PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE"

Transcrição

1 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Objetivo Garantir pelo menos cinco populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, aumentando a área e a conectividade dos hábitats dessas espécies e dirimindo os conflitos socioambientais nas áreas de ocorrência, até Meta 1 Programa de conectividade de áreas para estabelecimento e manutenção de populações viáveis das espécies-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, implementado até 2013 e em execução até ações Meta 2 9 ações Pelo menos 50% das populações com potencial de conservação e viabilidade das espécies-alvo do PAN inseridas em áreas protegidas (Unidades de Conservação, Terras Indígenas, territórios quilombolas, Reservas Legais, Áreas de Preservação Permanente, dentre outras), até Meta 3 8 ações Diretrizes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN aplicadas na formulação de políticas públicas, nos processos de licenciamento, fiscalização e regularização ambiental dos imóveis rurais, em toda sua distribuição geográfica, até Meta 4 Manejo demográfico e genético de populações em cativeiro estabelecido até 2013 e em execução até 2016, conforme necessidades específicas para as espécies-alvo deste PAN. 5 ações Meta 5 Caça, apanha e tráfico das espécies-alvo do PAN reduzidos em pelo menos 50%, até ações Meta 6 Diretrizes para manutenção e estabelecimento de populações viáveis das espécies-alvo do PAN integradas a programas de desenvolvimento e extensão rural, educação ambiental e difusão científica até Meta 7 3 ações Presença de espécies animais invasoras e/ou domésticas que afetem negativamente as espécies-alvo deste PAN, em suas áreas de ocorrência, controlada 5 ações

2 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Objetivo Garantir pelo menos cinco populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, aumentando a área e a conectividade dos hábitats dessas espécies e dirimindo os conflitos socioambientais nas áreas de ocorrência, até Meta 1 Programa de conectividade de áreas para estabelecimento e manutenção de populações viáveis das espécies-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, implementado até 2013 e em execução até Nº Ações Articulador Data limite (mês/ano) Produto Dificuldades (Alta, Média, Baixa) Custo (R$) Colaboradores Observação 1.1 Elaborar mapas temáticos, inclusive sobre uso e cobertura da terra, das áreas de distribuição e ocorrência das espécies-alvo e conflitos para sua conservação, visando subsidiar a identificação de áreas importantes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis. Jorge Nascimento (ICMBio/REBIO Guaribas) Junho/2012 Mapas elaborados Obtenção de imagens e vetores (baixa) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), André Alonso (ICMbio/CPB), André Ferreira (INCRA/SE), Daniela Bitencurti (UFS), Gustavo Canale (UNEMAT), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Marcelo (IFPB), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Rodrigo Cambará (UERGS), Rodrigo Ranulpho (CGESP), Thiago Farias da Silva (SUDEMA), CGFUN, EMBRAPA Semi-árido, IBAMA, INPE. 1.2 Indicar áreas importantes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis das espécies-alvo, a partir dos mapas temáticos elaborados (Ação 1.1), considerando áreas com sintopia entre estas espécies. Leandro Jerusalinsky (ICMBio/CPB) Mapas com áreas importantes elaborados Recursos financeiros para realização de reunião (baixa); disponibilidade de informações (baixa) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), André Alonso (ICMbio/CPB), Gustavo Canale (UNEMAT), Jorge Luiz do Nascimento (Rebio Guaribas), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Rodrigo Cambará (UERGS). 1.3 Compilar informações disponíveis sobre usos alternativos da matriz que sejam mais favoráveis para as populações das espéciesalvo. Gustavo Canale (UFMT) Junho/2012 Informações compiladas Acesso às informações 5.000,00 André Alonso (ICMbio/CPB), Leonardo Neves (IESB), Rodrigo Cambará (UERGS), Thiago Farias da Silva (SUDEMA) Lembrar de consultar EMBRAPA, SEBRAE 1.4 Realizar e refinar estudos de Análises de Viabilidade Populacional (AVP) sobre as espécies-alvo, determinando os critérios de viabilidade populacional para as mesmas. Leandro Jerusalinsky (ICMBio/CPB) Cenários atual e com alternativas de manejo modelados Agenda dos pesquisadores (média); recursos financeiros para realização de oficina (baixa); compilação de dados (baixa) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), Bruna Bezerra (UFPE), Gustavo Canale (UNEMAT), Jorge Luiz do Nascimento (Rebio Guaribas), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Maria Cecília Martins Kierulff (Instituto Pri- Matas /UFES), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Rodrigo Cambará (UERGS).

3 1.5 Elaborar programa de conectividade de áreas com populações viáveis, ou com potencial para estabelecimento das mesmas, nos diferentes ecossistemas de ocorrência das espécies-alvo. Marcos Fialho (ICMBio/CPB) Junho/2013 Programa Elaborado Agenda dos colaboradores (média); dependência de ações anteriores (alta); obtenção de recursos financeiros (alta) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), André Alonso (ICMbio/CPB), André Ferreira (INCRA/SE), Daniela Bitencurti (UFS), Gustavo Canale (UNEMAT), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Marcelo (IFPB), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Rodrigo Ranulpho (CGESP), Rodrigo Cambará (UERGS), Thiago Farias da Silva (SUDEMA), Valdineide Santana (SEMARH), CGFUN, EMBRAPA Semi-árido, IBAMA, INPE, representantes dos estados e alguns municípios estratégicos, representantes da sociedade civil e representantes do setor produtivo. 1.6 Estabelecer o corredor Gargau-Pacatuba por meio do estímulo à implantação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) e Reservas Legais (RL), proteção de Áreas de Preservação Permanente (APP) e passagens de fauna sobre a BR 101. Edmundo Barbosa (SINDÁLCOOL) Dezembro/2013 Dezembro/2014 Dezembro/2015 Dezembro/2016 Número de hectares em áreas protegidas Técnica (alta); recursos financeiros (alta); articulação interinstitucional (alta) ,00 Antonio Campos (Usina Japungu), Isabela Deiss (CR 6 / ICMBio), Rodrigo Cambará (UERGS), SINDALCOOL-PB, SUDEMA ,00 / ha recuperado 1.7 Implementar e monitorar o programa de conectividade de áreas para estabelecimento e manutenção de populações viáveis, em diferentes ecossistemas de ocorrência das espécies-alvo. Mônica M. V. Montenegro (ICMBio/CPB) Dezembro/2013 Dezembro/2014 Dezembro/2015 Dezembro/2016 Número de instituições comprometidas com a implementação do programa e projetos demonstrativos em execução Articulação interinstitucional (alta); recursos finaceiros (alta); recrutamento de pessoal qualificado (alta) ,00 a ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), André Alonso (ICMbio/CPB), André Ferreira (INCRA/SE), Daniela Bitencurti (UFS), Gustavo Canale (UNEMAT), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Marcelo (IFPB), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Rodrigo Cambará (UERGS), Rodrigo Ranulpho (CGESP), Thiago Farias da Silva (SUDEMA), Valdineide Santana (SEMARH), CGFUN, EMBRAPA Semi-árido, IBAMA, INPE, Representantes dos estados e alguns municípios estratégicos, representantes da sociedade civil e representantes do setor produtivo 1.8 Realizar estudos sobre a dinâmica das metapopulações, limites de dsitribuição e conectividade funcional de todas as espéciesalvo nos diferentes ecossistemas. Stephen F. Ferrari (UFS) Dezembro/2013 Dezembro/2014 Dezembro/2015 Dezembro/2016 Estudos realizados Recrutamento de pessoal qualificado (média); recursos finaceiros (alta); prazo na geração de resultados (média) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), André Alonso (ICMbio/CPB), Gustavo Canale (UNEMAT), Jorge Luiz do Nascimento (Rebio Guariba), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Maria Cecília Martins Kierulff (UFES), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Raone Mendes (UFPB/UFS), Rodrigo Cambará (UERGS), Thiago Farias da Silva (SUDEMA).

4 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Objetivo Garantir pelo menos cinco populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, aumentando a área e a conectividade dos hábitats dessas espécies e dirimindo os conflitos socioambientais nas áreas de ocorrência, até Meta 2 Pelo menos 50% das populações com potencial de conservação e viabilidade das espécies-alvo do PAN inseridas em áreas protegidas (Unidades de Conservação, Terras Indígenas, territórios quilombolas, Reservas Legais, Áreas de Preservação Permanente, dentre outras), até Nº Ações Articulador Data limite (mês/ano) Produto Dificuldades (Alta, Média, Baixa) Custo (R$) Colaboradores Observação 2.1 Criar Carteira de Projetos indicados no PAN para utilização de recursos provenientes de conversão de multas e compensações ambientais por meio das Câmaras de Compensação, inclusive aproveitando a Carteira Fauna existente. Isabela Deiss (ICMBio/CR 6) Setembro/2012 Número de projetos indicados e aprovados Articulação interinstitucional (média); recursos financeiros (média) ,00 Bruna Bezerra (UFPE), Gustavo Canale (UNEMAT), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Maria Adelia Oliveira (UFRPE), Raone Mendes (UFPB), Stephen Ferrari (UFS), Coordenacões de compensação, IBAMA nos estados, INCRA, MPE, MPF, OEMAS, Representantes de UC Setor sucroalcooleiro 2.2 Fazer gestão junto a Órgãos Estaduais de Meio Ambiente (OEMAs), INCRA e ICMBio para priorizar a regularização ambiental dos imóveis rurais (inclusive averbação de Reserva Legal e manutenção de Áreas de Preservação Permanente), utilizando os passivos de Reserva Legal existentes em assentamentos, na regularização fundiária de Unidades de Conservação nas áreas de ocorrência das espécies-alvo deste PAN, especialmente nas áreas importantes para a conservação das mesmas (conforme Ação 1.2). Carla Marcon (ICMBio/CR 6) Dezembro/2013 Dezembro/2014 Dezembro/2015 Dezembro/2016 Número (superfície) de área regularizada Articulação interinstitucional (alta) ,00 Deiss (ICMBio/CR 6), Douglas Pereira do Rêgo (IBAMA RN) Leonardo Melo (SEMA/PE), Thiago Farias da Silva (SUDEMA), Valdineide Santana (SEMARH), Isabela IBAMA, ICMBio INCRA, OEMAS. 2.3 Identificar áreas estratégicas com ou sem a presença das espécies-alvo do PAN que tenham potencialidade para o manejo in situ de suas populações, especialmente para ações de promoção da conectividade de hábitats e reintroduções. Marcos Fialho (ICMBio/CPB) Dezembro/2013 Áreas identificadas e mapa elaborado para cada espécie alvo Disponibilidade de informacoes (média) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), André Alonso (ICMbio/CPB), Bruna Bezerra (UFPE), Gabriela Ludwig (ICMbio/CPB), Ivan Campos (PARNA Serra do Cipó), Luiz do Nascimento (Rebio Guaribas), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Raone Mendes (UFPB). 2.4 Estimular a implantação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN), prioritariamente em áreas importantes com potencial para conservação das espécies-alvo (conforme Ações 1.2 e 2.3). Isabela Deiss (ICMBio/CR 6) Setembro/2012 Setembro/2013 Setembro/2014 Setembro/2015 Setembro/2016 Número de hectares em áreas protegidas Técnica (alta); recursos financeiros (alta); articulação interinstitucional (alta) ,00 Antônio Campos (Usina Japungu), IPMA, OEMAS, SINDALCOOL-PB ,00/ha recuperado

5 2.5 Incentivar a averbação das Reservas Legais, inclusive nos projetos de assentamento das Fazendas Sabão (Indiaroba/SE) e Escôncio (Umbaúba/SE). André Ferreira (INCRA SE) Dezembro/2016 Áreas averbadas Morosidade jurídica (baixa) 5.000,00 Poder Judiciário, Procuradoria do INCRA, Valdineide Santana (SEMARH), 2.6 Identificar 3 (três) áreas com potencial para a criação de Unidades de Conservação, preferencialmente de Proteção Integral, em áreas de ocorrência de Callicebus barbarabrownae e Cebus xanthosternos Rodrigo Cambará (UERGS)Dezembro/2013 na Caatinga e Callicebus coimbrai na Mata Atlântica, Proposta eleborada dados de 2005 (baixa) ,00 considerando a sintopia entre estas espécies e as propostas existentes, e propor a efetiva criação de pelo menos uma destas áreas em cada bioma. Antonio Estrela (Prefeitura de Lamarão- BA), Isabela Deiss (ICMBio/CR 6) Raone Mendes (UFPB), Stephen Ferrari (UFS), CCUC, CGFUN, IESB. 2.7 Sugerir à Coordenação de Criação de Unidades de Conservação (CCUC/ICMBio) a alteração de prioridade de média para alta e adequações nas poligonais para as propostas de criação de UC existentes que incluam áreas de ocorrência das espécies-alvo deste PAN (por exemplo em Jequié, Wenceslau Ubaira, Serra Bonita e Baixão, Litoral Norte de Sergipe). Isabela Deiss (ICMBio/CR 6) Agosto/2012 Proposta encaminhada Articulação institucional (baixa) 5.000,00 Antonio Estrela (Prefeitura de Lamarão- BA), Gabriela Ludwig (ICMbio/CPB), Raone Mendes (UFPB), Rodrigo Cambará (UERGS), CCUC, INCRA (BA). 2.8 Avaliar a situação de Callicebus barbarabrownae na Terra Indigena Kiriri, Banzaé (BA). Rodrigo Cambará (UERGS) Dezembro/2014 População estimada e estado de conservação avaliado Licença Funai (média); recursos financeiros (média); logística (média) ,00 Antonio Estrela (Prefeitura de Lamarão- BA), Eraldo Medeiros (UEFS), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Raone Mendes (UFPB), Stephen Ferrari (UFS). 2.9 Avaliar a situação de Alouatta belzebul e Cebus flavius nas Terras Indígenas Potiguaras (PB). Plautino Laroque (ICMbio/CPB) População estimada e estado de conservação avaliado Licença Funai (média); recursos financeiros (baixa) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), Isabela (ICMBio/CR6), Jorge Luiz do Nascimento (Rebio Guaribas), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Rodrigo Cambará (UERGS), APA Mamanguape

6 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Objetivo Garantir pelo menos cinco populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, aumentando a área e a conectividade dos hábitats dessas espécies e dirimindo os conflitos socioambientais nas áreas de ocorrência, até Meta 3 Diretrizes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN aplicadas na formulação de políticas públicas, nos processos de licenciamento, fiscalização e regularização ambiental dos imóveis rurais, em toda sua distribuição geográfica, até Nº Ações Articulador Data limite (mês/ano) Produto Dificuldades (Alta, Média, Baixa) Custo (R$) Colaboradores Observação 3.1 Elaborar protocolos para subsidiar termos de referência para o licenciamento de empreendimentos com significativo impacto ambiental em áreas de distribuição das espécies-alvo deste PAN. Isabela Deiss (ICMBio/CR6) Junho/2012 Protocolos elaborados Agenda dos colaboradores (média) ,00 André Alonso (ICMbio/CPB) André Ferreira (INCRA SE), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Thiago Farias da Silva (SUDEMA), Rodrigo Cambará (UERGS), ABEMA, IBAMA, OEMAS (técnicos). 3.2 Articular com os órgãos licenciadores, empreendedores, Ministério Público, CONAMA e OEMAs a garantia de aplicação dos protocolos elaborados na Ação 3.1. Isabela Deiss (ICMBio/CR6) Dezembro/2013 Dezembro/2014 Dezembro/2015 Dezembro/2016 Número de instituições utilizando os protocolos no licenciamento e percentual de empreendimentos com significativo impacto ambiental utilizando os protocolos no licenciamento Articulação política (alta) ,00 Fátima Pires (COPAN), Jorge Luiz do Nascimento (Rebio Guaribas), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Leonardo Melo (SEMA/PE), Marcelo Reis (COPAN) Marleno Costa (Parna Serra de Itabaiana- SE), Thiago Farias da Silva (SUDEMA), Valdineide Santana (SEMARH), IBAMA, Ministério Público, OEMAS. 3.3 Fazer gestão junto aos órgãos fiscalizadores federais, estaduais e municipais para direcionar os esforços de fiscalização sobre ilícitos ambientais, combate a incêndios florestais e controle de queimadas para as áreas importantes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis das espécies-alvo (Ação 1.2). Josiano Torezani (IBAMA BA) Dezembro/2013 Dezembro/2014 Dezembro/2015 Dezembro/2016 Número de instituições com ações direcionadas às áreas indicadas e número de ações Articulação política (média) ,00 Douglas Pereira do Rêgo (IBAMA-RN) Fátima Pires (COPAN), Getúlio (Rebio Guaribas), Isabela Deiss (ICMBio/CR 6), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Leonardo Melo (SEMA/PE), Marcelo Reis (COPAN), Marleno Costa (Parna Serra de Itabaiana- SE), Thiago Farias da Silva (SUDEMA), Valdineide Santana (SEMARH), CGPRO, Polícias ambientais estaduais, Prevfogo.

7 3.4 Fazer gestão nos municípios das áreas importantes para a manutenção e estabelecimento das populações viáveis das espécies-alvo (identificadas na Ação 1.2) para incorporar medidas de conservação das mesmas e seus hábitats na formulação de políticas públicas (especialmente Plano Diretor), nos processos de licenciamento ambiental e na regularização ambiental dos imóveis rurais. Thiago Farias da Silva (SUDEMA) Dezembro/2013 Dezembro/2014 Dezembro/2015 Dezembro/2016 Número de municípios incorporando medidas de Articulação política conservação das (alta) espécies alvo ,00 Antônio Estrela (Prefeitura de Lamarão- BA), Douglas Pereira do Rêgo (IBAMA-RN) Leonardo Neves (IESB), Marleno Costa (Parna Serra de Itabaiana- SE), Valdineide Santana (SEMARH). 3.5 Articular com os órgãos estaduais de desenvolvimento rural e INCRA para prevenir ou reduzir a supressão da vegetação nativa e/ou o número de famílias na implantação dos assentamentos rurais e para incluir nos Planos de Desenvolvimento de Assentamentos (PDAs) atividades compatíveis com a conservação das espécies-alvo deste PAN, especialmente nas áreas indicadas pela Ação 1.2. Cleber da Silva (INCRA SE) Dezembro/2013 Dezembro/2014 Dezembro/2015 Dezembro/2016 Projetos de desenvolvimento rurais compatíveis com a conservação das espécies alvo deste PAN Articulação política (alta) ,00 Douglas Pereira do Rêgo (IBAMA RN), Fátima Pires (COPAN), Isabela Deiss (ICMBio/CR 6), Joseano Toresani (IBAMA BA), Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Leonardo Melo (SEMA-PE), Marcelo Reis (COPAN), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Tarsia Cavalcanti (IBAMA PB), Thiago Farias da Silva (SUDEMA), Célula da Terra, CGFUN, MST. 3.6 Divulgar as diretrizes deste PAN junto aos Comitês de Bacias Hidrográficas, Comitê da Bacia do São Francisco, Comitê da Biosfera, Comitês da Mata Atlântica e da Caatinga, Comitê de Combate à Desertificação e ABEMA para auxiliar na sua implementação. Maria Adélia Oliveira (SBPr) Divulgação realizada Articulação política (baixa) ,00 Isabela Deiss (ICMBio/CR 6), Leonardo Melo (SEMA-PE), Marleno Costa (Parna Serra de Itabaiana- SE) Thiago Farias da Silva (SUDEMA), Valdineide Santana (SEMARH). 3.7 Fazer gestão para a criação de legislação específica para a proteção da Caatinga. Fátima Pires (COPAN/ICMBio) Dezembro/2013 Legislação elaborada e publicada Articulação política (Alta) ,00 Braulio Ferreira de Souza Dias (MMA), Daniela America Suarez de Oliveira (MMA), Graciema Rangel Pinage (DIUSP) Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB), Marcelo Marcelino (DIBIO). 3.8 Articular junto aos estados e na esfera federal legislação específica para pagamento por serviços ambientais e ICMS ecológico, inclusive considerando artigos não regulamentados do SNUC. Thiago Farias da Silva (SUDEMA) contínuo ,00

8 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Objetivo Garantir pelo menos cinco populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, aumentando a área e a conectividade dos hábitats dessas espécies e dirimindo os conflitos socioambientais nas áreas de ocorrência, até Meta 4 Manejo demográfico e genético de populações em cativeiro estabelecido até 2013 e em execução até 2016, conforme necessidades específicas para as espécies-alvo deste PAN. Nº Ações Articulador Data limite (mês/ano) Produto Dificuldades (Alta, Média, Baixa) Custo (R$) Colaboradores Observação 4.1 Oficializar os Programas de Conservação e Manejo em Cativeiro para Cebus xanthosternos e Cebus flavius. Marcelo Reis (ICMBio) Junho/2012 Portaria publicada Articulação intra instituição (baixa) Insignificante Leandro Jerusalinsky (ICMbio/CPB) 4.2 Elaborar e implantar os Programas de Conservação e Manejo em Cativeiro, incluindo protocolos, para Cebus xanthosternos e Cebus flavius. Renata Ferreira (UFRN) (contínuo) Programa elaborado Articulação interinstitucional (média); recursos financeiros (alta) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), Bruna Bezerra (UFPE), Jean-Marc Lernould (Associação de Zoológicos Europeus) Leonardo Melo (SEMAS/PEDI), Marcelo Reis (ICMBio), Maria Lúcia Gomes (SZB), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Tarsila Cavalcanti (IBAMA/PB). dez/2012 elaboração (custo ) 4.3 Elaborar diretrizes espécie-específicas de destinação e monitoramento, incluindo árvore para tomada de decisões e protocolos, para Alouatta belzebul, Callicebus barbarabrownae e Callicebus coimbrai. Marcos Fialho (ICMbio/CPB) (continuo) Diretrizes elaboradas Articulaçao interinstitucional (baixa); falta de informação (média) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), Josiano Torezani (IBAMA BA), Maria Lúcia Gomes (SZB), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Plautino Laroque (ICMbio/CPB), Rodrigo Cambará (UERGS) Tarsila Cavalcanti (IBAMA PB) revisão bianual, custo de runião de consolidação 4.4 Articular o reparo e construção de recintos específicos para as espécies-alvo do PAN em Cetas, Cras, criadouros e zoológicos. Tarsila Cavalcanti (IBAMA PB) Dezembro/2013 (continuo) Recintos construidos e reparados Recursos financeiros (alta); articulaçao politica (alta) ,00 Douglas Pereira do Rêgo (IBAMA RN), Josiano Torezani (IBAMA BA), Maria Lúcia Gomes (SZB). periodicidade anual 4.5 Realizar projetos-piloto de reintrodução de Cebus flavius (após a elaboração do Programa de Conservação e Manejo em Cativeiro, Ação 4.2) e de Alouatta belzebul (após elaboração das diretrizes de destinação e monitoramento, Ação 4.3). Renata Ferreira (UFRN) Dezembro/2013 (continuo) Experimentos realizados Capacitaçao técnica (alta); recursos financeiros (alta); falta de definiçao sobre o tema (alta) ,00 Amely Martins (ICMbio/CPB), Douglas Pereira do Rêgo (IBAMA RN), Josiano Torezani (IBAMA BA), Julião (Rebio Guaribas), Marcos Fialho (ICMbio/CPB), Maria Lúcia Gomes (SZB), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Plautino Laroque (ICMbio/CPB), Laboratórios

9 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Objetivo Garantir pelo menos cinco populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, aumentando a área e a conectividade dos hábitats dessas espécies e dirimindo os conflitos socioambientais nas áreas de ocorrência, até Meta 5 Caça, apanha e tráfico das espécies-alvo do PAN reduzidos em pelo menos 50%, até Nº Ações Articulador Data limite (mês/ano) Produto Dificuldades (Alta, Média, Baixa) Custo (R$) Colaboradores Observação 5.1 Elaborar um estudo sobre hábitos de caça e apanha e diagnóstico sobre a pressão de caça, apanha de espécimes e tráfico sobre as espéciealvo. Carla Castro (UFPB) Dezembro/2014 Estudo executado Recursos financeiros (média) ,00 Antonio Estrela (Prefeitura de Lamarão-BA), Bruna Bezerra (UFPB), Gabriela Ludwig (ICMbio/CPB), Maurício Talebi Gomes (UNIFESP), Mônica Montenegro (ICMbio/CPB), Raone Mendes (UFPB), Renata Ferreira (UFRN), Rodrigo Cambará (UERGS). 5.2 Implantar uma rede de registros de caça, apanha e tráfico de primatas do nordeste, integrando informações entre órgãos fiscalizadores e comunidade científica (serviço de inteligência). Mônica Montenegro (ICMbio/CPB) (continuo) Rede elaborada e Rede implantada Articulação interinstitucional (média) Insignificante Cetas, Órgãos fiscalizadores, Pesquisadores, Zoologicos. periodicidade anual 5.3 Realizar capacitação dos agentes ambientais fiscalizadores para ampliar seu conhecimento sobre as espécies-alvo do PAN e principais impactos sobre as mesmas. Carla Castro (UFPB) (continuo) Treinamentos por estado efetuados Articulação interinstitucional (média); operacionalizaçao (média) ,00 Bruna Bezerra (UFPB), Maria Adélia Oliveira (UFRPE), Cetas/IBAMA, ICMbio/CPB, Órgãos fiscalizadores. periodicidade bianual

10 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Objetivo Garantir pelo menos cinco populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, aumentando a área e a conectividade dos hábitats dessas espécies e dirimindo os conflitos socioambientais nas áreas de ocorrência, até Meta 6 Diretrizes para manutenção e estabelecimento de populações viáveis das espécies-alvo do PAN integradas a programas de desenvolvimento e extensão rural, educação ambiental e difusão científica até Nº Ações Articulador Data limite (mês/ano) Produto Dificuldades (Alta, Média, Baixa) Custo (R$) Colaboradores Observação 6.1 Produzir material publicitário e paradidático de apoio para campanhas de educação ambiental voltados à conservação das espécies-alvo deste PAN. Aldo Sérgio (ICMbio/CPB) contínuo Material elaborado Compilação da informação (baixa); obtenção de boas imagens (média) ,00 Renata Ferreira (UFRN), IBAMA, ICMBio, Pesquisadores. 6.2 Realizar campanhas educativas (incluindo seminários educativos em projetos de assentamentos) e apoiar atividades de lazer em comunidades no entorno de áreas com ocorrência das espécies-alvo deste PAN, priorizando as áreas indicadas na Ação 1.2, inclusive previamente às ações de fiscalização a serem realizadas nessas áreas. Antônio Estrela (Prefeitura de Lamarão - BA) contínua Número de pessoas atingidas Extensa area de abrangência (alta); recursos humanos (alta); recursos fiannceiros (alta) ,00 André Ferreira (INCRA/SE), Bruna Bezerra (UFPE), Raone Mendes (UFPB), Renata Ferreira (UFRN), Stephen Ferrari (UFS), Agendha, Associações locais, Instituto Xingó. Incluir a questão de mantenedores, caça e animais domésticos 6.3 Promover a qualificação dos agricultores para o manejo de agroflorestas, por meio de extensionistas rurais, INCRA e ONGs, em sintonia com as diretrizes deste PAN. Rodrigo Cambará (UERGS) contínuo Número de pessoas qualificadas Extensa area de abrangência (alta); recursos humanos (alta); recursos fiannceiros (alta) ,00 André Ferreira (INCRA/SE), Raone Mendes (UFPB), Stephen Ferrari (UFS) 6.4 Promover a qualificação dos agricultores para práticas sustentáveis (viverismo, apicultura, meliponicultura, artesanato, entre outros), por meio de extensionistas rurais, INCRA e ONGs, em sintonia com as diretrizes deste PAN. Antônio Estrela (Prefeitura de Lamarão - BA) contínuo Número de pessoas qualificadas Extensa area de abrangência (alta); recursos humanos (alta); recursos financeiros (alta) ,00 André Ferreira (INCRA/SE), Antônio Campos (Usina Japungu), Eraldo Medeiros (UEFS), Graciema Rangel Pinage (DIUSP), Raone Mendes (UFPB), Rodrigo Cambará (UERGS), Instituto Xingó, Agendha, Associações locais.

11 6.5 Disseminar alternativas de produção de energia em substituição ou para redução do uso da lenha como combustível nas áreas de ocorrência das espéciesalvo deste PAN. Antônio Estrela (Prefeitura de Lamarão - BA) contínua Número de famílias beneficiadas Limitação financeira (Alta) ,00 Antônio Campos (Usina Japungu), Raone Mendes (UFPB), Agendha, Associações locais, Chesf, INCRA, Instituto Xingó, SUDENE.

12 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Objetivo Garantir pelo menos cinco populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, aumentando a área e a conectividade dos hábitats dessas espécies e dirimindo os conflitos socioambientais nas áreas de ocorrência, até Meta 7 Presença de espécies animais invasoras e/ou domésticas que afetem negativamente as espécies-alvo deste PAN, em suas áreas de ocorrência, controlada até Nº Ações Articulador Data limite (mês/ano) Produto Dificuldades (Alta, Média, Baixa) Custo (R$) Colaboradores Observação 7.1 Efetuar levantamento da presença de espécies animais invasoras e/ou domésticas nos fragmentos com populaçoes das espécies-alvo deste PAN. Maria Adélia Oliveira (UFRPE) / (Valdir Luna - UFPE) Inventário das espécies invasoras e domésticas nas áreas de ocorrência das espécies-alvo do PAN Recursos financeiros (média); articulação interinstitucional (média) ,00 Bruna Bezerra (UFPE), Renata Ferreira (UFRN), CETAS IBAMA, Órgãos fiscalizadores, Pesquisadores. 7.2 Erradicar populações de Saimiri sp. da área de distribuição das espécies-alvo deste PAN, especialmente, de Cebus flavius, Cebus xanthosternos e Alouatta belzebul. Maria Adélia Oliveira (UFRPE) Dezembro/2016 Espécimes de Saimiri retirados da região Recursos financeiros (média); operacionalização (alta) ,00 Leonardo Melo (SEMAS/PEDI), Marcelo Reis (ICMBio), Maria Lúcia Faria Gomes (SZB), Plautino Laroque (ICMBio/CPB), Walter Cabral de Moura (REBIO Saltinho), CETAS IBAMA (PE, AL, BA). 7.3 Avaliar se a presença do caramujo-africano representa ameaça para Cebus flavius e Alouatta belzebul e combatê-lo caso haja necessidade. Mônica Montenegro (ICMBio/CPB) Dezembro/2014 Estudo concluido (relatório, publicaçoes) Retirada dos caramujos do entorno dos fragmentos Recursos financeiros (média); operacionalização (média) ,00 Bruna Bezerra (UFPE), Carla Soraia de Castro (UFPB), Keoma Rodrigues (UFPB), Laboratórios, Pesquisadores, Universidades, Vigilância sanitária.

13 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE PARCEIROS DA REUNIÃO NOME INSTITUIÇÃO CONTATOS AÇÕES COMO AÇÕES COMO ARTICULADOR COLABORADOR Amely Branquinho Martins ICMbio/CPB 1.1, 1.2, 1.4, 1.5, 1.7, 1.8, 2.3, 2.9, 4.2, 4.3, 4.5 Alfredo Langguth UFPB André Chein Alonso ICMbio/CPB 1.1, 1.2, 1.3, 1.8, 2.3, 3.1, André Luiz B. Ferreira INCRA/SE , 1.5, 3.1, 6.2, 6.3, 6.4 Antônio Campos Usina Japungu 2.4, 6.4 Antônio Estrela Secretaria Municipal de Educação de Lamarão/BA 6.2, 6.4, Bruna Bezerra UFPE 2.1, 4.2, 5.1, 5.3 Carla Soraia de Castro UFPB 5.1, Cleber Oliveira da Silva INCRA/SE 3.5 Fabrício Escarlate COPAN/ICMBio Gabriela Ludwig ICMbio/CPB 2.3, 2.7, 5.1 Gustavo Rodrigues Canale UNEMAT , 1.2, 1.4, 1.5, 1.8, 2.1, Isabela Deiss de Farias CR 6/ICMBio 2.1, 2.4, 2.7, 3.1, , 2.2, 2.6, 2.9, 3.6, Jefferson Farias Cordeiro UFCG Jorge Luiz do Nascimento (Julião) Rebio Guaribas/ICMBio , 1.4, 1.8, 2.3, 2.9, 3.2, 4.5 Josiano Cordeiro Torezani IBAMA/BA , 4.4, 4.5 Juliana Gonçalves Ferreira PARNA Serra da Bocaina/ICMBio Leandro Jerusalinsky ICMbio/CPB 1.1, 1.5, 1.7, 1.8, 2.1, 2.8, 2.9, 3.1, 3.2, 3.3, 3.5, 3.7, 4.1, 1.2, 1.4 Leonardo César de Oliveira Melo SEMAS/PEDI/PE 2.2, 3.2, 3.3, 3.5, 3.6, 4.1, 7.2 Leonardo Gomes Neves IESB 1.3, 3.4 Marcelo Lima Reis COPAN/ICMBio , 3.3, 3.5, 3.7, 7.2 Marcos de Souza Fialho ICMbio/CPB 1.1, 1.2, 1.3, 1.7, 1.8, 2.8, 2.9, 3.1, 4.5, 1.5, 2.3, 4.3 Maria Adélia Borstelmann de Oliveira UFRPE 3.6, 7.1, Maria Lúcia Faria Gomes SZB 4.2, 4.3, 4.4, 4.5 Marleno Costa PARNA Serra de Itabaiana/ICMBio 3.2, 3.3, 3.4, 3.6 Maurício Talebi Gomes UNIFESP Diadema , 1.2, 1.4, 1.5, 1.7, 1.8, 2.3, 2.9, 3.5, 4.2, 4.3, 4.5, 5.1 Mônica Mafra Valença Montenegro ICMbio/CPB 1.7, 5.2, 7.3 Plautino de Oliveira Laroque ICMbio/CPB , 4.5, 7.2 Raone Beltrão Mendes UFPB, UFS 1.8, 2.1, 2.3, 2.6, 2.7, 2.8, 5.1, 6.2, 6.3, 6.4, 6.5 Renata Gonçalves Ferreira UFRN 4.2, Rodrigo Cambará Printes UERGS 1.1, 1.2, 1.3, 1.4, 1.5, 1.6, 1.7, 2.6, 2.8, , 2.7, 2.9, 3.1, 4.3, 5.1, 6.4 Ronaldo Douglas Pereira Rego IBAMA RN 2.2, 3.3, 3.4, 3.5, 4.4, 4.5

14 Rosana Junqueira Subirá COABIO/ICMBio Stephen Francis Ferrari UFS , 2.6, 2.8, 6.2, 6.3 Tarsila Almeida Cavalcanti IBAMA PB , 4.3 Thiago César Farias da Silva CEA/SUDEMA/PB 1.1, 1.3, 1.5, 1.7, 1.8, 2.2, 3.1, 3.4, , 3.3, 3.5, 3.6, Valdineide B. Santana SEMARH/SE 1.5, 1.7, 2.2, 2.5, 3.2, 3.3, 3.4, 3.6 Valdir Luna da Silva UFPE COLABORADORES NOME INSTITUIÇÃO CONTATOS AÇÕES COMO AÇÕES COMO INTERLOCUTOR COLABORADOR Edmundo Coelho Barbosa SINDÁLCOOL PB 1.6 Carla Marcon CR 6/ICMBio 2.2 Fátima Pires COPAN/ICMBio , 3.3, 3.5 Aldo Vasconcelos ICMbio/CPB 6.1 Eraldo Medeiros Costa Neto UEFS 2.8, 6.4 Maria Cecília Martins Kierulff Instituto Pri-Matas /UFES 1.8 Douglas Pereira do Rêgo IBAMA RN. 2.2, 3.3, 3.4, 3.5, 4.4, 4.5 Keoma Rodrigues UFPB 7.3 Rodrigo Ranulpho ICMbio/ CGESP 1.1, 1.5, 1.7 Graciema Rangel Pinage DIUSP 3.7, 6.4 Walter Cabral de Moura REBIO Saltinho 7.2 Daniela Bitencurti UFS 1.1, 1.5, 1.7 Braulio Ferreira de Souza Dias MMA 3.7 Daniela America Suarez de Oliveira MMA 3.7 Total

15 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE N o. Meta/Ação Custo (R$) Responsáveis 1 Programa de conectividade de áreas para estabelecimento e manutenção de populações viáveis das espécies-alvo do PAN, em diferentes ecossistemas, implementado até 2013 e em execução até Elaborar mapas temáticos, inclusive sobre uso e cobertura da terra, das áreas de distribuição e ocorrência das espécies-alvo e conflitos para sua conservação, visando subsidiar a identificação de áreas importantes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis ,00 Jorge Nascimento (ICMBio/REBIO Guaribas) 1.2 Indicar áreas importantes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis das espéciesalvo, a partir dos mapas temáticos elaborados (Ação 1.1), considerando áreas com sintopia entre estas espécies ,00 Leandro Jerusalinsky (ICMBio/CPB) 1.3 Compilar informações disponíveis sobre usos alternativos da matriz que sejam mais favoráveis para as populações das espécies-alvo ,00 Gustavo Canale (UFMT) 1.4 Realizar e refinar estudos de Análises de Viabilidade Populacional (AVP) sobre as espécies-alvo, determinando os critérios de viabilidade populacional para as mesmas ,00 Leandro Jerusalinsky (ICMBio/CPB)

16 1.5 Elaborar programa de conectividade de áreas com populações viáveis, ou com potencial para estabelecimento das mesmas, nos diferentes ecossistemas de ocorrência das espécies-alvo ,00 Marcos Fialho (ICMBio/CPB) 1.6 Estabelecer o corredor Gargau-Pacatuba por meio do estímulo à implantação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) e Reservas Legais (RL), proteção de Áreas de Preservação Permanente (APP) e passagens de fauna sobre a BR ,00 Edmundo Barbosa (SINDÁLCOOL) 1.7 Implementar e monitorar o programa de conectividade de áreas para estabelecimento e manutenção de populações viáveis, em diferentes ecossistemas de ocorrência das espécies-alvo ,00 a ,00 Mônica M. V. Montenegro (ICMBio/CPB) 1.8 Realizar estudos sobre a dinâmica das metapopulações, limites de dsitribuição e conectividade funcional de todas as espécies-alvo nos diferentes ecossistemas ,00 Stephen F. Ferrari (UFS) Subtotal Meta ,00 a ,00 2 Pelo menos 50% das populações com potencial de conservação e viabilidade das espécies-alvo do PAN inseridas em áreas protegidas (Unidades de Conservação, Terras Indígenas, territórios quilombolas, Reservas Legais, Áreas de Preservação Permanente, dentre outras), até 2016.

17 2.1 Criar Carteira de Projetos indicados no PAN para utilização de recursos provenientes de conversão de multas e compensações ambientais por meio das Câmaras de Compensação, inclusive aproveitando a Carteira Fauna existente ,00 Isabela Deiss (ICMBio/CR 6) 2.2 Fazer gestão junto a Órgãos Estaduais de Meio Ambiente (OEMAs), INCRA e ICMBio para priorizar a regularização ambiental dos imóveis rurais (inclusive averbação de Reserva Legal e manutenção de Áreas de Preservação Permanente), utilizando os passivos de Reserva Legal existentes em assentamentos, na regularização fundiária de Unidades de Conservação nas áreas de ocorrência das espécies-alvo deste PAN, especialmente nas áreas importantes para a conservação das mesmas (conforme Ação 1.2) ,00 Carla Marcon (ICMBio/CR 6) 2.3 Identificar áreas estratégicas com ou sem a presença das espécies-alvo do PAN que tenham potencialidade para o manejo in situ de suas populações, especialmente para ações de promoção da conectividade de hábitats e reintroduções ,00 Marcos Fialho (ICMBio/CPB) 2.4 Estimular a implantação de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN), prioritariamente em áreas importantes com potencial para conservação das espécies-alvo (conforme Ações 1.2 e 2.3) ,00 Isabela Deiss (ICMBio/CR 6)

18 2.5 Incentivar a averbação das Reservas Legais, inclusive nos projetos de assentamento das Fazendas Sabão (Indiaroba/SE) e Escôncio (Umbaúba/SE) ,00 André Ferreira (INCRA SE) 2.6 Identificar 3 (três) áreas com potencial para a criação de Unidades de Conservação, preferencialmente de Proteção Integral, em áreas de ocorrência de Callicebus barbarabrownae e Cebus xanthosternos na Caatinga e Callicebus coimbrai na Mata Atlântica, considerando a sintopia entre estas espécies e as propostas existentes, e propor a efetiva criação de pelo menos uma destas áreas em cada bioma ,00 Rodrigo Cambará (UERGS) 2.7 Sugerir à Coordenação de Criação de Unidades de Conservação (CCUC/ICMBio) a alteração de prioridade de média para alta e adequações nas poligonais para as propostas de criação de UC existentes que incluam áreas de ocorrência das espécies-alvo deste PAN (por exemplo em Jequié, Wenceslau Ubaira, Serra Bonita e Baixão, Litoral Norte de Sergipe). Insignificante Isabela Deiss (ICMBio/CR 6) 2.8 Avaliar a situação de Callicebus barbarabrownae na Terra Indigena Kiriri, Banzaé (BA) ,00 Rodrigo Cambará (UERGS) 2.9 Avaliar a situação de Alouatta belzebul e Cebus flavius nas Terras Indígenas Potiguaras (PB) ,00 Plautino Laroque (ICMBio/CPB) Subtotal Meta ,00

19 3 Diretrizes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis para cada espécie-alvo do PAN aplicadas na formulação de políticas públicas, nos processos de licenciamento, fiscalização e regularização ambiental dos imóveis rurais, em toda sua distribuição geográfica, até Elaborar protocolos para subsidiar termos de referência para o licenciamento de empreendimentos com significativo impacto ambiental em áreas de distribuição das espéciesalvo deste PAN ,00 Isabela Deiss (ICMBio/CR6) 3.2 Articular com os órgãos licenciadores, empreendedores, Ministério Público, CONAMA e OEMAs a garantia de aplicação dos protocolos elaborados na Ação ,00 Isabela Deiss (ICMBio/CR6) 3.3 Fazer gestão junto aos órgãos fiscalizadores federais, estaduais e municipais para direcionar os esforços de fiscalização sobre ilícitos ambientais, combate a incêndios florestais e controle de queimadas para as áreas importantes para estabelecimento e manutenção de populações viáveis das espécies-alvo (Ação 1.2) ,00 Josiano Torezani (IBAMA BA)

20 Fazer gestão nos municípios das áreas importantes para a manutenção e estabelecimento das populações viáveis das espécies-alvo (identificadas na Ação 1.2) para incorporar medidas de conservação das mesmas e seus hábitats na formulação de políticas públicas (especialmente Plano Diretor), nos processos de licenciamento ambiental e na regularização ambiental dos imóveis rurais. Articular com os órgãos estaduais de desenvolvimento rural e INCRA para prevenir ou reduzir a supressão da vegetação nativa e/ou o número de famílias na implantação dos assentamentos rurais e para incluir nos Planos de Desenvolvimento de Assentamentos (PDAs) atividades compatíveis com a conservação das espécies-alvo deste PAN, especialmente nas áreas indicadas pela Ação 1.2. Divulgar as diretrizes deste PAN junto aos Comitês de Bacias Hidrográficas, Comitê da Bacia do São Francisco, Comitê da Biosfera, Comitês da Mata Atlântica e da Caatinga, Comitê de Combate à Desertificação e ABEMA para auxiliar na sua implementação. Fazer gestão para a criação de legislação específica para a proteção da Caatinga ,00 Thiago Farias da Silva (SUDEMA) ,00 Cleber da Silva (INCRA SE) ,00 Maria Adélia Oliveira (SBPr) ,00 Fátima Pires (COPAN/ICMBio) 3.8 Articular junto aos estados e na esfera federal legislação específica para pagamento por serviços ambientais e ICMS ecológico, inclusive considerando artigos não regulamentados do SNUC. Insignificante Thiago Farias da Silva (SUDEMA) Subtotal Meta ,00

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE Callicebus barbarabrownae Cebus flavius Alouatta belzebul Callicebus coimbrai Cebus xanthosternos SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE O Brasil abriga

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO 1 Proteção da espécie e seu habitat OBJETIVO ESPECÍFICO 3 Manejo das populações em cativeiro OBJETIVO ESPECÍFICO 5 Projetos de reintrodução PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO

Leia mais

FICHA PROJETO - nº364-ma

FICHA PROJETO - nº364-ma FICHA PROJETO - nº364-ma Mata Atlântica Linha Nacional 1) TÍTULO: Capacitação em gestão participativa de Unidades de Conservação na Mata Atlântica do Nordeste 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Estados

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº3 AGOSTO/2014 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE

BOLETIM INFORMATIVO Nº3 AGOSTO/2014 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE BOLETIM INFORMATIVO Nº3 AGOSTO/2014 Keoma Coutinho Banco de Imagens CPB/ICMBio PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONSERVAÇÃO DOS PRIMATAS DO NORDESTE O PAN Primatas do Nordeste (PAN PriNE), está no seu terceiro

Leia mais

Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco

Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco 22 Diagnóstico de unidades de conservação no Nordeste brasileiro - presente e futuro: Pernambuco Josué Francisco da Silva Junior 1 1 Pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros, Unidade de Execução de

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO O Brasil como país megadiverso é responsável pela gestão do maior patrimônio natural do mundo. São mais de 120 mil

Leia mais

As unidades de conservação do bioma Caatinga

As unidades de conservação do bioma Caatinga As unidades de conservação do bioma Caatinga The Nature Conservancy do Brasil Associação Caatinga 295 André Pessoa INTRODUÇÃO Parque Nacional da Serra da Capivara, PI A Caatinga, região semi-árida única

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MUTUM-DO-SUDESTE

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MUTUM-DO-SUDESTE PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MUTUM-DO-SUDESTE OBJETIVO GERAL PROMOVER A RECUPERAÇÃO E A MANUTENÇÃO DE CRAX BLUMENBACHII VISANDO REESTABELECER AS POPULAÇÕES NOS REMANESCENTES DE SUA ÁREA

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Documento para discussão no GT estratégia para conservação

Documento para discussão no GT estratégia para conservação UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA CAATINGA Preparado por The Nature Conservancy do Brasil e Associação Caatinga com base em informações fornecidas pelo IBAMA (DEUC, Programa RPPN e Superintendências do PI e RN),

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS MAMÍFEROS DA MATA ATLÂNTICA CENTRAL

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS MAMÍFEROS DA MATA ATLÂNTICA CENTRAL SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DOS MAMÍFEROS DA MATA ATLÂNTICA CENTRAL Celso Margraf A Classe Mammalia é composta por alguns dos animais mais carismáticos, entre eles, os

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

34º Café com Sustentabilidade 21 de agosto de 2013 São Paulo/SP

34º Café com Sustentabilidade 21 de agosto de 2013 São Paulo/SP 34º Café com Sustentabilidade 21 de agosto de 2013 São Paulo/SP Regulamentação CAR e PRA - Lei nº 12.651/2012: cria o CAR e o Programa de Regularização Ambiental (PRA). - Regulamentada pelo Decreto nº

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA APA VÁRZEA DO RIO TIETÊ. Programas do Plano de Manejo da APA

SISTEMA DE GESTÃO DA APA VÁRZEA DO RIO TIETÊ. Programas do Plano de Manejo da APA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO = ZCM + ZPF Objetivo: Garantir a conservação dos atributos ambientais, bem como do patrimônio histórico cultural, que ainda apresentam características relevantes para esta unidade

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS NA SERRA DO MAR Contrato: IA-RBMA /CEPF 2005/2006 O MaB e as Reservas da Biosfera no Brasil 1991 (1992, 1993, 2000, 2002) RB

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental. Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental. Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental O QUE É O Cadastro Ambiental Rural - CAR-PA é um dos instrumentos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO CACHORRO VINAGRE

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO CACHORRO VINAGRE PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO CACHORRO VINAGRE OBJETIVO GERAL Reduzir a vulnerabilidade da espécie ampliando o conhecimento aplicado a sua conservação e a proteção de habitats adequados,

Leia mais

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL COMPENSAÇÃO AMBIENTAL em números Análise do perfil de uso dos recursos da Compensação Ambiental Federal em Unidades de Conservação novembro 2014 1 Copyright 2014 - The Nature Conservancy Todos os direitos

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DA ONÇA PINTADA

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DA ONÇA PINTADA PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DA ONÇA PINTADA Objetivo Geral: Reduzir a vulnerabilidade da onça-pintada, aumentando o conhecimento aplicado à sua conservação, promovendo a proteção de seus

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

FORTALECIMENTO DOS MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO CORREDOR DA SERRA DO MAR

FORTALECIMENTO DOS MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO CORREDOR DA SERRA DO MAR FORTALECIMENTO DOS MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO CORREDOR DA SERRA DO MAR PROJETO DE APOIO AO RECONHECIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DO MOSAICO MICO-LEÃO-DOURADO 6º RELATÓRIO TÉCNICO Projeto CPFY 10/001

Leia mais

Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA

Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA IBAMA O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis/IBAMA é uma Autarquia, vinculada ao Ministério do Meio Ambiente/MMA, responsável

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06

PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 PRINCIPAIS REGRAS DA LEI N 11.428/06 Material desenvolvido pelo Núcleo de Defesa da Mata Atlântica (NUMA) do Ministério Público do Estado da Bahia Redação Fábio Fernandes Corrêa Titular da Promotoria de

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011 DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Junho/2011 CONTEXTO Das 310 Ucs Federais, 251 são domínio público DOMÍNIO TERRAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DOMÍNIO TERRAS PÚBLICAS

Leia mais

AS IMAGENS CBERS NO IBAMA. Brasília - Outubro/2005

AS IMAGENS CBERS NO IBAMA. Brasília - Outubro/2005 AS IMAGENS CBERS NO IBAMA Brasília - Outubro/2005 O CENÁRIO PASSADO AS IMAGENS LANDSAT Imagens LandSat 1995 O Início Concentração Amazônica Programa Desmatamento Imagens LandSat 1996 Imagens LandSat 1997

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

1- Como é realizado o monitoramento de focos de calor pelo Prevfogo?

1- Como é realizado o monitoramento de focos de calor pelo Prevfogo? Incêndios Florestais - Perguntas frequentes - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recurs 1- Como é realizado o monitoramento de focos de calor pelo Prevfogo? Em nossa rotina temos duas

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s)

Indicador(es) Órgão(s) Programa úmero de Ações 20 0508 Conservação, Uso Sustentável e Recuperação da Biodiversidade Objetivo Indicador(es) Conhecer e conservar a diversidade biológica e promover a utilização Taxa de Conservação

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 097-MA

FICHA PROJETO - nº 097-MA FICHA PROJETO - nº 097-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Construindo Estratégias Participativas e Projetos Demonstrativos de Conservação da Mata Atlântica na Região do Corredor de Biodiversidade

Leia mais

Rede Brasileira de Sementes Florestais

Rede Brasileira de Sementes Florestais PLANO NACIONAL DE PRODUÇÃO DE SEMENTES E MUDAS FLORESTAIS NATIVAS Rede Brasileira de Sementes Florestais Adriana Dias Trevisan Dra. Gestão Ambiental Redes Regionais de Sementes Rede Semente Sul Rede de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DE PEQUENOS FELINOS

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DE PEQUENOS FELINOS PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DE PEQUENOS FELINOS OBJETIVO GERAL Reduzir a vulnerabilidade de pequenos felinos nos diferentes biomas por meio da ampliação do conhecimento aplicado à conservação,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR

Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR Curso de Gestão Mosaicos Acadebio, Iperó/SP, 15 de agosto de 2012 Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR Aroldo Correa da Fonseca Chefe da Estação Ecológica de Guaraqueçaba

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III O III Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica do Paraná III, realizado em Foz do Iguaçu, Brasil, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2006, com a presença de 2.300 participantes,

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Semana da Mata Atlântica, em Campos do Jordão, discute proteção de remanescentes desse ecossistema

Semana da Mata Atlântica, em Campos do Jordão, discute proteção de remanescentes desse ecossistema 16/05/2005 Semana da Mata Atlântica, em Campos do Jordão, discute proteção de remanescentes desse ecossistema A Mata Atlântica, um dos mais importantes ecossistemas existentes no país, vai ser tema de

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF )

PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF ) 1 PROJETO MOSAICOS DO CORREDOR DA SERRA DO MAR (IA-RBMA / CEPF ) RELATÓRIO DA II OFICINA REGIONAL DE ARTICULAÇÃO DO MOSAICO CENTRAL FLUMINENSE 18 e 19 de setembro de 2006 Parque Estadual dos Três Picos

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas Sistema de Cadastro Ambiental Rural Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas CAR - Lei 12.651/2012: Cadastro Ambiental Rural Lei 12.651/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR,

Leia mais

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto Floresta Viva Título do projeto: Creation and Implementation of Protected Areas in

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Nas décadas de 40, 50 e 60 (entre 1947 e 1963) a Votorantim adquire 245 títulos

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO

O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSO NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Fundo Mundial para o Meio Ambiente - GEF Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento BIRD. Governo do Estado da Bahia

Fundo Mundial para o Meio Ambiente - GEF Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento BIRD. Governo do Estado da Bahia Fundo Mundial para o Meio Ambiente - GEF Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento BIRD Governo do Estado da Bahia Secretaria do Desenvolvimento e Integração Regional SEDIR Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012)

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Versão Internacional - Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Avaliação do Desempenho em Ações de Conservação da 20/12/2012 2 Instituto LIFE Direitos reservados pela

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES Proteção Manejo Proteção PPA RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas Janeiro/Fevereiro/Março RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MISSÃO: Realizar a gestão da UC visando a conservação

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-03-2010 SEÇÃO I PÁG 105-106 RESOLUÇÃO SMA- 029 DE 30 DE MARÇO DE 2010 Dispõe sobre estudos técnicos para subsidiar alteração de limites e mudança de categorias

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO TATU-BOLA

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO TATU-BOLA SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO TATU-BOLA Os tatus-bola são os menores e menos conhecidos tatus do Brasil. O tatu-bola-do-nordeste (Tolypeutes tricinctus) é endêmico ao

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

RECIFE, SETEMBRO DE 2010.

RECIFE, SETEMBRO DE 2010. SERVIÇO PARA A IMPLANTAÇÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA SANTA CRUZ, PERNAMBUCO. PROGRAMAS DE GESTÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - APA SANTA CRUZ ITAPISSUMA, ITAMARACÁ E GOIANA, PE. PROGRAMAS DE

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 442-MA

FICHA PROJETO - nº 442-MA FICHA PROJETO - nº 442-MA 1) TÍTULO: Corredor da Mata Atlântica do Nordeste: definição, planejamento e ações piloto para a formulação de políticas públicas. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Estados

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis construção de uma agenda de cooperação entre organizações da sociedade civil, autoridades públicas locais e órgãos públicos estaduais Contexto 24 municípios

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade a sobre s a d de dúvi eps e ar suas p e o r i d T o cip ntaçã par ti impla cê pode vo nte como ositivame p cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais