Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar"

Transcrição

1 Amarelo: Questão? Azul: inserção Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar * O CCR Sul agradece à Comissão Europeia a oportunidade que lhe foi dada para dar o seu contributo sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar. O CCR Sul, com base na declaração, pretende salientar algumas inconsistências e ausências de informação no que diz respeito aos conhecimentos científicos, tendências nas frotas e regulamentoquadro actual. Contudo, o CCR Sul concorda com a opção 3 proposta pela Comissão Europeia e está satisfeito por ter sido consultado e dar o seu contributo sobre possíveis melhoramentos quanto à gestão da pesca de alto mar abrangida pelo CCR Sul. 1. Estado dos stocks de alto mar As espécies de alto mar (anexo 1 do regulamento actual) abrangem um grande número de espécies desde o olho-de-vidro laranja ao peixe-espada preto e maruca azul, As características biológicas destas espécies podem variar de uma espécie para outra. * O CIEM está actualmente a elaborar um processo de revisão sobre a avaliação dos stocks relativamente às espécies de alto mar e o CCR Sul solicita à Comissão Europeia que aguarde pela revisão e pelos pareceres do CIEM previstos para 2010 antes de efectuar uma proposta de regulamento. 2. Tendências nas frotas e desembarques Os dados apresentados no Anexo I do documento da CE abrangem os anos 2006 a As figuras apresentadas referem-se aos últimos três anos. O CCR Sul sugere à CE a realização de um estudo comparativo relativamente às características de pesca (navios, esforço, capturas, desembarques ) antes e depois da entrada em vigor do regime de acesso (de a 2008 por exemplo). Um período de tempo maior seria necessário para obter resultados mais precisos. O CCR Sul gostaria de salientar a ausência de dados científicos actualizados por parte do CIEM que contrariem as afirmações contidas no documento da CE nomeadamente que os desembarques de espécies de alto mar aumentaram nos últimos anos (ver Anexo1)

2 É NECESSÁRIO OLHAR COM ATENÇÃO PARA AS CAPTURAS DAS FROTAS E OS TAC NA ÁREA ABRANGIDA PELO CCR SUL? 3. Regulamento-quadro O regime de acesso à pesca de alto mar entrou em vigor em O regulamento introduziu TAC para algumas espécies, um regime de licença, melhoramentos específicos no que diz respeito ao controlo, e um regime de recolha de dados científicos. Medidas adicionais foram implementadas para completar este regime de acesso. Algumas destas medidas foram claramente listadas e identificadas no documento de revisão da CE. Outras medidas estão ausentes: - Protecção dos Ecossistemas Marinhos Vulneráveis (Regulamento CE n 1568/2005) - Zonas fechadas para a protecção do olho-de-vidro laranja (Regulamento CE n 2270/2004) - Zona de protecção especial para a população reprodutora de maruca azul (Regulamento CE n 43/2009) - Proibição de redes de emalhar de fundo abaixo dos 200m de profundidade (Regulamento CE n 43/2009) - TAC zero para o olho-de-vidro laranja e tubarão de alto mar em 2010 (Regulamento CE n 1359/2008) O CCR Sul considera também que a CE não tem dado a devida importância ao impacto destas medidas apesar de serem positivas. 4. Optimização do regime de gestão Conhecimentos científicos & recolha de dados Sobre os dados e a recolha de informação quantitativa, o CCR Sul partilha a opinião da Comissão relativamente à importância das melhorias implementadas: reforço da colaboração entre cientistas e profissionais e esforço pedagógico em termos de identificação precisa das espécies. O CCR Sul gostaria de realçar a importância crucial da transparência quanto às frotas e dados nacionais. [Só é possível alcançar esta transparência se as medidas tomadas forem adaptadas ao tipo de pesca.]

3 Estes dados devem ser especificados de acordo com as espécies alvo, zonas, artes de pescas, e características da frota. Os dados utilizados para estabelecer o nível de exploração devem ser determinados consoante as zonas e artes. O CCR Sul sugere também que a recolha de dados seja efectuada em toneladas, tendo em conta o número e o tamanho dos peixes. O esforço de pesca e a capacidade devem também ser referidos. Actualização dos Anexos I e II do regulamento 2347/2002 As directrizes internacionais UN FAO sobre a Gestão da Pesca de Alto Mar são uma base sólida para elaborar o regime de gestão da pesca de alto mar da UE. Estas directrizes podem ser utilizadas como referência para actualizar os Anexos I e II do regulamento 2347/2002. Avaliação ambiental da pesca de alto mar Para garantir a coerência do regime de gestão da UE e melhorar a protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis, a resolução da Assembleia Geral das NU de 2009 sobre a pesca de fundo em alto mar deve também aplicar-se às águas da UE, ao NEAFC e a outras zonas de alto mar porque estas pescarias abrangem muitas vezes os mesmos stocks. Esta resolução 64/72 apela ao estado da bandeira e às ORGP para "garantir que os navios não pratiquem a pesca de fundo" no alto mar sem que seja avaliado o impacto das actividades individuais da pesca de fundo com base nas directrizes FAO, e as pescarias devem ser geridas para prevenir impactos negativos nos ecossistemas marinhos vulneráveis. O CCR Sul concorda com a proibição (real) de implementar novas pescarias, excepto se existirem dados que comprovam a respectiva sustentabilidade, e se o impacto nas pescarias existentes for nulo. No que diz respeito às pescarias existentes, o CCR Sul sugere que os impactos nos Ecossistemas Marinhos Vulneráveis sejam limitados através de zonas fechadas e outras medidas técnicas durante a actividade de pesca. O CCR Sul apoia também uma selecção optimizada das artes para minimizar as rejeições e recuperar as artes perdidas.

4 Organização do mercado e regras O CCR Sul solicita que sejam implementadas medidas orientadas para o mercado incluindo uma traçabilidade optimizada, um controlo das importações dos países terceiros, e um controlo da produção da comunidade. Definição da pesca de alto mar A definição da pesca de alto mar deve ter por base uma lista de espécies alvo. As características biológicas e a distribuição especial, de acordo com as directrizes FAO, devem ser a chave para estabelecer esta lista. Actualmente, o regime de acesso tem por base a lista do anexo I e os níveis de referência das capturas por ano ou saída de pesca. Qualquer alteração nesta lista terá implicações no disposto no regime de acesso e terá de ser analisada ao pormenor. PENSAR NA REMOÇÃO DA LISTA DE ESPÉCIES DO ANEXO II? Proposta : o Galeus melastomus o Greater Forkbeard (NOME CIENTÍFICO???) Em primeiro lugar, esta lista pode ser actualizada. Algumas espécies deveriam ser removidas. Por exemplo, a abrótea do alto deve ser removida da lista. De facto a abrótea do alto é capturada entre 50m e 800m de profundidade pelas frotas que não têm por objectivo as espécies de alto mar. As características biológicas são semelhantes às da plataforma continental. Outras espécies deveriam ser adicionadas. Contudo os níveis de referência deveriam ser actualizados, nomeadamente o nível de capturas por saída de pesca (acima dos actuais 100 Kg). Em segundo lugar, é necessário ter em consideração as espécies alvo, as capturas acidentais, as artes e a distribuição especial das frotas para identificar as frotas de alto mar, como indicado na definição das pescarias proposta no Anexo II do documento da CE. Desta forma, o regime abrangerá frotas especializadas e medidas que deverão ser adaptadas às características das frotas. Revisão das pescarias de alto mar abrangidas pelo CCR Sul O CCR Sul salvaguarda a distinção proposta sobre as pescarias do alto mar no Anexo II do documento CE e gostaria de dar o seu contributo sobre possíveis melhoramentos de gestão pescaria por pescaria.

5 o Revisão do regime sobre a pesca com redes de arrasto de fundo : As frotas de alto mar com redes de arrasto de fundo praticam uma pesca selectiva de espécies agregadas e uma pesca mista durante o ano, de acordo com a época e as zonas. Por consequência é necessário regular ao mesmo tempo as limitações dos TAC, a capacidade das frotas (licenças especiais) e a limitação do esforço. Como é evidente, os TAC, a capacidade das frotas e os níveis de esforço devem estar interligados. É necessário mais transparência na definição e no cumprimento dos níveis de esforço. Medidas para proteger os EMV são exigidas pela NEAFC e UNAG. Zonas fechadas para a pesca de fundo já foram estabelecidas nas águas CE. Este processo deve continuar. A localização dos EMV deve ser melhorada e incluir o sector da pesca em colaboração com cientistas para estabelecer zonas fechadas para proteger os EMV, estabelecer reservas para as espécies comerciais e não comerciais, e permitir uma pesca economicamente sustentável, que pode ter lugar em zonas próximas das zonas fechadas. A protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis é uma preocupação comum para todos os agentes sociais. A melhor maneira para garantir uma protecção efectiva é fechar as zonas à actividade humana mas este tipo de medida, devido aos respectivos impactos socioeconómicos, não pode ser tomado só na base do princípio da prevenção. As consequências das zonas fechadas na actividade humana, económica e social devem ser discriminadas. Os critérios e definições das zonas fechadas devem ter por base dados documentados por cientistas e profissionais a fim de alcançar as condições de sustentabilidade inerentes à protecção dos EMV e às actividades económicas e sociais. DEVE SER VERIFICADO POR JESUS LOURIDO SE A FROTA ESPANHOLA FOR CONCERNIDA o As pescarias portuguesas com palangre na subárea X do CIEM (continental) e zona CECAF 34 (Madeira) que pescam o peixe-espada preto Esta pescaria deve ser gerida pelo esforço pelos seguintes motivos: - Elevada selectividade; - Pescaria artesanal histórica e tradicional; - Pescaria centenária (no caso da Madeira), o recurso de pesca mais importante da região. Grande importância social e cultural; - Nível de captura reduzido nos primeiros tempos do ciclo de vida. - Nenhum contacto directo da arte de pesca com o fundo (Palangre flutuante da Madeira);

6 - Menos capturas nos primeiros tempos do ciclo de vida (As capturas da Madeira são compostas quase exclusivamente por adultos) ; - Impactos ambientais reduzidos no fundo marinho; - Pescaria realizada em zonas com uma presença reduzida de tubarões de alto mar; - Número limitado de frotas, 17 em Portugal Continental, e cerca de 34 na Madeira (94% abaixo de 18m) ; - Estabilidade das capturas acidentais dos tubarões de alto mar com um rácio reduzido de capturas de tubarão de alto mar. (PARA SER CONSISTENTE COM O ÚLTIMO PARECER DO CCR SUL SOBRE UM ESTUDO CIENTÍFICO PARA REDUZIR AS CAPTURAS ACIDENTAIS DO TUBARÃO DE ALTO MAR); - Grande impacto socio-económico; A gestão do esforço deve abranger a limitação do número de frotas de pesca (licenças de pesca) que corresponde a um esforço sustentável aplicado nas espécies alvo e nas espécies de capturas acidentais. o Açores e norte dos Açores Como referido no documento CE, a pesca de profundidade dos Açores é uma pesca multi-espécies, com uma importância especial da pesca de linha de mão. O ecossistema engloba montes submarinos com operações de pesca que ocorrem em todas as zonas disponíveis. Desta forma, as pescarias devem ser geridas por um sistema misto do esforço e TAC (devido às múltiplas espécies e características das artes) com uma forte resolução espacial (considerando cada ilha ou grupo de ilhas e cada monte submarino ou grupo de montes submarinos como uma unidade de gestão). Contudo, esta opção exige um controlo reforçado, um sistema de monitorização e um sistema de co-gestão regional. Uma rede de AMP (ou um sistema similar de zonas temporariamente fechadas) deve também ser implementada juntamente com o MAR, como em algumas zonas a norte dos Açores abrangidas pela NEAFC. Controlo & monitorização : adaptar o regime de acesso ao regulamento-quadro sobre o controlo e implementação efectiva A SER DESENVOLVIDO PELOS MEMBROS DO GRUPOI

7 Anexo 1 Desembarques de espécies de alto mar nas zonas principais CIEM (os desembarques dos países terceiros estão incluídos). Fonte: Parecer CIEM 2008, Livro 9 Espécies MARUCA AZUL Total MARUCA AZUL PEIXE-ESPADA PRETO Total PEIXE-ESPADA PRETO OLHO DE VIDROLARANJA Total OLHO DE VIDRO LARANJA LAGARTIXA DA ROCHA [Os dados preliminários de 2007 não incluem os desembarques de Espanha ] Total LAGARTIXA DA ROCHA AS QUATRO ESPÉCIES Zonas CIEM Outras Nota Parte da Islândia > 90% dos desembarques Desembarques de Espanha não incluídos em 2007

2. Tendências nas frotas e desembarques

2. Tendências nas frotas e desembarques Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar * O CCR Sul agradece à Comissão Europeia a oportunidade que lhe foi dada para dar o seu contributo

Leia mais

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 REGULAMENTO (CE) N. o 734/2008 DO CONSELHO de 15 de Julho de 2008 relativo à protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis do alto mar contra os efeitos

Leia mais

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA Coordenação Técnica. Outubro de 2013 BALANÇO DE ETAPA EM METADE DO PROJECTO GEPETO Outubro de 2013 1. RECAPITULAÇÃO DOS OBJECTIVOS 2. ROTEIRO 3. PRINCIPAIS ACTIVIDADES

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 L 150/12 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 REGULAMENTO (CE) N.º 812/2004 DO CONSELHO de 26.4.2004 que estabelece medidas relativas às capturas acidentais de cetáceos no exercício das actividades

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Pescas. 30 de Abril de 2003 PE 325.169/1-13 ALTERAÇÕES 1-13

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Pescas. 30 de Abril de 2003 PE 325.169/1-13 ALTERAÇÕES 1-13 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão das Pescas 2004 30 de Abril de 2003 PE 325.169/1-13 ALTERAÇÕES 1-13 Projecto de relatório (PE 325.169) Giorgio Lisi sobre um plano de acção comunitário para a conservação

Leia mais

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2014 COM(2014) 133 final ANNEXES 1 to 2 ANEXOS da Proposta de decisão do Conselho relativa à posição a adotar, em nome da União Europeia, na Comissão para a Conservação

Leia mais

Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas

Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas Marta Chantal Ribeiro Conferência de Lançamento do Livro Políticas Públicas do Mar, 23 de Novembro de 2010 Direito do Mar - Conceito:

Leia mais

Reunião do Grupo de Trabalho das Zonas CIEM VIII e IX Paris, 21 de Outubro de 2010

Reunião do Grupo de Trabalho das Zonas CIEM VIII e IX Paris, 21 de Outubro de 2010 Reunião do Grupo de Trabalho das Zonas CIEM VIII e IX Paris, 21 de Outubro de 2010 O Presidente do Grupo recebe os participantes. A ordem do dia e as conclusões da última reunião são adoptadas. 1. Ponto

Leia mais

EN 1 EN. Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO

EN 1 EN. Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO EN EN Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO O Conselho, nas suas conclusões de Junho de 2004 para promover métodos de pesca mais respeitadores do ambiente,

Leia mais

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN Trata-se de uma adenda à primeira edição do Manual sobre a aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho, de 29 de Setembro

Leia mais

CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS

CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS HALIÊUTICOS A conservação dos recursos haliêuticos envolve a necessidade de assegurar uma exploração sustentável desses mesmos recursos e a viabilidade a longo prazo do setor.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 17.10.2007 COM(2007) 604 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES relativa

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

Posição dos Profissionais dos Departamentos Ultramarinos Franceses relativamente à reforma da PCP

Posição dos Profissionais dos Departamentos Ultramarinos Franceses relativamente à reforma da PCP Posição dos Profissionais dos Departamentos Ultramarinos Franceses relativamente à reforma da PCP Observação preliminar Este documento, elaborado sob a égide do Comité National des Pêches Maritimes et

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004R0639 PT 05.12.2008 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 639/2004 DO CONSELHO de30 de Março de 2004 relativo à gestão

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Assembleia Nacional Resolução n.º 4/06 de 22 de Fevereiro Considerando que à luz das disposições da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 10 de Dezembro de 1982,

Leia mais

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão Aquicultura Breves Notas e uma Sugestão Âmbito da Apresentação Aquicultura em Portugal Moluscicultura (Cultivo Ameijoas e Ostras) Piscicultura Marinha (Cultivo Peixes - Robalo, Dourada, Rodovalho) Piscicultura

Leia mais

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro Permitam-me uma primeira palavra para agradecer à Ordem dos Revisores Oficiais de Contas pelo amável convite que

Leia mais

A excelência é o nosso objectivo. E o seu?

A excelência é o nosso objectivo. E o seu? A excelência é o nosso objectivo. E o seu? Quem somos A experiência ao serviço do seu negócio A actuar no mercado desde 1977, a Petrochem Produtos Químicos de Portugal especializou-se no fabrico de soluções

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

REGULAMENTOS. Jornal Oficial da União Europeia L 343/1. (Actos aprovados ao abrigo dos Tratados CE/Euratom cuja publicação é obrigatória)

REGULAMENTOS. Jornal Oficial da União Europeia L 343/1. (Actos aprovados ao abrigo dos Tratados CE/Euratom cuja publicação é obrigatória) 22.12.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 343/1 I (Actos aprovados ao abrigo dos Tratados CE/Euratom cuja publicação é obrigatória) REGULAMENTOS REGULAMENTO (CE) N. o 1224/2009 do Conselho de 20 de

Leia mais

Estratégia de Recursos Marinhos Questionário de consulta

Estratégia de Recursos Marinhos Questionário de consulta Estratégia de Recursos Marinhos Questionário de consulta Department of the Environment Environment Division Howard Davis Farm Trinity, JE3 5JP Economic Development Department Cyril Le Marquand House The

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 PT 25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 DECISÃO DA COMISSÃO de 18 de Novembro de 2011 que estabelece regras e métodos de cálculo para verificar o cumprimento dos objectivos estabelecidos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DE GRIPE A (H1N1) 1. INTRODUÇÃO Por três vezes no século XX (1918-1919; 1957-1958; 1968-1969) a gripe manifestou-se como uma pandemia, quando um novo subtipo de vírus

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

OCEAN2012. Dia da Dependência de Pescado - Portugal

OCEAN2012. Dia da Dependência de Pescado - Portugal OCEAN2012 Dia da Dependência de Pescado - Portugal A Europa está tão dependente de produtos da pesca capturados fora das suas águas que, neste momento, cerca de metade do pescado que consomem é proveniente

Leia mais

Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu dos resíduos

Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu dos resíduos Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu Documento final conforme adoptado pelo Comité Executivo, 25-26/05/1998 Aspectos fundamentais para uma posição

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 1.1 IMPORTÂNCIA DAS PESCAS A importância das pescas num País não se pode medir apenas pela sua contribuição para o PIB (cerca de 1.5%), mas deve atender ao facto de serem os recursos

Leia mais

Quem deve ter o. direito de pescar. Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond

Quem deve ter o. direito de pescar. Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond Quem deve ter o direito de pescar Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond DEMASIADAS EMBARCAÇÕES Photo Håkan Lindgren / SCANPIX CONFERIR ACESSO À À PESCA A A QUEM POUCOS GANHOS

Leia mais

Ficha de Gestão de Stocks

Ficha de Gestão de Stocks Ficha de Gestão de Stocks Espécie Área(s) Pescada (Merluccius merluccius) VIIIc e IXa (Southern stock) 1. Mapa de distribuição do stock A área de distribuição do stock sul de Pescada inclui as águas da

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, xxx SEC (2010) xxx final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ONU - ACÇÃO RSE E OS DIREITOS HUMANOS Lisboa, 13 de NOVEMBRO 2012 ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ODETE SEVERINO UE: Responsabilidade Social das Empresas 2002 COM - RSE: um

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

3) Concorda com a necessidade de agir? Totalmente Na Parcialmente Pouco De forma

3) Concorda com a necessidade de agir? Totalmente Na Parcialmente Pouco De forma ASSOCIAÇÃO DOS ARMADORES DAS PESCAS INDUSTRIAIS ASSOCIATION OF PORTUGUESE INDUSTRIAL FISHING-BOAT OWNERS Edifício Vasco da Gama, Bloco C, Piso-1 Rua General Gomes de Araújo 1399-055 LISBOA Telefones: 213

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2011-2014

Grandes Opções do Plano 2011-2014 Grandes Opções do Plano 2011-2014 Plano Plurianual de Investimentos 2011-2014 Apesar da apresentação efectuada pelo Grupo Águas de Portugal no segundo semestre de 2009 das possibilidades de constituição

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

APRECIAÇÃO PARLAMENTAR N.º 32/VIII

APRECIAÇÃO PARLAMENTAR N.º 32/VIII APRECIAÇÃO PARLAMENTAR N.º 32/VIII DECRETO-LEI N.º 242/2000, DE 26 DE SETEMBRO, QUE ALTERA O DECRETO-LEI N.º 72/91, DE 8 DE FEVEREIRO (REGULA A AUITORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO, O FABRICO, A COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho Carlos Bastos Índice 1 - Introdução 2- As actividades marítimas como prática destrutiva do ecossistema marinho 2.1 - Como se caracteriza a

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Dossiê de Preços de Transferência

Dossiê de Preços de Transferência Dossiê de Preços de Transferência Fiscalidade 2011 3 Índice Pág. 1. Preços de Transferência 03 1.1 Conceito 03 1.2 O que são Preços de Transferência 03 1.3 Porquê os Preços de Transferência? 03 1.4 Entidades

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO NotíciasdoDireito Janeiro a Março de 2012 SECTOR BANCÁRIO E FINANCEIRO MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO A Lei n.º 4/2012, de 11 de Janeiro, altera a Lei n.º 63-A/2008,

Leia mais

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida

Madeira. Bens e serviços. Açores. Taxa Taxa intermédia. Observações / Legislação reduzida F i s c a l i d a d e TOC 86 - Maio 2007 Para determinar a taxa aplicável nas operações relacionadas com as Regiões Autónomas são chamados os critérios constantes do artigo 6. do Código do IVA, por força

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) Introdução A presente Política

Leia mais

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Senhora Ministra das Finanças, Senhores Representantes Diplomáticos, Senhores

Leia mais

WWF Mediterrânio PROJECTO CO-PESCA. Cenários para um processo de cogestão das pescas no eixo Peniche-Nazaré. 11 de Fevereiro de 2015 ESTM, Peniche

WWF Mediterrânio PROJECTO CO-PESCA. Cenários para um processo de cogestão das pescas no eixo Peniche-Nazaré. 11 de Fevereiro de 2015 ESTM, Peniche WWF Mediterrânio PROJECTO CO-PESCA Cenários para um processo de cogestão das pescas no eixo Peniche-Nazaré 11 de Fevereiro de 2015 ESTM, Peniche CO-GESTÃO COMO SOLUÇÃO? Co-gestão é ( ) um termo que geralmente

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA. Projecto de Norma Regulamentar - Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA. Projecto de Norma Regulamentar - Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 4/2010 Projecto de Norma Regulamentar - Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões 26 de Maio de 2010 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO O

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

PRESS info. Vantajoso para a ecologia e economia Ecolution by Scania. P10902PT / Per-Erik Nordström 22 de Setembro de 2010

PRESS info. Vantajoso para a ecologia e economia Ecolution by Scania. P10902PT / Per-Erik Nordström 22 de Setembro de 2010 PRESS info P10902PT / Per-Erik Nordström 22 de Setembro de 2010 Vantajoso para a ecologia e economia Ecolution by Scania Ecolution by Scania é uma nova linha de produtos e serviços verdes com que os operadores

Leia mais

(85/577/CEE) Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 100º,

(85/577/CEE) Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 100º, DIRECTIVA DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 1985 relativa à protecção dos consumidores no caso de contratos negociados fora dos estabelecimentos comerciais (85/577/CEE) O CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS,

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES 1-9. Comissão dos Assuntos Jurídicos 2008/2247(INI) 26.11.2008. Projecto de relatório Bert Doorn. PE416.

PARLAMENTO EUROPEU ALTERAÇÕES 1-9. Comissão dos Assuntos Jurídicos 2008/2247(INI) 26.11.2008. Projecto de relatório Bert Doorn. PE416. PARLAMENTO EUROPEU 2004 Comissão dos Assuntos Jurídicos 2009 2008/2247(INI) 26.11.2008 ALTERAÇÕES 1-9 Projecto de relatório Bert Doorn (PE414.935v01-00) sobre a aplicação da Directiva 2006/43/CE, relativa

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Programa de Monitorização da Lagoa de Óbidos e do Emissário Submarino da Foz do Arelho

Programa de Monitorização da Lagoa de Óbidos e do Emissário Submarino da Foz do Arelho Programa de Monitorização da Lagoa de Óbidos e do Emissário Submarino da Foz do Arelho Sistema de Informação Geográfica (SIG) para a Lagoa de Óbidos e Emissário Submarino da Foz do Arelho INDÍCE 1. SISTEMA

Leia mais

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho Pesca Sustentável e Responsável Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho O que é Sustentabilidade? Capacidade de persistir no longo prazo. Característica, p.ex.,

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

OS MAIORES RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO

OS MAIORES RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO OS RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO CRESCIMENTO GLOBAL DO NEGÓCIO Com a crescente globalização e o crescimento acelerado das economias emergentes, as empresas, independentemente da sua dimensão, estão em

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Região Autónoma dos Açores Governo Regional. Um Contributo Açoriano para a REFORMA DA POLITICA COMUM DE PESCAS

Região Autónoma dos Açores Governo Regional. Um Contributo Açoriano para a REFORMA DA POLITICA COMUM DE PESCAS Um Contributo Açoriano para a REFORMA DA POLITICA COMUM DE PESCAS DEZEMBRO DE 2009 1. Introdução O dos Açores considera que a apresentação do Livro Verde sobre a reforma da política comum de pescas, pela

Leia mais

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA O que é o ALD ProFleet2? É um serviço de dados que utiliza um sistema telemático avançado de gestão de frotas e que lhe permite administrar, localizar em

Leia mais