Direitos exclusivos da edição e distribuição em língua portuguesa: Maria Augusta Delgado, Livraria, Distribuidora e Editora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direitos exclusivos da edição e distribuição em língua portuguesa: Maria Augusta Delgado, Livraria, Distribuidora e Editora"

Transcrição

1

2 2 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor Copyright 2007 by Paulo Henrique Barbosa Pêgas Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios, bem como a produção de apostilas, sem autorização prévia, por escrito, da Editora. Direitos exclusivos da edição e distribuição em língua portuguesa: Maria Augusta Delgado, Livraria, Distribuidora e Editora Livraria Freitas Bastos Editora S.A. Tel./Fax: (21) Região Sudeste: Demais Regiões: Rio de Janeiro RJ

3 3 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor Prezado (a) Companheiro (a) de Magistério, O objetivo principal deste MANUAL DO PROFESSOR é contribuir para que a utilização do livro MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA seja mais produtiva nas disciplinas ligadas à área tributária nos cursos de graduação em Ciências Contábeis e também nos cursos de Pós- Graduação. O livro tem mais de 70 exercícios de fixação e quase 300 questões de múltipla escolha, distribuídas por quase 30 dos 35 capítulos. Mas, assim como o livro, este MANUAL também terá suas edições. Esta é apenas a 1ª edição. Diferentemente do que acontece com o livro, que tem um processo de atualização mais complexo e demorado, a 2ª edição do MANUAL DO PROFESSOR será encaminhada semestralmente, sempre no período de férias. A 2ª edição será enviada, provavelmente, nos primeiros dias de julho de 2007, no início das férias do 1 semestre. Pretendo, nessa 2ª edição, explicar com mais detalhes alguns exercícios do livro e trazer novos exercícios, para que possamos ter boa variedade de material para utilização em sala de aula e em provas. Por isso, peço, aos colegas que desejarem, o envio de questões utilizadas em provas e exercícios de aula para pôr no MANUAL na 2ª edição. Os créditos serão dados, por isso, peço que informem sempre nome completo, a disciplina em que atuam, a instituição e o curso. Assim, teremos um BANCO DE DADOS nacional da disciplina, que certamente trará benefício a todos nós. Os exercícios devem ser enviados a Peço, também que enviem as divergências nas soluções apresentadas para os exercícios, pois é possível que uma ou outra resposta não esteja correta ou completa. As respostas dos exercícios estão apresentadas por capítulo, com objetivo de facilitar a procura. Grande abraço do companheiro de trabalho Paulo Henrique Pêgas, que agradece muito o apoio na divulgação do livro. Rio de Janeiro, 22 de abril de 2007

4 4 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 1: A EVOLUÇÃO DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1. INFORME SE OS TRIBUTOS RELACIONADOS SÃO FEDERAIS (F), ESTADUAIS (E) OU MUNICIPAIS (M) (M ) Taxa de limpeza urbana ( F ) CSLL ( E ) ITD (E ) Taxa de Prevenção e Extinção de Incêndios ( F ) COFINS ( F ) ITR (M ) Taxa de Localização e funcionamento (Alvará) ( E ) ICMS ( F ) IOF (E ) Taxa de autorização p/ estrangeiro ( E ) IPVA ( F ) CIDE Conduzir veículo ( F ) CPMF ( E ) ISS ( E ) Taxa de Troca de Categoria de CNH ( F ) FGTS ( F ) IPI ( M ) ITBI transferência onerosa de imóveis ( M )IPTU ( F ) IR 2. CORRELACIONE A COLUNA DA DIREITA COM A DA ESQUERDA 10, 6, 8, 9, 4, 7, 5, 1, 2, 3 QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1- B 2- D (APENAS A ASSERTIVA N 2 ESTÁ CORRETA) 3- C 4- A 5- C (APENAS A ASSERTIVA N 1 ESTÁ CORRETA) 6- B 7- C 8- B 9- C 10-B Nas questões de múltipla escolha há duas questões sem a letra D, com duas alternativas de letra C. Peço a gentileza de corrigir com os alunos. No capítulo 2, as informações sobre a carga tributária não levaram em consideração a revisão na metodologia do cálculo do PIB, divulgada pelo IBGE após o fechamento da edição.

5 5 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 4: PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS E A HIERARQUIA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1- D 2-B 3-D 4-A 5-B 6-A 7-A

6 6 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 5: TRIBUTOS: CONCEITOS, ESPÉCIES E ELEMENTOS FUNDAMENTAIS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1-C 2-A 3-A 4-C 5-A 6-D 7-B

7 7 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 6: TRIBUTOS SOBRE O PATRIMÔNIO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CASO1: CIA BACANA a) A despesa total será R$ , sendo R$ 450 mil dos 150 veículos (R$ 3 mil x 150) que a empresa possuía no início do ano e mais R$ dos 3 veículos adquiridos em outubro. b) A distribuição é apresentada na tabela a seguir: MÊS VALOR MÊS VALOR MÊS VALOR MÊS VALOR JAN ABR JUL OUT FEV MAIO AGO NOV MAR JUN SET DEZ c) O registro em janeiro seria: Débito: IPVA a Apropriar (AC) Crédito: IPVA a Pagar (PC) R$ O mesmo registro será feito em outubro, pelo valor de R$ Em fevereiro, março e abril, a Cia Bacana faz o seguinte registro: Débito: IPVA a Pagar (PC) Crédito: Caixa/Bancos (AC) R$ O mesmo registro será feito em novembro pelo valor de R$ Durante os doze meses do ano, os valores apresentados na tabela da letra B serão registrados da seguinte forma: Débito: Despesa com IPVA (Resultado) Crédito: IPVA a Apropriar (AC)

8 8 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO2: CIA RECREIO MÊS VALOR MÊS VALOR MÊS VALOR MÊS VALOR JAN ABR JUL OUT FEV MAIO AGO NOV MAR JUN SET DEZ Na venda de um veículo a parcela mensal do IPVA dos meses que o veículo não será utilizado deverá ser registrada para resultado. No caso, em junho, a parcela mensal dos veículos vendidos de julho a dezembro foi registrada no resultado de junho, mês da saída do veículo do imobilizado. QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1-D 2-B 3-A 4-C 5-A 6-E 7-A 8-C 9C 10-A 11-E 12-B 13-D 14-A 15-C 16-B

9 9 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 7: TRIBUTOS COM A FUNÇÃO REGULATÓRIA QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA CAPÍTULO 7 1-A 2-A 3-B 4-B 5-D 6-C 7-A 8-C

10 10 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 9: ICMS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO JOGO DOS DEZ ERROS: APONTE UM EQUÍVOCO EM CADA ASSERTIVA, APRESENTANDO A EXPLICAÇÃO CORRETA. (o erro está em negrito, com a explicação correta abaixo da pergunta) 1. O ICMS é um imposto cumulativo, que deve ser seletivo, conforme definido na Constituição. O ICMS pode ser seletivo e não DEVE. 2. Em uma Indústria de biscoito, o valor da energia elétrica permite crédito integral do ICMS destacado na conta. O crédito é apenas em relação a energia elétrica utilizada como insumos na produção de bens destinados a venda. 3. ICMS é cobrado nos serviços de transportes interestaduais, intermunicipais e intramunicipais. Os serviços intramunicipais têm cobrança de ISS e não de ICMS. 4. O ICMS no Brasil tem cobrança mista, ou seja, parte na origem e parte no destino em relação a todos os bens e serviços alcançados pelo imposto. O petróleo e a energia elétrica têm a tributação direcionada ao momento do consumo. 5. O ICMS é cobrado, arrecadado e fiscalizado pelos estados, que ficam com o produto integral de sua arrecadação. Os estados ficam com 75% da arrecadação do ICMS, distribuindo 25% aos municípios. 6. As alíquotas máximas e mínimas do ICMS são definidas pelo Congresso Nacional. O Senado Federal define apenas as alíquotas interestaduais e a CF diz que as alíquotas internas não poderão ser menores que as alíquotas interestaduais, com objetivo de destinar mais imposto ao estado consumidor. 7. Na venda de um computador de uma empresa localizada em São Paulo para um clube recreativo (não contribuinte do ICMS) localizado no Rio de Janeiro, deverá ser utilizada a alíquota interna do Estado do Rio de Janeiro. A alíquota interna do Estado de São Paulo. 8. Nas operações realizadas entre contribuintes dos dois impostos, o IPI integra a base de cálculo do ICMS, mas o ICMS não integra a base de cálculo do IPI. É exatamente o inverso. O ICMS integra a base do IPI, mas o IPI não entra na base do ICMS. 9. Todos os descontos são deduzidos da base de cálculo do ICMS. Apenas os incondicionais, dados na nota fiscal. Os descontos financeiros não deduzem a base. 10. Em toda e qualquer venda efetuada para outro estado, a alíquota utilizada deve ser a interestadual, conforme definido pelo Senado Federal. Não, apenas nas vendas para empresas contribuintes do ICMS. Caso nº1: ENTENDENDO A LÓGICA DO ICMS Cia Tiradentes-RJ Pr. Venda Frete (-) Desc.Incondic Base do ICMS Aliq. ICMS Cia Mauá-RJ % 198 Cia Rebouças-SP (50) % 138 Cia Catumbi-PR % 120 Cia Remo-PA % 105 TOTAL DE ICMS 561

11 11 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor Caso nº2: O ICMS: CÁLCULO E LANÇAMENTOS CONTÁBEIS ICMS a Pagar de R$ 304 (R$ a pagar menos R$ a recuperar) REGISTROS CONTÁBEIS DAS COMPRAS Débito: Estoques R$ Débito: ICMS a Recuperar R$ 918 Compra da Cia China-RJ Crédito: Caixa/Bancos R$ Débito: Estoques R$ Débito: ICMS a Recuperar R$ 474 Compra da Cia Togo-MG Crédito: Caixa/Bancos R$ Débito: Estoques R$ Débito: ICMS a Recuperar R$ 264 Compra da Cia Angola-MS Crédito: Caixa/Bancos R$ REGISTROS CONTÁBEIS DA VENDA PARA CIA POLÔNIA-RJ Débito: Caixa/Bancos R$ Débito: Desconto Concedido R$ 300 Crédito: Receita de Vendas R$ Débito: Custo das Vendas Débito: ICMS s/ Vendas Crédito: Estoques R$ Crédito: ICMS a Pagar R$ REGISTROS CONTÁBEIS DA VENDA PARA CIA ATLÉTICO-PE Débito: Caixa/Bancos Crédito: Receita de Vendas R$ Débito: Custo das Vendas Débito: ICMS s/ Vendas Crédito: Estoques R$ Crédito: ICMS a Pagar R$ 574 CASO nº 3: DRE E O ICMS Cia ABC Em Reais Receita Bruta (-) ICMS s/ Vendas (360) Receita Líquida (-) Custo das Vendas (1.485) Lucro Bruto 155 O detalhe dessa questão é o cálculo do Custo das Vendas que é apurado pelo estoque nas duas compras. Na 1ª compra, o valor total monta R$ 1.034, sendo R$ 84 de IPI (8% sobre R$ 1.050). Como a base do ICMS monta R$ 950 e a alíquota é 12%, reduz-se R$ 114 de R$ 1.034, montando estoque de R$ 920. Já a compra do produto B por R$ 600 tem ICMS de R$ 35, com estoque por R$ 565. Somando R$ 920 com R$ 565, temos R$ 1.485, que representou o estoque de produtos vendidos.

12 12 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO nº 4: COMPLETO DE ICMS b)faça todos os registros contábeis da Cia Morango CIA MORANGO Débito: Insumos Diversos Débito: Caixa Débito: IPI a Recuperar 120 Débito: Desconto Concedido 100 Débito: ICMS a Recuperar 348 Crédito: Receita de Vendas Crédito: Caixa Crédito: IPI a Recolher 300 Débito: Embalagens 484 Débito: Custo das Vendas Débito: ICMS a Recuperar 66 Crédito: Estoques Credito: Caixa 550 Débito: ICMS s/ Vendas Débito: Matéria-Prima Crédito: ICMS a Pagar 708 Débito: ICMS a Recuperar 444 Credito: Caixa Débito: Caixa Crédito: Receita de Vendas Credito: Caixa Crédito: IPI a Recolher 310 Débito: Gastos Gerais de Fabricação 600 Débito: Mão-de-Obra 400 Débito: Custo das Vendas Crédito: Estoques Débito: Estoques (Produtos Acabados) Crédito: Matéria-Prima Débito: ICMS s/ Vendas Crédito: Embalagens 484 Crédito: ICMS a Pagar 434 Crédito: Insumos Diversos Crédito: Gastos Gerais de Fabricação 600 Débito: ICMS a Pagar Crédito: Mão-de-Obra 400 Crédito: ICMS a Recuperar 858 Credito: Caixa 284 Débito: IPI a Recolher 610 Crédito: IPI a Recuperar 120 Credito: Caixa 490

13 13 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor Informe o total de ICMS devido no processo produtivo de suco de maracujá e quanto cada empresa recolheu ao seu respectivo estado: EMPRESA ICMS DEVIDO EMPRESA ICMS DEVIDO Cia Laranja-SP 348 Cia Morango-RJ 284 Cia Pêra-MS 66 Cia Banana-MG 552 Cia Uva-PR 444 Cia Limão-SE 916 TOTAL CASO nº 5: CÁLCULO DO ICMS COM REGISTRO CONTÁBIL CIA MILHO-RJ Débito: Insumos Diversos Débito: Caixa Débito: ICMS a Recuperar 288 Crédito: Receita de Vendas Crédito: Caixa Débito: Custo das Vendas Débito: Caixa Crédito: Estoques Débito: Desconto Concedido 50 Crédito: Receita de Vendas Débito: ICMS s/ Vendas 192 Crédito: ICMS a Pagar Débito: Custo das Vendas Crédito: Estoques Débito: ICMS a Pagar 489 Crédito: ICMS a Recuperar 288 Débito: ICMS s/ Vendas Credito: Caixa Crédito: ICMS a Pagar CASO nº 6: CÁLCULO DO ICMS DE BENS DO ATIVO IMOBILIZADO ICMS nas vendas de R$ 1.290, sendo: R$ x 12% = R$ R$ x 7% = R$ 210 O crédito seria de R$ 600 dos insumos adquiridos da empresa de São Paulo. Além disso, a empresa pode deduzir crédito de ICMS sobre bens do ativo imobilizado, mas apenas em relação a máquina industrial, pela proporção de 1/48 do valor do imposto. Assim, o ICMS total da máquina será R$ 7.200, sendo utilizado R$ 150 por mês. Portanto, R$ menos R$ 750 monta R$ 540 que é o ICMS devido pela Cia Alho.

14 14 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO nº 7: ICMS SOBRE BENS DO IMOBILIZADO a) Na NF de compra, o ICMS será de R$ 3.600, pois foi utilizada alíquota de 12%. b) Na entrada da mercadoria no estabelecimento, haverá cobrança do DIFAL de 8%, que representa a diferença da alíquota interna do RJ (20%) para a alíquota interestadual (12%). Portanto, será recolhido ICMS de R$ 2.400, totalizando o imposto de R$ c) Na aquisição: Débito: Equipamentos R$ Débito: ICMS a Recuperar R$ (80% do crédito, que corresponde ao percentual de receitas tributadas pelo frigorífico nos últimos três anos). Crédito: Caixa R$ Depois, pelo pagamento de ICMS complementar, no RJ: Débito: Equipamentos R$ 480 Débito: ICMS a Recuperar R$ (80% do crédito, que corresponde ao percentual de receitas tributadas pelo frigorífico nos últimos três anos). Crédito: Caixa R$ Observe que o valor do ICMS que não será aproveitado foi integrado ao equipamento. d) O equipamento ficou com o valor total de R$ e o ICMS a Recuperar em R$ A legislação permite a utilização deste crédito em 48 meses, em parcelas iguais e sucessivas. Assim, em 2006, o Frigorífico aproveitou R$ 1.200, sendo R$ 100 por mês. O saldo de ICMS a Recuperar, em dez/06, seria R$ E o saldo líquido do equipamento monta R$ e) Em 2007, como o percentual de vendas isentas, passou para 40%, o crédito não poderá ser todo aproveitado. Logo, a empresa terá que registrar R$ 300 para despesa, pois dos 80% registrados em ICMS a Recuperar para diminuir o imposto anualmente (R$ 1.200), apenas 60% serão aproveitados (R$ 900). Assim, R$ 120 (40%, representando 2 anos de depreciação) serão registrados no custo das vendas referente a depreciação já efetuada; O valor de R$ 180 será integrado ao equipamento e depreciado nos três anos seguintes de vida útil. f) O registro da venda fica assim, admitindo a venda por R$ 20 mil: Débito: Caixa/Bancos R$ Débito: Depreciação Acumulada R$ Crédito: Equipamentos R$ Crédito: ICMS a Recuperar R$ Crédito: Receita Não-Operacional R$ 980

15 15 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO nº 8: ISENÇÃO PARCIAL NO MEIO DA CADEIA PRODUTIVA VENDE COMPRA VALOR ALÍ QUOTA DÉBITO ICMS CRÉDITO ICMS ICMS A PAGAR OLARIA-SP RAMOS-PR % PENHA-MS RAMOS-PR % RAMOS-PR BICA-PR % RAMOS-PR ILHA-SC % 90 RAMOS-PR BENFICA-MT 600 7% (*1) 30 BICA-PR P.FÍSICAS % ILHA-SC P.FÍSICAS % BENFICA-MT P.FÍSICAS % ALÍQ.EFETIVA DE 20,8% (768 / 3.700) TOTAL RECOLHIDO DE ICMS 768 (*1) Metade do crédito foi estornado, pois a Cia Ramos efetuou 50% de suas vendas para a Cia Bica, com isenção de ICMS. A alíquota efetiva é quanto se desembolsou de ICMS ao longo do processo produtivo. Essa alíquota somente será diferente da alíquota utilizada nas vendas aos consumidores finais, quando houver uma isenção no meio do processo produtivo, como foi o caso. O valor de R$ corresponde a soma das vendas das três empresas que a realizaram para consumidor final. CASO nº 9: ICMS C/ ISENÇÃO NO MEIO DO PROCESSO PRODUTIVO CRÉDITO DE INSUMOS DA CIA BOTAFOGO-AL: Cia Vasco-AL = x 18% (aliq.interna de Alagoas) = 180 Cia Fluminense-PE = x 12% = 144 Cia América-MG = 800 x 7% = 56 Metade das vendas realizadas pela Cia Botafogo são isentas de ICMS. Logo, metade do crédito será descartado, ou seja, integrado ao estoque. Portanto, do crédito de R$ 380, a Cia Botafogo somente terá R$ 190. A venda ao exterior, embora não tenha cobrança de ICMS, é equiparada a venda tributada (mercado interno). ICMS na Venda para a Cia Palmeiras-SE: R$ x 12% = R$ 288 Portanto, o ICMS a Pagar pela Cia Botafogo será R$ 98 (R$ 288 menos R$ 190).

16 16 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO nº 10: ICMS COM ISENÇÃO NAS VENDAS INTERNAS CRÉDITO DE INSUMOS DA CIA R-SP: Cia N-MS = R$ x 12% = R$ 180 DÉBITOS DE ICMS: Venda do ovo adquirido em SP para o RJ R$ 500 x 12% = R$ 60 Venda do ovo adquirido em MS para GO R$ x 7% = R$ 126 Portanto, o ICMS a Pagar monta R$ 186. Contudo, como metade dos ovos adquiridos de MS foram vendidos no Estado de SP, onde há isenção na venda aos varejistas, metade do crédito será anulado. Portanto, aproveitaremos R$ 90 como ICMS a Recuperar, com a Cia R desembolsando R$ 96 de ICMS. CASO nº 11: CÁLCULO DO ICMS COM VENDA AO EXTERIOR CRÉDITOS de R$ 660, sendo: Cia Azul-RJ R$ x 18% = R$ 360 Cia Amarelo-SP R$ x 12% = R$ 300 DÉBITO DE R$ 720, sendo R$ x 12%. Portanto, o ICMS a pagar pela Cia Verde será R$ 120. QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1- A 2- E 3- B 4- B 5- E (SAIU COMO B NO LIVRO) RESP: CRÉDITO DA EMPRESA COM O GOVERNO 6- C 7- D 8- A 9- B 10-C 11-C 12-B 13-D 14-RESPOSTA CERTA É R$ 566 QUESTÃO ANULADA 15- A A questão n 5 saiu com duas letras B. E a questão n 14 ficou sem resposta certa nas alternativas.

17 17 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 10: O ICMS E O MODELO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS CASO nº 1: ICMS ST (OPERAÇÃO NO ESTADO RJ) Petrobras - CESGRANRIO a) R$ 3.000,00 x 20% = R$ 600,00 b) R$ 3.000,00 x 30% = R$ 3.900,00 x 20% = R$ 780,00 - R$ 600,00 = R$ 180,00 c) CIA. TOLEDO Déb: Caixa Déb: ICMS s/ Vendas Créd: Receitas Créd: ICMMS a pagar (caixa) 600 Créd: ICMS ST a Recolher 180 CIA. PELOTAS: Déb: Estoques Déb: Caixa Créd: Caixa Créd:Receita da Vendas CIA. BAGÉ: Déb: Estoques Déb: Caixa Créd: Caixa Créd:Receita da Vendas CIA. CAXIAS Déb: Estoques Déb: Caixa Créd: Caixa Créd:Receita da Vendas d) Cia. Pelotas NORMAL R$ 240 ST R$ 240 Como vendeu pelo preço sugerido, não houve diferença de resultado. Cia. Bagé NORMAL R$ 160 ST R$ 140 Como vendeu pelo preço 0,10 mais barato, perdeu o ICMS de R$ 20 (20% sobre 100,00, que representa a venda a menor). Cia. Caxias NORMAL R$ 400 Como vendeu pelo preço 0,20 mais barato, ganhou o ICMS de R$ 40 (20% sobre 200,00, ST R$ 440 que representa a venda a menor). e) Pelotas - 20% R$ 60/R$ 300 Bagé - 30% R$ 60/R$ 200 Caxias - 12% R$ 60/R$ 500

18 18 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO nº 2: Cia Barretos Preço Venda Alíq. ICMS ICMS Próprio Base p/ Aplic.MVA MVA Base ICMS ST Cia Sertãozinho % % Cia Jaboticabal % % Cia Barretos Alíq. ICMS ST ICMS ST Total ICMS ST Devido Pr.Venda Final Cia Sertãozinho 18% Cia Jaboticabal 18% O ICMS Próprio monta 1.440; 2. O ICMS ST recolhido será R$ A Cia Jaboticabal terá lucro bruto de R$ 940 (venda de R$ e custo de R$ 4.180). CASO nº 3: INICIANDO A ST EM OPERAÇÕES INTERESTADUAIS A Cia. Barcelona - RJ é uma indústria de cimento e vendeu toda sua produção para a Cia. Madri - SP (comércio varejista) por R$ 4.500, com desconto incondicional concedido de R$ 100, mais ICMS ST. Sabe-se que a alíquota de ICMS no RJ é de 18% e em SP é de 15% e que a margem de lucro definida em lei para fins de substituição tributária de cimento é de 20%. PEDE-SE: Calcule o ICMS da Cia. Barcelona, tanto a parcela própria como a parcela relativa ao modelo de Substituição Tributária. ICMS PRÓPRIO R$ X 12% = R$ 528 ICMS ST BASE DE R$ (20% S/ R$ 4.500) = R$ X 15% = R$ 810. PORTANTO, O ICMS ST SERÁ R$ 282.

19 19 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO nº 4: SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM OPERAÇÕES INTERESTADUAIS a) Venda p/ Cia Jaú R$ x 12% = R$ 360 Venda p/ Cia Jundiaí R$ x 7% = R$ 210 Venda p/ Cia Campinas R$ x 18% = R$ 540 Venda p/ Cia Araraquara R$ x 7% = R$ 210 Venda p/ Cia Marília R$ x 12% = R$ 360 ICMS TOTAL DEVIDO de R$ 1.680, menos R$ 800 de crédito, monta ICMS a recolher de R$ 880. b) ICMS ST EMPRESA BASE ICMS ST ALÍQUOTA INTERNA BASExALÍQ. ICMS PRÓPRIO ICMS SUBSTITUTO Cia Jaú % Cia Campinas % Cia Araraquara % Cia Marília % TOTAL DO ICMS SUBSTITUTO RECOLHIDO P/ CIA LORENA c) CIA JAÚ NORMAL SUBST.TRIB. RECEITA BRUTA (-) ICMS (702) - (-) CMV (2.640) (3.342) LUCRO BRUTO A empresa não ganhou nem perdeu com a opção imposta pela legislação fiscal, pois a venda foi realizada pelo mesmo preço sugerido no método de substituição tributária. CIA JUNDIAÍ NORMAL SUBST.TRIB. RECEITA BRUTA (-) ICMS (702) - (-) CMV (2.790) (3.492) LUCRO BRUTO A empresa não ganhou nem perdeu com a opção imposta pela legislação fiscal, pois a venda foi realizada pelo mesmo preço sugerido no método de substituição tributária.

20 20 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CIA CAMPINAS NORMAL SUBST.TRIB. RECEITA BRUTA (-) ICMS (648) - (-) CMV (2.460) (3.162) LUCRO BRUTO A empresa perdeu com a opção imposta pela legislação fiscal, pois a venda foi realizada por um preço abaixo que o preço sugerido no método de substituição tributária. A perda foi de R$ 54 (18% sobre R$ 300, que é a diferença de preços). CIA ARARAQUARA NORMAL SUBST.TRIB. RECEITA BRUTA (-) ICMS (720) - (-) CMV (2.790) (3.492) LUCRO BRUTO A empresa ganhou com a substituição tributária, pois a venda foi realizada por um preço R$ 100 acima do preço sugerido. O ganho foi de R$ 18 (18%). CIA MARÍLIA NORMAL SUBST.TRIB. RECEITA BRUTA (-) ICMS (720) - (-) CMV (2.640) (3.342) LUCRO BRUTO A empresa ganhou com a substituição tributária, pois a venda foi realizada por um preço R$ 100 acima do preço sugerido. O ganho foi de R$ 18 (18%). CASO5 Cia Tunísia Pr. Venda Frete+Seguro (-) Desc. Concedido Base do IPI Alíq. IPI Valor Do IPI Base do ICMS Alíq. ICMS Cia Gana (200) % % Cia Togo % % Cia Tunísia ICMS Próprio Base p/ Aplic.MVA MVA Base ICMS ST Alíq. ICMS ST ICMS ST Total ICMS ST Devido Pr.Venda Final Cia Gana % % Cia Togo % %

21 21 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO6 Cia Sal-RJ Cia. Trigo-RJ Cia Milho-MG Cia Soja-BA Preço de Venda Frete+ Seguro (-) Desc. Concedido Base do ICMS Alíq. ICMS ICMS Próprio Base p/ Aplic.MVA (500) % (200) % % Cia Base Alíq. ICMS ST ICMS ST Pr.Venda MVA Sal-RJ ICMS ST ICMS ST Total Devido Final Cia. Trigo-RJ 40% % Cia Milho-MG 40% % Cia Soja-BA 40% % a) O ICMS próprio devido pela Cia SAL = R$ b) O ICMS Substituição Tributária devido pela Cia SAL = R$ CASO nº 7: SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM VENDAS INTERESTADUAIS Preço de Frete+ (-) Desconto Base do Alíq. Valor Base do Alíq. ICMS Cia TIM Venda Seguro Concedido IPI IPI do IPI ICMS ICMS Próprio Cia Vivo (100) % % 168 Cia Claro % % 70 Cia TIM Base p/ Aplic.MVA MVA Base ICMS ST Alíq. ICMS ST ICMS ST Total ICMS ST Devido Pr.Venda Final Cia Vivo % % Cia Claro % % PEDE-SE: 1. Calcule o ICMS próprio que será recolhido pela Cia TIM-SP, admitindo que a empresa não possui créditos de ICMS para recuperar = R$ Calcule o ICMS Substituição tributária que será recolhido pela Cia TIM = R$ Informe o lucro bruto obtido pela Cia CLARO-PE com a revenda integral da argamassa adquirida pelo valor de R$ = LUCRO BRUTO DE R$ 318

22 22 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO8: INDUSTRIAL, ATACADISTA E VAREJISTA NO MESMO ESTADO 1. R$ x 15% = R$ R$ x 25% = R$ R$ x 15% = R$ 750 R$ 750 menos R$ 510 = R$ 240 ICMS ST é igual a R$ O cálculo do preço de venda da Cia Equador para a Cia Bolívia ficaria assim: ICMS que seria pago normalmente: R$ 600 (15% s/ R$ 4.000) menos R$ 510 (15% s/ R$ 3.400) = R$ 90 Contudo, o ICMS pago foi R$ 240. Com isso, a Cia Equador pagou a mais R$ 150 do que pagaria no processo normal. Este valor deverá ser repassado ao varejista, pois é a parcela que a ele, varejista, pertence. PORTANTO, o preço de venda final foi R$ (R$ mais R$ 150 de ICMS) CASO9 Alíquota interna informada é do RS e não do RJ, conforme está no livro texto. Cia Inter-RS Preço de Venda Frete+ Seguro (-) Desc. Concedido Base do ICMS Alíq. ICMS ICMS Próprio Base p/ Aplic.MVA Cia. Grêmio-RS (200) % Cia Caxias-SC (250) % Cia Juventude-MS % Cia Base Alíq. ICMS ST ICMS ST Pr.Venda MVA Inter-RS ICMS ST ICMS ST Total Devido Final Cia. Grêmio-RS 30% 5.200,00 18% 936,00 252, ,00 Cia Caxias-SC 30% 5.590,00 17% 950,30 464, ,30 Cia Juventude- 30% 5.330,00 16% 852,80 565, ,80 MS 1. O ICMS próprio devido pela Cia Inter = R$ 1.457,00 2. O ICMS Substituição Tributária devido pela Cia Inter = R$ 1.282,10

23 23 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO 10 INDUSTRIAL, ATACADISTAS E VAREJISTAS a) R$ X 12% = R$ 696 b) Veja o cálculo da ST (Preço de venda + Frete) x MVA R$ x 40% = R$ Base da ST x Alíquota Interna do Estado Consumidor R$ x 18% = R$ ICMS Total menos ICMS a Recuperar R$ menos R$ 696 = R$ 816 Portanto, o valor total da venda da Cia Queimados para a Cia Japeri foi R$ (R$ mais R$ 300 de frete, R$ 816 de ST, menos R$ 200 de desconto.) c) VENDA DA CIA JAPERI PARA A CIA MESQUITA Na venda para a Cia Mesquita, o ICMS devido pela Cia Japeri seria calculado da seguinte forma: na venda, R$ 936, sendo 18% sobre R$ 5.200; na compra, R$ 522, sendo 12% sobre R$ (75% do valor da compra de R$ 5.800). O ICMS devido seria R$ 414 (R$ 936 menos R$ 522). O ICMS pago foi R$ 612 (75% do ICMS ST de R$ 816). ssim, a venda da Cia Japeri para a Cia Mesquita será por R$ 5.398, com R$ 198 de ICMS ST (R$ 612 menos R$ 414). d) VENDA DA CIA JAPERI PARA A CIA AUSTIN Na venda para a Cia Austin, o ICMS devido pela Cia Japeri seria calculado da seguinte forma: na venda, R$ 306, sendo 18% sobre R$ 1.700; na compra, R$ 174, sendo 12% sobre R$ (25% do valor da compra de R$ 5.800). O ICMS devido seria R$ 132 (R$ 306 menos R$ 174). O ICMS pago foi R$ 204 (25% do ICMS ST de R$ 816). Assim, a venda da Cia Japeri para a Cia Austin será por R$ 1.772, com R$ 72 de ICMS ST (R$ 204 menos R$ 132). e) LUCRO BRUTO DA CIA JAPERI RECEITA DE VENDAS R$ (-) CUSTO DAS VENDAS R$ LUCRO BRUTO R$ 554 Contudo, recomendamos o registro do ICMS que seria devido como ICMS a Apropriar, destacando a parcela correspondente no resultado. f) A Cia Austin perdeu com o processo de ST, pois a empresa desembolsaria diretamente R$ 54 (18% sobre a diferença entre R$ da venda menos R$ da compra). Na ST, o desembolso ficou em R$ 72. QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA CAPÍTULO 10 1-D 2-B 3-E 4-C 5-E 6-A 7-E 8-C 9-B 10-D 11-A 12-D 13-E 14-D 15-D 16-C 17-B 18-C 19-C 20-B

24 24 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 11: IPI QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1- C 2- D 3-C 4-B 5-B 6-B 7-B 8-D 9-B 10-D 11-E 12-B 13-A 14-B 15-C 16-D 17-A 18-C 19-A 20-B

25 25 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 12: ISS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CASO 1: ISS DE SOCIEDADES UNIPROFISSIONAIS NO RIO DE JANEIRO a) 2.192,25 x 5 = R$ , ,38 x 5 = R$ , ,70 x 2 = R$ 9.771,40 BASE DE CÁLCULO = R$ ,55 ALÍQUOTA DE 2% R$ 723,49 b) Economia de R$ 276,51 (R$ menos R$ 723,49). CASO 2: LOCAL DA COBRANÇA DO ISS a) R$ x 2% = R$ 80 b) R$ / 0,95 = R$ , portanto, R$ x 5% = ISS de R$ QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1- B 2-C 3-C 4-D 5-E 6-E 7-B 8-A 9-E 11-D 12-A 13-E 14-A

26 26 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 13: CONTRIBUIÇÃO SOBRE A INTERVENÇÃO DO DOMÍNIO ECONÔMICO - CIDE QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1- C 2-B 3-C

27 27 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CAPÍTULO 14: IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: CASO1: MARQUE VERDADEIRO OU FALSO V, F, pois a dedução é anual. F, só os dependentes até 16 anos e aqueles maiores com contribuição para a previdência oficial (INSS) V, V, F, Pagamentos a pessoa jurídica só são obrigados os que podem ser deduzidos na declaração de IR. V F, nada pagará, pois a parcela tributável de R$ 1.286,31 não alcança a primeira faixa de tributação. F, apenas o INSS pago dos dependentes com rendimento tributável. CASO2: TABELA NOVA DE IR FAIXA ALÍQUOTA PARCELA A DEDUZIR Até R$ 2.000,00 Isento - De R$ 2.000,01 até R$ 3.500,00 15% R$ 300,00 De R$ 3.500,01 até R$ 6.000,00 25% R$ 650,00 Acima de R$ 6.000,00 35% R$ 1.250,00

28 28 Manual de Contabilidade Tributária - Manual do Professor CASO3: PROFESSOR HUGO JOSÉ DE OLIVEIRA 1. No Colégio Verde, Hugo não terá nenhuma retenção. No Curso Amarelo, teve retenção mensal de R$ 102,95; E, no Colégio Rosa, teve IR retido de R$ 222, Não, pois não superou a 1ª faixa de tributação, que é de R$ 1.313, Segue o cálculo do IR devido e se Hugo terá que pagar IR ou não. Rendimentos Tributáveis - R$ ,00 (-) Desconto Padrão 20% - R$ ,72 Base de Cálculo - R$ ,28 27,5% - R$ ,83 (-) Parcela a Deduzir - R$ 6.302,28 Imposto de Renda Devido - R$ ,55 (-) Imposto de Renda Retido - R$ 3.909,12 IR a Pagar - R$ 8.359,43 4. Valor de cada parcela = R$ 1.671,89 30/abr/2008 R$ 1.671,89; 31/mai/2008 R$ 1.671,89 de principal mais R$ 16,71 (juros de 1%); 30/jun/2008 R$ 1.671,89 de principal mais R$ 50,16 (juros de 3%); 31/jul/2008 R$ 1.671,89 de principal mais R$ 91,95 (juros de 5,5%); e 31/ago/2008 R$ 1.671,89 de principal mais R$ 142,11 (juros de 8,5%); CASO4: FAMÍLIA DANTAS Renato Dantas deve fazer a declaração no modelo completo e Mônica no modelo simplificado, com os filhos informados na declaração de Renato. Veja os números: DECLARAÇÃO DE RENATO DANTAS Rendimentos Tributáveis R$ ,00 (-) Deduções (R$ ,64) - Dependentes R$ 4.548,96 - INSS R$ 2.640,00 - Educação R$ 6.247,68 Base de Cálculo R$ ,36 Alíquota de 27,5% R$ ,92 (-) Parcela a Deduzir (R$ 5.993,71) IR Devido R$ 4.171,21 IR Retido na Fonte 0 IR a Pagar R$ 4.171,21 DECLARAÇÃO DE MONICA DANTAS Rendimentos Tributáveis R$ ,00 (-) Desconto Padrão 20% (R$ 4.080,00) Base de Cálculo R$ ,00 Alíquota de 15% R$ 2.448,00 (-) Parcela a Deduzir (R$ 2.248,85) IR Devido R$ 199,15 IR Retido na Fonte 0 IR a Pagar R$ 199,15

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PAULO HENRIQUE PÊGAS Contador. Mestre em Ciências Contábeis pela UERJ - Professor de Contabilidade Tributária cursos de graduação e pós-graduação.

PAULO HENRIQUE PÊGAS Contador. Mestre em Ciências Contábeis pela UERJ - Professor de Contabilidade Tributária cursos de graduação e pós-graduação. PAULO HENRIQUE PÊGAS Contador. Mestre em Ciências Contábeis pela UERJ - Professor de Contabilidade Tributária cursos de graduação e pós-graduação. MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Freitas Bastos Editora

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007 SUPERAVIT - Boletim Eletrônico Fiscal Consultoria TRIBUTÁRIA: (84) 3331-1310 E-Mail: jorge@superavitcontabil@com.br MSN: superavit.contabil@hotmail.com SITE: www.superavitcontabil.com.br ASSUNTOS CONTÁBEIS

Leia mais

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário 1 NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário Curso: Ciências Contábeis Período: 6º Turno: Noite Sala: 106 Departamento: Ciências Contábeis Faculdade: FACISA Disciplina: Contabilidade Fiscal e Tributária AVALIAÇÃO

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

IPEC-RJ Apresenta. MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 8ª Edição ATUALIZAÇÃO Lei 12973/14 39 PERGUNTAS RESPONDIDAS

IPEC-RJ Apresenta. MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 8ª Edição ATUALIZAÇÃO Lei 12973/14 39 PERGUNTAS RESPONDIDAS IPEC-RJ Apresenta MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 8ª Edição ATUALIZAÇÃO Lei 12973/14 39 PERGUNTAS RESPONDIDAS Olá, aqui escreve o Prof. Paulo Henrique Pêgas. Ano retrasado, divulgamos um material comentando

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

PIS e COFINS. Rápido compêndio QUAIS AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO PARA AS PESSOAS JURÍDICAS EXISTENTES HOJE?

PIS e COFINS. Rápido compêndio QUAIS AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO PARA AS PESSOAS JURÍDICAS EXISTENTES HOJE? PIS e COFINS Rápido compêndio Planejamento Tributário é uma técnica gerencial que visa projetar as operações industriais e mercantis, conhecendo as obrigações e os encargos fiscais inseridos em cada uma

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

Manual do Usuário 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2

Manual do Usuário 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2 1 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2 5.1 Digitações dos Sócios...2 5.1.1 Campo CPF...2 5.1.1.a Campo Saldo Anterior...3 5.1.1.b Campo Saldo...3 5.1.1.c Campo Isento...3 5.1.1.d Campo Tributado...3

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL Sigrid Kersting Chaves IRPJ e CSLL PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO IRPJ CSLL CTN: Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da

Leia mais

Parte I INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA: CONCEITOS, PRINCÍPIOS E NORMAS BÁSICAS, 3

Parte I INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA: CONCEITOS, PRINCÍPIOS E NORMAS BÁSICAS, 3 Apresentação, xxv Prefácio à 12a Edição, xxvii Introdução, 1 Parte I INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA: CONCEITOS, PRINCÍPIOS E NORMAS BÁSICAS, 3 1 Contabilidade Tributária, 5 1.1 Conceito, 5 1.1.1

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO SIMPLES NACIONA

CARGA TRIBUTÁRIA PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO SIMPLES NACIONA 49 CARGA TRIBUTÁRIA S NÃO PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO L SIMPLES NACIONA A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP

TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O BENEFÍCIO DA SUBSTITUIÇÃO DE DIVIDENDOS E DA REMUNERAÇÃO DO TRABALHO DE SÓCIOS DIRIGENTES PELOS JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO - JCP AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO (JCP)

JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO (JCP) JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO (JCP) 1. CONCEITO E DEDUTIBILIDADE A entidade tem obrigações com os sócios cotistas e/ou acionistas, onde, até 31/12/1995 existiu a correção monetária de balanço, em que corrigia

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014

Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014 1 Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014 Alterações na Legislação do IRPJ, CSLL, PIS, COFINS e Extinção do RTT Junho/2015 2 1. Introdução à IN RFB nº 1.515/2014 Dispõe sobre a determinação e o pagamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

P L A N E J A M E N T O T R I B U T Á R I O. Lopes, Machado Auditores e Consultores Direitos Reservados

P L A N E J A M E N T O T R I B U T Á R I O. Lopes, Machado Auditores e Consultores Direitos Reservados P L A N E J A M E N T O T R I B U T Á R I O Planejamento Tributário Atividade empresarial estritamente preventiva Projeta atos e fatos administrativos Objetivo: redução da carga tributária Definição Legal

Leia mais

PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA

PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA Lucro Real Atualização para 2011 e Regime de tributação As empresas podem optar, entre outras, por um dos seguintes regimes de tributação: a) lucro real; ou b) lucro presumido.

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA PROGRAMA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS

Leia mais

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS - (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS FÍSICAS

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 O que se entende por lucro real e lucro tributável? Para fins da legislação do imposto de renda, a expressão lucro real significa o próprio lucro tributável, e distingue

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa.

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. A também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. É responsável pelo controle e bom andamento dos procedimentos

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1. Breve comentário sobre o plano de contas A contabilidade das empresas que tem como objeto social a atividade imobiliária, ou seja, a construção de unidades imobiliárias

Leia mais

Seminário DCTF/ DACON. Elaborado por: Liodoro Pereira de Castro O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Seminário DCTF/ DACON. Elaborado por: Liodoro Pereira de Castro O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3662-0035 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

SERVIÇOS SIMPLIFICADO

SERVIÇOS SIMPLIFICADO SERVIÇOS SIMPLIFICADO BLOCO 1 Econômico-Financeiro ANO-BASE 2001 CÓDIGO PAEP DA EMPRESA - GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Economia e Planejamento SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais