Projeto FUSP EPUSP - TGP-HAB Tecnologia e gestão no processo de produção de habitação de interesse social Número de protocolo 22

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto FUSP EPUSP - TGP-HAB Tecnologia e gestão no processo de produção de habitação de interesse social Número de protocolo 22"

Transcrição

1 Programa Habitare - FINEP Tema: Ciência, tecnologia e inovação para a melhoria da qualidade e redução de custos da habitação de interesse social. Chamada pública MCT / FINEP / FNDCT / CAIXA HABITARE 01/2006 Projeto FUSP EPUSP - TGP-HAB Tecnologia e gestão no processo de produção de habitação de interesse social Número de protocolo 22 Convenente: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo Executor: Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Construção Civil Escola de Engenharia de São Carlos Relatório 2 Apêndice 3 Meta 4 - Diretrizes para a inclusão das empresas especializadas de execução de obras no SiAC/PBQP-H 5 de fevereiro de 2010 FUSP Finep TGP-HAB RT Apêndice 3 Meta 4.doc - 05/02/2010

2 Resumo A meta 4, voltada para o estudo das empresas especializadas na execução de obras (EEE), visou ao aprofundamento do conhecimento das suas capacidades competitivas e das suas condições de competição para a produção de orientações para a sua capacitação e para o desenvolvimento de elementos diretrizes para a sua inclusão no Sistema de Avaliação de Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil do PBQP-H (SiAC). Neste sentido, a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (EPUSP) investigou um agente muito importante na cadeia produtiva do setor, quais sejam as Empresas executoras de serviços de obras (EES), habitualmente conhecidas como subempreiteiras (SE) e empresas especializadas na execução de obras (EEE); estudando 24 empresas do estado de São Paulo que atuam no segmento imobiliário privado, cujos resultados são detalhados em Oviedo Haito (2009). Estudos anteriores as tinham caracterizado como sendo majoritariamente micro e pequenas empresas, com dificuldades de acesso e desenvolvimento de recursos. Nesta pesquisa foi realizado um diagnóstico dos recursos, processos, competências e estratégias que tais empresas possuem para alcançarem um determinado desempenho no mercado, também conhecidos como seus ativos estratégicos. Para tanto foram pesquisadas as suas atividades de gestão, além de ativos estratégicos tais como: mão-de-obra (Vanguarda), Funcionários (Retaguarda), Ativos físicos, Ativos financeiros, Capital organizacional, Capital de relacionamentos, Ativos de Saída. Neste estudo encontraram-se diferenças entre as SE e as EEE, as quais estão relacionadas mais ao que elas são (quais ativos estratégicos detém) do que elas fazem (serviços básicos, complexos, etc.). Tais diferenças estão basicamente na posse das EEE de uma linha de mãode-obra (vanguarda) bem como uma ou duas linhas de pessoal da gestão da sua produção e da sua empresa (retaguarda) especializadas e qualificadas no serviço por elas executado, sendo tal especialização, via de regra, resultado da experiência, aprendizado e formação da sua própria força de trabalho. O desenvolvimento com os próprios meios das EES destas competências é provocado, por um lado, pela necessidade de especialização nas EES, requerida para a correta execução dos seus serviços e, por outro, pelas injustas condições da competição (a qual valoriza a contratação por menor preço e não, por exemplo, por qualidade). Esta condição é aprofundada principalmente pela falta de iniciativas públicas ou privadas articuladas que efetivamente subsidiem a aquisição e desenvolvimento de tais ativos estratégicos. Portanto, para as EES (SE & EEE) serem incluídas no SiAC do PBQP-H, as condições para tais empresas ampliarem os seus ativos estratégicos devem ser também desenvolvidas. 2

3 Lista de Figuras Figura 4.1 Relação dos ativos estratégicos e a vantagem competitiva sustentável das empresas executoras de serviços de obras (EES)... 8 Figura Representação gráfica do marco analítico utilizado para o levantamento de ativos estratégicos das EES (baseada em Lodato, 2006)... 9 Figura Macroprocessos a serem considerados nos estágios do SiAC para EEE segundo a convergência entre as freqüências dos Processos desempenhados, da relação entre as linhas e os processos e número de postos por processo Figura Evolução das linhas nas EES Figura Estágios da certificação proposta Figura Convergência entre as freqüências dos Processos identificadas e a sua relação com os níveis de certificação Lista de Quadros Quadro EES que melhor e pior atendem aos requisitos das construtoras (OVIEDO HAITO, 2009) Quadro Macroprocessos considerados na avaliação das fontes de VCS das EES... 9 Quadro Descrição da estratificação das linhas de vanguarda e retaguarda adotada nesta pesquisa Quadro 4.4 Algumas características das EES observadas no estudo de campo Quadro 4.5 Situação dos indicadores físicos de execução (Meta 4)

4 Sumário Resumo Descrição da pesquisa realizada Identificação dos serviços críticos presentes em obras de habitação de interesse social (em termos de como custo, desempenho, patologias, etc.) Formulação dos pontos a serem investigados em campo Investigação de campo em universo de empresas selecionadas atuantes na HIS Resumo da metodologia empregada Resultados e produtos Melhor conhecimento das empresas especializadas na execução de obras Diretrizes a serem adotadas na produção dos instrumentos regulatórios do SiAC PBQP-H Regimento específico Referenciais normativos Requisitos complementares Impactos e indicadores Considerações finais Referências Anexo A Capa da dissertação de Ricardo J. Oviedo Haito: Caracterização das empresas executoras de serviços de obras baseada nos seus ativos estratégicos Anexo B Capa do Artigo: O valor do serviço de construção de edifícios: construindo um diferencial Anexo C Capa do Artigo: Competitividade para a sobrevivência das subempreiteiras de obra

5 1 Descrição da pesquisa realizada Esta meta objetivou identificar e analisar as características das empresas especializadas de execução de obras (EEE) que atuam nos principais serviços presentes em obras de habitação de interesse social, propondo diretrizes para serem adotadas na produção dos instrumentos regulatórios do SiAC PBQP-H (regimento específico, referencial normativo, requisitos complementares do SGQ). Para tanto, a Meta 4 foi organizada em seis etapas: EE1. Identificação dos serviços críticos presentes em obras de HIS (custo, desempenho, patologias, etc.); EE2. Formulação dos pontos a serem investigados em campo; EE3. Investigação de campo em universo de empresas selecionadas atuantes na HIS; EE4. Análise de resultados de campo; EE5. Proposição de diretrizes para serem adotadas na produção dos instrumentos regulatórios do SiAC PBQP-H; EE6. Proposição de orientações gerais para o desenvolvimento das empresas especializadas, incluindo para a capacitação da sua mão-de-obra. Tais indicadores são detalhados a seguir. Cabe destacar que os resultados produzidos até o indicador EE4 são mais bem detalhados na dissertação de Oviedo Haito (2009), sendo a discussão aqui relatada dirigida à proposição de diretrizes para a inclusão destas empresas no SiAC PBQP-H e de orientações para a sua capacitação. 1.1 Identificação dos serviços críticos presentes em obras de habitação de interesse social (em termos de como custo, desempenho, patologias, etc.) Esta etapa esteve orientada ao entendimento da relação entre as EEE e o seu ambiente externo (composto por, entre outros, as construtoras, fabricantes e fornecedores de materiais, órgãos de capacitação e órgãos de certificação), identificando quais serviços críticos seriam prioritários para a qualidade do ambiente construído, bem como às vantagens percebidas pelos agentes relacionados à produção dos edifícios (incluindo às EEE) da implementação de certificação de sistemas de gestão nas EEE. Paralelamente, buscou-se identificar algumas características das EEE (p.ex. a sua organização, competências do seu pessoal, etc.), objetivando definir um perfil a certificar e, em base ao qual, empreender ações de capacitação nas EEE para a sua adequação aos padrões a serem futuramente requeridos. Desta forma, identificou-se que as EEE são um subconjunto das empresas executoras de serviços de obra (EES) que, entre outros, está composto principalmente pelas EEE, pelas subempreiteiras (SE) e pelas empresas que executam serviços complexos (ESC). As EES formam parte importante do conjunto de agentes responsáveis pelos resultados da construção civil, ou cadeia produtiva do setor da construção civil (CP), cujas atividades impactam nas atividades de outros agentes da sociedade que, em conjunto, formam o conjunto de partes interessadas na construção civil (partes interessadas), entre as quais se encontram: Sociedade, Usuários, Governo, Seguradoras, Instituições de Capacitação, Credenciamento, Certificação, Pesquisa e Desenvolvimento, Investidores / financiadores / empreendedores, Incorporadoras, Serviços (Engenharia e Projetos), Serviços de outros fornecedores, Construtoras, empresas executoras de serviços de obra, Trabalhadores da Construção Civil, Fabricantes de Materiais, Fornecedores de máquinas e equipamentos para a construção, Revendas de materiais de Construção, etc. 5

6 Neste sentido, realizou-se um estudo exploratório, levantando 60 serviços (relacionados a igual número de especialidades técnicas) e expondo-os a sete entrevistados representantes de diferentes contratantes das EES (construtoras e fabricantes / fornecedores de materiais). Nesta primeira aproximação foi encontrado que a criticidade dos serviços depende de muitos fatores, superando largamente as características de uma determinada especialidade técnica. Tal criticidade varia de empresa para empresa, de empreendimento para empreendimento e de serviço para serviço para atributos tais como: custo, prazo, qualidade, patologias, etc. Portanto, estabelecer um conjunto de serviços críticos foi difícil, porém, as 18 especialidades técnicas contidas no Quadro 4.1 foram mencionadas pelos contratantes das EEE como aquelas que melhor e pior lhes atendem, sendo este critério utilizado para a escolha das empresas a serem pesquisadas. N As que melhor atendem As que pior atendem 1 Elevador Pintura 2 Fundações Empresas fornecedoras de concreto 3 Ar Condicionado Terraplenagem 4 Contrapiso Instalações Elétricas 5 Alvenaria Instalações Hidráulicas 6 Gesso Acartonado Impermeabilização 7 Instalações Elétricas 8 Instalações Hidráulicas 9 Porta Corta Fogo 10 Revestimento Cerâmico 11 Revestimento Gesso 12 Revestimento Interno 13 Revestimentos de fachada 14 Esquadrias Quadro EES que melhor e pior atendem aos requisitos das construtoras (OVIEDO HAITO, 2009). Por outro lado, em tal pesquisa exploratória, foi encontrada a desvalorização da certificação como critério de seleção das EEE nas concorrências conduzidas pelos contratantes. Assim, os contratantes das EES preferem, na maioria dos casos, a contratação das EES pelo melhor preço ofertado. Como resultado desta preferência e das características internas das EES, encontrou-se que 50% delas encerram as suas atividades no quarto ano de operação (SEBRAE-SP, 2008). Este resultado evidencia o desequilíbrio entre as condições internas das EES e as condições de competição, sendo necessário se aprofundar no entendimento das características que as EES possuem para competir e refletir sobre quais seriam necessárias para satisfazer as necessidades mutantes do mercado. 1.2 Formulação dos pontos a serem investigados em campo Neste sentido, foi encontrado que as EES encerram as suas atividades ou sobrevivem, em grande parte, devido às suas limitações em termos de recursos. Para lidar com tal condição foram encontrados quatro vetores: o fortalecimento das suas competências, o amadurecimento do seu sistema de gestão, contar com o suporte de um mentor e o fortalecimento de suas cadeias de relacionamentos. Desta forma, as EES potencialmente gerenciarão o acesso e o desenvolvimento dos recursos adequados para encarar as condições de competição dominantes nas suas atividades. 6

7 Assim, Thornhill e Amit (2003) determinaram que as empresas entram em falência quando os seus recursos e competências (R&C) são insuficientes ou obsoletos (com respeito aos requisitos do mercado) como para lhes gerar ingressos econômicos que lhes permitam se manterem operando. Em outro sentido, quando os R&C da empresa lhes permitem obter resultados superiores à média do mercado, constituem para as empresas resultados superiores, ou obter a sua vantagem competitiva (VC) (PORTER, 1989). Desta forma, o gerenciamento das causas de sobrevivência, mortalidade e liderança no mercado das empresas determina o estágio competitivo das EES. Mas tal VC é de curta duração. Como expresso anteriormente, só 50% das EES sobrevivem ao quarto ano de operação, indicador de que a sua VC é perecível, sendo interessante a empresa desenvolver características tais que a façam operar muito mais tempo no mercado. Neste sentido, Hoffman (2000) discutiu a necessidade das empresas criarem resultados superiores, únicos, que possam ser mantidos e melhorados no tempo. Para tanto, Hoffman (2000) discutiu o conceito da vantagem competitiva sustentável (VCS), definindo-o como sendo o benefício prolongado que resulta da implementação de uma estratégia única de criação de valor não sendo implementada por nenhum concorrente atual ou potencial e que os benefícios da aplicação desta estratégia sejam difíceis de reproduzir. Isto, em outras palavras, quer dizer que as EES devem ser capazes de criar melhores resultados constantemente, tanto para os seus clientes como para eles próprios, o qual pode ser conseguido mediante as fontes que a empresa tem para criar tal VCS. Neste sentido, Gruchman (2009) realizou um levantamento das teorias relacionadas com a criação de valor nas empresas, ou a construção dos seus resultados, agrupando-as em três grupos: visão baseada em atividades (ABV), visão baseada nos recursos (RBV) e visão baseada nos processos (PBV). A primeira, baseada no trabalho de Porter (1989), é a chamada visão baseada em atividades, que considera que a construção dos resultados das empresas passa pela organização das atividades necessárias, tanto principais como de apoio ou retaguarda, para criar produtos e serviços segundo três estratégias genéricas: liderança em custos, diferenciação e enfoque. A segunda é a chamada visão baseada em recursos, na qual se entende que os recursos e competências que a empresa possui são os elementos que permitem a ela entregar resultados superiores e valiosos para os seus clientes. Segundo esta perspectiva, Amit e Schoemaker (1993) consideram como recursos todos os elementos ou fatores, tanto tangíveis quanto intangíveis, que podem render benefícios econômicos à empresa. Assim, a estrutura organizacional, as competências da mão-de-obra, as qualidades do resultado (produtividade, qualidade, garantia, etc.), as ferramentas, etc. são elementos valiosos que permitem a empresa produzir resultados diferenciados dos seus concorrentes, denominando-os ativos estratégicos. No entanto, como discutido por Porter (1996), os recursos e competências só fazem sentido desde que relacionados a certas atividades. É por isto que Gruchman (2009) chamou a atenção para a utilização de lógicas que integrem atividades e R&C, descrevendo a chamada visão baseada em processos. Outra forma de integrar estas visões pode ser encontrada na chamada Lógica de Serviço (LS), segundo a qual, para Vargo e Lusch (2008), a criação de valor na produção de bens e serviços (como 7

8 é o caso do relacionamento das EES com as suas contratantes) passa pela colaboração dos envolvidos na produção do resultado. Neste sentido, o prestador de serviço só pode configurar uma oferta, a chamada proposição de valor, que será alcançada quando existir a participação efetiva do cliente. Tal proposição é composta por tudo aquilo que o prestador possui e do qual o seu cliente pode se beneficiar em função dos serviços que os R&C disponibilizados (pelo prestador) podem lhes render. Assumindo uma postura integradora destas lógicas, entende-se que a vantagem competitiva está relacionada a uma eficiência produtiva e eficácia competitiva temporal, mas que, para ser sustentável, são necessárias competências dinâmicas (EISENHARDT e MARTIN, 2000; WINTER, 2009), principalmente atreladas às atividades de retaguarda da empresa, encarregadas de desenvolver a empresa nas condições mutantes da competição. Assim sendo, descrever as EES em função dos seus ativos estratégicos é útil para vários propósitos, incluindo para entender qual é o seu estágio competitivo. Esta integração é descrita graficamente na Figura 4.1. Forças institucionais e do Mercado Vantagem Competitiva Sustentável da Empresa Desempenho no mercado Estratégia Processos Atividades Recursos e competências ATIVOS ESTRATÉGICOS Figura 4.1 Relação dos ativos estratégicos e a vantagem competitiva sustentável das empresas executoras de serviços de obras (EES). A Figura 4.1 mostra uma composição genérica daquilo que a EES possui para construir o seu resultado, ou seus ativos estratégicos. Com base neles, as EES podem se posicionar para chegarem em determinados resultados e vice-versa. Assim, a proposição de valor pode ser expressa em função do escopo a ser comercializado no serviço (ECS), o qual pode ser descrito em função de determinados elementos do sistema de produção, ou em termos gerais, do sistema de gestão da EES. Por outro lado, Cardoso (2003) desenvolveu um modelo composto de nove macroprocessos como base para a capacitação e certificação de EES. Os macroprocessos por ele determinados estão principalmente orientados à eficácia produtiva da EES, dando pouca importância às funções de retaguarda e da outra característica marcante das EES, a sua baixa posse de R&C ou, em geral, de ativos estratégicos. Levando em consideração todas estas características, o marco analítico mostrado na Figura 4.2 foi desenvolvido para o estudo das EES, considerando 13 macroprocessos (incluindo alguns de retaguarda administrativa, mais bem detalhados no Quadro 4.2), os R&C e algumas atividades de gestão necessárias para a sua implementação. 8

9 Produção Projeto TGP-HAB - Tecnologia e gestão no processo de produção de habitação de interesse social Planejamento e gestão Comercial Tecnologia da Informação Assistência técnica Marketing (relacionamento) Contábil / Financeira Suprimentos Projeto (de produto) Projeto (de processo) Planejamento da produção Recursos humanos Segurança do trabalho Produção Macroprocesso Descrição Gerenciamento da estratégia, dos objetivos, da divisão do trabalho e dos indicadores de gestão empresarial (físicos e financeiros) da EES Gerenciamento do ciclo de vida dos contratos de execução dos serviços, desde a elaboração das ofertas e posterior formalização em contratos, o seu acompanhamento até o seu fechamento Gerenciamento do sistema de suporte à tomada de decisões e da documentação das informações da EES Gerenciamento da satisfação do cliente, no que se refere tanto ao produto construído quanto ao seu desempenho Gerenciamento dos relacionamentos da EES com o seu ambiente externo (p.ex. clientes, fornecedores, etc.) para o desenvolvimento de ativos Gerenciamento das movimentações financeiras, aspectos contáveis e tributários atrelados à atuação da EES Gerenciamento das ações de logística interna e externa da EES (aquisição de bens e serviços, distribuição e transporte de materiais no canteiro, etc.) Gerenciamento do processo do projeto que define as qualidades do produto a ser executado Gerenciamento do processo do projeto que contém as características e condições nas quais o produto será executado Gerenciamento da estratégia de execução dos serviços e dos seus requerimentos em termos de recursos e competências Gerenciamento das pessoas envolvidas em todas as linhas da empresa Gerenciamento da sistemática de segurança e saúde no trabalho adotada pela EES e a sua adequação com a normatividade vigente Gerenciamento das condições de organização e execução do serviço, bem como da sua preservação e da preservação dos outros serviços existentes Quadro Macroprocessos considerados na avaliação das fontes de VCS das EES. Planejamento e gestão Comercial Tecnologia da Informação Assistência técnica Marketing (relacionamento) Contábil / Financeira Suprimentos Projeto (de produto) Processos Posicionamento estratégico da empresa Projeto (de processo) Planejamento da produção Recursos humanos Segurança do trabalho Atividades de Gestão Planejar Coordenar Executar Controlar Atuar Aprender LEGENDA: Mão-de-obra (Vanguarda) Funcionários (Retaguarda) Ativos físicos Ativos financeiros Capital organizacional Capital de relacionamentos Ativos de Saída Recursos e Competências Linha de retaguarda no escritório Linha de retaguarda no canteiro Linha de vanguarda Figura Representação gráfica do marco analítico utilizado para o levantamento de ativos estratégicos das EES (baseada em Lodato, 2006). 9

10 Portanto, o diagnóstico dos ativos estratégicos possuídos pelas EES pode ser realizado mediante a análise das cinco dimensões do marco da Figura 4.2, avaliando-se: posicionamento estratégico da empresa; organização da empresa em três linhas: Vanguarda, Retaguarda no canteiro e Retaguarda no escritório; a Vanguarda significa contato direto com os processos de transformação (Produção); as Retaguardas representam os processos de apoio; processos envolvidos na cadeia de valores de uma EES; atividades de gestão necessárias; recursos e competências envolvidos. Devido aos diversos ECS que são comercializados, as EES não são diretamente responsáveis por todos os elementos que compõem o serviço. Neste sentido, a Figura 4.2 dá também destaque à atividade Coordenar, que é aquela que deve ser obrigatoriamente conduzida pelo dono da EES a fim de gerenciar o sucesso do serviço. Tal marco pode ser utilizado em dois sentidos: para avaliar o conjunto de R&C que a empresa possui para desenvolver determinado conjunto de processos relacionados a determinada estratégia ou, no sentido inverso, para avaliar o tipo de estratégia que a EES pode desenvolver com base nos processos e R&C que ela tem. Dessa forma, o diagnóstico de uma EES parte do entendimento do seu posicionamento estratégico, seguido, por cada um dos recursos e competências encontrados (Mãode-obra - Vanguarda, Funcionários - Retaguarda, Ativos físicos, Ativos financeiros, Capital organizacional, Capital de relacionamentos e Ativos de Saída), da análise das atividades de gestão relacionadas aos processos que deveriam compor a cadeia de valores definida em função de tal posicionamento, tomando como base os processos da Figura 4.2, organizados nas três linhas mencionadas, identificando quais conjuntos de células da matriz tridimensional estabelecida a EES possui. 1.3 Investigação de campo em universo de empresas selecionadas atuantes na HIS Resumo da metodologia empregada Para a sua elaboração, esta pesquisa foi desenvolvida com base da revisão bibliográfica do estado da arte relacionado às EES (SE, EEE, etc.) e na realização de dois estudos exploratórios. O primeiro realizado nas empresas que as contratam (construtoras, fabricantes de materiais, etc.), buscando entender quais dos serviços que as EES executam são críticos na construção de edifícios. O segundo foi realizado buscando entender do quê as EES estão compostas para entregar os seus resultados, como detalhado em Oviedo Haito (2009). Desta forma, em função das reflexões anteriores foram pesquisados em campo quais os ativos que as EES do setor possuem em termos de recursos, organização do trabalho e resultados ofertados, os quais configuram a proposta do valor do serviço ofertada para seus clientes. Para tanto foram entrevistadas 24 EES, representando 11 especialidades técnicas diferentes, selecionadas por indicação, e em função de referências de seu desempenho obtidas em entrevistas com representantes de empresas construtoras, ou por alguns fabricantes de materiais ou por concorrentes. 10

11 As entrevistas realizadas nos dirigentes das EES foram conduzidas com apoio de um questionário contendo perguntas divididas em quatro grupos temáticos. Os dois primeiros foram direcionados a entender o posicionamento estratégico da empresa (identificação da empresa e identificação do serviço). No terceiro grupo, buscou-se descrever quais os ativos estratégicos possuídos e qual o respaldo recebido dos outros agentes da CP (ativos físicos, ativos financeiros, capital organizacional, capital de relacionamentos, capital humano, ativos de saída). O quarto grupo foi orientado ao levantamento das principais dificuldades e estratégias empregadas para o acesso, desenvolvimento e aplicação desses ativos. No que tange ao capital organizacional e humano, estes foram analisados segundo as linhas nas quais estão divididas as organizações das EES (OVIEDO HAITO, 2009), como descritas no Quadro 4.3. Os resultados da análise deste estudo são descritos no item 2. Linha Posição Função A Vanguarda Vanguarda da Produção: Composta da mão-de-obra diretamente envolvida na fabricação do produto final. P.ex. carpinteiro na especialidade técnica de fôrmas B Vanguarda Retaguarda da Produção: Está composta pelo pessoal que dá suporte à vanguarda na execução do serviço. P.ex. ajudantes e meio-oficiais na especialidade técnica de gesso acartonado Retaguarda Técnica do canteiro envolvida em um canteiro só: Integrada pelo C Retaguarda pessoal de tomada de decisões cujo alcance na empresa encontra-se, do canteiro geralmente, restrito a um canteiro só. P.ex. encarregado da especialidade técnica de alvenaria ou estagiário D E F G H Retaguarda do canteiro Retaguarda do canteiro Retaguarda do escritório Retaguarda do escritório Retaguarda do escritório Retaguarda Técnica do canteiro envolvida em vários canteiros: Integrada pelo pessoal de tomada de decisões responsável por vários canteiros de obras em paralelo. P.ex. engenheiro de obras, fiscal / supervisor da especialidade técnica de fundações Retaguarda Administrativa do canteiro: Pessoal de suporte administrativo atrelado a um ou mais canteiros. P.ex. almoxarife, apontador, etc. Retaguarda Técnica do escritório: Integrada pelo pessoal de suporte técnico às operações da empresa, cuja base encontra-se no escritório. P.ex. responsável pelo planejamento da produção Retaguarda Administrativa do escritório: Pessoal atrelado às funções administrativas da empresa. P.ex. contador, administrador, etc. Diretoria: Função desempenhada pelos tomadores de decisões da empresa de postos mais elevados, integrada por cargos como dono ou diretor da empresa Nota: Houve EES entrevistadas que desempenham várias especialidades técnicas simultaneamente, sendo que os seus integrantes podem desenvolver tarefas para mais do que um serviço ou especialidade. Quadro Descrição da estratificação das linhas de vanguarda e retaguarda adotada nesta pesquisa. 2 Resultados e produtos 2.1 Melhor conhecimento das empresas especializadas na execução de obras O detalhamento deste produto encontra-se na pesquisa de Oviedo Haito (2009). Nela foi encontrado que existem diferentes tipos de EES, sendo estas classificadas e conhecidas comumente segundo características tais como: as especialidades técnicas que elas executam, segundo a sua 11

12 forma de contratação, etc. Dentre dos diferentes tipos de EES, foi encontrado que as EEE se diferenciam por características tais como as mostradas no Quadro 4.4: N⁰ Característica 1 Tipologia 2 Posicionamento Posicionamento / Capital de Relacionamentos Posicionamento / Condições de competição Condições de competição Condições de competição 7 Ativos Físicos 8 Ativos Financeiros 9 Capital Humano 10 Capital Organizacional Resultado Observado os principais fatores genéricos encontrados para descrever as EES foram o número de trabalhadores e a origem da empresa o posicionamento das EES é majoritariamente baseado na imitação, seja por experiências anteriores, por novos canais de venda, etc., fazendo com que os escopos comercializados no serviço (ECS) sejam basicamente os mesmos, virando as ofertas em commodities as EES são contratadas por seis diferentes tipos clientes: Construtoras, usuários do edifício, empreendedor, revendedor e distribuidor de materiais de construção, outras EES e por fabricantes de materiais na maior parte dos casos, os dirigentes manifestaram que as suas contratantes não valorizam as proposições de valor ofertadas, devendo adaptar os ECS oferecidos e, portanto, o desenvolvimento de ativos estratégicos, aos ECS commodities valorizados na contratação pelo menor preço, onde critérios de excelência empresarial são considerados secundários a falta de condições no canteiro de obras oferecidas pela maioria das construtoras é um dos principais problemas para entregar o resultado desejado pelas EES, assim como as condições impostas pelos seus contratantes no geral, baseadas na competição por menor preço, fator que desmotiva a intenção do dirigente da EES de desenvolver e melhorar a sua empresa; isto afeta, entre outras, a necessidade de melhoria contínua, uma vez que esta parece dispensável para muitas das contratantes das EES as condições da competição dificultam o acesso aos recursos e desenvolvimento de competências necessários para as EES implementarem um sistema de gestão da qualidade (SGQ) possuem acesso ou posse das ferramentas e equipamentos necessários para a produção dos seus serviços e realizam a gestão do fornecimento dos materiais usados na produção possuem capacidade de financiamento da sua produção a baixa formalização do sistema de gestão destas empresas faz com que o seu Capital organizacional se confunda com o seu Capital humano. Este Capital humano se caracteriza pelo fato da mão-de-obra ser principalmente formada na própria empresa, sendo o tempo da experiência no serviço um parâmetro respeitável na avaliação das suas competências; neste sentido, na média, o tempo de formação identificado foi: 2 anos para um ajudante, meio-oficial em 1,5 ano, oficial em 2,5 anos, encarregado em 2 anos, supervisor - fiscal em 1,5 ano. Também, o Capital humano das EES entrevistadas é relativamente jovem. O pessoal relacionado com a produção geralmente desenvolve as suas competências mediante o aprendizado como produto da experiência, fator que relaciona os tempos de aprendizado entre postos principalmente de vanguarda e retaguarda de produção. A rotatividade do pessoal de produção é elevada. Porém, o pessoal que permanece na EES faz um plano de carreira, nela evoluindo de função e posto de trabalho. As pessoas das linhas de retaguarda têm períodos de formação diferentes em função da especialidade e origem da empresa; no caso dos dirigentes, duas origens são evidentes: profissionais formados e trabalhadores da CC que abrem suas empresas. Neste último caso, as abrem depois de terem passado por um tempo de formação, no mínimo, equivalente ao dos encarregados a documentação dos processos é baixa (menor que 30% no melhor dos casos), principalmente devido às dificuldades atreladas à gestão da empresa, constituindo uma boa oportunidade a introdução de ferramentas de Tecnologia da Informação (TI), para subsidiar os esforços da EES neste sentido Quadro 4.4 Algumas características das EES observadas no estudo de campo (Continua 1/3) 12

13 N⁰ Característica Resultado Observado muitas das EES são de grande porte, mas apresentam organizações próprias de empresas pequenas, onde o dono não tem tempo para pensar nas condições que 11 permitam a sua empresa desenvolver VCS, sobretudo por falhas do desenvolvimento de atividades de retaguarda fatores tais como centralização, complexidade e estratificação da estrutura organizacional variaram principalmente em função do número de trabalhadores 12 (Porte) e da origem da empresa, os quais foram analisados a partir da desagregação da organização das EES em linhas, processos e postos Encontrou-se que as EES podem ser estudadas em função de oito linhas identificadas: duas de vanguarda (A e B), três de retaguarda no canteiro (C, D, E) e três na retaguarda no escritório (F, G, H). Analisando tais linhas encontrou-se que, a medida que estas empresas crescem, a tendência é similar à especificada como burocracia profissional (MINTZBERG, 1996), salvo a inversão no crescimento das suas estruturas técnicoprofissionais face à sua estrutura de suporte administrativo. Tal autor destacou que o crescimento da empresa ocorreria no núcleo operacional (Linhas A, B), nos estratos intermediários (Linhas C, D), no pessoal de suporte administrativo (Linhas E, G) e, em menor proporção, na tecno-estrutura da empresa (Linha F). Contrariamente, foi 13 encontrado que o crescimento na tecno-estrutura é mais importante nas EES, principalmente naquelas originadas de trabalhadores da CC. É de se destacar que, salvo em duas exceções, a estrutura de suporte administrativa observada foi da mesma ordem de grandeza, ou maior, que a tecno-estrutura da EES; correspondendo tais casos a EES de grande porte com vários empreendimentos em paralelo, assemelhando-se a sua estrutura a uma forma divisional. Assim, As decisões tomadas nas EES concentram-se nas Linhas C, D e H; salvo para as EES originadas em trabalhadores da CC (onde o dono assume as funções da linha D) e nas microempresas, onde as decisões são tomadas nas Linhas A (oficial) e H (dono) Thornhill e Amit (2003) classificaram os comportamentos das empresas como de novas e velhas, em função da posse de R&C para competir no mercado; as EES 14 originadas por trabalhadores da CC apresentaram comportamentos de novas, e as originadas por profissionais com títulos universitários, ou superiores em geral, apresentaram comportamentos de velhas Encontrou-se também as configurações de Linhas A, G, H e A, B, G, H estão relacionadas às microempresas, cujos serviços individuais duram, em média, aproximadamente 3 dias, ou 451 horas de produção em paralelo. Configurações tipo A, B, C, G, H e A, B, C, F, G, H estão relacionadas às pequenas empresas, cuja 15 capacidade de produção unitária é aproximadamente de 113d ou horas de produção em paralelo. Configurações tipo A, B, C, D, F, G, H caracterizam às médias empresas (168 dias de produção ou horas de produção em paralelo). As grandes empresas possuem uma configuração média tipo A, B, C, D, E, F, G, H, relacionada a 190 dias de produção ou horas de produção em paralelo Capital de quanto ao Capital de relacionamentos, foi encontrado que é o interesse comercial que 16 Relacionamentos determina os suportes em determinados R&C entregues às EES os ativos adquiridos pelas EES no Capital de relacionamentos são produto dos seus Capital de relacionamentos comerciais (clientes, fornecedores, etc.), e não mediante redes, 17 Relacionamentos associações, sindicatos ou parcerias. Em nenhum dos casos, algum ativo específico foi suportado para mais do que 33% das EES entrevistadas conseguem garantir, no mínimo, a execução do serviço mediante o fornecimento de mão-de-obra para eventuais reparos. O seu desempenho no mercado faz com que elas 18 Ativos de saída tenham aprendizado organizacional e uma imagem criada que faz que, em muitos dos casos, elas não entrem em leilão para competir, mas sejam contratadas por indicação Quadro 4.4 Algumas características das EES observadas no estudo de campo (Continuação 2/3) Capital Organizacional 13

14 N⁰ Característica Principais dificuldades e estratégias para superá-las Composição de ativos das EES de bom desempenho, ou seja, das EEE Capital Organizacional / Humano EEE Resultado Observado No seu ambiente externo, relacionadas às condições de contratação por menor preço e quase inexistente reconhecimento ou valorização das suas diferenças e das diferenças nos ECS oferecidos nos relacionamentos com os seus contratantes. No seu ambiente interno, as principais dificuldades e estratégias para superá-las estiveram relacionadas ao Capital organizacional e humano, Capital de relacionamentos e ativos de saída; para os quais, as empresas de grande porte pareceram estar mais bem preparadas todas as EES entrevistadas foram recomendadas pelo seu bom desempenho, e tiveram em comum: a) vanguarda (mão-de-obra) qualificada; b) retaguarda (gestores) qualificada, principalmente nos aspectos relacionados à produção dos seus serviços em várias linhas; c) capacidade de financiamento da produção; d) acesso ou posse das ferramentas e equipamentos necessários para a produção; e) gestão do fornecimento dos materiais usados na produção; f) existência de cadeias produtivas e partes interessadas ligadas aos materiais por elas utilizados, que eventualmente respaldam as EES; g) conseguem fornecer garantia pela execução do seu serviço, no mínimo, fornecendo a mão-de-obra necessária para algum eventual reparo as empresas que possuem, principalmente, as competências para a execução do escopo de serviço contratado nas linhas de vanguarda e retaguarda, o que lhes permite oferecer garantia do ECS contratado, correspondem às empresas especializadas EEE; estas são contratadas por seis tipos diferentes de clientes, sendo os mais destacados as construtoras e os fornecedores ou fabricantes de materiais estas EEE apresentaram outra característica diferenciada, a capacidade de prestar Capital serviço, quer dizer, de oferecer um proposição de valor que modifique a forma com Organizacional - que o seu contratante desenvolve as suas atividades; outros tipos de EES oferecem, EEE por exemplo, só o recurso mão-de-obra para a execução do serviço, sendo toda a gestão assumida pela contratante Quadro 4.4 Algumas características das EES observadas no estudo de campo (Conclusão 1/3) 2.2 Diretrizes a serem adotadas na produção dos instrumentos regulatórios do SiAC PBQP-H Recomenda-se que as principais diretrizes para serem adotadas na produção dos instrumentos regulatórios do SiAC PBQP-H (regimento específico, referencial normativo, requisitos complementares do Sistema de gestão da Qualidade) digam respeito à implementação do modelo de gestão da EES proposto por Cardoso (2003), adicionado dos macroprocessos de retaguarda que, em conjunto, são mostrados na Figura 4.3. Esta figura mostra três diferentes resultados do estudo de campo, ligados aos macroprocessos mostrados na sua primeira coluna. O primeiro deles diz respeito à freqüência na qual tais processos foram observados para o total das empresas entrevistadas. O segundo ilustra os processos que são mais desempenhados em determinadas linhas (alguns deles com alta X ou alta Θ freqüência). O terceiro classifica os processos segundo a quantidade de postos que as EES entrevistadas lhes atribuem em média; parâmetro que, indiretamente, indica também a freqüência com que tais processos aparecem nas EES. Em conjunto, a Figura 4.3 contém os processos classificados segundo quantas vezes determinado processo aparece segundo esses parâmetros. Com base nestas análises, juntamente com a evolução das linhas segundo seus portes (item 15 do Quadro 4.4, representado graficamente na Figura 4.4) foram propostos quatro estágios: a) Nível Adesão; b) Nível Execução; c) Nível Gestão em Canteiro; d) Nível Empresarial. É de se destacar que para a identificação destes processos, a variação de fatores tais como origem da empresa, porte, especialidade técnica e tempo de duração média dos empreendimentos 14

15 foi relevante, indicando diferenças que são apropriadas na definição das características particulares desta proposta para se compatibilizar com as práticas identificadas nas EES. Macroprocessos dos Processos desempenhados da relação entre as linhas e os processos A B C D E F G H Suprimentos 100.0% X X X X X X X X X Recursos humanos 100.0% X X X X X X Produção 100.0% X X X X X X Comercial 100.0% X Θ X X X X Assistência técnica 100.0% Θ Θ X X X Contábil / Financeira 95.8% X X X Planejamento da produção 95.8% Θ X X X Θ X X Segurança do trabalho 95.8% X X X X X Planejamento e gestão 91.7% X Θ X X Marketing (relacionamento) 83.3% Θ X X Projeto (de processo) 62.5% X X X X X Tecnologia da Informação 29.2% X X X Projeto (de produto) 29.2% Θ Θ X X X Nota: Θ Baixa freqüência X Alta freqüência Freqüência dos processos em 24 casos: 1 empresa = 4,2% 4 a 6 do n⁰ de postos por processo Figura Macroprocessos a serem considerados nos estágios do SiAC para EEE segundo a convergência entre as freqüências dos Processos desempenhados, da relação entre as linhas e os processos e número de postos por processo. 2,5 a 3 < 2,5 1 a 2 < 1 Porte Linhas Produção 1 A B C D E F G H obra (dias) Micro I X X X Micro II X Θ X X Pequena I X X Θ X X Pequena II X X X Θ X X Tempo de produção Média X X X Θ X X X Grande X X X X Θ X X X Θ Linhas emergentes X Linhas freqüêntes Evolução das linhas segundo o porte da EES Horas de produção totais (obras paralelas em 1 mês) Figura Evolução das linhas nas EES Os estágios, mostrados na Figura 4.5, contêm agrupamentos de processos tanto do SGQ quanto administrativos da empresa (buscando garantir que determinada EES consiga sobreviver o empreendimento ), não necessariamente evolutivos e adequados às estratégias e aos ECS particulares de determinadas EES. 15

16 A proposta aqui contida é desenvolvida sob o entendimento que as EES devem possuir uma adequada gestão da sua produção; no entanto, para garantir uma participação duradoura no mercado, são necessários processos de retaguarda (OVIEDO HAITO, 2009). Nesse sentido, a entrada da atividade de execução do processo marketing é sugerida para ser incorporada logo no nível Execução, a fim de garantir que a EES desenvolva consciência dos acontecimentos do ambiente externo e as atividades necessárias para acondicionar às suas configurações de ativos estratégicos às necessidades do mercado. Figura Estágios da certificação proposta Tais agrupamentos foram discriminados segundo as atividades de gestão (mostradas na Figura 4.6), relacionadas às competências necessárias para a gestão dos processos envolvidos em cada estágio Regimento específico Como discutido anteriormente, os requisitos a serem exigidos nas EES foram divididos em quatro estágios. Cada estágio cresce, acumulando atividades de gestão e processos com respeito aos níveis anteriores, definindo diferentes configurações de processos a serem certificados. O nível Adesão será utilizado para a EES se incorporar ao processo de certificação, sendo por outro lado, os níveis: Execução, Gestão no Canteiro e Gestão no Escritório certificáveis. Como tais estágios foram elaborados em função de diferentes perfis de EES encontrados (principalmente relacionados ao porte da empresa), eles não são evolutivos, sendo possível uma EES se certificar e permanecer em um dos estágios certificáveis. Devido à natureza destas empresas e a que estas praticam minimamente a documentação dos seus processos (OVIEDO HAITO, 2009) recomenda-se que o objeto da certificação não seja os seus processos, porém as competências para realizar tais processos das pessoas que compõem a EES; com ênfase nos processos de retaguarda. Baseando-se em tal pesquisa é possível entender a inviabilidade de exigir às EES certificarem processos que 1) não são formalizados; e 2) não são documentados, e 3) nem a organização destas empresas considera alocar funcionários para tal tarefa. A imposição desta prática implicaria no aumento dos seus custos indiretos em, no mínimo, a contratação de uma pessoa responsável para tanto, custo que deveria ser transferido ao preço de comercialização do serviço, mas que, como discutido por Oviedo Haito (2009), o mercado valoriza a contratação por menor preço. Desta forma, impor a documentação dos processos nas EES seria mal recebida pelos seus dirigentes se não existirem acordos setoriais que viabilizem para elas a implementação da documentação das suas atividades, através do reconhecimento de tal esforço traduzido no preço pelo qual as EES são contratadas. Neste sentido, encontra-se melhor enfocar esta 16

17 certificação em salientar formas destas empresas garantirem a qualidade dos seus serviços prestados em função daquilo que de fato possuem. Se for viabilizada (através de acordos setoriais) a documentação das suas práticas, seria mais bem aproveitada a contratação de uma pessoa dedicada a gerenciá-la dentro de plataformas da tecnologia da informação, justificando desta forma a incorporação deste processo nas EES. Assim, a capacidade destas empresas será medida em função dos postos que compõem as diferentes linhas de vanguarda e retaguarda da organização Referenciais normativos a) Nível Adesão O primeiro deles, chamado adesão, está orientado à preparação da EES para a formalização dos seus processos. Para tanto, resgatando a importância das competências das pessoas, tal estágio inicia a preparação para o processo de certificação contendo os processos de produção e de recursos humanos. b) Nível Execução O segundo nível, chamado execução, está orientado à certificação da capacidade das EES para a execução dos processos de gestão da produção ligados à vanguarda e retaguarda no canteiro, acrescentados do processo contábil / financeiro (relacionado à formalização da sua interação com agentes internos e externos a sua organização e do estabelecimento de práticas para o conhecimento pleno do seu estágio financeiro). Este nível está dirigido a micro e pequenas empresas, geralmente contratadas por indicação para uma carteira reduzida e estável de clientes e para quando a sua produção seja realizada em poucos canteiros. Complementarmente aos processos mencionados, este nível incorpora a exigência de poder coordenar e executar o processo de marketing de forma a dotar à empresa da capacidade de observar aquilo que está acontecendo no seu entorno. c) Nível Gestão no Canteiro O terceiro nível, chamado gestão no canteiro adiciona ao nível anterior a maior preocupação pela gestão da empresa, incluindo o processo de planejamento e gestão e passando a solicitar a formalização do conhecimento da EES através da gestão do Projeto do Processo. Este nível está dirigido a médias e grandes empresas que trabalham com uma carteira reduzida e estável de clientes e cuja produção está diversificada em vários canteiros. Este processo também incorpora a necessidade das atividades de coordenação e execução relacionadas ao processo de marketing. d) Nível Gestão Empresarial Finalmente, o quarto nível chamado gestão empresarial acrescenta, ao nível anterior, exigências relacionadas à sistematização e documentação de um sistema de suporte à tomada de decisões, através do processo de Tecnologia da Informação. Acrescenta também exigências para o cuidado da interfase EES ambiente externo, visando ao desenvolvimento de ativos através da maior competência no desenvolvimento dos processos de marketing, e de forma optativa, o maior envolvimento da EES para com o processo de projeto do produto. Este nível está orientado ao mesmo perfil de EES que o terceiro nível, porém, para aquelas empresas que procurem desenvolver diferenciais competitivos a longo prazo. 17

18 Figura Convergência entre as freqüências dos Processos identificadas e a sua relação com os níveis de certificação Adesão Execução Gestão no Canteiro Gestão empresarial Adesão Execução Gest. no Canteiro Gest. empresarial Planejar Coordenar Executar Controlar Atuar Macroprocessos Suprimentos X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Recursos humanos X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Produção X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Comercial X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Assistência técnica X X X X X X X X X X X X X X X Contábil / Financeira X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Planejamento da produção X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Segurança do trabalho X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Planejamento e gestão X X X X X X X X X X X X X X X Marketing (relacionamento) X X X X X X X X X X X X X Projeto (de processo) X X X X X X X X X X X X X X X Tecnologia da Informação X X X X X X X X X X X Projeto (de produto) Θ X X Θ X Θ Θ Θ Θ Notas: 1) Coordenar a transação de entregáveis / produtos 2) Θ - atividades optativas Aprender Planejar Coordenar Executar Controlar Atuar Aprender Planejar Coordenar Executar Controlar Atuar Aprender Planejar Coordenar Executar Controlar Atuar Aprender 18

19 2.2.3 Requisitos complementares Dado que na pesquisa de Oviedo Haito (2009) foram encontradas diferenças entre as organizações das EES entrevistadas no que tange a fatores tais como o porte, origem, especialidade técnica e tempo de permanência na obra da EES, algumas considerações complementares deverão ser desenvolvidas a partir dos principais indicadores encontrados na pesquisa de Oviedo Haito (2009), tais como: Quantidade de trabalhadores na produção para um funcionário de respaldo, medido através da relação Vanguarda / Retaguarda; Número de linhas e de postos que constituem a organização; postos próprios, terceirizados, desempenhados pela matriz e posições nas quais o dono se desempenha. 2.3 Orientações gerais para o desenvolvimento das empresas especializadas na execução de obra Em função dos resultados encontrados, recomendam-se como orientações gerais para o desenvolvimento de EEE que: 1) por parte dos agentes institucionais, sejam promovidas condições de competição mais justas, que considerem atributos além do preço, reconhecendo as diferenças enquanto tipos específicos de EES; se facilite o acesso não somente das EEE, como de qualquer EES, a ações de capacitação envolvendo tanto trabalhadores operacionais, como aqueles atuando em postos de tomada de decisões da produção e administrativos; 2) por parte das empresas, sejam formadas associações de EES relacionadas às diferentes especialidades técnicas, para que ganhem força e compartilhem custos de desenvolvimento. Neste sentido, Filippi (2003) propôs três interesses ou estágios aos quais dirigirem os esforços de qualificação nas EES. O primeiro visando à sobrevivência; o segundo visando à diferenciação; e o terceiro visando à consolidação no mercado e manutenção de seus resultados. Após as discussões referidas à VCS com seus blocos constituintes baseados na Visão baseada em atividades (ABV), na Visão baseada em recursos (RBV) ou na Visão baseada em processos (PBV) o posicionamento estratégico visando à sobrevivência corresponderá às EES cujas organizações apresentem as deficiências das organizações novas (THORNHILL e AMIT, 2003), sendo os esforços de qualificação orientados para elas superarem barreiras técnicas e gerenciais referidas à adequada produção do seu produto / serviço e à adequada gestão das suas inter-relações com as partes interessadas. Diferentemente de Filippi (2003), Porter (1996) salientou que a diferenciação é a base da VC, mas que para alcançar melhores resultados o aprimoramento contínuo da efetividade operacional é necessário. Portanto, o segundo estágio deverá ser orientado ao aprimoramento da sua eficiência na produção do seu serviço, no que tange às competências técnicas e gerenciais. Por fim, o terceiro estágio, seguindo à lógica de Porter (1996) e de Kim e Mauborgne (2003), deve corresponder a uma EES capaz de fazer coisas diferentes, quer dizer, de inovar nas soluções entregues aos seus clientes. Isto requer desenvolvimento tecnológico (no sentido expresso por Sabbatini (1989) e Barros (1996)) da solução, a fim de desenvolver uma proposição de valor alcançável e adequada às necessidades e aos serviços requeridos pelos seus clientes alvo. Assim, um ponto fundamental a ser desenvolvido é a questão das capacidades das EES. Uma vez que o seu principal ativo são as pessoas, o desenvolvimento das competências dos trabalhadores da CC deve ser observado com atenção, isto tanto a nível dos executores quanto dos gestores dos serviços. 19

20 Desta forma, Filippi (2003) recomendou adaptar os programas de desenvolvimento de EES para as necessidades específicas dos envolvidos. Neste sentido, recomenda-se desenvolver programas específicos por especialidade técnica e por origem, já que tais organizações são distintas e possuem diferentes interesses, mesmo elas apresentando comportamentos de novas ou velhas organizações. Para as novas, o reforço em temas de produção, significa a sua Vantagem competitiva (VC); o reforço em temas administrativos e gerencias significariam a sua VCS, uma vez que o seu posicionamento estratégico, orientado desde a sua origem, está fundamentado na imitação. Para as velhas, questões relacionadas com a melhoria dos seus processos, tanto produtivos quanto gerenciais com ênfase no planejamento estratégico, ou ainda da sua capacidade de inovação, lhes serão interessantes. Uma vez que os postos das linhas H, D, C e A concentram a tomada de decisões nas EES e que uma das maiores dificuldades identificadas em Oviedo Haito (2009) esteve relacionada com a falta de qualificação da mão-de-obra e dos postos de tomada de decisões, é recomendável desenvolver a oferta de capacitações específicas para alguns dos postos das EES. Em primeiro lugar, a capacitação do dono em temas tanto da gestão da produção quanto empresariais. Em segundo lugar, desenvolver a oferta de cursos de capacitação dirigidos a postos de tomada de decisões relacionados com um ou mais canteiros de obra para as diferentes especialidades técnicas relacionadas à construção de edifícios, e orientadas à sua qualificação na gestão da produção, incluindo técnicas de planejamento da produção. Para a mão-de-obra, recomendam-se capacitações na produção por especialidade técnica, adicionando competências relacionadas à gestão da produção para os funcionários de microempresas. 2.4 Indicadores alcançados O Quadro 4.5 mostra os resultados alcançados para cada indicador do contrato. Quadro 4.5 Situação dos indicadores físicos de execução (Meta 4). Etapa EE1. Identificação dos serviços críticos presentes em obras de HIS (custo, desempenho, patologias, etc.) EE2. Formulação dos pontos a serem investigados em campo EE3. Investigação de campo em universo de empresas selecionadas atuantes na HIS EE4. Análise de resultados de campo EE5. Proposição de diretrizes para serem adotadas na produção dos instrumentos regulatórios do SiAC PBQP-H EE6. Proposição de orientações gerais para o desenvolvimento das empresas especializadas, incluindo para a capacitação da sua mão-de-obra Situação final dos indicadores 60 Serviços analisados, 18 especialidades técnicas selecionadas Revisão bibliográfica completada 7 entrevistas a representantes das contratantes das EES Elaboração de marco analítico para a investigação das características competitivas das EES Revisão bibliográfica completada Aplicação do marco analítico em 24 EES do estado de São Paulo Revisão bibliográfica completada Levantamento de características das EES referidas a: Capital humano, organizacional e de relacionamentos; ativos físicos, financeiros e de saída. Resultados publicados em Oviedo Haito (2009) Conjunto de diretrizes considerando 4 níveis: Adesão, Execução, Gestão no Canteiro e Gestão no escritório Revisão bibliográfica completada 24 entrevistas realizadas Conjunto de orientações relacionadas ao porte e origem das EES, bem como direcionadas à capacitação da sua mão-de-obra e postos de tomadas de decisões no canteiro e no escritório Revisão bibliográfica completada 24 entrevistas realizadas Com estes resultados foi concluída esta pesquisa, cujas conclusões são detalhadas nas considerações finais. 20

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Requisitos para capacitação de subempreiteiros na construção civil

Requisitos para capacitação de subempreiteiros na construção civil Requisitos para capacitação de subempreiteiros na construção civil Giancarlo Azevedo de Filippi (EPUSP) giancarlo@poli.usp.br Francisco Ferreira Cardoso (EPUSP) francisco.cardoso@poli.usp.br Resumo Este

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 DO MARKETING DO PRODUTO À ENGENHARIA DO PRODUTO - A MUDANÇA DE FOCO NECESSÁRIA PARA ATUAÇÃO NOS SEGMENTOS ECONÔMICOS DO MERCADO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Cadeia Produtiva da Construção Civil - PlanHab INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Prof. Alex Abiko Escola Politécnica USP 09 de Abril de

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul:

Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul: Aspectos Gerais sobre Proposta de valor; Estratégias genéricas e Estratégia do Oceano Azul: Gustavo Buoro e David Kallás Proposta de Valor De forma muito simples, a definição de proposta de valor é o que

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

A QUALIDADE DA CONTRATAÇÃO DOS PROJETISTAS DE ARQUITETURA. UM ESTUDO DE CASO NAS CONSTRUTORAS DO RIO DE JANEIRO

A QUALIDADE DA CONTRATAÇÃO DOS PROJETISTAS DE ARQUITETURA. UM ESTUDO DE CASO NAS CONSTRUTORAS DO RIO DE JANEIRO IV WBGPPCE 2004 Workshop Brasileiro de Gestão do Processo de Projeto na Construção de Edifícios A QUALIDADE DA CONTRATAÇÃO DOS PROJETISTAS DE ARQUITETURA. UM ESTUDO DE CASO NAS CONSTRUTORAS DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Processo de elaboração dos indicadores do Sistema de Gestão da Qualidade voltados para Sustentabilidade na Construção Civil

Processo de elaboração dos indicadores do Sistema de Gestão da Qualidade voltados para Sustentabilidade na Construção Civil Processo de elaboração dos indicadores do Sistema de Gestão da Qualidade voltados para Sustentabilidade na Construção Civil QUEILA RODRIGUES Universidade Federal do Pampa andressalhamby@hotmail.com MAURÍCIO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Edital Permanente Incubaero

Edital Permanente Incubaero Edital Permanente Incubaero A Incubaero torna pública a abertura permanente de inscrições para candidatos ao ingresso, como incubados, em seu quadro de empresas e ou de pré-projetos de base tecnológica.

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Histórico 1991 PRONATH Prog. Nac. de Tecnologia da Habitação 1993 PROTECH Vilas Tecnológicas 1996 Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO

DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO DE CASO ESCOLA FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA MANUTENÇÃO TERCEIRIZADA ESTUDO

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA TALLER I: ERRADICACIÓN DE LA POBREZA Y DESARROLLO: UN NUEVO PARADIGMA DEL DESARROLLO

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Estratégia de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Estratégia de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Estratégia de pesquisa Toda atividade racional e sistemática exige que as ações desenvolvidas ao longo do tempo sejam efetivamente planejadas, com a pesquisa não é diferente. Para Creswell

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC Execução de Obras REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte.

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação

Tipos de Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Parte 2 Aula 5 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Classificação dos sistemas de informação? Cada sistema de informação é específico para desempenhar uma

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP Autores: Antonio Carlos Gola Vieira Aluno da Faculdade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA MODELAGEM DO PROCESSO DE PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE EDIFICAÇÕES Fabiane Vieira ROMANO M. Eng. Produção, Eng. Civil, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Elsevier/Campus www.elsevier.com.br www.chiavenato.com SUMÁRIO RESUMIDO PARTE I: Os fundamentos da Administração PARTE II: O contexto em que

Leia mais

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal

ABM BLUE CONVÊNIO E PUBLICIDADE - LTDA CNPJ: 22.153.768/0001-38 Endereço: Rua C-5, lote 09, sala 101, Taguatinga - Centro Brasília / Distrito Federal Sumário A. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. Sobre Nós... 3 1.1. - Missão... 3 1.2. - Visão... 3 1.3. - Valores... 3 2. Serviços... 4 2.1. Das atividades da BLUE CONVÊNIO: seus objetivos e finalidade...

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA ANEEL / BNDES / FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR ELÉTRICO INOVA ENERGIA 01/2013 Modelo de Plano de Negócios Junho - 2013-1 - Introdução Este documento tem

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR I, II e III (Manual para a realização do Projeto Interdisciplinar do Curso de Tecnologia em Logística)

PROJETO INTERDISCIPLINAR I, II e III (Manual para a realização do Projeto Interdisciplinar do Curso de Tecnologia em Logística) FACULDADE NOSSA SENHORA APARECIDA FANAP CURSO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA PROJETO INTERDISCIPLINAR I, II e III (Manual para a realização do Projeto Interdisciplinar do Curso de Tecnologia em Logística)

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE EM EMPRESAS CONSTRUTORAS DE BELÉM/PA

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE EM EMPRESAS CONSTRUTORAS DE BELÉM/PA AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE EM EMPRESAS CONSTRUTORAS DE BELÉM/PA RENATO MARTINS DAS NEVES(); LUIZ MAURÍCIO FURTADO MAUÉS(); VERÔNICA DE MENEZES NASCIMENTO() ()UFPA/

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO NO APOIO A GESTÃO DE SERVIÇOS Eng. Esp. Elias G. Teixeira Prof. Antônio F. Neto, PhD engelias.teixeira@gmail.com antfarianeto@gmail.com Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade

Leia mais