambiente): Implementação do Plano Nacional de Recursos Hídricos. Meta 1: Exigir, no âmbito da Bacia Hidrográfica, a implementação do Plano Estadual de Recursos Hídricos e a atuação efetiva dos Comitês de Bacias Hidrográficas. plano-estadual-de-recursos-hidricos &catid=148:plano-dasbacias&itemid=332 Meta 2: Exigir a universalização da prestação dos serviços de saneamento básico. Objetivo 2 (Meio Ambiente): Promoção da implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Meta 1: Exigir a elaboração e acompanhar a implementação dos Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. Meta 2: Exigir a prestação e a eficiência dos serviços de coleta seletiva dos resíduos sólidos recicláveis e reutilizáveis. Meta 3: Exigir e acompanhar a execução das medidas abrangidas pelo sistema de logística reversa, discutido em âmbito estadual ou federal. Objetivo 3 (Meio Ambiente): Enfrentamento à Lei nº /2012. Meta 1: Buscar a garantia de que as Áreas de Preservação Permanente e a Reserva Legal cumpram integralmente suas funções ecológicas com base nos argumentos científicos e jurídico-constitucionais estabelecidos no Relatório GAEMA/2011 e constantes das ADINs nº 4901, 4902 e Meta 2: Buscar a confecção dos Planos de Manejo e o efetivo gerenciamento das Unidades de Conservação do Estado de São Paulo para a preservação de sua biodiversidade. Objetivo 4 (Meio Ambiente): Garantia da proteção ao solo agrícola. Meta Única: Combater a utilização de métodos que geram a degradação do solo agrícola e o uso indiscriminado de agrotóxicos.

20 Objetivo 5 (Meio Ambiente): Garantia da reparação integral do dano em áreas contaminadas. Meta Única: A partir da Relação de Áreas Contaminadas já identificadas pela CETESB (http://www.cetesb.sp.gov.br/areas-contaminadas/o-que-s o- reas-contaminadas/1- O-que-s o-áreas-contaminadas) ou por qualquer outro órgão, atuar visando a prevenção e a reparação integral do dano. Objetivo 6 (Habitação e Urbanismo): Busca de soluções para as áreas de risco físico. Meta 1: Zelar pela implementação de Plano Municipal de Redução de Riscos e Plano Preventivo de Defesa Civil. Meta 2: Fiscalizar as medidas tomadas para remoção dos ocupantes ou eliminação/redução dos riscos. Objetivo 7 (Habitação e Urbanismo): Regularização fundiária urbana. Meta 1: Utilizar mecanismos urbanísticos para a regularização fundiária de assentamentos informais de interesse social. Meta 2: Aplicar instrumentos urbanísticos que garantam a função social da propriedade urbana, evitando-se a manutenção de espaços ociosos na cidade. Meta 3: Adotar medidas preventivas e soluções quanto às ocupações/invasões de imóveis, equacionando-se o direito de propriedade, sua função social e o direito à moradia (compartilhado com Direitos Humanos e Cível). Objetivo 8 (Habitação e Urbanismo): Acompanhamento do processo de revisão do Plano Diretor. Meta 1: Atuar pela disciplina da participação popular na formulação, execução e acompanhamento de planos, programas e projetos de desenvolvimento urbano. Meta 2: Atuar pela disciplina dos instrumentos urbanísticos que atendam às peculiaridades locais. Meta 3: Verificar a compatibilidade da legislação urbanística ao Plano Diretor. Meta 4: Atuar pela disciplina da expansão urbana (art. 42-B do Estatuto da Cidade). Objetivo 9 (Habitação e Urbanismo): Elaboração de políticas urbanas setoriais. Meta 1: Instar a implantação da Política Municipal de Mobilidade Urbana (compartilhado com Consumidor em relação a aspectos do transporte público). Meta 2: Instar a implantação da Política Municipal de Habitação.

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 Os participantes do I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE, representantes de Conselhos da Comunidade

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de MINISTÉRI O PÚBLICO do Estado do Paraná PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA SUBPLAN ANO: 2014 PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS RECONHECIMENTO EXTERNO

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RORAIMA COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA EXTRATO DA ATA DA SÉTIMA SESSÃO ORDINÁRIA DO EGRÉGIO COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RORAIMA 2014. Data: 24/11/2014 Horário: 9h Local: Sala de reuniões dos Órgãos

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Procedimento administrativo nº 201400036940 RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Objeto: Dispõe sobre o dever de atuação de diversas autoridades públicas, durante a Romaria Nossa Senhora d'abadia do Muquém

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

ANEXO I. Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão

ANEXO I. Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão ANEXO I Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão 1. SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS INSTITUCIONAIS 1.1 Atividades Institucionais

Leia mais

INCIDÊNCIA DE QUESTÕES - Ministério Público Estadual. Penal. Tema %

INCIDÊNCIA DE QUESTÕES - Ministério Público Estadual. Penal. Tema % INCIDÊNCIA DE QUESTÕES - Ministério Público Estadual Penal Crimes contra o patrimonio 10,29 Causas de extinção da punibilidade 5,88 Tipicidade 5,88 Estatuto do desarmamento 4,41 Maria da Penha 4,41 Concurso

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Indicadores de Violência e Segurança Pública

Indicadores de Violência e Segurança Pública Indicadores de Violência e Segurança Pública 1 2 3 Indicadores de Violência e Segurança Pública Proposta: criação e implementação do Sistema Estadual de Informações de Violência e Segurança Pública Parcerias

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio a Estudos e Pesquisas e Projetos Inovadores para promoção,

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 Relatório do Painel PANORAMA LEGAL 1. A DEFENSORIA PÚBLICA ESTADUAL NA PREVENÇÃO E NO COMBATE À VIOLÊNCIA Carência de

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

ENUNCIADOS DO CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ENUNCIADOS DO CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO ENUNCIADOS DO CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO ENUNCIADO Nº 01/07: IDOSO, CRIANÇA, ADOLESCENTE OU DEFICIENTE. FALECIMENTO. Inexistindo nos autos de inquérito civil ou procedimento preparatório instaurado

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO INSTITUCIONAL 2009 Projeto Educacional Público-alvo 1º sem. 2º sem. Local Objetivo Estratégico Projeto Estratégico 40 40 POA

PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO INSTITUCIONAL 2009 Projeto Educacional Público-alvo 1º sem. 2º sem. Local Objetivo Estratégico Projeto Estratégico 40 40 POA 1 Direito 2 Atuação Ministerial Peças Processuais Atualização em Processo Civil Atualização em Direito Penal e Processual Penal Capacitação de Curadores de Fundações Capacitação Lei Maria da Penha Seminário

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO.

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO. PREZADO(A)S CANDIDATO(A)S, PRIMEIRAMENTE GOSTARIA DE PARABENIZAR A TODOS OS GUERREIROS E GUERREIRAS QUE PARTICIPARAM DO TÃO ESPERADO E CONCORRIDO CONCURSO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

SÃO BERNARDO DO CAMPO

SÃO BERNARDO DO CAMPO 1 PPA Participativo 2014-2017 Prestação de Contas O PPA Participativo 2014-2017 em números 21 plenárias 13.471 participantes 200 grupos de trabalho 400 diretrizes 55 programas e ações R$ 18,6 bilhões 3

Leia mais

ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito

ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito CRIMINALIDADE causas e soluções Juruá Editora Curitiba, 2006 CATALOGAÇÃO NA FONTE S237 Santos, Alberto Marques dos. Criminalidade: causas e soluções./ Alberto

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas RESULTADOS Setembro 2010 Parcerias Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Casa Civil da Presidência da República; Secretaria-Geral

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência

Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência Defensoria Pública do Estado de São Paulo Núcleo Especializado dos Direitos do Idoso e da pessoa com Deficiência O que é a Defensoria Pública? A Defensoria Pública do Estado é uma Instituição permanente

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010.

PODER EXECUTIVO - PROGRAMAS ESTRUTURADORES PLANO PLURIANUAL - 2010/2013 - Lei 6.716, de 22 de dezembro de 2010. 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados Percentual 95% 0001 GESTÃO LEGISLATIVA E CIDADANIA 2002 Processamento Legislativo Ações Realizadas Percentual 95% 2003 Modernização Administrativa Gestão

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

TABELA DE CORRELAÇÃO DOS CONHECIMENTOS/HABILIDADES COM OS CURSOS DA ESAJ INFORMÁTICA

TABELA DE CORRELAÇÃO DOS CONHECIMENTOS/HABILIDADES COM OS CURSOS DA ESAJ INFORMÁTICA TABELA DE CORRELAÇÃO DOS CONHECIMENTOS/HABILIDADES COM OS CURSOS DA ESAJ INFORMÁTICA Nº Conhecimento / Habilidade Curso ESAJ 1 2 3 Sistema Operacional (Windows) Processador de Texto (Word, Broffice Writer)

Leia mais

ATO (N) N.º 171/99 - PGJ, de 14 de janeiro de 1999

ATO (N) N.º 171/99 - PGJ, de 14 de janeiro de 1999 ATO (N) N.º 171/99 - PGJ, de 14 de janeiro de 1999 PLANO GERAL DE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO PARA 1999 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO, no exercício de suas atribuições legais,

Leia mais

1 Ampliar e qualificar as ações do GGIM - Gabinete de Gestão Integrada Municipal

1 Ampliar e qualificar as ações do GGIM - Gabinete de Gestão Integrada Municipal Fortalecer a atuação conjunta das Forças de Reuniões Operações conjuntas das Forças de Número de reuniões Número de operações conjuntas das forças PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SEGURANÇA

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC 26/07/2015 Nome do Candidato: CADERNO DE PROVA INSTRUÇÕES GERAIS: Caro (a) Candidato (a): Leia com o máximo de atenção e siga as seguintes

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012 Proposta Projeto Brasileiro Brasília, outubro de 2012 1 - Existe, em seu país, política pública, programa ou estratégia de acesso ao Direito, para a população em condição de vulnerabilidade (grupos vulneráveis)?

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PORTÃO 25/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 25

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 CONSIDERANDO: 1. A existência do Procedimento Preparatório n. 0089.11.000011-7, cujo objeto é apurar eventual irregularidade em casa de abrigo para idosos na Rua

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente

Desenvolvimento Agrícola e Meio Ambiente p Relatório Consulta Pública Região Sudeste Oficinas 274 pessoas se credenciaram para participar das oficinas na cidade de Natividade. Foi solicitado à elas que elencassem as demandas e problemas regionais.

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA.

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DEPARTAMENTO DE OUVIDORIA AGRÁRIA E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS - DOAMC MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE

Leia mais

Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa

Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa Os representantes da Secretaria de Direito Econômico do Ministério

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José

Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José 1 2 Apresentação Este documento apresenta as diretrizes e estratégias propostas pelo Programa Municipal de Atenção às Drogas da Prefeitura de São José dos Campos-SP. Trata-se de um conjunto de ações intersecretariais,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, na pessoa de seu Excelentíssimo Senhor Presidente, Ministro

Leia mais

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES CARTA DA BAHIA O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente- CONANDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Federal no 8.242, de 12 de outubro de 1991, e pelo seu Regimento

Leia mais

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2067 - Resíduos Sólidos 10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina Tipo: Projeto Número de Ações 10 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 18 - Gestão

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014. Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014. Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014 Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana A CRIANÇA E O ADOLESCENTE NO CENTRO DA GESTÃO MUNICIPAL O Estatuto da Criança e do Adolescente ECA (Lei nº

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

DIRETRIZES NACIONAIS DE PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DOS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA

DIRETRIZES NACIONAIS DE PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DOS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRETRIZES NACIONAIS DE PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DOS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PÚBLICA PORTARIA INTERMINISTERIAL No- 2, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010 Estabelece as Diretrizes Nacionais de Promoção

Leia mais

PROGRAMA TÉMATICO: 6222 PROMOÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA

PROGRAMA TÉMATICO: 6222 PROMOÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA PROGRAMA TÉMATICO: 6222 PROMOÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA OBJETIVO GERAL: Promover a defesa e garantia dos direitos humanos, assegurando à pessoa ou indivíduo o pleno exercício do direito à cidadania.

Leia mais

PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público

PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público José Roberto Porto de Andrade Júnior joserobertopajr@hotmail.com joseporto@mpsp.mp.br Assessor da Diretoria

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais