Ambiente macroeconômico e financeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ambiente macroeconômico e financeiro"

Transcrição

1 Ambiente macroeconômico e financeiro Introdução No primeiro semestre de, o cenário econômico mundial permaneceu complexo, e em um primeiro momento manteve o otimismo observado no final do ano anterior, contribuindo para elevar o apetite por risco e melhorar as condições de financiamento. No entanto, no segundo trimestre, houve elevação na volatilidade dos mercados, com efeitos adversos e generalizados sobre a precificação de ativos financeiros. Especialmente nas economias emergentes, as condições de financiamento ficaram menos favoráveis, levando a quedas nos mercados acionários e a desvalorizações cambiais. Nesse cenário, o BCB iniciou novo ciclo de aumento da taxa de juros e adotou medidas para manter a liquidez e reduzir a volatilidade no mercado de câmbio, sem contudo ter reduzido o nível das reservas internacionais. 1.2 Mercados financeiros internacionais A atividade econômica global seguiu em ritmo moderado de crescimento no primeiro semestre de, com desempenhos heterogêneos entre os países, destacando-se a aceleração do crescimento no Japão e no Reino Unido e a desaceleração na China. Depois de seis semestres consecutivos de contração, a Área do Euro voltou a crescer no segundo trimestre do ano, impulsionada pelos bons desempenhos de Alemanha e França, as duas maiores economias do bloco, enquanto que Itália e Espanha, respectivamente a terceira e quarta economias da região, contraíram menos que no trimestre anterior. A Área do Euro, no entanto, ainda se depara com os desafios da consolidação fiscal e com taxas de desemprego elevadas. Nos Estados Unidos (EUA), é importante ressaltar a melhora dos indicadores macroeconômicos do país, em especial os relativos aos mercados de trabalho e imobiliário, com impactos positivos no crescimento do consumo das famílias, ainda que diante de restrições fiscais. Nesse ambiente, observou-se, até meados de maio, intensificação do otimismo nos mercados financeiros, em parte favorecido pelo maior ativismo anticíclico por parte dos governos, o qual contribuiu para a redução da aversão ao risco e para a melhora continuada das condições de financiamento de economias mais vulneráveis, em especial na Europa. 2 Por outro lado, esse cenário, onde prevaleceu o relaxamento das condições de crédito e sinais de excessos na tomada de risco por parte dos investidores os quais passaram a demandar papéis de emissores com baixa qualidade de crédito a taxas historicamente reduzidas suscitou alertas de autoridades multilaterais. 3 Todavia, ao longo do mês de maio, verificou-se uma progressiva inflexão do sentimento dos investidores. As incertezas quanto ao início da redução no volume de compras de títulos pelo banco central norte-americano e seus impactos sobre a liquidez global implicaram a elevação da volatilidade nos mercados, com efeitos adversos e generalizados sobre a precificação de ativos financeiros. Especialmente nas economias emergentes, as condições de financiamento ficaram 2/ A consolidação desse ambiente foi favorecida por eventos ocorridos ainda em : encaminhamento do impasse fiscal nos EUA; adoção de medidas anticíclicas por parte de autoridades monetárias e fiscais nas maiores economias; e ratificação do Banco Central Europeu (BCE) como emprestador de última instância dos entes soberanos da Área do Euro. 3/ A esse respeito, vide, por exemplo: Caruana, Jaime. Bank for International Settlements General Manager. Debt, global liquidity and the challenges of exit (julho ), disponível em <http://www.bis.org/speeches/ sp pdf> e OECD (), OECD Economic Outlook, vol. /1, OECD publishing, disponível em <http://dx.doi.org/ /eco_outlookv-1-en>. Setembro Relatório de Estabilidade Financeira 7

2 menos favoráveis, levando a quedas nos mercados acionários e a desvalorizações cambiais. Nesse contexto, os prêmios de risco soberano de diversas economias, medidos pelos respectivos Credit Default Swaps (CDS) de cinco anos, aumentaram a partir de meados de maio de. Os prêmios dos CDS medidos em pontos-base () de África do Sul, Rússia, Turquia, Brasil, México e Chile avançaram para 216, 195, 191, 185, 131 e 98, respectivamente, ao final do semestre, de 143, 132, 127, 108, 98 e 72, na mesma sequência, no fim de (gráfico 1.1.1). Na Europa, os prêmios de risco soberano de Espanha, França e Itália, também medidos em pelos CDS de cinco anos, registraram variações mais modestas, declinando nos dois primeiros países para 281 e 80, de 295 e 91, na ordem; mas aumentando para 281 de 278, no último (gráfico 1.1.2). soberanos de dez anos dos EUA a 2,61%, em 25 de junho, nível mais alto em 22 meses, tendo recuado a 2,49% no final do mesmo mês, prevalecendo a alta de 0,73 ponto percentual (p.p.) no semestre. Na mesma base semestral de comparação, os rendimentos anuais de papéis similares de Alemanha e Itália registraram elevações respectivas de 1,32% para 1,73%; e de 3,81% para 3,95%; enquanto que os da Espanha reduziram de 5,27% para 4,77% (gráfico 1.1.3). Gráfico Rendimento de títulos soberanos 10 anos % a.a. 8,0 6,4 4,8 3,2 Gráfico CDS soberanos (5 anos) 1, , EUA Alemanha Itália Espanha África do Sul Rússia Turquia Brasil México Chile Gráfico CDS soberanos (5 anos) No mercado cambial, o dólar dos EUA se valorizou no semestre, em relação ao iene, 14,3%, e à libra esterlina, 6,8%, refletindo, de forma geral, o otimismo decorrente dos sinais de recuperação mais robusta nos EUA e, especificamente em relação ao iene, a intensificação do relaxamento monetário na economia japonesa. Em relação ao euro, a alta do dólar foi menos acentuada, 1,4% (gráfico 1.1.4). Em relação às moedas de economias emergentes, o dólar também se valorizou, com altas de 16,6%, 8,8%, 8,1%, 8,0% e 6,1%, respectivamente, frente ao rand sul-africano, real brasileiro, lira turca, rúpia indiana e peso chileno. Ressalve-se, entretanto, que a tendência de valorização do dólar frente às demais moedas de reserva 4 foi revertida entre meados de maio e de junho. Nesse intervalo, as moedas de economias emergentes estiveram pressionadas, haja vista a maior dependência de financiamento externo dessas economias, com o dólar valorizando-se, dada a perspectiva de redução da liquidez global (gráfico 1.1.5). Alemanha França Espanha Itália As expectativas de início do processo de redução do ritmo de compras de ativos por parte do Federal Reserve (Fed) levaram o rendimento anual dos títulos 4/ Moedas de reserva são as moedas que compõem a maior parte das reservas internacionais dos países. Alguns exemplos são: dólar Americano, euro, iene, franco suíço e libra esterlina. Setembro Relatório de Estabilidade Financeira 8

3 Gráfico Taxas de câmbio de economias avançadas. = ao final de junho, de 18,0 pontos no final de. No semestre, o VIX oscilou entre 11,3 e 20,5 pontos, pico alcançado em 20 de junho em meio às preocupações associadas à eventual antecipação da redução do ritmo de compra de ativos por parte do Fed (gráfico 1.1.8) Gráfico Bolsas de valores Economias desenvolvidas. = Euro/Dólar Iene/Dólar Libra/Dólar Gráfico Taxas de câmbio de economias emergentes versus dólar EUA. = EUA S&P 500 Reino Unido FTSE 100 Alemanha DAX França CAC 40 Japão NIKKEI Gráfico Bolsas de valores Economias emergentes. = Rand Real Lira turca Rúpia Peso chileno Os principais índices acionários de economias desenvolvidas e emergentes apresentaram comportamentos distintos. No semestre, as bolsas de valores de Japão, EUA, Alemanha, Reino Unido e França valorizaram-se, na ordem, 31,6%, 12,6%, 4,6%, 5,4% e 2,7% (gráfico 1.1.6). A alta observada no Japão refletiu, em especial, a intensificação das políticas expansionistas empreendidas naquele país. Em contraste, nos mercados emergentes, os índices acionários de China, México, Turquia e Índia recuaram, respectivamente, 12,8%, 7,1%, 2,4% e 0,2% no semestre, enquanto o da África do Sul avançou 0,8% (gráfico 1.1.7). Os ativos financeiros das economias emergentes foram especialmente afetados pela possibilidade de redução da liquidez global, tornando as condições de financiamento dessas economias menos favoráveis. O índice Chicago Board Options Volatility Index (VIX), que afere o sentimento dos investidores a partir da volatilidade implícita de curto prazo dos preços das opções do índice S&P500, diminuiu para 16,7 pontos China - SHCOMP México - IPC Turquia - ISE 100 Índia - SENSEX 30 África do Sul - JSE Gráfico CBOE volatility index VIX Índice de volatilidade pontos Setembro Relatório de Estabilidade Financeira 9

4 Os índices Morgan Stanley Capital International (MSCI) para bancos dos EUA, da Europa e de economias emergentes registraram variações de 19,4%, -3,2% e -9,2% ao longo do primeiro semestre de, ante altas respectivas de 2,5%, 23,3% e 16,4% no segundo semestre de. A alta nos preços das ações de bancos dos EUA superou o avanço do índice S&P500 e refletiu o otimismo com o avanço da atividade econômica local e o potencial impacto sobre os balanços dos bancos estadunidenses. Entre meados de março e de abril, o MSCI para bancos europeus e de mercados emergentes sofreu perdas decorrentes de incertezas associadas aos desdobramentos da crise de Chipre. Mais recentemente, entre 20 de maio e o fim de junho, os preços das ações dos bancos entraram em trajetória declinante na Europa, -12,7%, e nas economias emergentes, -14,1%, enquanto interromperam a tendência de alta nos EUA, refletindo preocupações associadas à diminuição da postura acomodatícia da política monetária dos EUA (gráfico 1.1.9). Gráfico Spread interbancário EUA e Área do Euro EUA: Libor vs. OIS 0 Área do Euro: Euribor vs. EONIA As condições de financiamento nos mercados interbancários 5 nos EUA e na Área do Euro mantiveramse favoráveis durante o primeiro semestre do ano, com os spreads, em relativa estabilidade ao longo do período, tendo registrado nos EUA os mesmos 15,9 no fim de junho e, na Área do Euro, reduzido para 11, de 12 no final de (gráfico ). A confiança no provimento da liquidez necessária aos sistemas bancários por parte das autoridades monetárias segue como fator importante para a normalização dos mercados interbancários. 5/ As condições de financiamento nos mercados interbancários foram avaliadas por meio da diferença entre as taxas Euribor (três meses) e Euro OverNight Index Average (EONIA), no caso da Europa; e, entre as taxas Libor (três meses) e Overnight Indexed Swap (OIS), nos EUA Gráfico MSCI Bancos. = 100 EUA Europa Economias emergentes 60 Os bancos da Área do Euro reportaram, ao longo do semestre, melhorias adicionais nas condições de acesso ao financiamento. No entanto, a pesquisa realizada pelo Banco Central Europeu (BCE) relativa ao segundo trimestre reportou melhoria menos acentuada no acesso ao financiamento na comparação com o trimestre anterior e apontou perspectiva de deterioração marginal das condições de financiamento para o terceiro trimestre de. 6 Ainda na Área do Euro, é importante destacar evidências de redução do grau de fragmentação financeira na região. 7 A despeito da melhora relatada pelos bancos, desde meados de maio, observou-se elevação expressiva nos custos médios de proteção contra default (CDS) de bancos europeus, repercutindo em custos mais elevados de proteção ao final de junho em comparação ao final de. No semestre, os prêmios médios 8 dos CDS de cinco anos de bancos avançaram 37,9% no Reino Unido, 24,9% na Itália, 14,8% na Alemanha, 9,4% na Espanha, e 9% na França, situando-se, respectivamente em 144, 361, 142, 304 e 166 Em relação aos bancos dos EUA, o prêmio médio dos CDS, em trajetória descendente até meados de maio, reverteu a tendência e registrou alta de 5,5% no semestre, situando-se em 118 no final do período (gráfico ). 6/ Vide The Euro Area Bank Lending Survey relativos ao primeiro e segundo trimestres de, publicados em abril e julho de, respectivamente, e disponíveis em <http://www.ecb.int/stats/money/surveys/lend/html/index. en.html>. 7/ Fragmentação manifesta pela migração de fluxos de não residentes dos países mais vulneráveis da Área do Euro (Grécia, Irlanda, Itália, Portugal e Espanha) para os seus mercados domésticos, assim como a transferência de depósitos de residentes dessas economias para outras consideradas mais seguras. 8/ Prêmios médios calculados pela média aritmética dos CDS dos dois maiores bancos de cada país pelo critério de capitalização de mercado. Exceção para os EUA, onde consideraram-se os bancos JPM Chase e Bank of America Setembro Relatório de Estabilidade Financeira 10

5 Gráfico CDS de 5 anos Bancos Prêmios médios de países selecionados 1/ Espanha França Alemanha Reino Unido EUA Itália Em síntese, apesar do progresso que vem sendo alcançado na restauração da solidez dos bancos, em especial nos EUA, ainda existem incertezas em relação à qualidade dos ativos nos respectivos balanços, notadamente nos bancos europeus, em razão da aplicação em títulos soberanos e da compressão de receita decorrente do fraco desempenho econômico. O balanço de riscos para a estabilidade financeira, positivo no início do período, deslocou-se a partir de maio, com a retração das condições de financiamento a partir da perspectiva de antecipação do início do processo de normalização das condições monetárias nos EUA e consequente contração da liquidez financeira global, que favorece a consolidação de taxas de juros de longo prazo mais elevadas e prejudica a retomada do crescimento econômico global. Em relação aos mercados emergentes, acrescente-se o risco de deterioração das condições de financiamento, com a possível reversão dos influxos de capital e ajustamentos desordenados nos preços dos ativos e mercado de crédito. Nesse contexto e, ainda, considerando as disparidades relativas ao ritmo de desalavancagem nas economias avançadas afetadas pela crise, a consolidação da estabilidade financeira em nível global ainda permanece frágil, apesar de avanços no fortalecimento dos balanços bancários. 1.3 Mercado financeiro nacional 50 1/ Calculados pela média aritmética dos prêmios de CDS dos dois maiores bancos pelo critério de capitalização de mercado de cada país. Exceção EUA: JPM Chase e Bank of America. Ao longo do primeiro semestre de, o aumento na aversão ao risco nos mercados internacionais levou à realocação de portfólios globais e influenciou negativamente diversos indicadores domésticos a avaliação de risco-país subiu; as taxas de juros locais se elevaram, principalmente as de médio e longo prazo, acompanhadas de maior volatilidade; o real, que chegara a apresentar valorização frente ao dólar norte-americano no primeiro bimestre, registrou desvalorização; e o mercado bursátil terminou o semestre em queda. No âmbito interno, contribuíram para esses movimentos a persistência da inflação, as sucessivas revisões para baixo das estimativas de crescimento econômico e o início, em abril, do ciclo de ajuste na taxa básica de juros. O Banco Central do Brasil (BCB) manteve a taxa básica de juros em 7,25% ao longo do primeiro trimestre de, após ter interrompido em outubro de sua estratégia de afrouxamento da política monetária. 9 Devido à persistência de índices de inflação mensais elevados e à desancoragem das expectativas de inflação futura 10, o Comitê de Política Monetária (Copom) explicitou em janeiro sua preocupação com o nível da inflação e com a dispersão dos aumentos de preços e, posteriormente, em abril, iniciou novo ciclo de aumento da taxa de juros, com elevação de 0,25 p.p. da meta para a taxa Selic, seguido de alta de 0,5 p.p. em maio (gráfico Evolução das taxas de juros). Ao longo desse semestre, as taxas de juros no mercado futuro apresentaram trajetória crescente, exceto as de curto prazo que, até meados de abril, permaneceram relativamente estáveis. A desvalorização cambial e a expectativa de redução dos estímulos monetários por parte do Federal Reserve e de revisão da perspectiva de rating soberano do Brasil 11 desencadearam um movimento de alta no mercado de juros futuros a partir de maio, resultando em aumento de inclinação da curva de juros doméstica. No mercado de câmbio, além das medidas adotadas pelo BCB para manter a liquidez e reduzir a volatilidade, no início de junho o governo federal retirou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) incidente sobre os investimentos estrangeiros em títulos de renda fixa no país 12 e também sobre contratos de derivativos financeiros que resultassem em aumento da 9/ De agosto de a outubro de, o BCB reduziu a taxa Selic em 5,25 p.p. 10/ As Resoluções nº 3.991, de 30 de junho de, nº 4.095, de 28 de junho de, e nº 4.237, de 28 de junho de, do Conselho Monetário Nacional (CMN), fixaram, respectivamente, as metas de inflação para, 2014 e 2015 em 4,5%, e os intervalos de tolerância em 2,0 p.p. abaixo e acima da meta. 11/ No início de junho, a agência de rating Standard & Poor s (S&P) manteve a nota do rating soberano do Brasil em BBB, mas rebaixou sua perspectiva de estável para negativa; em julho, a agência Fitch Ratings confirmou a nota de crédito de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil em BBB com perspectiva estável. 12/ Desde dezembro de 2010 a alíquota dessas aplicações estava em 6%. Setembro Relatório de Estabilidade Financeira 11

6 exposição cambial comprada ou em redução da exposição cambial vendida. 13 Gráfico Evolução das taxas de juros Taxa Selic e swap de 3 e 6 meses e de 1, 2 e 5 anos 6,5 Taxa Selic 3 meses 6 meses 1 ano 2 anos 5 anos Fontes: BM&FBovespa e BCB % a.a. As expectativas de mercado para o nível de atividade deterioraram-se ao longo do semestre e as previsões para o crescimento em foram sucessivamente revisadas para baixo. 14 Quanto à inflação, embora o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) tenha apresentado trajetória mensal declinante no semestre, o índice acumulado em doze meses atingiu 6,70% no período anual encerrado em junho. As expectativas de inflação para oscilaram em torno de 5,6%, acima da meta de 4,5% estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A persistência da inflação, o início do ciclo de alta da taxa básica de juros em abril, e o aumento da incerteza no mercado internacional favoreceram a elevação da curva de juros doméstica, principalmente as de médio e longo prazo. A volatilidade das taxas de juros domésticas aumentou no primeiro semestre de, particularmente nos meses de maio e junho. A expectativa de que o Fed poderia reduzir no curto prazo os estímulos monetários, a desvalorização do real ante o dólar e a subida das taxas de juros dos títulos do tesouro norte-americano contribuíram para a maior volatilidade das taxas no mercado doméstico (gráfico Volatilidade das taxas de juros). No semestre, até o início de março, o real apresentou valorização de 4,4% em relação ao dólar norteamericano, alcançando R$1,95/USD no dia 8. A partir de 12,5 11,3 10,1 8,9 7,7 maio, observou-se um movimento global de apreciação do dólar, influenciado principalmente pela expectativa de antecipação da retirada de estímulos monetários pelo Fed. Esse cenário e os novos sinais de desaceleração da atividade econômica na China colaboraram para a elevação da volatilidade e da aversão ao risco nos mercados financeiros internacionais, pressionando as cotações da moeda brasileira ante o dólar. O BCB, então, efetuou leilões de swap cambial tradicional 15 no valor nocional de US$26,3 bilhões. Ao final do semestre, a posição líquida em swap do BCB era passiva em câmbio em montante equivalente a US$18,0 bilhões. O real encerrou o semestre cotado a R$2,22/ USD, com desvalorização de 8,4% em relação ao dólar norte-americano. Diante do euro, no mesmo período, o real desvalorizou-se em 6,9%, refletindo a pequena desvalorização da moeda europeia em relação ao dólar (gráfico Taxa de câmbio). Gráfico Volatilidade das taxas de juros Fontes: BM&FBovespa e BCB Curto Médio Longo Gráfico Taxa de câmbio R$ / US$ 2,30 2,23 2,16 2,09 2,02 1,95 Fontes: BCB e Bloomberg R$ / US$ EUR / US$ % a.a 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 EUR / US$ 0,83 0,81 0,79 0,77 0,75 0,73 13/ Desde setembro de a alíquota dessas operações estava em 1%. 14/ De fato, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) foi abaixo das previsões no primeiro trimestre, mas o índice divulgado em agosto, para o segundo trimestre de, foi superior às expectativas de mercado. 15/ Esses leilões foram realizados no final de março, em maio e em junho a partir de 31/5, os leilões de swap cambial realizados pelo BCB passaram a ser referenciados à taxa Selic. Setembro Relatório de Estabilidade Financeira 12

7 O movimento de câmbio comercial foi de U$16,9 bilhões no semestre, porém, devido ao fluxo negativo no câmbio financeiro, o saldo de câmbio contratado ficou em US$9,5 bilhões. O volume líquido de investimento estrangeiro direto (IED) foi de US$30 bilhões no período. Já as reservas internacionais encerraram o mês de junho em US$369,4 bilhões, 1% mais baixas se comparadas ao final de. No mercado acionário, o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) apresentou trajetória declinante durante o primeiro semestre, encerrando o período com queda de 22,1% (gráfico Índice Ibovespa). Esse resultado refletiu a maior aversão a risco nos mercados financeiros, sobretudo no segundo trimestre do ano. Ainda assim, o ingresso líquido de recursos de investidores estrangeiros na BM&FBovespa totalizou R$4,2 bilhões no período, influenciado pelo fluxo positivo observado até abril. Gráfico Índice Ibovespa Pontos (mil) Fonte: BM&FBovespa Em síntese, o aumento da volatilidade nos mercados internacionais, particularmente no segundo trimestre, influenciou negativamente diversos indicadores domésticos, com elevação das taxas de juros, desvalorização do real frente ao dólar norte-americano e queda no mercado bursátil. Nesse cenário, o BCB iniciou novo ciclo de aumento da taxa de juros e adotou medidas para manter a liquidez e reduzir a volatilidade no mercado de câmbio, sem contudo ter reduzido o nível das reservas internacionais. Setembro Relatório de Estabilidade Financeira 13

Ambiente macroeconômico e financeiro

Ambiente macroeconômico e financeiro Ambiente macroeconômico e financeiro 1 1.1 Introdução A atividade econômica global se fortaleceu no segundo semestre de, com destaque para as economias maduras que, mesmo ainda expandindo abaixo da tendência

Leia mais

Ambiente macroeconômico e financeiro

Ambiente macroeconômico e financeiro Ambiente macroeconômico e financeiro 1 1.1 Introdução No primeiro semestre de, as políticas monetárias permaneceram acomodatícias nas economias avançadas, condicionadas por seus diferentes posicionamentos

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Maio de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Maio de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Maio de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: GDP Mais Fraco no Primeiro Trimestre...Pág.3 Europa: Curva

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real;

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; 20-jan-2014 Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; Ibovespa recuou 1,04% na semana, seguindo

Leia mais

Março 2014 Volume 13 Número 1

Março 2014 Volume 13 Número 1 Março 214 Volume 13 Número 1 Relatório de Estabilidade Financeira Março 214 Volume 13 Número 1 ISSN 2176-812 CNPJ.38.166/1-5 Relatório de Estabilidade Financeira Brasília v. 13 nº 1 mar. 214 p. 1-69 Relatório

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JULHO/13

Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Nos primeiros anos desta década, os bancos centrais, em diversas economias, introduziram políticas monetárias acomodatícias como forma de evitar

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional:

Relatório Mensal. Janeiro de 2015. Cenário Internacional: Relatório Mensal Janeiro de 2015 Cenário Internacional: EUA O diagnóstico dos membros do Federal Open Market Comittee (Fomc) sobre a atividade econômica é positivo: os EUA estão crescendo mais que a previsão,

Leia mais

Economia internacional

Economia internacional Economia internacional Tabela. Maiores economias Componentes do PIB / Variação trimestral anualizada Discriminação I II III IV I II III IV PIB Estados Unidos,7,,8,,,5,, -, -, -, -, -,8,,, -, -,7, -,5,,,,9,5

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fraqueza da indústria... Pág.3 Japão: Juros negativos...

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de 4 de maio

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

São Paulo, 22 de maio de 2014. Discurso do Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na inauguração do novo escritório da Bloomberg

São Paulo, 22 de maio de 2014. Discurso do Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na inauguração do novo escritório da Bloomberg São Paulo, 22 de maio de 2014 Discurso do Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na inauguração do novo escritório da Bloomberg Senhoras e senhores É com satisfação que participo hoje da inauguração

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional Ano 6 Edição: outubro/2014 nº 50 Informações referentes a setembro/2014 Cenários Cenário Internacional A economia norte-americana continua indicando crescimento sustentável. No entanto, nos últimos meses,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado;

Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado; 31-mar-2014 Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado; Dólar se deprecia 2,7% na semana, influenciado por entrada de fluxo positivo; Ibovespa sobe 5,0% na semana, se aproximando

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Boletim de Risco Ano III. Nº 23. Setembro/2015

Boletim de Risco Ano III. Nº 23. Setembro/2015 Boletim de Risco Ano III. Nº. Setembro/ Cenário Tal como sugerido no último boletim, observamos durante agosto uma piora generalizada em todos os indicadores de risco, inclusive no risco de mercado, levando

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015 Boletim de Risco Ano III. Nº. Agosto/ Cenário O mês de julho foi marcado por uma nova rodada de turbulências políticas e macroeconômicas que resultaram numa expressiva alta do CDS soberano brasileiro (gráfico.),

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL No mês de fevereiro foram divulgadas as estatísticas das principais economias mundiais. Cabe ressaltar ainda, o efeito negativo da crise na Ucrânia nos mercados internacionais, uma vez que o grau de tensão

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1 No segundo trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 1,41%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,51% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Economia internacional

Economia internacional Economia internacional A atividade econômica global segue aquecida em, em ritmo um pouco inferior ao elevado patamar alcançado em. Esse desempenho reflete a intensidade do crescimento nos Estados Unidos

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM JULHO São Paulo, 05 de agosto de 2011. O desordenado cenário externo seguiu impondo fortes perdas aos mercados de ações em todo o mundo durante o mês de julho. As bolsas de valores

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais