AULA 4: DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 4: DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO"

Transcrição

1 AULA 4: DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO Pessoal, estou adaptando o programa inicialmente proposto para atender ao edital da Receita Federal do Brasil. Desta forma, junto com este material, ao seu final, estou colocando uma breve apostila teórica sobre Análise das Demonstrações Financeiras, matéria nova deste concurso. Por esse motivo, temos poucos exercícios resolvidos neste tópico, que serão complementados na próxima aula. As resoluções dos exercícios de Análise também serão disponibilizadas nas próximas aulas, junto com os demais exercícios. Como o edital saiu nesta semana, estou revendo mais alguns exercícios de provas anteriores para passar para vocês. O objetivo de antecipar a parte teórica de Análise foi, apenas, agilizar o estudo de vocês. Força e disciplina galera. 4. DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO 4.1. Conceito a) Legislação Societária Os elementos que compõem o Ativo Imobilizado têm um período limitado de vida útil econômica, com exceção de terrenos e de alguns outros itens. Por isso, o valor de custo desses ativos deve ser reconhecido nos exercícios beneficiados por seu uso no decorrer de sua vida útil econômica. Vejam o que determina o artigo 183, 2º, da Lei nº 6.404/76: "A diminuição de valor dos elementos do ativo imobilizado será registrada periodicamente nas contas de: a) depreciação, quando corresponder à perda do valor dos direitos que têm por objeto bens físicos sujeitos a desgastes 1

2 ou perda de utilidade por uso, ação da natureza ou obsolescência; b) amortização, quando corresponder à perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial e quaisquer outros com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado; c) exaustão, quando corresponder à perda do valor, decorrente de sua exploração, de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou bens aplicados nessa exploração." Pelo exposto, a DEPRECIAÇÃO a ser registrada contabilmente, conforme determinação da legislação societária, a que corresponder ao desgaste efetivo pelo uso ou perda de sua utilidade, mesmo por ação da natureza ou obsolescência. b) Legislação Tributária Imposto de Renda da Pessoa Jurídica Os critérios de depreciação, de acordo com a Legislação Tributária, estão consolidados no Regulamento do Imposto de Renda nos artigos 305 a 323. Porém, as taxas anuais de depreciação admitidas pelo fisco para uso normal dos bens em um turno de oito horas diárias constam, todavia, estão definidas em Instruções Normativas dos anos de 1998 (nº 162) e 1999 (nº 130), baixadas pela Secretaria da Receita Federal. Para fins de concurso público, apenas as principais são cobradas. E, como veremos nas resoluções das questões, às vezes as taxas não são informadas. Por isso precisamos guarda-las. Vejam as mais importantes: Taxa Anual Anos de Vida Útil Edificações 4% 25 Máquinas e Equipamentos 10% 10 Instalações 10% 10 Móveis e Utensílios 10% 10 Veículos 20% 5 Computadores e Periféricos 20% 5 2

3 Muitos perguntam se é possível a utilização de taxas diferentes de depreciação, tendo em vista a determinação fiscal e porque muitas vezes em prova as taxas que são informadas são diversas daquelas adotadas pelo fisco. Vamos separar em duas vertentes. Para fins de prova, use sempre a taxa fornecida pelo examinador. Caso ele não forneça, utilize a taxa do fisco. A segunda, e que se refere a parte prática, basta saber que o fisco admite taxas diferentes, desde que tenha sido obtida através de laudo técnico do Instituto Nacional de Tecnologia, ou de outra entidade oficial de pesquisa científica ou tecnológica (art. 310, 2º, do RIR/99). É verdade que o fisco não costuma se importar se a empresa adotar taxas menores de depreciação que as admitidas. b.1. Aceleração da Depreciação A legislação tributária (artigo 312 do Regulamento do Imposto de Renda) prevê a possibilidade da empresa acelerar a depreciação dos bens móveis, em função do número de horas diárias de operação, dentro da lógica de que, se o bem foi usado por mais tempo, mais ele se desgastou. A aceleração é calculada da seguinte forma: - Se a empresa utilizar o ativo em um turno de 8 horas, a taxa de depreciação será a taxa normal. - Caso a empresa utilize o ativo em dois turnos de 8 horas, a taxa de depreciação será a taxa normal multiplicada por 1,5 - Se a empresa utilizar o ativo em três turnos de 8 horas, a taxa de depreciação será a taxa normal multiplicada por 2. Assim, se a empresa trabalha normalmente 8 horas diárias, a taxa admitida de depreciação das máquinas é de 10% ao ano. Caso trabalhe em dois turnos (16 horas), pode usar a taxa de 15% ao ano e se trabalha três turnos (24 horas), a taxa admitida é de 20% ao ano Depreciação de Bens Utilizados na Exploração de Minas e Jazidas No caso de exploração de minas e jazidas, conforme comentado na letra a do item 4.1, os bens aplicados nessa exploração devem ser depreciados. Como entender a expressão "bens aplicados nessa exploração"? São aqueles utilizados de tal forma que não terão normalmente utilidade fora desse empreendimento. É o caso de esteiras ou outros sistemas de transporte de 3

4 minério, de determinados equipamentos de extração etc., que só têm valor à medida que a jazida é explorada. Se forem bens cuja vida útil é inferior ao tempo previsto de exploração, deverão ser transformados em despesa nesse prazo menor. E se tiverem vida útil superior, podendo ser utilizados em outros lugares após o término da exploração da atividade onde se encontram, só deverão ser baixados pela diferença entre o valor de custo e o valor residual previsto para o fim dessa primeira atividade, de forma que uma parte do valor de aquisição seja contabilizada naquela outra utilidade posterior Amortização No caso da Amortização, somente se amortizam os imobilizados cujos valores se reduzem ao longo do tempo. Por exemplo, se uma Marca é considerada de grande valor, a empresa faz tudo para mantê-la válida jurídica e economicamente, e o consegue, não há razão para amortizá-la. (Isso também vale para outros ativos, como é o caso do ágio de fundo de comércio dos investimentos.) No caso de benfeitorias em propriedade de terceiros, a amortização deve ser pelo prazo contratual, a não ser que a benfeitoria tenha vida útil menor que tal prazo. Nesta última situação, temos, na verdade, uma depreciação. Esta situação também se aplica se não houver prazo contratual definido. 4.4 Cálculo da Depreciação, Amortização ou Exaustão O cálculo da depreciação, exaustão ou amortização deverá levar em conta o valor do Custo do Ativo e, quando for o caso, o valor de reavaliação decorrente de novas avaliações efetuadas no ativo imobilizado. Muito cobrado em prova a figura do Valor Residual. Podemos definir Valor Residual, com uma linguagem bastante coloquial, como o valor esperado do ativo ao final de sua vida útil. A técnica contábil determina que o valor residual do bem deve ser diminuído de seu custo de aquisição para determinar o valor-base de cálculo da depreciação. 4

5 Apenas como observação, não para fins de prova, gostaria de dizer que na prática é muito difícil a identificação de empresas que utilizem a figura do Valor Residual. Mas, em provas da Esaf este ponto é bastante cobrado Métodos de Depreciação Existem vários métodos para calcular a depreciação. Destes, os mais cobrados em prova são: a) Método das Quotas Constantes Neste método, a depreciação é calculada dividindo-se o valor a ser depreciado pelo tempo de vida útil do bem, e é representada pela seguinte fórmula: Custo de Aquisição menos Valor Residual Estimado/Período de vida útil Vejamos o seguinte exemplo: Custo do bem: R$ 6.000,00 Vida útil estimada: 5 anos (60 meses) Não há valor residual estimado Depreciação: R$ 6.000/60 meses = R$ 100/mês 60 b) Método da Soma dos Dígitos dos Anos Esse método é calculado como segue: 1) Somam-se os algarismos que compõem o número de anos de vida útil do bem. No exemplo anterior, teríamos: Soma = =15 2) A depreciação de cada ano é uma fração em que o denominador é a soma dos algarismos, conforme obtido em (1), e o numerador é, para o primeiro ano (n), para o segundo (n - l), para o terceiro (n - 2), e assim por diante, em que n = número de anos de vida útil, se calculado pelo método decrescente, ou seja, começamos depreciando mais para depois depreciarmos menos. Este método também é chamado de Cole. Exemplo usando os dados do item 1). 5

6 Ano Fração Depreciação Anual 1 5/15 R$ 2.000,00 (5/15 x R$ 6.000,00) 2 4/15 R$ 1.600,00 (4/15 x R$ 6.000,00) 3 3/15 R$ 1.200,00 (3/15 x R$ 6.000,00) 4 2/15 R$ 800,00 (2/15 x R$ 6.000,00) 5 1/15 R$ 400,00 (1/15 x R$ 6.000,00) Total Depreciação Acumulada = R$ 6.000,00 Esse método proporciona quotas de depreciação maiores no início e menores no fim da vida útil. Permite maior uniformidade nos custos, já que os bens, quando novos, necessitam de pouca manutenção e reparos. Com o passar do tempo, os referidos encargos tendem a aumentar. Esse crescimento das despesas de manutenção e reparos seria compensado pelas quotas decrescentes de depreciação, resultando em custos globais mais uniformes, conforme demonstrado graficamente: Obs.: Em prova também é cobrado uma variante deste método, em que as taxas de depreciação são calculada de maneira crescente, ou seja, no início depreciamos menos, aumentando com o passar dos tempos. O exercício número 09 abaixo tem um exemplo desse. Sempre que houver a cobrança, em prova, da soma dos dígitos dos anos, calcule pelo método decrescente, a não ser que expressamente seja cobrado o método crescente Registro Contábil da Depreciação O lançamento contábil para registrar a depreciação é como segue: Despesas de depreciação (ou Custos de Produção) a Depreciação Acumulada Esse lançamento registra um débito às contas de despesas do período (ou custos, se os ativos forem usados na produção) e um crédito à conta de 6

7 Depreciação Acumulada, conta credora que demonstra o total da depreciação acumulada até a data, e é apresentada nas demonstrações financeiras como redutora da conta de custo Exaustão A exaustão objetiva distribuir o custo dos recursos naturais durante o período em que tais recursos são extraídos ou exauridos. O método de cálculo de exaustão, que deve ser utilizado para fins contábeis, é o método de unidades produzidas (extraídas). De acordo com esse método, deve-se estabelecer a porcentagem extraída de minério no período em relação à possança (capacidade conhecida/estimada) total conhecida da mina. Tal percentual é aplicado sobre o custo de aquisição ou prospecção, dos recursos minerais explorados. Assim, temos como exemplo: a) Valor contábil das jazidas = $ ,00; b) Exaustão Acumulada até o exercício precedente -= $ ,00; c) Estimativa total de minérios da jazida (possança) = t; d) Extração neste exercício = t; e) Receita pela extração no exercício = $ ,00. O cálculo da despesa de exaustão (contábil) poderá ser: relação da extração do ano com a possança = t/ t = 10%; exaustão contábil = 10% sobre $ ,00 = $ 5.000,00; Exercícios: 01- (TRF /ESAF) A empresa Andaraqui S/A possui no Ativo Imobilizado um imóvel adquirido por R$ ,00 e Móveis e Utensílios adquiridos por R$ ,00. O desgaste desses bens é contabilizado anualmente, calculado pelo método da linha reta. No encerramento do exercício, em , o imóvel completou exatos oito anos de uso e os móveis apenas quatro anos. A vida útil do imóvel (edificação) foi 7

8 estimada em 25 anos e a dos móveis e utensílios em 10 anos. Os saldos não sofreram baixas, reavaliação, nem correção monetária. O custo do terreno equivale a 60% do imóvel. Com as informações supra alinhadas, feitos os cálculos corretos, podemos dizer que no balanço de , a depreciação acumulada de imóveis e de móveis e utensílios estará com saldo credor de a) R$ 4.600,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ ,00 e) R$ ,00 Solução: Inicialmente, vamos nos lembrar que Terrenos não se depreciam. Desta forma, temos que separar o valor do Terreno do valor da Edificação, do imóvel adquirido. O Imóvel foi adquirido por R$ ,00. O terreno representa 60% deste valor. Conseqüentemente, a parte edificada equivale a 40%, ou seja R$ ,00 (4-% x R$ ,00). Quando calcularmos a depreciação do imóvel, devemos considerar apenas o valor de R$ ,00. Os Imóveis são depreciados em 25 anos, ou seja, 4% ao ano. Em este ativo completou oito anos na empresa. Portanto, a sua Depreciação Acumulada será de R$ 8.320,00 (8 anos x 4% ao ano x R$ ,00). Os Móveis e Utensílios completaram quatro anos na empresa, em Como eles se depreciam em 10 anos, ou seja, 10% ao ano, a depreciação acumulada deste ativo será de R$ 8.000,00 (4 anos x 10% ao ano x R$ ,00). Como a questão pede a Depreciação Acumulada dos Imóveis e dos Móveis e Utensílios, a resposta é a letra c, R$ ,00 (R$ 8.320,00 + R$ 8.000,00). Gabarito - C 02- (AFTE - RN /2005) - A empresa Comércio de Linhas S/A promove, anualmente, a depreciação de seus ativos permanentes segundo o costume mercantil, mas sempre observando o valor residual de 15%. Este ativo está composto das contas - Móveis e Utensílios R$ ,00 8

9 - Veículos R$ ,00 - Edificações R$ ,00 - Terrenos R$ ,00 Todos esses elementos foram adquiridos há mais de dois anos, mas estão contabilizados pelo valor original de aquisição, apenas com as atualizações decorrentes dos princípios fundamentais de contabilidade. No exercício de 2003, para fins de encerramento do exercício social, a empresa deverá contabilizar encargos de depreciação no valor de: a) R$ ,00. b) R$ ,00. c) R$ ,00. d) R$ ,00. e) R$ ,00. Solução: Pessoal, reparem a figura do valor residual, diferentemente da questão acima. Conforme já comentamos, o valor residual deve ser diminuído do valor de aquisição para cálculo da depreciação. Percebam, também, que a questão informa um valor de terreno. Já sabemos que não se deprecia. Outro cuidado. Nesta questão é solicitado o encargo de depreciação, ou seja, apenas as despesas do exercício, e não a depreciação acumulada. Nesta questão não foram fornecidas as taxas de depreciação. Lembrem do que escrevi. Quando não fornecida a taxa, usem a da legislação fiscal. Passemos aos cálculos, então: Móveis e Utensílios R$ ,00 Valor Residual (15%) (R$ ,00) Valor Depreciável R$ ,00 Depreciação (10%) R$ ,00 Veículos R$ ,00 Valor Residual (15%) (R$ ,00) Valor Depreciável R$ ,00 Depreciação (20%) R$ ,00 Edificações R$ ,00 9

10 Valor Residual (15%) (R$ ,00) Valor Depreciável R$ ,00 Depreciação (04%) R$ ,00 Total da depreciação deste período R$ ,00 (R$ ,00 + R$ ,00 + R$ ,00) Gabarito D 03- (AFTE - RN /2005) - Os móveis e utensílios usados, vendidos pelos Armazéns Alfa Ltda. por R$ 4.500,00, renderam um ganho de capital líquido de R$ 1.500,00. Como ditos objetos foram adquiridos por R$ ,00 e tinham vida útil estimada em dez anos, sem valor residual, isto significa que, por ocasião da operação de venda, esses móveis já estavam depreciados em: a) 12,5%. b) 25,0%. c) 33,3%. d) 37,5%. e) 75,0%. Solução: Esta questão é uma mistura de Resultado Não Operacional com cálculo de Depreciação. Reparem, que o Ativo foi vendido por R$ 4.500,00, rendendo um Lucro (Ganho de Capital) de R$ 1.500,00. Ora, qual era, então, o custo contábil deste ativo (Valor Contábil)? Não podemos esquecer que o Valor contábil de um Ativo Permanente é o seu Custo de Aquisição menos a sua Depreciação Acumulada. Valor de Venda = R$ 4.500,00 Valor Contábil = (X) Ganho de Capital = R$ 1.500,00 O valor Contábil é de R$ 3.000,00. Como o Ativo custou R$ ,00, para que ele tenha um Valor Contábil de R$ 3.000,00, a sua Depreciação Acumulada tem que ser de R$ 9.000,00 (R$ ,00 R$ 3.000,00). Este valor (R$ 9.000,00) representa 75% do Custo de Aquisição (R$ 9.000,00/R$ ,00) 10

11 Gabarito E 04- (AFTE - RN /2005) - Considere os seguintes dados e informações sobre determinado bem de uso. - valor de mercado na data da compra R$ ,00 - valor de mercado em 31/12/2004 R$ ,00 - valor de aquisição R$ ,00 - valor residual estimado R$ 2.000,00 - data de aquisição 01/07/ vida útil estimada: cinco anos - data de encerramento de exercício social 31 de dezembro No exercício de 2004 o aludido bem de uso vai gerar encargos de depreciação no valor de: a) R$ 5.400,00. b) R$ 5.000,00. c) R$ 4.000,00. d) R$ 3.600,00. e) R$ 1.800,00. Solução: Questão elaborada com muitas informações para confundir o candidato. Qual o motivo de informar o valor de mercado do bem nas duas datas? Confundir. Essas informações não servem para nada. Lembrem do Princípio Contábil do Custo como Base de Valor Valor Original. Adquirimos o bem por R$ ,00 em Não importa a data de aquisição porque a questão trata da depreciação de A vida útil é de 05 anos, conseqüentemente, uma taxa de depreciação de 20% ao ano. O restante é calculo. Vejamos: Ativo Adquirido R$ ,00 Valor Residual (R$ 2.000,00) Valor Depreciável R$ ,00 Depreciação (20%) R$ 3.600,00 Gabarito D 11

12 05- (AFRE MG/ESAF 2005) A mina Etereal, após a aquisição e instalação, custara R$ ,00 aos cofres da nossa empresa, mas tinha capacidade estimada em 500 mil metros cúbicos de minério e foi instalada com capacidade de exploração em 8 anos, mantendo-se o residual de proteção de 20% da capacidade produtiva. Ao fim do 5º ano de exploração bem-sucedida, a mina foi alienada por R$ ,00, com quitação em vinte duplicatas mensais. Analisando essas informações, assinale abaixo a única assertiva que não é verdadeira. a) A exploração anual será de 50 mil m³ de minério. b) A taxa de exaustão será de 10% do custo total por ano. c) A taxa de exaustão será de 12,5% ao ano. d) Ao fim do 5º ano, a exaustão acumulada será de 50% do custo a mina. e) O custo a ser baixado no ato da venda será de R$ ,00. Solução: A Mina foi adquirida por R$ ,00, com uma capacidade estimada de metros cúbicos é uma exploração durante 8 anos. Com a falta de outras informações, concluímos que a exploração é linear, ou seja, 12,5% ao ano (8 anos x 12,5% ao ano = 100%). Atentar para o fato do residual de proteção de 20%, que deve ser calculado tanto em cima do custo de aquisição, quanto da capacidade conhecida. Desta forma, teríamos: 1) Exploração Anual: Mina metros cúbicos R$ ,00 Capacidade Residual (20%) ( ) metros cúbicos (R$ ,00) Capacidade Exaurível metros cúbicos R$ ,00 Exaustão (12,5% x ) metros cúbicos R$ ,00 A letra a está correta. 2) Como a Exaustão da Mina será de metros cúbicos, equivalente a 12,5% de metros cúbicos, se calcularmos metros cúbicos da capacidade conhecida ( metros cúbicos), encontraremos uma taxa de exaustão de 10%. Façam o mesmo cálculo para o valor da Exaustão (R$ ,00/R$ ,00). A letra b está correta. 12

13 3) Conforme já explicamos no início desta solução, a taxa de exaustão é de 12,5% ao ano. A letra c está correta. 4) Ao fim do 5º ano, a Exaustão Acumulada será de R$ ,00 (5 anos x R$ ,00 da exaustão anual) correspondente a 50% do custo de aquisição da mina. A letra d está correta. 5) O valor contábil da Mina no 5º ano, ano da venda, é igual ao custo de aquisição (R$ ,00) menos a Exaustão Acumulada (R$ ,00), ou seja, R$ ,00. Desta forma, quando a Mina foi vendida no 5º ano, o custo a baixado foi de R$ ,00 A letra e está errada. Gabarito - E 06- (GEFAZ MG/ESAF 2005) No final do exercício de 2002, no ativo do balanço patrimonial da Cia. Art. Atinga, constavam as seguintes contas e saldos: Veículos R$ 7.000,00 Depreciação Acumulada R$ 3.800,00 Sabemos que: 1. A conta de Veículos era constituída de:. - automóvel X, incorporado em por R$ 3.000,00 e vendido, a vista, em primeiro de janeiro de 2004, por R$ 1.500,00. - automóvel Y, incorporado em por R$ 4.000, Inicialmente, a vida útil dos bens havia sido estimada em 5 anos e o método de depreciação utilizado era o de linha reta Posteriormente, a vida útil do veículo foi reestimada para 2 anos, após dezembro de Ao fazer os cálculos e a contabilização adequada da depreciação dos veículos o Setor de Contabilidade apresentou as seguintes informações. Assinale a única afirmativa que não é verdadeira. 13

14 a) A alienação do automóvel X rendeu um lucro de R$ 900,00. b) O encargo de depreciação contabilizado no ano 2000 foi de R$ 1.000,00. c) O encargo de depreciação contabilizado no ano de 2003 foi de R$ 1.600,00. d) A depreciação acumulada em 30 de junho de 2003 foi de R$ 3.500,00. e) A depreciação acumulada no final do ano de 2003 foi de R$ 5.400,00. Solução: Prestem atenção. Apesar do tamanho desta questão, a solução é possível em poucos segundos. Olhem as informações. Foi dito que o veículo X foi vendido em , e nenhuma referência quanto ao veículo Y, ou seja, o veículo continua na empresa. No final do ano de 2002, a depreciação acumulada dos dois veículos era de R$ 3.800,00. Como o veículo X só foi vendido em 2004, a Depreciação Acumulada em 2003 tem que ser maior que R$ 3.800,00, que era o valor de Como podemos ter uma depreciação acumulada de R$ 3.500,00 em 30 de junho de 2003, conforme letra d? Impossível, concordam? Como a questão pede a afirmativa falsa, esta opção ( d ) é gabarito. Gabarito D 07- (AFRF /ESAF) A Cia. Poços & Minas possui uma máquina própria de sua atividade operacional, adquirida por R$ ,00, com vida útil estimada em 5 anos e depreciação baseada na soma dos dígitos dos anos em quotas crescentes. A mesma empresa possui também uma mina custeada em R$ ,00, com capacidade estimada de 200 mil kg, exaurida com base no ritmo de exploração anual de 25 mil kg de minério. O usufruto dos dois itens citados teve início na mesma data. As contas jamais sofreram correção monetária. Analisando tais informações, podemos concluir que, ao fim do terceiro ano, essa empresa terá no Balanço Patrimonial, em relação aos bens referidos, o valor contábil de: a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ ,00 e) R$ ,00 Solução: A máquina é depreciada com base na soma dos dígitos dos anos, de forma crescente, ou seja, inicialmente uma menor taxa, aumentando gradativamente. Desta forma, as depreciações anuais deste ativo serão: 14

15 Soma dos dígitos dos anos: = 15 1º ano: 1/15 x R$ ,00 = R$ 2.000,00 2º ano: 2/15 x R$ ,00 = R$ 4.000,00 3º ano: 3/15 x R$ ,00 = R$ 6.000,00 Portanto, a depreciação acumulada no terceiro ano vale R$ ,00 (R$ 2.000,00 + R$ 4.000,00 + R$ 6.000,00). O valor contábil desta máquina será de R$ ,00, correspondente ao custo de aquisição (R$ ,00), menos a depreciação acumulada (R$ ,00). Já a Mina, é exaurida a uma taxa constante, tendo em vista que o ritmo de exploração é de Kg de minério, de um total de Kg de minério. Esta exaustão corresponde a uma taxa de 12,5% (25.000/ ). Desta forma, a Exaustão Acumulada no final do terceiro ano será de R$ ,00 (12,5% x 3 anos x R$ ,00). Conseqüentemente, o valor contábil da mina será de R$ ,00 (R$ ,00 do custo de aquisição menos R$ ,00 da exaustão acumulada). Como a questão pergunta o valor contábil dos ativos em referência, a resposta é R$ ,00 (R$ ,00 + R$ ,00). Gabarito - D 08- (TRF /ESAF) Em primeiro de outubro de 2001, a Ameriflores Ltda. adquiriu um veículo usado por R$ ,00, pagando 60% a vista. O carro fora comprado novo pelo ora vendedor pela quantia de R$ ,00, há um ano e meio, e contabilizado com valor residual de R$ ,00. A depreciação considera a previsão normal do fisco para a vida útil de veículos (cinco anos). Em 31 de dezembro do mesmo ano, em relação ao referido veículo, pode-se afirmar que a) a conta Depreciação Acumulada desse veículo terá saldo de R$ 5.650,00. b) o valor contábil do veículo, no comprador, é de R$ ,00. c) a operação de compra deu ao vendedor um lucro de R$ 4.100,00. d) a operação de compra deu ao vendedor uma perda de R$ 500,00. e) o valor contábil do veículo, no comprador, é de R$ ,

16 Solução: Mais uma questão da Esaf com muitas informações que não servem para nada. Em 31 de dezembro o veículo não pertence mais ao adquirente inicial. Portanto, analisemos as informações no novo comprador. Não importa por qual valor o vendedor havia comprado o veículo. O que importa é qual pago pelo comprador. Nesse caso R$ ,00. Outro fato importante em provas da Esaf. Use a taxa de depreciação fornecida. Esqueça a legislação fiscal. SE foi dito que o veículo é depreciado em cinco anos, use esse prazo. Não importa que o Imposto de Renda tenha regra própria para depreciação de bens usados. Assim, considerando que o veículo foi comprado em primeiro de outubro, neste primeiro ano a depreciação será feita em apenas três meses. Se a taxa anual é de 20%, em três meses a taxa será de 5% (3/12 x 20%). Aplicando esta taxa ao valor de custo do ativo, a depreciação no período será de R$ 1.150,00 (5% x R$ ,00) e o valor contábil em 31 de dezembro R$ ,00 (R$ ,00 do custo de aquisição menos R$ 1.150,00 da depreciação acumulada). Gabarito E 5. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 5.1 CONCEITOS Estudo da situação patrimonial da entidade, através da decomposição, composição e interpretação do conteúdo das demonstrações contábeis, visando obter informações analíticas e precisas sobre a situação geral da empresa. 5.2 OBJETIVO Fornecer informações numéricas de dois ou mais períodos, de modo a auxiliar acionistas, administradores, fornecedores, clientes, governo, instituições financeiras, investidores e outras pessoas físicas ou 16

17 jurídicas interessadas em conhecer a situação da empresa ou para tomar decisões. O estudo da situação patrimonial deve ser conduzido para os aspectos fundamentais: o aspecto econômico e o aspecto financeiro. É por esse motivo que a análise contábil também é conhecida como análise econômico-financeira. A análise econômica estuda a rentabilidade do patrimônio em todos os seus aspectos enquanto a análise financeira conduz ao estudo da liquidez financeira do patrimônio. Convém ressaltar que estas duas análises se complementam e, para que as conclusões sejam satisfatórias, estes dois aspectos devem ser analisados em conjunto. 5.3 TIPOS DE ANÁLISES de Estrutura, Vertical ou de Composição de Evolução, Horizontal ou de Crescimento por Diferenças Absolutas de Quociente ou Razão 5.4 ANÁLISE VERTICAL OU DE ESTRUTURA A análise vertical é desenvolvida por meio de comparações relativas entre os valores dos elementos contábeis constantes de uma mesma demonstração financeira. Esta análise permite que se conheçam as alterações ocorridas na estrutura do patrimônio e do resultado da empresa ao longo do tempo, complementando as conclusões por meio da análise horizontal. 17

18 Podemos afirmar que a análise vertical não sofre a influência dos efeitos da inflação porque utiliza dados contábeis expressos em moeda de uma mesma data. 5.5 ANÁLISE HORIZONTAL OU DE EVOLUÇÃO A análise horizontal ou de evolução mostra a evolução de uma série de valores ao longo do tempo, fixando um determinado período como base, ao qual se atribui o índice 100. Para se obter o índice relativo aos outros exercícios, dividem-se o valores correspondentes pelos valores dos itens adotados como base e multiplicam-se por 100. Por comparar valores constantes das demonstrações financeiras em datas diferentes, a análise financeira sofre acentuada influência do efeito da inflação. De modo que, ao se trabalhar com valores históricos, devem-se inflacionar ou deflacionar os diversos valores com a finalidade de que fiquem expressos em moeda de uma mesma data, minimizando, assim, o efeito inflacionário. 5.6 ANÁLISES POR QUOCIENTES A análise por quocientes consiste no estabelecimento de relações entre dois valores representativos dos saldos de contas ou de um grupo de contas, com a finalidade de evidenciar algum aspecto da situação econômica e financeira da empresa. Do quociente entre dois valores relacionados, obtém-se um índice, por meio do qual se mede um determinado aspecto, que pode ser econômico ou financeiro. Daí porque a classificação em índices econômicos e índices financeiros. Os índices econômicos medem os aspectos relacionados com a rentabilidade enquanto os índices financeiros medem os aspectos relacionados com a liquidez e a estrutura do capital da empresa. 18

19 A ÍNDICES DE LIQUIDEZ Tem como objetivo avaliar a capacidade financeira da empresa, para satisfazer compromissos de pagamentos com terceiros. A.1 LIQUIDEZ ABSOLUTA, IMEDIATA OU INSTANTÂNEA (LI) LI = Disponível / Passivo Circulante A.2 LIQUIDEZ SECA (LS) LS = Ativo Circulante Estoques / Passivo Circulante A.3 LIQUIDEZ CORRENTE (LC) LC = Ativo Circulante / Passivo Circulante A.4 LIQUIDEZ GERAL (LG) LG = Ativo Circulante + Ativo Realizável a Longo Prazo / Passivo Circulante + Passivo Exigível a Longo Prazo A.5 SOLVÊNCIA GERAL (SG) SG = Ativo Total / Passivo Exigível B ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO B.1 ENDIVIDAMENTO TOTAL (ET) ET = Passivo Exigível / Ativo Total 19

20 B.2 GARANTIA DE CAPITAL DE TERCEIROS (GT) GT = Patrimônio Líquido / Passivo Exigível B.3 RELAÇÃO DE DÍVIDAS DE CURTO PRAZO (PC) COM DÍVIDAS TOTAIS COM TERCEIROS (PE) Relação = Passivo Circulante / Passivo Exigível C ÍNDICES DE ROTAÇÃO Determinam o giro (velocidade) dos valores aplicados. C.1 ROTAÇÃO DO ATIVO Giro = Vendas / Ativo Total C.2 ROTAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Giro = Vendas / Patrimônio Líquido C.3 ROTAÇÃO OU GIRO DO ATIVO OPERACIONAL (RAO) RAO = Vendas Líquidas / Ativo Operacional Ativo Operacional = Ativo Circulante + Ativo Permanente Imobilizado + Ativo Permanente Diferido C.4 ROTAÇÃO OU GIRO DO ATIVO TOTAL MÉDIO Giro = Vendas Líquidas / Ativo Total Médio C.5 - PRAZO MÉDIO DE RENOVAÇÃO DE ESTOQUES 20

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

AULA 5: RESULTADO DO EXERCÍCIO

AULA 5: RESULTADO DO EXERCÍCIO AULA 5: RESULTADO DO EXERCÍCIO E os estudos, como estão? Não esqueçam, disciplina e força. A prova está chegando. Começarei resolvendo as questões de análise da aula anterior. Depois tratarei do resultado

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Análise demonstrações financeiras instrumento de grande utilidade; Previsão de insolvência; Análise de informação objetiva do desempenho.

Análise demonstrações financeiras instrumento de grande utilidade; Previsão de insolvência; Análise de informação objetiva do desempenho. 1. Histórico Análise de Balanço: ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Uérito Cruz Na década de 30, surgiu dentro da empresa Du Pont, de Nemours, um modelo de análise da rentabilidade de empresa que

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Aula Nº 9 Depreciação Conceitos e Métodos

Aula Nº 9 Depreciação Conceitos e Métodos Aula Nº 9 Depreciação Conceitos e Métodos Objetivos da aula: Esta aula tem por objetivo apresentar conceitos de Ativo Imobilizado, Depreciação, Amortização e Exaustão e os métodos de depreciação para calcular

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica

Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica O fluxo de caixa resume as entradas e as saídas efetivas de dinheiro ao longo do horizonte de planejamento do projeto, permitindo conhecer sua rentabilidade

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ!

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03 Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Olá colegas! Realizaremos hoje um pequeno simulado para o concurso do ISS RJ. Lembrando que quaisquer dúvidas podem ser

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!!

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Olá concurseiros (as)! Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Vamos lá!!! 01. (ESAF Analista da Receita

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL 790 E S A F 9. GANHOS POR COMPRA VANTAJOSA - JUSTO PAGO GANHO POR COMPRA VANTAJOSA CUSTO DE JUSTO 10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O JUSTO É IGUAL AO PATRIMONIAL goodwillvalor justoigual

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

AULA 8: FLUXO DE CAIXA

AULA 8: FLUXO DE CAIXA AULA 8: FLUXO DE CAIXA E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração do Fluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendo uma introdução teórica

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo Apostila 2 de Contabilidade Geral I Prof. Ivã C Araújo 2013 Sumário 1 Procedimentos Contábeis... 3 1.1 Escrituração contábil... 3 1.1.1 Lançamentos Contábeis... 3 1.1.1.1 Fórmulas de Lançamentos... 3 1.2

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS

CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS Olá, pessoal. Com a autorização para a realização do concurso da Receita Federal, vários candidatos que já fizeram algum tipo de curso de contabilidade (inclusive conosco),

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização; 3 FORMAÇÃO DO CUSTO O custo dos imóveis vendidos compreenderá obrigatoriamente: I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

Leia mais

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 2.1 ENUNCIADO...3 2.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...3 2.3 GABARITO...5 3 QUESTÃO 30 DOAR...6 3.1 ENUNCIADO...6 3.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...6 3.3 GABARITO...9 4 FECHAMENTO...9

Leia mais

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12.

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12. Lins (SP), 12 de Março de 2.010. À SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS Rua Silvio Marchione 3-55 Bauru SP. ILMO.SR. Diretor - Presidente Encaminhando em anexo, o Relatório

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber:

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber: 1. Conceito ATIVO PERMANENTE No Ativo as contas devem estar dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nela registrados, nos seguintes grupos: ~ Ativo Circulante; ~ Ativo Realizável

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos (valor: 10 pontos)

Prova de Conhecimentos Específicos (valor: 10 pontos) Prova de Conhecimentos Específicos (valor: 10 pontos) Leia, atentamente, as informações que se seguem. A ENERGÉTICA COMÉRCIO LTDA. é uma empresa atacadista do setor alimentício e encerra Exercício Social

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Yumara Vasconcelos Doutora em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Contabilidade pela Fundação Visconde de Cairu (FVC). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Católica

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

AULA 6: IMPOSTO DE RENDA

AULA 6: IMPOSTO DE RENDA AULA 6: IMPOSTO DE RENDA Pessoal inicialmente desculpe pelo atraso no envio deste capítulo. Como já coloquei no quadro de avisos estava em Brasília e não consegui trabalhar com o material enquanto na capital.

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR AULA:2 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Nesta aula vamos tratar das OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Tendo em vista a relevância deste assunto, vou dividi-lo em duas etapas. Nesta Aula 2, vamos trabalhar com as operações

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 14 PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 QUESTÃO 31 O Ativo representa um conjunto de: a) bens intangíveis. b) dinheiro na empresa. c) bens para investimento. d) bens e direitos da empresa. QUESTÃO 32 Um pagamento

Leia mais

Índice de Questões por Assunto:

Índice de Questões por Assunto: Prezados Alunos, Para treinar para as provas da Receita Federal (Auditor e Analista), segue a resolução da prova de Auditor-Fiscal da Receita Federal de 2000. Aproveito a oportunidade para divulgar os

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

MODELO DE PLANO DE CONTAS

MODELO DE PLANO DE CONTAS 26 MODELO DE PLANO DE CONTAS SINTÉTICA ANALÍTICA TÍTULO 1 ATIVO 1.1 CIRCULANTE 1.1.1 DISPONÍVEL 1.1.1.1 Caixa 1.1.1.2 Bancos Conta Movimento 1.1.1.3 Aplicações de Liquidez Imediata 1.1.2 CRÉDITOS DE VENDAS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 12 Conceituação de patrimônio Classificação de bens patrimoniais Sistema de depreciações Determinação de vida útil Renovação de equipamentos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais