FACULDADE DE MEDICINA DO ABC RESIDÊNCIA MÉDICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE MEDICINA DO ABC RESIDÊNCIA MÉDICA"

Transcrição

1 REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE DA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC CAPÍTULO I DEFINIÇÃO, OBJETIVOS DE ORGANIZAÇÃO Artigo 1º - A Residência Médica constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada a médicos, sob a forma de cursos de especialização, caracterizada por treinamento em serviço em regime de tempo e dedicação integral sob a orientação de profissionais médicos de elevada qualificação ética e profissional (Lei n , de l, artigo 1º). Artigo 2º - Os programas de Residência Médica tem como objetivos fundamentais e indivisíveis: aperfeiçoamento progressivo do padrão profissional e científico do médico, melhoria da assistência médica à comunidade e servir de introdução aos Cursos de Pós Graduação (Stricto Sensu) nas áreas profissionalizantes, com duração de no mínimo 02(dois) anos. Artigo 3º - Os programas de Residência Médica a serem desenvolvidos na Faculdade de Medicina do ABC serão referendados pela Congregação, após aprovação e respectivo encaminhamento pela Comissão de Residência Médica. Artigo 4º - A Comissão de Residência Médica será assim constituída: 1º - Cada Disciplina com Programa de Residência Médica credenciado indicará o seu representante e seu suplente 2º - Nas áreas de Clínica Médica e Cirurgia Geral seus respectivos Departamentos indicarão seus representantes e suplentes único - Quando o Presidente for eleito, o departamento ou Disciplina que ele pertencer, terá que indicar outro representante, para exercer a coordenadoria e deverá ser substituído conforme dispositivo do parágrafo 1º e 2º.

2 3º - Os Médicos Residentes indicarão anualmente seus representantes; estes deverão ser um representante por departamento mais o presidente da AMERABC. 4º - A Comissão será renovável a cada dois anos, no mês de abril. Artigo 5º - No início de cada ano, o Médico Residente receberá uma cópia deste Regulamento e a programação de suas atividades para o período correspondente, que deverá ser fornecido pela COREME. Artigo 6º - A Bolsa de estudos conferida ao Médico Residente terá as características previstas pela legislação vigente (Lei n , de 5 de novembro de 1993). 1º - À Médica Residente, quando gestante, será assegurada licença de quatro meses mantida a Bolsa de Estudos, o período de Treinamento e a respectiva Bolsa de Estudos - serão prorrogados para permitir a conclusão do Programa (Lei n.6932, de , artigo 4º, 2º; 3º). 2º - Afastamento do Programa de Residência Médica não previsto pelo 1º do artigo 6º, deste Regulamento será estudado pela Comissão de Residência Médica, mas com reposição do período. 3º - Ao Médico Residente será assegurado 30 (trinta) dias de férias consecutivas por ano. CAPÍTULO II ACESSO AO PROGRAMA DE Artigo 7º - Poderão ingressar no Programa de Residência Médica da Faculdade de Medicina do ABC os Médicos formados por instituições oficiais ou reconhecidas, ou formados por instituições estrangeiras, desde que os respectivos diplomas, tenham validade no Brasil. Artigo 8º - O candidato ao Programa de Residência Médica da Faculdade de Medicina do ABC deverá:

3 a) apresentar requerimento à Comissão de Residência Médica, declinando seu nome, escola onde concluiu (concluirá) o curso médico e o Programa de Residência Médica que pretende cursar: b) atestado comprobatório de estar cursando o último ano do curso médico, ou diploma de médico; c) "curriculo vitae" onde constem atividades escolares, profissionais e científicas; d) submeter-se ao processo de seleção adotado pela Comissão de Residência Médica, visando classificação dentro do número de vagas existentes. Artigo 9º - Todos os Programas de Residência Médica sem Prérequisito da Faculdade de Medicina do ABC adotarão no processo de seleção dos candidatos, a mesma prova eliminatória em Medicina Geral, com igual número de questão sobre Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Obstetrícia e Ginecologia e Medicina Preventiva ou Social (Resolução n. 06/81, MEC, Secr. Ens. Sup. CNRM), composta - por 120 questões de múltipla escolha com 4 alternativas; 1º - A prova eliminatória terá peso de no mínimo 90% (noventa por cento) da nota final (Art. 2º Resolução 01/99 CNRM/MEC) com limite para aprovação em 50% do número de questões ou a metade superior a 50% da distribuição das notas pela Curva de Gauss. 2º - A prova oral, entrevista e/ou avaliação curricular específica para cada Programa, ficará a critério do Departamento ou Disciplina em questão, terá peso máximo de 10% (dez por cento) da nota final (Art. 2º - Resolução 01/99 CNRM/MEC), e aprovação nas mesmas características do parágrafo 1º e deverá constar do Edital o peso de cada etapa. 3º - Cada banca será composta por três docentes e/ou preceptores da área. Entre os docentes, um membro da Comissão de Residência Médica presidirá a banca. 4º - As bancas examinadoras farão a classificação final dos candidatos a serem encaminhados a Comissão de Residência. 5º - A classificação final dos candidatos deverá ser homologada pela Comissão de Residência Médica.

4 6º - Todos os Programas de Residência Médica com Pré-requisito da Faculdade de Medicina do ABC adotarão no processo de seleção dos candidatos, específica para cada área composta por 90 questões de múltipla escolha com 4 alternativas; terá peso mínimo de 90% (noventa por cento) da nota final (Art.3º da Resolução 01/99 CNRM/MEC), com limite para aprovação em 50% do número de questões ou a metade superior a 50% da distribuição das notas pela Curva de Gauss. As demais etapas prosseguirão conforme dispositivo dos parágrafos 2, 3, 4 e 5. Artigo 10º - A Comissão de Residência Médica preencherá as vagas que porventura surgirem posteriormente, chamando por ordem de classificação os candidatos até 60 (sessenta) dias após o início dos programas, determinado para o primeiro dia útil do mês de fevereiro. 1º - Os candidatos aprovados terão prazo para confirmação da vaga, determinado pela Comissão de Residência; 2º - Vencido o prazo acima, serão convocados na ordem de classificação os candidatos seguintes; 3º - Situações especiais serão estudadas pela Comissão de Residência Médica. ÚNICO Ao médico residente, quando CONVOCADO para o Serviço Militar fica, automaticamente, assegurada a reserva de sua vaga, devendo a referida convocação ser comunicada e documentada junto à COREME. CAPÍTULO III DO MÉDICO RESIDENTE Artigo 11º - O Residente é Médico que desenvolve atividades eminentemente práticas sob a forma de estágio hospitalar supervisionado, sendo seus deveres: a) a execução das tarefas que lhe forem atribuídas; b) o cumprimento das normas fixadas pela Comissão de Residência; c) a cooperação na orientação e ensino dos Internos.

5 Artigo 12º - Fica vetado ao residente sair do local de sua residência para acompanhar PACIENTE em AMBULÂNCIA seja qual for o motivo. CAPÍTULO IV AVALIAÇÃO, PROMOÇÃO E APROVAÇÃO Artigo 13º - Constarão de cada Programa de Residência Médica os critérios de avaliação, promoção e aprovação. Artigo 14º - Na avaliação periódica do médico residente serão utilizadas as modalidades de prova escrita, oral, prática ou de desempenho por escala de atitudes, que incluam atributos, tais como: comportamento ético, relacionamento com a equipe de saúde e com o paciente, interesse pelas atividades e outros. 1º - A frequência mínima das avaliações será mensal. 2º - A critério da COREME e da Coordenação do PRM poderá ser exigida monografia ou publicação de artigo científico, ao final do treinamento. 3º - Os critérios e os resultados de cada avaliação deverão ser do conhecimento do médico residente. Artigo 15º - O Residente cujo aproveitamento for considerado insatisfatório em determinado estágio, deverá realiza-lo novamente no período das férias, ou após o último estágio do ano em curso, podendo repor somente dois estágios sendo reprovado automaticamente, caso exceda este número de reprovações. Artigo 16º - A promoção do médico residente para o ano seguinte, bem como a obtenção do certificado de conclusão do programa, depende de: 1 - Cumprimento integral da carga horária mínima do Programa, ou sejam, 2880 (duas mil oitocentos e oitenta) horas anuais. 2º - Aprovação obtida através do valor médio dos resultados das avaliações realizadas durante o ano, com nota mínima 7,00 (sete). Artigo 17º - O não cumprimento do disposto no Artigo 16º deste Regulamento será motivo de desligamento do médico residente do Programa.

6 Artigo 18º - Conforme os conceitos recebidos os residentes serão classificados anualmente. Artigo 19º - A supervisão constante do médico residente deverá ser realizada por docente, ou por profissional qualificado. Artigo 20º - Ao término do Programa de Residência Médica a Comissão de Residência Médica conferirá através da Faculdade de Medicina do ABC o Certificado de Conclusão, no qual constará o registro na CNRM Comissão Nacional de Residência Médica. CAPÍTULO V COMISSÃO DE Artigo 21º - A Comissão de Residência Médica escolherá por votação simples o Presidente e o Vice-Presidente, que deverão ser referendados pela Congregação da Faculdade de Medicina do ABC. 1º - A Comissão de Residência Médica da Faculdade de Medicina do ABC é órgão de Assessoramento direto do Diretor e a ele é subordinado; Residência Médica. 2º - O Presidente será o elemento Executivo da Comissão de 3º - O Vice-Presidente o substituirá nos seus impedimentos. Artigo 22º - A Comissão de Residência Médica reunir-se-á mensalmente ou ainda extraordinariamente, em qualquer data, através de convocação do Presidente e/ou da metade de seus membros, com antecedência mínima de 24 (vinte e quatro) horas. Artigo 23º - As decisões serão tomadas em reunião da Comissão de Residência Médica em votação pelo sistema de maioria simples, estando presentes, pelo menos 50% de seus membros, sendo qualquer número de membros na segunda chamada. 1º - O Presidente só terá voto de desempate. Único - será redigida ata correspondente a cada reunião a ser discutida e aprovada na reunião seguinte.

7 Artigo 24º - É da competência da Comissão de Residência Médica: a) Fazer cumprir este Regulamento. b) Zelar pela manutenção do padrão da Residência Médica na Faculdade de Medicina do ABC. c) Rever periodicamente os Programas de Residência Médica da Faculdade de Medicina do ABC, apreciar as alterações dos Programas de Residência Médica existentes ou propostas de novos Programas de Residência Médica, sugerindo as modificações necessárias para adequá-los aos padrões de ensino da instituição e à legislação vigente, ou mesmo extinguir Programas considerados insatisfatórios. d) Solicitar credenciamento de Programas junto à Comissão Nacional de Residência Médica; e) coordenar e supervisionar a execução dos Programas de Residência Médica da Faculdade de Medicina do ABC. f) Envidar esforços junto às áreas competentes para a obtenção dos recursos necessários à execução dos Programas de Residência Médica da Faculdade de Medicina do ABC. g) Organizar, coordenar e supervisionar a seleção de candidatos aos programas de Residência Médica da Faculdade de Medicina do ABC. CAPÍTULO VI DISPOSIÇÕES DISCIPLINARES Artigo 25 - Sempre que houver infrações às normas, bem como ao Regimento Interno da COREME e ao Código de Ética Médica, os médicos residentes ficarão sujeitos às penalidades ora descritas: Advertência Verbal: Aplicar-se-á a penalidade de ADVERTÊNCIA VERBAL ao residente que cometer uma falta leve que, não configure prejuízo maior ao andamento do PRM e do Serviço.

8 Advertência por Escrito: Aplicar-se-á a penalidade de ADVERTÊNCIA POR ESCRITO ao Residente que cometer falta média que comprometa tanto o desenvolvimento do PRM quanto o funcionamento do Serviço. Suspensão: Aplicar-se-á a penalidade de SUSPENSÂO ao Residente que cometer uma falta considerada grave que é traduzida por: 1. Não cumprimento de tarefas designadas por falta de empenho do Residente; 2. Falta a plantões; 3..Desrespeito ao Código de Ética Médica; 4. Ausência não justificada do PRM por período superior a 24 horas; 5. Todas as faltas que comprometam severamente o andamento do PRM prejudiquem o funcionamento do Serviço ou evidenciem que o Residente seja incompatível com a Residência; 6. Agressões físicas entre Residentes ou entre Residentes e qualquer pessoa; Exclusão: Aplicar-se-á a penalidade de EXCLUSÃO ao Residente que: 1. Reincidir em falta grave; 2. Não comparecer as atividades do PRM, sem justificativa, por 3 (três) dias consecutivos ou 15 (quinze) dias intercalados no período de seis meses;

9 3. Reincidir em falta com pena máxima de suspensão ou for considerado reprovado em 2 (dois)estágio do PRM nas avaliações feitas pelas funções específicas. 4. Participar de trote tanto com alunos de Graduação como com Residentes, ou qualquer ato que o envolva em situações correlatas e que não condizem com a postura de um médico residente. Agravantes: Serão consideradas condições agravantes que podem causar ampliação das penalidades, quando houver reincidência: 1. Ação intencional ou má fé. 2. Ação premeditada. 3. Alegação de desconhecimento das normas do Serviço. 4. Alegação de desconhecimento do Regimento Interno da COREME e das diretrizes e normas dos programas de Residência Médica (PRM) da Instituição, bem como do código de Ética Médica. Único. O enquadramento do médico residente em qualquer das faltas especificadas neste artigo será determinada pela sua natureza e pelo seu grau. Artigo A penalidade de ADVERTÊNCIA VERBAL ficará a cargo do Coordenador do Programa de Residência Médica da especialidade, devendo ser aprovada pela COREME e registrada no prontuário de residente, que será cientificado. Artigo A pena de ADVERTÊNCIA POR ESCRITO será aplicada pelo Coordenador do Programa de Residência Médica da especialidade, devendo ser registrada em ata da COREME e no prontuário do residente, que será cientificado. I

10 Artigo 28 - A pena de SUSPENSÃO será decidida e aplicada pela Comissão de Residência Médica, com a participação do Coordenador do Programa, bem como do residente envolvido a quem é assegurado pleno direito de defesa, por escrito. 1º - Será assegurado ao médico residente punido com suspensão o direito a recurso, com efeito suspensivo, ao Coordenador da COREME, no prazo de três dias úteis, computados a partir da data em que for cientificado, devendo o mesmo ser julgado em até 7 (sete) dias, impreterivelmente, após o recebimento. 2º - O cumprimento da suspensão terá início a partir do término do prazo para recurso ou data da ciência da decisão do mesmo, conforme o caso. Artigo 29 - A aplicação da pena de EXCLUSÃO será precedida de sindicância determinada pela Comissão de Residência Médica, assegurando-se ampla defesa ao médico residente, com participação do Coordenador do Programa. Artigo 30 - São consideradas faltas graves: 1. Assumir atitudes e praticar atos que desconsiderem os doentes e familiares ou desrespeitem preceitos de ética médica e do regulamento do hospital. 2. Faltar aos princípios de cordialidade para com os funcionários, colegas ou superiores. 3. Usar de maneira inadequada instalações, materiais e outros pertences da instituição. 4. Faltar ao plantão sem justificativa. 5. Ausentar-se das atividades sem ordem prévia dos superiores. Artigo 31 - As transgressões disciplinares serão comunicadas à COREME, à qual cabem as providências pertinentes.

11 1 - Todos os casos deverão ser comunicados por escrito pela área de atuação do residente envolvido e/ou outras áreas que possam estar implicadas na ocorrência. 2 - As transgressões serão analisadas por subcomissão de apuração, designada pela Coreme, composta, por cinco Supervisores do Programa, indicados em reunião designada para esta finalidade. 3 - O prazo para apuração dos fatos, sua divulgação e medidas pertinentes é de 15 (quinze) dias corridos, excepcionalmente prorrogáveis por mais 15 (quinze) dias, por decisão do presidente da COREME. 4 - O residente poderá recorrer de decisão à COREME até 5 (cinco) dias após a divulgação da mesma; CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 32º - Não são aceitas outras categorias de médicos estagiários que não a de Médico Residente. Artigo 33º - Os casos omissos neste Regulamento serão resolvidos pela Congregação, ouvida a Comissão de Residência Médica. PROF. DR. ADILSON CASEMIRO PIRES DIRETOR DA FMABC PROF. DR. JOÃO ANTONIO CORRÊA PRESIDENTE COREME

MANUAL DO RESIDENTE HOSPITAL SANTA HELENA

MANUAL DO RESIDENTE HOSPITAL SANTA HELENA MANUAL DO RESIDENTE HOSPITAL SANTA HELENA MANUAL DO RESIDENTE HOSPITAL SANTA HELENA A Residência Médica constitui modalidade de ensino de pósgraduação, destinada a médicos, sob a forma de cursos de especialização,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA

REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA Artigo 1 o.- A Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) através da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação e de Hospitais e Serviços de Saúde conveniados,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (COREME-FMUSP)

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (COREME-FMUSP) REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (COREME-FMUSP) TÍTULO I - DA CATEGORIA, FINALIDADE E COMPETÊNCIA DA COMISSÃO E RESIDÊNCIA MÉDICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO CAPÍTULO I DA CONCEITUAÇÃO Artigo 1.º - O estágio curricular supervisionado é uma atividade de ensino, de natureza teórico-prática obrigatória, básica

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I Da Natureza e dos Objetivos Art. 1. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação,

Leia mais

Mantenedora: Associação Educacional e Tecnológica de Santa Catarina REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE.

Mantenedora: Associação Educacional e Tecnológica de Santa Catarina REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE. REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE. 1 SUMARIO REGULAMENTO DA FORMA DE COMPOSIÇÃO DO COLEGIADO DA FTA 3 CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento

Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento Faculdade de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Serviço Social Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (PPGSS), vinculado

Leia mais

Pós-Graduação. Lato Sensu. HOSPITAL DO CÂNCER DE BARRETOS - FUNDAÇÃO PIO XII PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO (Lato Sensu) REGIMENTO. TÍTULO I Dos Objetivos

Pós-Graduação. Lato Sensu. HOSPITAL DO CÂNCER DE BARRETOS - FUNDAÇÃO PIO XII PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO (Lato Sensu) REGIMENTO. TÍTULO I Dos Objetivos HOSPITAL DO CÂNCER DE BARRETOS - FUNDAÇÃO PIO XII PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO () REGIMENTO TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós Graduação em Oncologia (PLSO), vinculado ao Programa de Pós Graduação

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - A Comissão de Capacitação dos Servidores

Leia mais

Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde Regulamento

Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde Regulamento Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde

Leia mais

MANUAL DO PÓS-GRADUANDO DO PROGRAMA DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

MANUAL DO PÓS-GRADUANDO DO PROGRAMA DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO MANUAL DO PÓS-GRADUANDO DO PROGRAMA DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO ORIENTADOR A definição de orientador durante o processo seletivo é feita em função da afinidade de tema de pesquisa entre orientador e orientando,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE ODONTOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE ODONTOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE ODONTOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Odontologia,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE TÍTULO I Disposições Gerais Da Composição e da Finalidade Art.1º O Conselho Consultivo é um órgão colegiado de assessoramento

Leia mais

REGIMENTO DO MESTRADO EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR APLICADA

REGIMENTO DO MESTRADO EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR APLICADA REGIMENTO DO MESTRADO EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR APLICADA Ementa: Regimento do Programa de Mestrado em Biologia Celular e Molecular Aplicada CAPÍTULO I - OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado

Leia mais

FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde

FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde REGIMENTO GERAL DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE NA ÁREA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA COM ÊNFASE NA QUALIDADE DE PRODUTOS, AMBIENTES E SERVIÇOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

Regulamento. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral

Regulamento. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Regulamento Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica (Geronbio), vinculado ao Instituto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP FADISMA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP FADISMA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP FADISMA Titulo I Da Finalidade Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa da FADISMA (CEP), previsto no Código de Ética da Instituição, é uma instância

Leia mais

SOCIEDADE MÃE DA DIVINA PROVIDÊNCIA Rua Hervilio Luz, Centro - Lages SC

SOCIEDADE MÃE DA DIVINA PROVIDÊNCIA Rua Hervilio Luz, Centro - Lages SC SOCIEDADE MÃE DA DIVINA PROVIDÊNCIA Rua Hervilio Luz, 35-88501-011 - Centro - Lages SC Hospital Nossa Senhora dos Prazeres Clinitrauma - Ortopedia e Traumatologia de Lages SC Secretaria Municipal de Saúde

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

NORMA Nº 001, de 11 de julho de 2013.

NORMA Nº 001, de 11 de julho de 2013. NORMA Nº 001 de 11 de julho de 2013. Estabelece Normas Referentes à Avaliação do Rendimento Escolar dos alunos do Curso de Medicina O COLEGIADO DO CURSO DE MEDICINA DO CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU DA

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional PROFMAT. Regimento Interno do PROFMAT UFJF

Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional PROFMAT. Regimento Interno do PROFMAT UFJF Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional PROFMAT Regimento Interno do PROFMAT UFJF Da Natureza e dos Objetivos Art. 1º O Mestrado Profissional em Matemática

Leia mais

Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento Tributário

Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento Tributário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA UNIFIL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA UNIFIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA UNIFIL Capítulo I DAS GENERALIDADES Artigo 1º. O Programa de Residência em Medicina Veterinária (PRMV) é um programa intensivo de treinamento

Leia mais

MINUTA DO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANIMAIS SELVAGENS

MINUTA DO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANIMAIS SELVAGENS MINUTA DO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANIMAIS SELVAGENS Resolução UNESP nº de / /2015 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Animais Selvagens, Cursos de Mestrado Acadêmico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA / UNIFESP

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA / UNIFESP 1 REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA / UNIFESP COMISSÃO DE PRECEPTORIA DO DEPARTAMENTO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 2015 2 SUMÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Maio/2011 1

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA FAFIL/FAECO/FAENG Índice Capítulo I Das Finalidades 3 Capítulo II - Das Inscrições dos Alunos 3 Capítulo III - Dos critérios de

Leia mais

Capítulo I - Da caracterização. Capítulo II - Do objetivo

Capítulo I - Da caracterização. Capítulo II - Do objetivo REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO Capítulo I - Da caracterização Art. 1º. O Estágio Curricular Obrigatório Supervisionado (ECOS) é atividade individual obrigatória do Currículo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Colegiado Acadêmico de Ciências da Natureza Senhor do Bonfim Bahia Rua Tomás Guimarães S/N Fone: (74) 3221-4809 - www.univasf.edu.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º O presente regulamento interno disciplina a organização,

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO OBJETIVO Art. 1.º Os cursos de pós-graduação lato sensu do SENAI de São Paulo, obedecem o que dispõe a Resolução CNE/CES

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal da Saúde Hospital Materno Infantil Presidente Vargas

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal da Saúde Hospital Materno Infantil Presidente Vargas 2 0 1 2 Diretor Geral Dra. Maria Isabel de Bittencourt Diretor Administrativo Carlos Jorge Fernandes da Rosa Diretora Técnica Dra. Ângela Smagiotto Dr. André Campos da Cunha Presidente da COREME Comissão

Leia mais

EDITAL. Jahu, 06 de fevereiro de Antonio Luis Cesarino de Moraes Navarro Diretor-Superintendente

EDITAL. Jahu, 06 de fevereiro de Antonio Luis Cesarino de Moraes Navarro Diretor-Superintendente Processo Seletivo para Residência Médica em Patologia, Cancerologia Pediátrica, Hematologia e Hemoterapia, Cancerologia Clínica, Cancerologia Cirúrgica, Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Mastologia e Urologia

Leia mais

Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular. Regulamento

Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular. Regulamento Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Regulamento Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E SISTEMA DE GESTÃO 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão ( Comitê ) é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA FACULDADE

REGIMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA FACULDADE REGIMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENFERMAGEM DA FACULDADE A coordenação do Curso de Enfermagem da Faculdade de Ensino Superior KM 125, no uso de suas atribuições legais, resolve baixar

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO São Paulo 2011 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza e das Finalidades

Leia mais

TÍTULO I. Do Estágio Supervisionado Obrigatório e Supervisão. Capítulo I. Da Definição

TÍTULO I. Do Estágio Supervisionado Obrigatório e Supervisão. Capítulo I. Da Definição REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - UNESP CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE. TÍTULO I Do Estágio Supervisionado Obrigatório

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regimento disciplina

Leia mais

Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica

Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica Artigo lo. As normas e disposições estatutárias terão seus procedimentos regulamentados por este Regimento Interno. Das Representações Regionais

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL - PROJETO BARUERI

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL - PROJETO BARUERI o REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL - PROJETO BARUERI MANUAL DE PROCEDIMENTOS RECURSOS HUMANOS Este regulamento tem por objetivo realizar a contratação e seleção de Recursos Humanos, sob o Regime Jurídico

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGIMENTO DO ESTÁGIO TÍTULO I. Do Estágio

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGIMENTO DO ESTÁGIO TÍTULO I. Do Estágio UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM Campus Universitário - Martelos - Juiz de Fora - MG - 36036-330 - Fone (032) 3229-3000 Ramais 3820/ 3821/ Tel. Fax: (0XX32) 3229-3822 - Fone (0XX32)

Leia mais

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO MANTIDA PELA INSTITUIÇÃO PAULISTA DE ENSINO E CULTURA - IPEC TUPÃ SP 2016 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ELEIÇÃO SEÇÃO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. Aprova a criação e o Regulamento do Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino (Nufope), da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

Projeto de Lei n j b 3/05

Projeto de Lei n j b 3/05 PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO PRETO._... _._.. _._----_. Projeto de Lei n j b 3/05 Cria o Conselho Municipal de Educação de Ouro Preto - CME e dá outras providências. o povo do Município de Ouro Preto,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DA FUNDAÇÃO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL - FUSESC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DA FUNDAÇÃO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL - FUSESC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DA FUNDAÇÃO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL - FUSESC 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...03 CAPÍTULOI Da composição do Comitê de Investimentos...03 CAPÍTULO II Dos requisitos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA UNESP (POSMAT)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA UNESP (POSMAT) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS DA UNESP (POSMAT) Dos objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais da UNESP (POSMAT),

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CAPÍTULO I DAS CONSIDRAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário Financeiro e de Relacionamento com Investidores ( Comitê ) é um

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática. Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT CAPÍTULO II DA NATUREZA E OBJETIVOS

Sociedade Brasileira de Matemática. Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT CAPÍTULO II DA NATUREZA E OBJETIVOS Sociedade Brasileira de Matemática Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1 ⁰ O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Leia mais

Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017.

Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017. Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017. Regulamenta o Estágio Supervisionado Obrigatório dos alunos do Curso de Graduação em Engenharia Agronômica da Faculdade de Ciências Agrárias e Tecnológicas da Unesp

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática. Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

Sociedade Brasileira de Matemática. Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Sociedade Brasileira de Matemática Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional- PROFMAT CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1⁰ O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Leia mais

Coordenação de Ensino Gestão Pedagógica

Coordenação de Ensino Gestão Pedagógica Coordenação de Ensino Gestão Pedagógica EDITAL DO CURSO DE QUALIFICAÇÃO EM CARDIOLOGIA O HOSPITAL SÃO RAFAEL, instituição mantida pelo MONTE TABOR Centro Ítalo-Brasileiro de Promoção Sanitária, sediado

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 01, DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 01, DE 14 DE JANEIRO DE 2010. RESOLUÇÃO UNESP Nº 01, DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Aprova o Regulamento do Programa de Pósgraduação em Engenharia Civil e Ambiental, Curso de Mestrado Acadêmico, da Faculdade de Engenharia do Câmpus de Bauru

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 Assunto: Estabelece normas para atividades dos representantes de turma. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do

Leia mais

I Áreas e vagas Quadro 1 ACESSO DIRETO Programas Nº de Vagas Nº de Vagas Reservadas Duração/Anos

I Áreas e vagas Quadro 1 ACESSO DIRETO Programas Nº de Vagas Nº de Vagas Reservadas Duração/Anos A Comissão de Residência Médica (COREME) do Hospital Materno Infantil Presidente Vargas torna público o Processo Seletivo Público para preenchimento de vagas de Médicos Residentes para o ano de 2017, nos

Leia mais

AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA QUALIFICAÇÃO ACADÊMICA

AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA QUALIFICAÇÃO ACADÊMICA APROVADA ALTERAÇÃO na 34ª reunião do Conselho Superior realizada em 31/03/2017. AFASTAMENTO DE DOCENTES PARA QUALIFICAÇÃO ACADÊMICA Norma 018 Dispõe sobre os afastamentos dos docentes para qualificação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Aprovado em Reunião ordinária da CEPG em 03 de setembro de 2013 Capítulo I Disposição

Leia mais

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º A Fazenda Experimental da UDESC - CAV (FECAV) é um Órgão Suplementar Setorial do Centro de Ciências Agroveterinárias

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL Resolução UNESP nº 02, de 11 de janeiro de 2016 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental,

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP REGULAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO)

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP REGULAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO) SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP REGULAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO) Capivari de Baixo (SC), dezembro de 2014. CAPITULO I Da Criação

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROCESSO SELETIVO ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA PARA CANDIDATOS ESTRANGEIROS EDITAL Nº 003/2017

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROCESSO SELETIVO ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA PARA CANDIDATOS ESTRANGEIROS EDITAL Nº 003/2017 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROCESSO SELETIVO ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA PARA CANDIDATOS ESTRANGEIROS EDITAL Nº 003/2017 A SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE, pessoa jurídica de direito privado, representado

Leia mais

Edital publicado em 25/04/2017, no Diário Oficial - Poder Executivo Seção I págs. 272 e 273

Edital publicado em 25/04/2017, no Diário Oficial - Poder Executivo Seção I págs. 272 e 273 Edital publicado em 25/04/2017, no Diário Oficial - Poder Executivo Seção I págs. 272 e 273 FACULDADE DE MEDICINA DA USP - EDITAL ATAC/FM/016/2017 - ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO DE TÍTULOS E PROVAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002

RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002 RESOLUÇÃO Nº 36/2002, DE 13 DE JUNHO DE 2002 Altera o Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia - Habilitação Formação do Psicólogo, na forma do Anexo. O REITOR DA UNIVERSIDADE REGIONAL

Leia mais

Regulamento de Estágios do Curso de Odontologia UFJF/GV

Regulamento de Estágios do Curso de Odontologia UFJF/GV Universidade Federal de Juiz de Fora Campus Avançado Governador Valadares Regulamento de Estágios do Curso de Odontologia UFJF/GV TÍTULO I Da comissão orientadora de estágio CAPÍTULO I Dos objetivos Art.

Leia mais

UFCSPA - Edital 45/

UFCSPA - Edital 45/ Edital PROGRAD nº 45 de 05 de outubro de 2017 A Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas, no

Leia mais

CURSO: FISIOTERAPIA I DA CARACTERIZAÇÃO:

CURSO: FISIOTERAPIA I DA CARACTERIZAÇÃO: REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I e II CURSO: FISIOTERAPIA I DA CARACTERIZAÇÃO: Art.1º Estágio Supervisionado é disciplina oferecida aos alunos regularmente matriculados no oitavo e nono período

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - FCT/UNESP CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGE)

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - FCT/UNESP CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGE) FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - FCT/UNESP CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGE) Resolução UNESP nº de / /2012 Aprova o Regulamento do Programa de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de São Pedro da Aldeia/RJ

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de São Pedro da Aldeia/RJ Edital nº 02, de 26 de maio de 2010 1º PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA A FORMAÇÃO DE QUADRO DE RESERVA DE ESTAGIÁRIOS DE NÍVEL MÉDIO DA PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DA ALDEIA RJ I

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTRAORDINÁRIO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE EXTRAORDINÁRIO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS REGULAMENTO DE EXTRAORDINÁRIO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS REGULAMENTO DE EXTRAORDINÁRIO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS Regulamenta o extraordinário aproveitamento de estudos, previsto no 2º do art. 47 da Lei

Leia mais

Processo Seletivo para Residência Médica em Transplante de Medula Óssea Hospital Amaral Carvalho 2017

Processo Seletivo para Residência Médica em Transplante de Medula Óssea Hospital Amaral Carvalho 2017 Processo Seletivo para Residência Médica em Transplante de Medula Óssea Hospital Amaral Carvalho 2017 EDITAL. A Fundação Doutor Amaral Carvalho, mantenedora do Hospital Amaral Carvalho, comunica através

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E PROPEDÊUTICA CLÍNICA

REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E PROPEDÊUTICA CLÍNICA REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E PROPEDÊUTICA CLÍNICA TÍTULO I DO OBJETIVO Artigo 1 - O presente Regulamento subordina-se às normas de caráter geral, estabelecidas no Estatuto e Regimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO. RESOLUÇÃO nº 04/2017

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO. RESOLUÇÃO nº 04/2017 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO RESOLUÇÃO nº 04/2017 Regulamenta a dupla diplomação para os alunos dos cursos de graduação que

Leia mais

Resolução UNESP no. 84 de 29/06/2012, publicado DO 30/06/2012. TÍTULO I Do Programa

Resolução UNESP no. 84 de 29/06/2012, publicado DO 30/06/2012. TÍTULO I Do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREAS DE PERIODONTIA, ENDODONTIA E IMPLANTODONTIA DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE ARARAQUARA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA DA UFCSPA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA DA UFCSPA REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE FONOAUDIOLOGIA DA UFCSPA Aprovado em 1º de julho de 2016, pelo CONSEPE, através da Resolução nº 37/2016. CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1. Os

Leia mais

TITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

TITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E DO DESENVOLVIMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MESTRADO E DOUTORADO TITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Saúde Pública Gabinete do Secretário

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Saúde Pública Gabinete do Secretário Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Saúde Pública Gabinete do Secretário RESIDÊNCIA MÉDICA/2011 EDITAL Nº. 01/2010 O Secretário de Estado da Saúde Pública no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO O Estágio Curricular Supervisionado é componente curricular obrigatório dos cursos Superiores da FAC FUNAM, realizado em módulos determinados em seus

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (INTERNATO) DO CURSO DE MEDICINA FACIMED (69) facimed.edu.br

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (INTERNATO) DO CURSO DE MEDICINA FACIMED (69) facimed.edu.br MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (INTERNATO) DO CURSO DE MEDICINA FACIMED (69) 3311-1950 facimed.edu.br MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (INTERNATO) DO CURSO DE MEDICINA FACIMED 1- Definições Institucionais

Leia mais

FACULDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DE APUCARANA REGULAMENTO DE MONOGRAFIAS DO CURRÍCULO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FECEA

FACULDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DE APUCARANA REGULAMENTO DE MONOGRAFIAS DO CURRÍCULO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FECEA FACULDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DE APUCARANA REGULAMENTO DE MONOGRAFIAS DO CURRÍCULO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FECEA (Aprovado pelo Departamento de Economia através da reunião extraordinária

Leia mais

I Áreas e vagas Quadro 1 ACESSO DIRETO Programas Nº de Vagas Nº de Vagas Reservadas Duração/Anos

I Áreas e vagas Quadro 1 ACESSO DIRETO Programas Nº de Vagas Nº de Vagas Reservadas Duração/Anos A Comissão de Residência Médica (COREME) do Hospital Materno Infantil Presidente Vargas torna público o Processo Seletivo Público para preenchimento de vagas de Médicos Residentes para o ano de 2016, nos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DA MED IMAGEM S/C (A1) EDITAL N.

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DA MED IMAGEM S/C (A1) EDITAL N. PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DA MED IMAGEM S/C (A1) EDITAL N.º 01/16 Por este edital, o Dr. José Cerqueira Dantas, responsável pelo Programa

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FEFISO Faculdade de Educação Física da ACM de Sorocaba - Comissão Própria de Avaliação CPA REGULAMENTO INTERNO Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento contém as disposições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SUSTENTABILIDADE ( Regimento )

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SUSTENTABILIDADE ( Regimento ) REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SUSTENTABILIDADE ( Regimento ) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Este Regimento estabelece procedimentos a serem observados pelo Comitê de Sustentabilidade ( Comitê ), órgão de assessoramento

Leia mais

EDITAL CONCURSO PARA SELEÇÃO DE MÉDICOS RESIDENTES - ANGIORRADIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR 2014

EDITAL CONCURSO PARA SELEÇÃO DE MÉDICOS RESIDENTES - ANGIORRADIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR 2014 EDITAL CONCURSO PARA SELEÇÃO DE MÉDICOS RESIDENTES - ANGIORRADIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR 2014 A Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo - ISCMSP (Rua Dr. Cesário Mota Junior, 112 Vila Buarque

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte, instância

Leia mais

EDITAL 2017 Manual do Candidato

EDITAL 2017 Manual do Candidato PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM PSIQUIATRIA EDITAL 2017 Manual do Candidato Estarão abertas as inscrições para o PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM PSIQUIATRIA, no período e condições abaixo especificadas:

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1 o O Curso de pós graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP Seção de Pós-Graduação 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU REGULAMENTO DO PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA Resolução UNESP nº 64 de 18/08/2016. TÍTULO I Do Programa Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia, Cursos de MESTRADO

Leia mais