CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL. Eduardo Azambuja

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL. Eduardo Azambuja"

Transcrição

1 CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL Eduardo Azambuja

2 Por que as obras viárias tanto se relacionam com a geologia? Obras deitadas; Escala do emprego de materiais naturais; Distância de transporte; Estabilidade e segurança.

3 ORGANIZAÇÃO DAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL Escudo Granitóides, metamórficas e fossas com rochas sedimentares Bacia Sedimentar arenitos e pelitos Planalto de Derrames basaltos e riodacitos Planície Costeira sedimentos recentes

4 Seção das Províncias Geológicas RS

5 ORGANIZAÇÃO DAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL Escudo Granitóides, metamórficas e fossas sedimentares Bacia Sedimentar arenitos e pelitos Planalto de Derrames basaltos e riodacitos Planície Costeira sedimentos recentes

6 Seção das Províncias Geológicas SC Planalto de derrames Bacia sedimentar Escudo

7 ORGANIZAÇÃO DAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL Escudo Granitóides, metamórficas e fossas sedimentares Bacia Sedimentar arenitos e pelitos Planalto de Derrames basaltos e riodacitos Planície Costeira sedimentos recentes

8 Seção das Províncias Geológicas PR Planalto de derrames Bacia sedimentar Escudo

9 Estado Físico Natureza do movimento Rotacional Planar Sólida Translacional Basculamento Queda Viscosa Fluida Escoamentos Fluxos

10 Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo BR116-PR: solo residual de xisto São típicos de solos homogêneos, sendo mais comuns em aterros. Em solos residuais, ocorrem quando as estruturas reliquiares foram apagadas pelo intemperismo avançado.

11 BR376/PR residual de gnaisse RST110 aterro SC456 residual de basalto BR376/PR aterro

12 BR101 SC: solo residual de gnaisse BR-101/SC terraceamento (residual de gnaisse) Soluções que reduzem momentos instabilizantes.

13 Soluções de drenagem que aumentam a resistência do solo. BR116-SC: solo residual de basalto BR116-SC: colúvio de lamito

14 RS486: colúvio espesso de basaltos Soluções de contrapeso BR116/PR: solo residual de anfibolito

15 BR282-SC: solo residual de basalto BR116-PR: solo residual de xisto BR376-PR: solo residual de gnaisse

16 RS122: solo residual raso de basaltos Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo Movimentos com drenagem paralela: colúvios rasos ou residuais incipientes.

17 Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo RS486: solo residual raso de basaltos Grampeamento e TBE s

18 Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo BR-376: solo residual de gnaisse

19 Saprólito de xistos Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo BR-116/RS: Basaltos

20 DESLIZAMENTO DE BLOCOS SEGUNDO AS JUNTAS DE ALÍVIO

21 Pinagem de estacas raiz BR-116/RS - basalto BR-101/SC - gnaisses Grampeamento RS riodacitos Falso túnel BR-277/PR - granitóides

22 Atirantamento, grampeamento, gunitagem BR-376/PR gnaisse BR-101/SC fronteira gnaisse/granito

23 Camadas com resistência ao intemperismo distintas Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo SC arenitos BR-282/SC - gnaisses

24 BACIA SEDIMENTAR ASSOCIAÇÃO DA FORMAÇÃO BOTUCATU/PIRAMBOIA COM A FORMAÇÃO RIO DO RASTO TALUDE ANTIGO DE CORTE SUBVERTICAL (VÁRIOS AO LONGO DE 5KM) EMPASTILHAMENTO DOS LAMITOS E QUEDA DOS ARENITOS EVENTOS SISTEMÁTICOS HÁ MAIS DE 20 ANOS SOLUÇÕES: GUNITAGEM, GIGANTES, GRAMPEAMENTO, REDE GUARDA PEDRAS, RETALUDAMENTO COM TBE

25 Km Km Empastilhamento dos pelitos

26 BR-116/SC KM 104 AO KM 110 SERRA DO ESPIGÃO h>70m h>35m Km Blocos até 24m³ (50ton)

27 BR-116/SC KM 104 AO KM 110 SERRA DO ESPIGÃO

28 Rede guarda-pedras e rocha grampeada com face em tela metálica KM N

29 Rocha grampeada com face em tela metálica e concreto projetado + gigantes KM N

30 Rocha grampeada com face em tela metálica e concreto projetado e tirantes KM N

31 Rocha grampeada com face em tela metálica e concreto projetado + retaludamento (sul) BR-116/SC KM N/S

32 BR282/SC

33 Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo Ocorrem em saibros de granitóides e migmatitos.

34 Barreiras flexíveis Barreiras rígidas

35 GRANITO E MIGMATITO BR-101 KM ESCORREGAMENTO TRANSLACIONAL DE BLOCOS E ROLAMENTO DE MATACÕES SOLUÇÃO: GRAMPEAMENTO COM REVESTIMENTO EM TELA METÁLICA E TBE

36 Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo Escoamento de solos coluviais: Movimentos lentos e de estabilização difícil

37 BR116-RS: aterro sobre colúvio

38 COLÚVIO DE GRANITOS E GNAISSES BR-101 KM2+400 REATIVAÇÃO DE MOVIMENTO ROTACIONAL RETROGRESSIVO, EVOLUINDO PARA TRANSLACIONAL SOLUÇÃO: MURO DE GRAVIDADE EM ENROCAMENTO, CHAVE GRANULAR, DRENAGEM SUPERFICIAL, DHP.

39

40

41

42

43 COLÚVIO DE DEPÓSITOS DO BOTUCATU E RIO DO RASTO BR-116 KM107 RASTEJO COM EVOLUÇÃO PARA RUPTURA ROTACIONAL REGRESSIVA SOLUÇÃO: DHP, POÇOS DE DRENAGEM (SHAFTS), DRENAGEM SUPERFICIAL, CORTINA ATIRANTADA E TBE.

44 Drenagem superficial e profunda

45 Movimento Rotacional Movimento Planar Movimento Translacional Movimento de Basculamento Queda Escoamento Fluxo Ocorrem em talvegues relativamente íngremes cujas margens são acometidas de movimentos planares

46 Luis Alves (2008) Timbé do Sul (1995) São Vendelino (2000) Morretes (2011)

47 Sabo Works RS486 Rota do Sol

48 Obrigado.

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Ciclo de Palestras 2010 DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Tipos de Escorregamentos de Encostas Soluções de Estabilização Ciclo de Palestras 2010

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

GEOLOGIA APLICADA ÀS OBRAS VIÁRIAS

GEOLOGIA APLICADA ÀS OBRAS VIÁRIAS GEOLOGIA APLICADA ÀS OBRAS VIÁRIAS Obras viárias: rodovias, ferrovias e dutovias. Obras de grande extensão que percorrem mais de um ambiente geológico e muitas vezes transpondo relevos adversos. Precisam

Leia mais

DESLIZAMENTOS DE TERRA : estudos de casos e cuidados durante as ações de salvamento

DESLIZAMENTOS DE TERRA : estudos de casos e cuidados durante as ações de salvamento DESLIZAMENTOS DE TERRA : estudos de casos e cuidados durante as ações de salvamento Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil, UFRGS bressani@ufrgs.br 1. INTRODUÇÃO situação urbana, escavações,

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

Muros de de gravidade

Muros de de gravidade Muros de gravidade Muros de de gravidade Muros Muros de de flexão; flexão; Muros Muros de de alvenaria; Muros Muros de de solo solo estabilizado; Muros Muros celulares; Muros Muros de de solo solo reforçado.

Leia mais

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto Faiçal Massad e Milton Assis Kanji Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Integrantes da missão: Renato Lima Lázaro V. Zuquette Eduardo Mantovani

Leia mais

Evolução do projeto do Lote 2 da Rodovia RS471/BR153 com base em condicionantes geológico-geotécnicos

Evolução do projeto do Lote 2 da Rodovia RS471/BR153 com base em condicionantes geológico-geotécnicos Evolução do projeto do Lote 2 da Rodovia RS471/BR153 com base em condicionantes geológico-geotécnicos Flórez-Gálvez, Jorge Hernán Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, jhflorezg@gmail.com

Leia mais

R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S

R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT SUPERINTENDENCIA REGIONAL NO ESTADO DE

Leia mais

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Mesa Redonda Recuperação de áreas Degradadas por Catástrofes e Reconstrução Emergencial A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Fernando A. M. Marinho

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes

Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Deslizamentos em SC - causas, consequências, medidas emergenciais e ações futuras Joinville SC 12/02/2009 Desastre do Vale do Itajaí-Açu: uma visão geotécnica dos acidentes Luiz A. Bressani, PhD Departamento

Leia mais

CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA. José Maria de Camargo Barros IPT

CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA. José Maria de Camargo Barros IPT CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA José Maria de Camargo Barros IPT 2 Sumário Argilas cinza-esverdeadas de São Paulo x Formação Guabirotuba Solos residuais de São Paulo x Solos residuais de Curitiba

Leia mais

SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES

SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTAS SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 COMPONENTES ESPECÍFICOS 2.0 CRITÉRIOS DE

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24 Profº André Tomasini Brasil: estrutura Geológica e Relevo BRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental (Alfred Wegener) Pangea. Teoria da Tectônica

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012 Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos 2º OFICINA: SOLUÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO CLÁUDIA PAIVA DATA: 11/10/2012

Leia mais

OS MORROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

OS MORROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARTE A OS MORROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE CAPÍTULO 1 Características Ambientais CAPÍTULO 2 Padrão Urbanístico de Ocupação dos Morros 3 BACIA do RIO BEBERIBE ocupação recente vista aérea A ocupação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política Desastre de 2008 no vale do Itajaí Água, gente e política FUNDAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA DO VALE DO ITAJAÍ CONSELHO EDITORIAL Beate Frank Ernesto Jacob Keim Julio Cesar Refosco Lourdes Maria Pereira Sedlacek

Leia mais

Soluções de contenções para o projeto da Nova Subida da Serra de Petrópolis (BR-040)

Soluções de contenções para o projeto da Nova Subida da Serra de Petrópolis (BR-040) Soluções de contenções para o projeto da Nova Subida da Serra de Petrópolis (BR-040) Celso Felipe Bora Intertechne Consultores S.A, Curitiba, Brasil, cfb@intertechne.com.br Marcelo Miqueletto Intertechne

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS

CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS NOSSA EMPRESA 01MISSÃO Produzir soluções de Engenharia Geotécnica para todos os agentes da Construção Civil. 02VISÃO Tornar-se referência como uma consultoria de excelência

Leia mais

CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS

CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS Monique Lacerda de V. Sobral Engenheira Civil Maccaferri do Brasil monique@maccaferri.com.br Paulo Cesar Belesso

Leia mais

SOLUÇÕES TRADICIONAIS E EXPERIÊNCIAS RECENTES EM CONTENÇÃO DE ENCOSTAS NA GEO-RIO

SOLUÇÕES TRADICIONAIS E EXPERIÊNCIAS RECENTES EM CONTENÇÃO DE ENCOSTAS NA GEO-RIO SOLUÇÕES TRADICIONAIS E EXPERIÊNCIAS RECENTES EM CONTENÇÃO DE ENCOSTAS NA GEO-RIO Helio G. de Brito Filho Fundação Instituto de Geotécnica - GEORIO Luiz Otávio Martins Vieira Fundação Instituto de Geotécnica

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências. Capítulo 11:

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências. Capítulo 11: Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Exatas Departamento de Geociências Geologia Capítulo 11: Movimento de Massa Clauzionor Lima da Silva Movimento de Massa Inclui todos os processos

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Ciências

PROVA BIMESTRAL Ciências 7 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL Ciências Escola: Nome: Turma: n o : 1. Preencha as lacunas do esquema com as seguintes legendas: Planalto ocidental, Depressão periférica, Serra do Mar e Planície litorânea.

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra I - OS SOLOS SOB O PONTO DE VISTA DA ENGENHARIA CIVIL 1) Definição de solo, sob o ponto de vista da Engenharia A palavra solo, na expressão Mecânica dos Solos, não tem um significado intuitivo imediato.

Leia mais

MÁRCIO EDUARDO FERNANDES OLIVEIRA

MÁRCIO EDUARDO FERNANDES OLIVEIRA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ACADEMIA MRS MÁRCIO EDUARDO FERNANDES OLIVEIRA METODOLOGIA PARA CADASTRO DE CORTES E ATERROS Rio de Janeiro 2006

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin)

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin) Fatores de formação do solo J. Miguel Reichert, PhD (Prof. Ricardo Dalmolin) 2. Solos florestais e desenvolvimento de vegetação O solo como corpo natural Fatores e processos de formação do solo Propriedades

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

NOÇÕES DE ESTABILIDADE DE TALUDES E CONTENÇÕES

NOÇÕES DE ESTABILIDADE DE TALUDES E CONTENÇÕES NOÇÕES DE ESTABILIDADE DE TALUDES E CONTENÇÕES Profa. Andréa Sell Dyminski, Dr.Eng. asdymi@ufpr.br 1. Introdução Talude pode ser definido como uma superfície inclinada que delimita um maciço terroso ou

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

Eng Mauro Hernandez Lozano

Eng Mauro Hernandez Lozano 1. Problemas, Causas e Soluções 1.1. Trincas 1.1.1. Aterros em Seção Mista 1.1.2. Aterros sem Controle Tecnológico 1.1.3. Atrito Negativo 1.1.4. Rebaixamento do Lençol Freático 1.1.5. Elevação do Lençol

Leia mais

Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual

Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual 1 Emergências Chuvas Dezembro 2011/janeiro 2012 TABELA CONCESSÕES ANTT Atualização: 16/01/2012 09: 00 hs UF Rodovia/ Concessão Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual Jamapará próximo

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

CARGO: ENGENHARIA CIVIL II

CARGO: ENGENHARIA CIVIL II MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Geóg. Maria Carolina Villaça Gomes Mestranda em Geografia Física - USP Os desastres

Leia mais

b - Quanto a Origem de Seus Constituintes: (Genética - Formação Geológica)

b - Quanto a Origem de Seus Constituintes: (Genética - Formação Geológica) b - Quanto a Origem de Seus Constituintes: (Genética - Formação Geológica) Quando o solo, produto do processo de decomposição das rochas permanece no próprio local em que se deu o fenômeno, ele se chama

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

Estabilização dos taludes rochosos da RS/471

Estabilização dos taludes rochosos da RS/471 Estabilização dos taludes rochosos da RS/ Mezzomo, S. M. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, smmezzomo@yahoo.com.br Strauss, M. Azambuja Engenharia e Geotecnia Ltda., Porto

Leia mais

Conceitos sobre Estabilidade de Taludes. Fernando A. M. Marinho Escola Politécnica da USP

Conceitos sobre Estabilidade de Taludes. Fernando A. M. Marinho Escola Politécnica da USP Conceitos sobre Estabilidade de Taludes Fernando A. M. Marinho Escola Politécnica da USP 2010 Conceitos Básicos Mecanismos de ruptura U.S. Department of the Interior USGS Fact Sheet 2004-3072 U.S. Department

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição.

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição. Apresentação A disciplina Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra foi oferecida pela primeira vêz nesta Faculdade em 1996, logo após sua criação e aprovação nos orgãos colegiados. Foi criada com a intenção

Leia mais

20/12/2013 Rompimento de bueiros e da pista com excesso de águas

20/12/2013 Rompimento de bueiros e da pista com excesso de águas 1 Situação das rodovias Chuvas 2013/2014 Atualização: 27/06/2014 17h BA BR-235 Perímetro urbano da cidade de Uaua Km 230 20/12/2013 Rompimento de bueiros e da pista com excesso de águas Equipe no local

Leia mais

Localidade Data Ocorrência Providências

Localidade Data Ocorrência Providências 1 Emergências Chuvas Dezembro 2011/janeiro 2012 TABELA CONCESSÕES ANTT Atualização: 17/01/2012 09: 00 hs UF Rodovia/ Concessão Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual Jamapará próximo

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 8 TALUDES 1. Tipos de taludes Um talude é uma superfície de terreno exposta que faz um dado ângulo α com a horizontal. Tipos de taludes: Taludes naturais Taludes de escavação Taludes de aterro

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS. Material G1

GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS. Material G1 Centro Universitário Luterano de Palmas CEULP / ULBRA Departamento de Engenharia Civil - DEC Engenharia Civil GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS Material G1 Prof. Msc. Roberta Mara Capitulo 1 Noções de Geologia

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN

Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN Santos Jr., O. F. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN, olavo@ct.ufrn.br Costa, Y. D. J. Universidade Federal

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS.

UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS DE GEOPROCESSAMENTO NO LEVANTAMENTO DE CLASSES DE SOLOS. Luiz Antônio de Oliveira Andréa dos Santos Vieira Luiz Antônio de Oliveira. Professor adjunto. Laboratório de Climatologia

Leia mais

TechCon - Engenharia e Consultoria Ltda.

TechCon - Engenharia e Consultoria Ltda. Projetos e Consultoria em Estruturas Offshore Elaboração de Projetos de Içamento Offshore e Cursos conforme API A TechCon Engenharia e Consultoria elabora projetos e consultoria em içamento offshore para

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

Localidade Data Ocorrência Providências

Localidade Data Ocorrência Providências 1 Emergências Chuvas Dezembro 2011/janeiro 2012 TABELA CONCESSÕES ANTT Atualização: 19/01/2012 09: 00 hs UF Rodovia/ Concessão Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual próximo ao

Leia mais

ESTUDO DA ADESÃO NATA-ROCHA NA ANCORAGEM EM DOIS ARENITOS DA SERRA DO ESPIGÃO, SC

ESTUDO DA ADESÃO NATA-ROCHA NA ANCORAGEM EM DOIS ARENITOS DA SERRA DO ESPIGÃO, SC ESTUDO DA ADESÃO NATA-ROCHA NA ANCORAGEM EM DOIS ARENITOS DA SERRA DO ESPIGÃO, SC AUTORES: MSc. Cleber de Freitas Floriano (Eng. Azambuja Eng. e Prof. PUCRS) PhD. Luiz Antônio Bressani ( Prof. UFRGS) Eng.

Leia mais

Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme

Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme Carlos Williams Carrion Encibra Estudos e Projetos de Engenharia, São Paulo / SP, carloscarrion@uol.com.br

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - ETAPAS DE TRABALHO

1 - INTRODUÇÃO 2 - ETAPAS DE TRABALHO 14º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental MAPEAMENTO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO DA ESTRADA DE CASTELHANOS, ILHABELA (SP) Flávio Henrique Rodrigues 1 ; José Eduardo Zaine 2 Resumo O presente

Leia mais

RELATÓRIO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO

RELATÓRIO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO RELATÓRIO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO CLIENTE: BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL OBRA: LOCAL: IMPLANTAÇÃO DE EDIFÍCIO COMERCIAL RIO DE JANEIRO - RJ NOVEMBRO/2011 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ELEMENTOS

Leia mais

Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual

Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual 1 Emergências Chuvas Dezembro 2011/janeiro 2012 TABELA CONCESSÕES ANTT Atualização: 02/02/2012 09: 00 hs UF Rodovia/ Concessão Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual próximo ao

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ANÁLISE CUSTO-BENEFÍCIO DE OBRAS DE CONTENÇÃO GUILHERME URQUISA LEITE João Pessoa

Leia mais

Costa Fortuna Fundações e Construções

Costa Fortuna Fundações e Construções Apresentação 1 2 Costa Fortuna Costa Fortuna Fundações e Construções A Costa Fortuna Fundações e Construções Ltda opera no mercado de fundações e contenções e tem por filosofia o desenvolvimento empresarial

Leia mais

Tipos de intemperismo

Tipos de intemperismo INTEMPERISMO Conjunto de processos que transformam rochas maciças e tenazes em materiais friáveis solos DESEQUILÍBRIO Tipos de intemperismo Intemperismo físico (desintegração) Processos físicos fragmentação

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC

ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC 935 ESTUDO DE RISCO A ESCORREGAMENTOS EM ÁREA URBANA NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU, SC FERNANDO DA FONTOURA XAVIER 1 PAULO EGYDIO BERKENBROCK 2 1 TECGEO Sondagens Geofísicas. Rua Maria Popper, 120 Bairro Asilo

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE TALUDES EM MEIO URBANO

ESCORREGAMENTOS DE TALUDES EM MEIO URBANO 1 Diogo Decio Dalberto Fabio Varela Reis Lopes Regina Araújo Lima ESCORREGAMENTOS DE TALUDES EM MEIO URBANO SÃO PAULO 2 2013 Diogo Decio Dalberto Fabio Varela Reis Lopes Regina Araújo Lima ESCORREGAMENTOS

Leia mais

Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE. Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando - UNICAP

Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE. Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando - UNICAP Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Joaquim Teodoro Romão de Oliveira, D. Sc. Prof. Adjunto - UNICAP Eng. Civil - UFPE Pedro Eugenio Silva de Oliveira Engenheirando

Leia mais

O DESAFIO DA PAVIMENTAÇÃO DA BR 163

O DESAFIO DA PAVIMENTAÇÃO DA BR 163 O DESAFIO DA PAVIMENTAÇÃO DA BR 163 EXPEDIÇÃO DE RECONHECIMENTO Florianópolis, maio de 2006. 1 APRESENTAÇÃO No final de 2005, o Laboratório de Transporte da Universidade da Federal de Santa Catarina recebeu

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT DNIT MINISTERIO DOS TRANSPORTES CEP:02167-000-SãoPaulo - Tel(011)2954.2011 Fax: (011)2954.5394 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT RELATÓRIO DO PROJETO BÁSICO DE ESTABILIZAÇÃO DE

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes Aterros em Solos Reforçados (ASR) Princípio Geral: inclusão de reforços em uma massa de solo, conformando uma estrutura composta

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P19 CAMADA DE ROLAMENTO COM BLOCOS DE PARALELEPÍPEDO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. DESCRIÇÃO...3 3. MATERIAIS...3 4. EQUIPAMENTOS...4

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS Ciência: Geologia Estrutural Objetivo: determinar a distribuição das massas rochosas e das feições que as secionam Deformação de uma estrutura rochosa Mudança

Leia mais

Construção. Contenções

Construção. Contenções Construção 18 Contenções A engenharia oferece soluções de contenção variadas, adequadas para as situações mais diversas. Geologia do terreno, estudo de riscos, custo e cronograma da obra influenciam a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JORGE HENRIQUE FELIPE SANTANA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JORGE HENRIQUE FELIPE SANTANA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JORGE HENRIQUE FELIPE SANTANA ESTUDO COMPARATIVO DE VARIAÇÕES DE CONTENÇÃO DE TALUDES VERTICAIS FORMIGA - MG 2014 JORGE HENRIQUE FELIPE

Leia mais

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado Mapeamento de riscos associados a escorregamento em encostas nas áreas de assentamento precário do Município de Eldorado EDILSON PISSATO Março/2012 Associação dos Mineradores de Areia do Vale do Ribeira

Leia mais