1. Sobre que elementos de seu ciclo operacional a empresa tem liberdade de ação?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Sobre que elementos de seu ciclo operacional a empresa tem liberdade de ação?"

Transcrição

1 Capítulo 1 Administração de Capital de Giro QUESTÕES 1. Sobre que elementos de seu ciclo operacional a empresa tem liberdade de ação? Prazo de fabricação/estocagem, prazo de pagamento e prazo de recebimento. A empresa tem liberdade de ação total sobre o prazo de fabricação/estocagem. Os prazos de pagamento e recebimento são determinados pelo mercado e, para modificá-los, a empresa precisa assumir o custo financeiro e dificuldades negociais decorrentes do retardamento do pagamento ou da antecipação do recebimento. 2. Por que um ciclo financeiro curto acarreta alto giro de caixa? Porque o giro de caixa é igual a um valor constante (360) dividido pelo ciclo financeiro. Desse modo, quanto menor o divisor - o ciclo financeiro -, maior será o quociente - o giro de caixa. 3. Que medida poderia trazer redução permanente e eficaz do ciclo financeiro? A redução do prazo de fabricação/estocagem. 4. Qual o ciclo financeiro de uma empresa que tem giro de caixa de quatro vezes por ano?

2 90 dias. (360 4) 5. Uma empresa tem um prazo de fabricação/estocagem de 50 dias, prazo de pagamento de 40 dias e prazo de recebimento de 20 dias. Qual seu ciclo de caixa? 30 dias. ( ) 6. Qual a principal limitação do índice de liquidez corrente? Considerar que os estoques representam disponibilidade financeira imediata, sem levar em conta a provável dificuldade de convertê-los em dinheiro. 7. Que índice tenderia a ser mais estável ao longo do tempo: o índice de participação das disponibilidades, ou o índice de participação dos estoques? O índice de participação dos estoques. O valor das disponibilidades varia muito mais do que o valor dos estoques, tanto no longo, como no curto prazo. 8. Demonstre que o capital de giro é igual ao passivo permanente menos o ativo permanente (contas reclassificadas). Pela classificação tradicional temos que: capital de giro = ativo circulante - passivo circulante

3 Precisamos demonstrar que, pelas contas reclassificadas, capital de giro = passivo permanente - ativo permanente Temos: passivo permanente = exigível de longo prazo + patrimônio líquido ou passivo permanente = passivo total - passivo circulante (1) e ativo permanente reclassificado = realizável de longo prazo + ativo permanente não reclassificado ou ativo permanente reclassificado = ativo total - ativo circulante (2) Logo, passivo permanente - ativo permanente é igual a (1) - (2)

4 ou (1) - (2) = passivo total - passivo circulante - (ativo total - ativo circulante) e (1) - (2) = passivo total - ativo total - passivo circulante + ativo circulante Logo, (1) - (2) = ativo circulante - passivo circulante Assim, capital de giro = passivo permanente - ativo permanente = ativo circulante - passivo circulante 9. Qual a relação existente entre a necessidade de capital de giro e o próprio capital de giro quando o efeito tesoura é zero? E quando o efeito tesoura é negativo? São iguais. A necessidade de capital de giro é maior do que o capital de giro. 10. Uma necessidade de capital de giro elevada acarreta alto índice de liquidez corrente. Certo ou errado?

5 Errado. Nem sempre existe a correlação mencionada entre os dois parâmetros. EXERCÍCIOS 1. Análise do capital de giro O Quadro 1.4 representa o balanço da empresa Q-Giro, recentemente levantado. Os principais dados desse balanço mostram clara tendência de estabilidade quando comparados com os balanços dos dois anos anteriores. Com base nos dados desse balanço, responda às seguintes questões: a) Qual o valor do capital de giro da empresa? b) Alguma parcela do capital de giro está sendo financiada com recursos de longo prazo (exigível a longo prazo ou patrimônio líquido)? c) Qual o valor do índice de liquidez seca? Como você interpreta o índice calculado? d) Considerando que no setor em que atua essa empresa, a relação entre capital de giro e capital total (ativo circulante sobre ativo total) é, e média, 0,27, como você avalia essa relação na Q-Giro? e) Com base apenas nos dados apresentados, seria possível avaliar a adequação do volume de estoques dessa empresa? Quadro 1.4 Balanço patrimonial da empresa Q-Giro R$ 1,00. Ativo Circulante Passivo Circulante

6 Caixa e bancos 1.455,00 Fornecedores ,00 Aplicações financeiras ,00 Impostos e contribuições 8.679,00 Contas a receber ,00 Instituições financeiras ,00 Estoques ,00 Outras contas a pagar 1.968,00 Total do ativo circulante ,00 Total do passivo circulante ,00 Realizável a longo prazo 4.025,00 Exigível a longo prazo ,00 Permanente Patrimônio líquido Participações ,00 Capital social realizado ,00 Imobilizado ,00 Lucros acumulados ,00 Total do ativo permanente ,00 Total do patrimônio liquido ,00 Total do ativo ,00 Total do passivo ,00 Solução Análise do capital de giro a) R$ ,00 b) Não, pois o capital de giro líquido é negativo. (- R$ ,00) c) 0,46. O valor do índice está abaixo do recomendado. d) Alta. (0,356 contra 0,27 da média setorial) e) Não, pois faltam dados operacionais. 2. Necessidade de capital de giro e efeito tesoura

7 Uma empresa apresenta os seguintes dados em seu balanço: Ativo Passivo Caixa 1.000,00 Empréstimos 2.000,00 Aplicações financeiras 2.000,00 Fornecedores 1.000,00 Contas a receber 3.000,00 Salários e encargos 3.000,00 Estoques 4.000,00 Impostos e taxas 1.000,00 Realizável a longo prazo 2.000,00 Exigível a longo prazo 4.000,00 Imobilizado 8.000,00 Patrimônio líquido 9.000,00 Total , ,00 Com base nesses dados, calcule: a) A necessidade de capital de giro. b) O efeito tesoura. Solução Necessidade de capital de giro: 2.000,00. (7.000, ,00). Efeito tesoura: 1.000,00. (3.000, ,00).

8 Capítulo 2 Administração de Contas a Receber QUESTÕES E PROBLEMAS 1. Que condições precisam ser atendidas para que um afrouxamento nos padrões de concessão de crédito acarrete aumento dos lucros da empresa vendedora? Que os lucros decorrentes das vendas adicionais ocasionadas pelo afrouxamento dos padrões de crédito superem as perdas decorrentes do crescimento da inadimplência de clientes. 2. As perdas decorrentes de liberação dos padrões de crédito podem ser compensadas com o aumento do custo financeiro embutido no preço para pagamento a prazo? clientes. Teoricamente, sim, às custas de uma maior exposição ao risco de inadimplência de 3. As vendas de uma empresa têm a seguinte distribuição: 20% a vista, 38% a 30 dias e 42% a 45 dias. Qual é seu prazo médio de cobrança? E seu giro de contas a receber? 11,88 dias. Prazo médio de cobrança: 30,3 dias. Giro de duplicatas ou giro de contas a receber:

9 4. A margem de contribuição média de uma empresa é de 35% sobre o valor de suas vendas cujo volume anual é de R$ ,00. Das vendas, 40% são efetuados a vista e 60% para recebimento em 30 dias. Qual o valor de seu investimento em contas a receber? Custo variável de contas a receber (Cv): (1 - margem de contribuição) x vendas (1-0,35) x ,00 = 0,65 x ,00 = ,00 Prazo médio de cobrança = (40 x 0) + ((60 x 30) ) 100 = 18 Giro de contas a receber: = 20 Investimento em contas a receber: = ,00 5. Uma indústria dispõe de expressiva folga de caixa e, por isso, com o objetivo de aumentar as vendas, decidiu usá-la para alongar o prazo médio de pagamento concedido a seus clientes. Qual o parâmetro apropriado para medir o aumento de custo decorrente dessa decisão? O custo-oportunidade dessa folga de caixa o qual normalmente seria representado pelo rendimento de sua aplicação no mercado financeiro. 6. Uma empresa varejista está com um estoque de produtos para venda excessivamente elevado. Decide aumentar temporariamente o prazo de pagamento concedido a seus clientes, sem promover nenhum acréscimo no preço. Quais são os custos a serem afetados por essa decisão e como eles se comportarão?

10 O custo de imobilização de estoque (diminuirá com a aceleração das vendas) e o custo de alongamento do prazo de recebimento (aumentará). 7. A margem média de contribuição de uma empresa é de 28% sobre as vendas. Que efeito acarretará sobre seu resultado um aumento de 6% em suas vendas? 6% 8. Que opção teria uma empresa para não estabelecer um valor mínimo de crédito e compensar as perdas acarretadas por um custo de processamento maior do que o lucro da operação de venda a crédito com valor reduzido? Embutir o custo médio de processamento de contas a receber no preço dos produtos. 9. Assinale as afirmações corretas: São elementos de uma política de crédito: (a) (b) (c) (d) Desconto por antecipação de pagamento. Análise dos demonstrativos contábeis. Cruzamento de informações comerciais. Fixação de limite de crédito por cliente. a e d

11 10. O desconto concedido por antecipação de pagamento pode ter sua taxa de juros fixada num valor igual à taxa média de aplicação financeira sem risco. Por que essa prática pode não ser atrativa para o cliente? Porque essa taxa ele já consegue dos bancos com os quais opera e que lhe dão alguma contrapartida pela realização das aplicações financeiras. 11. A análise das demonstrações contábeis de uma empresa mostrou alto índice de rentabilidade do capital próprio e de grau de endividamento ao lado de baixo índice de liquidez. Uma explicação para essa configuração de índices poderia ser a eficiência na utilização de capital de terceiros? Sim. 12. "O sucesso da análise de crédito exige de quem a elabora um bom conhecimento da macroeconomia do país e a capacidade de formular previsões econômicas acertadas." Está correta essa afirmação? Não, pois o principal conhecimento exigido é de análise financeira. 13. "Uma decisão de crédito baseada num modelo estatístico de análise financeira pode revelar-se inapropriada. Isso acontece porque esses modelos não conseguem eliminar a incerteza subjacente às decisões de crédito." Essa afirmação é correta? Sim, os modelos contêm apenas previsões.

12 14. Qual a principal vantagem do sistema de pontuação de crédito em relação ao método tradicional de avaliação de crédito baseado exclusivamente no histórico de pagamentos do proponente? Avalia o proponente de forma mais abrangente. 15. Qual a principal desvantagem econômica para a empresa compradora apresentar a fiança bancária como garantia de crédito para seu fornecedor? O custo de obtenção da garantia de crédito. EXERCÍCIO Decisão sobre ampliação de crédito comercial A empresa ACR é uma indústria de confecções femininas populares, com atuação nacional. Sua produção é vendida em lojas e pequenos magazines. A ACR tem um patrimônio líquido de R$ 1,1 milhão, vendas anuais de R$ 2,4 milhões, margem de contribuição de 12% e lucro líquido de 7% sobre as vendas. Sua administração estabeleceu que a taxa de atratividade da empresa, a ser usada na avaliação econômica das decisões, é de 15% ao ano. A empresa BMF Fashion, uma rede de magazines com seis lojas, é o segundo maior cliente da ACR. Ela solicitou à ACR um aumento de 80% no volume de suas compras para pagamento em 30 dias. Atualmente, as compras da BMF Fashion representam 15% das vendas da ACR. Assim, caso a proposta de aumento das compras seja aceita, ela passará a responder por aproximadamente 24% das vendas da ACR.

13 Uma vez que a ACR está operando no limite de sua capacidade de produção, só poderá atender ao pleito da BMF Fashion, transferindo para esta parte da produção que é colocada para outros clientes. A área de vendas estima para esse grupo de clientes uma provisão de perdas com dívidas incobráveis da ordem de 2% das vendas. No caso da ACR, esse percentual hoje é nulo. Com base nas informações anteriores, responda às seguintes questões: 1. Considerando que a ACR suspenderia as vendas à BMF Fashion após dois meses de inadimplência, qual o valor máximo da perda que a ACR poderia sofrer, caso não recebesse essas vendas? 2. Tomando-se por base seu patrimônio líquido e lucro anual, a perda citada no item anterior teria impacto significativo para a ACR? 3. Caso a proposta da BMF Fashion venha a ser aceita e supondo que o crédito comercial junto à ACR seja normalmente recebido, qual o resultado financeiro dessa decisão em bases anuais, incluindo a eliminação das perdas com dívidas incobráveis dos clientes que serão substituídos pela BMF Fashion? Solução 1. Valor máximo da perda: Percentual de custo variável sobre vendas: = 88 Valor da perda referente a dois meses de venda: 0,88 x (0,15 x ,00 x 1,8 12) x 2 = ,00

14 2. A perda teria impacto significativo, já que representaria 56,57% do lucro líquido atual e 8,64 % do patrimônio líquido da empresa. 3. Resultado da decisão: Valor do aumento de vendas = 0,8 x 0,15 x ,00 = ,00 Ganho com o aumento de vendas: 0,07 x ,00 = ,00 Ganho com a eliminação de inadimplência na substituição de vendas: 0,02 x 0,88 x ,00 = 5.068,80 Ganho total: , ,80 = ,80.

15 Capítulo 3 Administração de Caixa QUESTÕES E PROBLEMAS 1. Assinale as afirmações corretas: a) Para aumentar a precisão do fluxo de caixa, é obrigatório diminuir seu prazo de cobertura. b) Antecipar pagamento a fornecedores é sempre mais vantajoso do que fazer aplicações no mercado financeiro. c) Manter um saldo de caixa permanentemente elevado diminui a rentabilidade do ativo total da empresa. d) O prazo de cobertura mínimo para um fluxo de caixa é uma semana. Alternativa c. 2. Genericamente falando, o valor das receitas financeiras diárias em relação às outras entradas de caixa é significativo? Não. 3. Quando a empresa gera lucro em suas operações, como ele será retratado pelo fluxo de caixa?

16 Através do aumento do saldo de caixa, observado o prazo para conversão das vendas em dinheiro. 4. Em circunstâncias normais, qual o item de maior valor total ao longo do prazo de cobertura do fluxo de caixa? As entradas de caixa provenientes de vendas. 5. Em determinado mês, em que diferem o valor dos encargos sociais lançados no fluxo de caixa e aquele apropriado pela contabilidade da empresa? No fluxo de caixa são lançados os valores desembolsados (conceito de caixa). Na contabilidade são lançados os valores pelo critério de competência, que em alguns casos só serão desembolsados meses depois. 6. Por que um fluxo de caixa com prazo de cobertura curto não otimiza a aplicação das sobras de caixa? Porque as eventuais sobras de caixa situadas além do prazo de cobertura, por não serem previsíveis, não terão o melhor aproveitamento através de aplicações financeiras de prazo mais longo. 7. Explique como a antecipação de pagamentos a fornecedores pode ser vantajosa para a empresa compradora e vendedora. Através da aplicação de uma taxa de desconto maior do que o taxa de rendimento das aplicações financeiras e menor do que a taxa de captação de recursos financeiros.

17 8. Quando é que a antecipação do recebimento de faturas dos clientes é economicamente vantajosa para a empresa vendedora? Quando a taxa de desconto oferecida ao cliente for menor do que a taxa de juros da captação de recursos financeiros da empresa vendedora. 9. Por que os saldos de caixa oscilantes são indesejáveis? Porque geram resultados insatisfatórios em virtude de a taxa de juros de captação de recursos ser bem maior do que a taxa de juros das aplicações financeiras. 10. Uma empresa vende através de cheques R$ ,00 em média por dia e desse total 85% são representados por cheques de valor menor do que R$ 100,00. Uma norma administrativa estabelece que os cheques inferiores a R$ 100,00 sejam depositados no terceiro dia, contado a partir de seu recebimento, para permitir que seu processamento seja mais confiável. Se considerarmos que esses cheques poderiam ser depositados no segundo dia após o recebimento, qual o valor total da perda da empresa com o procedimento atual? O valor dos juros obtidos com a aplicação de R$ ,00 (85% de 84.00,00) durante um dia à taxa de mercado. 11. Numa empresa, ocorrem entradas de caixa durante todos os dias, incluindo fins de semana e feriados. As saídas de caixa só acontecem durante os dias úteis. Seu fluxo de caixa pode abranger apenas os dias úteis?

18 Pode e é preferível que seja assim. 12. Qual a utilidade do fluxo de caixa para uma empresa em boa situação financeira? Permitir uma eficiente aplicação das sobras de caixas. EXERCÍCIO A AC3 é uma empresa varejista que elabora um fluxo de caixa com prazo de cobertura de seis dias úteis (do ponto de vista bancário), de segunda a segunda (dia 1 a dia 6) e período de informação diário. Essa empresa funciona de segunda a sábado, embora suas saídas de caixa só aconteçam de segunda a sexta-feira. Por isso, as entradas de caixa ocorridas aos sábados são lançadas no fluxo de caixa na segundafeira seguinte. Diariamente, as entradas rotineiras de caixa da AC3 originam-se de três fontes: recebimento das administradoras de cartões de crédito das vendas realizadas nessa modalidade; vendas a vista com dinheiro e cheque; recebimento dos cheques pré-datados referentes a vendas anteriores. Os dados históricos da AC3 indicam as seguintes estatísticas: 0,1% dos cheques recebidos de clientes nas vendas a vista são devolvidos pelo sistema bancário, por algum tipo de problema. Do total desses cheques devolvidos, 40% representam perda definitiva (cheques falsificados, sem fundos etc.). Os outros 60% são reapresentados à compensação e recebidos, em média, 10 dias após a data do primeiro depósito. 0,3% dos cheques pré-datados referentes a vendas a prazo são devolvidos pelo sistema bancário por falta de fundos. Desses cheques 20% são recuperados 15 dias

19 após o primeiro depósito. Os outros 80% representam créditos problemáticos, de recebimento incerto e demorado. Todos os cheques com vencimento imediato e o numerário recebidos num dia são depositados no dia seguinte. Por um acordo operacional com o banco onde os cheques são depositados, eles são considerados como disponíveis no dia seguinte, independentemente do valor. A AC3 projeta para o próximo prazo de cobertura (segunda a segunda ou dia 1 a dia 6 do fluxo de caixa) as seguintes entradas e saídas de caixa: Média diária de vendas avista: R$ 3.600,00 em cheques e R$ 2.100,00 em dinheiro, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, há acréscimo de 22% sobre esses valores. Depósito de cheques pré-datados recebidos: R$ 3.241,00, R$ 3.490,00, R$ 4.233,00, R$ 3.788,00, R$ 2.744,00, R$ 4.570,00 (este último valor refere-se a sábado e segunda-feira). Recebimento de administradores de cartões de crédito: R$ 2.537,00, R$ 2.890,00, R$ 3.128,00, R$ 2.901,00, R$ 2.837,00 e R$ 5.873,00. Resgate de uma aplicação de CDB no valor de R$16.320,00 e reaplicação imediata de 40% desse valor, no dia 3. Recebimento de créditos em atraso: R$ 8.900,00 no dia 4. Saídas de caixa previstas: Fornecedores: R$ 1.701,00, R$ 1.902,00, R$ 1.990,00, R$ 1.807,00, R$ 2.013,00 e R$ 2.701,00. Impostos e taxas: R$ 7.300,00 no dia 4. Folha de pagamento: R$ ,00 no dia 2.

20 Juros de financiamento de longo prazo: R$ 2.899,00 no dia 2. Outras saídas de caixa: R$1.400,00 no dia 2 e R$1.458,00 no dia 5. Com base nos dados fornecidos, elabore o fluxo de caixa da empresa AC3, para informar o saldo de caixa gerado diariamente, o saldo de caixa acumulado dia a dia e o saldo final de caixa no final do sexto dia do fluxo de caixa. O saldo inicial de caixa, no começo do primeiro dia, é R$ ,00. Não devem ser consideradas no fluxo de caixa as despesas bancárias sobre a movimentação financeira nem os rendimentos das aplicações financeiras de liquidez diária. Solução ENTRADAS DE CAIXA Dias Recebim. de cartões de crédito 2537, , , , , ,00 Vendas a vista cheques 3596, , , ,40 Vendas a vista dinheiro 2100, , , , ,00 Recebimento de cheques pré 3231, , , , ,77 Resgate aplic. Financeira 16320,00 Créditos em atraso 8900,00 Total de entradas de caixa 2537, , , , , ,17 Saídas de caixa Fornecedores 1701, , , , , ,00 Impostos e taxas 7300,00 Folha de pagamento 42734,00 Juros de financiam. de longo prazo 2899,00 Aplicação financeira 6528,00 Outras saídas de caixa 1400, ,00 Total de saídas de caixa 1701, , , , , ,00 Saldo de caixa 836, , , , , ,72 Saldo inicial aplicado 48276, , , , , ,94 Aplicação/resgate 836, , , , , ,72 Saldo final aplicado 49112, , , , , ,11

21 Capítulo 4 Fundamentos de Cálculo Financeiro EXERCÍCIOS 1. Um débito foi liquidado com 14 dias de atraso. Por esse atraso foram cobrados juros simples de 5,2% ao mês. O valor total do débito mais os juros atingiu R$ ,00. Qual o valor original do débito? R$ , Um empréstimo de R$ ,00 gerou juros de R$ 1.474,20 calculados a uma taxa de juros simples de 4,2% ao mês. Quantos dias foram considerados no cálculo dos juros? 13 dias. 3. Um financiamento de R$ ,00 foi concedido pelo prazo de 120 dias para ser pago a uma taxa de juros simples de 6% ao ano. Determine o valor do montante pago no vencimento do empréstimo. R$ , Um banco concedeu um empréstimo de emergência a seu cliente no valor de R$ ,00 para ser pago 22 dias depois, pelo valor de R$ ,00. Qual a taxa de juros cobrada mensalmente pelo sistema de juros simples?

22 3%. 5. Qual o valor dos juros gerados por um capital de R$ ,00, aplicado durante 15 meses, a juros compostos de 1% ao mês? R$ 6.760, Um investidor deseja dobrar seu capital, aplicando no mercado financeiro num prazo de cinco anos. Que taxa de juros compostos anual ele precisará conseguir em seus investimentos para atingir esse objetivo? 14,8698%. 7. Quanto deve aplicar hoje um investidor para resgatar R$ 8.300,00 dentro de 24 meses, sabendo-se que sua aplicação renderá 0,5% ao mês pelo sistema de juros compostos? R$ 7.363, Um banco concedeu um empréstimo de R$ 3.600,00 a um cliente, pelo prazo de 70 dias. O banco cobra uma taxa de juros compostos de 4% ao mês. Para períodos menores do que um mês, o banco cobra a mesma taxa, só que pelo sistema de juros simples. Qual o valor do pagamento total que esse cliente fará ao banco por ocasião da liquidação do empréstimo?

23 R$ 3.945, Um empréstimo foi concedido a juros compostos de 3% ao mês pelo prazo de quatro meses, tendo gerado juros no valor de R$ 627,54. Qual o valor desse empréstimo? R$ 5.000, Foram aplicados R$ 4.800,00 durante 36 meses num investimento que proporcionou uma rentabilidade de 12% ao ano. Qual o valor de resgate dessa aplicação? R$ 6.743, Qual a taxa anual equivalente a 4% ao trimestre? 16,98%. 12. Qual a taxa mensal equivalente a 79,59% ao ano? 5%. 13. Partindo de uma taxa de 4% ao mês, calcule a taxa pro-rata temporis para 15 dias, pelo regime de juros compostos.

24 1,98%. 14. Em determinado mês, a variação de um índice de atualização monetária foi de 3,24%. Qual a taxa de variação desse índice aplicável por dia útil, considerando que o mês tem 22 dias úteis? 0,145%. 15. Uma aplicação financeira paga uma taxa de juros de 0,5% ao mês. Qual a taxa de juros anualizada? 6,17%. 16. Qual o valor da taxa de 6,12% ao mês descapitalizada para um mês? 0,1981% ao dia. 17. Uma aplicação financeira rendeu em determinado período 6,28% a título de atualização monetária e 5,38% de juros. Qual a rentabilidade nominal da aplicação nesse período? 12%. 18. Um terreno foi comprado por R$ ,00 e vendido 42 meses depois por R$ ,20. Durante esse período, a inflação acumulada foi de 22,62%. Qual a taxa de lucratividade real do imóvel no período?

25 45,2%. 19. Um banco concedeu um financiamento a um cliente pelo prazo de um mês e cobrou juros de 5,14% ao mês. Durante esse mês, a taxa de inflação foi de 0,87%. Qual a taxa real de juros anual desse financiamento? 64,46%. 20. Num período de cinco anos, um investimento apresentou uma taxa de rentabilidade nominal de 46,46%. Durante esse período, a inflação acumulada foi de 37,01%. Qual a taxa média real mensal de juros no período? 0,1112% 21. Uma financeira usa um coeficiente de 0, para cada R$1,00 que financia em 18 prestações mensais, iguais e sucessivas, com a primeira vencendo 30 dias após a data da compra. Qual a taxa de juros cobrada nesse financiamento? 3,5% a.m. 22. Uma loja de eletrodomésticos vende uma geladeira a vista por R$ 880,00 ou em quatro parcelas mensais de R$ 233,75, sendo a primeira paga no ato da compra. Qual a taxa de juros cobrada? 4,2% ao mês.

26 23. Um financiamento imobiliário no valor de R$ ,00 foi contratado em 144 prestações mensais, iguais e sucessivas, a uma taxa de 1% ao mês. Qual o valor da prestação? R$ 814, Se uma pessoa investir R$ 200,00 por mês, durante 60 meses consecutivos, começando o primeiro depósito daqui a um mês, quanto terá no final dos 60 meses, sabendo-se que essa aplicação rende 0,5% ao mês? R$ ,01. Capítulo 5 Inflação e Taxas de Juros EXERCÍCIOS 1. Há três meses, o preço de um serviço era R$ 1.240,00. Faça a atualização monetária desse preço para hoje, considerando que as taxas de inflação foram de 0,21% no primeiro mês, 0,82 no segundo mês e 0,91% no terceiro mês. R$ 1.264, Uma dívida com a Prefeitura tinha um valor de R$ ,00 quando a unidade fiscal utilizada em sua correção tinha o valor R$ 0,84. Determine o valor dessa dívida numa data em que o valor dessa unidade fiscal estava em R$ 0,94.

27 R$ , O valor de um imóvel numa data era R$ ,00. Deflacione esse valor para 24 meses antes, considerando que durante esse período a inflação acumulada foi 13,4%. R$ , O custo de produção de um eletrodoméstico atingiu R$ 345,00 num determinado mês. Deflacione esse valor para três meses antes, considerando que durante esse período ocorreram as seguintes taxas de inflação: mês 1: 1,2% mês 2: - 0,27% mês 3: 1,46% R$ 336, Há oito meses, o preço de um produto era de R$1.322,00. Atualize esse preço para a data de hoje, sabendo que os números-índices representativos da inflação no período foram os seguintes: número-índice da data passada = 146,21 número-índice de hoje = 153,22 R$ 1.385,38.

28 6. As vendas de uma empresa num determinado mês atingiram R$ ,00. Deflacione o valor dessas vendas para dois meses atrás considerando que os dados de inflação são os seguintes: mês 1: 1,3% mês 2: 0,4% R$ ,37 Capítulo 6 Financiamentos QUESTÕES E PROBLEMAS 1. Qual é a relação recomendável entre risco econômico e risco financeiro numa empresa? Um alto grau de risco financeiro deve coexistir com um baixo grau de risco econômico e vice-versa. 2. Por que a alavancagem financeira deve ser limitada, mesmo aumentando a rentabilidade do capital próprio? Porque na eventualidade de prejuízo operacional, a perda percentual sobre o capital próprio será maior, o que evidencia o risco financeiro. 3. Como se explica que o custo dos financiamentos de longo prazo seja maior do que os de curto prazo?

29 Porque os recursos financeiros utilizados nos financiamentos de longo prazo são provenientes de aplicações financeiras também de longo prazo e estas exigem taxas de juros mais elevadas. 4. Em que situação é economicamente vantajoso fazer a liquidação antecipada de empréstimos ou financiamentos? Quando a remuneração ou o custo dos recursos financeiros utilizados na liquidação antecipada dos empréstimos ou financiamentos for menor do que o custos destes. 5. Os lucros gerados pela empresa são também uma fonte de financiamento. Em circunstâncias normais, o custo dessa fonte de financiamento deveria ser maior ou menor do que o custo do capital de terceiros? Maior, já que o retorno empresarial normal (este representa o custo-oportunidade dos lucros usados como financiamento) deve ser maior do que o custo dos financiamentos. 6. Os donos de uma empresa operando com uma mínima utilização de capital próprio (digamos 5%) sobre o capital total utilizado poderiam, teoricamente, obter uma rentabilidade muito alta sobre esse capital próprio. Como os credores da empresa poderiam interpretar esse fato? Como uso excessivo da alavancagem financeira, significando um alto grau de exposição ao risco financeiro.

30 7. Poderia ser vantajoso para uma empresa muito bem capitalizada utilizar recursos de terceiros para se financiar? Sim, desde que o custo desses recursos financeiros fosse menor do que o custooportunidade do capital disponível. 8. Que outro fator além do custo determina a escolha de um financiamento? O prazo de vencimento. Por exemplo, um projeto deve ser suportado por um financiamento de longo prazo, embora fosse mais barato utilizar financiamentos de curto prazo. O risco da não-renovação de um financiamento de curto prazo justifica a escolha do financiamento de longo prazo, embora a um custo maior. 9. Por que o benefício fiscal do leasing pode ser menor do que aquele proporcionado por um financiamento convencional? Porque o financiamento convencional permite que o bem com ele adquirido seja incorporado ao ativo da empresa e tenha sua depreciação deduzida para cálculo do lucro tributável. Além disso, também os juros do financiamento são dedutíveis para cálculo do lucro tributável. Dependendo, do sistema de amortização do financiamento, a compra de um bem com financiamento pode gerar maior benefício fiscal do que através de leasing. 10. Qual o principal fator de risco para um financiamento internacional? O risco cambial. 11. A inflação alta favorece o endividamento da empresa?

31 Não, desde que o saldo devedor e os pagamentos sejam indexados, como normalmente acontece. 12. Que relação o custo do capital próprio tem com a rentabilidade da empresa? terceiros. Variável, pois dependerá da composição do capital total e do custo do capital de 13. Que outros fatores além da taxa de juros afetam o custo efetivo de um financiamento? Os impostos sobre os juros remetidos ao exterior e a forma de tributação da empresa (lucro real, lucro presumido ou simples). 14. Quais as alternativas para uma empresa proteger-se contra o risco cambial de seus financiamentos? Operações com derivativos (contratos ou opções de taxa de câmbio) e investimentos em aplicações financeiras atreladas à taxa cambial. 15. Uma empresa com baixo índice de endividamento financeiro estaria numa boa situação financeira? Não necessariamente. A empresa pode, por exemplo, estar sem rentabilidade, não se endividar e estar usando suas reservas financeiras.

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito 216 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo

Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROVA ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE DA SECRETARIA DO

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA EDITORA ATLAS Livro de Exercícios 9ª Edição VERSÃO DIGITAL (2010) SUMÁRIO Apresentação... 4 EXERCÍCIOS PROPOSTOS... 5 1 Introdução à administração

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÕES Unidade I Fichamentos e Exercícios Avaliativos 2,0 Prova Escrita Individual 8,0 Unidade II Projeto Conceitual de

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1 LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA Lista de Exercício - 1 1- A que taxa de juros simples : a) $ 20.000,00 se elevarão a $ 21.100,00 em um ano? (Resp. 5,5%aa). b) $ 720.000,00 se elevarão a $ 744.000,00

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito 216 questões com cabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com a felicidade do maior número possível de pessoas. Esta é a nossa missão! 1 Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 01) (TCM/RJ Técnico de Controle Externo FJG 2003) Guilherme utilizou o limite de crédito

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais